Você está na página 1de 13

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA

CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

DISCIPLINA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

PROFA.: ELIANA MARIA SACRAMENTO SOARES

APLICAÇÃO DE EQUAÇÕES
DIFERENCIAIS NA TEORIA DE
MALTHUS

NOMES: CEZAR LUIZ COLLE
FÁBIO LUIZ ROSSI

08 DE DEZEMBRO DE 2005. ATIVIDADADE DESENVOLVIDA: PLANEJADOR DE PRODUÇÃO 2 . DE MÓVEIS BIG MOON LTDA. DE FERR. LTDA. CAXIAS DO SUL. ATIVIDADADE DESENVOLVIDA: COORDENADOR DE PRODUÇÃO FÁBIO LUIZ ROSSI DISCIPLINAS CURSADAS: 30 LOCAL DE TRABALHO: IND. NOMES: CEZAR LUIZ COLLE DISCIPLINAS CURSADAS: 45 LOCAL DE TRABALHO: SUL CORTE IMP.

.......... pg 05 4 – MODELOS MATEMÁTICOS SOBRE A DINÂMICA ............................................. pg 13 8 – ANEXO 01 ........................... pg 10 6 – CONCLUSÃO .............................. ÍNDICE 1 – INTRODUÇÃO ...................................................................................................... pg 14 3 ........................................................................................................................................................................................................................................ pg 07 5 – APLICAÇÃO DA TEORIA DE THOMAS MALTHUS.... pg 04 3 – TEORIA DE MALTHUS............................................................................................................................................................................................................................. pg 04 2 – EMBASAMENTO TEÓRICO ............... pg 12 7 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS...........................

Assim resolver uma equação diferencial é encontrar uma função que satisfaça a equação. Também podemos dizer que equações diferenciais são equações cujas incógnitas são funções e suas derivadas. envolvem funções e suas derivadas fazendo surgir as equações diferenciais. 2 . dentro de certos limites. Muitas vezes o interesse está numa das curvas integrais. Ou seja. pois para cada valor da constante temos uma função que pode ser representada geometricamente por uma curva. As equações diferenciais podem ser modelos de situações reais. Essas idéias levam ao conceito de equações diferenciais de variáveis separadas.EMBASAMENTO TEÓRICO: Equações diferenciais são equações que relacionam funções (relações entre variáveis) e suas derivadas. escolhida mediante uma condição inicial. ou ainda. 1 . A solução geral de uma dada equação diferencial representa uma família de curvas. Essa família também é chamada de curvas integrais da equação diferencial. das Ciências Físicas ou mesmo das Ciências Sociais e Humanas.INTRODUÇÃO: Muitos problemas ou fenômenos da Engenharia. é uma função que a satisfaz sob determinadas condições. Nesse caso a solução que satisfaz uma condição inicial é denominada solução particular ou solução de um problema de valor inicial. 4 . que são equações diferenciais cuja solução pode ser obtida mediante integração direta. Nesse trabalho a solução da equação diferencial dá informações sobre a taxa de variação da população em relação ao tempo. relacionam taxas de variação de variáveis. quando formulados em termos de conceitos matemáticos.

8. Ela cresceria. que apresenta basicamente dois postulados: a) A população. poucos economistas chegaram a suscitar tantas controvérsias como este economista inglês.) e constituiria um fator variável. Ele tinha um irmão e cinco irmãs. M. que cresceria sem parar. se não ocorrem guerras. enquanto que a produção de alimentos cresce em progressão aritmética”. em progressão geométrica (2. 32. Condorcet and Other Writers . Em 1798. as It affects the Future Improvement of Society: with Remarks on the Speculations of Mr. ou Um Ensaio sobre o Princípio da População que Afetam o Melhoramento Futuro da Sociedade: com Observações sobre as Especulações do Senhor Godwin. portanto. epidemias. Malthus publicou uma teoria demográfica (An Essay on the Principle of Population. Malthus estudou na Universidade de Cambridge e ingressou depois na carreira eclesiástica como pastor anglicano. 5 . gerando uma equação diferencial do tipo: f(x)dx = g(y)dy 3 – TEORIA DE MALTHUS “A população cresce em progressão geométrica. Era o penúltimo dos sete filhos de Daniel e Henrietta Malthus. etc. uma obra essencialmente polêmica. 4. tenderia a duplicar a cada 25 anos. Na história do pensamento econômico. Thomas Robert Malthus Thomas Robert Malthus nasceu na Inglaterra em 1766.. Godwin. ou seja. Monsieur Condorcet e Outros Escritores). dirigida os autores e as idéias utópicas oriundas da Revolução Francesa. desastres naturais. 16... Assim equações diferenciais de variáveis separadas são equações diferenciais cujas variáveis podem ser separadas. Seu pai era amigo do filósofo escocês David Hume e do filósofo suíço Jean-Jacques Rousseau e um profundo admirador de Condorcet e de Godwin.

