Você está na página 1de 480

Câmara Municipal de Aracaju/SE

Assistente Administrativo

Língua Portuguesa
Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto (literário e não literário, narrativo, descritivo
e argumentativo); ................................................................................................................................................................1
Interpretação e organização interna.................................................................................................................................7
Semântica: sentido e emprego dos vocábulos; campos semânticos; ...................................................................... 18
Emprego de tempos e modos dos verbos em português. Morfologia: reconhecimento, emprego e sentido das
classes gramaticais; processos de formação de palavras; ......................................................................................... 23
Mecanismos de flexão dos nomes e verbos. ................................................................................................................ 44
Sintaxe: frase, oração e período; termos da oração; processos de coordenação e subordinação; .................... 50
Concordância nominal e verbal; .................................................................................................................................... 62
Transitividade e regência de nomes e verbos; ............................................................................................................ 66
Padrões gerais de colocação pronominal no português; ........................................................................................... 70
Mecanismos de coesão textual. ....................................................................................................................................... 72
Ortografia............................................................................................................................................................................ 72
Acentuação gráfica. ........................................................................................................................................................... 79
Emprego do sinal indicativo de crase. .......................................................................................................................... 81
Pontuação. ......................................................................................................................................................................... 84
Reescrita de frases: substituição, deslocamento, paralelismo; ................................................................................ 89
Variação linguística: norma culta. ................................................................................................................................. 94

Raciocínio Lógico Matemático


Proposições, valor-verdade, negação, conjunção, disjunção, implicação, equivalência, proposições compostas.
Equivalências lógicas ...........................................................................................................................................................1
Problemas de raciocínio: deduzir informações de relações arbitrárias entre objetos, lugares, pessoas e/ou
eventos fictícios dados ..................................................................................................................................................... 16
Diagramas lógicos, tabelas e gráficos. Conjuntos e suas operações ......................................................................... 28
Números naturais, inteiros, racionais, reais e suas operações. Representação na reta ....................................... 40
Unidades de medida: distância, massa e tempo. Representação de pontos no plano cartesiano ....................... 49
Álgebra básica: equações, sistemas e problemas do primeiro grau ......................................................................... 51
Porcentagem e proporcionalidade direta e inversa .................................................................................................... 55
Sequências, reconhecimento de padrões, progressões aritmética e geométrica .................................................. 61
Juros ..................................................................................................................................................................................... 64
Geometria básica: distâncias e ângulos, polígonos, circunferência, perímetro e área. Semelhança e relações
métricas no triângulo retângulo. Medidas de comprimento, área, volume ............................................................ 67
Princípios de contagem e noção de probabilidade...................................................................................................... 92
Noções de Direito Administrativo
Princípios da Administração Pública (expressos e implícitos). ...................................................................................1
Da Administração Pública: direta e indireta....................................................................................................................5
Atos administrativos. ........................................................................................................................................................ 14
Contratos administrativos. .............................................................................................................................................. 23
Processo Administrativo. ................................................................................................................................................. 37
Agentes Públicos................................................................................................................................................................ 48
Lei Complementar Municipal de Aracaju nº 153/2016: Estatuto dos Servidores Públicos do Município de
Aracaju. ............................................................................................................................................................................... 51

Noções de Direito Constitucional


Direitos e garantias fundamentais. ..................................................................................................................................1
Organização do Estado: dos Municípios. ...................................................................................................................... 24
Da Administração Pública: disposições gerais. ........................................................................................................... 27
Regimento Interno da Câmara Municipal de Aracaju. ................................................................................................ 32

Noções de Informática
Componentes de um computador: processadores, memória e periféricos mais comuns; dispositivos de
armazenagem de dados; propriedades e características. .............................................................................................1
Arquivos digitais: documentos, planilhas, imagens, sons, vídeos; principais padrões e características. Arquivos
PDF. ...................................................................................................................................................................................... 21
Conhecimentos sobre sistema operacional Windows 10: conceitos gerais, principais utilitários, configurações.
.............................................................................................................................................................................................. 23
Editores de texto: funções de editoração básicas. Corretores ortográficos. Manipulação de arquivos: leitura e
gravação; controle de alterações; uso de senhas para proteção. Formatos para gravação. Impressão. ........... 33
Planilhas: funções básicas de formatação; utilização de funções matemáticas, de busca, e outras de uso geral;
criação e manipulação de fórmulas; Gráficos mais comuns. Manipulação de arquivos: leitura e gravação.
Recursos para impressão. Importação e exportação de dados. Proteção de dados e planilhas.......................... 51
Internet: conceitos gerais e funcionamento. Endereçamento de recursos. Navegação segura: cuidados no uso
da Internet; ameaças; uso de senhas e criptografia; tokens e outros dispositivos de segurança; senhas fracas e
fortes.................................................................................................................................................................................... 74
Navegadores (browsers) e suas principais funções. Sites e links; buscas; salva de páginas. Google Chrome.
Firefox. Internet Explorer. ............................................................................................................................................... 93
E-mail: utilização, caixas de entrada, endereços, cópias e outras funcionalidades. Webmail. Transferência de
arquivos e dados: upload, download, banda, velocidades de transmissão. ..........................................................108
Pacotes de escritório: MS OFFICE 2010 BR (ou superior) e Libre Office 4 (ou superior). .................................118

Noções Gerais de Administração


Habilidades e papé is do administrador............................................................................................................................1
Eficiê ncia, eficá cia e efetividade. .......................................................................................................................................4
Níveis organizacionais. ........................................................................................................................................................7
As funções administrativas - planejamento, organização, direção e controle...........................................................9
Organização: princípios de organização, tipos de estrutura organizacional, centralização e descentralização;
tipos de departamentalização. ........................................................................................................................................ 12
Controle: tipos de controle; controle por nível organizacional; ferramentas de controle. .................................. 20
AVISO IMPORTANTE
Aqui você vai saber tudo sobre o Conteúdo Extra Online

Para acessar o Conteúdo Extra Online (vídeoaulas, testes e dicas)


digite em seu navegador: www.apostilasopcao.com.br/extra

O Conteúdo Extra Online é apenas um material de apoio


complementar aos seus estudos.

O Conteúdo Extra Online não é elaborado de acordo com Edital


da sua Apostila.

O Conteúdo Extra Online foi tirado de diversas fontes da internet


e não foi revisado.

A Apostilas Opção não se responsabiliza pelo Conteúdo Extra


Online.
AVISO IMPORTANTE
A Apostilas Opção não está vinculada as organizadoras de
Concurso Público. A aquisição do material não garante sua inscrição
ou ingresso na carreira pública.

Sua Apostila aborda os tópicos do Edital de forma prática e


esquematizada.

Alterações e Retificações após a divulgação do Edital estarão


disponíveis em Nosso Site na Versão Digital.

Dúvidas sobre matérias podem ser enviadas através do site:


https://www.apostilasopcao.com.br/contatos.php, com retorno do
Professor no prazo de até 05 dias úteis.

PIRATARIA É CRIME: É proibida a reprodução total ou parcial desta


apostila, de acordo com o Artigo 184 do Código Penal.

Apostilas Opção, a Opção certa para a sua realização.


LÍNGUA PORTUGUESA
APOSTILAS OPÇÃO

pernilongo (perna + longa).


Se não houver alteração de pronúncia, já não se diz mais
aglutinação, mas justaposição. A palavra Pernalonga, por
exemplo, que designa uma personagem de desenhos
animados, não se formou por aglutinação, mas por
justaposição.
Em linguagem científica é muito comum restringir-se o
Elementos de construção do significado das palavras para dar precisão à comunicação.
texto e seu sentido: gênero do A palavra girassol, formada de gira (do verbo girar) + sol,
não pode ser usada para designar, por exemplo, um astro que
texto (literário e não literário, gira em torno do Sol: seu sentido sofreu restrição, e ela serve
narrativo, descritivo e para designar apenas um tipo de flor que tem a propriedade
argumentativo); de acompanhar o movimento do Sol.
Há certas palavras que, além do significado explícito,
contêm outros implícitos (ou pressupostos).
Os exemplos são muitos. É o caso do adjetivo outro, por
SENTIDO LITERAL E SENTIDO NÃO LITERAL exemplo, que indica certa pessoa ou coisa, pressupondo
necessariamente a existência de ao menos uma além daquela
Literal indicada.
Prova disso é que não faz sentido, para um escritor que
É o sentido da palavra interpretada ao pé da letra, isto é, de nunca lançou um livro, dizer que ele estará autografando seu
acordo com o sentido geral que ela tem na maioria dos outro livro. O uso de outro pressupõe necessariamente ao
contextos em que ocorre. É o sentido próprio da palavra. menos um livro além daquele que está sendo autografado.
Exemplo:
“Uma pedra no meio da rua foi a causa do acidente.” Questões
A palavra “pedra” aqui está usada em sentido literal.
01.
Não Literal A morte do narrador

É o sentido da palavra desviado do usual, isto é, aquele que Recentemente recebi um e-mail de uma leitora
se distancia do sentido próprio e costumeiro. Exemplo: perguntando a razão de eu ter, segundo ela, uma visão tão dura
para com os idosos. O motivo da sua pergunta era eu ter dito,
“As pedras atiradas pela boca ferem mais do que as atiradas em uma de minhas colunas, que hoje em dia não existiam mais
pela mão.” vovôs e vovós, porque estavam todos na academia querendo
“Pedras”, nesse contexto, não está indicando o que parecer com seus netos.
usualmente indica, mas um insulto, uma ofensa produzida pela Claro, minha leitora me entendeu mal. Mas o fato de ela ter
boca. me entendido mal, o que acontece com frequência quando se
discute o tema da velhice, é comum, principalmente porque o
Ampliação de Sentido próprio termo “velhice” já pede sinônimos politicamente
Fala-se em ampliação de sentido quando a palavra passa a corretos, como “terceira idade”, “melhor idade”, “maturidade”,
designar uma quantidade mais ampla de objetos ou noções do entre outros.
que originariamente. Uma característica do politicamente correto é que, quando
“Embarcar”, por exemplo, que originariamente era usada ele se manifesta num uso linguístico específico, é porque esse
para designar o ato de viajar em um barco, ampliou uso se refere a um conceito já considerado como algo ruim. A
consideravelmente o sentido e passou a designar a ação de marca essencial do politicamente correto é a hipocrisia
viajar em outros veículos. Hoje se diz, por ampliação de articulada como gesto falso, ideias bem comportadas.
sentido, que um passageiro: Voltando à velhice. Minha leitora entendeu que eu dizia
- Embarcou num ter. que idosos devem se afundar na doença, na solidão e no
- Embarcou no ônibus das dez. abandono, e não procurar ser felizes. Mas, quando eu dizia que
- Embarcou no avião da força aérea. eles estão fugindo da condição de avós, usava isso como
- Embarcou num transatlântico. metáfora da mentira (politicamente correta) quanto ao medo
que temos de afundar na doença, antes de tudo psicológica,
“Alpinista”, na origem, era usado para indicar aquele que devido ao abandono e à solidão, típicos do mundo
escala os Alpes (cadeia montanhosa europeia). Depois, por contemporâneo. Minha crítica era à nossa cultura, e não às
ampliação de sentido, passou a designar qualquer tipo de vítimas dela. Ela cultua a juventude como padrão de vida e está
praticante do esporte de escalar montanhas. intimamente associada ao medo do envelhecimento, da dor e
da morte. Sua opção é pela “negação”, traço de um dos
Restrição de Sentido sintomas neuróticos descritos por Freud.
Ao lado da ampliação de sentido, existe o movimento Walter Benjamim, filósofo alemão do século XX, dizia que
inverso, isto é, uma palavra passa a designar uma quantidade na modernidade o narrador da vida desapareceu. Isso quer
mais restrita de objetos ou noções do que originariamente. É o dizer que as pessoas encarregadas, antigamente, de narrar a
caso, por exemplo, das palavras que saem da língua geral e vida e propor sentido para ela perderam esse lugar. Hoje os
passam a ser usadas com sentido determinado, dentro de um mais velhos querem “aprender” com os mais jovens (aprender
universo restrito do conhecimento. a amar, se relacionar, comprar, vestir, viajar, estar nas redes
A palavra aglutinação, por exemplo, na nomenclatura sociais). Esse fenômeno, além de cruel com o envelhecimento,
gramatical, é bom exemplo de especialização de sentido. Na é também desorganizador da própria juventude. Ouço
língua geral, ela significa qualquer junção de elementos para cotidianamente, na sala de aula, os alunos demonstrarem seu
formar um todo, porém em Gramática designa apenas um tipo desprezo por pais e mães que querem aprender a viver com
de formação de palavras por composição em que a junção dos eles.
elementos acarreta alteração de pronúncia, como é o caso de Alguns elementos do mundo moderno não ajudam a

Língua Portuguesa 1
APOSTILAS OPÇÃO

combater essa desvalorização dos mais velhos. As ferramentas Assinale a alternativa em que a expressão destacada é
de informação, normalmente mais acessíveis aos jovens, empregada em sentido figurado.
aumentam a percepção negativa dos mais velhos diante do (A) ... universidades que fazem pesquisa tendem a reunir a
acúmulo de conhecimento posto a serviço dos consumidores, nata dos especialistas...
que questionam as “verdades constituídas do passado”. A (B) Os dados do Ranking Universitário publicados em
própria estrutura sobre a qual se funda a experiência moderna setembro de 2013...
– ciência, técnica, superação de tradição – agrava a (C) Não é preciso ser um gênio da aritmética para perceber
invisibilidade dos mais velhos. Em termos humanos, o passado que o país não dispõe de recursos...
(que “nada” serve ao mundo do progresso) tem um nome: (D) ... das 20 universidades mais bem avaliadas em termos
idoso. Enfim, resta aos vovôs e vovós ir para a academia ou de ensino...
para as redes sociais. (E) ... todas as despesas que contribuem direta e
(Luiz Felipe Pondé, Somma, agosto 2014) indiretamente para a boa pesquisa...

O termo empregado com sentido figurado está em 03. Leia o texto para responder à questão.
destaque na seguinte passagem do texto:
(A) Mas o fato de ela ter me entendido mal, o que acontece Um pé de milho
com frequência quando se discute o tema da velhice…
(segundo parágrafo). Aconteceu que no meu quintal, em um monte de terra
(B) O motivo da sua pergunta era eu ter dito, em uma de trazido pelo jardineiro, nasceu alguma coisa que podia ser um
minhas colunas, que hoje em dia não existiam mais vovôs e pé de capim – mas descobri que era um pé de milho.
vovós… (primeiro parágrafo). Transplantei-o para o exíguo canteiro na frente da casa.
(C) Walter Benjamim, filósofo alemão do século XX, dizia Secaram as pequenas folhas, pensei que fosse morrer. Mas ele
que na modernidade o narrador da vida desapareceu. reagiu. Quando estava do tamanho de um palmo, veio um
(penúltimo parágrafo). amigo e declarou desdenhosamente que na verdade aquilo era
(D) A própria estrutura sobre a qual se funda a experiência capim. Quando estava com dois palmos veio outro amigo e
moderna – ciência, técnica, superação de tradição – agrava a afirmou que era cana.
invisibilidade dos mais velhos. (último parágrafo). Sou um ignorante, um pobre homem da cidade. Mas eu
(E) Minha leitora entendeu que eu dizia que idosos devem tinha razão. Ele cresceu, está com dois metros, lança as suas
se afundar na doença, na solidão e no abandono… (quarto folhas além do muro – e é um esplêndido pé de milho. Já viu o
parágrafo). leitor um pé de milho? Eu nunca tinha visto. Tinha visto
centenas de milharais – mas é diferente. Um pé de milho
02. sozinho, em um canteiro, espremido, junto do portão, numa
Ficção universitária esquina de rua – não é um número numa lavoura, é um ser vivo
e independente. Suas raízes roxas se agarra no chão e suas
Os dados do Ranking Universitário publicados em folhas longas e verdes nunca estão imóveis.
setembro de 2013 trazem elementos para que tentemos Anteontem aconteceu o que era inevitável, mas que nos
desfazer o mito, que consta da Constituição, de que pesquisa e encantou como se fosse inesperado: meu pé de milho pendoou.
ensino são indissociáveis. É claro que universidades que fazem Há muitas flores belas no mundo, e a flor do meu pé de milho
pesquisa tendem a reunir a nata dos especialistas, produzir não será a mais linda. Mas aquele pendão firme, vertical,
mais inovação e atrair os alunos mais qualificados, tornando- beijado pelo vento do mar, veio enriquecer nosso canteirinho
se assim instituições que se destacam também no ensino. vulgar com uma força e uma alegria que fazem bem. É alguma
O Ranking Universitário mostra essa correlação de forma coisa de vivo que se afirma com ímpeto e certeza. Meu pé de
cristalina: das 20 universidades mais bem avaliadas em milho é um belo gesto da terra. E eu não sou mais um medíocre
termos de ensino, 15 lideram no quesito pesquisa (e as demais homem que vive atrás de uma chata máquina de escrever: sou
estão relativamente bem posicionadas). Das 20 que saem à um rico lavrador da Rua Júlio de Castilhos.
frente em inovação, 15 encabeçam também a pesquisa. Daí não
decorre que só quem pesquisa, atividade estupidamente cara, (Rubem Braga. 200 crônicas escolhidas, 2001)
seja capaz de ensinar.
O gasto médio anual por aluno numa das três Assinale a alternativa em que, nas duas passagens, há
universidades estaduais paulistas, aí embutidas todas as termos empregados em sentido figurado.
despesas que contribuem direta e indiretamente para a boa (A) ... beijado pelo vento do mar... (3º §) / Meu pé de milho
pesquisa, incluindo inativos e aportes de Fapesp, CNPq e é um belo gesto da terra. (3º §)
Capes, é de R$ 46 mil (dados de 2008). Ora, um aluno do (B) Mas ele reagiu. (1º §) / ... na verdade aquilo era capim.
ProUni custa ao governo algo em torno de R$ 1.000 por ano em (1º §)
renúncias fiscais. (C) Secaram as pequenas folhas... (1º §) / Sou um
Não é preciso ser um gênio da aritmética para perceber ignorante... (2º §)
que o país não dispõe de recursos para colocar os quase sete (D) Ele cresceu, está com dois metros... (2º §) / Tinha visto
milhões de universitários em instituições com o padrão de centenas de milharais... (2º §)
investimento das estaduais paulistas. E o Brasil precisa (E) ... lança as suas folhas além do muro... (2º §) / Há muitas
aumentar rapidamente sua população universitária. Nossa flores belas no mundo... (3º §)
taxa bruta de escolarização no nível superior beira os 30%,
contra 59% do Chile e 63% do Uruguai. 04. Assinale a opção em que NÃO há palavra usada em
Isso para não mencionar países desenvolvidos como EUA sentido conotativo.
(89%) e Finlândia (92%). Em vez de insistir na ficção (A) Tuas atitudes são o espelho do teu caráter.
constitucional de que todas as universidades do país precisam (B) Regras podem ser estabelecidas para uma convivência
dedicar-se à pesquisa, faria mais sentido aceitar o mundo pacífica.
como ele é e distinguir entre instituições de elite voltadas para (C) Pipocavam palavras no texto, como se fossem rabiscos
a produção de conhecimento e as que se destinam a difundi-lo. coloridos do próprio pensamento
O Brasil tem necessidade de ambas. (D) Choviam risadas naquela peça de humor.
(E) A sabedoria abre as portas do conhecimento.
(Hélio Schwartsman. http://www1.folha.uol.com.br, 10.09.2013.)

Língua Portuguesa 2
APOSTILAS OPÇÃO

05. - por isso, não existe uma ocorrência que possa ser
considerada cronologicamente anterior a outra do ponto de
vista do relato (no nível dos acontecimentos, entrar na escola
é cronologicamente anterior a retirar-se dela; no nível do
relato, porém, a ordem dessas duas ocorrências é indiferente:
o que o escritor quer é explicitar uma característica do menino,
e não traçar a cronologia de suas ações);
- ainda que se fale de ações (como entrava, retirava-se),
todas elas estão no pretérito imperfeito, que indica
concomitância em relação a um marco temporal instalado no
texto (no caso, o ano de 1840, em que o escritor frequentava a
escola da Rua da Costa) e, portanto, não denota nenhuma
transformação de estado;
- se invertêssemos a sequência dos enunciados, não
correríamos o risco de alterar nenhuma relação
cronológica - poderíamos mesmo colocar o último período em
primeiro lugar e ler o texto do fim para o começo: O mestre era
mais severo com ele do que conosco. Entrava na escola depois
Sobre a tirinha, de uma maneira geral, analise as do pai e retirava-se antes...
afirmações.
I. A linguagem do texto da tirinha é absolutamente formal. Estrutura
II. A palavra “Garfield”, no segundo quadrinho, aparece
isolada por vírgula por se tratar de um vocativo. Introdução: Primeiramente é feita a identificação do ser
III. O humor da tirinha se constrói com base, ou objeto que será descrito, de modo a que o leitor foque sua
essencialmente, na linguagem não verbal, já que as bruscas atenção nesse ser ou objeto.
alterações nas feições de Garfield levam à estranheza do leitor. Desenvolvimento: Ocorre então a descrição do objeto ou
ser em foco, apresentando seus aspectos mais gerais e mais
Está correto o que se afirma em: pormenorizados, havendo caracterizações mais objetivas e
(A) I, somente. outras mais subjetivas.
(B) II, somente. Conclusão: A descrição está concluída quando a
(C) III, somente. caracterização do objeto ou ser estiver terminada.
(D) I e III, somente.
(E) II e III, somente. Características

Respostas O texto descritivo não se encontra limitado por noções


01.D / 02.A / 03.A / 04.B / 05.B temporais ou relações espaciais, visto descrever algo estático,
sem ordem fixa para a realização da descrição. Há uma notória
Texto Descritivo predominância de substantivos, adjetivos e locuções adjetivas,
em detrimento de verbos, sendo maioritariamente necessária
É a representação com palavras de um objeto, lugar, a utilização de verbos de estado, como ser, estar, parecer,
situação ou coisa, onde procuramos mostrar os traços mais permanecer, ficar, continuar, tornar-se, andar...
particulares ou individuais do que se descreve. É qualquer O uso de uma linguagem clara e dinâmica, com vocabulário
elemento que seja apreendido pelos sentidos e transformado, rico e variado, bem como o uso de enumerações e
com palavras, em imagens. comparações, ou outras figuras de linguagem, servem para
Não é, por norma, um tipo de texto autônomo, melhor apresentar o objeto ou ser em descrição, enriquecendo
encontrando-se presente em outros textos, como o texto o texto e tornando-o mais interessante para o leitor.
narrativo. Passagens descritivas ocorrem no meio da narração A descrição pode ser mais objetiva, focalizando aspectos
quando há uma pausa no desenrolar dos acontecimentos para físicos, ou mais subjetiva, focalizando aspectos emocionais e
caracterizar pormenorizadamente um objeto, um lugar ou psicológicos. Nas melhores descrições, há um equilíbrio entre
uma pessoa, sendo um recurso útil e importante para capturar os dois tipos de descrição, sendo o objeto ou ser descrito
a atenção do leitor. apresentado nas suas diversas vertentes.
Na descrição de pessoas, há a descrição de aspectos físicos,
Exemplo: ou seja, aquilo que pode ser observado e a descrição de
Chamava-se Raimundo este pequeno, e era mole, aplicado, aspectos psicológicos e comportamentais, como o caráter,
inteligência tarda. Raimundo gastava duas horas em reter personalidade, humor…, apreendidos pelo convívio com a
aquilo que a outros levava apenas trinta ou cinquenta minutos; pessoa e pela observação de suas atitudes. Na descrição de
vencia com o tempo o que não podia fazer logo com o cérebro. lugares ocorre tanto a descrição de aspectos físicos, como a
Reunia a isso grande medo ao pai. Era uma criança fina, pálida, descrição do ambiente social, econômico, político... Na
cara doente; raramente estava alegre. Entrava na escola depois descrição de objetos, embora predomine a descrição de
do pai e retirava-se antes. O mestre era mais severo com ele do aspectos físicos, pode ocorrer uma descrição sensorial, que
que conosco. estimule os sentidos do leitor.
(Machado de Assis. "Conto de escola". Contos. 3ed. São Paulo, Ática, 1974)
A descrição, ao contrário da narrativa, não supõe ação. É
Esse texto traça o perfil de Raimundo, o filho do professor uma estrutura pictórica, em que os aspectos sensoriais
da escola que o escritor frequentava. predominam. Porque toda técnica descritiva implica
Deve-se notar: contemplação e apreensão de algo objetivo ou subjetivo, o
- que todas as frases expõem ocorrências simultâneas (ao redator, ao descrever, precisa possuir certo grau de
mesmo tempo que gastava duas horas para reter aquilo que os sensibilidade. Assim como o pintor capta o mundo exterior ou
outros levavam trinta ou cinquenta minutos, Raimundo tinha interior em suas telas, o autor de uma descrição focaliza cenas
grande medo ao pai); ou imagens, conforme o permita sua sensibilidade.

Língua Portuguesa 3
APOSTILAS OPÇÃO

Texto Narrativo heterocaracterização) ou de modo indireto (feita com base nas


atitudes e comportamento das personagens).
O texto narrativo é caracterizado por narrar uma história,
ou seja, contar uma história através de uma sequência de As personagens possuem diferentes importâncias na
várias ações reais ou imaginárias. Essa sucessão de narração, havendo personagens principais e personagens
acontecimentos é contada por um narrador e está estruturada secundárias. As personagens principais desempenham papéis
em introdução, desenvolvimento e conclusão.1 essenciais no enredo, podendo ser protagonistas (que deseja,
Ao longo dessa estrutura narrativa são apresentados os tenta, consegue) ou antagonistas (que dificulta, atrapalha,
principais elementos da narração: espaço, tempo, impede). As personagens secundárias desempenham papéis
personagem, enredo e narrador. menores e podem ser coadjuvantes (ajudam as personagens
Todas as vezes que uma história é contada (é narrada), o principais em ações secundárias) ou figurantes (ajudam na
narrador acaba sempre contando onde, quando, como e com caracterização de um espaço social).
quem ocorreu o episódio. É por isso que numa narração Podem ser dinâmicas, apresentando diferentes
predomina a ação: o texto narrativo é um conjunto de ações; comportamentos ao longo da narração (personagem
assim sendo, a maioria dos verbos que compõem esse tipo de modelada ou redonda), bem como estáticas, não se
texto são os verbos de ação. O conjunto de ações que compõem modificando no decorrer da ação (personagem plana). Há
o texto narrativo, ou seja, a história que é contada nesse tipo ainda personagens que representam um grupo específico
de texto recebe o nome de enredo. (personagem-tipo).
As ações contidas no texto narrativo são praticadas pelas
personagens, que são justamente as pessoas envolvidas no Enredo: Também chamado de intriga, trama ou ação, o
episódio que está sendo contado. As personagens são enredo é composto pelos acontecimentos que ocorrem num
identificadas (nomeadas) no texto narrativo pelos determinado tempo e espaço e são vivenciados pelas
substantivos próprios. personagens. As ações seguem-se umas às outras por
Quando o narrador conta um episódio, às vezes (mesmo encadeamento, encaixe e alternância.
sem querer) ele acaba contando "onde" (em que lugar) as
ações do enredo foram realizadas pelas personagens. O lugar Existem ações principais e ações secundárias, mediante a
onde ocorre uma ação ou ações é chamado de espaço, importância que apresentam na narração. Além disso, o
representado no texto pelos advérbios de lugar. enredo pode estar fechado, estando definido e conhecido o
Além de contar onde, o narrador também pode esclarecer final da história, ou aberto, não havendo um final definitivo e
"quando" ocorreram as ações da história. Esse elemento da conhecido para a narrativa.
narrativa é o tempo, representado no texto narrativo através
dos tempos verbais, mas principalmente pelos advérbios de Narrador: O narrador é o responsável pela narração, ou
tempo. É o tempo que ordena as ações no texto narrativo: é ele seja, é quem conta a história. Existem vários tipos de narrador:
que indica ao leitor "como" o fato narrado aconteceu. Narrador onisciente e onipresente: Conhece
A história contada, por isso, passa por uma introdução intimamente as personagens e a totalidade do enredo, de
(parte inicial da história, também chamada de prólogo), pelo forma pormenorizada. Utiliza maioritariamente a narração na
desenvolvimento do enredo (é a história propriamente dita, 3.ª pessoa, mas pode narrar na 1.ª pessoa, em discurso indireto
o meio, o "miolo" da narrativa, também chamada de trama) e livre, tendo sua voz confundida com a voz das personagens, tal
termina com a conclusão da história (é o final ou epílogo). é o seu conhecimento e intimidade com a narrativa.
Aquele que conta a história é o narrador, que pode ser Narrador personagem, participante ou presente: Conta
pessoal (narra em 1ª pessoa: Eu) ou impessoal (narra em 3ª a história na 1.ª pessoa, do ponto de vista da personagem que
pessoa: Ele). é. Apenas conhece seus próprios pensamentos e as ações que
Assim, o texto narrativo é sempre estruturado por verbos se vão desenrolando, nas quais também participa. Tem
de ação, por advérbios de tempo, por advérbios de lugar e conhecimentos limitados sobre as restantes personagens e
pelos substantivos que nomeiam as personagens, que são os sobre a totalidade do enredo. Este tipo de narração é mais
agentes do texto, ou seja, aquelas pessoas que fazem as ações subjetivo, transmitindo o ponto de vista e as emoções do
expressas pelos verbos, formando uma rede: a própria história narrador.
contada. Narrador observador, não participante ou ausente:
Tudo na narrativa depende do narrador, da voz que conta Limita-se a contar a história, sem se envolver nela. Embora
a história. tenha conhecimento das ações, não conhece o íntimo das
personagens, mantendo uma narrativa imparcial e objetiva.
Principais elementos da narrativa Utiliza a narração na 3.ª pessoa.
Os principais elementos da narrativa, também chamados Nos textos narrativos, é através da voz do narrador que
de elementos da narração, são: conhecemos o desenrolar da história e as ações das
Espaço: O espaço se refere ao local onde se desenrola a personagens, mas é através da voz das personagens que
ação. Pode ser físico (no colégio, no Brasil, na praça,…), social conhecemos as suas ideias, opiniões e sentimentos. A forma
(características do ambiente social) e psicológico (vivências, como a voz das personagens é introduzida na voz do narrador
pensamento e sentimentos do sujeito,…). é chamada de discurso.
Tempo: O tempo se refere à duração da ação e ao
desenrolar dos acontecimentos. O tempo cronológico indica a Através de uma correta utilização dos tipos de discurso, a
sucessão cronológica dos fatos, pelas horas, dias, anos,… O narrativa poderá assumir um caráter mais ou menos dinâmico,
tempo psicológico se refere às lembranças e vivências das mais ou menos natural, mais ou menos interessante, mais ou
personagens, sendo subjetivo e influenciado pelo estado de menos objetivo,… Existem três tipos de discurso, ou seja, três
espírito das personagens em cada momento. formas de introdução das falas das personagens na narrativa:
Personagens: São caracterizadas através de qualidades - O discurso direto é caracterizado por ser uma
físicas e psicológicas, podendo essa caracterização ser feita de transcrição exata da fala das personagens, sem participação do
modo direto (explicitada pelo narrador ou por outras narrador.
personagens, através de autocaracterização ou

1 https://www.normaculta.com.br/texto-narrativo/

Língua Portuguesa 4
APOSTILAS OPÇÃO

- O discurso indireto é caracterizado por ser uma Observador: é como se dissesse: É verdade, pode
intervenção do narrador no discurso ao utilizar as suas acreditar, eu estava lá e vi. Exemplo:
próprias palavras para reproduzir as falas das personagens.
- O discurso indireto livre é caracterizado por permitir “Batia nos noventa anos o corpo magro, mas sempre teso do
que os acontecimentos sejam narrados em simultâneo, Jango Jorge, um que foi capitão duma maloca de contrabandista
estando as falas das personagens direta e integralmente que fez cancha nos banhados do Brocai.
inseridas dentro do discurso do narrador. Esse gaúcho desamotinado levou a existência inteira a
cruzar os campos da fronteira; à luz do Sol, no desmaiado da
Exemplo - Personagens Lua, na escuridão das noites, na cerração das madrugadas...;
ainda que chovesse reiúnos acolherados ou que ventasse como
"Aboletado na varanda, lendo Graciliano Ramos, O Dr. por alma de padre, nunca errou vau, nunca perdeu atalho, nunca
Amâncio não viu a mulher chegar. desandou cruzada! ...
- Não quer que se carpa o quintal, moço? (...)
Estava um caco: mal vestida, cheirando a fumaça, a face Aqui há poucos - coitado! - pousei no arranchamento dele.
escalavrada. Mas os olhos... (sempre guardam alguma coisa do Casado ou doutro jeito, afamilhado. Não nos víamos desde muito
passado, os olhos)." tempo. (...)
(Kiefer, Charles. A dentadura postiça. Porto Alegre: Mercado Aberto) Fiquei verdeando, à espera, e fui dando um ajutório na
matança dos leitões e no tiramento dos assados com couro.”
Exemplo - Espaço (J. Simões Lopes Neto – Contrabandista)

Considerarei longamente meu pequeno deserto, a - Em 3ª pessoa:


redondeza escura e uniforme dos seixos. Seria o leito seco de
algum rio. Não havia, em todo o caso, como negar-lhe a Onisciente: não há um eu que conta; é uma terceira
insipidez." pessoa. Exemplo:
(Linda, Ieda. As amazonas segundo tio Hermann. Porto Alegre: Movimento,
1981)
“Devia andar lá pelos cinco anos e meio quando a
fantasiaram de borboleta. Por isso não pôde defender-se. E saiu
Exemplo - Tempo
à rua com ar menos carnavalesco deste mundo, morrendo de
vergonha da malha de cetim, das asas e das antenas e, mais
“Sete da manhã. Honorato Madeira acorda e lembra-se: a
ainda, da cara à mostra, sem máscara piedosa para disfarçar o
mulher lhe pediu que a chamasse cedo."
(Veríssimo, Érico. Caminhos Cruzados)
sentimento impreciso de ridículo.”
(Ilka Laurito. Sal do Lírico)

