Você está na página 1de 180

DOENÇAS AGUDAS E

PROTOCOLOS
HOMEOPÁTICOS

Francisco Rabelo
Flávia Barits
TURMA 5.0
SUMÁRIO
PREFÁCIO.................................................................................................... 11

CAPITULO I.................................................................................................13

O INSTITUTO FLÁVIA BARITS........................................................... 13

NOSSA MISSÃO.......................................................................................... 19

CAPITULO II. ..............................................................................................21

CONTEXTO HISTÓRICO..........................................................................21

O NASCIMENTO DA HOMEOPATIA................................................ 22

DR. SAMUEL CHRISTIAN FRIEDRICH

HAHNEMANN............................................................................................. 22

O QUE É HOMEOPATIA?........................................................................ 25

ABORDAGEM HOMEOPÁTICA.......................................................... 28

O PROBLEMA CENTRAL DA HOMEOPATIA

CLÁSSICA...................................................................................................... 30

OS PROTOCOLOS BANERJI.................................................................. 31

DIFERENÇAS ENTRE A HOMEOPATIA E OS

PROTOCOLOS BANERJI......................................................................... 34
CAPITULO III............................................................................................ 35

PROTOCOLOS PARA TRATAMENTO DE DOENÇAS

AGUDAS E OUTRAS MOLÉSTIAS. ....................................................35

FEBRES DE ORIGEM DESCONHECIDA (FUO) .............................37

CÓLICAS DE BEBE.................................................................................... 40

CRIANÇAS COM DIFICULDADES

DE DESENVOLVIMENTO.......................................................................41

AUMENTAR O APETITE......................................................................... 42

PERDA DE PESO E DESNUTRIÇÃO................................................... 43

TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E

HIPERATIVIDADE (TDAH) ....................................................................44

AUTISMO....................................................................................................... 45

DIARREIA...................................................................................................... 46

PRISÃO DE VENTRE................................................................................. 48

DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO (GERD)...........49

DOENÇAS GASTROINTESTINAIS: DISPEPSIA, NÁUSEA E

VÔMITO......................................................................................................... 50

AZIA E QUEIMAÇÃO............................................................................... 51

PÓLIPOS DOS COLONS E DO INTESTINO DELGADO............. 52


GIARDÍASE................................................................................................... 53

PARASITOSES............................................................................................. 54

GRIPE............................................................................................................... 55

BRONQUITE / CRISE ASMÁTICA....................................................... 58

VIA AÉREA SUPERIOR SECA.............................................................. 58

VIA AÉREA SUPERIOR ÚMIDA.......................................................... 59

PNEUMONIA ATÍPICA / SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA

SEVERA (SARS) ..........................................................................................60

SOLUÇOS....................................................................................................... 61

RINITE ALÉRGICA.................................................................................... 62

DERMATITE ATÓPICA (ECZEMA).................................................... 63

URTICÁRIA: ALÉRGICA OU DE OUTRA FORMA...................... 64

HEMANGIOMA.......................................................................................... 65

TRANSTORNOS DE PIGMENTAÇÃO - VITILIGO /

MELANODERMA....................................................................................... 66

ACNE VULGARIS / ROSÁCEA............................................................. 67

SARAMPO OU RUBÉOLA...................................................................... 68

HERPES SIMPLES / ZOSTER................................................................. 69

VERRUGAS................................................................................................... 71

ALOPÉCIA..................................................................................................... 73
FERIDAS DO LEITO (DECUBITUS ULCERS) .................................74

OTITE EXTERNA, OTITE MÉDIA........................................................75

OTITES SEM INFECÇÃO (PISCINA)....................................................76

CONJUNTIVITE........................................................................................... 77

DACRIOCISTITES...................................................................................... 78

TONSILITE, ABSCESSO PERI TONSILAR,

TONSILITE SÉPTICA.................................................................................79

CAXUMBA.................................................................................................... 81

FARINGITE.................................................................................................... 82

ENXAQUECA E DOR DE CABEÇA.................................................... 83

DOR FACIAL (NEVRALGIA)................................................................. 85

HEMORROIDAS.......................................................................................... 86

FISSURA ANAL........................................................................................... 87

PROLAPSO RETAL.................................................................................... 88

TRANSTORNOS OCASIONADOS PELO FRIO.............................. 89

TRANSTORNOS OCASIONADOS PELO CALOR......................... 90

QUEIMADURAS......................................................................................... 91

DENGUE......................................................................................................... 92

GRIPE H1N1.................................................................................................. 93

MALÁRIA...................................................................................................... 94
DISTÚRBIOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS.................................... 95

ARTRITE (GOTA)........................................................................................96

CONTROLAR NÍVEIS DE ÁCIDO ÚRICO.........................................97

ARTRITE REUMATOIDE........................................................................ 98

DOENÇAS DO RIM...................................................................................100

CÁLCULO RENAL....................................................................................101

LABIRINTITE..............................................................................................103

ENJOO DE VIAGEM.................................................................................104

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA......................................................105

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA..................................................105

SINUSITE......................................................................................................107

HIPERCOLESTEROLEMIA (COLESTEROL ALTO)...................109

HIPOTIREOIDISMO..................................................................................110

DIABETS.......................................................................................................111

PURPURA TROMBOCITOPÊNICA IDIOPÁTICA (ITP)............ 113

COLITE..........................................................................................................114

CISTITE..........................................................................................................116

VAGINITE.....................................................................................................117

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO (UTI).......................................117

SÍNDROME DA TENSÃO PREMENSTRUAL (TPM)..................119


DISMENORREIA.......................................................................................120

HEMORRAGIA UTERINA DISFUNCIONAL.................................122

ENDOMETRIOSE......................................................................................123

MIOMAS UTERINOS...............................................................................124

FIBROADENOMA DE MAMA.............................................................125

ABSCESSO DA MAMA...........................................................................126

MENOPAUSA.............................................................................................127

INFERTILIDADE........................................................................................128

TUBERCULOSE.........................................................................................129

TUBERCULOSE DOS OSSOS E DAS ARTICULAÇÕES...........130

APENDICITES - AGUDA E CRÔNICA..............................................131

SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO (CTS)....................................132

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (AVC).................................133

LINFEDEMA................................................................................................134

ERISIPELA....................................................................................................135

TROMBOSE.................................................................................................136

ÚLCERAS VENOSAS (ÚLCERA DE ESTASE,ÚLCERA

VARICOSA).................................................................................................137

HIPERTENSÃO ARTERIAL..................................................................138
NEOPLASMA BENIGNA DO FÍGADO............................................ 141

DOENÇAS DO FÍGADO (HEPATITES).............................................142

CIRROSE DO FÍGADO............................................................................143

COLELITÍASE.............................................................................................144

DIVERTICULITE...............................................................................................

GASTRITES E GASTROPATIA, DOENÇA DA ÚLCERA

PÉPTICA........................................................................................................148

ÚLCERAS PÉPTICAS...............................................................................150

OSTEOPOROSE..........................................................................................151

OSTEOMIELITE.........................................................................................152

PANCREATITE...........................................................................................153

HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA /PROSTATITE..........154

OMBRO CONGELADO (CAPSULITE ADESIVA)........................155

EPICONDILITE LATERAL / EPICONDILITE MÉDIA.................156

LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO (SLE)....................................157

INCONTINÊNCIA URINÁRIA..............................................................159

TRAUMAS....................................................................................................160

DOENÇA DE ALZHEIMER...................................................................161

PARALISIA CEREBRAL.........................................................................162
DEPRESSÃO................................................................................................164

DELÍRIOS......................................................................................................165

DEMÊNCIA..................................................................................................166

EPILEPSIA....................................................................................................167

MAL DE PARKINSON.............................................................................168

EXPOSIÇÃO A RADIAÇÃO..................................................................169

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS..............................................170

INDICE REMISSIVO............................................................................. 172


PREFÁCIO
Estes protocolos foram construídos a partir de uma

revisão de tratamentos realizados com sucessos e é destinado

ao uso de qualquer um que tenha curiosidade em encontrar

significado de uma vida saudável e plena.

  Reforçando que a automedicação pode agravar o

quadro inicial uma vez que a origem da doença é mascarada,

aconselhamos a utilização desses protocolos apenas por

profissionais homeopatas para auxiliar o tratamento

homeopático.

Esse compilado visa:

    Mostrar que o tratamento com medicamentos

homeopáticos pode ser simplificado, padronizado e tornado

mais aceitável em termos das necessidades atuais de cumprir

com protocolos padrão em ciências médicas e aliadas a

eficiência.

Estabelecer os Protocolos de tratamento com

medicamentos homeopáticos como método de tratamento

para uma população maior, devido à sua relação custo-

eficácia.

11
Servir de orientação para direcionar o tratamento de

várias doenças e enfermidades com potências específicas e

dosagens específicas, e repetições frequentes, e também em

combinação com outros medicamentos.

Existem três etapas na seleção de medicamentos:

1. Espera-se que a administração da "primeira linha de

medicamentos" cure ou ofereça alívio em 80% dos casos;

2. Nos restantes 20% dos casos, a "segunda linha de

medicamentos" deve ser administrada em primeiro lugar; e

3. Depois disso, a "terceira linha de medicamentos", se a

primeira e segunda linhas de medicamentos não manifestarem

a resposta adequada, em um quadro razoável de tempo.

12
CAPÍTULO I

O INSTITUTO FLÁVIA BARITS


Homeopatia e Terapias Integrativas
A vida é uma verdadeira jornada rumo ao

autoconhecimento. Um passeio guiado por nosso livre arbítrio

que nos conduz à descoberta e experienciação de sonhos e

desejos. A condução deste processo de vivenciar-se é

gentilmente orientada pela nossa curiosidade e intuição, que

indica as melhores escolhas para cada experiência que

pretendemos viver. A vida caminha sempre para o encontro

do que em nós é latente ou potencial.

Foi assim que, em 2006, guiada por este

sentimento e firme no propósito de seguir sua missão, Flávia

Barits, fisioterapeuta, natural de São Paulo, percorreu os mais

de mil quilômetros que separam sua cidade natal da pequena

Frei Lagonegro, em Minas Gerais.

O amor e dedicação para curar os processos de

adoecimento do outro veio, inicialmente, com a fisioterapia,

mas, em 2007, forma-se, também, em Medicina Tradicional

13
Chinesa e amplia suas possibilidades de ação com a

Acupuntura.

Sempre aberta ao que seu coração solicita, Flávia

vai para Coluna, Minas Gerais, e, é nesta cidade que conhece

a Homeopatia, com a Professora Elen Sonia Maria Duarte, na

época Instrutora do Curso de Extensão de homeopatia da

Universidade Federal de Viçosa (UFV-MG). Nos primeiros

meses de estudo, se apaixonou e descobriu nesta ciência da

saúde a sintonia para acolher sua missão. Em 2010, já

formada, inicia atendimentos voluntários e observa muitos

processos de curas de doenças que nunca havia imaginado. E

nunca mais parou com os atendimentos voluntários e também

particulares.

Em 2014, agora morando em Guanhães, também

em Minas, Flávia conhece Francisco Rabelo, seu

companheiro de vida e projetos. Francisco é farmacêutico

bioquímico e, naquela época, tinha uma drogaria em

Guanhães. Ele conhece Flávia e a Homeopatia e se

surpreende com o potencial de cura oferecido pela aplicação

dos princípios homeopáticos. Francisco formou-se no Curso

de Extensão de Homeopatia Clássica, pela UFV, e se

especializou em homeopatia pelo Instituto Lamasson, em

Ribeirão Preto, São Paulo.

14
Ainda em 2014, Flávia e Francisco inauguram o

Instituto Flávia Barits de Homeopatia e Terapias

Intergrativas, ministrando cursos na região e ampliando o

conhecimento homeopático para cidades de Minas Gerais. O

Instituto trabalha  com Homeopatia humana, animal e à

agricultura, buscando o reequilíbrio e cura do ser, do

ambiente e do planeta.

O Instituto foi criado com o desejo de divulgar e

expandir a Homeopatia para que o contato com esta ciência

curativa fosse ampliado e mais pessoas encontrassem apoio e

cura para seus adoecimentos.

Hoje, quatro projetos sociais são sustentados por

ex-alunos com o apoio do Instituto e outras sementes estão

sendo germinadas.

Para o Instituto Flávia Barits, a Homeopatia é

humanização e acolhimento. O Instituto convida ao

aprofundamento e entendimento sobre a Homeopatia que

humaniza a saúde e promove a cura e o bem-estar individual,

acreditando que cada ser é único e que o tratamento é também

único para cada indivíduo e não voltado para tratar a

doença. Aqui, o aluno aprende e vivencia o olhar amoroso

com o outro e seus adoecimentos, sem julgamentos, em uma

visão humanizada e acolhedora, com entendimento da ação

homeopática primordial de equilibrar o ser e promover bem-

15
estar geral. Essa é a essência do Curso de Homeopatia e

Terapias Integrativas: respeito ao ser humano, à morada da

alma do outro, entendendo o limite de ação, sempre com

amor, conhecimento e acolhimento!

Além de linda e fascinante, o Instituto ensina a

Homeopatia com muito AMOR! E é esse amor que

transforma vidas, sentimentos, rancor em leveza, amargura

em doçura, ódio em perdão.

A essência da humanidade é o bem, e é pela

transformação desses corações que encontraremos a paz.

16
Fisioterapeuta, Especialista em

Acupuntura e Pós-graduada em

Fisioterapia traumato-ortopédica,

a Dra. Flávia Barits fez o Curso

de Extensão em Homeopatia do

Departamento de Fitotecnia da

Universidade Federal de Viçosa

(UFV-MG) em 2010, já iniciando

sua prática clínica.Em 2013,


Flávia Barits devido seu amor e empenho pela
Diretora prática homeopática,

foi convidada a ministrar os Cursos de Homeopatia

certificados pela Universidade Federal de Viçosa (UFV-MG)

em diversas cidades ineiras.

Tem formação em Nova Medicina Germânica

Heinkunde, Barras de Access Consciousness, Reiki e diversas

técnicas de terapia manual. Em 2014, Flavia Barits e

Francisco Rabelo fundaram o Instituto Flavia Barits de

Homeopatia e Terapias Integrativas.

17
Farmacêutico Bioquímico desde

2006, Francisco Rabelo descobriu

sua paixão pela homeopatia em

2014 quando iniciou um

tratamento e, logo após a cura

dos seus sintomas, decidiu se

aprofundar nos conhecimentos

desta ciência. Fez Especialização

em Homeopatia pelo Instituto


Francisco Rabelo
Homeopático François Lamasson-
Diretor
IHFL (Ribeirão Preto-SP)

e o curso de Extensão em Homeopatia do Departamento de

Fitotecnia da Universidade Federal de Viçosa (UFV-MG).

Atualmente é membro da Associaçao Brasileira de

Farmacêuticos Homeopatas (ABFH) e mestre interdisciplinar

pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e

Mucuri -UFVJM (Diamantina -MG). Ministra Cursos de

Homeopatia em parceria com a Universidade Federal de

Viçosa (UFV)  e pelo Instituto Flávia Barits para

profissionais da área da saúde, humanas, biológicas e

agricultores familiares, priorizando a sustentabilidade,

agricultura orgânica no campo e reequilíbrio e cura dos seres

humanos.

18
CAPÍTULO I
NOSSA MISSÃO
Homeopatia e Terapias Integrativas

Proporcionar um atendimento humanizado

e direcionado para cada pessoa e divulgar os benefícios de se

ter uma vida mais simples e saudável.

Buscamos expandir os conhecimentos da

Homeopatia e das Terapias Naturais através dos nossos cursos

que visam o reequilíbrio do ser humano e do meio ambiente.

19
CAPÍTULO I

20
CAPÍTULO II

CONTEXTO HISTÓRICO

“A Organização Mundial de Saúde (OMS) define a

saúde como um "estado de completo bem-estar físico, mental

e social, e não meramente a ausência de doença ou

enfermidade, com a capacidade de levar a uma vida social e

economicamente produtiva".

Embora essa definição seja direta, sua interpretação

não é tão simples. Tendo em mente as complexidades da vida

atual, atingir e manter altos padrões de saúde exige uma

abordagem multidimensional e a participação da sociedade

como um todo.

É inegável, no entanto, que o papel da ciência médica

é muito importante na obtenção e manutenção de altos

padrões de saúde.

A missão da ciência médica é: curar, quando é possível,

e quando   não for possível, aliviar e ajudar o paciente a

manter uma melhor qualidade de vida, prevenir doenças para

uma boa saúde pública das massas.

21
Sistemas de medicina podem ser convencionais ou

não. Enquanto o sistema convencional de medicina se

relaciona com o sistema alopático, os sistemas não

convencionais são homeopatia, ayurveda, acupuntura,

tratamento com ervas e muitos mais.

O NASCIMENTO DA HOMEOPATIA
DR. SAMUEL CHRISTIAN FRIEDRICH HAHNEMANN

A história da humanidade, muitas vezes se

surpreende ao encontrar o surgimento de algumas

personalidades de destaque em diferentes intervalos de tempo

. Seus pensamentos e pontos de vista futuristas

(tidos como não convencionais) revolucionaram as

perspectivas existentes nos campos da ciência, filosofia e

ordem social. A personificação de tal personalidade no

campo da medicina foi Samuel Christian Friedrich

Hahnemann (1755-1843), o pai da homeopatia. Ele nasceu

no dia 10 de abrl de 1755 na pequena cidade de Meissen,

perto de Dresden, na Alemanha. Um médico formado em

medicina convencional, em 1790, ele foi reconhecido como

um dos mais ilustres médicos de sua geração, e foi

nomeado médico do rei da Alemanha. Logo, no

22
entanto, ele ficou insatisfeito com as ideias médicas

contemporâneas e as práticas cruéis que frequentemente se

seguiram, bem como as drogas prescritas.

