Você está na página 1de 147

direito autoral

Os personagens e eventos deste livro são fictícios. Qualquer semelhança


com pessoas reais, vivas ou mortas, é coincidência e não é pretendida
pelo autor.

Copyright © 2017 por Luke Jennings


Design da capa por Gregg Kulick
Fotografias de capa: Kristina Hruska / Millennium Images (mulher);
Howard Kingsnorth / Getty Images (cidade)
Direitos autorais da capa © 2018 by Hachette Book Group, Inc.
O Hachette Book Group apoia o direito à liberdade de expressão e o
valor dos direitos autorais. O objetivo dos direitos autorais é
incentivar escritores e artistas a produzir obras criativas que
enriquecem nossa cultura.

A digitalização, upload e distribuição deste livro sem permissão é um roubo


da propriedade intelectual do autor. Se você deseja permissão para usar
material do livro (exceto para fins de revisão), entre em contato com
permission@hbgusa.com. Obrigado por seu apoio aos direitos do autor.

Livros da Mulholland / Little, Brown and Company


Hachette Book Group
Avenida das Américas, 1290, Nova York, NY
10104 mulhollandbooks.com
twitter.com/mulhollandbooks
facebook.com/mulhollandbooks

Primeira edição norte-americana do e-livro: abril de 2018


Originalmente publicado na Grã-Bretanha por John Murray
(Editores), agosto de 2017

Mulholland Books é uma marca da Little, Brown and Company, uma


divisão da Hachette Book Group, Inc. O nome e o logotipo da
Mulholland Books são marcas comerciais da Hachette Book Group,
Inc.

O Hachette Speakers Bureau fornece uma ampla gama de autores para


eventos de palestras. Para saber mais, acesse hachettespeakersbureau.com
ou ligue para (866)
376-6591.

O editor não é responsável por sites (ou seu conteúdo) que não
são de propriedade do editor.

ISBN 978-0-316-51251-0
E3-20180202-JV-PC

Conteúdo

Cobrir
Folha de rosto
direito autoral

Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4

Sobre o autor
Também por Luke Jennings
boletins informativos
Ebook gratuito em: vietlib.vn
1

O Palazzo Falconieri fica em um promontório em um dos pequenos lagos


italianos. É final de junho e uma brisa leve toca os pinheiros e ciprestes que se
aglomeram como sentinelas ao redor do promontório rochoso. Os jardins são
imponentes, e talvez até bonitos, mas as sombras profundas conferem ao
local um ar ameaçador, ecoado pelas severas linhas do próprio Palazzo.
O edifício fica de frente para o lago e é encimado por janelas altas
através das quais são visíveis cortinas de seda. A ala leste já foi uma sala
de banquetes, mas agora funciona como uma sala de conferências. No
centro, embaixo de um pesado lustre art déco, há uma mesa comprida
com o bronze de uma pantera Bugatti.
À primeira vista, os doze homens sentados ao redor da mesa
parecem bastante comuns. Bem sucedido, a julgar por suas roupas
silenciosamente caras. A maioria tem entre 50 e 60 anos, com o tipo
de rosto que você esquece instantaneamente. Há uma vigilância
constante sobre esses homens, no entanto, o que não é comum.
A manhã passa em discussão, realizada em russo e inglês, os
idiomas comuns a todos os presentes. Em seguida, um almoço leve -
antepastos, truta do lago, vinho Vernaccia gelado, figos frescos e
damascos - é servido no terraço. Depois, os doze homens se servem
de café, contemplam a extensão brisa do lago e caminham pelo
jardim. Não há pessoal de segurança, porque nesse nível de sigilo,
eles mesmos se tornam um risco. Em pouco tempo, os homens
voltaram para seus lugares na sombria sala de conferências. A
agenda do dia é simplesmente intitulada "EUROPA".
O primeiro orador é uma figura sem idade, bronzeada, com olhos
profundos . Ele olha em volta. “Hoje de manhã, senhores, discutimos o futuro
político e econômico da Europa. Conversamos, em particular, sobre o fluxo de
capital e como isso pode ser melhor controlado. Hoje à tarde, quero falar
sobre uma economia diferente. A sala escurece e as doze voltam-se para

fique de frente para a tela na parede norte da sala, mostrando uma


imagem de um porto mediterrâneo, de navios porta-contêineres e
guindastes de pórtico de navio para terra .
“Palermo, senhores, hoje o principal ponto de entrada da cocaína
na Europa. O resultado de uma aliança estratégica entre os cartéis de
drogas mexicanos e a máfia siciliana. ”
"Os sicilianos não são uma força gasta?" pergunta um homem
corpulento à sua esquerda. "Fiquei com a impressão de que os
sindicatos do continente administravam o comércio de drogas
atualmente."
“Esse costumava ser o caso. Até dezoito meses atrás, os cartéis
lidavam principalmente com os 'Ndrangheta, da região sul da Itália da
Calábria. Mas nos últimos meses estourou uma guerra entre os
calabrianos e um clã siciliano ressurgente, os greci. ”
Um rosto aparece na tela. Os olhos escuros friamente vigilantes. A
boca uma armadilha de aço.
“Salvatore Greco dedicou sua vida a ressuscitar a influência de sua família,
que perdeu seu lugar na estrutura de poder da Cosa Nostra nos anos 90, após
o assassinato do pai de Salvatore por um membro da família rival Matteo. Um
quarto de século depois, Salvatore caçou e matou todos os Mattei
sobreviventes. Os Greci, e seus associados, os Messini, são os clãs mais ricos,
poderosos e temidos dos sicilianos. Sabe-se que Salvatore assassinou
pessoalmente pelo menos sessenta pessoas e ordenou a morte de centenas a
mais. Hoje, aos 55 anos, seu domínio sobre Palermo e seu comércio de
drogas é absoluto. Suas empresas, em todo o mundo, movimentam entre vinte
e trinta bilhões de dólares. Senhores, ele é praticamente um de nós.
Uma leve onda de diversão, ou algo que se aproxima, corre pela
sala.
"O problema com Salvatore Greco não é sua predileção por tortura e
assassinato", continua ele. “Quando os mafiosos matam os mafiosos, é
como um forno autolimpante . Mas recentemente ele começou a ordenar
o assassinato de membros do establishment. Até o momento, sua
contagem é de dois juízes e quatro magistrados seniores, todos mortos
por carros-bomba, e um jornalista investigativo, que foi morto a tiros no
mês passado fora de seu apartamento. A jornalista estava grávida no
momento de sua morte. A criança não sobreviveu.
Ele faz uma pausa e ergue o olhar para a tela com a imagem da
mulher morta, espalhada na calçada em uma poça de sangue.
“Escusado será dizer que não foi possível implicar diretamente o Greco em

qualquer um desses crimes. A polícia foi subornada ou ameaçada,


testemunhas intimidadas. O código do silêncio, ou omertà , prevalece.
O homem é, para todos os efeitos, intocável. Há um mês, enviei um
intermediário para marcar uma reunião com ele, pois achava que
precisávamos de algum tipo de acomodação. Suas atividades neste
canto da Europa tornaram-se tão excessivas que ameaçam impactar
nossos próprios interesses. A resposta de Greco foi imediata. No dia
seguinte, recebi um pacote selado. A imagem na tela muda.
“Continha, como você pode ver, os olhos, ouvidos e língua do meu
associado. A mensagem foi clara. Nenhuma reunião. Sem discussão.
Sem acomodação.
Os homens ao redor da mesa olham para o quadro sombrio por
um momento, depois voltam o olhar para o interlocutor.
“Senhores, acho que precisamos tomar uma decisão executiva
sobre Salvatore Greco. Ele é uma força perigosamente incontrolável e
fora do alcance da lei. Suas atividades criminosas e o caos social que
elas provocam ameaçam a estabilidade do setor mediterrâneo.
Proponho que o removamos permanentemente do jogo.
Levantando-se da cadeira, o orador se dirige para uma mesa lateral,
retornando com uma caixa lacada antiga. Pegando uma sacola de cordão de
veludo preto, ele derrama seu conteúdo na mesa à sua frente. Vinte e quatro
peixes pequenos de marfim, doze deles com um amarelo suave, doze deles
manchavam um vermelho escuro de sangue. Cada homem recebe um par de
peixes contrastante.
A bolsa de veludo percorre a mesa no sentido anti-horário. Quando faz
uma revolução completa, é passado ao homem que propôs a votação. Mais
uma vez, o conteúdo da bolsa é derramado sobre a superfície pouco brilhante
da mesa. Doze peixes vermelhos. Uma sentença unânime de morte.

É tarde, quinze dias depois, e Villanelle está sentado em uma mesa do


lado de fora do Le Jasmin, um clube privado para membros no Décimo
Sexto Arrondissement de Paris. Do leste, vem o murmúrio do tráfego no
Boulevard Suchet, a oeste estão o Bois de Boulogne e o autódromo de
Auteuil. O jardim do clube é cercado por uma treliça pendurada com
jasmim em flor, cujo perfume infunde o ar quente. A maioria das outras
mesas está ocupada, mas a conversa é silenciosa. A luz desaparece, a
noite espera.
Villanelle toma um longo gole de sua vodca Grey Goose Martini e

examina discretamente os arredores, notando particularmente o casal na


mesa seguinte. Ambos estão na casa dos vinte anos: ele elegantemente
desgrenhado, ela é felina e requintada. Eles são irmão e irmã? Colegas
profissionais? Amantes?
Definitivamente não é irmão e irmã, decide Villanelle. Há uma
tensão entre eles - uma cumplicidade - que é tudo menos familiar.
Eles são certamente ricos, no entanto. Seu suéter de seda, por
exemplo, seu ouro escuro combinava com seus olhos. Não é novo,
mas definitivamente Chanel. E eles estão bebendo Taittinger vintage,
que não sai barato no Le Jasmin.
Ao chamar a atenção de Villanelle, o homem levanta a taça de
champanhe um centímetro ou dois. Ele murmura para sua
companheira, que a encarou com um olhar frio e avaliador.
"Você gostaria de se juntar a nós?" ela pergunta. É um desafio,
tanto quanto um convite.
Villanelle olha de volta, sem piscar. Uma brisa estremece o ar perfumado.
"Não é obrigatório", diz o homem, seu sorriso irônico em desacordo
com a calma de seu olhar.
Villanelle se levanta, levanta o copo. “Eu adoraria acompanhá-lo. Eu
estava esperando uma amiga, mas ela deve ter sido detida.
"Nesse caso ..." O homem se levanta. Sou o Olivier. E essa é Nica.
Villanelle.
A conversa se desenrola convencionalmente o suficiente. Olivier, ela
aprende, lançou recentemente uma carreira como comerciante de arte.
Nica trabalha intermitentemente como atriz. Eles não estão relacionados,
nem em uma inspeção mais detalhada dão a impressão de serem
amantes. Mesmo assim, há algo sutilmente erótico em sua cumplicidade
e no modo como a atraíram para sua órbita.
"Sou comerciante do dia", Villanelle lhes diz. "Moedas, futuros de
taxas de juros , tudo isso." Com satisfação, ela observa a diminuição
imediata do interesse em seus olhos. Se necessário, ela pode
conversar por horas sobre o dia de negociação, mas eles não querem
saber. Em vez disso, Villanelle descreve o apartamento iluminado pelo
sol do primeiro andar em Versalhes, do qual ela trabalha. Ela não
existe, mas ela pode visualizá-la nos rolos de ferro da varanda e no
tapete persa desbotado no chão. Sua história de capa é perfeita
agora, e o engano, como sempre, lhe proporciona uma onda de prazer.
"Adoramos seu nome, seus olhos, seus cabelos e, acima de tudo,
seus sapatos", diz Nica.
Villanelle ri e flexiona os pés no Louboutins de cetim com tiras.

Ao chamar a atenção de Olivier, ela deliberadamente espelha sua


postura lânguida. Ela imagina as mãos dele se movendo com
conhecimento e possessividade sobre ela. Ele a veria, ela adivinha,
como um objeto bonito e colecionável. Ele pensaria estar no controle.
"O que é engraçado?" pergunta Nica, inclinando a cabeça e acendendo
um cigarro. "Você é", diz Villanelle. Como seria, ela se pergunta, se
perder
naquele olhar de ouro? Sentir aquela boca esfumaçada na dela. Ela
está se divertindo agora; ela sabe que Olivier e Nica a querem. Eles
acham que estão interpretando ela, e Villanelle continuará deixando
que pensem assim. Será divertido manipulá-los, ver até onde eles irão.
"Eu tenho uma sugestão", diz Olivier, e nesse momento o telefone
na bolsa de Villanelle começa a piscar. Um texto de uma palavra :
DEFLECTAR. Ela se levanta, sua expressão em branco. Ela olha para
Nica e Olivier, mas em sua mente eles não existem mais. Ela saiu de lá
sem dizer uma palavra e, em menos de um minuto, está entrando em
um fluxo de tráfego para o norte em sua Vespa.
Faz três anos desde que ela conheceu o homem que lhe enviou a
mensagem. O homem que, até hoje, ela conhece apenas como
Konstantin. Suas circunstâncias, então, eram muito diferentes. O nome
dela era Oxana Vorontsova e ela foi oficialmente registrada como
estudante de francês e linguística na Universidade de Perm, na Rússia
central. Dentro de seis meses, ela deveria participar das finais. No entanto,
era improvável que ela entrasse na sala de exames da universidade, pois,
desde o outono anterior, estava inevitavelmente detida em outro lugar.
Especificamente, no centro de detenção de mulheres de Dobryanka, nas
montanhas Urais. Acusado de assassinato.
É uma curta viagem de carro, talvez cinco minutos, de Le Jasmin ao
apartamento de Villanelle, perto da Porte de Passy. O edifício dos anos
30 é grande, anônimo e silencioso, com uma garagem subterrânea
bem protegida . Depois de estacionar a Vespa ao lado de seu carro,
um rápido e anônimo Audi TT Roadster cinza prateado , Villanelle pega
o elevador para o sexto andar e sobe o pequeno lance de escadas até
seu apartamento na cobertura. A porta da frente, apesar de ter o
mesmo painel dos demais do edifício, é de aço reforçado e o sistema
de travamento eletrônico é feito sob medida.
No interior, o apartamento é confortável e espaçoso, até um pouco gasto.
Konstantin entregou a Villanelle as chaves e títulos de títulos há um ano. Ela
não tem

ideia de quem morava lá antes dela, mas o lugar estava


completamente mobilado quando ela se mudou, e a partir dos
utensílios e acessórios de décadas , ela acha que era alguém idoso.
Desinteressada em decoração, deixou o apartamento como o
encontrou, com seus quartos desbotados em verde-mar e
azul-francês e suas pinturas pós-impressionistas indescritíveis .
Ninguém nunca a visita aqui - suas reuniões profissionais acontecem
em cafés e parques públicos, suas ligações sexuais são realizadas
principalmente em hotéis - mas, se o fizessem, o apartamento exibia sua
matéria de capa com todos os detalhes. No estudo, seu computador, um
top-of-the-range wafer de aço inoxidável, é protegido pelo software de
segurança civil que um hacker metade qualificados rapidamente desvio.
Mas uma varredura de seu conteúdo revelaria pouco mais do que os
detalhes de uma conta de troca de dia bem - sucedida , e o conteúdo do
arquivo é igualmente sem compromisso. Não há sistema de música. Para
Villanelle, a música é, na melhor das hipóteses, uma irritação sem sentido
e, na pior, um perigo letal. Em silêncio, está a segurança.

As condições no centro de detenção eram indizíveis. A comida era pouco


comestível, o saneamento inexistente e um vento gelado e entorpecido do rio
Dobryanka penetrava em todos os cantos desanimadores da instituição. A
menor infração das regras resultou em um período prolongado de shiza , ou
confinamento solitário. Oxana estava lá há três meses quando recebeu ordens
de sua cela, marchou sem explicação para o pátio da prisão e recebeu ordens
de subir em um veículo todo-o-terreno danificado. Duas horas depois, nas
profundezas do Krai de Perm, o motorista parou por uma ponte sobre o rio
congelado Chusovaya e, sem palavras, a levou a uma unidade pré-fabricada
baixa, ao lado da qual estava estacionado um Mercedes preto com tração nas
quatro rodas . Dentro da unidade, havia espaço suficiente para uma mesa,
duas cadeiras e um aquecedor de parafina.
Um homem de casaco cinza pesado estava sentado em uma das
cadeiras e, para começar, ele apenas olhou para ela. Vestiu o
uniforme esfarrapado da prisão, as feições magras, a postura de
desafio sombrio. "Oxana Borisovna Vorontsova", disse ele,
consultando uma pasta impressa sobre a mesa. “Idade, 23 anos e 4
meses. Acusado de homicídio triplo, com várias circunstâncias
agravantes. ”
Ela esperou, olhando pela janela um pequeno quadrado de bosque nevado.
O homem era bastante comum, mas ela soube rapidamente que aquilo era

não alguém que possa ser manipulado.


"Dentro de quinze dias você será julgado", continuou ele. “E você será
considerado culpado. Não há outro resultado concebível e, em teoria, você
pode ser condenado à morte. Na melhor das hipóteses, você passará os
próximos vinte anos de sua vida em uma colônia penal que fará Dobryanka
parecer um resort de férias. Os olhos dela permaneceram em branco. O
homem acendeu um cigarro, uma marca importada, e ofereceu-lhe um. Teria
comprado uma porção extra de comida por uma semana no centro de
detenção, mas Oxana recusou-a com um movimento quase imperceptível de
a cabeça.
Três homens foram encontrados mortos. Um com a garganta cortada até
os ossos, dois baleados na cara. Não é exatamente o comportamento
esperado de um estudante de lingüística do último ano da melhor
universidade de Perm. A não ser, talvez, ela passou a ser a filha de um
Spetsnaz close-trimestre instrutor de batalha.” Ele pegou o cigarro. - Que
reputação ele tinha, sargento sênior Boris Vorontsov. Não o ajudou, no
entanto, quando ele se desentendeu com os gângsteres pelos quais estava
fazendo luar. Uma bala nas costas e deixada para morrer na rua como um
cachorro. Dificilmente um final adequado para um veterano de Grozny e
Pervomayskoye.
De debaixo da mesa, pegou um frasco e duas xícaras de papelão.
Derramou devagar, de modo que o cheiro de chá forte infundiu o ar
frio. Empurrou um dos copos para ela.
“O círculo dos irmãos. Uma das organizações criminosas mais
violentas e implacáveis da Rússia. ” Ele balançou sua cabeça. "O que
você estava pensando exatamente quando decidiu executar três de
seus soldados de infantaria?"
Ela desviou o olhar, sua expressão desdenhosa.
"É tão bom que a polícia encontrou você antes dos irmãos, ou eu
não estaria falando com você agora." Ele largou a ponta do cigarro no
chão e a pisou. “Mas tenho que admitir que foi um trabalho eficiente.
Seu pai te ensinou bem.
Ela olhou para ele novamente. Cabelos escuros, altura média,
talvez quarenta anos. Seu olhar estava nivelado e seus olhos eram
quase, mas não completamente, simpáticos.
“Mas você negligenciou a regra mais importante de todas. Você foi pego."
Ela tomou um gole exploratório de seu chá. Estendeu a mão sobre
a mesa, pegou um dos cigarros e acendeu. "Então quem és tu?"
“Alguém diante de quem você pode falar livremente, Oxana Borisovna. Mas
primeiro, por favor, confirme a verdade do seguinte. ” Ele pegou um maço de
papéis dobrado

do bolso do casaco. “Sua mãe, que era ucraniana, morreu quando você
tinha sete anos, de câncer de tireóide, quase certamente como
consequência de sua exposição à radiação após o desastre do reator de
Chernobyl, doze anos antes. Três meses após a morte de sua mãe, seu pai
foi enviado para a Chechênia, quando foi levado para os cuidados
temporários do orfanato Sakharov em Perm. Você passou dezoito meses
no orfanato, período em que a equipe notou suas habilidades acadêmicas
excepcionais. Eles também identificaram outras características, incluindo
o hábito de fazer xixi na cama e uma incapacidade quase total de formar
relacionamentos com outras crianças. ”
Ela exalou, a fumaça uma longa pluma cinza no ar frio, e tocou a
ponta da língua em uma crista de tecido cicatricial no lábio superior. O
gesto, como a própria cicatriz, era quase imperceptível, mas o homem
de casaco viu e notou.
“Quando você tinha dez anos, seu pai foi destacado novamente, desta vez
para o Daguestão. Você voltou ao orfanato Sakharov, onde, após três meses,
foi descoberto incendiando o bloco do dormitório e transferido para a unidade
psiquiátrica do Hospital Municipal Número 4, em Perm. Contra o conselho do
seu terapeuta, que o diagnosticou com um distúrbio de personalidade
sociopata, você foi devolvido ao seu pai. No ano seguinte, você iniciou seus
estudos na escola secundária de Industrialny District. Aqui, mais uma vez,
você ganhou elogios por seus resultados acadêmicos - particularmente por
suas habilidades no idioma - e mais uma vez observou-se que você não fez
nenhuma tentativa de fazer amigos ou formar relacionamentos. De fato, está
registrado que você esteve envolvido e suspeito de instigar uma série de
incidentes violentos.
- No entanto, você fez um apego à sua professora de francês, Miss
Leonova, e ficou extremamente agitada quando soube que ela havia sido
submetida a um grave ataque sexual enquanto esperava um ônibus tarde da
noite. Seu suposto agressor foi preso, mas depois libertado por falta de
provas. Seis semanas depois, ele foi descoberto em uma floresta perto do rio
Mulyanka, incoerente com choque e perda de sangue. Ele foi castrado com
uma faca. Os médicos conseguiram salvar sua vida, mas seu atacante nunca
foi identificado. Na época desses eventos, você estava chegando ao décimo
sétimo aniversário.
Ela pisou o cigarro no chão. "Isso está levando a algum lugar?"
Ele quase sorriu. “Eu poderia mencionar a medalha de ouro que
você ganhou pelo tiro de pistola nos Jogos Universitários em
Ekaterinburg. No seu primeiro ano de graduação. ”
Ela deu de ombros e ele se inclinou para frente em sua cadeira.
“Apenas entre nós. Aqueles três homens no Pony Club, o que você
sentiu quando os matou?
Ela encontrou o olhar dele, sua expressão em branco.
“OK, hipoteticamente. O que você pode ter sentido?
“Na época, eu poderia ter sentido satisfação em um trabalho bem
feito. Agora ... Ela encolheu os ombros novamente. "Nada."
"Então, por nada, você está olhando vinte anos em Berezniki, ou em
algum lugar semelhante?"
"Você me trouxe até aqui para me dizer isso?"
“A verdade, Oxana Borisovna, é que o mundo tem um problema com
pessoas como você. Homens ou mulheres que nascem, como você, sem
consciência ou capacidade de sentir culpa. Você representa uma pequena
fração da população como um todo, mas sem você ... Ele acendeu outro
cigarro e recostou-se na cadeira. “Sem predadores, pessoas que podem
pensar o impensável e agir sem medo ou hesitação, o mundo fica parado.
Você é uma necessidade evolutiva. ”
Houve um longo silêncio. Suas palavras confirmaram o que ela
sempre soube, mesmo em seu ponto mais baixo: que ela era
diferente, que ela era especial, que ela nasceu para voar. Ela olhou
através da janela para o veículo que esperava e os guardas batendo
os pés na neve. Mais uma vez, a ponta da língua momentaneamente
sondou seu lábio superior.
"Então, o que você quer de mim?" ela perguntou.
Konstantin disse a ela, sem poupar detalhes do que estava por vir.
E ouvindo-o, era como se tudo em sua vida tivesse levado a esse
momento. Sua expressão nunca tremeu, mas a emoção que a rasgava
era tão ávida quanto a fome.

Sobre Paris, a luz está desaparecendo. De uma gaveta na


escrivaninha de seu escritório, Villanelle pega um novo laptop da
Apple em caixa e o desembala. Logo, ela está conectada a uma conta
do Gmail e está abrindo uma mensagem cujo assunto é Jeff e Sarah -
fotos de férias . Existem dois parágrafos de texto e uma dúzia de
imagens JPEG de um casal que explora locais turísticos no Cairo e
nos arredores.

Olá a todos!

Tivemos o melhor momento de todos. Pirâmides incríveis, e


Sarah montou um camelo (veja fotos em anexo)! De volta ao
domingo, o pouso 7.42, deve estar em casa às 21h45. Muitas
felicidades - Jeff.
PS, observe o novo e-mail de Sarah SMPrice88307@gmail.com
Ignorando as letras e as palavras, Villanelle extrai as figuras. Eles formam
uma senha de uso único , que permite acessar os dados compactados
incorporados nas imagens JPEG de aparência inocente . Ela lembra as
palavras do designer de sistemas indiano que ensinou sua comunicação
secreta: “As mensagens criptografadas estão muito bem, mas mesmo que
sejam completamente inquebráveis, elas atraem atenção. Muito melhor
garantir que ninguém suspeite da existência da mensagem em primeiro
lugar. ”
Ela se vira para as fotografias. Por serem altamente detalhados,
com excelente resolução, podem transportar uma carga útil
significativa de dados. Dez minutos depois, ela extraiu todo o texto
oculto, que ela combina em um único documento.
Um segundo e-mail com o celular de Steve tem uma mensagem
mais curta, apenas um único número de telefone e seis imagens JPEG
de um jogo de futebol amador. Villanelle repete o processo anterior,
mas desta vez extrai uma série de retratos fotográficos. Eles são
todos do mesmo homem. Seus olhos são escuros, quase pretos, e a
boca está dura. Villanelle olha para as fotos. Ela nunca viu o homem
antes, mas há algo em seu rosto que ela reconhece. Uma espécie de
vazio. Ela leva um momento para se lembrar de onde ela viu esse olhar
antes. No espelho. Aos seus próprios olhos. O documento de texto é
intitulado Salvatore Greco .
Um dos atributos únicos que recomendou Villanelle aos seus atuais
empregadores foi sua memória fotográfica. Demora trinta minutos para ler
o arquivo Greco e, quando termina, consegue se lembrar de todas as
páginas como se a estivesse segurando na frente dela. Selecionado de
arquivos policiais, registros de vigilância, registros judiciais e declarações
de informantes, é um retrato pessoal exaustivo. Tudo considerado, porém,
é frustrantemente breve. Um cronograma da carreira de Greco até o
momento. Um perfil psicológico do FBI. Um colapso, em grande parte
hipotético, de sua situação doméstica, hábitos pessoais e tendências
sexuais. Uma lista de propriedades mantidas em seu nome. Uma análise
de seu conhecido

disposições de segurança.
O retrato que emerge é de um homem de gostos austeros.
Patologicamente avesso à atenção do público, ele é extremamente hábil em
evitá-lo, mesmo em uma era de comunicação de massa. Ao mesmo tempo,
seu poder decorre em grande parte de sua reputação. Em uma região do
mundo onde tortura e assassinato são rotineiros, a ferocidade de Greco o
diferencia. Quem ousa atrapalhar ou questionar sua autoridade é eliminado,
geralmente com crueldade espetacular. Rivais viram suas famílias inteiras
baleadas, informantes descobertos com suas gargantas cortadas e suas
línguas esticadas através das feridas abertas.
Villanelle tem vista sobre a cidade. À esquerda, a Torre Eiffel é
mostrada em silhueta contra o céu noturno. À direita está a massa
escura do Tour Montparnasse. Ela considera Greco. Define seu
refinamento pessoal contra o horror barroco de suas ações e
comissões. Existe alguma maneira de ela tirar essa contradição em
seu proveito?
Ela relê o arquivo do documento, examinando cada frase em busca de
uma possível entrada. A residência principal de Greco, uma fazenda em
uma vila nas colinas nos arredores de Palermo, é uma fortaleza. Sua
família mora lá, protegida por uma equipe leal e vigilante de guarda-costas
armados. Sua esposa, Calogera, raramente sai de casa; sua única filha,
Valentina, vive em uma vila vizinha, onde é casada com o filho mais velho
do consigliere de seu pai . A região tem seu próprio dialeto e uma história
de hostilidade obstinada a pessoas de fora. Aqueles que Greco deseja
conhecer - membros do clã, associados em potencial, alfaiate e
barbeiro - são convidados para a fazenda, onde são revistados e, se
necessário, desarmados. Quando Greco sai de casa para visitar sua
amante em Palermo, ele é invariavelmente acompanhado por um
motorista armado e pelo menos dois guarda-costas. Parece não haver um
padrão previsível para essas visitas.
Um documento em particular, no entanto, interessa a Villanelle. É uma
reportagem de cinco anos do jornal italiano Corriere della Sera que relata
um acidente quase fatal sofrido por um dos jornalistas do próprio jornal
em Roma. Segundo Bruno De Santis: “Eu estava saindo de um restaurante
em Trastevere quando um carro veio correndo na minha direção do lado
errado da rua. A próxima coisa que soube foi que eu estava no hospital,
com sorte de estar vivo.
A sugestão não muito sutil de De Santis é que essa tentativa de sua vida
seja consequência de uma peça que ele escreveu para o Corriere um mês
antes, sobre uma jovem soprano siciliana chamada Franca Farfaglia. Na peça,
ele criticou Farfaglia por ter aceitado uma doação para seus estudos no La
Scala

Academia de Teatro de Milão, de Salvatore Greco, "o notório chefe do


crime organizado".
É um jornalismo corajoso e talvez imprudente, mas Villanelle não está
interessado em De Santis. Em vez disso, ela se pergunta o que inspirou a
generosidade de Greco em relação a Farfaglia - não que ele não pudesse
pagar uma infinidade de gestos desse tipo. Era um amor pela ópera, o
desejo de ajudar uma talentosa garota local a alcançar seu potencial ou
um desejo completamente mais básico?
Uma pesquisa na Internet produz uma riqueza de imagens de Farfaglia.
Comandante na aparência, com traços orgulhosos e severos, ela parece
ter mais de vinte e seis anos. Várias das imagens reaparecem no site da
cantora, onde há um histórico de sua carreira até o momento, uma
seleção de análises de desempenho e sua programação para os próximos
meses. Percorrendo os compromissos, Villanelle faz uma pausa. Seus
olhos se estreitam, e ela toca a ponta do dedo na cicatriz no lábio. Depois,
clicando no hiperlink, ela abre o site do Teatro Massimo em Palermo.

O treinamento de Oxana levou a maior parte de um ano.


O pior veio primeiro. Seis semanas de treinamento físico e combate
desarmado em um trecho solitário e coberto de vento da costa de Essex.
Ela chegou no início de dezembro. O instrutor era um ex-instrutor do
Serviço Especial de Barcos chamado Frank, uma figura complicada e
taciturna de cerca de sessenta anos, com um olhar tão frio quanto o Mar
do Norte. Seu traje habitual , usado em todos os climas, era um agasalho
de algodão desbotado e um par de tênis velhos. Frank era impiedoso.
Oxana estava com baixo peso e em péssimas condições após seus
meses no centro de detenção de Dobryanka, e durante a primeira quinzena
as corridas intermináveis pelos pântanos, com o granizo chicoteando seu
rosto e a lama costeira gordurosa sugando suas botas, eram torturas.
Determinação a manteve indo. Qualquer coisa, até a morte por exposição
nos lodaçais, era melhor do que retornar ao sistema penal russo. Frank não
sabia quem ela era e não se importava. Seu resumo era simplesmente levá-la
a combater a prontidão. Durante o curso, ela morou em uma cabana Nissen
sem aquecimento, em uma ilha de lama e cascalho ligada ao continente por
uma calçada de 400 metros de comprimento . Durante a Guerra Fria, o local
havia sido um posto de alerta precoce, e algo de seu propósito apocalíptico
sombrio permaneceu.
Na primeira noite, Oxana estava com tanto frio que não conseguia dormir,
mas a partir de então

a exaustão tomou seu pedágio, e ela foi embrulhada em seu único cobertor e
morta para o mundo às 21h. Frank chutou a porta de ferro corrugado todas as
manhãs às 4 da manhã antes de jogá-la nas rações do dia - geralmente uma
cantina plástica de água e algumas de latas de carne e legumes processados
- e deixá-la vestir sua camiseta, calça e botas de combate, sempre ainda
encharcadas do dia anterior. Por duas horas, eles percorreram repetidos
circuitos da ilha, através dos lodaçais cinzentos escorrendo ou ao longo da
linha gelada, antes de retornar à cabana Nissen para preparar chá e aquecer
uma bagunça de rações em um pequeno fogão de hexamina. Ao nascer do
sol, eles estariam do lado de fora de novo, batendo nos lodaçais até Oxana
vomitar de fadiga.
À tarde, à medida que a escuridão se aproximava, eles trabalhavam em
combate corpo a corpo. Ao longo dos anos, Frank pegou elementos de ju-jitsu,
luta de rua e outras técnicas e os refinou em uma única disciplina. A ênfase
estava na improvisação e na velocidade, e as sessões de treinos eram
frequentemente conduzidas até os joelhos no mar, com a lama e a telha se
movendo traiçoeiras sob seus pés. Percebendo que seu inglês era ruim, Frank
ensinou por exemplo físico. Oxana pensou que sabia algo sobre duas lutas,
tendo aprendido o básico do Systema Spetsnaz com o pai, mas Frank parecia
antecipar todos os movimentos que ela tentava, desviando os golpes com
facilidade casual antes de jogá-la novamente na água gelada do mar. .
Oxana não achava que ela já odiava alguém tanto quanto odiava o ex-
instrutor da SBS. Ninguém, mesmo no orfanato de Perm ou na unidade de
prisão de Dobryanka, a menos que a depreciou e humilhou. O ódio tornou-
se uma raiva fervente. Ela era Oxana Borisovna Vorontsova e vivia de
acordo com regras que poucos começariam a entender. Ela venceria esse
angliski ublyodok , esse burro-filho da puta, se a matasse.
No final de uma tarde da última semana, eles estavam circulando um ao
outro na maré que chegava. Frank tinha uma faca Gerber com uma lâmina de
oito polegadas , Oxana estava desarmada. Frank se moveu primeiro,
balançando a lâmina oxidada tão perto de seu rosto que ela sentiu a brisa
passar e, em resposta, ela se agachou sob o braço da faca e deu um soco no
braço dele nas costelas. O deteve por um segundo e, quando o Gerber voltou,
ela estava fora de alcance. Eles dançavam de um lado para o outro, e Frank
pulou em seu peito. Seu corpo ultrapassou seu cérebro. Girando meia, ela
agarrou o pulso dele, puxou-o na direção em que ele já estava comprometido e
arrancou as pernas dele. Quando Frank caiu de costas na água, braços
agitados, ela já estava

erguendo o joelho para bater a mão da faca na telha - “Controle a arma,


então o homem”, seu pai sempre lhe dissera - e, quando o instrutor soltava
involuntariamente o Gerber, caiu para prendê-lo debaixo d'água. Montando
nele, ela forçou a cabeça dele para trás com a palma da mão, e observou o
trabalho agonizado de seu rosto quando ele começou a se afogar.
Era interessante - até fascinante -, mas ela queria que ele vivo
reconhecesse seu triunfo, então o arrastou para a praia, onde ele rolou
de lado e vomitou água do mar. Quando ele finalmente abriu os olhos,
ela estava segurando a ponta da faca Gerber na garganta.
Encontrando os olhos dela, ele assentiu em submissão.
Uma semana depois, Konstantin veio buscá-la, olhando-a de cima
a baixo com aprovação silenciosa enquanto esperava, a mochila
pendurada frouxamente sobre um ombro, na trilha lamacenta que
levava à calçada. "Você parece bem", disse ele, seu olhar plano
absorvendo sua postura recém-confiante e feições queimadas pelo
vento, com bolhas de sal .
"Você sabe que ela é uma psicopata do
caralho", disse Frank. "Ninguém é perfeito",
disse Konstantin.
Dois dias depois, Oxana voou para a Alemanha durante três semanas de
treinamento de fuga e evasão na escola de guerra nas montanhas de
Mittenwald. Ela estava ligada a um quadro das Forças Especiais da OTAN e
sua matéria de capa era que ela estava destacada em uma unidade de
combate ao terrorismo do Ministério do Interior da Rússia . Na segunda noite,
enquanto cavava na neve profunda, ela sentiu dedos furtivos no zíper de sua
bolsa dobrada. Uma luta silenciosa, mas furiosa, eclodiu na escuridão, e no dia
seguinte dois soldados da OTAN foram de helicóptero para fora da montanha,
um com um tendão cortado no antebraço, o outro com uma facada na palma
da mão. Depois disso, ninguém a incomodou.
Imediatamente após Mittenwald, ela foi levada de avião para uma
instalação do Exército dos EUA em Fort Bragg, Carolina do Norte, onde foi
submetida a um avançado programa de Resistência à Interrogação. Este foi
um pesadelo calculado e projetado para induzir o estresse e a ansiedade
máximos em seus sujeitos. Logo após sua chegada, Oxana foi despida pelos
guardas do sexo masculino e marchou para uma cela iluminada e sem janelas,
vazia, exceto por uma câmera de circuito fechado montada no alto de uma
parede. O tempo passou, hora após hora sem fim, mas ela recebeu apenas
água e, sem instalações sanitárias, foi forçada a usar o chão. Em pouco
tempo, a cela fedia e seu estômago estava revirando de fome. Se ela tentasse
dormir, o celular reverberaria com ruído branco ou com sons eletrônicos.

vozes repetindo frases sem sentido no volume de fazer o som dos ouvidos .
No final do segundo dia - ou poderia ter sido o terceiro -, ela estava
encapuzada e levou a outra parte do edifício onde foi interrogada, em russo
fluente e por horas a fio, por interrogadores invisíveis. Entre essas sessões,
nas quais lhe foi oferecida comida em troca de informações, ela foi forçada a
adotar posições de estresse agonizantes e humilhantes. Faminta, privada de
sono e severamente desorientada, ela entrou em um estado de transe , no qual
os limites entre seus sentidos se turvavam. Ela conseguiu, no entanto, se
apegar a algum senso vestigial de si e ao conhecimento de que a experiência
chegaria ao fim. Por mais aterrorizante e degradante que fosse, era preferível
à vida na ala segura de uma colônia penal nos Montes Urais. Quando o
exercício foi oficialmente declarado encerrado, Oxana estava começando, de
uma maneira profundamente perversa, a se divertir.
Mais cursos seguidos. Um mês de familiarização de armas em um
campo ao sul de Kiev, na Ucrânia, seguido por mais três em uma escola de
franco-atiradores russa. Este não era o estabelecimento de alto nível nos
arredores de Moscou onde os destacamentos Spetsnaz Alfa e Vympel
treinavam, mas uma instalação muito mais remota perto de Ekaterinburg,
administrada por uma empresa de segurança privada cujos instrutores
não fizeram perguntas. Estar de volta à Rússia parecia estranho para
Oxana, mesmo sob a falsa identidade fornecida por Konstantin.
Ekaterinburg, afinal, estava a menos de duzentas milhas de onde ela havia
crescido.
Não demorou muito, porém, antes que o engano começasse a lhe
dar uma certa satisfação inebriante. "Oficialmente, Oxana Vorontsova
não existe mais", informou Konstantin. “Um certificado emitido no
Hospital Regional de Perm indica que ela se enforcou em sua cela no
centro de detenção de Dobryanka. Os registros do distrito mostram
que ela foi enterrada às custas do público no cemitério Industrialny.
Confie em mim, ninguém sente falta dela e ninguém a procura.
A escola de atiradores urbanos Severka foi construída em torno de uma
cidade deserta. Nos tempos soviéticos, abrigava uma comunidade próspera
de cientistas estudando os efeitos da exposição à radiação; agora era uma
cidade fantasma, povoada apenas por bonecos em tamanho real,
estrategicamente situados atrás de janelas de vidro e nas rodas de veículos
esqueléticos e enferrujados. Era um lugar misterioso, silencioso, exceto pelo
vento que assobiava entre seus prédios vazios.
O treinamento básico de Oxana foi com o Dragunov, de
edição padrão . Logo, porém, ela se formou no VSS, ou Special Sniper
Rifle. Com a sua

excepcionalmente leve e silencioso integral, era a arma urbana ideal.


Quando deixou Severka, disparara milhares de tiros sob uma variedade de
condições operacionais e, em menos de um minuto, conseguiu chegar a
um ponto de tiro com o VSS em sua caixa de poliestireno, montar a arma,
zerar a mira, calcular velocidade do vento e outros vetores e aperte uma
cabeça letal ou um tiro no corpo ("um tiro, uma morte", nas palavras de
seu instrutor) a uma distância de até quatrocentos metros.
Oxana sentiu-se mudando, e os resultados a agradaram. Sua capacidade
de observação, habilidades sensoriais e velocidade reativa foram
extraordinariamente aprimoradas. Psicologicamente, sentia-se invulnerável,
mas sempre soube que era diferente das pessoas ao seu redor. Ela não sentiu
nenhuma das coisas que eles sentiram. Onde outros experimentariam dor ou
horror, ela conhecia apenas um desapego congelado. Ela aprendera a imitar as
respostas emocionais dos outros - seus medos, suas incertezas, sua
necessidade desesperada de afeto - mas nunca as experimentara
completamente. Ela sabia, no entanto, que, para escapar da observação no
mundo, era essencial usar uma máscara de normalidade e disfarçar a
extensão de sua diferença.
Ela aprendera, muito jovem, que as pessoas podiam ser manipuladas.
O sexo era útil nesse sentido, e Oxana adquiria um apetite voraz. Não
tanto pelo ato em si, embora isso tivesse suas satisfações, mas pela
emoção da busca e da dominação psíquica. Para os amantes, ela gostava
de escolher figuras de autoridade. Suas conquistas incluíam professores
de ambos os sexos, uma colega de Spetsnaz de seu pai, uma jovem de
uma academia militar em Kazan contra a qual ela estava competindo nos
Jogos Universitários e, o mais satisfatório de tudo, o psicoterapeuta a
quem ela se referia. avaliação em seu primeiro ano na universidade.
Oxana nunca sentira a menor necessidade de ser apreciada, mas dava
uma profunda satisfação a ser desejada. Ver o olhar nos olhos de sua
conquista - aquele derreter final da resistência - que lhe dizia que a
transferência de poder estava completa.
Não que isso fosse suficiente. Porque, apesar de toda a sua excitação
feroz, esse momento de submissão invariavelmente marcou o fim do
interesse de Oxana. A história era sempre a mesma, mesmo com Yuliana,
a psicoterapeuta. Ao ceder a Oxana, ao renunciar ao seu mistério, ela se
tornou indesejável. E Oxana simplesmente seguiu em frente, deixando a
mulher mais velha desprovida, sua auto-estima pessoal e profissional em
frangalhos.
Após o curso de atirador, ela aprendeu sobre explosivos e toxicologia em

Volgogrado, vigilância em Berlim, condução avançada e


bloqueio de fechaduras em Londres e gerenciamento de identidade,
comunicações e codificação em Paris. Para Oxana, que nunca havia
deixado a Rússia antes de sua consulta com Konstantin na ponte
Chusovaya, as viagens internacionais eram estonteantes. Cada curso
foi ministrado na língua do país em questão, testando sua aptidão
linguística até o limite e, mais frequentemente do que não, deixando-a
mentalmente e fisicamente esgotada.
Ao longo de tudo, paciente e imperturbável à margem, foi Konstantin. Ele
mantinha uma distância profissional entre ele e Oxana, mas simpatizava com
ela nas poucas ocasiões em que a pressão se tornava excessiva, e ela exigiu,
friamente, ser deixada em paz. "Tire um dia de folga", ele disse a ela em uma
ocasião em Londres. “Vá e explore a cidade. E comece a pensar no seu nome
de capa. Oxana Vorontsova está morta.
Em novembro, seu treinamento estava quase no fim. Ela estava
hospedada em um hotel de uma estrela no subúrbio de Belleville, em
Paris, e viajava todos os dias para um prédio de escritórios anônimo em
La Défense, onde um jovem de origem indiana estava lhe ensinando os
pontos mais delicados da esteganografia - a ciência da ocultar
informações secretas em arquivos de computador. No último dia do
curso, Konstantin apareceu, pagou a conta do hotel e a acompanhou até
um apartamento no Quai Voltaire, na margem esquerda.
O apartamento do primeiro andar era mobiliado com peças
sobressalentes e minimalistas. Seu ocupante era uma mulher
minúscula e de aparência feroz , com cerca de sessenta anos, vestida
completamente de preto, que Konstantin apresentou como Fantine.
Fantine olhou para Oxana, pareceu não se impressionar com o que
viu e pediu-lhe para andar pela sala. Autoconsciente em sua camiseta
desbotada , jeans e tênis, Oxana obedeceu. Fantine a observou por
um momento, virou-se para Konstantin e deu de ombros.
E assim começou o estágio final da transformação de Oxana. Ela se
mudava para um hotel quatro estrelas a duas ruas de distância, e todas as
manhãs se juntava a Fantine para o café da manhã no apartamento do
primeiro andar . Às nove horas da manhã, um carro os procurava. No primeiro
dia, foram às Galeries Lafayette, no Boulevard Haussmann. Fantine marchou
com Oxana pela loja de departamentos, ordenando que ela experimentasse
uma sucessão de roupas - roupas diurnas, casuais, à noite - e as comprasse,
quer Oxana gostasse ou não. As roupas apertadas e chamativas para as quais
Oxana foi atraída Fantine descartaram sem olhar.
“Estou tentando te ensinar o estilo parisiense, chérie , não como se vestir
como uma

Streetwalker de Moscou, o que você obviamente já sabe fazer.


No final do dia, o carro estava cheio de sacolas de compras, e Oxana
estava começando a desfrutar da companhia de seu mentor cruel e
crítico. Durante a semana seguinte, visitaram lojas de calçados e casas de
moda, desfiles de alta costura e pré-à-porter , um empório vintage em St.
Germain e o museu de figurinos e design do Palais Galliera. Em cada um
deles, Fantine ofereceu um comentário imparável. Isso era chique,
inteligente e elegante; isso era grosseiro, sem gosto e irremediavelmente
vulgar. Uma tarde, Fantine levou Oxana a um cabeleireiro na Place des
Victoires. Suas instruções para o estilista deveriam proceder como ela
escolheu e ignorar qualquer coisa que Oxana sugerisse. Depois, Fantine a
colocou na frente de um espelho, e Oxana passou a mão pelos cabelos
curtos e sem corte . Ela gostou do olhar que Fantine montou para ela. A
jaqueta de motoqueiro de grife, a camiseta listrada , o jeans baixo e as
botas de tornozelo. Ela parecia ... parisiense.
No final da tarde, eles visitaram uma boutique que vendia perfume
na rue du Faubourg Saint-Honoré. "Escolha", disse Fantine. "Mas
escolha bem." Por dez minutos, Oxana seguiu o elegante andar da
loja, antes de parar em frente a um armário de vidro. O assistente a
observou por um momento. - Vous permettez, mademoiselle ? ele
murmurou, entregando-lhe um frasco de vidro fino com uma fita
escarlate no pescoço. Cautelosamente, Oxana tocou o perfume
âmbar em seu pulso. Fresco como um amanhecer de primavera, mas
com notas de fundo mais escuras, ele falava com algo
profundamente dentro dela.
"Chama-se Villanelle", disse o assistente. “Era o perfume favorito
da condessa du Barry. A casa de perfume adicionou a fita vermelha
depois que ela foi guilhotinada em 1793. ”
"Vou ter que tomar cuidado, então", disse Oxana.
Dois dias depois, Konstantin veio buscá-la no hotel. "Meu nome de
capa", disse ela. "Eu escolhi."