Estrutura:
Narrador Objetivo: não se envolve, conta a história como
- Apresentação: é a parte do texto em que são
sendo vista por uma câmara ou filmadora.
apresentados alguns personagens e expostas algumas
circunstâncias da história, como o momento e o lugar onde a
Sequência Narrativa
ação se desenvolverá.
Uma narrativa não tem uma única mudança, mas várias:
- Complicação: é a parte do texto em que se inicia
uma coordena-se a outra, uma implica a outra, uma
propriamente a ação. Encadeados, os episódios se sucedem,
subordina-se a outra. A narrativa típica tem quatro mudanças
conduzindo ao clímax.
de situação:
- Clímax: é o ponto da narrativa em que a ação atinge seu
- uma em que uma personagem passa a ter um querer ou
momento crítico, tornando o desfecho inevitável.
um dever (um desejo ou uma necessidade de fazer algo);
- Desfecho: é a solução do conflito produzido pelas ações
- uma em que ela adquire um saber ou um poder (uma
dos personagens.
competência para fazer algo);
- uma em que a personagem executa aquilo que queria ou
Tipos de Personagens:
devia fazer (é a mudança principal da narrativa);
Os personagens têm muita importância na construção de
- uma em que se constata que uma transformação se deu e
um texto narrativo, são elementos vitais. Podem ser
em que se podem atribuir prêmios ou castigos às personagens
principais ou secundários, conforme o papel que
(geralmente os prêmios são para os bons, e os castigos, para os
desempenham no enredo, podem ser apresentados direta ou
maus).
indiretamente.
A apresentação direta acontece quando o personagem
Toda narrativa tem essas quatro mudanças, pois elas se
aparece de forma clara no texto, retratando suas
pressupõem logicamente. Com efeito, quando se constata a
características físicas e/ou psicológicas, já a apresentação
realização de uma mudança é porque ela se verificou, e ela
indireta se dá quando os personagens aparecem aos poucos e
efetua-se porque quem a realiza pode, sabe, quer ou deve
o leitor vai construindo a sua imagem com o desenrolar do
fazê-la.
enredo, ou seja, a partir de suas ações, do que ela vai fazendo e
Tomemos, por exemplo, o ato de comprar um
do modo como vai fazendo.
apartamento: quando se assina a escritura, realiza-se o ato de
compra; para isso, é necessário poder (ter dinheiro) e querer
- Em 1ª pessoa:
ou dever comprar (respectivamente, querer deixar de pagar
aluguel ou ter necessidade de mudar, por ter sido despejado,
Personagem Principal: há um “eu” participante que conta
por exemplo).
a história e é o protagonista. Exemplo:
Algumas mudanças são necessárias para que outras se
deem. Assim, para apanhar uma fruta, é necessário apanhar
“Parei na varanda, ia tonto, atordoado, as pernas bambas, o
um bambu ou outro instrumento para derrubá-la. Para ter um
coração parecendo querer sair-me pela boca fora. Não me
carro, é preciso antes conseguir o dinheiro.
atrevia a descer à chácara, e passar ao quintal vizinho. Comecei
a andar de um lado para outro, estacando para amparar-me, e
Narrativa e Narração
andava outra vez e estacava.”
(Machado de Assis. Dom Casmurro)
Existe alguma diferença entre as duas? Sim. A
narratividade é um componente narrativo que pode existir

Língua Portuguesa 5
APOSTILAS OPÇÃO

em textos que não são narrações. A narrativa é a Introdução


transformação de situações. Por exemplo, quando se diz Em que se apresenta o assunto; se apresenta a ideia
“Depois da abolição, incentivou-se a imigração de europeus”, principal, sem, no entanto, antecipar seu desenvolvimento.
temos um texto dissertativo, que, no entanto, apresenta um Tipos:
componente narrativo, pois contém uma mudança de situação:
do não incentivo ao incentivo da imigração europeia. - Divisão: quando há dois ou mais termos a serem
Se a narrativa está presente em quase todos os tipos de discutidos. Ex.: “Cada criatura humana traz duas almas
texto, o que é narração? consigo: uma que olha de dentro para fora, outra que olha de
A narração é um tipo de narrativa. Tem ela três fora para dentro...”
características: - Alusão Histórica: um fato passado que se relaciona a um
- é um conjunto de transformações de situação; fato presente. Ex.: “A crise econômica que teve início no
- é um texto figurativo, isto é, opera com personagens e começo dos anos 80, com os conhecidos altos índices de
fatos concretos; inflação que a década colecionou, agravou vários dos
- as mudanças relatadas estão organizadas de maneira tal históricos problemas sociais do país. Entre eles, a violência,
que, entre elas, existe sempre uma relação de anterioridade e principalmente a urbana, cuja escalada tem sido facilmente
posterioridade. identificada pela população brasileira.”
- Proposição: o autor explicita seus objetivos.
Essa relação de anterioridade e posterioridade é sempre - Convite: proposta ao leitor para que participe de alguma
pertinente num texto narrativo, mesmo que a sequência linear coisa apresentada no texto. Ex.: Você quer estar “na sua”? Quer
da temporalidade apareça alterada. Assim, por exemplo, no se sentir seguro, ter o sucesso pretendido? Não entre pelo
romance machadiano Memórias póstumas de Brás Cubas, cano! Faça parte desse time de vencedores desde a escolha
quando o narrador começa contando sua morte para em desse momento!
seguida relatar sua vida, a sequência temporal foi modificada. - Contestação: contestar uma ideia ou uma situação. Ex.:
No entanto, o leitor reconstitui, ao longo da leitura, as relações “É importante que o cidadão saiba que portar arma de fogo não
de anterioridade e de posterioridade. é a solução no combate à insegurança.”
- Características: caracterização de espaços ou aspectos.
Texto Dissertativo - Estatísticas: apresentação de dados estatísticos. Ex.: “Em
1982, eram 15,8 milhões os domicílios brasileiros com
O texto dissertativo tem-se a intenção de explicar, provar, televisores. Hoje, são 34 milhões (o sexto maior parque de
analisar, expor ideias e/ou discutir determinado assunto.2 aparelhos receptores instalados do mundo). Ao todo, existem
Na dissertação, o escritor geralmente defende uma tese ou no país 257 emissoras (aquelas capazes de gerar programas)
expõe uma série de fatos e ideias que levam a uma constatação. e 2.624 repetidoras (que apenas retransmitem sinais
O texto dissertativo é impessoal e utiliza-se de estruturas recebidos). (...)”
lógicas para se sustentar. Existem duas subdivisões na - Declaração Inicial: emitir um conceito sobre um fato.
tipologia dissertativa: a dissertação expositiva (exposição) e a - Citação: opinião de alguém de destaque sobre o assunto
dissertação argumentativa (argumentação). do texto. Ex.: “A principal característica do déspota encontra-
se no fato de ser ele o autor único e exclusivo das normas e das
Características regras que definem a vida familiar, isto é, o espaço privado. Seu
- ao contrário do texto narrativo e do descritivo, ele é poder, escreve Aristóteles, é arbitrário, pois decorre
temático; exclusivamente de sua vontade, de seu prazer e de suas
- como o texto narrativo, ele mostra mudanças de situação; necessidades.”
- ao contrário do texto narrativo, nele as relações de - Definição: desenvolve-se pela explicação dos termos que
anterioridade e de posterioridade dos enunciados não têm compõem o texto.
maior importância - o que importa são suas relações lógicas: - Interrogação: questionamento. Ex.: “Volta e meia se faz a
analogia, pertinência, causalidade, coexistência, pergunta de praxe: afinal de contas, todo esse entusiasmo pelo
correspondência, implicação, etc. futebol não é uma prova de alienação?”
- a estética e a gramática são comuns a todos os tipos de - Suspense: alguma informação que faça aumentar a
redação. Já a estrutura, o conteúdo e a estilística possuem curiosidade do leitor.
características próprias a cada tipo de texto. - Comparação: social e geográfica.
- Enumeração: enumerar as informações. Ex.: “Ação à
Dissertação Expositiva e Argumentativa distância, velocidade, comunicação, linha de montagem,
A dissertação expositiva é voltada para aqueles fatos que triunfo das massas, holocausto: através das metáforas e das
estão sendo focados e discutidos pela grande mídia. É um tipo realidades que marcaram esses 100 últimos anos, aparece a
de acontecimento inquestionável, mesmo porque todos os verdadeira doença do século...”
detalhes já foram expostos na televisão, rádio e novas mídias. - Narração: narrar um fato.
Já o texto dissertativo argumentativo vai fazer uma
reflexão maior sobre os temas. Os pontos de vista devem ser Deve conter a ideia principal a ser desenvolvida
declarados em terceira pessoa, há interações entre os fatos que (geralmente um ou dois parágrafos). É a abertura do texto, por
se aborda. Tais fatos precisam ser esclarecidos para que o isso é fundamental. Deve ser clara e chamar a atenção para
leitor se sinta convencido por tal escrita. Quem escreve uma dois itens básicos: os objetivos do texto e o plano do
dissertação argumentativa deve saber persuadir a partir de desenvolvimento. Contém a proposição do tema, seus limites,
sua crítica de determinado assunto. A linguagem jamais ângulo de análise e a hipótese ou a tese a ser defendida.
poderá deixar de ser objetiva, com fatos reais, evidências e
concretudes. Desenvolvimento
É a argumentação da ideia inicial, de forma organizada e
São partes da dissertação: Introdução / progressiva. É a parte maior e mais importante do texto.
Desenvolvimento / Conclusão. Podem ser desenvolvidas de várias formas:

2 https://segredosdeconcurso.com.br/tipologia-textual/

Língua Portuguesa 6
APOSTILAS OPÇÃO

- Trajetória Histórica: cultura geral é o que se prova com prisão é hipócrita, afirmando que retira o indivíduo infrator da
este tipo de abordagem. sociedade com a intenção de ressocializá-lo, segregando-o,
- Definição: não basta citar, mas é preciso desdobrar a para depois reintegrá-lo. Com a redução da menoridade penal,
ideia principal ao máximo, esclarecendo o conceito ou a o nosso sistema penitenciário entrará em colapso.
definição. Cerca de 85% dos menores em conflito com a lei praticam
- Comparação: estabelecer analogias, confrontar situações delitos contra o patrimônio ou por atuarem no tráfico de
distintas. drogas, e somente 15% estão internados por atentarem contra
- Bilateralidade: quando o tema proposto apresenta a vida. Afirmar que os adolescentes não são punidos ou
pontos favoráveis e desfavoráveis. responsabilizados é permitir que a mentira, tantas vezes dita,
- Ilustração Narrativa ou Descritiva: narrar um fato ou transforme-se em verdade, pois não é o ECA que provoca a
descrever uma cena. impunidade, mas a falta de ação do Estado. Ao contrário do que
- Cifras e Dados Estatísticos: citar cifras e dados muitos pensam, hoje em dia os adolescentes infratores são
estatísticos. punidos com muito mais rigor do que os adultos.
- Hipótese: antecipa uma previsão, apontando para Apresentar propostas legislativas visando à redução da
prováveis resultados. menoridade penal com a modificação do disposto no artigo
- Interrogação: toda sucessão de interrogações deve 228 da Constituição Federal constitui uma grande falácia, pois
apresentar questionamento e reflexão. o artigo 60, § 4º, inciso IV de nossa Carta Magna não admite
- Refutação: questiona-se praticamente tudo: conceitos, que sejam objeto de deliberação de emenda à Constituição os
valores, juízos. direitos e garantias individuais, pois se trata de cláusula
- Causa e Consequência: estruturar o texto através dos pétrea.
porquês de uma determinada situação. A prevenção à criminalidade está diretamente associada à
- Oposição: abordar um assunto de forma dialética. existência de políticas sociais básicas e não à repressão, pois
- Exemplificação: dar exemplos. não é a severidade da pena que previne a criminalidade, mas
sim a certeza de sua aplicação e sua capacidade de inclusão
Exposição de elementos que vão fundamentar a ideia social.
principal que pode vir especificada através da argumentação, Dalio Zippin Filho é advogado criminalista. 10/06/2013
Texto publicado na edição impressa de 10 de junho de 2013
de pormenores, da ilustração, da causa e da consequência, das
definições, dos dados estatísticos, da ordenação cronológica,
É bom lembrarmos que é praticamente impossível opinar
da interrogação e da citação. No desenvolvimento são usados
sobre o que não se conhece. A leitura de bons textos é um dos
tantos parágrafos quantos forem necessários para a completa
recursos que permite uma segurança maior no momento de
exposição da ideia.
dissertar sobre algum assunto. Debater e pesquisar são
atitudes que favorecem o senso crítico, essencial no
Conclusão
desenvolvimento de um texto dissertativo.
É uma avaliação final do assunto, um fechamento
integrado de tudo que se argumentou. Para ela convergem
Ainda temos:
todas as ideias anteriormente desenvolvidas.
Tema: compreende o assunto proposto para discussão, o
- Conclusão Fechada: recupera a ideia da tese.
assunto que vai ser abordado.
Título: palavra ou expressão que sintetiza o conteúdo
- Conclusão Aberta: levanta uma hipótese, projeta um
discutido.
pensamento ou faz uma proposta, incentivando a reflexão de
Argumentação: é um conjunto de procedimentos
quem lê.
linguísticos com os quais a pessoa que escreve sustenta suas
opiniões, de forma a torná-las aceitáveis pelo leitor. É fornecer
É a retomada da ideia principal, que agora deve aparecer
argumentos, ou seja, razões a favor ou contra uma
de forma muito mais convincente, uma vez que já foi
determinada tese.
fundamentada durante o desenvolvimento da dissertação (um
parágrafo). Deve, pois, conter de forma sintética, o objetivo
Pontos Essenciais
proposto na instrução, a confirmação da hipótese ou da tese,
- toda dissertação é uma demonstração, daí a necessidade
acrescida da argumentação básica empregada no
de pleno domínio do assunto e habilidade de argumentação;
desenvolvimento.
- em consequência disso, impõem-se à fidelidade ao tema;
- a coerência é tida como regra de ouro da dissertação;
Exemplo:
- impõem-se sempre o raciocínio lógico;
- a linguagem deve ser objetiva, denotativa; qualquer
Redução da maioridade penal, grande falácia
ambiguidade pode ser um ponto vulnerável na demonstração
do que se quer expor. Deve ser clara, precisa, natural, original,
O advogado criminalista Dalio Zippin Filho explica por que
nobre, correta gramaticalmente. O discurso deve ser
é contrário à mudança na maioridade penal.
impessoal (evitar-se o uso da primeira pessoa).
Diuturnamente o Brasil é abalado com a notícia de que um
crime bárbaro foi praticado por um adolescente, penalmente
irresponsável nos termos do que dispõe os artigos 27 do CP,
104 do ECA e 228 da CF. A sociedade clama por maior Interpretação e
segurança. Pede pela redução da maioridade penal, mas logo organização interna.
descobrirá que a criminalidade continuará a existir, e haverá
mais discussão, para reduzir para 14 ou 12 anos. Analisando a
legislação de 57 países, constatou-se que apenas 17% adotam INTERPRETAÇÃO DE TEXTO
idade menor de 18 anos como definição legal de adulto.
Se aceitarmos punir os adolescentes da mesma forma A leitura é o meio mais importante para chegarmos ao
como fazemos com os adultos, estamos admitindo que eles conhecimento, portanto, precisamos aprender a ler e não
devem pagar pela ineficácia do Estado, que não cumpriu a lei e apenas “passar os olhos sobre algum texto”. Ler, na verdade, é
não lhes deu a proteção constitucional que é seu direito. A dar sentido à vida e ao mundo, é dominar a riqueza de

Língua Portuguesa 7
APOSTILAS OPÇÃO

qualquer texto, seja literário, informativo, persuasivo, entender aquilo que está sendo lido. O analfabetismo funcional
narrativo, possibilidades que se misturam e as tornam está relacionado com a dificuldade de decifrar as entrelinhas
infinitas. É preciso, para uma boa leitura, exercitar-se na arte do código, pois a leitura mecânica é bem diferente da leitura
de pensar, de captar ideias, de investigar as palavras… Para interpretativa, aquela que fazemos ao estabelecer analogias e
isso, devemos entender, primeiro, algumas definições criar inferências. Para que você não sofra mais com a análise
importantes: de textos, elaboramos algumas dicas para você seguir e tirar
suas dúvidas.
Texto Uma interpretação de texto competente depende de
O texto (do latim textum: tecido) é uma unidade básica de inúmeros fatores, mas nem por isso deixaremos de contemplar
organização e transmissão de ideias, conceitos e informações alguns que se fazem essenciais para esse exercício. Muitas
de modo geral. Em sentido amplo, uma escultura, um quadro, vezes, apressados, descuidamo-nos das minúcias presentes
um símbolo, um sinal de trânsito, uma foto, um filme, uma em um texto, achamos que apenas uma leitura já se faz
novela de televisão também são formas textuais. suficiente, o que não é verdade. Interpretar demanda paciência
e, por isso, sempre releia, pois uma segunda leitura pode
Interlocutor apresentar aspectos surpreendentes que não foram
É a pessoa a quem o texto se dirige. observados anteriormente. Para auxiliar na busca de sentidos
do texto, você pode também retirar dele os tópicos frasais
Texto-modelo presentes em cada parágrafo, isso certamente auxiliará na
“Não é preciso muito para sentir ciúme. Bastam três – você, apreensão do conteúdo exposto. Lembre-se de que os
uma pessoa amada e uma intrusa. Por isso todo mundo sente. parágrafos não estão organizados, pelo menos em um bom
Se sua amiga disser que não, está mentindo ou se enganando. texto, de maneira aleatória, se estão no lugar que estão, é
Quem agüenta ver o namorado conversando todo animado porque ali se fazem necessários, estabelecendo uma relação
com outra menina sem sentir uma pontinha de não-sei-o-quê? hierárquica do pensamento defendido, retomando ideias
(…) supracitadas ou apresentando novos conceitos.
É normal você querer o máximo de atenção do seu Para finalizar, concentre-se nas ideias que de fato foram
namorado, das suas amigas, dos seus pais. Eles são a parte explicitadas pelo autor: os textos argumentativos não
mais importante da sua vida.” costumam conceder espaço para divagações ou hipóteses,
(Revista Capricho) supostamente contidas nas entrelinhas. Devemos nos ater às
ideias do autor, isso não quer dizer que você precise ficar preso
Modelo de Perguntas na superfície do texto, mas é fundamental que não criemos, à
1) Considerando o texto-modelo, é possível identificar revelia do autor, suposições vagas e inespecíficas. Quem lê com
quem é o seu interlocutor preferencial? cuidado certamente incorre menos no risco de tornar-se um
Um leitor jovem. analfabeto funcional e ler com atenção é um exercício que deve
ser praticado à exaustão, assim como uma técnica, que fará de
2) Quais são as informações (explícitas ou não) que nós leitores proficientes e sagazes. Agora que você já conhece
permitem a você identificar o interlocutor preferencial do nossas dicas, desejamos a você uma boa leitura e bons estudos!
texto? Fonte: http://portugues.uol.com.br/redacao/dicas-para-uma-boa-
interpretacao-texto.html
Do contexto podemos extrair indícios do interlocutor
preferencial do texto: uma jovem adolescente, que pode ser
Questões
acometida pelo ciúme. Observa-se ainda , que a revista
Capricho tem como público-alvo preferencial: meninas
01. (Câmara de Mauá – SP - Procurador Legislativo -
adolescentes.
VUNESP/2019) Leia trecho da crônica de Luís Fernando
A linguagem informal típica dos adolescentes.
Veríssimo para responder às questão.
09 DICAS PARA MELHORAR A INTERPRETAÇÃO DE
Vá entender___________. que depois dos 7 a 1 o torcedor
TEXTOS
brasileiro, desencantado, passaria _______ badminton, balé
01) Ler todo o texto, procurando ter uma visão geral do
aquático ou outro esporte que não envolvesse bola ou
assunto;
qualquer coisa vagamente esférica. O desastre na Copa de
02) Se encontrar palavras desconhecidas, não interrompa
2014 não só _______ não éramos mais o país do futebol como
a leitura;
fomentaria nosso ódio pelo futebol. O futebol seria para nós
03) Ler, ler bem, ler profundamente, ou seja, ler o texto
como a História para Stephen Dedalus, aquele personagem do
pelo menos duas vezes;
James Joyce: um pesadelo do qual estaríamos tentando
04) Inferir;
acordar. Mas não. Assimilamos a derrota até com certa
05) Voltar ao texto tantas quantas vezes precisar;
resignação filosófica. Depois da derrota para o Uruguai em
06) Não permitir que prevaleçam suas ideias sobre as do
1950, correram boatos de suicídios em massa, de torcedores
autor;
ateando fogo _______ vestes, do Bigode engolindo formicida e do
07) Fragmentar o texto (parágrafos, partes) para melhor
Barbosa pedindo asilo numa embaixada estrangeira. Depois
compreensão;
dos 7 a 1 não houve nada parecido, nem boatos de coisa
08) Verificar, com atenção e cuidado, o enunciado de cada
parecida. Foi uma desilusão dolorida, não foi uma tragédia.
questão; (Luis Fernando Veríssimo [org. Adriana Falcão e Isabel Falcão], “O bum”.
09) O autor defende ideias e você deve percebê-las; Ironias do tempo, 2018. Adaptado.)
Fonte: http://portuguesemfoco.com/09-dicas-para-
melhorar-a-interpretacao-de-textos-em-provas/ As informações do texto permitem concluir que a hipótese
de que
Não saber interpretar corretamente um texto pode gerar (A) o torcedor brasileiro deixaria de exaltar suas tragédias
inúmeros problemas, afetando não só o desenvolvimento não foi levada a termo, uma vez que a sua resignação filosófica
profissional, mas também o desenvolvimento pessoal. O foi insuficiente para minimizar a derrota por 7 a 1 da Copa de
mundo moderno cobra de nós inúmeras competências, uma 2014.
delas é a proficiência na língua, e isso não se refere apenas a (B) o futebol deixaria de ser o esporte preferido do
uma boa comunicação verbal, mas também à capacidade de brasileiro começou a virar realidade, uma vez que outros

Língua Portuguesa 8
APOSTILAS OPÇÃO

esportes que não envolvem bola caíram no gosto dos 03. (Prefeitura de Caranaíba - MG - Auxiliar de
torcedores. Consultório Dentário - FCM/2019) A questão se refere ao
(C) o Brasil deixaria de ser o país do futebol virou texto a seguir.
realidade, uma vez que os torcedores encararam a derrota por
7 a 1 como uma verdadeira tragédia, tal como aquela para o Seu cachorro é um gênio – saiba o porquê
Uruguai em 1950.
(D) o brasileiro deixaria de gostar de futebol depois do Brian Hare, neurocientista especializado em cognição
desastre da Copa de 2014 não se concretizou, uma vez que os canina, e sua esposa, a cientista e jornalista Vanessa Woods,
torcedores aceitaram o sofrimento imposto pela derrota por 7 explicam como funciona a mente dos cães e contam por que
a 1 sem revoltas. eles podem ser mais inteligentes do que seus donos imaginam.
(E) a Copa de 2014 deixaria de incomodar rapidamente o Baseados em um conjunto de trabalhos sobre o assunto
torcedor brasileiro foi deixada de lado, uma vez que o espírito que apelidaram de caninognição – ou seja, a cognição dos cães
de sofrimento e tragédia de 1950 se instalou no país. –, os autores chegaram à conclusão de que o processo
evolutivo que transformou lobos em cachorros domésticos fez
02. (TRF - 3ª REGIÃO - Técnico Judiciário - FCC/2019) com que os animais adquirissem um novo tipo de inteligência
social.
1 Existe uma enfermidade moderna que afeta dois terços Essa inteligência teria tornado os cães muito semelhantes
dos adultos. Seus sintomas incluem falta de apetite, dificuldade a bebês humanos, em termos de comportamento e de
para controlar o peso, baixa imunidade, flutuações de humor, habilidades de comunicação – conquistando seus donos
entre outros. Essa enfermidade é a privação de sono crônica, definitivamente. De acordo com Brian Hare, depois dos seres
que vem crescendo na esteira de dispositivos que emitem luz humanos, os cachorros são os mamíferos mais bem-sucedidos
azul. do planeta, superando até mesmo os chipanzés, famosos por
2 Por milênios, a luz azul existiu apenas durante o dia. sua esperteza.
Velas e lenha produziam luz amarelo-avermelhada e não havia Disponível em: <https://veja.abril.com.br/ciencia/seu-cachorro-e-um-genio-
saiba-o-porque/> Acesso em: 13 ago. 2019. Adaptado.
iluminação artificial à noite. A luz do fogo não é problema
porque o cérebro interpreta a luz vermelha como sinal de que
Considerando-se a leitura do texto, é correto afirmar que
chegou a hora de dormir. Com a luz azul é diferente: ela
(A) cachorros e lobos se igualam em termos de
sinaliza a chegada da manhã.
comportamento e de habilidades.
3 Assim, um dos responsáveis pelo declínio da qualidade
(B) o estudo da mente dos cães prova a semelhança de
do sono nas duas últimas décadas é a luz azulada que emana
comportamento entre estes animais e os bebês humanos.
de aparelhos eletrônicos; mas um dano ainda maior acontece
(C) cachorros domésticos se tornaram bem-sucedidos em
quando estamos acordados, fazendo um malabarismo
inteligência graças a pesquisas de cognição canina.
obsessivo com computadores e smartphones.
(D) os cães conquistaram ainda mais seus donos porque
4 A maioria das pessoas passam de uma a quatro horas
estes descobriram a inteligência social desses animais.
diárias em seus dispositivos eletrônicos - e muitos gastam bem
mais que isso. Não é problema de uma minoria. Pesquisadores
04. (UFPE - Químico - COVEST-COPSET/2019)
nos aconselham a usar o celular por menos de uma hora
diariamente. Mas o uso excessivo do aparelho é tão
“Português é muito difícil”.
predominante que os pesquisadores cunharam o termo
“nomofobia" (uma abreviatura da expressão inglesa no-
Essa afirmação preconceituosa é prima-irmã da ideia de
mobile-phobiaj para descrever a fobia de ficar sem celular.
que “brasileiro não sabe português”. Como o nosso ensino da
5 O cérebro humano exibe diferentes padrões de atividade
língua sempre se baseou na norma gramatical literária de
para diferentes experiências. Um deles retrata reações
Portugal, as regras que aprendemos na escola, em boa parte,
cerebrais de um viciado em jogos eletrônicos.
não correspondem à língua que realmente falamos e
“Comportamentos viciantes ativam o centro de recompensa do
escrevemos no Brasil.
cérebro", afirma Claire Gillan, neurocientista que estuda
Por isso, achamos que “português é uma língua difícil”:
comportamentos obsessivos. “Contanto que a conduta
temos de fixar regras que não significam nada para nós. No dia
acarrete recompensa, o cérebro a tratará da mesma maneira
em que nosso ensino se concentrar no uso real, vivo e
que uma droga".
(Adaptado de: ALTER, Adam. Irresistível. São Paulo: Objetiva, edição digital) verdadeiro da língua portuguesa do Brasil, é bem provável que
ninguém continue a pensar assim. Todo falante nativo de uma
Considere as afirmações abaixo. língua sabe essa língua. Saber uma língua, na concepção
I. Critica-se no último parágrafo a dependência psicológica científica da linguística moderna, significa conhecer
do celular, chamada por especialistas de “nomofobia”, intuitivamente e empregar com facilidade e naturalidade as
característica de uma minoria que o utiliza de maneira regras básicas de seu funcionamento.
abusiva. Está provado e comprovado que uma criança, por volta dos
II. No texto, associa-se a perda da qualidade do sono ao uso 7 anos de idade, já domina perfeitamente as regras gramaticais
de dispositivos eletrônicos que emitem luz azul. de sua língua. O que ela não conhece são sutilezas e
III. O autor expressa sentimento de nostalgia ao enaltecer irregularidades no uso dessas regras, que só a leitura e o
uma época em que a maior parte da iluminação noturna estudo podem lhe dar. Nenhuma criança brasileira dessa idade
provinha de luzes amarelo-avermelhadas. vai dizer, por exemplo: “Uma meninos chegou aqui amanhã”.
(...)
Está correto o que consta APENAS de Se tantas pessoas inteligentes e cultas continuam achando
(A) II e III que “não sabem português” ou que “português é muito difícil”,
(B) I e II. é porque o uso da língua foi transformado numa ciência
(C) II. esotérica, numa doutrina cabalística que somente alguns
(D) I iluminados conseguem dominar completamente. (...)
(E) I e III. No fundo, a ideia de que “português é muito difícil” serve
como um dos instrumentos de manutenção do status quo das
classes sociais prestigiadas.
É lamentável que a imagem da língua tenha sido

Língua Portuguesa 9
APOSTILAS OPÇÃO

empobrecida e reduzida a uma nomenclatura confusa e a 1 colher (sobremesa) de canela em pó


exercícios descontextualizados, práticas que se revelam
irrelevantes para, de fato, levar alguém a se valer dos muitos Preparo
recursos que a língua oferece. Em uma panela ferva o leite, acrescente o arroz, a pitada de
Marcos Bagno. Preconceito linguístico. São Paulo: Parábola, 2015. p. 57-63. sal e mexa sem parar até cozinhar o arroz. Adicione o açúcar e
Adaptado.
deixe no fogo por mais 2 ou 3 minutos. Despeje em um recipiente,
polvilhe a canela. Sirva.
Avaliando as ideias expressas no Texto 2, é correto afirmar
Cozinha Clássica Baixo Colesterol, nº4. São Paulo, InCor,
que:
agosto de 1999,.
(A) são mostradas as consequências do problema, mas não
se discutem as causas que o provocam.
Toda receita culinária tem duas partes: lista dos
(B) faltam argumentos que sustentem outras
ingredientes e modo de preparar. As informações
possibilidades de contornar a realidade tratada.
apresentadas na primeira são retomadas na segunda. Nesta, os
(C) conforme a visão do Texto 2, a escola fica inteiramente
nomes mencionados pela primeira vez na lista de ingredientes
dispensada de ensinar a língua.
vêm precedidos de artigo definido, o qual exerce, entre outras
(D) os preconceitos que atingem o fenômeno da língua têm
funções, a de indicar que o termo determinado por ele se refere
repercussão socialmente danosa.
ao mesmo ser a que uma palavra idêntica já fizera menção.
(E) o uso real da língua portuguesa falada no Brasil
No nosso texto, por exemplo, quando se diz que se adiciona
constitui o referencial de estudo nas escolas.
o açúcar, o artigo relaciona ao açúcar citado na primeira parte.
Se dissesse apenas adicione açúcar, deveria adicionar mais
05. (IBGE - Agente Censitário Operacional - FGV/2019)
além do citado anteriormente, pois se trataria de outro açúcar,
diverso daquele citado no rol dos ingredientes.
Texto 1
Há dois tipos principais de mecanismos de coesão:
retomada ou antecipação de palavras, expressões ou
Uma propaganda sobre o aniversário de um programa de
frases e encadeamento de segmentos.
notícias diz o seguinte:
O maior programa brasileiro de notícias completa 40 anos
Retomada ou Antecipação por meio de uma palavra
A história de quatro décadas do programa registra os fatos
gramatical (pronome, verbos ou advérbios)
mais relevantes da história mundial, bem como as evoluções
tecnológicas e de tratamento de informação que vêm
“No mercado de trabalho brasileiro, ainda hoje não há total
transformando as comunicações em todo o mundo.
igualdade entre homens e mulheres: estas ainda ganham menos
do que aqueles em cargos equivalentes.”
Segundo o texto 1, o destaque de maior valor do programa
de notícias é:
Nesse período, o pronome demonstrativo “estas” retoma o
(A) a procura incessante pela verdade nas informações;
termo mulheres, enquanto “aqueles” recupera a palavra
(B) a durabilidade sempre atualizada do programa;
homens.
(C) a documentação histórica de fatos e evoluções;
(D) a transformação do programa através do tempo;
- Os termos que servem para retomar outros são
(E) as mudanças no tratamento das informações.
denominados anafóricos; os que servem para anunciar, para
antecipar outros são chamados catafóricos. No exemplo a
Gabarito
seguir, desta antecipa abandonar a faculdade no último ano:
1. D / 2. C / 3. B / 4. D / 5. C
“Já viu uma loucura desta, abandonar a faculdade no último
ano?”
COESÃO
- São anafóricos ou catafóricos os pronomes
Uma das propriedades que distinguem um texto de um demonstrativos, os pronomes relativos, certos advérbios ou
amontoado de frases é a relação existente entre os elementos locuções adverbiais (nesse momento, então, lá), o verbo fazer,
que os constituem. A coesão textual é a ligação entre palavras, o artigo definido, os pronomes pessoais de 3ª pessoa (ele, o, a,
expressões ou frases do texto. Ela manifesta-se por elementos os, as, lhe, lhes), os pronomes indefinidos. Exemplos:
gramaticais, que servem para estabelecer vínculos entre os
componentes do texto. Observe: - O pronome relativo “quem” retoma o substantivo mestre.
“Ele era muito diferente de seu mestre, a quem sucedera na
“O iraquiano leu sua declaração num bloquinho comum de cátedra de Sociologia na Universidade de São Paulo.”
anotações, que segurava na mão.”
- O pronome pessoal “elas” recupera o substantivo pessoas;
Nesse período, o pronome relativo “que” estabelece o pronome pessoal “o” retoma o nome Machado de Assis.
conexão entre as duas orações. “As pessoas simplificam Machado de Assis; elas o veem como
Se tivermos: “O iraquiano leu sua declaração num um descrente do amor e da amizade.”
bloquinho comum de anotações e segurava na mão, retomando
na segunda um dos termos da primeira: bloquinho. O pronome - O numeral “ambos” retoma a expressão os dois homens.
relativo é um elemento coesivo, e a conexão entre as duas “Os dois homens caminhavam pela calçada, ambos trajando
orações, um fenômeno de coesão. Leia o texto que segue: roupa escura.”

Arroz-doce da infância - O advérbio “lá” recupera a expressão ao cinema.