  Ele percebeu que muitos desses medicamentos

possuíam lugar de honra na Matéria Médica devido à sua

natureza biologicamente ativa, que poderia facilmente

ocasionar a morte ou produzir novas doenças, em quem quer

que fossem aplicadas.

Desiludido, Hahnemann renunciou à sua prática

de medicina. Enquanto estava envolvido na tradução de um

tratado sobre fitoterapia, ele se sentiu insatisfeito com a

explicação dada para a cura da febre da malária dando casca

de cinchona. Ele mesmo tomou a droga para investigar as

mudanças induzidas por ela em seu sistema saudável.

Estranhamente, os sintomas da malária apareceram nele, um

após o outro, mas sem o rigor frio. Isso o lembrou do

aforismo de Hipócrates, "Similia similibus curentur", que

significa "Deixe que os semelhantes sejam curados pelos

semelhantes".

Hahnemann sentiu-se convencido de que a droga,

que era o melhor agente para curar a febre da malária,

produzia nele os sintomas iniciais daquela febre.

Ele então investigou a ação, em seres humanos

saudáveis, de mais de cinquenta drogas ao longo de

23
um período de seis anos. Registrou os sintomas produzidos

e os comparou com os sintomas das doenças contra as quais

foram usados com sucesso.

Em 1776, Hahnemann publicou os resultados de

suas descobertas em um artigo intitulado "Ensaio sobre o

novo princípio para determinar o poder curativo das drogas".

Nesse sentido, ele postulou o mais importante princípio da

homeopatia, afirmando:

  “ Toda substância medicinal produz no corpo humano uma

espécie de doença peculiar, quanto mais potente é o

medicamento, mais violenta é a doença produzida. Se em uma

determinada dose uma substancia é capaz de induzir

sintomas de uma pseudo doença, em doses

infinitamentemente menores a mesma substancia tem o poder

de curar uma doença semelhante a que foi induzida.”

Em 1810, ele publicou O Organon da Arte de

Curar, seu maior livro, no qual elucidou sistematicamente os

métodos e princípios de um sistema de tratamento médico ao

qual ele dera o nome de "Homeopatia".

24
 

O QUE É HOMEOPATIA?
A Homeopatia é uma terapêutica cujo pilar encontra-

se na lei dos semelhantes, anunciada por Hipócrates na antiga

Grécia, “Similia similibus curentur”. Um determinado

medicamento dado a indivíduos aparentemente sadios, mas

susceptíveis, produz um conjunto de sinais e sintomas. Este

mesmo medicamento em doses adequadas, produzirá a cura

em doentes que tenham os sinais e sintomas semelhantes

àqueles apresentados anteriormente.” Os medicamentos só

podem curar as doenças análogas àquelas que eles mesmos

têm a propriedade de produzir” (DEMARQUE 2002, p. 33).

“Como conseguirei saber, disse a mim mesmo, para quais

estados mórbidos os medicamentos foram criados?...Deves,

pensava eu, observar a maneira pela qual os medicamentos

agem no corpo humano quando o Homem se encontra na

tranquilidade da saúde”. (DEMARQUE 2002, p. 33).

Para Hahnemann a certeza de que as modificações

e sensações produzidas no organismo de um homem

sadio, onde os efeitos não tendem a ser mascarados pelos

sintomas mórbidos é a única maneira de um observador

revelar a virtude da qual os medicamentos agem sobre o

corpo, isto é, destroem

25
a harmonia que constitui a saúde e a restabelecem quando

ela foi perturbada pela doença. (DEMARQUE2002, p. 33).

Assim Hahnemann cria o segundo princípio da

terapia homeopática, a “Experientia in homine sano”, que

atualmente pode ser entendida como experimentação

medicamentosa. Isto corresponde ao conhecimento da

farmacodinâmica homeopática, ou seja a patogenesia criada

pelo medicamento.

Hahnemann não deduziu seu método de um

princípio revelado por súbita intuição, ele começou pela

experimentação e a ideia de experimentar os medicamentos

no homem sadio precedeu a comprovação empírica da lei

natural da analogia. O resultado desse trabalho resultou na

publicação da Matéria Médica Pura, um livro publicado por

Hahnemann em 1805 onde conta a experiência obtida com os

medicamentos estudados por ele na época. Atualmente

as matérias médicas disponíveis estão recheadas de

informações obtidas da matéria médica pura bem como dados

da toxicologia, acidentes ocorridos e da experiência clínica do

profissional. Duzentos anos de experimentação e práticas

medicas na maior parte dos países acumularam consideráveis

somas de fatos experimentais

26
e clínicos recolhidos em abundantes literaturas em vários

idiomas.

    Hahnemann não se restringiu a uma ação

medicamentosa de similitude sintomática. Sua descoberta de

ação de doses cada vez mais fracas e a seguir de diluições

infinitesimais, permitiu ampliar o campo de analogia

terapêutica, fazendo a homeopatia uma terapêutica do homem

total. A escolha do medicamento capaz de desencadear a

reação curativa se baseia não mais em alguns sintomas

funcionais, mas no grupo de sintomas mais individuais

relacionados com o modo reacional pessoal do doente.

“As pequenas excitações provocam a atividade

vital; as excitações médias a aumentam; as excitações fortes

a destroem; as excitações exageradas a eliminam. Toda

excitação provoca numa célula um aumento ou diminuição de

sua função fisiológica em relação a intensidade fraca ou forte

da excitação” (DEMARQUE 2002, p. 38).

    As “Doses mínima” ou doses mínimas, que

sustenta o terceiro princípio homeopático foi carregada de

desprezo, pilherias levianas à Hahnemann e seus discípulos.

“Não foi em virtude de uma opinião preconcebida

nem por amor a singularidade que me decidi em favor de

doses tão fracas, tanto em relação à quinquina como a

qualquer outra substancia. Cheguei até lá depois de

experiências e observações frequentemente renovadas,

27
e elas me demonstraram que maiores quantidade de

medicamentos, mesmo em casos com efeitos positivos, agem

com intensidade maior do que a necessária para obter a

cura. Por isso, eu as diminui e, como continuei a observar os

mesmos efeitos, embora em grau menor, desci até ás mais

ínfimas doses, que me parecem suficientes para exercer uma

ação salutar, sem agir com violência capaz de retardar a

cura.” (DEMARQUE 2002,p. 49).

  Quarto Principio remete ao “Unitas remedi” ou

medicamento único. Para que realmente fosse registrado os

efeitos de uma determinada substancia, a experimentação

teria que ser com um medicamento de cada vez. Este

princípio é passível de diversas concepções por distintas

escolas homeopáticas.

A ABORDAGEM HOMEOPÁTICA
A abordagem homeopática é holística, isto é, ao

tratar um paciente, um homeopata considerará não apenas a

doença, mas toda a constituição do paciente. Baseia-se no

tratamento do paciente como um todo e não na

compartimentalização da anatomia humana. Para saber sobre

a homeopatia, devemos saber o que siguinifica

"individualização" e "similimum”, porque esses dois são os

princípios básicos dos quais depende a,

28
escolha dos medicamentos homeopáticos, conforme praticado

e ensinado desde a época de Hahnemann. O que é

"individualização"? Cada indivíduo é diferente um do outro -

fisicamente, mentalmente, constitucionalmente e em seus

gostos e desgostos. Em geral, podemos encontrar algumas

características em comum entre algumas pessoas, mas 

especificamente todos os indivíduos têm suas próprias

características específicas.

"Similimum" significa o medicamento mais

similar, ou seja, aquele que possui a capacidade de apresentar

a maior parte das características de um individuo conforme os

sintomas narrados por ele. Depois de anotar os sintomas de

um paciente, o homeopata pensa em alguns medicamentos,

dos quais ele encontra um remédio que parece ser o mais

semelhante aos sintomas narrados, considerando o status

mental e constitucional daquele indivíduo em particular. Na

homeopatia clássica, apenas um único medicamento é

administrado em dose única e, em seguida, o paciente é

observado por sua resposta.

A homeopatia clássica não tem, portanto,

nenhum remédio específico para qualquer doença pelo nome,

mas tem especificidade para cada caso individual. Um

medicamento específico não pode ser usado para uma doença

específica.

29
Em geral, quando um homeopata examina um

paciente, apenas alguns remédios lhe vêm à mente. Este

pequeno grupo de medicamentos exibe sintomas semelhantes

quando administrados a indivíduos saudáveis, finalmente,

apenas um medicamento é escolhido como resultado da

experiência prática, e esse procedimento requer uma longa e

intensa interrogação do paciente.

O PROBLEMA GERAL DA HOMEOPATIA


CLÁSSICA
O problema central da homeopatia é se um

similimum correto pode ser selecionado por qualquer método

de individualização. Existem múltiplos problemas nesta

abordagem.

  A homeopatia não possui remédio específico

para qualquer doença pelo nome, mas tem

especificidade para cada caso individual de doença. Os

sintomas subjetivos elucidados na típica consulta

inicial são frequentemente interpretados diferentemente

por cada homeopata, portanto, se um paciente for

examinado separadamente por diferentes homeopatas,

ele ficará perplexo ao descobrir que nenhum deles

parece concordar quanto ao chamado "similimum".

Então, como a

30
individualização pode ser explicada logicamente? Todos os

medicamentos sugeridos por vários homeopatas para um

paciente se comportam como um similimum para esse caso

particular? Obviamente não! Então, qual é a solução para essa

questão central de como o medicamento correto deve ser

determinado?

A falta de protocolos de tratamento padronizados

impediu a validação científica da eficácia dos medicamentos

homeopáticos. Isso também produziu uma incapacidade de

realizar ensaios clínicos devido à mística criada na escolha de

medicamentos para administração aos pacientes.

Por essa razão, o verdadeiro potencial de cura da

homeopatia tem sido repetidamente desafiado e negado pela

medicina convencional e pela comunidade científica.

OS PROTOCOLOS BANERJI

Os Protocolos de Banerji são um novo sistema de

Medicina, no qual medicamentos homeopáticos específicos

são prescritos para o diagnóstico específico da doença, sem

considerar a similitude individual. Pode-se dizer que são os

frutos de uma experiência acumulativa e uma análise

cuidadosa

31
das tendências observadas na interação medicina-paciente e

a resposta da doença por meio de um sistema de prescrição,

com o objetivo de padronizar e facilitar a prática de um

sistema extremamente complexo de tratamento com

medicamentos homeopáticos.

Desenvolveu-se um método de tratamento no qual

medicamentos específicos são prescritos para doenças

específicas. As doenças são diagnosticadas usando os

métodos científicos modernos e ferramentas de diagnóstico,

como ultrassonografia, ressonância magnética, biomarcadores

de câncer e outros testes avançados, contribuem para agilizar

ainda mais a criação dos protocolos e na seleção de

medicamentos. A eficácia desta abordagem é refletida nos

resultados encorajadores desse método de tratamento, que se

denominou-se de Protocolos Banerji.

Nesses protocolos encontramos a utilização de

complexos homeopáticos. Os medicamentos são combinados

para conseguir extrarir vantagens especiais no tratamento, tais

como: o sinergismo energético seja alcançado, diminuição

dos efeitos colaterais dos medicamentos (exoneração) e para

que haja uma recuperação rápida e sem intercorrências,

assegurada em um curto período de tempo

32
O uso de medicamentos específicos em potências específicas

e em dosagens específicas, elimina a necessidade de qualquer

adivinhação por parte dos praticantes novatos, e é sempre

uma ajuda a mais para homeopatas experientes.

Essa abordagem é mais diagnóstica do que

individualista, ou seja, mais objetiva do que subjetiva. Esses

protocolos são fáceis de ser utilizados e, como o foco está na

abordagem de diagnóstico, o tempo de avaliação o casos é

encurtado. Consequentemente, também torna o tratamento

acessível aos setores mais fracos da sociedade.

33
DIFERENÇAS ENTRE A HOMEOPATIA E
OS PROTOCOLOS BANERJI

Os Protocolos de Banerji não seguem os Princípios Cardinais

da Homeopatia como abaixo:

34
CAPÍTULO III

PROTOCOLOS

PARA TRATAMENTO DE

DOENÇAS AGUDAS

OUTRAS MOLESTIAS

35
CAPÍTULO III

36
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

FEBRES DE ORIGEM DESCONHECIDA (FUO)

Existem vários tipos de febres de origem desconhecida


(FUO) causadas por várias infecções, algumas das quais são
conhecidas, algumas desconhecidas. Com os medicamentos
prescritos abaixo, nós tratamos as infecções sintomaticamente,
e objetivamos estabilizar a condição do paciente.

Quando a temperatura é de 38,8 C ou mais, dê


Belladonna 6CH líquido a cada 30 minutos (duas ou três doses);
isso ocasionará o alívio.

Para temperaturas muito altas (38C e acima),


administre Arnica Montana 3CH + Cuprum Metallicum 6 CH,
uma dose a cada 15 minutos (três doses), e aguarde uma hora.
Se a temperatura ainda estiver acima dos 38C, repita este
tratamento exatamente da mesma maneira. Ele definitivamente
irá parar o aumento da temperatura e também evitar ataques de
convulssões. A temperatura descerá devagar. Os medicamentos
normais para a febre devem ser continuados.

37
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Eupatorium Perfoliatum • Rhus Toxicodendron


30CH e Bryonia Alba 30CH e Bryonia Alba
30CH 30CH
uma dose a cada 3 horas uma dose a cada 3 horas
alternadamente. alternadamente.
• Baptisia Tinctoria • Pyrogenium 200CH,
200CH uma dose por dia.
uma dose diária

GRAFICO TEMPERATURA TÉRMICA

38
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

Verifica a febre de hora em hora, e faz o gráfico da


temperatura térmica. Com o gráfico aparecerá dois picos
Verofica o intervalo de estabilização entre os picos (7 horas).

O anti-térmico entrará na diferença entre os intervalos


(38,3 a 39,3), nos outros intervalos não necessita entrar com
medicamento pois é a temperatura que o hipotálamo encontrou
para superar a enfermidade.

Intercala pyrogenium com outro anti-termico se


necessário.

A convulsão não está ligada a febre, esta ligada a


tendência da criança a ter convulsões.

MEDICAMENTOS PARA TRATAR FEBRES

• FEBRE AGUDA: BELLADONA 6CH (Dor que irradia)


• ACONITUM 30CH OU 200 CH: Febre inflamatoria, após
choque termico.
• FEBRE DE PLATÔ MODERADO: FERRUM
PHOSPORICUM 6CH
• FEBRE INFECCIOSA: PYROGENIUM 200CH

39
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

CÓLICAS DE BEBE

PRIMEIRIA LINHA

COLOCYNTHUS 6CH + MAGNESIA


PHOSPHORICA 6CH + DIOSCOREA 6CH
ou CHAMOMILLA 6CH

5 gotas antes de cada mamada

40
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

CRIANÇAS COM DIFICULDADES DE


DESENVOLVIMENTO

PRIMEIRIA LINHA

• SILICEA 30CH +
CALCAREA PHOSPHORICA 6CH

1 dose diária

41
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

AUMENTAR O APETITE

PRIMEIRA LINHA

LYCOPODIUM 6CH (se alimenta em poucas quantidades)


MEDICAGO SATIVA 6DH
AVENA SATIVA 6DH

5 gotas 1 hora antes do almoço e jantar.

42
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

PERDA DE PESO E DESNUTRIÇÃO

Existem muitas condições médicas, como diabetes,


doença celíaca e várias doenças gastrointestinais que podem
resultar em má absorção e, posteriormente, perda de peso.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Abrotanum 6CH • Iodium 200CH • China Officinalis


duas doses diárias. Duas doses diárias. 200CH
uma dose a cada dia
• Calcarea alternado.
Phosphorica 12DH
Duas doses diárias. • Chelidonium Majus
1DH
Duas doses diárias.

43
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E


HIPERATIVIDADE (TDAH)

O transtorno do déficit de atenção e hiperatividade


(TDAH) é um transtorno do desenvolvimento neuro-
comportamental. Esta é uma condição na qual há falta de
atenção combinada com o comportamento hiperativo. Os
sintomas geralmente começam a aparecer antes dos 7 anos de
idade e podem continuar até a idade adulta.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA


• Aethusa Cynapium • Hyoscyamus • Lachesis Mutus
200CH Niger 6CH 200CH
Uma dose a cada três dias. Duas doses diárias. Uma dose a cada três dias.

• Stramonium 6CH • Calcarea • Hyoscyamus Niger


Duas doses diárias Phosphorica 12DH, 6CH
Duas doses diárias Duas doses diárias.

44
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

AUTISMO

O autismo é um distúrbio do desenvolvimento neural,


resultando em interações sociais prejudicadas devido à falta de
habilidades de comunicação adequadas e, em muitos casos,
dependendo da gravidade, há um padrão comportamental
repetitivo resultante.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Aethusa Cynapium 200CH • Carcinosinum 30CH • Stramonium 200CH


Uma dose cada três dias. Uma dose a cada dia A cada três dias.
alternado.
• Calcarea Phosphorica 12DH, • Chamomilla 30CH
Duas doses diárias. • Calcarea Duas doses diárias.
Phosphorica 12DH
• Hyoscyamus Niger 12CH , • Calcarea Phosphorica
Duas doses diárias.
Duas doses diárias. 12DH
• Brahmi TM Duas doses diárias.
Duas doses diárias.

