Você está na página 1de 70

0

Elísio Eusébio Cabral

O Trabalho de Campo como Método no Processo Ensino Aprendizagem em Geografia da


8ª Classe na Escola Secundária de Montepuez – (2015 – 2017)
Licenciatura em Ensino de Geografia com Habilidades em Turismo

Universidade Pedagógica
Montepuez
2018
1

Elísio Eusébio Cabral

O Trabalho de Campo como Método no Processo Ensino Aprendizagem em Geografia da


8ª Classe na Escola Secundária de Montepuez - (2015 – 2017)

Monografia Científica a ser apresentada no


Departamento de Ciências de Terra e Ambiente, para
fins de Obtenção do grau de Licenciatura em Ensino de
Geografia com Habilitações em Turismo, sob orientação
da:
dra. Giselda José Luís
_____________________________________
A Supervisora

Universidade Pedagógica
Montepuez
2018
2

Índice

Declaração…………………………………………………………………………..
……………..v
Dedicatória……………..………………………………………………………………...……….vi
Agradecimento……………………………………………..………………………………….....vii
Epígrafe………………………...………………..………………………………………...…....viii
Lista de Abreviaturas………………………………………………………………………...…...ix
Lista de imagens e Gráficos………………………………………………………….……………x
Lista de Tabelas…………………………………………………………………………………..xi
Resumo………...…………………………..……………………………………………….....…xii
Introdução......................................................................................................................................13
1. Aspectos Preliminares do Trabalho........................................................................................16
1.1. Problematização.....................................................................................................................16
1.2. Formulação de Hipóteses.......................................................................................................17
1.2.1. Variáveis..............................................................................................................................17
1.3. Justificativa.............................................................................................................................18
1.4. Objectivos...............................................................................................................................19
CAPÍTULO I: REVISÃO DA LITERATURA.............................................................................20
1. Processo Ensino Aprendizagem de Geografia.......................................................................20
1.1. Ensino.....................................................................................................................................20
1.2. Aprendizagem........................................................................................................................20
Didáctica e Pedagogia....................................................................................................................22
Teoria de Base................................................................................................................................23
Teoria Pedagógica..........................................................................................................................25
2. O Trabalho de Campo............................................................................................................26
2.1. Campo....................................................................................................................................26
2.2. A Paisagem.............................................................................................................................26
2.3. O Lugar...................................................................................................................................26
2.4. Potencialidades do Trabalho de Campo.................................................................................29
2.5. Tipos de Trabalho de Campo.................................................................................................29
Enquadramento do Trabalho do Campo na Geografia como Disciplina Escolar..........................31
3. Importância do trabalho de campo.........................................................................................32
3.1. Formas e Procedimentos do Trabalho de Campo...................................................................33
3

CAPÍTULO II: PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS.........................................................35


1. Metodologia da pesquisa........................................................................................................35
1.1. Tipos de Pesquisa...................................................................................................................35
1.2. Métodos..................................................................................................................................36
1.3. Técnicas e Instrumentos de Colecta de Dados.......................................................................37
1.3.1. Observação..........................................................................................................................37
1.3.2. Entrevista.............................................................................................................................37
1.3.3. Questionário........................................................................................................................38
2. Universo.................................................................................................................................38
2.1. Amostra..................................................................................................................................38
CAPÍTULO III: APRESENTAÇÃO, ANÁLISE, INTEPRETAÇÃO E DISCUSSÃO DOS
DADOS..........................................................................................................................................39
A Escola em Estudo.......................................................................................................................39
Localização Geográfica da Escola Secundária de Montepuez......................................................39
1.1. Breve Historial da Escola Secundária de Montepuez............................................................40
1.1.1. Directores que passaram por esta Escola............................................................................41
1.2. Características Físicas das Infra-estruturas da Escola Secundária de Montepuez.................41
1.3. Efectivo dos Professores de geografia e geral da ESM..........................................................43
1.4. Apresentação, análise e interpretação dos dados obtidos durante o questionário dirigido aos
alunos da 8ª classe da ESM............................................................................................................44
1.4.1. Conteúdos leccionados versus a percepção da matéria pelos alunos..................................44
1.4.2. Aplicação do princípio de comparação com a realidade mais próxima do aluno...............45
1.4.3. Consolidação dos conteúdos leccionados com a prática ou realidade................................47
1.4.4. Satisfação dos alunos em relação os conteúdos leccionados na sala de aulas.....................47
1.4.5. Domínio e aplicação dos conteúdos estudados na sala de aula pelos alunos......................48
1.4.6. Lugares essenciais de Montepuez para a realização do trabalho de Campo.......................49
1.4.7. Estação meteorológica de Montepuez como espaço potencial para realização do trabalho
de campo........................................................................................................................................50
1.4.8. Análise do contributo do trabalho do campo para os alunos da 8a classe da ESM.............50
1.5. Apresentação, análise e interpretação dos dados obtidos durante a entrevista dirigida aos
professores de Geografia da Escola Secundária de Montepuez.....................................................51
1.5.1. Contributo do trabalho de campo na aprendizagem dos alunos..........................................51
1.5.2. As formas de uso de trabalho de campo pelos professore da ESM.....................................52
1.5.3. Eficácia do trabalho de campo na aprendizagem do aluno.................................................53
4

1.5.4. Inclusão do trabalho de campo como método na planificação dos professores..................54


1.5.5. O contributo que o trabalho de campo pode fornecer ao aluno como benefícios...............54
1.5.6. Aprender Geografia num ambiente informal......................................................................55
1.5.7. As Formas de maximização do uso do trabalho de campo deixadas pelos professores......56
1.6. Apresentação, análise e interpretação dos dados obtidos durante a entrevista dirigida ao
director Adjunto da Escola (DAE) da ESM...................................................................................57
1.6.1. Contributo do trabalho de campo na aprendizagem dos alunos..........................................57
1.6.2. Realização do trabalho de campo pelos Professores da ESM.............................................58
1.6.3. Acções do DAE em relação ao trabalho de campo na ESM...............................................58
1.6.4. Participação do DAE na elaboração dos planos..................................................................58
1.6.5. Recomendações deixadas pelo director adjunto da ESM do 1o ciclo..................................59
1.7. Apresentação dos dados obtidos durante a Observação na ESM...........................................59
2. Validação das Hipóteses.........................................................................................................61
Considerações Finais.....................................................................................................................63
Sugestões........................................................................................................................................64
Referências Bibliográfica...............................................................................................................65
Apêndices..............................................................................................................................LXVIII
Apêndice I................................................................................................................................LXIX
Apêndice: II..............................................................................................................................LXXI
Apêndice: III...........................................................................................................................LXXII
Apêndice: IV..........................................................................................................................LXXIII
Anexos...................................................................................................................................LXXIV
5

Declaração

Declaro por minha honra que esta monografia científica é o resultado da investigação pessoal e
da orientação da minha supervisora, o seu conteúdo é original e todas as fontes consultadas estão
devidamente mencionadas no texto nas notas e na referência bibliográfica.

Declaro ainda que este trabalho não foi apresentado em nenhuma outra instituição para obtenção
de qualquer grau académico.

Montepuez aos ____ de ____________________________2018

___________________________________________________
vi6

Dedicatória

Ao meu Pai EUSÉBIO CABRAL in memória!


A Minha Mãe Lúcia Armando Lupera e ao Meus Irmãozinhos Delfim e Locília Eusébio Cabral.
vii
7

Agradecimentos

A minha gratidão é incomensurável, por isso, pretendo expressar o meu profundo e sincero
agradecimento, em primeiro lugar a Deus altíssimo todo-poderoso pela saúde, coragem e energia
concedidas sem as quais jamais teria condições para existir e, por me ter facultado o dom da
Sabedoria, Perseverança, pela sua protecção e a pela vida que me concedeu.
A minha família, eu sei que as palavras não chegam para expressar minha gratidão, mas em
Especial o agradecimento vai aos Meus Irmãos Cristina Eusébio Cabral, Nelson Eusébio Cabral,
Donald Eusébio Cabral, Conceição Eusébio Cabral, Estefânia Eusébio Cabral, Dodor Eusébio
Cabral, Felizardo Eusébio Cabral e Esménio Eusébio Cabral pelo amor incondicional,
incomensurável e pela coragem, confiança e forças que sempre depositaram em mim para
continuar.
A minha Mãe Lúcia Armando Lupera pelo amor incondicional e pela coragem, confiança e força
que sempre me deu para continuar.
A minha Supervisora a dra. Giselda José Luís Laice, pela paciência, acompanhamento durante o
percurso do curso e na orientação para a produção desta monografia.
Ao docente Crissantos Arnaldo Matias Reveque pelo ânimo de sempre estar presente para me
ajudar em qualquer situação académica.
Aos docentes do departamento de ciências de Terra e Ambiente pelo acompanhamento.
Aos meus colegas que juntos, passaram momentos de conflitos e sempre conseguimos
ultrapassar e a todos que me apoiaram de forma directa e indirecta na realização desta
Monografia Científica e durante todo o curso.

Aos que, dia após dia, lutam pelo progresso da Educação Geográfica e do Ensino da Geografia
nas Escolas Secundárias moçambicanas e através deste pela preservação e conservação da
natureza para a nossa sobrevivência e das gerações futuras.

Em fim para toda família Cabral, dizer que a humildade nos torna completos e juntos atingimos
o impossível. Aliás, nada é impossível nas mãos de Deus pai altíssimo.

Vai o meu muito OBRIGADO!


8viii

Epígrafe

“Educar é um processo no qual a criança ou o adulto convive com o outro e ao conviver se


transforma espontaneamente, de maneira que seu modo de viver se faz progressivamente, mais
congruente com o do outro no espaço de convivência. O educar ocorre, portanto, todo o tempo,
de maneira recíproca como uma transformação estrutural contingente a uma história no conviver
que resulta que as pessoas aprendem a viver de uma maneira que se configura segundo o
conviver da comunidade onde vivem”.

Por Maturana (1994)


ix
9

Lista de Abreviaturas

DAE – Director Adjunto da Escola


EP – Estagio Pedagógico
EPG – Estagio Pedagógico de Geografia
ESG – Ensino Secundário Geral
ESM – Escola Secundária de Montepuez
H – Homem
H. – hipóteses
M – Mulheres
MINEDH – Ministério de Educação e Desenvolvimento Humano
P. – Pergunta
PEA – Processo Ensino Aprendizagem
Prof. – Professor
Prof. A, B, C – designações dos professores entrevistados
SNE – Sistema Nacional de Ensino
UP – Universidade Pedagógica
10
x

Lista de imagens e Gráficos

Figura 1: Esboço da Localização da ESM……………………………………...…………….…


40
Imagem 1: infra-estruturas da escola…………….……………………………………………...42
Gráfico 1: nível de percepção dos alunos. …………….………………………………………..45
Gráfico 2: uso de princípio de comparação com realidade mais próxima do aluno…………..46
Gráfico 3: índice Satisfação dos alunos em relação os conteúdos leccionados………………...48
Gráfico 4: índice de domínio e aplicação dos conteúdos estudados………………………..….49
Imagem 2: sala de aula com professor a leccionar……..……………………..………………..60
xi
11

Lista de Tabelas

Tabela 1: variáveis…………………………………………………………….………..……….17
Tabela 2: Estratégias de trabalho de campo integradas……………….……………….……….30
Tabela 3: efectivo de professores de Geografia com o respectivo nível de formação…….……43
Tabela 4: formas de maximizar o uso do trabalho de campo deixado pelos professores……..56

xii

Resumo

A presente pesquisa pretende maximizar o uso do trabalho de campo como método principal do ensino da
geografia, sustenta-se também, que o trabalho de campo serve para motivar e despertar o interesse do
aluno a participar na vida social, promovendo o contacto com o meio ambiente, que a partir dai o aluno
12

desenvolve suas capacidades de aprendizagem ganhando mais habilidades e competências, contudo,


levanta-se a seguinte pergunta, de que forma o trabalho de campo pode ajudar os alunos da 8ª classe da
escola secundária de Montepuez no seu processo ensino e aprendizagem? Pois, o trabalho de
campo funciona como motivação e estimulo para os alunos gostarem mais da geografia e facilita ao aluno
a adquirir mais conhecimento do mundo que o rodeia. Na verdade, o trabalho de campo pode ajudar
aos alunos da 8ª classe a construir um conhecimento sólido através do contacto com a realidade
do seu ambiente, assim, vai garantir o relacionamento contínuo com o meio ambiente . Durante a
pesquisa feita na escola Secundária de Montepuez constatou-se que os professores não utilizam o trabalho
de campo nas suas aulas de geografia o que faz com que os alunos não gostem de participar nas suas
aulas, porque não são motivados e não são levados para receber aulas fora da sala de aulas habitual ou em
um ambiente informal, também constatou-se que os professores têm as competências e capacidades, mas
não utilizam estas competências para aplicar o trabalho de campo. O objectivo desta pesquisa é Conhecer
o contributo do trabalho de campo como método do processo ensino e aprendizagem de geografia na 8ª
classe da escola secundaria de Montepuez. Sugere-se que os professores da ESM comecem a utilizar este
método para dar mais enfâse as aulas de geografia, apliquem o trabalho de campo para conteúdos
necessários, no entanto, os professores devem incluir o trabalho de campo na sua planificação para
maximizar o seu contributo e, portanto, melhorar com a qualidade de ensino no nosso país e em particular
no município de montepuez.

Palavra-chave: Trabalho de Campo, Ensino da Geografia, Metodologia de Ensino, PEA;

Summary

The present research intends to maximize the use of fieldwork as the main method of teaching of
Geography, it is also maintained that the fieldwork serves to motivate the interest and awaken the student
to participate in social life, promoting contact with the environment, that from there the student develops
his her learning abilities gaining more skills and competences, however, the following question is raised,
in what way the fieldwork can help the students of the grade 8 students of Montepuez Secondary School
in its teaching and learning process? For the reason that the fieldwork works as a motivation and stimulus
for students to like Geography better and it facilitates students to acquire more knowledge of the world
that surrounds them. In fact fieldwork can help 8th graders to build a solid knowledge through contact
with the reality of their environment, thus ensuring the ongoing relationship with the environment.
During the research done at Montepuez Secondary School teachers were not able to use this fieldwork in
their Geography classes, which meant that students did not like to participate in their classes because they
were not motivated and not taken to receive classes outside the usual classroom or in an informal setting,
it was also found that teachers have skills and abilities, but do not use these skills to apply fieldwork. The
objective of this research is to know the contribution of fieldwork as a method of teaching and learning
process of Geography in the 8th graders of Montepuez Secondary School. It is suggested that teachers of
Montepuez Secondary School begin to use this method to give more emphasis to Geography classes, to
apply the fieldwork in their planning to maximize its contribution and, therefore, to improve with the
quality of teaching in our country and in particularly in the Montepuez municipality.

Keywords: Fieldwork, Teaching of Geography, Teaching Methodology, teaching and learning process;
13

Introdução

O ensino da Geografia tem sido um dos temas em destaque nos debates nacionais e
internacionais, quando se trata da ciência geográfica. Neste contexto, a pesquisa tem como tema
o trabalho de campo como método no processo de ensino e aprendizagem de Geografia da 8ª
classe na Escola Secundária de Montepuez. Com o objectivo de conhecer o contributo do
trabalho de campo como método no processo ensino e aprendizagem de Geografia na Escola
Secundária de Montepuez. No entanto, não há utilização deste método pelos professores na
ESM, uma vez que, os conteúdos são simplesmente explanados. Por isso, levanta-se a seguinte
questão de que forma o trabalho de campo pode ajudar os alunos da 8 a classe da ESM no seu
PEA?