Enquanto atravessa a Piazza Verdi, em Palermo, com os calcanhares batendo


levemente nas pedras, Villanelle olha para a imponente fachada da maior casa
de ópera da Sicília e, na verdade, da Itália. Palmeiras erguem-se da praça, suas
folhas sussurrando fracamente na brisa quente; leões de bronze ladeavam a
ampla escada da entrada. Villanelle está usando um vestido Valentino de seda
e luvas de ópera Fratelli Orsini até o cotovelo. O vestido é vermelho, mas tão
sombreado como
ser quase preto. Uma bolsa de ombro espaçosa da Fendi está
pendurada por uma corrente fina. O rosto de Villanelle está pálido à
luz do entardecer e seu cabelo está preso com um grampo longo e
curvo. Ela parece glamourosa, embora menos vistosa do que as
socialites de Versace e Dolce & Gabbana que lotam o hall de entrada
espelhado. As primeiras noites no Teatro Massimo são sempre uma
ocasião, e a oferta desta noite é Tosca de Puccini , uma das óperas
mais populares de todas. O fato de o papel-título ser cantado por uma
soprano local, Franca Farfaglia, torna a ocasião imperdível.
Villanelle compra um programa e passa pelo hall de entrada até o
vestíbulo. O lugar está enchendo rápido. Há um burburinho de conversas, o
tilintar suave dos óculos e um aroma de perfume caro. Ornamentados
de parede luzes de pintar as decorações de mármore com um fulgor limão
macio. No bar, ela pede água mineral e percebe que está sendo observada por
uma figura magra de cabelos escuros .
"Posso pegar algo mais ... interessante?" ele pergunta, enquanto
ela paga por sua bebida. "Uma taça de champanhe, talvez?"
Ela sorri. Ele tem trinta e cinco anos, ela adivinha, mais ou menos
um ano ou dois. Boa aparência saturnina. Sua camisa cinza prateada
é impecável e seu blazer leve se parece com Brioni. Mas o italiano
dele tem o tom da Sicília, e há uma ponta de ameaça em seu olhar.
"Eu não vou", diz ela. "Obrigado."
"Deixe-me adivinhar. Você obviamente não é italiano, mesmo que
fale o idioma. Francês?"
"Tipo de. É complicado."
"Você gosta de óperas de Puccini?"
"Claro", ela murmura. "Embora La Bohème seja o meu favorito."
"Isso é porque você é francês." Ele estende a mão. “Leoluca
Messina. Sylviane
Morel.
- Então, o que o leva a Palermo, mademoiselle Morel?
Ela é tentada a encerrar a conversa. Abandonar. Mas ele pode
seguir, o que pioraria as coisas. "Eu vou ficar com os amigos."
"Who?"
"Ninguém que você conhece, eu tenho medo."
“Você ficaria surpreso com quem eu conheço. E confie em mim,
todo mundo aqui me conhece.
Girando, Villanelle deixa um sorriso repentino iluminar seu rosto. Ela acena

em direção à entrada. - Com licença, signor Messina. Meus amigos


estão aqui." Isso foi menos do que convincente, ela se reprova
enquanto atravessa a multidão. Mas há algo em Leoluca
Messina - um longo relacionamento com a violência - que a faz querer
que ele esqueça seu rosto.
Greco virá, Villanelle se pergunta, movendo-se através da multidão
com um objetivo vago, examinando os rostos ao seu redor enquanto
caminha. De acordo com contato local de Konstantin, que teve vários
da frente-de-house equipe discretamente subornado e interrogado, o
chefe da máfia vem a maioria dos importantes primeiras noites. Ele
sempre chega no último momento e pega a mesma caixa, que ocupa
sozinha, com guarda-costas estacionados do lado de fora. Se ele
realmente reservou para vir hoje à noite tem sido frustrantemente
impossível estabelecer. Mas seu protegido Farfaglia está cantando o
papel principal de soprano. As chances são boas.
A um custo considerável, o pessoal de Konstantin garantiu a caixa vizinha
àquela que Greco prefere. É no primeiro nível, quase diretamente adjacente ao
palco. Faltando dez minutos para a cortina e com a caixa à esquerda ainda
desocupada, Villanelle entra no ninho de pelúcia vermelha. A caixa é ao
mesmo tempo pública e privada. Na frente, empoleirado em uma das cadeiras
douradas, com o trilho estofado escarlate ao nível do peito, Villanelle pode ver
e ser visto por todos no auditório. Se ela se inclinar para frente após a
partição, poderá olhar para a frente das caixas de cada lado dela. Com as
luzes da casa apagadas, no entanto, cada caixa se tornará um mundo secreto,
seu interior invisível.
Na escuridão daquele mundo secreto invisível, ela tira a bolsa do
ombro e pega uma pistola automática Ruger leve com um supressor
Gemtech integrado e insere um clipe de balas de baixa velocidade de
22 mm . Devolvendo a arma para a bolsa, ela a coloca no chão, na
base da divisória, separando-a da caixa à esquerda.

Nos nove meses seguintes ao seu renascimento como Villanelle, ela matou
dois homens. Cada projeto foi iniciado por um texto de uma palavra de
Konstantin, seguido pela transmissão de documentos detalhados - clipes de
filmes , biografias, relatórios de vigilância, cronogramas - de fontes
desconhecidas para ela. Cada período de planejamento durou cerca de quatro
semanas, durante o qual ela estava armada, informada de qualquer apoio
logístico que pudesse esperar e forneceu

com uma identidade apropriada.


O primeiro alvo, Yiorgos Vlachos, comprara cobalto-60 radioativo na Europa
Oriental, com uma perspectiva provável de detonar uma bomba suja em
Atenas. Ela colocou uma bala de SP-5 no peito dele enquanto ele trocava de
carro no porto de Pireu. O tiro, tomado com um VSS russo em uma faixa de
325 metros, envolveu um todo-noite mentira-up sob uma lona em um telhado
do armazém. Mais tarde, revivendo o evento na segurança de seu quarto de
hotel, Villanelle sentiu uma intensa e emocionante alegria. O estalo seco do
relatório suprimido, o cheiro distante do impacto, a figura em colapso no
escopo.
O segundo alvo era Dragan Horvat, um político dos Balcãs que dirigia
uma rede de tráfico de seres humanos. Seu erro foi levar seu trabalho para
casa com ele, na forma de uma bonita e viciada em heroína de
dezessete anos de idade de Tblisi. Inexplicavelmente, ele se apaixonou
por ela e começou a levá-la a caronas de compras caras nas capitais
europeias. Londres era o destino de fim de semana favorito do casal e,
quando Villanelle esbarrou nele em uma rua lateral de Bayswater, tarde da
noite, Horvat sorriu com indulgência. Ele não sentiu imediatamente a
facada na parte interna da coxa que rompeu sua artéria femoral e,
enquanto morria sangrando na calçada, sua namorada georgiana o
observava com olhos espaçados , torcendo distraidamente a pulseira de
ouro que ele havia comprado para ela. naquela tarde em Knightsbridge.
Entre as mortes, Villanelle morava no apartamento de Paris. Ela
explorou a cidade, experimentou os prazeres que tinha para oferecer e
desfrutou de uma sucessão de amantes. Esses assuntos sempre
seguiram o mesmo rumo: uma busca inebriante, alguns dias e noites
devoradores, o término abrupto de todo contato. Ela simplesmente
desapareceu de suas vidas, tão rápida e misteriosamente quanto
entrara nelas.
Corria no Bois de Boulogne todas as manhãs, participava de um dojo
de ju-jitsu em Montparnasse e praticava sua pontaria em um clube de tiro
de elite em Saint-Cloud. Enquanto isso, mãos invisíveis pagavam seu
aluguel e gerenciavam suas atividades comerciais, cujos recursos eram
depositados em uma conta corrente na Société Générale. "Gaste o que
quiser", Konstantin disse a ela. “Mas fique sob o radar. Viva
confortavelmente, mas não excessivamente. Não deixe rastro.
E ela não fez. Ela não fez nenhuma superfície ondular. Tornou-se parte do
exército monocromático de profissionais que se apressavam de um lugar para
outro, com a solidão estampada em seus olhares. Que autoridade impôs as
sentenças de morte que ela executou, ela não sabia. Ela não perguntou a
Konstantin, porque

ela tinha certeza de que ele não diria a ela e, na verdade, ela realmente não
se importava. O que importava para Villanelle era que ela havia sido
escolhida. Escolhida como o instrumento de uma organização
todo-poderosa que havia entendido, como ela mesma sempre entendera,
que era diferente. Eles reconheceram seu talento, a procuraram e a
levaram do lugar mais baixo do mundo para o mais alto, onde ela
pertencia. Um predador, um instrumento da evolução, um daqueles elites a
quem nenhuma lei moral se aplicava. Dentro dela, esse conhecimento
floresceu como uma grande rosa escura, preenchendo todas as cavidades
de seu ser.

Lentamente, o auditório do Teatro Massimo começa a se encher.


Recostando-se na cadeira, Villanelle estuda o programa, o rosto
sombreado pela partição entre a caixa e a próxima. O tempo da
apresentação chega e as luzes da casa diminuem, o barulho da platéia
diminuindo em silêncio. Enquanto o maestro abaixa o arco, para aplaudir
calorosamente, Villanelle ouve uma figura silenciosamente ocupar seu
lugar na caixa ao lado. Ela não se vira e, quando a cortina sobe no primeiro
ato, se inclina para frente para olhar com atenção extasiada no palco.
Minuto sucede minuto; o tempo é reduzido para um rastreamento.
A música de Puccini envolve Villanelle, mas não a toca. Sua
consciência está focada, na sua totalidade, na pessoa invisível à sua
esquerda. Ela se obriga a não olhar, mas sente a presença dele como
uma pulsação, maligna e infinitamente perigosa. Em alguns
momentos, ela sente uma frieza na nuca e sabe que ele a está
observando. Finalmente, as tensões do Te Deum desaparecem, o
primeiro ato termina e a cortina vermelha e dourada cai.
Enquanto as luzes da casa acendem e a conversa aumenta no
auditório, Villanelle fica imóvel como se estivesse hipnotizado pela
ópera. Então, sem olhar de soslaio, ela se levanta e sai da caixa,
observando com sua visão periférica a presença de dois guarda-
costas que estão relaxados, entediados, mas vigilantes, no final do
corredor.
Movendo-se sem pressa para o vestíbulo, ela caminha até o bar e pede um
copo de água mineral, que ela segura, mas não bebe. No outro extremo da
sala, ela vê Leoluca Messina se movendo em sua direção. Fingindo que não o
viu, ela se transforma na multidão, ressurgindo perto da entrada do vestíbulo.
Lá fora, nos degraus da ópera, o calor do dia ainda não diminuiu. O céu é
rosa-de-rosa sobre o mar, uma sobrecarga roxa lívida. Meia dúzia de jovens
que passam por Villanelle assobiam e fazem uma apreciação

comentários no dialeto local.


Ela volta e toma seu lugar em sua caixa momentos antes da cortina
subir no segundo ato. Mais uma vez, ela faz questão de não olhar para a
esquerda em Greco; em vez disso, ela olha fixamente para o palco
enquanto a ópera se desenrola. A história é dramática. Tosca, uma
cantora, está apaixonada pelo pintor Cavaradossi, que foi falsamente
acusado de ajudar na fuga de um preso político. Preso por Scarpia, o
chefe de polícia, Cavaradossi é condenado à morte. Scarpia, no entanto,
propõe um acordo: se Tosca se entregar a ele, Cavaradossi será libertado.
Tosca concorda, mas quando Scarpia se aproxima dela, ela pega uma
faca e o mata.
A cortina cai. E desta vez, quando Villanelle termina de aplaudir, ela se
vira para Greco e sorri, como se o visse pela primeira vez. Não demorou
muito para que alguém batesse na porta da caixa. É um dos guarda-
costas, um homem corpulento que pergunta, sem desanimar, se ela
gostaria de se juntar a Don Salvatore para tomar uma taça de vinho.
Villanelle hesita por um momento e, em seguida, educadamente assente
em aceitação. Quando ela entra no corredor, o segundo guarda-costas a
olha de cima a baixo. Ela deixou a bolsa na caixa, as mãos estão vazias e
o vestido Valentino se apega à sua forma esbelta e atlética. Os dois
homens se entreolham conscientemente. É claro que eles entregaram
muitas mulheres ao seu chefe. O homem corpulento aponta para a porta
da caixa de Greco. " Por favor, signorina ..."
Ele fica de pé quando ela entra. Um homem de estatura mediana,
vestindo um terno de linho caro. Um silêncio letal sobre ele, e um
sorriso que não começa a alcançar seus olhos. "Desculpe minha
presunção", diz ele. “Mas não pude deixar de observar sua apreciação
pela performance. Como companheiro de ópera, eu estava pensando
se poderia lhe oferecer um copo de frappato ? Vem de uma das
minhas vinhas, para que eu ateste sua qualidade. ”
Ela agradece. Toma um gole exploratório do vinho frio. Apresenta-
se como Sylviane Morel.
"E eu sou Salvatore Greco." Há uma nota questionadora na voz
dele, mas o olhar dela não pisca. Está claro para ele que ela não tem
ideia de quem ele é. Ela o elogia pelo vinho e diz que é sua primeira
visita ao Teatro Massimo.
"Então, o que você acha de Farfaglia?"
“Soberbo. Uma bela atriz e uma ótima
soprano.
“Estou feliz que você gosta dela. Tive a sorte de ajudar, em pequena escala,

com o treinamento dela. "


"Que maravilhoso ver sua crença nela
confirmada." " Il bacio di Tosca ."
"Desculpe-me?"
“Este é o bacio de Tosca . "Este é o beijo de Tosca!" Suas palavras
quando ela apunhala Scarpia.
"Claro! Sinto muito, meu italiano ...
"É o mais realizado, signorina Morel." Mais uma vez, aquele meio sorriso
gelado .
Ela inclina a cabeça em negação. Acho que não, signor Greco. Parte dela
está conduzindo a conversa, parte dela está calculando maneiras e meios,
tempo, rotas de evasão, exfiltração. Ela está cara a cara com seu alvo, mas ela
está sozinha. E isso, como Konstantin tantas vezes deixou claro, é como
sempre será. Ninguém mais pode se envolver, exceto da maneira mais
periférica e desconectada. Não pode haver backup, desvio gradual ou ajuda
oficial. Se ela for levada, é o fim. Não haverá um funcionário discreto que a
leve da cela, nem um veículo à espera para levá-la ao aeroporto.
Eles falam. Para Villanelle, a linguagem é fluida. Na maioria das vezes,
ela pensa em francês, mas de vez em quando acorda e sabe que sonha
em russo. Às vezes, quase dormindo, o sangue ruge em seus ouvidos,
uma maré incontrolável atravessada por gritos poliglotas. Nessas
ocasiões, sozinha no apartamento de Paris, ela se anestesia com horas de
navegação na web, geralmente em inglês. E agora, ela observa, ela está
jogando mentalmente cenários em italiano infligido pela Sicília . Ela não
procurou o idioma, mas sua cabeça ecoa com ele. Existe alguma parte
dela que ainda é Oxana Vorontsova? Ela ainda existe, aquela garotinha que
ficava noite após noite em lençóis cheios de urina no orfanato, planejando
sua vingança? Ou houve apenas Villanelle, o instrumento escolhido pela
evolução?
Greco a quer, ela pode dizer. E quanto mais ela interpreta a jovem
parisiense bem nascida e impressionável , com o olhar de
olhos arregalados , maior o desejo dele cresce. Ele é como um
crocodilo, observando das águas rasas uma gazela mais perto da
beira da água. Como costuma acontecer? ela imagina. Jantar em
algum lugar que o conheçam bem, com os garçons respeitosos e os
guarda-costas sentados em uma mesa vizinha, seguidos de um
motorista com motorista até algum apartamento discreto da cidade
velha?
"Toda primeira noite, esta caixa é reservada para mim", ele diz a
ela. "Os Greci eram aristocratas em Palermo antes da época dos
Habsburgos."

"Nesse caso, considero-me feliz por estar


aqui." "Você vai ficar para o ato final?"
"Com prazer", ela murmura, enquanto a orquestra toca.
Enquanto a ópera continua, Villanelle mais uma vez olha
rapidamente para o palco, esperando o momento que ela planejou.
Isso vem com o grande dueto de amor, " Amaro sol per te ". À medida
que a nota final desaparece, o público grita aplausos, com gritos de “
Bravi! "E" Brava Franca! Ecoando de todos os cantos da casa. Villanelle
aplaude com os outros, e os olhos brilhando, vira-se para Greco. Seus
olhos encontram os dela e, como se por impulso, ele agarra a mão
dela e a beija. Ela segura o olhar dele por um momento e, levantando a
outra mão no cabelo, desata o grampo longo e curvo, de modo que as
madeixas escuras caem sobre os ombros. E então o braço dela desce,
um borrão pálido, e o clipe dela está enterrado profundamente no olho
esquerdo dele.
Seu rosto empalidece com choque e dor. Villanelle pressiona o
pequeno êmbolo, injetando uma dose letal de etorfina de força veterinária
no lobo frontal do cérebro e induzindo paralisia imediata. Ela o abaixa no
chão e olha em volta. Sua própria caixa está vazia e, na caixa adiante, um
casal de idosos é pouco visível, espiando o palco através de óculos de
ópera. Todos os olhos estão voltados para Farfaglia e o tenor cantando
Cavaradossi, ambos imóveis, enquanto ondas após aplausos surgem
sobre eles. Alcançando a divisória, Villanelle recupera sua bolsa, retira-se
para as sombras e tira o Ruger. O estalo duplo da arma suprimida não é
notável, e as balas de baixa velocidade .22 deixam apenas um fio solto
enquanto perfuram a jaqueta de linho de Greco.
Os aplausos estão diminuindo quando Villanelle abre a porta da caixa, sua
arma escondida atrás das costas e acena com preocupação para os guarda-
costas, que entram e fazem genuflexão ao lado do empregador. Ela dispara
duas vezes, menos de um segundo separando os tiros silenciados, e os dois
homens caem no chão acarpetado. O sangue jorra brevemente das feridas na
parte de trás do pescoço, mas os homens já estão mortos, com o tronco
cerebral disparado. Por vários segundos, Villanelle fica impressionado com a
intensidade dos assassinatos e com uma satisfação tão penetrante que quase
chega à dor. É o sentimento de que o sexo sempre promete, mas nunca
cumpre, e por um momento ela se aperta, ofegando, através do vestido
Valentino. Depois de enfiar o Ruger na bolsa e endireitar os ombros, ela sai da
caixa.
"Não me diga que você está indo embora, signorina Morel?"

Seu coração bate no peito. Andando em sua direção pelo corredor


estreito, com a graça sinistra de uma pantera, está Leoluca Messina.
"Infelizmente sim."
"Isso é ruim. Mas como você conhece meu
tio? Ela o encara.
Don Salvatore. Você acabou de sair da caixa dele.
“Nós nos conhecemos antes. E agora, com licença, signor Messina ...
Ele olha para Villanelle por um momento, depois passa com
firmeza por ela e abre a porta da caixa de Greco. Quando ele sai, um
momento depois, ele está carregando uma arma. Uma tempestade de
Beretta de 9 mm, parte de seus registros enquanto ela aponta o Ruger
na cabeça dele.
Por um momento, eles permanecem imóveis, então ele assente,
estreitando os olhos e abaixa a Beretta. "Guarde isso", ele ordena.
Ela não se mexe. Alinha a previsão de fibra óptica com a base do
nariz. Prepara-se para cortar um terceiro tronco cerebral siciliano.
“Olha, estou feliz que o bastardo esteja morto, ok? E a qualquer
momento, a cortina vai se fechar e todo esse lugar estará lotado de
pessoas. Se você quiser sair daqui, guarde a arma e siga-me.
Algum instinto diz para ela obedecer. Eles correm pelas portas no final
do corredor, descem um pequeno lance de escadas e entram em uma
passagem estofada de vermelho que circunda as barracas. "Pegue minha
mão", ele ordena, e Villanelle faz. Vir na direção deles é um arrumador
uniformizado. Messina o cumprimenta alegremente, e o arrumador sorri. -
Fazendo uma escapada rápida, signor?
"Algo parecido."
No final da passagem, logo abaixo da caixa de Greco, há uma porta
voltada para o mesmo brocado vermelho que as paredes. Abrindo,
Messina puxa Villanelle para um pequeno vestíbulo. Ele abre uma
cortina em forma de cobertor e de repente eles estão nos bastidores,
no meio escuro das asas, com a música, retransmitida por tannoy do
poço da orquestra, estridente. Homens e mulheres fantasiados do
século XIX nadam para fora das sombras; os ajudantes de palco se
movem com um propósito organizado. Colocando um braço em volta
do ombro de Villanelle, Messina apressa as prateleiras do passado de
roupas e mesas colocadas com adereços e depois a direciona para o
espaço estreito entre o ciclorama e a parede de tijolos. Quando
atravessam o palco, ouvem uma saraivada de fogo de
mosquete. Execução de Cavaradossi.

Então mais corredores, paredes descoloridas pendiam de


extintores de incêndio e instruções para evacuação de emergência da
casa, e finalmente eles estão saindo da porta do palco para a Piazza
Verdi, com o som do tráfego nos ouvidos e o céu roxo vívido no alto. A
cinquenta metros de distância, uma motocicleta MV Agusta prata e
preta está parada em um poste de amarração na Via Volturno.
Villanelle sobe atrás de Messina e, com um rosnado baixo, desliza
pela noite.
Passam alguns minutos até ouvirem as primeiras sirenes da polícia.
Leoluca está indo para o leste, serpenteando pelas ruas laterais, o MV
Agusta responde nervosamente às curvas fechadas. De vez em quando, à
esquerda, Villanelle vislumbra as luzes do porto e o brilho do mar. As
pessoas olham para eles quando passam - o homem com feições lupinas,
a mulher de vestido escarlate - mas este é Palermo; ninguém olha muito
de perto. As ruas estreitam, com a roupa suspensa acima e os sons e
cheiros das refeições da família saindo pelas janelas abertas. E então
uma praça escura, um cinema abandonado e a fachada barroca de uma
igreja.
Balançando a bicicleta em seu suporte, Messina a leva por um beco ao
lado da igreja e abre um portão. Eles estão em um cemitério murado, uma
cidade dos mortos, com túmulos e mausoléus familiares que se estendem
em fileiras escuras pela noite. "É aqui que eles enterram Salvatore quando
eles arrancam suas balas dele", diz Messina. "E mais cedo ou mais tarde,
onde eles vão me enterrar."
"Você disse que estava feliz em vê-lo morto."
“Você me salvou o trabalho de matá-lo eu mesmo. Ele era um
animal . Fora de controle."
"Você vai tomar o lugar dele?"
Messina encolhe os ombros.
"Alguém vai." "Negócios,
como sempre?"
"Algo parecido. Mas você? Para quem você
trabalha?" "Isso importa?"
"Importa se você virá atrás de mim em seguida." Ele tira a pequena
Beretta do coldre de ombro. "Talvez eu deva te matar agora."
"Você pode tentar", diz ela, desenhando o Ruger.
Eles se encaram por um momento. Então, sem abaixar a arma, ela
dá um passo em sua direção e pega o cinto dele. "Trégua?"
O sexo é breve e selvagem. Ela segura o Ruger por toda parte. Depois,
colocando a mão da pistola no ombro dele para se equilibrar, ela se limpa com
o
rabo de sua camisa.
"E agora?" ele diz, observando-a com repulsa espantada e
observando como, à meia-luz, a inclinação assimétrica de seu lábio
superior a faz parecer não sensual, como ele havia imaginado
anteriormente, mas fracamente voraz.
"Agora você vai."
"Vou ver você de
novo?" "Ore para que
você não faça."
Ele olha para ela por um momento e se afasta. O MV Agusta entra
em ação com um rosnado e desaparece na noite. Escolhendo seu
caminho ladeira abaixo entre os túmulos, Villanelle encontra uma
pequena clareira em frente a um mausoléu com pilares. Da bolsa de
ombro da Fendi, ela pega um isqueiro Briquet, um vestido de algodão
azul amassado, um par de sandálias finas como bolacha e um cinto
de dinheiro para lingerie . O cinto de dinheiro contém 500 em dinheiro,
uma passagem aérea e um passaporte e cartão de crédito que a
identificam como Irina Skoryk, uma nacional francesa nascida na
Ucrânia.
Trocando rapidamente de roupa, Villanelle faz uma pira do vestido
Valentino, todos os documentos relacionados a Sylviane Morel e as
lentes de contato verdes e a peruca morena que ela está usando. O
fogo queima brevemente, mas intensamente, e quando não resta
mais nada, ela varre as cinzas para a vegetação rasteira com um
ramo de cipreste.
Continuando ladeira abaixo, Villanelle encontra um portão de saída
enferrujado e um caminho que desce degraus até uma pista estreita. Isso
dá para uma estrada mais ampla e movimentada, que ela segue para o
oeste em direção ao centro da cidade. Depois de vinte minutos, ela
encontra o que estava procurando: uma grande lixeira com rodas atrás de
um restaurante, cheia de lixo da cozinha. Puxando as luvas de ópera, ela
olha em volta e certifica-se de que não é observada. Então ela mergulha
as duas mãos na lixeira e tira meia dúzia de sacolas. Desatando uma, ela
enfia a bolsa de ombro Fendi e a Ruger na bagunça fedorenta de conchas
de mariscos, cabeças de peixe e borra de café. Devolvendo a bolsa para a
lixeira, ela empilha as outras por cima. Os últimos a desaparecer são as
luvas. Toda a operação levou menos de trinta segundos. Sem pressa, ela
continua caminhando para o oeste.

Às 11 horas da manhã seguinte, o agente Paolo Vella, da Polizia di Stato,


está parado no bar de um café na Piazza Olivella, tomando café com um

colega. Foi uma longa manhã; desde o amanhecer, Vella está com o
cordão na entrada principal do Teatro Massimo, agora uma cena de crime.
A multidão, em geral, tem sido respeitosa, mantendo distância. Nada foi
anunciado oficialmente, mas todo Palermo parece saber que Don
Salvatore Greco foi assassinado. As teorias são abundantes, mas a
suposição geral é de que isso é negócio da família. Há um boato de que o
golpe foi realizado por uma mulher. Mas sempre existem rumores.
"Você vai ver isso", respira Vella, todos os pensamentos sobre o
assassinato de Greco temporariamente banidos. Seu colega desvia o
olhar do café para a rua movimentada, onde uma jovem mulher de
vestido azul - turista, evidentemente - parou para assistir à subida
repentina de um voo de pombos. Seus lábios estão separados, seus
olhos cinza brilhar, na manhã luz de seu close-cropped cabelo.
"Madonna ou prostituta?" pergunta o
colega de Vella. "Madonna, sem dúvida."
"Nesse caso, Paolo, bom demais para você."
Ele sorri. Por um momento, na rua ensolarada , o tempo pára.
Então, enquanto os pombos circulam a praça, a jovem continua seu
caminho, longos membros balançando e se perde na multidão.

Villanelle está sentado em uma janela na ala sul da galeria de arte do


Louvre, em Paris. Ela está vestindo um suéter de cashmere preto, saia de
couro e botas de salto baixo . A luz do sol do inverno penetra pela janela
abobadada, iluminando a estátua de mármore branco à sua frente.
Em tamanho natural, e intitulado Psyche Revived by Cupid's Kiss , foi
esculpido pelo escultor italiano Antonio Canova nos últimos anos do
século XVIII.
É uma coisa linda. Psique, despertando, alcança seu amante alado, seus
braços emoldurando seu rosto. Enquanto isso, Cupido apóia com carinho a
cabeça e o peito. Todo gesto fala de amor. Mas para Villanelle, que tem
observado os visitantes ir e vir há uma hora, a criação de Canova sugere
possibilidades mais sombrias. Cupido está atraindo Psyche para uma
sensação de falsa segurança para que ele possa estuprá-la? Ou é Psique que
o manipula sexualmente, fingindo ser passivo e feminino?
Inexplicavelmente, os transeuntes parecem levar a escultura pelo seu
valor romântico. Um jovem casal imita a pose, rindo. Villanelle observa
atentamente, observa como o olhar da menina se suaviza, como a
agitação de seus cílios diminui, como seu sorriso se transforma em uma
tímida parte dos lábios. Virando a sequência em sua mente como uma
frase em um idioma estrangeiro, Villanelle a arquiva para uso futuro. Ao
longo de sua vida útil de 26 anos, ela adquiriu um vasto repertório de tais
expressões. Ternura, simpatia, angústia, culpa, choque, tristeza ...
Villanelle nunca experimentou essas emoções, mas pode simular todas
elas.
"Querida! Aí está você."
Villanelle olha para cima. É Anne-Laure Mercier. Tarde, como de
costume, com um largo sorriso de desculpas. Villanelle sorri, eles se
beijam e caminham em direção ao Café Mollien no patamar do
primeiro andar da galeria . "Tenho um segredo para contar",
confidencia Anne-Laure . "E você não deve contar para uma alma ."
Anne-Laure é a coisa mais próxima que Villanelle tem de um amigo. Eles
conheceram,

um tanto absurdo, no cabeleireiro. Anne-Laure é bonita, extrovertida e


mais do que um pouco solitária, tendo trocado a vida em uma
movimentada empresa de relações públicas por casamento com um
homem rico dezesseis anos mais velho. Gilles Mercier é funcionário
sênior do Tesouro. Ele trabalha horas extraordinariamente longas, e suas
maiores paixões são sua adega e sua pequena mas importante coleção
de relógios de ormolu do século XIX .
Mas Anne-Laure quer se divertir, uma mercadoria que infelizmente
falta na vida que ela compartilha com Gilles e seus relógios. Agora
mesmo, antes mesmo de chegarem à escadaria curva de pedra até o
restaurante, ela está revelando os detalhes de seu último caso, com
uma dançarina brasileira de dezenove anos no cabaré Paradis Latin.
"Apenas tenha cuidado", Villanelle a adverte. “Você tem muito a
perder. E a maioria dos seus chamados amigos iria direto para Gilles
se pensassem que você estava brincando.
"Você está certo, eles fariam." Anne-Laure suspira e passa o braço
pelo de Villanelle. “Você é tão doce, sabia disso? Você nunca me julga
e está sempre tão preocupado.
Villanelle aperta o braço da outra mulher. "Eu me preocupo com
você. Não quero ver você se machucar.
Na verdade, atende aos propósitos de Villanelle de passar tempo
com Anne-Laure. Ela está bem conectada, com acesso privilegiado às
coisas boas da vida. Shows de alta costura, mesas nos melhores
restaurantes, filiação nos melhores clubes. Além do que ela é uma
empresa pouco exigente, e duas mulheres juntas atraem muito menos
atenção do que uma mulher sozinha. No lado negativo, Anne-Laure é
sexualmente imprudente, e só pode ser uma questão de tempo até
que alguma indiscrição seja trazida à atenção de Gilles. Quando isso
acontece, Villanelle não quer dar a impressão de que é cúmplice da
infidelidade de sua esposa. A última coisa que ela precisa é da
atenção hostil de um funcionário público sênior.
"Então, por que você não está vendendo o Nikkei Share Index ou o
que os comerciantes do dia fazem?" Anne-Laure pergunta, quando
eles finalmente são instalados em uma mesa.
Villanelle sorri. “Até os super capitalistas precisam de um dia de folga.
Além disso, eu queria ouvir sobre esse seu novo cara. Ela olha em volta
para a prata brilhante e os objetos de vidro, as flores, as pinturas, a
lavagem dourada das luzes. Do lado de fora, além das janelas altas, o céu
se desvaneceu,

cinza carregado, e os Jardins Carrossel estão quase desertos.


Enquanto comem, e Anne-Laure fala sobre seu novo amor ,
Villanelle faz barulhos atentos. Mas a mente dela está em outro lugar.
Belas-vivos e roupas de grife são todos muito bem, mas é meses
desde a operação de Palermo, e ela precisa desesperadamente de
sentir seu coração disparar com a perspectiva de ação. Mais do que
isso, ela quer confirmação de que é valorizada, que a organização a
considera um ativo primordial.
Ela ainda pode ver, a meio mundo de distância, a expansão
sombria do centro de detenção de Dobryanka. Valeu a pena?
Konstantin havia perguntado a ela. Jogando sua vida fora para vingar
seu pai, ele próprio um homem que tinha ido para o mal. Posto assim,
é claro, não valia a pena. Mas, dado seu tempo novamente, ela sabia
que agia exatamente como agira naquela noite.
Seu pai havia sido um instrutor de batalha perto do quarto antes de
começar a trabalhar como freelancer no Círculo dos Irmãos. E embora
Boris Vorontsov não tivesse sido o pai ideal, dado a prostituição e bebida
pesada, e largando Oxana no orfanato sempre que ele partia em serviço
ativo, ele era sua carne e sangue, e tudo o que ela tinha após a morte de
sua mãe.
Não houve muitos presentes de aniversário ou de Ano Novo, mas seu
pai a ensinou a se defender e muito mais. Houve dias memoráveis na
floresta, lutando na neve, atirando em latas com sua velha pistola de
serviço Makarov e cortando troncos de bétula com seu facão Spetsnaz .
Ela odiava o facão a princípio, achando-o pesado e pesado, mas ele a
ensinou como tudo estava no tempo. Que, se você acertar, o peso da
lâmina e o arco do balanço fizeram o trabalho para você.
Ela descobriu com facilidade o suficiente quem o matou. Todo
mundo sabia; esse era o ponto. Boris tentou, desajeitadamente,
fraudar os Irmãos, e eles atiraram nele e deixaram seu corpo na rua.
Na noite seguinte, Oxana entrou no Pony Club em Ulitsa Pushkina. Os
três homens que ela estava procurando estavam em pé perto do bar,
bebendo e rindo, e quando ela caminhou até eles, sorrindo
sugestivamente, eles ficaram em silêncio. Em sua jaqueta
excedente do exército e jeans de supermercado, ela não se parecia
muito com uma shlyukha , uma prostituta, mas ela certamente estava
agindo como uma.
Oxana ficou ali por um momento na frente deles, olhando de cara a cara
com olhos divertidos e provocadores. Então ela agachou-se, os braços
estendendo as costas para trás, entre as omoplatas, em busca do facão no
coldre de cinto e dirigiu-se pelos joelhos, como o pai lhe ensinara.

Meio quilo de aço com acabamento de titânio embaçava o ar, a ponta


do cinzel passando sem controle pela garganta do primeiro homem
antes de se enterrar bem abaixo da orelha do segundo homem. A mão
do terceiro homem mergulhou na cintura, mas tarde demais: Oxana já
havia largado o facão e puxado o Makarov. Ao seu redor, ela estava
vagamente consciente da respiração em pânico, gritos reprimidos,
pessoas se afastando.
Ela atirou nele pela boca aberta. O relatório foi ensurdecedor no
espaço fechado e, por um momento, ele ficou parado olhando para
ela, sangue e matéria cerebral derramando de uma aba branca e
espinhada de osso na parte de trás da cabeça. Então suas pernas
foram, e ele bateu no chão ao lado do primeiro homem, que de
alguma forma ainda estava de joelhos, uma grosa desesperada, um
borra de milkshake, emitida pelo corte borbulhante sob seu queixo. O
terceiro homem ainda não havia terminado. Em vez disso, ele estava
deitado em posição fetal no lago vermelho que se espalhava, os pés
trabalhando fracamente e os dedos puxando o facão embutido no
ângulo da mandíbula.
Oxana os observava, irritados com o fracasso em morrer. Foi o homem
ajoelhado que realmente a enfureceu, fazendo aquele barulho doentio de
Strawberry McFlurry. Então ela se ajoelhou ao lado dele, encharcando seu
jeans Kosmo em sangue. Seu olhar estava falhando, mas os olhos ainda
tinham uma pergunta. "Eu sou filha dele, seu filho da puta", ela sussurrou
e, pressionando o cano do Makarov na nuca, apertou o gatilho. Mais uma
vez, a detonação foi assustadoramente alta e o cérebro do homem foi
para todo lado, mas o barulho da sucção parou.
" Chérie !"
Ela pisca. O restaurante nada de volta ao foco. "Desculpe, eu
estava a quilômetros de distância ... O que você disse?"
"Café?"
Villanelle sorri para o garçom pairando pacientemente ao seu lado.
"Pequeno café expresso, obrigado."
“Honestamente, querida, às vezes me pergunto aonde você vai nesses
seus devaneios. Você está vendo alguém que não me contou?
"Não. Não se preocupe, você seria o primeiro a saber.
“Melhor eu ser. Você pode ser tão misterioso às vezes. Você
deveria vir comigo com mais frequência, e não quero dizer compras
ou desfiles de moda. Quero dizer ... - ela puxa a ponta do dedo pelo
caule gelado da taça de champanhe. “Mais coisas divertidas .
Poderíamos ir para o Le Zéro Zéro ou L'Inconnu. Conheça algumas
pessoas novas. ”

Na bolsa, o telefone de Villanelle vibra. Uma única palavra


mensagem de texto:
CONECTAR.
"Eu tenho que ir. Trabalhos."
“Oh, por favor, Vivi, você é impossível. Você nem tomou seu café.
"Eu vou ficar sem."
"Você é tão chato ."
"Eu sei. Desculpa."
Duas horas depois, Villanelle está sentada no escritório de seu
apartamento na cobertura de Porte de Passy. Além da janela de vidro , o
céu é de aço frio.
O e-mail contém algumas linhas de texto sobre as condições de esqui
em Val d'Isère e meia dúzia de imagens JPEG do resort estão anexadas.
Villanelle extrai a senha e acessa a carga útil dos dados compactados
incorporados nas imagens. É um rosto, filmado de diferentes ângulos. Um
rosto que ela memoriza como o texto. O rosto de seu novo alvo.

A Thames House, sede do serviço de segurança britânico MI5, fica em


Millbank, em Westminster. No escritório mais ao norte, no terceiro
andar, Eve Polastri está olhando para a Ponte Lambeth e para a
superfície turva do vento do rio. São 16:00 e ela acabou de aprender,
com sentimentos confusos, que não está grávida.
No próximo terminal, seu substituto, Simon Mortimer, recoloca a
xícara de chá no pires. "Lista da próxima semana", diz ele. "Vamos
passar por isso?"
Eve tira os óculos de leitura e esfrega os olhos. Olhos sábios, o marido
Niko os chama, embora ela tenha apenas 29 anos e ele seja quase dez
anos mais velho. Ela e Simon trabalham juntos há pouco mais de dois
meses. Seu departamento, conhecido como P3, é uma subseção do Joint
Services Analysis Group, e sua função é avaliar a ameaça de indivíduos de
"alto risco" que visitam o Reino Unido e, se necessário, fazer uma ligação
com a Polícia Metropolitana para fornecer proteção especializada.
Em muitos aspectos, é uma tarefa ingrata, pois os recursos do Met não
são infinitos e a proteção especializada é cara. Mas as conseqüências de uma
falta de julgamento são catastróficas. Como seu ex-chefe de seção Bill
Tregaron disse uma vez a ela, antes de sua carreira entrar em queda livre: "Se
você acha que um extremista vivo prega uma dor de cabeça, espere até ter
que lidar com um morto".
"Diga-me," Eve diz para Simon.

O escritor paquistanês Nasreen Jilani. Ela está falando no Oxford


Union na quinta-feira semana. Ela teve ameaças de morte.
"Plausível?"
“Plausível o suficiente. O SO1 concordou em colocar
uma equipe nela. ” "Continue."
“Reza Mokri, o físico nuclear iraniano. Mais uma vez,
proteção total. "Acordado."
“Então tem o russo, Kedrin. Não tenho tanta certeza
sobre ele. "O que você não tem certeza?"
“Quão seriamente devemos levá-lo. Quero dizer, não podemos
pedir ao Met para cuidar de todos os teóricos políticos malucos que
aparecem em Heathrow. ”
Eve assente. Com sua tez sem maquiagem e cabelos castanhos
indescritíveis reunidos em um penteado desleixado , ela se parece com
alguém para quem há coisas mais importantes do que ser bonita. Ela pode ser
uma acadêmica ou uma assistente no melhor tipo de livraria. Mas há algo
nela - uma quietude, uma fixidez no olhar - que conta outra história. Seus
colegas conhecem Eve Polastri como uma caçadora, uma mulher que não a
solta prontamente.
"Então, quem pediu proteção para Kedrin?" ela pergunta.
“Eurásia do Reino Unido, o grupo que organizou sua visita. Eu fiz
cheques, e eles são ...
"Eu sei quem eles são."
“Então você saberá o que quero dizer. Eles parecem mais irritadiço do
que perigoso. Todo esse material sobre os laços místicos entre a Europa e
a Rússia e como eles devem se unir contra os EUA corruptos e
expansionistas. ”
"Eu sei. É bem selvagem. Mas eles não têm escassez de
apoiadores. Inclusive no Kremlin.
"E Viktor Kedrin é o garoto-propaganda deles."
Ele é o ideólogo. A face do movimento. Figura carismática,
aparentemente.
"Mas não corre risco imediato em
Londres, com certeza?" "Talvez talvez
não."
“Quero dizer, de quem ele estaria em risco? Os americanos não são
loucos por ele, obviamente, mas não vão convocar um ataque de
drone contra High Holborn. ”
"É onde ele vai ficar?" "Sim, em algum
lugar chamado The Vernon."

Eve assente. Suponho que você esteja certa. Não precisamos


incomodar o Comando de Proteção com o Sr. Kedrin. Mas acho que
posso falar com ele - presumo que ele esteja se dirigindo aos fiéis da
Eurásia no Reino Unido em algum momento?
“O Salão Conway. Semana de
sexta-feira. "Boa. Mantenha-me
informado."
Simon inclina a cabeça em concordância. Embora tenha apenas 20
anos, ele tem a solenidade de um vigário metropolitano.
Digitando seu código de identificação, Eve acessa a lista de
ameaças de alta segurança ou HST. Circulando entre serviços
amigáveis de inteligência, incluindo aliados on-off como o FSB russo
e o CID paquistanês, este é um banco de dados de conhecidos
assassinos internacionais. Não executores locais ou atiradores
fly-in-fly-out , mas assassinos de alto escalão com clientes políticos e
preços acessíveis apenas aos seriamente ricos. Algumas das
entradas são longas e detalhadas, outras não passam de um nome de
código coletado no curso de vigilância ou interrogatório.
Por mais de dois anos, Eve vem construindo seu próprio arquivo de
assassinatos não atribuídos de figuras proeminentes. Um caso ao
qual ela volta constantemente é o de Dragan Horvat, um político dos
Balcãs. Horvat era um trabalho excepcionalmente desagradável,
implicado no tráfico de seres humanos e muito mais, mas isso não
salvou Bill Tregaron quando Horvat foi assassinado no centro de
Londres sob seu relógio. Aliviado de seu cargo, Bill foi destacado para
o GCHQ, o centro de escuta do governo em Cheltenham, e Eve,
anteriormente seu vice, tornou-se chefe de seção na P3.
Horvat foi morto em uma viagem a Londres com sua namorada,
uma viciada em heroína de Tblisi com dezessete anos de idade,
chamada Irema Beridze. Oficialmente, ele estava em Londres como
membro de uma delegação comercial de alto escalão ; na verdade, ele
e Irema passavam a maior parte do tempo fazendo compras. Eles
tinham acabado de sair de um restaurante japonês em uma rua
secundária mal iluminada em Bayswater quando uma figura
apressada esbarrou forte em Horvat, quase o derrubando.
De bom humor, bem lubrificado, Horvat inicialmente não sabia que fora
esfaqueado. De fato, ele se desculpou com a figura que desaparecia antes de
tomar consciência do sangue quente bombeando de sua virilha. De boca
aberta, chocado, ele afundou na calçada, com uma mão presa inutilmente na
artéria femoral cortada. Levou menos de dois minutos para morrer.
Irema ainda estava lá, tremendo e sem entender, quando um grupo de
empresários japoneses deixou o restaurante quinze minutos depois.

O inglês deles era imperfeito, o dela inexistente, e levaram mais dez


minutos para alguém ligar para os serviços de emergência. Irema ficou
profundamente traumatizada e, inicialmente, insistiu que não conseguia
se lembrar de nada sobre o ataque. Mas o paciente questionado por um
oficial da Delegacia da Polícia Metropolitana SO15, auxiliado por um
intérprete da Geórgia, acabou provocando um único fato importante. O
assassino de Dragan Horvat era uma mulher.
As assassinas profissionais são muito raras e, desde que
ingressaram na véspera do serviço, tiveram conhecimento de apenas
duas. Por alguns anos, de acordo com o arquivo HST, o FSB usou uma
mulher chamada Maria Golovkina para executar hits no exterior.
Acredita-se que Golovkina, membro da equipe de pistolas de
pequeno calibre da Rússia nas Olimpíadas de Atenas, tenha sido
treinado em assassinatos secretos na base Spetsnaz, em Krasnodar.
Há também uma entrada no arquivo de uma assassina sérvia,
anexada ao notório clã Zemun, chamado Jelena Markovic.
Nenhum dos dois poderia ter matado Horvat, pela simples razão de que,
quando o político chegou ao fim em Londres, ambos estavam mortos.
Golovkina foi encontrado enforcado em um guarda-roupa de hotel em Brighton
Beach mais de um ano antes, e Markovic a havia abandonado por quatro
meses, destruído por um carro-bomba em Belgrado. Então, se Irema Beridze
estava certa, significava que havia uma nova assassina no exterior. E isso
interessa muito a Eva.
Ora, ela não está completamente certa. Talvez porque ela não possa se
imaginar tirando uma vida humana, ela é fascinada pela noção de uma mulher
para quem matar não é excepcional. Alguém que poderia acordar de manhã,
fazer café, escolher o que vestir e depois sair e matar a sangue frio um
estranho total. Você tinha que ser algum tipo de anomalia psicopática para
fazer isso? Você teve que nascer assim? Ou qualquer mulher, programada
corretamente, pode ser transformada em executora profissional?
Desde que assumiu a P3 de Bill, Eve conduziu uma pesquisa discreta, mas
exaustiva, dos arquivos do caso ao vivo, para qualquer sugestão adicional de
envolvimento feminino em um assassinato, e sinalizou duas referências. O
primeiro envolve a filmagem na Alemanha de Aleksandr Simonov, um oligarca
empresarial russo suspeito de financiar militantes chechenos e do Dagestani
como parte de um acordo relacionado a concessões de petróleo e gás. O
assassino, que disparou uma rajada de seis rodadas de um P90 FN
sub-machine gun no peito de Simonov em frente à sede Frankfurt do Banco
AltInvest, estava usando despachar-Cavaleiros impermeabiliza e um full-face
capacete da motocicleta, e correu para longe em um máquina
posteriormente identificado como um BMW G650Xmoto. Das
dezenas de espectadores questionados posteriormente, dois
afirmaram que "tinham a impressão" de que o atirador era uma
mulher.
O outro caso, o assassinato em close-up na Sicília de um chefe da
Máfia chamado Salvatore Greco, aparentemente não é político. A
insinuação local atribui a matança, direta ou indiretamente, ao sobrinho do
morto, Leoluca Messina, que desde então assumiu a liderança do clã
Greco. Mas também houve especulações na imprensa sobre um cúmplice,
a chamada "mulher de vestido vermelho". Segundo os investigadores do
DIA, a Direzione Investigativa Antimafia, Greco foi encontrado morto em
uma caixa particular no Teatro Massimo, em Palermo, após uma
apresentação em uma ópera. Ele levou um tiro no coração à queima-roupa
com duas balas de baixa velocidade .22 . Seus dois guarda-costas
também foram encontrados mortos no chão da caixa, despachados com
tiros únicos na base do crânio.
Sabe-se que Leoluca Messina esteve no teatro naquela noite, e uma
testemunha descreveu vê-lo no bar pouco antes da cortina,
conversando com uma impressionante mulher de cabelos escuros em
um vestido vermelho. Parece que eles não estavam sentados juntos,
mas as imagens do CCTV mostram Messina saindo do teatro pela
porta do palco logo após a cortina final. Alguns passos atrás dele está
uma figura borrada: uma mulher de vestido vermelho, cabelos escuros
balançando em volta dos ombros. Seu rosto está invisível, mascarado
pelo programa de ópera que ela está segurando como se quisesse se
abanar.
O que, Eva reflete, certamente não é por acaso. A mulher está
ciente de que a câmera do CCTV está lá. Mas o detalhe realmente
estranho é aquele que o DIA não tornou público. Antes de Greco ser
morto, ele foi imobilizado com um tranquilizante letal, aparentemente
entregue por meio de um dispositivo personalizado que foi
encontrado enterrado no olho esquerdo. Uma fotografia deste
dispositivo está no arquivo do caso on - line , juntamente com
detalhes de seu funcionamento interno. É uma coisa de
aparência sinistra : um espigão de aço curvado e oco contendo um
reservatório interno e armado com um pequeno êmbolo.
Por que era necessário incapacitar Greco dessa maneira antes de atirar
nele? É uma pergunta que incomoda Eve há algum tempo, e ela não está
mais perto de encontrar uma resposta do que estava no dia em que leu o
arquivo pela primeira vez. Dado que o assassinato ocorreu em um local
essencialmente público, não faria sentido acabar logo com isso? Por que,
com a descoberta possível a qualquer momento, o assassino iria querer
arrastar as coisas?