45
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

DIARREIA

O tratamento prescrito abaixo é muito eficaz para a


diarréia. Se ocorrer após uma ingestão de alimentos muito ricos,
a Pulsatilla 30CH, duas doses, uma dose a cada duas horas após
a evacuação. No entanto, se ainda persistir, os protocolos
referidos abaixo devem ser seguidos.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA


• Arsenicum Album • Podophyllum 6CH • Camphora TM
6CH quando as fezes uma dose irá parar o
Uma dose no início.
saem com força, vômito e a passagem de
• Veratrum Album uma dose após cada fezes aquosas rapidamente
(uma dose é um grama
6CH + Cuprum evacuação. com açúcar).
Metallicum 6CH,
uma dose a cada 2 horas;
Entre estas doses,
Repetir após cada Arsenicum Album
evacuação. 6CH
• Natrum
Muriaticum 12DH e
Kali Phosphoricum
12DH
Deve ser administrados
uma dose a cada 3 horas
para combater a
desidratação.

46
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

OUTROS MEDICAMENTOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DE


DIARREIA

• PODOPHYLLUM 6CH: diarreia colérica e infecciosa, grande


quantidade de material e eliminações de muco e sangramentos.
Medicamento preparado a partir da podofilina (caustico)

• PYROGENIUM 200CH: Febres Infecciosas.

• ARSENICUM ALBUM 6CH: Diarreia de intoxicação alimentar, com


pequenas quantidades e prostração intensa.

• CHINA 6CH: Diarreia com vômitos, perdas de líquidos orgânicos e


risco de desidratação (praia)

TOMAR 5 GOTAS DE ACORDO COM A INTENSIDADADE E FREQUENCIA


DOS SINTOMAS

47
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

PRISÃO DE VENTRE

Há constipação quando as fezes, devido à dureza, se


tornam difíceis de defecar. O outro tipo de constipação ocorre
quando as fezes são moles e não podem ser defecadas para
satisfação plena; isto é, quando os remédios de segunda linha
serão relevantes.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA


• Lycopodium Mercurius Vivus • Nux Vomica
clavatum 30CH + 30CH + 30CH
Plumbum Chelidonium 30CH,
duas doses diárias.
Metallicum 30CH, duas doses diárias.
duas doses diárias; Isso
ajuda particularmente
aqueles que ficam com
fezes muito duras.

48
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO (GERD)

A doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) é


definida como sintomas crônicos produzido pelo refluxo
anormal do ácido do estômago para o esôfago. Um sintoma
típico é azia. Isto é comumente devido a mudanças transitórias
ou permanentes na barreira entre o esôfago e estômago. Isso
pode ser devido à incompetência do esfíncter esofágico inferior,
relaxamento transitório do esfíncter inferior do esôfago,
comprometimento da expulsão do refluxo gástrico do esôfago
ou hérnia de hiato. Um tipo diferente de refluxo ácido que
produz manifestações respiratórias e laríngeas é o refluxo
laringofaríngeo (LPR), também chamado de doença do refluxo
extraesofágico (EERD).

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• lris Versicolor • Condurango 30CH • Natrum


200CH duas doses diárias. Phosphoricum 30CH
duas doses diárias, a ser duas doses diárias
repetido a cada 15/20
• Arsenicum Album
minutos antes de cada 6CH
ingestão de alimentos até! duas doses diariamente (15
há alívio. minutos antes do almoço e
jantar).
Lycopodium
Clavatum 30CH
duas doses diárias

49
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

DOENÇAS GASTROINTESTINAIS: DISPEPSIA, NÁUSEA


E VÔMITO

Para a úlcera duodenal ou gástrica crônica, e mesmo nos


casos em que o H. pylori é positivo, o tratamento prescrito
abaixo é muito eficaz.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Arsenicum Album • Bismuto 6CH • Condurango 30CH


6CH três doses a serem duas doses diárias. duas doses
administradas a pacientes diárias, é bom e específico em
15 a 20 minutos antes da
que vomitam imediatamente Obstruções Esofágicas.
ingestão de alimentos, três doses
após a ingestão.
diárias, até a cura completa. • Nux Vomica 30CH
• Lycopodium Clavatum •Natrum duas doses diárias.
200CH Phosphoricum 30CH
duas doses diárias
uma dose a cada noite alternada.

50
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

AZIA E QUEIMAÇÃO

PRIMEIRA LINHA

• NUX VOMICA6CH: Azia E queimação causada por mal alimentação ou


plenitude.
• RUBINEA 6CH: Azia queimação e flatulência pela alimentação.
• NATRUM PHOSPHORICUM 6CH: Omeprazol dos medicamentos
homeopáticos.
• ANTIMONIUM CRUDON 200CH 4 doses, eliminador das toxinas
alimentares.

51
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

PÓLIPOS DOS COLONS E DO INTESTINO DELGADO

Os pólipos do cólon e do intestino delgado são muito


persistentes, e seu crescimento após a cirurgia é muito comum.
Esse protocolo é muito eficaz e, lentamente, os pólipos
regridem completamente.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Thuya Occidentalis 30CH • Nitricum Acidum • Mercurius Solubilis


duas doses diárias 200CH 200CH
Em caso de problemas agudos, como duas doses diariamente duas doses diárias.
qualquer dor, ardor ou sangramento e também
excessivo, Thuya 30CH deve ser repetido •Ferrum Phosphoricum • Hamamelis
- uma dose a cada 3 horas, cinco a seis
12DH Virginiana 200CH +
doses por dia. Quando a condição melhora, Arnica Montana 6CH
sempre que necessário.
as doses deverão ser reduzido lentamente duas doses diárias.
a duas doses diárias.
Se houver sangramento, dar
• Ferrum Phosphoricum 12DH
três doses diárias.

52
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

GIARDÍASE

A giardíase é uma infecção diarréica causada pelo


organismo Giardia lamblia. É muito comum em países
tropicais; no entanto, tem uma prevalência mundial.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Teucrium Marum • Cina 200CH


Verum 200CH uma dose por dia.

uma dose em dias alternados.

53
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

PARASITOSES

PRIMEIRA LINHA

• CINA 12CH
• DRIOPTERES FILIX MAS (FILIS MAS) 6CH (dores no
abdomem e cólica)
• Teucrium marum verum 6CH (oxiurus)
Atua sobre taenea enterobius e áscaris

• Giardinum 30CH

54
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

GRIPE

A gripe é a infecção viral mais comum em todo o


mundo e é acompanhada por aumento de temperatura e dores
corporais e articulares. Nosso protocolo visa alívio sintomático
e cura completa.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Rhus Toxicodendron • Eupatorium Se a temperatura é contínua elevada


30CH e Bryonia Alba Perfoliatum 1DH e • Baptisia Tinctoria
30CH , Bryonia Alba 30CH, 200CH
uma dose a cada 2 horas uma dose a cada 3 horas uma dose por dia, e
alternadamente. Alternadamente.
Lycopodium Clavatum
Para alta temperatura Em caso de resfriado agudo 30CH
e espirros uma dose diária, a ser continuado
• Belladonna 6CH uma até que a temperatura diminue
dose a cada uma hora (SOS). • Arsenicum Album
6CH • Rhus Toxicodendron
• Arsenicum Album uma dose a cada 30 30CH e Bryonia Alba
6CH minutos (SOS) a ser
uma dose a cada 30 minutos administrada. 30CH
(SOS) para náuseas e devem ser administrados, duas
vômitos. doses de cada medicamento por dia.

55
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

PRIMEIRA LINHA

• OSCILOCOCCINUM 200CH

• OSCILOCOCCINUM 200 CH
• INFLUENZINUM 200 CH

• STAPHILOCOCCINUM 200CH
• STREPTOCOCCINUM 200 CH GARGANTA INFLAMADA

Tto: 5 gotas, 3 vezes ao dia, ate desaparecer os sintomas.

• DULCAMARA 6CH : RSFRIADO PROVOCADO APÓS A CHUVA.

PRIMEIRA LINHA

Sem acúmulo de secreção e sem febre importante


• INFLUENZINUM 200 CH
Gripe, acumulo de secreção com febre
• OCILOCCOCINUM 200 CH
Alergia: climática, (atinge a árvore brônquica)
• PULMO HISTAMINICUM 200CH

56
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

DRENADORES DE MUCO DAS MUCOSAS SUPERIORES

• ALLIUM CEPA 6CH : Muco com aspecto aquoso


• KALI MURIATICUM 6CH: Muco com aspecto clara de ovo
• HYDRASTIS 6CH: Transição do muco de branco para o amarelo
• KALI BICH 6CH: Muco mais amarelado
• HEPAR SULPHUR 6CH : Muco denso

57
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

BRONQUITE / CRISE ASMÁTICA

PRIMEIRA LINHA

• BLATA ORIENTALIS 6CH + LOBELIA 6CH


+ ARSENICUM ÁLBUM 6CH
Tomar 04 doses diarias

VIA AÉRA SUPERIOR SECA

CHIANDO COM PEITO SECO

BRYONIA 6CH
FERRUM PHOSPHORICUM 6CH
ARSENICUM ALBUM 6CH

Tom 4 doses diarias

58
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

VIA AÉRA SUPERIOR HÚMIDA

CHIANDO COM PEITO CARREGADO

• BRYONIA 6 CH ( principal medicamento das arvore


brônquica possui fase seca e húmida)

• ANTIMONIO TARTARICO 6CH principal expectorante

• ANTIMONIO ARSENICOSO 6CH peito chiando com catarro


e dificuldade de respirar
Tomar 4 doses diárias

59
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

PNEUMONIA ATIPICA / SINDROME RESPIRATORIA


AGUDA SEVERA (SARS)

É uma infecção aguda do trato respiratório conhecida


como resfriado comum, com o início repentino de sintomas
como: rinite aguda, resfriados, espirros, coriza, nariz entupido,
dispneia, mal-estar, febre, tosse e dor de garganta causada por
infecção bacteriana ou viral.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Lachesis Mutus 200CH • Kali Iodatum 6CH e


uma dose em dias alternados. Bryonia Alba 30CH uma
dose a cada 2 horas
• Chelidonium Majus 12DH
Alternadamente.
e Hepar Sulphuris 6CH
uma dose a cada 2 horas No caso de o paciente ter um
alternadamente. desconforto mental agudo,

• Kali Muriaticum 12DH e • lgnatia Amara 200CH


Ferrum Phosphoricum duas doses diárias, pode ser
adicionada.
12DH
duas doses diárias.

60
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

SOLUÇOS

Soluços são o sintoma de muitas doenças. Pode haver


inúmeras causas de soluços; no entanto, a causa permanece
desconhecida em muitos casos.

O protocolo dado abaixo foi testado com sucesso e será


eficaz.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Lycopodium 30CH •Nux Vomica 30CH • Cuprum


uma dose a cada 3 horas ou com uma dose a cada 15 - 20 Metallicum 6CH uma
maior frequência, dependendo da minutos. dose a cada 3 horas.
freqüência dos soluços.
• Cicuta Virosa
• Magnesia Phosphorica
12DH 30CH
duas doses diárias, ou de 3
aconselhado para ser administrado em 3 horas na agudização.
apenas se o Lycopodium
Clavatum 30CH falhar.

61
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

RINITE ALÉRGICA

Rinite alérgica, conhecida popularmente por febre dos


fenos, é um tipo de inflamação do nariz que ocorre quando
o sistema imunológico o tem uma reação
excessiva aos alergénos no ar

Um medicamento específico para a construção de


imunidade contra alergia ao frio e um medicamento
subseqüente para alívio imediato devem ser considerados.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Calcarea Carbonica 30CH • Allium Cepa 30CH


uma dose uma vez por semana, uma dose a cada dia alternado;
durante 4 a 6 semanas. pode ser repetido a cada uma hora
(SOS) durante os ataques de
• O Arsenicum Album 6CH, espirros.
uma dose a cada uma hora (SOS),
para espirrar, pode ser repetido com • Psorinum 30CH
frequência.
uma dose a cada 14 dias, para
aumentar a imunidade contra
resfriados.

Para rinite primaveril utilizar sabadilla 6 CH, uma dose


3 vezes ao dia.

62
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

DERMATITE ATÓPICA (ECZEMA)

A maioria dos pacientes vem para tratamento com


eczemas de forma crônica, tendo sido suprimidos ou
temporariamente amenizados pela aplicação externa de cremes
ou pomadas para a pele. Naturalmente, o eczema leva tempo
para desaparecer completamente do sistema. Além de
medicamentos orais, apenas óleo de coco ou azeite de oliva
podem ser aplicados externamente para efeito calmante.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Hepar Sulphur 30CH, • Grafite 30CH • Psorinum 60CH


Uma dose em dias alternados, Uma dose a cada três dias. Uma dose a cada 15 dias.

• Arsenicum Album 30CH • Arsenicum Album • Natrum


Duas doses diárias; isto pode ser 30CH Sulphuricum 12DH,
repetido com duas ou três doses Duas doses diarias. Duas doses diariamente
todos os dias em caso de prurido
agudo.

• Coffea Cruda 30CH,


Para ser dado para alívio no
momento de muita coceira e
particularmente para dormir à noite,

• Psorinum 60CH
Em caso de infecção aguda com
ulceração, uma dose deve ser
repetida a cada 15 dias; isso muitas
vezes dá alívio seguido de cura
completa. Ao longo

63
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

URTICÀRIA: ALÉRGICA OU DE OUTRA FORMA

A urticária é uma condição alérgica que requer


tratamento como uma doença aguda, bem como crônica. Os
medicamentos prescritos abaixo levam em conta a necessidade
de alívio imediato de um estado agudo, bem como a
importância de prevenir a recorrência.

Devemos selecionar um medicamento para alívio


permanente que também seja curativo, para que a condição
alérgica não se repita.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Bovista 200CH •Natrum Muriaticum 12DH


uma dose a cada três dias por dois uma dose a cada 3 horas durante os
meses. ataques, seguir com uma dose diária
durante um mês.
• Antimonium Crudum 6CH
uma dose para cada ataque e uma dose a Em ataques muito agudos
cada uma hora (SOS) até o alívio •Natrum Muriaticum 12DH
e Apis Mellifica 6CH uma
• Apis Mellifica 6CH e Urtica dose pode ser alternada a cada 2
Urens 6CH horas.
uma dose a cada 3 horas
alternadamente, em caso de angioedema
devido a alergia

64
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

HEMANGIOMA

O hemangioma é um acúmulo anormal de vasos


sanguíneos na pele ou nos órgãos internos que pode ocorrer em
qualquer parte do corpo. Forma-se no parto e cresce com a
idade. Sob esse protocolo, o crescimento em tamanho pára
imediatamente e, com o tempo, lentamente desaparece.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Hamamelis • Se Hamamelis
Virginiana 200CH + Virginiana 200CH +
Arnica Montana 6CH, Arnica Montana 6CH,
duas doses diárias por 3 não der resultados
meses; o caso deve então ser
revisado, e o tratamento deve • Crotalus Horridus 6CH,
continuar por pelo menos um duas doses diárias durante 3
ano. meses, depois disso, o caso deve
ser revisado.

65
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

TRANSTORNOS DE PIGMENTAÇÃO - VITILIGO,


MELANODERMA

Esse tratamento é muito eficaz, sem efeitos colaterais,


embora exija um tempo prolongado de tratamento. Nenhuma
medicação extra é necessária.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

Vitiligo Vitiligo
• Arsenicum Album 200CH • Arsenicum Sulphuratum
duas doses diárias, durante 3 meses. Flavum 12DH
Se os resultados não forem duas doses diárias, durante 3 meses.
encorajadores, pare o Arsenicum
Album 200C e dê Melanoderma
• Mezereum 6CH
duas doses diárias,
• Chelidonium Majus 30CH,
duas doses diárias.
• Sulphur 200CH
uma dose a cada 1O dia, e • Antimonium Crudum
Arsenicum Album 1OOOCH 200CH
uma dose a cada 7 dias. uma dose a cada dia
Melanoderma alternado.
Se esse tratamento não for
• Mercurius Solubilis 200CH muito eficaz em 3 meses,
duas doses diárias, durante 3 meses. Se
pare e dê
os resultados forem não encorajador,
continue Mercurius Solubilis 200CH, e • Sepia 200CH
adicione uma dose a cada três dias, durante 3
meses.
•Sulfuricum Acidum 6CH
duas doses diárias

66
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

ACNE VULGARIS / ROSACEA

Embora a acne possa ocorrer em qualquer idade, é


geralmente considerado um dos problemas mais comuns na
adolescência. Provocada por alterações hormonais ou
desequilíbrios, resultando em secreção excessiva de sebo, e na
formação de cistos sebáceos.Às vezes, pode ser muito grave e
causar cicatrizes profundas na pele,
PRIMERIA LINHA SEGUNDA LINHA

Acne vulgar Acne vulgar

• Hepar Sulphur 30CH • Phosphoricum Acidum 30CH


uma dose em dias alternados. uma dose a cada dia alternado.

• Arsenicum Album 30CH ....................................................................


uma dose diária. ..

Acne rosácea Acne rosácea


• Bovista 30CH • Arsenicum Bromatum 30CH
uma dose a cada três dias. duas doses diárias.
• Antimonium Crudum 6CH
duas doses por dia

No caso de cicatrizes profundas e formação de cistos


sebáceos, a inclusão de Fluoricum Acidicum 30CH, uma dose
diária, juntamente com qualquer um dos protocolos acima, é
muito eficaz.

