Você está na página 1de 9

PAUTA DE CONTEÚDOS (Projeto meu primeiro cliente trabalhista)

1. Para empregados

- Férias (Vídeo ou imagem com texto)

Você sabia que o patrão é quem decide a data que você vai tirar de férias?
Sim, essa é uma decisão que cabe ao patrão e geralmente é acordado com o
empregado uma data que não venha atrapalhar o trabalho.

Porém, o empregador tem uma data limite para te dar férias, que seria de até 12
meses após você completar o período que te dá direito às férias.

Caso esse prazo não seja respeitado pelo patrão, ele deverá te pagar as férias em
dobro.

Advogado e OAB

- 13º Salário (Vídeo ou imagem)


Chega no final do ano e todo mundo que trabalha registrado fica esperando o
famoso 13º salário, que também é conhecido como gratificação natalina.

Você sabe que o patrão tem um limite para pagar esse salário a mais no final do
ano?

Sim. A lei prevê que o 13º salário deve ser pago até dia 20 de dezembro, porém
pode o empregador dividir o pagamento em duas parcelas sendo a primeira paga
em novembro e a segunda até 20 de dezembro.

Pode ainda você empregado pedir pra receber a primeira parcela junto com as
férias.

O que acontece se o patrão não pagar na data limite? Você pode receber o valor
atualizado e corrigido.

Advogado e OAB

- Adicional de insalubridade
Você sabia que o empregado que trabalha exposto a um ambiente de trabalho
que possa trazer risco à sua saúde, tem direito a um adicional no seu salário?

Por exemplo. O empregado que trabalha na limpeza de banheiros públicos ou de


grande movimentação de pessoas, tem direito a um adicional de 40% sobre o
salário mínimo.

Geralmente é preciso fazer uma perícia no local de trabalho para ver se realmente
trabalha nessas condições, mas se ficar provado o ambiente insalubre, ele tem
direito a esse adicional.

Advogado e OAB

- Benefício emergencial
O governo editou uma lei que possibilita a empresa reduzir a jornada e salário
ou suspender o contrato de trabalho, porém existe um prazo que a empresa
pode fazer isso.

Se a empresa suspender seu contrato de trabalho, deverá manter todos os


benefícios que você recebia anteriormente. Somente o vale transporte e vale
refeição que não, pois se você não está indo trabalhar, então não teria direito.

Agora os benefícios como convênio médico, auxílio alimentação e outros previstos


perante o sindicato, a empresa deverá mantê-los.

Advogado e OAB

- Auxílio Emergencial
Você sabia que o governo está pagando 600 reais para quem não tem renda
ou está impedido de trabalhar informalmente por conta da pandemia?

Esse valor é chamado de Auxílio Emergencial ou "Corona Voucher" e vem sendo


pago para quem se cadastra no aplicativo específico e, se preencher os requisitos,
receberá o benefício em uma conta na caixa econômica.

Tem que ser maior de 18 anos, não pode estar registrado e nem recebendo
qualquer outro benefício do governo, salvo bolsa família.

Entre no Caixa para saber mais.

Advogado e OAB

2. Para empresas

- Prorrogação dos prazos da MP 936


O governo federal publicou o decreto que autoriza as empresas a prorrogarem
os prazos de suspensão do contrato e redução da jornada e salário.

Para que você empregador, possa aplicar a suspensão do contrato, deverá fazer um
novo acordo com seus empregados e o prazo não pode ultrapassar 120 dias no
total, acumulado com o período já utilizado antes do decreto.

Funciona assim. Se você já usou o prazo previsto na MP 936 antes do decreto, que
seria de 60 dias, só poderá fazer um novo acordo pelo prazo de 60 dias, somando
120 dias que o decreto autoriza.

Agora, se você não usou esse período antes do decreto, poderá acordar um prazo
de 120 dias no total.

Advogado e OAB

- Contrato intermitente
Contratar empregados pela CLT exige um planejamento cuidadoso, pois pode
refletir no funcionamento e caixa da empresa. Exige um planejamento fiscal,
previdenciário e trabalhista.

Ocorre que nesse período de pandemia as empresas estão com receio de


retomarem suas atividades e de repente ter que fechar de novo. E como fica com
esses empregados contratados só para a retomada?

A recomendação é que procure contratar empregados pelo contrato intermitente,


para que possam prestar serviços justamente nos períodos que a empresa de fato
retornar.

Essa modalidade, autoriza que, quando a empresa não esteja em funcionamento,


este empregado fique em casa, sem gerar qualquer ônus para o empregador.

- Empregado com covid-19


Com a pandemia, todo cuidado é pouco e você empregador precisa tomar
algumas ações caso isso ocorra na sua empresa.

Vamos supor que sua empresa é uma das atividades autorizadas a funcionar e de
repente, seu empregado chega com o exame de que está com COVID-19.

Qual medida tomar.

Imediatamente peça cópia do exame e verifique qual o período de afastamento que


o médico dele deu. Se ele ainda não foi ao médico, peça para que faça um exame
com o médico da empresa ou em clínicas especializadas para saber o período de
afastamento.

Após 15 dias, você pode encaminhá-lo para o INSS agendando uma perícia para
recebimento do Auxílio Doença, caso o atestado ultrapasse esse prazo.

Não tomar essas providências podem trazer dor de cabeça como uma ação
trabalhista responsabilizando a empresa por mau procedimento na condução do
afastamento do empregado.

Advogado e OAB
- INTRAJORNADA

Você sabia que pode indenizar o intervalo para descanso e refeição do


empregado que trabalha 12 x 36?

Essa é uma grande dificuldade das empresas de vigilância, visto que conta sempre
com um empregado em cada posto de trabalho e não possui outro para render o
horário de almoço do empregado.

Mas a reforma trabalhista autoriza a empresa a indenizar o empregado do intervalo


para descanso e refeição podendo exigir que ele faça a refeição no local e retorne
imediatamente ao trabalho.

Porém o patrão deverá fornecer condições de higiene e segurança no ambiente de


trabalho para que o empregado possa fazer suas refeições sob pena de pagar
multas administrativas e indenizações.

Advogado e OAB

ESSE MATERIAL PERTENCE AO PORTAL ADVOCACIA NA PRÁTICA


INSTAGRAM @ADVPRATICA

Você também pode gostar