A justificativa desde estudo, pretende maximizar o uso do trabalho de campo na Escola


Secundária de Montepuez, mediante este problema, a realização do trabalho de campo
proporciona, além da aquisição de conceitos científicos mas o desenvolvimento de
procedimentos que os alunos utilizarão em outros trabalhos. Dentre os procedimentos, podem-se
destacar a observação, a descrição dos locais, o registo das informações obtidas e a análise dos
dados. Tal actividade, se conduzida numa perspectiva de construção do conhecimento,
oportuniza também o desenvolvimento de atitudes positivas em relação ao espaço de vivência do
aluno, na medida em que contribui para o entendimento de seu meio social. Contemplando pelas
facilidades ou vantagens do trabalho do campo pode-se salienta que ele pode ajudar o aluno a
perceber melhor os conteúdos lecionados de forma teórica podendo garantir uma percepção
condigna. Contudo, na falta de apropriação deste método no ensino deixa a aprendizagem do
aluno cada vez mais perplexa. Para a aquisição dos dados foi necessário o uso da pesquisa de
campo, através das técnicas de observação, entrevista e questionário.

O presente estudo, apresenta a seguinte estrutura: Introdução a parte inicial do trabalho que faz a
descrição de tudo que se tratou no trabalho; Desenvolvimento, dividido e três (3) capítulos a
saber: Capitulo I: relata sobre a revisão de literatura; Capitulo II: nesta parte evidencia-se todos
os procedimentos metodológicos recorridos para a concretização da pesquisa; Capitulo III: são
apresentados, analisados, interpretados e discutidos os dados colhidos no campo, verificação das
hipóteses e por último a conclusão que é fecho consta a conclusão final da pesquisa, compressão
e sugestões.
14

1. Aspectos Preliminares do Trabalho

Tema: O Trabalho de Campo como Método no Processo Ensino Aprendizagem em Geografia da


8ª Classe na Escola Secundária de Montepuez – (2015 – 2017).
 Delimitação do Tema
Na concretização desta pesquisa científica o Trabalho de Campo como método no processo
Ensino e Aprendizagem em Geografia da 8ª classe na Escola Secundária de Montepuez o estudo
fez-se num período equivalente a 3 anos de 2015 – 2017.
 Objecto de estudo da pesquisa
A pesquisa, tem como objecto de estudo o trabalho de campo no Processo Ensino-Aprendizagem
de Geografia.
 Linha de pesquisa
O presente tema enquadra-se na linha de pesquisa Avaliação e qualidade do ensino em
Geografia.

1.1. Problematização

Os professores da Escola Secundária de Montepuez apresenta-se com menor interesse sobre o


uso da metodologia do trabalho de campo por motivos desconhecidos, sejam eles pela falta de
conhecimento da sua importância para os submetidos no processo, assim sendo, os alunos
passam o período lectivo nas salas de aulas, ou seja, tendo aulas teóricas, não tendo nenhuma
oportunidade de realizar um trabalho de campo na disciplina de geografia, isto constitui um
grande problema na aprendizagem dos alunos, visto que, o conhecimento deles se torna abstracto
o que não deveria ser, e com isso, nos remete a pensar que ainda estamos perante a geografia
tradicional, enquanto, a geografia é uma ciência prática e ela se insere no estudo do espaço e os
fenómenos que decorrem que o homem ou mesmo o aluno se encontra. Contudo, o distrito de
Montepuez é vasto e oferece paisagens que merecem destaque, também há ocorrência de alguns
minérios, dentre outros fenómenos que, os alunos deveriam ser conduzidos para estes locais a
fim de se conectarem com o meio geográfico.

A maioria parte das pessoas ainda têm o pensamento tradicionalista que a disciplina de
Geografia foi concebida como mera descrição e retransmissão de dados e informações, cabendo
aos alunos memorizá-las. Actualmente os alunos devem saber sobre o seu ambiente e a realidade
que o envolve, aspectos que podem servir de ponto de partida e referência para estudo do espaço
geográfico. A Geografia é ainda uma ciência caracterizada pela somatória de contribuições
15

multidisciplinares que permitem definir e caracterizar um lugar, possibilitando ao indivíduo


condições de compreender a paisagem que o cerca. No entanto, estas e outras possibilidades nos
levam a pensar sobre importância do trabalho de campo no desenvolvimento da mentalidade e
capacidades do aluno sobre a realidade dos fenómenos que ocorre no meio geográfico.

Assim sendo, formula-se a seguinte pergunta de Partida: Qual pode ser o Contributo do
Trabalho de campo no Processo Ensino e Aprendizagem em Geografia da 8 a classe na escola
Secundária de Montepuez?

1.2. Formulação de Hipóteses

Como expectativa de resultado esperados, para tal, tem-se algumas proposições que são
colocadas como prova de determinar a sua validade, assim, traçou-se as seguintes hipóteses:

H1. O trabalho de campo pode ajudar a construir um conhecimento sólido através do contacto
com o meio ambiente, garantindo o relacionamento com as materiais ensinadas na 8ª classe, para
despertar mais atenção e interesse de aprender geografia.

H2. O trabalho de campo é uma variação metodológica que coloca o aluno a aprender em um
ambiente informal, podendo criar espaço para interacção mais espontânea entre o aprendizado e
ambiente natural.

1.2.1. Variáveis

Tabela 1: variáveis
Variáveis Indicadores
Ajudar a Construir um
conhecimento sólido através  A prática de atitudes úteis na vida;
Independente
do contacto com a realidade  Conhecer o ambiente que se insere.
do seu ambiente
H1 Garantir o relacionamento
 Consolidação da teoria com a
com as materiais ensinadas na
realidade que o aluno vive;
Dependentes 8ª classe, para despertar mais
 Demostrar as suas habilidades na
atenção e interesse para
resolução dos problemas da sociedade.
aprender geografia.
H2 Independente Variação metodológica que  Saber identificar a manifestação de
coloca o aluno a aprender em cada fenómeno em acção;
um ambiente informal  Ter habilidades para minimizar um
fenómeno físico-geográfico.
16

Criar espaço para interacção  Trazer soluções práticas dos


mais espontânea entre o fenómenos;
Dependentes
aprendizado e ambiente  Contribuir para o desenvolvimento
natural. local.
Fonte: elaborado pelo autor/2018

1.3. Justificativa

A presente pesquisa será apresentada no âmbito de culminação de curso de ensino de geografia.


O estudo pretende maximizar o contributo do trabalho de campo como método de ensino e
aprendizagem na ESM, com intensão de melhorar com a qualidade de ensino em Moçambique e
em particular Montepuez.

O trabalho proposto tem grande importância do ponto de vista construtivo para a escola
estudada, contudo, a escolha do tema, insere-se pela razão de ter constatado a fraca realização
dos trabalhos de campo pelos professores que leccionam a Geografia e dos alunos que
frequentam a ESM. Simultaneamente, o autor participou no processo de assistência das aulas e
do EP não teve a oportunidade de ver nos planos trimestrais uma data de realização do trabalho
de campo, através de influência directa com os alunos e professores desta escola, destacou-se
que, não há data marcada para realização desta actividade. No entanto, a classe ora proposta,
aspira-se, consciencializar os alunos iniciantes, da 8a classe e do primeiro ciclo do Ensino
Secundário Geral, pois, este é o primeiro ensejo que os alunos entram em contacto com a
geografia como ciência independente, então, torna-se necessário a realização do trabalho de
campo, para que os alunos sintam-se preparados para responder as situações do mundo real, por
isso, o proponente escolheu esta classe.

Para a comunidade investigada (os alunos e professores da ESM) a pesquisa tornar-se-á em uma
experiência e um desafio, doravante, a população e os professores poderão propor para a escola
um momento de realização das actividades de campo e os alunos por sua vez serão capazes de
resolver problemas sociais e físicos-geográficos que a sociedade enfrenta, como fruto da
realização de trabalho de campo.

Para a comunidade académica, a pesquisa tornar-se-á uma fonte segura e mais próxima na
elaboração de trabalhos idênticos e realização de pesquisas relacionadas com o tema. Portanto,
será um experiencia mais próxima de estudos futuros do nosso pais, município e ou região. Desta
forma, A geografia como sendo, uma ciência prática, necessita de actividades realizadas no meio
social, com propósito de resolver problemas que assolam a sociedade em que o individuo vive.
17

1.4. Objectivos
1.4.1. Objectivo Geral

 Conhecer o contributo do trabalho de campo como método do processo ensino e


aprendizagem de geografia na 8ª classe da escola secundaria de Montepuez.

1.4.2. Objectivos Específicos:

 Identificar as formas de uso do Trabalho de Campo de Geografia na Escola Secundária


de Montepuez;

 Explicar o contributo do trabalho de campo no ensino de Geografia;

 Sugerir formas de implementação de trabalhos de campo como método de ensino de


geografia na escola secundária de Montepuez.
18

CAPÍTULO I: REVISÃO DA LITERATURA

Este capítulo tem por objectivo principal apresentar a génese do trabalho de campo como método
de ensino e aprendizagem, bem como algumas abordagens dos principais conceitos.

2. Processo Ensino Aprendizagem de Geografia


 Ensino
Segundo o MARQUES (s/d: 42), define:
Ensino – é Processo pelo qual o professor transmite ao aluno o legado
cultural em qualquer ramo do saber. O ensino anda associado à
transmissão do saber já constituído. As pedagogias construtivistas
consideram que o acto de ensinar deve subordinar-se à aprendizagem e
esta ao desenvolvimento. O professor passa a desempenhar novos papéis:
facilitador da aprendizagem, dinamizador de situações problemáticas e
orientador de projectos.

Tratando-se de ensino, poder-se-ia sustentar que é o acto de transmitir os saberes, costumes e


hábitos, isto é, também, transmissão de conhecimentos formalmente sistematizados por um
processo de análise e descrição dos fenómenos.

Deste modo, o ato de ensinar implicaria uma direcção que, segundo LIBÂNEO (1995), trata-se
de uma relação bilateral, entre o sujeito aluno e os objectos do conhecimento, sistematizados e
organizados em disciplinas específicas. Tal analogia deve se basear pelas trocas de sentidos, pela
relação dialógica, envolvendo a intersubjectividade, cordialidade e empatia, ao mesmo tempo em
que deve proporcionar o enfrentamento de ideias e a desconstrução e reconstrução das mesmas.

 Aprendizagem
Para SCHMITZ apud PILETTI (2004: 31), refere que, “Aprendizagem é o processo de aquisição
e assimilação, mais ou menos de novos padrões e novas formas de perceber, ser, pensar e agir”.
O processo ensino aprendizagem actual indica que aprender geografia antigamente era sinónimo
de decorar saber nomes de rios, lagos, mares, entre outros, sem reflexões, actualmente exige uma
interpretação, fazer ligações com diversos temas e com a realidade.

Contudo, o campo é também excelente ambiente de ensino, que pode auxiliar na aprendizagem
dos alunos, assim, o aluno poderá perceber todo o dinamismo do espaço. As relações que
ocorrem no espaço, actualmente, são rápidas e dinâmicas. Nem sempre o livro didáctico, ou o
19

discurso do professor, consegue transpor analogias ou demonstrações claras e didácticas para


explicar os fenómenos.

Nessa perspectiva, KAERCHER apud NETO e BARBOSA (2010: 163) afirma que:
Juntamente com outras disciplinas escolares, a Geografia pode ser um
instrumento valioso para elevar a criticidade dos alunos, pois trata de
assuntos intrinsecamente polémicos e políticos, quebrando a tendência
secular da escola como algo tedioso e desligado do quotidiano.

Para que haja êxito no ensino da Geografia e os objectivos sejam atingidos os professores do
ensino de Geografia devem estar atentos a desenvolver habilidades de percepção do espaço, com
metodologias que possibilitem uma visão dialéctica, que propiciem novas situações e actividades
no processo educacional, que permitam a realização de actividades de geografia como uma
ciência, que investiguem e pesquisem o espaço geográfico. Neste processo pedagógico há a
necessidade de investigação e qualificação dos profissionais em educação.

 Métodos

Métodos: são os caminhos para atingir-se os objectivos.


Eles são assim, meios adequados para realizar objectivos ao professor,
ao dirigir e estimular processo de ensino em função da aprendizagem dos
alunos, utiliza intencionalmente um conjunto de acções, passos,
condições externas e procedimentos a que se chama método de ensino,
(LIBANEO; 1990).

Não é possível chegar a um fim sem recorrer a um caminho, isso indica que para chegarmos a
um certo objectivo temos que percorrer uma via ou caminho seja qual for, mas desde que
cheguemos. Esta via ou caminho utilizado denomina-se por método, nele não interessa só
somente chegar, mas também temos que analisar nos riscos que corremos na escolha deste
caminho, si com o caminho escolhido vai-se alcançar-se aquilo que se pretende como um fim.

LIBÂNEO (1994:151), (…) o método “decorre de uma concepção de sociedade, da natureza da


actividade prática humana no mundo, do processo de conhecimento e particularmente, da
compreensão da prática educativa numa determinada sociedade”.

 Teoria de Base

A pesquisa baseia-se na Teoria Construtivista, que sustenta a ideia de que “nada a rigor está
pronto, acabado, e de que especialmente, o conhecimento não é dado em nenhuma instância
como algo terminado”.
20

De acordo com VYGOTSKY citado por CIOCCARI, (2013: 35), aponta como pressuposto que
“aprender, bem como ensinar, significa construir um novo conhecimento, descobrir uma nova
forma para significar algo, baseado em experiências e conhecimentos existentes”.

Nesse sentido, o construtivismo estimula uma forma de pensar em que o aluno, que é chamado
de aprendiz, ao invés de assimilar o conteúdo passivamente, reconstrói e dá significado o
conhecimento já existente. Portanto, percebe-se que uma das teorias que norteia o trabalho de
campo é o construtivismo, ou seja, apresenta-se como um processo que se constrói de forma
gradual e contextualizada com a realidade vivida.

3. O Trabalho de Campo
1. 3.1. Campo
Conforme COMPIANI & CARNEIRO (1993:11), ostenta que, “O campo é cenário de geração,
problematização e crítica do conhecimento, onde o conflito entre o real e as ideias ocorre com
toda a intensidade”.

Neste sentido o campo pode possibilitar ao aluno construir um conhecimento próximo de seu
quotidiano, é também no campo que o aluno poderá questionar, colher informações e conceitos
vistos em sala de aula e não compreendidos até então.

 A Paisagem

Na perspectiva de SANTOS, (1996: 61), “afirma que, paisagem é tudo aquilo que nós vemos, o
que nossa visão alcança”.

Esta pode ser definida como o domínio do visível, aquilo que a vista abarca. Não é formada
apenas de volumes, mas também de cores, movimentos, odores, sons. Ou seja, o estudo da
paisagem nos remete directamente aos aspectos visíveis do espaço geográfico, embora não se
restrinja a eles, visto que a paisagem abrange outros elementos, todos relacionados à forma pela
qual indivíduo percebe o espaço através dos seus sentidos.

Da mesma forma que, Montepuez oferece paisagens que merece a sua apreciação e estudo, desde
as montanha ao redor da cidade, de que em aulas da 8ª classe com conteúdos de formas de relevo
poderiam usar estas montanhas como realidade mais próxima do aluno/a, assim, facilitando a sua
aprendizagem. Temos também os rios que cruzam o distrito de Montepuez que e aulas sobre
elementos de um rio, o professor conscientemente poderia levar os alunos e mostrar na realidade
21

estes tais elementos, um exemplo desses rios é o rio Montepuez e Niuria. E entre outras
paisagens aqui não mencionadas existentes no distrito de Montepuez.

 O Lugar

Na óptica de CARLOS apud NEVES (2015: 61), entende, “lugar como espaço de realização da
vida que, portanto, envolve uma identidade entre o habitante e o lugar”.

É de ressaltar que, no que tange aos lugares que merecem fazer-se um trabalho de campo, nos
conteúdos do tempo e clima, pode-se apontar a estação meteorológica de Montepuez por
exemplo, com finalidades de colher informações sobre a medição da temperatura máxima,
mínima e media local, vento a direcção e a intensidade, humidade e a pressão atmosférica, os
alunos da 8ª classe poderiam ser encaminhados para este lugar para verem naturalmente o
termómetro, o catavento e o anemómetro e como esta medição faz-se, respectivamente. Os tipos
de rochas, o professor deveria reencaminhar o aluno nas pedreiras de Montepuez e com certeza
poderia encontrar esta variedade de rochas existente em Montepuez e os alunos ficariam a saber
sobre o seu valor ambiental e económica, as sua propriedade físicas e saberia diferenciar os
diferentes tipos de rochas existentes.

