Você está na página 1de 12

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE - UNINORTE

CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

ESTÁGIO SUPERVISIONADO III

MANAUS

JUNHO – 2017
Thiago Moraes Pinheiro

ESTÁGIO SUPERVISIONADO III

Relatório final do estágio supervisionado


III, apresentado como requisito parcial
para obtenção de grau ao curso de
Licenciatura em Educação Física.

Orientadora: Prof.ª. Ana Paula Ricker.

MANAUS

JUNHO – 2017
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO........................................................................................................03

2 CAPÍTULO I – PLANO DE AULA............................................................................04

3 CAPÍTULO II – ANALISE DO PLANO DE AULA....................................................07

4 CAPÍTULO III – EDUCAÇÃO ESPECIAL................................................................08

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS....................................................................................10

7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS........................................................................11
3

INTRODUÇÃO

Para um aluno o conteúdo absorvido em sua vida acadêmica é de total


importância, porém para a formação de um bom profissional a experiência e vivência
em campo é fundamental para que o educador recém-formado não adentre no
mercado de trabalho sem ter um mínimo de experiência.

Entre essas modalidades esportivas existe o Judô, modalidade olímpica que


segundo Jigoro Kano permite que a pessoa possa exercitar o corpo e a mente, e
possibilita que a pessoa aprenda e vivencie uma modalidade nova e que também
pode ser considerada arte marcial (KANO, 2008).

Por isso o este estágio tem três etapas importantes para prepara-lo para o
futuro, o primeiro é a observação, o segundo a cooperação com o professor e o
terceiro a execução dos planos de aula. Onde o estagiário pode colocar em prática
todo o conteúdo teórico que foi adquirido durante sua formação e assim podendo de
forma competente estar apto para exercer suas funções.

O estágio foi realizado na Escola Estadual Antônio Lucena Bitencurt todos os


dias nos turnos vespertino e matutino, é divido em 40 aulas com carga horaria diária
de 04 horas, totalizando 160 horas ao final, com o objetivo de vivenciar em campo a
rotina de um profissional de educação física, a interação com os alunos e
professores, assim como as dificuldades encontradas no dia a dia da escola.

Este relatório possui a finalidade de descrever de forma minuciosa os fatos


ocorridos durante todo o período de estágio supervisionado, expondo assim as
atividades realizadas, o desempenho dos alunos e fatores intercorrentes durante as
aulas de educação física.
4

CAPÍTULO I – PLANO DE AULA

PLANO DE AULA – PRÁTICO

3º ano do Ensino médio

Acadêmicos/Professores: Thiago Moraes Pinheiro

Objetivo: Vivenciar Judô e suas características.

Conteúdo: Esporte – Judô.

Metodologia/Procedimentos: Aula prática.

- Dimensão Conceitual: Conhecer o judô e suas características.

- Dimensão Procedimental:

1º Atividade Exercícios de Calistenia (Aquecimento).

F.: Os alunos ficarão em fileiras e darão espaço entre eles para que possam se movimentar.

D.: Os alunos devem repetir os mesmos movimentos que o professor está executando.

2º Atividade Execução dos movimentos básicos do judô.

F: Os alunos farão filas no final do tatame.

D: Os alunos executarão os movimentos básicos do judô como: andar no tatame, cair, como sentar,
como falar e etc.

3º Atividade Simulação (Demonstração de golpes iniciais do judô).

F.: Escolares divididos em duplas, de preferência com o mesmo biótipo.

D.: Os alunos em duplas irão executar os golpes ensinados pelo professor, sendo supervisionado
pelo mesmo para que possam fazer os golpes perfeitamente.
5

4º Atividade Handori (simulação de combate).

F.: O professor irá dividir os alunos em duplas e irá separar os mesmos pelo tatame de modo que
possam preencher toda a área de luta.

D.: Ao comando do professor, os alunos começarão os combates executando os golpes que o


instrutor ensinou no decorrer da aula.

5º Atividade Volta à calma.

F.: Todos reunidos no centro do tatame de pé alinhados um ao lado do outro.

