Você está na página 1de 76

SEMANA ESPECIAL OAB

DIREITO PROCESSUAL PENAL


XXXI Exame de Ordem

Prof. Ivan Marques


@prof.ivanmarques
Emendatio Libelli (art. 383) e
Mutatio Libelli (art. 384)

Prof. Ivan Marques


Art. 383. O juiz, sem modificar a descrição do fato
contida na denúncia ou queixa, poderá atribuir-lhe
definição jurídica diversa, ainda que, em conseqüência,
tenha de aplicar pena mais grave.

Prof. Ivan Marques


§ 1o Se, em conseqüência de definição jurídica diversa,
houver possibilidade de proposta de suspensão
condicional do processo, o juiz procederá de acordo com
o disposto na lei.

§ 2o Tratando-se de infração da competência de outro


juízo, a este serão encaminhados os autos.

Prof. Ivan Marques


Art. 384. Encerrada a instrução probatória, se entender
cabível nova definição jurídica do fato, em conseqüência
de prova existente nos autos de elemento ou
circunstância da infração penal não contida na acusação, o
Ministério Público deverá aditar a denúncia ou queixa, no
prazo de 5 (cinco) dias, se em virtude desta houver sido
instaurado o processo em crime de ação pública,
reduzindo-se a termo o aditamento, quando feito
oralmente.

Prof. Ivan Marques


§ 1o Não procedendo o órgão do Ministério Público ao
aditamento, aplica-se o art. 28 deste Código.

§ 2o Ouvido o defensor do acusado no prazo de 5 (cinco)


dias e admitido o aditamento, o juiz, a requerimento de
qualquer das partes, designará dia e hora para
continuação da audiência, com inquirição de
testemunhas, novo interrogatório do acusado, realização
de debates e julgamento.

Prof. Ivan Marques


§ 3o Aplicam-se as disposições dos §§ 1o e 2o do art.
383 ao caput deste artigo.

§ 4o Havendo aditamento, cada parte poderá arrolar até


3 (três) testemunhas, no prazo de 5 (cinco) dias, ficando o
juiz, na sentença, adstrito aos termos do aditamento.

§ 5o Não recebido o aditamento, o processo prosseguirá.

Prof. Ivan Marques


Sentença condenatória quando o MP
pede absolvição

Prof. Ivan Marques


Art. 385. Nos crimes de ação pública, o juiz poderá
proferir sentença condenatória, ainda que o Ministério
Público tenha opinado pela absolvição, bem como
reconhecer agravantes, embora nenhuma tenha sido
alegada.

Prof. Ivan Marques


Sentença condenatória com
detração penal

Prof. Ivan Marques


Art. 387. O juiz, ao proferir sentença condenatória:
(...)
§ 2o O tempo de prisão provisória, de prisão
administrativa ou de internação, no Brasil ou no
estrangeiro, será computado para fins de determinação
do regime inicial de pena privativa de liberdade.

Prof. Ivan Marques


Intimação da sentença condenatória

Prof. Ivan Marques


Art. 392. A intimação da sentença será feita:
I - ao réu, pessoalmente, se estiver preso;
II - ao réu, pessoalmente, ou ao defensor por ele
constituído, quando se livrar solto, ou, sendo afiançável a
infração, tiver prestado fiança;
III - ao defensor constituído pelo réu, se este, afiançável,
ou não, a infração, expedido o mandado de prisão, não
tiver sido encontrado, e assim o certificar o oficial de
justiça;

Prof. Ivan Marques


IV - mediante edital, nos casos do no II, se o réu e o
defensor que houver constituído não forem encontrados,
e assim o certificar o oficial de justiça;
V - mediante edital, nos casos do no III, se o defensor que
o réu houver constituído também não for encontrado, e
assim o certificar o oficial de justiça;
VI - mediante edital, se o réu, não tendo constituído
defensor, não for encontrado, e assim o certificar o oficial
de justiça.

Prof. Ivan Marques


Procedimentos

Prof. Ivan Marques


Art. 394. O procedimento será comum ou especial.
§ 1o O procedimento comum será ordinário, sumário ou
sumaríssimo:
I - ordinário, quando tiver por objeto crime cuja sanção máxima
cominada for igual ou superior a 4 (quatro) anos de pena
privativa de liberdade;
II - sumário, quando tiver por objeto crime cuja sanção máxima
cominada seja inferior a 4 (quatro) anos de pena privativa de
liberdade;
III - sumaríssimo, para as infrações penais de menor potencial
ofensivo, na forma da lei.