Eve ainda está ponderando sobre essa questão quando chega de volta ao
apartamento em Finchley alguns minutos antes das oito horas. O marido dela,
Niko, não está lá; ele foi em frente ao clube da ponte, onde ele instrui três
noites por semana. Ele deixou um pierogi - um prato de bolinho polonês - no
forno, que Eve recupera agradecida. Ela não é muito cozinheira e odeia ter que
preparar refeições do zero quando voltar depois de um longo dia na Thames
House.
Enquanto ela come, ela assiste o resumo das notícias das oito horas
na BBC. Há um aviso de uma frente fria chegando do leste (“Garanta que
suas caldeiras sejam reparadas!”), Uma peça extremamente sombria
sobre a economia e um clipe importado de uma manifestação em
Moscou, onde uma figura barbada e apaixonada está se dirigindo uma
multidão atenta em uma praça branqueada de neve . Uma legenda
embaçada o identifica como Виктор Кедрин.
Eve se inclina para frente em seu assento, uma garfada de pierogi
suspensa em sua mão. Apesar da baixa qualidade da imagem, o magnetismo
de Viktor Kedrin é palpável. Ela se esforça para ouvir as palavras dele por trás
da narração do comentarista , mas o clipe corta a história de um gatinho órfão
adotado por um chihuahua.
Quando ela terminou de comer, Eve troca suas roupas de trabalho por
jeans, um suéter e uma jaqueta à prova de vento com zíper. O resultado é
insatisfatório, mas ela não pode se incomodar em pensar mais. Ela olha em
volta do apartamento, das pilhas de livros na altura da cintura no corredor
estreito da frente às roupas penduradas na prateleira da cozinha. Se e quando
eu engravidar, ela diz a si mesma, vamos precisar de um lugar maior. Por um
momento, ela permite que seus pensamentos permaneçam nas mansões de
tijolos vermelhos em Netherhall Gardens, a apenas cinco minutos a pé. Um
apartamento no primeiro andar em um desses seria perfeito. E quase tão
provável que ela e Niko entrassem na posse de Niko como o Palácio de
Buckingham. Os salários combinados de um oficial dos Serviços de
Segurança e um professor não se estendiam a esse tipo de lugar. Se eles
quisessem um lugar maior, teriam que ir mais longe. Barnet, talvez. Ou
Totteridge. Ela esfrega os olhos. Até o pensamento de se mover é exaustivo.
Ela fecha a prova de vento. O clube fica a dez minutos e, enquanto
caminha, ela pensa naquela frente fria vindo do leste. Parece
prometer não apenas gelo e neve, mas ameaça.

É uma noite de torneio no West Hampstead Bridge Club, e o local está se


enchendo rapidamente. A sala de jogos é projetada com mesas dobráveis
com tampo de feltro e

cadeiras plásticas empilháveis. Está quente depois do frio das ruas, e


há um zumbido animado de conversa em volta do bar.
Eve vê Niko Polastri, seu marido, imediatamente. Ele está jogando uma
mão de treino com três iniciantes, seu olhar atento, seus movimentos
econômicos. Mesmo à distância, Eva pode ver pela linguagem corporal
como os novatos estão ansiosos para impressioná-lo. Uma mulher com
cabelos loiros provocados leva um cartão, e Niko o observa por um
momento antes de pegá-lo e devolvê-lo com um sorriso grave. Ela parece
confusa por um momento, então sua mão voa para a boca e todos na
mesa riem.
Niko tem o dom de transmitir conhecimento com graça e humor. Na
escola do norte de Londres, onde ele ensina matemática, ele é popular
entre os alunos, que geralmente são reconhecidos como um grupo difícil.
No clube, onde ele é um dos quatro instrutores seniores, os membros
competem abertamente por sua aprovação, com até mesmo os veteranos
mais fracos derretendo uma palavra de louvor por uma elegância
executada com estilo ou por um contrato feito contra as probabilidades.
Eve conheceu Niko há quatro anos, quando ela se juntou ao clube.
Na época, ela estava menos interessado em melhorar sua
ponte-playing do que em encontrar uma vida social desconectado da
intensa, introspectiva colméia de Thames House. Uma vida social
que, esperançosamente, contaria com um homem atraente e
inteligente. Em sua mente, ela viu uma figura suave, as feições dele
não muito discerníveis, levando-a a um amplo lance de degraus até
um restaurante inteligente de West End.
O clube da ponte, cujos membros tinham uma idade média em algum
lugar ao norte de cinquenta, não entregou um homem assim. Se ela
quisesse conhecer contadores aposentados e dentistas viúvos, teria sido
o local ideal, mas homens solteiros atraentes, com menos de quarenta
anos, eram magros no chão. Niko não estava lá quando ela se apresentou;
ela e alguns outros membros em potencial foram atendidos pela sra.
Shapiro, a secretária do clube de cabelos azuis .
Desanimada com a experiência, ela estava pensando em voltar na
semana seguinte. Mas ela foi, e desta vez Niko estava lá. Um homem
alto, com olhos castanhos pacientes e bigode de um oficial da
cavalaria do século XIX , assumiu o comando de Eve a partir do
momento em que ela chegou, levando-a para uma mesa, convocando
mais dois jogadores e fazendo parceria com ela sem comentar por
meia hora. dúzia de mãos. Então, dispensando os outros, ele a
encarou sobre a mesa de feltro verde.
“Então, Eve. Boas notícias ou notícias não tão boas ?

" Notícias não tão boas primeiro, eu acho."


"ESTÁ BEM. Bem, você entende o básico do jogo. Você aprendeu
quando criança? "Meus pais jogaram, sim."
"E você gosta muito de vencer." Eve
encontra seu olhar. "É tão óbvio?"
“Para outros, talvez não. Você gosta de tocar o myszka , o mouse.
Mas eu vejo a raposa.
"Isso é bom?"
"Poderia ser. Mas você tem
falhas. "Uma raposa
defeituosa?"
"Exatamente. Se você vai jogar um jogo estratégico, precisa saber
muito cedo onde estão todas as cartas. Para fazer isso, você precisa
se concentrar mais no jogo de seus oponentes. Você precisa se
lembrar da licitação e contar todos os fatos.
"Direita." Ela digeriu isso por um momento. "Então, quais são as
boas notícias?" "A boa notícia é que há um pub muito agradável
a apenas cinco minutos." Ela riu. Eles se casaram mais tarde
naquele ano.

O parceiro de bridge de Eve hoje à noite é um rapaz jovem, talvez


dezenove, um de um trio de estudantes do Imperial College que
ingressou no clube no outono. Ele tem um olhar um pouco
louco de cientista , mas ele é um jogador ferozmente bom, e no West
Hampstead é isso que conta.
Após sua incerteza inicial, Eve chegou a aguardar ansiosamente
suas noites aqui. Alguns dos membros têm a idade de seus pais e até,
em um ou dois casos, os avós. Mas o padrão de jogo é feroz e, depois
de um dia rigoroso na Thames House, ela aprecia a ideia de desafio
intelectual por si só.
No final da noite, ela agradece ao parceiro. Eles terminaram em
quarto lugar no geral, um bom resultado, e ele sorri um pouco sem
jeito e sai correndo. Na entrada Niko ajuda-la em seu zip-up jaqueta
impermeável como se fosse um casaco Chanel, um pequeno ato de
cavalheirismo que não passa despercebido por outros membros do
sexo feminino, que olhar para Eva com inveja.
"Então, como foi seu dia?" ela pergunta, entrelaçando seu braço
firmemente no dele enquanto eles retornam ao apartamento.
Começou a nevar e ela pisca quando os flocos tocam seu rosto.

“Os garotos do 11º ano entenderiam melhor o cálculo diferencial


se nem todos ficassem acordados até as duas da manhã jogando
Final Attrition 2. Ou talvez não. E quanto a você?"
Ela hesita. “Eu tenho um problema para você. Eu tenho tentado
descobrir o dia todo.
Niko sabe o que ela faz, e enquanto ele nunca a pressiona para obter
informações, Eve costuma pensar como uma mente como a dele seria útil
para seus empregadores. Ao mesmo tempo, o pensamento dele andando
pelos corredores inexpressivos da Thames House a enche de horror. É o
mundo dela, mas ela não gostaria que fosse dele.
Depois de deixar a Universidade de Cracóvia com um mestrado em
Matemática Pura e Aplicada, Niko decolou pela Europa em uma van
com um amigo chamado Maciek. Vivendo e dormindo na van, os dois
viajaram de torneio em torneio - bridge, xadrez, pôquer, qualquer coisa
que oferecesse um prêmio em dinheiro - e depois de dezoito meses
na estrada, se aposentaram com mais de um milhão de zloty entre
eles. Maciek gastou sua parte em menos de um ano, principalmente
nas meninas do Pasha Lounge, em Ulitsa Mazowiecka, em Varsóvia.
Niko foi para Londres.
"Diga-me", diz ele.
"ESTÁ BEM. Três homens mortos no chão de uma caixa de teatro,
depois de uma apresentação. Dois guarda-costas e um mafioso. Todo tiro.
Mas o don foi tranquilizado primeiro. Paralisado por um agente
imobilizador injetado em um olho. Qual é a história? Por que ele não foi
apenas baleado como os guarda-costas?
Niko fica em silêncio por um minuto. "Quem foi morto primeiro?"
Estou assumindo os guarda-costas. O atirador, considerado o
sobrinho do Don, usava um silenciador. Arma de baixo calibre à
queima-roupa .
"Fotos do corpo?"
“O Don, sim. Os guarda-costas, atrás do pescoço. Sem bagunça.
Muito profissional."
“E a seringa, ou o que seja. O agente imobilizador. O que sabemos
sobre isso?
"Eu vou te mostrar."
Ela tira uma fotocópia de uma fotografia da bolsa. Eles param por
um momento em um turbilhão de flocos de neve sob a luz da rua.
" Coisa desagradável ." Ele sopra a neve do bigode. Mas inteligente.
E talvez não fosse o sobrinho. Há uma mulher envolvida?
Ela o encara. "O que te faz dizer isso?"

“O primeiro problema do assassino é como passar pelos guarda-


costas com uma arma. Serão caras duros e experientes. ”
"ESTÁ BEM."
"Mas isso, por outro lado ..." Ele segura a fotocópia. "Eles não vão
dar uma segunda olhada nisso."
"Por quê?"
Ele enfia a mão no bolso do casaco e pega uma caneta. "Olha, se
eu puxo um fio de retenção que se prende aqui e se encaixa no lugar,
o que temos?"
Eve olha para a fotocópia mole. “Oh, pelo amor de Deus. Como
posso ter perdido isso? Sua voz é um sussurro agora. “É um clipe de
cabelo. O maldito grampo de cabelo de uma mulher.
Niko olha para ela. "Então, há uma mulher envolvida?"

No lounge de classe executiva do aeroporto Charles de Gaulle, Villanelle


verifica suas mensagens. Um texto codificado confirma que Konstantin irá
encontrá-la no café La Spezia, na Gray's Inn Road, em Londres, às 14
horas, conforme combinado. Devolvendo o telefone à bolsa, ela toma um
gole de café. O salão é acolhedor, com assentos suavemente moldados
em tons tranquilos de branco e cinza; as paredes estão salpicadas
de formas de folhas iluminadas . Além da parede exterior de
placas de vidro , o asfalto, a lama e o céu são de um cinza quase
imperceptível.
Villanelle está viajando com um passaporte falso como Manon Lefebvre,
co-autor de um boletim de investimentos francês. Sua história de capa é que
ela está em Londres para conversar com uma editora online interessada em
estabelecer uma parceria. Ela olha profissionalmente anônimo em um
meados de comprimento trenchcoat, calças estreitas e ankle boots. Ela não
está usando maquiagem e, apesar da estação, óculos de sol de acetato com
lentes cinza; os aeroportos atraem fotógrafos e, cada vez mais, profissionais
da aplicação da lei armados com software de reconhecimento facial.
Um comissário de bordo da Air France aparece no lounge e
direciona os passageiros da classe executiva para o voo. Villanelle
reservou o assento do corredor da frente no Airbus em espera, e
embora ela faça questão de não olhar nos olhos dele, ela pode dizer
que o homem no assento da janela, atualmente folheando uma revista
a bordo, está determinado a envolvê-la em uma conversa. Ela o ignora
e, tirando um tablet e fones de ouvido 4G, logo é imerso em um
videoclipe.

O clipe mostra, em câmera lenta, o desempenho terminal contrastante


de duas balas de pistola quando disparadas contra um bloco de gelatina
balística clara, um meio de teste projetado para simular tecido humano.
Uma rodada é russa, uma americana. Ambos são revestidos com ponto
oco, projetados para proporcionar um choque cinético maciço e
permanecer no corpo de um alvo em vez de passar por ele. Sabendo que é
provável que ela esteja operando em um ambiente urbano movimentado,
essas informações são do interesse de Villanelle. Ela vai querer um
one-shot, luzes-out matar. Ela não pode arriscar a possibilidade de danos
colaterais.
Ela franze a testa, dividida entre as duas rodadas ocas. A rodada
russa se expande à entrada, com a jaqueta descascando como as
pétalas de uma flor enquanto ela explode em carne e osso. A rodada
dos EUA, por outro lado, não se deforma, mas tomba o nariz,
rasgando uma cavidade de ferida devastadora. Ambos têm seus
méritos consideráveis.
- Posso pedir para você desligar o seu dispositivo,
mademoiselle? É a aeromoça, chique em seu terno
azul escuro .
"Claro." Villanelle sorri friamente, apaga a tela e tira os fones de
ouvido.
"Bom filme?" pergunta o companheiro, aproveitando sua chance.
Ela o notou mais cedo, no salão da classe executiva . Tarde dos
anos 30 e implausivelmente bonito, como um matador
vestido de grife .
"Na verdade, eu estava
comprando." "Para você
mesmo?"
"Não, para outra
pessoa." "Alguém
especial?"
"Sim. Vai ser uma surpresa.
"Sortudo." Ele aponta um olhar marrom escuro para ela. "Você é
Lucy Drake, não é?"
"Desculpe-me?"
Lucy Drake? O modelo?
"Desculpe, não."
"Mas ..." Ele pega a revista de bordo e folheia até chegar a um
anúncio de fragrância. "Isso não é você?"
Villanelle olha para a página. É verdade, o modelo se parece
estranhamente com ela. Mas os olhos de Lucy Drake são de um verde
penetrante. A fragrância é chamada Printemps . Primavera. Villanelle
tira os óculos escuros. Seus próprios olhos são o cinza congelado do
inverno russo.

"Perdoe-me", diz ele. "Eu estava errado."


"É um elogio. Ela é adorável."
"Ela é." Ele estende a mão. Luis Martín.
"Manon Lefebvre." Ela olha para a revista, agora no braço entre
eles. "Como você sabia o nome desse modelo, se não se importa de
eu perguntar?"
Estou no negócio. Minha esposa e eu possuímos uma agência,
Tempest. Temos divisões em Paris, Londres, Milão e Moscou. ”
"E essa Lucy Drake está nos seus livros?"
“Não, acho que ela está com a Premier. Ela não está mais
trabalhando tanto. "Realmente?"
“Ela quer agir, aparentemente. E ela acha que quanto mais editorial
e publicidade fizer, menor a chance de ser levada a sério. ”
"Então ela tem talento?"
“Ela tem talento como modelo, o que é muito mais raro do que
você imagina. Como atriz ... Ele encolhe os ombros. “Mas então as
pessoas muitas vezes desvalorizam seus talentos reais, você não
diria? Eles sonham em ser algo que nunca podem ser. ”
"Você é espanhol?" pergunta Villanelle, desviando as perguntas
pessoais que ela sente que estão chegando.
“Sim, mas passo muito pouco tempo na Espanha. Nossas
residências principais são em Londres e Paris. Você conhece
Londres?
Ela considera. O treinamento de combate desarmado brutal de seis
semanas nos pântanos de Essex contou? Passou quinze dias
lançando curvas fechadas no curso evasivo de direção de
Northwood? Uma semana aprendendo a abrir fechaduras com um
ladrão aposentado na Ilha dos Cães?
"Um pouco", diz ela.
A aeromoça voltou com champanhe. Martín aceita, Villanelle pede
água mineral.
"Você deve pensar em modelagem", diz ele. "Você tem as maçãs
do rosto e a merda que você olha."
"Muito obrigado."
“É um elogio, acredite em mim. O que você faz?"
“Coisas financeiras. Muito menos glamourosa, receio. Então ... sua
esposa era modelo?
Elvira? Sim, originalmente ela era. Muito bem sucedido. Mas hoje em dia eu

lidar com os clientes e ela administra o back office. ”


A conversa segue seu curso previsível. Villanelle é vigiada sobre o
alter-ego Manon Lefebvre e pressiona Martín para obter detalhes sobre
Tempest. Com dois copos de Veuve Clicquot bêbados e um terceiro
meio vazio, ele fica muito feliz em falar de si mesmo, ao mesmo tempo
em que dá a Villanelle um fluxo de elogios cada vez mais paqueradores.
Por um momento, ela se pergunta se ele é uma fábrica do MI5, ou do
serviço de inteligência externo da França, o DGSE. Mas ela não reservou o
vôo de Londres; em vez disso, pegou um táxi chamado aleatoriamente do
lado de fora da Galeries Lafayette, no Boulevard Haussmann, e pagou em
dinheiro a passagem quando chegou ao aeroporto. As medidas básicas
de contra-vigilância , incluindo uma retirada no último segundo de uma
estação de serviço na auto-estrada A1, disseram a ela que ela não foi
seguida de Paris. E Martín estava no salão da classe executiva à sua
frente, já fazendo o check-in. O mais importante é que seus
instintos - altamente ajustados quando se trata de sua própria
sobrevivência - dizem a ela que esse homem não está desempenhando
um papel. Que ele realmente é o sedutor super arrumado que ele parece
ser. A piada sobre tipos narcisistas como Martín é que eles sempre
pensam que estão no controle - no trabalho, na conversa, durante o sexo.
Seus pensamentos se voltam para aquela noite em Palermo. Diga
o que você gosta sobre Leoluca Messina, ele não teve problemas de
controle. Na verdade, ele estava perfeitamente feliz em deixá-la
transar com ele enquanto ela estava segurando um Ruger armado e
carregado. A seu modo, todo o episódio foi bastante romântico.

Konstantin está sentado em frente ao balcão do café, de frente para a


porta e a Gray's Inn Road. O Evening Standard está aberto na frente dele na
página de esportes e ele está tomando um cappuccino. Quando Villanelle
entra, tirando a neve das botas, ele olha para cima, seu olhar vago, e acena
com a cabeça para um assento à sua frente. As boas-vindas tristes
roubam o momento de seu potencial drama; ninguém olha para a jovem
mulher de casaco e brim de malha. Ela pede uma xícara de chá e os dois
começam uma conversa inaudível. Se alguém tentasse a vigilância por
áudio, encontraria seus esforços frustrados com o rosnado de
baixa fidelidade do sistema de som e o assobio e tosse fumegante da
máquina de café Gaggia.
Por trinta minutos, à medida que os clientes vão e vêm, discutem
logística e armamento em russo rápido e idiomático. Konstantin testa o
plano de Villanelle para

destruição, levantando objeção após objeção, mas finalmente reconhece


sua viabilidade. Ele pede um segundo cappuccino e mexe sua xícara
meditativamente.
"Palermo me preocupou", ele diz a ela. “O que você fez, dirigindo
pela cidade à meia-noite na traseira da motocicleta de Messina, foi
imprudente. As coisas poderiam ter dado muito errado.
“Eu improvisei. Eu estava no controle o tempo todo.
“Ouça-me e ouça bem. Você nunca está completamente seguro. E
você nunca pode confiar totalmente em ninguém.
"Nem mesmo você?"
“Sim, Villanelle, você pode confiar em mim. Mas parte de você deve
sempre desconfiar, questionar e estar em sintonia com o perigo. Parte
de você não deveria confiar totalmente em mim. Eu quero que você
sobreviva, ok? Não apenas porque você é tão bom no que faz, mas ... ”
Ele para, irritado que sua preocupação por ela se torne
momentaneamente pessoal. Desde o primeiro momento, naquela
cabana às margens do rio Chusovaya, ele sentiu as
correntes cruzadas de sexo e morte girando sob sua superfície
gelada. Sabia que a fome implacável que a impulsiona também
poderia destruí-la. Por um momento, ela parece quase vulnerável.
"Continue."
Seus olhos percorrem o café movimentado. “Olha, agora, ninguém
sabe ao certo que você existe. Mas o que acontece nesta semana
pode mudar tudo. Os britânicos são um povo vingativo. Se você der
uma chance a eles, os serviços de segurança deles seguirão você
com tudo o que eles têm e não recuarão. ”
"Então é importante, essa ação?"
É vital. Nossos empregadores não tomam essas decisões de
ânimo leve, mas esse homem deve ser eliminado. ”
Com um dedo, ela desenha um V no chá derramado na superfície de
melamina da mesa. "Às vezes me pergunto quem são esses
empregadores nossos."
“São as pessoas que decidem como a história deve ser escrita.
Nós somos os soldados deles, Oxana. Nosso trabalho é moldar o
futuro. ”
"Oxana está morta", ela
murmura. "E Villanelle deve
sobreviver."
Ela assente, e mesmo na escuridão do café no inverno, ele pode
ver que seus olhos estão brilhando.

Mais tarde, bem acima da South Audley Street, em Mayfair, ela olha
para o oeste. Além da janela do chão ao teto , o céu está sombrio no
crepúsculo e as árvores são cinzentas. Flocos de neve dirigem
silenciosamente contra o vidro da placa.
O apartamento do último andar é registrado em nome de um grupo de
finanças corporativas. Há uma suíte de TV e um sistema de som de
última geração , que Villanelle não usará, e uma cozinha totalmente equipada,
que ela deixará apenas um pouco esgotada. Pelas próximas 48 horas, ela
passará grande parte do tempo aqui no quarto, sentada como agora em uma
cadeira Charles Eames de couro branco, esperando. Há momentos em que ela
gostaria de receber a dor da solidão. Em vez disso, ela sente um vazio vazio,
nem feliz nem infeliz. Ela sente um aumento da maré, um eco da ação por vir.
Konstantin fará sua parte, mas no final haverá apenas ela, Kedrin e o
momento.
Ela toca um dedo na boca, na crista fraca da cicatriz. Ela tinha seis
anos quando seu pai trouxe Kalif para casa. Um cão de caça rejeitado
por seu dono anterior, o animal se apegou devotamente à mãe de
Oxana, que já estava gravemente doente. Oxana também queria que
Kalif a amasse, e um dia ela subiu na cama de estrutura de aço em
que sua mãe passava seus dias e noites cada vez mais doloridos e
pressionou o rosto perto do cachorro, que estava enrolado na fina
cobertor. Mostrando os dentes afiados em um rosnado cruel, Kalif a
atacou.
Havia muito sangue, e o lábio rasgado de Oxana, costurado sem anestesia
por um estudante de medicina de um apartamento vizinho, demorou a
cicatrizar. Outras crianças a encaravam e, quando o ferimento deixou de ser
notável, a mãe de Oxana estava morta, seu pai estava na Chechênia e a
própria Oxana já havia sido entregue às misericórdias do orfanato Sakharov.
Villanelle poderia facilmente ter seu lábio superior remodelado por
um cirurgião plástico, para que ele se curvasse no arco perfeito que a
natureza pretendia, mas ela não o fez. A cicatriz é o último vestígio de
seu antigo eu, e ela não consegue apagá-la.
Do nada, ela sente um desejo mórbido de desejo. Rolando de lado no couro
branco, ela pressiona as coxas e aperta os braços sobre os seios pequenos.
Por vários minutos, ela fica assim, de olhos fechados. Ela reconhece, essa
fome. Sabe que ele vai apertar mais, a menos que esteja satisfeito.
Ela toma banho, se veste e arruma o cabelo para trás. O elevador a leva
silenciosamente ao térreo e à rua. Ela pisca quando os primeiros flocos de
neve rodopiantes encontram seu rosto. Os carros passam com um leve chiado
de pneus, mas não há
muitas pessoas a pé, exceto uma prostituta com um casaco de pele
de leopardo falso e saltos plataforma esperando na esquina da Tilney
Street, pacientemente olhando para o pátio do Hotel Dorchester.
Caminhando para o norte, navegando por impulso, Villanelle vira da
South Audley Street para a Hill Street e depois por um arco para uma
estrada mais estreita que leva a uma praça tão pequena que é quase
um pátio. Um lado é ocupado por uma janela de galeria bem
iluminada, além da qual uma visão particular está ocorrendo. Há um
único objeto iluminado na janela: uma doninha empalhada em um
pedestal, repleta de bolinhos brilhantes e multicoloridos.
Villanelle olha para ele. Os granulados parecem multiplicar bacilos.
A instalação, ou escultura ou o que for, não lhe transmite nada.
"Você vem?"
A mulher - trinta e poucos anos, vestido preto de coquetel, cabelos
loiros puxados para trás em um chignon - está debruçada na porta de
vidro da galeria, mantendo-a semi-fechada para manter o ar frio sob
controle.
Dando de ombros, Villanelle entra na galeria, perdendo de vista a mulher
quase que imediatamente. O lugar está cheio de convidados de
aparência próspera . Alguns estão olhando para as pinturas nas paredes, mas
a maioria está voltada para dentro, conversando em grupos apertados,
enquanto a equipe de catering se afasta entre eles com canapés e garrafas de
Prosecco frio. Varrendo um copo de uma das bandejas, Villanelle se posiciona
em um canto. As pinturas parecem ter sido reproduzidas a partir de
fotografias ampliadas da imprensa e trechos borrados de filme.
Agrupamentos anônimos, levemente sinistros, vários com os rostos
apagados. Um homem com um casaco de veludo está em pé na frente da
pintura mais próxima, um estudo de uma mulher no banco de trás de um carro,
as feições chocadas iluminadas pelo flash fotográfico, o braço levantado
contra as lentes invasoras dos paparazzi.
Estudando a expressão do homem - a testa franzida da
concentração, o olhar inabalável - Villanelle duplica. Ela quer ser
invisível, ou pelo menos inacessível, até terminar a bebida.
"Então, o que você acha?"
Foi a mulher que a convidou para entrar. O homem de casaco de
veludo se afasta.
"Quem é ela, na pintura?" Villanelle pergunta.
“Esse é o ponto, não sabemos. Ela poderia ser uma estrela de
cinema chegando na estréia ou um assassino condenado chegando
para ser sentenciado.
“Se ela fosse uma assassina, seria algemada e chegaria ao tribunal

em uma van blindada. "


A mulher olha para Villanelle, vê a elegante colheita parisiense e a
jaqueta de motociclista Balenciaga e sorri. "Você está falando por
experiência?"
Villanelle encolhe os ombros. “Ela é uma atriz queimada . E ela
provavelmente não está vestindo calças.
Há um longo momento de silêncio. Quando a mulher fala novamente, o
registro de sua voz mudou sutilmente. "Qual o seu nome?" ela pergunta.
"Manon."
“Então, Manon. Esse evento levará mais quarenta minutos e então
eu estou fechando a galeria. Depois disso, acho que devemos comer
sashimi de savelha no Nobu, na Berkeley Street. O que você disse?"
"OK", diz Villanelle.

O nome dela é Sarah e ela completou trinta e oito anos há um mês.


Ela está falando sobre arte conceitual, e Villanelle está assentindo
vagamente, mas não está realmente ouvindo. Não para as palavras,
pelo menos. Ela gosta da ascensão e queda da voz de Sarah e é
tocada, de um modo abstrato, pelas pequenas linhas etárias ao redor
dos olhos e pela seriedade. Sarah lembra-lhe um pouco Anna
Annaovna Leonova, professora da escola secundária do Distrito
Industrialny, e o único adulto, exceto o pai, com quem ela já formou
um vínculo real e não simulado.
"Isso é bom?" Sarah pergunta.
Villanelle assente e sorri, examinando um pedaço perolado de
peixe cru antes de esmagá-lo, pensativo, entre os dentes. É como
comer o mar. Ao seu redor, luzes suaves tocam superfícies de
alumínio escovado, laca preta e ouro. Há um sussurro de música;
conversa sobe e desce. Os lábios de Sarah formam palavras, e os
olhos de Sarah encontram os dela, mas é a voz de Anna Ivanovna que
Villanelle ouve.
Por dois anos, a professora nutriu os dons acadêmicos excepcionais de
sua professora e demonstrou paciência infinita por seu comportamento pouco
socializado e sem graça. Então, um dia, Anna Ivanovna não estava lá. Ela foi
atacada e agredida sexualmente enquanto esperava um ônibus atrasado da
escola. No hospital, a professora conseguiu descrever seu agressor à polícia e
prenderam um ex-aluno de dezoito anos chamado Roman Nikonov, que se
gabava de sua intenção de mostrar à professora solteira “o que um homem de
verdade sentia

gostar." Mas a polícia estragou a investigação forense e, no final,


Nikonov foi libertado por tecnicismo.
"Manon!" Ela sente a mão fria de Sarah pegar a dela. "Onde
você está?" "Desculpa. A milhas de distância. Você me
lembra alguém." "Alguém?"
"Um professor na minha
escola." "Espero que ela
tenha sido legal."
"Ela era. E ela parecia com você. Exceto que ela não fez. Ela realmente não
era nada como Sarah. Por que ela pensou isso? Por que ela disse isso?
"Onde você cresceu, Manon?"
"St. Cloud, fora de Paris. "Com
seus pais?"
"Com meu pai. Minha mãe morreu quando eu
tinha sete anos. "Meu Deus. Isso é horrível!"
Villanelle encolhe os ombros. "Foi há
muito tempo." "Então o que ela fez ..."
"Câncer. Ela era apenas alguns anos mais nova que você. As
histórias de capa fazem parte da vida de Villanelle agora. A roupa que
ela veste, tira e desliga para a próxima vez.
"Eu sinto muito."
"Não fique." Retirando a mão da de Sarah, Villanelle abre o menu. "Veja
isso! Geléia de morango morango selvagem. Temos que ter um pouco.
Ela sempre se arrepende de estar escuro demais para ver a
expressão de Roman Nikonov quando ela o castrou na floresta perto
do rio Mulyanka. Mas ela se lembra do momento. O cheiro da lama e
do escapamento de seu ciclomotor Riga. A pressão da mão dele na
cabeça dela, forçando-a de joelhos. Os gritos de estrangulamento,
avançando muito sobre a água, quando ela puxou a faca e cortou
suas bolas.
Sarah mora em um pequeno apartamento em cima da galeria.
Enquanto caminham de volta para lá, de mãos dadas, deixam
pegadas escuras na nova neve.
"OK, eu recebo as pinturas, mas o que é isso ?" Villanelle pergunta,
apontando para a instalação enigmática na janela da galeria.
Sarah digita um código no teclado ao lado da porta. “Bem ... a
doninha empalhada era um presente, dado a mim como uma piada. E
os confeitos estavam na cozinha. Então eu os reuni. Muito divertido,
você não acha?
Villanelle a segue por um lance estreito de escadas. "Então isso não significa

nada mesmo?" "O que


você acha?"
“Eu não acho nada. Eu não ligo.
"Então o que você-"
Villanelle dá meia-volta e a prende na parede, silenciando-a com a
boca. É um momento inevitável, mas Sarah ainda é pega de surpresa.
Muito depois, ela acorda e vê Villanelle sentada na cama, com a parte
superior do corpo magra em silhueta contra a primeira luz do amanhecer.
Alcançando-a, Sarah passa a mão pelo braço, sente as curvas duras do
deltóide e do bíceps. "O que exatamente você disse que fez?" ela pergunta,
maravilhada.
"Eu não disse."
"Você vai?"
Villanelle
assente.
"Vou ver você de novo?"
Villanelle sorri e toca a bochecha de Sarah. Vestidos rapidamente. Lá fora,
na pequena praça, há neve virgem e silêncio. De volta ao apartamento da
South Audley Street, ela tira a roupa e está dormindo em poucos minutos.

Quando ela acorda já passa do meio dia. Na cozinha, há uma cafeteira


pela metade do café Fortnum & Mason Breakfast Blend, ainda quente.
Várias sacolas de tamanho considerável estão na porta da frente, onde
Konstantin as deixou.
Ela verifica as mercadorias. Um par de óculos de armação de tartaruga
com lentes cinza claro. Uma jaqueta com capuz aparado em pêlo . Um
suéter preto de gola polo , uma saia xadrez, meias pretas de lã e botas
com zíper . Ela tenta tudo, anda por aí, se acostuma com o visual. A roupa
precisa ser usada, então ela bebe uma xícara de café refrescante, sai do
prédio e atravessa Park Lane até Hyde Park.
Novamente, aquele céu sombrio, contra o qual as avenidas de faias e
carvalhos são de um marrom-cinza mais escuro. É início da tarde, mas a luz já
está diminuindo. Villanelle caminha rápido pelos caminhos cobertos de lama ,
mãos nos bolsos, cabeça baixa. Existem outros caminhantes, mas ela mal
olha para eles. A intervalos, as estátuas aparecem na penumbra, os contornos
borrados pela neve incrustada. Em uma ponte balaustrada do outro lado da
Serpentina, ela faz uma pausa por um momento. Sob um painel de gelo
rachado e estrelado, a água é uma luz

Preto. Um reino de escuridão e esquecimento para o qual, em dias


como esse, ela se sente quase hipnoticamente atraída.
"Tentador, não é?"
Villanelle se vira, espantada ao ouvir seus pensamentos tão
precisamente ecoados. Ele tem cerca de trinta anos, de aparência esbelta,
em um casaco de tweed bem cortado com a gola levantada.
"Eu não estava pensando em nadar."
"Você sabe o que eu quero dizer. 'Dormir: talvez sonhar ...' ”Seus
olhos são firmes e escuros como a via fluvial congelada.
"Você admira Shakespeare?"
Ele limpa a neve da balaustrada com a manga e encolhe os
ombros. "Ele é um bom companheiro em uma zona de guerra."
"Você é um
soldado?"
"Costumava ser."
"E agora?"
Ele levanta o olhar para o brilho distante de Kensington. "Pesquisa,
você pode dizer."
"Bem, boa sorte com isso ..." Ela esfrega as mãos sem luvas e
sopra nelas. “A luz está indo. E eu também.
"Casa?" O sorriso quebrado sugere que eles estejam
compartilhando uma piada particular. "Está certo. Adeus."
Ele levanta a mão. "Até a próxima."
Encolhendo sua jaqueta, ela se afasta. Apenas um esquisito fodido
batendo nela. Exceto que ele não estava. Com sua corte inglesa letal,
ele é cada vez menos ameaçador do que isso. E familiar, de alguma
forma. É possível que ela já o tenha visto antes, talvez no decurso dos
exercícios de contra-vigilância que ela realiza, quase
inconscientemente, onde quer que vá? Ele é o MI5?
Inclinando-se bruscamente para o sul, ela olha de volta para a ponte. O
homem desapareceu, mas ela ainda sente a presença dele. Dirigindo-se para o
norte, para a saída mais próxima, ela executa uma limpeza, projetada para
sacudir qualquer cauda que ela possa ter pego. Ninguém segue, ninguém
muda de direção, ninguém acelera para acompanhar seu ritmo. Mas se eles
são sérios, quem quer que sejam, eles terão uma equipe principal que
segue os pés e uma equipe secundária em vigilância estática, pronta para
aguentar se ela queimar as primárias.
Virando para o leste, Villanelle caminha pela Bayswater Road em
direção ao Marble Arch. Não correndo, mas rápido o suficiente para fazer
qualquer rabo pegar sua

Rapidez. Ela para brevemente em um ponto de ônibus, como se


estivesse descansando as pernas, examinando discretamente a área
em busca de alguém na plumagem calculadamente monótona do
artista profissional de calçadas. Não há ninguém óbvio, mas se ela
tivesse uma das equipes A4 do MI5 presa a ela, não haveria.
Forçando-se a respirar com firmeza, ela faz parte da rede subterrânea
de Marble Arch. Com suas múltiplas saídas, é um bom lugar para expor e
perder a cauda. Descendo os degraus em Cumberland Gate, ela aparece
ao lado da Edgware Road e paira na entrada de uma loja de esportes,
observando o reflexo da passagem subterrânea sair pela janela de vidro .
Ninguém olha para ela, ninguém quebra o passo. Caminhando até a
entrada do Marble Arch, ela percorre os cem metros de velocidade através
da passagem subterrânea, corta a si mesma no Speaker's Corner e segue
para a estação de metrô. Na plataforma da Linha Central, na direção
oeste, ela deixa os dois primeiros trens passarem, examinando a
plataforma em busca de atrasos. A fila está ocupada e há várias
possibilidades. Uma jovem mulher com uma jaqueta cinza à prova de
vento, carregando uma mochila. Um cara barbudo em uma jaqueta. Um
casal de meia idade de mãos dadas.
Subindo no terceiro trem, ela viaja até Queensway e, quando as portas
estão se fechando, aperta entre elas. Atravessando a plataforma, ela
retorna para o leste, para Bond Street, aparece e chama um táxi na Davies
Street. Nos dez minutos seguintes, ela envia o motorista a uma rota
tortuosa por Mayfair. Um BMW cinza os segue por um tempo, mas depois
vira para o leste na Curzon Street com um rosnado irritável. Um minuto
depois, um Ford Ka preto aparece no espelho retrovisor e três saídas
depois ainda estão lá. Ao chegarem a Clarges Mews, um
ponto de estrangulamento, Villanelle entrega ao motorista uma nota de
50 libras e emite instruções rápidas. Trinta segundos depois, o táxi pára,
bloqueando a estrada e o motor morre. Quando Villanelle sai pela porta
dos fundos, ela ouve o toque zangado da buzina do Ka, mas ninguém a
segue pela passagem estreita e com paredes de tijolos , e quando ela
recua cinco minutos depois, os miados estão desertos.
E talvez, ela disse a si mesma mais tarde no apartamento da South
Audley Street, ninguém estivesse me seguindo de qualquer maneira. Qual
seria o objetivo? Se os Serviços de Inteligência do Reino Unido sabem
quem e o que eu sou, tudo acabou. Não haverá uma prisão, apenas uma
visita de uma equipe de ação das Forças Especiais, provavelmente do
Esquadrão E, e cremação em um incinerador de lixo municipal. Segundo
Konstantin, esse é o jeito britânico, e nada que Villanelle tenha visto dos
britânicos lhe dá a menor razão para duvidar dele.

Mas o cenário do Esquadrão E não vai acontecer e, com um esforço


suave de vontade, ela apaga as apreensões provocadas pelo encontro da
tarde. Enrolada como uma pantera na cadeira Eames de couro branco, ela
levanta uma taça de champanhe rosa Alexandre II do Mar Negro para a luz
fraca. O vinho não é distinto nem caro, mas é um símbolo de tudo o que
em sua outra vida anterior, ela nunca poderia ter sonhado.
E combina com o humor dela. Ela está presa agora, seu foco já se
estreitando aos detalhes momento a momento da ação do dia seguinte. A
antecipação surge através dela, tão nítida e efervescente quanto as bolhas
que ardem na superfície do champanhe e, com ela, a dor da fome que nunca
desaparece completamente. Ela se enrola e desenrola no couro branco. Talvez
ela saia e faça mais sexo. Isso ajudará a matar algumas horas.

Eve geme. "Que horas são?"


"Seis e quarenta e cinco", murmura Niko. "Como todos os dias a essa hora."
Eve enterra o rosto no vale quente entre as omoplatas, agarrando-
se aos últimos vestígios de sono. A tosse estrangulada da máquina
de café expresso se sobrepõe aos tons medidos do programa Today
da Radio 4 . Ela decidiu, durante a noite, colocar uma equipe de
proteção SO1 em Viktor Kedrin.
"O café está pronto", diz Niko.
"ESTÁ BEM. Me dê alguns minutos.
Ao voltar do banheiro, ela bate na canela, não pela primeira vez, na
geladeira baixa com frente de vidro que ele comprou um mês antes no
eBay.
“Merda, Niko, por favor . Temos que ter essa ... coisa aqui?
Ele esfrega os olhos. “Não se você não quiser leite no café da
manhã, myszka . Além disso, onde mais você gostaria que eu
colocasse? Não há espaço na cozinha.
Garantindo que a cortina caia - ele tem o hábito de disparar sem
aviso - Eve levanta a camisola sobre a cabeça e pega a roupa de
baixo. “Eu diria que não precisamos de uma unidade de refrigeração
médica padrão para esfriar um pequeno jarro de leite. E se não há
espaço na cozinha, é porque está cheio de todas as suas coisas.
"Ah, de repente, são todas as minhas coisas?"
“OK, livros de culinária suecos? Aquele microondas movido a energia solar ...

“Eles são dinamarqueses. E esse microondas vai nos poupar


dinheiro. ” "Quando? Aqui é Londres NW3. Não há sol escaldante
por onze
meses do ano. Ou nos livramos de algumas de suas coisas ou nos
mudamos para algum lugar maior. E muito menos agradável. ”
"Nós não podemos nos mover."
Ela se veste rapidamente. "Por que não?"
"Por causa das abelhas." Ele amarra uma gravata marrom-escura por cima
de uma camisa cinza-prateada . “Niko, por favor. Não me faça começar
com essas malditas abelhas. Não posso entrar
no jardim, os vizinhos têm medo de serem picados até a morte ... "
“Uma palavra, myszka . Querida. Neste verão, podíamos colher
quinze quilos por colméia. Eu falei com a lanchonete e ...
“Sim, eu sei que tudo faz sentido no futuro. Seu plano econômico
de cinco anos . Mas é o aqui e agora temos que lidar. Eu não posso
viver assim. Não consigo pensar direito.
Eles atravessam o pequeno patamar, passando por cima de uma pilha de
edições anteriores do Astronomy Now e de uma caixa de papelão antiga e
amassada com a etiqueta Oscilloscope Testing Equipment / Cathode Ray Tube ,
e descem as escadas.
“Acho que a Primeira Diretoria está trabalhando muito com você,
Evochka . Você precisa relaxar. Ele verifica o nó da gravata no espelho
do corredor e, juntando uma pilha de cadernos de uma estante,
coloca-os em uma bolsa de Gladstone surrada. "Você voltará a tempo
para o torneio no clube hoje à noite, não é?"
"Deveria fazer." O cálculo é que, com uma equipe SO1 em Kedrin, ela não se
sentirá obrigada a participar de sua palestra, manifestação política ou o que
quer que seja.
Eve veste o casaco e Niko aciona o alarme de última geração que a
Thames House forneceu, pensativamente. A porta da frente se fecha
e, de mãos dadas, com o hálito vaporoso, atravessam a meia-luz da
manhã em direção à estação de metrô Finchley Road.
No escritório da P3 na Thames House, Simon Mortimer parece
inescrutável ao desligar o fone. "A menos que você possa encontrar uma
razão específica para mudar de idéia em Kedrin, não é possível", ele diz a
Eve. "Aviso muito curto."
Eve balança a cabeça. "Isso é ridículo. O SO1 poderia facilmente
ter uma equipe no local com meio dia de antecedência. O arrastar dos
pés vem do nosso lado, ou deles?

“Nosso, até onde eu sei. Há hesitação em implantar o SO1 com


base em, hum ... ”
"Sobre o que?"
“A frase usada foi 'intuição feminina'.”
Ela o encara. "A sério?" "A sério."
Ela fecha os olhos.
“Pelo lado positivo, você manifestou sua preocupação. Sua bunda,
se me refiro a isso, está coberta.
Suponho que você esteja certa. Mas realmente, 'intuição feminina'?
O que eu disse no meu memorando foi que estava preocupado por ter
subestimado a ameaça potencial a Kedrin.
"O que exatamente fez você mudar de idéia?"
Em sua tela, Eve chama um artigo de Izvestiya . “OK, isso é de um
discurso que ele fez no mês passado em Ekaterinburg. Estou
traduzindo. “Nosso inimigo jurado, que lutaremos até a morte e ao
qual nunca nos renderemos, é a hegemonia americana em todas as
suas formas. Atlanticismo, liberalismo, enganoso '- ele realmente diz
como cobra -' ideologia dos direitos humanos e a ditadura da elite
financeira '. ”
"Coisas bastante comuns, com certeza?"
"Acordado. Mas há uma enorme parcela da população russa e do
ex -bloco soviético que o vê como uma espécie de messias. E os
messias não têm uma vida útil longa. Eles são muito perigosos.
"Bem, vamos torcer para que ele diga sua peça no Conway Hall e
saia rapidamente."
"Vamos torcer." Ela esfrega os olhos. Suponho que devo ir. Não
sinto muita vontade, mas ... ”Ela sai da página de Izvestiya . "Simon,
posso te perguntar uma coisa?"
"Claro."
“Você acha que eu deveria fazer algo sobre, como eu me visto?
Esse comentário de intuição feminina me preocupa, estou enviando a
mensagem errada?
Ele faz uma careta. “Bem, eu sei que você não é nem um pouco assim.
E, como tantas vezes nos lembramos, a discrição é a tônica do estilo da
Casa do Tamisa. Mas acho que não haveria nenhum mal em você, talvez,
se aventurar um pouco mais longe do que as séries Classic e Indigo da
Marks and Spencer. Ele
olha para ela um pouco nervosamente. "O que seu marido pensa?"
“Oh, Niko vive em um universo de moda próprio. Ele ensina
matemática. Ah.
“Só não quero ver a autoridade desse departamento minada, Simon.
Tomamos decisões sérias e precisamos ser levados a sério. ”
Ele concorda. "Você está ocupado
amanhã à tarde?" “Não especialmente.
Por quê?"
"Bem, eu não quero perpetuar nenhum estereótipo aqui, mas talvez
você e eu possamos fazer compras?"