6. Mesmo que se considere uma área fixa de cultivo. que as pessoas só tivessem filhos se possuíssem terras cultiváveis para poder alimentá-los. já que 6 . um pastor da igreja anglicana contrário aos métodos anticoncepcionais. a falta de alimentos para abastecer as necessidades de consumo do planeta. 4.. Previa ainda que um dia estariam esgotadas as possibilidades de aumento da área cultivada. sabe-se que suas previsões não se concretizaram: a população do planeta não duplicou a cada 25 anos e a produção de alimentos cresceu no mesmo ritmo do desenvolvimento tecnológico. pois todos os continentes estariam plenamente ocupados pela agropecuária e a população do planeta continuaria crescendo. propunha a sujeição moral. Malthus concluiu que o ritmo de crescimento populacional seria mais acelerado que o ritmo de crescimento da produção alimentar (PG x PA). A conseqüência seria a fome. Para evitar esse flagelo. PG (Progressão Geom étrica) 1200 1000 800 Anos 600 400 200 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 População b) O crescimento da produção de alimentos ocorreria apenas em progressão aritmética (2.) e possuiria um limite de produção. Malthus. 10. a produção (quantidade produzida) aumenta. PA (Progressão Aritm ética) 25 20 Alimentos 15 10 5 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Anos Ao considerar esses dois postulados. por depender de um fator fixo: o próprio limite territorial dos continentes. Hoje.. ou seja. 8.

Os erros de previsão estão ligados principalmente às limitações da época para a coleta de dados. A fome existe porque as pessoas não possuem o dinheiro necessário para suprir suas necessidades básicas. já que Malthus tirou suas conclusões a partir da observação do comportamento demográfico em uma região limitada. e não da carência na produção de alimentos. Equações diferenciais de primeira ordem têm sido uma ferramenta crucial nesse estudo. a produtividade (quantidade produzida por área (toneladas de arroz por hectare. e as considerou válidas para todo o planeta no transcorrer da história. fato facilmente observável no Brasil: apesar do enorme volume de alimentos exportados. Desde que Malthus apresentou sua teoria. A fome que castiga mais da metade da população mundial é resultado da má distribuição. com população predominantemente rural. enquanto a população do planeta atingiu a cifra de 6 bilhões. Se P representa a população no instante t. Essa teoria. por exemplo) também vem aumentando sem parar. são comuns os discursos que relacionam de forma simplista a ocorrência da fome no planeta ao crescimento populacional. A atual produção agropecuária mundial é suficiente para alimentar cerca de 9 bilhões de pessoas. o primeiro e talvez mais importante ramo da ecologia matemática é a investigação da dinâmica populacional: como populações crescem e decrescem. Muitos tentam modelar o crescimento populacional começando com a suposição de que a taxa de crescimento populacional depende do tamanho da população. parecia muito consistente. Não previu os efeitos decorrentes da urbanização na evolução demográfica e do progresso tecnológico aplicado à agricultura. e também: “Ecologistas em toda parte estão tentando formular e resolver seus problemas por raciocínio matemático". Pielou: “o fato de que a ecologia ser essencialmente um assunto matemático é cada vez mais aceito". as prateleiras dos supermercados estão sempre lotadas e a panela de muitos operários e bóias-frias. ele destaca uma frase de Evelyn C. 4 – MODELOS MATEMÁTICOS SOBRE A DINÂMICA POPULACIONAL No ensaio sobre a dinâmica populacional. sempre vazia. Historicamente. então todos os modelos têm a forma: dP = f(P) 7 . de Michael Olinick (Departamento de Matemática e Ciência da Computação Universidadede Middlebury). quando foi elaborada.