D.: Cada aluno irá descrever para o professor como foi a experiência de ter um treino de judô na
escola.

- Dimensão Atitudinal:

 - Fazer com que os alunos vivenciem algumas técnicas trabalhadas na modalidade;

 - Construir e reconhecer outras possibilidades de movimentar- se;

-Trabalhar as quedas praticadas no Judô.

Recursos Materiais: Tatame, colchonete, kimono, roupas para prática.

Avaliação

Durante a volta à calma, perguntarei quais as dificuldades os alunos tiveram durante a aula prática e
tentaremos em aulas futuras poder corrigi-los.
6

PLANO DE AULA – TEÓRICO

3º ano do Ensino médio

Acadêmicos/Professores: Thiago Moraes Pinheiro

Objetivo: Conhecer o judô e suas características

Conteúdo: Esporte – Judô.

Metodologia/Procedimentos: Aula teórica

- Dimensão Conceitual: Conhecer o judô e os benefícios que ele trás para o aluno.

- Dimensão Procedimental:

1º Momento

Conversar com a turma sobre quais deles conhecem ou praticam essa modalidade olímpica, dizer
quais são os benefícios que a prática do esporte trás na vida das pessoas.

2º Momento

Apresentar a história do judô.

3º Momento

Exibir vídeo sobre o judô.

- Dimensão Atitudinal: Valorizar o judô na pratica em seu contexto.

Predispor-se a participar de atividades em grupos.

Adotar o hábito de praticar atividades físicas visando ter um estilo de vida ativo.

Recursos Materiais: Data-show.

Avaliação: Os alunos deverão refletir sobre o assunto e explanar sobre suas expectativas antes da
aula prática e dizer como foi a experiência de conhecer um esporte novo.
7

CAPÍTULO II – ANÁLISE DO PLANO DE AULA

A execução dos planos de aula teórico e prático foram feitos no mesmo dia
com todas as turmas unidas para ter uma maior disposição de tempo para a pratica
do judô. A aula teórica foi feita em sala de aula com a ajuda do retro projetor, onde
pude passar um resumo da historia do judô, os seus benefícios, suas características,
sua doutrina rígida, descrevi como é feito uma competição e suas regras oficiais.
Fizemos quase 40 minutos de teoria em sala, com perguntas e respostas, para que
os alunos absorvessem o máximo de informação para a hora da pratica.

Na aula pratica que foi ministrada em quadra, fizemos um aulão com as


turmas, fizemos um aquecimento de 15 minutos com os alunos, para não haver
nenhuma lesão que possa vir a ser causada pela falta de aquecimento muscular. Foi
apresentado varias técnicas como: andar corretamente no tatame, como sentar,
como falar com seu senpai ou sensei, algumas palavras em japonês, rolamentos, e
golpes em geral. Tivemos pequenos combates (Handori) entre alguns alunos que
absorveram melhor os ensinamentos, tudo com a supervisão total do instrutor e
também tivemos a ilustre demonstração do próprio professor de educação física,
que inclusive é faixa roxa de judô.

Tudo correu bem, os alunos ficaram felizes e entusiasmados com o esporte,


alguns até perguntaram onde era a academia que eu treinava, vejo que com essas
atitudes o objetivo da aula foi um sucesso, inclusivo foi alcançado uma outra meta,
que é a de motivar os alunos a procurar uma atividade física fora do ambiente
escolar, tirando os jovens do sedentarismo e promovendo uma qualidade de vida
melhor.
8

CAPÍTULO III – EDUCAÇÃO ESPECIAL

As visitas que tivemos na associação PESTALOZZI, em que muitos


estagiários participaram com muito fervor, foi altamente importante para a vida
daquelas crianças e dos próprios professores, que ainda sofrem com a falta de
profissionais qualificados na área de educação física escolar.

Na primeira aula que aconteceu no dia 05/04/2017 (manhã) tivemos uma


atividade para desenvolver as capacidades motoras dos alunos. E no mesmo dia a
tarde tivemos as mesmas atividades. No segundo dia de estágio que foi no dia
07/05/2017 tivemos um evento para finalizar a semana do autista com brincadeiras e
danças.