O Vernon Hotel é um edifício de seis andares revestido de pedra cinza


no lado norte de High Holborn. Sua clientela é, na maioria das vezes,
tão anônima quanto sua fachada, de modo que o gerente de recepção
Gerald Watts fica feliz em dar sua atenção à jovem incrivelmente
atraente que está diante dele. Ela está usando uma
jaqueta de pele aparada e os olhos que encontram os dele por trás
dos óculos cinza são brilhantes e diretos. Seu sotaque, com sua
sugestão da França e sugestão da Europa Oriental (depois de cinco
anos na recepção do Vernon, Gerald se considera um especialista
nesses assuntos), é encantadoramente fraturado.
O nome dela, ele descobre quando pega os detalhes do cartão de
crédito dela, é Julia Fanin. Ela não está usando aliança;
absurdamente, isso agrada a ele. Ao levar o cartão-chave para o
quarto 416, ele permite que seus dedos se toquem. É imaginação
dele, ou ele detecta um lampejo de cumplicidade? Indicando com a
mão levantada que um de seus assistentes a pega na mala e a
mostra para o quarto, ele observa o balanço fácil de seus quadris
enquanto ela caminha em direção ao elevador.

Quando Eve chega à Praça do Leão Vermelho, são 7h45. Dentro do Conway
Hall, a multidão é cerca de duzentos. A maioria dos que vieram ouvir Viktor
Kedrin falar já estão sentados no salão principal; alguns conversam contra as
paredes com painéis de madeira , enquanto outros encontram o caminho até a
galeria. A maioria é de homens, mas há alguns casais aqui e ali, e várias
mulheres mais jovens em camisetas impressas com o retrato de Kedrin. E
existem outras figuras mais enigmáticas, masculinas e femininas, cujas
roupas predominantemente pretas são impressas com slogans que podem
ser

musical, místico, político ou todos os três.


Olhando ao seu redor, Eve se sente um pouco fora do lugar, mas não
ameaçada. O salão está se enchendo rapidamente, e as várias tribos
parecem satisfeitas em coexistir. Se os indivíduos presentes têm algo em
comum, talvez eles sejam estranhos. A audiência de Kedrin é uma
coalizão de marginalizados. Subindo as escadas para a galeria, ela
encontra um assento na frente do lado direito, com vista para o palco e o
púlpito, e com uma onda de culpa, percebe que não ligou para Niko para
dizer a ele que pode ' Não chegue ao torneio de bridge. Ela procura na
bolsa o telefone.
Ela não diz a ele onde está, apenas que ela não pode vir, e como sempre
ele está entendendo. Ele nunca a questiona sobre seu trabalho, suas
ausências ou suas madrugadas. Mas ela pode dizer que ele está
decepcionado; não é a primeira vez que ele pede desculpas por ela no clube.
Devo fazer as pazes com ele, ela diz a si mesma. Sua paciência não é infinita,
nem deveria ser. Talvez pudéssemos ir a Paris para um fim de semana. Pegue
o Eurostar, fique em um pequeno hotel em algum lugar e caminhe pela cidade
de mãos dadas. Deve ser tão romântico na neve.
No corredor, as luzes piscam e se apagam. No palco, um homem
de rabo de cavalo caminha até o púlpito e ajusta o microfone.
“Amigos, eu os saúdo. E peço desculpas se meu inglês não é tão
bom. Mas é um prazer estar aqui esta noite e apresentar meu amigo e
colega da Universidade Estadual de São Petersburgo. Senhoras e
senhores ... Viktor Kedrin.
Kedrin é uma figura imponente, larga e barbuda, com uma jaqueta de
veludo surrada e calças de flanela. Há aplausos quando ele sai, e alguns
aplausos. Pegando o telefone da bolsa, Eve agarra um tiro dele no púlpito.
"Está frio lá fora", começa Kedrin. "Mas eu prometo a você, é mais
frio na Rússia." Ele sorri, seus olhos -folha morta marrom. “Então, eu
quero falar com você sobre a primavera. A primavera russa.
Silêncio extasiado.
“No século XIX, havia um pintor chamado Alexei Savrasov. Um grande
admirador, por acaso, do seu John Constable. Naturalmente, como todos os
melhores artistas russos, Savrasov sucumbiu ao álcool e ao desespero e
morreu sem um tostão. Mas, primeiro, ele criou uma série muito boa de
pinturas de paisagens, das quais a mais conhecida é chamada The Rooks
Have Back . É uma pintura muito simples. Um lago congelado. Um mosteiro
distante. Neve no chão. Mas nas bétulas, as gralhas estão construindo seus
ninhos. O inverno está morrendo, a primavera é

chegando.
“E esta, meus amigos, é minha mensagem para você. A primavera está
chegando . No coração da Rússia, há um desejo de mudança. E sinto a mesma
coisa na Europa. Um desejo de abandonar a ditadura do capitalismo, do
liberalismo degenerado, da América. Um desejo de recuperar um mundo mais
antigo da Tradição e do Espírito. Então eu digo para você, junte-se a nós . Deixe
os EUA com sua pornografia, suas empresas sugadoras de sangue e seu
consumismo vazio. Deixe-os em seu Reinado de Quantidade. Juntos, a Europa
e a Rússia podem construir um novo Imperium, fiel às nossas culturas antigas,
fiel às velhas crenças. ”
Eve examina as fileiras da audiência. Vê os olhares extasiados, os
mudos acenos de concordância, o desejo desesperado de acreditar na
idade de ouro que Kedrin promete. No centro da primeira fila, uma
jovem de suéter preto e saia xadrez. Ela é alguns anos mais nova que
Eva e bonita, mesmo à distância. Por impulso, Eve levanta o telefone e,
furtivamente, aproximando o rosto da mulher, a fotografa. Ela a pega
de perfil, os lábios entreabertos, olhando fervorosamente para Kedrin.
O discurso reúne ritmo. Kedrin se lembra de outro que sonhava com
um novo império - um Reich de mil anos , pelo menos -, mas dispensa os
nazistas por seu racismo bruto e falta de consciência superior. Ele faz
uma exceção ao Waffen-SS, de cujo idealismo rigoroso, diz ele, muito
pode ser aprendido. Isso é demais para um membro da platéia, um
homem de meia idade que se levanta e começa a gritar incoerentemente
no palco.
Em segundos, duas figuras em roupas quase militares aparecem
das sombras no fundo do corredor, agarram o homem e o lideram ,
arrastam -no em direção à saída. A meia hora mais tarde, em meio a
aplausos desconexas, eles retornam sem ele.
Kedrin sorri beatificamente. "Há sempre um, não?"
No total, ele fala por cerca de uma hora, apresentando sua visão
mística e autoritária para o hemisfério norte. Eve está chocada, mas
fascinada. Kedrin é carismático e satanicamente persuasivo. Que ele fará
verdadeiros crentes daqueles reunidos aqui hoje à noite, ela não tem
dúvida. Ele ainda não é bem conhecido na Europa, mas na Rússia ele
comanda um número crescente de seguidores e tem um pequeno exército
de lutadores de rua dedicados prontos para fazer sua vontade.
“E então, meus amigos, termino como comecei, com essa mensagem
simples. A primavera está chegando. Nosso dia está amanhecendo. As
gralhas voltaram. Obrigado."
Como um, a platéia se levanta. Enquanto comemoram, batam os pés e

aplaudir, Kedrin está parado no púlpito, imóvel. Então, com um


pequeno arco, ele sai do palco.
Lentamente, enquanto Eve observa da galeria, o salão se esvazia. Os
espectadores têm um olhar atordoado, como se estivessem acordando de
um sonho. Depois de alguns minutos, acompanhado pelo mestre de
cerimônias de rabo de cavalo e ladeado pelos dois soldados que
expulsaram o manifestante, Kedrin aparece no auditório. Ele é
rapidamente cercado por admiradores, que, por sua vez, dirigem-se a
algumas palavras e apertam sua mão. A mulher da primeira fila espera
nos arredores do grupo, um leve sorriso tocando suas feições afiadas e
felinas . Se eu me vestisse assim, pareceria uma bibliotecária, Eve reflete.
Então, como é que essa princesinha fascista se parece com Audrey
Hepburn?
Kedrin certamente a registrou e a olha como se dissesse: espere,
deixe-me terminar com essas pessoas e você terá toda a minha atenção.
Logo, observados com diversão quase reprimida pelos soldados de
infantaria de cabeça raspada , os dois estão conversando profundamente.
Sua linguagem corporal - a cabeça inclinada, os seios pequenos e
arrumados - deixa sua disponibilidade inequivocamente clara. Mas,
eventualmente, ela decide apertar a mão dele, puxa sua jaqueta e
desaparece na noite.
Eve é uma das últimas a sair do salão. Ela espera do lado de fora
em um ponto de ônibus próximo e, quando Kedrin e seu grupo saem
do prédio, ela os segue a uma distância discreta. Depois de alguns
minutos, os quatro homens se transformam em um restaurante de
carnes argentino na Red Lion Street, onde eles são claramente
esperados.
Decidindo encerrar a noite, Eve chega à estação de metrô Holborn.
Já passaram 9h30 e ela é tarde demais para o torneio de bridge. Mas
ela chegará ao clube a tempo de pegar uma grande vodka e suco de
cranberry e assistir Niko tocar algumas mãos. Ela precisa relaxar. De
um jeito e de outro, tem sido um dia estranho.

Pouco depois das 21h45, quando ela está satisfeita com a chegada dos
russos, Villanelle se afasta da porta de onde ela estava assistindo a
churrascaria e segue um caminho de volta para o hotel. Enquanto se move
pelo saguão em direção aos elevadores, o rosto sombreado pelo capuz
enfeitado com pele , ela dirige um sorriso e um breve movimento dos
dedos com luvas de couro na recepção, onde Gerald Watts ainda está de
serviço.

Entrando na sala 416, Villanelle abre a valise, pega um pacote de luvas


cirúrgicas e troca um par pelas de couro que está vestindo. Depois, de uma
bolsa selada de polietileno, ela pega um micro-transmissor do tamanho de
uma unha e uma pitada de Blu-Tack. Colocando isso no bolso de sua jaqueta,
ela sai da sala e sobe as escadas até o quinto andar, onde parece endireitar
uma foto na parede do lado de fora da sala 521. Feito isso, ela continua
subindo para o sexto andar, onde as escadas terminam em uma saída para o
telhado. Está destrancado e, ao sair, ela realiza um rápido reconhecimento da
área, observando a colocação de chaminés e escadas de incêndio. Então, sem
pressa, ela volta ao quarto andar.
De volta ao quarto, ela liga um receptor UHF do tamanho de um
iPod e insere um dos fones de ouvido. Nada, como ela esperava,
apenas um leve assobio ambiental. Embolsando o receptor, deixando
um brinco no ouvido , ela pega uma maleta à prova d'água da mala.
No interior, cada componente deitado em sua cama de espuma
personalizada, é a arma que ela encomendou à Konstantin: uma
pistola CZ 75 de 9 mm com corpo de polímero e um supressor Isis-2 .
Villanelle prefere uma ação leve em uma arma de combate, e o peso
do gatilho da CZ foi ajustado em dois quilos para disparo de
ação dupla e um quilo para ação única.
O assassinato em um quarto de hotel , ela sabe, é uma ciência
complexa. Derrubar o alvo é fácil; é rápido, silencioso e sem danos
colaterais, o que é difícil. Não deve haver nenhum relatório de tiro
reconhecível, nenhum grito de alarme ou dor, nenhuma bala batendo nas
paredes divisórias de gesso cartonado, ou pior, entre os convidados do
outro lado deles.
Então, depois de anexar o supressor, Villanelle carrega a arma
Checa com de fabricação russa Chernaya Roza -preto
Rose-hollowpoint rodadas. Estes são construídos com uma jaqueta de
cobre oxidada cujas seis seções, no impacto, descolam como pétalas.
Isso diminui a penetração, inicia uma onda de choque maciça e
incapacitante e causa uma ruptura maior do tecido ao longo do
caminho da ferida. Para uma rodada de 9 mm, o poder de parada da
Rosa Negra é inigualável.
Villanelle espera, sua respiração firme. Visualiza e re-visualiza o curso
que se aproxima dos eventos. Reproduz todos os cenários concebíveis.
Através dos fones de ouvido, ela ouve os hóspedes do hotel se
despedirem, gargalhadas, portas se fechando. Passa mais de uma hora e
meia até que ela ouça o que estava esperando: vozes falando russo.

“Entre por cinco minutos. Eu tenho uma garrafa de Staraya


Moskva. Precisamos atropelar os arranjos para amanhã. ”
Villanelle considera. Quanto mais bêbados, melhor. Mas ela não
pode deixar tarde demais. Ela ouve murmúrios de assentimento e o
som da porta se fechando.
Mais uma vez, Villanelle espera. Já passou da 1 da manhã quando a
equipe de segurança finalmente e ruidosamente sai da sala. Mas quão
bêbado está Kedrin? Será que ele se lembrará da jovem de
olhos arregalados que conheceu no Conway Hall? Ela pega o telefone do
hotel e liga para o quarto 521. Uma voz arrastada atende. “ Da? "
Ela responde em inglês. "Senhor. Kedrin? Viktor? É a Julia. Nós
conversamos na palestra. Você disse para ligar mais tarde. Bem ... é
mais tarde.
Silêncio. "Onde você
está?" "Aqui. No hotel."
"ESTÁ BEM. Eu te dei o número do
meu quarto, sim? "Sim. Eu vou subir.
Ela coloca a jaqueta. A valise agora está vazia, exceto por uma
sacola plástica transparente. Abrindo isso, Villanelle sacode seu
conteúdo na valise, que ela então guarda no guarda-roupa. A bolsa de
provas entra no bolso interno de sua jaqueta. Então, depois de uma
última olhada ao redor da sala, ela sai, segurando o CZ 75 pelo
supressor para que o corpo da pistola fique na manga.
Do lado de fora do quarto 521, ela bate levemente na porta. Há
uma pausa e ela abre alguns centímetros. Kedrin está corado, com o
cabelo torto, a camisa aberta até a cintura. Seus olhos estreitam
quando ele a examina.
"Posso entrar?" ela pergunta, inclinando a cabeça e olhando para ele.
Ele se inclina, semi-ironicamente. Leva-a com um gesto vago e
abrangente. A sala é semelhante à de Villanelle, mas maior. Um lustre
feio e dourado está pendurado no teto. "Tire o casaco", diz ele,
sentando-se pesadamente na cama. "E nos traga uma bebida."
Ela tira a jaqueta e a coloca em uma poltrona, a CZ 75 escondida na
manga. Uma mesa lateral contém uma garrafa vazia de vodca Staraya Moskva
e quatro copos usados. Villanelle verifica a geladeira. No freezer, há uma
meia garrafa de plástico de Stolichnaya livre de impostos . Destampando a
garrafa, ela derrama uma quantidade generosa em dois dos copos e,
encontrando o olhar dele, entrega um para ele.
"Um brinde", diz ele, turvo, os olhos caindo nos seios dela. “Nós
devemos ter um brinde. Amar. Para a beleza!

Villanelle sorri. "Eu bebo em nossa casa em ruínas ..." ela começa,
falando russo. "E para os males da vida também ..."
Ele a encara por um momento, sua expressão ao mesmo tempo
surpresa e melancólica, e continua o poema de Akhmatova. "Eu bebo
para a solidão que compartilhamos." Ele joga de volta a vodka. "E eu
bebo ..."
Há um som como um estalo, e Kedrin está morto. Jatos de sangue
brevemente da entrada feriram ao lado de sua narina esquerda.
"... eu bebo para você", murmura Villanelle, completando o dístico
enquanto ela puxa as roupas de cama sobre ele. Rapidamente, ela
puxa a jaqueta e faz a porta. Ao sair da sala, ela se vê cara a cara com
um dos bandidos de estimação de Kedrin. Ele é de ombros largos,
carrancudo e cheira a colônia barata.
"Sshsh", sussurra Villanelle. "Viktor está dormindo."
Os olhos se estreitam na cabeça em forma de caveira . Algum
instinto diz a ele que algo está errado. Que ele está ferrado. Ele tenta
olhar além dela e percebe tarde demais que o Glock 19 que ele
colecionou do motorista esta manhã está no coldre do ombro, não na
mão. Villanelle coloca duas balas na base do nariz e, com os joelhos,
pega a frente da jaqueta de vôo e o leva de volta pela porta da sala.
Ele cai para trás, batendo no tapete do hotel com monograma como
uma tonelada de carne condenada.
Ela considera brevemente arrastar o corpo para fora da vista, mas isso
levará mais tempo do que economizará. Então o telefone na sala começa
a tocar e ela sabe que precisa sair. Subindo as escadas, ela passa pelo
colega de Skull-Head e rabo de cavalo e os ouve correndo para o quarto de
Kedrin. Um olhar para dentro da porta e eles estão atrás dela, batendo ao
longo do corredor.
Villanelle sobe as escadas até o sexto andar, continua subindo e
explode noite adentro. O telhado é branco virgem, e uma nevasca gira
em torno dela enquanto ela trava a porta da escada. A visibilidade não
passa de alguns metros. Ela tem talvez quinze segundos de início.
A porta lasca e a fechadura voa para fora. Os dois homens saem
rápido, quebrando à esquerda e à direita, respectivamente, deixando a
porta balançando com o vento gelado. O telhado está deserto. Passos
levam da escada para uma balaustrada, além da qual há uma
escuridão em turbilhão.
Suspeitando de uma armadilha, os dois homens se escondem atrás de
uma chaminé. Então, bem devagar, o homem mais jovem rasteja pelo
telhado nevado até o

balaustrada, espia e acena com cautela para rabo de cavalo. Ali,


apenas visível, está Villanelle, de costas para eles, a jaqueta girando
em torno de seu corpo ao vento. Ela parece estar assistindo a
chaminé.
Os dois homens descarregam suas armas e sete tiros na cabeça
reprimidos atravessam o capuz. Quando a pequena figura não cai, ela
congela; há um instante de terrível compreensão, e então suas
cabeças se contraem em uníssono quando Villanelle dá dois tiros da
escada de incêndio atrás deles.
Como amantes, os dois homens se abraçam. E, saindo da escada de
incêndio , desenrolando as mangas de sua jaqueta pelo
cano de combustão, Villanelle os vê morrer. Como sempre, é fascinante.
Não pode haver muita função cerebral depois que uma rodada da Rosa
Negra floresceu dentro do seu cerebelo, abrindo caminho através de sua
memória, instintos e emoções, mas, de alguma forma, algumas faíscas
perduram. E então, inevitavelmente, escurece.
Parada no telhado, em sua gaiola de neve, Villanelle sente a
onda de energia almejada . O sentimento de invencibilidade que o sexo
promete, mas apenas uma matança bem-sucedida realmente confere.
O conhecimento de que ela está sozinha no centro dos
acontecimentos. E olhando ao seu redor, com os homens mortos a
seus pés, ela vê a cidade resolvida em suas cores essenciais. Preto,
branco e vermelho Escuridão, neve e sangue. Talvez seja necessário
um russo para entender o mundo nesses termos.

Aquele sábado é, sem exceção, o pior dia da vida de Eve Polastri. Quatro
homens mortos a tiros em seu relógio, um assassino de primeira classe à
solta em Londres, seus superiores do MI5 incandescentes, o Kremlin não
menos que isso, um grupo COBRA se reuniu e - nem é preciso dizer - que sua
carreira na Thames House fodeu.
Quando o escritório toca para lhe dizer que Viktor Kedrin foi
encontrado morto a tiros em seu quarto de hotel, ela ainda está na
cama. A princípio, ela pensa que vai desmaiar e, depois, cambaleando
até o banheiro e encontrando o corredor bloqueado pela bicicleta de
Niko, vomita por cima dos pés descalços. Quando Niko a alcança, ela
está agachada no chão em sua camisola, cinza acinzentada e
tremendo. Simon toca enquanto Niko está sentado com ela na
cozinha. Eles concordam em se encontrar no Vernon Hotel. De
alguma forma, ela consegue se vestir e dirigir até lá.
Há uma multidão na Red Lion Street, afastada por uma barreira de

fita da cena do crime e dois policiais. O oficial de investigação sênior


no local é o DCI Gary Hurst. Ele conhece Eve e a leva para o hotel,
longe das lentes da câmera. Na área de recepção, ele a leva a um
banquete, serve uma xícara de chá açucarado em um frasco térmico e
observa enquanto ela o bebe.
"Melhor?"
"Sim. Obrigado Gary. Ela fecha os olhos. "Deus, que
tempestade de merda." “Bem, é colorido. Eu direi isso.
"Então, o que temos?"
Quatro mortos. Filmado à queima-roupa, todos os tiros na cabeça,
definitivamente um trabalho profissional. A vítima um, Viktor Kedrin, russo,
professor universitário, encontrado morto em seu quarto. Com ele, vítima
dois, vinte e poucos anos, parece músculo contratado. No telhado, vítimas
três e quatro. Pensamos que três é Vitaly Chuvarov, supostamente um
associado político de Kedrin, mas quase certamente com conexões do
crime organizado. Quatro é mais músculo. Todos armados com Glock 19s,
exceto Kedrin. O par no telhado disparou sete tiros entre eles.
"Deve ter pegado as armas aqui." O DCI
encolhe os ombros. "Feito facilmente."
"Sugere que eles estavam esperando
problemas."
"Talvez. Talvez eles se sintam mais felizes se estiverem
carregando. Você quer se vestir e subir as escadas? O outro cara da
Thames House está esperando por você lá em cima.
"Simon?"
"Sim."
"Certo. Onde eu troco?
"Preparando a área dessa maneira." Ele aponta. "Eu vou acordar em um
minuto."
Na área de preparação, Eve recebe um macacão branco Tyvek, uma
máscara, luvas e botas. Quando ela finalmente está vestida, o medo a invade.
Ela já viu muitas fotografias de vítimas de tiros, mas nunca nenhum cadáver
de verdade.
Ela lida, porém, e com Simon de pé, profissional e imperturbável ao seu
lado, se lembra dos detalhes. As bordas elevadas e acinzentadas das
feridas de entrada, as trilhas finas de sangue enegrecido, as expressões
distantes. Kedrin, seus olhos cegos voltados para o teto, tem uma leve
carranca no rosto, como se estivesse tentando se lembrar de algo.
"Você fez o seu melhor", diz Simon.
Ela balança a cabeça. “Eu deveria ter insistido. Eu deveria ter feito o certo

decisão em primeiro lugar. ”


Ele encolhe os ombros. Você fez suas preocupações conhecidas. E você
foi anulado. Ela está prestes a responder quando DCI Hurst chama seu
nome e acena para ela
do topo da escada.
“Pensei que você gostaria de saber. Julia Fanin, 26 anos. Saiu do
hotel nas primeiras horas da manhã. Cama não dormia, mas deixava
uma bolsa vazia no quarto do quarto andar . Forense lá agora.
"O que a recepção diz?" Eve pergunta.
“Eles dizem que ela é linda. Estamos passando as filmagens de CFTV.
Uma certeza sombria preenche Eve. Ela sente debaixo do terno Tyvek o
telefone. Chama a fotografia da mulher na reunião. "Poderia ser ela?"
O DCI a encara. "Onde você conseguiu isso?"
Eve está contando a ele sobre a reunião quando o telefone toca e
ele levanta a mão. Ouve em silêncio franzido.
"OK", diz ele. - O cartão de crédito que ela mostrou ao hotel quando
fez o check-in ontem foi roubado no aeroporto de Gatwick há uma
semana, da verdadeira Julia Fanin. Mas temos impressões digitais e,
esperançosamente, DNA da bolsa da noite, e em breve teremos
algumas fotos de CCTV. Você pode ficar por aqui?
"Pelo tempo que for necessário." Ela olha para Simon. "Receio que
a viagem de compras tenha que esperar."

Naquela tarde, Eve participa de uma reunião na Thames House, no


qual ela é questionada em detalhes sobre sua decisão sobre a
proteção de Kedrin e sua subsequente mudança de idéia, interrogada
sobre o inquérito policial e, finalmente, mandada levar dez dias para
casa. sair. O fato de ela voltar ao escritório para descobrir que foi
rebaixado ou transferido é uma conclusão precipitada.
Em casa, ela não pode se contentar. Há centenas de coisas para fazer no
apartamento - classificando, armazenando, limpando, arrumando -, mas Eve
não pode embarcar em nenhuma delas. Em vez disso, ela faz longas
caminhadas sem direção pela neve em Hampstead Heath, constantemente
checando seu telefone. Ela deu a Niko os ossos da situação e ele não a
pressiona por mais, mas ela pode dizer que ele está machucado e frustrado
por sua incapacidade de ajudar. Ela sempre soube que o aspecto secreto do
trabalho de inteligência impõe suas próprias pressões
um casamento; o que é chocante é o quão corrosivo ele prova ser.
Como o silêncio dela destrói os próprios fundamentos da confiança
entre ela e Niko.
A acomodação a que chegaram, no início do casamento, foi que,
enquanto o horário de trabalho pertencia à Casa Thames e ao Serviço,
no final do dia ela voltou para casa. O que eles compartilhavam - a
cumplicidade e a intimidade de suas noites e noites - era infinitamente
mais importante do que as coisas que eles não podiam.
Mas o assassinato de Kedrin se espalha como uma toxina em todos os
aspectos de sua vida. À noite, em vez de se deitar na cama ao lado de
Niko e curar as brigas do dia fazendo amor, ela fica acordada até as
primeiras horas da manhã examinando a Internet e procurando novos
relatórios sobre os assassinatos.
Os jornais de domingo fazem o que podem do caso. O Observer sugere
um possível envolvimento do Mossad, e o Sunday Times especula que
Kedrin poderia ter sido eliminado por ordem do Kremlin porque seus
protestos cada vez mais fascistas estavam começando a envergonhar o
presidente. A polícia, no entanto, não divulga nada além dos mínimos
detalhes. Certamente nada sobre uma suspeita. E então, na quarta-feira
de manhã, quando sua torrada começa a dourar - Niko geralmente prepara
o café da manhã, mas ele já está no trabalho - Eve recebe uma ligação da
DCI Hurst.
A análise de DNA nas amostras de cabelo encontradas na valise,
um trabalho urgente do laboratório forense, surgiu com uma
correspondência no banco de dados do Reino Unido. Uma prisão foi
feita em Heathrow. Eve pode vir à delegacia de Paddington Green para
ajudar na identificação?
A Eve pode, e como ela substitui o receptor, o alarme de fumaça
dispara. Jogando a torrada na pia com uma pinça de salada, ela abre
a janela da cozinha e apunhala em vão o alarme com um
cabo de vassoura. Eu realmente não sou muito fã dessas coisas
domésticas, ela pensa sombriamente. Talvez seja melhor não estar
grávida. Não que isso seja exatamente uma probabilidade, do jeito
que as coisas estão indo.

A Delegacia de Polícia de Paddington Green é um edifício brutal e utilitário que


cheira a ansiedade e ar velho. Abaixo do nível do solo, há um conjunto de
custódia de alta segurança , onde são mantidos presos suspeitos de crimes
terroristas. A sala de entrevistas é pintada de cinza e iluminada; uma janela de
vidro unidirecional ocupa mais de um

parede. Eve e Hurst sentam embaixo, com o prisioneiro sentado em


frente a eles. É a mulher que esteve na palestra de Kedrin.
Eve espera sentir um triunfo feroz ao vê-la. Em vez disso, como no
Conway Hall, ela fica impressionada com sua beleza. A mulher,
provavelmente com vinte e poucos anos, tem um rosto oval e
de bochechas altas , emoldurado por um cabelo escuro e brilhante. Ela
está simplesmente vestida de jeans preto e uma camiseta cinza que
mostra seus braços esbeltos e uma bela moldura de seios pequenos . Ela
parece cansada, e mais do que um pouco confusa, mas não menos
graciosa por tudo isso, e Eve está subitamente consciente de seu próprio
capuz disforme e cabelo não cuidado. O que eu daria para parecer assim?
ela imagina. Meu cérebro?
Hurst se apresenta e "meu colega do Ministério do Interior", e ligar o
gravador de voz avisa oficialmente o suspeito, que decidiu dispensar os
serviços de um advogado. E olhando para ela, Eve de repente sabe que
algo está errado. Que essa mulher é tão incapaz de matar quanto ela. Que
o caso policial está prestes a desmoronar.
"Por favor, indique seu nome", diz Hurst.
A mulher se inclina para frente em direção ao
gravador de voz. "Meu nome é Lucy Drake."
"E sua profissão?"
Ela lança um olhar para Eve. Seus olhos, mesmo sob as
luzes de tira, são uma esmeralda vívida. Sou atriz. Uma atriz e
modelo.
"E o que você estava fazendo no Vernon Hotel na Red Lion Street,
na última sexta à noite?"
Lucy Drake olha pensativa para as mãos, que estão dobradas
sobre a mesa à sua frente. "Posso começar do começo?"

Mesmo quando seu coração afunda com o quão completamente ela e a


polícia foram surpreendidos, Eve não pode deixar de admirar a elegância
do engano.
Tudo começou, explica Lucy, com uma ligação recebida por seu agente. O
cliente se representava como pertencente a uma produtora que fazia uma
série de televisão sobre diferentes aspectos do comportamento humano.
Nesse contexto, eles precisavam de uma jovem atriz atraente e confiante para
realizar uma série de experimentos sociais, nos quais ela desempenharia
vários papéis. As filmagens aconteceriam durante cinco dias em Londres e
Los Angeles, e o candidato vencedor receberia quatro mil libras por dia.

"Foi tudo um pouco vago", diz Lucy. “Mas, dada a taxa e a


exposição que o programa traria, eu não estava muito preocupado.
Então, naquela tarde, peguei o metrô do Queen's Park, onde moro, até
o St. Martin's Lane Hotel, onde estavam realizando as entrevistas. O
diretor estava lá - Peter , alguma coisa, acho que ele era do Leste
Europeu - e um cinegrafista que estava filmando todo mundo. Havia
várias outras garotas lá, e fomos chamados uma a uma.
“Quando chegou a minha vez, Peter me pediu para interpretar algumas
cenas com ele. Um onde eu estava registrando um hotel e eu tive que fazer o
cara da recepção se apaixonar por mim, e outro onde eu tive que me
aproximar de um palestrante após uma palestra e seduzi-lo, basicamente. A
idéia em ambos os cenários era ser super sedutora e charmosa, mas não
parecer uma prostituta. De qualquer forma, dei o meu melhor e, quando
terminei, ele me pediu para esperar no andar de baixo neste salão de chá
cubano e pedir o que quisesse. Foi o que fiz, e quarenta minutos depois, ele
desceu e parabenizou: já vi todo mundo e o trabalho é seu.
Nos dois dias seguintes, “Peter” passou por tudo o que Lucy era
obrigada a fazer. Ela foi avaliada pelas roupas que usaria e disse que esse
"traje" tinha que ser respeitado com precisão, sem alterações ou
substituições. Na tarde de sexta-feira, ela deveria reservar no Vernon Hotel
com o nome de Julia Fanin e levar uma mala para o quarto. Peter
forneceria o cartão de crédito que ela usaria e também a bolsa, que ela
não estava aberta em nenhuma circunstância.
Deixando a mala no quarto, ela deveria caminhar até o Conway Hall, na
esquina da Red Lion Square, e comprar um ingresso para a palestra das
20 horas, feita por Viktor Kedrin. Após a palestra, ela obteria acesso
pessoal a Kedrin, o encantaria e o bajularia, e combinaria de encontrá-lo
em seu hotel mais tarde naquela noite. Com isso feito, ela deveria
encontrar Peter na esquina da praça, dar-lhe o cartão-chave do quarto de
hotel e pegar um táxi para o Queen's Park.
Na manhã seguinte, disseram-lhe Lucy, Peter iria buscá-la cedo,
levá-la para Heathrow e colocá-la em um avião para Los Angeles. Lá
ela seria encontrada, colocada em um hotel e receberia instruções
para a segunda etapa das filmagens.
"E foi assim que funcionou?" pergunta Hurst.
"Sim. Ele voltou às 6 da manhã com um retorno de primeira classe a Los
Angeles, e eu estava no ar às nove. Fui recebido no aeroporto por um
motorista que me levou ao Chateau Marmont, onde recebi a mensagem de
que as filmagens haviam sido canceladas,

mas fui bem-vindo a ficar no hotel. Então, aproveitei o tempo para ir


ver alguns agentes de atuação e, ao meio-dia de ontem, peguei o voo
de volta para Heathrow. Onde eu estava, hum ... preso. Por
assassinato. O que foi uma surpresa.
"Realmente?" pergunta Hurst.
"Sim, realmente." Lucy torce o nariz e olha em volta da sala de
entrevistas. "Você sabe, há um cheiro muito estranho de torrada
queimada aqui."

Uma hora depois, Eve e Hurst estão de pé nos degraus na parte traseira da
delegacia, observando um BMW não marcado sair do estacionamento, indo
para o Queen's Park. Hurst está fumando. Quando o BMW passa, Eve dá uma
olhada final no perfil impecável que ela fotografou no Conway Hall.
"Você acha que alguma vez conseguiremos uma descrição útil
desse personagem de Peter?" Eve pergunta.
"Improvável. Traremos Lucy de volta para nos ajudar a criar um
Photofit quando ela tiver dormido algumas horas, mas não tenho
esperança. Foi tudo muito bem planejado.
"E você realmente não acha que ela estava participando disso?"
"Não. Eu não. Vamos verificar a história dela em detalhes,
obviamente, mas meu palpite é que ela não é culpada de nada além
de ingenuidade.
Eve assente. “Ela queria muito que fosse verdade. A audição bem
sucedida, a grande entrada na TV ... ”
"Sim." Hurst pisa o cigarro no degrau molhado de concreto. “Ele a
interpretou da maneira certa. E nós também.
Eve faz uma careta. "Então, como você acha que dois dos cabelos
de Lucy apareceram naquela bolsa de dormir, se ela nunca a abriu?"
“Meu palpite seria que Peter, ou um de seus membros, arrancou os
cabelos durante a audição falsa, talvez fora de sua escova de cabelo. E
então nosso atirador os coloca na bolsa depois que ela toma o lugar de
Lucy no hotel. E aqui está uma pergunta para você. Por que Los Angeles?
Por que se dar ao trabalho de voar com aquela garota no meio do mundo
quando ela já fez sua parte?
"Isso é fácil", diz Eve. “Para garantir que ela esteja fora de cena quando
as notícias do assassinato forem divulgadas. Eles não podem arriscar que
ela leia on-line ou ouça no rádio e vá direto para a polícia com o que ela
sabe. Portanto, eles garantem que ela esteja indo para LA - onze

hora de vôo - no momento exato em que o assassinato foi descoberto


na manhã de sábado. O que não apenas torna Lucy incomunicável,
mas também define uma trilha falsa perfeita, dando ao verdadeiro
assassino e sua equipe tempo suficiente para cobrir seus rastros e
desaparecer. ”
Hurst assente. "E uma vez que ela estiver no hotel ostentoso Sunset
Boulevard ..." Ela pode, possivelmente, ver
ou ler algo sobre Kedrin, mas tudo isso está acontecendo do outro
lado do mundo. Enquanto isso, ela tem agentes de Hollywood para
ver. É isso que vai estar no topo de sua mente.
"E então, quando estiverem prontos e os resultados do DNA chegarem, eles
a servirão em um prato." Ele balança a cabeça. "Você tem que admirar a
bochecha deles."
“Sim, bem, atrevida ou não, essa mulher matou quatro estrangeiros
no nosso território. Podemos voltar e ver as imagens do circuito
interno de TV?
"Absolutamente."
Ele foi editado em um único loop silencioso. Lucy Drake entrando
no vestíbulo do hotel em sua jaqueta, carregando a valise e
verificando a sugestão de sua linguagem corporal aparente. Lucy
saindo do elevador no quarto andar e caminhando para o quarto 416.
Lucy sai do hotel sem a valise, levantando o capuz de sua jaqueta.
"OK, pare", diz Eve. “Essa é a última dela, concordou? A partir de
agora, a mulher no casaco é a nossa assassina.
"Concordo", diz Hurst.
Ele executa a filmagem em câmera lenta x16 . Infinitamente
devagar, como se estivesse passando por melaço, a figura
encapuzada entra no hotel, levanta a mão embaçada na direção da
recepção e desaparece fora de cena. O rosto dela está invisível, como
ocorre nas filmagens nos corredores do hotel.
"Olhe para ela plantando aquele inseto do lado de fora do quarto
de Kedrin", diz Hurst. “Ela sabe que está na câmera, mas não liga,
sabe que não podemos fazê-la. Você tem que admitir, Eve, ela é boa.
"Você não conseguiu tirar nenhuma impressão do bug, ou em
qualquer outro lugar?" “Olhe atentamente. Luvas cirúrgicas."
"Mãe filho da puta ", Eve
respira. Hurst levanta uma
sobrancelha.
- Ela é uma cadela assassina, Gary, e me custou o meu trabalho. Eu
a quero, viva ou morta.
"Boa sorte com isso", diz Hurst.

No apartamento da Avenue Kléber, Gilles Mercier e sua esposa Anne-Laure


são divertidos. Entre os participantes do jantar estão um ministro júnior do
Departamento de Comércio Exterior, o diretor de um dos principais fundos de
hedge da França e o vice-presidente executivo da mais importante casa de
leilões de arte de Paris. Dada a empresa, Gilles se esforçou bastante para
garantir que tudo estivesse exatamente assim. A comida foi servida por
Fouquet's nos Champs-Élysées, o vinho (2005 Puligny-Montrachet, 1998
Haut-Brion) é da adega cuidadosamente cuidada de Gilles, e holofotes
precisamente esmaecidos escolhem o armário dos relógios ormolu e os dois
óleos Boudin da praia em Trouville, que o vice-presidente executivo
reconheceu como falsa e, de fato, sussurrou tanto para seu companheiro mais
jovem.
A conversa entre os homens cobriu terreno previsível. Imigração,
ingenuidade fiscal dos socialistas, bilionários russos aumentando o preço
das casas de férias em Val-d'Isère e na Ilha de Ré, e a próxima temporada
na Opéra. Enquanto isso, suas esposas e o amigo do vice-presidente
executivo cobriram a nova coleção de Phoebe Philo, o fabuloso pijama da
Primark, o mais recente filme de Ryan Gosling e um baile de caridade que
a esposa do diretor de fundos de hedge está organizando.
Convidada por Anne-Laure para equilibrar os números, Villanelle
está entediado. A ministra júnior, cujo joelho cutucou o dela mais de
uma vez debaixo da mesa, a está questionando sobre suas atividades
como day-trader, e ela está respondendo em generalidades evasivas.
"Então, como foi Londres?" ele pergunta. “Eu estive lá em
novembro. Você estava muito ocupado?
“Sim, o trabalho é sempre assassinato. Mas era adorável estar lá.
Hyde Park na neve. As luzes de Natal, as bonitas vitrines ...
"E à noite?" Ele permite que a pergunta fique sugestivamente no
ar.
"À noite, eu li e fui dormir cedo."
"Sozinho? De pijama Primark? Desta vez, é a mão dele que
encontra o joelho dela.
“Precisamente. Eu tenho medo de ser uma garota bastante chata.
Casado com o meu trabalho. Mas posso perguntar-lhe quem é o cabelo da
sua esposa? Esse estilo em camadas parece adorável nela.
O sorriso do ministro júnior fica mais fraco e sua mão se afasta. o

os minutos passam, copos e pratos são cheios e reabastecidos,


circulam os rumores do Élysée Palace e o Armagnac, de 50 anos .
Finalmente a noite acaba e os convidados são levados com seus
casacos.
"Vamos lá", diz Anne-Laure, agarrando Villanelle pelo braço.
"Vamos também."
"Você tem certeza?" murmura Villanelle, olhando para Gilles, que
está arrolhando garrafas e dando instruções aos fornecedores.
"Tenho certeza", assobia Anne-Laure. “Se eu não sair deste
apartamento agora, vou gritar. E olhe para você, todo vestido. Se
alguma vez vi uma garota que precisava de uma aventura ...
Cinco minutos depois, os dois estão contornando o Arco do
Triunfo em alta velocidade no Audi Roadster prateado de Villanelle. É
uma noite fria e clara, com pequenas manchas de neve prateando o
ar. O teto do Roadster está abaixado e Héloïse Letissier está saindo
do sistema de som.
"Onde estamos indo?" Villanelle grita, o vento gelado chicoteando
seus cabelos enquanto eles balançam na Avenue des
Champs-Élysées.
"Não importa", Anne-Laure murmura de volta. "Apenas dirija."
Villanelle abaixa o pé e, gritando e rindo, as duas mulheres correm
para a escuridão cintilante da noite de Paris.

No penúltimo dia de sua licença forçada, um envelope com o nome de Eve


cai na caixa de correio do apartamento. O papel de carta é encabeçado
com a impressão do Travellers Club, em Pall Mall. A mensagem não
assinada, escrita à mão em itálico inclinado, é curta e direta:
Venha ao escritório da BQ Optics Ltd. Segundo andar, acima da
estação de metrô Goodge Street amanhã (domingo) às 10h30.
Traga esta carta com você. Confidencial.

Eve lê a nota várias vezes. O documento do Clube de Viajantes sugere que o


correspondente tenha conexões de Serviços de Segurança ou de Ministério
das Relações Exteriores, o fato de ser manuscrito e entregue à mão sugere
uma desconfiança totalmente sensível do email. Claro que poderia ser uma
farsa, mas quem se importaria?
Às 9h30 do dia seguinte, ela deixa Niko sentado à mesa da cozinha em
meio a um mar de panfletos. Ele está avaliando os custos e benefícios da
conversão do sótão

em uma fazenda hidropônica em miniatura, sustentada por


iluminação LED de baixa energia e produzindo pak choi e brócolis.
A entrada para o escritório da BQ Optics fica na Tottenham Court
Road. Observando isso ao sair da estação de metrô de Goodge Street,
ela atravessa a rua e observa o local por cinco minutos do lado de
fora da Heal's, a loja de móveis. A estação de metrô e os escritórios
do primeiro andar são revestidos com azulejos marrons e encimados
por um bloco residencial sujo. Os escritórios do segundo andar
parecem desertos.
Mas quando ela pressiona a campainha ao lado da entrada, ela é
acionada imediatamente. Uma escada leva ao primeiro andar, à sede
de uma agência de recrutamento, e daí por escadas mais estreitas
para cima. A porta do escritório da BQ Optics está entreaberta.
Sentindo-se um pouco tola, Eve a abre e se afasta. Nada acontece por
um momento, então uma figura alta de casaco entra na luz poeirenta.
Polastri? Obrigado por ter vindo. "É
a Sra. E você é?"
Richard Edwards, senhora Polastri. Me desculpe."
Ela o reconhece e fica espantada. Ex-chefe de estação em Moscou,
agora chefe da mesa da Rússia no MI6, ele é uma figura muito sênior,
de fato, no mundo da Inteligência.
- E a capa e a adaga. Desculpe por isso
também. Ela balança a cabeça, confusa.
"Entre, sente-se."
Ela atravessa. O escritório está sem aquecimento e empoeirado, suas
janelas quase opacas com sujeira. Os únicos móveis são uma mesa de aço
antiga, com duas xícaras de café Costa sobre ela e um par de cadeiras
dobráveis cheias de ferrugem .
"Adivinhei leite, mas sem açúcar."
"Obrigado, perfeito." Ela toma um gole.
"Eu tomei conhecimento da sua situação na Thames House,
senhora Polastri." "Eve, por favor."
Ele assente, seu olhar austero na penumbra da janela.
“Deixe-me economizar tempo. Você está sendo responsabilizado por
não impedir o assassinato de Viktor Kedrin nas mãos de uma mulher
desconhecida. Seu julgamento inicial não foi solicitar proteção da Polícia
Metropolitana para Kedrin, mas você mudou de idéia e achou esta decisão
bloqueada. Corrigir?"
Eve assente. "Substancialmente, sim."

“Minhas informações, e você terá que aceitar minha palavra, é que


isso não se deveu a inflexibilidade administrativa ou a problemas de
orçamento departamental. Certos elementos na Thames House, e de
fato em Vauxhall Cross, determinaram que Kedrin deveria estar
desprotegido.
Ela o encara. "Você está dizendo que oficiais dos Serviços de
Segurança conspiraram para ajudar em seu assassinato?"
"Algo parecido."
"Mas por que?"
“A resposta curta é que eu não sei. Mas definitivamente houve pressão.
Se é uma questão de ideologia, corrupção ou o que os russos chamam de
kompromat - essencialmente chantagem - é impossível dizer, mas não
faltam indivíduos e instituições que gostariam de ver Kedrin silenciado. O
que ele ofereceu foi a planta de um novo super Estado fascista,
implacavelmente hostil ao Ocidente capitalista. Não teria surgido amanhã,
mas olhe um pouco mais a jusante, e as perspectivas são sombrias. ”
"Então você acha que os responsáveis podem pertencer a algum
grupo pró-ocidental e pró-democracia?"
"Não necessariamente. Poderia facilmente ser outra roupa de direita ,
determinada a fazer as coisas do seu jeito. ” Ele olha para o trânsito na
Tottenham Court Road. “Entrei em contato com o ministro das Relações
Exteriores da Rússia na semana passada via ... vamos chamá-lo de antiga
rede de espiões. Prometi a ele que, como Kedrin fosse assassinado em
solo britânico, encontraríamos o assassino dele. Ele aceitou isso, mas
deixou bem claro que, até o momento em que o fizemos, existiria um
estado de hostilidade diplomática entre nossas respectivas nações. ”
Ele se vira para encará-la. “Eve, eu quero que você vá à Thames House
amanhã de manhã e ofereça sua demissão, que será aceita. Então eu
quero que você trabalhe para mim. Não de Vauxhall Cross, mas deste
escritório, que parecemos possuir. Você receberá um salário de nível
executivo do SIS, um representante e um suporte completo da tech-com .
Sua missão, que você processará por qualquer meio necessário, é
identificar o assassino de Victor Kedrin. Você discutirá isso com ninguém
fora da sua equipe e responderá apenas para mim. Qualquer coisa que
você precise em termos de pessoal extra - equipes de observadores ,
soldados armados - você limpará através de mim e somente através de
mim. Com efeito, você operará como se estivesse em território hostil.
Moscou governa.
Os pensamentos de Eve estão ricocheteando por todo o lugar. "Por que eu?"
ela pergunta.