Prof. Ivan Marques


Prioridade de tramitação

Prof. Ivan Marques


Art. 394-A. Os processos que apurem a prática de crime
hediondo terão prioridade de tramitação em todas as
instâncias.

Prof. Ivan Marques


Rejeição da denúncia ou queixa

Prof. Ivan Marques


Art. 395. A denúncia ou queixa será rejeitada quando:

I - for manifestamente inepta;

II - faltar pressuposto processual ou condição para o


exercício da ação penal; ou

III - faltar justa causa para o exercício da ação penal.

Prof. Ivan Marques


Art. 41. A denúncia ou queixa conterá a exposição do
fato criminoso, com todas as suas circunstâncias, a
qualificação do acusado ou esclarecimentos pelos quais
se possa identificá-lo, a classificação do crime e, quando
necessário, o rol das testemunhas.

Prof. Ivan Marques


Absolvição sumária no rito comum

Prof. Ivan Marques


Absolvição sumária:
I – excludente de ilicitude
II – excludente de culpabilidade, salvo
inimputabilidade;
III – excludente de tipicidade
IV – extinção da punibilidade

* Paralelo com a teoria do crime


CRIME (fato)

Típico Ilícito Culpável

Obs: a punibilidade não faz parte do conceito de crime!


Absolvição sumária no júri

Prof. Ivan Marques


Art. 415. O juiz, fundamentadamente, absolverá
desde logo o acusado, quando:
I – provada a inexistência do fato;
II – provado não ser ele autor ou partícipe do fato;
III – o fato não constituir infração penal;
IV – demonstrada causa de isenção de pena ou de
exclusão do crime.
* Pode inimputabilidade, desde que seja a única
tese defensiva.
Identidade física do juiz

Prof. Ivan Marques


Art. 399.

§ 2o O juiz que presidiu a instrução deverá proferir a


sentença.
Audiência de instrução

Prof. Ivan Marques


Art. 400. Na audiência de instrução e julgamento, a
ser realizada no prazo máximo de 60 (sessenta) dias,
proceder-se-á à tomada de declarações do ofendido, à
inquirição das testemunhas arroladas pela acusação e
pela defesa, nesta ordem, ressalvado o disposto no
art. 222 deste Código, bem como aos esclarecimentos
dos peritos, às acareações e ao reconhecimento de
pessoas e coisas, interrogando-se, em seguida, o
acusado.
Interrogatório como último ato

Prof. Ivan Marques


Interrogatório é meio de defesa.

Será sempre o último ato da instrução, mesmo na


Lei de Drogas.
Prazo processual penal

Prof. Ivan Marques


Como contar prazos processuais

1. Não se conta o dia da citação ou intimação


2. Vamos para o dia seguinte (se for útil)
3. Sábado, domingo e feriado NÃO é dia útil
4. A contagem dos dias é em dias corridos
5. O último dia do prazo precisa ser útil.
Prazo da resposta à acusação – 10 dias

O réu foi citado no dia 05.02.2020 (quarta-feira)


Faça a resposta à acusação no último dia do prazo.

Citação
4ª Feira
05.02
Art. 366 - Citação por edital com
suspensão do processo e da
prescrição

Prof. Ivan Marques


Art. 361. Se o réu não for encontrado, será citado por
edital, com o prazo de 15 (quinze) dias.

“O réu está em Local Incerto e Não Sabido”

Cite-se por edital em 15 dias.


Art. 366. Se o acusado, citado por edital, não
comparecer, nem constituir advogado, ficarão
suspensos o processo e o curso do prazo prescricional,
podendo o juiz determinar a produção antecipada das
provas consideradas urgentes e, se for o caso, decretar
prisão preventiva, nos termos do disposto no art. 312.
Juiz suspende o
processo e a
prescrição