Para ALMEIDA e PASSINI, (2002: 15), afirma que, “Os trabalhos de campo constituem uma
metodologias que engloba a observação, a análise e a interpretação de fenómenos no local e nas
condições onde eles ocorrem naturalmente”.
Essa metodologia é utilizada por várias áreas do conhecimento, aplicada tanto ao ensino quanto à
pesquisa, e está presente em diversos níveis educacionais - da educação infantil até os cursos de
graduação e pós-graduação. É especialmente empregada durante a formação universitária de
estudantes das ciências humanas e naturais, (Idem)

Para COMPIANI (2007: 32) salienta que:


O Trabalhos de campo, como recurso educacional e actividade destinada
a facilitar a aprendizagem, precisam ser planejados de acordo com clara
proposta pedagógica. Ao se executar trabalhos de campo, é essencial a
análise escalar dos ambientes, pois partindo de um estudo local
(possibilitado pelas actividades de campo), a percepção de contextos
mais distantes acontece por meio de contextos mais significativos: o
focar para a relação local/ global aponta para a necessidade das
metodologias de estudos do meio e trabalhos de campo.

Nesse caso, Se o conhecimento é adquirido pelo aluno por intermédio de informações repassadas
pelos professores e posteriormente memorizadas, o campo servirá apenas de modelo do que já
22

foi estudado em sala de aula, mera ilustração. Nesse sentido, o papel do campo torna-se limitado.
Entretanto, se na proposta pedagógica o ensino é centrado no aluno, a ênfase volta-se para
processos de aquisição do conhecimento pelo aluno.

Segundo SCHÄFFER, citada por AMORIM, (2006: 17), ressalva que:


Na leitura da paisagem o trabalho de campo é uma prática importante
para a aprendizagem em geografia. Ele permite, efectivamente, que se
possa construir o conhecimento a partir da realidade observada,
analisada e contextualizada (no tempo e no espaço). Também constitui
uma possibilidade de superação da fragmentação do conhecimento, na
medida em que o estudo do real apresenta uma multiplicidade de
aspectos que apontam para a concorrência de diversas áreas do
conhecimento. É, sobretudo, uma vivência capaz de oportunizar o
confronto concreto e simultâneo da teoria e da prática.

O trabalho de campo é um recurso de ensino muito rico e importante para o processo de


aprendizagem, porque permite relacionar e ampliar o conhecimento teórico à realidade,
proporcionando abordagens mais contextualizadas e dinâmicas dos conteúdos escolares, no
processo do conhecimento e da educação.

 Visita de Estudo

Segundo OLIVEIRA citado por CARVALHO, (2014: 39) considera as visitas de estudo uma
atividade letiva diferente pelo facto de decorrer fora da sala de aula. Contudo, a visita de estudo
é uma aula que acontece em espaços diferentes do tradicional. Esta quebra da rotina é, à partida,
um fator motivacional e estimulante para os alunos, afigurando-se como uma potencialidade
desta estratégia, a tirar proveito.
As visitas de estudo promovem a interdisciplinaridade, a troca de saberes e experiências. São
mais uma estratégia utilizada pelo docente no processo ensino aprendizagem.

Considera-se que as visitas de estudo proporcionam aos alunos experiências fora do seu
ambiente escolar onde podem tocar, sentir e ter contacto direto com o local a explorar. (Leal;
Kulas, citados por CARVALHO, 2014: 38)

Potencialidades do Trabalho de Campo

De acordo com FREITAS & PEREIRA, (2010: 48), Constituem as potencialidades da realização
do trabalho de campo as seguintes:
23

 Motivação para os Temas a Abordar;


 Desenvolvimento de Capacidades Variadas como a observação, o uso de sentidos, a
orientação, entre outras formas de desenvolver capacidade de conhecimento;
 Aprendizagem dos processos científicos envolvidos na construção da geografia como
ciência;
 Aprendizagem dos conteúdos, dos conhecimentos científicos, para além dos que são
descobertos, induzidos directamente com o trabalho de campo;
 Dar oportunidade aos alunos mais novos para aquisição de conhecimentos, de forma que
muitos defendem ser a mais adequada para as crianças, assim, aprendendo do concreto
para o abstracto.

 Tipos de Trabalho de Campo


Geralmente o trabalho de campo é realizado pelos alunos, o professor tem a tarefa de organizar
ou orientar um plano, mas há sempre interação ou mesmo debate de ideias entre aluno-professor
na tentativa de responder o questionamento que os alunos vão fazendo no decorrer das
actividades.
Assim, de acordo com FREITAS & PEREIRA, (2010: 51) identifica dois tipos de trabalho de
campo: trabalho de Campo de descoberta e trabalho de Campo Sensorial.

3..1. Trabalho de Campo de Descoberta


Trabalho de Campo de Descoberta – o aluno é encorajado a descobrir
aspectos da paisagem que lhe interessam e lhe parecem importantes, em
vez de se centrar no que o professor seleccionou para ser estudado. Os
alunos estão a assumir o controlo da sua aprendizagem e isso motiva-os
extraordinariamente se ao mesmo tempo se sentirem seguros com o
suporte do professor. Pode-se se correr o risco de haver um desvio do
programa, (Idem).

Aliando-se a ideia deste autores é de referir que, neste tipo trabalho de campo cabe ao aluno
descobrir o que o professor não incluiu no seu plano de actividades, logo, o aluno através da sua
percepção vai se questionando sobre o que esta vendo ao longo do decorrer das actividades e
através do professor, o aluno vai colocar as suas duvidas relacionadas com a paisagem em
estudo, nesse caso, o aluno assume o controlo total da sua aprendizagem e pode facilitar a
encontrar respostas de outros factores que teria vivido em outro momento e que não sabia como
ocorria ou como explicar. A paisagem é fonte de sua aprendizagem, é através da paisagem que o
aluno vai seleccionar o que lhe é importante e que lhe interessa no meio ambiente dai procurar
acomodar o seu conhecimento e ainda trazer novos conhecimentos para a ciência geográfica.
24

Mas também o professor deve estar preparado para qualquer situação que acontecer, visto que,
neste tipo de trabalho de campo pode ocorrer o risco de fugir do plano já traçado dando espaço a
um outro debate que não está incluso no programa.

3..2. Trabalho de Campo Sensorial


Na óptica de FREITAS & PEREIRA, (2010: 51), ressalva:
Trabalho de Campo Sensorial – já neste tipo, O aluno mobiliza os
sentidos e emoções ao observar a paisagem e envolve-se
emocionalmente com o ambiente. Tem em atenção as cores, os sons, os
cheiros e texturas, e exprime as suas observações através da música,
expressão plástica e dramática. O professor tem que encorajar a reflexão
sobre o que faz com que aquela paisagem seja especial para ele,
desenvolvendo um sentido de lugar. Os sentimentos e emoções podem
revelar-se tão importantes para desenvolver um sentimento de
responsabilidade em relação a preservação do ambiente como o
pensamento racional.

Conforme estes autores, o aluno utiliza os seus órgãos dos sentidos e emoções para observar a
paisagem, criando uma ligação imaginaria e/ou emocional entre o aluno e o ambiente em estudo.
Através dos sentidos o aluno vai se interessar pelas cores que vê, o ruído que ouve, o cheiro que
sente e a textura que vê, assim, vai, lhe facilitar a exprimir o que percebe do que vê e sente, aqui
o professor tem a função de motivar e encorajar a reflectir sobre o que faz tornar aquela
paisagem do jeito que vê e torna diferente da outra paisagem. Através dos sentidos e emoções o
aluno vai desenvolver um sentimento de responsabilidade em relação a preservação do ambiente
como forma de agir racional a par disso o aluno, se torna um defensor ambiental de alguma
forma.

Logo, Keith Grimwade apud FREITAS & PEREIRA, (2010: 51), apresenta uma sugestão de
integração de diversas estratégias de trabalho de campo que esta sintetizada na figura 1.
Tabela 2: Estratégias de trabalho de campo integradas
Estratégias de O que Promove as
Trabalho de actividades Actividades
Campo Desenvolvidas
Actividades ligadas a experiencias pessoais
envolvendo o refinar de percepções, o
De descoberta
Sensibilização e desenvolvimento de análise visual e de
Pessoal e
Climatização comunicação de experiencias pessoais. Os
Sensorial
alunos desenvolvem uma abordagem pessoal
ao ambiente, encontrando um ligação pessoal.
Identificar um Tópico para de seguida
De pesquisa Investigação investigar individualmente ou em grupo para
aquisição de novos conhecimentos.
De Tomada de Preocupação/Acção Desenvolvimento de sentimentos de
25

responsabilidade pessoal pelo ambiente e de


Decisão/Aplicaçã
uma vontade de participar nas decisões que o
o
afectarão.
Fonte: Adaptado pelo autor a partir de FREITAS & PEREIRA, (2010: 51).
Enquadramento do Trabalho do Campo na Geografia como Disciplina Escolar

O trabalho do campo enquadra-se nas formas de Organização do Ensino de Geografia e nas


metodologias didácticas do processo ensino e aprendizagem que funciona como uma variação
metodológica para levar o aluno a estudar num ambiente informal, ou melhor, fora da sala de
aulas. No entanto, Na ciência geográfica este enquadra-se na prática dos conteúdos leccionados
em sala de aula no contexto de fazer a ligação da teoria com a prática, visto que, a geografia é
uma ciência totalmente pratica que necessita de um estímulo por parte do professor para que o
aluno compreenda melhor os conteúdos leccionados.

Por isso que, CIOCCARI, (2013: 29), ressalta:


O trabalho de Geografia dentro do ambiente escolar visa à expansão dos
conhecimentos e a multiplicidade das competências que envolvem os
professores e os alunos, pois a complexidade de meios tecnológicos
permeia a divulgação geográfica e ajudam na leitura e na escrita dos
alunos. (…) E nesse sentido, a Geografia, bem como o trabalho de
campo, ajuda na elucidação dos desafios, fazendo com que o raciocínio
seja desenvolvido com a contribuição dos conhecimentos cognitivos e
construindo novos conhecimentos.

Assim, uma Geografia além da sala de aula tornar-se-á cooperativa e colaborativa na construção
de conhecimentos. Além disso, é recorrente uma nova postura de aprendizagem frente ao grande
e veloz avanço técnico-científico, uma vez que se convive diariamente com as novas tecnologias
e as múltiplas linguagens do saber.

O engajamento e a motivação intrínseca da auto-produção do conhecimento promovem o ensino


e aprendizagem de maior qualidade. A motivação construtiva leva ao interesse de compreender,
ou seja, eleva a curiosidade do aluno para além do ouvir e do ler, incentivando a criatividade e a
criticidade, assim como tornando aplicado o seu conhecimento pré-existente de modo flexível, a
fim de formular e resolver as questões pertinentes ao seu desempenho.

4. Importância do trabalho de campo

A utilização do trabalho de campo como ferramenta de aprendizagem é de fundamental


importância para que o aluno possa compreender melhor as relações existentes entre a disciplina
apresentada em sala de aula e a sua real aplicação na realidade. As noções próprias do processo
26

ensino-aprendizagem fornecem recursos e instrumentos para que possam interagir com seu meio
ambiente. O incentivo a construção colectiva do conhecimento (trabalhos em grupos) nos
trabalhos de campo, privilegia a evolução sócio-afectiva do aluno e promove uma transformação
no quotidiano escolar.
Para SILVA et al, (2015: 3) menciona que:
O trabalho de campo como ferramenta pedagógica possui grande
importância perante o processo de ensino e aprendizagem das mais
diversas disciplinas, sobretudo, abrange uma enorme relevância no
ensino de geografia. Assim, a utilização das visitas técnicas em prol de
estudos práticos, que permitem aos discentes a associação do saber
teórico construído em sala de aula com o concreto, visto e compreendido
no campo, se faz de grande valia, principalmente quando trabalhado
sobre o conhecimento prévio dos alunos, isto é, quando é
inserido\interligado aos significados resultantes do quotidiano dos
discentes.

Assim, sendo, o trabalho de campo se faz importante para o processo de ensino e aprendizagem,
onde possibilita a construção do conhecimento prático, ultrapassando a teorização vista em sala
de aula, e, além disso, expressa os significados prévios contido nas experiências quotidianas dos
alunos. Contudo, o trabalho de campo permite ao discente fazer análises do mundo a partir do
local a que está inserido, pois as novas visões propostas pelo campo resultam em novos olhares
críticos, devido à dialógica contida nos diferentes ambientes.
Na óptica de TOMITA, (1999: 13) Afirma que:
Considera-se o trabalho de campo, é uma actividade de grande
importância para a compreensão e leitura do espaço, possibilitando o
estreitamento da relação entre a teoria e a prática, o alcance de um bom
resultado parte de um planeamento criterioso, domínio de conteúdo e da
técnica a ser aplicada.

Desta forma, Pela possibilidade de contacto directo com o meio e com o objecto estudado, o
trabalho de campo facilita o aprendizado, pois desencadeia o processo de conhecimento e
reconstrução de conceitos. O campo influencia também a compreensão de factores sócio-
ambientais intrínsecos à transformação do espaço pelo homem.

Portanto, o trabalho de campo se caracteriza como uma ferramenta fundamental para o aluno,
fazendo com que este tenha um maior conhecimento das questões ambientais que estão ao seu
redor, contribuindo para que desenvolva uma Compreensão integrada do meio ambiente em suas
múltiplas e complexas relações. Em outras palavras, construir o conhecimento a partir da
realidade, sobre a realidade e para então transformar esta realidade. Pode-se aproveitar também o
trabalho de campo para trabalhar com os alunos os conceitos de cartografia, iniciando com um
conhecimento prévio dos mapas e a área a ser estudada, de forma a se familiarizar com o local de
27

estudo, fazendo com que estes possam compreender melhor as questões que envolvem o espaço
geográfico. Com isso os alunos poderão ter um conhecimento inicial do lugar a ser visitado,
identificando suas peculiaridades através dos mapas, adquirindo capacidades de interpretar
mapas e relatar em linguagem cartográfica suas experiências do campo.

A aprendizagem cognitiva se fundamenta nos elementos de natureza intelectual que se ocupam


da promoção do interesse do aluno a partir da interação dele com fatos de sua realidade vivida
e/ou percebida. Nesse processo mental de aprendizagem, o aluno desenvolve sua capacidade de
percepção, de atenção, de raciocínio e de abstração para poder transformar as informações em
conhecimentos e, com isso, reelaborar suas compreensões sobre o mundo que o cerca. Essa
perspectiva aponta para a apreensão do viver em uma condição multidimensional, mas que é
apresentada em sua realidade contextual.

 Formas e Procedimentos do Trabalho de Campo

O trabalho de campo para não ser somente um empirismo, deve articular-se a formação teórica
que é, ela também, indispensável, (LACOSTE: 1985).

Como qualquer outro instrumento de ensino, a realização do trabalho de campo deve ser calcada,
inicialmente, pelo conhecimento prévio dos conteúdos geográficos envolvidos e do espaço
geográfico a ser estudado. Logo, deve-se fazer uma visita prévia à área desejada, com o objetivo
de esclarecer as possíveis categorias e conceitos geográficos inerentes. Contudo, a realização de
um trabalho de campo poderá ser feita tanto antes de o conteúdo ser discutido em sala, como
após uma discussão inicial.

Assim, o planeamento de trabalho de campo deve propiciar aos alunos um envolvimento


enquanto pesquisadores, sujeitos activos e participantes da construção do conhecimento,
descrevendo, analisando, reflectindo e questionando o espaço geográfico em que vivem.