"Certamente você tem ... "


“Para ser brutal, porque você é a única pessoa que eu sei que não deve
ser comprometida. Até onde a podridão se espalha, não sei dizer. Mas
olhei atentamente para o seu histórico e meu julgamento é que você é
igual à tarefa.
"Obrigado."
Não me agradeça. Isso vai ser difícil e perigoso. Quem quer que seja esse
atirador - e há ecos de várias mortes internacionais de alto nível por uma
mulher nos últimos dois anos - ela se aprofundou e está muito, muito bem
protegida. Se você aceitar isso, deverá fazer o mesmo. Cavar fundo. Ele olha
em volta da sala fria e vazia. "Vai ser um longo inverno."
Eve fica lá. Ela tem a impressão estonteante de que o mundo
desacelerou. Há um momento de intenso silêncio.
"Eu vou fazer isso", diz ela. “Eu vou caçá-la. O que for preciso.
Richard Edwards assente. Estende a mão. E Eva sabe que nada
será o mesmo novamente.

3
São quase sete da noite quando FatPanda sai do prédio cheio de
chuva na Datong Road. Junho em Xangai é um período de umidade
sufocante e chuvas frequentes. As estradas e calçadas brilham,
carros e caminhões sibilam em um estremecimento de exaustão, e o
calor sobe nas ondas do asfalto molhado. FatPanda não é jovem nem
em forma, e sua camisa logo se agarra suada às costas.
Mas está sendo um bom dia. Ele e sua equipe do Dragão Branco
lançaram um bem - sucedido ataque de spear-phishing contra uma
empresa bielorrussa chamada Talachyn Aerospace, e acabaram de iniciar
o negócio totalmente satisfatório de drenar os dados da empresa, roubar
senhas e arquivos de projetos e, geralmente, se divertir com seus mais
sensíveis em formação.
Nos oito anos de sua existência, a equipe do Dragão Branco atingiu a
melhor parte de cento e cinquenta alvos militares e corporativos. Inicialmente
nos EUA, mais recentemente na Rússia e Bielorrússia. Como a maioria de suas
vítimas, Talachyn ofereceu apenas resistência a símbolos. Há uma semana,
um funcionário júnior recebeu um e-mail que pretendia vir do diretor de
segurança da empresa, convidando-o a clicar em um link para obter
informações sobre um novo firewall. De fato, o link continha o downloader
ZeroT, uma ferramenta de acesso remoto projetada por FatPanda, dando à sua
equipe a execução dos arquivos operacionais de Talachyn.
Como estes se relacionam com projetos de aviões de caça classificados ,
serão de particular interesse para os superiores da FatPanda em Pequim. Para
o grupo Dragão Branco, não são, como alguns pensaram, meramente uma
equipe gratuita e destrutiva de hackers e anarquistas. Eles são uma unidade
de elite de guerra cibernética do Exército de Libertação do Povo Chinês,
envolvida em ataques direcionados a empresas estrangeiras, sistemas de
inteligência militar e infraestrutura. O prédio de aparência anônima na Datong
Road foi equipado com bancos de poderosos servidores de computador e
linhas de fibra ótica de alta velocidade , todos eles refrigerados por sistemas
de ar condicionado de precisão . FatPanda, o líder da equipe, é

Tenente-coronel Zhang Lei, e foi ele quem escolheu o título da


tripulação. Um dragão branco como a lua , de acordo com o
simbolismo chinês, incorpora um poder sobrenatural feroz. É um
presságio da morte. Um aviso.
Ignorando a multidão de trabalhadores domésticos e o calor úmido, o
FatPanda caminha sem pressa pela névoa noturna do distrito de Pudong,
olhando em volta dele com admiração pelos arranha-céus da cidade. Na
coluna de vidro da Torre de Xangai, a tira azul prateada do World Financial
Center e a vasta Torre Jin Mao, semelhante a um pagode . Que as coisas
sejam um pouco menos espetaculares no nível da rua, onde os mendigos
remexem nos caixotes do lixo, não é motivo de preocupação para o
FatPanda.
Ele é, de muitas maneiras, um homem inteligente e até brilhante.
Ele é certamente um cyber guerreiro letal . Mas o sucesso levou
FatPanda a cometer um erro estratégico fundamental: ele subestimou
seu inimigo. Enquanto ele e sua equipe vasculham a propriedade
intelectual de empresas estrangeiras, desviando terabytes de dados
secretos para Pequim, as agências de inteligência do mundo e as
empresas de segurança privadas não estão ociosas. Seus analistas
estão acumulando seus próprios dados: identificando endereços de
protocolo da Internet, fazendo engenharia reversa do malware da
equipe do White Dragon e seguindo suas ações, pressionando tecla
por tecla.
As informações que eles adquiriram e as identidades de FatPanda e
sua equipe foram passadas adiante. Até o momento, nenhuma
administração ocidental ou russa arriscou o confronto com Pequim
acusando diretamente o Exército de Libertação Popular de
roubo de dados patrocinado pelo Estado ; as consequências diplomáticas
seriam muito prejudiciais. Mas outros têm se preocupado menos com
essas sensibilidades. As predações do Dragão Branco custaram às
vítimas bilhões de dólares ao longo dos anos, e um grupo de indivíduos,
coletivamente mais poderosos do que qualquer governo, decidiu que é
hora de agir.
Há duas semanas, em uma reunião dos Doze em uma propriedade privada
à beira-mar, perto de Dartmouth, Massachusetts, o tenente-coronel Zhang Lei
foi alvo de votação. Todos os peixes colocados no saco de veludo eram
vermelhos.
Villanelle chegou a Xangai há uma semana.

O FatPanda passa pela multidão e pelos vapores de diesel de Pudong


em direção ao terminal de balsas da Dongchang Road. Ele foi treinado
nas técnicas de contra-vigilância, mas faz alguns anos desde que ele

praticou-os com qualquer assiduidade real. Ele está no seu próprio


território e seus inimigos estão a continentes, pouco mais do que
nomes de usuário cintilantes atrás de senhas transparentes. Que suas
ações possam ter consequências mortais nunca lhe ocorreu
seriamente.
Talvez por isso, ao entrar na balsa, ele não percebe o jovem de terno,
apenas alguns metros atrás dele, que o seguiu de seu escritório e que fala
brevemente em seu telefone antes de desaparecer na pressa. multidão na
estrada de Dongchang. Ou talvez seja apenas a mente do tenente-coronel
Zhang Lei que está em outro lugar. Pois esse príncipe de
espiões cibernéticos tem um segredo próprio, do qual seus colegas nada
sabem. Um segredo que, quando a balsa se infiltra nas correntes poluídas
do rio Huangpu, o carrega com uma emoção sombria de antecipação.
Ele olha à sua frente, vendo e não vendo o panorama iluminado do
Bund, a orla marítima de um quilômetro de comprimento na qual estão os
edifícios históricos da antiga Xangai. Seu olhar atravessa os antigos
bancos e casas comerciais sem interesse. Esses monumentos ao poder
colonial são agora hotéis de luxo, restaurantes e clubes, o playground de
turistas ricos e a elite financeira. Seu próprio destino está além dessa
fachada dourada.
Quando ele deixa a balsa no terminal de South Bund, FatPanda realiza
uma varredura superficial de seu entorno, mas mais uma vez falha ao
registrar a operação relatando seu progresso, desta vez uma jovem
mulher de uniforme de funcionário de um hotel. Quinze minutos depois,
ele deixou o Bund para trás e está correndo pelas ruelas estreitas e
cruzadas da Cidade Velha. Este distrito, repleto de compradores e turistas,
perfumado com escapamentos de ciclomotor e o sabor gordo da comida
de rua, está muito longe do monumental esplendor do Bund. As ruas
apertadas estão cobertas de roupas e laços de cabos elétricos, barracas
com mulheres agachadas estão empilhadas com produtos úmidos pela
chuva , pequenas lojas atrás de toldos com varas de bambu vendem
antiguidades falsas e calendários femininos com estilo retrô . Quando
FatPanda vira uma esquina, um cafetão em uma scooter gesticula em
direção a um interior pouco iluminado no qual fileiras de jovens prostitutas
esperam e sussurram.
Seu ritmo é urgente agora, seu coração disparado, FatPanda passa
rapidamente por essas tentações. Seu destino é um
prédio de três andares na Dangfeng Road. Na entrada, ele digita um
código de quatro dígitos . A porta se abre para revelar uma mulher de
meia idade atrás de uma recepção. Algo na fixidez de seu sorriso sugere
uma extensa cirurgia maxilofacial .

"Senhor. Leung - ela diz brilhantemente, consultando seu laptop.


"Por favor, vá em frente." Ele sabe que ela sabe que Leung não é o
nome dele, mas na casa de Dangfeng Road, uma certa etiqueta
prevalece.
O primeiro andar é dedicado a prazeres sexuais mais ou menos
convencionais. Quando FatPanda sobe as escadas, ele tem uma visão,
através de uma porta que se abre brevemente, de uma sala com
iluminação rosa e uma garota em uma camisola de boneca .
O segundo andar é totalmente mais especialista. FatPanda é
recebida por uma jovem carrancuda, vestida com um uniforme de saia
verde e branco. Ela usa um boné engomado preso aos cabelos
varridos, uma máscara cirúrgica e um avental de plástico transparente
que balança quando ela se move. Ela cheira a algum desinfetante
austero. Um crachá preso no peito a identifica como enfermeira Wu.
"Você está atrasado", diz ela friamente.
"Sinto muito", sussurra FatPanda. Ele já está tão animado que está
tremendo.
Franzindo a testa, a enfermeira Wu o leva a uma sala dominada por
uma maca, vários monitores e um ventilador. Sob a luz do teto, uma
variedade de bisturis, retratores e outros instrumentos cirúrgicos
brilham vagamente nas bandejas de alumínio.
"Tire suas roupas e deite-se", ela ordena, indicando uma camisola
rosa do hospital. O vestido mal chega aos quadris carnudos de
FatPanda e, quando ele toma seu lugar na maca com os órgãos
genitais expostos, ele se sente profundamente, emocionante e
vulnerável.
Começando com os braços, a enfermeira Wu começa a prender
uma série de telas e restrições de velcro, puxando os punhos com
tanta força ao redor do peito, coxas e tornozelos de FatPanda que ele
fica completamente imobilizado. A restrição final envolve sua
garganta e, com a alça presa, ela coloca uma máscara de oxigênio de
borracha preta sobre o nariz e a boca. Sua respiração agora é audível
como um assobio superficial e urgente.
"Você entende que tudo isso é para seu próprio bem?" diz a
enfermeira Wu. "Alguns dos procedimentos que você precisa são
altamente invasivos e podem ser dolorosos."
O FatPanda gerencia um leve gemido de dentro da máscara. Seus
olhos em pânico derraparam. Por um instante, centímetros à frente do
rosto, o avental de plástico da enfermeira Wu cai para a frente e seu
vestido se abre para revelar uma virilha gorda em um par de calcinhas
utilitárias, possivelmente militares .

"Agora!" ela diz, e ele ouve o estalo de luvas de látex. “Você precisa
de uma lavagem completa da bexiga. Então eu vou ter que fazer a
barba e cateterizar você.
FatPanda ouve a água correndo, sente o calor da temperatura do sangue
enquanto ela ensina sua região pubiana e começa a raspar com um barbeador
cirúrgico. Logo, seu pênis está se erguendo e se contorcendo como uma
marionete. Deitando a navalha, com os olhos pensativos acima da máscara
cirúrgica de três camadas , a enfermeira Wu pega um par de pinças de
travamento da bandeja. Segurando-os brevemente na frente do rosto dele, ela
aperta os dentes afiados do fórceps na base do escroto. FatPanda olha para
ela com adoração, lágrimas de dor escorrendo pelo rosto. Mais uma vez,
como se por um simples acidente, ele pudesse vislumbrar as pudendas
almofadas da enfermeira Wu. Ele ouve o tilintar do metal, sente a pinça
levantada e um momento depois sente uma sensação de fogo rasgando seu
períneo.
"Agora olhe o que você me fez fazer", a enfermeira Wu murmura
exasperada, segurando um bisturi com uma lâmina
tingida de vermelho . "Eu vou ter que costurar isso."
Rasgando um pacote estéril, ela tira uma linha de sutura de
monofilamento e começa a trabalhar. A primeira entrada da agulha faz
com que FatPanda ofegue e, quando a enfermeira Wu aperta o nó
cirúrgico, ele estremece com um prazer quase imperceptível. Franzindo o
cenho diante dessa impertinência, a enfermeira Wu pega uma sonda
banhada em cromo em uma placa de rim cheia de gelo e a insere à força
no reto do FatPanda. Seus olhos estão fechados agora. Ele está na zona, o
lugar onde o terror e o êxtase se encontram em uma maré escura e
agitada.
E então, de repente, sem som, a enfermeira Wu se foi. Os olhos do
FatPanda giram sonolentos, examinando seu campo de visão limitado
e outra figura diferente aparece. Como a enfermeira Wu, ela está
vestindo avental cirúrgico, boné, máscara facial e luvas. Mas os olhos
que estão olhando para FatPanda não são castanhos como os da
enfermeira Wu. Eles são o cinza gelado do inverno russo.
FatPanda olha para ela com surpresa nebulosa. Um novo
praticante é um desvio do cenário que ele não antecipou.
"Receio que as coisas tenham ficado muito sérias", diz ela em
inglês. "É por isso que fui chamado."
Os olhos de FatPanda brilham com antecipação temerosa. Um
cirurgião gweipo . A clínica se destacou.
Villanelle pode dizer pela expressão dele que ele entende o que ela disse.
Não que ela duvide por um momento que um homem que passou a melhor
parte

de uma década lendo os arquivos confidenciais de empresas


internacionais é fluente em inglês. De uma bolsa aos pés, ela pega um
cilindro de alumínio, com apenas trinta centímetros de comprimento.
Desconectando o fluxo de ar do tanque de oxigênio para a máscara de
borracha de FatPanda, ela o anexa ao cilindro.
O monóxido de carbono puro é inodoro e insípido. Para a hemoglobina
no corpo humano é indistinguível do oxigênio. Com a primeira corrida fria
do gás em suas narinas, FatPanda sente os fios da realidade se
afastando. Vinte segundos depois, sua respiração cessa.
Quando ela tem certeza de que ele está morto, Villanelle reconecta
a máscara de borracha ao oxigênio. Ela não tem dúvida de que
alguém com as habilidades especializadas do tenente-coronel Zhang
Lei receberá uma autópsia muito completa e que a verdadeira causa
de sua morte será rapidamente revelada, mas não há mal em plantar
algumas sementes de confusão.
Ajoelhando-se, ela examina a forma prostrada da enfermeira Wu. Quando
Villanelle apertou a mão com luvas de látex sobre a boca, enfiou uma agulha
hipodérmica no pescoço e injetou uma dose cuidadosamente medida de
etorfina, a jovem Shanghainese conseguiu um leve miado de surpresa antes
de cair nos braços de Villanelle. Minutos depois, ela ainda parece assustada,
mas sua respiração está firme; ela estará consciente novamente em meia
hora.
Como um toque artístico, Villanelle tira as calcinhas da enfermeira
Wu e as coloca sobre a cabeça de FatPanda. Então, pegando um
celular barato que comprou por dinheiro naquela tarde, ela o fotografa
de vários ângulos, nenhum deles lisonjeiro. Um clique final envia por
e-mail as fotos, com um comentário pré-escrito, para meia dúzia dos
blogueiros e dissidentes mais influentes da China. Esta é uma história
que o establishment de Pequim não poderá encobrir.
Se existe uma regra de casa comum às casas de prazer do mundo , é que o
cliente que está chegando não deve encontrar o cliente que está saindo. Na
casa de Dangfeng, uma escada traseira leva à saída, e é isso que Villanelle
agora leva, depois de trocar de uniforme cirúrgico. Do lado de fora, as ruas
estão úmidas e ainda cheias de turistas e famílias passeando, e ninguém
percebe uma jovem ocidental vestindo boné de beisebol e carregando uma
mochila pequena. Quando pressionado - e nos próximos dias e semanas
haverá perguntas difíceis nas ruas e vielas da Cidade Velha - um ou dois
observadores se lembrarão de que o boné da mulher exibia as insígnias do
New York Yankees e que seu cabelo escuro -blonde cabelo foi usado em um
rabo de cavalo,

e dessas impressões esbeltas nascerá o boato de que o suspeito é


americano. Frustrantemente para os serviços de inteligência e a
polícia, ninguém se lembrará de seu rosto.
Dez minutos a pé é suficiente para Villanelle descartar o telefone, a bateria
e o cartão SIM em lixeiras separadas de restaurantes. Os avental, luvas,
máscara e boné, juntamente com o cilindro de CO de alumínio, afundam no
leito escuro do rio Huangpu em uma sacola de compras com cordas, com
pedras.

As horas se passaram e Villanelle está deitada em uma banheira com garras


em um apartamento no décimo andar na exclusiva concessão francesa de
Xangai, meditando sobre o assassinato que ela acabou de cometer. A água é
perfumada com essência de stephanotis, as paredes são verde-jade, cortinas
de seda ondulam na brisa fraca.
Como sempre, nessas ocasiões, a corrente das emoções de
Villanelle diminui e flui. Há satisfação em um trabalho bem feito.
Pesquisa detalhada, planejamento criativo e uma matança limpa e
silenciosa. Alguém poderia ter eliminado o FatPanda com esse estilo,
com tanta facilidade? Em sua mente, ela repete seus últimos
momentos. A surpresa quando seus olhos se encontraram. Então
aquela curiosa aceitação quando ele começou a deriva nas
profundezas.
Também há satisfação na importância de seu papel. É
emocionante ficar no centro imóvel do mundo em transformação e
conhecer a si mesmo como um instrumento do destino. Compensa as
humilhações selvagens de seus anos como Oxana Vorontsova ao
saber que ela não é amaldiçoada, mas abençoada com uma força
terrível.
De todas essas humilhações, é a rejeição da professora de francês Anna
Ivanovna Leonova que ela ainda se sente mais profundamente. Uma mulher
solteira, com quase 20 anos, Leonova ficou mais do que um pouco
impressionada com os dons lingüísticos precoces de sua pupila problemática,
e ignorando a grosseria e a falta de graça de Oxana, determinada a abrir os
olhos para um mundo além dos limites cinzentos de Perm. Então houve
sessões de fim de semana no minúsculo apartamento de Anna, discutindo
Colette e Françoise Sagan, e em uma ocasião memorável uma visita ao Teatro
Tchaikovsky, para ver uma performance da ópera Manon Lescaut .
Oxana ficou confusa com a atenção. Ninguém jamais gastou tanto tempo
com ela. O que Anna Ivanovna estava lhe dando, ela percebeu, era algo
altruísta, algo próximo ao amor. Intelectualmente, Oxana entendeu essa
emoção, mas também se conhecia incapaz de senti-la. Fisica

o desejo, porém, era outro assunto, e ela ficava acordada noite após
noite, torturada por um desejo cru de sua professora que não
conseguia encontrar maneira de expressar além de um vazio sombrio.
Não que a Oxana adolescente fosse uma novata quando se tratava
de sexo. Ela tentou homens e mulheres e não encontrou dificuldade
em manipular os dois. Mas, com Anna, ela sonhava com um domínio
dos sentidos que estavam além dos atrapalhos barulhentos dos
motociclistas atrás do Bar Molotov, ou a língua áspera da guarda de
segurança feminina na loja de departamentos TsUM que a havia pego
roubando e a levou para os banheiros. e enterrou o rosto entre as
coxas de Oxana como o preço do silêncio.
Ela tentou, apenas uma vez, levar as coisas adiante com Anna. Foi a
noite em que foram a Manon Lescaut . Estavam sentados na varanda, na
última fila de assentos, e no final da ópera, Oxana inclinou a cabeça no
ombro do professor. Quando Anna respondeu, colocando um braço em
volta dela, Oxana ficou tão sobrecarregada que mal conseguia respirar.
Enquanto a música de Puccini girava em torno deles, Oxana
estendeu a mão e a colocou sobre um dos seios de Anna.
Gentilmente, mas com firmeza, Anna removeu a mão e, igualmente
firme, um momento depois, Oxana a substituiu. Este era um jogo que
ela jogara muitas vezes em sua mente.
"Pare com isso", disse Anna calmamente.
"Você não gosta de mim?" Oxana sussurrou.
A professora suspirou. “Oxana, claro que sim. Mas isso não significa ...
- O quê? Ela abriu os lábios, os olhos procurando os de Anna ao meio
Sombrio.
"Isso não significa ... isso ."
"Então foda-se, e foda-se com sua ópera estúpida", Oxana
assobiou, a raiva subindo incontrolavelmente dentro dela. De pé, ela
tropeçou em direção à saída e desceu a escada correndo para a rua.
Do lado de fora, a cidade era iluminada pelo brilho sulfuroso da noite e
rajadas de neve giravam nos faróis dos carros da
Kommunisticheskaya Prospekt. Fazia muito frio, e Oxana percebeu
que havia deixado a jaqueta dentro do teatro.
Ela estava furiosa demais para se importar. Por que Anna Ivanovna
não a queria? Essa coisa de cultura estava muito bem, mas ela
precisava mais de Anna do que isso. Ela precisava ver desejo em seus
olhos. Ver tudo o que lhe dava poder sobre Oxana - sua gentileza,
paciência, sua maldita virtude - se dissolve em rendição sexual.

Mas Anna resistiu a essa transformação. Mesmo assim, no fundo,


ela se sentia exatamente da mesma maneira, e Oxana sabia que isso
era verdade, porque havia sentido o palpitar do coração da outra
mulher sob a mão. Era intolerável, insuportável. E na porta do teatro,
uma mão enfiada na frente da calça jeans, Oxana engasgou com sua
frustração até cair de joelhos na calçada gelada.
Anna a perdoou por seu comportamento no Teatro Tchaikovsky,
mas Oxana nunca perdoou Anna e seus sentimentos por sua
professora assumiram um elenco mórbido e irritado.
Quando Anna foi agredida sexualmente, o assunto chegou à
cabeça. Pegando a faca de combate de seu pai, Oxana atraiu Roman
Nikonov para a floresta e arrumou as coisas. Nikonov sobreviveu, o
que não fazia parte de seu plano, mas, do contrário, as coisas foram
perfeitamente.
Oxana nunca foi questionada, e se ela teria preferido que sua
vítima morresse de choque e perda de sangue, pelo menos ela teve a
satisfação de saber que ele ficaria mijando por um tubo pelo resto da
vida. Ela disse isso a Anna Leonova, colocando a história aos pés de
sua professora como um gato trazendo para casa um pássaro
mutilado.
Com a reação de Anna, o mundo de Oxana entrou em colapso. Ela
esperava gratidão, admiração, agradecimento profuso. Em vez disso,
a professora a encarou em um silêncio gelado e horrorizado. Somente
Anna sabia que as condições que Oxana enfrentaria em uma
penitenciária feminina impediram que ela contatasse a polícia
imediatamente. Ela permaneceria calada, mas nunca mais queria ver
ou falar com Oxana.
A injustiça e a laceração da perda levaram Oxana à beira do
suicídio. Ela pensou em pegar a pistola Makarov do pai, dar a volta na
casa de Anna e atirar em si mesma. Tomando banho no pequeno
apartamento de Komsomolsky Prospekt com sangue e cérebro.
Talvez ela fizesse sexo com Anna primeiro; um automático de 9 mm
era um acessório de sedução bastante persuasivo.
No final, porém, Oxana não fez nada. E a parte dela que ansiava
desesperadamente fazer de Anna a sua própria simplesmente
congelou.
Deitada na água perfumada do apartamento de Xangai, Villanelle sente
sua alegria anterior deslocada por uma ressaca de melancolia. Ela vira a
cabeça

em direção à janela, uma varredura de vidro emoldurando o


crepúsculo cintilante e os telhados da concessão francesa, e morde
pensativamente o lábio superior. Em frente à janela há uma tigela
Lalique de peônias brancas, suas pétalas macias e envolventes.
Ela sabe que deveria ficar quieta. Que sair à espreita por sexo, hoje
à noite de todas as noites, seria imprudente. Mas ela também
reconhece a fome dentro de si. Uma fome cujo aperto só aumentará.
Saindo do banho, envolto em vapor, ela fica nua na frente do vidro e
considera a infinidade de possibilidades diante dela.
É depois da meia-noite quando ela entra no aquário. O clube fica no porão
de um antigo banco privado no North Bund, e a entrada é apenas por
introdução pessoal. Villanelle foi informada sobre o aquário pela esposa de
um promotor imobiliário japonês que conheceu no Peninsula Spa em
Huangpu. Nakamura, uma mulher elegante e fofoqueira, explicou a Villanelle
que ela costumava ir lá nas noites de sexta-feira. "E sozinha, e não na
companhia do meu marido", acrescentou ela, com um olhar significativo para
os lados.
Certamente o nome Mikki Nakamura é aquele que o porteiro conhece.
Ele mostra Villanelle através de uma porta interna para uma escada em
espiral que desce até uma câmara subterrânea espaçosa e
pouco iluminada . O lugar está lotado e um zumbido animado de conversa
se sobrepõe ao pulso abafado da música.
Por um momento, Villanelle fica ao pé da escada, olhando ao seu
redor. A característica mais marcante é uma parede de vidro do
chão ao teto , com talvez dez metros de comprimento. Uma sombra
em movimento escurece sua extensão azul luminosa e depois outra, e
Villanelle percebe que está olhando para um tanque de tubarões.
Martelos e tubarões passam, as luzes subaquáticas pintam suas
peles com um brilho acetinado.
Hipnotizado, Villanelle caminha em direção ao tanque. O cheiro do
clube é o de riqueza, uma mistura inebriante de flor de frangipani,
incenso e corpos perfumados por designers . No tanque, um tubarão-
tigre aparece e fixa Villanelle com seu olhar indiferente e vazio.
"Olhos mortos", diz Mikki Nakamura, materializando-se ao lado
dela. "Conheço muitos homens que se parecem com isso."
"Todos nós fazemos", diz Villanelle. "E mulheres também."
Mikki sorri. "Estou feliz que você veio", ela murmura, passando o
dedo pelo vestido qipao de seda preta de Villanelle. - Esta é Vivienne
Tam, não é? É adoravel."
Villanelle reflete o sorriso de Mikki e a elogia por sua própria roupa. Ao
mesmo tempo, ela está executando uma verificação de segurança,
examinando o clube em busca de algo ou alguém fora do lugar. Para a
figura indefinida nas sombras. Os olhos que desviam o olhar muito
rapidamente. O rosto que não se encaixa.
Sua atenção é atraída por uma figura esbelta, com um top branco e
uma minissaia. Mikki segue o olhar e suspira de Villanelle. “Sim, eu sei
o que você está pensando. Quem deixou os cães saírem?
"Menina bonita", diz Villanelle.
"Menina? Até certo ponto. Essa é Janie Chou, uma das garotas
de Alice Mao. "Quem é Alice Mao?"
“Ela é dona desse clube. Na verdade, ela é dona deste edifício. Ela
é uma das mulheres mais ricas de Xangai, graças ao comércio sexual.
"Obviamente, uma mulher de negócios."
“Essa é uma maneira de dizer. Ela certamente não é o tipo de
pessoa que você quer que esteja do lado errado. Mas deixe-me pegar
uma bebida. Os Martinis de melancia são fabulosos.
"E fabulosamente forte, aposto."
"Relaxe, querida", diz Mikki. "Divirta- se ."
Enquanto a outra mulher se junta à paixão no pequeno bar art
déco, atrás do qual um jovem elegante está agitando coquetéis,
Villanelle se deixa levar por uma multidão gesticuladora de jovens
chineses, todos vestidos de designers a menos de um centímetro de
sua cintura. vidas.
"Eu não acho que você tem o que eles querem", diz uma voz suave
ao seu lado. "Mas eu posso ter o que você quer."
Villanelle olha nos bonitos e revirados olhos de Janie Chou. "E o
que é isso?"
“Experiência de namorada completa? Beijando na boca, muita
chupada e foda, depois eu cozinho para você?
“Talvez não hoje à noite. Eu tive um dia de matança.
Janie se inclina para perto, para que Villanelle possa sentir o cheiro
das flores de jasmim em seus cabelos. "Eu tenho caranguejos", ela
sussurra.
Villanelle levanta uma sobrancelha.
"Não bobo! Na minha geladeira, não na minha horta! Caranguejos
peludos. Muito caro."
Mikki se aproxima com dois copos de Martini cheios e entrega um a
Villanelle, ignorando Janie. "Alguém que eu quero que você conheça", diz ela,

pegando o braço de Villanelle e a


afastando. "O que são caranguejos
peludos?"
"Uma iguaria local", diz Mikki. "Ao contrário daquela prostituta pequena."
Ela apresenta Villanelle a um jovem bonito e malaio em um terno
de vidente. "Este é Howard", diz ela, claramente ansiosa pela
aprovação de Villanelle. "Howard, conheça Astrid."
Eles apertam as mãos e Villanelle convoca os detalhes de sua história de
capa. Astrid Fécamp, colunista de 27 anos do Bilan21 , um boletim de
investimentos em língua francesa. Como todas as suas lendas, esta foi
cuidadosamente construída. Se alguém quiser investigar online Mademoiselle
Fécamp, descobrirá que ela é editora colaboradora do Bilan21 há dois anos e é
especialista em futuros petroquímicos.
Mas Howard está muito ocupado fazendo elogios a Mikki para se
preocupar com essas minúcias. "Fúcsia!" ele respira, recuando para
admirar seu vestido de cocktail Hervé Léger. "A cor perfeita para você."
Privadamente, Villanelle acha que a cor é um desastre. Contra sua
pele pálida de marfim, Mikki se parece com a mãe de Howard. Mas
talvez seja isso que Howard goste.
"Então, o que você faz?" Villanelle pergunta. "Você está no
negócio da moda?" “Não como tal. Eu tenho um spa conceitual
em Xintiandi.
"É o paraíso", Mikki respira. "Há um jardim de rochas, uma fonte de gelo
de Evian e monges budistas para alinhar seus chakras e pentear seus
cabelos."
“Parece fabuloso. Tenho certeza que meus chakras estão
todos fodidos. "Bem então." Howard sorri. "Você deve vir
visitar."
Assim que consegue decentemente se retirar, Villanelle os deixa
em paz. Circulando, copo de Martini na mão, ela logo se vê cara a cara
com os tubarões novamente. E, momentos depois, com Janie Chou.
"Venha comigo", diz Janie, seus traços suaves no brilho lunar do
tanque. "Alguém quer te conhecer."
"Who?"
"Venha." Sua mão magra pega a de Villanelle.
Em uma alcova com pouca luz , uma mulher está sentada sozinha,
percorrendo as mensagens em seu telefone. Ela é euro-asiática e,
quando levanta os olhos para dispensar Janie com um movimento
casual de uma mão, Villanelle vê que ela tem olhos
verde-esverdeados.
"Janie está certa", diz a mulher. "Você é linda. Você não vai se sentar?

Villanelle inclina a cabeça em aceitação. Do jeito proprietário da


mulher, ela acha que essa é Alice Mao.
"Assim. Você gosta do meu clube?
"É divertido. As coisas podem acontecer aqui.
"Confie em mim, as coisas fazem." Diversão toca os olhos
verdes de vidro . “Você vai tomar um chá? Um desses Martinis é
suficiente, na minha experiência.
"Isso seria legal. Meu nome é Astrid, a propósito.
“Combina com você. A minha, como você sabe, é Alice. Qual é a
sua ocupação, Astrid?
Previsão financeira. Escrevo para um boletim de
investidores. ” Alice Mao faz uma careta. "Você
sabe?"
"Sim." Villanelle mantém o olhar. "Eu faço."
"Eu conheci muitas pessoas de finanças no meu tempo, Astrid, e
nenhuma delas é remotamente parecida com você."
"Então, como eu sou?"
"Com base em nosso breve conhecimento, eu diria que você é
como eu." Villanelle sorri, permitindo que o olhar frio de Alice encha
suas veias.
Algo nos traços da outra mulher, a maneira como a linha esticada de sua
bochecha suaviza na curva do queixo, a agita. Ela sabe que esses sentimentos
são perigosos, mas há momentos em que o sigilo e a cautela quase feroz com
que ela tem que conduzir sua vida se tornam insuportáveis.
Alice olha para o telefone. Ela está de pé, seu vestido
azul-meia-noite ondulando com o mesmo brilho subaquático dos
tubarões. "Me siga."
Ela leva Villanelle a uma porta e um elevador. O barulho e a música
morrem, há uma subida vertiginosa, e Villanelle segue Alice até um
apartamento na cobertura, tão pouco iluminado quanto o clube. Há
uma tela dobrável de folha de ouro e pinturas contemporâneas
sombrias nas paredes, mas a sala é dominada por uma extensão
dramática da janela de vidro . Muito abaixo deles está a cidade, seu
brilho alastrado tornado vago por uma mortalha de fumaça.
“A prostituta da Ásia. É assim que costumavam chamar Xangai. E
ainda é verdade. Este apartamento, o clube, este prédio ... Tudo pago
por sexo. Chá?" Ela indica uma mesa lateral iluminada. “É a agulha de
prata da província de Fuding. Eu acho que você vai gostar.
Villanelle bebe a infusão pálida. Tem gosto de encostas perfumadas e
varridas pelas chuvas. "Eu poderia torná-lo muito rico", diz Alice. “Eu
tenho clientes que pagariam

muito dinheiro por uma noite com você. "


Villanelle olha para a noite. Ela pode sentir o cheiro da outra mulher
e seus cabelos. E você, Alice. O que você pagaria por mim? Aqui e
agora?
Alice olha para ela, seu sorriso inabalável. "Cinqüenta mil
kuai ." "Cem mil", diz Villanelle.
Alice inclina a cabeça, pensativa, depois dá um passo para encarar
Villanelle. Olhos verdes encontram cinza. "Por cem mil kuai ", diz ela,
desfazendo o botão coberto de seda na gola de Villanelle, "eu esperaria
muito."
Villanelle assente, e fica ali, imóvel, enquanto os dedos de Alice se movem
por seu vestido qipao. Ela fecha os olhos, sente a seda levantada dos ombros
e a roupa de baixo removida. Nua, ela sente o chão inclinar sob seus pés. Ela
tenta falar o nome de Alice, mas aparece como Anna, e quando ela tenta
sussurrar "foda-me", o que ela realmente diz é "me mate".

Quatro dias depois, Eve Polastri e Simon Mortimer saem do ambiente


climatizado das chegadas do aeroporto de Pudong, construindo o
calor de 30 graus do ponto de táxi. É meia-noite. A umidade
contaminada pelo escapamento rola sobre eles como uma onda. A
Eve sente seu couro cabeludo umedecer e seu twinset de algodão da
H&M murcha sobre seus ombros.
Com sardas e cabelos grisalhos, suas feições livres de maquiagem,
Eve sabe que ela não é o tipo de mulher que é notada. Desde o
desembarque, uma hora antes, a única pessoa que lhe deu uma
segunda olhada é o funcionário da alfândega chinesa que verificou
seu passaporte, talvez impressionado com a intensidade silenciosa de
seu olhar. Tanto ela como Simon parecem mais velhos do que seus
anos. Seus colegas viajantes da British Airways, se já pensaram no
assunto, assumiram que são um casal.
Simon olha para ela carinhosamente. Ela o lembra de um
estorninho ou um sapinho, um daqueles pássaros que patrulham o
gramado com olhos afiados e bicos pontudos. Os
caçadores-assassinos do mundo da inteligência, como os do reino
animal, geralmente têm plumagem monótona.
Eve acha sua própria aparência misteriosa. "Você acha que eu
posso ser bonita?" ela perguntou à mãe, pouco antes de ir para
Cambridge para ler Criminologia e Psicologia Forense.
"Eu acho você muito inteligente", respondeu a mãe.

Seu marido, Niko, um professor de matemática polonês , disse a Eve


que ela era linda. "Seus olhos são como o mar Báltico", disse ele,
passando um dedo pela bochecha transparente e pálida. "A cor da
gasolina."
"Você é um babaca." "Só
quando eu quero sexo."
"Um mentiroso e um
pervertido."
Ele encolheu os ombros. "Eu não casei com
você por sua comida." Ela já sente falta dele.
Apontando um táxi, um Volkswagen Santana verde, Simon dá ao
motorista o endereço do hotel.
"Eu não sabia que você falava mandarim", Eve diz.
Simon passa a mão pela mandíbula áspera . “Fiz um ano disso na
universidade. Se esse cara começa uma conversa real, eu estou
empalhada.
"Então ele sabe onde fica o Sea Bird Hotel?"
"Acho que sim. Sua expressão sugeria que ele não pensava muito
nisso. "Vamos ver. Discreto foi como Richard Edwards descreveu.
A visita de Eve e Simon é estritamente não oficial, portanto não há
ninguém da estação MI6 de Xangai para encontrá-los. De fato, tudo sobre
seu status é irregular. Desde seu recrutamento por Edwards para
investigar o assassinato de Kedrin, uma operação estritamente
fora dos livros, Eve não entrou em contato com nenhum de seus ex-
colegas. Em vez disso, dia após dia, semana após semana, ela foi até o
escritório apertado e sujo da estação de metrô Goodge Street. Lá, com o
sofredor Simon, ela percorre arquivo após arquivo classificado, olhando
para a tela do computador até a cabeça latejar e os olhos doerem de
cansaço, em busca de qualquer coisa - um sussurro, uma reflexão tardia, o
fantasma de uma pessoa. sugestão - isso pode levá-la para mais perto da
mulher que assassinou Viktor Kedrin.
E ela não chegou a lugar nenhum. Ela identificou vários
assassinatos políticos e criminais de alto perfil nos quais há rumores
de que uma mulher estava envolvida, e um punhado que ela tem quase
certeza de que foi executada por uma atiradora. Ela assistiu, mais
vezes do que consegue se lembrar, a gravação do circuito interno de
televisão do hotel de Kedrin em Londres, no qual seu assassino pode
ser visto indo e vindo. Mas as imagens são manchadas e indistintas,
mesmo quando totalmente aprimoradas, e o rosto da figura nunca é
visível.
Quando não está vasculhando o ciberespaço, Eve seguiu as linhas de
investigação do mundo real apresentadas pelo caso Kedrin. Mas todos os
leads, não importa quão inicialmente

promissor, a colocou contra uma barreira suavemente impermeável.


Não há testemunha, nenhuma evidência forense, nenhuma balística
útil, nenhum rastro de dinheiro ou papel. Em um certo ponto, tudo
acaba.
Apesar dessa falta de progresso, Eve tem um senso da mulher que
está caçando. A mulher que ela às vezes chama Chernaya Roza - Rosa
Negra - depois da munição russa de 9 mm de ponto oco usada para
matar Kedrin e seus guarda-costas. Eve acha que sua Rosa Negra
está na casa dos vinte anos, é muito inteligente e solitária. Ela é
audaciosa, fria sob pressão e extremamente hábil em compartimentar
suas emoções. Com toda a probabilidade, ela é uma sociopata,
totalmente desprovida de afeto e consciência. Ela terá poucos ou
nenhum amigo, e os relacionamentos que ela formar serão
esmagadoramente manipuladores e de natureza sexual. Matar, com
toda probabilidade, será necessário para ela, com cada assassinato
bem-sucedido mais uma prova de sua intocabilidade.
Faz menos de vinte e quatro horas desde que Richard Edwards entrou
sem aviso prévio no escritório, sobre a estação de metrô.
"Alguém já limpou este lugar?" ele perguntou, com vago desgosto. Sim,
sim. E muito ocasionalmente eu. Desculpe se não cabe
Padrões Vauxhall Cross. Pedimos mais alguns sacos de aspirador de pó.
“Bem, isso é algo pelo que esperar. Enquanto isso ... - Ele abriu a maleta aos
pés e tirou dois passaportes bem usados e um maço de bilhetes de avião e
horários. Você está indo para a China. Esta noite. Alguém retirou o líder de sua
equipe de guerra cibernética em Xangai e
pensa-se que o golpe foi realizado por uma mulher.
Levou menos de cinco minutos para atualizá-la com a morte do
tenente-coronel Zhang Lei. “Seu resumo”, ele disse a ela, “é fazer um
contato discreto com o MSS, o Ministério de Segurança do Estado da
China, e transmitir minhas garantias de que o assassinato de Zhang
não foi patrocinado, permitido ou executado por nós. Além disso,
você deve oferecer a eles qualquer assistência que possam precisar
na investigação do assassinato, inclusive compartilhando nossas
suspeitas sobre uma assassina contratada. ”
"Eu tenho um contato no MSS?"
"Sim. O nome dele é Jin Qiang. Eu o conheci em Moscou, quando ele
era o chefe de estação de lá, e ele é um bom homem. Desde então, ele e
eu mantivemos

certos canais da porta traseira se abrem. Ele sabe que você vem.
“Ele não vai se perguntar por que está lidando comigo, em vez de
um dos oficiais da estação local? Quem presumivelmente já está no
caso.
“Ele acha que há sensibilidades. Razões pelas quais você não pode
entrar sob cobertura oficial.
"Então, nós fazemos contato com a estação MI6?"
Edwards levantou-se, caminhou até a janela e olhou através da
sujeira para o tráfego. “Por uma questão de segurança, devemos
assumir que a conspiração para cobrir os rastros dessa mulher tem
alcance global. Se ela estiver matando pessoas em Xangai, elas terão
pessoas lá. Possivelmente nosso pessoal. Então você precisa ficar
longe deles. Não podemos confiar em ninguém.
"Quanto posso dizer ao cara do MSS?"
“Jin Qiang? No que diz respeito à nossa assassina, você não tem nada
a perder, dando a ele tudo o que tem. Ele bebeu o café e jogou o copo de
papel na lixeira. "Precisamos pegá-la, ele precisa pegá-la."
A porta se abriu. "Sabe, estou convencido de que a estação da
Goodge Street é um portal para o inferno", disse Simon, encolhendo a
bolsa do computador dos ombros sobre a mesa. "Acabei de ter um
momento tão Buffy ..." Ele congelou. "Oh, olá, Richard."
Olá, Simon. Bom Dia."
"Nós estamos indo para Xangai", disse Eve, e se perguntou o que
diabos ela iria contar a Niko.

"Olhe para isso", diz Simon, abaixando a janela do táxi e inundando-a


com a noite quente. "É extraordinário."
E isso é. Eles estão se aproximando da Ponte Nanpu, com vastos
blocos de escritórios à direita e esquerda deles, suas inúmeras janelas
pontilhadas de ouro contra o roxo machucado do céu. E de repente o
cansaço de Eve evapora, e ela fica tonta com a novidade de tudo. Tudo
é sobre dinheiro e lucro. Você pode vê-lo nos arranha-céus, cheirar nos
vapores de diesel, prová-lo no ar da noite. A fome. Os altos riscos e os
enormes retornos. A sensação desenfreada de que mais é mais.
É uma impressão confirmada quando eles atravessam a ponte.
Abaixo deles, barcos enfeitados com pequenas luzes cobrem a
extensão escura do rio. À direita, em esplendor iluminado, espera o
Bund.

"Como você se sente?" Eve pergunta a ele.


Ele se inclina para a frente, com a jaqueta de linho dobrada no
colo. "Não tenho certeza. As coisas ficaram muito estranhas
recentemente.
"Ela está lá fora", Eve murmura. "Nossa Rosa Negra."
"Não sabemos ao certo que foi ela quem matou o hacker."
"Oh, era ela mesmo."
“Supondo que sim. Por que ela ficaria por
aqui? "Você não consegue adivinhar?"
"Não. Para ser sincero com você, não
posso. “Para mim, Simon. Ela está me
esperando.
“Agora você está realmente começando a parecer louco. Estou
colocando isso no jet lag.
"Você espera."
Ele fecha os olhos. Cinco minutos depois, eles estão no hotel.
É só quando ela está em seu quarto, um espaço funcional cujas
paredes esbranquiçadas são decoradas com um único calendário
desatualizado , que ela se permite pensar em Niko. A ligação depois
que Edwards saiu do escritório foi horrível. Já teria sido fácil pensar
em uma matéria de capa, mas ela não conseguiu mentir e disse a
Niko simplesmente que ela tinha que ir embora por alguns dias. Ele
ouviu, disse "Entendo" e desligou. Ele não tem idéia de onde ela está
ou quando voltará para casa. Eve olha pela janela. Há uma estrada e
além dela o brilho escuro da água. Um conjunto de casas flutuantes,
mostrando luzes fracas.
Ela ama Niko, e o está machucando profundamente, e isso é
especialmente angustiante porque, apesar de toda a sua sabedoria e
experiência, ela não consegue deixar de pensar em si mesma como sua
protetora. Ela está protegendo-o da verdade sobre si mesma. Do lado dela
que ele sabe que existe, mas que ele escolhe não reconhecer. O lado dela
que é totalmente absorvido pela mulher que ela está caçando, e o mundo
escuro e refratado em que ela existe.

"Eles estão hospedados no Sea Bird Hotel, em Suzhou Creek", diz


Konstantin. "Eles entraram na noite passada."
Villanelle assente. Os dois estão sentados no apartamento no
décimo andar da concessão francesa. Sobre a mesa, há uma garrafa de
água mineral da Geleira Tibet, dois copos e um maço de cigarros Kosmos.

