Você está na página 1de 30

14/09/2020

Princípios Tributários
Constitucionais

Prof. Lúcia Young


(41) 99921-6033
O que são???
• Os princípios tributários constitucionais são
uma forma de limitar o poder de tributar do
Estado.
Quais são???
1. Princípio da legalidade 7. Princípio da liberdade de
2. Princípio da tráfego
anterioridade 8. Princípio da
3. Princípio da uniformidade geográfica
irretroatividade 9. Princípio da
4. Princípio da isonomia transparência de
5. Princípio da capacidade impostos
contributiva 10. Princípio da não
6. Princípio da vedação do diferenciação tributária
tributo confiscatório
1) Princípio da Legalidade
• Art. 150 da CF/88 - Sem prejuízo de outras
garantias asseguradas ao contribuinte, é
vedado à União, aos Estados, ao Distrito
Federal e aos Municípios:

• I – exigir ou aumentar tributo sem lei que o


estabeleça.
1) Princípio da Legalidade
• A Lei tributária deve servir de parâmetro para criar,
extinguir, majorar ou reduzir tributos. Assim, a lei
tributária deve estabelecer todos os elementos
configuradores da relação obrigacional tributária, como
por exemplo:

 O quanto se deve pagar;


 Quem deverá proceder ao pagamento;
 A quem se deve pagar;
 Porque se deve pagar
 O ônus imposto para quem não pagar etc.
2) Princípio da Anterioridade
• O princípio da anterioridade visa a segurança
jurídica e se baseia na cláusula de não
surpresa.

• Trata-se de uma garantia individual do


contribuinte e tem a ver com período de
tempo que deve intermediar a data da lei
instituidora ou majoradora do tributo e a data
de sua cobrança.
2) Princípio da Anterioridade
• O princípio da anterioridade se refere ao
momento em que a lei tributária terá eficácia.
2) Princípio da Anterioridade
• O princípio da anterioridade tributária
determina que lei que crie ou aumente
tributo seja anterior ao exercício financeiro
em que o tributo será cobrado.
2) Princípio da Anterioridade
• Além disso, deve ser observada uma
antecedência mínima de 90 dias entre a
data da publicação que o instituiu ou
aumentou aquele tributo e a data que
aquela determinação começa a aplicar-
se.
2) Princípio da Anterioridade
• Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao
contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito
Federal e aos Municípios:

• [ …]

• b) no mesmo exercício financeiro em que haja sido


publicada a lei que os instituiu ou aumentou;

• c) antes de decorridos noventa dias da data em que haja


sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou,
observado o disposto na alínea b.
2) Princípio da Anterioridade
• Assim, há uma subdivisão deste princípio:

Anterioridade Anual – É a vedação da


cobrança de tributos no mesmo exercício
financeiro em que haja sido publicada a
lei que os instituiu ou majorou.

Anterioridade Nonagesimal ou
Noventena – É a vedação da cobrança de
tributos antes de decorridos 90 dia da
data em que a lei que instituiu ou majorou
o tributo foi publicada.
2) Princípio da Anterioridade
Exceções em relação à Exceções em relação à
anterioridade anual anterioridade nonagesimal
• Imposto de importação, • Imposto de importação,
• Imposto de exportação, • Imposto de exportação,
• IPI, • IR,
• IOF, • IOF,
• Imposto extraordinário de • Imposto extraordinário de
guerra, guerra,
• empréstimo compulsório • empréstimo compulsório.
3) Princípio da Irretroatividade
• O princípio da irretroatividade proíbe que lei
que institui ou majora tributos possa alcançar
fatos geradores anteriores à sua eficácia.
3) Princípio da Irretroatividade
• Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias
asseguradas ao contribuinte, é vedado à
União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos
Municípios:

• [ …] III – cobrar tributos:

• a) em relação a fatos geradores ocorridos antes


do início da vigência da lei que os houver
instituído ou aumentado.
4) Princípio da Isonomia
• Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias
asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos
Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