“Fui ao cinema domingo e, chegando lá, fiquei desanimado
Ingredientes com a fila.”
1 litro de leite desnatado
150g de arroz cru lavado - A forma verbal “fará” retoma a perífrase verbal vai
1 pitada de sal inaugurar e seu complemento.
4 colheres (sopa) de açúcar

Língua Portuguesa 10
APOSTILAS OPÇÃO

“O governador vai pessoalmente inaugurar a creche dos rosa está contido no de flor e o de flor contém o de rosa, pois
funcionários do palácio, e o fará para demonstrar seu apreço toda rosa é uma flor, mas nem toda flor é uma rosa. Flor é, pois,
aos servidores.” hiperônimo de rosa, e esta palavra é hipônimo daquela.
Antonomásia: é a substituição de um nome próprio por
- Em princípio, o termo a que “o” anafórico se refere deve um nome comum ou de um comum por um próprio. Ela ocorre,
estar presente no texto, senão a coesão fica comprometida, principalmente, quando uma pessoa célebre é designada por
como neste exemplo: uma característica notória ou quando o nome próprio de uma
“André é meu grande amigo. Começou a namorá-la há vários personagem famosa é usado para designar outras pessoas que
meses.” possuam a mesma característica que a distingue:

A rigor, não se pode dizer que o pronome “la” seja um “O rei do futebol (=Pelé) só podia ser um brasileiro.”
anafórico, pois não está retomando nenhuma das palavras “O herói de dois mundos (=Garibaldi) foi lembrado numa
citadas antes. Exatamente por isso, o sentido da frase fica recente minissérie de tevê.”
totalmente prejudicado: não há possibilidade de se *Referência ao fato notório de Giuseppe Garibaldi haver
depreender o sentido desse pronome. lutado pela liberdade na Europa e na América.
Pode ocorrer, no entanto, que o anafórico não se refira a
nenhuma palavra citada anteriormente no interior do texto, “Ele é um Hércules.” (=um homem muito forte).
mas que possa ser inferida por certos pressupostos típicos da *Referência à força física que caracteriza o herói grego
cultura em que se inscreve o texto. É o caso de um exemplo Hércules.
como este:
“O casamento teria sido às 20 horas. O noivo já estava “Um presidente da República tem uma agenda de trabalho
desesperado, porque eram 21 horas e ela não havia extremamente carregada. Deve receber ministros,
comparecido.” embaixadores, visitantes estrangeiros, parlamentares; precisa a
todo o momento tomar graves decisões que afetam a vida de
Por dados do contexto cultural, sabe-se que o pronome muitas pessoas; necessita acompanhar tudo o que acontece no
“ela” é um anafórico que só pode estar-se referindo à palavra Brasil e no mundo. Um presidente deve começar a trabalhar ao
noiva. Num casamento, estando presente o noivo, o desespero raiar do dia e terminar sua jornada altas horas da noite.”
só pode ser pelo atraso da noiva (representada por “ela” no
exemplo citado). A repetição do termo presidente estabelece a coesão entre
o último período e o que vem antes dele.
- O artigo indefinido (um, uma, uns, umas) serve
geralmente para introduzir informações novas ao texto. “Observava as estrelas, os planetas, os satélites. Os astros
Quando elas forem retomadas, deverão ser precedidas do sempre o atraíram.”
artigo definido (o, a, os, as), pois este é que tem a função de
indicar que o termo por ele determinado é idêntico, em termos Os dois períodos estão relacionados pelo hiperônimo
de valor referencial, a um termo já mencionado. astros, que recupera os hipônimos estrelas, planetas, satélites.
“O encarregado da limpeza encontrou uma carteira na sala
de espetáculos. Curiosamente, a carteira tinha muito dinheiro “Eles (os alquimistas) acreditavam que o organismo do
dentro, mas nem um documento sequer.” homem era regido por humores (fluidos orgânicos) que
percorriam, ou apenas existiam, em maior ou menor intensidade
- Quando, em dado contexto, o anafórico pode referir-se a em nosso corpo. Eram quatro os humores: o sangue, a fleuma
dois termos distintos, há uma ruptura de coesão, porque (secreção pulmonar), a bile amarela e a bile negra. E eram
ocorre uma ambiguidade insolúvel. É preciso que o texto seja também estes quatro fluidos ligados aos quatro elementos
escrito de tal forma que o leitor possa determinar exatamente fundamentais: ao Ar (seco), à Água (úmido), ao Fogo (quente) e
qual é a palavra retomada pelo anafórico. à Terra (frio), respectivamente.”
Ziraldo. In: Revista Vozes, nº3, abril de 1970, p.18.
- O anafórico “sua” pode estar-se referindo tanto à palavra Nesse texto, a ligação entre o segundo e o primeiro
ator quanto a diretor. períodos se faz pela repetição da palavra humores; entre o
“Durante o ensaio, o ator principal brigou com o diretor por terceiro e o segundo se faz pela utilização do sinônimo fluidos.
causa da sua arrogância.” É preciso manejar com muito cuidado a repetição de
palavras, pois, se ela não for usada para criar um efeito de
- Não se sabe se o anafórico “que” está se referindo ao sentido de intensificação, constituirá uma falha de estilo.
termo amiga ou a ex-namorado no exemplo abaixo. No trecho transcrito a seguir por exemplo, fica claro o uso
Permutando o anafórico “que” por “o qual” ou “a qual”, essa da repetição da palavra vice e outras parecidas (vicissitudes,
ambiguidade seria desfeita. vicejam, viciem), com a evidente intenção de ridicularizar a
“André brigou com o ex-namorado de uma amiga, que condição secundária que um provável flamenguista atribui ao
trabalha na mesma firma.” Vasco e ao seu Vice-presidente:

Retomada por palavra lexical - (substantivo, adjetivo “Recebi por esses dias um e-mail com uma série de piadas
ou verbo) sobre o pouco simpático Eurico Miranda. Faltam-me provas,
Uma palavra pode ser retomada, quer por uma repetição, mas tudo leva a crer que o remetente seja um flamenguista.”
quer por uma substituição por sinônimo, hiperônimo,
hipônimo ou antonomásia. Segundo o texto, Eurico nasceu para ser vice: é vice-
Sinônimo: é o nome que se dá a uma palavra que possui o presidente do clube, vice-campeão carioca e bi-vice-campeão
mesmo sentido que outra, ou sentido bastante aproximado: mundial. E isso sem falar do vice no Carioca de futsal, no
injúria e afronta, alegre e contente. Carioca de basquete, no Brasileiro de basquete e na Taça
Hiperônimo: é um termo que mantém com outro uma Guanabara. São vicissitudes que vicejam. Espero que não
relação do tipo contém/está contido; viciem.
Hipônimo: é uma palavra que mantém com outra uma
relação do tipo está contido/contém. O significado do termo José Roberto Torero. In: Folha de S. Paulo, 2000.

Língua Portuguesa 11
APOSTILAS OPÇÃO

A elipse é o apagamento de um segmento de frase que com a mesma orientação argumentativa, sendo o segmento
pode ser facilmente recuperado pelo contexto. Também introduzido por ele a conclusão do anterior.
constitui um expediente de coesão, pois é o apagamento de um
termo que seria repetido, e o preenchimento do vazio deixado - Gradação: há operadores que marcam uma gradação
pelo termo apagado (=elíptico) exige, necessariamente, que se numa série de argumentos orientados para uma mesma
faça correlação com outros termos presentes no contexto, ou conclusão. Dividem-se eles, em dois subtipos: os que indicam
referidos na situação em que se desenrola a fala. o argumento mais forte de uma série: até, mesmo, até mesmo,
Vejamos estes versos do poema “Círculo vicioso”, de inclusive, e os que subentendem uma escala com argumentos
Machado de Assis: mais fortes: ao menos, pelo menos, no mínimo, no máximo,
quando muito.
(...)
Mas a lua, fitando o sol, com azedume: “Ele é um bom conferencista: tem uma voz bonita, é bem
articulado, conhece bem o assunto de que fala e é até sedutor.”
“Mísera! Tivesse eu aquela enorme, aquela
Claridade imortal, que toda a luz resume!” Toda a série de qualidades está orientada no sentido de
Obra completa. Rio de Janeiro, Nova Aguilar, 1979, VIII, comprovar que ele é bom conferencista; dentro dessa série, ser
sedutor é considerado o argumento mais forte.
Nesse caso, o verbo dizer, que seria enunciado antes
daquilo que disse a lua, isto é, antes das aspas, fica “Ele é ambicioso e tem grande capacidade de trabalho.
subentendido, é omitido por ser facilmente presumível. Chegará a ser pelo menos diretor da empresa.”
Qualquer segmento da frase pode sofrer elipse. Veja que,
no exemplo abaixo, é o sujeito meu pai que vem elidido (ou Pelo menos introduz um argumento orientado no mesmo
apagado) antes de sentiu e parou: sentido de ser ambicioso e ter grande capacidade de trabalho;
por outro lado, subentende que há argumentos mais fortes
“Meu pai começou a andar novamente, sentiu a pontada no para comprovar que ele tem as qualidades requeridas dos que
peito e parou.” vão longe (por exemplo, ser presidente da empresa) e que se
está usando o menos forte; ao menos, pelo menos e no mínimo
Pode ocorrer também elipse por antecipação. No exemplo ligam argumentos de valor positivo.
que segue, aquela promoção é complemento tanto de querer
quanto de desejar, no entanto aparece apenas depois do “Ele não é bom aluno. No máximo vai terminar o segundo
segundo verbo: grau.”
No máximo introduz um argumento orientado no mesmo
“Ficou muito deprimido com o fato de ter sido preterido. sentido de ter muita dificuldade de aprender; supõe que há
Afinal, queria muito, desejava ardentemente aquela promoção.” uma escala argumentativa (por exemplo, fazer uma faculdade)
e que se está usando o argumento menos forte da escala no
Quando se faz essa elipse por antecipação com verbos que sentido de provar a afirmação anterior; no máximo e quando
têm regência diferente, a coesão é rompida. Por exemplo, não muito estabelecem ligação entre argumentos de valor
se deve dizer “Conheço e gosto deste livro”, pois o verbo depreciativo.
conhecer rege complemento não introduzido por preposição, e
a elipse retoma o complemento inteiro, portanto teríamos uma - Conjunção Argumentativa: há operadores que
preposição indevida: “Conheço (deste livro) e gosto deste livro”. assinalam uma conjunção argumentativa, ou seja, ligam um
Em “Implico e dispenso sem dó os estranhos palpiteiros”, conjunto de argumentos orientados em favor de uma dada
diferentemente, no complemento em elipse faltaria a conclusão: e, também, ainda, nem, não só... mas também, tanto...
preposição “com” exigida pelo verbo implicar. como, além de, a par de.
Nesses casos, para assegurar a coesão, o recomendável é
colocar o complemento junto ao primeiro verbo, respeitando “Se alguém pode tomar essa decisão é você. Você é o diretor
sua regência, e retomá-lo após o segundo por um anafórico, da escola, é muito respeitado pelos funcionários e também é
acrescentando a preposição devida (Conheço este livro e gosto muito querido pelos alunos.”
dele) ou eliminando a indevida (Implico com estranhos Arrolam-se três argumentos em favor da tese que é o
palpiteiros e os dispenso sem dó). interlocutor quem pode tomar uma dada decisão. O último
deles é introduzido por “e também”, que indica um argumento
Coesão por Conexão final na mesma direção argumentativa dos precedentes.
Há na língua uma série de palavras ou locuções que são Esses operadores introduzem novos argumentos; não
responsáveis pela concatenação ou relação entre segmentos significam, em hipótese nenhuma, a repetição do que já foi
do texto. Esses elementos denominam-se conectores ou dito. Ou seja, só podem ser ligados com conectores de
operadores discursivos. Por exemplo: visto que, até, ora, no conjunção segmentos que representam uma progressão
entanto, contudo, ou seja. discursiva. É possível dizer “Disfarçou as lágrimas que o
Note-se que eles fazem mais do que ligar partes do texto: assaltaram e continuou seu discurso”, porque o segundo
estabelecem entre elas relações semânticas de diversos tipos, segmento indica um desenvolvimento da exposição. Não teria
como contrariedade, causa, consequência, condição, cabimento usar operadores desse tipo para ligar dois
conclusão, etc. Essas relações exercem função argumentativa segmentos como “Disfarçou as lágrimas que o assaltaram e
no texto, por isso os operadores discursivos não podem ser escondeu o choro que tomou conta dele”.
usados indiscriminadamente.
Na frase “O time apresentou um bom futebol, mas não - Disjunção Argumentativa: há também operadores que
alcançou a vitória”, por exemplo, o conector “mas” está indicam uma disjunção argumentativa, ou seja, fazem uma
adequadamente usado, pois ele liga dois segmentos com conexão entre segmentos que levam a conclusões opostas, que
orientação argumentativa contrária. Se fosse utilizado, nesse têm orientação argumentativa diferente: ou, ou então, quer...
caso, o conector “portanto”, o resultado seria um paradoxo quer, seja... seja, caso contrário, ao contrário.
semântico, pois esse operador discursivo liga dois segmentos

Língua Portuguesa 12
APOSTILAS OPÇÃO

“Não agredi esse imbecil. Ao contrário, ajudei a separar a “Já que os Estados Unidos invadiram o Iraque sem
briga, para que ele não apanhasse.” autorização da ONU, devem arcar sozinhos com os custos da
guerra.”
O argumento introduzido por ao contrário é diretamente
oposto àquele de que o falante teria agredido alguém. Já que inicia um argumento que dá uma justificativa para a
tese de que os Estados Unidos devam arcar sozinhos com o
- Conclusão: existem operadores que marcam uma custo da guerra contra o Iraque.
conclusão em relação ao que foi dito em dois ou mais
enunciados anteriores (geralmente, uma das afirmações de - Contrajunção: os operadores discursivos que assinalam
que decorre a conclusão fica implícita, por manifestar uma voz uma relação de contrajunção, isto é, que ligam enunciados com
geral, uma verdade universalmente aceita): logo, portanto, por orientação argumentativa contrária, são as conjunções
conseguinte, pois (o pois é conclusivo quando não encabeça a adversativas (mas, contudo, todavia, no entanto, entretanto,
oração). porém) e as concessivas (embora, apesar de, apesar de que,
conquanto, ainda que, posto que, se bem que).
“Essa guerra é uma guerra de conquista, pois visa ao Qual é a diferença entre as adversativas e as concessivas,
controle dos fluxos mundiais de petróleo. Por conseguinte, não é se tanto umas como outras ligam enunciados com orientação
moralmente defensável.” argumentativa contrária?
Nas adversativas, prevalece a orientação do segmento
Por conseguinte introduz uma conclusão em relação à introduzido pela conjunção.
afirmação exposta no primeiro período.
“O atleta pode cair por causa do impacto, mas se levanta
- Comparação: outros importantes operadores mais decidido a vencer.”
discursivos são os que estabelecem uma comparação de
igualdade, superioridade ou inferioridade entre dois Nesse caso, a primeira oração conduz a uma conclusão
elementos, com vistas a uma conclusão contrária ou favorável negativa sobre um processo ocorrido com o atleta, enquanto a
a certa ideia: tanto... quanto, tão... como, mais... (do) que. começada pela conjunção “mas” leva a uma conclusão positiva.
Essa segunda orientação é a mais forte.
“Os problemas de fuga de presos serão tanto mais graves Compare-se, por exemplo, “Ela é simpática, mas não é
quanto maior for a corrupção entre os agentes penitenciários.” bonita” com “Ela não é bonita, mas é simpática”. No primeiro
caso, o que se quer dizer é que a simpatia é suplantada pela
O comparativo de igualdade tem no texto uma função falta de beleza; no segundo, que a falta de beleza perde
argumentativa: mostrar que o problema da fuga de presos relevância diante da simpatia. Quando se usam as conjunções
cresce à medida que aumenta a corrupção entre os agentes adversativas, introduz-se um argumento com vistas à
penitenciários; por isso, os segmentos podem até ser determinada conclusão, para, em seguida, apresentar um
permutáveis do ponto de vista sintático, mas não o são do argumento decisivo para uma conclusão contrária.
ponto de vista argumentativo, pois não há igualdade Com as conjunções concessivas, a orientação
argumentativa proposta: argumentativa que predomina é a do segmento não
introduzido pela conjunção.
“Tanto maior será a corrupção entre os agentes
penitenciários quanto mais grave for o problema da fuga de “Embora haja conexão entre saber escrever e saber
presos”. gramática, trata-se de capacidades diferentes.”

Muitas vezes a permutação dos segmentos leva a A oração iniciada por “embora” apresenta uma orientação
conclusões opostas: Imagine-se, por exemplo, o seguinte argumentativa no sentido de que saber escrever e saber
diálogo entre o diretor de um clube esportivo e o técnico de gramática são duas coisas interligadas; a oração principal
futebol: conduz à direção argumentativa contrária.
Quando se utilizam conjunções concessivas, a estratégia
“__Precisamos promover atletas das divisões de base para argumentativa é a de introduzir no texto um argumento que,
reforçar nosso time. embora tido como verdadeiro, será anulado por outro mais
__Qualquer atleta das divisões de base é tão bom quanto os forte com orientação contrária.
do time principal.” A diferença entre as adversativas e as concessivas,
portanto, é de estratégia argumentativa. Compare os seguintes
Nesse caso, o argumento do técnico é a favor da promoção, períodos:
pois ele declara que qualquer atleta das divisões de base tem,
pelo menos, o mesmo nível dos do time principal, o que “Por mais que o exército tivesse planejado a operação
significa que estes não primam exatamente pela excelência em (argumento mais fraco), a realidade mostrou-se mais complexa
relação aos outros. (argumento mais forte).”
Suponhamos, agora, que o técnico tivesse invertido os “O exército planejou minuciosamente a operação
segmentos na sua fala: (argumento mais fraco), mas a realidade mostrou-se mais
complexa (argumento mais forte).”
“__Qualquer atleta do time principal é tão bom quanto os das
divisões de base.” - Argumento Decisivo: há operadores discursivos que
introduzem um argumento decisivo para derrubar a
Nesse caso, seu argumento seria contra a necessidade da argumentação contrária, mas apresentando-o como se fosse
promoção, pois ele estaria declarando que os atletas do time um acréscimo, como se fosse apenas algo mais numa série
principal são tão bons quanto os das divisões de base. argumentativa: além do mais, além de tudo, além disso,
ademais.
- Explicação ou Justificativa: há operadores que
introduzem uma explicação ou uma justificativa em relação ao “Ele está num período muito bom da vida: começou a
que foi dito anteriormente: porque, já que, que, pois. namorar a mulher de seus sonhos, foi promovido na empresa,

Língua Portuguesa 13
APOSTILAS OPÇÃO

recebeu um prêmio que ambicionava havia muito tempo e, além O conector introduz um argumento que reforça o que foi
disso, ganhou uma bolada na loteria.” dito antes.

O operador discursivo introduz o que se considera a prova - Explicação: há operadores que desencadeiam uma
mais forte de que “Ele está num período muito bom da vida”; no explicação, uma confirmação, uma ilustração do que foi
entanto, essa prova é apresentada como se fosse apenas mais afirmado antes: assim, desse modo, dessa maneira.
uma.
“O exército inimigo não desejava a paz. Assim, enquanto se
- Generalização ou Amplificação: existem operadores processavam as negociações, atacou de surpresa.”
que assinalam uma generalização ou uma amplificação do que
foi dito antes: de fato, realmente, como aliás, também, é verdade O operador introduz uma confirmação do que foi afirmado
que. antes.

“O problema da erradicação da pobreza passa pela geração Coesão por Justaposição


de empregos. De fato, só o crescimento econômico leva ao É a coesão que se estabelece com base na sequência dos
aumento de renda da população.” enunciados, marcada ou não com sequenciadores.

O conector introduz uma amplificação do que foi dito - Sequenciadores Temporais: são os indicadores de
antes. anterioridade, concomitância ou posterioridade: dois meses
depois, uma semana antes, um pouco mais tarde, etc. (são
“Ele é um técnico retranqueiro, como aliás o são todos os que utilizados predominantemente nas narrações).
atualmente militam no nosso futebol.
“Uma semana antes de ser internado gravemente doente,
O conector introduz uma generalização ao que foi ele esteve conosco. Estava alegre e cheio de planos para o
afirmado: não “ele”, mas todos os técnicos do nosso futebol são futuro.”
retranqueiros.
- Sequenciadores Espaciais: são os indicadores de posição
- Especificação ou Exemplificação: também há relativa no espaço: à esquerda, à direita, junto de, etc. (são
operadores que marcam uma especificação ou uma usados principalmente nas descrições).
exemplificação do que foi afirmado anteriormente: por
exemplo, como. “A um lado, duas estatuetas de bronze dourado,
representando o amor e a castidade, sustentam uma cúpula oval
“A violência não é um fenômeno que está disseminado de forma ligeira, donde se desdobram até o pavimento
apenas entre as camadas mais pobres da população. Por bambolins de cassa finíssima. (...) Do outro lado, há uma lareira,
exemplo, é crescente o número de jovens da classe média que não de fogo, que o dispensa nosso ameno clima fluminense,
estão envolvidos em toda sorte de delitos, dos menos aos mais ainda na maior força do inverno.”
graves.” José de Alencar. Senhora. São Paulo, FTD, 1992, p. 77.

Por exemplo assinala que o que vem a seguir especifica, - Sequenciadores de Ordem: são os que assinalam a
exemplifica a afirmação de que a violência não é um fenômeno ordem dos assuntos numa exposição: primeiramente, em
adstrito aos membros das “camadas mais pobres da segunda, a seguir, finalmente, etc.
população”.
“Para mostrar os horrores da guerra, falarei, inicialmente,
- Retificação ou Correção: há ainda os que indicam uma das agruras por que passam as populações civis; em seguida,
retificação, uma correção do que foi afirmado antes: ou melhor, discorrerei sobre a vida dos soldados na frente de batalha;
de fato, pelo contrário, ao contrário, isto é, quer dizer, ou seja, finalmente, exporei suas consequências para a economia
em outras palavras. mundial e, portanto, para a vida cotidiana de todos os
habitantes do planeta.”
“Vou-me casar neste final de semana. Ou melhor, vou passar
a viver junto com minha namorada.” - Sequenciadores para Introdução: são os que, na
conversação principalmente, servem para introduzir um tema
O conector inicia um segmento que retifica o que foi dito ou mudar de assunto: a propósito, por falar nisso, mas voltando
antes. ao assunto, fazendo um parêntese, etc.
Esses operadores servem também para marcar um
esclarecimento, um desenvolvimento, uma redefinição do “Joaquim viveu sempre cercado do carinho de muitas
conteúdo enunciado anteriormente. pessoas. A propósito, era um homem que sabia agradar às
mulheres.”
“A última tentativa de proibir a propaganda de cigarros nas
corridas de Fórmula 1 não vingou. De fato, os interesses dos - Operadores discursivos não explicitados: se o texto for
fabricantes mais uma vez prevaleceram sobre os da saúde.” construído sem marcadores de sequenciação, o leitor deverá
inferir, a partir da ordem dos enunciados, os operadores
O conector introduz um esclarecimento sobre o que foi dito discursivos não explicitados na superfície textual. Nesses
antes. casos, os lugares dos diferentes conectores estarão indicados,
Servem ainda para assinalar uma atenuação ou um reforço na escrita, pelos sinais de pontuação: ponto-final, vírgula,
do conteúdo de verdade de um enunciado. ponto-e-vírgula, dois-pontos.

“Quando a atual oposição estava no comando do país, não “A reforma política é indispensável. Sem a existência da
fez o que exige hoje que o governo faça. Ao contrário, suas fidelidade partidária, cada parlamentar vota segundo seus
políticas iam na direção contrária do que prega atualmente. interesses e não de acordo com um programa partidário. Assim,
não há bases governamentais sólidas.”

Língua Portuguesa 14
APOSTILAS OPÇÃO

Esse texto contém três períodos. O segundo indica a causa 3 Assim, um dos responsáveis pelo declínio da qualidade
de a reforma política ser indispensável. Portanto o ponto-final do sono nas duas últimas décadas é a luz azulada que emana
do primeiro período está no lugar de um porque. de aparelhos eletrônicos; mas um dano ainda maior acontece
quando estamos acordados, fazendo um malabarismo
A língua tem um grande número de conectores e obsessivo com computadores e smartphones.
sequenciadores. Apresentamos os principais e explicamos sua 4 A maioria das pessoas passam de uma a quatro horas
função. É preciso ficar atento aos fenômenos de coesão. diárias em seus dispositivos eletrônicos - e muitos gastam bem
Mostramos que o uso inadequado dos conectores e a utilização mais que isso. Não é problema de uma minoria. Pesquisadores
inapropriada dos anafóricos ou catafóricos geram rupturas na nos aconselham a usar o celular por menos de uma hora
coesão, o que leva o texto a não ter sentido ou, pelo menos, a diariamente. Mas o uso excessivo do aparelho é tão
não ter o sentido desejado. Outra falha comum no que tange a predominante que os pesquisadores cunharam o termo
coesão é a falta de partes indispensáveis da oração ou do “nomofobia" (uma abreviatura da expressão inglesa no-
período. Analisemos este exemplo: mobile-phobiaj para descrever a fobia de ficar sem celular.
5 O cérebro humano exibe diferentes padrões de atividade
“As empresas que anunciaram que apoiariam a campanha para diferentes experiências. Um deles retrata reações
de combate à fome que foi lançada pelo governo federal.” cerebrais de um viciado em jogos eletrônicos.
“Comportamentos viciantes ativam o centro de recompensa do
O período compõe-se de: cérebro", afirma Claire Gillan, neurocientista que estuda
- As empresas; comportamentos obsessivos. “Contanto que a conduta
- que anunciaram (oração subordinada adjetiva restritiva acarrete recompensa, o cérebro a tratará da mesma maneira
da primeira oração); que uma droga".
- que apoiariam a campanha de combate à fome (oração (Adaptado de: ALTER, Adam. Irresistível. São Paulo: Objetiva, edição
digital)
subordinada substantiva objetiva direta da segunda oração);
- que foi lançada pelo governo federal (oração subordinada
Estabelece relação de referência a uma expressão
adjetiva restritiva da terceira oração).
mencionada anteriormente no texto o termo sublinhado em
(A) o cérebro interpreta a luz vermelha como sinal de que
Observe-se que falta o predicado da primeira oração.
chegou a hora de dormir (2° parágrafo)
Quem escreveu o período começou a encadear orações
(B) Não é problema de uma minoria (4° parágrafo)
subordinadas e “esqueceu-se” de terminar a principal.
(C) fazendo um malabarismo obsessivo com
Quebras de coesão desse tipo são mais comuns em
computadores e smartphones (3° parágrafo)
períodos longos. No entanto, mesmo quando se elaboram
(D) Pesquisadores nos aconselham a usar o celular por
períodos curtos é preciso cuidar para que sejam
menos de uma hora diariamente (4° parágrafo)
sintaticamente completos e para que suas partes estejam bem
(E) o cérebro a tratará da mesma maneira que uma droga
conectadas entre si.
(5° parágrafo)
Para que um conjunto de frases constitua um texto, não
basta que elas estejam coesas: se não tiverem unidade de
02. (Prefeitura de Peruíbe - SP - Inspetor de Alunos -
sentido, mesmo que aparentemente organizadas, elas não
VUNESP/2019)
passarão de um amontoado injustificado.
Pelo fim das fronteiras
“Vivo há muitos anos em São Paulo. A cidade tem excelentes
restaurantes. Ela tem bairros muito pobres. Também o Rio de
Imigração é um fenômeno estranho. Do ponto de vista
Janeiro tem favelas.”
puramente racional, ela é a solução para vários problemas
globais. Mas, como o mundo é um lugar menos racional do que
Todas as frases são coesas. O hiperônimo cidade retoma o
deveria, pessoas que buscam refúgio em outros países
substantivo São Paulo, estabelecendo uma relação entre o
costumam ser recebidas com desconfiança quando não com
segundo e o primeiro períodos. O pronome “ela” recupera a
violência, o que diminui o valor da imigração como remédio
palavra cidade, vinculando o terceiro ao segundo período. O
multiuso.
operador também realiza uma conjunção argumentativa,
No plano econômico, a plena mobilidade da mão de obra
relacionando o quarto período ao terceiro. No entanto, esse
seria muito bem-vinda. Segundo algumas estimativas, ela faria
conjunto não é um texto, pois não apresenta unidade de
o PIB mundial aumentar em até 50%. Mesmo que esses
sentido, isto é, não tem coerência. A coesão, portanto, é
cálculos estejam inflados, só uma fração de 10% já significaria
condição necessária, mas não suficiente, para produzir um
um incremento da ordem de US$ 10 trilhões (uns cinco Brasis).
texto.
Uma das principais razões para o mundo ser mais pobre do
que poderia é que enormes contingentes de humanos vivem
Questões
sob sistemas que os impedem de ser produtivos. Um estudo de
2016 de Clemens, Montenegro e Pritchett estimou que só tirar
01. (TRF - 3ª REGIÃO - Técnico Judiciário - FCC/2019)
um trabalhador macho sem qualificação de seu país pobre de
origem e transportá-lo para os EUA elevaria sua renda anual
1 Existe uma enfermidade moderna que afeta dois terços
em US$ 14 mil.
dos adultos. Seus sintomas incluem falta de apetite, dificuldade
A imigração se torna ainda mais tentadora quando se
para controlar o peso, baixa imunidade, flutuações de humor,
considera que é a resposta perfeita para países desenvolvidos
entre outros. Essa enfermidade é a privação de sono crônica,
que enfrentam o problema do envelhecimento populacional.
que vem crescendo na esteira de dispositivos que emitem luz
Não obstante tantas virtudes, imigrantes podem ser
azul.
maltratados e até perseguidos quando cruzam a fronteira,
2 Por milênios, a luz azul existiu apenas durante o dia.
especialmente se vêm em grandes números. Isso está
Velas e lenha produziam luz amarelo-avermelhada e não havia
acontecendo até no Brasil, que não tinha histórico de
iluminação artificial à noite. A luz do fogo não é problema
xenofobia. Desconfio de que estão em operação aqui vieses da
porque o cérebro interpreta a luz vermelha como sinal de que
Idade da Pedra, tempo em que membros de outras tribos eram
chegou a hora de dormir. Com a luz azul é diferente: ela
muito mais uma ameaça do que uma solução.
sinaliza a chegada da manhã.

Língua Portuguesa 15
APOSTILAS OPÇÃO

De todo modo, caberia às autoridades incentivar a o dinheiro. Eu não conseguiria dormir, disse, à guisa de
imigração, tomando cuidado para evitar que a chegada dos explicação.
estrangeiros dê pretexto para cenas de barbárie. Isso exigiria O Diabo ficou indignado com o que lhe parecia uma
recebê-los com inteligência, minimizando choques culturais e extrema burrice. Mas então teve a ideia de verificar o quanto o
distribuindo as famílias por regiões e cidades em que podem homem recebia de aposentadoria por mês: menos de R$ 600.
ser mais úteis. É tudo o que não estamos fazendo. Deu-se conta então de seu erro: a desproporção entre a
(Hélio Schwartsman. Disponível em: quantia e os R$ 6 milhões da tentação tinha sido grande
https://www1.folha.uol.com.br/colunas/.28.08.2018. Adaptado)
demais.
Mas o Diabo aprendeu a lição. Pretende desafiar de novo o
O termo destacado na frase – Isso está acontecendo até no
Senhor. Desta vez, porém, escolherá um milionário, alguém
Brasil... – refere-se à seguinte informação do texto:
familiarizado com o excesso de grana. Ou então um pobre. Mas
(A) o problema de envelhecimento populacional no país.
neste acaso fornecerá, além de muito dinheiro, um frasco de
(B) a desqualificação da mão de obra dos imigrantes.
pílulas para dormir. A insônia dos justos tira o sono de
(C) o aumento exponencial da imigração em solo
qualquer diabo.
brasileiro. (SCLIAR, Moacyr. O imaginário cotidiano. São Paulo: Global, 2002, p. 71-72)
(D) os episódios de violência contra imigrantes.
(E) a oportunidade de moradia e emprego aos refugiados. Em Os mesmos assessores tinham sugerido que se
concentrasse em aposentados, pessoas que sabidamente
03. (IBGE - Agente Censitário Operacional - FGV/2019) ganham pouco (2° parágrafo), o pronome sublinhado refere-se
a
Texto 3 (A) aposentados.
(B) Deus.
Em uma carta de um jesuíta espanhol sobre o Brasil de (C) vítima.
1500, aparecia o seguinte texto: (D) assessores.
“Assim, chegamos a uma aldeia onde achamos os gentios (E) Diabo.
todos embriagados, porque aqui tem uma maneira de vinho de
raízes que embriaga muito, e quando eles estão assim bêbados 05. (Câmara de Fortaleza - CE - Revisor - FCC/2019)
ficam tão brutos e feros que não perdoam a nenhuma pessoa,
e, quando não podem mais, põem fogo na casa onde estão os Atenção: Para responder a questão, baseie-se no texto
estrangeiros”. abaixo.

