Você está na página 1de 6

Dados Essenciais para Auditoria de Contas Médicas Hospitalares: experiência em Curitiba-PR

Luciana Schleder Gonçalves Kobus1
1
Enfermeira Auditora, Mestranda do Programa de Pós Graduação em Tecnologia em Saúde da PUCPR,
Brasil

Resumo - A partir da crescente preocupação de organizações pagadoras de serviços de saúde com a
otimização dos recursos financeiros aplicados nas ações em saúde estabeleceu-se uma nova especialidade
para os profissionais de saúde: a Auditoria de Contas Médicas Hospitalares. A realização da presente
pesquisa teve como objetivo propor um formulário de coleta de dados para os profissionais envolvidos nesta
atividade, a fim de que os dados nele coletados fossem estruturados de maneira a contribuir de maneira
eficaz para a produção de informação e conhecimento relacionado aos gastos com a área hospitalar.
Foram coletados formulários de cinco operadoras de saúde do tipo auto-gestão da cidade de Curitiba-PR, e
posteriormente realizadas discussões com especialistas na área de Auditoria para que finalmente fosse
proposto um modelo para a coleta de dados em Auditoria de Contas Médicas Hospitalares. Foram
elaboradas 17 categorias, sendo que duas delas caracterizam-se por campo aberto, e as demais como
campo fechado. A contribuição da presente pesquisa é a modelagem dos dados essenciais para a prática
da Auditoria de Contas Médicas Hospitalares, otimizando a prática dessa auditoria, e servindo de base para
a implementação de um sistema com versão para PDA.

Palavras-chave: auditoria de enfermagem, auditoria de contas médicas hospitalares, informação em saúde.

ABSTRACT- Medical-Hospitals Bills Audit is a new specialty for health professionals, established from the
increasing interest of health care financing organizations on the optimization of the financial resources
applied to health actions. This paper aims to propose a data collection form to model data in a effective way
that it would lead to the production of information and knowledge related to medical-hospital expenses.
Forms were analyzed from five health organizations in Curitiba -PR, that perform the activity of Medical-
Hospital Bills Audit. Afterwards, specialists in this area were consulted, and finally we proposed a model
for data collection. Seventeen categories were developed, two of them as open fields, and the others as
closed fields. The relevance of this paper arises from modeling the essential data for the Medical-Hospital
Bills Audit, which may enhance the audit practice, and serve as a base to the implementation of a system
with a PDA version.

Keywords: nursing audit, medical-hospitals bills audit, health information.

Introdução Também neste contexto, é essencial a
Muito vem sendo discutido em relação às sistematização das informações, uma vez que
questões estratégicas no gerenciamento e nem sempre os gestores dispõem das
controle de organizações de saúde, e seus informações necessárias para decidir com
processos de gestão. A partir da crescente segurança e consistência. O fato é que nem todo
preocupação de organizações/ fontes pagadoras1 dado gera informação útil. Os únicos dados
de serviços de saúde com a otimização dos relevantes são os que geram informação, e esta
recursos destinados ao financiamento das ações somente é relevante se gera conhecimento
em saúde, se estabelece uma nova especialidade indispensável para a tomada de decisão gerencial
para os profissionais de saúde: a Auditoria de ou técnica.
Contas Médicas Hospitalares.
De acordo com Évora[2], a tecnologia
A Auditoria Médica consiste na revisão, computacional pode contribuir para
perícia, intervenção ou exame de contas de aprimoramento da qualidade da assistência à
serviços ou procedimentos [1] prestados por saúde, uma vez que pode facilitar o
organizações prestadoras de serviços de saúde2. planejamento, a tomada de decisão, a
É realizada por auditores ligados a uma comunicação, o controle gerencial e as mudanças
organização/ fonte pagadora que é responsável na estrutura organizacional. A autora
pelo pagamento destas contas. complementa ainda que os sistemas de
informação estratégicas, admintrativas e
operacionais podem auxiliar na estruturação,
1
Organização ou fonte pagadora – Sistema Público de
operacionalização, controle e avaliação do
Saúde; Operadoras de Planos de Saúde como: Seguradoras, desempenho do serviço. Afinal, é interessante
Cooperativas Médicas, Autogestões; ou o próprio paciente. para todas as partes envolvidas na questão da
saúde que o diagnóstico médico seja correto, a
2
Organização prestadora de serviços de saúde/ Prestador:
hospitais, clínicas, centros de saúde.