. P(k). pelo menos quando a população fosse pequena.. sua tendência natural é crescer em uma razão geométrica. Malthus. esse modelo conduz ao crescimento exponencial. isto é. P(1). eles prosseguirão em uma progressão geométrica". por multiplicação. dP = r(P) dt Em que r é uma constante. dt Em que f é alguma função da quantidade de habitantes P. e seja qual for a taxa de crescimento durante qualquer período. Uma outra maneira de examinar o crescimento exponencial é verificar a população em unidades sucessivas de tempo: P(O). A pergunta é como f deve ser escolhida? A figura central na história da população é Thomas Robert Malthus (1766-1834).. Como P(k) = P0ert = P0(er)t. Depois de examinar cuidadosamente dados coletados durante os primeiros censos dos 8 . ac3. ficamos perplexos com o prodigioso poder de crescimento das plantas e animais.. para a população se duplicar de Po para 2Po. começa seu famoso ensaio com a observação: "Olhando a natureza.. (ln 2)/r. Com termo inicial a = P0 e razão constante c = er. ac4. de fato. P(2). P(3).. independentemente do tamanho inicial P0. P(k + 1)... ac5. Ele argumentou que a forma apropriada para f(P). . deveria ser um múltiplo constante de P. se nenhum obstáculo Ihes for imposto. isto é. . quer eles aumentem devagar ou rapidamente. pois a solução para a equação diferencial é: P(t) =P0ert Uma característica do crescimento exponencial é tempo de duplicação constante: leva exatamente a mesma quantidade de tempo. ae2. . ae. Como temos visto. essas populações formam uma seqüência geométrica: a..

308 5. aumentou exponencialmente com uma taxa anual de crescimento em tomo de 3%.939e0. A partir de 1870 é que a realidaded e previsão do modelo começam a divergir.433 31. que durou de 1861 a 1865 e na qual morreram mais de meio milhão de jovens americanos. Malthus conclui que "o crescimento natural de populações" foi de natureza exponencial com um tempo de duplicação de 25 anos para os humanos. A "população prevista" é gerada pela equação: P(t) = 3.00% 1800 5.866 0 0.069 17.S.866 12.192 23. Census Bureau. começando em 1790. A população dos Estados Unidos durante o período de 1790 a 1860.285 23 0.240 7. fica claro que o modelo exponencial não é um quadro completamente realístico.319 114 0.77% 1830 12. atingindo um impressionante erro de 495% em 1990. "% erro" é calculada pela razão entre o erro e a população real. A discrepância entre a população real e a população prevista toma-se enorme no século XX. Como esse modelo assegura que não há limite para o número de indivíduos nessa população. Finalizamos a tabela em 1890.307 -238 -1. Uma das conseqüências que podemos deduzir desse modelo é que se a população dos Estados Unidos tivesse continuado a crescer na mesma taxa da primeira metade do século XIX. comparando esses dados com os dados de um modelo exponencial de crescimento.43% 1810 7.00% 1840 17. teríamos hoje uma nação seis vezes mais populosa. População População Ano Erro % erro Real prevista 1790 3.282 -90 -0. "A população real são os dados colhidos pelo U. A coluna "erro" mostra a diferença entre o número real e o número previsto.39% 1860 31. o maior erro é menor que 2%.80% 1820 9. Estados Unidos e compará-Ios com outros países.39% 1850 23. A coluna final. o modelo não tinha como prever a guerra civil.929 0 0.36% 9 .638 9. É instrutivo examinar o real censo nos Estados Unidos. Na tabela mostramos a população real e a população prevista em milhões.110 130 1. O modelo exponencial pode ser realístico para crescimento de algumas populações durante um intervalo de tempo relativamente curto.929 3.564 74 0.029665t Pela tabela vemos que o modelo de crescimento exponencial representa os dados reais do censo acuradamente para o período de 70 anos.