"O que significa que eles não estão aqui oficialmente", continua
Konstantin. "O Sea Bird é muito barato, para os padrões de Xangai."
Villanelle olha para o brilho pálido do céu. "Então, por que você
acha que eles vieram?"
“Nós dois sabemos por que eles vieram. A mulher Polastri estava
fazendo perguntas em Londres após a morte de Kedrin, como eu lhe
disse na época. Se ela está aqui, é porque ela fez as conexões certas.
“O que significa que ela é inteligente. Ou com sorte. E que eu
preciso dar uma olhada nela.
"Não. Isso seria imprudente. Tenho certeza de que Polastri não
tem idéia do que está acontecendo, mas isso não significa que ela
não é perigosa. Deixe-a comigo e volte para Paris. Precisamos
encerrar esta operação. O hacker está morto e você precisa
desaparecer.
"Eu não posso fazer isso."
Sua expressão endurece. “Não é assim que eu quero que as coisas
estejam entre nós, Villanelle. Não quero ter que negociar todas as
decisões.
“Eu sei que você não. Você quer que eu seja sua boneca
assassina. Me enrole, me aponte para o alvo, bang bang e de volta na
minha caixa. Ela o olha nos olhos. "Desculpe, mas não é assim que eu
funciono hoje em dia."
"Eu vejo. Então, como você funciona
exatamente? "Como um pensamento,
sentindo o ser humano."
Ele desvia o olhar. “Por favor, Villanelle, não me fale sobre
sentimentos. Você é melhor que isso. Somos melhores que isso.
"Nós somos?"
"Sim. Nós vemos o mundo como ele é. Um lugar onde há apenas
uma lei: sobrevivência. Você sobrevive muito confortavelmente, não
é?
"Talvez."
“E por que isso? Como você aceita ou aceita alguns incidentes
imprudentes, você obedeceu às regras. O que eu te disse em
Londres?
Ela desvia o olhar irritada. “Que eu nunca estou completamente
seguro. E que eu nunca deveria confiar totalmente em ninguém.
"Exatamente. Lembre-se disso e você está bem. Esqueça e você
está ferrado. Ele pega os cigarros. "Esqueça e estamos todos
fodidos."
Franzindo a testa, Villanelle caminha até a porta de vidro da
sacada e a abre. O ar úmido enche a sala.
"Preocupado com sua saúde?" Konstantin pergunta, acendendo um Kosmos.
"Eu iria

pensaram que uma bala na parte de trás da cabeça era uma preocupação
mais premente. " Ela olha para ele. O cheiro acre de tabaco a lembra de
seus primeiros
dias juntos. Na Rússia, ele deve ter fumado pelo menos um maço por
dia. “Então quem vai atirar em mim? Eve Polastri? Acho que não."
- Confie em mim, Villanelle, o pessoal dela o matará sem pensar
duas vezes. Uma palavra de Polastri para Edwards, e o MI6 enviará
uma equipe de ação do E Squadron. É por isso que você tem que sair
agora . Xangai é um grande lugar para quem é chinês Han, mas é uma
cidade muito pequena, se não é. Você poderia encontrá-la em
qualquer lugar.
“Eu não vou, não se preocupe. Mas eu tenho um jeito de chegar até
ela. E talvez descobrir o que ela sabe.
"Realmente?" Ele exala fumaça de cigarro, que se afasta com a
brisa quente. "E você poderia me dizer como?"
Ela faz isso, e por um longo tempo ele fica em silêncio. "É muito
perigoso", diz ele eventualmente. “Muitas variáveis. Poderíamos
acabar atraindo exatamente o tipo errado de atenção. ”
"Você me disse uma vez que esse tipo de operação era uma
especialidade sua." Ela o olha especulativamente. “Medo, sexo e
dinheiro, você disse. Os três grandes persuasores.
"É muito perigoso", ele repete.
Ela desvia o olhar. “Podemos nunca ter essa chance novamente.
Não podemos nos dar ao luxo de não aceitar.
Ele se levanta. Anda para a varanda. Termina o cigarro, tomando o
tempo necessário, e joga a ponta no espaço. "Se fizermos isso", diz
ele. “Você fica fora da vista. Eu faço a peça. Acordado?"
Ela sorri, sua expressão feroz.

"Merda", diz Eve, olhando para o telefone. "Isso é um


começo ruim." "Diga-me", diz Simon.
Ela se senta em sua cama de hotel desfeita. O quarto é pequeno, com
móveis de bambu gastos e uma vista distante do riacho. Roupa íntima é
visível na mala aberta de Eve, e ela deseja que eles tenham concordado
em se encontrar lá embaixo.
"É Hurst." Ela entrega o telefone para ele. "A trilha do cartão de
crédito Fanin está morta."
A DCI Gary Hurst é o oficial de investigação sênior do Viktor Kedrin

caso. Ele vem acompanhando uma parte solta que, apenas


concebivelmente, pode indicar um erro por parte daqueles que
iniciaram o assassinato de Kedrin. Parece que o roubo do cartão
usado por Lucy Drake para fazer o check-in no hotel foi denunciado à
polícia por Julia Fanin, mas não ao seu banco. Como conseqüência, o
registro do hotel passou desmarcado.
Essa discrepância intrigou Hurst, especialmente quando Fanin insistiu
que havia telefonado para o número do cartão perdido e roubado do
banco, uma reivindicação validada por seus registros de celular. Acontece
que os serviços de suporte de cartão de crédito do banco são
terceirizados para uma empresa de call center localizada perto de
Swindon, no sudoeste da Inglaterra, e a investigação de Hurst concluiu
que um dos funcionários da empresa descongelou o cartão depois que ele
foi declarado desaparecido. , para que permanecesse utilizável. Milhares
de libras em roupas, vôos e contas de hotel foram cobrados na conta
durante um período de duas semanas , no final do qual as despesas
cessaram. É aí que a investigação parou. O texto de Hurst diz:

No momento, trabalha com mais de 90 funcionários que podem ter


atendido a ligação de JF. Mas os registros relevantes foram excluídos
para não ter certeza do resultado.

“E mesmo que por algum milagre ele obtenha um resultado, é um


certificado morto que nós apenas acertamos outro recorte”, diz
Simon, retornando o telefone de Eve.
Ela coloca na bolsa. “Vamos ver Jin Qiang. O táxi deve estar
esperando lá embaixo.

Inaugurado em 2009, o primeiro edifício novo no Bund por setenta


anos, o Peninsula Hotel é assustadoramente grandioso. O saguão é
em estilo art déco, com um poema em tom de marfim e ouro velho.
Os tapetes são vastos, a conversa muda. Paquete de
uniforme branco se apressa discretamente entre a vasta recepção e
os elevadores quase silenciosos .
No catálogo on-line, o vestido verde-hortelã de Eve foi descrito como
um “chique, material de escritório de verão”, mas ao se ver no espelho do
elevador, ela sente que está atingindo a nota errada. O vestido é sem
mangas e ela se barbeia - a axila ainda doí muito -, de alguma forma, ela
precisa realizar uma reunião vital com um oficial sênior do Ministério de
Segurança do Estado da China sem nunca levantar o braço direito.

Jin Qiang está sozinho na suíte. É vasto, com iluminação suave e


um luxo repousante. Cortinas azul-celeste emolduram a vista do rio e,
mais distante, os arranha-céus de Pudong.
"Sra. Polastri, Sr. Mortimer. É um grande prazer. ”
"Obrigado por concordar em nos ver", diz Eve, enquanto ela e
Simon se abaixam em poltronas estofadas de seda .
“Tenho lembranças mais afetuosas de Richard Edwards. Confio
que ele esteja de boa saúde?
Por alguns minutos, as sutilezas são observadas nos dois lados.
Jin é uma figura falada em voz baixa em um terno cinza . Ele fala
inglês com um leve sotaque americano. A intervalos, um olhar de
melancolia refinada toca seus traços, como se estivesse entristecido
pelos caprichos do comportamento humano.
"O assassinato de Zhang Lei", Eve começa.
"Sim, de fato." Ele une os dedos longos e bem cuidados.
"Desejamos transmitir nossas garantias de que esta ação não foi
patrocinada, executada ou de qualquer forma permitida por agentes do
governo britânico", diz Eve. “Tivemos nossas diferenças com o seu
ministério, principalmente com relação às atividades dos indivíduos que
se autodenominam Dragão Branco. Uma unidade, temos razões para
acreditar, dos militares chineses. Mas não é assim que escolheríamos
resolver essas diferenças. ”
Jin sorri. "Sra. Polastri, você está enganado ao pensar que o grupo
Dragão Branco faz parte do Exército de Libertação do Povo Chinês.
Eles e outros como eles são apenas criadores de travessuras, agindo
sem referência a ninguém. ”
Eve inclina a cabeça diplomaticamente. Essa, ela sabe, é a linha
oficial de todos os ataques cibernéticos originários da China.
"Estamos aqui em Xangai para ajudar da maneira que pudermos",
diz Simon. "Especialmente com referência ao assassino do tenente-
coronel Zhang."
"Ele era, temo, simplesmente o Sr. Zhang."
"Claro. Me desculpe. Mas entendemos que Richard Edwards lhe
comunicou nossas suspeitas sobre uma assassina?
"Ele tem. E estou ciente das circunstâncias que cercam a morte de
Viktor Kedrin.
Eve se inclina para frente em sua cadeira. “Deixe-me ir direto ao ponto.
Acreditamos que a mulher que matou Kedrin também matou Zhang Lei.
Acreditamos que ela não está agindo sozinha, mas em nome de uma
organização de considerável alcance e
poder."
- Isso é realmente direto ao assunto, senhora Polastri. Posso
perguntar o que Zhang Lei e Viktor Kedrin tinham em comum, que
ambos deveriam ser ... eliminados por esta organização? ”
“Nesta fase, é difícil dizer. Mas eu repetiria que nem nós nem
nossos colegas americanos tivemos qualquer ajuda na morte de
Zhang Lei. Nem o de Viktor Kedrin.
Jin cruza as mãos no colo. "Eu devo aceitar suas garantias."
Eve está subitamente consciente do corte debaixo do braço. Por
um momento medonho, ela se pergunta se deixou uma mancha de
sangue no estofamento de seda de sua cadeira. "Posso ser sincero
com você?" ela pergunta.
"Por favor faça."
“A crença de Richard Edwards, que compartilhamos, é que uma
organização secreta - ainda não identificada - está cometendo esses
assassinatos. Não sabemos o seu propósito ou agenda. Não
sabemos quem são ou quantos. Mas suspeitamos que eles tenham
pessoas colocadas em nossa própria organização e também no MI5,
para quem eu trabalhava. E quase certamente em outros serviços de
inteligência. ”
Jin faz uma careta. "Não tenho certeza de como posso ajudá-lo."
Eve sente a reunião escorregando de suas mãos. “Nosso único
caminho a seguir, como estão as coisas, é seguir o dinheiro. Existe
alguém nos serviços de segurança ocidentais, Sr. Jin, que você
conhece ou suspeita ser pago por uma organização como eu
descrevi?
O silêncio gira vertiginosamente ao seu redor. Ela sente o choque
de Simon com a impropriedade de sua pergunta.
Os traços de Jin permanecem impassíveis. "Talvez possamos
pedir um chá", ele sugere.

"Você viu meu casaco preto?" Villanelle pergunta. "A Annabel Lee, com
os botões de pérola?"
Em resposta, Alice Mao geme. Ela está deitada em sua cama em frente
a um jovem com feições cinzeladas e um corpo em forma de academia
que brilha como teca oleada. Ambos estão nus. Sob o lençol de seda, a
mão do homem está se movendo ritmicamente entre as pernas de Alice.
São duas e meia da tarde.
"Eu tenho certeza que deixei aqui em algum lugar", murmura Villanelle.

Exasperada, Alice rola de bruços. "Por favor. Apenas vem para a


cama? "Eu tenho que ir às compras."
“ Agora?
Villanelle
encolhe os
ombros.
"Ken é muito procurado, você sabe", diz Alice. "Ele está nos
fazendo um grande favor, nos encaixando assim."
Villanelle conhece a história de Ken, porque Alice contou a ela. Como
ele era um estudante da Universidade de Hong Kong, completando uma
dissertação de mestrado sobre a poesia tardia de Sylvia Plath, quando foi
visto com talento na sauna a vapor de um hotel. Como ele se tornou Ken
Hung, a estrela pornô mais famosa da China.
Como se fosse uma sugestão, Ken joga as folhas de volta. "Senhoras, temos
madeira!"
Alice engasga. “Oh meu Deus, é como nos filmes. Maior, até.
Querida, pelo menos tenha um pequeno derrame.
“Desculpe, mas eu realmente não quero essa coisa perto de mim.
Eu só quero meu casaco preto. Villanelle faz uma careta. "Você não
sabe em algum lugar que eu posso comprar coisas legais de cozinha,
não é?"
"Você poderia experimentar o Putua Parlour em Changhua Lu", diz
Ken, complacentemente em relação ao pênis mais famoso da China.
“Eu pego todos os meus utensílios de cozinha lá. Sou um grande fã de
Nigella.
Uma hora depois, Villanelle está passeando por um dos muitos corredores
do Putua Parlor, observando o posicionamento das câmeras de CFTV. É uma
loja de armazém para o comércio de restaurantes, oferecendo todos os
aparelhos e embarcações imagináveis. Prateleiras e prateleiras são
empilhadas com panelas, frigideiras, vapores, panelas, assadeiras e utensílios
de cozinha reluzentes. Existem elaborados estandes para bolos, fantásticas
formas de gelatina e um corredor inteiro de woks. Pequenos woks para fritar
camarões individuais, woks do tamanho de jacuzzi , com capacidade
suficiente para um boi inteiro.
O local tem apenas um punhado de clientes. Há um jovem casal
calmamente discutindo sobre Kebab-espetos, um assediado-olhando
homem carregando um carrinho com bambu dim-sum vapor, e uma
mulher idosa resmungando para si mesma enquanto ela pega através
dos Melão-goleadores.
No último corredor, Villanelle encontra o que está procurando. Talhadores.
Cutelos de lâmina fina para cortar e cortar em cubos, picadores de ossos
pesados para cortar e desmembrar. Seus olhos pousam em um chukabocho ,
um cutelo feito localmente com uma lâmina de aço carbono de 25 onças e
uma alça de bordo de tigre . É bom na mão dela. Dois minutos depois, ela sai,
pagando uma dúzia de copos de coquetel e vários conjuntos de guarda-
chuvas de papel. De alguma forma, invisível pelas câmeras de CFTV, a

chukabocho chegou ao fundo de sua bolsa de ombro.


"OK, eu admito", diz Eve. "Eu estou nervoso."
"Você já esteve em encontros antes, não é?"
“Este não é um encontro. É uma consulta com o chefe do Serviço
Secreto Chinês.
"Se você diz. Eu acho que ele gosta de você.
“Simon, por favor. Você não está ajudando. Eu me sinto muito
desconfortável com este vestido. E esses sapatos. Eu mal posso
andar.
"Você parece adorável. Quando você vai encontrá-lo?
“Ele está me pegando lá em baixo em dez minutos. Quais são seus planos?"
"Eu pensei que poderia dar um passeio pelo Bund." Ele encolhe os
ombros. "Talvez procure um coquetel em algum lugar."
“Bem, seja bom. Vou esperar lá embaixo.
"Diverta-se."
Ela lança um olhar sarcástico para ele e oscila um pouco em seu novo
vestido de Lilian Zhang e nos estiletes de Mary Ching - a perspectiva de enviar
a declaração de despesas faz com que seu sangue esfrie - faz uma última
verificação no espelho. Ela parece, ela é forçada a admitir, muito bem. O
cabeleireiro do hotel até colocou seus cabelos em algo parecido com um pão
francês.
"Você não acha que a maquiagem é
demais?" "Não! Agora vá .
O convite foi uma surpresa, para dizer o mínimo. A reunião na suíte
Peninsula havia parado mais ou menos depois do interrogatório de Eve
sobre Jin Qiang. Os espiões, mesmo entre si, são altamente relutantes em
admitir que se envolvem ativamente na espionagem. Após mais uma hora
de discussão sobre o assassinato de Zhang Lei, no decorrer do qual Eve
entregou um dossiê preparado sobre a investigação do assassinato de
Kedrin, Jin interrompeu a reunião e conduziu ela e Simon ao saguão.
Lá, em meio à grandiosidade art déco, o mesmo elenco de tipos de
negócios parecia estar envolvido nas mesmas conversas abafadas.
Quando eles apertaram as mãos sob o pórtico, Jin hesitou. "Sra.
Polastri, eu gostaria muito de mostrar uma coisa de Xangai. Você está
por acaso livre esta noite?
"Estou", disse ela, surpresa.

"Excelente. Eu ligo para você no seu hotel às oito horas.


Ela abriu a boca para agradecer, mas ele já estava deslizando
silenciosamente para longe.
Ele chega às 20:00 precisamente. Ele está em uma scooter,
vestindo um terno preto e camisa branca de gola aberta e parece um
homem muito diferente do cauteloso agente de inteligência que Eve
conheceu poucas horas antes.
"Sra. Polastri, você parece ... espetacular. Com um sorriso cortês,
ele lhe entrega um pequeno buquê de violetas frescas, amarradas
com uma fita de seda.
Eve está encantada e, pensando em Niko ensinando matemática do
GCSE a uma classe de adolescentes entediados a meio mundo de
distância, ela sente uma pontada de culpa. Agradecendo a Jin, ela envolve
as violetas orvalhadas em um lenço de papel e as coloca em sua bolsa.
"Pronto?" ele pergunta, passando um capacete para ela.
"Pronto." Ela se arruma para a sela lateral, como já viu mulheres
xangai.
Eles entram no tráfego e entram na East Nanjing Road. A rua, uma
das mais movimentadas de Xangai, está entreaberta e cheia de
gases. Jin tece a scooter habilmente entre os veículos que rastejam e
para em um sinal vermelho.
Enquanto Eve se senta lá, a scooter borbulhando embaixo dela, ela
avista uma figura impressionante andando pela calçada em sua
direção. Uma jovem, equilibrada e esbelta, de jeans e um cardigã preto
com botões de pérolas . Cabelos loiros escuros penteados para trás,
com traços finos e bem definidos . Um toque sutil e sensual na boca.
Eve a observa por um momento. Ela já viu esse rosto antes, ou é apenas
déjà vu? Como se sentisse seu olhar, a mulher olha para trás. Ela é linda, da
maneira que uma ave de rapina é linda, mas Eva nunca encontrou um olhar de
um vazio tão desumano. Quando as luzes mudam e a scooter avança, a
temperatura parece ter caído um grau ou dois.
Cinco minutos depois, eles param em um cruzamento, do lado de
fora de um grande edifício art déco encimado por uma torre de néon
em cascata. Luzes coloridas sobem e descem por sua fachada
antiga. Acima do pórtico, a palavra Paramount brilha no crepúsculo.
"Você gosta de dançar?"
"Eu ... sim", responde Eve. "Eu faço, na verdade."
“O Paramount é um marco famoso dos anos dezenove e trinta. É aqui que
todos vieram dançar. Gângsteres, alta sociedade, mulheres bonitas ... ”

Ela sorri. "Você parece que gostaria que esses dias voltassem."
Ele trava a scooter. “Foram tempos interessantes. Mas então
também são estes. Venha."
Ela o acompanha até um vestíbulo cheio de fotografias em sépia e
de lá para um pequeno elevador que as leva sem pressa para o quarto
andar. O salão de dança é como uma caixa de música dourada e
vermelha. No palco, um cantor de meia-idade em um vestido de noite
até o chão está entregando uma versão com voz esfumaçada de “Bye
Bye Blackbird”, enquanto uma dúzia de casais acopla gravemente a
pista de dança em balanço.
Jin leva Eve para uma mesa lateral em um estande e pede
Coca-Cola para os dois.
"Negócios primeiro?" ele pergunta.
"Negócios primeiro", ela concorda, bebendo a bebida açucarada.
Um casal desliza sem palavras por eles.
"O que eu digo, você nunca repete, ok?"
Ela balança a cabeça. “Essa conversa nunca aconteceu. Nós
conversamos sobre dançar. Sobre a vida noturna na Velha Xangai.
Ele se aproxima dela no banquete e inclina a cabeça na direção dela.
“Nosso falecido amigo, como você sabe, foi morto em um
estabelecimento na Cidade Velha. Ele era um fetichista de cirurgia. Um
masoquista. Nós sabíamos disso. Ele visitava o local a cada seis
semanas mais ou menos e pagava uma profissional do sexo para simular
... vários procedimentos médicos. Ele foi discreto sobre essas visitas;
seus colegas não sabiam nada sobre eles.
"Mas não é discreto o suficiente para escapar do aviso do seu
departamento, evidentemente." "Evidentemente."
Eve observa que Jin está, de fato, admitindo que Zhang Lei estava
trabalhando para o estado.
"Portanto, estamos olhando uma organização capaz de montar
uma operação de vigilância extensa e de longo prazo ..." Ela hesita.
"Ou um com acesso às informações adquiridas pelo seu
departamento."
Jin faz uma careta. “Certamente o primeiro. Apenas concebivelmente o
último.
Eve assente lentamente. "De qualquer maneira, uma organização
sofisticada com um longo alcance."
"Sim. E eu não acredito que foram os britânicos ou os americanos.
As conseqüências econômicas da descoberta seriam ... ”
"Catastrófico?" Eve sugere.

"Sim. Está certo."


"Então, você tem outras idéias para quem pode ser responsável?"
“No momento, não de verdade, embora nunca se possa desconsiderar
uma conexão russa, especialmente se, como você sugere, a mesma
organização for responsável pela morte de Viktor Kedrin. Então, estamos
tentando muito descobrir mais sobre a mulher que eles enviaram.
Sabemos que ela entrou pela escada dos fundos, dominou a profissional
do sexo que se chama de enfermeira Wu, que não se lembra de nada além
do fato de que o agressor era uma mulher e depois eliminou nosso amigo
por envenenamento por monóxido de carbono. ”
“Você tem certeza de que foi a causa da morte? Não poderia ter
sido um acidente por parte desta enfermeira? Afinal, ela não estava
qualificada para administrar gás cirúrgico ou qualquer coisa do tipo,
com certeza.
“O único gás que ela deu a seus 'pacientes' foi oxigênio puro.
Testamos todos os tanques lá. E, por acaso, além de ser uma
trabalhadora sexual em período parcial, ela também era uma
enfermeira treinada, que trabalhava em um estabelecimento médico
particular em Pudong. Então ela sabia o que estava fazendo. E os
sintomas do envenenamento por monóxido de carbono são
inconfundíveis. ”
" Lábios e pele vermelho-cereja ?"
"Exatamente. O patologista não teve
dúvidas. "Mas nenhum sinal de um
tanque de CO, ou vasilha?" "Não, o
assassino levou embora com ela."
"E o que torna essa pessoa Wu tão certa de que seu agressor era uma
mulher?" “Ela se lembra da sensação dos seios de uma mulher nas costas
quando foi agarrada. E a mão que passava sobre sua boca era forte, ela
disse:
mas não a mão de um
homem. "Ela tem
certeza disso?"
"Muita certeza. E há um homem que tem uma barraca de comida na
Dangfeng Road, em frente à saída dos fundos. Ele sabe o que é o prédio e que
apenas homens saem por aquela porta. Então, quando viu uma mulher,
lembrou-se dela.
"Ele lembra como ela era?"
“Não, ele disse que todos os ocidentais têm a mesma aparência.
Boné de beisebol é tudo o que ele lembra. Ianques de Nova Iorque."
“Nosso assassino é muito bom em ser invisível. O material sobre o
assassinato de Kedrin foi útil?
“Muito mesmo. Meu serviço é muito grato, senhora Polastri. Mostramos as
imagens da mulher no hotel para as pessoas que trabalham na Dangfeng
Road,

e vários disseram que podem tê-la visto


naquele dia. ” "Mas ninguém tinha
certeza?"
"Não. Infelizmente."
“São imagens de baixa qualidade. E você não pode ver o rosto
dela. Então não estou surpreso.
“Somos gratos, no entanto. E é claro que estamos verificando os
vistos e observando todos os pontos de fronteira. Estamos
conversando com pessoas em todos os hotéis, clubes e restaurantes
que um estrangeiro pode visitar. ”
"Tenho certeza que você está fazendo tudo o que pode ser
feito." "Estamos." Jin sorri. "E agora, você gostaria de
dançar?"

Martini de fruta do dragão na mão, Simon caminha em direção a um


dos poucos assentos desocupados do Star Bar, que parece estar
estofado em pele de zebra. “Boss Ass Bitch”, de Nicki Minaj, está
bombando nos alto-falantes ocultos, e o lugar está se enchendo
rapidamente. Simon está vestindo jeans Diesel e uma jaqueta de
algodão, e o guia Lonely Planet do qual ele escolheu o bar ("um bar
de esgoto popular entre a multidão de expatriados com dinheiro ")
está pesando no bolso direito .
Ele nunca admitiria isso para Eve, e obviamente ela é a chefe de seção
e é o território de Jin Qiang, mas ele não está exatamente feliz por ela ter
sumido sem ele por uma noite na cidade com Jin. Não é como se ela não
lhe dissesse tudo o que é discutido quando voltar, mas teria sido bom se
ela, pelo menos, sugerisse que ele aparecesse. Ele gosta muito de Eva em
um exasperado, semi-protetora tipo de forma (seu senso de moda, oh meu
Deus ) e ele certamente não é um daqueles inimigos tristes que não pode
lidar com um chefe do sexo feminino, mas ela pode ser bastante
insensível às vezes, apesar de seu intelecto indubitavelmente de
alta potência .
Abaixando-se na cadeira de pele de zebra com uma indiferença
que ele não sente, Simon toma um profundo golpe de sua bebida. A
decoração do Star Bar é absurda, mesmo para Xangai. As paredes de
pele de arraia verde-esmeralda são decoradas com pinturas
sub-pornográficas , a lareira é de mármore preto, um vasto lustre de
estilo Fortuny brilha no alto. O efeito geral é absurdo, sedutor,
vagamente satânico.
O Martini é vulcanicamente forte, acariciando as papilas gustativas de
Simon com notas de topo açucaradas antes de encharcar o cerebelo em
Berry Bros gelado.

Gin. Semicerrando os olhos, ele se sente envolto em sabor. Juniper, uma


pitada de toranja, e aquela doçura sexy e sugestiva de fruta do dragão . Foda-
se , ele murmura, seu cérebro turvo de prazer. Isso atinge o local . À sua volta,
flutuam foliões vestidos dispendiosamente. Amigos, colegas de trabalho,
amantes ... Por que é sempre, sempre assim? Todo mundo à vontade, tendo o
tempo de suas vidas pagas em excesso, enquanto ele está do lado de fora,
com o rosto pressionado contra o vidro, invisível.
"Sozinho?"
A princípio, Simon não percebe, não acreditando que a pergunta
tenha sido dirigida a ele. Então a figura esbelta de cabelos escuros ao
seu lado nada em foco. Ele observa os olhos travessos e arrepiados, o
sorriso covarde, os dentinhos afiados.
"Suponho que sim."
“Você é nova aqui então. Acho que me lembro se te vejo antes.
“Meu nome é Simon. Cheguei alguns dias atrás. Ele olha para ela,
maravilhado com o suave inchaço de seus seios no top lilás , no
pequeno e fino estômago, nos jeans skinny e nos bonitos sapatos de
tiras. Ela é, sem dúvida, a criatura mais bonita que ele já viu.
"Oi", diz ela. "Eu sou Janie."
Jin Qiang é um excelente dançarino. Para as tensões agitadas e
arrepiantes de "Moon River", ele dança Eve habilmente no chão, uma mão
segurando levemente a dela, a outra contra a carne nua de suas costas,
guiando-a. Apesar do preço, ela está feliz por ter comprado o vestido e os
sapatos.
"Então você gostaria de ter vivido na década de 1930?"
ela pergunta para ele. “Foi um momento de grande
desigualdade. Grande dificuldade para muitos. ” "Eu sei.
Mas também elegância ... glamour.
"Você conhece o cinema chinês, senhora
Polastri?" "Não, receio que não."
“Há um filme que eu amo, feito aqui em Xangai na década de 1930,
chamado The Goddess . Um filme mudo. Muito triste. Atriz muito bonita e
trágica Ruan Lingyu. Ela mostra grande emoção em seu rosto e em seus
movimentos. ”
"Ela parece maravilhosa."
“Ela se matou, com 24 anos . Ela estava infeliz no amor.
"Oh meu Deus, isso é trágico."
"De fato. Hoje, eu não acho que muitas pessoas em Xangai matariam

eles mesmos por amor. Muito ocupado


ganhando dinheiro. "Você parece romântico,
Sr. Jin?"
“Restam alguns de nós. Mas operamos em
segredo. ” "Como espiões?" Eve sugere.
Os dois sorriem e "Moon River" chega ao fim. Néon azul-gelo pisca no
palco, e a cantora segue em "A Garota de Ipanema".
"O foxtrot", diz Jin. "Meu favorito."
“Me desculpe, você está preso comigo. Com meus
dois pés esquerdos. “Você tem dois pés
esquerdos? Realmente?"
"É uma expressão. Isso significa que sou um pouco desajeitado.
"Isso é algo que eu nunca diria sobre você, senhora Polastri."
Meia hora depois, eles estão novamente na scooter, percorrendo ruas
vivas com neon. Eve está se divertindo. Jin é um homem de muitos
interesses. Comida Hunan, cinema chinês antigo e música pós-punk entre
eles. Sua banda favorita, ele diz, é o Gang of Four. "Com esse nome, como
eu poderia resistir a eles?" Ao mesmo tempo, Eve reconhece que, apesar
de todo o charme da superfície, existe uma firmeza em Jin Qiang. Em um
canto apertado, esse homem faria uma escolha difícil, tomaria uma
decisão pragmática.
Eles param diante de um estabelecimento de
aparência despropositada em uma rua lateral. Quando Jin abre a
porta, vapor oleoso sopra em seus rostos. O local está abarrotado e
os níveis de ruído são ensurdecedores. Todo mundo parece estar
gritando, e há um barulho contínuo de panelas e woks da cozinha. Em
pé na porta, Eve é empurrada para fora do caminho por um cliente que
sai. Segurando o braço dela, Jin a guia em direção ao pequeno
balcão. Uma mulher minúscula e antiga, de avental oleoso, aparece e
as direciona para uma mesa com tampo de plástico . Estreitando os
olhos para Eve, ela grita com Jin em mandarim.
"Ela diz que eu sou um garoto muito travesso", ele diz a Eve. "Ela
acha que eu te peguei."
Ela ri. "Você vai ter que me ajudar com o menu."
Ele inspeciona as serpentinas presas nas paredes. "Que tal sapo-
boi em vinho de arroz?"
No final, eles se contentam com camarões no espeto apimentados
e costelas com crosta de cominho lavadas com cerveja gelada. É
delicioso, entre as melhores comidas que Eve já provou. "Obrigado",
diz ela, quando não pode mais comer. "Isso foi fantástico."

"Nada mal", ele concorda. "E privado."


Ela sabe o que ele quer dizer. Dados os níveis de ruído, a vigilância
por áudio seria impossível aqui.
"Eu tenho algo para você", diz ele, e abaixo do nível da mesa,
coloca um envelope selado no colo.
Ela não se mexe ou fala.
Estou confiando em você com minha carreira, senhora Polastri. Se
você estiver certo e enfrentarmos um inimigo comum - dessa
organização da qual você fala -, devemos trabalhar juntos. Mas duvido
que Pequim veja dessa maneira, então ... ”
"Eu entendo", diz Eve calmamente. E obrigada. Não vamos deixar
você pra baixo."

Simon sabe, imediatamente. As mãos de Janie, talvez. Algo no


conjunto de suas maçãs do rosto e boca. Mas isso não importa. Ele
está perdido.
Ela diz que trabalha para uma agência de cuidados infantis . Que
ela mora em um apartamento de um quarto em Jingan, perto do Art
Theatre. Enquanto eles conversam, ela olha para ele. Ninguém nunca
olhou para ele assim. O olhar suave e sem piscar. Os longos olhos
castanhos fixaram-se pacientemente nos dele.
Havia uma garota na universidade, uma estudante de Eng Lit que tocava
em uma banda de ukelele. Ela e Simon dormiam juntos de forma intermitente,
mas ele nunca tinha certeza do que ela esperava dele e, finalmente, o
relacionamento se transformou em uma amizade com a qual ambos estavam
mais à vontade. Ele se perguntou, vagamente, se ele era gay e, no espírito da
experiência, se deixou seduzir por seu tutor masculino, um medievalista com
uma propensão para o malandro e a surra gregoriana. Isso também não deu
certo, e Simon decidiu deixar a coisa toda de sexo passar, e se concentrar em
seus estudos. Ele saiu com um diploma de primeira classe e uma sensação de
desejo sem foco. Para o quê ou para quem, ele não sabia. Por quase um ano
ele viveu em casa, celibatário e desempregado. Então, um dia, quase como
uma piada, um amigo lhe enviou um link para a página de recrutamento do
MI5. Desde o primeiro dia, o mundo secreto parecia um lar.
Ele disse a Janie que ele está "aqui a negócios", e isso parece satisfazê-la.
Ela pergunta a ele sobre seus gostos e aversões. Sobre filmes que viu, vídeos
pop, boy-bands, celebridades, compras e moda. Em qualquer outra pessoa,
essa visão de mundo do chiclete seria exasperante. Em Janie, é encantador.
Dois Martinis de fruta do dragão mais tarde (Sprite para ela, comovente), eles
são

dançando. A lista de reprodução é pop comercial, e Janie canta junto


a todas as faixas. Simon não é muito dançarino, mas o chão está
cheio demais para fazer mais do que embaralhar e acenar com a
cabeça. O ritmo diminui, e ele coloca as mãos nos quadris dela,
sentindo seu suave balanço, inalando o perfume das flores de jasmim
presas aos seus cabelos varridos. Intoxicado, ele a puxa para ele, e
ela deita a cabeça no ombro dele. Através da jaqueta, que ele não
ousa tirar por medo de que seja roubado, ele sente a pressão inflexível
dos seios dela. Com o coração batendo forte, ele toca os lábios nas
mechas macias de cabelo da têmpora dela. Ele não acha que ela
sentirá isso, mas sente, e seu rosto se inclina para ele, seus lábios
entreabertos.
Beijando-a, sentindo o lampejo açucarado de sua língua, ele sente
uma leveza de ser tão intenso que se pergunta se vai desmaiar. Ela
move a boca na bochecha dele, morde o lóbulo da orelha com os
dentes do seu gatinho. "Você sabe que eu nem sempre fui uma
menina", ela sussurra.
Ele sabe. Ele pode sentir a evidência inchando contra
sua coxa. "Está tudo bem, Janie", diz ele. "Realmente,
está tudo bem."

De volta ao Sea Bird Hotel, Eve bate na porta de Simon, mas ele ainda
está fora. E se divertindo, ela espera. Ele é um bom amigo e colega,
mas ele definitivamente precisa relaxar.
No quarto dela, ela pega o envelope que Jin lhe deu. No interior, há uma
única página A4, que parece ser uma impressão de uma transferência de
fundos entre dois bancos internacionais. Os bancos e correntistas são
identificados apenas por códigos numéricos. A soma em questão é de pouco
mais de 17 milhões de libras.
Eve olha para o papel por um momento, tentando adivinhar sua
importância, antes de recolocá-lo em seu envelope e trancá-lo em sua
pasta. Jin, ela sabe, está voltando para Pequim amanhã. A
investigação sobre o assassinato de Zhang Lei continuará, mas não
há mais nada com que ela possa contribuir. Está na hora de ela e
Simon voltarem para Londres, reportarem-se a Richard Edwards e
investigarem a liderança que Jin lhe deu a esse risco pessoal. Ela
também precisa, urgentemente, corrigir as coisas com Niko. Será bom
estar em casa novamente, mas parte dela sentirá falta de Xangai e
sua luxuosa estranheza, sua infinidade de aromas e cores. E parte
dela, ela é forçada a admitir, sentirá falta de Jin Qiang.
Na cama, ela revisa a noite a cada momento e, em particular, a

dançando. A janela aberta admite uma brisa fraca e, com ela, o cheiro
corrupto do riacho Suzhou. Leva algum tempo para adormecer.

Vagando entre a vigília e o sonho, Simon conhece uma paz que nunca
pensou ser possível. A seu lado, Janie se vira e levanta os braços,
sonolenta, acima da cabeça. "Promete que você gosta de mim?" ela
murmura. “Não apenas usando para o sexo? Wham-bam, depois
tchau, Janie?
"Gosto de voce?" ele quer contar a ela. “ Eu te amo . Você é tudo que eu
sempre quis. Desistiria do meu trabalho, do meu país, de tudo o que sei e
acredito, para compartilhar minha vida com você. ” Mas ele não diz nada
e, em vez disso, planta beijos lentos na curva pálida de seu seio esquerdo.
Ela o observa por um momento, e então, pálpebras tremulando, ela puxa
seus mamilos e eles começam novamente.
Algum tempo depois, Simon acorda e, através dos olhos
semicerrados, vê-a andar na ponta dos pés pela sala,
com os quadris finos e nus, cabelos longos balançando nos ombros.
Quando ela o trouxe aqui pela primeira vez, ele foi tocado pela
modéstia do lugar. A cômoda e a penteadeira baratas, as cortinas e
colchas rosa Barbie , o pôster da Hello Kitty na parede. Agora ela toca
as roupas dele, passando os dedos sobre a jaqueta que ele está
pendurada na única cadeira. Uma mão esbelta desaparece e um
instante depois reaparece segurando o telefone. Ela olha admirada
por alguns segundos e a substitui. A ação afeta Simon, que adivinha
que esse artigo está muito além de seu orçamento.
Então, com grande velocidade, ela se veste, vestindo calcinha
branca, jeans e camiseta, e enfiando os pés em um par de tênis.
Como ela ponta dos pés em direção Simon, ele finge estar dormindo.
Ela se inclina sobre ele por um momento, tão perto que ele pode ouvir
sua respiração e depois se afasta silenciosamente. Abrindo os olhos,
ele a vê mergulhar a mão de volta na jaqueta, pegar o telefone e sair
correndo da sala.
Simon fica lá por um momento, chocado demais para se mover.
Então, ele pula da cama e levanta o rattan às cegas. Ele vê Janie sob
um poste, movendo-se rápido, e ela se foi.
Ele veste as roupas, enjoado de pavor, e desce correndo a escada
estreita para a rua. Chove enquanto estão na cama e o ar é carregado
com o cheiro das ruas molhadas. Simon logo fica sem fôlego e com
os pés, a camisa suada de suor.

Mas lá está ela à frente, e ele se dirige atrás dela. Que porra é essa?
Que porra é essa? Ele acabou de se apaixonar pelo golpe mais antigo do
livro? Se Eva e Richard Edwards descobrir nada disso, qualquer dele, ele
está acabado. Esqueça o puro profissionalismo, a humilhação estaria fora
de escala. Apanhado por um travesti de boate. Uma garota com um pau.
Que imbecil de 24 quilates ele vai parecer.
Há apenas uma chance. Se ele pode alcançá-la e, de alguma forma,
recuperar o telefone ... Talvez, apenas talvez, Janie seja exatamente o que
ela diz que é. Talvez ela simplesmente não pudesse resistir à chance de
ganhar alguns dólares roubando um telefone estrangeiro de alta
tecnologia. Por favor, ele ora, enquanto se esquiva e atravessa a multidão,
arrastando o ar abafado da noite para os pulmões, por favor , deixe que
seja esse o caso. Que seja algo perdoável. Deixe-me voltar com Janie.
Porque ele sabe que, enquanto viver, ele nunca experimentará algo como a
bem-aventurança sonhadora de seus membros entrelaçados.
As ruas estão se estreitando agora e a multidão diminuindo. Em vez
das luzes da rua, existem laços de lâmpadas de baixa potência enfiadas
entre residências semi-concluídas . Os rostos indecisos olham por baixo
dos toldos caídos e o observam quando ele passa. Ainda existem
algumas barracas de comida em funcionamento, algumas woks chiando
sobre fogueiras de carvão, e Simon diminui a velocidade para evitar uma
mesa precária apoiando uma tigela de plástico de criaturas vivas e
contorcidas.
Janie ainda está a cerca de quarenta metros - Cristo, ela pode se
mover - e agora eles estão em algum tipo de propriedade nova .
Blocos de tijolos aparentes interceptados por uma grade de faixas
apagadas. A área está quase deserta, e se ela se virar agora, ela o
verá.
Encolhendo-se nas sombras, Simon olha o relógio. São quase duas
da manhã. A tentação de chamar Janie é angustiante, esmagadora.
Mas ele tem que saber a verdade.
Na entrada de um dos edifícios, ela aperta uma campainha. Depois de
talvez meio minuto, uma figura entra na penumbra de luz e Simon sabe
imediatamente que o cenário é infinitamente pior do que qualquer um que
ele imaginou. O homem não é chinês. Ele parece russo ou europeu de
leste e tem um agente secreto de inteligência escrito por todo o lado.
Mesmo à distância, ele irradia uma autoridade impiedosa. Estou fodido,
Simon diz a si mesmo, enquanto Janie entrega ao homem o telefone do
MI6 . Estou totalmente e totalmente fodido.
Muito miserável para ter medo, ele se força a notar todos os detalhes da
aparência do homem. Há uma breve conversa, e então ele e Janie
desaparecem

juntos no prédio. Depois de um minuto, Simon cautelosamente se


aproxima da entrada, procurando um nome ou um número. Também
não parece haver, mas ele está confiante de que poderá encontrar o
lugar novamente.
Resumidamente, ele considera simplesmente dizer a Eve que ele perdeu o
telefone, que foi roubado e não disse nada sobre Janie. Mas ele sabe que não
está nele mentir. Ele lhe contará tudo e oferecerá sua demissão, com efeito
imediato. Talvez ela aceite e o envie de volta a Londres para o que, sem
dúvida, será uma discussão altamente desagradável de Richard Edwards.
Talvez - e seu coração dê um pulo triste com a perspectiva - eles decidam
mantê-lo em jogo. Alimente-o de volta para Janie para descobrir quem a está
comandando.
Ele está a cinquenta metros do prédio quando ouve seu nome ser chamado.
Ele para, certo de que está enganado. Mas lá está novamente,
baixo e limpo no ar quente e úmido. Janie? Como isso poderia ser?
Para ela, ele está dormindo no apartamento dela.
"Simon, aqui."
A voz vem da pista apagada à sua esquerda. Com o coração
batendo forte, ele dá meia dúzia de passos hesitantes, sente o
movimento na escuridão, pega uma sugestão incongruente de
perfume francês no ar noturno.
"Quem está aí?" ele pergunta, sua voz instável.
Ele tem uma impressão momentânea de uma figura explodindo das
sombras, do arco giratório do chukabocho , e então a lâmina de aço carbono
corta sua garganta com tanta força que sua cabeça está quase cortada.
Erguendo-se na ponta dos pés como um matador, olhos
demoníacos, Villanelle evita a faixa negra de sangue jogado do corpo
que cai. Os membros de Simon estremecem, um som borbulhante sai
de seu pescoço e, quando ele morre, Villanelle sente uma onda de
sensação tão intensa, tão gelada que quase a deixa de joelhos. Ela se
agacha ali por um momento, ondas de sensação a percorrendo.
Então, arrancando o chukabocho do cadáver e largando-o em uma
sacola de plástico, seguida por suas luvas cirúrgicas ensanguentadas,
ela se afasta rapidamente.
Dez minutos depois, ela vê uma scooter Kymco surrada estacionada ao pé
de um prédio de apartamentos. Desativando a trava da ignição e
dando partida no motor, ela segue para o norte, mantendo-se nas estradas
mais estreitas, até chegar a Nan Suzhou Lu, onde deixa cair a sacola plástica
no redemoinho escuro do riacho. É uma noite linda - o céu está roxo, a cidade
fica dourada - e Villanelle se sente vibrante, emocionante e vivo. Matar o
espião inglês restaurou algo em
dela. A ação de Zhang Lei teve suas satisfações profissionais, mas o
momento em si não teve impacto. Tirar Simon Mortimer foi um
retorno aos primeiros princípios. Uma matança violenta e artística. O
chukabocho , pesado na mão, não era muito diferente do facão
Spetsnaz que seu pai a ensinou a usar quando era adolescente.
Pesado para começar, mas uma coisa letal quando implantado
corretamente.
A beleza disso é que ela não teve escolha. Konstantin ordenou que
Janie se certificasse de que nunca fosse seguida a um encontro e que
drogasse o inglês, se necessário. Mas a pequena prostituta estragou tudo
e, uma vez que Simon Mortimer viu Konstantin, ele não pôde mais viver. É
assim que ela vai argumentar. O assassinato quase certamente será
atribuído às tríades, cuja arma tradicional de assassinato é o cutelo.
Polastri receberá a mensagem em voz alta e clara, mas no que diz
respeito a todo mundo - a imprensa, a polícia - Simon Mortimer será um
turista que se encontrou no lugar errado, na hora errada.
Villanelle está prestes a ir para o sul, em direção à Concessão
Francesa, quando lhe ocorre um pensamento. Em poucos minutos, a
scooter está parando ao pé de um prédio adjacente ao Sea Bird Hotel. O
hotel está apagado, exceto por uma pequena placa de neon azul na
entrada. Villanelle sabe qual é o quarto de Eve; O pessoal de vigilância de
Konstantin a assistia ir e vir desde a noite em que ela e Simon chegaram.
Silenciosamente, Villanelle sobe ao lado do hotel, as antigas varandas
de tubulação e ferro que oferecem apoios para as mãos e pés fáceis,
mesmo na escuridão próxima, e desliza primeiro pela janela aberta do
terceiro andar .
Por quase dois minutos, ela se agacha ali, imóvel. Então ela
caminha silenciosamente em direção à cama.
As roupas de Eve foram penduradas em uma cadeira, e Villanelle
passa suavemente as costas da mão sobre o vestido de seda preto
antes de levantá-lo para o rosto. Cheira, muito fracamente, a perfume,
suor e fumaça de tráfego.
Eve está deitada com a boca ligeiramente aberta e um braço
jogado sobre o travesseiro. Ela está vestindo uma camisola
cor de carne e , sem maquiagem, parece inesperadamente vulnerável.
Ajoelhando-se ao lado dela, Villanelle escuta o sussurro e respira seu
cheiro quente. Observando o leve tremor da boca de Eve, ela toca a
língua no próprio lábio superior, que começou, muito fracamente, a
latejar.
"Meu inimigo", ela murmura em russo, tocando o cabelo de Eve. " Moy vrag ."

Quase como uma reflexão tardia, ela vasculha a sala. Há uma


maleta trancada combinada acorrentada à cama que ela decide
deixar sozinha. Mas na mesa de cabeceira, há uma pulseira de
eternidade bonita e dourada , e este Villanelle leva.
"Obrigada", ela sussurra, e com um último olhar para Eve desliza
silenciosamente pela janela. Enquanto ela ouve, a sirene distante de uma
ambulância e o barulho de carros da polícia. Mas Eva, por enquanto, não
se mexe.