67
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

SARAMPO OU RUBEOLA

Esta é uma infecção virai e tem seu próprio curso. Os


medicamentos abaixo devem ser administrados, para alivio e
evitar complicações. Os protocolos abaixo são completamente
seguros e confiáveis.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Bryonia Alba 30CH • Bryonia Alba 30CH Quando as erupções cutâneas


duas doses diárias. e Antimon Crudum do sarampo desaparecem.

• Belladonna 6CH 6CH •Thuja Occidentalis


para alta temperatura, uma dose uma dose a cada 3 horas 30CH
a cada 30 minutos até que a alternadamente. uma dose diária, deve ser
temperatura esteja estável; Em caso de congestão administrado por 1O dia; isso
pulmonar, evita os efeitos colaterais da
Para Acompanhar doença.
resfriados e tosses, • Chelidonium Majus
• Ipecacuanha 30CH 6DH
uma dose a cada uma hora uma dose a cada 2 horas.
(SOS) pode ser dada se
necessário.

68
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

HERPES SIMPLES / ZOSTER

Esta é uma doença viral que afeta os nervos. Às vezes,


a dor é muito aguda. Neuralgia pós-herpes é muito persistente.
Observa-se que, se medicamentos ou pomadas forem aplicados
nas vesículas, a nevralgia pós-herpes torna-se muito aguda. O
melhor curso de ação não é aplicar qualquer medicamento ou
pomada. Se houver irritação da pele após o processo de
secagem, apenas óleo de oliva ou de coco deve ser aplicado.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Antimonium • Thuya Occidentalis Para aliviar a nevralgia pós-


Crudum 6CH 30CH e Arsenicum herpes, se o Hypericum
uma dose a cada 3 horas. Album 200CH Perforatum 200CH
uma dose a cada 3 horas falhar na dor aguda, então o
• Para temperatura, • Rhus
alternadamente.
Belladonna 6CH Toxicodendron
a cada uma hora. Em caso de dor aguda com
queimadura 30CH e o
• Para dor aguda, Hypericum
• Hypericum Perforatum 200CH,
Hypericum
Perforatum 200CH uma dose a cada 3 horas
Perforatum 200CH, uma dose a cada 2 horas até alternadamente, são
uma dose a cada uma hora. o alívio. frequentemente úteis.

69
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

OUTRAS INDICAÇOES

• RHUS TOX 6CH (Diminui as erupçoes)


• NATRUM MURIATICUM 30CH

70
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

VERRUGAS

Estes medicamentos orais ajudam a atingir quase 100%


de regressão.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Antimonium Crudum • Thuya Occidentalis • Cistus Canadensis


200CH 30CH 200CH
uma dose a cada dia alternado. duas doses diárias. uma dose a cada dia
alternado.
• Hypericum
Perforatum 200CH duas • Calcarea Fluorica
doses diárias, se associado à 12DH
dor. duas doses diárias.
Em caso de verrugas elevada • Thuya Occidentalis
ou planas
TM,
• Mezereum 200CH Uso Topico.
uma dose a cada dia alternado,
é muito eficaz.

71
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

OUTRAS INDICAÇOES

• Antimonium crudum 30CH


(verrugas nas palmas das
maos.)
• Thuya 30CH

72
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

ALOPÉCIA

Alopécia é calvície parcial, ou a perda de cabelo do


couro cabeludo ou do corpo, e pode até mesmo estender para a
perda de cabelo total, ou calvície.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Hepar Sulphur 30CH • Phosphorus 30CH • Fluoricum Acidum 30CH


Uma dose uma vez por semana. Uma dose a cada 10 dias Uma dose a cada três dias, se for a
segunda a radioterapia ou
por três meses. quimioterapia.

• Ustilago Maydis 30CH


Duas doses diárias durante três
meses.

73
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

FERIDAS DO LEITO (DECUBITUS ULCERS)

As úlceras de decubito são geralmente causadas em


pacientes que já estão acamados e precisam ser movidos sempre
que possível. Estas úlceras representam uma grande ameaça
para pacientes já em estado crítico devido à sua doença
primária. As feridas do leito tornam-se quase impossíveis de
curar depois de se enraizarem. Os medicamentos mencionados
abaixo provaram a sua eficácia ao longo do tempo e funcionam
notavelmente bem.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA


• HeparSulphur 30CH + • Lachesis Mutus 30CH
Arsenicum Álbum 30CH uma dose em dias alternados.
duas doses diárias; estes podem
• HeparSulphur 30CH +
ser aumentados para quatro doses
diárias em casos graves Arsenicum Álbum 30CH,
duas doses diárias.

74
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

OTITE EXTERNA, OTITE MÉDIA

Otite externa é uma infecção no canal auditivo externo,


que pode acometer desde a porção mais externa da membrana
do tímpano até o pavilhão auricular comumente chamado de
orelha. A infecção acontece devido a uma invasão de bactérias
da superfície para a profundidade da pele.

Otite média é uma infeção do ouvido médio. O ouvido


médio é um pequeno espaço cheio de ar atrás do tímpano. As
infecções de ouvido costumam ser dolorosas devido à
inflamação e acúmulo de secreção no ouvido médio.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Psorinum 60CH uma • Hepar Sulphur • Graphites 200CH


dose a cada 15 dias. 200CH e Symphytum uma dose a cada três dias.
• Pulsatilla 30CH duas Officinale 200CH, • Hepar Sulphuris
doses diárias. uma dose a cada 3 horas
alternadamente, até que todos 6CH
• Chamomilla 30CH os sintomas desapareçam; a duas doses diárias.
uma dose a cada 30 minutos partir de então, duas doses
(SOS) se houver dor aguda. diárias de cada medicamento
Se não der alívio, dê devem ser continuados por 3
meses.
• Carbolic Acidum
6DH, uma dose a cada 15
minutos (SOS) em caso de
dor muito forte; Pare com
isso quando a dor diminuir.

75
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

OTITES SEM INFECÇÃO (PISCINA)

PRIMERIA LINHA

• FERRUM PHOSPHORICUM 12DH


• CAPSICUM 6CH
• ACONITUM NAPELUS 6CH ( derivado do frio)

76
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

CONJUNTIVITE

A conjuntivite é geralmente infecciosa, e os afligidos


devem usar óculos escuros para conforto dos olhos e evitar
contaminação. O seguinte protocolo será benéfico:

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Argentum Nitricum • Luesinum 30CH


30CH + Mercúrio duas doses diárias, se os
medicamentos de primeira
Solubilis 6CH linha não derem alívio
duas doses diárias. Em casos adequado, e houver
agudos, estes devem ser vermelhidão e congestão
aumentados para uma dose a
cada 3 horas.

• Belladonna 6CH
duas doses diárias.

OUTRA OPÇÃO 1 OUTRA OPÇÃO 2

• Eufrasia 6CH + • Apis 6CH +Eufrasia


Cineraria Maritima 6CH + Histaminun 6 CH
6CH compressas por agua fria
Tres doses diárias. conjutivites alergicas

77
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

DACRIOCISTITES

No caso do seio lacrimal, o ducto lacrimal fica


bloqueado, seguido de infecção e formação de pus. Embora a
cirurgia seja aconselhada sob o sistema convencional de
medicina, a dacriocistite pode ser facilmente curada pelos
nossos medicamentos.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA


• Silicea 30CH • Argentum Nitricum . • Mercurius
uma dose a cada dia
alternado.
30CH Solubilis 30CH
duas doses diárias. duas doses diárias.
• Hepar Sulphur 6CH
duas doses diárias.
• Silicea 30CH • Argentum Nitricum
uma dose por dia. 30CH
duas doses diárias.

78
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

TONSILITE, ABSCESSO PERITONSILAR, TONSILITE


SEPTICA

Este é um tipo recorrente de infecção na garganta com


dor de garganta acompanhada de alta temperatura. Esse
protocolo visa reduzir a intensidade da condição séptica, e
também a redução gradual na intensidade das manifestaçoes.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Hepar Sulphur • Mecurius Cyanatus •Diphterinum 30CH


200CH 200CH + Belladonna duas doses diárias.
duas doses diárias 6CH e Kali
em casos de ataques agudos, Muriaticum 12DH
administrar uma dose a cada 3 dar uma dose a cada 3 horas,
horas alternadamente.
podem ser administradas seis Em caso de dor de
doses por dia. garganta aguda,
particularmente em
amigdalite séptica,
administre
• Mercurius Cyanatus
200CH + Belladonna
6CH
uma dose a cada 3 horas até o
alivio.

79
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

OUTRA INDICAÇÃO

• MERCURIO SOLUBILIS 6CH


• BELLADONA 6CH 5 GOTAS, 2 EM 2 HORAS, ESPAÇAR CONFORME A MELHORA
• PHYTOLACA 6CH
A beladona entra nesse complexo como anti-inflamatório e não para
controle de febre, para o controle utiliza-se o pyrogenium 200 CH

• EDEMA DE UVULA -- apis melifica 6ch

80
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

CAXUMBA

A caxumba é uma doença viral e deve ser tratada com


muito cuidado.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Mercurius Vivus 200CH + • Hepar Sulphuris • Thuya Occidentalis


Belladonna 30CH 6CH e Belladonna 30CH e Belladonna
uma dose a cada 3 horas. 30CH 30CH
uma dose a cada 2 horas uma dose a cada 3 horas
• Pulsatilla 30CH 2
alternadamente.
doses para administrar diariamente se alternadamente.
houver dor nos testículos; no entanto,
Mercurius Vivus 200C +
Belladonna 30CH uma dose a cada
3 horas deve ser continuada.

81
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

FARINGITE

A faringite é uma parte da infecção do trato respiratório


superior. Faringite ou dor de garganta representando a
inflamação da parede faringo-posterior da garganta e área
circundante, e amígdalas causadas por vírus e bactérias,
produzem sintomas como resfriado comum, tosse, dor ao
engolir, febre, dor de cabeça, fadiga, dor na garganta, etc.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA


• Hepar Sulphur • Baryta Carbonica
200CH duas doses diárias; 200CH
em casos agudos, duas doses diárias.
Repetir a cada 3 horas. Em • Kali Muriaticum
caso de aumento de
Temperatura,
12DH
duas doses diárias.
• Belladonna 30CH
uma dose a cada 3 horas Em caso de tosse aguda,
alternadamente com Hepar
•Spongia Tosta 6CH
Sulphur 200CH. uma dose a cada 3 horas
(SOS).

82
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

ENXAQUECA E DOR DE CABEÇA

A causa da enxaqueca ainda não é conhecida, mas a


pressão mental severa geralmente dá origem a esse problema.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Sépia 200CH • Aurum Metallicum • Calcarea


uma dose uma vez por 200CH
semana, que cura a
Phosphorica 200CH,
uma dose a cada três dias. uma dose a cada três dias,
enxaqueca.
Em caso de dor de cabeça
Em caso de dor de cabeça
aguda
• Acidum
aguda Carbolicum 12DH
•Sanguinaria uma dose a ser administrada
• Acidum Picricum a cada 30 minutos apenas
Canadensis 200CH +
200CH + Belladonna em caso de dor de cabeça
Belladonna 6CH aguda, até o alívio.
6CH uma dose a ser administrada
uma dose a ser administrada a cada 30 minutos até o
a cada 30 minutos até o alívio.
alívio.

83
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

OUTROS MEDICAMENTOS

• IRIS VERSICOLOR 6CH


• SANGUINARIA CANADENSES 6CH (Fígado e vesícula biliar)
• LYCOPODIUM 6CH (Lateralidade direita)

• GLONOINUM ou APIS dor de cabeça por exposição ao sol


• Dor de cabeça insuportável CAMOMILA 200CH

84
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

DOR FACIAL (NEVRALGIA)

Dor facial ou neuralgia ocorre geralmente na meia idade


ou idade avançada e principalmente em mulheres. Existem
muitas causas de neuralgia facial; Destes, a neuralgia do
trigêmeo é muito persistente. O tratamento prescrito abaixo é
muito eficaz, e nenhuma cirurgia é necessária.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Tarentula Cubensis 200CH, • Ranúnculo Bulbosus 30CH


uma dose uma vez por semana. duas doses diárias; pode ser repetido a
cada 3 horas (SOS) em caso de dor
• Hypericum Perforatum aguda.
30CH
duas doses diárias; pode ser repetido a
cada uma hora (SOS) para dor.

85
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

HEMORRÓIDAS

Há dois tipos de hemorroidas a externa ou interna.


Quando não há inchaço externo, os seguintes protocolos são
muito eficazes.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Sulphur 30CH • Sulphur 30CH + • Aesculus


uma dose a cada dia Hamamelis Hippocastanum
alternado.
Virginiana 30CH 30CH
• Nux Vomica 30CH duas doses diárias. duas doses diárias; em caso
uma dose diária. agudo, a cada 3 horas
• Nux Vomica
Se esse protocolo não surtir
Em condições 30CH efeitos
agudas uma dose diária.
Se esse protocolo não surtir •Poeonia 30CH
• Sulphur 200CH + efeitos, uma dose a cada 3 horas.
Ratanhia 200CH duas • Collinsonia
doses diárias
Canadensis 30CH
em caso de dor aguda, repita uma dose diária, é útil.
uma dose a cada 3 horas até
completa remissão da dor
ou sensação de queimação.

86
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

FISSURA ANAL

Fissura anal causa dor terrível, muitas vezes com


sensação de queimação, ao defecar, mas isso pode ocorrer a
qualquer momento, não relacionado à defecação. Pode ocorrer
em todas as idades, mas geralmente ocorre em pessoas entre
seis e trinta anos. Geralmente está associada à constipação, mas
também pode acontecer se não houver constipação.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Sulphur 30CH + • Nitricum Acidum 6CH • Aesculus


Ratanhia 30CH Uma dose a cada 3 horas (após Hippocastanum 30CH
algum alívio, duas doses diárias).
Pode ser tomada a cada uma Duas doses diárias. Em casos
hora durante a intensidade até agudos, dê um dose a cada três
que haja alívio, e à medida horas até que haja alívio dos
que a intensidade desaparece, • Calcarea Fluorica sintomas.
uma dose a cada 3 horas até a 12DH
recuperação completa. Duas doses diárias.
• Nux Vomica 30CH
Uma dose diária ao deitar;
isso alivia a constipação

87
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

PROLAPSO RETAL

O prolapso retal é uma condição cirúrgica, mas, caso os


protocolos utilizados não produzirem resultados em 3 a 4
meses, a cirurgia será indicada.

Cada protocolo deve ser mantido por pelo menos 3 meses.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Ruta Graveolens 200CH • Podophyllum 200CH • Syphilinum 30CH


duas doses diárias duas doses diárias. duas doses diárias.

88
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

TRANSTORNOS OCASIONADOS PELO FRIO

Em casos de distúrbios causados pelo resfriado, os


remédios desatendidos podem ser administrados
imediatamente, se os problemas começarem imediatamente
após a exposição ao frio. Quando sintomas específicos
aparecem, eles devem ser tratados sintomaticamente.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Aconitum Napellus 200CH • Antimonium Crudum 200CH


uma dose a cada 15 a 20 minutos uma dose a cada dia alternado.

89
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

DISTÚRBIOS OCASIONADOS PELO CALOR

Em casos de desordens devidas ao calor, os remédios


desnutridos podem ser administrados imediatamente, se os
problemas começarem imediatamente após a exposição ao
calor. Quando sintomas específicos aparecem, eles devem ser
tratados sintomaticamente.

PRIMEIRA LINHA

• CHINA 6CH
uma dose a cada 15 a 20 minutos.

90
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

QUEIMADURAS

No caso de queimaduras, Cantharis TM (5ml em um


copo de água), aplicado externamente, dá alívio imediato e
ajuda a secar as feridas rapidamente. Cantharis TM deve ser
aplicado duas vezes ao dia, mesmo nos casos em que as bolhas
estejam abertas e ulceradas.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Cantharis 200CH • Hepar Sulphur 200CH +


e Arsenicum Album Arsenicum Álbum 200CH,
200CH quatro doses diárias, onde ocorre a
uma dose a cada 3 horas supuração secundária às
alternadamente. queimaduras.

• Cantharis 200CH
duas doses diárias.

Para queimaduras de primeiro grau, utilizar Apis


melifica na 6CH.

91
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

DENGUE

A dengue é uma infecção viral disseminada por picadas


de mosquito. Ambas as populações urbanas e rurais estão em
risco, e às vezes epidemias podem ocorrer. O tratamento deve
ser iniciado assim que possível após o diagnóstico ou mesmo
antes do diagnóstico, pois não há efeitos colaterais.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Eupatorium Em estado hemorrágico


Perfoliatum TM e
Rhus Toxicodendron • Hamamelis Virginiana 200Ch
30CH + Arnica Montana 6CH
uma dose a cada 3 horas Quatro doses diárias, juntamente com os
alternadamente. medicamentos de primeira linha.

• Belladonna 6CH
uma dose cada 15 minutos
para alta temperatura

PROTOCOLO UTILIZADO EM EPIDEMIA BRASILEIRA

• CROTALUS 30CH (Sangramento, + plaquetas)


• PHOSPHORUS 30CH (Proteção Hepatica)
• EUPATORIUM 30CH (Restabelecimento, dor, +plaquetas)
• Prevenção: 5 gotas 01 vez por semana.
• Tratamento: 5 gotas, 3 vezes ao dia, até o desaparecimento dos sintomas.

92
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

GRIPE H1N1

A gripe H1N1 consiste em uma doença causada por


uma mutação do vírus da gripe. Também conhecida como gripe
suína, o H1N1 é um subtipo do Influenza A, que se tornou
conhecido quando afetou grande parte da população mundial
entre 2009 e 2010.

