Você está na página 1de 7

DIEGO APARECIDO DE CAMPOS

RA 8091066

ATIVIDADE PORTFÓLIO CICLO 2

Atividade de Portfólio Ciclo 2 da Disciplina


de Práticas Corporais Não
Convencionais e Alternativas, professora
MS. Marciana Roberta de Oliveira.

Batatais
2019
1) Qual o significado de Práticas Corporais Alternativas (PCAs)?
As Práticas Corporais Alternativas são aquelas atividades corporais que não são
tradicionais da nossa cultura, na qual elas incluem as concepções orientais e ocidentais de
práticas corporais e de saúde, que são representadas por atividades como relaxamento,
autoconhecimento, massagens, técnicas respiratórias e etc. Na educação física, as Práticas
Corporais Alternativas (PCAs) proporciona aos estudantes o maior número de vivências
possíveis, além de reflexões e conhecimentos dos mais diversos componentes da cultura
corporal.

2) Conceitue Holismo e Pluralidade


Holismo é uma palavra que derivada de holos, que dá a ideia de um fato, pensamento, algo
ou alguém percebidos na sua completude, e não na soma de suas partes. O Holismo
alcança uma amplitude maior e bem diferente. Atua no campo das ciências humanas e
naturais, que prioriza o entendimento integral dos fenômenos.
Pluralidade complementa o entendimento do que é o holismo. Na pluralidade, os pontos
de vista e as possibilidades são diversos, o único a unidade e o parcial são ampliadas para
todos, para o inteiro, para a amplitude e para a diversidade.

3) Cite os percussores das PCAs abordando brevemente sobre cada um deles.


Émile Jacques-Dalcroze: Trabalhou a fim de mudar o método tradicional de formação do
ator e do bailarino, rompendo com os padrões tradicionais da dança clássica. Uniu a
coordenação musical com movimentos corporais para a descoberta do senso rítmico
muscular; utilizava exercícios respiratórios e preconizava uma noção estética e de unidade
física e espiritual. O prazer, o histórico cultural e o afetivo dos alunos ganharam atenção na
sua metodologia, e, com isso, criou o método chamado eurritmia, que visava desenvolver e
aperfeiçoar a sensibilização corporal de atores e ginastas.

Françoise Delsarte: Tentou a carreira de cantor, sofreu problema com a voz e decidiu
estudar a relação entre os gestos, as emoções e a natureza em toda a sua exuberância. Teve
uma visão bastante global do ser humano. Dedicou-se a estudar a relação entre o gesto, as
emoções e a natureza.
Acreditava na união do corpo, da mente, da alma e do movimento, criando exercícios para
despertar a criatividade de seus alunos baseados na transdisciplinaridade entre movimento,
voz, expressão, sentido, respiração e emoção.

Wilhelm Reich foi médico, psicanalista e atuou na área da Saúde. Inicialmente, seguiu os
passos de Freud, depois os rompeu. Baseava no método terapêutico/educacional para
divulgar a linguagem corporal do indivíduo de maneira verdadeira e profunda, pois ela
revelaria o inconsciente da pessoa ou, para que o tratamento pudesse ser desenvolvido, o
que ela quisesse esconder.
O seu trabalho baseava na concepção energética presente na medicina oriental, na qual o
equilíbrio energético seria muito importante para a vida saudável do indivíduo, logo, tanto
a falta quanto o excesso dele são prejudiciais.

Elsa Gindler foi uma das criadoras da ginástica harmônica. Hoje se tem o registro de
somente uma obra sua, de 1926, chamada Saúde, trabalho social e atividade física; o
restante delas foi queimado na época da Segunda Guerra Mundial.
O objetivo de Elsa é desenvolver o potencial físico e mental das pessoas para que
desempenhassem bem suas ações cotidianas, especialmente porque estavam vivendo em
um período de guerra, e, consequentemente, os desgastes físicos, sociais e emocionais
eram muitos. Tinha uma visão bastante humanista do corpo e constatou que os exercícios
feitos de forma mecânica não traziam mudanças permanentes e significativas no
organismo. Evidenciou a importância de um desenvolvimento global, livre, autônomo e
responsável, com enfoque na consciência corporal, na percepção das sensações, na
autonomia, nas vivências e nas experiências.

Alexander Lowen nasceu nos Estados Unidos e foi um dos discípulos de Wilhelm Reich.
Reich já utilizava o conceito de energia, enquanto Lowen reforçou esse enfoque criando a
bioenergética, com o intuito de compreender e desfazer as tensões musculares crônicas,
muitas vezes decorrentes de questões inconscientes
Moshe Feldenkrais nasceu na Rússia, assim como outros ocidentais, criou seu método de
cura a partir de necessidades pessoais para evitar uma cirurgia. Trabalhou a ativação do
sistema nervoso e muscular com exercícios lentos, dando tempo para que pudessem se
reorganizar; além disso, trabalhava com o princípio do movimento não mecanizado,
incentivando o movimento espontâneo, a autovaloração e a fuga dos padrões sociais. A seu
método deu o nome de consciência pelo movimento e integração funcional.

Gerda Alexsander nascida na Alemanha, tem em sua história de vida, o incentivo à busca
de métodos alternativos para a autocura. Foi a criadora da eutonia (tensão equilibrada), que
propunha trabalhar com o equilíbrio da tensão muscular e emocional.
Baseou nos estudos de Henri Wallon, seguindo nessa direção, trabalhou com uma proposta
pedagógica e terapêutica nas práticas corporais na qual valorizava e respeitava a pessoa na
sua pluralidade e individualidade, incentivando a autonomia, a autorregulação, a auto-
organização e a relação do indivíduo consigo, com o outro e com o ambiente.

