Você está na página 1de 18

Termine a corrida! 2 TIM. 4:7.

O QUE VAMOS VER*


1. O que todos nós precisamos fazer?
GOSTARIA de participar de uma corrida que você sabe que é difícil, principalmente se estivesse doente ou
cansado? Provavelmente, não. Mas o apóstolo Paulo disse que todos os cristãos verdadeiros estão numa
corrida. (Heb. 12:1) E todos nós, jovens ou idosos, fortes ou cansados, precisamos perseverar até o fim se
quisermos ganhar o prêmio que Jeová nos oferece. — Mat. 24:13.
2. De acordo com 2 Timóteo 4:7, 8, por que Paulo podia dar o conselho sobre correr com perseverança?

Paulo podia dar o conselho sobre correr com perseverança. Afinal, ele mesmo tinha ‘terminado a
corrida’. (Leia 2 Timóteo 4:7, 8.) Mas o que é exatamente essa corrida mencionada por Paulo?
O QUE É A CORRIDA?
3. O que é a corrida citada por Paulo?

Às vezes, Paulo usava algumas coisas que eram feitas nos esportes na Grécia antiga para ensinar lições
importantes. (1 Cor. 9:25-27; 2 Tim. 2:5) Em várias ocasiões, ele comparou o modo de vida cristão com uma
corrida. (1 Cor. 9:24; Gál. 2:2; Fil. 2:16) Uma pessoa entra nessa “corrida” quando se dedica a Jeová e se batiza.
(1 Ped. 3:21) E ela cruza a linha de chegada quando Jeová dá a ela o prêmio da vida eterna. — Mat. 25:31-
34, 46; 2 Tim. 4:8.
4. O que vamos ver neste estudo?

O que participar de uma corrida de longa distância e seguir o modo de vida cristão têm em comum? Existem
vários pontos, mas vamos considerar neste estudo três deles. Primeiro, temos que seguir o trajeto certo;
segundo, precisamos focar na linha de chegada; e terceiro, é necessário superar os desafios que encontramos
no caminho.
SIGA O TRAJETO CERTO

Todos nós temos que seguir o trajeto da vida cristã (Veja os parágrafos 5 a 7.)*

5. Que trajeto devemos seguir, e por quê?



Numa corrida literal, os participantes devem seguir o trajeto definido pelos organizadores do evento. Se não
fizerem isso, eles podem ser desclassificados e perder o prêmio. Do mesmo modo, nós precisamos seguir o
trajeto certo, ou seja, o modo de vida cristão. Só assim poderemos receber o prêmio da vida eterna. (Atos
20:24; 1 Ped. 2:21) Mas não é isso o que Satanás e seus apoiadores querem. Eles tentam nos convencer a
‘continuar correndo com eles’. (1 Ped. 4:4) Eles riem de nós por causa do trajeto que escolhemos seguir; dizem
que o caminho deles é muito melhor e dá verdadeira liberdade. Mas o que eles dizem não passa de uma
grande mentira. — 2 Ped. 2:19.
6. O que você aprendeu do exemplo de Brian?

Qualquer pessoa que corre junto com aqueles que são influenciados pelo mundo de Satanás logo descobre
uma grande verdade: o trajeto que escolheu não leva à liberdade, e sim à escravidão. (Rom. 6:16) Veja o
exemplo de Brian. Seus pais o incentivaram a seguir o caminho da vida cristã. Mas quando entrou na
adolescência, ele começou a duvidar de que esse trajeto o levaria à felicidade. Então, Brian decidiu correr
junto com os que seguiam os padrões de Satanás. Ele conta: “Eu mal sabia que a suposta liberdade que tanto
desejava acabaria me transformando num escravo do vício . . . Com o tempo, já usava drogas, bebia e levava
uma vida imoral. Nos anos seguintes, experimentei drogas cada vez mais pesadas e me tornei escravo de
muitas delas . . . Passei a vender drogas para sustentar meu estilo de vida.” Por fim, Brian decidiu viver de
acordo com os padrões de Jeová. Ele mudou seu trajeto e se batizou em 2001. Agora que está no caminho da
vida cristã, Brian se sente realmente feliz.*
7. De acordo com Mateus 7:13, 14, que duas estradas existem?

Isso destaca como é importante seguir a estrada certa. Satanás quer que todos nós paremos de correr na
estrada apertada “que conduz à vida” e passemos para a estrada espaçosa seguida pela maioria das pessoas
deste mundo. Essa estrada é popular e fácil de percorrer. Mas ela “conduz à destruição”. (Leia Mateus 7:13,
14.)Para continuarmos na estrada certa e não sermos desviados, temos que confiar em Jeová e escutar o que
ele diz.
CONTINUE FOCADO E TOME CUIDADO PARA NÃO TROPEÇAR

Precisamos continuar focados e tomar cuidado para não fazer outros tropeçar (Veja os parágrafos 8 a 12.)*

8. O que um atleta faz quando tropeça?



Para não tropeçar durante o trajeto, o participante de uma corrida de longa distância presta bastante atenção
no caminho à frente. Mesmo assim, pode ser que ele pise num buraco ou que outro atleta, sem querer, o faça
tropeçar. Se o participante realmente cai, ele levanta logo e continua correndo. Ele se concentra, não naquilo
que o fez tropeçar, mas na linha de chegada e no prêmio que quer ganhar.
9. Se tropeçarmos, o que devemos fazer?

Em nossa corrida, pode ser que tropecemos várias vezes por falar ou fazer algo errado. Ou talvez nossos
companheiros de corrida façam algo que nos magoe. Isso não é nenhuma novidade. Todos nós somos
imperfeitos e todos estamos correndo na mesma estrada apertada que leva à vida. Então, é de se esperar que,
às vezes, “esbarremos” uns nos outros. Paulo reconheceu que, em certas ocasiões, daríamos uns para os
outros “razão para queixa”. (Col. 3:13) Por isso, caso tropece, não se concentre no que fez você tropeçar, e sim
no prêmio que está lá na frente. Escolha se levantar e continuar correndo. Se deixar que a amargura e o
ressentimento o impeçam de se levantar, você não vai cruzar a linha de chegada nem vai receber o prêmio. E
não é só isso; você poderia se tornar um obstáculo para os que estão tentando correr na estrada apertada que
leva à vida.
10. Como podemos evitar ser “uma pedra de tropeço” para outros?
10 
Há outro modo de evitarmos nos tornar “uma pedra de tropeço” para nossos companheiros de corrida.
Sempre que possível, quando eles tiverem uma preferência diferente da nossa em alguns assuntos, é melhor
cedermos. (Rom. 14:13, 19-21;1 Cor. 8:9, 13) Essa é uma grande diferença entre nós e os participantes de uma
corrida literal. Eles competem contra os outros atletas, e cada um faz de tudo para ganhar o prêmio sozinho.
Esses corredores pensam acima de tudo nos próprios interesses. Alguns até chegam a afastar outros atletas
para o lado só para passar na frente deles. Mas nós não estamos competindo uns contra os outros. (Gál.
5:26; 6:4) Pelo contrário, queremos que o maior número possível de pessoas cruze a linha de chegada e ganhe
o prêmio da vida. É por isso que tentamos pôr em prática o conselho de Paulo: “[Busque] não somente os seus
próprios interesses, mas também os interesses dos outros.” — Fil. 2:4.
11. Em que um corredor se concentra, e por quê?
11 
Os corredores não olham apenas para o caminho à frente. Eles se concentram também na linha de chegada.
Mesmo não vendo a linha de chegada, eles se imaginam passando por ela e recebendo o prêmio. Ter essa
imagem bem clara na mente ajuda os atletas a se sentir motivados.
12. O que Jeová nos garante?
12 
Por causa de sua bondade, Jeová garante que cada servo seu que completar a corrida vai receber um
prêmio: a vida eterna no céu ou em um paraíso na Terra. A Bíblia nos dá algumas informações sobre esse
prêmio, e isso nos ajuda a imaginar como nossa vida vai ser maravilhosa. Quanto mais mantivermos nossa
esperança viva na mente e no coração, menor o risco de deixarmos algo nos fazer tropeçar e nunca levantar.
CONTINUE CORRENDO APESAR DE DESAFIOS