“Assim, chegamos a uma aldeia onde (1) achamos os Os debates travados na Câmara e pela imprensa em torno
gentios todos embriagados, porque aqui tem uma maneira de da Lei do Ventre Livre fizeram da emancipação dos escravos
vinho de raízes que embriaga muito, e quando eles estão assim uma questão nacional. O projeto do governo foi apresentado à
bêbados ficam tão brutos e feros que não perdoam a nenhuma Câmara em 12 de maio de 1871. Para alguns, o projeto era
pessoa, e, quando não podem mais, põem fogo na casa onde (2) avançado demais, para outros, excessivamente tímido. Os
estão os estrangeiros”. defensores do projeto usaram argumentos morais e
Nesse segmento do texto 3 há uma série de palavras que se econômicos. Argumentavam que o trabalho livre era mais
referem a palavras anteriores; a referência indicada abaixo produtivo que o escravo. Diziam que a existência da escravidão
que é inadequada é: era uma barreira à imigração, pois que os imigrantes
A) onde (1) / uma aldeia; recusavam-se a vir para um país de escravos. A emancipação
(B) aqui / nesta aldeia; abriria as portas à tão desejada imigração. Usando de
(C) que / vinho de raízes; argumentos morais, denunciavam os que, em nome do direito
(D) eles / os gentios; de propriedade, defendiam a escravidão e se opunham à
(E) onde (2) / na casa. aprovação do projeto. Não era legítimo invocar o direito de
propriedade em se tratando de escravos. “Propriedade de
04. (Câmara de Fortaleza - CE - Agente Administrativo escravos” − dizia Torres Homem, político famoso, homem de
- FCC/2019) cor e de origens modestas que chegara ao Senado depois de
brilhante carreira – “era uma monstruosa violação do direito
Desde aquela história de Jó contada no Antigo Testamento, natural.” “A maioria dos escravos brasileiros” − afirmava ele −
Deus e o Diabo não apostavam sobre os seres humanos, com o “descendia de escravos introduzidos no país por um tráfico
que a eternidade já estava ficando meio monótona. O Maligno não só desumano como criminoso. Nada pois mais justo que se
resolveu, então, provocar o Senhor: que tal uma nova aposta? tomassem medidas para acabar com a escravidão.”
Deus, na sua infinita paciência, topou. Em contrapartida, os mais arraigados defensores da
Dessa vez, contudo, o Diabo estava decidido a não perder. escravidão consideravam o projeto uma intromissão indébita
Para começar, escolheu cuidadosamente o lugar onde do governo na atividade privada. Argumentavam que o projeto
procuraria sua vítima: um país chamado Brasil no qual, ameaçava o direito de propriedade garantido pela
segundo seus assessores ministeriais, a diferença entre pobres Constituição. Segundo a prática, que datava do período
e ricos chegava ao nível da obscenidade. Os mesmos colonial, o filho de mãe escrava pertencia ao senhor. Qualquer
assessores tinham sugerido que se concentrasse em lei que viesse a conceder liberdade ao filho de escrava era,
aposentados, pessoas que sabidamente ganham pouco. pois, um atentado à propriedade e, o que era pior, abria a porta
O Diabo pôs-se em ação. Foi-lhe fácil induzir um erro no a todas as formas de abusos contra esse direito. Acusavam o
sistema de pagamento de aposentadorias, com o qual um projeto de ameaçar de ruína os proprietários e de pôr em risco
aposentado recebeu, de uma só vez, mais de R$ 6 milhões. E aí a economia nacional e a ordem pública. Diziam ainda que,
tanto o céu como o inferno pararam: anjos, santos e demônios, emancipando-se os filhos e mantendo os pais no cativeiro,
todos queriam ver o que o homem faria com o dinheiro. O criar-se-iam nas senzalas duas classes de indivíduos, minando,
Diabo, naturalmente, esperava que ele se entregasse a uma dessa forma, a instituição escravista pois não tardaria muito
vida de deboches: festas espantosas, passeios em iates para que os escravos questionassem a legitimidade de sua
luxuosos, rios de champanhe fluindo diariamente. situação.
Não foi nada disto que aconteceu. Ao constatar a existência (Adaptado de: COSTA, Emília Viotti da. A Abolição. São Paulo: Editora Unesp,
do depósito milionário, o aposentado simplesmente devolveu 2010, p. 49-52)

Língua Portuguesa 16
APOSTILAS OPÇÃO

A coesão textual opera por meio da elipse de um Coerência sintática: está relacionada com a estrutura
substantivo no seguinte trecho: linguística, como termo de ordem dos elementos, seleção
(A) Os defensores do projeto usaram argumentos morais e lexical etc., e também à coesão. Quando empregada,
econômicos. (1º parágrafo) eliminamos estruturas ambíguas, bem como o uso inadequado
(B) A emancipação abriria as portas à tão desejada dos conectivos.
imigração. (1º parágrafo)
(C) Não era legítimo invocar o direito de propriedade em Coerência semântica: para que a coerência semântica
se tratando de escravos. (1º parágrafo) esteja presente em um texto, é preciso, antes de tudo, que o
(D) Argumentavam que o trabalho livre era mais produtivo texto não seja contraditório, mesmo porque a semântica está
que o escravo. (1º parágrafo) relacionada com as relações de sentido entre as estruturas.
(E) Segundo a prática, que datava do período colonial, o Para detectar uma incoerência, é preciso que se faça uma
filho de mãe escrava pertencia ao senhor. (2º parágrafo) leitura cuidadosa, ancorada nos processos de analogia e
inferência.
Gabarito
01. E / 02. D / 03. B / 04. E / 05. D Coerência temática: todos os enunciados de um texto
precisam ser coerentes e relevantes para o tema, com exceção
COERÊNCIA das inserções explicativas. Os trechos irrelevantes devem ser
evitados, impedindo assim o comprometimento da coerência
A coerência textual3 não está na superfície do texto: a temática.
construção de sentidos será feita de acordo com o
conhecimento prévio de cada leitor Coerência pragmática: refere-se ao texto visto como uma
Quando você se propõe a escrever um texto, certamente se sequência de atos de fala. Os textos, orais ou escritos, são
lembra de quem vai ler, não é verdade? Provavelmente, você exemplos dessas sequências, portanto, devem obedecer às
também se lembra de que alguns cuidados devem ser tomados condições para a sua realização. Se o locutor ordena algo a
para que o leitor compreenda o texto. Nessa tentativa de fazer- alguém, é contraditório que ele faça, ao mesmo tempo, um
se compreendido, você estabelece alguns padrões mentais que pedido. Quando fazemos uma pergunta para alguém,
diferem o que é coerente daquilo que não faz o menor sentido, esperamos receber como resposta uma afirmação ou uma
certo? negação, jamais uma sequência de fala desconectada daquilo
Pois bem, intuitivamente, você está seguindo um princípio que foi indagado. Quando essas condições são ignoradas,
básico para uma boa redação, chamado de coerência textual. temos como resultado a incoerência pragmática.
Você pode até não conhecer a exata definição desse elemento
da linguística textual, mas possivelmente evita construções Coerência estilística: diz respeito ao emprego de uma
ininteligíveis em sua redação e recorre aos seus variedade de língua adequada, que deve ser mantida do início
conhecimentos sociocognitivos. A coerência é uma ao fim de um texto para garantir a coerência estilística. A
conformidade entre fatos ou ideias, próprio daquilo que tem incoerência estilística não provoca prejuízos para a
nexo, conexão, portanto, podemos associá-la ao processo de interpretabilidade de um texto, contudo, a mistura de registros
construção de sentidos do texto e à articulação das ideias. Por - como o uso concomitante da linguagem coloquial e linguagem
serem os sentidos elementos subjetivos, podemos dizer que a formal - deve ser evitada, principalmente nos textos não
coerência não pode ser delimitada, pois o leitor é o literários.
responsável pela constituição dos significados do texto.
Coerência genérica: refere-se à escolha adequada do
Três princípios básicos são necessários para gênero textual, que deve estar de acordo com o conteúdo do
compreendermos melhor o que é coerência textual: enunciado. Em um anúncio de classificados, a prática social
1) Princípio da Não Contradição: um texto deve exige que ele tenha como objetivo ofertar algum serviço, bem
apresentar situações ou ideias lógicas que em momento algum como vender ou comprar algum produto, e que sua linguagem
se contradigam; seja concisa e objetiva, pois essas são as características
2) Princípio da Não Tautologia: a tautologia nada mais é essenciais do gênero. Uma ruptura com esse padrão,
do que um vício de linguagem que repete ideias com palavras entretanto, é comum nos textos literários, nos quais podemos
diferentes ao longo do texto, o que compromete a transmissão encontrar um determinado gênero assumindo a forma de
da informação; outro.
3) Princípio da Relevância: um texto com informações É importante ressaltar que em alguns tipos de texto,
fragmentadas torna as ideias incoerentes, ainda que cada especialmente nos textos literários, uma ruptura com os tipos
fragmento apresente certa coerência individual. Se as ideias de coerência descritos anteriormente pode acontecer. Nos
não dialogam entre si, então elas são irrelevantes. demais textos, a coerência contribui para a construção de
enunciados cuja significação seja aceitável, ajudando na
É importante ressaltarmos que o uso adequado dos compreensão do leitor ou do interlocutor. Todavia, a coerência
conectivos também colabora na construção de um texto depende de outros aspectos, como o conhecimento linguístico
coerente: a coesão textual é um importante mecanismo de de quem acessa o conteúdo, a situacionalidade, a
estruturação do texto, presente em dois movimentos informatividade, a intertextualidade e a intencionalidade.
essenciais: retrospecção e prospecção. Lembre-se de que a
coerência é um princípio de interpretabilidade, portanto, cabe Sendo assim não se esqueça que coerência4 é a relação
a você depreender os sentidos do texto. semântica que se estabelece entre as diversas partes do texto,
criando uma unidade de sentido. Está ligada ao entendimento,
Tipos de Coerência à possibilidade de interpretação daquilo que se ouve ou lê.
São seis os tipos de coerência: sintática, semântica, Enquanto a coesão está para os elementos conectores de ideias
temática, pragmática, estilística e genérica. Conhecê-los no texto, a coerência está para a harmonia interna do texto e
contribui para a escrita de uma boa redação. sentido.

3http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/redacao/coerencia-textual.htm 4 PESTANA, Fernando. A gramática para concursos. Elsevier. 2011.


http://portugues.uol.com.br/redacao/tipos-coerencia.html

Língua Portuguesa 17
APOSTILAS OPÇÃO

Questões enquanto a gente dorme


Por que os dentes caem
01. Sobre a coerência textual, é incorreto afirmar: Por onde os filhos saem
(A) A coerência é uma conformidade entre fatos ou ideias, Por que os dedos murcham
própria daquilo que tem nexo, conexão, portanto, podemos quando estou no banho
associá-la ao processo de construção de sentidos do texto e à Por que as ruas enchem
articulação das ideias. quando está chovendo
(B) Por serem os sentidos elementos subjetivos, podemos Quanto é mil trilhões
dizer que a coerência não pode ser delimitada, pois o leitor é o vezes infinito
responsável pela constituição dos significados do texto. Quem é Jesus Cristo
(C) A coerência é imaterial e não está na superfície textual. Onde estão meus primos
Compreender aquilo que está escrito dependerá dos níveis de Well, well, well
interação entre o leitor, o autor e o texto. Por esse motivo, um Gabriel (...)”.
mesmo texto pode apresentar múltiplas interpretações.
(D) A não contradição, a não tautologia e o princípio da (Paula Toller/Dunga. CD Partimpim, de Adriana Calcanhoto, São Paulo,
2004)
relevância são elementos básicos que garantem a coerência
Julgue as seguintes proposições:
textual.
I. Pode-se dizer que se trata de um conjunto de frases
(E) A coerência textual dispensa o uso adequado dos
interrogativas sem ligação entre si, configurando então um
conectivos, elementos que apenas colaboram para a
texto desprovido de coerência.
estruturação do texto sem apresentar relação direta com a
II. Embora o texto apresente uma série de interrogações
semântica textual.
aparentemente sem ligação entre si, existem nele elementos
linguísticos que nos permitem construir a coerência textual.
02. Observe a tirinha Calvin e Haroldo, de Bill
III. A letra da canção é constituída por uma “lista” das
Watterson, e responda à questão:
perguntas que um filho faz para a mãe, e a sequenciação de
perguntas aparentemente desconexas, na verdade, explicita o
grande número de questionamentos que povoam o imaginário
infantil.
IV. A ausência de elementos sintáticos, como conectivos,
prejudica a construção de sentidos do texto.

(A) Todas estão corretas.


(B) Apenas II e III estão corretas.
(C) Apenas I e IV estão corretas.
(D) Apenas I e III estão corretas.
Para cada situação interativa existe uma variedade de (E) I, III e IV estão corretas.
língua adequada. O falante pode optar pela variedade padrão
ou pela variedade não padrão. Gabarito
01.E / 02.C / 03.D / 04.B
Sobre o nível de linguagem adotado por Calvin, podemos
afirmar que se trata, em relação aos tipos de coerência, de uma
(A) incoerência pragmática.
(B) incoerência genérica. Semântica: sentido e
(C) incoerência estilística.
(D) incoerência temática. emprego dos vocábulos;
(E) incoerência semântica. campos semânticos;
03. Observe o discurso de Calvin e responda à questão:

A identificação de elementos textuais como as figuras de SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS


linguagem é essencial para a interpretação de textos.
O significado das palavras5 é estudado pela semântica, a
A incoerência na fala de Calvin sobre a TV pode ser parte da gramática que estuda não só o sentido das palavras
explicada através da seguinte figura de linguagem: como as relações de sentido que as palavras estabelecem entre
(A) Eufemismo. si: relações de sinonímia, antonímia, paronímia, homonímia...
(B) Hipérbole. Compreender essas relações nos proporciona o
(C) Paradoxo. alargamento do nosso universo semântico, contribuindo para
(D) Ironia. uma maior diversidade vocabular e maior adequação aos
(E) Personificação. diversos contextos e intenções comunicativas.
04. Sinonímia6
Oito Anos
Ocorre quando há mais de uma palavra com significado
“Por que você é Flamengo semelhante, podendo estar no lugar da outra em determinado
E meu pai Botafogo contexto, mesmo que haja diferentes nuanças de sentido ou de
O que significa carga estilística.
“Impávido colosso”? Ex.: casa, lar, morada, residência, mansão
Por que os ossos doem

5 https://bit.ly/2RMI90C 6 BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. Rio de Janeiro: Nova

Fronteira, 2009.

Língua Portuguesa 18
APOSTILAS OPÇÃO

A identidade dos sinônimos é relativa. Em seus diferentes (D) conhecido


usos (literário ou popular), assumem sentidos “ocasionais” (E) popular
fazendo com que, pelo contexto, um não pode ser empregado
pelo outro sem que haja uma perda do real significado da Gabarito
expressão. 01. B / 02. B / 03. A
Dependendo do domínio, os sinônimos podem surgir com
leves gradações semânticas: sentido abstrato ou concreto; Homonímia
valor popular ou literário (morrer / fenecer); menor ou maior
intensidade de significação (chamar / clamar / bradar / Trata-se da “propriedade de duas ou mais formas,
berrar); aspecto cultural (escutar / auscultar); entre outros. inteiramente distintas pela significação ou função, terem a
Vale lembrar também que muitas palavras são sinônimas, mesma estrutura fonológica, os mesmos fonemas, dispostos na
se levarmos em conta as variações geográficas (aipim = mesma ordem e subordinados ao mesmo tipo de acentuação;
macaxeira; mexerica = tangerina; pipa = papagaio; aipo = como exemplo: um homem são; São Jorge; são várias as
salsão...). circunstâncias (...)”
Ou seja, trata de palavras iguais na pronúncia e/ou na
Antonímia grafia, entretanto, com significados diferentes.

Ocorre quando palavras estabelecem oposição Apenas o contexto determinará a significação dos
contraditória entre si (vida / morte), contrária (chegar / homônimos. A homonímia pode ser causa de ambiguidade,
partir) ou correlativa (irmão / irmã). por isso é considerada uma deficiência dos idiomas.
A antonímia pode ser entendida a partir de três Chama a atenção, nos homônimos, o aspecto fônico (som)
subconceitos: e o gráfico (grafia). Por isso são divididos em:
Complementaridade (onde a negação de uma implica a
afirmação da outra e vice-versa): Rafael não está casado Homógrafos Heterofônicos
implica que Rafael é solteiro; Rafael está casado implica que Iguais na escrita e diferentes no timbre ou na intensidade
João não é Rafael); das vogais:
Antonímia (opostos por excelência): grande / pequeno; - Rego (substantivo) e rego (verbo).
Correlação: comprar / vender; marido / mulher). - Colher (verbo) e colher (substantivo).
- Jogo (substantivo) e jogo (verbo).
A respeito da manifestação da antonímia, há três aspectos - Apoio (verbo) e apoio (substantivo).
distintos: - Para (verbo parar) e para (preposição).
Por meio de palavras de radicais diferentes: bom / mau; - Providência (substantivo) e providencia (verbo).
Com a ajuda de um prefixo negativo nas palavras do - Pelo (substantivo), pelo (verbo) e pelo (contração de
mesmo radical: feliz / infeliz; legal / ilegal; por+o).
Palavras que possuem significados opostos: excluir /
incluir; progredir / regredir. Homófonos Heterográficos
Iguais na pronúncia e diferentes na escrita:
A antonímia, em alguns casos, pode ocorrer porque a - Acender (atear, pôr fogo) e ascender (subir).
palavra apresenta valor ativo e passivo. - Concertar (harmonizar) e consertar (reparar, emendar).
Ex.: alugar - Concerto (harmonia, sessão musical) e conserto (ato de
- dar de aluguel consertar).
- receber de aluguel - Cegar (tornar cego) e segar (cortar, ceifar).
- Apreçar (determinar o preço, avaliar) e apressar
Questões (acelerar).
- Cela (pequeno quarto), sela (arreio) e sela (verbo selar).
01. (Prefeitura de Cristalina - GO – Recepcionista - - Censo (recenseamento) e senso (juízo).
Quadrix/2019) No período “Propostas hoje defendem - Cerrar (fechar) e serrar (cortar).
adoção, a partir da Rio+20, de metas semelhantes para a - Paço (palácio) e passo (andar).
sustentabilidade”, é correto substituir a palavra “adoção” por - Hera (trepadeira), era (época), era (verbo).
(A) utilização. - Caça (ato de caçar), cassa (tecido) e cassa (verbo cassar =
(B) implantação. anular).
(C) escolha. - Cessão (ato de ceder), seção (divisão, repartição) e sessão
(D) aceitação. (tempo de uma reunião ou espetáculo).
(E) acolhimento.
Homófonos Homográficos
02. (Prefeitura de Blumenau - SC - Professor - Iguais na escrita e na pronúncia:
FURB/2019) Em “...sendo uma das pioneiras na implantação - Caminhada (substantivo), caminhada (verbo).
da metodologia.”, a palavra destacada significa: - Cedo (verbo), cedo (advérbio).
(A) últimas - Somem (verbo somar), somem (verbo sumir).
(B) precursoras - Livre (adjetivo), livre (verbo livrar).
(C) únicas - Pomos (substantivo), pomos (verbo pôr).
(D) corretas - Alude (avalancha), alude (verbo aludir).
(E) difíceis
Paronímia
03. (Prefeitura de Blumenau - SC - Professor -
FURB/2019) Assinale a alternativa que contém um antônimo Chamamos de paronímia o fato da existência de palavras
de “tradicional”: parecidas na forma, mas diferentes em significado. Os
(A) recente parônimos acabam induzindo a erros de impropriedade
(B) famoso lexicais com bastante frequência.
(C) consagrado

Língua Portuguesa 19
APOSTILAS OPÇÃO

Exemplos; Hiperonímia7

- proscrever (proibir) / prescrever (aconselhar); O prefixo “hiper” traz a ideia de muitos, de excesso.
- ratificar (confirmar) / retificar (corrigir); Partindo desta constatação, notamos que os hiperônimos são
- descrição (ato de descrever) / discrição (qualidade de palavras que conferem a noção de um todo, um conjunto ou
quem é discreto); um grupo maior. Algo mais abrangente.
- iminente (pendente, que está para acontecer) / eminente Por exemplo: diversas palavras partem da palavra
(ilustre); “veículo”, como carro, trem, caminhão, carroça. Ou seja,
- tráfego (trânsito) / tráfico (comércio). “veículo” é hiperônimo dessas outras palavras. Da mesma
forma que “fruta” é hiperônimo de maçã, banana, goiaba.
Heteronímia
Hiponímia
Ocorre quando palavras diferentes apontam para cada um
dos sexos: O prefixo “hipo” transmite a ideia de algo em posição
- homem/mulher inferior, diferente de um todo. Por isso os hipônimos são
- boi/vaca palavras (partes) que fazem parte de um todo. Ou seja, é o
- frade/freira oposto da ideia de hiperonímia.
- pai/mãe Tomemos “fruta” como um todo. Os hipônimos de “fruta”
- padrinho/madrinha são laranja, abacaxi, limão. Todos são fazem parte do grupo
“fruta”, mas há essas ramificações, que são os hipônimos.
Questões
Questões
01. (Prefeitura de Cabo de Santo Agostinho - PE -
Técnico em Segurança do Trabalho - IBFC/2019) Assinale 01. (ALERJ - Especialista Legislativo - FGV) As relações
a alternativa que preencha correta e respectivamente as semânticas entre palavras e expressões de um texto são
lacunas abaixo. identificadas por sinonímia, antonímia, hiponímia, homonímia
“Na _____ de vendas da empresa, houve o crime de _____. A e polissemia.
polícia participou da _____ das 15:00, com os funcionários, e A relação abaixo, do segundo em relação ao primeiro
_____ a delação dos criminosos.” vocábulo, que exemplifica hiponímia é:
(A) sessão, extorção, seção, incentivou. (A) contente/satisfeito;
(B) seção, extorsão, cessão, insentivou. (B) serrote/ferramenta;
(C) seção, extorsão, sessão, incentivou. (C) sábia/sabiá;
(D) sessão, extorção, cessão, insentivou. (D) emigrar/imigrar;
(E) autor/Shakespeare.
02. (Prefeitura de São José - SC - Agente de Fiscalização
Ambiental - IESES/2019) Leia as assertivas a seguir: 02. (Prefeitura de Salvador - BA - Professor -
CESGRANRIO) Estabelece relação de hiperonímia/hiponímia,
I. João estava deitado em sua caminha. Sua avó já não nessa ordem, o seguinte par de palavras:
caminha, está em cadeira de rodas. (A) estrondo – ruído.
II. Dentro da loja, apreçaram os produtos. De qualquer (B) pescador – trabalhador.
forma, não poderiam apressar os clientes. (C) pista – aeroporto.
III. Perdemos o apoio de nosso mais poderoso aliado. No (D) piloto – comissário.
entanto, apoio os que ficaram ao nosso lado. (E) aeronave – jatinho.
Assinale a alternativa que se aplica quanto às palavras
sublinhadas: 03. (UFC - Tradutor Intérprete de Linguagens de Sinais
(A) I – homófonos homográficos; II – homófonos - CCV-UFC/2019) Dentre as alternativas abaixo, qual delas é
heterofônicos; III – homógrafos heterográficos. um exemplo de relação Hiperonímia? Marque a alternativa
(B) I – parônimos; II – homônimos perfeitos; III – correta.
homógrafos heterofônicos. (A) Margarida é hiperônimo de flor.
(C) I – homófonos homográficos; II – homófonos (B) Cavalo é hiperônimo de animais.
heterográficos; III – homógrafos heterofônicos. (C) Skate é hiperônimo de transporte.
(D) I – homófonos homográficos; II – parônimos; III – (D) Árvore é hiperônimo de mangueira.
parônimos. (E) Lápis é hiperônimo de material escolar.

03. (Prefeitura de Juazeiro do Norte - CE - Engenheiro Gabarito


Civil - CETREDE/2019) NÃO são homônimos homófonos 01. E / 02. E / 03. D
(A) taxar x tachar.
(B) expiar x espiar. Polissemia
(C) maça x massa.
(D) lactante x lactente. Uma palavra polissêmica possui diversos significados, que
(E) bucho x buxo. podem variar dependendo do contexto na qual é utilizada.
Ex.: - pregar (um sermão) – pregar (= preguear uma bainha
Gabarito da roupa) – pregar (um prego);
01. C / 02. C / 03. D - manga (de camisa ou de candeeiro) – manga (fruto) –
manga (= bando, ajuntamento) – manga (parede);
- cabo (cabeça, extremidade, posto na hierarquia militar) –
cabo (= parte de instrumento por onde esse se impunha ou
utiliza: cabo da faca).

7 https://bit.ly/2RgSXVq.

Língua Portuguesa 20
APOSTILAS OPÇÃO

É possível perceber que alguns desses contextos passaram O efeito polissêmico resultante da charge reside no
a fazer sentido por questões sociais, culturais ou históricas emprego da palavra
adquiridas ao longo do tempo. Vale ressaltar, no entanto, que (A) hora.
o sentido original descrito no dicionário é o que prevalece, (B) peso.
sendo os demais atribuídos pela analise contextual. (C) certeza.
(D) claro.
Monossemia (E) esteira.
É o oposto de polissemia, ou seja, quando a palavra tem um
único significado. 02. (Prefeitura de Ananindeua - PA - Assistente Social -
CETAP/2019) O verbo passar, presente em: “Já quem passou
Polissemia e Homonímia pela escola (...)’’ é polissêmico. Identifique a alternativa em que
Não confunda polissemia e homonímia. Polissemia remete o sentido do verbo é similar ao do exemplo:
a uma palavra que apresenta diversos significados que se (A) Os números do desemprego passaram de cem.
encaixam em diversos contextos, enquanto homonímia refere- (B) A bela funcionária passou o rodo na maioria dos
se a duas ou mais palavras que apresentam origens e rapazes da fábrica.
significados distintos, contudo possuem grafia e fonologia (C) O gerente passou as informações com fluência.
idênticas. (D) Ao passar pela universidade, pouco aprendi de prático.
Por exemplo, “manga” é uma palavra que representa um
caso de homonímia. O termo designa tanto uma fruta quanto 03. (IF-ES - Administrador - IF-ES) A tirinha a seguir deve
uma parte da camisa. Não se trata de uma polissemia por que ser utilizada para a questão.
os dois significados são próprios da palavra e possuem origens
distintas. Por esse motivo, diversos especialistas defendem
que a palavra “manga” deveria possuir duas entradas distintas
no dicionário.

Polissemia e Ambiguidade
Tanto a polissemia quanto a ambiguidade são elementos da
linguagem capazes de provocar confusões na interpretação de
frases. Sobre a ambiguidade, geralmente, o enunciado
apresenta uma construção de palavras que permite mais de
uma interpretação para a frase em questão.
Nem sempre se trata de uma palavra que tenha mais de um
significado, e sim de como as palavras estão dispostas na frase,
permitindo que as informações sejam interpretadas de mais
de uma forma.

Ex.: Jorge criticou severamente a prima de sua amiga, que


frequentava o mesmo clube que ele.
Nesse caso, o pronome que pode estar referindo-se a amiga
ou a prima.

Já no caso da polissemia, por conta de uma mesma palavra


possuir mais de um significado, ela pode fazer com que as
pessoas não compreendam o sentido utilizado no primeiro
contato com a frase e interpretem o enunciado de uma O sentido de “Posso usar o seu sapato” é diferente para o
maneira diferente daquele originalmente intencionado. Neste Cascão e para o Cebolinha. Isso se deve à
caso, para que isso não ocorra, é importante que fique claro (A) sinonímia.
qual é o contexto em que a palavra foi empregada. (B) antonímia.
(C) polissemia.
Questões (D) eufemismo.
(E) catacrese.
01. (Câmara de Cambé - PR - Auxiliar Administrativo -
COPS-UEL/2018) Leia o texto a seguir. 04. (SEDUC/PI - Professor Temporário - Língua
Portuguesa - NUCEPE/2018)

O efeito de humor, na tirinha, é explorado pelo recurso


semântico da:
(A) Sinonímia.
(B) Polissemia
(C) Contradição.
(D) Antonímia.
(E) Ambiguidade.
(Disponível em: http://ivoviuauva.blogspot.com.). Acesso em 20 nov. 2017.

Língua Portuguesa 21
APOSTILAS OPÇÃO

Gabarito Se não houver alteração de pronúncia, já não se diz mais


01. E / 02. D / 03. C / 04. B aglutinação, mas justaposição. A palavra Pernalonga, por
exemplo, que designa uma personagem de desenhos
Sentido Próprio e Sentido Figurado animados, não se formou por aglutinação, mas por
justaposição.
É possível empregar as palavras no sentido próprio ou no Em linguagem científica é muito comum restringir-se o
sentido figurado. significado das palavras para dar precisão à comunicação.
Ex.: A palavra girassol, formada de gira (do verbo girar) + sol,
- Construí um muro de pedra. (Sentido próprio). não pode ser usada para designar, por exemplo, um astro que
- Dalton tem um coração de pedra. (Sentido figurado). gira em torno do Sol, seu sentido sofreu restrição, e ela serve
- As águas pingavam da torneira. (Sentido próprio). para designar apenas um tipo de flor que tem a propriedade
- As horas iam pingando lentamente. (Sentido figurado). de acompanhar o movimento do Sol.
Existem certas palavras que, além do significado explícito,
Denotação contêm outros implícitos (ou pressupostos). Os exemplos são
muitos. É o caso do pronome outro, por exemplo, que indica
É o sentido da palavra interpretada ao pé da letra, ou seja, certa pessoa ou coisa, pressupondo necessariamente a
de acordo com o sentido geral que ela tem na maioria dos existência de ao menos uma além daquela indicada.
contextos em que ocorre. Trata-se do sentido próprio da Prova disso é que não faz sentido, para um escritor que
palavra, aquele encontrado no dicionário. Por exemplo: “Uma nunca lançou um livro, dizer que ele estará autografando seu
pedra no meio da rua foi a causa do acidente”. outro livro. O uso de outro pressupõe, necessariamente, ao
A palavra “pedra” aqui está usada em sentido literal, ou menos um livro além daquele que está sendo autografado.
seja, o objeto mesmo.
Questões
Conotação
01. (UNICAMP - Profissional da Tecnologia,
É o sentido da palavra desviado do usual, ou seja, aquele Informação e Comunicação - VUNESP/2019) Assinale a
que se distancia do sentido próprio e costumeiro. Por exemplo: alternativa contendo unicamente palavras empregadas em seu
“As pedras atiradas pela boca ferem mais do que as atiradas pela sentido próprio.
mão”. (A) ... a figura mais rica do mundo era o dono de um
“Pedras”, neste contexto, não está indicando o que estaleiro naval (Daniel K. Ludwig) que fizera fortuna vendendo
usualmente significa (objeto), mas um insulto, uma ofensa embarcações para a indústria de petróleo.
produzida pelas palavras, capazes de machucar assim como (B) Os nerds não deixaram pedra sobre pedra. Fizeram
uma pedra “objeto” que é atirada em alguém. suas apostas e quebraram a banca.
(C) Ao som de We Are the Champions, clássico do Queen,
Ampliação de Sentido eles celebraram a vitória. O filme foi premonitório.
(D) ... por trás daqueles óculos genuinamente nerds, na foto
Fala-se em ampliação de sentido quando a palavra passa a da detenção, brotavam um novo mundo e novas concepções do
designar uma quantidade mais ampla de significado do que o que é ser bacana.
seu original. (E) ... o leve sorriso irônico anunciava um salto destinado a
“Embarcar”, por exemplo, originariamente era utilizada dar um contr+alt+del nada metafórico em quem ainda achava
para designar o ato de viajar em um barco. Seu sentido foi possível andar ao modo da velha indústria.
ampliado consideravelmente, passando a designar a ação de
viajar em outros veículos também. Hoje se diz, por ampliação 02. (MPE-SP - Auxiliar de Promotoria I -
de sentido, que um passageiro: VUNESP/2019) Assinale a alternativa em que há palavra ou
- Embarcou em um trem. expressão empregada com sentido figurado.
- Embarcou no ônibus das dez. (A) ... sempre esquecidos de alguma coisa.
- Embarcou no avião da força aérea. (B) ... e correm e correm de um para o outro lado...
- Embarcou num transatlântico. (C) ... que impossibilidade de se organizarem...
(D) Certamente falta-lhes não sei que atributo essencial...
“Alpinista”, em sua origem, era utilizada para indicar (E) ... sons que se despedaçam e tombam no campo...
aquele que escala os Alpes (cadeia montanhosa europeia).
Depois, por ampliação de sentido, passou a designar qualquer 03. (UFAL - Engenheiro Mecânico - COPEVE-
tipo de praticante de escalar montanhas. UFAL/2019) Escolha a opção em que a frase NÃO usa palavras
ou expressões em sentido conotativo:
Restrição de Sentido (A) O público espumava xingamentos e vaias ao árbitro da
partida
Ao lado da ampliação de sentido, existe o movimento (B) O atleta mais importante do time foi perseguido por
inverso, isto é, uma palavra passa a designar uma quantidade muitas lesões nesta temporada
mais restrita de objetos ou noções do que originariamente (C) A torcida do Flamengo abraçou a equipe na busca pelo
designava. título
É o caso, por exemplo, das palavras que saem da língua (D) Saiu barato para o jogador a punição com suspensão
geral e passam a ser usadas com sentido determinado, dentro por apenas dois jogos
de um universo restrito do conhecimento. (E) A multidão nas ruas aplaudia a passagem dos
A palavra aglutinação, por exemplo, na nomenclatura maratonistas
gramatical, é bom exemplo de especialização de sentido. Na
língua geral, ela significa qualquer junção de elementos para 04. (Prefeitura de Gramado - RS - Auxiliar
formar um todo, todavia, em Gramática designa apenas um Administrativo - FUNDATEC/2019) Assinale a alternativa
tipo de formação de palavras por composição em que a junção que apresenta linguagem conotativa.
dos elementos acarreta alteração de pronúncia, como é o caso (A) De acordo com os resultados, os genes influenciam,
de pernilongo (perna + longa). mas muito menos do que se pensava anteriormente.

Língua Portuguesa 22
APOSTILAS OPÇÃO

(B) As conclusões são relativamente surpreendentes, - depois de todos/todas + numeral + substantivo: Todos
embora a ciência já soubesse que o DNA pesava menos que o os vinte atletas participarão do campeonato.
estilo de vida. - com o superlativo relativo: Mariane escolheu as mais
(C) A novidade deste estudo está na maneira como os lindas flores da floricultura.
dados foram analisados, e é isso que é enfatizado no - com a palavra outro, com sentido determinado: Marcelo
complicado título. tem dois amigos: Rui é alto e lindo, o outro é atlético e
(D) Isso não significa que, com melhorias na genética, não simpático.
iremos viver mais. - antes dos nomes das quatro estações do ano: Depois da
(E) Sempre haverá um ambiente no qual ela influencia primavera vem o verão.
mais do que em outro, mas o controle dos genes aumentará a - com expressões de peso e medida: O álcool custa um real
longevidade . o litro. (=cada litro)

05. (Prefeitura de Salvador - BA - Guarda Civil Não se usa o artigo definido:


Municipal - FGV/2019) A respeito das manchetes do jornal A - antes de pronomes de tratamento iniciados por
Tarde transcritas a seguir, assinale a que não utiliza linguagem possessivos: Vossa Excelência, Vossa Senhoria. Ex.: Vossa
figurada. Alteza estará presente ao debate?
(A) “Judô do Brasil passa em branco no 2º dia de disputas - antes de nomes de meses: O campeonato aconteceu em
em Haia”. maio de 2002.
(B) “Neymar e Cavani minimizam jogo ‘pesado’ em - alguns nomes de países, como Espanha, França,
amistoso”. Inglaterra, Itália podem ser construídos sem o artigo,
(C) “Homens armados roubam supermercado e levam principalmente quando regidos de preposição. Ex.: “Viveu
celulares”. muito tempo em Espanha.”
(D) “Ex de Safadão anuncia que será musa da Grande Rio”. - antes de todos / todas + numeral: Eles são, todos
(E) “Lotérica é assaltada e assaltantes usam reféns como quatro, amigos de João Luís e Laurinha.
escudo”. - antes de palavras que designam matéria de estudo,
empregadas com os verbos: aprender, estudar, cursar,
Gabarito ensinar. Ex.: Estudo Inglês e Cristiane estuda Francês.
01. C / 02. E / 03. E / 04. B / 05. C
O uso do artigo é facultativo:
- antes do pronome possessivo: Sua / A sua incompetência
é irritante.
Emprego de tempos e - antes de nomes próprios de pessoas: Você já visitou
modos dos verbos em Luciana / a Luciana?
português. Morfologia: - “Daqui para a frente, tudo vai ser diferente.” (Para a
frente: exige a preposição)
reconhecimento, emprego e
sentido das classes Formas combinadas do artigo definido: Preposição + o = ao
gramaticais; processos de / de + o, a = do, da / em + o, a = no, na / por + o, a = pelo, pela.

formação de palavras; Usa-se o artigo indefinido:


- para indicar aproximação numérica: Nicole devia ter uns
oito anos.
- antes dos nomes de partes do corpo ou de objetos em
CLASSES DE PALAVRAS pares: Usava umas calças largas e umas botas longas.
- em linguagem coloquial, com valor intensivo: Rafaela é
Em Classes de Palavras, estudaremos artigo, substantivo, uma meiguice só.
adjetivo, numeral, pronome, verbo, advérbio, preposição, - para comparar alguém com um personagem célebre: Luís
interjeição e conjunção. E dentro de cada uma, abordaremos August é um Rui Barbosa.
seu emprego e quando houver, sua flexão.
O artigo indefinido não é usado:
Artigo - em expressões de quantidade: pessoa, porção, parte,
gente, quantidade. Ex.: Reservou para todos boa parte do lucro.
É a palavra que acompanha o substantivo, indicando-lhe o - com adjetivos como: escasso, excessivo, suficiente. Ex.:
gênero e o número, determinando-o ou generalizando-o. Os Não há suficiente espaço para todos.
artigos podem ser: - com substantivo que denota espécie. Ex.: Cão que ladra
Definidos: o, a, os, as; determinam os substantivos, trata de não morde.
um ser já conhecido; denota familiaridade: “A grande reforma
do ensino superior é a reforma do ensino fundamental e do Formas combinadas do artigo indefinido: Preposição de e
médio.” em + um, uma = num, numa, dum, duma.
Indefinidos: um, uma, uns, umas; Trata-se de um ser
desconhecido, dá ao substantivo valor vago: “...foi chegando O artigo (o, a, um, uma) anteposto a qualquer palavra
um caboclinho magro, com uma taquara na mão.” (A. Lima) transforma-a em substantivo. O ato literário é o conjunto do
ler e do escrever.
Usa-se o artigo definido:
- com a palavra ambos: falou-nos que ambos os culpados Questões
foram punidos.
- com nomes próprios geográficos de estado, país, oceano, 01. (Banestes - Analista Econômico Financeiro - Gestão
montanha, rio, lago: o Brasil, o rio Amazonas, a Argentina, o Contábil - FGV/2018) A frase abaixo em que o emprego do
oceano Pacífico. Ex.: Conheço o Canadá mas não conheço artigo mostra inadequação é:
Brasília.