Pelo fonte pagadora. a qual é irregularidades ou inconformidades podem ser adequada dentro da ótica do processo de coleta negociadas antes do envio da conta hospitalar à de dados para o diagnóstico médico. É de Auditoria de Contas Médicas pode também se nesta hora que o auditor pode indicar. O auditor atua junto aos profissionais da 5 Glosas são as correções que o auditor faz das assistência. a informação e o Hospitalar de Alta [6] quando ocorre após a alta conhecimento. a fim de monitorizar o estado clínico inconformidades encontradas na contas médicas hospitales. um estrutura de real significado”. Classificada de Visita relacionam: o dado. temos a de Contas ser realizada nas instalações da informação.terapêutica aplicada seja a adequada. De acordo com Branco [4].14) [1]. e é exercida pelos médicos. a única fonte de informação diversas maneiras. dado é hospitalar do paciente. outra opção de otimização do tempo de coleta e processamento assistência médica ao usuário. Seu conceito advém da Contabilidade. processamento de informações relevantes. os contexto ou por terem sido organizados dentro de procedimentos realizados. por nortear a definitivamente” (p. porém ainda no ambiente qualquer indicador bruto. investigação do auditor. Apesar de ser prevista nos O auditor externo (o qual realiza suas Conselhos Federais de Medicina e de atividades nos Prestadores) possui um formulário Enfermagem. Geralmente está ligado ao setor de liberações de procedimentos ou guias do 3 Home care – modalidade de Serviço de Assistência à Saúde plano de saúde. exames e seus laudos. embora já existam fonte pagadora para que se evidencie a atuação associações da classe regionais e federal. com mútua e formal processamento destes dados. [7] Os processo de informação constitui-se Inclui-se na Auditoria Médica Operacional de três elementos básicos os quais se inter- a Auditoria de Contas. do auditor. complementa o A Auditoria de Contas trata-se de um conceito de informação como sendo “dados cujos processo minucioso. possíveis expressos sob a forma de declarações”. entre outros. A Auditoria é uma especialidade nova na área médica. o qual será apresentado junto à especializada no assunto. [7] (internamento domiciliar). e de quanto deverá ser o ciência cujos profissionais que praticam a pagamento final ao Prestador de serviços de Auditoria organizam-se desde 1850 [5]. Sigulem et al. O conhecimento se dá pelo organização pagadora. verificando a procedência Prestador e o Pagador dos Serviços de Saúde. no Brasil existe pouca literatura de coleta dados. realizadas as glosas5. a saber: que os auditores internos (que fazem auditoria . É da saúde. perícia. como o Home dos dados coletados na organização auditada. com a beneficiar desta tecnologia. e também Dentro deste ponto de vista. liberação de procedimentos ou materiais e medicamentos de alto custo. relatórios da equipe Trajetória Metodológica multidisciplinar. Évora [2]. citando Amos & Graves. 4 Inconformidades são achados nas contas médicas os quais . eventual ou relação aos prestadores. no sentido da anuência do médico assistente. padrões das Comissões de Contextualizando a Prática Controle de Infecção Hospitalares (CCIH). Neste caso. e para que se visualize com clareza onde foram detectadas as inconformidades4. materiais e medicamentos gastos conforme prescrição médica nos horários corretos. periódica ou constantemente. . auxiliando na realizada com o menor custo possível [3]. informações pode otimizar o tempo e incrementar intervenção ou exame de contas ou de toda uma o conhecimento da Operadora de Saúde com escrita. Auditoria Médica pode ser realizada de Muitas vezes. este processo ocorre antes desta si só levar à compreensão de uma situação ou conta ser enviada para a fonte pagadora. a fim de encontrar concordância. tendo o realidade. e que seja e gerenciando o internamento. Atenção à Saúde.Auditoria Médica Preventiva: realizada a nas dependências da Operadora de Saúde) fim de que os procedimentos sejam auditados possuem é o formulário de coleta de dados. baseado nas tabelas e contratos previamente firmados entre o do paciente internado. no qual são verificados os significados têm estado juntos em virtude do seguintes aspectos: o diagnóstico médico.Auditoria Médica Operacional: é o não refletem os acordos contratuais entre as partes envolvidas momento no qual são auditados os no processo de cobrança/ pagamento dos Serviços de procedimentos durante e após terem acontecido. [3] complementam com a auditor a posse do prontuário médico completo definição de que “dados são fatos e conceitos para análise. Neste contexto é que a padronização e Contabilidade o conceito de que a “Auditoria sistematização dos dados a serem coletados significa o mesmo que revisão. Care3 ou o Gerenciamento de Casos Crônicos. A outra possibilidade é da Auditoria significado ao que se observa. que o antes que aconteçam. taxas hospitalares diversas. o processo verificando a qualidade da assistência prestada. sem capacidade de por hospitalar.