Apesar de nossos desafios, queremos continuar na corrida pela vida (Veja os parágrafos 13 a 20.)*

13. Que vantagem temos sobre os corredores?


13 
Os corredores na Grécia antiga tinham que superar alguns desafios, como o cansaço e a dor. Mas tudo o que
eles tinham para seguir em frente era o treinamento que tinham recebido e as próprias forças. Assim como
esses corredores, nós também recebemos treinamento para participar em nossa corrida cristã. Mas temos
uma vantagem sobre eles: uma fonte ilimitada de poder. Se confiarmos em Jeová, ele promete não apenas nos
treinar, mas também nos tornar fortes! — 1 Ped. 5:10.
14. Como 2 Coríntios 12:9, 10 nos ajuda a enfrentar desafios?
14 
Paulo teve que lidar com muitos desafios. Além de ser insultado e perseguido por outros, ele às vezes se
sentia fraco. E Paulo também lidava com o que ele chamava de “um espinho na carne”. (2 Cor. 12:7) Mas Paulo
não via seus desafios como um motivo para desistir. Ele encarava cada um deles como uma oportunidade para
confiar em Jeová. (Leia 2 Coríntios 12:9, 10.) Por ter esse ponto de vista, Paulo recebeu a ajuda de Jeová em
todas as suas provações.
15. Se imitarmos Paulo, o que vamos sentir?
15 
Nós também podemos ser insultados ou perseguidos. Talvez tenhamos saúde fraca ou estejamos esgotados.
Mas se imitarmos Paulo, cada um desses desafios pode se transformar em uma oportunidade de sentirmos
que Jeová nos ama e nos apoia.
16. Mesmo que não tenha boa saúde, o que você pode fazer?
16 
Você está acamado ou preso a uma cadeira de rodas? Sente suas pernas fracas ou está com a visão ruim? Se
esse for o seu caso, será que você pode correr com os que são jovens e saudáveis? Com certeza! Muitos
irmãos idosos ou doentes estão correndo na estrada que leva à vida. Mas eles sabem que não correm nas
próprias forças; eles confiam na força que recebem de Jeová. Mesmo enfrentando dificuldades, esses irmãos
ouvem as reuniões por telefone ou assistem a elas pela internet. E eles participam da pregação quando dão
testemunho a médicos, enfermeiros e parentes.
17. O que Jeová acha daqueles que têm condição física limitada?
17 
Nunca permita que o desânimo ou sua condição física limitada o convença de que você é fraco demais para
correr na estrada que leva à vida. Jeová ama você porque vê sua fé nele e sua perseverança. Você precisa da
ajuda dele agora mais do que nunca, e ele não vai abandoná-lo. (Sal. 9:10) Pelo contrário, Jeová vai se achegar
ainda mais a você. Veja o que uma irmã com sérios problemas de saúde disse: “Com um problema de saúde
atrás do outro, tenho menos oportunidades para pregar. Mas eu sei que o pouco que faço deixa Jeová feliz, e
isso me deixa feliz também.” Quando estiver desanimado, lembre-se de que você não está sozinho. Pense no
exemplo que Paulo deixou e em suas palavras animadoras: ‘Tenho prazer em fraquezas, pois, quando estou
fraco, então é que sou poderoso.’ — 2 Cor. 12:10.
18. Que problema especialmente difícil alguns enfrentam?
18 
Alguns que estão na corrida cristã enfrentam um desafio diferente. Eles passam por problemas que outros
não conseguem ver e talvez nem entender. Por exemplo, lidam com a depressão ou com a extrema ansiedade.
Por que o problema desses queridos irmãos pode ser especialmente difícil? Porque, quando uma pessoa
quebra um braço ou depende de cadeira de rodas, todo mundo consegue ver o problema dela e se sente
motivado a prestar ajuda. Mas a pessoa que lida com uma doença mental ou emocional nem sempre
demonstra seu sofrimento. A dor dela é tão real quanto a de alguém que quebra um braço, mas ela talvez não
receba dos outros o amor e o carinho que precisa.
19. O que aprendemos do exemplo de Mefibosete?
19 
Se você enfrenta problemas de saúde e sente que os outros não entendem bem a sua situação, o exemplo
de Mefibosete pode ajudá-lo a ter mais força. (2 Sam. 4:4) Além de ter um problema físico, ele foi julgado mal
pelo rei Davi. Mefibosete não tinha feito nada para merecer essas provações. Mesmo assim, ele não deu
espaço para pensamentos negativos. Pelo contrário, ele se concentrava nas coisas positivas que aconteciam
em sua vida. Mefibosete era grato pela bondade que Davi tinha mostrado a ele no passado. (2 Sam. 9:6-10)
Por isso, quando Davi foi injusto ao julgá-lo, Mefibosete viu o quadro completo. Ele não se tornou uma pessoa
amarga por causa do erro de Davi. E ele não culpou Jeová pelo que Davi tinha feito. Mefibosete se concentrou
no que poderia fazer para apoiar o rei ungido de Jeová. (2 Sam. 16:1-4;19:24-30) E para o nosso benefício,
Jeová deixou o excelente exemplo de Mefibosete registrado na Bíblia. — Rom. 15:4.
20. Como alguns são afetados pela ansiedade, mas do que eles podem ter certeza?
20 
Alguns irmãos e irmãs que lidam com ansiedade extrema ficam muito tensos e desconfortáveis quando estão
perto de outras pessoas. Para eles, é difícil estar no meio de grupos grandes. Mesmo assim, estão sempre
presentes nas reuniões, assembleias e congressos. Eles também acham muito difícil conversar com
desconhecidos; apesar disso, falam com as pessoas na pregação. Se esse é o seu caso, tenha certeza de que
não está sozinho. Muitos estão lutando contra essas mesmas dificuldades. Lembre-se de que Jeová está muito
feliz por você estar fazendo o seu melhor. E o fato de você não ter desistido é uma prova de que Jeová está o
abençoando e dando a força que você precisa.* (Fil. 4:6, 7; 1 Ped. 5:7) Se, apesar de problemas físicos ou
emocionais, você continua servindo a Jeová, tenha certeza de que ele está feliz com você.
21. Com a ajuda de Jeová, o que todos nós vamos conseguir fazer?
21 
Felizmente, existem diferenças entre uma corrida literal e a corrida mencionada por Paulo. Na corrida literal
dos tempos bíblicos, apenas uma pessoa ganhava o prêmio. Por outro lado, no caminho da vida cristã, todos
os que perseverarem vão ganhar o prêmio da vida eterna. (João 3:16) E numa corrida literal, todos os
participantes precisam estar fisicamente saudáveis; senão, eles têm poucas chances de vencer. Já na corrida
cristã, nem todos nós temos boa saúde; apesar disso, estamos perseverando. (2 Cor. 4:16) Com a ajuda de
Jeová, todos nós terminaremos a corrida!

Qual corrida você está correndo?

Em Hebreus a Palavra de Deus fala de uma corrida que nós, cristãos, devemos correr:

Hebreus 12:1-2
“corramos com perseverança a corrida que nos é proposta, tendo os olhos fitos em Jesus, autor e
consumador da nossa fé. Ele, pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha,
e assentou-se à direita do trono de Deus.”