Língua Portuguesa 23
APOSTILAS OPÇÃO

(A) Todas as coisas que hoje se creem antiquíssimas já 05. (Câmara de Conselheiro Lafaiete - MG - Agente
foram novas; Legislativo - FCM/2019) O artigo é um signo que exige a
(B) Cuidado com todas as coisas que requeiram roupas presença de outro (ou outros) com o qual se associa. Ele se
novas; classifica em definido e em indefinido.
(C) Todos os bons pensamentos estão presentes no Considere esse princípio e leia o texto seguinte.
mundo, só falta aplicá-los;
(D) Em toda a separação existe uma imagem da morte; A noite/2
(E) Alegria de amor dura apenas um instante, mas
sofrimento de amor dura toda a vida. Eu adormeço às margens de uma mulher: eu adormeço às
margens de um abismo.
02. (Prefeitura de Timbó - SC - Técnico em Segurança (GALEANO, Eduardo. Mulheres. Porto Alegre: L&PM, 1997, p. 28.)
do Trabalho - FURB/2019)
Analise as afirmações a seguir e a relação proposta entre
Uma deputada estadual de Santa Catarina recebeu críticas elas.
nas redes sociais após comparecer a posse na Assembleia I. Os artigos grifados nas frases apresentadas, antepostos
Legislativa com um macacão decotado. A ex-prefeita de aos substantivos, são classificados como indefinidos
Bombinhas, Ana Paula da Silva, do PDT, no dia 1º de fevereiro PORQUE
foi até a cerimônia e chamou a atenção pela roupa. Nas redes II. atribuem aos seres que acompanham um sentido
sociais, ela publicou uma foto dizendo que era o momento de preciso, particularizando as palavras “mulher” e “abismo”.
“trabalhar”, no entanto, a maioria das pessoas reparou apenas
no decote. [...] Sobre as afirmações, é correto afirmar que
Disponível em: https://www.metrojornal.com.br. Acesso em: 05/02/2019. (A) as duas são falsas.
[adaptado] (B) a primeira é falsa e a segunda é verdadeira.
(C) a primeira é verdadeira e a segunda é falsa.
Assinale a alternativa que contenha um artigo utilizado no (D) as duas são verdadeiras e a segunda é uma justificativa
texto: correta da primeira.
(A) Uma (E) as duas são verdadeiras, mas a segunda não é uma
(B) Até justificativa da primeira.
(C) De
(D) Após Gabarito
(E) Ela 01. D / 02. A / 03. C / 04. B / 05. C

03. (SESAP/RN - Técnico em Enfermagem - Substantivo


COMPERVE/2018)
Nas décadas subsequentes, vários estudos É a palavra que dá nomes aos seres. Inclui os nomes de
correlacionaram os hábitos dos pacientes como fatores de pessoas, de lugares, coisas, entes de natureza espiritual ou
risco para doenças cardiovasculares. Sedentarismo, mitológica: vegetação, sereia, cidade, anjo, árvore, respeito,
tabagismo, obesidade, entre outros, aumentam drasticamente criança.
as chances de enfarte.
Classificação
Com relação à quantidade de artigos no trecho, há - Comuns: nomeiam os seres da mesma espécie. Ex.:
(A) cinco. menina, piano, estrela, rio, animal, árvore.
(B) três. - Próprios: referem-se a um ser em particular. Ex.: Brasil,
(C) quatro. América do Norte, Deus, Paulo, Lucélia.
(D) dois. - Concretos: são aqueles que têm existência própria; são
independentes; reais ou imaginários. Ex.: mãe, mar, água, anjo,
04. (IF-TO - Jornalista - IF-TO/2019) alma, Deus, vento, saci.
- Abstrato: são os que não têm existência própria; depende
Texto 2 sempre de um ser para existir. Designam qualidades,
sentimentos, ações, estados dos seres: dor, doença, amor, fé,
Tanto o desenvolvimento como o ponto de partida da beijo, abraço, juventude, covardia. Ex.: É necessário alguém ser
argumentação pressupõem acordo do auditório. Esse acordo ou estar triste para a tristeza manifestar-se.
tem por objeto ora o conteúdo das premissas explícitas, ora as
ligações particulares utilizadas, ora a forma de servir-se dessas Formação
ligações. O orador, utilizando as premissas que servirão de - Simples: são aqueles formados por apenas um radical:
fundamento à sua construção, conta com a adesão de seus chuva, tempo, sol, guarda.
ouvintes às proposições iniciais, mas estes lha podem recusar, - Compostos: são os que são formados por mais de dois
seja por não aderirem ao que o orador lhes apresenta como radicais: guarda-chuva, girassol, água-de-colônia.
adquirido, seja por perceberem o caráter unilateral da escolha - Primitivos: são os que não derivam de outras palavras;
das premissas, seja por ficarem contrariados com o caráter vieram primeiro, deram origem a outras palavras. Ex.: ferro,
tendencioso da apresentação delas. Pedro, mês, queijo.
PERELMAN, Chaim; OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da argumentação:
a nova retórica. São Paulo: Martins Fontes, 2014, p. 73 (adaptado)
- Derivados: são formados de outra palavra já existente;
vieram depois. Ex.: ferradura, pedreiro, mesada, requeijão.
Assinale a alternativa que apresenta fragmento do texto - Coletivos: os substantivos comuns que, mesmo no
em que o emprego do artigo definido é optativo. singular, designam um conjunto de seres de uma mesma
(A) “por não aderirem ao que o orador lhes apresenta”. espécie. Ex.:
(B) “fundamento à sua construção”.
(C) “O orador”.
(D) “adesão de seus ouvintes às proposições iniciais”.
(E) “escolha das premissas”.

Língua Portuguesa 24
APOSTILAS OPÇÃO

Álbum de fotografias Colmeia de abelhas R mudam sua sílaba tônica, no plural: júnior, juniores / caráter,
de bispos em caracteres / sênior, seniores.
Alcateia de lobos Concílio
assembleia - IS – aos substantivos terminados em al, el, ol, ul: jornal,
de textos jornais / sol, sóis / túnel, túneis / mel, meles, méis. Exceções:
Antologia Conclave de cardeais
escolhidos
mal, males / cônsul, cônsules / real, réis.
Arquipélago ilhas Cordilheira de montanhas
- ÃO – aos substantivos terminados em ão, acrescenta S:
cidadão, cidadãos / irmão, irmãos / mão, mãos.
Reflexão do Substantivo
Os substantivos apresentam variações ou flexões de gênero Trocam-se:
(masculino/feminino), de número (plural/singular) e de grau - ão por ões: botão, botões / limão, limões / portão, portões
(aumentativo/diminutivo).
/ mamão, mamões.
- ão por ãe: pão, pães / charlatão, charlatães / alemão,
Gênero (masculino/feminino)
alemães / cão, cães.
Na língua portuguesa há dois gêneros: masculino e
- il por is (oxítonas): funil, funis / fuzil, fuzis / canil, canis /
feminino. A regra para a flexão do gênero é a troca de o por a,
pernil, pernis.
ou o acréscimo da vogal a, no final da palavra: mestre, mestra.
- por eis (paroxítonas): fóssil, fósseis / réptil, répteis /
projétil, projéteis.
Formação do Feminino
- m por ns: nuvem, nuvens / som, sons / vintém, vinténs /
O feminino se realiza de três modos:
atum, atuns.
- Flexionando-se o substantivo masculino: filho, filha /
- zito, zinho - 1º coloca-se o substantivo no plural: balão,
mestre, mestra / leão, leoa;
balões. 2º elimina-se o S + zinhos.
- Acrescentando-se ao masculino a desinência “a” ou um Balão – balões – balões + zinhos: balõezinhos.
sufixo feminino: autor, autora / deus, deusa / cônsul, Papel – papéis – papel + zinhos: papeizinhos.
consulesa / cantor, cantora / reitor, reitora. Cão – cães - cãe + zitos: Cãezitos.
- Utilizando-se uma palavra feminina com radical
diferente: pai, mãe / homem, mulher / boi, vaca / carneiro,
Alguns substantivos terminados em X são invariáveis
ovelha / cavalo, égua.
(valor fonético = cs): os tórax, os tórax / o ônix, os ônix / a fênix,
as fênix / uma Xerox, duas Xerox / um fax, dois fax.
Substantivos Uniformes
- Epicenos: designam certos animais e têm um só gênero,
Substantivos terminados em ÃO com mais de uma forma
quer se refiram ao macho ou à fêmea. – jacaré macho ou fêmea
no plural:
/ a cobra macho ou fêmea.
aldeão, aldeões, aldeãos;
- Comuns de dois gêneros: apenas uma forma e designam
verão, verões, verãos;
indivíduos dos dois sexos. São masculinos ou femininos. A
anão, anões, anãos;
indicação do sexo é feita com uso do artigo masculino ou
guardião, guardiões, guardiães;
feminino: o, a intérprete / o, a colega / o, a médium / o, a corrimão, corrimãos, corrimões;
pianista. ancião, anciões, anciães, anciãos;
- Sobrecomuns: designam pessoas e têm um só gênero ermitão, ermitões, ermitães, ermitãos.
para homem ou a mulher: a criança (menino, menina) / a
testemunha (homem, mulher) / o cônjuge (marido, mulher).
Metafonia - apresentam o “o” tônico fechado no singular e
aberto no plural: caroço (ô), caroços (ó) / imposto (ô),
Alguns substantivos que mudam de sentido, quando se
impostos (ó).
troca o gênero:
o lotação (veículo) - a lotação (efeito de lotar);
Substantivos que mudam de sentido quando usados no
o capital (dinheiro) - a capital (cidade);
plural: Fez bem a todos (alegria); Houve separação de bens.
o cabeça (chefe, líder) - a cabeça (parte do corpo);
(Patrimônio); Conferiu a féria do dia. (Salário); As férias foram
o guia (acompanhante) - a guia (documentação).
maravilhosas. (Descanso).
São masculinos: o eclipse, o dó, o dengue (manha), o
Substantivos empregados somente no plural: Arredores,
champanha, o soprano, o clã, o alvará, o sanduíche, o clarinete, belas-artes, bodas (ô), condolências, cócegas, costas, exéquias,
o Hosana, o espécime, o guaraná, o diabete ou diabetes, o tapa, férias, olheiras, fezes, núpcias, óculos, parabéns, pêsames,
o lança-perfume, o praça (soldado raso), o pernoite, o
viveres, idos, afazeres, algemas.
formicida, o herpes, o sósia, o telefonema, o saca-rolha, o
plasma, o estigma.
Plural dos Substantivos Compostos
São femininos: a dinamite, a derme, a hélice, a aluvião, a
Somente o segundo (ou último) elemento vai para o plural:
análise, a cal, a gênese, a entorse, a faringe, a cólera (doença),
a cataplasma, a pane, a mascote, a libido (desejo sexual), a rês,
- palavra unida sem hífen: pontapé = pontapés / girassol
a sentinela, a sucuri, a usucapião, a omelete, a hortelã, a fama,
= girassóis / autopeça = autopeças.
a Xerox, a aguardente.
- verbo + substantivo: saca-rolha = saca-rolhas / arranha-
céu = arranha-céus / bate-bola = bate-bolas / guarda-roupa =
Número (plural/singular)
guarda-roupas / guarda-sol = guarda-sóis / vale-refeição =
Acrescentam-se: vale-refeições.
- S – aos substantivos terminados em vogal ou ditongo: - elemento invariável + palavra variável: sempre-viva =
povo, povos / feira, feiras / série, séries. sempre-vivas / abaixo-assinado = abaixo-assinados / recém-
- S – aos substantivos terminados em N: líquen, liquens /
nascido = recém-nascidos / ex-marido = ex-maridos / auto-
abdômen, abdomens / hífen, hífens. Também: líquenes,
escola = auto-escolas.
abdômenes, hífenes.
- palavras repetidas: o reco-reco = os reco-recos / o tico-
- ES – aos substantivos terminados em R, S, Z: cartaz,
tico = os tico-ticos / o corre-corre = os corre-corres.
cartazes / motor, motores / mês, meses. Alguns terminados em

Língua Portuguesa 25
APOSTILAS OPÇÃO

- substantivo composto de três ou mais elementos não de diminuição (diminuto, pequeno, minúscula, casa pequena,
ligados por preposição: o bem-me-quer = os bem-me-queres / peça minúscula, saia diminuta).
o bem-te-vi = os bem-te-vis / o sem-terra = os sem-terra / o
fora-da-lei = os fora-da-lei / o João-ninguém = os joões-ninguém - Sem falar em aumentativo e diminutivo alguns
/ o ponto-e-vírgula = os ponto e vírgulas / o bumba meu boi = substantivos exprimem também desprezo, crítica, indiferença
os bumba meu bois. em relação a certas pessoas e objetos: gentalha, mulherengo,
- quando o primeiro elemento for: grão, grã (grande), bel: narigão, gentinha, coisinha, povinho, livreco.
grão-duque = grão-duques / grã-cruz = grã-cruzes / bel-prazer - Já alguns diminutivos dão ideia de afetividade: filhinho,
= bel-prazeres. Toninho, mãezinha.
- Em consequência do dinamismo da língua, alguns
Somente o primeiro elemento vai para o plural: substantivos no grau diminutivo e aumentativo adquiriram
um significado novo: portão, cartão, fogão, cartilha, folhinha
- substantivo + preposição + substantivo: água de colônia (calendário).
= águas-de-colônia / mula-sem-cabeça = mulas-sem-cabeça / - As palavras proparoxítonas e as palavras terminadas em
pão-de-ló = pães-de-ló / sinal-da-cruz = sinais-da-cruz. sílabas nasal, ditongo, hiato ou vogal tônica recebem o sufixo
- quando o segundo elemento limita o primeiro ou dá zinho(a): lâmpada (proparoxítona) = lampadazinha; irmão
ideia de tipo, finalidade: samba-enredo = sambas-enredo / (sílaba nasal) = irmãozinho; herói (ditongo) = heroizinho; baú
pombo-correio = pombos-correio / salário-família = salários- (hiato) = bauzinho; café (voga tônica) = cafezinho.
família / banana-maçã = bananas-maçã / vale-refeição = vales- - As palavras terminadas em s ou z, ou em uma dessas
refeição (vale = ter valor de, substantivo+especificador) consoantes seguidas de vogal recebem o sufixo inho: país =
paisinho; rapaz = rapazinho; rosa = rosinha; beleza =
Os dois elementos ficam invariáveis quando houver: belezinha.
- Há ainda aumentativos e diminutivos formados por
- verbo + advérbio: o ganha-pouco = os ganha-pouco / o prefixação: minissaia, maxissaia, supermercado,
cola-tudo = os cola-tudo / o bota-fora = os bota-fora minicalculadora.
- os compostos de verbos de sentido oposto: o entra-e-sai
= os entra-e-sai / o leva-e-traz = os leva-e-traz / o vai-e-volta Questões
= os vai-e-volta.
01. (Prefeitura de Imperatriz - MA - Fisioterapeuta -
Os dois elementos, vão para o plural: Prefeitura de Imperatriz - MA/2019) Quanto a classificação,
estamos falando daquele que nomeiam estados, qualidades,
- substantivo + substantivo: decreto-lei = decretos-leis / sentimentos ou ações cuja existência depende de outros seres.
abelha-mestra = abelhas-mestras / tia-avó = tias-avós / Neste sentido, estamos nos referindo a qual classificação de
tenente-coronel = tenentes-coronéis / redator-chefe = substantivos?
redatores-chefes. (A) Próprios;
- substantivo + adjetivo: amor-perfeito = amores- (B) Primitivos;
perfeitos / capitão-mor = capitães-mores / carro-forte = (C) Derivados;
carros-fortes / obra-prima = obras-primas / cachorro-quente (D) Abstratos.
= cachorros-quentes.
- adjetivo + substantivo: boa-vida = boas-vidas / curta- 02. (Prefeitura de Fraiburgo - SC - Auxiliar de
metragem = curtas-metragens / má-língua = más-línguas / Alimentação e Nutrição - FEPESE/2019) Assinale a
- numeral ordinal + substantivo: segunda-feira = alternativa em que todos os substantivos estão no grau
segundas-feiras / quinta-feira = quintas-feiras. aumentativo.
(A) coração • coelhão • carvão • mão
Composto com a palavra guarda só vai para o plural se (B) carrão • pavão • marcação • corpanzil
for pessoa: guarda-noturno = guardas-noturnos / guarda- (C) palavrão • barrigão • caixão • cabeção
florestal = guardas-florestais / guarda-civil = guardas-civis / (D) cebolão • canastrão • sabão • leão
guarda-marinha = guardas-marinha. (E) portão • capataz • alemão • anão

Plural dos nomes próprios personalizados: os Almeidas 03. (Prefeitura de Fraiburgo - SC - Auxiliar de
/ os Oliveiras / os Picassos / os Mozarts / os Kennedys / os Alimentação e Nutrição - FEPESE/2019) Assinale a
Silvas. alternativa em que todos os substantivos destacados
pertencem ao gênero feminino.
Plural das siglas, acrescenta-se um s minúsculo: CDs / (A) “A falta de chuva em Santa Catarina está levando o
DVDs / ONGs / PMs / Ufirs. estado a uma situação de estiagem.”
(B) “Para agravar a situação, a previsão para os próximos
Grau (aumentativo/diminutivo) dias é de pouca chuva”.
Os substantivos podem ser modificados a fim de exprimir (C) “Provavelmente, as chuvas previstas para os próximos
intensidade, exagero ou diminuição. A essas modificações é dias não alterarão o quadro de estiagem em Santa Catarina”.
que damos o nome de grau do substantivo. Os graus (D) “Segundo ele, no dia 10 de agosto há previsão de chuva
aumentativos e diminutivos são formados por dois processos: com volume entre 5 e 10 mm num período de 24 horas nas
regiões do Oeste ao Sul do Estado.
- Sintético: com o acréscimo de um sufixo aumentativo ou (E) “[…] nas regiões mais críticas o total de precipitação
diminutivo: peixe – peixão; peixe-peixinho; sufixo inho ou acumulada entre os dias 1º de junho e 5 de agosto está em
isinho. torno de 40% a 50% da média climatológica.''

- Analítico: formado com palavras de aumento: grande, 04. (IBADE - Recenseador - IBGE/2019) O substantivo
enorme, imensa, gigantesca (obra imensa / lucro enorme / QUINTAS-FEIRAS foi corretamente flexionado no texto.
carro grande / prédio gigantesco); e formado com as palavras Assinale a opção em que a palavra destacada também está
correta no plural.

Língua Portuguesa 26
APOSTILAS OPÇÃO

(A) Os guardas-noturnos não eram funcionários da Os adjetivos compostos recebem a flexão feminina apenas
empresa no segundo elemento: sociedade luso-brasileira / festa cívico-
(B) Os guardas-roupas dos funcionários ficavam no religiosa / são – sã.
primeiro andar Às vezes, os adjetivos são empregados como substantivos
(C) Os funcionários assinaram os abaixos-assinados ou como advérbios: Agia como um ingênuo. (adjetivo como
(D) Aquelas eram verdadeiras obras-prima substantivo: acompanha um artigo). A cerveja que desce
(E) Dois beijas-flores apareceram no jardim redondo. (adjetivo como advérbio: redondamente).

05. (MPE-GO - Secretário Auxiliar - MPE-GO/2019) Número


Assinale a alternativa em que os substantivos foram
CORRETAMENTE empregados no plural: O plural dos adjetivos simples flexiona de acordo com o
(A) tabeliães, melões, couves-flores substantivo a que se referem: menino chorão = meninos
(B) demãos, aldeões, guardas-chuvas chorões / garota sensível = garotas sensíveis.
(C) mamãos, escrivães, surdos-mudos
(D) chãos, cidadões, terças-feiras - quando os dois elementos formadores são adjetivos, só o
(E) pães, bem-te-vis, abaixos-assinados segundo vai para o plural: questões político-partidárias, olhos
castanho-claros, senadores democrata-cristãos.
Gabarito - composto formado de adjetivo + substantivo referindo-se
01. D / 02. C / 03. E / 04. A / 05. A a cores, o adjetivo cor e o substantivo permanecem invariáveis,
não vão para o plural: terno azul-petróleo = ternos azul-
Adjetivo petróleo (adjetivo azul, substantivo petróleo); saia amarelo-
canário = saias amarelo-canário (adjetivo, amarelo;
É a palavra variável em gênero, número e grau que substantivo canário).
modifica um substantivo, atribuindo-lhe uma qualidade, - as locuções adjetivas formadas de cor + de + substantivo,
estado, ou modo de ser: laranjeira florida; céu azul; mau tempo. ficam invariáveis: papel cor-de-rosa = papéis cor-de-rosa /
Os adjetivos classificam-se em: olho cor-de-mel = olhos cor-de-mel.
- simples: apresentam um único radical, uma única palavra - são invariáveis os adjetivos raios ultravioleta / alegrias
em sua estrutura: alegre, medroso, simpático. sem-par, piadas sem-sal.
- compostos: apresentam mais de um radical, mais de duas
palavras em sua estrutura: estrelas azul-claras; sapatos Grau
marrom-escuros.
- primitivos: são os que vieram primeiro; dão origem a O grau do adjetivo exprime a intensidade das qualidades
outras palavras: atual, livre, triste, amarelo, brando. dos seres. O adjetivo apresenta duas variações de grau:
- derivados: são aqueles formados por derivação, vieram comparativo e superlativo.
depois dos primitivos: amarelado, ilegal, infeliz,
desconfortável. O grau comparativo é usado para comparar uma
- pátrios: indicam procedência ou nacionalidade, referem- qualidade entre dois ou mais seres, ou duas ou mais
se a cidades, estados, países. Amapá: amapaense; Amazonas: qualidades de um mesmo ser. Pode ser de igualdade, de
amazonense; Anápolis: anapolino; Angra dos Reis: angrense; superioridade e de inferioridade:
Aracajú: aracajuano ou aracajuense; Bahia: baiano.
- de igualdade: iguala duas coisas ou duas pessoas: Sou
Pode-se utilizar os adjetivos pátrios compostos, como: tão alto quão / quanto / como você. (As duas pessoas têm a
afro-brasileiro; Anglo-americano, franco-italiano, sino- mesma altura)
japonês (China e Japão); Américo-francês; luso-brasileira;
nipo-argentina (Japão e Argentina); teuto-argentinos - de superioridade: iguala duas pessoas / coisas sendo que
(alemão). uma é mais do que a outra: Minha amiga Manu é mais
elegante do que / que eu. (Das duas, a Manu é mais) Podem
Locução Adjetiva: é a expressão que tem o mesmo valor ser:
de um adjetivo. É formada por preposição + um substantivo. Analítico: mais bom / mais mau / mais grande / mais
Vejamos algumas locuções adjetivas: pequeno: O salário é mais pequeno do que / que justo (salário
pequeno e justo). Quando comparamos duas qualidades de um
Angelical de anjo Etário de mesmo ser, podemos usar as formas: mais grande, mais mau,
idade mais bom, mais pequeno.
Abdominal de Fabril de Sintético: bom, melhor / mau, pior / grande, maior /
abdômen fábrica
pequeno, menor: Esta sala é melhor do que / que aquela.
Apícola de abelha Filatélico de selos
Aquilino de águia Urbano da
cidade - de inferioridade: um elemento é menor do que outro:
Somos menos passivos do que / que tolerantes.
Flexões do Adjetivo
Como palavra variável, sofre flexões de gênero, número e O grau superlativo apresenta característica intensificada.
grau: Pode ser absoluto ou relativo:

Gênero - Absoluto: atribuída a um só ser; de forma absoluta. Pode


ser:
- uniformes: têm forma única para o masculino e o Analítico: advérbio de intensidade muito, intensamente,
feminino. Funcionário incompetente = funcionária bastante, extremamente, excepcionalmente + adjetivo (Nicola é
incompetente. extremamente simpático).
- biformes: troca-se a vogal “o” pela vogal “a” ou com o Sintético: adjetivo + issimo, imo, ílimo, érrimo (Minha
acréscimo da vogal “a” no final da palavra: ator famoso = atriz comadre Mariinha é agradabilíssima).
famosa / jogador brasileiro = jogadora brasileira.

Língua Portuguesa 27
APOSTILAS OPÇÃO

- o sufixo -érrimo é restrito aos adjetivos latinos (C) Era um porteiro mais pontual do que atencioso.
terminados em r; pauper (pobre) = paupérrimo; macer (D) Reconhecer o porteiro era o mínimo a se fazer.
(magro) = macérrimo; (E) O porteiro era extremamente eficiente.
- forma popular: radical do adjetivo português + íssimo
(pobríssimo); 05. (Prefeitura de Belo Horizonte - MG - Guarda Civil
- adjetivos terminados em vel + bilíssimo: amável = Municipal - FGR/2019) Na frase "Nossos viadutos, túneis e
amabilíssimo; pontes majestosos vão abaixo ou racham", é CORRETO
- adjetivos terminados em eio formam o superlativo afirmar que o termo em destaque:
apenas com i: feio = feíssimo / cheio = cheíssimo. (A) Poderá ser substituído por "majestosas",
- os adjetivos terminados em io forma o superlativo em caracterizando uma situação de concordância ideológica.
iíssimo: sério = seriíssimo / necessário = necessariíssimo / (B) Transgride as normas da concordância nominal, pois
frio = friíssimo. se trata de um caso de concordância facultativa.
(C) Deve concordar, obrigatoriamente, em gênero e
Usa-se também, no superlativo: número com o elemento mais próximo, no caso, o substantivo
"pontes".
- prefixos: hipermercado / ultrassonografia / (D) Qualifica três termos de gêneros distintos, o que indica
supersimpática. a flexão do adjetivo no masculino plural.
- expressões: suja à beça / pra lá de sério / duro que nem
sola / podre de rico / linda de morrer / magro de dar pena. Gabarito
- adjetivos repetidos: fofinho, fofinho (=fofíssimo) / 01. A / 02. D / 03. D / 04. D / 05. D
linda, linda (=lindíssima).
- diminutivo ou aumentativo: cheinha / pequenininha / Numeral
grandalhão / gostosão / bonitão.
- linguagem informal, sufixo érrimo, em vez de íssimo: Os numerais exprimem quantidade, posição em uma série,
chiquérrimo, chiquetérrimo, elegantérrimo. multiplicação e divisão. Daí a sua classificação,
respectivamente, em:
- Relativo: ressalta a qualidade de um ser entre muitos,
com a mesma qualidade. Pode ser: - Cardinal - indica número, quantidade: um, dois, três,
De Superioridade: Wilma é a mais prendada de todas as quatro, cinco, seis, sete, oito, nove, dez, onze, doze, treze,
suas amigas. (Ela é a mais de todas) catorze ou quatorze, quinze, dezesseis, vinte..., trinta..., cem...,
De Inferioridade: Paulo César é o menos tímido dos filhos. duzentos..., oitocentos..., novecentos..., mil.

Questões - Ordinal - indica ordem ou posição: primeiro, segundo,


terceiro, quarto, quinto, sexto, sétimo, oitavo, nono, décimo,
01. (Prefeitura de Juazeiro do Norte - CE - Agente décimo primeiro, vigésimo..., trigésimo..., quingentésimo...,
Administrativo - CETREDE/2019) Em qual opção o adjetivo sexcentésimo..., septingentésimo..., octingentésimo...,
está no grau superlativo? nongentésimo..., milésimo.
(A) Ótimo.
(B) Bom. - Fracionário - indica uma fração ou divisão: meia, metade,
(C) Melhor. terço, quarto, décimo, onze avos, doze avos, vinte avos..., trinta
(D) Menor. avos..., centésimo..., ducentésimo..., trecentésimo..., milésimo.
(E) Inferior.
- Multiplicativo - indica a multiplicação de um número:
02. (Órgão: Câmara de Piracicaba - SP - Motorista dobro, triplo, quádruplo, quíntuplo, sêxtuplo, sétuplo, óctuplo,
Parlamentar - VUNESP/2019) Assinale a alternativa em que nônuplo, décuplo, undécuplo, duodécuplo, cêntuplo.
a palavra destacada dá uma característica ao vocábulo
anterior. Os numerais que indicam conjunto de elementos de
(A) vivia brigando. quantidade exata são os coletivos:
(B) faria terrorismo.
(C) numa época. BIMESTRE: período de dois meses
(D) liberdade assustadora. CENTENÁRIO: período de cem anos
(E) uma caneta. DECÁLOGO: conjunto de dez leis
DECÚRIA: período de dez anos
DEZENA: conjunto de dez coisas
03. (Câmara de Jaru - RO - Contador - IBADE/2019) LUSTRO: período de cinco anos
“Para fotografar um objeto tão impossivelmente distante, a MILÊNIO: período de mil anos
equipe do EHT precisaria de UM TELESCÓPIO TÃO GRANDE MILHAR: conjunto de mil coisas
COMO A PRÓPRIA TERRA. O segmento em destaque apresenta NOVENA: período de nove dias
o adjetivo no grau: QUARENTENA: período de quarenta dias
(A) superlativo relativo. QUINQUÊNIO: período de cinco anos
(B) superlativo absoluto. RESMA: quinhentas folhas de papel
SEMESTRE: período de seis meses
(C) comparativo de inferioridade.
TRIÊNIO: período de três anos
(D) comparativo de igualdade. TRINCA: conjunto de três coisas
(E) comparativo de superioridade.
Algarismos
04. (Prefeitura de Teresina - PI - Professor de Arábicos e Romanos, respectivamente: 1-I, 2-II, 3-III, 4-IV,
Educação Básica - NUCEPE/2019) Em “Lá estava sempre, 5-V, 6-VI, 7-VII, 8-VIII, 9-IX, 10-X, 11-XI, 12-XII, 13-XIII, 14-XIV,
pontualíssimo, o mesmo porteiro.”, a palavra destacada é um 15-XV, 16-XVI, 17-XVII, 18-XVIII, 19-XIX, 20-XX, 30-XXX, 40-
exemplo de superlativo absoluto sintético, assim como em XL, 50-L, 60-LX, 70-LXX, 80-LXXX, 90-XC, 100-C, 200-CC, 300-
(A) O porteiro era o mais competente dos funcionários. CCC, 400-CD, 500-D, 600-DC, 700-DCC, 800-DCCC, 900-CM,
(B) O novo porteiro é tão querido quanto o anterior. 1.000-M.

Língua Portuguesa 28
APOSTILAS OPÇÃO

Flexão dos Numerais - emprega-se, na escrita das horas, o símbolo de cada


Gênero unidade após o numeral que a indica, sem espaço ou ponto:
- os numerais cardinais um, dois e as centenas a partir de 10h20min – dez horas, vinte minutos.
duzentos apresentam flexão de gênero: Um menino e uma
menina foram os vencedores. / Comprei duzentos gramas de Questões
presunto e duzentas rosquinhas.
- os numerais ordinais variam em gênero: Marcela foi a 01. (Prefeitura de Acaraú - CE - Auxiliar Administrativo
nona colocada no vestibular. - CETREDE/2019) Marque a opção CORRETA quanto à
- os numerais multiplicativos, quando usados com o valor classificação dos numerais a seguir: quatrocentos –
de substantivos, são Invariáveis: A minha nota é o triplo da sua. sexagésimo – sétuplo
(Triplo – valor de substantivo) (A) cardinal – ordinal – multiplicativo.
- quando usados com valor de adjetivo, apresentam flexão (B) arábico – cardinal – ordinal.
de gênero: Eu fiz duas apostas triplas na loto fácil. (Triplas (C) cardinal – cardinal – multiplicativo.
valor de adjetivo) (D) arábico – multiplicativo – multiplicativo.
- os numerais fracionários concordam com os cardinais (E) cardinal – cardinal – ordinal.
que indicam o número das partes: Dois terços dos alunos foram
contemplados. 02. (Companhia Águas de Joinville - Advogado -
- o fracionário meio concorda em gênero e número com o FEPESE/2018) Complete as frases, escrevendo por extenso o
substantivo no qual se refere: O início do concurso será meio- número ou as expressões dadas entre parênteses, empregando
dia e meia. (Hora) / Usou apenas meias palavras. os vários tipos de numerais.
1. Estefânia trabalhou o _____________ (duas vezes mais) do
Número que Fabíola.
- os numerais cardinais milhão, bilhão, trilhão, e outros, 2. Fiquei feliz. Ganhei duas ____________ (12) de rosas.
variam em número: Venderam um milhão de ingressos para a 3. Já consegui terminar _____________ (1/4) do trabalho.
festa do peão. / Somos 180 milhões de brasileiros. 4. Paulo foi o _______________ (400° ) corredor a terminar a
- os numerais ordinais variam em número: As segundas prova.
colocadas disputarão o campeonato.
- os numerais multiplicativos são invariáveis quando Assinale a alternativa que completa corretamente as
usados com valor de substantivo: Minha dívida é o dobro da lacunas do texto.
sua. (Valor de substantivo – invariável) (A) duplo • dúzias • metade • quadringentésimo
- os numerais multiplicativos variam quando usados como (B) duplo • doze • um quarto • quadrigentésimo
adjetivos: Fizemos duas apostas triplas. (Valor de adjetivo – (C) duplo • dúzias • um quarto • quadrigentésimo
variável) (D) dobro • doze • quarto • quadrigentésimo
- os numerais fracionários variam em número, (E) dobro • dúzias • um quarto • quadringentésimo
concordando com os cardinais que indicam números das
partes. 03. (SAP-SP - Analista Administrativo - MS
- Um quarto de litro equivale a 250 ml; três quartos CONCURSOS/2018) Assinale a alternativa onde temos
equivalem a 750 ml. somente numerais fracionários.
(A) Bilionésimo – noventa – quingentésimo.
Grau (B) Meio – seiscentésimo – milionésimo.
Na linguagem coloquial é comum a flexão de grau dos (C) Cêntuplo – décuplo – vinte avos.
numerais: Já lhe disse isso mil vezes. / Aquele quarentão é um (D) Duodécuplo – doze avos – milésimo.
“gato”! / Morri com cincão para a “vaquinha”, lá da escola. (E) Sexto – quíntuplo – treze avos.