A proposta do estudo do meio é trazer uma situação concreta de existência como um problema
que desafia e exige respostas não apenas intelectuais mas sim de acção. Nessa mesma esteira,
pensa-se a inter-relação das coisas físicas ou humanas na construção do meio: um rio poluído
pode levar a um profundo estudo prático, á migração, á questão agrária, dentre outros fenómenos
geográficos que merecem destaque.

O trabalho do campo, no geral exige muito trabalho e dedicação do


professor, porque o mesmo deve estar preparado, apesar de planificar,
28

para eventuais surpresas, tais como uma nova discussão fora dos
conteúdos da aula, tomando cuidado para não fugir dos objectivos, mas
também não poderá deixar de responder aos questionamentos feitos,
gastos extras, entre outras polémicas e exigirá maior flexibilidade do
docente, (BOLFER apud SOUZA, 2014: 17).

A maioria dos profissionais da geografia considera que o momento fundamental e, talvez, o


principal do fazer geográfico, seja o trabalho de campo, tanto no desenvolvimento de uma
pesquisa, como na transmissão de conhecimento para outras ciências. Tal fazer geográfico é
reconhecido como instrumento de suma relevância para verificação e registo das transformações
das paisagens.

De acordo com CASTROGIOVANI; BARROS apud SOUZA, (2014: 17),


Para obter bons resultados em um trabalho de campo o professor pode
organizar o trabalho da seguinte maneira: definir o trajecto a ser
percorrido, fazer a lista das informações a ser obtidas, contactar com
pessoas, estabelecimento, a autoridade próximas da situação que será
visitadas, combinar o que pode ser observado (a partir de um
conhecimento prévio), deliberar como será feito o registo (fotografias,
anotações e gravações), distribuir tarefas para alunos e decidir como
sistematizar as observações feitas no trabalho.

Para que um trabalho de campo tenha sucesso é necessário que: o professor tenha um
conhecimento prévio do local a ser estudado, pois ao realizar essa sondagem o professor fica
mais informado sobre o assunto que pode ser abordado, se o trabalho esta de acordo com as
condições financeiras dos alunos, qual melhor época para realiza este trabalho de campo, como
atribuir os conhecimentos prévios do aluno aos assuntos que serão expostos, tipo de vestuário
apropriados para o estudo, alimentação, utilização de materiais didácticos de anotações e
registos, fotográficos ou não, meios de transporte quanto necessário, são todas questões que
devem ser levadas para obtenção de êxito do trabalho, (Idem).

CAPÍTULO II: PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

Este capítulo vem para demostrar a metodologia usada na concretização da presente pesquisa,
desde os tipos de pesquisa, os métodos e as técnicas e instrumentos utilizados na colecta de
29

dados no local de estudo. Salientar que também é nesta fase que o proponente vai justificar a
razão da sua pesquisa, demostrar o universo e amostragem utilizada nesta pesquisa.

1. Metodologia da pesquisa

Partindo da conjuntura de que, método é um procedimento ou caminho para alcançar


determinado fim e que a finalidade da ciência é a busca do conhecimento, podemos dizer que o
método científico é um conjunto de procedimentos adoptados com o propósito de atingir o
conhecimento.

De acordo com Trujillo Ferrari apud PRODANOV E FREITAS (2013: 24),afirma que, “o
método científico é um traço característico da ciência, constituindo-se em instrumento básico
que ordena, inicialmente, o pensamento em sistemas e traça os procedimentos do cientista ao
longo do caminho até atingir o objectivo científico preestabelecido”.

1.1. Tipos de Pesquisa

1.1.1. Quanto á natureza

Para a produção deste trabalho, foi necessário a pesquisa de natureza básica, visto que o
proponente pretende demonstrar novos conhecimentos e úteis para uma melhoria na ciência
geográfica, à minimizar o caso do défice dos trabalhos de campo, tendo em conta a sua
importância para aprendizagem do aluno, no contexto social, económico, científico, ambiental e
cultural, esta pesquisa, Envolve verdades e interesses da escola secundária de Montepuez.

1.1.2. Quanto aos seus objectivos

Na realização desta pesquisa, usou-se a Pesquisa é descritiva, com esta, o proponente tem como
finalidade descrever a importância do trabalho do campo como método no Processo Ensino
Aprendizagem de Geografia. Que possibilitou na colecta de dados, na escola secundaria de
Montepuez, onde o proponente vai entrevistar, observar os alunos e professores da área de
geografia, que o público-alvo, nesta pesquisa e por fim irá analisar amostra que vão estimular
maior precisão e compreensão do problema levantado, através desta cadeia o proponente trará,
ou melhor, conhecimentos sobre as causas e factores da ausência do trabalho de campo.

1.1.3. Quanto aos Procedimentos técnicos é Estudo de Campo


30

Esta pesquisa foi desenvolvida a partir de colecta e análise dos dados que serão colhidos no seio
dos alunos e professores da escola secundária de Montepuez. Neste caso o proponente do
problema vai colher informações sobre a importância do trabalho de campo no processo ensino
aprendizagem de geografia a partir dos alunos, professores e a direcção da escola secundaria de
Montepuez, por fim estudar o caso para esclarecer aspectos ligados a importância dos trabalhos
do campo. Vamos perceber com a população alvo sobre a situação em estudo procurando
perceber os motivos deste défice dos trabalhos do campo no ensino de Geografia.

1.1.4. Quanto a forma de abordagem do problema

E tem como abordagem Qualitativa, onde o ambiente natural é fonte directa para colecta de
dados, interpretação de fenómenos e atribuição de significados. Com esta abordagem facilitou na
colecta de dados relacionados ao problema ada importância do trabalho do campo. O
pesquisador vai analisar os dados colhidos. Através do método qualitativo serão analisados as
práticas de ensino atreladas a importância dos trabalhos de campo para docentes do ensino
secundário da escola secundaria de Montepuez, com finalidade de interpretar e atribuir
significados.

1.2. Métodos

1.2.1. Método de abordagem

A pesquisa foi desenvolvida, através do método dedutivo, que Sugere uma análise de problemas
do Geral para o particular, através de uma cadeia de raciocínio decrescente. Usou-se este método
para analisar das importância e a causa da ausência do trabalho do campo como método de
ensino aprendizagem de geografia, olhando pelas entidades competentes e/ou pelos professores,
de forma particular mas também olhando pelo panorama geral do problema.

1.2.2. Métodos de Procedimentos

Como meio técnico da pesquisa foi necessário a aplicação do Método monográfico, onde o
proponente fez um estudo mais aprofundado sobre o trabalho de campo no processo ensino e
aprendizagem de geografia, com intuito de apurar a veracidade da sua importância no contexto
educativo. Assim facilitou ao proponente observar e analisar de forma exaustiva os dados
colectados e conhecer os factores que possam influenciar no trabalho de campo que não é
notável naquela instituição pública do distrito.
31

1.3. Técnicas e Instrumentos de Colecta de Dados

Na presente pesquisa foi necessário o uso das seguintes técnicas e instrumento para a colecta de
dados:

1.3.1. Observação

Proponente usou esta técnica para observar a importância do trabalho de na 8ª classe na escola
secundária de Montepuez, com finalidade de validar a sua tese. Visto que a ausência do trabalho
de campo como método de ensino é um problema que esta acontecendo e por sinal pode atingir
um ponto mais alarmante, contudo será necessário e indispensável o uso deste método para
observar o fenómeno em ocorrência, onde o pesquisador vai procurar perceber junto com os
alunos e os professores e não deixando de trás a comunidade no geral e como é sabido que
situações destas necessitam da presença do pesquisador para perceber o problema de forma
directa e clara.

A técnica de observação foi indispensável nesta pesquisa, principalmente a observação directa, a


observação irá se usar para a colecta directa dos dados, onde vai facilitar observar a importância
do trabalho do campo. Portanto, em situações desta natureza têm vivência diária, irá fazer a
observação directa, juntos com os alunos e professores, para perceber da realidade deste défice.

1.3.2. Entrevista

Usou-se a entrevista semi-estruturada direccionada aos professores e ao director Adjunto


Pedagógico da escola, decorreu na forma de uma conversa entre o pesquisador, os professores e
o DAE, com finalidade de colher informações sobre o contributo do trabalho de campo como
método de ensino.

1.3.3. Questionário
32

O questionário, foi desenvolvido a partir da entrega de formulários contendo questões


previamente organizadas, que os alunos poderão responder. Mas também, pode se usar esta
técnica para alguns professores dependendo da sua disponibilidade.

Quanto aos instrumentos pode-se citar os seguintes: Blocos de notas, gravador e canetas ajudarão
na colecta de dados através de anotações, estes vão facilitar no acto da entrevista para melhor
interpretar os resultados e computador que é indispensável na compilação e/ou na produção do
próprio trabalho.

2. Universo

Constitui universo desta pesquisa, todos os alunos da 8 a classe, equivalente a 4463 alunos e 8
professores de geografia da Escola Secundária de Montepuez.

2.1. Amostra

Na realização desta pesquisa, o proponente usou a amostragem probabilística aleatória


representativa, onde através de alguns alunos observados directamente representaram o universo,
cujos eles representado por um número determinado de 50 alunos da 8ª classes, todos alunos
internos e ambos homens e mulheres de 11 turmas, isto é, de turma “A-K” do curso diurno e 3
turmas, isto é, “A-C” do curso nocturno e totalizando 14 turmas respectivamente, 3 professores
da disciplina de geografia e o director Adjunto da escola (DAE) do 1o ciclo da escola.

CAPÍTULO III: APRESENTAÇÃO, ANÁLISE, INTEPRETAÇÃO E DISCUSSÃO DOS


DADOS

Neste capítulo far-se-á apresentação, análise, interpretação e discussão dos dados obtidos no
campo com base do questionário dirigido aos alunos, na entrevista semi-estruturada dirigida aos
Professores e ao DAE da ESM, a observação directa de alguns alunos e professores em sala de
33

aulas, que teve a intensão de observar na forma como utilizam os métodos, as técnicas e os
meios de ensino na ESM, para analisar a percepção e compreensão dos aluno em relação os
conteúdos leccionados na sala de aula. Aqui são encontradas todos itens relacionados aos dados
colhidos no campo, através das técnicas inseridas nesta pesquisa, que de forma a facilitar a
pesquisa a observação directa foi a técnica que foi usadas nesta pesquisa, a observação directa e
indirecta, a entrevista semi-estruturada também foi essencial na concretização da presente
pesquisa e sem se esquecer do questionário que favoreceu a colecta dos dados nos alunos da 8 a
classe da ESM.

A Escola em Estudo

A escola como sendo um local de trabalho, é um estabelecimento de ensino e aprendizagem que


envolve professores, direcção da escola, alunos e pais encarregados de educação, assim como a
comunidade em geral onde estes últimos contribuem para a realização de uma educação
eficiente.

A ESM., é uma escola pública, a leccionar dois ciclos a saber: 1 o ciclo 8a à 10a classe e 2o ciclo
11a e a 12a classe e funciona com três (3) turnos, Manhã, Tarde e Noite.

Localização Geográfica da Escola Secundária de Montepuez

A Escola Secundária de Montepuez localiza-se na província de Cabo Delgado, no distrito de


Montepuez, é uma escola urbana, sita na rua dos estudantes no 01 com os seguintes limites:

 Norte: Residencial oficial do Administrador (ROA);


 Sul: Bairro Nacate, Unidade de Inkomati;
 Este: Antigo Lar dos estudantes de Montepuez, actualmente funciona Comissão Distrital
De Eleições;
 Oeste: Centro de Instrução Básica Militar.

Figura 1: Esboço da Localização da ESM


34

Fonte: acervo pessoal do autor/2018

1.1. Breve Historial da Escola Secundária de Montepuez

A ESM, teve como projecto de construção desde os últimos anos da colonização portuguesa,
tendo-se construído primeiro, o lar dos estudantes de Montepuez que comportava, então, duas
salas de aulas e dois dormitórios que se destinavam a albergar filhos dos colonatos
(machambeiros portugueses) que tinham seus campos no distrito de Ancuabe e sul de cabo
delgado.

Em 1974, depois dos acordos de Lusaka, os portugueses foram-se embora; logo, houve a
necessidade de recrutar jovens que tinham terminado a 4 a classe e sem condições para continuar
com os seus estudos. Sob direção de José Vaquina, introduziu-se o ciclo preparatório que
leccionava o 1o e 2o ano; não havendo professores suficientes na altura, recrutou-se muitos
funcionários de outras instituições para responder com a demanda. Nesse ano o efectivo escolar
era maior em relação o espaço do ciclo preparatório, recorrendo-se com o efeito alguns edifícios
como o prédio Catuna, no rés-do-chão, onde actualmente funciona a padaria e pastelaria Sadik e
no edifício da EDM, onde actualmente funciona a Loja China e antiga Kodak foto Montepuez.

Até em 1976 a escola funcionava como salas anexas da escola Secundária de Pemba, pois, feito
o segundo ano do ciclo preparatório, os exames eram realizados em Pemba. Neste ano a escola
continuava a leccionar a 5a e 6a classe, a escola tinha desde o mesmo nome.

A partir de 1978 a 1979 começa a funcionar como escola independente, portanto, Escola
Secundária de Montepuez, tendo-se beneficiado da construção do primeiro bloco de sala de aulas
onde passou a funcionar até 9a classe e José Vaquina como o seu primeiro director.
35

Em 2002 houve a transferência do 2o ciclo do ensino primário, ficando apenas a leccionar o


ensino secundário.

1.2. Características Físicas das Infra-estruturas da Escola Secundária de Montepuez

A escola apresenta um ambiente saudável com sombras de acácia e cadeiras de descanso por
todo recinto escolar e algumas plantas frutíferas como Goiabeiras e mangueiras, tem vários
baldes para fornecer a água para professores e alunos e uma vala de drenagem. A escola esta em
concordância com a educação ambiental uma vez que tem plantio de algumas plantas para a
protecção ambiental no contexto de sequestrar o carbono. A escola apresenta uma combinação
de cores aceitável (cor de vinho e cor de leite), e esta protegida por um muro vedação completa,
isto é, todo o recinto é vedado por um muro de blocos convencionais, não tem um controlo
directo nas entradas e saídas, pois não tem uma cabine de permanência diária, necessita de
manutenção nas instalações elétricas e sanitárias, as casas de banhos principalmente as sanitas
estão em péssimas condições. Vide as imagens a seguir.

Imagem 1: infra-estruturas da escola.

Fonte: Acervo pessoal do autor, capturado no dia 29/10/2018.

A ESM possui três (3) blocos de salas de aulas num total de 17 salas aulas e um bloco
administrativo que alberga a secretária-geral, a sala dos professores, a secção pedagógica, sala de
materiais didáctico e o Gabinete do Director e dos respectivos directores adjuntos pedagógicos,
enfrente do bloco administrativo tem um mastro da Bandeira da República de Moçambique. Tem
uma sala de estudos e reprografia, conta com uma biblioteca interna com vários materiais de
estudo, um laboratório de química e física. Quatro (4) casas de banhos, quatro (4) casas de
36

professores, uma residência para o director da escola, a direcção de escola, têm uma área
desportiva (campo de futebol), pátio para o recreio com árvores que servem de sombra e bancos
de descanso dos alunos, duas cantinas, possui uma sala de material didáctico, tem um gabinete
administrativo, uma secretaria onde trabalham os agente e chefe da secretaria. Vide as imagens a
seguir apresentando os três blocos de salas de aulas.

1.3. Efectivo dos Professores de geografia e geral da ESM


A ESM tem um efectivo de professores de total de 97 professores, dos quais são apresentados na
tabela 3 que trás a distribuição em níveis de formação e sua distribuição em sexo.
Tabela 3: efectivo de professores de Geografia com o respectivo nível de formação
Nível de formação dos professores Sexo Total
Masculino Feminino
ITP (Instituto Técnico Profissional) N1 1 2
N2 1
Médio (N3) 1 1
Licenciados (N1) 5 5
Total 8 8
Fonte: adaptado pelo autor a partir dos dados da direcção Pedagógica da ESM, 2018.