A corrida da fé que devemos correr é uma corrida que nós corremos com paciência, olhando para Jesus. É
uma corrida cujo foco final é o Senhor Jesus Cristo. Esta é a corrida cristã. Outra coisa que podemos extrair
do que Paulo diz é que nem todos que nos chamamos cristãos estão correndo esta corrida. Caso contrário,
por que então precisaríamos da exortação “CORRAMOS... a corrida”?

A pergunta que eu tenho hoje para nós é que corrida estamos correndo? Existe alguma outra corrida?

A corrida errada

Eu encontrei este termo em um livro cristão muito bom que eu estou lendo atualmente, chamado “Man in
the mirror/ Homem no espelho”. Há outra corrida feroz em torno de nós, a corrida do mundo. Nesta
corrida o objetivo final não é o Senhor Jesus Cristo. Não é uma corrida focada Nele. Em vez disso, é uma
corrida com várias “metas” rasas. É uma corrida para o sucesso financeiro, sucesso no trabalho, auto-
realização, mais materiais, casas maiores e melhores, maior renda, mais poder e influência. É uma corrida
para a "vida agradável, bonita e resolvida". É esta corrida que bilhões de pessoas estão correndo todos os
dias, enchendo shoppings, enchendo casas com as coisas, coisas e mais coisas desnecessárias. É essa
corrida que as pessoas estão correndo ficando em dívida para satisfazer o sonho da "vida agradável, bonita
e resolvida". Uma vida de afluência, e “paz pessoal (auto-centrada)”. O final dela: vazio, perda de
orientação e stress. As compras tornaram-se um termo familiar entre os cristãos. Nós estamos indo fazer
compras e por isso muitas vezes isso não significa obter as necessidades, mas para obter de alguma forma
uma alegria que supostamente existe em comprar as coisas.

Há, portanto, duas corridas: a corrida cristã, a corrida das pessoas de fé correndo e olhando para Jesus. Esta
é uma corrida de viver uma vida em obediência à Palavra de Deus. Esta corrida é o oposto à corrida do
consumismo, materialismo e do secularismo, a corrida do mundo. A coisa é que, apesar do fato de que nós,
cristãos, devemos conhecer melhor, muitas vezes caímos na armadilha da corrida do materialismo,
secularismo e do consumismo. Você vê o secularismo, a religião dos humanistas ateus que tem re-
projetado nossos valores para nenhum valor, é a maioria lá fora. E muitos de nós estão sendo convertidos
ao evangelho deles. A TV grita, a internet grita, o noticiário grita, seus colegas gritam.... pregando o
evangelho do consumismo, materialismo e secularismo. E muitos de nós, cristãos, crêem nisso! Isso
também contribuiu para a deterioração da mensagem do evangelho, e da redução do preço de ser um
cristão. Para muitos de nós que professam ser um cristão, o Deus que acreditamos não é, simplesmente
falando, o Deus da Bíblia. Acreditamos em um Deus que é um avô gentil que nos mima com os seus
presentes. Nós cremos em um Deus que ama e dá, mas não em um Deus santo. Portanto, Deus torna-se o
único de quem esperamos não apenas atender as nossas necessidades - o que é a expectativa certa - mas
para nos ajudar a continuar correndo a corrida errada. Queremos tanto a Deus e ao mundo. Mas isso não é
possível. Como Tiago diz:

Tiago 4:4
“vocês não sabem que a amizade com o mundo é inimizade com Deus? Quem quer ser amigo do mundo
faz-se inimigo de Deus.”

Não é possível correr duas corridas, ao mesmo tempo. Não é possível servir a dois senhores. Não é possível
estar em dois cavalos. Você tem que escolher um dos dois e, como primeiro passo você tem que
reconhecer que corrida você está correndo. Sim, nós vamos à igreja todos os domingos. Mas isso por si só
não diz nada. Muitos de nós vamos à igreja, vamos com a maré, mas segunda-feira à noite não se lembram
o sobre o que foi o sermão do domingo.

Eu acredito que o melhor indicador da corrida que estamos correndo é o nosso coração, ou melhor, o que
está dizendo o espírito de Deus em nosso coração. Você se sente cheio do poder e da vida de Deus ou vazio
e desorientado? Chegar mais perto de Deus traz vida. Aproximar-se do mundo traz a morte. Qual é o Deus
em que você acredita? Seu Deus é um Deus gentil que sempre o estará mimando com presentes e
bênçãos? O que você faria se Deus não concordasse com seus padrões, se uma oração não fosse
respondida, se um desejo não fosse cumprido? Você está em dívida, procurando o monstro do
consumismo, materialismo e secularismo? O que você faria se ser cristão se tornasse mais caro? Se você
tivesse que defender sua fé no trabalho ou na sociedade?

Deus é a única fonte de vida. Jesus disse que aqueles que procuram a sua vida a perderiam e aqueles que
perdem a vida vão encontrá-la. Muitos de nós tentam salvar nossas vidas. Para muitos de nós a nossa vida,
nos mesmos, é a coisa mais importante. Muitos de nós tentam conseguir a nossa satisfação no shopping,
nas coisas e riquezas que acumulamos. O caminho de Jesus é perder sua vida para Deus, submeter-se a
Deus, olhe para Jesus e então você vai encontrar o que Jesus é, a VIDA. O Senhor disse em Jeremias que seu
povo O havia abandonado, a fonte de água viva e cavaram cisternas que não retinham água (Jeremias
2:13). Deus é a única fonte de água viva. Ele é o único de quem a vida e a paz vem e aqueles de nós que
uma vez ou outra, estiveram perto Dele, sabem disso muito bem. Se Deus parece muito distante poderia
ser que estamos correndo a corrida errada? Poderia ser que nós entendemos o evangelho errado? Com
certeza que sim. Quanto mais corremos na corrida errada, o mais longe de Deus estaremos. Mas há um
caminho de retorno. Como um dos profetas disse: “Examinemos e submetamos à prova os nossos
caminhos, e depois voltemos ao SENHOR.” (Lamentações 3:40). Como o filho pródigo fez, vamos chegar a
nós mesmos e vamos voltar para a casa do Pai. Na parábola do semeador, três das quatro categorias são
cristãos professos. Contudo apenas um, o último corre a corrida certa. Os outros dois estão correndo as
corridas erradas. Na segunda categoria estão aqueles que são cristãos somente quando o preço é barato.
Quando o preço sobe, quando surgem as perseguições por causa do evangelho, então eles caem. Eles estão
correndo a corrida de aprovação do mundo. A outra categoria é aquele sufocado pela riqueza e os cuidados
deste mundo. Eles são os “muito ocupados”. Eles estão lá fora para se tornarem ricos e deixar uma vida
feliz e bonita de acordo com os padrões do mundo. Este objetivo borra sua visão tanto que no final, eles
não produzem nenhum fruto. Eles são "cristãos" do mundo, correndo a corrida do mundo. Nenhuma
dessas duas categorias produz frutos. É apenas a última categoria que produz frutos e somente nesta
categoria você está correndo a corrida da fé. Vemos isso também nas epístolas de Paulo. Demas um rapaz
que Paulo mencionou muitas vezes em suas cartas no final o abandonou e seguiu o mundo (2 Timóteo
4:10). Demas ainda estava correndo, mas pela causa errada. Ele ainda estava correndo, mas na corrida do
mundo e não na corrida de Cristo. Em que corrida VOCÊ está correndo? Milhões de nós correm a corrida
errada. Milhões de nós precisam se arrepender e voltar. Para milhões de nós é hora de parar de colocar-se
no vazio interno e voltar para a fonte de toda vida e verdade: a do Deus vivo, como Ele se revela através da
Sua Palavra, a Bíblia. Milhões de nós creram no evangelho do consumismo, materialismo e secularismo e
estão correndo para a “vida bela, abençoado, livre de problemas". Milhões de nós acreditam em um Deus
que não é o Deus da Bíblia, mas sim o avô gentil que envia bênção. Milhões de nós teriam parado de seguir
Deus se Ele não respondesse a um desejo pessoal muito importante. Quando Jesus morreu a única
propriedade que ele tinha era o pano que os guardas dividiram. Hoje, milhões de nós precisam de um
caminhão para transportar as nossas toneladas de peso de material. Em qual evangelho você crê? O
evangelho de Jesus Cristo ou o Evangelho do materialismo, secularismo e consumismo?