• II – instituir tratamento desigual entre contribuintes


que se encontrem em situação equivalente, proibida
qualquer distinção em razão de ocupação
profissional ou função por eles exercida,
independentemente da denominação jurídica dos
rendimentos, títulos ou direitos;
5) Princípio da Capacidade
Contributiva
• O princípio da capacidade contributiva no direito
tributário traz a ideia constitucional de que cada
contribuinte deve pagar os tributos adequados à sua
capacidade econômica.
5) Princípio da Capacidade
Contributiva
• Deve-se sempre observar a progressividade,
seletividade, proporcionalidade e outros meios a fim
de garantir que o princípio da capacidade
contributiva seja aplicado da forma correta.
5) Princípio da Capacidade
Contributiva
• Art. 145. A União, os Estados, o Distrito Federal e os
Municípios poderão instituir os seguintes tributos:

• 1º Sempre que possível, os impostos terão caráter


pessoal e serão graduados segundo a capacidade
econômica do contribuinte, facultado à
administração tributária, especialmente para conferir
efetividade a esses objetivos, identificar, respeitados
os direitos individuais e nos termos da lei, o
patrimônio, os rendimentos e as atividades
econômicas do contribuinte.
6) Princípio da Vedação do Tributo
Confiscatório
• A Constituição Federal impede que, com o pretexto
de cobrar tributo, o Estado se aposse de bens de
uma determinada pessoa.
6) Princípio da Vedação do Tributo
Confiscatório
• Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias
asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos
Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

• IV – utilizar tributo com efeito de confisco;


6) Princípio da Vedação do Tributo
Confiscatório
• Para saber se o tributo é confiscatório, deve-se verificar:

a. A totalidade da carga tributária em um determinado


momento, levando em consideração a União, Estados e
Municípios;

b. A capacidade contributiva do sujeito passivo da relação


tributária e,

c. A proporcionalidade da tributação em relação a essa


capacidade contributiva.
6) Princípio da Vedação do Tributo
Confiscatório
• Segundo a doutrina, o princípio da vedação do
tributo confiscatório não se aplica à Multa.
7) Princípio da Liberdade de Tráfego
• O princípio da liberdade de tráfego no direito
tributário determina que a lei tributária não pode
limitar o tráfego entre estados e entre municípios de
pessoas ou bens.
7) Princípio da Liberdade de Tráfego
• Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias
asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos
Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

• V – estabelecer limitações ao tráfego de pessoas ou


bens, por meio de tributos interestaduais ou
intermunicipais, ressalvada a cobrança de pedágio
pela utilização de vias conservadas pelo Poder
Público;
PEDÁGIO NÃO É TRIBUTO!
8) Princípio da Uniformidade
Geográfica
• A Constituição Federal exige que a União institua
tributos com alíquotas uniformes em toda a
extensão territorial do Brasil. Esse é o princípio da
uniformidade geográfica.

O princípio da uniformidade
geográfica aplica-se apenas a UNIÃO!
8) Princípio da Uniformidade
Geográfica
• Art. 151. É vedado à União:

• I – instituir tributo que não seja uniforme em todo o


território nacional ou que implique distinção ou
preferência em relação a Estado, ao Distrito Federal
ou a Município, em detrimento de outro, admitida a
concessão de incentivos fiscais destinados a
promover o equilíbrio do desenvolvimento
socioeconômico entre as diferentes regiões do País.
8) Princípio da Uniformidade
Geográfica
• Porém, há uma exceção!

• A CF também permite a concessão de benefícios visando o


desenvolvimento de regiões mais atrasadas. Ou seja, pode
haver tributos com alíquotas diferenciadas, desde que cumpra
o objetivo de incentivo fiscal para regiões menos
desenvolvidas do país.
9) Princípio da Transparência dos
Impostos
• O princípio da transparência dos impostos está
diretamente ligado a um princípio básico das
relações de consumo, que é a informação.
9) Princípio da Transparência dos
Impostos
• Art. 150........

• § 5º A lei determinará medidas para que os


consumidores sejam esclarecidos acerca dos
impostos que incidam sobre mercadorias e serviços.
10) Princípio da Não Diferenciação
Tributária
• Art. 153 - É vedado aos Estados, ao Distrito Federal e
aos Municípios estabelecer diferença tributária entre
bens e serviços, de qualquer natureza, em razão de
sua procedência ou destino.

Você também pode gostar