Cinco semanas depois, e ao meio-dia o céu cinzento sobre a Estação de


Pesquisa Dever promete chover. Situado em sessenta acres fora da vila de
Bullington, em Hampshire, o antigo quartel da Logistics Corps parece do
lado de fora compreender pouco mais do que um conjunto de blocos de
tijolos vermelhos em ruínas e cabanas pré-fabricadas. Elo da cadeia de
Esgrima coberto com arame farpado e sinais que proíbem a fotografia
emprestam ao lugar um aspecto sombrio não convidativo.
Apesar de seu ar negligenciado, Dever é uma estação ativa,
classificada como um ativo secreto do governo. Entre outras funções,
atua como base para o E Squadron, uma unidade das Forças
Especiais cujo papel é conduzir operações negáveis em apoio ao
Serviço Secreto de Inteligência.
Identificando-se na guarita, Richard Edwards estaciona seu Mercedes
classe S de trinta anos em uma área de asfalto rachado. Com exceção de
alguns agentes de segurança que estão fazendo um circuito sem pressa no
perímetro, o local parece deserto. Atravessando o bloco principal de
administração, Richard entra em um prédio baixo e sem janelas. Decrescente
para o campo de tiro subterrâneo, ele encontra Eva campo-stripping uma
pistola Glock 19, sob o olhar atento de Calum Dennis, o armeiro estação.
"Então, como estamos indo?" ele pergunta, quando o escorregador,
a mola, o cano, a armação e a revista estão alinhados ordenadamente
no tapete da arma.
"Chegando lá", diz Calum.
Eve olha fixamente abaixo do alcance. "Posso tentar a última broca
novamente?" "Claro", diz Calum, entregando a Richard um par de
protetores de ouvido. "Pronto quando você estiver", diz Eve, colocando
seus próprios protetores de ouvido. Calum digita uma série de
instruções em um laptop e, quando ele pressiona Enter, o
o alcance é mergulhado na escuridão. Passam quinze segundos, durante os
quais o único som é o suspiro dos ventiladores e um clique metálico enquanto
Eve monta o Glock. Então um alvo, um torso humano, é brevemente iluminado
na extremidade oposta

do alcance e ela tira dois tiros, o focinho brilha na escuridão. Mais


quatro alvos estáticos aparecem, e Eve dispara tiros emparelhados
em cada um. O alvo final se move de um lado para o outro e ela
realiza as últimas cinco rodadas em sua revista em rápida sucessão.
"Bem ..." Calum diz e sorri levemente, abaixando um par de
binóculos. "A tarde dele está fodida."
Lá fora, uma hora depois, Eve está caminhando Richard de volta
para o carro. A chuva está caindo em uma névoa fina, escurecendo
seus cabelos.
"Você não precisa fazer nada disso", ele diz a ela. “Por direito, eu
deveria retirá-lo desta investigação. Organizá-lo com uma posição
oficial no Serviço. ”
- É tarde demais, Richard. Aquela mulher matou Simon, e eu a quero
por isso. Você não sabe disso. O relatório da polícia disse que era
quase certamente um
A tríade foi atingida e sabemos que a pessoa de Janie Chou com
quem ele se ligou tinha ligações com o crime organizado. ”
“Richard, por favor, não me trate como um idiota, as tríades não
cortam turistas. Aquela cadela matou Simon tão certo quanto ela
matou Kedrin e os outros. Eu vi o corpo dele, ela quase o decapitou.
Ele destranca o Mercedes. Fica lá por um momento, cabeça baixa.
“Prometa-me uma coisa, Eve. Que se você a encontrar, você não
chegará nem perto dela. E eu quero dizer em qualquer lugar.
Ela desvia o olhar, sem expressão.
“Essa arma que você insiste em carregar. Não pense que alguns
agrupamentos decentes da série oferecem qualquer tipo de licença
para você se arriscar. Não faz.
“Richard, a razão pela qual passei os últimos dez dias aqui no Dever é
que ela sabe quem eu sou. Matar Simon era uma mensagem, endereçada
a mim. Ela estava dizendo: Eu posso te levar, e as pessoas com quem
você se importa, a qualquer hora que eu quiser ... ”Eve dá um tapinha no
Glock, agora no coldre ao seu lado. "Vi o que ela pode fazer e preciso estar
pronta, é simples assim."
Ele balança a cabeça. “Eu nunca deveria ter te envolvido. Foi um
erro grave.
“Bem, eu estou envolvido. E a única maneira de acabar com isso é
se a encontrarmos e a matarmos. Então, por favor, deixe-me continuar
com isso.
Enquanto ela caminha de volta para o campo, Richard a observa partir.
Então ele entra no Mercedes, liga a ignição e o para-brisa

limpadores e começa o trajeto de volta a Londres.


4

Villanelle acorda em um emaranhado quente de membros. Do outro lado


da cama, Anne-Laure está deitada de bruços, o cabelo um turbilhão
cor de mel , um braço bronzeado arrastando-se pelo peito de Kim. Onde
Anne-Laure é todas as curvas sonhadoras, Kim exibe uma elegância de
lince , mesmo dormindo. Suas feições são esbeltas e refinadas, refletindo
sua ascendência franco-vietnamita , e seus membros são da cor do
marfim, sua musculatura definida precisamente à luz da manhã.
Destacando-se, Villanelle vai ao banheiro e toma um banho. Ainda
nua, ela caminha até a pequena cozinha da cozinha, enche a cafeteira
Bialetti com a mistura "Sur la Côte d'Azur" de Hédiard e liga a placa de
cerâmica. No final da cozinha, uma porta de vidro deslizante leva a um
pequeno terraço e Villanelle sai por um momento. É setembro e Paris
está radiante com o verão agonizante. O horizonte é uma névoa pálida,
os pombos arrulham no telhado vizinho e o leve murmúrio do tráfego
nasce na rue de Vaugirard, seis andares abaixo.
Anne-Laure herdou o apartamento de um quarto há cinco meses e diz
ao marido, Gilles, funcionário sênior do Tesouro, que ela vai lá "para
escrever" e "para pensar". Se Gilles acha isso fora do personagem e
suspeita que o lugar é usado de maneira mais ativa, ele não diz isso,
porque ele próprio recentemente adotou uma amante. Sua secretária, para
ser mais preciso, uma mulher simples e sem graça, com quem ele não
pode ser visto socialmente, mas que, ao contrário de Anne-Laure, nunca o
questiona ou critica.
Villanelle fica lá, olhando a cidade, até ouvir o barulho do café. No quarto,
Anne-Laure está se mexendo, com os dedos sonolentos se familiarizando com
os contornos duros do corpo de Kim. Ele tem 23 anos e é dançarino no Paris
Opera Ballet. Anne-Laure e Villanelle o conheceram doze horas antes em uma
festa de bebidas dada por um estilista. Foram necessários apenas três
minutos para convencê-lo a sair com eles.
Anne-Laure está montada em Kim agora, com as mãos apoiadas nos
músculos dele

coxas, os olhos semicerrados. Colocando a bandeja de café em uma mesa de


cabeceira, Villanelle limpa a espreguiçadeira de roupas descartadas e se
arruma, como um gato, no brocado macio. Ela gosta de assistir a amiga
fazendo sexo, mas esta manhã há uma qualidade artificial no ofego, no
suspiro e no penteado de Anne-Laure . É uma performance e, por sua
expressão vazia e o movimento de seus quadris, Villanelle pode dizer que Kim
não está comprando.
Ao chamar a atenção, Villanelle levanta os joelhos, abre as coxas e
começa, lenta e deliberadamente, a se mexer. Anne-Laure não percebe
essa performance, mas Kim olha fixamente entre as pernas. Villanelle
retorna seu olhar, observa seu olhar angustiado enquanto ele tenta se
conter e observa enquanto ele estremece em um clímax. Segundos
depois, com um grito de lamento, Anne-Laure desaparece em cima
dele.
Na espreguiçadeira, Villanelle se estica e lambe o dedo. O sexo,
para ela, oferece apenas uma satisfação física passageira. O que ela
acha muito mais emocionante é olhar nos olhos de outra pessoa e
saber, como uma cobra balançando na frente de sua presa
hipnotizada, que ela está no controle absoluto. Mas esse jogo
também é chato. As pessoas capitulam tão facilmente.
"Café, alguém?" ela pergunta.
Meia hora depois, Kim saiu para a aula de balé na Opera e Villanelle e
Anne-Laure estão sentadas do lado de fora no terraço. Anne-Laure está
vestindo um quimono de seda, enquanto Villanelle usa jeans e um suéter
Miu Miu, seu cabelo enrolado em um chignon desgrenhado. Ambos estão
descalços.
"Então, Gilles ainda te fode?" Villanelle pergunta.
"De tempos em tempos", diz Anne-Laure. Ela pega um cigarro do
maço ao lado e acende o isqueiro Dunhill dourado. "Ele provavelmente
pensa que, se parar completamente, suspeitarei de algo."
Eles ficam em silêncio. Diante deles está a paisagem do telhado
do Sixième Arrondissement, tranquila à luz da manhã. É um luxo
poder sentar-se assim, correndo a manhã inteira com conversas
irrelevantes, e as duas mulheres sabem disso. Seis andares abaixo, as
pessoas estão correndo para o trabalho, lutando por táxis e se
metendo em ônibus e carruagens de metrô. As necessidades
financeiras de Anne-Laure e Villanelle são bem atendidas, portanto,
elas são livres para se absterem dessa rotina diária. Você pode
escolher livremente as lojas de roupas vintage no Marais, almoçar no
yam'Tcha ou Le Cristal e fazer o cabelo com Tom na Carita.

Sobre Londres, um céu com chumbo promete chuva. Em seu escritório acima
da estação de metrô Goodge Street, Eve Polastri arranca um maço de papel de
impressão da fotocopiadora e o reposiciona, mas a luz de
atolamento de papel continua piscando.
"E você também", ela murmura, apertando o botão de desligar.
Eve está usando a copiadora de quinze anos porque o scanner
desistiu do fantasma e agora está desconectado no chão, onde mais
cedo ou mais tarde ela vai tropeçar nele. Ela pediu um novo
equipamento de escritório, ou pelo menos um orçamento para
reparos, e houve promessas vagas de Vauxhall Cross, mas, devido ao
acordo bizantino pelo qual a operação é financiada, ela não está
esperançosa.
Hoje, Eve deve ser acompanhada por dois novos colegas, ambos
do sexo masculino. Richard Edwards os descreveu como "um casal
empreendedor de caras", o que pode significar qualquer coisa. Em
suposição, um par de low-flyers com problemas de disciplina que não
conseguiram se ajustar ao mundo hierárquico e ordenado do Serviço
de Inteligência Secreta. Qualquer que seja a história, é improvável que
considerem a Goodge Street uma promoção.
Eve olha para a mesa de metal maltratada anteriormente ocupada por seu
vice. Uma dispersão de efeitos - um frasco térmico, uma caneca de Kylie
Minogue cheia de canetas, um globo de neve Disney “Frozen” - fica ao lado
deles, intocados. Vendo esse arranjo empoeirado, Eve sente um vasto
cansaço. Houve um tempo em que sua missão era direta e seus propósitos
claramente definidos. Agora, três meses após o assassinato de Simon, uma
incerteza paralisante a atinge. Os contornos de sua tarefa, uma vez tão duros,
se dissolveram em um borrão, tão indistinto quanto a vista através da janela
do escritório manchada de sujeira .
Ela se pergunta, vagamente, se deveria ter tomado mais cuidado com
sua aparência. Ela está usando uma blusa de moletom com zíper , um par
de jeans de supermercado folgado e tênis. Simon estava sempre tentando
convencê-la um pouco mais, mas todas essas coisas vaidosas
- compras, maquiagem, cabeleireiro - não lhe acontecem naturalmente.
Quando ela estava trabalhando com o Joint Services Analysis Group na
Thames House, uma colega bem-intencionada a levou para uma tarde em
um spa caro. A Eve tentou se divertir, mas ela estava entediada sem
sentido. Tudo parecia tão sem importância.
Uma das coisas que ela sempre amou em Niko é que nenhuma dessas
coisas importa para ele também. No entanto, ele a faz se sentir bonita e, às
vezes, nos momentos mais comuns - quando ela está se vestindo, talvez, ou
saindo do banho - ela o pega olhando-a com ternura

que a perfura no coração.


Por quanto tempo, ela se pergunta, ele vai olhar para ela assim. Quão
irracionalmente ela terá que se comportar para ele acordar uma manhã e
decidir que ele simplesmente não pode continuar? Eles já devem estar
quase nesse ponto. Ela é levada a passear silenciosamente pelo
apartamento à noite, com vodka-tônico na mão, como um fantasma
alcoólatra. Mais tarde, sempre que não, ela desmaia na frente de seu
laptop. Homens assassinados perseguem seus sonhos, e ela acorda em
horas aleatórias da noite, com o coração batendo forte de pavor.
Lance Pope e Billy Primrose chegam às 10 horas da manhã e
trocam olhares ilegíveis quando Eve se apresenta. Lance tem
quarenta anos, com as feições magras e desconfiadas de um
arminho. Billy, chiando audivelmente após a subida da escada, parece
mal saído da adolescência, com cabelos tingidos de preto , pele como
sebo e uma palidez mortal no quarto de trás .
"Então é isso", murmura Lance.
Eve assente. "Muito longe do conforto de Vauxhall Cross, receio."
“Passei a maior parte da minha carreira no campo. Eu não sou
exigente
mobília." "Tão
bem."
"Eu pedi algum hardware", diz Billy, ainda sibilando fracamente.
“Processadores externos, analisadores lógicos e de protocolo. Coisas
básicas.
"Boa sorte com isso. Fiz um pedido de requisição há seis
semanas. “Estará aqui esta tarde. Vou precisar de um
pouco de espaço.
"Bem, sirva-se." Ela tira os óculos e esfrega os olhos. "Quanto
vocês sabem sobre o motivo de estarem aqui?"
"Puta que pariu", diz Lance. "Disseram-nos que você deveria nos informar."
Ela recoloca os óculos e os dois homens voltam a focar. Billy em
preto gótico, Lance em uma versão decadente do esporte casual. Ela
acha os dois profundamente despreparados, confirmando a
impressão que obteve dos arquivos deles.
Aos dezessete anos, usando o identificador on-line "$ qeeky", uma
referência à asma de que ele sofria desde a infância, Billy era membro de um
coletivo de hackers responsável por uma série de ataques bem divulgados a
sites corporativos e governamentais. O FBI e a Interpol acabaram com o grupo
e seus líderes receberam sentenças de prisão, mas o menor de idade Billy foi
libertado sob fiança sob a condição de que ele mora em casa, sob toque de
recolher, sem acesso à Internet. Em poucas semanas, ele havia sido recrutado
pela Segurança do MI6.

Equipe de exploração.
Lance é um oficial de carreira do MI6 e veterano de inúmeras
publicações no exterior. Embora seja um agente experiente, elogiado
pelos chefes de estação em que atuou, ele não é promovido há vários
anos. O problema é sua insolvência crônica, causada por uma
predileção pelo jogo online. Ele é divorciado e vive sozinho em uma
de um quarto alugado apartamento em Croydon.
"Estamos aqui para caçar um assassino profissional", Eve diz a
eles. “Não temos nome, país de origem, informações sobre afiliação
política. Sabemos que ela é uma mulher, provavelmente entre os 20 e
os 20 anos, e que atua em nome de uma organização extremamente
bem dotada de recursos e com alcance global. Sabemos que ela tem
pelo menos seis mortes de alto nível em seu nome.
A chuva começa a bater na janela do escritório e ela fecha o agasalho
até o queixo. "Há duas razões principais pelas quais precisamos pegar
essa mulher, além do fato de ela ser uma assassina em série que precisa
ser detida".
"O que não é da preocupação do Serviço", diz Lance, quase para si
mesmo. “O que normalmente não seria nossa preocupação, mas neste
caso, é muito.
Suponho que vocês dois saibam quem eu quero dizer com Viktor Kedrin?
Billy assente. "Porra - fascista russo, retirado em Londres no ano
passado." Ele coça a virilha distraidamente. "Moscou não estava por trás
disso?"
“O SVR? Não, é o que todos assumiram. De fato, Kedrin e seus
guarda-costas foram mortos a tiros pelo nosso alvo. Foi um trabalho
brutalmente eficiente, e ela o realizou sozinho.
"Você tem certeza disso?" pergunta Lance.
"Absolutamente. E pelo que vale a pena, temos uma imagem CCTV
dela. ” Eve entrega a cada homem uma impressão de uma figura borrada
em uma jaqueta, com o capuz para cima. A imagem foi capturada por
trás. Ela poderia ser qualquer um.
"Melhor que nós temos?" pergunta Lance.
A Eve acena com a cabeça, e entrega uma a outra a impressão.
“Mas ela pode se parecer com essa mulher. Lucy Drake.
Billy assobia baixinho. "Muito bem, então."
“Lucy Drake é uma modelo. Nosso assassino a usou como dupla,
para checar o hotel de Kedrin e abordá-lo em uma sala de aula. Mas a
semelhança pode ser apenas superficial.
"Então, ela poderia ter trabalhado como freelancer em Moscou?" pergunta
Billy. "O

atirador, quero dizer, não o modelo. "


“Improvável, dado que o SVR tem uma diretoria inteira treinada em
assassinato. E por que eles o matariam em Londres, quando podiam
fazer isso a qualquer hora que quisessem em casa?
"Fazer um splash?" Billy encolhe os ombros. "Mostrar que ninguém está além
do seu alcance?" “Possível, mas nossa informação é que o Kremlin ficou muito
feliz em tolerar Viktor e seus associados de extrema direita ; eles fizeram o
regime oficial parecer quase moderado. E eles não hesitaram em usar a morte
dele contra nós. Eles exigiram uma investigação completa e deixaram claro,
em nível diplomático, que esperam que o assassino seja pego. Essa demanda
foi filtrada por Richard
Edwards para mim. Para nós."
Lance contrai os lábios. "Então, quem foi responsável pela
proteção de Kedrin quando ele estava em Londres?"
Eve encontra seu olhar. “Oficialmente eu. Eu era o oficial de ligação
entre o MI5 e a Polícia Metropolitana.
Lance deixa sua resposta pairar no ar. Acima do tamborilar da
chuva, Eve pode ouvir o chiado fraco da respiração de Billy.
"Você disse que há uma segunda razão pela qual queremos essa mulher."
“Ela matou Simon Mortimer, o oficial que você está substituindo. E sim,
eu sei o que o relatório oficial do Serviço diz, porque ajudei a redigir. O que
realmente aconteceu é que ela cortou a garganta dele, para me enviar uma
mensagem.
"Merda", murmura Billy. Alcançando o bolso da calça de combate,
ele encontra um inalador e dá dois suspiros profundos.
"Ela cortou a garganta", diz Lance sem rodeios. "Para enviar uma mensagem."
"Sim. Você me ouviu direito. Então, você pode pensar bem antes de
concordar em se juntar a essa equipe. ”
Lance olha para ela por um momento. "Onde exatamente você nos
vê indo com tudo isso?"
“Nós temos uma vantagem. O nome de uma pessoa que pode
estar na folha de pagamento da organização que executa nosso
objetivo. É um tiro no escuro, mas é tudo o que temos. Então
seguimos o dinheiro, seguimos o homem, e talvez, apenas talvez,
cheguemos ao nosso assassino.
"Alguma chance de emprestar algumas pessoas de vigilância A4
da Thames House?"
“Nenhum. Esta é uma operação em círculo fechado , e nenhum sussurro
sai da sala. Você também não fará mais contatos, sociais ou outros,

com qualquer pessoal dos Serviços de Segurança, em ambos os


lados do rio. Se alguém verificar seus arquivos, vocês dois estão
destacados oficialmente na Alfândega e nos impostos especiais de
consumo. E repito, isso pode ser perigoso. Todas as indicações são
de que nosso objetivo não é apenas altamente treinado e com
bons recursos, mas também um sociopata narcisista que mata por
prazer. ”
"Estou assumindo a merda do dinheiro", diz
Lance. "Vocês dois permanecem nas
notas de pagamento atuais , sim."
Os dois homens se entreolham. Então, bem devagar, Billy assente,
Lance encolhe os ombros e, pela primeira vez desde a chegada deles,
Eve sente um lampejo de propósito comum.
"Então", diz Billy. "Essa pista que você mencionou."

Enquanto Villanelle corre, ela sente seu corpo relaxar no ritmo familiar.
Suas costas e coxas ainda estão doloridas com a sessão de jiu-jitsu da
tarde anterior no Club d'Arts Martiaux em Montparnasse, mas quando ela
completou o circuito do lago e o hipódromo de Auteuil, a rigidez
desapareceu. No caminho para casa, ela pega um pedido de sushi da
Comme des Poissons e uma cópia do jornal financeiro Les Echos .
De volta ao apartamento, toma banho, passa um pente pelo cabelo
loiro escuro e veste jeans, camiseta e jaqueta de couro. Sentada na
varanda, ela come o sushi com os dedos e percorre Les Echos .
Quando terminou o último gole de atum, ela digitalizou todas as
páginas e processou as informações de que precisava.
Olhando a cidade, ela verifica o telefone. Mas não há texto de Konstantin.
Nenhum novo alvo. Ligando o rádio de ondas curtas Grundig, como ela é
obrigada a fazer pelo menos duas vezes por dia entre as ações, Villanelle
digita um código de pesquisa. Como sempre, leva um momento ou dois para
encontrar a estação numérica, que tende a pular de frequência em frequência.
Hoje está transmitindo a 6840 kHz. Há um leve estalo, seguido pelas primeiras
quinze notas de uma canção folclórica russa, cujo nome Villanelle conhecia
uma vez, mas que há muito se esquece. A música é gerada eletronicamente,
com um som fino e minúsculo que é ao mesmo tempo triste e levemente
sinistro. As notas se repetem por dois minutos e, em seguida, a voz de uma
mulher, distante, mas precisa, começa a recitar um grupo numérico russo de
cinco dígitos .
Esse é o código de chamada , identificando o indivíduo a quem a
mensagem se destina e a voz repetiu os números três vezes: “ Dva, pya ',

devyat ', sem', devyat '... ”Dois, cinco, nove, sete, nove - antes de
Villanelle perceber que o código de chamada é dela. O choque
momentaneamente tira o fôlego. Uma chamada de estação numérica
implica ação imediata. Ela está checando a estação há mais de dois
anos sem nunca ouvir seu número.
A chamada se repete por quatro minutos e seis toques eletrônicos
anunciam a mensagem. Novamente, isso consiste em grupos de cinco dígitos
, cada um dublado duas vezes. Então os sinos novamente, as notas de
abertura da música folclórica e o assobio do ar vazio. Leva Villanelle dez
minutos para descriptografar a mensagem usando o one-time pad que ela
mantém, juntamente com uma SIG Sauer P226 automática e
10.000 em notas de alta denominação , em um cofre escondido. Diz:

17NORTHSTAR.

Trancando novamente o cofre, Villanelle pega um boné de beisebol e


óculos escuros e sai do apartamento. O local dezessete é o heliporto em
Issy-les-Moulineaux. Seguindo o anel veloz o mais rápido possível,
passando de pista em pista no Roadster cinza-prateado , ela chega em
quinze minutos. No portão de entrada do estacionamento, dois homens
em coletes de alta visibilidade estão esperando. Eles parecem vagamente
oficiais e, enquanto Villanelle pára, um deles exibe um cartaz com as
palavras NORTH STAR . Quando Villanelle assente, ele a chama para fora do
Audi e pega as chaves do carro, então o segundo homem a leva por uma
estrada lateral não marcada até um retângulo de asfalto fechado por
armazéns. No ponto central, um helicóptero Airbus Hummingbird está
esperando, com rotores ociosos.
Villanelle sobe no banco ao lado do piloto, cintas-se em, e coloca um
redutor de ruído comunicações auriculares sobre o seu boné de beisebol.
Ela não carrega bagagem, dinheiro, passaporte ou documentos de
identificação.
"ESTÁ BEM?" pergunta o piloto, seus olhos invisíveis por trás dos
óculos de sol espelhados. Villanelle lhe dá um polegar para cima, eo
Hummingbird decola, paira
por um momento acima do heliporto, e oscila para o leste. Abaixo deles,
brevemente, está o brilho serpentino do Sena e o rastejamento do tráfego na
Périphérique. E então a cidade cai e há apenas o tambor do motor. Só agora
Villanelle tem tempo para se perguntar por que ela foi chamada pela estação
de números. E por que não houve nenhuma palavra de Konstantin.

É fim de tarde quando eles pousam no aeroporto de Annecy Mont


Blanc, no sudeste da França, onde uma figura solitária está esperando
na pista. Algo nos cabelos cortados e na roupa apertada demais diz a
Villanelle que a mulher é russa, e isso é confirmado quando ela fala,
direcionando Villanelle em direção a um Peugeot empoeirado
estacionado a cinquenta metros de distância. A mulher dirige com
eficiência, fazendo um rápido meio circuito do aeródromo antes de
puxar com um piscar de freios em um hangar ao lado de um Learjet
com as insígnias da Estrela do Norte.
"Dentro", ela ordena, batendo a porta do carro, e Villanelle sobe os
degraus para o interior climatizado do Learjet e se prende a um assento
estofado em couro azul ártico . Seguindo-a, a mulher retrai os degraus e
fecha a porta de saída. Os motores iniciam imediatamente. Há uma
labareda de sol no final da tarde na janela quando o jato sai do hangar e,
com um rugido abafado, eles estão no ar.
"Então, para onde estamos indo?" Villanelle pergunta, soltando a
fivela do cinto de segurança .
A mulher encontra seu olhar. Ela tem traços amplos e de
alto volume e olhos da cor da ardósia. Algo nela é familiar.
"Leste", diz ela, abrindo uma mala noturna aos seus pés. "Eu tenho
seus documentos."
Um passaporte, ucraniano, em nome de Angelika Pyatachenko.
Uma carteira de couro gasta contendo uma carteira de motorista,
cartões de crédito e um cartão de recepção identificando-a como
funcionária da corporação North Star. Recibos amassados. Um maço
de notas de rublo.
E roupas. Por favor, mude agora.
Uma jaqueta de couro , suéter de angorá e saia curta. Botas
rasgadas. Roupa interior, muito lavada. Meias-calças baratas, novas,
de uma loja de departamentos de Kiev.
Consciente de que ela está sendo examinada, Villanelle tira o boné
e os óculos de sol e começa a se despir, colocando as roupas no
assento de couro azul. Quando ela tira o sutiã, a outra mulher
engasga.
"Merda. É você mesmo. Oxana
Vorontsova. "Eu sinto Muito?"
"Eu não tinha certeza, para começar, mas ..."
Villanelle a encara inexpressivamente. Konstantin prometeu a ela
que o corte era total. Que nada assim poderia acontecer.

"Do que você está falando?"


Você não se lembra de mim? Lara? De Ekaterinburg?
Foda-se, não pode ser. Mas isso é. Aquela garota da academia
militar. Ela cortou o cabelo e parece mais velha, mas é ela. Com um
esforço supremo de vontade, Villanelle mantém o rosto inexpressivo.
"Quem você acha que eu sou?"
“Oxana, eu sei quem você é. Você parece diferente, mas é você.
Pensei ter reconhecido aquela pequena cicatriz na sua boca e tive
certeza quando vi aquela toupeira no seu peito. Você não se lembra
de mim?
Villanelle considera a situação. Negação não vai funcionar. "Lara",
diz ela. "Lara Farmanyants."
Eles se conheceram, apenas alguns anos antes, nos jogos da universidade,
quando estavam competindo no tiroteio. Ficou claro que Farmanyants,
representando a Academia Militar de Kazan, seria muito difícil de derrotar,
então na noite anterior à Oxana final entrou no quarto de sua rival e, sem falar
uma palavra, despiu-se e subiu na cama com ela. Não demorou muito tempo
para o jovem cadete se recuperar de sua surpresa. Ela estava, como Oxana
imaginara, precisando muito de sexo e retornou seus beijos com o desespero
de um animal faminto. Mais tarde naquela noite, idiota por horas de cunilíngua
fervorosa, ela sussurrou para Oxana que a amava.
Foi nesse momento que Oxana soube que havia vencido. No início da
manhã seguinte, ela voltou ao seu quarto e, quando viu Lara no café da manhã
na cantina, olhou através dela. Lara tentou se aproximar dela várias vezes
naquela manhã, e cada vez que Oxana a apanhava. Quando eles se alinharam
no alvo, as amplas feições de Lara registraram mágoa e perplexidade. Ela
tentou se recompor para a competição, mas seu objetivo vacilou, e o melhor
que conseguiu foi uma medalha de bronze. Oxana, com um tiro certeiro e
verdadeiro, pegou o ouro e, quando subiu no técnico da equipe para retornar a
Perm, Lara Farmanyants havia sido excluída de seus pensamentos.
E agora, por alguma coincidência maligna, aqui está ela novamente. Talvez
não seja tão estranho que ela deva estar trabalhando para Konstantin. Ela é
excelente, e provavelmente muito inteligente e ambiciosa para desperdiçar sua
carreira nas forças armadas.
"Li no jornal que você matou algumas pessoas da máfia", diz Lara.
“E mais tarde, um dos instrutores da academia me disse que você se
enforcou na prisão. Fico feliz que essa parte não seja verdadeira.
Consciente de que ela precisa manter Lara de lado, Villanelle
suaviza o olhar. "Sinto muito por ter tratado você do jeito que eu fiz
em Ekaterinburg."

“Você fez o que tinha que fazer para vencer. E, embora


provavelmente não tenha significado nada para você, nunca esqueci
aquela noite.
"Realmente?"
"Real e verdadeiramente."
"Quanto tempo dura esse vôo?"
Villanelle pergunta. "Talvez mais duas
horas."
"E seremos interrompidos?"
"O piloto tem instruções para não sair da cabine."
"Nesse caso ..." Ela estende a mão e passa um dedo suavemente
pela bochecha de Lara.
A luz está diminuindo quando o Learjet pousa em um pequeno
aeroporto privado nos arredores de Scherbanka, no sul da Ucrânia.
Um vento frio percorre a pista, onde um veículo de alta segurança
BMW está esperando. Lara dirige rápido, deixando o campo de pouso
por um portão lateral, onde um guarda uniformizado os acena. O
destino deles, ela diz a Villanelle, é Odessa. Por uma hora, eles
seguem sem problemas pela paisagem sombria, mas, ao se
aproximarem da cidade, encontram tráfego. À frente deles, iluminados
pelas luzes da cidade, as nuvens são de um amarelo sulfuroso.
"Não direi nada sobre você", diz Lara.
Villanelle inclina a cabeça contra a janela. Os primeiros respingos
de chuva riscam o vidro blindado . “Não vai dar certo para você se
você fizer. Oxana Vorontsova está morta.
"Uma pena. Eu a
admirei. "Você precisa
esquecê-la."
Vou falar com Konstantin, decide Villanelle. Ele pode lidar com
Lara. De preferência, com uma rodada de 9 mm na parte de trás da
cabeça bem cortada.

Ao voltar da China, com a ajuda de um investigador emprestado do


departamento de Crime Econômico da cidade de Londres, Eve tentou
perseguir a liderança que Jin Qiang lhe dera: identificar quem havia feito a
transferência bancária de 17 milhões de libras e quem tinha sido o
beneficiário. A investigação falhou em revelar a fonte dos fundos, mas os
levou por meio de uma intrincada rede de empresas de fachada ao
beneficiário, um capitalista de risco de perfil baixo chamado Tony Kent.
A investigação detalhada de Kent e seus assuntos revelou pouco, mas
um fato chamou a atenção de Eve: que Kent era membro de uma
pesca com mosca exclusiva

sindicato que possuía 800 metros do rio Itchen em Hampshire. Não foi fácil
obter informações sobre o sindicato, mas Richard Edwards conseguiu, depois
de algumas investigações discretas, fornecer a Eve uma lista de membros.
Isso não demorou muito; de fato, continha apenas seis nomes. Os de Tony
Kent, dois gerentes de fundos de hedge , um parceiro de uma empresa de
comércio de commodities de alto perfil , um cirurgião cardiotorácico sênior e
Dennis Cradle. Eve sabia exatamente quem era Dennis Cradle. Ele era o diretor
da filial D4 do MI5, responsável pela contra-espionagem contra a Rússia e a
China.

Billy está agachado na mesa de aço que costumava ser de Simon,


invadindo a conta de e-mail de Dennis Cradle. O novo hardware do
computador, agora conectado e funcionando, dá um zumbido fraco.
Lance está sentado em uma cadeira de plástico em frente à janela,
olhando para o trânsito na Tottenham Court Road. Sua contribuição
para a decoração do escritório foi um cabide de roupas, pendurado
com casacos e jaquetas que parecem um lote de trabalho de uma loja
de caridade. Nos dentes de todos os seus princípios, Eve deu a ele
permissão para fumar, pois o cheiro pungente de suas acumulações
oculta outros odores piores.
"Você teve curry ontem à noite, Billy?" ela pergunta, olhando para
cima da tela do laptop.
"Sim, camarão Madras." Ele move as nádegas na cadeira. "Como
você sabe?"
“Chame de um palpite inspirado. Como você está lidando com essa senha?
"Quase lá, eu acho." Seus dedos dançam sobre o teclado enquanto ele olha
para
a tela dele. Oh! Seu homem bobo,
bobo. "Você entrou?" pergunta
Lance.
“Todo o caminho. Dennis Cradle, você é minha puta.
"Então, o que temos?" Eve pergunta, uma pequena chama de
excitação queimando dentro dela.
“Dados do servidor em nuvem. Tudo em seu computador
doméstico, basicamente. "Não parece muito seguro."
Billy encolhe os ombros. "Ele provavelmente pensa que, por se
tratar de coisas domésticas, ele não precisa de autenticação pesada
".
“Ou talvez ele não queira dar a impressão de ter algo a esconder.
Talvez seja isso que devemos ver.
Cradle compartilha uma conta com sua esposa, Penny, uma advogada
corporativa. Seus
os e-mails são armazenados em pastas ordenadas com nomes como
Contas, Carros, Saúde, Seguros e Escolas. A caixa de entrada contém
menos de cem mensagens, que Billy copia e envia para Eve. Um
exame preliminar revela pouco de interesse.
"Isso é como um anúncio de estilo de vida", diz Eve, percorrendo os
arquivos de imagem dos berços. Quase todas as imagens são de férias
com atividades familiares. Esqui em Megève, campo de tênis em Málaga,
navegando no Algarve. O próprio Berço é uma figura bronzeada e otimista,
com cerca de cinquenta anos, que claramente gosta de ser fotografada
em kits esportivos. Sua esposa, bonita e bem cuidada, é talvez cinco anos
mais nova. Seus filhos, Daniel e Bella, olham para a câmera com o direito
aborrecido de adolescentes de escolas particulares.
"Twats", diz Billy.
"Dê uma olhada na casa deles em Londres", diz Eve.
A imagem da rua mostra uma casa georgiana de
tijolos vermelhos, afastada da estrada. Uma varanda com pilares está
meio obscurecida por uma magnólia que se espalha. Um alarme
contra roubo é visível ao lado de uma janela do térreo .
"Cadê?" pergunta Lance.
“Muswell Hill. Eles estão lá há seis anos. Custou-lhes um ponto e
três fábricas. Hoje, vale pelo menos dois, pelo menos.
"Certamente Cradle não está fingindo ter pago por tudo isso em
seu salário de serviço?"
"Não. A esposa é a grande ganhadora.
"Mesmo assim, eles terão problemas para explicar dezessete pessoas
gordas."
Eve encolhe os ombros. Duvido que eles precisem. Supondo que Tony
Kent esteja agindo como uma espécie de intermediário financeiro para a
organização que estamos alvejando, acho que o dinheiro está estacionado
fora da vista da Receita. ”
"Então, como sabemos que está indo para Cradle?"
“Nós não temos, com certeza. Mas Jin Qiang não teria me direcionado
para Kent se ele não soubesse que eu faria a conexão com Cradle. Eu fiz
perguntas específicas sobre a possibilidade de os membros dos Serviços
de Inteligência do Reino Unido receberem pagamentos em larga escala de
qualquer fonte desconhecida. Essa foi a resposta de Jin. Eu acho que foi o
mais longe que ele pensou que poderia ir.
"Então", diz Lance, "vamos mudar o lugar de Cradle?"
A Eve lustra seus óculos. “Eu gostaria, mas será bem seguro. Ele é
um oficial sênior do MI5. A merda realmente voaria se fôssemos
apanhados.
"Estou assumindo que não estamos indo na rota do mandado de busca?"

"Não. Nós nunca conseguiríamos um, mesmo se disséssemos por


que precisávamos de um. O que não podemos.
"Só perguntando." Lance se inclina na direção da tela. “Esse é um
alarme fictício sobre a janela do primeiro andar , então eles
provavelmente têm um sistema convencional dentro. Almofadas de
pressão infravermelhas ... ”
"Você acha que é factível?" Eve pergunta a ele.
Ele acende o isqueiro sob o enrolamento meio defumado . “Tudo é
factível. É uma questão de oportunidade. Você pode pegar o diário do
cara, Billy?
“Eu tenho Penny's. Ele não parece ter um.
“Eu preciso de uma janela garantida de duas horas . O que
eles podem nos oferecer? "Que tal agora?" diz Billy. “Jantar
com A&L, Mazeppa 8,00.” Eve faz uma careta. "Mas isso é
hoje à noite."
"Eu posso fazer hoje à noite." Lance encolhe os ombros. "Vou cancelar
meu encontro com Gigi Hadid." "Cedo demais. Precisamos fazer um
recce adequado. Não podemos simplesmente ir cobrando
há. O que mais eles têm?
"Não sei sobre Dennis", diz Billy. "Mas Penny não tem mais nada
reservado esta semana."
"Porra." Eve procura Mazeppa em seu telefone. É um restaurante com
estrelas Michelin em Dover Street, Mayfair. Ela olha incerta para Lance.
"Eu poderia verificar a casa esta tarde", ele oferece. “Estacione e
sente-se bem. Assim que partirem hoje à noite, nós iremos.
Eve assente. Está longe do ideal. E ela não tem idéia das
habilidades de Lance como destruidor de casas. Mas Richard não a
teria mandado um agente maluco. E ela precisa de resultados.
"OK", diz ela.

Lara deixou Villanelle em um café no Mercado de Aves de Odessa, no


distrito de Moldovanka. É um lugar sombrio, com iluminação amarelada,
pôsteres de viagens desbotados nas paredes e uma lousa anunciando o
dia especial. Talvez metade das mesas esteja ocupada. Por homens
solteiros, principalmente, e duas mulheres que podem ser prostitutas, se
abastecendo para o trabalho da noite com sopa e bolinhos de solyanka .
De tempos em tempos, os homens olham para Villanelle, mas, ao
encontrar seu olhar hostil, desviam o olhar novamente.
Ela está esperando aqui há vinte minutos, bebendo uma xícara de chá e

lendo uma cópia de Sevodnya , um tablóide em russo , em um dos


estandes ao lado da sala. De vez em quando, ela ergue os olhos para a
fachada de vidro turva do café e para as ruas mal iluminadas do outro
lado. Ela está com fome, mas não pede nada, caso precise sair.
Uma figura magra desliza para dentro do estande à sua frente. Um
homem que ela conheceu antes: o homem que conversou com ela no
Hyde Park no inverno anterior e que a assustou.
E agora aqui está ele de novo. Há o início irregular da barba e uma jaqueta
de couro surrada substituiu o casaco feito sob medida, mas a escuridão
congelada dos olhos é a mesma. Quando se conheceram, ele falava inglês,
mas agora está chamando a garçonete idosa em russo fluente e
com sotaque de Moscou.
"Você está com fome?" ele pergunta, passando a mão pelos
cabelos úmidos pela chuva . Ela encolhe os ombros.
" Borscht e pirozhki para dois", ele ordena e senta-
se. "Então", diz Villanelle, seu rosto sem expressão.
"Então nos encontramos novamente." Ele lhe dá o fantasma de um
sorriso. “Peço desculpas por não me identificar em Londres. Não era
a hora certa.
"E agora é?"
Ele olha para ela, avaliando. “Ficamos impressionados com a
maneira como lidou com a ação Kedrin. E agora estamos diante de
uma situação que exige sua ajuda. ”
"Eu vejo."
“Você não vê, mas você verá. Meu nome é Anton e sou colega do
homem que você conhece como Konstantin.
"Continue."
Konstantin foi sequestrado. Tomado refém por uma gangue da
máfia, aqui em Odessa.
Ela o encara, sem palavras.
“E sim, temos certeza. A gangue se chama Zoloty Bratstvo , ou a
Irmandade Dourada, e é liderada por um homem chamado Rinat
Yevtukh. Segundo nossas informações, Konstantin está em uma casa
bem protegida em Fontanka, a meia hora daqui. A casa é de
propriedade de Yevtukh. A intenção da quadrilha, aparentemente, é
exigir um resgate.
Sua expressão permanece neutra, mas o alarme a sacode com
força nauseante. Isso é uma configuração? Uma tentativa de entrar
em pânico e revelar quem e o que ela é?

"Você tem que confiar em mim", diz ele. "Se eu fosse hostil, você já
estaria morto."
Ainda assim, ela não diz nada. Mesmo se ele está dizendo a
verdade, e Konstantin foi sequestrada, ela ainda está letalmente
comprometida. Se eles - quem quer que sejam - podem chegar a
Konstantin, com sua cautela serpentina, então podem alcançá-la.
"Diga-me", diz ela eventualmente.
"ESTÁ BEM. Temos certeza de que os seqüestradores não sabem nada
sobre a conexão de Konstantin conosco, ou mesmo que existimos. Para
eles, ele é apenas um empresário visitante, cuja empresa pagará da
maneira usual. O que nos preocupa é que a organização de Yevtukh está,
há algum tempo, sob o controle do SVR, o serviço secreto de inteligência
russo. E o SVR nos conta, como o MI6. Eles não sabem quem ou o que
somos, mas sabem que existimos. Portanto, a questão é: eles
organizaram esse seqüestro com o objetivo de interrogar Konstantin
sobre nós? Não temos certeza. Temos nosso próprio pessoal no SVR,
naturalmente, mas levará tempo para descobrir o que realmente está
acontecendo. E não temos tempo.
Ele faz uma pausa quando tigelas, colheres e uma caçarola
fumegante de borsch são colocadas sobre a mesa, seguidas
momentos depois por um prato de pirozhki - pequenos pães cheios de
carne picada. Enquanto a garçonete se afasta, Anton serve a sopa de
beterraba, borrifando a frente do suéter barato de Villanelle com
manchas roxas escuras.
"Konstantin é forte", continua ele. "Mas mesmo ele não pode
vencer um interrogatório SVR."
Villanelle assente, enxugando distraidamente o suéter com um
guardanapo de papel. "Então, o que você propõe?"
"Nós o tiramos."
"Nós?"
"Sim. Eu montei uma equipe das nossas
melhores pessoas. ” Ela encontra o olhar dele.
"Eu não trabalho com outras pessoas." "Você
faz agora."
"Eu serei quem decide isso."
Ele se inclina na direção dela. “Escute, não temos tempo para essa
merda de primadonna. Você fará o que lhe disseram. E há uma boa
chance de que todos possamos nos afastar disso. ”
Ela fica lá, imóvel. "Eu nunca participei de um resgate de reféns."

“Apenas ouça, ok. Você tem um papel muito específico a desempenhar. ”


Ela ouve. E sabe que ela não tem escolha. Que tudo o que ela é,
tudo o que ela se tornou, depende do sucesso desta missão.
“Farei isso com uma condição. Que eu não sou reconhecível. Não
quero que mais ninguém da equipe veja meu rosto. Ou descubra qualquer
coisa sobre mim.
“Não se preocupe, os outros sentem o mesmo. Você vai usar
full-face máscaras por toda parte, ea comunicação será limitada a um
mínimo operacional. Depois, quando a missão estiver concluída, você
retornará separadamente para onde veio.
Ela assente. Há tanta coisa nele que ela desconfia, e da qual recua
instintivamente. Mas ela não pode, naquele momento, encontrar
falhas no plano dele.
"Então, quando vamos entrar?"
Ele examina o café e toma um bocado de sopa. A chuva bate mais
forte contra a fachada de vidro.
"Esta noite."
Niko não levanta a voz, mas Eve pode ouvir que ele está chateado. Dois de
seus colegas da escola devem jantar, o chileno Pinot Noir foi comprado e um
pequeno mas caro ombro de cordeiro está esperando em um prato à
prova de forno , preso com dentes de alho. O subtexto da noite é que Eve
ficará bonita e usará o perfume St. Laurent que ele comprou para ela, e seus
brincos mais bonitos, e quando os convidados forem embora, eles farão amor
um pouco bêbado, e as coisas vão, de um jeito e de outro. outro, fique bem
novamente.
"Não acredito que , seja o que for, realmente tem que acontecer
hoje à noite", diz ele. “Quero dizer, Jesus, Eva. A sério. Você sabe
sobre Zbig e Claudia vindo por semanas.
"Sinto muito", diz ela, consciente de Billy ouvindo cada palavra. “Eu
simplesmente não posso fazer esta noite. Nem posso discutir isso
em uma linha aberta. Você só precisa se desculpar por mim.
“Então o que eu vou dizer? Que você está trabalhando até tarde?
Eu pensei que tudo terminasse quando você ...
“Niko, por favor. Diga a eles o que quiser. Você conhece a situação.
“Não, na verdade não, Eve. Eu realmente não. Eu tenho uma vida, caso
você não tenha
percebi, e estou lhe pedindo, desta vez, para fazer algo por mim. Então faça

uma desculpa, faça o que for necessário, mas esteja lá esta noite. Se
você não é ...
"Niko, eu-"
“Não, me escute. Se não, então precisamos pensar seriamente
sobre se ...
“Niko, é uma emergência. Existe uma ameaça à vida, e fui
condenada a ficar.
Silêncio, exceto pela ascensão e queda de sua
respiração. "Sinto muito, tenho que ir."
Quando ela quebra a conexão, Eve chama a atenção de Billy e ele
desvia o olhar. Ela fica lá por um momento, tonta de vergonha. Esta
não é a primeira vez que ela evita a verdade com Niko, mas é a
primeira vez que ela mentiu diretamente para ele.
E para quê? Billy e Lance poderiam lidar bem com isso sem ela. Na
verdade, eles provavelmente prefeririam, mas algo dentro dela, algo
selvagem e atávico, quer correr com o bando. Vale a pena?
Transformando sua vida nesse crepúsculo furtivo e testando o amor
de um homem bom para a destruição? Ela gosta de algo com Dennis
Cradle, ou está apenas criando elos imaginários para enganar a si
mesma que está progredindo?
Se não encontrarem nada em Cradle, ela tirará uma folga. Corrija
as coisas com o Niko, se não for tarde demais. Todos os oficiais que
trabalhavam mais no Thames House disseram a mesma coisa: você
tinha que ter uma vida lá fora. Se você não queria acabar sozinho,
precisava se afastar da intoxicação insone do trabalho secreto. Tudo
o que ofereceu foi uma série interminável de falsos horizontes. E sem
fechamento, nunca.
Pensar em Niko em casa sem ela, colocando a mesa, arrumando
as taças de vinho, colocando cuidadosamente o cordeiro no forno, a
faz querer chorar. A tentação de ligar para ele, dizer que a situação
está resolvida e que ela está voltando para casa, é esmagadora. Mas
ela não faz.
"Você tem namorada, Billy?"
“Não como tal. Converse com essa garota
no Sea of Souls. "O que é o Sea of Souls?"
"Jogo de RPG online ".
"Então, como ela se
chama?" "O nome de
usuário dela é Ladyfang."
"Já a conheceu?"

“Não. Estava pensando em sair para um encontro, mas ela


provavelmente se mostraria muito velha, ou um cara, ou algo assim.
"Isso é um pouco triste, não é?"
Billy encolhe os ombros. "Para ser sincero, não tenho tempo para uma
namorada agora." Há um breve silêncio, quebrado pelo zumbido de seu
telefone. “É o Lance. Ele está estacionado, com os olhos na casa. Nenhum
sinal de ocupantes.
“Eles ainda não voltaram do trabalho. E meu palpite é que os dois
vão direto para o restaurante. Ele virá da Thames House. Sua empresa
está sediada em Canary Wharf. Mas não podemos contar com isso.
Nosso relógio começa às oito, quando eles encontram os outros em
Mazeppa.
“Eu ligo para minha mãe. Diga a ela para não esperar.