Lamentações 3:40
“Examinemos e submetamos à prova os nossos caminhos, e depois voltemos ao Senhor.”

Hebreus 12:1-2
“corramos com perseverança a corrida que nos é proposta, tendo os olhos fitos em Jesus, autor e
consumador da nossa fé. Ele, pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha,
e assentou-se à direita do trono de Deus.”

A Corrida Cristã

Hebreus 12.1

Hebreus 12.1 (NVI) “Portanto, também nós, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de
testemunhas, livremo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve, e corramos com
perseverança a corrida que nos é proposta”.

Hebreus 12.1 (ARC) “Portanto, nós também, pois, que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de
testemunhas, deixemos todo embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia e corramos, com paciência,
a carreira que nos está proposta”.

Hebreus 12.1 (ARA) “Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de
testemunhas, desembaraçando-nos de todo o peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos,
com perseverança, a carreira que nos está proposta”.

INTRODUÇÃO

“CORREDORES, tomem seus lugares”. O diretor da prova dá o sinal, a multidão em silêncio volta sua
atenção para os atletas que caminham em direção ao ponto de partida. “Preparar”. Na devida posição,
músculos tensos, nervosamente antecipando o som da arma de fogo. Ele soa! E começa a corrida. Em
qualquer competição o começo é importante, mas o fim é crucial. Com freqüência o corredor da frente
perde força e passa a disputar em meio ao grupo de elite. Existe a tragédia do brilhante novato que
estabelece a velocidade por um tempo, mas não termina. Ele sai da corrida esgotado, exausto e
machucado. (BEAP)

A Bíblia Sagrada é um livro que descreve, narra e revela fantásticas histórias de homens e mulheres que
tiveram esplêndidos começos e trágicos fins. Já dissera o grande sábio Salomão há aproximadamente 2900
anos atrás: “... Não é dos ligeiros a carreira, nem dos valentes, a peleja... Mas o tempo e a sorte pertence a
todos”. Eclesiastes 9.11 (ARC)
O termo Corrida Cristã é uma referência a carreira espiritual de todos os seguidores de Cristo, ou decurso
da vida espiritual. Sem sombra de dúvida o texto de Hebreus 12.1, é mais uma das gloriosas exortações de
Deus, para todos os cristãos que desejam chegar ao céu. Alguns escritores Bíblicos como o apóstolo Paulo,
por exemplo, fizeram constante menção das atividades esportivas em seus escritos. Não se sabe ao certo se
eles eram apreciadores dos esportes, mas de uma coisa temos certeza, sabiam tirar belas lições preciosas
dos esportes para a vida cristã.
Estamos vivendo em tempos de densas trevas espirituais, tempos trabalhosos, onde muitos cristãos estão
aderindo à apostasia, ficando para trás na pista espiritual, deixando de correr a carreira que lhe está
proposta, visto que não se pode correr de qualquer maneira.

Olhando bem para muitos crentes modernos da atualidade, percebemos claramente que os tais já estão
parados na pista espiritual, sem forças para chegar ao alvo desejado, isto é o céu, acabam ficando deixados
para trás. Uma vez deixados para trás acabam fracassando na fé perdendo a corrida, e uma vez que a
corrida é perdida eles, são comparados a atletas derrotados, reprovados ou desclassificados. Observe agora
1 Coríntios 9.27 (ARC) “Antes subjugo o meu corpo e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros,
eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado”.

Quando um crente deixa de correr a corrida é porque lhe faltou a fé, e quando a fé falta, a força de correr a
corrida desaparece. Para os que estão parados ou estacionados na pista espiritual, o Senhor lhe diz:

Efésios 5.14 (ARA) “Pelo que diz: Desperta, ó tu que dormes, levanta-te de entre os mortos, e Cristo te
iluminará”.

Hebreus 10.38 (ECR) “Mas o justo viverá da fé; e, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele”.

I – QUANDO COMEÇAMOS CORRER A CORRIDA CRISTÃ?

Nós começamos a correr a corrida cristã nesta pista espiritual no dia em que recebemos a Cristo como
Salvador. Veja Romanos 10.9 (NVI) “Se você confessar com a sua boca que Jesus é Senhor e crer em seu
coração que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo”. E chegaremos ao final no dia que formos
recebidos no céu.

II – PORQUE DEVEMOS CORRER A CORRIDA CRISTÃ?

Existem diversas razões e motivos pelo qual devemos participar da corrida cristã, mas ficarei sucinto em
minhas palavras e citarei apenas alguns que acredito ser os mais importantes:

1) – PORQUE A CORRIDA CRISTÃ É PROPOSTA POR DEUS

Observe com muito cuidado agora Hebreus 12.1 (ARC) “Portanto, nós também, pois, que estamos rodeados
de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo embaraço e o pecado que tão de perto nos
rodeia e corramos, com paciência, a carreira que nos está proposta”.

Note que o texto bíblico diz justamente: “corramos... a carreira que nos está proposta”. Não existe
nenhuma necessidade de se especular, ou averiguar sobre quem estaria propondo esta corrida para os
filhos de Deus. O texto deixa bem claro, que é o próprio Deus quem a propõe. O Próprio Deus é quem a
estabelece para nós. Já existe um curso bem definido, um conjunto de regras fixas, uma meta estabelecida
e um alvo para ser acertado, e é Ele mesmo que nos capacita a corrê-la com triunfo. Veja o texto abaixo:
2 Coríntios 3.5 (ARC) “Não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos;
mas a nossa capacidade vem de Deus”.

2) – PORQUE A CORRIDA CRISTÃ É INCENTIVADA PELOS HERÓIS DA FÉ

O autor da carta aos Hebreus no capítulo 12.1, nos relata o seguinte: “Portanto, nós também, pois, que
estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas...” (ARC)

Esta grande nuvem de testemunhas é sem dúvida alguma os grandes exemplos de fé deixados pelos heróis
da fé, que o sagrado escritor acabara de citar no capítulo que antecede o capítulo 12, ou seja, o capítulo 11
da carta aos Hebreus. Observemos então a vida de Abel, que pela fé, “ofereceu a Deus maior sacrifício do
que Caim; pelo qual alcançou testemunho de que era justo, dando Deus testemunhos dos seus dons, e, por
ela, depois de morto, ainda fala”. Hebreus 11.4 (ARC)

E por aí segue exemplos como os de Noé, Abraão, Raabe, etc. que deixaram exemplos de uma grande fé.
Entretanto, em que sentido os homens e mulheres de Deus do Antigo Testamento que nos deixaram
grandes exemplos de fé, são testemunhas para nós que corremos a Corrida Cristã, hoje?