Os sintomas da gripe H1N1 são bem parecidos com os


da gripe comum e a transmissão também ocorre da mesma
forma. O problema da gripe H1N1 é que ela pode levar a
complicações de saúde muito graves, podendo levar os
pacientes até mesmo à morte.

PROTOCOLO UTILIZADO NO BRASIL

• GELSEMIUM 30CH (Fraqueza, dores, +febre, mal estar)


• IPECA 30CH (Tosse, falta de ar)
• INFLUENZINUM 30CH (Bioterapico)
Prevenção: 5 gotas 01 vez por semana
Tratamento: 5 gotas, 3 vezes ao dia, até desaparecer os
sintomas.

93
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

MALÁRIA

Picadas de mosquito são a causa desta doença.


Geralmente, existem dois tipos de malária - vivax e falciparum
(que também é chamada de malária maligna - e tem que ser
tratada com muito cuidado e com observação constante).

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Chininum Sulphuricum 6DH e Eupatorium • Vitex Negundo TM


Perfoliatum TM Chininum
uma dose a cada 3 horas alternadamente. Sulphuricum 6DH
uma dose a cada 3 horas
• Para o resfriado, Nux Vomica 30CH alternadamente; se houver alta
uma dose a cada 15 minutos, três doses a serem administradas;
temperatura, uma dose cada
Para temperaturas e acima de 39 c°, dê uma dose a cada 15 minutos, uma hora alternadamente.
três doses a serem administradas.

• Arnica Montana 6CH + Cuprum Metallicum


6CH,
uma dose a cada uma hora (SOS) para alta temperatura.
Quando não há temperatura, o

• Natrum Muriaticum 30CH


uma dose diária, deve ser administrado por 2 meses para evitar
futuros ataques.

94
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

DISTÚRBIOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Rhus Toxicondendron • Symphytum • Medorrhinum


30CH e Bryonia Alba Officinale 200CH e 200CH e
200CH Hypericum Colchicum
uma dose a cada 2 horas Perforatum 200CH Autumnale 30CH
alternadamente. uma dose a cada 3 horas uma dose a cada 3 horas
alternadamente. Alternadamente

95
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

ARTRITE (GOTA)

A gota é geralmente causada pelo aumento do ácido


úrico no sangue, o que causa dor articular aguda e também dor
em outros lugares.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Medorrhinum 200CH • Symphytum


uma dose a cada dia alternado.
Officinalis 200CH e
• Ácido benzóico 30CH Rhus Toxicodendron
uma dose iária Continuar por 30CH
pelo menos 3 meses. uma dose a cada 3 horas
Em caso de dor aguda com alternadamente.
inchaço e vermelhidão, o
• Ledum Palustre
200CH + Belladonna
6CH uma dose a cada 3
Horas

96
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

CONTROLAR NÍVEIS DE ÁCIDO ÚRICO

PRIMEIRA LINHA

• LEDUM PALUSTRE 6 CH
• LYCOPODIUM 6CH
• URIC ACIDE 6CH

Acido úrico é doença de desarmonia do rim.


O que é considerado normal para outras pessoa já provoca dor.

97
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

ARTRITE REUMATÓIDE

A artrite reumatóide é uma doença colageana e requer


um tratamento bastante longo para alívio e cura. É uma doença
inflamatória do sistema, e com cronicidade evidente, provoca
dor, rigidez e, em muitos casos, deformidades instaladas nas
articulações. A causa não é conhecida.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Rhus Toxicodendron 30CH e • Chininum • Medorrhinum


Bryonia Alba 200CH, Sulphuricum 12DH 200CH e
uma dose a cada 2 ou 3 horas um dose a ser administrada
alternadamente, até o desaparecimento dos a cada 3 horas até que um Colchicum
sintomas e normalização dos resultados alívio substancial seja Autumnale 30CH
laboratoriais. obtido. uma dose a cada 3 horas
alternadamente
• Belladonna 6CH • Rhus
para dor aguda e alta temperatura, uma dose Toxicodendron
a cada 30 minutos.
1OOOCH
No caso destes medicamentos uma dose uma vez por
não darem alívio adequado, os semana.
próximos medicamentos são
• Symphytum Officinalis 200CH
e Kalmia Latifolia 6CH
uma dose a cada 3 horas alternadamente

• Calcarea Carbonica 200CH


uma dose a cada três dias, juntamente com os
medicamentos acima referidos, são
administrados para aumentar a imunidade.

98
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

PRIMEIRA LINHA

• RHUS TOXICODENDROM 6CH (Dores reumáticas)


• RUTA GRAVEOLENS 6CH
• BRYONIA 6CH

Pode associar o medohinum (quando piora no frio). Utilizando


uma visao clinica ou dulcamara ou aconitum

99
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

DOENÇAS DO RIM

No caso de doenças renais, os pacientes geralmente


apresentam alguns sintomas comuns, como edema, náusea,
hematúria ou hipertensão. Os achados laboratoriais mostram
proteinúria, hemoglobinúria, excesso de leucócitos, cristais,
cilindros, etc.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Bryonia Alba 30CH • Arsenicum Album • Medorrhinum 30CH


duas doses diárias. 6CH duas doses diárias.
duas doses diárias.
• Lycopodium • Terebinthina 6CH
Clavatum 30CH • Lycopodium duas doses diárias.
duas doses diárias. Clavatum 30CH
duas doses diárias.

100
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

CÁLCULO RENAL

As causas da formação de pedras nos rins são


desconhecidas. Os cálculos renais são tratados como casos de
cirurgia. Sob esse sistema, a constituição dos pacientes - para
os quais são formados os cálculos renais - nunca é objeto de tal
tratamento, assim, as pedras renais são formadas novamente.
Além disso, devido ao processo cirúrgico e invasivo os néfrons
vão sendo danificados. Com a utilização desse protocolo de
tratamento há uma melhora do sistema imunológico dos
pacientes e ajudam a prevenir a recorrência. Pequenas pedras
renais são dissolvidas, e algumas são espelidas com a urina.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

Se as pedras descem até a


• Berberis Vulgaris TM bexiga urinária e causam dor,
duas doses diárias. disúria e um desejo freqüente
de urinar,
• Salsaparrilha 30CH
duas doses diárias, a ser • Equisetum Hyemale
administradas por 3 meses.
TM e Cantharis
Em caso de dor aguda 200CH
• Berberis Vulgaris TM devem ser administrados,
uma dose a ser administrada a uma dose a cada 15 minutos,
cada 10 minutos alternadamente, até o alívio.
alternadamente, até o alívio.

101
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

Com o tratamento acima, freqüentemente as pedras


renais se dissolvem e saem com a urina. No caso de sentir
náusea, administre duas doses de Tabacum 200CH por dia.

ELIMINAÇÃO DO CALCULO

• UVA URSI 6CH


• PARRERA BRAVA 6CH
• CALCAREA CARBONICA 30 CH
Tomar 04 doses diárias

COLICA RENAL

• LYCOPODIUM 6CH
• MAGNESIA PHOSPHORICA 6CH
• COLOCYNTHIS 6CH
Tomar 04 doses diárias

102
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

LABIRINTITE

PRIMEIRA LINHA

• COCCULUS INDICUS 6CH


• Melhora pelo repouso
• Relacionado a fraqueza e insônia.
• Enjoo por andar de carros (mareio)
• Piora ao se levantar.
• Piora ao ar frio.

• CONIUM MACULATUM 6CH


• Melhora pelo movimento

• TABACUM 6CH
• Piora pelo movimento
• Melhora ao ar frio
Exceto os pacientes neurológicos, as labirintites são
sobrecargas de toxinas no figado

103
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

ENJOO DE VIAGEM

Algumas pessoas se sentem mal durante viagens,


enquanto outras em altas altitudes apresentam dificuldades
respiratórias devido à falta de oxigênio.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Tabacum 200CH • Coculus lndicus 30CH


uma dose a cada uma hora antes de duas doses diárias.
iniciar uma viagem; três doses a
serem tomadas.
Para o enjoo do ar, particularmente
quando o ouvido está bloqueado,
tome:

•Sanguinaria Canadensis
200CH
uma dose antes de embarcar em uma
aeronave, seguido por

• Pulsatilla Nigricans 30CH


uma dose se houver alguma
perturbação no ar.

104
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA

Geralmente, há um início repentino e com agravamento


da função renal ao longo de horas a dias resulta em sintomas
externos como edema, náusea, vômito, hipertensão, retenção
aguda de urina, anorexia, etc.

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA

A doença renal crônica é a deterioração progressiva e


duradoura da função renal, e raramente é reversível. A doença
renal crônica é identificada por um exame de sangue para
creatinina. Níveis mais altos de creatinina indicam uma taxa de
filtração glomerular decrescente e, como resultado, uma
capacidade diminuída dos rins em excretar produtos residuais.
A condição é descoberta se o exame de urina (teste de uma
amostra de urina) detectar que o rim está permitindo a perda de
proteína dos glóbulos vermelhos na urina.

Os sintomas se desenvolvem lentamente e incluem


anorexia, náusea, vômito, estomatite, cansaço, fadiga, prurido,
diminuição da acuidade mental, espasmos musculares e cãibras,
retenção de água, desnutrição, ulceração e sangramento
gastrointestinal, neuropatias periféricas e convulsões.
105
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Medorrhinum 200CH • Eel Serum 30CH


uma dose a cada dia alternado. uma dose a cada dia
alternado.
• Lycopodium
Clavatum 30CH e • Lycopodium
Cantharis 200CH Clavatum 30CH
a cada 3 horas alternadamente. uma dose a cada dia
alternado.
• Aconitum Napellus
• Cantharis 200CH
6CH a cada 3 horas
duas doses diárias. alternadamente.

• Aconitum Napellus
6CH
duas doses diárias.

A frequência das doses pode ser aumentada de acordo


com a gravidade dos sintomas.

Arsenicum Album 6CH, para náusea, vômito e


dispneia; pode ser repetido a cada 15 minutos em condições
muito agudas. As doses podem ser reduzidas quando a condição
melhorar.
(BANERJI; BANERJI, 2014)(DEMARQUE, 2002)(LUZ, 2014)(HAHNEMANN,
2001)(CAPRA, 1998) (TÉTAU, 2001)(HORVILLEUR, 2003) (TÉTAU,
1998)(HAHNEMANN, 1984)(CAIRO, 2016)

(F.BARITS, 2018)

106
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

SINUSITE

A sinusite com menos de quatro semanas de duração,


apresentando sintomas de secreção nasal, congestão nasal,
cefaleia, espirros, etc., é causada por vírus e bactérias.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Sanguinaria Canadensis • Kali Bichromicum Em caso de nariz, nariz


escorrendo, espirros e também
200CH 30CH sinusite
duas doses diárias. duas a tres doses

Em casos agudos, o medicamentos


diariamente. •Calcarea Carbonica
devem ser repetidos a cada 3 horas e, Para os bloqueios nasais, 200CH
após alívio substancial, as doses administre: uma dose uma vez por semana.
devem ser reduzido para duas doses
diárias. • Lycopodium • Sanguinaria
Em caso de dor aguda, com ou sem Clavatum 30CH Canadensis 200CH
uma dose a cada uma a duas duas doses diárias.
almento de temperatura
horas, quando necessário. Para espirros agudos e nariz
• Sanguinaria Canadensis escorrendo o
200CH + Belladonna 6CH
uma dose a cada 30 minutos. • Arsenicum Album
6CH
uma dose a cada uma hora
(SOS), deve ser administrado
para alívio.

107
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

TRATAMENTO

• Hepar sulphur 6CH


• Hepar sulphur 9CH
• Hepar sulphur 15CH (geralmente ocorre febre)
• Hepar sulphur 30CH
Acompanhado de pyrogenium para o processo infeccioso.
Dose única por dia, vai aumentando as potencias.
Não é aconselhável tomar por muitos dias, pois é um drenador

TRATAMENTO

• KALIBICH 6CH
• HIDRASTIS 6CH 5 GOTAS, 4 VEZES AO DIA
• HEPAR SULPHUR 6CH

• STREPTOCOCCINUM 200CH
• STAPHYLOCOCCINUM 200 CH 20 GOTAS EM AGUA,
12/12H 5 DIAS

108
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

HIPERCOLESTEROLEMIA (COLESTEROL ALTO)

De acordo com nossas observações por 50 anos com numerosos


casos, o alto perfil lipídico não causa nenhum dano, ou leva a
problemas cardíacos na maioria dos casos. (BANERJI; BANERJI, 2014)

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA


• Cholesterinum 30CH • Chelidonium • Carduus Marianus
uma dose diária durante 3 Majus 12DH TM
meses; o caso deve depois ser duas doses diárias. duas doses diárias.
revisto
• Cholesterinum 30CH
uma dose diária.

109
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

HIPOTIREOIDISMO

Os medicamentos prescritos abaixo para o tratamento


do hipotiroidismo são muito úteis na correção do sistema. Os
medicamentos não precisam ser tomados por um paciente pelo
resto de sua vida; eles devem ser descontinuados quando todos
os relatórios estiverem normais.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Bromium 6CH • Calcarea Carbonica • Bromium 6CH duas


duas doses diárias. 200CH doses diárias.
uma dose a cada três dias.
Lycopodium • Thuya Occidemalis
Clavatum 30CH duas • Spongia Tosta 6CH 30CH
doses diárias duas doses diárias. duas doses diárias.

110
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

DIABETS

Diabetes mellitus é uma doença do metabolismo da


glicose causada pela falta ou má absorção de insulina, hormônio
produzido pelo pâncreas e cuja função é quebrar as moléculas
de glicose para transformá-las em energia, a fim de que seja
aproveitada por todas as células. A ausência total ou parcial
desse hormônio interfere não só na queima do açúcar como na
sua transformação em outras substâncias (proteínas, músculos
e gordura).

Diabetes tipo 1: O pâncreas produz pouca ou nenhuma


insulina. A instalação da doença ocorre mais na infância e
adolescência e é insulinodependente, isto é, exige a aplicação
de injeções diárias de insulina.

Diabetes tipo 2 – As células são resistentes à ação da


insulina. A incidência da doença que pode não ser
insulinodependente, em geral, acomete as pessoas depois dos
40 anos de idade;

Diabetes gestacional – Ocorre durante a gravidez e, na


maior parte dos casos, é provocado pelo aumento excessivo de
peso da mãe;

111
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

Diabetes associados a outras patologias como as


pancreatites alcoólicas, uso de certos medicamentos etc.

PRIMEIRA LINHA

• Aceticum acidum
6CH+ Syzygium
jambolanum 6CH+
Uranum nitricum
6CH Três
doses diárias.
Em casos de
insulinodependentes
acrescentar
• Natrum
muriáticum 6CH
três doses diárias

112
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

PURPURA TROMBOCIOPÉNICA IDIOPÁTICA (ITP)

Esta é uma doença auto-imune na qual os próprios


anticorpos do organismo destroem as plaquetas do sangue,
resultando numa redução acentuada desse tipo de células. As
plaquetas aumentam com o tratamento, nenhum esteróide, ou
qualquer outro tipo de medicação será necessário.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA

• Hamamelis • Crotalus Horridus LINHA


Quando o alívio é
atrasado, o
Virginiana 200CH + 6CH
Arnica Montana 6CH duas doses diárias. • Medorrhinum
duas doses diárias.
• Kali Muriaticum 200CH
uma vez por dia, deve ser
• Kali Muriaticum 12DH e Ferrum adicionado à segunda
12DH e Ferrum Phosphoricum 12DH linha de tratamento
Phosphoricum 12DH duas doses diárias.

duas doses diárias

113
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

COLITE

A colite é o inchaço (inflamação) do intestino grosso.


Esta inflamação pode ser causada por causas verídicas, como
parasitas virais, bacterianas, etc.

Dor no abdómen, abdómen inchado, sensação de


defecação incompleta, falecimento ocasionalmente frequente
de fezes, tonturas, náuseas, falta de apetite e cansaço são
sintomas comuns.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Natrum Sulphuricum • Aurum Metallicum • Psorinum 30CH,


30CH 30CH uma uma dose uma vez por
uma dose uma vez por dose a cada três dias. semana.
semana.
• Kali Muriaticum • Cina 6CH
• Nux Vomica 30CH 12DH e Magnesia uma dose por dia
duas doses diárias.
Phosphoica 12DH
• Em caso de fezes duas doses diárias.
disentéricas e colilcas
abdominal, • Mercurius
lpecacuanha 30CH Solubilis 30CH,
duas doses diárias
+ Mercurius Solubilis
6CH,
uma dose a cada 3 horas até o
alívio

114
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

Uma atitude positiva em relação ao estilo de vida e uma


dieta normal e de bom gosto deve ser seguida; apenas
medicamentos não podem ajudar totalmente no caso de colite.

115
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

CISTITE

A cistite aguda é uma doença muito problemática.


Geralmente, a infecção ascende da bexiga e, em muitos casos,
há uma recorrência dos sintomas. O protocolo dado abaixo é
benéfico, e aconselha-se que os medicamentos devem ser
tomados uma dose por dia durante 2 meses, mesmo após a cura
de todos os sintomas.

PRIMEIRA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA


• Cantharis
LINHA 30CH, • Medorrhinum 30CH Thuya Occidentalis 30CH
duas doses diárias. duas doses diárias; duas doses diárias.
• Staphysagria Em caso de queimaduras Berberis Vulgaris TM
agudas, isto pode ser repetido
200CH a cada 3 horas
duas doses diárias.
uma dose a cada três
dias.