A tabela 3, representa os professores da disciplina de Geografia com respectivo nível de formação,


com base nesta tabela percebe-se que a escola tem professores com uma formação superior e técnico e
têm todas as capacidades de utilizar o trabalho de campo. Conforme os dados fornecidos pela direcção
pedagógica da ESM, pode-se deduzir que os professores estão qualificados e capacitados para usufruir
deste método de trabalho de campo no ensino de geografia.

1.4. Apresentação, análise e interpretação dos dados obtidos durante o questionário


dirigido aos alunos da 8ª classe da ESM

Nesta parte tem por objectivo apresentar os dados colhidos no campo, que ao longo desta fase
ira-se apresentar as questões que facilitaram no levantamento dos dados. No entanto, é nesta fase
que vai se arrolar todas questões e observações adquiridas no terreno no acto da recolha de
dados.

O que é trabalho de campo?

Na perspectiva de SCORTEGAGNA, (2001: 17), menciona:


Em cursos de Geografia, as actividades de campo são fundamentais para
colocar o estudante em contacto com o meio, e possibilitar sua percepção
da inter-relação entre os aspectos físicos e humanos pois levam o aluno a
observar e também a questionar seu espaço de vivência. O aluno produz
37

seu próprio conhecimento e pode agir e ser um agente transformador do


meio. Poderá, ainda, compreender as relações que existem entre aspectos
físicos e humanos no espaço, até perceber que o espaço está em
constante movimento, é dinâmico, não-estático, nem fragmentado.

1.4.1. Conteúdos leccionados versus a percepção da matéria pelos alunos

Com objectivo de perceber se conteúdos leccionados eram suficientes para estimular a sua
capacidade de percepção da matéria da 8ª classe, colocou-se a seguinte questão: Os conteúdos
leccionados em sala de aulas são suficientes para sua percepção da matéria? Sim ou Não. Esta
questão foi colocada para 50 alunos equivalente a 100% da amostra, como respostas obtidas
foram, dos 50 alunos questionados 37 que equivale a 74%, responderam que: sim, os conteúdos
são suficientes para estimular a sua percepção. Enquanto, 13 alunos, equivalente a 26%
responderam que não são suficientes para estimular a sua percepção.

Ao leccionar os conteúdos deve sempre trazer a tona aquilo que é a realidade e mostrar ao aluno
os acontecimentos reais e não apenas leccionar de forma teórica, deve conciliar com a prática
vivida no dia-a-dia do aluno ou mesmo do professor. O trabalho de campo deve ser um método
mais usado nas aulas de geografia para facilitar a aprendizagem e percepção dos conteúdos pelos
alunos e como a própria disciplina obriga que o professor não deve ser estático mais sim
dinâmico e criativo procurando varias formas ou metodologias para que saia bem-sucedido no
acto de ensinar os conteúdos da geografia com ciência da terra.

O trabalho de campo detém uma força de ensino e aprendizagem enorme, pois seu
desenvolvimento é presente possuindo uma acção interligada, onde o actor principal não é o
livro didáctico como de costume, mais sim o lugar que está sendo visitado e utilizado como base
para o conhecimento. Tal actividade funciona como um transmissor de conhecimento de teorias,
conceitos, ciclos, processos e tudo que o espaço geográfico possa conter em seu meio de estudo.
Porém, é importante salientar que é papel do professor responsável não permitir que o estudo do
meio se torne de fato um passeio, cuidando de dar sentido e significado ao estudo, mantendo o
vínculo com os objectivos curriculares e propondo um produto final coerente, interessante de ser
produzido, o qual tenha significado para os alunos, (BELO e JUNIOR: 2010).

No que tange aos conteúdos de Geografia Física, mesmo que estes sejam expostos de maneira
superficial e até mesmo genérico, na maioria dos livros didáticos utilizados por professores e
alunos, na Escola Secundária de Montepuez, os conteúdos continuam a ser transmitidos com a
superficialidade que foram apresentados naquele período, neste caso, nos tempos remotos, o que
38

prejudica a aprendizagem. O professor profissional de geografia deve ser criativo e construtivo


no contexto de melhorar com o ensino da geografia escolar em Moçambique e em Particular em
Montepuez, usando o trabalho de campo como forma de motivar o aluno e nortear a teoria da
prática, promovendo curiosidade nos aluno para que possam ser criativos e construtivos a ponto
de fazer algumas experiencias em relação ao que aprendeu em sala de aula.
Gráfico 1: nível de percepção dos alunos.

Pergunta 1
80%
70%
60%
50%
Pergunta 1
40%
30%
20%
10%
0%
Sim Não
Fonte: o Autor/2018

Este gráfico representa o índice de percepção dos alunos em relação os conteúdos leccionados na
sala de aula, e concluiu-se que os alunos se sentem satisfeitos e se conformaram com a realidade
que estão passando.

1.4.2. Aplicação do princípio de comparação com a realidade mais próxima do


aluno

Com intensão de perceber se o professor tem feito uma comparação com a realidade mais
próxima do aluno, para também facilitar a sua aprendizagem, foi colocada a seguinte pergunta:
O professor ao leccionar tem feito comparação com a realidade mais próxima de você? Sim ou
Não. Esta pergunta foi colocada para 50 aluno que constituí amostra, que equivale a 100%.
Como respostas obtidas são: dos 50 alunos 34 que equivale a 71% responderam o seguinte: não
tem feito a comparação com a realidade mais próxima do aluno. Os outros 16 alunos que
equivale a 29% responderam o seguinte: sim tem feito a comparação com a realidade mais
próxima do aluno.
Com auxilio desse método de trabalho de campo no SNE, os alunos se sentiriam motivados a
participar nas aulas da geografia, assim, as aulas seriam mais atractivas com um método
inovador que possa estar ligado a realidade do quotidiano de cada um dos alunos, contribuindo
assim para o seu aprendizado. Todavia, uma geografia além da sala de aula tornar-se-á
39

cooperativa e colaborativa na construção de conhecimentos, com o engajamento e a motivação


do auto - produção do conhecimento, promovendo um ensino e aprendizagem de qualidade,
elevando assim a curiosidade dos alunos para que possa ir além do ler e ouvir, incentivando a
criatividade e a criticidade, tornando aplicado do conhecimento pré-existente.
Ao menos que o professor não aplique o trabalho de campo, o que devia fazer é comparar os
conteúdos leccionados com a realidade mais próxima do aluno para facilita a sua aprendizagem e
fazer com o aluno saia da abstração para a realidade.

Gráfico 2: uso de princípio de comparação com realidade mais próxima do aluno

Pergunta 2
80%
70%
60%
50%
Pergunta 2
40%
30%
20%
10%
0%
Não Sim
Fonte: Autor 2018

O gráfico acima apresentado, sustenta e dá o significado dos resultados obtidos a partir da


pergunta em 2, que pretendeu perceber até que ponto o professor usa este princípio nas suas
aulas, para congratular o professor usa este princípio, de acordo com afirmação dos alunos
questionados.

1.4.3. Consolidação dos conteúdos leccionados com a prática ou realidade

Com objectivo de perceber se o professor tem realizado o trabalho de campo, foi colocada a
seguinte questão: O professor tem vós levado para realização das aulas de campo? Sim ou Não.
Dos 50 alunos questionados equivalentes a 100%, Com esta pergunta foram obtidas as seguintes
respostas, todos os alunos responderam: não, tem-nos levado para realizar o trabalho de campo.
O que leva a perceber que o professor não utiliza este método nas suas aulas.
40

De acordo com CASSOL (2009) devemos fazer com que os alunos vivenciem algumas práticas,
para ter noções geográficas no mundo que vive. Considerando que o espaço escolar que os
alunos estão inseridos (sala de aula) acaba transformando o ensino em algo monótono e
cansativo, refletindo assim, uma abordagem tradicional dos conteúdos, fazendo com que a
geografia não passe de uma disciplina decorativa e "chata", com a utilização somente do livro
didático.
Aliando a essa ideia, de fato, há uma necessidade em superar os métodos tradicionais de ensino,
trazendo ao aprendizado não somente os conteúdos transmitidos, mas levá-los de forma mais
pratica, para facilitar a análise e a compreensão dos assuntos estudados pelos alunos em sala.

1.4.4. Satisfação dos alunos em relação os conteúdos leccionados na sala de aulas

Com objectivo de perceber se os alunos se sentem satisfeitos com os conteúdos leccionados na


sala de aula sem realizar um trabalho de campo, foi colocada a seguinte questão: Se sente
satisfeito com as matérias teóricas leccionadas pelo seu professor em sala de aulas? Sim ou
Não. Foram obtidas respostas as seguintes respostas, dos 50 alunos questionados que representa
100%, 47 alunos equivalente a 94% responderam que sim sentimo-nos satisfeitos com os
conteúdos e nos conformamos com esta realidade, e apenas 3 alunos que representa 6% foram
unânimes em afirmar que não sentimos satisfação com os conteúdos leccionados.

Segundo FIGUEIREDO e SILVA (2009), o trabalho de campo é um instrumento metodológico


que envolve e motiva, agrupando teoria e prática, no qual é possível notar as grandes mudanças
nas actividades desenvolvidas em sala. Assim sendo, o trabalho de campo como recurso didático
auxiliador de grande importância, pode oferecer uma compreensão da realidade do aluno por
meio de abordagem de práticas, uma melhoria do relacionamento de conhecimento do aluno com
aluno, ou até mesmo professor com aluno, e capacidade de desenvolver um conhecimento
constantemente reactivo e renovado.

Gráfico 3: nível de Satisfação dos alunos em relação os conteúdos leccionados


41

Pergunta 4

94%
Sim
6%
6% Não

Fonte: o autor/2018

O gráfico 3, representa o índice de satisfação em relação as matérias teóricas leccionadas pelo


professor de geografia. Com base nas respostas obtidas a partir dos alunos questionados, é de
notar que existe um paradoxo entre os conteúdos leccionados em sala de aulas e os conteúdos
que deveriam ser leccionados num ambiente informal, para melhorar com a aprendizagem do
aluno da 8a classe.

1.4.5. Domínio e aplicação dos conteúdos estudados na sala de aula pelos alunos

Com o objectivo de perceber se os alunos tinham interesse de realizar o trabalho de campo com
base os conteúdos leccionados e que gostariam de realizar esta actividade, o autor colocou a
seguinte perguntam: O que você aprendeu na sala de aulas e gostaria de realizar um trabalho
de campo para ver na realidade? Esta questão foi colocada para 50 alunos que representa 100%,
dos questionados 35 alunos equivalente 70% responderam quase mesma ideia (…) os principais
elementos de um rio e os principais tipos de rochas. O vulcanismo na sua ocorrência. O
proponente ficou ainda curioso com a resposta de duas (2) alunas que equivale a 4% que
disseram o seguinte (…) queria construir um palácio, e 13 alunos questionados que equivale
26% responderam nada, deixaram o espaço em branco.
No campo os alunos devem aprender mediante participação activa dos
professores, cuja função é a de facilitadores da aprendizagem. As práticas de
ensino buscam desenvolver nos alunos a criatividade, a habilidade de observar e
compreender os processos naturais, a capacidade de analisar e integrar
diferentes tipos de informação e habilidades de pensamento cíclico. Os
estudantes e professores realizam conexões mentais para interpretar o registo
gravado nas rochas, (CARNEIRO et al. 2008:131).

É através do trabalho de campo que o aluno deveria construir o seu conhecimento de forma mais
sólida e concisa e assim tirando-o do abstracto para o real.
42

Gráfico 4: índice de domínio e aplicação dos conteúdos estudados


70%
70%
60%
50%
40%
26%
30%
20% 5
Pergunta
10% 4%
0%

Pergunta 5

Fonte: o Autor/2018
O gráfico 4 representa o nível de percepção dos alunos dos conteúdos leccionados e sua
aplicação pratica, verifica-se que os alunos conhecem conteúdos que por alguma forma os
professores deveriam encaminhar os alunos a estudar num ambiente informal e com esta
sugestão dos alunos seria um bom ponto de saída.

1.4.6. Lugares essenciais de Montepuez para a realização do trabalho de Campo

Com o objectivo de perceber se os alunos conheciam lugares que poderiam ser potenciais na
realização do trabalho de campo, foi colocada a seguinte pergunta: conheces lugares de
montepuez onde poderia servir para a realização de trabalho de campo relativamente aos
conteúdos que aprendeu na 8ª classe? Quais? Sim ou Não. Com esta pergunta o autor teve as
seguintes respostas, dos 50 alunos questionados que equivale 100%, todos responderam que: não
conheciam nenhum sítio com este potencial.

Segundo FREIRE (1996: 43),“o professor não deve ser um simples transmissor de conhecimento
acumulado, mas sim um mediador, onde a bagagem de vivência do aluno deverá ser valorizada
de forma cultural e construtiva”.
Nesta perspectiva, o professor deve mediar o conhecimento do aluno, mostrando a realidade dos
factos e fenómenos que o dia-pôs-dia enfrenta na sua comunidade, as atitude que o aluno trás
sendo ela importante para o ensino da geografia o professor deve ser capaz de seleccionar e
sistematizar e como resposta trazer actividades práticas para que o aluno se sinta realizado.
43

1.4.7. Estação meteorológica de Montepuez como espaço potencial para realização


do trabalho de campo

Com propósito de saber se os alunos tinham interesse de participar em um trabalho de campo ou


aula fora da sala de aulas habitual, foi colocada a seguinte pergunta: Que tal se um dia o seu
professor dizer vamos ter um trabalho de campo na estação meteorológica, seria importante
para você? Sim ou não? Esta questão dirigida a 50 alunos da 8a classe da ESM teve como
equivalente a 100%, o proponente obteve as seguintes respostas durante a sua colecta de dados:
(…) os alunos Categoricamente concordaram com a ideia e disseram que sim seria uma honra e
importante participar no trabalho de campo.
Justificando, sim porquê: (…) teria o contacto com alguns instrumentos de medição da
temperatura como termómetro, anemómetro, catavento e saber a formas do seu uso e gostaria de
conhecer como se mede a temperatura. Através dos conteúdos leccionados na sala de aula seria
benéfico ir a estação meteorológica para melhor fixar a matéria e ter aquilo que é a realidade das
coisas. Aprender coisas novas da vida.
O trabalho de campo é um rico encaminhamento metodológico para analisar a área de estudo
(urbana ou rural), de modo que o aluno poderá diferenciar, por exemplo, paisagem de espaço
geográfico. Parte-se de uma realidade local, bem delimitada para se investigar a sua constituição
histórica e as comparações com os outros lugares, próximos ou distantes. Assim o trabalho de
campo jamais será apenas um passeio, por que terá importante papel pedagógico no ensino de
Geografia (CASTROGIOVANNI; CALLAI; KAERCHER citado por CIOCCARI, 2013).

Olhando por outros lugares que o distrito de montepuez pode oferecer, destaca-se o monte
girimba, N’coripo e as pedreiras de marmonte em conteúdos de formas de relevo e os tipos de
rochas, pois, montepuez oferece uma variedade de rochas que os professores deveriam tirar o
proveito deste potencial para facilitar a aprendizagem dos alunos e também o rio montepuez e
outros rios a redor de montepuez onde poderiam aprender na realidade os elementos de um rio.

1.4.8. Análise do contributo do trabalho do campo para os alunos da 8 a classe da


ESM

Com objectivo de perceber dos benefícios que o trabalho de campo poderia trazer aos alunos na
vida quotidiana foi colocada a seguinte pergunta: Qual é o benefício de realizar uma aula fora
da sala de aulas? Esta questão colocada para 50 alunos equivalente a 100%, o autor obteve as
seguintes resposta (…) é benéfico porque teria um contacto directo daquilo que estudei em sala
44

de aula; me ajudaria a fixar o conhecimento da disciplina de geografia; Teria a prática dos


conteúdos estudados na sala de aula; Me ajudaria a perceber melhor as matérias leccionadas;
Aumentar o conhecimento; Conciliar a teoria da prática; Aprender sobre o meio ambiente.