Na verdade, os heróis da fé são testemunhas, não no sentido de espectadores, que observam os seus
sucessores enquanto correm a corrida da qual um dia também participaram e venceram; mas sim, no
sentido de com os seus testemunhos de fé, perseverança e lealdade, nos incentivaria e nos impulsionaria a
vencer as provas da maratona espiritual. A fidelidade desses heróis nos incentiva e nos encoraja a
seguirmos em frente e a nunca desfalecermos na fé. Afinal de contas não lutamos sozinhos e não somos os
primeiros a lutarmos ou a corremos a corrida. O que o escritor que dizer exatamente para nós, é que outros
correram a corrida e venceram, e seu testemunho nos impulsiona também a correr e vencer.

3) – PORQUE SOMOS COMPARADOS A UM ATLETA

1 Coríntios 9.24,25 (ARA) “Não sabeis vós que os que correm nos estádio, todos, na verdade, correm, mas
um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. Todo atleta em tudo se domina; aqueles para
alcançar uma coroa corruptível; nós porém, a incorruptível”.

1 Coríntios 9.24.25 (NVI) “Vocês não sabem que todos os que correm no estádio, apenas um ganha o
prêmio? Coram de tal modo que alcancem o prêmio. Todos os que competem nos jogos se submetem a um
treinamento rigoroso, para obter uma coroa que logo perece; mas nós fazemos para ganhar uma coroa que
dura para sempre”.

1 Coríntios 9.25 (Phi) “Todo atleta que compete em eventos esportivos treina seriamente. Atletas passam
por dores tremendas, para conseguirem uma coroa de folhas que murchará. Mas o evento em que
participamos é para conseguir uma coroa que nunca perecerá”.

De acordo com o Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, Atleta é uma pessoa que pratica esportes, ou
seja, é aquele que se exercita na luta para combater, ou aquele que corre em uma pista para participar de
uma competição.

Competir, vencer, ser aplaudido e torna-se famoso para continuar vivo na memória da comunidade e na
história da humanidade, eram os componentes essenciais da visão do mundo dos gregos antigos. As
competições permitiam-lhes, portanto demonstrar a excelência de suas habilidades, qualidades físicas e
intelectuais. O termo “competição” no grego antigo era “agón”, que significava “combate”, “luta”,
“batalha”, “prova”, “concurso”, “jogo”, “assembléia” e “processo judiciário”.

O atleta para participar de uma corrida deveria está bem preparado a fim de alcançar o alvo desejado, o
prêmio, ou seja, o galardão. Assim como os atletas de hoje os atletas da antiguidade para poder participar
de uma corrida, tinham que fazer muitos exercícios e tomar bastantes vitaminas. Da mesma maneira nós
também para podermos correr a corrida cristã, devemos estar bem preparados.

III – PROSSEGUINDO PARA O ALVO

Filipenses 3.14 (NVI) “Prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em
Cristo Jesus”.

A palavra “alvo”, aqui empregada por Paulo, é a tradução do vocábulo grego “skopos”, usada para indicar
um sinal ou marca onde se devia alvejar o dardo ou flecha.

O dardo, arma corrente na caça e na guerra, media aproximadamente 1,70 m e era da grossura de dedo,
mas o usado nas práticas esportivas e nas competições não tinha ponta, a fim de evitar-se acidentes. Alem
disso o dardo possuía um lastro de extremidade e, no seu centro de gravidade, um propulsor em forma de
cordão de couro de aproximadamente quarenta centímetros. Esse cordão era enrolado ao longo do cabo e
terminava por um anel, no qual o atleta introduzia o dedo indicador. Ao ser ativado, o propulsor imprimia
ao dardo um movimento de rotação, potencializando o seu alcance. Algumas pinturas de vasos sugerem
também que o dardo podia ser usado numa prática de “tiro ao alvo”: traçava-se um circulo, à distancia
desejada, devendo o atleta fazer o dardo cair no centro dele.

Queridos irmãos! O nosso alvo real é sem sombra de dúvida O Senhor e Salvador Jesus Cristo, não existe
outro. Ele nos coroará no final da corrida cristã.

Depois que a corrida começa o atleta não deve em momento algum olhar para trás. Ele deve avançar para a
vitória sem se distrair. Se quiser ganhar o prêmio, seus olhos devem estar posto onde está o juiz, no final da
pista. Foi exatamente pensando neste exemplo que Paulo fez a notável declaração: “...Mas uma coisa faço,
e é que, esquecendo-me das coisas que para trás ficam, e avançando para as que estão adiante de mim,
prossigo para o alvo...”. Filipenses 3.13,14 (ECA).
A corrida cristã exige do atleta a mais completa concentração, autodisciplina e ritmo para chegar no alvo
glorioso. Os atletas devem correr de acordo com as normas e as regras da maratona para poder vencer, e
serem coroados.

2 Timóteo 2.5 (NVI) “Semelhantemente, nenhum atleta é coroado como vencedor, se não competir de
acordo com as regras”.

2 Timóteo 2.5 (RA) “Igualmente, o atleta não é coroado se não lutar segundo as normas”.

IV – OBSTÁCULOS QUE NOS IMPEDE DE CORRER A CORRIDA CRISTÃ?

Gálatas 5.7 (NVI) “Vocês corriam bem. Quem os impediu de continuar obedecendo à verdade?”
Mais uma vez o apóstolo Paulo emprega aqui uma metáfora atlética, o que é de ocorrência freqüente nas
suas epístolas. O exercício da corrida é uma das expressões favoritas do apóstolo Paulo para pintar o
esforço necessário que alguém atinja o alvo e ganhe a coroa, completando com êxito a missão que Deus lhe
deu. O nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, foi criado em uma área rural, sabia bem ilustrar os seus
ensinamentos com cenas silvestres, como a semeadura, a colheita, etc. Mas o apóstolo Paulo, era um
homem citadino, e costumava usar ilustrações conhecidas pelos que se criaram em áreas urbanas. O
atletismo era uma atividade de extrema importância para os gregos e para os romanos. O ideal grego era
expresso nas seguintes palavras: “Mente sã em corpo são.”

Um campo de plantio tem obstáculos para uma boa produção de frutos. Existem os calhaus, os espinhos, as
pragas de insetos, a seca prolongada. Esses são os inimigos que costumam desarraigar as plantas. Assim
também nas competições atléticas aparecem obstáculos. Todos correm, mas somente um atleta obtém o
prêmio. Esse geralmente é o mais capaz, o mais bem treinado, o corredor mais veloz, a pessoa mais bem
desenvolvida para aquele tipo de atletismo. Convém que imitemos os vencedores, ainda que na
competição espiritual muitos sejam vitoriosos. O espírito de vitória e de dedicação deveria caracterizar
todo o crente. Compete-nos treinar, agonizar, manter os olhos fixos no alvo, esforçando-nos por atingi-lo,
saltando por cima de todos os obstáculos postos na pista.

Paulo percebia com clareza que os crentes gálatas, embora tivessem começado bem a sua carreira, não
demorariam a ter de estancar, por haverem perdido a mentalidade e o espírito de vencedores, por
influencia nefasta dos mestres legalistas, os quais reduziam Cristo Jesus à estatura de Moisés, isto é, como
se o messias fosse apenas um profeta entre outros profetas. Assim como os crentes gálatas, milhares de
cristãos que outrora eram autênticos corredores, hoje não passam simplesmente de atletas fracos,
indispostos, distraídos e derrotados, foram impedidos de continuar na pista espiritual obedecendo a
verdade. Vejamos logo a seguir alguns dos obstáculos que nos impede de corrermos com eficiência a
corrida da carreira cristã:

A) – A FALTA DE UM TREINAMENTO RIGOROSO

1 Coríntios 9.25 (ARC) “E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa
corruptível, nós, porém, uma incorruptível.”

1 Coríntios 9.25 (RA) “Todo atleta em tudo se domina; aqueles para alcançar uma coroa corruptível; nós
porém, a incorruptível”.

