Você está na página 1de 4

Resolução de situações-problema

Situação-problema
Dinamizar um colóquio: «Escravatura e Direitos Humanos na Época Moderna»

TEHA10-P3 © Porto Editora


Saberes a mobilizar

Saber Saber-fazer

– Explicar o crescimento da escravatura na Época Moderna – Analisar documentos


– Conhecer os contornos que rodearam o tráfico negreiro – Pesquisar informação
– Relacionar a escravatura de negros e Índios com a dificul- – Colocar questões
dade de aceitação de unidade do género humano – Comunicar

Documentação
doc
A
[Os habitantes da África Ocidental são negros, um povo de costumes animalescos, sem um deus, lei,
religião, ou prosperidade comum. […]
Richard Eden (1554)

doc
B
[Os habitantes da Terra Nigritarum] são, na sua maioria, tão rudes e bárbaros que parecem carecer
do uso da razão, a qual é própria dos homens. […]
Peter Heylyn, Cosmografia (1652)

doc
C
[Vamos] ao sertão [para] adquirir o Tapuia gentio bárbaro e comedor de carne humana para o [acres-
centar] ao conhecimento da […] humana sociedade; para por esse meio chegarem àquela luz de Deus.
Com esses adquiridos […] engrossamos nossas tropas, e com eles guerreamos os renitentes: e ao dezpois
nos servimos deles para as nossas lavouras; nenhuma injustiça lhes fazemos, pois tanto é para os susten-
tarmos a eles e a seus filhos como a nós e aos nossos: e isto bem longe de os cativar, antes se lhes faz um
irremunerável serviço em os ensinar a saberem labrar, prantar, colher, e trabalhar para seu sustento,
couza que antes que os brancos lho ensinem, eles não sabem fazer.
Carta de Domingos Velho, bandeirante paulista, a D. Pedro II (1694)

doc
D
[Os índios são] verdadeiros seres inumanos, bestas da floresta incapazes de compreender a fé católica,
[…] selvagens, ferozes e vis, parecendo-se a animais selvagens em tudo, menos na forma humana. […]
Paulo da Silva Nunes, procurador do Estado do Maranhão (1724)
Resolução de situações-problema
doc
E
Escravos enviados por João Correia de Sousa, governador de Angola, para o Brasil (1625)

Navios negreiros Angola-Brasil N.° de peças embarcadas N.° de peças que morreram

Navio n.° 1 195 85

Navio n.° 2 220 126

Navio n.° 3 357 157

Navio n.° 4 142 51

Navio n.° 5 297 164

Total 1211 583

Com base em F. Mauro, Le Portugal et L’Atlantique au XVII ème siècle (1570-1670), cit.

doc
F
Não se achará nem a razão humana consente, que jamais houvesse no mundo trato [comércio] de com-
prar e vender homens livres e pacíficos, como quem compra e vende alimárias, bois ou cavalos e seme-
lhante. Assim os tangem, assim os constrangem, trazem e levam e provam, e escolhem com tanto des-
prezo e ímpeto, como faz o magarefe ao gado no curral.
Padre Fernando de Oliveira, Arte da Guerra do Mar (1555)

doc
G
[…]
Senhor, […] entre todas as injustiças nenhumas clamam tanto ao céu como as que tiram a liberdade
aos que nasceram livres e as que não pagam o suor aos que trabalham e estes são e foram sempre os dous
pecados deste estado, que ainda tem tantos defensores. […]
Dirão por ventura, como dizem, que destes cativeiros, na forma em que se faziam, depende a conserva-
ção e o aumento do Estado do Maranhão. Isto, senhor, é heresia. […] mas digo que é heresia, ainda politi-
camente falando, porque sobre os fundamentos da injustiça nenhuma cousa é segura ou permanente.
Extrato da Carta do Padre António Vieira a D. Afonso VI, sobre os Índios do Brasil (20 de abril de 1657)

doc doc
H I
TEHA10-P3 © Porto Editora

Retrato de Katherina (1521), de Adoração dos Magos (1501-1506), da


Albrecht Dürer oficina de Grão-Vasco
Resolução de situações-problema

TEHA10-P3 © Porto Editora


doc
J
Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e
dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo;
[…]
ARTIGO 1.º
Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de
consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade. […]
ARTIGO 4.º
Ninguém será mantido em escravatura ou em servidão; a escravatura e o trato dos escravos, sob todas
as formas, são proibidos. […]
Extratos da Declaração Universal dos Direitos do Homem (10 de dezembro de 1948)

Atividades
1. Selecione na documentação escrita:

Argumentos justificativos da escravatura Argumentos contrários à escravatura

2. Explique a situação apresentada na tabela (doc. E).

3. Dürer e o pintor da oficina de Grão-Vasco partilhariam da opinião expressa nos docs. A, B e C? Justifique.

4. Pesquise mais informações sobre a escravatura na Época Moderna. Consulte enciclopédias, livros de
História e a Internet.

5. Participe na dinamização de um colóquio sobre «Escravatura e Direitos Humanos na Época Moderna».

5.1. Motive os assistentes ao colóquio com a afixação, projeção ou distribuição de notícias da atualidade
que mostrem o desrespeito pela Declaração Universal dos Direitos do Homem (1948).
Fomente o debate.
Resolução de situações-problema
5.2. Do presente «viaje» até ao passado. Mobilize os saberes apreendidos sobre a escravatura. A título
de exemplo, deixamos algumas sugestões.

5.2.1. Prepare uma intervenção oral, não muito longa, sobre a escravatura na Época Moderna.

5.2.2. Dramatize o debate ocorrido em Espanha a propósito da humanidade dos Índios (doc. 7 da
unidade 5).

5.2.3. Faça a leitura expressiva de um sermão do Padre António Vieira em que se denunciam os
maus tratos infligidos aos negros ou a escravatura dos Índios.

5.2.4. Projete extratos de filmes:

– «A Missão», 1986, de R. Joffé, sobre as relações entre os Estados ibéricos, a Companhia de


TEHA10-P3 © Porto Editora

Jesus e os Índios no Sul do Brasil;


– «Amistad», 1997, de S. Spielberg, sobre a luta pela liberdade dos escravos de um navio negreiro.

Distribua um pequeno guião de análise e fomente o debate.

Você também pode gostar