Você está na página 1de 2

Introdução

A experiência profissional no magistério superior me fez entender as limitações que muitos dos colegas
professores tem em seu dia-a-dia para lidar com os alunos millenials que chegaram agora à suas salas de aula.
Minhas pesquisas e desenvolvimento se iniciaram em 2014 ao ingressar no Mestrado, quando me especializei
em Mídia e Tecnologia. Sempre fui ligado no desenvolvimento de ferramentas e de como fazer algo
automatizado para trabalhar.
Aprendi a utilizar e reconhecer o tremendo poder que as ferramentas digitais têm dentro e fora das salas de
aula.
Hoje, uma enorme discussão acontece em nosso país sobre se são ou não válidos os cursos online. E há um
enorme equívoco que muitos dos profissionais do ensino cometem, que é o de considerar que à distância
ninguém aprende.
 Você conhece as características de seus alunos na sala de aula?
 Como você garante que todos aprenderam o conteúdo de suas aulas apenas com uma avaliação
bimestral?
Imagine uma turma com 40 alunos e que para conhecer a todos você tem que:
1. Promover enquete para descobrir interesses individuais e objetivos profissionais
2. Atividades intra e extra classe de acompanhamento e de fomento ao aprendizado
3. Atividades escolares tais como: trabalhos, resumos, questionários, feiras, exposições etc.
Com apenas estes três itens, você terá pelo menos uma atividade semanal para ser avaliada individualmente.
Ou seja, 40 alunos, 40 questionários, 40 exercícios e 40 trabalhos bimestrais. Além de ter que preparar aulas,
desenvolver atividades de sala de aula, estudar novos conteúdos, escrever artigos, participar de congressos
e/ou seminários. Bem como, aplicar conceitos práticos do mundo empresarial com exemplos, cases etc.
Diversas e diferentes ferramentas estão agora disponíveis, ali na internet, algumas pagas, outras gratuitas. Este
é o propósito deste ebook, facilitar sua vida docente e potencializar seus resultados, com o mínimo esforço.
Você já deve ter ouvido falar na regra dos 80 x 20.
Então, venha comigo e siga os passos abaixo que ao final você vai entender como aplicar esta regra em seu dia-
a-dia durante o ano letivo.

Prof. Fernando Tobgyal


Mestre Mídia e Tecnologia
Coordenador do Núcleo CRIE
Unibr Botucatu SP
Capítulo 1 - Um pouco de história
As origens do EaD

As primeiras experiências surgiram no século XIX, apresentando uma concentração maior na Europa, com o
oferecimento de cursos por correspondência na Suécia, Reino Unido e Espanha, além dos Estados Unidos. No
início do século XX, países como Austrália, Alemanha, Noruega, Canadá, França e África do Sul realizaram suas
primeiras experiências com esse tipo de ensino.
E, somente na segunda metade do século XX, que a educação a distância começou a se fortalecer e a se
estabelecer como uma importante modalidade de ensino.
No Brasil, o desenvolvimento do EAD se inicia no século XX, em decorrência do processo de industrialização o
que gerou uma demanda por políticas educacionais que formassem trabalhadores para a ocupação industrial.
O Instituto Universal Brasileiro é um dos pioneiros do Ensino a Distância (EaD) no Brasil. Desde 1941,
desempenha um papel importante na aplicação deste método de ensino, o que colaborou para a formação de
profissionais por meio dos cursos profissionalizantes, supletivos e técnicos.
A Educação a Distância surgiu como uma alternativa de formação profissional, também por meios radiofônicos,
o que permitiu a formação de trabalhadores do meio rural, sem o necessário deslocamento para os centros
urbanos.
Foram várias experiências radiofônicas até a implantação da televisão no Brasil, nos anos 1950, que
possibilitaram o desenvolvimento de ideias relacionadas ao uso deste novo meio de comunicação na educação.
Nos anos 1960, surgem as televisões educativas. Na década de 1970, a Educação a Distância começa a ser
usada na capacitação de professores por meio da Associação Brasileira de Teleducação (ABT) e o MEC, com os
Seminários Brasileiros de Tecnologia Educacional.
Em 1978 é criado o Telecurso 2º grau, uma parceria da Fundação Padre Anchieta e da Fundação Roberto
Marinho. O foco, era o da preparação de alunos para os exames supletivos do 2º grau.
Já em 1979 temos a criação da Fundação Centro Brasileiro de Televisão Educativa (FCTVE), utilizando
programas de televisão no projeto Movimento Brasileiro de Alfabetização (MOBRAL).
Neste mesmo ano, a Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Ensino Superior (CAPES) faz
experimentos de formação de professores do interior do país com a implementação da Pós-Graduação
Experimental a Distância.
Porém, como toda modalidade de ensino, não se constitui na solução para todos os problemas. Atualmente
vivenciamos novos desafios, principalmente no que diz respeito ao impacto das TIC’s – Tecnologias da
Informação e Comunicação - na Educação à Distância.
Autores como Nunes (1992) observaram que, em todo o seu processo histórico, a Educação a Distância sofreu
transformações, principalmente no que diz respeito ao preconceito sofrido por essa modalidade.
Aos poucos, a Educação a Distância, está perdendo o estigma de ensino de baixa qualidade, emergencial e
ineficiente na formação do cidadão.
Para saber mais
NUNES, I. B.. Noções de educação a distância, 1992.
Disponível em
http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/EAD/NOCOESEAD.PDF, acessado
em 28.02.2020.
ALVES, L.. Educação à distância: conceitos e história no Brasil e no mundo. Revista Brasileira de Aprendizagem
Aberta e à Distância. 2011. Disponível em http://seer.abed.net.br/index.php/RBAAD/article/view/235/113,
acessado em 28.02.2020.

Você também pode gostar