1 Coríntios 9.25 (Phi) “Todos os que competem nos jogos se submetem a um treinamento rigoroso, para
obter uma coroa que logo perece; mas nós fazemos para ganhar uma coroa que dura para sempre”.
As palavras em “...em tudo se domina...” mostram a necessidade de autodisciplina, de moderação, de
controle próprio. O texto grego literalmente traduzido, diria aqui “esforça-se pela maestria”, “ocupa-se na
luta”. O vocábulo grego é “agonidzomai”, de onde se deriva nossa palavra “agonizar”. O crente não só
simplesmente deve, mas precisa agonizar para receber o prêmio.

“...Se domina...”, pode ser visto no grego com um verbo que significa “controlar-se”, “abster-se”, “exercer
autocontrole”.

De acordo com o Dicionário Aurélio da nossa Língua Portuguesa, a palavra abstinência vem de abster, e
significa, priva-se de alguma coisa, deixando de exercer determinados direitos, ou escolhas, que nos
convém.

Os atletas da cidade de Corinto, e mui especialmente os da Grécia antiga, treinavam seriamente. Se


sujeitavam a um rígido e árduo programa de treinamento, exercitando-se, fazendo dietas apropriadas,
abstendo-se de excessos físicos. Além de praticarem diversos tipos de exercícios tomavam também
vitaminas diversas. Os atletas gregos tinham de treinar pelo espaço mínimo de dez meses. Tinham de
treinar diariamente, passando por vários estágios de treinamento necessários para a modalidade particular
que seguiam. Os juízes também estavam sempre presentes, verificando se os atletas estavam seguindo
corretamente o programa de treinamento.

Um dos exercícios praticados pelos atletas olímpicos da cidade de Corinto e também os da Grécia antiga era
a abstinência de tudo que os contrariasse ou atrapalhasse a sua trajetória, ou que viesse prejudicar o seu
desenvolvimento durante as olimpíadas. Esse treinamento envolvia questões de dietas. Havia certos
alimentos que os atletas não podiam beber ou comer, como água fria, vinho ou doces. Precisavam treinar
em tempos de calor e de frio. Por esta razão Epicteto aconselhou os atletas dizendo: “Precisas ser ordeiro,
vivendo com alimentos escassos, abstendo-se de guloseimas; esforçando-se por treinar nos períodos
determinados sob calor ou sob frio; e não bebas água fria ou vinho à vontade.”

Da mesma forma todo o cristão que está na maratona espiritual deve seguir esse exemplo, abstendo-se das
coisas que são retratadas como empecilhos para a sua corrida espiritual, exercitando-se rigorosamente.
Como já dissera anteriormente, além da prática de muitos exercícios, os atletas olímpicos da Grécia antiga
tomavam bastantes vitaminas, com o intuito de fortalecerem o seu corpo. Assim também nós, que somos
comparados a atletas espirituais devemos tomar as seguintes vitaminas espirituais:

 Vitamina (A) – AMOR


 Vitamina (B) - BÍBLIA
 Vitamina (C) – CRISTO
 Vitamina (D) – DEUS
 Vitamina (E) – ESPÍRITO SANTO

Se tomarmos posse destas vitaminas espirituais, jamais ficaremos deixados para trás na corrida da carreira
cristã, e sim avançaremos com toda força na Unção do Santo e na graça maravilhosa do Senhor Jesus
Cristo.

B) OS EMBARAÇOS

Hebreus 12.1 (ARC) “Portanto, nós também, pois, que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de
testemunhas, deixemos todo embaraço...”

2 Timóteo 2.4 (ARC) “Ninguém que milita se embaraça com negócios desta vida...”

Muitos começam bem a corrida da vida cristã, mas com o passar do tempo são impedidos de avançar, ou
seja, de continuar correndo, porque se embaraçaram com as coisas desta vida.

O termo “embaraço” vem de um vocábulo grego chamado “apotithemi”, que significa por de lado, como
um corredor que se despe de suas roupas externas, que dificultaria seus movimentos, para sentir-se leve e
à vontade. É bastante óbvio que jamais alguém se sentiria bem com um excesso de peso no corpo, além do
mais estando em uma competição, isso lhe causaria uma derrota, algo que com certeza é indesejável por
qualquer atleta.

Segundo alguns estudiosos dos tempos bíblicos, quando os atletas estavam treinando para as olimpíadas,
eles costumavam vestir roupas pesadas e amarrar pequenos pesos nos tornozelos.
Porém no dia da corrida propriamente dita, as roupas pesadas e as tornozeleiras eram tiradas. Isto dava a
sensação de leveza, que dentre outras coisas, garantia a vitória.

O escritor sagrado usa aqui uma metáfora sobre qualquer pecado ou coisa não-essencial que possa servir
de empecilho para a carreira espiritual. Os embaraços podem até mesmo não ser pecado, mas pelo outro
lado é algo que não edifica, é por isso que o autor nos adverte a colocarmos de lado cada empecilho
mudando ou cada embaraço que nos atrapalha na pista espiritual na nossa corrida cristã.

A Distração com as coisas desta vida, o mau uso do tempo, a falta de prazer em Deus, a ambição pelas
coisas deste mundo, a cumplicidade com o que é mau, são exemplos de embaraços na corrida da carreira
cristã. Existe na sua vida alguma coisa que está roubando o tempo de Deus, a comunhão e a vida de
santificação com o Senhor? Examine-se agora mesmo.

C) O PECADO

Hebreus 12.1 (ARC) “Portanto, nós também, pois, que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de
testemunhas, deixemos todo embaraço e o pecado...”

A palavra grega empregada aqui para pecado é “euperistatos”, que da uma idéia de “facilmente desviado”,
dando a entender aquilo que faz alguém mudar de seu rumo. Os pecados como o da desatenção, do desvio,
do embotamento espiritual, da indolência, apegam-se aos crentes e os desviam da carreira espiritual em
que estão empenhados. Fazem-nos perder a coragem, desistindo de continuar a carreira até ao fim.
Portanto torna-se evidente a importância do andar espiritual diligente, completo com um constante
desenvolvimento espiritual, conforme a sugestão de Hebreus 5.11 e ss. Isso exige o emprego de todos os
meios de fortalecimento espiritual, como a oração, o estudo da palavra, a meditação e a busca pelo poder
de Deus e pelos dons do Espírito Santo.

V – COMO DEVEMOS CORRER A CORRIDA CRISTÃ

A) CONSIDERANDO A JESUS

Hebreus 12.3 (ARC) “Considerai, pois, aquele que suportou tais contradições dos pecadores contra si
mesmo, para que não enfraqueçais, desfalecendo em vossos ânimos”.

Quando o autor sagrado usa a palavra “considerai”, é empregada a palavra grega “analogidzomai”, que
significa “considerar para fazer uma comparação”. Meditemos sobre o caso de Jesus, ao mesmo tempo em
que comparamos a sua vida, o tempo todo, com a nossa própria experiência. Devemos considerar a Jesus
valorizando o seu exemplo de triunfante sofrimento, e resistência contra o mal para nos conduzindo a
perfeição espiritual. Por causa disto devemos sofrer também por Ele. Temos que seguir o exemplo e sermos
companheiro daquele que por nós sofreu. Ele não nos mostra outro caminho: “...No mundo tereis aflição,
mas tende bom ânimo; Eu venci o mundo”. João 16.33 (ARC).

O Senhor deseja ser nesta pista espiritual o nosso companheiro, por isso é necessário considerá-lo e
compartilharmos dos seus sofrimentos, seguindo as suas pisadas. Veja 1 Pedro 2.21 (ARC) “Porque para isto
sois chamados, pois também Cristo padeceu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as suas
pisadas”. Siga em frente, avançando sempre, considerando a Jesus com amor, expressando a mais sincera
adoração do fundo da tua alma.