A base operacional avançada é uma fazenda em desuso, a três quilômetros


a noroeste de Fontanka. A equipe de assalto está reunida em um anexo
retangular que abriga um hatchback ZAZ enferrujado e uma variedade de
implementos agrícolas cheios de lama . Holofotes temporários iluminam duas
longas mesas de cavalete com mapas, planos arquitetônicos e um laptop.
Caixas de metal contendo armas, munições e equipamentos são empilhadas
no chão. São 22 horas, horário local. Além da parede do pátio, em silhueta
contra o céu escuro, Villanelle pode ver os rotores de um helicóptero militar
Little Bird.
Além de Anton, o time conta com cinco. Quatro assaltantes, dos quais
Villanelle é um, e um franco-atirador. Todos os cinco estão vestindo macacões
pretos da Nomex, armaduras e máscaras de balaclava apertadas . Villanelle
não tem idéia da identidade dos outros, mas Anton está conduzindo o briefing
final em inglês.
Eles descobrem que o prédio em que Konstantin está sendo mantido
fica em uma área de meia dúzia de acres. As fotografias mostram um
palazzo ostentoso de três andares com pilares, balaustradas e um telhado
de telha íngreme. A cadeia de ligação cerca rodeia a propriedade; A
entrada é feita por meio de um portão eletrônico protegido. Para Villanelle,
o local parece um bolo de casamento fortificado.
Os assaltantes podem esperar uma briga. De acordo com as
informações obtidas pela vigilância, há um detalhe de segurança
armada permanente de seis homens presos na casa, dos quais até
três, a qualquer momento, estão patrulhando o exterior. Dada a
reputação de Yevtukh, e a probabilidade de a maioria ser ex-militar, é
provável que ela monte uma forte resistência.
O plano de Anton é simples: um ataque cirúrgico de selvageria e intensidade
como

deixar os seqüestradores incapazes de uma resposta coordenada.


Enquanto a equipe de assalto limpa a casa, o atirador busca alvos de
oportunidade. A velocidade será essencial.
Villanelle olha em volta para as outras figuras mascaradas. Os trajes e a
armadura de Nomex dão a eles o mesmo perfil volumoso, mas o atirador tem
a massa corporal de uma mulher. Eles serão conhecidos apenas pelos seus
indicativos. Os assaltantes são Alpha, Bravo, Charlie e Delta, o atirador é Echo.
Com o briefing tático concluído, os atacantes vão para as caixas de armas.
Depois de pensar um pouco, Villanelle se arma com uma metralhadora KRISS
Vector, uma pistola Glock 21, várias revistas carregadas com balas .45 ACP e
uma faca de combate Gerber. Então, de uma das mesas de cavalete, ela pega
uma mira e visor de fibra ótica , e a bolsa de transporte do capacete marcada
com seu indicativo, Charlie. Colocando a mira no bolso da coxa, ela leva o
capacete para o pátio escuro para verificar o interfone e os óculos de visão
noturna. Ao seu redor, há breves iluminações enquanto os outros três
atacantes testam tochas montadas em armas e miras a laser.
Levantando o capacete balístico, ela os observa. Há um cara alto,
Delta, com mãos de pele escura , que está carregando uma espingarda de
combate pesada. Bravo é uma figura magra de estatura média, totalmente
anônima, e Alpha é otimista e compacta. Ambos estão carregando
submetralhadoras Heckler & Koch de cano curto e várias bandoleiras de
munição. Todos os três são, sem dúvida, do sexo masculino, e ela os
percebe em troca, olhos sem expressão por trás das máscaras faciais.
Meia dúzia de passos de distância, o atirador, armado com um rifle
Lobaev SVL e uma mira noturna, mede vetores de vento cruzado com um
medidor de velocidade.
Dentro da fazenda, a equipe finaliza o procedimento de comunicação e
rádio. As vozes dos outros não são reveladoras; todos falam inglês
fluentemente, embora com sotaques diferentes. O alfa parece ser do leste
europeu, o Bravo é definitivamente americano do sul e o primeiro idioma
do Delta é provavelmente o árabe. Eco, a mulher, é russa. E para essas
criaturas sem rosto, Villanelle pensa, tenho que confiar minha vida. Porra,
inferno.
Suavizando os mapas e os planos arquitetônicos, Anton acena para eles.
"ESTÁ BEM. Última execução, então vamos. Eu gostaria de bater em casa
um pouco
antes do amanhecer amanhã de manhã, mas não podemos arriscar
deixar o refém lá por tanto tempo. Então ouça.
Enquanto ele fala, Villanelle está ciente do atirador, Echo, ao lado dela.

Seus olhos se encontram, e ela reconhece o olhar cinza ardósia de Lara


Farmanyants. Mais uma vez, Villanelle sente seu rumo mudar. Lara nua e em
decúbito dorsal abaixo dela é uma coisa, Lara erguendo um rifle de
alta precisão outra. Ela está lá apenas para tirar os guardas ou faz parte de
alguma coisa insondável
plano desonesto de Anton?
As duas mulheres se olham por um momento, sem
expressão. "Bela arma", diz Villanelle.
“É o meu favorito para esse tipo de trabalho. Câmara para .408
Chey-Tac. Lara trabalha o parafuso sem som do Lobaev. "Eu não sou
tão facilmente distraído do meu objetivo hoje em dia."
“Tenho certeza que você não é. Boa caçada."
Lara assente, e um minuto depois sobe no SUV, que a levará à sua
posição de tiro.
Os minutos passam. Villanelle ajusta os protetores auriculares do
capacete, ajusta o som do microfone e aperta a tira do queixo. Finalmente,
um sinal de Echo informa Anton que ela está em posição e pronta. Anton
acena com a cabeça para os quatro atacantes e eles fazem o seu
caminho através do pátio escuro até o passarinho preto e fosco . O piloto
está esperando no cockpit apagado e prepara a aeronave para
a decolagem, enquanto os agressores ocupam seus lugares nas
plataformas externas da fuselagem. Sentada na plataforma de estibordo,
com o KRISS Vector pendurado no peito, Villanelle prende o cinto de
segurança. Ao lado dela, Delta está segurando a espingarda sobre os
joelhos. Seus olhos estreitam, e eles trocam acenos cautelosos.
Há um rugido abafado quando o motor do Little Bird aciona,
seguido pelo acelerado turbilhão dos rotores. O barco estremece, Delta
estende um braço enluvado e ele e Villanelle batem os punhos. Por
enquanto, qualquer que seja o futuro, eles são um time, e Villanelle
força suas apreensões ao fundo de sua mente. O passarinho levanta
alguns metros e paira. Então o chão cai quando eles escalam o céu
noturno.
O helicóptero se aproxima da casa contra o vento, então os
ângulos em rápido, deslizando sobre a cadeia de ligação vedação
antes de dançar no ar um metro acima do gramado para o leste da
entrada principal. Soltando seus arreios, os atacantes saltam, armas
niveladas, e segundos depois o Passarinho levanta e se afasta na
escuridão.
Enquanto correm para a cobertura da lateral da casa, os holofotes
de segurança de alta intensidade banham a área em branco
deslumbrante. Corrida de duas figuras

em direção a eles do outro lado da entrada. Há um tapa molhado,


depois outro, e ambos caem no cascalho. Um se contorce como um
inseto preso, e o outro permanece quieto, quase decapitado pelo
silenciador .408.
“Nice tiro, Eco,” murmúrios Bravo, seu sul sotaque pin-sharp em
fones de Villanelle, e com uma série de tiros direcionados, começa a
bater para fora os holofotes LED montado no gramado e parte da
frente do edifício. Alpha corre para o canto traseiro do edifício para
realizar a mesma operação lá. Villanelle observa e espera. Silenciados
pelo sistema de supressão de ruído do capacete , os tiros soam
distantes e irreais.
Com apenas a parede oposta da casa ainda iluminada, a parte
oeste do terreno é lançada em forte alívio. Villanelle arrisca um rápido
olhar ao redor do ângulo do edifício e sente o ar ondular quando uma
rodada passa por seu rosto. O atirador deve ter traído sua posição,
porque Villanelle ouve, mais uma vez, o forte golpe de um atirador de
elite que encontra seu alvo. Nos fones de ouvido, a voz de Lara é
calma. “Eco para todos os jogadores, agora você está pronto para
violar. Repita, você pode violar.
O que se segue é um estudo de tempo e movimento. Alfa corre
para a grande porta da frente central, coloca cargas em forma de
explosivas contra ela e se junta aos outros. A porta da frente sopra
com um som ensurdecedor , mas isso é uma diversão. O verdadeiro
ataque é através de uma pequena porta lateral, na qual Delta arranca
as dobradiças com a espingarda. Os assaltantes entram nas cozinhas
desertas.
Há uma coreografia formal para limpar a casa. É um processo de
autopropulsão que não pode e não deve ser interrompido. A equipe se
move de sala em sala, com cada membro designado como quadrante,
varrendo, limpando, seguindo em frente. Villanelle conhece bem a dança,
ensaiou cada passo na casa de extermínio das instalações de treinamento
da Delta Force em Fort Bragg. Os instrutores de lá a conheciam como
Sylvie Dazat, destacada no GIGN, Grupo Nacional de Intervenção das
Gendarmerias da França, e em sua avaliação final a descreveu como uma
aprendiz excepcionalmente rápida, com habilidades instintivas em armas,
mas com uma personalidade tão antissocial que a impede de qualquer
função de trabalho em equipe. Seu comportamento hostil tinha sido
deliberado. Os homens esquecem as mulheres que não se impressionam
com eles; Konstantin havia lhe ensinado isso. E ninguém em Fort Bragg se
lembra de Sylvie Dazat.
Eles estão em uma ante-sala agora, cheios de móveis estofados demais.
Na parede, há uma vasta pintura de Michael Jackson acariciando um
chimpanzé. De algum lugar

o interior do edifício vem o som abafado dos pés nas escadas. Um


guarda de segurança aparece à vista, nivelando um rifle de assalto, e
Villanelle o ajoelha com uma rajada de três tiros do KRISS Vector. Ele
se equilibra por um momento, de olhos vazios, e cai de bruços.
Quando ela dispara duas vezes na parte de trás do crânio dele,
sujando sangue no carpete profundo , Bravo lança uma granada de
choque pela porta em direção ao corpo principal da casa.
Uma onda de som rola sobre Villanelle, perfurando seu capacete, e
Alpha e Bravo passam por ela. Enquanto ela e Delta seguem, saltando
sobre o corpo da guarda, seus ouvidos cantam. Eles estão em um
corredor enorme, que é pendurado com uma cortina de fumaça oleosa da
granada de choque. Por alguns segundos, o local parece desocupado,
depois há uma fusillada de tiros de armas automáticas, e os agressores
mergulham em busca de proteção.
Villanelle e Delta estão agachados atrás de um grande sofá
Chesterfield estofado em pele de bezerro turquesa. Atrás deles, a entrada
principal, agora aberta à noite, com a pesada porta da frente pendurada
nas dobradiças. À esquerda, em um pedestal de mármore, está uma
estátua em tamanho real de uma bailarina nua, exceto por uma tanga.
Uma explosão de fogo varre o sofá, rasgando as almofadas espalhadas.
Se ficarmos aqui, Villanelle pensa, estamos mortos. E eu realmente,
realmente não quero morrer aqui, entre esses móveis criminalmente feios.
Delta aponta para um espelho de moldura dourada refletindo o outro
extremo do corredor. Nela, uma figura é apenas visível atrás de uma mesa
grande e ornamentada. Villanelle e Delta se erguem de cada extremidade
do sofá. Quando ela acende o fogo, ele atira na mesa com a espingarda.
Lascas de madeira voam e um corpo cai pesadamente no chão. Quatro
para baixo. Há um movimento no canto oposto, e um cano de espingarda
aparece acima de uma poltrona de couro branco. Bravo bate no
estofamento e uma névoa de sangue avermelha o papel de parede com
estampa de zebra . Cinco.
Abaixando-se atrás do sofá, Villanelle muda de revista e corre para
as escadas. O sequestrador restante , ela supõe, está esperando no
primeiro andar.
Ela sobe as escadas e cautelosamente aproxima os olhos do primeiro
andar. Uma figura aparece na porta mais próxima, ela dispara e sua
cabeça é recuada com tanta força que, por um momento, ela tem certeza
de que levou um tiro. Ela agacha-se, suas orelhas zumbem e é apoiada por
uma mão no ombro. Pontos de luz estão estourando na frente de seus
olhos.
"ESTÁ BEM?" uma voz familiar pergunta.
Villanelle assente, atordoada demais para saber por que Lara está
lá, e estende a mão para o capacete. Há um sulco profundo marcado
através do plástico blindado; um centímetro mais baixo e teria sido o
crânio dela.
"Vocês dois demitiram ao mesmo tempo", diz Lara. "E, felizmente,
você atirou alto."
O sexto guarda está deitado de costas na porta. O som áspero e
ofegante de sua respiração indica um tiro no pulmão. Com Villanelle a
cobrindo, Lara corre até ele, um automático na mão direita.
"Onde está o refém?" ela pergunta em
russo. O guarda olha para cima.
"Próximo andar?" O
mais fraco dos acenos
de cabeça. "Alguém o
vigiando?" Os olhos
tremem e se fecham.
"Ninguém?"
A resposta é um murmúrio indistinguível. Lara se inclina para mais
perto, mas tudo que ela consegue ouvir é a sucção do peito dele.
Nivelando a arma, ela dispara uma única rodada entre os olhos dele.
"O que você está fazendo aqui?"
Villanelle diz. "O mesmo que você."
"Esse não era o plano."
“O plano mudou. Eu sou o seu apoio.
Villanelle hesita por um momento e, em seguida, reprimindo suas
dúvidas, leva Lara pelas últimas escadas. No topo, de frente para ela,
há uma porta. Retirando a mira de fibra óptica , Villanelle desliza o
cabo flexível de 1 mm sobre o tapete e sob a porta. A pequena lente
olho de peixe mostra uma sala bem iluminada, vazia, exceto por uma
figura pendurada em uma cadeira.
Silenciosamente, Villanelle tenta a porta. Está trancado. Uma única
rodada do KRISS Vector explode o cilindro, ela o abre e ela e Lara
entram na sala.
Juntos, eles atendem à figura na cadeira. Há uma bolsa de pano
preta na cabeça, cheia de sangue seco. Por baixo, o rosto de
Konstantin está danificado. Ele foi amordaçado e sua respiração
sacode através de um nariz quebrado.
Quando Lara remove a mordaça, Villanelle puxa sua faca de combate e
corta os PlastiCuffs que prendem Konstantin à cadeira. Ele cai para um
lado, seu

cabeça machucada e ensanguentada jogada para trás, trabalhando os


dedos inchados e puxando ar para os pulmões.
"Eu sei o que você está pensando", Lara diz a Villanelle. “Você está
pensando que nunca estará seguro enquanto eu estiver vivo, porque
eu sei quem você realmente é. Você está pensando em me matar.
"Este seria o momento perfeito", concorda Villanelle.
“Você também pode ver como isso me coloca na mesma posição.
Como eu nunca estarei seguro enquanto você estiver vivo.
"Verdade novamente."
Oxana? Lara? Konstantin sussurra pelos lábios escuros com
sangue seco. "É você, não é?"
Ambas as mulheres se voltam para ele. Nem remove sua
balaclava. “Eu nunca disse nada a eles. Você sabe disso,
não é?
"Eu sei disso", diz Villanelle. Ela olha para Lara, observa a
casualidade enganosa de sua postura e a tensão de seu dedo
indicador no gatilho do automático.
Os olhos de Konstantin se movem para Lara. “Eu ouvi o que você
disse. Vocês dois não têm motivos para temer um ao outro.
O olhar de Lara se estreita, mas ela não fala.
Villanelle se ajeita, de modo que seu rosto está ao nível do de
Konstantin, e seu corpo protegido de Lara pelo dele. Chegando pelas
costas, ela tira a Glock do coldre.
"Algo que você me disse uma vez", diz ela a Konstantin. "Eu nunca
esqueci."
"O que é que foi isso?"
"Não confie em ninguém", diz ela, e colocando o cano da Glock
contra as costelas dele, aperta o gatilho.

Obter entrada na casa dos Berços é um anticlímax. Depois de


desativar o alarme contra assaltantes , Lance entra e Billy entra pela
porta da frente com um conjunto de chaves de esqueleto. Felizmente,
os Berços deixaram suas luzes acesas para desencorajar os
invasores.
Eve se afasta, dobra em volta do quarteirão e pára sob uma luz da rua a
cinquenta metros de distância. No banco sombreado do passageiro, ela está
quase invisível, mas pode ver pedestres e tráfego vindo de ambas as direções.

Ela sabe como são os berços. Ela já viu Dennis com bastante
frequência na Thames House e Penny em algumas das festas
bastante sombrias que o Serviço se sente motivado a organizar a
cada dezembro. Ela está confiante de que os reconhecerá.
Ela instruiu Lance e Billy a irem direto ao estudo e se concentrarem
nos computadores. Para baixar tudo o que encontrar em todas as
unidades e copiar os documentos que julgar relevantes com os
scanners a laser portáteis. Os dois homens parecem ser assaltantes
experientes; presumivelmente, era isso que Richard Edwards quis
dizer quando os descreveu como "empreendedor".
Eve senta no carro, seu humor alternando entre ansiedade aguda e
tédio. Depois do que parece ser um interlúdio perigosamente longo,
ela vê Billy andando pela calçada em sua direção.
"Estamos praticamente prontos", diz ele, afundando no banco do
passageiro. "Lance se pergunta se você gostaria de tomar um shufti
rápido."
Confiança, Eve diz a si mesma. Pareça respeitável, pressione a
campainha e entre pela porta da frente. Lance a deixa entrar e lhe entrega
um par de luvas cirúrgicas. O hall da frente é estreito, com piso de
azulejos e madeira branca brilhante. Há uma sala de estar à esquerda e
uma cozinha além da escada. Eve sente seu coração batendo forte. Há
algo profundamente chocante em invadir dessa maneira. - Gosta de
torradas e Earl Grey? Lance pergunta.
"Não brinque, estou morrendo de fome", diz Eve, firmando sua voz.
"O que temos?"
"Por aqui."
O escritório de Dennis Cradle é um pequeno e arrumado quarto,
com estantes e estantes embutidas , uma mesa na mesma madeira
clara e uma cadeira ergonômica para o escritório. Na área de trabalho,
há um computador de aparência poderosa com um monitor de vinte e
quatro polegadas .
"Supondo que Billy estripou isso", Eve diz.
“Se estiver lá, nós conseguimos. Além de uma unidade externa e
vários cartões de memória que encontramos nas gavetas. ”
"Existe um cofre?"
“Não aqui. Pode haver um em outro lugar da casa, mas mesmo que
encontrássemos um, duvido que tenhamos tempo de quebrá-lo antes que eles
voltem.
Eve balança a cabeça. “Não, se houver algo que precisamos, estará
aqui. Duvido muito que ele compartilhe o tipo de informação que estamos
procurando.

a esposa dele."
"Cara sensato", murmura Lance.
Eve o ignora. "Então, olhando por aqui, o que você vê?" “Tipo
de controle. E bastante satisfeito consigo mesmo, eu diria.
As fotos, montadas em um grupo na parede acima da mesa,
mostram Cradle com amigos em um refeitório da universidade,
cumprimentando um general do Exército dos EUA, pegando salmão
em um rio montanhoso e posando com sua família em férias. As
prateleiras contêm uma mistura de thrillers best-sellers, memórias
políticas e títulos relacionados a questões de segurança e
inteligência.
O telefone de Lance vibra. É o Billy. Os berços estão do lado de
fora. Sair de um táxi. Hora de ir."
"Merda. Merda .
Lance se move rápido e silenciosamente. Eve segue, seu coração batendo
tão forte que ela pensa que vai vomitar. Na cozinha, Lance desliza a trava da
porta do jardim, apressa Eve e fecha silenciosamente a porta atrás deles. Eles
estão em solo macio agora, algum tipo de gramado. Merda . Por que os berços
estão de volta tão cedo?
"Na pista", ordena Lance. Pendurado por arbustos, isso leva à estrada.
Eve balança uma perna desajeitadamente sobre a cerca baixa, espinhos
rasgando suas roupas. Desesperada, ela se liberta e Lance a segue.
"OK, deite-se." Ele pressiona a mão entre as omoplatas dela. O
chão é duro, irregular e molhado.
"As luzes", ela assobia, lutando para controlar sua respiração. "Nós
deixamos a porra das luzes acesas."
"Eles estavam quando entramos. Relaxar."
Barulhos irritados saem da cozinha dos Berços. Um bater de
portas do armário. Utensílios bateram em superfícies duras.
"Quando eu disser a palavra, vá para a estrada",
sussurra Lance. "O que estamos esperando?"
Dennis. Ele ainda está na frente, pagando ao taxista.
Eve quer que Penny fique na cozinha. Ela não. Eve ouve a porta do
jardim sendo aberta e um polegar sacudindo o isqueiro. Momentos
depois, ela cheira a fumaça. Penny não pode estar a mais de alguns
metros de distância. Rígida com o medo da descoberta, Eve mal ousa
respirar.
Há o som fraco da porta da frente se fechando, e de uma voz
masculina. Eve se pressiona ainda mais no chão. O rosto dela está a
centímetros do sapato de Lance.

"Olha, me desculpe, ok." A voz do homem, muito mais perto agora.


"Mas sinceramente não vejo ..."
“Você não vê? Bem, para começar, sua merda condescendente ,
você nunca me diz para me acalmar na frente de nossos amigos.
“Penny, por favor. Não grite.
"Eu vou gritar tão alto quanto eu gosto."
“Tudo bem, mas não no jardim, ok? Temos vizinhos. "Foda-se
os vizinhos." A voz dela cai. "E foda-se você também."
Um breve silêncio, então algo vira por cima da cerca e aterrissa no
cabelo de Eve com um pequeno silvo abrasador. A porta da cozinha
se fecha e Eve arranha o cigarro meio fumado , derretendo a luva de
látex e queimando os dedos antes que ela finalmente a solte.
"Vá", sussurra Lance.
Estremecendo de dor, Eve o segue pela estrada até a estrada.
Ninguém parece estar olhando enquanto eles entram no carro, mas
ela está feliz por terem placas com números falsos.
"Que cheiro é esse?" pergunta Billy, soltando a
embreagem. "Meu cabelo", diz Eve, tirando a luva
meio derretida .
“Crikey, não vou perguntar. Suponho que todos vamos voltar para a
Goodge Street?
"Billy, não temos que passar por todas essas coisas hoje à
noite", diz Eve. “Talvez, mas vamos fazer assim mesmo. Há
tudo na TV. "Lança?"
"Sim, tanto faz."
"Todo mundo é bom com pizza?" Billy pergunta. "Passamos por um
lugar na Archway Road."

É quase meia-noite quando Eve liga para Niko. Ele está em casa e os
outros dois professores que foram jantar ainda estão lá.
“Niko, olha, sinto muito por esta noite, e vou compensar você, mas
preciso perguntar uma coisa. Alguma coisa importante."
Niko resmunga sem compromisso.
"Preciso da tua ajuda. Você pode vir ao
escritório? "Agora?"
"Sim, eu tenho medo agora."

"Jesus, Eva." Ele faz uma pausa. "Então, o que eu faço com
Zbig e Claudia?" Ela considera. "Quão bons eles são?"
"Como assim, bom?"
“Coisas de TI. Protocolos de segurança. Quebrando.
“Eles são pessoas muito inteligentes. Mas agora, eles
estão com cara de merda. ” "Você confia neles?"
"Sim, eu confio neles." Ele parece cansado.
Resignado. “Niko, me desculpe. Nunca mais
pedirei nada a você. "Sim você irá. Conte-me."
“Chame um táxi e venha aqui. Todos vocês."
“Eve, você está esquecendo. Eu não sei onde 'aqui' é. Não sei mais
onde há alguma coisa.
"Niko ..."
"Apenas me diga, ok?"
Quando ela desliga o telefone, os outros estão olhando para ela.
As mãos de Billy estão prontas, imóveis, acima do teclado. "Tem
certeza de que é uma boa ideia?" Lance pergunta.
Ela encontra o olhar dele. “Examinamos tudo na unidade externa e
os cartões de memória, tudo o que baixamos do disco rígido e tudo é
totalmente limpo. Acabamos de pegar esse arquivo bloqueado, e eu
tenho medo de que, se não o decifrarmos, tudo o que fizemos hoje
conta para a merda. Dennis Cradle é o MI5 da velha escola . Ele não é
um técnico, mas sabe como criar uma senha de alta entropia . O
ataque da força bruta de Billy não está funcionando. Precisamos de
mais informações sobre este assunto, e tenho permissão de Richard
para usar consultores externos, se necessário.
"Então, quem são essas pessoas?" Lance pergunta.
“O marido é polonês e ex- campeão de xadrez . Ele ensina
matemática, mas é um hacker muito bom. Zbigniew é seu amigo, um
estudioso de clássicos, e Claudia é a namorada de Zbig. Ela é
psicóloga educacional. Eles são pessoas inteligentes. ”
"E os Segredos Oficiais?"
“Estamos apenas pedindo a eles que nos ajudem a quebrar uma
senha. Nada mais. Não vamos nomear nomes, dar contexto ou
mostrar o que encontramos no arquivo. ”
Lance encolhe os ombros.
"Tudo bem por mim, eu acho."
"Billy?"

"Sim. O que ele disse."

"Então você teria me matado?" Villanelle pergunta.


"Essas foram minhas ordens", diz Lara. “Se você não acabar com
Konstantin, eu deveria atirar em você e depois nele. Ele ficou
comprometido.
"Ele não teria contado nada a eles."
“Você sabe disso, e eu sei disso. Mas não é teoricamente
impossível, então ele teve que morrer, e você teve que matá-lo, e eu fui
o apoio. É assim que eles operam, nossos empregadores. ”
“Você não respondeu minha pergunta. Você me mataria?
"Sim."
Eles estão deitados, nus, na cama dobrável do Learjet. Eles cheiram a suor,
sexo e resíduos de tiros. Em quarenta minutos, aterrissarão no aeroporto de
Vnukovo, a sudoeste de Moscou. Lara partirá e Villanelle continuará a Paris via
Annecy Mont Blanc e Issy-les-Moulineaux. Não haverá registro oficial dela
entrando na França, assim como não houve registro de sua partida.
Ela acaricia a nuca de Lara. Sente o formigamento dos cabelos
cortados. “Você estava bem esta noite. Aquele tiro na cabeça foi perfeito.
"Obrigado."
"Você praticamente o decapitou."
"Eu sei. Esse Lobaev é um sonho para filmar. Gentilmente, ela pega
o lábio superior de Villanelle entre os dentes e o explora com a língua.
Eu amo sua cicatriz. Como você conseguiu isso?"
"Não importa."
"Eu quero saber", diz Lara, alcançando entre as pernas de
Villanelle. "Conte-me."
Villanelle começa a responder, mas sentindo a vibração
escorregadia dos dedos de Lara dentro dela, arqueia as costas e
suspira, o pulso de seu corpo se tornando um com o motor do Learjet.
Ela imagina a aeronave correndo durante a noite e as florestas
escuras da Rússia bem abaixo. Tomando a outra mão de Lara na dela,
ela chupa o dedo na boca. Tem um sabor metálico e sulfuroso, como
a morte.

Eve encontra Niko e seus amigos fora da estação de metrô Goodge Street.
Niko toca a mão no braço, o gesto rígido e constrangido, e ela cheira

conhaque de ameixa em seu hálito. Zbig é selvagem


, parecido com um urso e visivelmente bêbado, e Claudia é glacial e
evita os olhos de Eve. Olhando para eles, Eve sente seu otimismo
desaparecer.
No escritório, Lance fez chá e, notando a expressão de Claudia,
saiu para fazer um roll-up. A temperatura está caindo. Eve encontra
cadeiras de todos.
"Então, como podemos ajudar?" pergunta Claudia, com o rosto
inexpressivo, as mãos esticadas na gola do casaco.
Eve olha para os rostos reunidos. "Temos uma senha para
quebrar." Niko olha para Billy. "Vida ou morte, eu entendo."
"Você poderia dizer."
"Então o que você está tentando?"
“Neste momento, uma série de ataques de dicionário. Se isso não
acontecer, vou tentar uma mesa arco-íris. Mas isso vai levar tempo.
"O que não temos", diz Eve.
Claudia franze a testa, ainda segurando o colarinho bem fechado.
"Quanto você sabe sobre o titular da senha?"
"Um pouco."
"Você acha que podemos adivinhar a senha?"
"Acho que podemos fazer uma boa tentativa."
Claudia olha para Zbig, que encolhe os ombros e sopra o
vapor do chá. "Conte-nos sobre esse cara", diz Niko.
"Inteligente, de meia idade, bem educado ..." Eve começa.
“Conhecimento em informática, mas não um nerd completo . Ele teria
pessoas para cuidar de questões como segurança de computadores e
redes no trabalho. Mas o arquivo que precisamos decifrar estava oculto
em seu computador doméstico, provavelmente bloqueado por senha por
ele próprio. ”
"Quão bem foi escondido?" pergunta
Claudia. "Billy?"
“Arquivo .bat executável. Não é completamente de nível básico. ”
“Meu instinto sobre esse cara,” Eve diz, “é que ele se consideraria
esperto o suficiente para criar uma senha inviolável. Ele terá se
informado sobre coisas como entropia da informação ... ”
"Como o quê?" pergunta Zbig.
Niko esfrega os olhos. "A força da senha é medida em bits de
entropia, que representam o logaritmo de base 2 do número de
suposições necessárias para quebrá-lo."
Zbig olha. "Desculpe ... o que ?"
"Você não precisa saber tudo isso", diz Claudia. “O que Eve quer
dizer é que nosso alvo é inteligente o suficiente para saber que a
senha terá que ser obscura, terá que ser longa e terá que incorporar
diferentes tipos de caracteres.”
"Ele é arrogante", diz Eve. “Não será algo aleatório. A senha significará
algo para ele. Algo que ele acha que ninguém nunca vai adivinhar. E eu
apostaria no fato de que havia uma pista à vista em seu escritório, e é por
isso que Billy fotografou tudo em sua mesa, nas paredes e na estante.
Nós apenas temos que pensar melhor nele.
Lance reaparece, cheirando a cigarro, e Billy espalha as
impressões em A4. Há uma foto da área de trabalho, mostrando o
computador de Cradle, telefone fixo, abajur angular, rádio DAB e
binóculos, além de bustos em miniatura de Mao Tse Tung e Lenin.
"Kitsch comunista", murmura Niko. "Dickhead".
As cenas dos livros mostram cópias de Hamlet , de Shakespeare , The
Prince , de Maquiavel, e Great Again , de Donald Trump , thrillers políticos
de John le Carré e Charles Cumming, memórias de David Petraeus e Geri
Halliwell, e duas prateleiras de títulos relacionados à Inteligência .
Outras fotografias são de figuras na parede do escritório. Os
estudantes no refeitório da universidade, Cradle apertando a mão do
general de quatro estrelas dos EUA , das fotos de pesca de salmão e
das férias em família.
"Lembre-se", Eve diz, enquanto ela enche a chaleira para outra
rodada de chá. “A palavra ou frase que estamos procurando pode ter
até trinta caracteres. Pense em aspas. Ex -alunos de escolas públicas,
como Cradle, adoram citações; eles são uma maneira de mostrar o
quão bem lidos são. ”
Uma hora passa, pontuada por explosões especulativas de conversa,
agitação de teclas e o rosnar do tráfego noturno na Tottenham Court
Road. Lance sai para outro roll-up. Uma segunda hora passa. Ressaca
começa a morder, rostos assumem um aspecto derrotado, e Zbig
murmura em polonês.
"O que ele disse?" Eve pergunta a Niko.
"Ele disse que isso é tão divertido quanto foder um porco-espinho."
"Certo, bem, vamos fazer uma pausa e ver onde estamos." Ela se levanta e
olha para os outros. “Posso ter seus melhores palpites até agora? Temos três
tentativas nessa senha antes que o sistema seja bloqueado; portanto, antes
de tentarmos uma, precisamos ter certeza de que temos uma chance. Niko,
você quer ir

primeiro?"
"ESTÁ BEM. Minha melhor chance é algo baseado em 'Acho que é
como uma doninha.' ”“ Não entenda ”, diz Eve.
"É uma citação", diz Niko. “De Hamlet . Há uma cópia de Hamlet na
estante.
"Assim?"
“O Programa Weasel também é o nome de um experimento matemático de
Richard Dawkins. É baseado na teoria de que, com tempo suficiente, um
macaco que bate em caracteres aleatórios em uma máquina de escrever pode
produzir as obras completas de Shakespeare. Dawkins diz que, mesmo se
você pegar a frase 'acho que é como uma doninha' e um teclado limitado a 26
letras e uma barra de espaço, ainda assim levaria um programa de
computador de alta velocidade mais do que a vida do universo para gerar a
frase correta, uma vez que existem ... "
"Vinte e sete ao poder de 28 combinações possíveis", diz Billy.
"Exatamente."
"Nosso assunto saberia sobre essa coisa da doninha?" pergunta Claudia.
"Não há razão para não", diz Eve. “E Hamlet é definitivamente o
estranho nessa estante. Mais alguma coisa, Niko?
Ele balança a cabeça.
" Grite se você quiser ir mais rápido ?" sugere
Claudia. "Isso não é de Hamlet ", diz Zbig.
"Cara engraçado. Não, é o segundo álbum de Geri Halliwell.
Comprei quando tinha dezesseis anos. Eu costumava cantar 'It's
Raining Men' na minha escova de cabelo em frente ao espelho do
banheiro. ”
"Zbig?"
"Que tal O amante ingênuo e sentimental ... É um dos títulos de le
Carré."
"Isso é bom", diz Eve. “Eu posso ver nosso homem usando isso.
Algum outro pensamento, alguém?
"Eu não gosto de nenhum deles", diz Billy.
"Algum motivo em particular?" pergunta Claudia, fechando os olhos
e inclinando a cabeça.
"Eles apenas parecem errados", diz Billy.
"Você acha que algum deles vale a pena tentar?" pergunta Eve. "Em
qualquer forma?" Billy encolhe os ombros. "Não, se tivermos apenas
três tentativas antes de ficarmos trancados,

não. Ainda não


estamos lá.
"Lança?"
"Se Billy diz que ainda não chegamos lá, continuamos
procurando." "Me desculpe, todo mundo", Eve murmura.
"Você deve estar exausto." Claudia e Zbig se entreolham,
mas nenhum dos dois fala.
"Essas impressões", diz Niko. "Embaralhe-os e depois coloque-os
novamente." Eve faz isso e eles olham para as páginas A4 em silêncio. Um
minuto passa, depois outro. Então, no mesmo momento, como se por
telepatia, Claudia e Niko colocam um dedo indicador na mesma folha. É
uma fotografia de Penny Cradle com as crianças, Daniel e Bella, em uma
vasta praça em frente a um edifício antigo com colunas. Penny está
sorrindo um pouco fixamente, e as crianças estão ocupadas com
sorvetes. No canto inferior direito do
fotografar alguém, presumivelmente Cradle, escreveu
"Stars!" "O que?" diz Eva.
Não é o que. Por quê?" Claudia responde, e
Niko sorri. "Eu não estou com você", diz Eve.
"Por que esta foto?" diz Niko. “Todos os outros são tiros de exibição ,
escolhidos para provar o quão importante e bem-sucedido esse cara é. Os
conhecidos de alto perfil , as caras férias de longa distância , a pesca de
salmão e o resto. Mas este é apenas ... eu não sei. A esposa parece
estressada, os filhos parecem entediados. Por que ele os chama de
estrelas? Por que a foto está aí?
Todos se aproximam. "Espere um minuto", diz Zbig, sua voz baixa.
"Espere um maldito minuto ..."
"Diga-nos", diz Eve.
“Essa praça é em Roma, e o prédio atrás deles é o Panteão. Você
não pode vê-lo, mas há uma inscrição esculpida na frente. Marcus
Agrippa, Lucii filius, consul tertium fecit. Marcus Agrippa, filho de
Lucius, construiu isso quando cônsul pela terceira vez.
"Assim?"
“Espere até você ver como está realmente escrito. Billy, você pode
procurar no Google 'Pantheon inscrição' e nos imprimir uma imagem?

Eve pega a única folha que sai da impressora a laser. Sob o frontão
do edifício, a inscrição é claramente legível:

M · AGRIPPA · L · F · COS · TERTIVM · FECIT

"Agora isso parece uma senha", diz


Claudia. Eve assente. "Billy?"
"Eu gosto disso. Boa
entropia. "Então, vamos
tentar."
Uma enxurrada de
teclas. Acesso
negado.
"Tente apenas as letras sem os espaços", Eve sugere.
Billy faz isso, e desta vez Niko se afasta e Zbig xinga em polonês. Eve
olha para a tela com olhos exaustos. Ela olha de volta para a A4
na praça iluminada pelo sol e no grupo da família, e algo cai
silenciosamente e precisamente no lugar. “Billy, para a primeira
tentativa, você usou maiúsculas letras e pontos finais, sim?”
Ele concorda.
“Mas se você olhar para a inscrição, essas não são pontos finais.
São símbolos para marcar o final das palavras, para que a inscrição
seja legível.
"Er ... OK."
"Então tente novamente, mas onde você coloca
pontos, coloque estrelas." "Você tem certeza?"
"Faça", diz Eve.
Uma enxurrada de teclas, depois silêncio.
"Cristo em uma bicicleta", respira Billy. "Estavam em."

Na casa de moda na rue du Faubourg Saint-Honoré, a expectativa está


aumentando. Como todos os desfiles de alta costura já realizados, este
está atrasado. Ninguém é tão vaidoso a ponto de trair a empolgação real,
mas há uma expectativa no riso abafado, nos olhares trêmulos e no toque
delicado das unhas envernizadas nos iPhones. Villanelle fecha os olhos
por um momento, dispensando a multidão ao seu redor - as socialites
vestidas demais para as câmeras de imprensa, os profissionais da moda
em tons de preto - e inala o perfume inebriante da riqueza. A fragrância
dos lírios, fúcsia e tuberoses se acumulava em ambos os lados da pista, e
entrelaçava-se com isso, o cheiro do perfume de estilista - Guerlain, Patou,
Annick Goutal - na pele quente. E, como nota principal, o odor mais
acentuado do suor empresta um leve brilho às testas de uma platéia que
aguarda aqui, em cadeiras douradas muito pequenas , por mais de
quarenta minutos.

Distraidamente, Villanelle estende a mão e pega um biscoito


Ladurée com sabor de pétala de rosa da caixa no colo de Anne-Laure .
Quando ela fecha os dentes em sua casca exterior nítida, as luzes
diminuem, os sons brilhantes de uma cantata Scarlatti preenchem o
espaço, e o primeiro modelo sai para a pista, vestindo um longo
casaco de seda amarelo-açafrão . Ela é uma visão, mas Villanelle
realmente não a registra.
O que aconteceria, ela se pergunta, se Lara Farmanyants anunciasse que
Oxana Vorontsova está viva. Alguém acreditaria nela, ou se importaria? Quem
era Oxana Vorontsova, afinal? Uma estudante maluca que matou três
bandidos em um bar de Perm e supostamente se matou na prisão. Notícias
antigas, há muito esquecidas. A Rússia é um hospício hoje em dia, e as
pessoas estão sendo assassinadas o tempo todo. Por que Lara falou? Quem
ela diria?
Na passarela, trajes imaculadamente feitos sob medida dão lugar
a tops cruzados bordados e saias de balé de tule em rosa
empoeirado. Anne-Laure suspira apreciando, e Villanelle se serve de
outro biscoito, este com sabor de chá Marie-Antoinette .
A questão não é quem ela diria ou quem se importaria. O ponto é
que, se algum elemento da lenda de Villanelle ameaça se
desfazer - se houver um fio solto -, ela se torna uma obrigação para
com os Doze. E se isso acontecer, ela está morta. O que leva de volta
à necessidade de matar Lara. Mas ela seria capaz de se safar? Os
Doze têm pessoas em todo lugar. Ela poderia confiar em Anton, mas
não confia totalmente nele, e ele pode muito bem decidir que é ela, e
não Lara, que deve ser eliminada. Além disso, ela tem que admitir que
se emociona com Lara, com o olhar fixo do atirador e o corpo duro e
eficiente. Ela está animada com a pungência de sua necessidade.
Um sarabande de Handel. Vestidos de cocktail em cinza prateado,
enrolados como pétalas fechadas ao redor dos corpos esbeltos das
modelos. Vestidos de noite em azul meia-noite, bordados com
galáxias de estrelas diamanté.
Atirar em Konstantin era ruim. O nada repentino atrás de seus
olhos. Anton voou com ela no meio do mundo para matá-lo por uma
consideração perversa? Ou para entregar uma mensagem brutal a
Villanelle sobre a realidade de sua situação?
O mais preocupante é que a crise em Odessa surgiu. Diz a ela que, embora
a organização que a emprega seja mais do que capaz de resolver seus
problemas, ela também é suscetível a erros. Konstantin sempre a deu para

Acreditamos que, ao trabalhar para os Doze, ele e ela faziam parte de


algo invisível e invulnerável. Este episódio mostrou que, por todo o
seu alcance e poder, a organização poderia ser ferida. Apesar do calor
do salão, Villanelle estremece.
As luzes suavizam. O desfile de moda progrediu para o quarto, para um
final da paisagem dos sonhos com as modelos balançando e tecendo em
delicadas camisolas, camisolas e vestidos de organza cintilantes. O
designer entra na passarela, beija a platéia e é recebido por ondas de
aplausos. Os modelos recuam e os garçons circulam com bandejas.
"Então você viu isso?" pergunta Anne-Laure, entregando-lhe uma
taça de champanhe Cristal rosa. "Você parecia milhas de distância."
"Desculpe", murmura Villanelle, fechando os olhos enquanto o
vinho gelado escorre por sua garganta. Estou um pouco zoneada.
Não dormi muito.
“Não me diga que você quer ir para casa, chérie . Temos a noite
toda pela frente, começando com uma festa nos bastidores. E há dois
homens muito bonitos por lá, olhando para nós.
Villanelle inala o ar perfumado. O champanhe deixou seu corpo
formigando. A exaustão desaparece e, com ela, por enquanto, as
dúvidas e os medos das últimas vinte e quatro horas.
"OK", diz ela. "Vamos nos divertir."

"Então", diz Richard Edwards. Dennis Cradle. Você tem certeza disso?
Porque se você estiver errado. Se estivermos errados ...
"Nós não estamos errados", diz Eve.
Eles estão sentados no Mercedes de trinta anos de Edwards em
um estacionamento subterrâneo no Soho. O interior cinza-azulado é
desgastado, mas confortável, as janelas abertas admitem um leve
cheiro de exaustão.
"Passe por mim novamente."
Eve se inclina para frente em seu assento. “Atuando nas informações
fornecidas por Jin Qiang, que quase certamente sabe mais do que está
dizendo, investigamos um grande pagamento feito por pessoas
desconhecidas de uma conta do Estado do Golfo mantida por um Tony Kent.
Acontece que Kent é um associado de Dennis Cradle e, quando realizamos
uma pesquisa secreta das propriedades de Cradle, encontramos um arquivo
bloqueado escondido em seu computador. Quando quebramos a senha e a
abrimos, descobrimos detalhes de uma conta numerada nas Ilhas Virgens
Britânicas de propriedade

por Cradle. Também descobrimos que uma quantia superior a 12


milhões de libras foi recentemente paga a essa conta por Tony Kent, a
partir da conta que ele controla no Primeiro Banco Nacional de
Fujairah. Eu diria que isso foi conclusivo o suficiente para agir.
"Então você quer trazer Cradle?"
“Proponho que tenhamos uma palavra tranquila com ele. Não
mencionamos essas contas e pagamentos a ninguém - Receita, polícia,
quem quer que seja. Em vez disso, deixamos tudo no lugar. Mas nós
viramos o Berço. Nós o ameaçamos com exposição, vergonha, acusação,
o que for preciso, e nós o esfregamos. Se ele nos ajudar e concordar em
deixá-lo correr contra seus patrões, ele fica com o dinheiro. Se não,
jogamos-o nos lobos.
Edwards franze a testa, batendo uma suave percussão no volante
com os dedos. "Se você está certo sobre as pessoas que estão
pagando a ele ..."
"Eu estou certo."
Ele olha através do pára-brisa para as paredes de concreto e o teto
baixo com seus acessórios de aspersão. “Eve, me escute. Existem
mortos suficientes nesta história. Não quero que você e Dennis Cradle
aumentem o número deles.
“Vou dar um passo com cuidado, prometo-lhe isso. Mas quero
essa mulher e vou buscá-la. Ela matou Viktor Kedrin no meu turno,
matou Simon e matou Deus sabe quantas outras pessoas além disso.

Ele assente, sua expressão grave. "Ela
tem que ser parada, Richard." Richard
fica em silêncio por um momento,
depois suspira. "Você está certo. Ela
tem. Faça."
Quando Eve chega em casa, Niko está sentado na mesa da cozinha
fazendo cálculos em um caderno. A mesa está cheia de componentes
elétricos e ingredientes para cozinhar. Ele parece cansado.
"Então", ele pergunta com cuidado. "Você encontrou o que estava
procurando naquele arquivo?"
"Sim", diz ela, beijando o topo de sua cabeça e afundando na
cadeira ao lado dele. "Nós fizemos. Obrigado."
"Excelente. Você pode me passar esse
copo de vidro? "O que exatamente você
está fazendo?"

Ele conecta dois fios a um multímetro com clipes de jacaré, fazendo


com que a agulha gire violentamente. “Estou criando uma célula de
combustível catalisada por enzima . Se eu acertar, poderemos carregar
nossos telefones usando açúcar de confeiteiro. ”
“Sinto muito por estar tão distante, Niko. Verdadeiramente. Eu quero
compensar você. “Isso parece promissor. Talvez você possa começar
colocando a chaleira
em?"
"Isso é para o experimento?"
"Não. Pensei que poderíamos tomar uma xícara de chá. Ele se
senta e estica os braços. "Acabou, então, o projeto em que você
estava trabalhando?"
Atrás das costas dele, ela pega a pistola Glock 19 do coldre da
cintura e a transfere para a bolsa.
"Não", ela diz. "Está apenas começando."
SOBRE O AUTOR

Luke Jennings é o autor do livro de memórias Blood Knots,


pré-selecionado para os prêmios Samuel Johnson e William Hill e de
vários romances, incluindo o Atlantic, nomeado para o Man Booker .
Como jornalista, escreveu para The Observer, Vanity Fair, The New
Yorker e Time . Visite o site dele em lukejennings.com.

Também por Luke Jennings

Ficção
Breach Candy
atlântico
Beauty Story

Não-ficção
Nós de sangue: um livro de memórias sobre pesca e
amizade O guia de bolso Faber para balé (com Deborah
Bull)

Ficção infantil
Estrelas (com Laura Jennings)
Estrelas: Roubando o show (com Laura Jennings)

Obrigado por comprar este e-livro, publicado pela


Hachette Digital.
Para receber ofertas especiais, conteúdo bônus e notícias sobre nossos e-
livros mais recentes
e aplicativos, inscreva-se em nossos boletins.

Inscrever-se

Ou visite-nos em hachettebookgroup.com/newsletters