Réu citado por


edital não
comparece nem
constitui advogado
Atenção n. 1:
Art. 367. O processo seguirá sem a presença do acusado
que, citado ou intimado pessoalmente para qualquer ato,
deixar de comparecer sem motivo justificado, ou, no caso
de mudança de residência, não comunicar o novo
endereço ao juízo.
Atenção n. 2:
Art. 368. Estando o acusado no estrangeiro, em lugar
sabido, será citado mediante carta rogatória,
suspendendo-se o curso do prazo de prescrição até o seu
cumprimento.
Atenção n. 3:
Cuidado com a lavagem de dinheiro (Lei 9.613 de 1998)
Art. 2º (...)
§ 2o No processo por crime previsto nesta Lei, não se
aplica o disposto no art. 366 do Decreto-Lei nº 3.689, de
3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal),
devendo o acusado que não comparecer nem constituir
advogado ser citado por edital, prosseguindo o feito até
o julgamento, com a nomeação de defensor dativo.
Hediondos e assemelhados

Prof. Ivan Marques


Art. 2º Os crimes hediondos, a prática da tortura, o tráfico
ilícito de entorpecentes e drogas afins e o terrorismo são
insuscetíveis de:

I - anistia, graça e indulto;


II - fiança.
Art. 2º Os crimes hediondos, a prática da tortura, o tráfico
ilícito de entorpecentes e drogas afins e o terrorismo são
insuscetíveis de:

I - anistia, graça e indulto;


II - fiança.
QUESTÕES DA FGV

Prof. Ivan Marques


64. O advogado de Josefina, ré em processo criminal,
entendendo que, entre o recebimento da denúncia e o
término da instrução, ocorreu a prescrição da pretensão
punitiva estatal, apresentou requerimento, antes mesmo do
oferecimento de alegações finais, de reconhecimento da
extinção da punibilidade da agente, sendo o pedido
imediatamente indeferido pelo magistrado. Intimado, caberá
ao(à) advogado(a) de Josefina, discordando da decisão,
apresentar
A) recurso em sentido estrito, no prazo de 5 dias.
B) recurso de apelação, no prazo de 5 dias.
C) carta testemunhável, no prazo de 48h.
D) reclamação constitucional, no prazo de 15 dias.
A) recurso em sentido estrito, no prazo de 5 dias.
B) recurso de apelação, no prazo de 5 dias.
C) carta testemunhável, no prazo de 48h.
D) reclamação constitucional, no prazo de 15 dias.
QUESTÃO 64 - A

Quando fazemos um pedido incidental (ou seja, no meio do


processo) e o juiz nega, a depender do pedido e da decisão,
caberá Recurso em Sentido Estrito. Foi o que caiu.
O artigo 581, IX, do CPP assim nos ensina:
IX – que indeferir o pedido de reconhecimento da prescrição
ou de outra causa extintiva da punibilidade;
Art. 586. O recurso voluntário poderá ser interposto no prazo
de cinco dias.
66. Fred foi denunciado e condenado, em primeira instância, pela
prática de crime de corrupção ativa, sendo ele e seu advogado
intimados do teor da sentença no dia 05 de junho de 2018,
terça-feira. A juntada do mandado de intimação do réu ao
processo, todavia, somente ocorreu em 11 de junho de 2018,
segunda-feira.
Considerando as informações narradas, o prazo para interposição
de recurso de apelação pelo advogado de Fred,
de acordo com a jurisprudência dos Tribunais Superiores, será
iniciado
A) no dia seguinte à juntada do mandado de intimação (12/06/18),
devendo a data final do prazo ser prorrogada
para o primeiro dia útil seguinte, caso se encerre no final de semana.
B) no dia da juntada do mandado de intimação (11/06/18), devendo
ser cumprido até o final do prazo de 05 dias
previsto em lei, ainda que este ocorra no final de semana.
C) no dia da intimação (05/06/18), independentemente da data da
juntada do mandado, devendo ser cumprido até o final do prazo de
05 dias previsto em lei, ainda que este ocorra no final de semana.
D) no dia seguinte à intimação (06/06/18), independentemente da
data da juntada do mandado, devendo a data final do prazo ser
prorrogada para o primeiro dia útil seguinte, caso se encerre no final
de semana.
A) no dia seguinte à juntada do mandado de intimação (12/06/18),
devendo a data final do prazo ser prorrogada
para o primeiro dia útil seguinte, caso se encerre no final de semana.
B) no dia da juntada do mandado de intimação (11/06/18), devendo
ser cumprido até o final do prazo de 05 dias
previsto em lei, ainda que este ocorra no final de semana.
C) no dia da intimação (05/06/18), independentemente da data da
juntada do mandado, devendo ser cumprido até o final do prazo de
05 dias previsto em lei, ainda que este ocorra no final de semana.
D) no dia seguinte à intimação (06/06/18), independentemente da
data da juntada do mandado, devendo a data final do prazo ser
prorrogada para o primeiro dia útil seguinte, caso se encerre no final
de semana.
QUESTÃO 66 - D