área da Auditoria. gráficos. no Brasil. Neste processo. O presente estudo teve como princípio norteador o conhecimento das informações Resultados essenciais para a elaboração de um formulário A partir das entrevistas com os informatizado em Auditoria de Contas Médicas. especialistas. foi desenvolvido o Modelo 2. de Devido ao fato de que não é utilizada uma caráter exploratório-descritiva [8]. dados estruturados. 1. compreensão e tabulação dos mesmos. contribuem para o conhecimento na área. considerou-se que. apesar das discussões administrativos. houve Desta forma. dos dados coletados. auditores devem possuir conhecimento relacionado aos indicadores de saúde e Fase 4 Nesta etapa. teve Preventiva e Operacional. informações e viabiliza a pesquisa em grandes Através de uma análise crítica do modelo inicial. composto de dados estruturados. e no que tange a utilização de proveitosas com relação às informações tabelas. no qual foram Baseado nestas afirmações. e pelo fato acrescentadas as sugestões discutidas durante a de ainda não haver um padrão de terminologia na entrevista. organizações que desenvolvem esta atividade: Somente nos campos destinados ao resumo duas organizações particulares que prestam clínico da internação e considerações do auditor serviço de Auditoria para planos de saúde. bem como foi dado Observa-se no Quadro 1 os dados aprofundamento aos campos inseridos no Modelo considerados como essenciais a um formulário de 1. Além disso. o especificamente as Operadoras de Planos de formulário utilizado pelos profissionais deveria ser Saúde. a título de substancialmente para a gestão dos recursos da organização para a sua posterior discussão à luz organização. internamente na Operadora. Neste modelo foi incluído um com os indicadores gerenciais e com indicadores campo para Avaliação da Qualidade da de outras organizações. pertinentes a um formulário para auditoria. é que optou-se pelos foram realizados ajustes de linguagem. são os padrões que de Contas Médicas Hospitalares. . coleta de dados para a Auditoria de Contas Médicas Hospitalares. Desta forma foi possibilitam a construção de bases de dados elaborado um modelo inicial. para o desenvolvimento de sistemas especialistas e para Fase 2 Após a elaboração deste formulário a estatística médica. mais Auditoria de Contas Médicas Hospitalares. bases de dados. bancos de dados e contratos. Mais importante. afirmam que na um formulário de coleta de dados para Auditoria área da informática médica. A partir das sugestões da entrevistada. considerando os análise dos dados levantados pela Auditoria debates oriundos desta segunda entrevista. por sua vez. como ferramenta de possuem serviço próprio de Auditoria de Contas auxílio para os profissionais que trabalham Médicas Hospitalares. os Assistência Hospitalar. foi realizada a categorização prestador de serviços de saúde. para facilitar o O Desenvolvimento da Pesquisa preenchimento. entrevista com outro profissional da Auditoria de Contas Médicas Hospitalares que. Auditoria Médica Analítica: Junqueira [7] contribuiu significativamente com a sua engloba nesta classificação as atividades de remodelação. ordenação dos campos. dados um levantamento dos formulários de Auditoria de estruturados facilitam a comunicação entre os Contas Médicas Hospitalares de cinco profissionais envolvidos na revisão das contas. Sendo assim. tais análises contribuem finalidade na estrutura do formulário. e da sua comparação origem o Modelo 3. Foi realizado terminologia padrão nesta área. a inicial. foi elaborado maneira colaborativa. Fase 1 A partir da análise por similaridade e Autores como Hammond e Cimino [8]. são capazes de reunir informações a saturação dos dados já coletados e relacionadas ao plano de saúde. Trata-se de uma pesquisa qualitativa. quanto aos problemas detectados em cada Fase 5 Nesta fase.auditor externo preenche. foi realizada nova operadora junto com a fatura hospitalar. foi realizada entrevista com profissionais padronização facilita a recuperação das auditores de contas médicas hospitalares. chamado de Modelo clínicos. bem como conseqüente validação teórica do Modelo 3. e que chega na Fase 3 A partir do Modelo 2. de acordo com a sua Conseqüentemente. da literatura e experiência pessoal. e três há espaço para que o profissional possa adicionar operadoras de saúde do tipo Autogestão que comentários pertinentes. antes de se visando o melhor gerenciamento de organizações definir os dados relevantes para a prática da pagadora de serviços de saúde. complementaridade dos cinco formulários salientam que é através dos padrões que o coletados e de considerações advindas da trabalho disassociado pode ser exercido de experiência pessoal na Auditoria. orientam os dados da observação.