TEREBENTINA 6CH: Infecção por problema renal


com eliminação de sangue

116
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO (UTI)

A bactéria Escherichia coli é a causa mais comum de


infecção do trato urinário. Os medicamentos prescritos abaixo
podem erradicar completamente esta condição geralmente
persistente.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Medorrhinum 200CH •Thuya Occidentalis Apenas para disúria e


duas doses diárias urgência frequente
30CH
em casos agudos, uma dose a duas doses diárias e, em • Cantharis 200CH
casos agudos, uma dose a
cada 3 horas. Se houver
cada 3 horas.
duas doses diárias; •
aumento de temperatura:
Chimaphila
• Pyrogenium 200CH Umbellata
uma vez por dia.
TM duas doses diárias.
Em caso de hematúria,
•Terebinthina 6CH duas
doses diárias.

Aconselha-se aos pacientes continuar com o uso de


Medorrhinum 200CH, duas doses diárias, durante um mês,
mesmo depois de estarem completamente livres da infecção.

117
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

VAGINITE

A vaginite é uma condição geralmente causada por uma


infecção fungica (Candida albicans). Várias outras condições,
como doenças sexualmente transmissíveis, higiene inadequada
e infecções parasitárias, também podem ser responsáveis.

Estes medicamentos são muito eficazes, se há leucorrea


ou não. Em casos agudos, os medicamentos podem ser
repetidos a cada 3 horas.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Ácido nítrico 3CH • Kreosote 200CH • Carbo Animalis


duas doses diárias. duas doses diárias. 200CH
duas doses diárias

118
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

SÍNDROME DA TENSÃO PREMENSTRUAL

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Sépia 200CH • Cimicifuga • Platinum


uma dose a cada 3 dias. Racemosa 30CH Metallicum 200CH
duas doses diárias uma dose a cada 3 dias
• Cocculus 30CH duas
doses diárias. • Stramonium 6DH
duas doses diárias

119
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

DISMENORREIA

No caso da dismenorreia primária, não há achados


patológicos; dor intensa ocorre em 5% a 6% dos casos. No caso
de dismenorréia secundária, geralmente pode haver achados
patológicos indicando endometriose, tumor uterino, etc.

• A dismenorreia primária é aquela que ocorre sem que


haja lesões nos órgãos pélvicos. Geralmente, ocorre nos ciclos
menstruais normais e logo após as primeiras menstruações na
adolescência, podendo cessar ou reduzir significativamente
quando a mulher atinge a faixa dos 20 e poucos anos. Em alguns
casos isso só ocorre após a gravidez. É causada pelo aumento
da produção de prostaglandinas pelo útero, que provocam
contrações uterinas dolorosas.
• A dismenorreia secundária está relacionada a
alterações do sistema reprodutivo, que podem
ser endometriose, miomas uterinos, infecção, anormalidades na
anatomia do útero ou da vagina de origem congênita. Outra
causa da dismenorreia secundária é o uso de dispositivo
intrauterino (DIU) como método anticoncepcional. Geralmente
começam a surgir dois anos depois da menarca.

120
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

Dismenorreia Primária Para ambos Calcarea Carbonica


• Pulsatilla Nigricans 30CH
• Conium Maculatum duas doses diárias.
30CH 3CH + Sépia 6CH,
Uma dose em dias alternados duas doses diárias, durante • Magnesia
durante 3 meses. pelo menos 3 meses. Phosphorica 12DH e
• Para dor, Magnesia • Cimicifuga Ferrum Phosphoricum
Phosphorica 12DH, Racemosa 30CHn 12DH
uma dose, cada 20 minutos duas doses diárias
uma dose a cada uma hora
com água morna, até alívio. (SOS) durante a dor até o
alívio.

Dismenorreia
Secundária
• Sépia 200CH
uma dose a cada três dias.

• Magnesia
Phosphorica 12DH,
uma dose, cada 20 minutos
com água morna, até alívio..

121
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

HEMORRAGIA UTERINA DISFUNCIONAL

A menopausa é a cessação permanente da menstruação


devido à perda da função folicular ovariana. A idade média da
menopausa é geralmente entre 45 anos e 51 anos.

O tratamento prescrito abaixo também é benéfico para


mulheres que têm sangramento excessivo.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA


• Ammonium Estes devem ser Se os protocolos
administrados quando os mencionados acima não
Carbonicum 200CH medicamentos de primeira ajudarem, pare todos os
uma dose a cada 10 dias; a ser linha não são muito úteis, medicamentos após observar
continuado por 3 meses. por 3 meses e dê o seguinte
mas o Ammonium
pelos próximos 3 meses.
• Arnica Montana 6CH Carbonicum 200CH,
duas doses diárias; Repetir a em meio líquido, deve ser • Lachesis Mutus
cada 3 horas em caso de mantido por pelo menos 3
hemorragia abundante. meses.
200CH uma
dose a cada três dias.
Se o sangramento não parar • Caulophyllum • Sabina 6DH uma
com a Arnica Montana 6CH,
Citrus Vulgaris TM, 200CH duas dose (5 gotas) por dia para
doses diárias.
uma dose deve ser continuar com Lachesis
administrada a cada 3 horas; • Secale Cornutum Mutus 200CH , ou, no
isso ajudará na paralisação do caso de hemorragia
sangramento 6CH
uma dose a cada 3 horas abundante, ser administrada
para sangramento a cada 3 horas até que o
abundante, até parar. sangramento pare.

122
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

ENDOMETRIOSE

A endometriose, ou o sangramento intra-abdominal de


células endometriais do lado de fora da cavidade uterina durante
a fase de sangramento, geralmente é uma condição
extremamente incômoda.

Às vezes, esse sangramento atípico pode resultar na


formação de cistos na cavidade pélvica. Estes cistos são
geralmente chamados de "cistos de chocolate", devido à sua
aparência marrom escura.

A endometriose causa dor pélvica relacionada


ocasionalmente à infertilidade. Pode causar dispareunia, dor
abdominal mais baixa e dor na ovulação.
PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Sépia 6CH + Conium • Apis Mellifica 6CH • Aurum Muriaticum


Maculatum 6CH duas doses diárias. 6DH
duas doses diárias. Duas doses diárias.
• Hamamelis
• Para dor aguda, Magnesia Virginica 200CH +
Phosphorica 12DH Arnica Montana 6CH
uma dose cada 20 minutos com duas doses diárias.
água morna, até alívio.

• Hamamelis Virginica
200CH + Arnica Montana
6CH
duas doses diárias.

123
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

MIOMAS UTERINOS

Os seguintes conjuntos de medicamentos podem


regredir os miomas uterinos e interromper a recorrência. Esses
casos devem ser revisados a cada 3 meses.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Conium Maculatum 6CH • Thuja Occidentalis • Calcarea Carbonica


duas doses diárias. 30CH 200CH
duas doses diárias. duas doses diárias.
• Calcarea Fluorica 12DH
duas doses diárias • Conium • Hydrastis
Maculatum 200CH Canadensis 200CH
uma dose a cada 1O dias. duas doses diárias.

124
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

FIBROADENOMA DE MAMA

Estes são pequenos caroços móveis dentro dos seios,


geralmente associados a mulheres jovens.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Nos casos de fibroadenoma • Thuya Occidentalis • Conium Maculatum


primário e pequeno, 30CH 200CH
Bryonia Alba 30CH duas doses diárias. uma dose a cada 1O dias.
duas doses diárias, é muito
eficaz. • Calcarea Fluorica • Phytolacca 200CH
duas doses diárias.
Para caroços mais dificies 12DH, duas doses diárias.
• Phytolacca 200CH, • Carsinosinum 30CH
• Conium Maculatum uma dose a em dias alternados
duas doses diárias. 200CH
uma dose a cada 1O dias.
• Conium Maculatum
6CH
duas doses diárias, a
administrar durante 2 meses e
depois revisar.

125
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

ABSCESSO DA MAMA

Abscesso de mama é geralmente visto em mães


lactantes. É uma área localizada de infecção. Ela se rompe
quando uma quantidade considerável de pus se acumula.
Geralmente, a intervenção cirúrgica é adotada pelo método
convencional de tratamento. No entanto, com o protocolo
homeopático, nenhuma intervenção cirúrgica é necessária; o
abscesso mamário é regredido com os medicamentos, ajudando
a romper o abscesso seguido de secagem.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Hepar Sulphur 6CH • Hypericum • Tarentula Cubensis


e Belladonna 6CH Perforatum 200CH + 30CH
uma dose a cada 3 horas Arsenicum Álbum uma dose a cada 4 horas.
alternadamente; na dor
aguda, a cada uma hora 200CH
alternadamente duas doses diárias.

•Hepar Sulphur 6CH • Echinacea TM


duas doses diárias.
e Hypericum
Perforatum 200CH + • Quando associada a muita
quentura e vermelhidão, a
Arsenicum Album
200CH Arnica Montana
uma dose a cada 3 horas 30CH e a Belladonna
alternadamente, quando o
abcesso já está supurado ou
30CH
uma dose a cada 3 horas,
aberto.
alternadamente, podem
interromper o processo de
supuração.

126
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

MENOPAUSA

No caso da menopausa, além de tratamento médico,


esse protocolo ajuda muito.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Ammonium • Lachesis Mutus No caso de a menorragia ocorrer


todos os meses
Carbonicum 200CH 200CH uma
uma dose a cada 10 dias, dose em dias alternados. • Ammonium
quando a menorragia ocorre
todo mês. Os medicamentos SOS são Carbonicum 200CH
os medicamentos de uma dose a cada 10
• Aconitum Napellus primeira linha.
dias, e
200CH uma • Caulophyllum 200CH
dose a cada uma hora (SOS) duas doses diárias, ao longo do
para palpitação mês; para ser repetido a cada 3
horas durante o sangramento
• Arnica Montana 6CH,
uma dose a cada 3 horas (SOS),
durante o sangramento
excessivo, se houver, até que
pare.

• Sulphur 200CH
uma dose a cada uma hora
(SOS) para fogachos.

127
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

INFERTILIDADE

Cada protocolo deve ser mantido por 3 meses. Em


muitos casos, os bloqueios de trompas de falópio bilaterais
também desaparecem. Se a análise do sêmen não for adequada,
essa condição também deve ser tratada simultaneamente

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Calcarea Carbonica 30CH Sépia 6CH + • Aurum Muriaticum


duas doses diárias. Conium Maculatum 12DH
6CH duas doses diárias.
• Sépia 200CH
duas doses diárias.
uma dose a cada três dias, quando a • Calcarea Carbonica
menstruação é irregular.
30CH
duas doses diárias.

128
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

TUBERCULOSE

A tuberculose é causada pela bactéria mycobacterium


tuberculosis. O local mais comum da infecção é geralmente os
pulmões, mas pode afetar qualquer parte do corpo.

Tuberculose pulmonar

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Kali Carbonicum 200CH • Kali Carbonicum 200CH


uma dose a cada três dias. uma dose a cada três dias.

• Bryonia Alba 30CH + • Kali Muriaticum 12DH e


Aconitum Napellus 200CH, Ferrum Phosphoricum
duas doses diárias. 12DH
duas doses diárias.
• Ferrum Phosphoricum 12DH
duas doses diárias. • Thuya Occidentalis 30CH
duas doses diárias.

129
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

TUBERCULOSE DOS OSSOS E DAS ARTICULAÇÕES

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Symphytum Officinale 200CH • Symphytum Officinale 200CH


e Calcarea Phosphorica 12DH, e Rhus Toxicodendron 30CH,
uma dose a cada 3 horas alternadamente. uma dose a cada 3 horas alternadamente.

• Tuberculinum Bacillinum • Ferrum Phosphoricum 12DH e


200CH Magnesia Phosphorica 12DH
uma dose uma vez por semana. duas doses diárias.

130
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

APENDICITIS - AGUTA E CRÔNICA

Apendicite começa com dor na região peri-umbilical e,


em seguida, na fossa ilíaca direita. Embora a apendicite seja
considerada um caso de cirurgia, ela é curável com
medicamentos homeopáticos específicos. Os protocolos
indicados abaixo foram utilizados com sucesso.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA


Apendicite aguda
• Iris Tenax 30CH
• Lycopodium Clavatum Uma dose a cada 3 horas
200CH + Belladonna 6CH Em todos os casos de dor aguda,
uma dose a cada 3 horas; depois de
haver alívio, duas doses diárias. • Belladonna 6CH
• Enxofre 200CH Uma dose deve ser repetida a
uma dose uma vez por semana. cada 1 a 15 minutos.

• Belladonna 6CH
uma dose a cada 15 minutos pode ser
administrada para dor até paralisação da
dor. Isso deve continuar por três meses,
se não houver recorrência; o tratamento
deve então ser descontinuado. No
entanto, para evitar novas recorrências e
para a cura completa, o tratamento para
apendicite crônica, conforme prescrito
abaixo, deve ser seguido.

Apendicite crônica
• Lycopodium Clavatum
30CH
uma dose a cada 10 dias, durante 3
meses.

• Enxofre 30CH
uma dose a cada 15 dias, durante 3
meses.

131
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO (CTS)

Síndrome do túnel do carpo (STC) ocorre devido à


compressão do nervo mediano durante o trajeto através do túnel
do carpo. Os principais sintomas são dormência e sensação de
formigamento no polegar, no dedo indicador e na metade radial
do dedo anular. Existem várias opiniões sobre a causa dessa
síndrome; muitos acreditam que é uma lesão por esforço
repetitivo.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Symphytum • Rhus Toxicodendron • Ruta Graveolens


Officinalis 200CH, 30CH 200CH
duas doses diárias. duas doses diárias.
duas doses diárias.
• Hypericum • Calcarea Phosphorica
• Hypericum 12DH
Perforatum 200CH,
Perforatum 200CH duas doses diárias.
duas doses diárias
duas doses diárias.

132
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (AVC)

Acidentes vasculares cerebrais podem ocorrer devido a


várias razões - hemorragia, infarto ou embolia.
Freqüentemente, desenvolve-se uma hemiparesia que, se não
for tratada de maneira intermitente, pode ser uma incapacidade
permanente.

PRIMEIRA LINHA

• Rhus Toxicodendron 30CH e Arnica Montana 6CH


uma dose a cada 3 horas, alternadamente.

• Aconitum Napellus 6DH, (5 gotas),


duas doses diárias, para controlar e estabilizar a pressão arterial.
No caso de qualquer problema cardíaco associado ao acidente vascular cerebral, o

• Lachesis Mutus 200CH,


uma dose a cada dia alternado.
Em caso de hemorragia intracraniana

• Hamamelis Virginiana 200CH + Arnica Montana 6Ch


uma dose a cada 3 horas. Isso é muito específico na absorção rápida de coágulos
sanguíneos no cérebro.

133
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

LINFEDEMA

O linfedema é uma condição de retenção de fluidos


localizada, resultando no inchaço dos tecidos devido à
obstrução no sistema linfático.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Lycopodium Clavatum • Bryonia Alba 200CH


30CH duas doses diárias.
duas doses diárias, até alívio
considerável.

• Hamamelis Virginiana
200CH + Arnica Montana
6CH
duas doses diárias.

134
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

ERISIPELA

Para a erisipela, existe um tratamento eficaz para alívio


rápido sob nossos protocolos.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Antimonium Crudum 200CH • Apis Mellifica 6CH e


uma dose por dia. Arsenicum Album 200CH,
uma dose a cada 3 horas alternadamente.
• Hypericum Perforatum
200CH + Arsenicum Album • Hypericum Perforatum 200CH,
200CH uma dose pode ser administrada a cada duas
uma dose a cada 3 horas. horas (SOS), ou como e quando necessário,
para dor aguda no nervo.

135
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

TROMBOSE

Hamamelis Virginiana 200CH + Arnica Montana 6CH,


administrados em conjunto, são muito eficazes e específicos
para a absorção de coágulos sanguíneos. Nas hemorragias
cerebrais, essa combinação absorve os coágulos sanguíneos
muito rapidamente e também interrompe a hemorragia.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Hamamelis • Crotalus Horridus • Lachesis Mutus


Virginiana 200CH + 6CH 200CH
Arnica Montana 6CH duas doses diárias e uma dose em dias alternados.

duas doses diárias; em casos Se houver muita dor • Cardus Marianus


agudos, uma dose a cada 3 1DH
horas
• Hypericum
duas doses diárias.
Perforatum 200CH
uma dose a cada 3 horas, • Hamamelis
alternadamente com
Virginiana 200CH +
Crotalus Horridus
Arnica Montana 6CH,
6CH duas doses diárias.

136
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

ÚLCERAS VENOSAS (ÚLCERA DE ESTASE, ÚLCERA


VARICOSA)

As úlceras avasculares apresentam problemas


particularmente difíceis. O tratamento é muito bom e eficaz,
mesmo que demore um tempo relativamente longo.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA


• HamamelisVirginiana • Hamamelis • Crotalus Horridus
200CH + Arnica Virginica 200CH + 6CH
Montana 6CH Arnica Montana 6CH duas doses diárias.
duas doses diárias. duas doses diárias.
• Carduus Marianus
• HypericumPerforatum • Carduus Marianus TM
200C + Arsenicum TM duas doses diárias.
Album 200C duas doses diárias.
• Hypericum
uma dose a cada 3 horas.
• Lachesis Mutus Perforatum 200C +
200CH Arsenicum Album
uma dose em dias 200CH
alternados. uma dose a cada 3 horas.