intimados em 05.06.2018 – terça-feira


primeiro dia no dia 06.06
último dia na segunda 11.06 prazo final para interpor
apelação, pois o último dia caiu no domingo.
65. Vanessa foi condenada pela prática de um crime de furto
qualificado pela 1ª Vara Criminal de Curitiba, em razão de suposto
abuso de confiança que decorreria da relação entre a vítima e
Vanessa. Como as partes não interpuseram recurso, a sentença de
primeiro grau transitou em julgado. Apesar de existirem provas da
subtração de coisa alheia móvel, a vítima não foi ouvida por
ocasião da instrução por não ter sido localizada. Durante a
execução da pena por Vanessa, a vítima é localizada, confirma a
subtração por Vanessa, mas diz que sequer conhecia a autora dos
fatos antes da prática delitiva. Vanessa procura seu advogado para
esclarecimento sobre eventual medida cabível. Considerando
apenas as informações narradas, o advogado de Vanessa deve
esclarecer que
A) não poderá apresentar revisão criminal, tendo em vista que a
pena já está sendo executada, mas poderá ser buscada reparação
civil.
B) caberá apresentação de revisão criminal, sendo imprescindível a
representação de Vanessa por advogado, devendo a medida ser
iniciada perante o próprio juízo da condenação.
C) não poderá apresentar revisão criminal em favor da cliente,
tendo em vista que a nova prova não é apta a justificar a absolvição
de Vanessa, mas tão só a redução da pena.
D) caberá apresentação de revisão criminal, podendo Vanessa
apresentar a ação autônoma independentemente de estar assistida
por advogado, ou por meio de procurador legalmente habilitado.
A) não poderá apresentar revisão criminal, tendo em vista que a
pena já está sendo executada, mas poderá ser buscada reparação
civil.
B) caberá apresentação de revisão criminal, sendo imprescindível a
representação de Vanessa por advogado, devendo a medida ser
iniciada perante o próprio juízo da condenação.
C) não poderá apresentar revisão criminal em favor da cliente,
tendo em vista que a nova prova não é apta a justificar a absolvição
de Vanessa, mas tão só a redução da pena.
D) caberá apresentação de revisão criminal, podendo Vanessa
apresentar a ação autônoma independentemente de estar assistida
por advogado, ou por meio de procurador legalmente habilitado.
QUESTÃO 65 - D

Cabe inclusive para diminuir a pena e pode ser feita pelo


próprio acusado.
Artigo 623 do CPP:
Art. 623. A revisão poderá ser pedida pelo próprio réu ou
por procurador legalmente habilitado ou, no caso de morte
do réu, pelo cônjuge, ascendente, descendente ou irmão.
66. Vitor foi denunciado pela prática de um crime de peculato. O
magistrado, quando da análise da inicial acusatória, decide rejeitar
a denúncia em razão de ausência de justa causa. O Ministério
Público apresentou recurso em sentido estrito, sendo os autos
encaminhados ao Tribunal, de imediato, para decisão. Todavia,
Vitor, em consulta ao sítio eletrônico do Tribunal de Justiça, toma
conhecimento da existência do recurso ministerial, razão pela qual
procura seu advogado e demonstra preocupação com a revisão da
decisão do juiz de primeira instância. Considerando as informações
narradas, de acordo com a jurisprudência do Supremo Tribunal
Federal, o advogado de Vitor deverá esclarecer que
A) o Tribunal não poderá conhecer do recurso apresentado,
tendo em vista que a decisão de rejeição da denúncia é
irrecorrível.
B) o Tribunal não poderá conhecer do recurso apresentado,
pois caberia recurso de apelação, e não recurso em sentido
estrito.
C) ele deveria ter sido intimado para apresentar
contrarrazões, apesar de ainda não figurar como réu, mas tão
só como denunciado.
D) caso o Tribunal dê provimento ao recurso, os autos serão
encaminhados para o juízo de primeira instância para nova
decisão sobre recebimento ou não da denúncia.
A) o Tribunal não poderá conhecer do recurso apresentado,
tendo em vista que a decisão de rejeição da denúncia é
irrecorrível.
B) o Tribunal não poderá conhecer do recurso apresentado,
pois caberia recurso de apelação, e não recurso em sentido
estrito.
C) ele deveria ter sido intimado para apresentar
contrarrazões, apesar de ainda não figurar como réu, mas tão
só como denunciado.
D) caso o Tribunal dê provimento ao recurso, os autos serão
encaminhados para o juízo de primeira instância para nova
decisão sobre recebimento ou não da denúncia.
QUESTÃO 66 - C