Emprego dos Numerais 04. (Companhia Águas de Joinville - Advogado -


- para designar séculos, reis, papas, capítulos, cantos (na FEPESE/2018) Assinale a alternativa que contém somente
poesia épica), empregam-se: os ordinais até décimo: João Paulo numerais ordinais e multiplicativos.
II (segundo), Canto X (décimo), Luís IX (nono); os cardinais (A) triplo • dois trilhões • milésimo • zero
para os demais: Papa Bento XVI (dezesseis), Século XXI (vinte (B) oitava • dobro • vigésimo terceiro • duplo
e um). (C) nonagésimo • um bilhão • duplo • primeiro
- se o numeral vier antes do substantivo, usa-se o ordinal. (D) ducentésimo • septuagésimo quinto • sêxtuplo •
O XX século foi de descobertas científicas. (vigésimo século) novecentos e um
- com referência ao primeiro dia do mês, usa-se o numeral (E) milionésimo • ambos • décimo nono • trigésimo
ordinal: O pagamento do pessoal será sempre no dia primeiro.
- na enumeração de leis, decretos, artigos, circulares, 05. (MPE/SP - Oficial de Promotoria I - VUNESP)
portarias e outros textos oficiais, emprega-se o numeral O SBT fará uma homenagem digna da história de seu
ordinal até o nono: O diretor leu pausadamente a portaria 8ª proprietário e principal apresentador: no próximo dia 12
(portaria oitava); emprega-se o numeral cardinal, a partir de [12.12.2015] colocará no ar um especial com 2h30 de duração
dez: O artigo 16 não foi justificado. (artigo dezesseis) em homenagem a Silvio Santos. É o dia de seu aniversário de
- enumeração de casa, páginas, folhas, textos, 85 anos.
apartamentos, quartos, poltronas, emprega-se o numeral (http://tvefamosos.uol.com.br/noticias)
cardinal: Reservei a poltrona vinte e oito. / O texto quatro está
na página sessenta e cinco. As informações textuais permitem afirmar que, em
- se o numeral vier antes do substantivo, emprega-se o 12.12.2015, Sílvio Santos completou seu
ordinal. Paulo César é adepto da 7ª Arte. (sétima) (A) octogenário quinquagésimo aniversário.
- não se usa o numeral um antes de mil: Mil e duzentos (B) octogésimo quinto aniversário.
reais é muito para mim. (C) octingentésimo quinto aniversário.
- o artigo e o numeral, antes dos substantivos milhão, (D) otogésimo quinto aniversário.
milhar e bilhão, devem concordar no masculino: (E) oitavo quinto aniversário.

Língua Portuguesa 29
APOSTILAS OPÇÃO

Gabarito Os pronomes pessoais oblíquos nos, vos, e se recebem o


01. A / 02. E / 03. B / 04. B / 05. B nome de pronomes recíprocos quando expressam uma ação
mútua ou recíproca: Nós nos encontramos emocionados.
Pronome (pronome recíproco, nós mesmos). Nunca diga: Eu se apavorei.
/ Eu já se arrumei; Eu me apavorei. / Eu me arrumei. (certos)
É a palavra que acompanha ou substitui o nome, - Os pronomes pessoais retos eu e tu serão substituídos
relacionando-o a uma das três pessoas do discurso. As três por mim e ti após preposição: O segredo ficará somente entre
pessoas do discurso são: mim e ti.
1ª pessoa: eu (singular) nós (plural): aquela que fala ou - É obrigatório o emprego dos pronomes pessoais eu e tu,
emissor; quando funcionarem como sujeito: Todos pediram para eu
2ª pessoa: tu (singular) vós (plural): aquela com quem se relatar os fatos cuidadosamente. (pronome reto + verbo no
fala ou receptor; infinitivo). Lembre-se de que mim não fala, não escreve, não
3ª pessoa: ele, ela (singular) eles, elas (plural): aquela de compra, não anda.
quem se fala ou referente. - As formas oblíquas o, a, os, as são sempre empregadas
como complemento de verbos transitivos diretos ao passo
Os pronomes são classificados em: pessoais, de tratamento, que as formas lhe, lhes são empregadas como complementos
possessivos, demonstrativos, indefinidos, interrogativos e de verbos transitivos indiretos: Dona Cecília, querida amiga,
relativos. chamou-a. (verbo transitivo direto, VTD); Minha saudosa
comadre, Nircléia, obedeceu-lhe. (verbo transitivo
Pronomes Pessoais indireto,VTI)
Os pronomes pessoais dividem-se em:
- Retos - exercem a função de sujeito da oração. - É comum, na linguagem coloquial, usar o brasileiríssimo
- Oblíquos - exercem a função de complemento do verbo a gente, substituindo o pronome pessoal nós: A gente deve
(objeto direto / objeto indireto). São: tônicos com preposição fazer caridade com os mais necessitados.
ou átonos sem preposição. - Chamam-se pronomes pessoais reflexivos os pronomes
que se referem ao sujeito: Eu me feri com o canivete. (eu- 1ª
Pesso Retos Oblíquos pessoa- sujeito / me- pronome pessoal reflexivo)
as do Áton Tônic - Os pronomes pessoais oblíquos se, si e consigo devem ser
Discurso os os empregados somente como pronomes pessoais reflexivos e
Singul 1ª eu me mim,
funcionam como complementos de um verbo na 3ª pessoa,
ar pessoa tu te comigo
2ª ele/ela se, o, ti, cujo sujeito é também da 3ª pessoa: Nicole levantou-se com
pessoa a, lhe contigo elegância e levou consigo (com ela própria) todos os olhares.
3ª si, ele, (Nicole- sujeito, 3ª pessoa / levantou- verbo, 3ª pessoa /
pessoa consigo se- complemento, 3ª pessoa / levou- verbo, 3ª pessoa /
Plural 1ª nós nos nós, consigo- complemento, 3ª pessoa).
pessoa vós vos conosco
2ª eles/el se, vós, Pronomes de Tratamento
pessoa as os, as, convosco
São usados no trato com as pessoas. Dependendo da
3ª lhes si,
pessoa eles, pessoa a quem nos dirigimos, do seu cargo, idade, título, o
consigo tratamento será familiar ou cerimonioso.

- Colocados antes do verbo, os pronomes oblíquos da 3ª Vossa Alteza - V.A. - príncipes, duques;
pessoa, apresentam sempre a forma: o, a, os, as: Eu os vi saindo Vossa Eminência - V.Ema - cardeais;
do teatro. Vossa Excelência - V.Ex.a - altas autoridades, presidente,
- As palavras “só” e “todos” sempre acompanham os oficiais;
pronomes pessoais do caso reto: Eu vi só ele ontem. Vossa Magnificência - V.Mag.a - reitores de universidades;
- Colocados depois do verbo, os pronomes oblíquos da 3ª Vossa Majestade - V.M. - reis, imperadores;
pessoa apresentam as formas: Vossa Santidade - V.S. - Papa;
o, a, os, as: se o verbo terminar em vogal ou ditongo oral: Vossa Senhoria -V.Sa - tratamento cerimonioso.
Encontrei-a sozinha. Vejo-os diariamente. - São também pronomes de tratamento: o senhor, a
o, a, os, as, precedidos de verbos terminados em: R/S/Z, senhora, a senhorita, dona, você.
assumem as formas: lo, Ia, los, las, perdendo, - Doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico.
consequentemente, as terminações R, S, Z. Preciso pagar ao
verdureiro. (= pagá-lo); Fiz os exercícios a lápis. (= Fi-los a Nas comunicações oficiais devem ser utilizados somente
lápis) dois fechos:
lo, la, los, las: se vierem depois de: eis / nos / vos - Eis a Respeitosamente: para autoridades superiores, inclusive
prova do suborno. (= Ei-la); O tempo nos dirá. (= no-lo dirá). para o presidente da República.
(eis, nos, vos perdem o S) Atenciosamente: para autoridades de mesma hierarquia
no, na, nos, nas: se o verbo terminar em ditongo nasal: m, ou de hierarquia inferior.
ão, õe: Deram-na como vencedora; Põe-nos sobre a mesa.
lhe, lhes colocados depois do verbo na 1ª pessoa do plural, - A forma Vossa (Senhoria, Excelência) é empregada
terminado em S não modificado: Nós entregamos-lhe a cópia quando se fala com a própria pessoa: Vossa Senhoria não
do contrato. (o S permanece) compareceu à reunião dos sem-terra? (falando com a pessoa)
nos: colocado depois do verbo na 1ª pessoa do plural, - A forma Sua (Senhoria, Excelência ) é empregada quando
perde o S: Sentamo-nos à mesa para um café rápido. se fala sobre a pessoa: Sua Eminência, o cardeal, viajou para
me, te, lhe, nos, vos: quando colocado com verbos um congresso. (falando a respeito do cardeal)
transitivos diretos (TD), têm sentido possessivo, equivalendo - Os pronomes de tratamento com a forma Vossa (Senhoria,
a meu, teu, seu, dele, nosso, vosso: Os anos roubaram-lhe a Excelência, Eminência, Majestade), embora indiquem a 2ª
esperança. (sua, dele, dela possessivo) pessoa (com quem se fala), exigem que outros pronomes e o

Língua Portuguesa 30
APOSTILAS OPÇÃO

verbo sejam usados na 3ª pessoa. Vossa Excelência sabe que (e variações) para o que foi referido em último lugar. Ex.: Pais
seus ministros o apoiarão. e mães vieram à festa de encerramento; aqueles, sérios e
orgulhosos, estas, elegantes e risonhas.
Pronomes Possessivos - dependendo do contexto os demonstrativos também
São os pronomes que indicam posse em relação às pessoas servem como palavras de função intensificadora ou
da fala. depreciativa. Ex.: Júlia fez o exercício com aquela calma!
(=expressão intensificadora). Não se preocupe; aquilo é uma
Masculino Feminino tranqueira! (=expressão depreciativa)
Singular Plural Singular Plural - as formas nisso e nisto podem ser usadas com valor de
meu meus minha minhas então ou nesse momento. Ex.: A festa estava desanimada; nisso,
teu teus tua tuas
a orquestra tocou um samba e todos caíram na dança.
seu seus sua suas
nosso nossos nossa nossas - os demonstrativos esse, essa, são usados para destacar um
vosso vossos vossa vossas elemento anteriormente expresso. Ex.: Ninguém ligou para o
seu seus sua suas incidente, mas os pais, esses resolveram tirar tudo a limpo.

Emprego dos Pronomes Possessivos Pronomes Indefinidos


São aqueles que se referem à 3ª pessoa do discurso de
- O uso do pronome possessivo da 3ª pessoa pode modo vago indefinido, impreciso: Alguém disse que Paulo
provocar, às vezes, a ambiguidade da frase. Ex.: João Luís disse César seria o vencedor. Alguns desses pronomes são variáveis
que Laurinha estava trabalhando em seu consultório. O em gênero e número; outros são invariáveis.
pronome seu toma o sentido ambíguo, pois pode referir-se Variáveis: algum, nenhum, todo, outro, muito, pouco,
tanto ao consultório de João Luís como ao de Laurinha. No certo, vários, tanto, quanto, um, bastante, qualquer.
caso, usa-se o pronome dele, dela para desfazer a ambiguidade. Invariáveis: alguém, ninguém, tudo, outrem, algo, quem,
- Os possessivos, às vezes, podem indicar aproximações nada, cada, mais, menos, demais.
numéricas e não posse: Cláudia e Haroldo devem ter seus
trinta anos. Emprego dos Pronomes Indefinidos
- Na linguagem popular, o tratamento seu como em: Seu
Ricardo, pode entrar!, não tem valor possessivo, pois é uma - O indefinido cada deve sempre vir acompanhado de um
alteração fonética da palavra senhor. substantivo ou numeral, nunca sozinho: Ganharam cem
- Referindo-se a mais de um substantivo, o possessivo dólares cada um. (inadequado: Ganharam cem dólares cada.)
concorda com o mais próximo. Ex.: Trouxe-me seus livros e - Certo, certa, certos, certas, vários, várias, são indefinidos
anotações. quando colocados antes dos substantivos, e adjetivos quando
- Usam-se elegantemente certos pronomes oblíquos: me, colocados depois do substantivo: Certo dia perdi o controle da
te, lhe, nos, vos, com o valor de possessivos. Vou seguir-lhe os situação. (antes do substantivo= indefinido); Eles voltarão no
passos. (os seus passos) dia certo. (depois do substantivo=adjetivo).
- Deve-se observar as correlações entre os pronomes - Todo, toda (somente no singular) sem artigo, equivale a
pessoais e possessivos. “Sendo hoje o dia do teu aniversário, qualquer: Todo ser nasce chorando. (=qualquer ser;
apresso-me em apresentar-te os meus sinceros parabéns; indetermina, generaliza).
Peço a Deus pela tua felicidade; Abraça-te o teu amigo que te - Outrem significa outra pessoa. Ex.: Nunca se sabe o
preza.” pensamento de outrem.
- Não se emprega o pronome possessivo (seu, sua) quando - Qualquer, plural quaisquer. Ex.: Fazemos quaisquer
se trata de parte do corpo. Ex.: Um cavaleiro todo vestido de negócios.
negro, com um falcão em seu ombro esquerdo e uma espada
em sua, mão. (usa-se: no ombro; na mão) Locuções Pronominais Indefinidas: são locuções
pronominais indefinidas duas ou mais palavras que equivalem
Pronomes Demonstrativos ao pronome indefinido: cada qual / cada um / quem quer que
Indicam a posição dos seres designados em relação às seja / seja quem for / qualquer um / todo aquele que / um ou
pessoas do discurso, situando-os no espaço ou no tempo. outro / tal qual (=certo).
Apresentam-se em formas variáveis e invariáveis.
Pronomes Relativos
este, esta, isto, estes, estas São aqueles que representam, numa 2ª oração, alguma
Ex.: palavra que já apareceu na oração anterior. Essa palavra da
Não gostei deste livro aqui. oração anterior chama-se antecedente: Comprei um carro que
Neste ano, tenho realizado bons negócios. é movido a álcool e à gasolina. É Flex Power. Percebe-se que o
Esta afirmação me deixou surpresa: gostava de química.
pronome relativo que, substitui na 2ª oração, o carro, por isso
O homem e a mulher são massacrados pela cultura atual,
mas esta é mais oprimida. a palavra que é um pronome relativo. Dica: substituir que por
esse, essa, esses, essas o, a, os, as, qual / quais.
Ex.: Os pronomes relativos estão divididos em variáveis e
Não gostei desse livro que está em tuas mãos. invariáveis.
Nesse último ano, realizei bons negócios. Variáveis: o qual, os quais, a qual, as quais, cujo, cujos, cuja,
Gostava de química. Essa afirmação me deixou surpresa. cujas, quanto, quantos;
aquele, aquela, aquilo, aqueles, aquelas Invariáveis: que, quem, quando, como, onde.
Ex.:
Não gostei daquele livro que a Roberta trouxe.
Tenho boas recordações de 1960, pois naquele ano Emprego dos Pronomes Relativos
realizei bons negócios.
O homem e a mulher são massacrados pela cultura atual, - O relativo que, por ser o mais usado, é chamado de
mas esta é mais oprimida que aquele. relativo universal. Ele pode ser empregado com referência à
pessoa ou coisa, no plural ou no singular. Ex.: Este é o CD novo
- para retomar elementos já enunciados, usamos aquele (e que acabei de comprar; João Adolfo é o cara que pedi a Deus.
variações) para o elemento que foi referido em 1º Iugar e este

Língua Portuguesa 31
APOSTILAS OPÇÃO

- O relativo que pode ter por seu antecedente o pronome (A) Não durou mais de um ou dois minutos, mas lhe
demonstrativo o, a, os, as. Ex.: Não entendi o que você quis pareceu sinistra…
dizer. (o que = aquilo que). (B) Por um instante as duas mulheres se olharam,
- O relativo quem refere se a pessoa e vem sempre separadas pela piscina.
precedido de preposição. Ex.: Marco Aurélio é o advogado a (C) … quando perceberam que alguém os observava pelo
quem eu me referi. portão entreaberto.
- O relativo cujo e suas flexões equivalem a de que, do qual, (D) Lá no terraço o marido, fascinado, assistiu a toda a
de quem e estabelecem relação de posse entre o antecedente e cena.
o termo seguinte. (cujo, vem sempre entre dois substantivos) (E) Era um ser encardido, cujos molambos em forma de
- O pronome relativo pode vir sem antecedente claro, saia não bastavam para defini-la como mulher.
explícito; é classificado, portanto, como relativo indefinido, e
não vem precedido de preposição. Ex.: Quem casa quer casa; 05. (Prefeitura de Imperatriz - MA - Fisioterapeuta -
Feliz o homem cujo objetivo é a honestidade; Estas são as Prefeitura de Imperatriz - MA/2019) Marque a alternativa
pessoas de cujos nomes nunca vou me esquecer. correta. Pronomes são palavras que acompanham os
- Só se usa o relativo cujo quando o consequente é substantivos, podendo substituí-los (direta ou indiretamente),
diferente do antecedente. Ex.: O escritor cujo livro te falei é retomá-los ou se referir a eles. Alguns exemplos de tipos de
paulista. pronome são: pessoais, possessivos, demonstrativos,
- O pronome cujo não admite artigo nem antes nem depois interrogativos, relativos e indefinidos. Na frase "HELENA É
de si. MINHA MÃE", estamos fazendo uso de qual pronome?
- O relativo onde é usado para indicar lugar e equivale a: (A) Possessivo;
em que, no qual. Ex.: Desconheço o lugar onde vende tudo (B) Demonstrativo;
mais barato. (= lugar em que) (C) Pessoal;
- Quanto, quantos e quantas são relativos quando usados (D) Indefinido;
depois de tudo, todos, tanto. Ex.: Naquele momento, a querida Gabarito
comadre Naldete, falou tudo quanto sabia. 01. B / 02. C / 03. E / 04. E / 05. A

Pronomes Interrogativos Verbo


São os pronomes em frases interrogativas diretas ou
indiretas. Os principais interrogativos são: que, quem, qual, É a palavra que indica ação, movimento, fenômenos da
quanto: natureza, estado, mudança de estado. Flexiona-se em:
- Afinal, quem foram os prefeitos desta cidade? - número (singular e plural);
(interrogativa direta, COM o ponto de interrogação) - pessoa (primeira, segunda e terceira);
- Gostaria de saber quem foram os prefeitos desta cidade. - modo (indicativo, subjuntivo e imperativo, formas
(interrogativa indireta, SEM a interrogação) nominais: gerúndio, infinitivo e particípio);
- tempo (presente, passado e futuro);
Questões - e apresenta voz (ativa, passiva, reflexiva).

01. (Prefeitura do Rio de Janeiro - RJ - Psicólogo - De acordo com a vogal temática, os verbos estão agrupados
Prefeitura do Rio de Janeiro - RJ/2019) Está destacado um em três conjugações:
pronome relativo no seguinte trecho: 1ª conjugação – ar: cantar, dançar, pular.
(A) “Que coisa fantástica”. 2ª conjugação – er: beber, correr, entreter.
(B) “...relataram uma melhora coincidente nas dores de 3ª conjugação – ir: partir, rir, abrir.
cabeça de que sofriam.”
(C) “O fato é que todos foram criados para tratar outros O verbo pôr e seus derivados (repor, depor, dispor,
males...” compor, impor) pertencem a 2ª conjugação devido à sua
(D) “...depois que pacientes hipertensos, convulsivos e origem latina poer.
bipolares relataram...”
Elementos Estruturais do Verbo
02. (Prefeitura de Maracanã - PA - Zelador - As formas verbais apresentam três elementos em sua
CETAP/2019) “Isso nada tem a ver com delírio.”. A palavra estrutura: radical, vogal temática e tema.
destacada “Isso” é: Radical: elemento mórfico (morfema) que concentra o
(A) um pronome possessivo. significado essencial do verbo. Observe as formas verbais da
(B) um pronome relativo. 1ª conjugação: contar, esperar, brincar. Flexionando esses
(C) um pronome demonstrativo. verbos, nota-se que há uma parte que não muda, e que nela
(D) um pronome oblíquo. está o significado real do verbo.
cont é o radical do verbo contar;
03. (Prefeitura de Gramado - Advogado I - RS esper é o radical do verbo esperar;
FUNDATEC/2019) Assinale a alternativa na qual o termo brinc é o radical do verbo brincar.
sublinhado possa ser classificado como pronome
demonstrativo. Se tirarmos as terminações ar, er, ir do infinitivo dos
(A) “quase todos servem para isso”. verbos, teremos o radical desses verbos. Também podemos
(B) “traz algumas fotos de Lygia”. antepor prefixos ao radical: desnutrir / reconduzir.
(C) “Decerto uma mulher elegante, como Lygia.”
(D) "Deus nunca me abandonou". Vogal Temática: é o elemento mórfico que designa a qual
(E) “O leitor termina sem saber direito o que aconteceu.” conjugação pertence o verbo. Há três vogais temáticas: 1ª
conjugação: a; 2ª conjugação: e; 3ª conjugação: i.
04. (Prefeitura de Olímpia - SP - Guarda Civil Municipal
- VUNESP/2019) Assinale a alternativa em que o pronome Tema: é o elemento constituído pelo radical mais a vogal
destacado expressa a noção de posse. temática. Ex.: contar - cont (radical) + a (vogal temática) =

Língua Portuguesa 32
APOSTILAS OPÇÃO

tema. Se não houver a vogal temática, o tema será apenas o - Futuro do Presente: na indicação de um fato realizado
radical (contei = cont ei). num instante posterior ao que se fala. Ex.: Cantarei domingo
no coro da igreja matriz.
Desinências: são elementos que se juntam ao radical, ou - Futuro do Pretérito: para expressar um acontecimento
ao tema, para indicar as flexões de modo e tempo, desinências posterior a um outro acontecimento passado. Ex.: Compraria
modo temporais e desinências número pessoais. um carro se tivesse dinheiro

Contávamos 1ª Conjugação: -AR


Cont = radical Presente: danço, danças, dança, dançamos, dançais,
a = vogal temática dançam.
va = desinência modo temporal Pretérito Perfeito: dancei, dançaste, dançou,
mos = desinência número pessoal dançamos, dançastes, dançaram.
Pretérito Imperfeito: dançava, dançavas, dançava,
Flexões Verbais dançávamos, dançáveis, dançavam.
Flexão de número e de pessoa: o verbo varia para indicar Pretérito Mais-Que-Perfeito: dançara, dançaras,
o número e a pessoa. dançara, dançáramos, dançáreis, dançaram.
- eu estudo – 1ª pessoa do singular; Futuro do Presente: dançarei, dançarás, dançará,
- nós estudamos – 1ª pessoa do plural; dançaremos, dançareis, dançarão.
- tu estudas – 2ª pessoa do singular; Futuro do Pretérito: dançaria, dançarias, dançaria,
- vós estudais – 2ª pessoa do plural; dançaríamos, dançaríeis, dançariam.
- ele estuda – 3ª pessoa do singular;
- eles estudam – 3ª pessoa do plural. 2ª Conjugação: -ER
Presente: como, comes, come, comemos, comeis,
- Algumas regiões do Brasil, usam o pronome tu de forma comem.
diferente da fala culta, exigida pela gramática oficial, ou seja, Pretérito Perfeito: comi, comeste, comeu, comemos,
tu foi, tu pega, tu tem, em vez de: tu fostes, tu pegas, tu tens. comestes, comeram.
- O pronome vós aparece somente em textos literários ou Pretérito Imperfeito: comia, comias, comia, comíamos,
bíblicos. comíeis, comiam.
- Os pronomes: você, vocês, que levam o verbo na 3ª Pretérito Mais-Que-Perfeito: comera, comeras,
pessoa, é o mais usado no Brasil. comera, comêramos, comêreis, comeram.
Futuro do Presente: comerei, comerás, comerá,
Flexão de tempo e de modo: os tempos situam o fato ou a comeremos, comereis, comerão.
ação verbal dentro de determinado momento; pode estar em Futuro do Pretérito: comeria, comerias, comeria,
plena ocorrência, pode já ter ocorrido ou não. Essas três comeríamos, comeríeis, comeriam.
possibilidades básicas, mas não únicas, são: presente,
pretérito e futuro. 3ª Conjugação: -IR
Presente: parto, partes, parte, partimos, partis, partem.
O modo indica as diversas atitudes do falante com relação Pretérito Perfeito: parti, partiste, partiu, partimos,
ao fato que enuncia. São três os modos: partistes, partiram.
- Modo Indicativo: a atitude do falante é de certeza, Pretérito Imperfeito: partia, partias, partia, partíamos,
precisão. O fato é ou foi uma realidade. Apresenta presente, partíeis, partiam.
pretérito perfeito, imperfeito e mais que perfeito, futuro do Pretérito Mais-Que-Perfeito: partira, partiras, partira,
presente e futuro do pretérito. partíramos, partíreis, partiram.
- Modo Subjuntivo: a atitude do falante é de incerteza, de Futuro do Presente: partirei, partirás, partirá,
dúvida, exprime uma possibilidade. O subjuntivo expressa partiremos, partireis, partirão.
uma incerteza, dúvida, possibilidade, hipótese. Apresenta Futuro do Pretérito: partiria, partirias, partiria,
presente, pretérito imperfeito e futuro. Ex: Tenha paciência, partiríamos, partiríeis, partiriam.
Lourdes; Se tivesse dinheiro compraria um carro zero;
Quando o vir, dê lembranças minhas. Emprego dos Tempos do Subjuntivo
- Modo Imperativo: a atitude do falante é de ordem, um - Presente: é empregado para indicar um fato incerto ou
desejo, uma vontade, uma solicitação. Indica uma ordem, um duvidoso, muitas vezes ligados ao desejo, à suposição. Ex.:
pedido, uma súplica. Apresenta imperativo afirmativo e Duvido de que apurem os fatos; Que surjam novos e honestos
imperativo negativo. políticos.
- Pretérito Imperfeito: é empregado para indicar uma
Emprego dos Tempos do Indicativo condição ou hipótese. Ex.: Se recebesse o prêmio, voltaria à
- Presente do Indicativo: para enunciar um fato universidade.
momentâneo. Ex.: Estou feliz hoje. Para expressar um fato que - Futuro: é empregado para indicar um fato hipotético,
ocorre com frequência. Ex.: Eu almoço todos os dias na casa de pode ou não acontecer. Quando você fizer o trabalho, será
minha mãe. Na indicação de ações ou estados permanentes, generosamente gratificado.
verdades universais. Ex.: A água é incolor, inodora, insípida.
- Pretérito Imperfeito: para expressar um fato passado, 1ª Conjugação –AR
não concluído. Ex.: Nós comíamos pastel na feira; Eu cantava Presente: que eu dance, que tu dances, que ele dance,
muito bem. que nós dancemos, que vós danceis, que eles dancem.
- Pretérito Perfeito: é usado na indicação de um fato Pretérito Imperfeito: se eu dançasse, se tu dançasses,
passado concluído. Ex.: Cantei, dancei, pulei, chorei, dormi... se ele dançasse, se nós dançássemos, se vós dançásseis, se
- Pretérito Mais-Que-Perfeito: expressa um fato passado eles dançassem.
anterior a outro acontecimento passado. Ex.: Nós cantáramos Futuro: quando eu dançar, quando tu dançares, quando
no congresso de música. ele dançar, quando nós dançarmos, quando vós dançardes,
quando eles dançarem.

Língua Portuguesa 33
APOSTILAS OPÇÃO

2ª Conjugação -ER O infinitivo impessoal é usado:


Presente: que eu coma, que tu comas, que ele coma, que
nós comamos, que vós comais, que eles comam. - Quando apresenta uma ideia vaga, genérica, sem se
Pretérito Imperfeito: se eu comesse, se tu comesses, se referir a um sujeito determinado. Ex. Querer é poder.
ele comesse, se nós comêssemos, se vós comêsseis, se eles Fumar prejudica a saúde. É proibido colar cartazes neste
comessem. muro.
Futuro: quando eu comer, quando tu comeres, quando - Quando tem valor de Imperativo. Ex. Soldados,
ele comer, quando nós comermos, quando vós comerdes, marchar! (= Marchai!) Esquerda, volver!
quando eles comerem. - Quando é regido de preposição (geralmente
precedido da preposição “de”) e funciona como
3ª conjugação – IR complemento de um substantivo, adjetivo ou verbo da
Presente: que eu parta, que tu partas, que ele parta, que oração anterior. Ex.: Eles não têm o direito de gritar assim.
nós partamos, que vós partais, que eles partam. As meninas foram impedidas de participar do jogo. Eu os
Pretérito Imperfeito: se eu partisse, se tu partisses, se convenci a aceitar.
ele partisse, se nós partíssemos, se vós partísseis, se eles
partissem. No entanto, na voz passiva dos verbos "contentar",
Futuro: quando eu partir, quando tu partires, quando "tomar" e "ouvir", por exemplo, o Infinitivo (verbo auxiliar)
ele partir, quando nós partirmos, quando vós partirdes, deve ser flexionado. Ex.:
quando eles partirem. Eram pessoas difíceis de serem contentadas.
Aqueles remédios são ruins de serem tomados.
Emprego do Imperativo Os jogos que você me emprestou são agradáveis de serem
Imperativo Afirmativo jogados.
- Não apresenta a primeira pessoa do singular.
- É formado pelo presente do indicativo e pelo presente do - Nas locuções verbais. Ex.: Queremos acordar bem cedo
subjuntivo. amanhã. Eles não podiam reclamar do colégio. Vamos pensar
- O Tu e o Vós saem do presente do indicativo sem o “s”. no seu caso.
- O restante é cópia fiel do presente do subjuntivo. - Quando o sujeito do infinitivo é o mesmo do verbo da
oração anterior. Ex. Eles foram condenados a pagar pesadas
Presente do Indicativo: eu amo, tu amas, ele ama, nós multas. Devemos sorrir ao invés de chorar. Tenho ainda alguns
amamos, vós amais, eles amam. livros por (para) publicar.
Presente do subjuntivo: que eu ame, que tu ames, que ele
ame, que nós amemos, que vós ameis, que eles amem. Observação: quando o infinitivo preposicionado, ou não,
Imperativo afirmativo: (X), ama tu, ame você, amemos preceder ou estiver distante do verbo da oração principal
nós, amai vós, amem vocês. (verbo regente), pode ser flexionado para melhor clareza do
período e também para se enfatizar o sujeito (agente) da ação
Imperativo Negativo verbal. Ex.:
- É formado através do presente do subjuntivo sem a Na esperança de sermos atendidos, muito lhe
primeira pessoa do singular. agradecemos.
- Não retira os “s” do tu e do vós. Foram dois amigos à casa de outro, a fim de jogarem
futebol.
Presente do Subjuntivo: que eu ame, que tu ames, que ele Para estudarmos, estaremos sempre dispostos.
ame, que nós amemos, que vós ameis, que eles amem. Antes de nascerem, já estão condenadas à fome muitas
Imperativo negativo: (X), não ames tu, não ame você, não crianças.
amemos nós, não ameis vós, não amem vocês.
- Com os verbos causativos "deixar", "mandar" e
Além dos três modos citados (Indicativo, Subjuntivo e "fazer" e seus sinônimos que não formam locução verbal
Imperativo), os verbos apresentam ainda as formas nominais: com o infinitivo que os segue. Ex.: Deixei-os sair cedo hoje.
infinitivo – impessoal e pessoal, gerúndio e particípio. - Com os verbos sensitivos "ver", "ouvir", "sentir" e
sinônimos, deve-se também deixar o infinitivo sem flexão.
Infinitivo Impessoal8 Ex.: Vi-os entrar atrasados. Ouvi-as dizer que não iriam à
Quando se diz que um verbo está no infinitivo impessoal, festa.
isso significa que ele apresenta sentido genérico ou indefinido,
não relacionado a nenhuma pessoa, e sua forma é invariável. Infinitivo Pessoal
Assim, considera-se apenas o processo verbal. Ex.: Amar é É o infinitivo relacionado às três pessoas do discurso. Na
sofrer. 1ª e 3ª pessoas do singular, não apresenta desinências,
Podendo ter valor e função de substantivo. Ex.: Viver é assumindo a mesma forma do impessoal; nas demais, flexiona-
lutar. (= vida é luta); É indispensável combater a corrupção. (= se da seguinte maneira:
combate à) 2ª pessoa do singular: radical + ES. Ex.: teres (tu)
O infinitivo impessoal pode apresentar-se no presente 1ª pessoa do plural: radical + mos. Ex.: termos (nós)
(forma simples) ou no passado (forma composta). Ex.: É 2ª pessoa do plural: radical + dês. Ex.: terdes (vós)
preciso ler este livro; Era preciso ter lido este livro. 3ª pessoa do plural: radical + em. Ex.: terem (eles)
Observe que, embora não haja desinências para a 1ª e 3ª
pessoas do singular (cujas formas são iguais às do infinitivo Por exemplo: Foste elogiado por teres alcançado uma boa
impessoal), elas não deixam de referir-se às respectivas colocação.
pessoas do discurso (o que será esclarecido apenas pelo
contexto da frase). Ex.: Para ler melhor, eu uso estes óculos. Quando se diz que um verbo está no infinitivo pessoal, isso
(1ª pessoa); Para ler melhor, ela usa estes óculos. (3ª pessoa) significa que ele atribui um agente ao processo verbal,
flexionando-se.