137
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

HIPERTENSÃO ARTERIAL

A pressão arterial varia com a idade, sexo, raça e país..


De acordo com definição da Organização Mundial da Saúde
(OMS), uma pressão de 160/95 ou superior é considerada
anormal, enquanto 140/90 a 160/95 deve ser considerada limite.

Na maioria dos casos, a causa da pressão alta é


desconhecida; esses casos são conhecidos como casos
primários ou essenciais.

Ao discutir a pressão arterial e suas causas prováveis,


pode-se notar que as observações feitas pela OMS e outras
autoridades estão abertas a algumas dúvidas, pois podem não
ser aplicáveis no caso de todos os grupos étnicos, como as
populações indígenas ou japonesas. Observações como essas
geralmente são feitas nos EUA ou em países europeus onde a
maior parte da população é coberta por esquemas de seguro e
tem acesso imediato a instalações médicas. Observações feitas
nesses países podem ser superestimadas devido ao fato de que
os médicos que relatam essas observações raramente recebem
casos não tratados que são realmente a chave para o estudo da
"história natural da doença". Os pacientes que visitam esses
médicos, tenham 5 anos de idade ou 50 anos, fazem a
verificação da pressão arterial em todas as consultas, sejam elas

138
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

necessárias ou não, nestes casos, não é possível fazer uma


avaliação correta dos efeitos nocivos da hipertensão arterial.

No entanto, num país como a Índia, onde as instalações


médicas e de seguro não estão disponíveis para a grande
maioria da população, e as despesas de tratamento médico têm
de ser suportadas pelos próprios pacientes, a verificação regular
da pressão arterial e a ingestão regular de medicamentos, não é
possível devido à indisponibilidade de médicos, bem como
restrições econômicas.

Uma vez que é muito difícil alcançar a situação ideal


com a monoterapia, foram feitas tentativas para criar um
tratamento mais ideal para a hipertensão, combinando
medicamentos complementares em doses baixas.

PRIMEIRA LINHA
1. RhusToxicodendron 30CH + Aconitum Napellus 200CH
duas doses diárias (uma dose = 3 a 5 gotas apenas),

2. Aconitum Napellus 6DH


duas doses diárias

3. Rauwalfia Serpentina 6DH


duas doses diárias,

4. Glonoínum 30CH
duas doses diárias.

139
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

Estes medicamentos não precisam ser tomados pelos


pacientes pelo resto de suas vidas; os pacientes são monitorados
cuidadosamente até que seus níveis pressóricos se estabilizem.
Quando não há flutuações durante um ano, os remédios são
interrompidos e os pacientes continuam desfrutando de boa
saúde.

Como a força do corpo e a força do sistema muscular


variam de paciente para paciente, o mesmo acontece com a
força dos músculos cardíacos. Sendo assim, existem pessoas
com músculos cardíacos fortes e competentes o suficiente para
suportar uma pressão elevada, o que pode ser considerado
normal para eles. A prescrição indiscriminada de medicamentos
sem uma análise cuidadosa da causa da pressão sanguínea, e as
possíveis consequências que podem resultar do uso dessas
drogas são mais anticientífico e prejudiciais à saúde.

140
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

NEOPLASMA BENIGNA DO FÍGADO

A neoplasia hepática benigna está relacionada com


tumores não-cancerígenos que podem ser tratados de forma
mais fácil com medicamentos homeopáticos, conforme abaixo
indicado:

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Chelidonium Majus • Carduus Marianus 30CH


12DH e Conium uma dose a cada 3 horas.
Maculatum 6CH •Hydrastis Canadensis
uma dose a cada 3 horas
alternadamente.
200CH
uma dose a cada dia alternado.

141
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

DOENÇAS DO FÍGADO (HEPATITES)


Hepatite A, Hepatite B, Hepatite C, Hepatite Viral Crónica, Hepatite induzida por Drogas e
Fungos, Doença Hepática Alcoólica e Não Alcoólica

Muitos agentes podem ser a causa da hepatite, como


vírus, drogas, agentes tóxicos, etc, mas a clinica As aparências
são quase idênticas para a hepatite A, a hepatite B, a hepatite C
e a hepatite viral crônica.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Chelidonium Majus • Myrica e e


6DH e Chelidonium Majus
• Carduus Marianus TM 6DH
uma dose a cada 3 horas
uma dose a cada 3 horas, alternadamente.
alternadamente.

• Durante todo o curso da • Nux Vomica 30CH


diariamente
doença, o Sulphur 30CH,
uma dose, pode ser administrado • Thuya Occidentalis
uma vez por semana como 30CH
medicamento intercorrente; isso duas doses diárias, ajuda a
pode ajudar a retornar eliminar a hepatite B ou a
rapidamente à vida normal. hepatite C.
• Thuya Occidentalis
30CH
duas doses diárias, ajuda a
eliminar a hepatite B ou a
hepatite C.

142
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

CIRROSE DO FÍGADO

A cirrose do fígado é uma doença muito grave e, de


acordo com o conhecimento médico atual, é geralmente
irreversível. É uma das principais causas de morte em todo o
mundo. É causada por disfunções celulares hepáticas.

PRIMEIRA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

LINHA
• Chelidonium • Chelidonium • Chelidonium
Majus 12DH e Majus 12DH e Majus 12DH e
Lycopodium Lycopodium Lycopodium
Clavatum 30CH Clavaturn 30CH Clavatum 30CH
uma dose a cada 3 horas uma dose a cada 3 horas uma dose a cada 3 horas
alternadamente, muitas alternadamente. alternadamente.
vezes melhora a condição
do fígado, com a ascite • Myrica TM • Myrica TM
reduzida muito lentamente. três doses diárias. três doses diárias.
• Se, durante o
tratamento com os
medicamentos, a ascite
ainda persistir, dê
ácido acético
30CH, três doses
diárias.

Este protocolo de tratamento também cura falhas


hepáticas. Enzimas do fígado lentamente voltam ao normal, e o
paciente lentamente volta à vida normal
143
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

COLELITÍASE

Todos os casos de vesícula biliar patológica não


requerem cirurgia. Eles podem ser tratados de forma muito
eficaz com medicamentos homeopáticos específicos. O
tratamento cirúrgico é necessário somente para aqueles casos
em que não há resposta ao tratamento homeopático oral e as
complicações se desenvolveram.

A composição eletrolítica da bílis da vesícula biliar


difere daquela da bile hepática, já que a maioria dos ânions,
cloretos e bicarbonatos inorgânicos foram removidos pela
reabsorção através da membrana basal. A bile hepática (fígado)
é um fluido isotônico pigmentado com uma composição
eletrolítica semelhante ao plasma sanguíneo.

Quando a vesícula biliar é operada, a bílis da vesícula


biliar é perdida e a digestão torna-se fraca, e alimentos
gordurosos, frituras, etc. são propensos a causar desconforto
quando tomadas após a operação da vesícula biliar. A
reabsorção de ânions, cloretos e bicarbonatos também não
ocorre, resultando em rompimento da função biliar.

144
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

A solubilidade do colesterol na bile depende da


concentração molar relativa de colesterol, ácidos biliares e
lecitina.

O mecanismo mais importante na formação de cálculos


é o aumento da secreção biliar de colesterol. Isto pode ocorrer
devido a muitas razões que não podem ser identificadas. Se, por
medicação oral, a secreção de colesterol for regulada, a
densidade da bile se normalizar, as pedras derretem e a doença
pode ser curada. Em alguns casos, mesmo se a doença é curada,
isto é, a bile se torna normal, as pedras não se fundem.

Pela ingestão de medicamentos homeopáticos, as


pedras se tornam silenciosas e fixas em um só lugar. Os
pacientes ficam sem sintomas pelo resto de suas vidas.

Os pacientes às vezes temem que o presença de pedras


na vesícula biliar por muito tempo possa causar câncer. Essa
ideia é totalmente errada; a causa do câncer ainda não é
conhecida.

145
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Carduus Marianus • Berberis Vulgaris • Carduus Marianus


TM TM 30CH
duas doses diárias. duas doses diárias. duas doses diárias.

• Lycopodium • Carduus Marianus • Cholesterinum


Clavatum 200CH uma 30CH 30CH
dose em dias alternados. duas doses diárias. duas doses diárias.

• Para dor, Belladonna


6CH e Carduus
Marianus TM,
uma dose a cada 1O minutos
alternadamente a ser
administrada.

146
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

DIVERTICULITE

A diverticulite é uma condição de difícil detecção e


requer radiologia ou diagnóstico endoscópico. Depois de ter
sido diagnosticado corretamente, os seguintes medicamentos
serão eficazes:
.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Staphysagria 30CH •Thuya Occidentalis


uma dose a cada três dias. 30CH
duas doses diárias.

• Lycopodium clavatum
30Ch + Plumbum
Metallicum 30Ch duas
doses diárias.

• Para hemorragia,
Ferrum Phosphoricum
12DH
uma dose a cada 15 minutos.

147
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

GASTRITIS E GASTROPATIA, DOENÇA DA ÚLCERA


PÉPTICA

A gastrite é uma condição relacionada à inflamação do


revestimento interno do estômago. O revestimento do estômago
contém células especiais que produzem ácido e enzimas que
ajudam a dissolver os alimentos para a digestão e o muco, que
protege o revestimento do estômago do ácido. Quando o
revestimento do estômago está inflamado, produz menos ácido,
enzimas e muco. Pode ser aguda e crônica.

Causas comuns dessas doenças são consumo excessivo


de álcool, o uso prolongado de alguns drogas como o ácido
acetilsalicílico (Aspirina), antiinflamatórios não esteroidais,
infecção estomacal por Helicobacter pylori, tabagismo, certas
doenças como anemia perniciosa, distúrbio autoimune, refluxo
da bile para o estômago (refluxo biliar), estresse mental e
tensão, secreção excessiva de ácido gástrico, ingestão de
substâncias cáusticas ou corrosivas, como veneno, etc. Essas
doenças também afligem aqueles que não alimentam
adequadamente e mantêm o estômago vazio por longos
períodos.

148
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

Úlcera péptica é uma ruptura na mucosa gástrica e


duodenal que surge quando a mucosa e os fatores defensivos
falham em sua função. As úlceras produzem sintomas como dor
epigástrica, principalmente relacionadas à ingestão de
alimentos, sensação de plenitude abdominal, vômitos e náuseas,
vômitos, azia, perda de apetite, perda de peso, etc.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Arsenicum Album • Natrum • Symphytum


6CH Phosphoricum 30CH Officinale TM
uma dose a cada 3 horas, ou duas doses diárias duas doses diárias.
para ser dado 15 minutos
antes de cada ingestão de
alimentos.

• Lycopodium
Clavatum 200CH
uma dose em dias alternados.

Em caso de vômitos com sangue, o Acalypha Indica


6CH, uma dose repetida a cada 3 horas, freqüentemente
interrompe o sangramento.

149
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

ÚLCERAS PÉPTICAS

É uma lesão no revestimento do estômago,


no duodeno ou, raramente, na parte final do esófago. Uma
úlcera no estômago denomina-se úlcera gástrica, enquanto que
uma no duodeno se denomina úlcera duodenal. Os sintomas
mais comuns são acordar de noite com dor na parte superior do
abdómen ou dor na parte superior do abdómen que melhora ao
comer. A dor é muitas vezes descrita como ardor ou dor ligeira
constante.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Arsenicum Album 6CH • Natrum • Symphytum


uma dose 15 minutos antes de Phosphoricum
cada
Officinalis TM
30CH três doses diárias; age
ingestão de alimentos, cinco a três doses diárias. melhor quando a
seis vezes por dia. sensibilidade epigástrica é
• Anacardium demais.
• Ferrum Phosphoricum Orientale 200CH
12DH uma dose em dias • Lycopodium
três doses diárias em caso de alternados Clavatum 200CH
sangramento. uma dose em cada dia
alternado
• Carbo Vegetabilis
200CH
uma dose a cada três dias, nos
casos de pacientes que tiveram
perda de sangue pelo vomito u
fezes

150
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

OSTEOPOROSE

A osteoporose é um fenômeno comum para as mulheres


em fase pós-menopausa. Também ocorre em muitas outras
condições.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Symphytum Officinale • Ruta Graveolens


200CH 200CH
duas doses diárias. duas doses diárias.

• Calcarea Phosphorica 12DH, Calcarea Fluorica


duas doses diárias. 12DH
duas doses diárias
• Hypericum Perforatum
200CH
uma dose a cada uma hora (SOS) para
dor, se houver.

151
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

OSTEOMIELITE

A osteomielite é uma infecção óssea geralmente


causada por lesões ósseas, fraturas expostas, procedimentos
cirúrgicos, etc. É curável pela administração de medicamentos
homeopáticos.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

Estágio Agudo • Ruta Graveolens Origem Tubercular

• Symphytum Officinale 200CH • Tuberculinum


duas doses diárias.
200CH e Calcarea Bacilinum 200CH
Phosphorica 12DH • Calcarea uma dose uma vez por
uma dose a cada 3 horas alternadamente. semana.
Sulphurica 12DH
Com secreção sinusal duas doses diárias. • Symphytum
• Psorinum 200CH, Officinale 200CH
Hypericum Perforatum 200CH uma dose uma vez por duas doses diárias.
+ Arsenicum Álbum 200CH semana.
duas doses diárias • Calcarea
Para infecções nos ossos
longos, como a tíbia, o phosphorica 12DH
fêmur, etc., deve-se duas doses diárias.
adicionar
• Mezereum 200CH,
uma dose diária.

152
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

PANCREATITE

A pancreatite aguda é um problema sério. Na maioria


dos casos, a etiologia é desconhecida; em muitos casos, há
calcificação dentro do ducto pancreático que causa cólica aguda
e, em alguns casos, icterícia obstrutiva pode resultar de um
cálculo que entra no ducto pancreático. Estes casos são tratados
com muito sucesso com os protocolos de tratamento.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Carduus Marianus TM e • Carduus Marianus TM


Chelidonium Majus 12DH duas doses diárias.
uma dose a cada 3 horas alternadamente, a
ser dado por 3 meses; então o caso deve
• Hydrastis Canadensis
ser revisado. TM duas doses diárias
Em caso de cólica aguda
• Cardus Marianus TM alternado
com Belladonna 6CH repetido a
cada 15 minutos, muitas vezes alivia a
dor.

• Pancreatinum 12DH
uma dose diária, também deve ser
administrado.

Administrar esses medicamentos por 3 meses, depois


reexaminar o caso.

153
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA / PROSTATITE

Prostatite geralmente afeta pessoas idosas (60 anos de


idade ou mais). O tratamento deve ser mantido por 3 meses; a
partir de então, deve-se reavaliar se a alteração do protocolo
deve ou não ser necessária.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Medorrhinum 200CH • Thuya Occidentalis • Conium Maculatum


uma dose a cada dia alternado. 30CH 1OOOCH
duas doses diárias. uma dose a cada 10 dias.
• Cantharis 200CH duas
doses diárias. • Salsaparrilha • Cantharis 200CH
Officinalis 30CH duas duas doses diárias.
• Sabal Serrulata 6DH doses diárias.
uma dose diária.

154
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

OMBRO CONGELADO (CAPSULITE ADESIVA)

Ombro congelado é uma condição que é difícil de curar


por qualquer terapia. Analgésicos e fisioterapia padrão são
geralmente paliativos, na melhor das hipóteses, e injeções intra-
articulares de esteroides podem proporcionar alívio temporário
ao paciente.

Esse problema geralmente leva de 2 a 3 meses para ser


permanentemente curado.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA


• Para o lado direito: • Symphytum • Symphytum
Cuprum Metallicum Officinalis 200CH Officinalis 200CH
200CH duas doses diárias. duas doses diárias.
duas doses diárias.
• Hypericum • Rhus
• Para o lado esquerdo: Perforatum 200CH Toxicodendron
Luesinum 200CH duas doses diárias. 30CH
duas doses diariamente e duas doses diárias.
Hypericum
Perforatum 200CH
duas doses diárias.

155
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

EPICONDILITE LATERAL / EPICONDILITE MÉDIA

Ambas as condições são semelhantes, exceto no que diz


respeito à posição da dor nos cotovelos. Estas condições são
geralmente atribuídas a lesões, mas, em muitos casos, as causas
são desconhecidas.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Symphytum • Rhus • Ruta Graveolens


Officinalis 200CH Toxicodendroµ 200CH
duas doses diárias. 30CH duas doses diárias.
duas doses diárias.
• Calcarea Phosphorica • Hypericum
12DH • Calcarea Perforatum 200CH
duas doses diárias. Phosphorica 12DH duas doses diárias.
duas doses diárias.

156
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO (SLE)

O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma doença


autoimune inflamatória caracterizado por autoanticorpos contra
antígenos nucleares. Isso pode afetar múltiplos sistemas
orgânicos, ocorrendo predominantemente em mulheres jovens.
As pessoas com lúpus produzem anticorpos que atacam os
tecidos do próprio corpo. O lúpus tem o potencial de afetar uma
variedade de áreas. Manifestações comuns podem incluir
artralgias e artrite; erupção cutânea; pleurite ou pericardite,
comprometimento renal ou do SNC; e citopenias
hematológicas. A razão exata para a autoimunidade anormal
que causa o lúpus não é conhecida. Genes herdados, vírus, luz
ultravioleta e certos medicamentos podem desempenhar algum
papel.