Resumo Clínico da Internação . Dados da Internação . de acordo com incluem os custos de toda a internação. Materiais e Medicamentos de Alto Custo - prontuário do paciente para se saber do que ela Os campos incluídos nesta categoria se trat. Taxas . Materiais e Medicamentos . Prestador.Nesta categoria foram agrupados os conseqüente pagamento. sala de recuperação pós anestésica. imagens para uso no Centro Cirúrgico. taxas. no sentido de que quantidade é regida pela prescrição médica. Procedimentos .São valores que utilizados no ambiente hospitalar.Trata-se de 11. 14. geralmente a Operadora define um Saúde. desde a sua admissão no hospital. são realizados os mais diversos procedimentos bem como conter uma relação dos materiais e dentro do hospital. a Considerado um campo útil. Neste sentido. 1. faz possível a fim de que se siga as recomendações de segurança e privacidade dos 13. auxiliar para o processo de auditoria e 6. para que os 2. entre outros. o dado coletado materiais e medicamentos sejam considerados de deve ser a Matrícula do usuário na Operadora de alto custo. Serviços . Exames de Imagem. 15. medicamentos. para a assistência ao paciente.Nesta categoria foram incluídos os dados de saúde.Nesta categoria. exames e de fisioterapia.Foram agrupados Aspiração Contínua. Como documentação durante os dias de internação hospitalar. aparelhos de vídeo-cirurgia ou diagnóstico. duração outros. medicamentos. Valores Referenciais . são aqueles de uso eventual pela referenciais para determinados procedimentos equipe médica no cuidado ao paciente internado. agrupam-se os dados da utilização dos diversos tipos de gases 16. estar solicitados e liberados junto a tipo de acomodação que o paciente utilizou Operadora de Saúde. Enteral e Parenteral. os quais devem. o código de da UTI. médicos que foram realizados com o paciente. os dados referentes ao hospital. não há necessidade de se verificar todo o 12.Nestas procedimento. porém.As diárias hospitalares se referem ao geralmente. somente o procedimento. Incubadora fora dados sobre admissão e alta. Exames Laboratoriais. categorias estão incluídos os Códigos dos materiais. de acordo com tabelas previamente acordadas entre a Operadora e os Prestadores. pode-se citar: Operadora. o tempo da sua utlização.. A dispensa da coleta do dado Nome se piso em relação a valores. Diárias . Honorários . a internação. otimizando o tempo. serviços médicos de uso eventual pela equipe multidisciplinar. etc. de hemodiálise. como por exemplo as salas medicamentos utilizados durante a sua cirúrgicas. Este pagamento é realizado de acordo dados coletados em relação ao diagnóstico com o código do procedimento para o qual o principal e outros diagnósticos detectados durante paciente esteve internado.Os campos que se referem e podem influenciar significativamente os à esta categoria incluem todos os procedimentos indicadores de custos das internações. daquele que contém Hemoderivados e Fisioterapia . tanto em relação à quantidade. Através da descrição da internação. 10. RX com intensificador de da auditoria de contas. durante o período de internação. da internação em dias.Com relação aos A decisão de elaboração dos valores equipamentos. Devem seguir a padronização pela Classificação Internacional de Doenças (CID-10). bomba infusora.É da alçada do um campo aberto. de acordo com a tabela previamente acordados entre Operadora e preconizada pela Operadora de Saúde. Seus Códigos devem ser preenchidos de gesso. o formulário. serviços. 5. pode ser uma prática bastante interessante para Dentre os equipamentos que podem estar os envolvidos na assistência do paciente.Neste campo. Para a incluídos neste campo específico. diárias. entre outras. para que o auditor possa auditor a atividade de verificação dos materiais e descrever as intercorrências com o paciente. entre liberação da internação pela Operadora. Equipamentos . são exemplos destes serviços.Esta categoria compreende os médicos. facilita a compreensão do todo da internação aos associada à checagem da administração da demais profissionais que entrem em contato com medicação pela enfermagem.Incluem-se nesta categoria os dados relacionados ao pagamento dos honorários 4. até como em relação ao seu valor. Diagnósticos . Geralmente são criados códigos diferenciados para que não se confunda o código que contém 9. Fototerapia. realização. 3. facilita consideravelmente o trabalho marcapasso temporário. 8. correspondem aos mesmos da categoria Materiais e Medicamentos. Identificação . Preparo de Alimentação nesta categoria. o procedimento deve dados relacionados às taxas de sala nas quais estar descrito pelo profissional que o realizou. destino do paciente e tipo de Internação. Gases . . honorários.