8 https://www.soportugues.com.br/secoes/morf/morf69.php

Língua Portuguesa 34
APOSTILAS OPÇÃO

O infinitivo deve ser flexionado nos seguintes casos: Questões

- Quando o sujeito da oração estiver claramente 01. (Prefeitura de Cabo de Santo Agostinho - PE -
expresso. Ex.: Técnico em Segurança do Trabalho - IBFC/2019)
Se tu não perceberes isto...
Convém vocês irem primeiro. “Era uma vez
O bom é sempre lembrarmos (sujeito desinencial, sujeito O dia em que todo dia era bom
implícito = nós) desta regra. Delicioso gosto e o bom gosto das nuvens serem feitas
de algodão
- Quando tiver sujeito diferente daquele da oração Dava pra ser herói no mesmo dia em que escolhia ser vilão
principal. Ex.: E acabava tudo em lanche
O professor deu um prazo de cinco dias para os alunos Um banho quente e talvez um arranhão” (Kell Smith)
estudarem bastante para a prova. (Fonte: Vagalume)
Perdoo-te por me traíres.
O hotel preparou tudo para os turistas ficarem à vontade. Assinale a alternativa que apresenta o tempo correto dos
O guarda fez sinal para os motoristas pararem. verbos destacados no texto.
(A) Pretérito Imperfeito.
- Quando se quiser indeterminar o sujeito (utilizado na (B) Futuro do Pretérito.
terceira pessoa do plural). Ex.: (C) Pretérito Perfeito.
Faço isso para não me acharem inútil. (D) Pretérito mais que Perfeito.
Temos de agir assim para nos promoverem.
Ela não sai sozinha à noite a fim de não falarem mal da sua 02. (MPE-SP - Auxiliar de Promotoria I -
conduta. VUNESP/2019) No trecho “Isso significa que todos devem
pensar em consumir apenas produtos de origem vegetal?”, os
- Quando apresentar reciprocidade ou reflexibilidade verbos destacados estão no tempo presente. Passando-os para
de ação. Ex.: o tempo futuro, tem-se corretamente:
Vi os alunos abraçarem-se alegremente. (A) Isso significava que todos deveriam pensar em
Fizemos os adversários cumprimentarem-se com consumir apenas produtos de origem vegetal?
gentileza. (B) Isso significou que todos deverão pensar em
Mandei as meninas olharem-se no espelho. consumir apenas produtos de origem vegetal?
(C) Isso significaria que todos deviam pensar em
Gerúndio consumir apenas produtos de origem vegetal?
Pode funcionar como adjetivo ou advérbio. Ex.: Saindo de (D) Isso significara que todos devessem pensar em
casa, encontrei alguns amigos. (Função de advérbio); Nas ruas, consumir apenas produtos de origem vegetal?
havia crianças vendendo doces. (Função adjetivo) (E) Isso significará que todos deverão pensar em
Na forma simples, o gerúndio expressa uma ação em curso; consumir apenas produtos de origem vegetal?
na forma composta, uma ação concluída. Ex.: Trabalhando,
aprenderás o valor do dinheiro; Tendo trabalhado, aprendeu o 03. (IF-RO - Engenheiro Civil - IBADE/2019) Em “Viu a
valor do dinheiro. Rita Baiana, que fora trocar o vestido por uma saia, surgir de
ombros e braços nus, para dançar”, o verbo “ir” foi empregado
Particípio no pretérito maisque-perfeito. O que sugere o uso desse tempo
Quando não é empregado na formação dos tempos verbal?
compostos, o particípio indica geralmente o resultado de uma (A) A ação de “ir trocar o vestido” ocorre simultaneamente
ação terminada, flexionando-se em gênero, número e grau. Ex.: à ação de “ser vista surgir de ombros e braços nus”.
Terminados os exames, os candidatos saíram. Quando o (B) A ação de “ir trocar o vestido” ocorre após a ação de
particípio exprime somente estado, sem nenhuma relação “ser vista surgir de ombros e braços nus”.
temporal, assume verdadeiramente a função de adjetivo (C) A ação de “ir trocar o vestido” ocorre no passado,
(adjetivo verbal). Ex.: Ela foi a aluna escolhida para enquanto a ação de “ser vista surgir de braços nus” ocorre no
representar a escola. presente.
(D) A ação de “ir trocar o vestido” ocorre em um momento
1ª Conjugação –AR que antecedeu a ação de “ser vista surgir de ombros e braços
Infinitivo Impessoal: dançar. nus”.
Infinitivo Pessoal: dançar eu, dançares tu; dançar ele, (E) A ação de “ir trocar o vestido” ocorre no passado,
dançarmos nós, dançardes vós, dançarem eles. enquanto a ação de “ser vista de braços nus” ocorre no futuro.
Gerúndio: dançando.
Particípio: dançado. 04. (IPREMM - Agente Municipal de Vigilância
Patrimonial - VUNESP/2019) Para responder à questão,
2ª Conjugação –ER assinale a alternativa que completa, correta e adequadamente,
Infinitivo Impessoal: comer. as falas dos personagens dos quadrinhos.
Infinitivo pessoal: comer eu, comeres tu, comer ele,
comermos nós, comerdes vós, comerem eles.
Gerúndio: comendo.
Particípio: comido.

3ª Conjugação –IR
Infinitivo Impessoal: partir.
Infinitivo pessoal: partir eu, partires tu, partir ele,
partirmos nós, partirdes vós, partirem eles.
(Garfield. Foi mal. Jim Davis. Adaptado)
Gerúndio: partindo.
Particípio: partido.
(A) Fizemos ... gostas

Língua Portuguesa 35
APOSTILAS OPÇÃO

(B) Fizemos ... gostam tempo, modo, pessoa, número e voz. Sem os verbos principais,
(C) Fiz ... gosta os auxiliares não teriam sentido algum.
(D) Fiz ... gostam
(E) Fizeram ... gostam Questões

05. (Prefeitura de Aracruz - ES - Instrutor de Líbras - 01. (FMS - Auxiliar de Administração - NUCEPE/2019)
IBADE/2019) “Mesmo que quisesse responder, eu não podia.
Não sei o que procuro. Deve ser por isso mesmo que procuro.” TEXTO 01
No período acima, o verbo poder está no pretérito
imperfeito. A fim de tornar o sentido do trecho mais bem Imigração: o brilho eterno da grama do vizinho
elaborado e coeso o verbo poderia ser substituído por: Um em cada seis adultos do planeta deseja mudar de
(A) posso país. E isso é uma boa notícia.
(B) poderia (Por Edison Veiga e Alexandre Versignassi)
(C) poderei
(D) poderias É provável que você já tenha pensado em sair do Brasil. É
(E) podereis muito provável que você conheça pelo menos alguém que
Gabarito tenha saído do Brasil. Não estamos falando sobre política aqui:
01. A / 02. E / 03. D / 04. C / 05. B trata-se de uma tendência que já vem de um bom tempo. Dados
da Receita Federal mostram que o número de brasileiros que
Locução Verbal deram baixa, ou seja, fizeram o informe de saída definitiva do
País da última declaração de imposto de renda, no início de
Uma locução verbal9 é a combinação de um verbo 2018, foi de 21,2 mil. Em 2013, quando o número já era
auxiliar e um verbo principal. Esses dois verbos, aparecendo considerado alto, foram 9,8 mil.
juntos na oração, transmitem apenas uma ação verbal, (...)
desempenhando o papel de um único verbo. Exemplo: A explicação, (...) não está só na busca por mais qualidade
- estive pensando de vida. Está nos nossos instintos. A ilusão de que a grama do
- quero sair vizinho é mais verde, de que a felicidade está “lá fora”, foi
- pode ocorrer impressa em nosso DNA ao longo da evolução. A espécie de
- tem investigado hominídeo mais bem-sucedida entre todas foi o Homo erectus,
- tinha decidido nosso antepassado direto. Trata-se da única que durou mais de
1 milhão de anos. Nós, Homo sapiens, mal chegamos aos 300
Função dos verbos auxiliares nas locuções verbais mil e já estamos a perigo. Bom, o erectus, que não detinha
Apenas o verbo auxiliar é flexionado. Verbo auxiliar é o muito mais tecnologia que um chimpanzé, saiu de sua terra
que perdendo significado próprio, é utilizado para auxiliar na natal, a África, e colonizou a Europa e a Ásia bem antes de o
conjugação de outro, o verbo principal. Assim, o tempo, o primeiro Homo sapiens ter nascido (a partir de descendentes
modo, o número, a pessoa e o aspecto da ação verbal são do erectus que tinham ficado na África). Somos uma espécie
indicados pelo verbo auxiliar. migratória.
(https://super.abril.com.br/sociedade/imigracao-o-brilho-eterno-da-
grama-do-vizinho/-Publicado em 25 mar 2019. Acesso em 29 de junho de 2019).

A opção que apresenta uma sequência frasal que contém


uma locução verbal é:
Os auxiliares mais comuns são: “Ter, Haver, Ser e Estar”.
(A) ... trata-se de uma tendência que já vem de um bom
Contudo, outros verbos também atuam como verbos auxiliares
tempo.
nas locuções verbais, como os verbos poder, dever, querer,
(B) A espécie de hominídeo mais bem-sucedida entre
começar a, deixar de, voltar a, continuar a, entre outros.
todas foi o Homo erectus, ...
(C) Não estamos falando sobre política aqui: ...
Função dos verbos principais nas locuções verbais
(D) Nós, Homo sapiens, mal chegamos aos 300 mil ...
Nas locuções verbais o verbo auxiliar aparece conjugado e
(E) ... o erectus, que não detinha muito mais tecnologia
o principal numa das formas nominais: no gerúndio, no
que um chimpanzé, ...
infinitivo ou no particípio.
02. (Prefeitura de Cujubim - RO - Agente
Locução verbal com verbo principal no gerúndio
Administrativo - IBADE/2018) O trecho destacado em: “mas
Ex.: Estou escrevendo
que um dia PODERÃO VIR A SER úteis.” pode ser substituído,
verbo auxiliar flexionado: estou
sem prejuízo de sentido ao texto, por:
verbo principal no gerúndio: escrevendo
(A) serão
(B) foram
Locução verbal com verbo principal no infinitivo
(C) talvez fosse
Ex.: Quero sair
(D) talvez sejam
verbo auxiliar flexionado: quero
(E) puderam ser
verbo principal no infinitivo: sair
03. (Câmara Legislativa do Distrito Federal - Técnico
Locução verbal com verbo principal no particípio
Legislativo - FCC/2018) Ao se transpor para o discurso direto
Ex.: Tinha decidido
o trecho “ela perguntou se tinham visto uma corça sangrando”,
verbo auxiliar flexionado: tinha
a locução verbal tinham visto assume a seguinte forma:
verbo principal no particípio: decidido
(A) viram.
(B) veem.
Em todos os exemplos a ideia central é expressa pelo verbo
(C) veriam
principal, os verbos auxiliares apenas indicam flexões de
(D) viam.

9 https://www.conjugacao.com.br/locucao-verbal/

Língua Portuguesa 36
APOSTILAS OPÇÃO

(E) vissem. - Bastante - antes de adjetivo, é advérbio, portanto, não vai


Gabarito para o plural; equivale a muito / a: Aquelas jovens são bastante
01. C / 02. D / 03. A simpáticas e gentis.
- Bastante - antes de substantivo, é adjetivo, portanto vai
Advérbio para o plural, equivale a muitos / as: Contei bastantes estrelas
no céu.
É a palavra invariável que modifica um verbo (Chegou - Não confunda mal (advérbio, oposto de bem) com mau
cedo), um outro advérbio (Falou muito bem), um adjetivo (adjetivo, oposto de bom): Mal cheguei a casa, encontrei-a de
(Estava muito bonita). mau humor.
- Antes de verbo no particípio, diz-se mais bem, mais mal:
De acordo com a circunstância que exprime, o advérbio Ficamos mais bem informados depois do noticiário noturno.
pode ser de: - Em frase negativa o advérbio já equivale a mais: Já não se
Tempo: ainda, agora, antigamente, antes, amiúde fazem professores como antigamente. (=não se fazem mais)
(=sempre), amanhã, breve, brevemente, cedo, diariamente, - Na locução adverbial a olhos vistos (=claramente), o
depois, depressa, hoje, imediatamente, já, lentamente, logo, particípio permanece no masculino plural: Minha irmã Zuleide
novamente, outrora. emagrecia a olhos vistos.
Lugar: aqui, acolá, atrás, acima, adiante, ali, abaixo, além, - Dois ou mais advérbios terminados em mente, apenas no
algures (=em algum lugar), aquém, alhures (= em outro lugar), último permanece mente: Educada e pacientemente, falei a
dentro, defronte, fora, longe, perto. todos.
Modo: assim, bem, depressa, aliás (= de outro modo ), - A repetição de um mesmo advérbio assume o valor
devagar, mal, melhor, pior, e a maior parte dos advérbios que superlativo: Levantei cedo, cedo.
termina em mente: calmamente, suavemente, rapidamente,
tristemente. Palavras e Locuções Denotativas: São palavras
Afirmação: certamente, decerto, deveras, efetivamente, semelhantes a advérbios e que não possuem classificação
realmente, sim, seguramente. especial. Não se enquadram em nenhuma das dez classes de
Negação: absolutamente, de modo algum, de jeito palavras. São chamadas de denotativas e exprimem:
nenhum, nem, não, tampouco (=também não). Afetividade: felizmente, infelizmente, ainda bem. Ex.: Ainda
Intensidade: apenas, assaz, bastante, bem, demais, mais, bem que você veio.
meio, menos, muito, quase, quanto, tão, tanto, pouco. Designação, Indicação: eis. Ex.: Eis aqui o herói da turma.
Dúvida: acaso, eventualmente, por ventura, quiçá, Exclusão: exclusive, menos, exceto, fora, salvo, senão,
possivelmente, talvez. sequer: Ex.: Não me disse sequer uma palavra de amor.
Inclusão: inclusive, também, mesmo, ainda, até, além disso,
Locuções Adverbiais: são duas ou mais palavras que têm de mais a mais. Ex.: Também há flores no céu.
o valor de advérbio: às cegas, às claras, às toa, às pressas, às Limitação: só, apenas, somente, unicamente. Ex.: Só Deus é
escondidas, à noite, à tarde, às vezes, ao acaso, de repente, de perfeito.
chofre, de cor, de improviso, de propósito, de viva voz, de Realce: cá, lá, é que, sobretudo, mesmo. Ex.: Sei lá o que ele
medo, com certeza, por perto, por um triz, de vez em quando, quis dizer!
sem dúvida, de forma alguma, em vão, por certo, à esquerda, à Retificação: aliás, ou melhor, isto é, ou antes. Ex.: Irei à
direta, a pé, a esmo, por ali, a distância. Bahia na próxima semana, ou melhor, no próximo mês.
- De repente o dia se fez noite. Explicação: por exemplo, a saber. Ex.: Você, por exemplo,
- Por um triz eu não me denunciei. tem bom caráter.
- Sem dúvida você é o melhor.
Questões
Graus dos Advérbios: o advérbio não vai para o plural, são
palavras invariáveis, mas alguns admitem a flexão de grau: 01. (Prefeitura de Peruíbe - SP - - Auxiliar de
comparativo e superlativo. Transporte - VUNESP/2019)

Comparativo de:
Igualdade - tão + advérbio + quanto, como: Sou tão feliz
quanto / como você.
Superioridade - Analítico: mais do que. Ex.: Raquel é mais
elegante do que eu.
- Sintético: melhor, pior que. Ex.: Amanhã será melhor do
que hoje.
Inferioridade - menos do que: Falei menos do que devia.

Superlativo Absoluto:
Analítico - mais, muito, pouco, menos: O candidato
defendeu-se muito mal.
Sintético - íssimo, érrimo: Localizei-o rapidíssimo.

Emprego do Advérbio
- Na linguagem coloquial, familiar, é comum o emprego do
sufixo diminutivo dando aos advérbios o valor de superlativo
sintético: agorinha, cedinho, pertinho, devagarinho, No texto do último quadrinho, “Agora eu entendo!”, a
depressinha, rapidinho (bem rápido). Ex.: Rapidinho chegou a palavra destacada estabelece circunstância de
casa; Moro pertinho da universidade. (A) afirmação.
- Frequentemente empregamos adjetivos com valor de (B) dúvida.
advérbio: A cerveja que desce redondo. (redondamente) (C) tempo.
(D) lugar.
(E) modo.
Língua Portuguesa 37
APOSTILAS OPÇÃO

02. (Órgão: Prefeitura de Peruíbe - SP - Inspetor de Gabarito


Alunos - VUNESP/2019) Os termos destacados nas frases – 01. C / 02. A / 03. B / 04. C / 05. D
Mas as propostas de renovação não seguem adiante, sempre
preteridas nos incentivos governamentais... / A legislação que Preposição
virá e a retomada nas vendas precisam gerar também um ciclo
de renovação mais amplo que a simples troca de um carro É a palavra invariável que liga um termo dependente a um
seminovo por um zero-quilômetro. – expressam termo principal, estabelecendo uma relação entre ambos. As
circunstâncias, respectivamente, de preposições podem ser: essenciais ou acidentais.
(A) tempo, inclusão e intensidade.
(B) afirmação, intensidade e modo. As preposições essenciais atuam exclusivamente como
(C) tempo, afirmação e intensidade. preposições. São: a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em,
(D) certeza, inclusão e afirmação. entre, para, perante, por, sem, sob, sobre, trás. Ex.: Não dê
(E) certeza, inclusão e modo. atenção a fofocas; Perante todos disse, sim.

03. (Câmara de Piracicaba - SP - Motorista Parlamentar As preposições acidentais são palavras de outras classes
- VUNESP/2019) que atuam eventualmente como preposições. São: como (=na
qualidade de), conforme (=de acordo com), consoante, exceto,
mediante, salvo, visto, segundo, senão, tirante. Ex.: Agia
conforme sua vontade. (= de acordo com)

- O artigo definido a que vem sempre acompanhado de um


substantivo, é flexionado: a casa, as casas, a árvore, as árvores,
a estrela, as estrelas. A preposição a nunca vai para o plural e
não estabelece concordância com o substantivo. Ex.: Fiz todo o
percurso a pé. (não há concordância com o substantivo
masculino pé)
- As preposições essenciais são sempre seguidas dos
pronomes pessoais oblíquos: Despediu-se de mim
rapidamente. Não vá sem mim.

Locuções Prepositivas: é o conjunto de duas ou mais


palavras que têm o valor de uma preposição. A última palavra
é sempre uma preposição. Veja quais são: abaixo de, acerca de,
acima de, ao lado de, a respeito de, de acordo com, dentro de,
embaixo de, em cima de, em frente a, em redor de, graças a,
junto a, junto de, perto de, por causa de, por cima de, por trás
No trecho da fala do 3º quadrinho “Vamos chegando, de, a fim de, além de, antes de, a par de, a partir de, apesar de,
imediatamente!”, a palavra destacada estabelece sentido de através de, defronte de, em favor de, em lugar de, em vez de,
(A) lugar (=no lugar de), ao invés de (=ao contrário de), para com, até a.
(B) tempo. - Não confunda locução prepositiva com locução adverbial.
(C) modo. Na locução adverbial, nunca há uma preposição no final, e sim
(D) dúvida. no começo: Vimos de perto o fenômeno do “tsunami”.
(E) negação. (locução adverbial); O acidente ocorreu perto de meu atelier.
(locução prepositiva)
04. (CMDCA de São José do Rio Preto - SP - Conselheiro - Uma preposição ou locução prepositiva pode vir com
Tutelar - VUNESP/2019) Assinale a alternativa em que a outra preposição: Abola passou por entre as pernas do
expressão destacada na frase apresenta circunstância goleiro. Mas é inadequado dizer: Proibido para menores de até
adverbial de afirmação. 18 anos; Financiamento em até 24 meses.
(A) Frank foi com Ernest a uma exposição de antiguidades.
(B) Eles chegaram ao local do evento de metrô. Combinações e Contrações
(C) Com certeza Frank e Ernest ficaram impressionados Combinação: ocorre quando não há perda de fonemas:
com a exposição. a+o, os= ao, aos / a+onde = aonde.
(D) Com poucos reais, Frank comprou um pequeno abajur Contração: ocorre quando a preposição perde fonemas:
para seu quarto. de+a, o, as, os, esta, este, isto = da, do, das, dos, desta, deste,
(E) Os dois amigos visitaram uma exposição de disto.
antiguidades pela primeira vez. - em+ um, uma, uns, umas, isto, isso, aquilo, aquele, aquela,
aqueles, aquelas = num, numa, nuns, numas, nisto, nisso,
05. (UFAL - Engenheiro Mecânico - COPEVE- naquilo, naquele, naquela, naqueles.
UFAL/2019) Assinale a opção em que o advérbio empregado - de+ entre, aquele, aquela, aquilo = dentre, daquele,
apresenta sentido inadequado ao sentido da frase. daquela, daquilo.
(A) A saída de todas as turmas se dará concomitantemente - para+ a = pra.
(B) O médico atenderá primordialmente as crianças A contração da preposição a com os artigos ou pronomes
(C) Independentemente da situação do trânsito, temos que demonstrativos a, as, aquele, aquela, aquilo recebe o nome de
viajar crase e é assinalada na escrita pelo acento grave ficando assim:
(D) Havia muita água na pista, por isso o carro à, às, àquele, àquela, àquilo.
deliberadamente derrapou
(E) Sempre há problemas no atendimento, mormente
quando faltam funcionários.

Língua Portuguesa 38
APOSTILAS OPÇÃO

Valores das Preposições Perante (posição anterior): Permaneceu calado perante


todos.
A
(movimento=direção): Foram a Lucélia comemorar os Por (percurso, espaço, lugar): Caminhava por ruas
Anos Dourados. desconhecidas.
Modo: Partiu às pressas. Causa: Por ser muito caro, não compramos um pendrive
Tempo: Iremos nos ver ao entardecer. novo.
A preposição a indica deslocamento rápido: Vamos à praia. Espaço: Por cima dela havia um raio de luz.
(ideia de passear)
Sem (ausência): Eu vou sem lenço sem documento.
Ante
(diante de): Parou ante mim sem dizer nada, tanta era a Sob (debaixo de / situação): Prefiro cavalgar sob o luar.
emoção. Viveu, sob pressão dos pais.
Tempo (substituída por antes de): Preciso chegar ao
encontro antes das quatro horas. Sobre
(em cima de, com contato): Colocou as taças de cristal
Após (depois de): Após alguns momentos desabou num sobre a toalha rendada.
choro arrependido. Assunto: Conversávamos sobre política financeira.

Até Trás (situação posterior; é preposição fora de uso. É


(aproximação): Correu até mim. substituída por atrás de, depois de): Por trás desta carinha
Tempo: Certamente teremos o resultado do exame até a vê-se muita falsidade.
semana que vem.
Atenção: Se a preposição até equivaler a inclusive, será Questões
palavra de inclusão e não preposição. Os sonhadores amam
até quem os despreza. (inclusive) 01. (IPREMM - SP - Psicólogo Clínico e Organizacional -
VUNESP/2019) Assinale a alternativa em que se aponta
Com (companhia): Rir de alguém é falta de caridade; corretamente, nos parênteses, a noção que o vocábulo
deve-se rir com alguém. destacado expressa no contexto em que se encontra.
Causa: A cidade foi destruída com o temporal. (A) … passei a dar mais valor ao contato com os três netos.
Instrumento: Feriu-se com as próprias armas. (comparação)
Modo: Marfinha, minha comadre, veste-se sempre com (B) … alguém da família contava uma história de dano
elegância. produzido por alguém. (agente)
(C) … se prepara para entrar na faculdade de Economia.
Contra (meio)
(oposição, hostilidade): Revoltou-se contra a decisão do (D) A surpresa veio do Antonio, carioca da gema… (posse)
tribunal. (E) Conversamos sobre questões do Direito… (lugar)
Direção a um limite: Bateu contra o muro e caiu.
02. (Prefeitura do Rio de Janeiro - RJ - Professor -
De (origem): Descendi de pais trabalhadores e honestos. Prefeitura do Rio de Janeiro - RJ/2019) Em “Estarão as
Lugar: Os corruptos vieram da capital. pessoas esquecendo de estar presentes no momento,
Causa: O bebê chorava de fome. espalhando seu foco ao ver a vida através de uma tela?”, a
Posse: Dizem que o dinheiro do povo sumiu. preposição em destaque expressa sentido de:
Assunto: Falávamos do casamento da Mariele. (A) condição
Matéria: Era uma casa de sapé. (B) consequência
A preposição de não deve contrair-se com o artigo, que (C) lugar
precede o sujeito de um verbo. É tempo de os alunos (D) tempo
estudarem. (e não: dos alunos estudarem)
03. (Prefeitura do Rio de Janeiro - RJ - Professor -
Desde Prefeitura do Rio de Janeiro - RJ/2019) “Um artigo recente
(afastamento de um ponto no espaço): Essa neblina vem no New York Times explora a onda explosiva de gravações de
desde São Paulo. eventos feitas em smartphones, dos mais significativos aos
Tempo: Desde o ano passado quero mudar de casa. mais triviais”. No trecho, o elemento destacado é equivalente
a:
Em (A) com
(lugar): Moramos em Lucélia há alguns anos. (B) desde
Matéria: As queridas amigas Nilceia e Nadélgia moram em (C) por
Curitiba. (D) sobre
Especialidade: Minha amiga Cidinha formou-se em Letras.
Tempo: Tudo aconteceu em doze horas. 04. (Prefeitura de Itapevi - SP - Técnico em
Contabilidade - VUNESP/2019) O sentido expresso pelo
Entre (posição entre dois limites): Convém colocar o vidro termo destacado em “... a resposta aparece na forma de
entre dois suportes. programas para evitar o crescimento da desigualdade...”
também pode ser corretamente identificado na expressão
Para destacada em:
Direção: Não lhe interessava mais ir para a Europa. (A) ... em meio às celebrações do centenário da
Tempo: Pretendo vê-lo lá para o final da semana. Organização Internacional do Trabalho.
Finalidade: Lute sempre para viver com dignidade. (B) ... a extinção de profissões e de tarefas dentro de várias
A preposição para indica permanência definitiva. Vou ocupações, diante da automação e da robotização aceleradas.
para o litoral. (ideia de morar)

Língua Portuguesa 39
APOSTILAS OPÇÃO

(C) ... trabalhar com o conceito de aprendizagem ao longo A beleza que não é só minha
da vida, ou seja, desde a primeira infância, a fim de Que também passa sozinha." Vinícius de Moraes
desenvolver competências... [...]
(D) Por isso, o relatório clama por uma agenda econômica
centrada em seres humanos... No texto, a palavra ‘Ah’ que aparece repetida é um/uma
(E) É importante lembrar que, segundo pesquisadores, (A) advérbio, pois é uma palavra invariável que exprime
haverá em poucos anos a extinção de profissões... uma circunstância.
(B) preposição, porque é uma palavra invariável, que liga
05. (Prefeitura de Valinhos - SP - Agente dois elementos de uma frase.
Administrativo II - VUNESP/2019) Assinale a alternativa em (C) interjeição, por ser uma palavra invariável que exprime
que se aponta corretamente, nos parênteses, a noção que o sentimentos, subjetividade do eu poético.
vocábulo destacado expressa no contexto em que se encontra. (D) conjunção, por ser uma palavra invariável que
(A) … selecionou torcedores para um programa de estabelece conexão entre duas orações ou termos de mesma
concessão de entradas gratuitas… (propósito). função sintática.
(B) Em dezembro de 2018, a agremiação azulina
reformulou seu plano de sócio-torcedor… (local). 02. (CRF/SP - Analista de Suporte - IDECAN/2018)
(C) … destinada a beneficiários de programas sociais como
o Bolsa-Família (modo).
(D) “Fizemos questão de não colocar nenhuma distinção na
carteirinha de sócio”… (procedência).
(E) “Quando jogamos contra times de outros estados,
nosso trunfo é o apoio maciço…”… (comparação).

Gabarito
01. B / 02. D / 03. B / 04. C / 05. A

Interjeição

É a palavra invariável que exprime emoções, sensações,


estados de espírito ou apelos.

Locução Interjetiva: é o conjunto de duas ou mais


palavras com valor de uma interjeição: Muito bem! Que pena!
Quem me dera! Puxa, que legal!

Classificação das Interjeições e Locuções Interjetivas

As interjeições e as locuções interjetivas são classificadas


de acordo com o sentido que elas expressam em determinado
contexto. Assim, uma mesma palavra ou expressão pode (In: WATTERSON, B. Os dias estão todos ocupados: as aventuras de Calvin e
exprimir emoções variadas. Haroldo. São Paulo: Conrad, 2011.)
Admiração ou Espanto: Oh!, Caramba!, Oba!, Nossa!, Meu
Deus!, Céus! Tal como utilizada no primeiro quadro, a palavra “socorro”
Advertência: Cuidado!, Atenção!, Alerta!, Calma!, Alto!, atua como uma palavra de qual classe gramatical?
Olha lá! (A) Verbo.
Alegria: Viva!, Oba!, Que bom!, Oh!, Ah!; (B) Adjetivo.
Ânimo: Avante!, Ânimo!, Vamos!, Força!, Eia!, Toca! (C) Advérbio.
Aplauso: Bravo!, Parabéns!, Muito bem! (D) Interjeição.
Chamamento: Olá!, Alô!, Psiu!, Psit!
Aversão: Droga!, Raios!, Xi!, Essa não!, lh! 03. (UFS - Assistente em Administração -
Medo: Cruzes!, Credo!, Ui!, Jesus!, Uh! Uai! FAPESE/2018) No trecho: “Mas pesquisar alguns sinônimos
Pedido de Silêncio: Quieto!, Bico fechado!, Silêncio!, não faz mal a ninguém: posse, regalia, concessão, direito. Opa,
Chega!, Basta! direito?” As palavras sublinhadas correspondem, pela ordem,
Saudação: Oi!, Olá!, Adeus!, Tchau! a:
Concordância: Claro!, Certo!, Sim!, Sem dúvida! (A) pronome possessivo, adjetivo, advérbio, interjeição;
Desejo: Oxalá!, Tomara!, Pudera!, Queira Deus! Quem me (B) pronome indefinido, advérbio, substantivo, interjeição;
dera! (C) pronome relativo, conjunção, verbo, adjetivo;
(D) conjunção, adjetivo, substantivo, pronome pessoal;
Observe na relação acima, que as interjeições muitas vezes (E) numeral, substantivo, verbo, conjunção aditiva.
são formadas por palavras de outras classes gramaticais:
Cuidado! Não beba ao dirigir! (cuidado é substantivo). 04. (Prefeitura de Dracena/SP - Psicólogo - Big Advice
Órgão/2017) A alternativa que apresenta interjeição
Questões corresponde a:
(A) Cocoricar.
01. (Prefeitura de Avelinópolis/GO - Auxiliar (B) Urrar.
Administrativo - Itame/2019) (C) Zum-zum.
[...] (D) Ui!
"Ah, porque estou tão sozinho? (E) Miau.
Ah, porque tudo é tão triste?
Ah, a beleza que existe

Língua Portuguesa 40
APOSTILAS OPÇÃO

05. (Prefeitura de São João do Oeste - SC - Servente - 5. Explicativas (explicação)


AMEOSC/2019) É um exemplo de Interjeição:
(A) Estou tão cansada. Que
(B) Dirija com cuidado! Porque
(C) O marido dela faleceu ontem. Porquanto
(D) Psiu! Pois (antes do verbo)

Gabarito Ex.:
01. C / 02. D / 03. B / 04. D / 05. D Não leia no escuro, que faz mal à vista.
Compre estas mercadorias, pois já estamos ficando sem.
Conjunções
Conjunções Subordinativas
Exercem a função de conectar as palavras dentro de uma
oração. Desta forma, elas estabelecem uma relação de Ligam uma oração principal a uma oração subordinativa,
coordenação ou subordinação e são classificadas em: com verbo flexionado.
Conjunções Coordenativas e Conjunções Subordinativas.
1. Integrantes: iniciam a oração subordinada substantiva
Conjunções Coordenativas – Que / Se / Como

1. Aditivas (Adição) Ex.:


Todos perceberam que você estava atrasado.
E Aposto como você estava nervosa.
Nem
Não só... Mas também 2. Temporais (Tempo) – Quando / Enquanto / Logo que /
Mas Assim que / Desde que
Mas ainda Ex.:
Senão Logo que chegaram, a festa acabou.
Quando eu disse a verdade, ninguém acreditou.
Ex.:
Viajamos e descansamos. 3. Finais (Finalidade) – Para que / A fim de que
Eu não só estudo, mas também trabalho. Ex.:
Foi embora logo, a fim de que ninguém o perturbasse.
2. Adversativas (posição contrária)
4. Proporcionais (Proporcionalidade) – À proporção que /
Mas À medida que / Quanto mais ... mais / Quanto menos... menos
Porém Ex.:
Todavia À medida que se vive, mais se aprende.
Entretanto Quanto mais se preocupa, mais se aborrece.
No entanto
5. Causais (Causa) – Porque / Como / Visto que / Uma vez
Ex.: que
Ela era explorada, mas não se queixava. Ex.:
Os alunos estudaram, no entanto não conseguiram as Como estivesse doente, não pôde sair.
notas necessárias.
6. Condicionais (Condição) – Se / Caso / Desde que
3. Alternativas (alternância) Ex.:
Comprarei o livro, desde que esteja disponível.
Se chover, não poderemos ir.
Ou, ou
Ora, ora
7. Comparativas (Comparação) – Como / Que / Do que /
Quer, quer
Quanto / Que nem
Já, já
Ex.:
Os filhos comeram como leões.
Ex.: A luz é mais veloz do que o som.
Ou você vem agora, ou não haverá mais ingressos.
Ora chovia, ora fazia sol. 8. Conformativas (Conformidade) – Como / Conforme /
Segundo
4. Conclusivas (conclusão) Ex.:
As coisas não são como parecem.
Logo Farei tudo, conforme foi pedido.
Portanto
Por conseguinte 9. Consecutivas (Consequência) – Que (precedido dos
Pois (após o verbo) termos: tal, tão, tanto...) / De forma que
Ex.:
Ex.: A menina chorou tanto, que não conseguiu ir para a escola.
O caminho é perigoso; vá, pois, com cuidado! Ontem estive viajando, de forma que não consegui
Estamos nos esforçando, logo seremos recompensados. participar da reunião.

10. Concessivas (Concessão) – Embora / Conquanto /


Ainda que / Mesmo que / Por mais que

Língua Portuguesa 41
APOSTILAS OPÇÃO

Ex.: ESTRUTURA E FORMAÇÃO DAS PALAVRAS


Todos gostaram, embora estivesse mal feito.
Por mais que gritasse, ninguém o socorreu. Observe as seguintes palavras:
escol-a
Questões escol-ar
01. (IF-PE - Técnico em Assuntos Educacionais - IF- escol-arização
PE/2019) As conjunções estabelecem, entre as orações, escol-arizar
relações semântico-sintáticas e contribuem para a progressão sub-escol-arização
do texto. No trecho “Suas dimensões, quer em termos
conceituais, quer em suas práticas, são amplas e complexas”, Percebemos10 que há um elemento comum a todas elas: a
temos um exemplo de relação de forma escol-. Além disso, em todas há elementos destacáveis,
(A) consequência. responsáveis por algum detalhe de significação. Compare, por
(B) conclusão. exemplo, escola e escolar: partindo de escola, formou-se
(C) alternância. escolar pelo acréscimo do elemento destacável: ar.
(D) finalidade. Por meio desse trabalho de comparação entre as diversas
(E) conformidade. palavras que selecionamos, podemos depreender a existência
de diferentes elementos formadores. Cada um desses
02. (IF-RO - Engenheiro Civil - IBADE/2019) Observe os elementos formadores é uma unidade mínima de significação,
trechos abaixo. um elemento significativo indecomponível, a que damos o
I. “Ela saltou em meio da roda, com os braços na cintura, nome de morfema.
rebolando as ilhargas e bamboleando a cabeça, ora para a
esquerda, ora para a direita [...]”. II. “[...] sapateava, miúdo e Classificação dos Morfemas
cerrado, freneticamente, erguendo e abaixando os braços, que
dobrava, ora um, ora outro, sobre a nuca [...]”. Radical ou Morfema Lexical: há um morfema comum a
Em ambos os trechos, verifica-se o uso da locução todas as palavras que estamos analisando: escol-.
conjuntiva “ora..., ora...”. O efeito de sentido obtido a partir É esse morfema comum - o radical - que faz com que as
desse uso é de: consideremos palavras de uma mesma família de significação.
(A) explicação. - Nos cognatos o radical é a parte da palavra responsável
(B) alternância. por sua significação principal.
(C) oposição.
(D) conclusão. Afixos: como vimos, o acréscimo do morfema - ar - cria
(E) adversidade. uma nova palavra a partir de escola. De maneira semelhante, o
acréscimo dos morfemas sub e arização à forma escol
03. (Prefeitura de Teixeiras - MG - Professor PEB I - criou subescolarização. Esses morfemas recebem o nome de
FUNDEP/2019) Leia a sentença a seguir. afixos.
“Denise era inteligente, mas especialmente sagaz”. Quando são colocados antes do radical, como acontece
Nesse caso, a conjunção destacada tem valor com sub, os afixos recebem o nome de prefixos. Quando, como
(A) aditivo. arização, surgem depois do radical os afixos são chamados
(B) adversativo. de sufixos.
(C) concessivo. - Prefixos e Sufixos, além de operar mudança de classe
(D) condicional. gramatical, são capazes de introduzir modificações de
significado no radical a que são acrescentados.
04. (Câmara de Piracicaba - SP - Motorista Parlamentar
- VUNESP/2019) No trecho “– Enquanto não morder o tubo, Desinências: quando se conjuga o verbo amar, obtêm-se
está tudo bem.”, o sentido que a palavra destacada estabelece formas como amava, amavas, amava, amávamos, amáveis,
para relacionar as orações do período é de amavam. Essas modificações ocorrem à medida que o verbo
(A) oposição. vai sendo flexionado em número (singular e plural) e pessoa
(B) conclusão. (primeira, segunda ou terceira). Também ocorrem se
(C) tempo. modificarmos o tempo e o modo do verbo (amava, amara,
(D) adição. amasse, por exemplo).
(E) causa. Assim, podemos concluir, que existem morfemas que
indicam as flexões das palavras. Esses morfemas sempre
05. (FMS - Auxiliar de Administração - NUCEPE/2019) surgem no fim das palavras variáveis e recebem o nome de
Na frase: Mas, na origem, a palavra tem outro significado., a desinências, no qual podem ser divididos em:
palavra em destaque estabelece, textualmente, entre as ideias
expostas, uma relação de a) Desinências nominais: indicam o gênero e o número
(A) Confirmação. dos nomes. Para a indicação de gênero, o português costuma
(B) Oposição. opor as desinências -o/-a: garoto/garota; menino/menina.
(C) Comparação. Para a indicação de número, costuma-se utilizar o
(D) Condição. morfema –s, que indica o plural em oposição à ausência de
(E) Exclusão. morfema, que indica o singular: garoto/garotos;
garota/garotas; menino/meninos; menina/meninas.
Gabarito No caso dos nomes terminados em –r e– z, a desinência de
01. C / 02. B / 03. D / 04. C / 05. B plural assume a forma -es:
mar/mares;
revólver/revólveres;
cruz/cruzes.