B) LEVANTANDO AS MÃOS CANSADAS

Hebreus 12.12 (ARC) “Portanto, tornai a levantar as mãos cansadas...”.

O verbo grego que aparece aqui é “anorthoo”, que significa “reconstruir”, “erigir”. Nos autores médicos
esse verbo era usado com freqüência com o sentido de “fortalecer”. Ou então no caso de ossos quebrados
ou deslocados, com o sentido de “ajustar”. As mãos aparecem decaídas porque a pessoa envolvida foi de
tal maneira dominada pela fraqueza que não é capaz de erguer os braços. A metáfora baseada na fisiologia
foi empregada pelo autor para pintar um corpo dominado por uma tremenda fraqueza.

Mãos falam de trabalho, ação e autoridade. Mas mãos cansadas representam relaxamento espiritual,
desânimo, e fracassos. O desejo de Deus é que levantemos as mãos para fazermos a sua vontade na pista
espiritual. Devemos levantar as mãos para pegar no arado de Deus, veja Lucas 9.62 (ARC) “...Ninguém que
lança mão do arado e olha para trás é apto para o Reino de Deus”. Em que estás usando as tuas mãos? Para
praticar o mal? Para tocar nos ungidos de Deus? O apóstolo Paulo disse: “Quero, pois, que os homens orem
em todo lugar, levantando as mãos santas, sem iras, sem contendas”. 2 Timóteo 2.8 (ARC)

Na pista espiritual devemos levantar as nossas mãos para orarmos, para abençoarmos, para semearmos a
semente de Deus, para exaltarmos e louvarmos ao Senhor Jesus.

C) LEVANTANDO OS JOELHOS DESCONJUNTADOS

Hebreus 12.12 (ARC) “Portanto, tornai a levantar as mãos cansadas e os joelhos desconjuntados”.

O vocábulo grego “anorthoo” usado para “mãos cansadas”, também é o mesmo usado para “joelhos
desconjuntados”, o que significa que tem o mesmo significado. Quando a Bíblia fala de joelhos, geralmente
esta palavra vem associada com a palavra sacrifício, ou seja, joelhos simbolizam sacrifícios. Da mesma
forma que os paralíticos não podem naturalmente correr em uma competição, os paralíticos espirituais não
podem correr na pista de Deus. O que faz o crente ter os joelhos desconjuntados, vacilantes e
enfraquecidos, é a falta de fé, falta de amor para com Deus e com o próximo, haja vista de que o grande
causador da paralisia é o pecado. Convém que ergamos os joelhos paralisados e desconjuntados para poder
em fim corrermos sem dificuldade alguma. O segredo para a tua paralisia é o poder renovador de Deus
para a tua vida. Recorra a Ele e ele te dará forças para chegar até o final da pista espiritual.

D) CORRENDO COM PERSEVERANÇA

Hebreus 12.1 (ARA) “Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de
testemunhas, desembaraçando-nos de todo o peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos,
com perseverança, a carreira que nos está proposta”.

Perseverança é o ato de persistir, conservar-se firme e constante. Muitos iniciam a carreira e logo param,
não foram perseverantes. Perseverança se adquire com esforço próprio. Na corrida para o céu
encontramos inúmeros obstáculos a fim de impedir nossa carreira. Por esta razão devemos ser
perseverantes em meio às tribulações.

Nas olimpíadas de Atenas, em 2004, o brasileiro Vanderlei Cordeiro de Lima mostrou ao mundo inteiro o
valor da perseverança. Ele liderava a maratona que encerraria os jogos olímpicos, e estava a poucos
quilômetros a linha de chegada, sendo acompanhado por muitos torcedores durante o trajeto e pelos que
estavam no estádio, lotado, e os que o acompanhavam pelo telão. O que ninguém esperava é que ele fosse
brutalmente interrompido por um padre irlandês, que, no afã de aparecer o empurrou para fora da pista.
Foram perdidos alguns segundos preciosos, que lhe custaram a medalha de ouro, mas mesmo assim
Vanderlei não desistiu. Ajudado por um anônimo grego, retomou sua corrida, ainda mantendo-se à frente,
sendo depois ultrapassado por dois atletas. Mas continuou sua carreira e chegou em terceiro lugar, sendo
aplaudido de pé por todos, durante muitos minutos. Recebeu muitos prêmios e homenagens pela garra
que mostrou durante a competição, a despeito do acidente que sofreu.

Foi uma grande lição para todos, da qual podemos extrair lições para nossa corrida espiritual, pois jamais
devemos desistir, mesmo quando isso pareça ser a atitude mais esperada por todos. Devemos correr com
perseverança, pois na corrida espiritual o importante não é chegar em primeiro lugar, é sim chegar atém
fim da pista, conquistando o prêmio celestial. Daniel 12.13a. (ARC) “Tu, porém, vai até o fim...”.

E) OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS

Hebreus 12.2 (ECA) “Olhando firmemente para Jesus, autor e consumador da nossa fé...”.
O estádio está repleto de espectadores, sentados em intermináveis fileiras nas arquibancadas, de modo a
formarem uma grande nuvem; porem na linha de chegada, esperando por nós, está aquele que é o Autor
da nossa fé, no grego “archegos” e significa “Pioneiro ou líder de fila. Ele é Pioneiro do caminho, aquele que
leva a nossa fé à perfeição. Ele acima de todos, é a inspiração de nossa carreira, o poder que está por
detrás de nossos esforços.

O alvo final da carreira é Jesus. Muitos estão parados na pista espiritual porque estão olhando para o
mundo, estão olhando para trás, estão olhando para o seu próximo falível e errado, por esta razão não
conseguem chegar até o final da pista. A Bíblia nos da exemplo de vários olhares negativos: A queda de
Adão e Eva começou com um olhar apetitoso para o fruto proibido. O olhar carnal de Davi o levou a
cometer um terrível pecado de adultério, o que posteriormente causou também o assassinato. O olhar para
tas da mulher de Ló, a levou a ser transformada em uma estátua de sal.

Não sei ao certo, mas talvez você se recorde da triste história de Zequinha Barbosa, velocista brasileiro que
participou de várias competições internacionais no atletismo, pagou caro nas Olimpíadas de Barcelona, em
1992, ao desviar a sua atenção da linha de chegada, preferindo preocupar-se com os outros atletas que
estavam atrás dele. Zequinha, que vencera todas as prévias dos 800 metro rasos, chegou na competição
final como o grande favorito à medalha de ouro. Ele começou bem a prova e logo passou a correr com bons
metros de vantagem em relação aos seus concorrentes. Foi assim em quase todo o percurso. Porém, nos
metros finais, quando já se podia avistar a linha de chegada, olhou para trás ao perceber que alguns atletas
do Quênia estavam se aproximando dele e, ao olhar para trás, desequilibrou-se, permitindo que os atletas
o alcançassem e, por fim, o ultrapassassem. Zequinha, por um descuido, ficou sem medalha, terminando a
prova em quarto lugar. Disto podemos tirar uma grande lição para a nossa carreira espiritual. Se não
quisermos colocar a nossa corrida espiritual em risco teremos, que fixar os nossos olhos em Jesus.