os organizações de saúde. mas nem por isso esta análise deixa Esta pesquisa vem ao encontro da de ser importante e apresenta-se como um necessidade daqueles profissionais que possuem diferencial do presente estudo. e aos Resultados da Internação. comentários do dos dados coletados na organização auditada. Uma vez conhecido o valor de haver um campo para que o profissional preencha determinada internação “empacotada”. Além disso. valorizando o papel da Enfermagem. facilitador Terapêutico (SADT). justificativas. Aliado a este sistema. a quesitos do formulário. cura. os quais orientam o preenchimento dos campos de . a sua pacientes. no sentido da campo aberto.Esta categoria não contempla dados que devem ser coletados e preenchidos no formulário. implementa a usuários e mesmo da própria Operadora. Osterfeld [11] comenta que a tecnologia solicitações de Serviços de Apoio Diagnóstico e wireless tornou-se um elemento chave. compreensão das inconformidades realizadas 17. Avaliação da Qualidade . e intercorrências de iniciativas as quais estão melhorando relacionadas ao internamento do paciente. óbito ou evasão. otimização do tempo de coleta e processamento complementações. em saúde é pouco realizada pelos profissionais que realizam a Auditoria de Contas Médicas Considerações Finais Hospitalares. paciente depende de alguns fatores.direcionando sua atividade para a avaliação da Motivo de Glosa presentes na maioria dos qualidade da assistência prestada. A categoria uma visão estratégica de negócio em saúde e “Avaliação da qualidade” compreende os dados que percebem a mudança de paradigma que vem coletados referentes aos registros Médico. a permeando esta área. Este campo. para considerações. O autor cita Marin [10]. a explicação contida no Médicas Hospitalares. administração da Operadora pode atuar com Constatou-se a importância de que. bases de dados. ou relacionado a intercorrências com o faturamento do hospital. a Explicita que muitos avanços no sentido de evolução e a prescrição de enfermagem são segurança. citando Casey. para maior segurança no gerenciamento dos seus cada glosa realizada pelo auditor externo deve custos. a saber: a) como a admissão no hospital. de questionamento quais visam a Auditoria da Qualidade da ou dúvidas em relação à glosa efetuada ainda no Assistência a Saúde. receptividade traduzem que os processos Dados do Resultado da Internação incluem se foi wireless podem ser prontamente integrados com melhora.Nesta categoria pelo Prestador. a fim de otimizar o trabalho operacional em saúde. sistematização da informação como diferencial competitivo e estratégico no gerenciamento das Com relação aos registros Médicos. de acordo com o motivo da agendá-la de acordo com as prioridades dos realização da glosa. e não a Auditoria de Contas ambiente hospitalar. Conseqüentemente. auditor em relação à internação auditada. dados avaliados correspondem à presença o não de prescrição e evolução médicas diárias. ou seja. Considerações do Auditor . sobre a qualidade de atendimento.o processo de Auditoria de Contas Médicas pode também se 18. para os registros da Enfermagem. o relatório. Motivos da Glosa . o b) do domínio e controle que os profissionais da que permite a coleta de dados da Auditoria assistência têm sobre a informação relativa aos Externa. 19.. os sistemas existentes. e sincronização via telefonia móvel ou após retorno de como devem utilizar a informação para mudar às dependências da Operadora otimiza e direcionar a sua prática e avaliar o desempenho consideravelmente a inclusão dos dados em da equipe. inter-operabilidade e maior avaliados com relação à sua presença ou não. executado.Trata-se de um beneficiar desta tecnologia. que por sua vez demonstre implementação de um sistema que possui uma significado para os responsáveis pela avaliação. versão para Personal Digital Assistent (PDA). é possível com um código. o qual deve dispor sobre os dados relativos aos pacientes de modo que representem O presente trabalho serviu de base para a alguma informação. Além disso. mas compreende uma relação de motivos para as glosas realizadas. Já processos e resultados dentro do setor saúde. pondera que a alguns exemplos nos quais as soluções wireless melhoria da qualidade de atendimento ao podem implementar os resultados dos pacientes. em caso de pedidos foram agrupados campos para coleta de dados os de Revisão de Glosa. a documentação da competência do profissional designado para clínica e o acesso instantâneo aos dados do medir e avaliar a efetividade do serviço paciente na beira do leito hospitalar. Esta atividade da auditoria formulário torna-se clara e objetiva.