157
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Thuja Occidentalis • Lachesis Mutus • Thuja Occidentalis


30CH 200CH 30CH
duas doses diárias. uma dose em dias alternados, duas doses diárias.
para aquicardia e Também é
• Hypericum dado o protocolo na primeira • Symphytum
Perforatum 200CH + linha de medicamentos.
Officinalis 200CH
Arsenicum Álbum • Kali Muriaticum duas doses diárias.
200CH 12DH e Ferrum • Kalmia Latifolia
quatro doses diárias, em
caso de ulceração na ponta
Phosphoricum 12DH 6CH
dos dedos, ou dor aguda. duas doses diárias, duas doses diárias.
para pacientes com
• Rhus
anemia.
Toxicodendron
30CH • Thuja Occidentalis
duas doses diárias, para dor 30CH
nas articulações; pode ser uma dose diária durante todo
repetido a cada 3 horas em o tratamento.
caso de dor articular aguda.

158
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

INCONTINÊNCIA URINÁRIA

A incontinência urinária é uma condição


potencialmente embaraçosa e pode afetar seriamente a
qualidade de vida de um indivíduo. Condições médicas
subjacentes, como problemas prostáticos em homens e a
flacidez do fluxo pélvico em mulheres, são as causas mais
comuns. Os nossos medicamentos provaram ser eficazes no
tratamento de homens e mulheres

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Cantharis 200CH • Medorrhinum • Causticum 200CH


duas doses diárias. 200CH uma dose a cada dia
uma dose diária. alternado
• Sabal Serrulata 6CH
duas doses diárias. • Hyoscyamus Niger
200CH
• Conium Maculatum uma dose a cada três dias
200CH Uma
dose a cada 7 dias.

OUTRO INDICAÇÃO

• GELSEMIUM 30CH +
EQUISETUM 30 CH
Tomar 01 dose diaria

159
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

TRAUMAS

É geralmente aceito que os traumas mentais podem ser


a causa oculta de muitas doenças crônicas. Às vezes, um
paciente pode indicar que o início do problema ou doença é
seguido por trauma mental. Nesses casos, os medicamentos
referidos a seguir cuidam de muitas doenças que podem ser o
resultado do trauma - tanto imediato quanto no passado.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA


• lgnatia Amara 200CH • Aconitum Napellus 200CH
duas doses diárias. duas doses por dia, a administrar
conforme necessário.
• Coffea Cruda 200CH
duas doses diárias, até alívio

160
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

DOENÇA DE ALZHEIMER

A doença de Alzheimer é hoje uma das mais sérias


preocupações em todo o mundo, pois foi previsto que ela
afetaria uma em cada 85 pessoas até o ano 2050. Os sintomas
iniciais mais comuns dessa doença são o envelhecimento
precoce e a falta de memória para eventos recentes. Confusão,
irritabilidade, agressividade, alterações de humor, deterioração
da linguagem ou quebras de linguagem e perdas de memória. A
longo prazo resulta em perda das funções do corpo. O
tratamento homeopático beneficia muito os pacientes,
interrompendo efetivamente a disseminação da doença.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TE RCEIRA LINHA

• Heleborus niger 30CH • lachesis mutus 200CH • Hydrocyanic acid


Uma dose em dias alternados 30CH
Duas dose diárias.
. Hyoscyamus niger 6CH Uma dose duas ou três vezes
Duas doses diárias ao dia

161
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

PARALISIA CEREBRAL

A paralisia cerebral abrange um grande grupo de


condições que causam incapacidade física no desenvolvimento
humano. A paralisia cerebral é frequentemente acompanhada
por retardo mental; geralmente essa condição é não progressiva
e não contagiosa. A fisioterapia adequada vem demosntrando
bons resultados.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Aethusa • Baryta Carbonica • Lachesis Mutus


Cynapium 200CH, 200CH 200CH
uma dose a cada três dias. uma dose a cada três dias. uma dose em dias alternados.

• Calcarea • Calcarea • Calcarea


Phosphorica 12DH, Phosphorica 12DH Phosphorica 12DH
duas doses diárias. duas doses diárias. duas doses diárias.
Continue a medicação por
6 meses e depois analise o No caso de convulsões
progresso. associar

• Cuprum Metallicum
6CH
duas doses diárias, deve ser
adicionado a qualquer um
dos protocolos.

162
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

PARALISIA

Existem muitas doenças que causam paralisia no


sistema humano. Principais causas são:

• Acidente vascular cerebral (AVC), devido a um aumento


súbito da pressão arterial elevada.
• lesão de ocupação do espaço (SOL), ou tumor na medula
espinhal.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA


Para AVC: Para TME:
• Rhus Toxicodendron 30CH e Arnica Montana 6CH, Se a resposta adequada não
uma dose a cada 3 horas alternadamente. for vista em 3 meses com a
primeira linha de
• Aconitum Napellus 12DH medicamentos, e a segunda
duas doses diárias, para controlar e estabilizar a pressão arterial. ressonância magnética não
apresentar melhora
Em caso de qualquer problema cardíaco associado ao AVC, o
• Lachesis Mutus 200CH •Ruta Graveolens
Uma dose alternada diariamente 200CH e Calcarea
Em caso de hemorragia intracraniana Phosphorica 12DH
devem ser administrados, uma
• Hamamelis Virginiana 200CH + Amica Montana dose a cada 3 horas
6CH alternadamente.
uma dose a ser administrada a cada 3 horas.

Para Tumor na medula espinhal:


• Symphytum Oflicinalis200CH e Calcarea
Phosphorica 12DH
uma dose a cada 3 horas alternadamente, freqüentemente ajudam no
encolhimento do tumor, e a paralisia melhora lentamente.

163
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

DEPRESSÃO

A depressão é um estado de mau humor e aversão à


atividade. Pessoas deprimidas podem sentir-se tristes, ansiosas,
vazias, sem esperanças, indefesas, sem valor, culpadas,
irritáveis ou inquietas. Elas podem perder o interesse em
atividades que antes eram prazerosas, têm perda de apetite, ou
podem comer demais, problemas em se concentrar, lembrar
detalhes ou tomar decisões, e podem contemplar ou tentar o
suicídio. Insônia, acordar cedo, sono excessivo, fadiga, perda
de energia, dores, problemas digestivos dentre outros.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Aurum Metallicum • Lachesis Mutus • Hyoscyamus Níger


200CH 200CH 6CH
uma dose a cada três dias Uma dose a cada três dias Duas doses diárias.

• Coffea Cruda •Ignatia Amara • Conium


200CH 200CH Maculatum 6CH
Uma dose diária.
Duas doses diárias. Duas doses diárias.

164
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

DELÍRIOS

O delírio pode ocorrer em muitas condições de doença


onde há um estado febril ou uma percepção pseudo-sensorial.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Stramonium • Belladonna 6CH, • Helleborus Niger


200CH uma dose a cada 3 horas. 30CH
uma dose a cada 3 horas.
uma dose a cada três dias. • Passiflora
• Hyoscamus Niger Incarnara TM
6CH (10 gotas) duas doses
diárias.
uma dose a cada 3 horas.

165
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

DEMÊNCIA

Degeneração anormal do cérebro não relacionada ao


envelhecimento, que encontra reflexo nos sintomas da
demência, é consideravelmente melhorada pelo tratamento
referido a seguir:

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Anacardium • Aurum Metallicum • Ácido Cianídrico


Orientale 200CH 200CH 30CH
uma dose a cada três dias. uma dose a cada três dias. duas doses diárias.
• Helleborus Níger • Kali Phosphoricum • Aconitum napellus
30CH 12DH 6DH
duas doses diárias. duas doses diárias.
(3 gotas), duas doses
diárias.

166
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

EPILEPSIA

Se um paciente estiver sob tratamento médico


convencional, os medicamentos prescritos devem ser retirados
muito lentamente. Os protocolos abaixo indicados devem ser
seguidos durante pelo menos seis meses, com vista a
compreender o efeito.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA

• Lachesis Mutus 200CH • Cicuta Virosa 200CH


uma dose a cada três dias. uma dose a cada três dias.

• Cuprum Metallicum • Cuprum Metallicum


6CH 6CH
duas doses diárias. duas doses diárias.

• Passiflora Incarnata TM,


uma dose
(1O gotas) diariamente.

167
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

MAL DE PARKINSON

A doença de Parkinson (DP) é uma perturbação


degenerativa crónica do sistema nervoso central que afeta
principalmente a coordenação motora. Os sintomas vão-se
manifestando de forma lenta e gradual ao longo do tempo. Na
fase inicial da doença, os sintomas mais óbvios
são tremores, rigidez, lentidão de movimentos e dificuldade em
caminhar. Podem também ocorrer problemas de raciocínio e
comportamentais. Nos estádios avançados da doença é comum
a presença de demência.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA


• Gelsemium Sempervi • Lachesis Mutus • zinco Metallicum
rens 200CH 200CH 200CH
duas doses diárias. uma dose em dias alternados. duas doses diárias.
• Rhus Toxicodendron • Kali Phosphoricum • Ácido Cianídrico
30CH 12DH 30CH
duas doses diárias. duas doses diárias. duas doses diárias.
• Cuprum Metallicum
200CH
duas doses diárias.

168
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

EXPOSIÇÃO A RADIAÇÃO

Os pacientes que se submetem ou concluíram a


radioterapia obtêm alívio considerável de seus vários efeitos
colaterais - como alterações na pele, fadiga, diarréia, náusea,
etc. - depois de tomar os medicamentos prescritos abaixo.

PRIMEIRA LINHA SEGUNDA LINHA TERCEIRA LINHA

• Ruta Graveolens 6CH • Fluoricum Acidum • Raio X 200CH


e Nux Vomica 30CH, 200CH uma dose a cada dia
uma dose a cada 3 horas uma dose a cada três dias. alternado.
alternadamente.

169
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁGICAS

BANERJI, P.; BANERJI, P. The Banerji Protocols: A new of


Tratment with Homeopathic Medicines. [s.l.] PBHRF, 2014. v.
1

CAIRO, N. Guia de medicina homeopática. Teixeira. 24. ed.


[s.l.] 2016.

CAPRA, F. Ponto de Mutação, O. [s.l.] editora Cultrix, 1998.

DEMARQUE, D. Homeopatia: medicina de base


experimental. Homeopatia. 2.ed ed. Ribeirão Preto: Museu de
Homeopatia Abrahão Brickmann, 2002.

F.BARITS. Instituto Flávia Barits. Disponível em:


<www.flaviabarits.com.br>. Acesso em: 10 set. 2018.

HAHNEMANN, S. Doenças cronicas. In: GEHSP Benoit


Mure. [s.l: s

HAHNEMANN, S. Organon da arte de curar . 6.ed Ribeirão


Preto: Museu de Homeopatia Abrahão Brickmann, 2002.

HORVILLEUR, A. Vade-mécum da prescrição em


homeopatia.: Andrei. [s.l: s.n.]. p. 653.

LUZ, M. T. A arte de curar versus A ciência das doenças:


História social da homeopatia no Brasil. [s.l: s.n.].
170
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

TÉTAU, M. As diáteses homeopáticas. Andrei. [s.l: s.n.].

TÉTAU, M. Hahnemann muito além da genialidade.

171
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

INDICE REMISSIVO

ABSCESSO DA MAMA .................................................... 126

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (AVC)................. 133

ACNE VULGARIS / ROSACEA ......................................... 67

ALOPÉCIA........................................................................... 73

APENDICITIS - AGUTA E CRÔNICA ............................ 131

ARTRITE (GOTA) ............................................................... 96

ARTRITE REUMATÓIDE .................................................. 97

AUMENTAR O APETITE ................................................... 42

AUTISMO ............................................................................ 45
AZIA E QUEIMAÇÃO ........................................................ 51

BRONQUITE / CRISE ASMÁTICA ................................... 58

CÁLCULO RENAL ........................................................... 101

CAXUMBA .......................................................................... 81

CIRROSE DO FÍGADO ..................................................... 143

CISTITE ............................................................................. 116

COLELITÍASE ................................................................... 144


CÓLICAS DE BEBE ............................................................ 40
172
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

COLITE ...............................................................................114

CONJUNTIVITE...................................................................77

CONTROLAR NÍVEIS DE ÁCIDO ÚRICO ........................97

CRIANÇAS COM DIFICULDADES DE


DESENVOLVIMENTO ........................................................41

DACRIOCISTITES ...............................................................78

DELÍRIOS ...........................................................................165

DEMÊNCIA ........................................................................166

DENGUE ...............................................................................92

DEPRESSÃO ......................................................................164

DERMATITE ATÓPICA (ECZEMA) ..................................63

DIABETS ............................................................................111

DIARREIA ............................................................................46

DISMENORREIA ...............................................................120

DISTÚRBIOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS .....................95

DISTÚRBIOS OCASIONADOS PELO CALOR .................90

DIVERTICULITE ...............................................................147

DOENÇA DE ALZHEIMER ..............................................161

DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO (GERD)


...............................................................................................49

173
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

DOENÇAS DO FÍGADO (HEPATITES) .......................... 142

DOENÇAS DO RIM ............................................................ 98

DOENÇAS GASTROINTESTINAIS: DISPEPSIA, NÁUSEA


E VÔMITO ........................................................................... 50

DOR FACIAL (NEVRALGIA) ............................................ 85

ENDOMETRIOSE ............................................................. 122

ENJOO DE VIAGEM......................................................... 104

ENXAQUECA E DOR DE CABEÇA.................................. 83

EPICONDILITE LATERAL / EPICONDILITE MÉDIA .. 156

EPILEPSIA ......................................................................... 167

ERISIPELA ........................................................................ 135

EXPOSIÇÃO A RADIAÇÃO ............................................ 169

FARINGITE ......................................................................... 82

FEBRES DE ORIGEM DESCONHECIDA (FUO).............. 37

FERIDAS DO LEITO (DECUBITUS ULCERS) ................. 74

FIBROADENOMA DE MAMA ........................................ 125

FISSURA ANAL .................................................................. 87

GASTRITIS E GASTROPATIA, DOENÇA DA ÚLCERA


PÉPTICA ............................................................................ 148

GIARDÍASE ......................................................................... 53

174
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

GRIPE H1N1 .........................................................................93

GRIPE ...................................................................................55

HEMANGIOMA ...................................................................65

HEMORRAGIA UTERINA DISFUNCIONAL ..................122

HEMORRÓIDAS ..................................................................86

HERPES SIMPLES / ZOSTER .............................................69

HIPERCOLESTEROLEMIA (COLESTEROL ALTO) ......109

HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA / PROSTATITE


.............................................................................................154

HIPERTENSÃO ARTERIAL .............................................138

HIPOTIREOIDISMO ..........................................................110

INCONTINÊNCIA URINÁRIA .........................................159

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO (UTI) ......................117

INFERTILIDADE ...............................................................128

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA ...................................105

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA ...............................105

LABIRINTITE ....................................................................103

LINFEDEMA ......................................................................134

LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO (SLE) ...................157


MAL DE PARKINSON ......................................................168

175
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

MALÁRIA ............................................................................ 94

MENOPAUSA.................................................................... 127

MIOMAS UTERINOS ....................................................... 124

NEOPLASMA BENIGNA DO FÍGADO ........................... 141

OMBRO CONGELADO (CAPSULITE ADESIVA) ......... 155

OSTEOMIELITE................................................................ 152

OSTEOPOROSE ................................................................ 151

OTITE EXTERNA, OTITE MÉDIA .................................... 75

OTITES SEM INFECÇÃO (PISCINA) ................................ 76

PANCREATITE ................................................................. 153

PARALISIA CEREBRAL .................................................. 162

PARALISIA ....................................................................... 163

PARASITOSES .................................................................... 54

PERDA DE PESO E DESNUTRIÇÃO ................................ 43

PNEUMONIA ATIPICA / SINDROME RESPIRATORIA


AGUDA SEVERA (SARS) .................................................. 60

PÓLIPOS DOS COLONS E DO INTESTINO DELGADO . 52

PRISÃO DE VENTRE ......................................................... 48

PROLAPSO RETAL ............................................................ 88


PURPURA TROMBOCIOPÉNICA IDIOPÁTICA (ITP) .. 113

176
Doenças Agudas e Protocolos Homeopáticos

QUEIMADURAS ..................................................................91

RINITE ALÉRGICA .............................................................62

SARAMPO OU RUBEOLA .................................................68

SÍNDROME DA TENSÃO PREMENSTRUAL .................119

SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO (CTS) ....................132

SINUSITE ...........................................................................107

SOLUÇOS .............................................................................61

TONSILITE, ABSCESSO PERITONSILAR, TONSILITE


SEPTICA ...............................................................................79

TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E


HIPERATIVIDADE (TDAH) ...............................................44

TRANSTORNOS DE PIGMENTAÇÃO - VITILIGO,


MELANODERMA ................................................................66

TRANSTORNOS OCASIONADOS PELO FRIO ................89

TRAUMAS..........................................................................160

TROMBOSE .......................................................................136

TUBERCULOSE DOS OSSOS E DAS ARTICULAÇÕES


.............................................................................................130

TUBERCULOSE.................................................................129

ÚLCERAS PÉPTICAS ........................................................150

177
Instituto Flávia Barits – Práticas Integrativas e Complementares

ÚLCERAS VENOSAS (ÚLCERA DE ESTASE, ÚLCERA


VARICOSA)....................................................................... 137

URTICÀRIA: ALÉRGICA OU DE OUTRA FORMA ........ 64

VAGINITE ......................................................................... 117

VERRUGAS ......................................................................... 71

VIA AÉRA SUPERIOR HÚMIDA ...................................... 59

VIA AÉRA SUPERIOR SECA ............................................ 58

178
CAPÍTULO III
www.flaviabarits.com.br

Você também pode gostar