A pequena história a seguir é a de um jovem que conheci, por motivos de força maior não poderei revelar o
seu nome, por isso todas as vezes que fizer referencia a ele o chamarei JX.
Conheci um jovem, seu nome era JX, quando se converteu para Jesus a sua vida mudou completamente, a
sua assiduidade nos cultos semanais era impressionante, em todos os cultos ele estava, não perdia um dia
sequer, e logo cedo foi batizado com o Espírito Santo e com Fogo. Em pleno dia de domingo à noite,
estávamos na igreja em um culto de portas abertas, como sempre eu estava ali executando o meu ofício de
Diácono, recepcionando os irmãos e as pessoas que estavam nos visitando. De repente chega o jovem
irmão JX, tímido como sempre se assenta na penúltima banca da igreja, o tempo passa e o culto se
desenvolve. É hora da mensagem oficial, o pregador toma o microfone e começa a sua prédica, a igreja logo
responde com um barulho enorme de glórias e aleluias, neste mesmo tempo olhei para o irmão JX e ele
estava bastante vermelho, ele estava tomado pelo Espírito Santo, o seu óculo com lentes do tipo fundo de
garrafa estava banhado de lágrimas, o jovem JX não se conteve e disparou com uma rajada de línguas
estranhas, na verdade ele era novo convertido e não pode se controlar, pois era muito grande a unção de
poder que o mesmo recebia. De repente algo terrível aconteceu! O pregador um tanto meio ignorante olha
para o jovem JX e o repreende dizendo: “Se quiser falar em línguas estranhas fale, mas ninguém aqui é peru
para ficar falando uma língua estranha do tipo gulugulú,etc.”.

Naquele momento observei que aquele jovem havia sentido o impacto de tão fortes e destruidoras
palavras, vi quando ele tirou o óculo, tomou o lenço enxugou as lágrimas que pareciam cachoeiras saindo
de seus olhos. Quando terminou o culto encontrei com ele fora da igreja, tentei conversar com ele a
respeito do acontecido, tentei fazer com que ele não olhasse e nem desse ouvido para o que tinha
acontecido, mas ele chorando me disse: irmão Nivaldo! Enquanto esse irmão estiver pregando nos púlpitos
dessa igreja eu nunca mais serei crente.

Alguns meses se passaram, e poucas vezes o vi, cheguei a procurá-lo algumas vezes, mas não obtive muito
êxito. Certo dia, vi quando uma de suas irmãs passava por mim muito apressada e chorando, tentei saber o
que estava acontecendo ou se passando com ela, e ela com o rosto banhado em lágrimas me disse:
chegamos em casa hoje e encontramos o JX enforcado. Quando ela me disse isto, tais palavras partiram o
meu coração, logo me veio a mente tudo aquilo que havia outrora acontecido com ele na igreja. Logo
percebi que poucas palavras proferidas pela boca de um néscio bastam para desviar um corredor que está
correndo na pista da corrida cristã. O jovem JX estava correndo tão bem, mas alguém o impediu de
continuar olhando firmemente para Jesus. Hebreus 12.2 (ARC)

Porem nada disso acontecerá conosco se pusermos os nossos olhos em Jesus, e olharmos para ele
firmemente. Quando olhamos para Ele, desviamos o nosso olhar de tudo aquilo que nos impede de chegar
até o final da pista espiritual.

VI – O PRÊMIO

1 Coríntios 9.24 (NVI) “Vocês não sabem que de todos os que correm no estádio, apenas um ganha o
prêmio? Corram de tal modo que alcancem o prêmio”.

Filipenses 3.14 (NVI) “Prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em
Cristo Jesus”.

O que levava um atleta a se submeter a um treinamento tão rígido e a uma disciplina tão rigorosa? Será
que seria uma grande quantidade em dinheiro? Ou será que era um troféu de grande valor? Na verdade
não era nada disso, eles faziam todos os sacrifícios para conseguir uma coroa corruptível, feitas com folhas
de louro ou oliveira. No entanto, era a mais cobiçada de todas as honras que a nação poderia conferir.
Cícero afirmou que nas olimpíadas o vencedor recebia mais honra do que o general que voltava de suas
campanhas.

A vitória implicava alta honra não só para o vitorioso, como também para a sua família e para a sua cidade
natal. O arauto proclamava o seu nome, o nome de seu pai e o de sua pátria. Ele se tornava um
Olimpiônico. Sua cidade natal o recebia triunfalmente e os poetas, como Píndaro, o imortalizavam em
canções que espalhavam sua fama por toda a Grécia. O nome do vencedor era inscrito no catálogo oficial
dos Olimpiônicos, conservado no ginásio. Se ele próprio tivesse recursos financeiros, contratava-se um
escultor para fazer sua estátua, que seria colocada em Olímpia mesmo ou em outro lugar

Os atletas da cidade de Corinto, como também os da cidade de Olímpia na Grécia antiga, se esforçavam o
máximo para receberem no final da competição, uma coroa feita de folhas de louro ou de folhas de
figueiras, que logo se murchavam e pereciam. Mas nós corremos para ganhar a coroa da justiça
incorruptível.

1 Coríntios 9.25 (RA) “Todo atleta em tudo se domina; aqueles para alcançar uma coroa corruptível; nós
porém, a incorruptível”.

1 Coríntios 9.25 (Phi) “Todos os que competem nos jogos se submetem a um treinamento rigoroso, para
obter uma coroa que logo perece; mas nós fazemos para ganhar uma coroa que dura para sempre”.

O magnífico desfile das olimpíadas alcançava o clímax quando a coroa da vitória feita com folhas de louro
ou oliveira era colocada na cabeça do vencedor pelo juiz dos jogos. Flores e presentes eram atirados sobre
ele por seus admiradores. Pensando nesta cena o apóstolo Paulo antecipou o dia quando ele seria coroado
pelo justo juiz de toda terra:

2 Timóteo 4.7,8 (NVI) “Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé. Agora me está reservada a
coroa da justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos
que amam a sua vinda.

Se valia apenas todo o esforço para conquistar uma coroa corruptível, muito mais vale o nosso esforço para
conquistarmos a coroa da justiça incorruptível que dura para todo o sempre.

VII – PROMESSAS AOS QUE VENCEREM A CORRIDA CRISTÃ

 “Não sofrerá o dano da segunda morte”. Apocalipse 2.11 (ARC)


 “Será vestido de vestes brancas”. Apocalipse 3.5 (ARC)
 “Não será riscado o seu nome do livro da vida”. Apocalipse 3.5 (ARC)
 “Será apresentado ao Pai e aos Anjos”. Apocalipse 3.5 (ARC)
 “Comerá do maná escondido”. Apocalipse 2.17 (ARC)
 “Receberá uma pedra branca com um novo nome”.
 “Receberá poder sobre as nações”. Apocalipse 2.26 (ARC)
 “Receberá a coroa da vida”. Apocalipse 2.10 (ARC)
 “Será coluna no templo de Deus”. Apocalipse 3.12 (ARC)
 “Sentará no trono com Jesus”. Apocalipse 3.21 (ARC)

Todos os vencedores da Corrida Cristã comparecerão diante do Tribunal de Cristo para receberem o seu
prêmio. A palavra “Tribunal” no grego é “bema”, e é encontrada em Romanos 14.10 (ECA) “...Pois todos
havemos de comparecer perante o tribunal de Cristo”. Ela era empregada para designar o lugar onde os
atletas recebiam o prêmio por haverem vencido as maratonas. No original grego a palavra prêmio é
“brabeion”, oferecido aos atletas vencedores. O prêmio será a coroa da justiça (2 Timóteo 4.8); a coroa da
vida (Apocalipse 2.10), que receberemos naquele dia glorioso.

A vitória não é dos que correm, é sim dos que correm e chegam até o fim. Portanto nunca desista, pois a
coisa mais importante em uma corrida é a conquista de sua vitória. Lembre-se: onde nunca houve luta e
esforço, também nunca houve vitória. Lute, corra e vença, você não é simplesmente um vencedor, é mais
que vencedor.