Assim, nota-se de forma mais clara que o contributo do trabalho de campo é de extrema
importância pois leva ao aluno a estudar em um ambiente informal e tendo o contacto directo
com o fenómeno em estudo. Este motiva o aluno em estudar geografia do seu mundo.

De tal forma que CIOCCARI (2013: 34-35), acrescenta:


Assim, uma Geografia além da sala de aula tornar-se-á cooperativa e
colaborativa na construção de conhecimentos. Além disso, é recorrente
uma nova postura de aprendizagem frente ao grande e veloz avanço
técnico-científico, uma vez que se convive diariamente com as novas
tecnologias e as múltiplas linguagens do saber. O papel de orientador na
ação de estudar propícia ao aluno o “saber buscar”, o “saber selecionar”,
analisar e criticar todas as formas de informações que lhe chega por
diversos caminhos, possibilitando a formação do próprio conhecimento.

Portanto, as actividades de campo poderão desenvolver no aluno habilidades e capacidades


importantes para uma formação integral. Não só isto, mas também poderá ser desenvolvida no
aluno motivação para que este enriqueça suas discussões teóricas, colocando sua opinião e
tirando suas dúvidas de forma mais livre, de modo que, os alunos possam organizar relações com
o real, com a paisagem que os cerca e que faz parte de seu quotidiano.

1.5. Apresentação, análise e interpretação dos dados obtidos durante a entrevista


dirigida aos professores de Geografia da Escola Secundária de Montepuez

Nesta etapa, é onde o proponente vai apresentar os resultados obtidos a partir do contributo dos
professores entrevistados, contudo apresenta-se todas a respostas que os professores deram,
ajudando assim a realização e concretização da pesquisa. É de referir que o autor entrevistou três
(3) professores de geografia que leccionam nesta escola.

1.5.1. Contributo do trabalho de campo na aprendizagem dos alunos

Com objectivo de explorar o conhecimento do professor sobre a importância do trabalho de


campo, colocou-se a seguinte questão: Com relação aos aspectos favoráveis à utilização do
trabalho de campo como um método pedagógico no ensino de Geografia. Diga em poucas
palavras qual é a importância do trabalho do campo principalmente para seus alunos? Esta
questão foi colocada para 3 professores equivalendo 100%, dos entrevistados, obteve-se as
seguintes respostas, Prof. A: (…) O trabalho de campo dá base para o cruzamento da realidade
45

do aluno com o conteúdo abordado. Ajuda também o educando a desenvolver a natureza dos
lugares e do mundo como seu habitat. Através desse método o aluno consegue auxiliar-se na
construção do conhecimento articulando a teoria com a prática, isso, através da observação e da
análise do espaço vivido e concebido. Prof. B: (…) Permite aos alunos conhecer a realidade
duma forma apalpável e eficiente dos conteúdos programados. Dependendo dos conteúdos
programáticos. Porque nem todo o conteúdo que aparece no programa precisa de trabalho de
campo. É importante para ver a funcionalidade real de cada aspecto em conteúdos que
necessitam de trabalho de campo. Prof. C: (…) é importante faz com o aluno perceba os
conteúdos leccionados teoricamente no seu ambiente e na sua realidade natural. Na medida em
que o aluno estaria a interpretar a geografia da sua comunidade a partir de realizações.

Com finalidade de saber se os professores teriam o conhecimento da importância do trabalho de


campo, logo, concorda-se que os professores têm o conhecimento da importância dos trabalhos
de campo apesar de não aplica-los. Os professores ora entrevistados afirmaram que o trabalho de
campo é um método viável para facilitar a aprendizagem do aluno e procurar pela qualidade do
ensino de geografia em Moçambique, e fazendo com o professor seja o acompanhante ou
orientador desta prática pedagógica no ensino da disciplina de geografia.

Os conteúdos são então, significados por uma prática da realidade, no sítio no qual ocorrem e nas
interações e processos visíveis que se estabelecem. Então, o trabalho de campo pode ser visto
como um recurso metodológico da prática de ensino, bem como uma metodologia de
aprendizagem de determinados eventos, que possibilita ao aluno o trânsito entre o concreto e o
abstrato, sem causar estranhezas, (CIOCCARI, 2013).

1.5.2. As formas de uso de trabalho de campo pelos professore da ESM

Com intensão de perceber a via ou forma que tem usado para ajudar a perceber melhor os
conteúdos ao aluno da 8a classe, foi colocada a seguinte pergunta: Como é que tem feito para
ajudar ao seu aluno/a na percepção das matérias leccionadas na sala de aula? A pergunta foi
colocada para 3 professores equivalendo 100%, no entanto, da pergunta obteve-se as seguintes
respostas, Prof. A: (…) eu uso vários métodos para que os alunos saibam analisar, compreender
e contextualizar os conteúdos, através de contacto directo com o ambiente de estudo fora da sala
de aula para a materialização da teoria. Já o Prof. B: sustentou (…) Fazendo comparação mais
próxima da realidade dos alunos de modo a facilitar a sua percepção Duma forma programada
em função dos planos, dosificações e programas, não de forma improvisada, porque só assim
46

facilitaria o uso adequado do trabalho de campo. Prof. C: (…) explicando os conteúdos de forma
mais aprofundada, gostaria de usar a partir de uma estrutura sistemática dos conteúdos que
necessitam de um trabalho de campo.
Logo, verifica-se que os professores não utilizam esta variação metodológica nas suas aulas de
geografia.

Diante dessa postura, o professor deve proporcionar por meio da criação de condições e
situações de aprendizagem a construção do conhecimento com autonomia própria, (CIOCCARI,
2013).

Na perspectiva de ALMEIDA e PASSINI, (2002: 17), acrescenta:


O professor escolhe as localidades que serão visitadas e os fenómenos
que serão analisados. Um roteiro é elaborado e todos os trâmites legais
exigidos pelo estabelecimento de ensino são cumpridos. Uma vez
aprovada a actividade, o roteiro é apresentado aos alunos, a data é fixada
e o professor discute os meios pelos quais irá avaliar o desempenho dos
alunos – relatório, apresentação oral, trabalho escrito etc.

No que concerne, a actualidade o trabalho de campo é um recurso metodológico de ensino –


aprendizagem que vem se apossando do seu espaço oficial nas práticas curriculares da Geografia
como um dos instrumentos de maior interesse e produtividade no ensino da Geografia e na
formação do profissional da Geografia.

1.5.3. Eficácia do trabalho de campo na aprendizagem do aluno

Com objectivo de saber a partir dos professores sobre o contributo e eficácia do trabalho de
campo no aluno, foi colocada a seguinte questão: Será que o trabalho de campo é eficaz para
aprendizagem do aluno nesta escola? Dessa pergunta obteve-se as seguintes respostas: Prof. A:
(…) Sim. Porque este método é muito importante principalmente para a disciplina de geografia,
porque fortalece a própria disciplina e desenvolve a pesquisa, uma vez a observação e a
descrição constituem pontos focais para a mesma. O Prof. B acrescenta afirmando que, (…) Sim.
Porque leva aos alunos terem um conhecimento prático e sólido. Já para Prof. C: (…) sim é
eficaz, porque dá um contributo excelente ao aluno promovendo a melhor assimilação do aluno.

Um trabalho de campo para ser eficaz em sua proposta deve ser precedido de uma discussão em
sala de aula, levando o aluno a discutir a temática que será problematizada em campo. Este
estudo teórico prévio tem a finalidade de construir um embasamento conceitual e metodológico
que viabiliza uma maior aprendizagem.
47

No trabalho de campo, instigamos o aluno a pensar e olhar a realidade a partir de um


conhecimento prático e pessoal. Entende-se o trabalho de campo como um recurso didático,
quando ele se apresenta por meio do método dedutivo, ou seja, ele é um recurso para ilustrar o
conhecimento adquirido em sala de aula, utilizando-se a educação bancária e memorização dos
conteúdos, (CIOCCARI, 2013).
Todavia, a metodologia de trabalho de campo é o palco da desconstrução e da construção do
conhecimento real e estudado na sala de aula, no qual, a partir da prática, o aluno teoriza. Com
vista a subsidiar e usufruir de tudo que o mundo dá.

1.5.4. Inclusão do trabalho de campo como método na planificação dos professores

Com intensão de perceber se bem os professores têm incluído o trabalho de campa nos planos de
aula, trimestrais ou quinquenais foi colocada a seguinte questão: Tem incluído o Trabalho de
campo na sua planificação? Todavia, dos 3 professores entrevistados obteve-se a seguinte
resposta: todos os professores afirmaram que não.

Segundo FREIRE (1996: 43),“o professor não deve ser um simples transmissor de conhecimento
acumulado, mas sim um mediador, onde a bagagem de vivência do aluno deverá ser valorizada
de forma cultural e construtiva”.
Nesta perspectiva, o professor deve mediar o conhecimento do aluno, mostrando a realidade dos
factos e fenómenos que o dia-pôs-dia enfrenta na sua comunidade, as atitude que o aluno trás
sendo ela importante para o ensino da geografia o professor deve ser capaz de seleccionar e
sistematizar e como resposta trazer actividades práticas para que o aluno se sinta realizado.

1.5.5. O contributo que o trabalho de campo pode fornecer ao aluno como


benefícios

Com objectivo de conhecer o contributo do trabalho de campo desenvolvido pelos professores e


com uma proposta bem-sucedida, foi colocada a seguinte pergunta: Qual é o benefício de
realizar uma aula fora da sala de aulas? Desta pergunta obteve-se a seguinte resposta, Prof. A e
B: (…) criar vontade ou estimular o aluno a ter o gosto em estudar geografia e assim a aula não é
cansativa e faz com que o aluno aprofunde mais os factos e fenómenos geográficos. Prof. C: (…)
o aluno acaba motivando o seu conhecimento e acomoda a realidade das coisas, saído assim, do
abstracto para o conhecimento apalpável.
48

Segundo CONPIANI e CARNEIRO (1993: 90) o trabalho de campo desempenha na prática


educativa quarto funções:
Ilustrativa, cujo objetivo é ilustrar os vários conceitos vistos nas salas de
aula; motivadora, onde o objetivo é motivar o aluno a estudar
determinado tema; treinadora, que visa a orientar a execução de uma
habilidade técnica; e geradora de problemas, que visa orientar o aluno
para resolver ou propor um problema.

Com este contributo de trabalho de campo no ensino de geografia, a discussão surge na forma
como esta actividade é operacionalizada pelos professores de geografia, assim como os
professores acima citados afirmam que o trabalho de campo é importante, mas não utilizam este
método de ensino nas aulas de geografia. Então o trabalho de campo como uma outra actividade
precisa de ser previamente planificada e apresentar a proposta de forma antecipada aos alunos.

Conforme CALLAI et al. (1988), acrescenta:


Vale lembrar aqui que durante o tempo em que se desenvolve todo o
processo do trabalho de campo (planificação, execução, análises e
relatórios), o professor deve ter a preocupação constante de situar a
atividade que está sendo desenvolvida dentro do contexto dos objetivos
pelos quais estão sendo desenvolvidas as tarefas. Isto é necessário para
se evitar o “fazer pelo fazer” apenas.

O aluno vive em um ambiente social e em comunidade, logo, o próprio espaço que o aluno vive é de
extrema importância para a realização de um trabalho de campo. Enquanto, o aluno ter a possibilidade de
observar a transformação da paisagem urbana e podendo identificar suas transformações e dinâmicas, já o
aluno dar-se conte que faz parte destas mudanças e também produtor deste espaço, directa ou
indirectamente contribuirá para a sua formação enquanto cidadão.

1.5.6. Aprender Geografia num ambiente informal

Com objectivo de perceber até que ponto o trabalho de vai levar o aluno a estudar em um
ambiente informal, foi colocada a seguinte pergunta: De que forma o trabalho de campo pode
colocar o aluno a aprender em um ambiente informal? Desta pergunta obteve-se as seguintes
respostas, Prof. A: (…) na medida que o aluno é retirado para fora da sala de aula vai
aprendendo o lugar e o mundo, articulando a teoria e a prática através da observação e de análise
do espaço concebido. O Prof. B., com outras intensões diz (…) sempre que o professor usar o
trabalho de campo como método principal na sua aula, o aluno passará a ter conhecimento sobre
o funcionamento do ambiente que lhe rodeia mesmo que seja num ambiente informal. Prof. C:
quando começa a demostrar atitudes que aprende na sala de aulas e na medida em é levado para
49

estudar além da sala de aula ele se mostra curioso em perceber tudo que vêm e toca no ambiente
em se encontra.

De alguma forma, os conteúdos de geografia tentem a paisagem e fenómenos distantes da


realidade do aluno, em perda de experiencias vividas fazem-se descrições que tornam-se
impessoais, que ao aluno a pensar que não são do mundo em que vive, mas o desafio do
professor é tornar estes conteúdos mais concretos e reais para facilitar a aprendizagem do aluno.
Já o professor deve recorrer ao trabalho do campo para tirar o aluno do abstracto para o real.

A pesquisa de campo é um meio e não um objetivo em si mesmo. É a pesquisa indispensável à


análise da situação social. Trata-se, repetimos, de situação social e não de situação espacial. O
espaço não pode ser estudado pelos geógrafos como uma categoria independente de vez que ele
é nada mais que um dos elementos do sistema social. São as relações dos homens com o espaço
ou a respeito do espaço que preocupam hoje os geógrafos modernos: preocupação ou polarização
científica insuficiente, de vez que não se pode compreender estas relações sem compreender as
relações dos homens entre si, quer dizer, as relações sociais, (KAISER citado por CIOCCARI,
2013).

Estudar o município de Montepuez é importante e necessário para o aluno saber que a partir do
seu ambiente local que é possível desenvolver uma aula fora da sala de aula e da escola como
seu local habitual de estudos. Assim, o aluno encara isto como um desafio estudar o ambiente em
que está inserido, a natureza que ele próprio ajuda a fundir ou seja vê a se transformar.

1.5.7. As Formas de maximização do uso do trabalho de campo deixadas pelos


professores

Com objectivo de conhecer algumas formas de maximizar o trabalho de campo foi necessário
colocar esta questão: Quais as formas de maximizar o uso deste método no ensino de geografia?
Onde através desta o proponente obteve as seguintes formas que constam na tabela 5.

Tabela 5: formas de maximizar o uso do trabalho de campo deixadas pelos professores


Professor Sugestões/ recomendações
A Levantamento de informações planificadas e tratados em sala de aula;
Descoberta de novos fenómenos pelos alunos estimulando as emoções e
sentimentos, através do uso da observação.
B Confrontar a teoria com a prática ou realidade vivida pelo aluno;
A paisagem como fonte de estudo.
C A abordagem dos conteúdos de geografia devem estar viradas ao trabalho de
campo para facilitar a sua aprendizagem pratica;
50

Usar esta metodologia de ensino para Sensibilizar o aluno e encarregado de


educação a se interessarem nesta metodologia de ensino;
Seriedade nos professores em leccionar os conteúdos essenciais e objectivas.
Fonte: acervo pessoal do autor/2018

1.6. Apresentação, análise e interpretação dos dados obtidos durante a entrevista


dirigida ao director Adjunto da Escola (DAE) da ESM

Nesta parte, é onde são encontrados todos os itens, referentes a entrevista concedida pelo autor
ao director adjunto da ESM, foi necessário entrevistar esta individualidade, pois, é o DAE que
tem o contacto directo com os professores, analisa os planos de aula ou trimestrais de cada
disciplina, neta parte o objectivo essencial foi de conhecer até que ponto o DAE já pelo menos
viu uma proposta de trabalho de campo seja nos planos ou nas reuniões de dosificação ou
planificação trimestral da ESM.

1.6.1. Contributo do trabalho de campo na aprendizagem dos alunos

Com intensão de saber até que ponto o trabalho de campo poderia ajudar ao aluno na sua
aprendizagem, foi colocada ao DAE da ESM a seguinte questão: De que forma o trabalho de
campo se torna importante para aprendizagem do aluno? Esta pergunta colocada ao DAE,
obteve-se a seguinte resposta (…) o trabalho de campo se torna importante na medida em que se
faz integração deste da teoria como a prática educacional, ou seja, conciliação com a prática.