Na terceira visita no dia 10/05/2017 (manhã/tarde), tivemos atividades lúdicas


com todas as turmas. Na quarta visita a Pestalozzi no dia 12/04/2017, tivemos uma
programação sobre a Páscoa, com brincadeiras e gincanas. Na quinta visita no dia
17/04/2017, tivemos atividades com os alunos na sala de vídeos.

Na sexta visita do dia 18/04/2017, tivemos atividades muito divertidas com


todos os alunos, nessas atividades ajudamos as crianças a desenvolverem suas
habilidades motoras e cognitivas. Na última visita no dia 18/08/2017, tivemos
atividades na ludoteca, varias brincadeiras para desenvolver o intelecto, a habilidade
motora fina e as habilidades psicomotoras.

Nosso projeto do estagiário nessas escolas visa trazer esses alunos para a
pratica de exercícios físicos, pois muitos deles não vão diariamente à escola, muitas
vezes pelo simples fato de não haver professores para ministrar as aulas, e muitas
dessas crianças estão fora de sala de aula, fora da educação regular. O que nós
fazemos é muito mais do que um programa social, ele transforma a vida das
pessoas, sobretudo ele garante que a escola seja um instrumento de inclusão social,
não só educacional.

Em minhas visitas na Pestalozzi conheci muitas pessoas maravilhosas,


muitos alunos que levam a felicidade no sorriso, criaram-se laços nos quais eu já
9

entendia o que a criança queria dizer e tudo que ela fazia eu compreendia. Havia
dois turnos o Diurno e Vespertino, os estagiários poderiam escolher ir a um dos
horários ou no horário que fosse possível, no meu caso eu ia a ambos, cada turno
tinha um professor responsável pela educação física, eu chagava e os auxiliava em
suas atividades com os alunos, algumas vezes eu fazia o circuito de exercícios que
os alunos iriam percorrer, como a escola não tinha um grande numero de alunos
faziam todos no mesmo horário, fazíamos mais ou menos 1 hora de atividades, pois
os alunos não tinham um bom condicionamento devido o estilo de vida que eles
levam.

Dedicado, paciente, atencioso e especial, assim deve ser o perfil de um


professor da educação especial, foi nesses moldes que consegui com muito esforço
e dedicação, finalizar minhas 10 visitas na associação Pestalozzi, a experiência que
vivi ali e levarei para toda a minha vida profissional.
10

CONSIDERAÇÕES FINAIS

É fato que nosso sistema de educação ainda é muito falho com relação à
educação física nas escolas públicas, muitos professores ainda ministram suas
aulas ao estilo tradicionalista, ou ao grosso modo de pegar a bola e deixar que os
alunos desenvolvam suas próprias atividades em quadra, (futsal e queimada).

Precisamos de uma nova era de professores, jovens, com ideias e disposição


para mudar esse quadro que o nosso sistema se encontra, ideias essas que possam
tirar nossos jovens de sua zona de conforto e coloca-los para fazerem exercícios
físicos, ensina-los que a prática de exercícios irá trazer a eles uma qualidade de vida
melhor.

O objetivo maior é poder tirar esses alunos do sedentarismo, e fazer com que
todos possam ter uma qualidade de vida melhor.
11

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

1 KANO, JIGORO – Judô Kodokan/ Jigoro Kano; publicado sob a supervisão do


Kodokan Editorial Committee; traduzido por Wagner Bull. – São Paulo: Cultrix, 2008.
2 FRANCHINI, E. Bases para a detecção e promoção de talentos na modalidade
judô. In: Prêmio INDESP de Literatura Esportiva. v. 1. Brasília: Instituto Nacional de
Desenvolvimento do Desporto, 1999. cap. 1 p. 16-104.
3 HARRISON, E. J. – abc do Judô; Editorial Presença/ Martins Fontes, 1982.

Você também pode gostar