4) Por que a sistematização das PCAs exige, inicialmente, o conhecimento do próprio


corpo?
O conhecimento resulta de uma interrelação entre o sujeito que de início de diferenciação
entre os objetos e entre o próprio corpo e os objetos. A aprendizagem escolar implica
apropriação de conhecimentos, inicialmente a criança formula conceitos a partir de uma
relação direta.
As PCAs provocam a percepção dos chamados do corpo para tirá-lo da sua alienação
quanto ao que ele necessita e pede. Auxilia a todos os que estão nesse contexto, a iniciar as
buscas para bem perto de si.
Ensina como as emoções podem ser inibidas ou mostradas e como o pensamento se
transforma em ação.
As Práticas Corporais Alternativas (PCAs) caracteriza o que é alternativo e o que é um
ensino focado em umas perspectivas alternativas.
5) De que maneira podemos aprender o próprio corpo nas suas várias dimensões?
Refletimos sobre as importâncias, possibilidades( graça, leveza, estética e fluência),
potencialidade (força, equilíbrio, coordenação, esforço entre outros), inteireza (seja no
pensar, sentir, comer , beber, respirar, executar, reciclar, simbolizar ou transcender), sobre
como todo esses aspectos podem ser vividos nas diversas práticas corporais e como eles
afetam o processo de identidade do próprio corpo, da ideia de ter e ser o próprio corpo:
real, imaginário e simbólico.

6) Frente ao conteúdo estudado na obra Práticas Corporais Alternativas e adotando


a afirmação: “A visão dos profissionais ligados às PCAs deve ser a de que o aluno
aprenda a equilibrar-se, mas também aprenda a cair e a levantar-se com
independência” (TERRA; LORENZETTO, 2013, p. 44.), qual é a importância de se
trabalhar atividades de Práticas Corporais Alternativas nas aulas de Educação Física
Escolar na atualidade?
Eles esperam que o aluno não tenha medo do novo, das mudanças e das transformações,
pois cada perda é seguida de sucesso, e cada queda se torna um treino para a autonomia.
Este é um ponto importante para o corpo alternativo: saber que a desorganização corporal
pode seguir a desorganização mental, e vice-versa, assim como o escorregão psicológico
pode ter como consequência um escorregão físico. Desta forma, o conteúdo tem grande
importância em alcançar os objetivos na prática durante as aulas de educação física.

7) Descreva uma atividade de Ginástica Holística que possa ser aplicada em uma aula
de Educação Física Escolar para a Educação Básica.
Existem várias maneiras de aplicar a ginastica holística em um ambiente escolar, como
movimentar-se na quadra, praia, grama, campos variados, sobre superfície irregulares e
planas, com simplicidade, fluidez, naturalidade, graciosidade, começando todas as ações,
percebendo as contrações e dificuldades que rondam os movimentos mais difíceis,
observando como agem as articulações, tanto no salto quanto nas passadas longas, bem
como os possíveis erros, afim de tornar o movimento bastante intencional e consciente.
8) Qual é a visão de corpo de profissionais de Educação Física ligados às práticas
tradicionais e competitivas e, qual é a concepção de corpo de profissionais de
Educação Física ligados às práticas corporais alternativas? O que cada visão provoca
na ação dos professores ao conduzir suas aulas de Educação Física Escolar?
Os jogos, as brincadeiras, as diversas modalidades esportivas, atividades rítmicas e
expressivas, a dança, as lutas e as práticas corporais alternativas, além de outras
manifestações culturais, são elementos da cultura corporal e como tal, conteúdo a serem
vivenciados pelos alunos nas aulas de educação física. Entendemos que a educação física
escolar deve proporcionar aos alunos o maior número possível de vivencias, conhecimento
e reflexões dos mais variados componentes da cultura corporal.

9) A partir dos conteúdos apresentados na obra de Práticas Corporais Alternativas


sobre Corpo, Holismo e na afirmação de JUHAN apud Knaster, 1999, p. 157: A pele
não é separada do cérebro, assim como a superfície de um lago não é separada das
profundezas – são locais diferentes de um meio continuo... O cérebro é uma única
unidade funcional, do córtex às pontas dos dedos e das mãos. Tocar a superfície é
agitar as profundezas (TERRA; LORENZETTO, 2013, p.49) Responda: o professor
de Educação Física Escolar precisa compreender seu aluno como um corpo
fragmentado ou como um corpo alternativo? Justifique sua resposta.
O professor deve orientar o aluno como um corpo alternativo, buscando focar nas suas
perspectivas alternativas, pois somente assim ele poderá dialogar entre seu papel como
pilar para o aprendizado.

10) Quais mudanças no ser humano podem proporcionar as danças holísticas, os


jogos cooperativos, as massagens e a ginastica holística?
As mudanças proporcionadas são o conhecimento, exploração e aperfeiçoamento de
sentimentos, ideias e percepções dos gestos. Entra em contato com o mundo e este entra
em contato com o indivíduo, na qual conhecer o seu corpo e o corpo do outro, conhecendo
seu limite e o limite do outro. E tem a finalidade de desenvolver atividades de cooperação,
com o intuito de atividades positivas e harmônicas.
Referência Bibliográfica

TERRA, J. D.; LORENZETTO, L. A. Práticas Corporais Alternativas. Batatais:


Claretiano, 2013. Caderno de Referência de Conteúdo – CRC Material na Sala de Aula
Virtual – Unidades de 1 a 4.

STRAZZACAPPA, M. Educação somática e artes cênicas: princípios e aplicações.


Campinas: Papirus, 2013. Livro Digital Biblioteca Digital Pearson - Capítulo 3: As
técnicas corporais na prática (de sala de aula) – p. 115-151.

Você também pode gostar