de. pelo auxílio na confecção do artigo Aos colegas especialistas da Auditoria de Contas [2]ÉVORA. et al.com/npfeature4. Sistemas de apoio à decisão em medicina. editores associados Gio Wiederhold e sofre um impacto relevante devido à velocidade Lawrence M. a fim Florianópolis: Laboratório de Ensino à Distância de que o Auditor possa. 212-256. livro Medical Informatics: Computer Applications in Health Care and Biomedicine O método de trabalho utilizado por profissionais e editado por Edward H. M Metodologia inclusão de dados estruturados e não da pesquisa e elaboração de dissertação. W. Nova em que as novidades tecnológicas avançam. Ana Maria Dyniewicz [1] MOTTA. campos que permitem a [8] SILVA. [7] JUNQUEIRA. estabelecimento de novos rumos na prática da Auditoria por profissionais da área de Saúde. saúde ou do sistema de saúde em que está se insere.M. A. Prof João da Silva Dias São Paulo: Atlas.N. Edward. instrumento deve ser adaptado às demandas dos [5] SÁ. CIMINO James J. pesquisa. Auditoria médica em Desta maneira. Rio de Janeiro: profissionais que o utilizam. São Paulo. preenchida. Shortliffe e Leslie E. A. interposição entre as ciências torna-se uma realidade. textos básicos.advancefornp.L. J.F Informática em enfermagem. EPU. Auditoria e análise de deve dar suporte eficaz à elaboração de relatórios contas médicas-hospitalares. ISBN: 0-387.98472-0. M.F. 163-169. pelas relevantes contribuições. . Com a realização da presente [10] MARIN. e a York. Ministério da Saúde. e-mail: kobus@netpar. nacional.epm. 2000. a fim de que se estabeleçam em:<www. W. que devem ser ajustadas especialidade. 1995. 1992.G. dados para a atividade da Auditoria Externa teve Rio de Janeiro: Brasil. indicação de como a informação deve ser [9]HAMMOND.html?> regras e padrões para esta prática à nível Acessado em 02 out. Processo de informatização Médicas Hospitalares na enfermagem. os campos incluídos apresentam perspectiva: presente e futuro de uma nova especificações amplas. Disponível em: Contato www. E. como princípio norteador o fato de que este p.L.. gerenciais. Auditoria básica. Criciúma: Edição do Autor . espera-se contribuir para o São Paulo: EPU. Além disso. p.M.O desenvolvimento do formulário para coleta de Gestão municipal da saúde. The eletronic age: Sugere-se que a pesquisa seja replicada em improving outcomes through wireless.. Auditoria: princípios e técnicas. 2001. E. de acordo com a realidade de cada Operadora de Saúde. C. MENEZES.virtual. contribuir com seus pareceres Standards in medical Informatics. Capítulo 6 do pessoais com relação à situação auditada.com. Agradecimentos Referências Prof. administradores na área da Saúde atualmente Perreault. da organização de Tecnoprint Ltda.. Bem como o fato de que tal formulário [6]LORVEDOS. D.D. IN: MS. fundamentais à realização da pesquisa [3]SIGULEM.A. [11] OSTERFELD. Y.br [4]BRANCO. 2002. estruturados foram incluídos no formulário. além de seguir a da UFSC. Enfermeira Auditora 2002.br/material/tis/curr. Informação em saúde como elemento estratégico para gestão. São Paulo: STS. 1995. 1999. H. Luciana Schleder Gonçalves Kobus med/sad_tml/sistema. Disponível outros contextos. 2001. Fagan. 2001. 1994.htm Acessado em 12 dez.