Súmula 707 do STF

Constitui nulidade a falta de intimação do denunciado para


oferecer contrarazões ao recurso interposto da rejeição da
denúncia, não a suprindo a nomeação de defensor dativo.
(FGV – 2014 – OAB – XIV EXAME DE ORDEM)
Eduardo foi denunciado pelo crime de estupro de vulnerável.
Durante a instrução, negou a autoria do crime, afirmando
estar, na época dos fatos, no município “C”, distante dois
quilômetros do local dos fatos. Como a afirmativa não foi
corroborada por outros elementos de convicção, o Juiz
entendeu que a palavra da vítima deveria ser considerada,
condenando Eduardo.
A defesa recorreu, mas após longo debate nos Tribunais
Superiores, a decisão transitou em julgado desfavoravelmente
ao réu. Eduardo dirigiu-se, então, ao município “C”, em busca
de provas que pudessem apontar a sua inocência, e, depois de
muito procurar, conseguiu as filmagens de um estabelecimento
comercial, que estavam esquecidas em um galpão velho. Nas
filmagens, Eduardo aparece comprando lanche em uma padaria.
Com a prova em mãos, procura seu advogado. Assinale a opção
que apresenta a providência a ser adotada pelo advogado de
Eduardo.
a) O advogado deve ingressar com agravo em execução, pois
Eduardo descobriu uma prova que atesta a sua inocência de forma
inconteste.
b) O advogado deve ingressar com revisão criminal, pois Eduardo
descobriu uma prova que atesta a sua inocência de forma
inconteste.
c) O advogado deve ingressar com reclamação constitucional, pois
Eduardo descobriu uma prova que atesta a sua inocência de forma
inconteste.
d) O advogado deve ingressar com ação de habeas corpus, pois
Eduardo descobriu uma prova que atesta a sua inocência de forma
inconteste.
a) O advogado deve ingressar com agravo em execução, pois
Eduardo descobriu uma prova que atesta a sua inocência de forma
inconteste.
b) O advogado deve ingressar com revisão criminal, pois Eduardo
descobriu uma prova que atesta a sua inocência de forma
inconteste.
c) O advogado deve ingressar com reclamação constitucional, pois
Eduardo descobriu uma prova que atesta a sua inocência de forma
inconteste.
d) O advogado deve ingressar com ação de habeas corpus, pois
Eduardo descobriu uma prova que atesta a sua inocência de forma
inconteste.
Gabarito - B

Considerando o fato de que o condenado obteve prova


NOVA, capaz de atestar cabalmente sua inocência, deverá o
advogado ajuizar revisão criminal, nos termos do art. 621, III
do CPP.
QUESTÃO INÉDITA

Prof. Ivan Marques


Após ser condenado em sentença de 1.ª instância, Rogério e
o seu advogado decidem recorrer. A intimação de ambos
ocorreu no dia 31.01.2020 (sexta-feira). Indique a alternativa
que possui o recurso correto e o primeiro dia do prazo
recursal.
a) Apelação, e o primeiro dia será no Sábado (01.02.2020)
b) Apelação, e o primeiro dia será na Segunda (03.02.2020)
c) RESE, e o primeiro dia será no Sábado (01.02.2020)
d) RESE, e o primeiro dia será na Segunda (03.02.2020)
Gabarito - B

b) Apelação, e o primeiro dia será na Segunda (03.02.2020)

Contra sentença condenatório cabe apelação.


Primeiro dia útil após a intimação é segunda, dia 03.02
Se ficou alguma dúvida…

@prof.ivanmarques

Prof. Ivan Marques


@prof.ivanmarques Prof. Ivan Marques

Você também pode gostar