Você está na página 1de 2

3ª sessão clínica

MUITOS SABERES PARA UM CUIDADO

Adolescente, 13 anos de idade realizou pré-natal irregular na US de referência, comparece a


Maternidade Pró Matre desacompanhada, sem portar documentos de identificação ou exames
referentes a gestação, queixando-se dor abdominal, refere ruptura de bolsa há seis horas, ao
exame físico foi observado 7 cm de dilatação e contração uterina.

Na anamnese paciente refere tratar-se da primeira gestação (G1 P0 A0), nega uso de
medicamentos durante o período gestacional, relata ter apresentado no início da gestação um
quadro clínico de febre e alergia com manifestações cutâneas. Refere uso de tabaco e álcool
eventualmente. Observado líquido amniótico meconial, com batimento cardio fetal (BCF) 112
bpm, com indicação de parto cesáreo.

Recém-nascido (RN) com idade gestacional de 36 semanas, perímetro cefálico (PC) 29cm, peso
de nascimento 2Kg, índice de APGAR 2/5/7, foi iniciado reanimação cardiorrespiratória sob
ambu, encaminhado a UTI neonatal.

RN manteve em assistência ventilatória mecânica (AVM) por cinco dias, fez uso de drogas
vasoativas, apresenta reflexos primitivos débeis, dificuldade de sucção, dieta por sonda
orogástrica. Evoluindo para alta hospitalar após 32 dias de internação com sonda de
gastrostomia e alteração do tônus muscular, sendo encaminhado ao ambulatório de follow up
com acompanhamento interprofissional.

Abandona o acompanhamento ambulatorial por questões sociais, aos seis anos de idade
comparece ao PS do HINSG apresentando palidez cutânea, taquipnéico, desnutrição grave,
região peri estoma hiperemiada e com odor desagradável, contraturas e deformidades em
membros, presença de úlcera de decúbito em região sacral, aspecto geral de higienização
precária. Nesse momento a avó materna assume os cuidados com a criança.

Atualmente a criança com 16 anos recebe a visita dos profissionais da Estratégia de Saúde da
Família (ESF) da US de referência, é observado condições adequadas de higiene, porém com
dificuldade de acesso a fisioterapia, dificuldades de locomoção com uma cadeira de rodas de
tamanho inadequado, dificuldades de higienização devidos a contratura de adutores, cavidade
oral com higienização precária e dentes em péssimas condições.
OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

- Discutir sobre a importância do pré-natal como mecanismo de prevenção de complicações


em recém-nascidos e possíveis ações de diferentes profissionais de saúde.

- Conhecer as questões que envolvem a admissão de uma gestante adolescente em condição


clínica de risco.

- Discutir os aspectos de trabalho dos profissionais envolvidos na equipe de assistência deste


RN.

- Elaborar hipóteses diagnósticas ou fragilidades apresentadas para o problema de saúde.

- Propor conduta/ações/plano de cuidado para essa criança em todas as fases


(RN/Criança/adolescente) considerando o acompanhamento ambulatorial (estratégias da
saúde da família encaminhamento para serviço de reabilitação da rede pública)

- Discutir os aspectos de trabalho da cada profissional envolvido na equipe de assistência desta


criança.