156 56.12% Modelos mais acurados de crescimento populacional podem ser obtidos refinando os modelos logísticos de várias maneiras diferentes.573 -9. que é quadrática no modelo logístico. Fatores adicionais podem ser acrescidos à equação diferencial para incorporar o conceito de que a taxa de variação da população é função não só da população. você pode estudar modelos da forma: dP = f(P.675 -6. isto é. A função f(P).27% 1880 50.292 -21. com a constante r sendo substituída por uma variável r(t).948 76. t) dt Devemos observar que o modelo de Gompertz também pode ser visto como uma generalização do modelo exponencial dP/dt = rP. isto é: dP   dt   .131 -3.00% 1890 62.240 -13.519 -13. pode ser trocada por um polinômio de grau mais alto de tal forma que efeitos de maior ordem no tamanho da população possam ser incluídos na taxa de crescimento. 1870 38. mas também do tempo. que decresce a uma taxa percentual constante.558 42.

Demógrafos usam cada vez mais sofisticados e complexos modelos matemáticos de caráter determinístico e probabilístico para estudar variações no crescimento populacional no passado e fazer projeções sobre o futuro. é uma constante negativa. Embora haja muitas abordagens diferentes para a criação de tais 10 . Isso nos dá r como r0ert. e o modelo de Gompertz toma a forma:  dP = r0 dt Generalizações do modelo de Gompertz incluem abordagens em que r(t) é um polinômio em t de grau fixo.

Esta é uma Equação Diferencial Ordinária Linear que quando resolvida nos dá: P(t) = Po ek. nós temos: dP/dt = k . Em outras palavras. não é adequado e o modelo pode não funcionar bem a longo prazo. Qual será a população de um certo local ou meio ambiente em alguns anos? 2. a população será extinta. é proporcional à população presente. nós teremos crescimento e se k<0.t onde Po é a população inicial. isto é. Em outras palavras. 2. consideraremos o modelo matemático mais simples para tratar sobre o crescimento populacional de algumas espécies. A complicação é que o crescimento populacional é eventualmente limitado por algum fator. isto é P(0)=Po. se P=P(t) mede a população. a população se reduzirá e tenderá a 0. 5 .APLICAÇÃO DA TEORIA DE THOMAS MALTHUS: CRESCIMENTO POPULACIONAL Problemas populacionais nos levam fatalmente às perguntas: 1. Ele é chamado o Modelo de Crescimento Exponencial. k>0. conclui-se o seguinte: 1. Se k>0. aqui denotada por dP/dt. a taxa de variação da população em relação ao tempo. usualmente dentre aqueles recursos 11 . na maioria das vezes são extensões ou generalizações de uma equação diferencial não- linear de primeira ordem. modelos. É simples verificar que se k>0. P Onde a taxa k é uma constante. Se k<0. nós teremos decaimento. O argumento principal para isto vem das limitações do ambiente. Portanto. Como poderemos proteger os recursos deste local ou deste meio ambiente para que não ocorra a extinção de uma ou de várias espécies? Para apresentar uma aplicação de equações diferenciais relacionado com este problema. a população cresce e continua a expandir para +infinito. O primeiro caso.

concluímos ser muito prática a utilização do método de equações diferenciais para cálculo de taxa de variação da população relacionada com o tempo. Através da aplicação apresentada neste trabalho. desde que entendidos os conceitos que envolvem este tipo de equações. 6 – CONCLUSÃO Concluímos que a aplicação das equações diferencias nos fenômenos da Engenharia. mas quando está próximo de seu limite o tamanho da população pode variar. 12 . Em anexo segue aplicação deste método para um problema de taxa de variação da população relacionando com o tempo. das Ciências Físicas e outras pode ser utilizadas. Quando uma população está muito distante de seu limite de crescimento ela pode crescer de forma exponencial. essenciais.

br/ccet/deme/emsoares/eqdif/ 13 .htm Apostila Tarefa de aprendizagem 1. 94 a 140. São Paulo: Makron Books.com. Pg.br/Geografia/Artigos/geologia/Apostila%20Provao%20Geografia%20Ens- Medio. Dennis G e CULLEN.com. www.br/artigoeconomia03. Equações Diferenciais.ucs. 7 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS ZILL. http://hermes. vol 1.html http://www.miniweb. 3ª edição.ig.alanhenriques1.hpg. 2000. Michael K. 446.