Pense que a maior parte dos geógrafos concorde com o fato de que a ida a campo seja um
instrumento didáctico e de pesquisa de fundamental importância para o ensino e pesquisa da/na
Geografia. Enquanto recurso didáctico, o trabalho de campo é o momento em que podemos
visualizar tudo o que foi discutido em sala de aula, em que teoria se torna realidade, se
‘materializa’ diante dos olhos estarrecidos dos estudantes, daí a importância de planejá-lo o
máximo possível, de modo a que ele não se transforme numa ‘excursão recreativa’ sobre o
território, e possa ser um momento a mais no processo ensino/aprendizagem/produção do
conhecimento (MARCOS, 2006).
No trabalho de campo, que sempre visa o “além do muro da escola”, está presente a necessidade
de ampliar conhecimentos e experiências profissionais enquanto sujeito dos processos de ensino
e aprendizagem em Geografia. O trabalho de campo possibilita uma maior convivência com os
alunos, no sentido de troca de experiências e de aproximação nos diálogos que contemplam o
relato do dia-a-dia de cada um. Contribuem para que o professor (a) signifique as metodologias
de ensino, assim como, estabeleça parcerias efetivas com os alunos, que respondendo as
51

expectativas, constroem seus significados. No entanto, O trabalho de campo proporciona ao


aluno uma vivência com o professor de maneira prática, em que as trocas entre eles se tornam
cada vez mais aprimorada.

1.6.2. Realização do trabalho de campo pelos Professores da ESM

Com objectivo de perceber se os professores têm realizado trabalhos de campo com o


conhecimento do DAE, foi colocada a seguinte pergunta: Os professores têm proporcionado
momentos de realizar algum trabalho de campo? Sim ou Não. Como resposta obtida a partir da
entrevista foi (…) não, tem realizado e nem pelo menos pedem permissão ou apoio da saída para
estudar fora da sala de aula.

Conforme CALLAI et al. (1988), acrescenta:


Vale lembrar aqui que durante o tempo em que se desenvolve todo o
processo do trabalho de campo (planificação, execução, análises e
relatórios), o professor deve ter a preocupação constante de situar a
atividade que está sendo desenvolvida dentro do contexto dos objetivos
pelos quais estão sendo desenvolvidas as tarefas. Isto é necessário para
se evitar o “fazer pelo fazer” apenas.

O aluno vive em um ambiente social e em comunidade, logo, o próprio espaço que o aluno vive é de
extrema importância para a realização de um trabalho de campo. Enquanto, o aluno ter a possibilidade de
observar a transformação da paisagem urbana e podendo identificar suas transformações e dinâmicas, já o
aluno dar-se conte que faz parte destas mudanças e também produtor deste espaço, directa ou
indirectamente contribuirá para a sua formação enquanto cidadão.

No entanto, o professor deve buscar a compreensão do espaço geográfico, o professor deve


proporcionar situações que confrontem a realidade e a teoria, harmonizando momentos que
permeiem a percepção do mundo, elucidando o agir e o pensar, a razão e a reflexão, para a
compreensão do envolvimento do ser humano com a natureza (BRABANT citado por
OLIVEIRA, 1995).

1.6.3. Acções do DAE em relação ao trabalho de campo na ESM

Com intensão de conhecer os objectivos do DAE com relação a implementação do trabalho de


campo na ESM, O que o senhor tem feito na categoria de pedagógico para que haja o uso desta
metodologia de ensino? Como resposta obtida (…) consta dos programas de então a integração
de metodologias educativas eficazes para aprendizagem. Na qualidade de DAE faço a monitoria
ou orientação da integração nos planos analíticos no seio dos grupos de disciplinas.
52

De acordo com PONTUSCHKA apud NETO e BARBOSA, (2010: 163), “não é possível pensar
o ensino e a aprendizagem da Geografia sem pensar que ela é parte integrante do contexto
escolar”.

Por isso, o DAE deve participar no processo de planificação dos professores, deve ter acções
com vista a minimizar a preguiça nos professores da ESM, incentivando que apliquem o método
de trabalho de campo nas suas aulas de geografia.

1.6.4. Participação do DAE na elaboração dos planos

Com objectivo de perceber se o director adjunto da escola secundária de montepuez tem


participado no acto de planificação das aulas ou faz supervisão dos planos, foi colocada a
seguinte questão: O senhor tem participado no processo de elaboração de planos quinquenais
e/ou trimestrais na disciplina de geografia? Sim ou Não. A partir desta pergunta, o autor obteve
a seguinte resposta (…) não, eles planificam apenas os colegas da disciplina.
Olhando a esta posição do DAE, geralmente este deveria fazer parte do acto de planificação para
melhor controlar a aprendizagem e os métodos a serem aplicados nas aulas de geografia.

1.6.5. Recomendações deixadas pelo director adjunto da ESM do 1o ciclo.

Com Objectivo de explorar algumas recomendações do DAE, foi colocada a seguinte questão:
Que recomendação deixa em relação ao trabalho de campo como método de ensino
aprendizagem de geografia? Logo, a resposta obtida foi, (…) na qualidade de DAE deixo as
seguintes recomendações:

 Que se massifique o uso desta metodologia de forma recorrente no PEA de Geografia;


 Nos programas ou dosificação deve se incluir o trabalho de campo como método.

1.7. Apresentação dos dados obtidos durante a Observação na ESM.

É nesta faixa que são apresentados todos os aspectos observados na ESM, resultantes da técnica
de observação semi-estruturada com o auxílio de outros instrumentos de levantamento de dados,
posteriormente apresentar-se-á todos os acervos obtidos na ESM, através desta técnica foi
possível observar as aulas de dois professores de geografia e os planos dos mesmos com
finalidade de averiguar se há o uso do método de trabalho de campo e por consequente verificar
o seu contributo na aprendizagem do aluno.
53

O primeiro aspecto observado foi de transmissão de conhecimentos dos professores sem o uso do
trabalho de campo que torno mais difícil a percepção do conteúdo nos alunos da 8 a classe da
ESM, em duas (2) turmas de dois professores de geografia, em análise feita, nesse contexto tudo
indica que os professores conhecem o contributo do trabalho de campo mas não têm as
capacidades e habilidades de realizar o trabalho de campo no seio da comunidade e os alunos
porem se beneficiar de forma directa do conhecimento da realidade. Conforme as imagens a
seguir o proponente esteve presente em duas salas de aulas, por onde assistiu aulas de geografia.

Dentre as diversas disciplinas ensinadas nas escolas deparamo-nos com uma paradoxal situação:
a aparente ineficiência do ensino de Geografia. É comum a afirmação de que a Geografia é
ensinada em aulas descritivas e extenuantes, totalmente distantes da realidade dos alunos,
pautadas apenas em fatos, situações e fenómenos exteriores aos alunos. Apesar de apresentar
uma predisposição para tratar o mundo que nos rodeia, o ensino de Geografia acabou se
desenvolvendo no mesmo plano das outras disciplinas, ou seja, um plano antes de tudo marcado
por abstracções e, muitas vezes, por fenómenos contrários às correntes modernas do
aprendizado, como o enciclopedismo (BRABANT citado por OLIVEIRA, 1995).

Contudo, o enciclopedismo contribuiu para a abstracção crescente do discurso geográfico, ao


mesmo tempo em que alimentou o tédio das gerações de alunos que classificaram a Geografia
entre as matérias a memorizar. Frequentemente é possível acompanhar relatos de alunos e
professores que baseiam o seu pensamento geográfico em fatos isolados e absortos, preenchidos
por dicotomias e ambiguidades.

Conforme esta ideia, AMORIM (2006) acrescenta que o trabalho de campo, quando planificado,
configura-se como uma eficaz estratégia de ensino-aprendizagem, problematizadora e
mobilizadora do artifício de construção do conhecimento, capaz de desenvolver a observação
crítica, o espírito científico de investigação, entre muitos outros procedimentos para o ensino da
Geografia.

Imagem 3: sala de aula com professor a leccionar.


54

Fonte: Acervo pessoal do autor, capturado no dia 29/10/2018.

Contudo, olhando pela complexidade dos conteúdos da geografia que são na sua maioria práticas
necessita que os professores estejam preparados para trazer inovações no ensino de geografia
usando os métodos que facilitem a aprendizagem dos alunos como o trabalho de campo, este
método é mais viável, motivador e inovador.

Segundo Souza et al. (2008), por meio do trabalho de campo é possível desenvolver as
habilidades de observar, descrever, interpretar fenômenos naturais e sócios espaciais nos alunos,
e inferir na boa formação de profissionais na área das geociências. A Geografia surge enquanto
ciência no século XIX, cujo objecto de estudo é o espaço geográfico; portanto o objecto de
interesse da Geografia é este espaço, um espaço social, resultante da produção humana ao longo
do tempo (Martinelli, 1990), porém a prática do trabalho de campo já era realizado através das
viagens exploratórias do então naturalista Alexander Von Humboldt (1769–1859), um dos
sistematizadores da disciplina, em século antes.
55

O outro aspecto foi a falta de uso da teoria construtivista, visto que em didáctica o professor
deve ser construtivo e criativo, não apenas se trancar em métodos tradicionais. Que por algum
momento dificultava o aprendizado, porque só favorece a memorização dos conteúdos
actualmente é necessário usar métodos mais inovadores que levem o aluno a estudar de forma
mais objectiva e participativa, o aluno deve ser um agente activo na aula e não apenas passivo.

A Geografia tem por tarefa descrever, analisar e predizer os acontecimentos terrestres. A


descrição, análise ou predição geográfica dos fenômenos é sempre realizada tendo em vista suas
coordenadas espaciais e mediante a observação de campo. Como o conceito geográfico de
espaço coincide com o de toda a Terra, o geógrafo teve necessidade de recorrer à representação
da superfície terrestre para realizar seus estudos (OLIVEIRA, 1977).

Foi possível observar que a escola tem uma vasta área, e que é possível realizar um trabalho de
campo dentro do recinto escolar, porque a escola apresenta boa paisagem com plantas que por
algum momento sequestram carbono e trazem o equilíbrio na respiração dos alunos o ar é fresco
e saudável sem influência de nenhum factor directo.

Os espaços são desiguais e isso não pode ser visto apenas como obra da
natureza. Compreender as desigualdades sociais e espaciais é uma das
grandes tarefas da Geografia, para que a ciência instrumentalize as
pessoas a uma leitura mais crítica e menos ingênua do mundo, que
desemboque numa participação política dos cidadãos a fim de que
possamos ajudar a construir espaços mais justos e um homem mais
tolerante e solidário (KAERCHER citado por CIOCCARI, 2013: 33).

No trabalho de campo, o aluno deixa de ser um agente passivo, que recebe tudo pronto, e passa a
ser um problematizador, um questionador e um construtor do seu próprio conhecimento. Pois o
aprendizado em campo aguça a curiosidade e assim, pode se desenvolver a partir da realidade, a
abstração sobre causas e consequências dos fenômenos observados. Logo, com o trabalho de
campo bem planificado a apatia no aluno não se faz sentir, por isso, o trabalho de surge para
eliminar essas dificuldades de aprendizagem.

2. Validação das Hipóteses

Depois de apresentação, análise, interpretação e discussão dos dados colhidos no campo através
das técnicas acima descritas, segue-se então a testagem das hipóteses com objectivo de verificar
se são válidas ou não, ou seja, se estão em resignação com as respostas obtidas aos entrevistados
e questionados no trabalho de campo. Então vide logo a seguir.
56

Hipótese 1: O trabalho de campo pode ajudar aos alunos da 8ª classe a construir um


conhecimento sólido através do contacto com a realidade do seu ambiente, garantindo o
relacionamento com as materiais ensinadas na 8ª classe, para despertar mais atenção e interesse
para aprender geografia.

Esta hipótese torna-se válida, a partir da pergunta 7, que os questionados (aluno), que estes e por
ser verdade, foram unânimes em afirmar que “sim o tralho de campo seria muito importante para
a aprendizagem e contribuiria com o desenvolvimento do seu ambiente”.

Também torna-se a hipótese verdadeira a partir da pergunta 1, por ser verdade que os
entrevistados sustentaram que o “trabalho de campo é importante para conhecer melhor a
realidade duma forma apalpável e eficiente dos conteúdos programados”.

É claramente verdadeira através também da pergunta 5, que por ser verdadeira os entrevistados
(professores) afirmaram que “através do trabalho de campo o aluno consegue auxiliar o seu
conhecimento teórico para a realidade” mas também precisa de trabalho de campo como
principal método de ensino de geografia.

Hipótese 2: O trabalho de campo é uma variação metodológica que coloca o aluno a aprender
em um ambiente informal, podendo criar espaço para interacção mais espontânea entre o
aprendizado e ambiente natural.

Torna-se a hipótese verdadeira, através da pergunta 4, que os entrevistados por ser verdade
confirmaram que “este método é muito importante, principalmente para a disciplina de
geografia, porque fortalece a própria disciplina e desenvolve a pesquisa uma vez que a
observação e descrição constituem pontos focais para a mesma”.

A hipótese ora apresentada constitui verdadeira, olhando pelas respostadas obtidas através da
entrevista aos professores, a sua é comprovada através da pergunta 6, que por ser verdade os
entrevistados afirmaram que “o trabalho de campo leva ao aluno a estudar num ambiente
informal desde ao momento que este é levado ao campo, o aluno passará a ter sobre os
fenómenos que os rodeia mesmo que seja em ambiente informal”, também “na medida em o
aluno é retirado da sala de aula, vai aprendendo o lugar e o mundo articulando a teoria e a
pratica, através da observação e de análise vivido e concebido”.

Torna-se ainda verdadeira pelo facto da pergunta 8 que por ser verdade os alunos responderam
que (…) é benéfico porque teria um exemplo concreto daquilo que estudei em sala de aula e
57

fixar o conhecimento da disciplina de geografia. Teria a prática dos conteúdos estudados na sala
de aula. Me ajudaria a perceber melhor as matérias leccionadas. Aumentar o conhecimento.
Conciliar a teoria da prática. Aprender sobre o meio ambiente.

Para terminar com esta parte do trabalho é de sustentar que o trabalho de campo torna-se uma
metodologia indispensável para o ensino da geografia. Visto que necessita de sempre que
possível realizar-se um trabalho de campo.

Considerações Finais

O ensino da geografia tem passado por transformações significativas nas últimas décadas,
particularmente no que se refere às novas propostas pedagógicas, metodológicas e também aos
conteúdos dos livros didáticos. Contudo, poucas são as mudanças nas práticas educativas
efetivas e na organização dos espaços escolares frente às possibilidades oferecidas pelo mundo
nesta contemporaneidade. No entanto, estabelece-se um relacionamento reciproco entre a teoria
e a pratica geográfica, verdadeiramente dita o trabalho de campo no ensino da geografia, usado
este como o principal método de ensino e aprendizagem em geografia. A partir de então, pode-se
verificar o contributo do trabalho de campo para o ensino da geografia na 8 a classe na ESM. Os
alunos têm em campo a oportunidade de combinar os conteúdos teóricos à prática e de Esmerar
suas habilidades com relação à leitura e interpretação. Assim, o trabalho de campo é um dos
principais meio/método que permite o aprendizado da observação, da reflexão e da análise do
dinamismo e transformação do meio pelo homem e aumentando o sentimento de pertencer ao
mundo e a Terra.

Portanto, é através do trabalho de campo que o aluno passa a sentir motivado a estudar a
geografia e criando mecanismos de perceber melhor o mundo em que pertence, o trabalho de
campo contribui directamente na aprendizagem do aluno a partir do momento que este levado a
participar e a estudar em contacto com o fenómeno. Para lacerar a Geografia tradicional, na sala
de aula, os professores devem renovar e criar probabilidade de aprendizados, e o trabalho de
campo seria um dos pontos positivo para isso acontecer, pois seria como uma ponte para a
relação da teoria e prática, auxiliando e facilitando no conhecimento do aluno da ESM, uma vez
que o aluno precisa ser motivado para a aprendizagem, e o conhecimento só vai acontecer
através da relação entre o aluno e a realidade de vida.
58

É extremamente importante que os alunos sejam envolvidos em trabalhos como investigadores


que, possam descrever, analisar, reflectir, questionar e discutir sobre o que esta observando, o
trabalho de campo não pode ser desenvolvido como uma palestra, deve ser em um ambiente que
o aluno se sinta activo e membro do ambiente em que se encontra naquele momento. O professor
deve olhar o trabalho de campo como método que a discutir conteúdos com o seu aluno, já o
aluno sai da abstração para o concreto. O trabalho de campo também vem para fortalecer o
discurso contemporâneo dos alunos e do professor.

Sugestões

Não olhemos pelos nossos pensamentos como algo apenas existente na teoria e na nossa mente,
façamos dos nossos pensamentos e saberes teóricos das nossas habilidades, mostrando a todos a
sua existência na realidade em que todos vivemos, contudo, usemos a teoria como a fonte das
nossas realizações praticas e do nosso saber fazer.

A Geografia é, por excelência, uma disciplina que permite a ligação entre a teoria e a prática. O
seu objecto de estudo é a superfície terrestre, onde ocorrem vários fenómenos físico-naturais e
humanos. Todavia, O distrito de Montepuez é rico em paisagens e em fenómenos que ocorrem
dentro do distrito, desta forma que o proponente sugere aos professores:

 Que aproveitem as potencialidades existente neste distrito para melhorar com a qualidade de
ensino em Montepuez, levando os alunos a receber as aulas fora da sala de aula;
 Que os professores não vejam o trabalho de campo como um mero exercício de observação
da paisagem, mas sim através da paisagem o aluno possa compreender a dinâmica do
espaço geográfico, mediato pelos conceitos geográfico;
 Apostarem no uso do trabalho de campo como metodologia principal de ensino da geografia
na ESM e deve incluir na sua planificação o trabalho de campo;
 O DAE deve sempre fazer o controlo dos planos trimestrais, quinquenais e de aulas no
contexto de verificar a proposta do trabalho de campo como método;
 O MINEDH ao elaborar os programas de ensino inclua o trabalho de campo como método
principal no ensino da geografia;
 Olhando pelo papel do professor que “é preparar os jovens de modo a torná-los cidadãos
activos e responsáveis na família, no meio em que vivem (cidade, aldeia, bairro,
59

comunidade) ou no trabalho”, então o professor deve usar o método de trabalho de campo


para tornar real este papel;
 O professor deve ser construtivo e criativo, então deve organizar tarefas ou projectos que
induzam os alunos a mobilizar os seus conhecimentos, habilidades e valores para encontrar
ou propor alternativas de soluções;
 Para a gestão de tempo realizem as actividades de campo nos sábados na terceira quinzena
de cada semestre. Pelo menos duas vezes por trimestre;
 Para evitar gastos, realizem trabalho no interior do município de montepuez (rio montepuez,
nyuria, monte girimba, n’coripo, pedreiras, e outros locais), não precisa viajar para lugares
distantes montepuez oferece paisagens de destaque para realização de trabalho de campo.

Referências Bibliográfica

ALMEIDA, Rosângela Doin de. PASSINI, Elza Yasuko. O espaço geográfico: ensino e
representação. 12ª ed. São Paulo: Contexto, 2002.
AMORIM, M. E. O trabalho de campo como recurso de ensino em Geografia, em
unidades de conservação ambiental. 2006. Dissertação
BELO, Vanir de Lima. JUNIOR, Gilberto Souza Rodrigues. A importância do trabalho de
campo no ensino de Geografia. ENG 2010. Porto Alegre - RS, 2010.
CALLAI, Helena C. et al. O estudo do município e o ensino de história e geografia. Ijuí,
Unijuí, 1 988.
CASSOL, Ana Delise Claich. A Geografia Saindo da sala de aula para o mundo. Porto Alegre,
2009. Disponível em: <htpp: //www.agb.org.br/XENPEG/artigo.pdf> acessado: setembro de
2018.
CARNEIRO, C.D.R., et al., Os gastos com aulas de campo do Curso de Geologia da UFPR.
Aulas de campo em cursos de graduação de Geologia: o que são e para que servem? Campinas:
IG-Unicamp. (inédito), 2008 https://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/v1/pdf-v1/p036-043
acesso no dia 09/05/2018
CARVALHO, Leopoldo Jorge Antunes, E-circuito em Guimarães: uma experiência de mobile
learning com alunos do 9º ano, Universidade Católica Portuguesa centro regional de braga
faculdade de ciências sociais, Braga, 2014
CIOCCARI, C. C.,“ensino de geografia e o trabalho de campo: construindo possibilidades de
ensino e aprendizagem sobre o espaço urbano e rural em júlio de castilhos, rs” Dissertação
60

de Mestrado em Geografia, Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, Brasil,


Universidade Federal de Santa Maria, 2013. 91p.
COMPIANI M., & CARNEIRO C.D.R. Os papéis didáticos das excursões geológicas, Rev. de
la Enseñanza de las Ciências de la Tierra. 1993 Acesso em URL:
http://www.raco.cat/index.php/ECT/article/view/88098/140821. Acesso a 8.05.2018.
COMPIANI, M. O lugar e as escalas e suas dimensões horizontais e vertical nos trabalhos
práticos: implicação para o ensino de ciências e educação ambiental. Ciência e Educação,
2007
FANTINEL L.M. “Práticas de campo em fundamentos de geologia introdutória: papel das
atividades de campo no ensino de fundamentos de geologia no curso de geografia”.
Dissertação de mestrado em Geociências na Área de Educação Aplicada ás Geociências,
Universidade Federal de Minas Gerais, Instituto de Geociências. Campinas -São Paulo
Fevereiro, 2000 144p.
FIGUEIREDO, Vânia Santos. SILVA, Geane Sueli Castro. A Importância da Aula de
Campo na prática em Geografia, 2009. Disponível em: >htpp://
www.agb.org.br/XENPEG/artigo< acessado: setembro de 2018.
FREITAS, Maria Luisa V. de., & PEREIRA, Sara. Metodologia de Geografia, Plural Editores,
Moçambique, Maio, 2010.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Coleção
Saberes. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
HAIDT, Regina Celia Cazaux. Curso de didactica geral. São Paulo. Ática, 1995.
LACOSTE, Y. A Pesquisa e o trabalho de campo: um problema político para os pesquisadores,
estudantes e cidadãos. São Paulo, AGB/SP, n.11, 1-23, agosto de 1985.
KAERCHER, N. A. A Geografia é o nosso dia-a-dia.In: CASTROGIOVANNI, Antônio Carlos;
CALLAI, Helena Copetti; SCHÄFFER, Neiva Otero; KAERCHER, Nestor André.
Geografia em sala de aula: práticas e reflexões. Porto Alegre: UFRGS, 2003.
LIBÂNEO, J. C. Democratização da escola pública. São Paulo: Loyola, 1995.
____________. Didáctica. São Paulo. Cortez, 1994.
____________. Didáctica. São Paulo. Cortez, 1990
MACEDO, L. Ensaios construtivistas. São Paulo: Casa do psicólogo, 1994.
MARCOS, Valéria de. Trabalho de Campo em Geografia: Reflexões sobre uma
Experiência de Pesquisa Participante. In: Boletim Paulista de Geografia. São Paulo: AGB,
n. 84, p. 105 – 136, 2006.
MARQUES, Ramiro, Dicionário Breve de Pedagogia, 2ª ed., (Revista e aumentada)
61

NETO, Francisco Otávio Landim e BARBOSA, Maria Edivani Silva, o ensino de geografia na
educação básica: uma análise da relação entre a formação do docente e sua actuação na
Geografia escolar, v. 1, n. 2, Geosaberes – Revista de estudos Geoeducacionais, Dezembro,
2010.
NEVES, Karina Fernanda Travagim Viturino. Os trabalhos de campo no ensino de geografia:
reflexões sobre a prática docente na educação básica, Ilhéus : Editores, 2015.
OLIVEIRA, L. de Estudo Metodológico e Cognitivo do Mapa. (Tese de Livre
Docência). Universidade do Vale do Paraíba, 1977. Acessado em:
http://www.cartografia.ime.eb.br/artigos/epq2. pdf
PRODANOV, Cleber Cristiano & FREITAS, Ernani Cesar de., Metodologia do trabalho
científico [recurso eletrônico] : métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho académico; 2a ed.
– Novo Hamburgo: Feevale, 2013.
PILETTI, Claudino, Didáctica Geral, 23ª ed., 5ª impressão, ática Ed., são Paulo, 2004
SANTOS, Milton. Metamorfoses do espaço habitado. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1996.
SCOTERGAGNA A. Trabalhos de campo nas disciplinas de geologia introdutória: cursos de
Geografia no Estado do Paraná. Campinas: Inst. Geoc. Unicamp. (Dissert., Mestr. Educ.
Aplic. Geociências), 2001
SILVA, Paulo Sérgio Dantas da et al., a importância da aula de campo no ensino da geografia,
II COINTER PDLV: formação de professores, 2015.
SOUZA, Cristiane Aureliano de., a aula de campo com instrumento facilitador da
aprendizagem nas aulas de geografia no ensino fundamental (manuscrito),Campina Grande,
2014.
SOUZA, C. J. O., et al., Trabalho de campo, por que fazê-lo? Reflexões à luz de documentos
legais e de práticas acadêmicas com as geociências. Anais VII Simpósio Nacional de
Geomorfologia. Belo Horizonte, 2008.
TOMITA, L.M.S. Trabalho de campo como instrumento de ensino em geografia.
Revista Geografia, Londrina, v. 8, n. 1,jan./jun. 1999.
62

LXVII
I

Apêndices
63

LXIX

Apêndice I
Questionário encaminhado aos Alunos da 8ª Classe da Escola Secundária de Montepuez

Saudações Académicas!

Segue-se o questionário, buscando a sua contribuição sobre O Trabalho de campo como


método no Processo ensino e aprendizagem de geografia. Sinta-se seguro (a), pois, as suas
respostas, serão totalmente importantes e confidências, à vista disso, a intenção deste trabalho é
maximizar o uso deste Método de ensino na vossa instituição, de agora em diante, poderá gozar
de um ensino de qualidade com realização de trabalhos de campo. As questões são do tipo
fechadas onde o aluno apenas vai assinalar única opção:

Sim Não

1. Os conteúdos leccionados em sala de aulas são suficientes para sua percepção da matéria?
Sim Não
2. O professor ao leccionar tem feito comparação com a realidade mais próxima de você?
Sim Não
3. O professor tem vós levado para irem estudar fora da sala de aula explicando os conteúdos na
realidade?
Sim Não
4. Se sente satisfeito com as matérias teóricas leccionadas pelo seu professor em sala de aulas?
Sim Não
5. O que você aprendeu na sala de aulas e gostaria de realizar um trabalho de campo para
ver na realidade?
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
______________________________________.
64

6. Conheces lugares de Montepuez onde poderia servir para a realização de trabalho de


campo relativamente aos conteúdos que aprendeu na 8ª classe? Quais?
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
____________________________________________.
7. Que tal se um dia o seu professor dizer vamos ter um trabalho de campo na estação
meteorológica (ai você aproveitaria conhecer na realidade o termómetro, catavento, anemómetro
e outros instrumentos lá existentes) seria importante para você?
Sim Não

Se sim diga porquê?__________________________________________________________________LXX


____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________.
8. Qual é o benefício de realizar uma aula fora da sala de aulas?
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_________________________________________.
Vai o meu Muito OBRIGADO pela sua colaboração.
65

LXXI

Apêndice: II
Roteiro de Entrevista Dirigido aos Professores de Geografia da Escola Secundária de Montepuez

Saudações Académicas!

Segue-se o Guião de entrevista, requestando a sua contribuição sobre o trabalho de campo


como método do processo ensino e aprendizagem em geografia da 8ª classe. Sr. Professor,
Sinta-se seguro (a), pois, as suas respostas, serão de extrema importância e são totalmente
confidências, à vista disso, a intenção deste trabalho é maximizar o uso desta metodologia de
ensino na vossa instituição, doravante, poderá gozar de um ensino de qualidade. Muito obrigado
pelo tempo disponibilizado.

1. Com relação aos aspectos favoráveis à utilização do trabalho de campo como um método
pedagógico no ensino de Geografia. Diga em poucas palavras qual é a importância do trabalho
do campo principalmente para seus alunos?
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
____________________________________.
2. Como é que tem feito para ajudar ao seu aluno/a na percepção das matérias leccionadas na
sala de aula?
_____________________________________________________________________________
______________________________________________________________________.
3. Será que o trabalho de campo é eficaz para aprendizagem do aluno nesta escola?

Sim Não

Porque?
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
____________________________________________.
4. Tem incluído o Trabalho de campo na sua planificação?
66

Sim Não

5. Qual é o benefício de realizar uma aula fora da sala de aulas?


_____________________________________________________________________________
______________________________________.
6. De que forma o trabalho de campo pode colocar o aluno a aprender em um ambiente
informal?
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
________________________________________________________________.
7. Quais as formas de maximizar o uso deste método no ensino de geografia?
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________. LXXII
Vai o meu Muito OBRIGADO pela sua colaboração.
Apêndice: III
Roteiro de Entrevista Dirigido ao director Adjunto Pedagógico do 1 o Ciclo da Escola
Secundaria de Montepuez

Saudações académicas!

Segue-se um questionário para entrevista, solicitando a sua contribuição sobre O Trabalho de


Campo como método no Processo Ensino e Aprendizagem em Geografia da 8ª classe na
Escola Secundária de Montepuez – (2015 – 2017). Esteja seguro de que as suas respostas serão
confidenciais e de extrema importância no desenvolvimento e na realização desta pesquisa. Por
isso, esteja à vontade para responder a todas as perguntas que lhe digam respeito e muito
obrigado. Antecipadamente, agradeço imenso pelo seu tempo.

1. De que forma o trabalho de campo se torna importante para aprendizagem do aluno?


_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________.
2. Os professores têm proporcionado momentos de realizar algum trabalho de campo?
Sim Não
Se sim porquê?
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_______.
3. O que o senhor tem feito na categoria de pedagógico para que haja o uso desta metodologia de
ensino?
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
____________________________________________.
67

4. O senhor tem participado no processo de elaboração de planos quinquenais e/ou trimestrais na


disciplina de geografia?
1. Sim Não
Se sim, será que tem visto um proposta de realização do trabalho de campo?
1. Sim Não
5. Que recomendação deixa em relação ao trabalho de campo como método de ensino
aprendizagem de geografia?
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________.
Vai o meu Muito OBRIGADO pela sua colaboração.
LXXIII

Apêndice: IV

FICHA DE OBSERVAÇÃO

A presente ficha é referente a todos os aspectos observados na escola secundária de


Montepuez desde as infra-estruturas, os alunos e os professores observados. Constitui base
para avaliar as condições e percepção da influência do trabalho de campo na vida escolar e da
sua aprendizagem do aluno.

Local: Escola Secundária de Montepuez

Aspectos observados No de infra-estruturas Estado de Conservação

Infra-estruturas Muito bom ( )


Bom ( )
Mau ( )
Péssimo ( )

Bens imóveis e móveis Muito bom ( )


Bom ( )
Mau ( )
Péssimo ( )

Alunos

Atributos do ambiente
Escolar
68

LXXIV

Anexos
69

Imagens 2: infra-estruturas da escola.

Fonte: Acervo pessoal do autor, capturado no dia 29/10/2018.


À esquerda estão os três blocos de salas de aulas com presença de alguns alunos no pátio e com
algumas plantas que servem de sombra, à direita são visualizados os baldes de água que serve de
sustento dos alunos e professores da ESM e no fundo o bloco administrativo da escola, estes
dados foram colhidos através da observação directa realizada no período de colecta de dados.

Você também pode gostar