10 https://bit.ly/38QpwiT

Língua Portuguesa 42
APOSTILAS OPÇÃO

b) Desinências verbais: em nossa língua, as desinências


verbais pertencem a dois tipos distintos. Há aqueles que b) Aglutinação: ocorre quando os elementos que formam
indicam o modo e o tempo (desinências modo-temporais) e o composto se aglutinam e pelo menos um deles perde sua
aquelas que indicam o número e a pessoa dos verbos integridade sonora. Por exemplo: Aguardente (água +
(desinência número-pessoais): ardente), planalto (plano + alto), pernalta (perna + alta),
cant-á-va-mos vinagre (vinho + acre)
cant-á-sse-is
cant: radical Derivação por Acréscimo de Afixos
cant: radical É o processo pelo qual se obtêm palavras novas
-á-: vogal temática (derivadas) pela anexação de afixos à palavra primitiva. A
-á-: vogal temática derivação pode ser: prefixal, sufixal e parassintética.

-va-: desinência modo-temporal(caracteriza o pretérito a) Prefixal (ou prefixação): a palavra nova é obtida por
imperfeito do indicativo). acréscimo de prefixo.
-sse-: desinência modo-temporal (caracteriza o pretérito In------ --feliz des----------leal
imperfeito do subjuntivo). Prefixo radical prefixo radical
-mos: desinência número-pessoal (caracteriza a primeira
pessoa do plural). b) Sufixal (ou sufixação): a palavra nova é obtida por
-is: desinência número-pessoal (caracteriza a segunda acréscimo de sufixo.
pessoa do plural). Feliz---- mente leal------dade
Radical sufixo radical sufixo
Vogal Temática: observe que, entre o radical cant- e as
desinências verbais, surge sempre o morfema– a. c) Parassintética: a palavra nova é obtida pelo acréscimo
Esse morfema, que liga o radical às desinências, é chamado simultâneo de prefixo e sufixo (não posso retirar o prefixo nem
de vogal temática. Sua função é ligar-se ao radical, o sufixo que estão ligados ao radical, pois a palavra não
constituindo o chamado tema. É ao tema (radical + vogal “existiria”). Por parassíntese formam-se principalmente
temática) que se acrescentam as desinências. Tanto os verbos verbos.
como os nomes apresentam vogais temáticas. En-- -----trist- ----ecer
Prefixo radical sufixo
Vogais Temáticas Nominais: são -a, -e, e -o, quando
átonas finais, como em mesa, artista, busca, perda, escola, en----- ---tard--- --ecer
triste, base, combate. Nesses casos, não poderíamos pensar que prefixo radical sufixo
essas terminações são desinências indicadoras de gênero, pois
a mesa, a escola, por exemplo, não sofrem esse tipo de flexão. Outros Tipos de Derivação
É a essas vogais temáticas que se liga a desinência indicadora Há dois casos em que a palavra derivada é formada sem
de plural: que haja a presença de afixos. São eles: a derivação regressiva
mesa-s, escola-s, perda-s. Os nomes terminados em vogais e a derivação imprópria.
tônicas (sofá, café, cipó, caqui, por exemplo) não apresentam
vogal temática. a) Derivação regressiva: a palavra nova é obtida por
redução da palavra primitiva. Ocorre, sobretudo, na formação
Vogais temáticas verbais: são -a, -e e- i, que caracterizam de substantivos derivados de verbos.
três grupos de verbos a que se dá o nome de conjugações. Por exemplo: A pesca está proibida. (pescar). Proibida a
Assim, os verbos cuja vogal temática é -a pertencem à primeira caça. (caçar)
conjugação; aqueles cuja vogal temática é -e pertencem à
segunda conjugação e os que têm vogal temática -i pertencem b) Derivação imprópria: a palavra nova (derivada) é
à terceira conjugação. obtida pela mudança de categoria gramatical da palavra
primitiva. Não ocorre, pois, alteração na forma, mas tão
primeira conj. segunda conj. terceira conj. somente na classe gramatical. Por exemplo:
govern-a-va estabelec-e-sse defin-i-ra Não entendi o porquê da briga. (o substantivo porquê
atac-a-va cr-e-ra imped-i-sse deriva da conjunção porque)
realiz-a-sse mex-e-rá g-i-mos Seu olhar me fascina! (o verbo olhar tornou-se, aqui,
substantivo)
Vogal ou consoante de ligação: as vogais ou consoantes
de ligação são morfemas que surgem por motivos eufônicos, Outros processos de formação de palavras
ou seja, para facilitar ou mesmo possibilitar a leitura de uma - Hibridismo: é a palavra formada com elementos
determinada palavra. Temos um exemplo de vogal de ligação oriundos de línguas diferentes.
na palavra escolaridade: o - i - entre os sufixos- ar- e -dade automóvel (auto: grego; móvel: latim)
facilita a emissão vocal da palavra. Outros exemplos: sociologia (socio: latim; logia: grego)
gasômetro, alvinegro, tecnocracia, paulada, cafeteira, chaleira, sambódromo (samba: dialeto africano; dromo: grego)
tricota.
- Abreviação vocabular: cujo traço peculiar manifesta-se
Processos de Formação de Palavras por meio da eliminação de um segmento de uma palavra no
intuito de se obter uma forma mais reduzida, geralmente
Composição aquelas mais longas. Vejamos alguns exemplos:
Haverá composição quando se juntarem dois ou mais metropolitano – metrô
radicais para formar nova palavra. Há dois tipos de extraordinário – extra
composição: justaposição e aglutinação. otorrinolaringologista – otorrino
a) Justaposição: ocorre quando os elementos que formam telefone – fone
o composto são postos lado a lado, ou seja, justapostos. Por pneumático – pneu
exemplo: Corre-corre, guarda-roupa, segunda-feira, girassol.

Língua Portuguesa 43
APOSTILAS OPÇÃO

- Onomatopeia: consiste em criar palavras, tentando


imitar sons da natureza ou sons repetidos. Por exemplo: zum- Mecanismos de flexão dos
zum, cri-cri, tique-taque, pingue-pongue, blá-blá-blá. nomes e verbos.
- Siglas: as siglas são formadas pela combinação das letras
iniciais de uma sequência de palavras que constitui um nome.
FLEXÃO NOMINAL E VERBAL
Por exemplo: IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística); IPTU (Imposto Predial, Territorial e Urbano).
FLEXÃO NOMINAL
As siglas escrevem-se com todas as letras maiúsculas, a não
ser que haja mais de três letras e a sigla seja
Flexão de número
pronunciável sílaba por sílaba.
Os nomes (substantivo, adjetivo etc.), de modo geral,
Por exemplo: Unicamp, Petrobras.
admitem a flexão de número: singular e plural.
Ex.: animal – animais.
Questões
Palavras Simples
01. (Prefeitura de São Miguel do Oeste - SC – Professor
1) Na maioria das vezes, acrescenta-se S.
- AMEOSC/2019) Analise as proposições a seguir:
Ex.: ponte – pontes / bonito – bonitos.
I. O Morfema Lexical é tradicionalmente chamado de
radical;
2) Palavras terminadas em R ou Z: acrescenta-se ES.
II. Os Afixos são elementos que modificam geralmente de
Ex.: éter – éteres / avestruz – avestruzes.
maneira precisa o sentido do radical a que eles se agregam;
Observação: o pronome qualquer faz o plural no meio:
III. Os Sufixos, como as desinências, unem-se à parte inicial
quaisquer.
do radical.
Dos itens acima:
3) Palavras oxítonas terminadas em S: acrescenta-se ES.
(A) Apenas o item I está correto.
Ex.: ananás – ananases.
(B) Apenas o item II está incorreto.
Observação: as paroxítonas e as proparoxítonas são
(C) Apenas o item III está incorreto.
invariáveis. Ex.: o pires − os pires / o ônibus − os ônibus.
(D) Apenas os itens I e III estão corretos.
4) Palavras terminadas em IL:
02. (Prefeitura de Rio de Janeiro - RJ - Professor -
a) átono: trocam IL por EIS. Ex.: fóssil – fósseis.
Prefeitura do Rio de Janeiro - RJ/2019) A palavra
b) tônico: trocam L por S. Ex.: funil – funis.
“microestrelas” é formada por:
(A) derivação sufixal
5) Palavras terminadas em EL:
(B) composição por justaposição
a) átono: plural em EIS. Ex.: nível – níveis.
(C) derivação prefixal
b) tônico: plural em ÉIS. Ex.: carretel – carretéis.
(D) composição por aglutinação
6) Palavras terminadas em X são invariáveis.
03. (Prefeitura de Avelinópolis - GO - Fiscal de Tributos
Ex.: o clímax − os clímax.
- Itame/2019) As palavras: envernizar, enrijecer, anoitecer
são formadas por Derivação
7) Há palavras cuja sílaba tônica avança.
(A) Imprópria.
Ex.: júnior – juniores / caráter – caracteres.
(B) Regressiva.
Observação: a palavra caracteres é plural tanto de
(C) Parassintética.
caractere quanto de caráter.
(D) Prefixal e Sufixal.
8) Palavras terminadas em ÃO, ÃOS, ÃES e ÕES.
04. (Prefeitura de Lucena - PB - Assistente
Fazem o plural, por isso veja alguns muito importantes:
Administrativo - CONTEMAX/2019) Assinale a alternativa
a) Em ões: balões, corações, grilhões, melões, gaviões.
CORRETA quanto ao processo de formação da palavra em
b) Em ãos: pagãos, cristãos, cidadãos, bênçãos, órgãos.
destaque no trecho: "embora conheça todo o processo ao qual
está inserido.":
Observação: os paroxítonos, como os dois últimos,
(A) Prefixação
sempre fazem o plural em ÃOS.
(B) Aglutinação
(C) Sufixação
c) Em ães: escrivães, tabeliães, capelães, capitães, alemães.
(D)Parassíntese
d) Em ões ou ãos: corrimões/corrimãos, verões/verãos,
(E) Justaposição
anões/anãos
e) Em ões ou ães: charlatões/charlatães,
05. (Prefeitura de Niterói - RJ - Guarda Civil Municipal-
guardiões/guardiães, cirugiões/cirurgiães.
SELECON/2019) A palavra “desvantagens” apresenta o
f) Em ões, ãos ou ães: anciões/anciãos/anciães,
mesmo processo de formação que:
ermitões/ermitãos/ermitães.
(A) envelhecimento
(B) necessariamente
9) Plural dos diminutivos com a letra Z
(C) feminização
Coloca-se a palavra no plural, corta-se o S e acrescenta-se
(D) prestação
zinhos (ou zinhas). Exemplo:
(E) sobressai
Coraçãozinho → corações → coraçõe → coraçõezinhos.
Azulzinha → azuis → azui → azuizinhas.
Gabarito
01. C / 02. C / 03. C / 04. B / 05. E
10) Plural com metafonia (ô → ó)
Algumas palavras, quando vão ao plural, abrem o timbre
da vogal o; outras, não. Veja a seguir.

Língua Portuguesa 44
APOSTILAS OPÇÃO

Com metafonia singular (ô) e plural (ó) 4) Quando nenhum elemento varia.
coro - coros - Quando há verbo mais palavra invariável. Ex.: o cola-tudo
corvo - corvos − os cola-tudo.
destroço - destroços - Quando há dois verbos de sentido oposto. Ex.: o perde-
forno - fornos ganha − os perde-ganha.
fosso - fossos - Nas frases substantivas (frases que se transformam em
poço - poços substantivos). Ex.: O maria-vai-com-as-outras − os maria-vai-
rogo - rogos com-as-outras.

Sem metafonia singular (ô) e plural (ô) Observações:


adorno - adornos - São invariáveis arco-íris, louva-a-deus, sem-vergonha,
bolso - bolsos sem-teto e sem-terra.
endosso - endossos Ex.: Os sem-terra apreciavam os arco-íris.
esgoto - esgotos
estojo - estojos - Admitem mais de um plural:
gosto - gostos pai-nosso − pais-nossos ou pai-nossos
padre-nosso − padres-nossos ou padre-nossos
11) Casos especiais: terra-nova − terras-novas ou terra-novas
aval − avales e avais salvo-conduto − salvos-condutos ou salvo-condutos
cal − cales e cais xeque-mate − xeques-mates ou xeques-mate
cós − coses e cós
fel − feles e féis - Casos especiais: palavras que não se encaixam nas regras.
mal e cônsul − males e cônsules o bem-me-quer − os bem-me-queres
o joão-ninguém − os joões-ninguém
Palavras Compostas o lugar-tenente − os lugar-tenentes
Quanto a variação das palavras compostas: o mapa-múndi − os mapas-múndi

1) Variação de dois elementos: neste caso os compostos Flexão de gênero


são formados por substantivo mais palavra variável (adjetivo,
substantivo, numeral, pronome). Ex.: Os substantivos e as palavras que o acompanham na frase
amor-perfeito − amores-perfeitos admitem a flexão de gênero: masculino e feminino. Ex.:
couve-flor − couves-flores Meu amigo diretor recebeu o primeiro salário.
segunda-feira − segundas-feiras Minha amiga diretora recebeu a primeira prestação.
A flexão de feminino pode ocorrer de duas maneiras.
2) Variação só do primeiro elemento: neste caso quando
há preposição no composto, mesmo que oculto. Ex.: 1) Com a troca de o ou e por a. Ex.: lobo – loba / mestre –
pé-de-moleque − pés-de-moleque mestra.
cavalo-vapor − cavalos-vapor (de ou a vapor)
2) Por meio de diferentes sufixos nominais de gênero,
3) A palavra também irá variar quando o segundo muitas vezes com alterações do radical. Veja alguns femininos
substantivo determina o primeiro (fim ou semelhança). Ex.: importantes:
banana-maçã − bananas-maçã (semelhante a maçã) ateu − ateia
navio-escola − navios-escola (a finalidade é a escola) bispo − episcopisa
conde − condessa
Observações: duque − duquesa
- Alguns autores admitem a flexão dos dois elementos, frade − freira
porém é uma situação polêmica. ilhéu − ilhoa
Ex.: mangas-espada (preferível) ou mangas-espadas. judeu − judia
marajá − marani
- Quando apenas o último elemento varia: monje − monja
a) Quando os elementos são adjetivos. Ex.: hispano- pigmeu − pigmeia
americano − hispano-americanos.
Observação: a exceção é surdo-mudo, em que os dois Alguns substantivos são uniformes quanto ao gênero, ou
adjetivos se flexionam: surdos-mudos. seja, possuem uma única forma para masculino e feminino. E
b) Nos compostos em que aparecem os adjetivos GRÃO, podem ser divididos em:
GRÃ e BEL. Ex.: grão-duque − grão-duques / grã-cruz − grã- a) Sobrecomuns: admitem apenas um artigo, podendo
cruzes / bel-prazer − bel-prazeres. designar os dois sexos. Ex.: a pessoa, o cônjuge, a testemunha.
c) Quando o composto é formado por verbo ou qualquer b) Comuns de dois gêneros: admitem os dois artigos,
elemento invariável (advérbio, interjeição, prefixo etc.) mais podendo então ser masculinos ou femininos. Ex.: o estudante
substantivo ou adjetivo. Ex.: arranha-céu − arranha-céus / − a estudante, o cientista − a cientista, o patriota − a patriota.
sempre-viva − sempre-vivas / super-homem − super-homens. c) Epicenos: admitem apenas um artigo, designando os
d) Quando os elementos são repetidos ou onomatopaicos animais. Ex.: O jacaré, a cobra, o polvo.
(representam sons). Ex.: reco-reco − reco-recos / pingue-
pongue − pingue-pongues / bem-te-vi − bem-te-vis. Observações:
- O feminino de elefante é elefanta, e não elefoa. Aliá é
Observações: correto, mas designa apenas uma espécie de elefanta.
- Como se vê pelo segundo exemplo, pode haver alguma - Mamão, para alguns gramáticos, deve ser considerado
alteração nos elementos, ou seja, não serem iguais. epiceno. É algo discutível.
- Se forem verbos repetidos, admite-se também pôr os dois - Há substantivos de gênero duvidoso, que as pessoas
no plural. Ex.: pisca-pisca − pisca-piscas ou piscas-piscas. costumam trocar. Veja alguns que convém gravar.

Língua Portuguesa 45
APOSTILAS OPÇÃO

Masculinos - Femininos amargo − amaríssimo


champanha - aguardente amigo − amicíssimo
dó - alface antigo − antiquíssimo
eclipse - cal cruel − crudelíssimo
formicida - cataplasma doce − dulcíssimo
grama (peso) - grafite fácil − facílimo
milhar - libido feroz − ferocíssimo
plasma - omoplata fiel − fidelíssimo
soprano - musse geral − generalíssimo
suéter - preá humilde − humílimo
telefonema magro − macérrimo
negro − nigérrimo
- Existem substantivos que admitem os dois gêneros. Ex.: pobre − paupérrimo
diabetes (ou diabete), laringe, usucapião etc. sagrado − sacratíssimo
sério − seriíssimo
Flexão de grau soberbo – superbíssimo

Por razões meramente didáticas, incluo, aqui, o grau entre Questões


os processos de flexão.
01. (Pref. Fortaleza/CE - Educação Física - 2016) Com
Grau do substantivo base nas regras de flexão nominal e flexão verbal e com base
1) Normal ou positivo: sem nenhuma alteração. Ex.: no aspecto semântico (o sentido das palavras e da
chapéu. interpretação dos enunciados de acordo com o contexto),
observe o seguinte excerto:
2) Aumentativo:
a) Sintético: chapelão; “Eu nunca me esqueci da história daquela outra menina”.
b) Analítico: chapéu grande, chapéu enorme etc.
Aponte a alternativa em que todas as palavras desse
3) Diminutivo: excerto foram corretamente flexionadas apenas em número,
a) Sintético: chapeuzinho; de acordo com o contexto.
b) Analítico: chapéu pequeno, chapéu reduzido etc. (A) Nós nunca nos esqueceremos de histórias daquelas
Obs.: Um grau é sintético quando formado por sufixo; outras meninas.
analítico, por meio de outras palavras. (B) Nós nunca nos esquecemos das histórias daquelas outras
meninas.
Grau do adjetivo (C) Nós nunca nos esquecíamos da história daquelas outras
1) Normal ou positivo: João é forte. meninas.
(D) Nós nunca nos esquecemos das histórias daquela outra
2) Comparativo: menina.
a) De superioridade: João é mais forte que André. (ou do
que); 02. Assinale o par de vocábulos que formam o plural como
b) De inferioridade: João é menos forte que André. (ou do órfão e mata-burro, respectivamente:
que); (A) cristão / guarda-roupa
c) De igualdade: João é tão forte quanto André. (ou como); (B) questão / abaixo-assinado
(C) alemão / beija-flor
3) Superlativo: (D) tabelião / sexta-feira
a) Absoluto (E) cidadão / salário-família
Sintético: João é fortíssimo.
Analítico: João é muito forte. (bastante forte, forte demais 03. Aponte a alternativa em que haja erro quanto à flexão
etc.) do nome composto:
(A) vice-presidentes, amores-perfeitos, os bota-fora
b) Relativo: (B) tico-ticos, salários-família, obras-primas
De superioridade: João é o mais forte da turma. (C) reco-recos, sextas-feiras, sempre-vivas
De inferioridade: João é o menos forte da turma. (D) pseudo-esferas, chefes-de-seção, pães-de-ló
(E) pisca-piscas, cartões-postais, mulas-sem-cabeças
Observações:
a) O grau superlativo absoluto corresponde a um aumento 04. (INSTITUTO AOCP - Assistente Administrativo –
do adjetivo. Pode ser expresso por um sufixo (íssimo, érrimo EBSERH) Assinale a alternativa cujas palavras em destaque
ou imo) ou uma palavra de apoio, como muito, bastante, aceitam flexão de número e gênero.
demasiadamente, enorme etc. (A) “E, ainda, aumenta a capacidade sanguínea e faz bem
ao coração, combate a depressão e, o melhor, é democrática,
b) As palavras maior, menor, melhor e pior constituem aceita pessoas de todas as idades e raças.”.
sempre graus de superioridade. Ex.: (B) “Entre os mais comuns estão samba, bolero, forró,
O carro é menor que o ônibus. (menor - mais pequeno = zouk, salsa, lindy hop, tango, valsa e muito mais’. Ele revela
comparativo de superioridade.) que, apesar de sempre ser um desejo feminino, os homens
Ele é o pior do grupo. (pior - mais mau = superlativo estão cada vez mais presentes.”.
relativo de superioridade.) (C) “A dança tem diferentes linguagens e provoca efeitos e
sensações diversas. Sem se ater ao profissional, ela tem o
c) Alguns superlativos absolutos sintéticos também podem poder de aproximar as pessoas, provocar romances, estimular
apresentar dúvidas. o cérebro, tonificar [...]”.
acre − acérrimo

Língua Portuguesa 46
APOSTILAS OPÇÃO

(D) “O bailarino, coreógrafo e professor Welbert de Melo b) Passiva: o sujeito sofre a ação verbal.
Nascimento, formado em pedagogia do movimento para o - Analítica ou verbal: com o particípio e um verbo auxiliar.
ensino da dança pela UFMG, diz que a dança é sociocultural, Ex.: O poste foi derrubado pelo carro.
fundamental em um mundo cada vez mais individualista e de
isolamento diante da tecnologia e da internet.”. - Sintética ou pronominal: com o pronome apassivador se.
(E) “No antigo Egito, ela homenageava o deus Osíris. Na Ex.: Derrubou-se o poste.
Grécia, fazia parte dos Jogos Olímpicos. Na era atual, ela existe
como manifestação artística [...]”. Obs.: Estudaremos bem o pronome apassivador (ou
partícula apassivadora) na sétima lição: concordância verbal.
Gabarito
c) Reflexiva: o sujeito pratica e sofre a ação verbal; aparece
01.B / 02.A / 03.E / 04. D um pronome reflexivo. Ex.: O garoto se machucou.

FLEXÃO VERBAL Formação do Imperativo


1) Afirmativo: tu e vós saem do presente do indicativo
1) Número: singular ou plural menos a letra s; você, nós e vocês, do presente do subjuntivo.
Ex.: ando, andas, anda → singular Ex.: Imperativo afirmativo do verbo beber
andamos, andais, andam → plural Bebo → beba
bebes → bebe (tu) bebas
2) Pessoas: são três. bebe beba → beba (você)
a) A primeira é aquela que fala; corresponde aos pronomes bebemos bebamos → bebamos (nós)
eu (singular) e nós (plural). bebeis → bebei (vós) bebais
Ex.: escreverei, escreveremos. bebem bebam → bebam (vocês)
Reunindo, temos: bebe, beba, bebamos, bebei, bebam.
b) A segunda é aquela com quem se fala; corresponde aos
pronomes tu (singular) e vós (plural). 2) Negativo: sai do presente do subjuntivo mais a palavra
Ex.: escreverás, escrevereis. não.
Ex.: beba
c) A terceira é aquela acerca de quem se fala; corresponde bebas → não bebas (tu)
aos pronomes ele ou ela (singular) e eles ou elas (plural). beba → não beba (você)
Ex.: escreverá, escreverão. bebamos → não bebamos (nós)
bebais → não bebais (vós)
3) Modos: são três. bebam → não bebam (vocês)
a) Indicativo: apresenta o fato verbal de maneira positiva, Assim, temos: não bebas, não beba, não bebamos, não
indubitável. Ex.: vendo. bebais, não bebam.

b) Subjuntivo: apresenta o fato verbal de maneira Observações:


duvidosa, hipotética. Ex.: que eu venda. a) No imperativo não existe a primeira pessoa do singular,
eu; a terceira pessoa é você.
c) Imperativo: apresenta o fato verbal como objeto de uma
ordem. Ex.: venda! b) O verbo ser não segue a regra nas pessoas que saem do
presente do indicativo. Eis o seu imperativo:
4) Tempos: são três. - Afirmativo: sê, seja, sejamos, sede, sejam.
a) Presente: falo - Negativo: não sejas, não seja, não sejamos, não sejais, não
sejam.
b) Pretérito:
- Perfeito: falei c) O tratamento dispensado a alguém numa frase não pode
- Imperfeito: falava mudar. Se começamos a tratar a pessoa por você, não podemos
- Mais-que-perfeito: falara passar para tu, e vice-versa.
Ex.: Pede agora a tua comida. (tratamento: tu)
Obs.: O pretérito perfeito indica uma ação extinta; o Peça agora a sua comida. (tratamento: você)
imperfeito, uma ação que se prolongava num determinado
ponto do passado; o mais-que-perfeito, uma ação passada em d) Os verbos que têm z no radical podem, no imperativo
relação a outra ação, também passada. Ex.: afirmativo, perder também a letra e que aparece antes da
Eu cantei aquela música. (perfeito) desinência s.
Eu cantava aquela música. (imperfeito) Ex.: faze (tu) ou faz (tu)
Quando ele chegou, eu já cantara. (mais-que-perfeito) dize (tu) ou diz (tu)

c) Futuro: e) Procure ter “na ponta da língua” a formação e o emprego


- Do presente: estudaremos do imperativo. É assunto muito cobrado em concursos
- Do pretérito: estudaríamos públicos.

Obs.: No modo subjuntivo, com relação aos tempos Tempos Primitivos e Tempos Derivados
simples, temos apenas o presente, o pretérito imperfeito e o 1) O presente do indicativo é tempo primitivo. Da primeira
futuro (sem divisão). Os tempos compostos serão estudados pessoa do singular sai todo o presente do subjuntivo.
mais adiante. Ex.: digo → que eu diga, que tu digas, que ele diga etc.
dizes
5) Vozes: são três. diz
a) Ativa: o sujeito pratica a ação verbal. Obs.: isso não ocorre apenas com os poucos verbos que
Ex.: O carro derrubou o poste. não apresentam a desinência o na primeira pessoa do singular.

Língua Portuguesa 47
APOSTILAS OPÇÃO

Ex.: eu sou → que eu seja. 2) Deter, conter, reter, manter etc.: seguem integralmente
eu sei → que eu saiba. o verbo ter.
Ex.: tivermos → contivermos, mantivermos etc.
2) O pretérito perfeito é tempo primitivo. Da segunda tiveste → retiveste, mantiveste etc.
pessoa do singular saem:
3) Intervir, advir, provir, convir etc.: seguem
a) o mais-que-perfeito. integralmente o verbo vir.
Ex.: coubeste → coubera, couberas, coubera, coubéramos, Ex.: vierem → intervierem, provierem etc.
coubéreis, couberam. vim → intervim, convim etc.

b) o imperfeito do subjuntivo. 4) Rever, prever, antever etc.: seguem integralmente o


Ex.: coubeste → coubesse, coubesses, coubesse, verbo ver.
coubéssemos, coubésseis, coubessem. Ex.: vi → revi, previ etc.
víssemos → prevíssemos, antevíssemos etc.
c) o futuro do subjuntivo.
Ex.: coubeste → couber, couberes, couber, coubermos, Observações:
couberdes, couberem. - Como se vê nesses quatro itens iniciais, o verbo derivado
segue a conjugação do seu primitivo. Basta conjugar o verbo
3) Do infinitivo impessoal derivam: primitivo e recolocar o prefixo. Há outros verbos que dão
origem a verbos derivados. Por exemplo, dizer, haver e fazer.
a) o imperfeito do indicativo. Para eles, vale a mesma regra explicada acima.
Ex.: caber → cabia, cabias, cabia, cabíamos, cabíeis, cabiam. Ex.: eu houve → eu reouve (e não reavi, como normalmente
se fala por aí).
b) o futuro do presente.
Ex.: caber → caberei, caberás, caberá, caberemos, cabereis, - Requerer e prover não seguem integralmente os verbos
caberão. querer e ver. Eles serão mostrados mais adiante.

c) o futuro do pretérito. 5) Crer, no pretérito perfeito do indicativo: cri, creste, creu,


Ex.: caber → caberia, caberias, caberia, caberíamos, cremos, crestes, creram.
caberíeis, caberiam.
6) Estourar, roubar, aleijar, inteirar etc.: mantém o ditongo
d) o infinitivo pessoal. fechado em todos os tempos, inclusive o presente do
Ex.: caber → caber, caberes, caber, cabermos, caberdes, indicativo. Ex.: A bomba estoura. (e não estóra, como
caberem. normalmente se diz).

e) o gerúndio. 7) Aderir, competir, preterir, discernir, concernir, impelir,


Ex.: caber → cabendo. expelir, repelir:
a) presente do indicativo: adiro, aderes, adere, aderimos,
f) o particípio. aderimos, aderem.
Ex.: caber → cabido.
b) presente do subjuntivo: adira, adiras, adira, adiramos,
Tempos Compostos adirais, adiram.
Formam-se os tempos compostos com o verbo auxiliar (ter
ou haver) mais o particípio do verbo que se quer conjugar. Obs.: Esses verbos mudam o e do infinitivo para i na
primeira pessoa do singular do presente do indicativo e em
1) Perfeito composto: presente do verbo auxiliar mais todas do presente do subjuntivo.
particípio do verbo principal.
Ex.: tenho falado ou hei falado → perfeito composto do 8) Aguar, desaguar, enxaguar, minguar:
indicativo tenha falado ou haja falado → perfeito composto do a) presente do indicativo: águo, águas, água; enxáguo,
subjuntivo. enxáguas, enxágua.

2) Mais-que-perfeito composto: imperfeito do auxiliar b) presente do subjuntivo: águe, águes, águe; enxágue,
mais particípio do principal. enxágues, enxágue.
Ex.: tinha falado → mais-que-perfeito composto do
indicativo. 9) Arguir, no presente do indicativo: arguo, argúis, argúi,
tivesse falado → mais-que-perfeito composto do arguimos, arguis, argúem.
subjuntivo.
10) Apaziguar, averiguar, obliquar, no presente do
3) Demais tempos: basta classificar o verbo auxiliar. subjuntivo: apazigúe, apazigúes, apazigúe, apaziguemos,
Ex.: terei falado → futuro do presente composto (terei é apazigueis, apazigúem.
futuro do presente).
11) Mobiliar:
Verbos Irregulares Comuns em Concursos a) presente do indicativo: mobílio, mobílias, mobília,
É importante saber a conjugação dos verbos que seguem. mobiliamos, mobiliais, mobíliam.
Eles estão conjugados apenas nas pessoas, tempos e modos
mais problemáticos. b) presente do subjuntivo: mobílie, mobílies, mobílie,
1) Compor, repor, impor, expor, depor etc.: seguem mobiliemos, mobilieis, mobíliem.
integralmente o verbo pôr.
Ex.: ponho → componho, imponho, deponho etc. 12) Polir, no presente do indicativo: pulo, pules, pule,
pus → compus, repus, expus etc. polimos, polis, pulem.

Língua Portuguesa 48
APOSTILAS OPÇÃO

13) Passear, recear, pentear, ladear (e todos os outros - Buscar se envolver em atividades sociais prazerosas e
terminados em ear) construtivas;
a) presente do indicativo: passeio, passeias, passeia, - Controlar e, na medida do possível, evitar o estresse;
passeamos, passeais, passeiam. - Valorizar a convivência social positiva;
b) presente do subjuntivo: passeie, passeies, passeie, - Estimular o cérebro com atividades intelectuais (leitura,
passeemos, passeeis, passeiem. teatro etc.);
- Buscar ajuda de profissionais da saúde quando apresentar
Observações: doenças ou problemas psicológicos.
- Os verbos desse grupo (importantíssimo) apresentam o
ditongo ei nas formas rizotônicas, mas apenas nos dois Os verbos “buscar”, “controlar”, “valorizar” e “estimular”,
presentes. presentes no texto, foram empregados no infinitivo. Observe
- Os verbos estrear e idear apresentam ditongo aberto. as alternativas abaixo e assinale aquela que contiver a
Ex.: estreio, estreias, estreia; ideio, ideias, ideia. adequada análise da relação forma verbal / flexão de tempo e
modo.
14) Confiar, renunciar, afiar, arriar etc.: verbos regulares. (A) Buscaria: futuro do subjuntivo.
Ex.: confio, confias, confia, confiamos, confiais, confiam. (B) Controlo: presente do imperativo.
(C) Valorizou: pretérito mais-que-perfeito do indicativo.
Observações: (D) Estimularemos: futuro do presente do indicativo.
- Esses verbos não têm o ditongo ei nas formas rizotônicas.
02. (Pref. Itaquitinga/PE - Psicólogo - IDHTEC/2016)
- Mediar, ansiar, remediar, incendiar, odiar e intermediar, Em qual dos trechos a seguir a flexão do verbo reflete um uso
apesar de terminarem em iar, apresentam o ditongo ei. adequado da língua
Ex.: medeio, medeias, medeia, mediamos, mediais, (A) “Enquanto a campanha de vacinação contra o H1N1
medeiam, medeie, medeies, medeie, mediemos, medieis, não começa, especialistas recomendam que a população se
medeiem. precavenha redobrando os cuidados com a higiene e evitando
aglomerações e o contato com muitas pessoas
15) Requerer: só é irregular na 1ª pessoa do singular do (B) “Cinco pássaros receberam transmissores para
presente do indicativo e, consequentemente, em todo o monitorar sua adaptação à vida selvagem e se obter
presente do subjuntivo. financiamento para cinco novos transmissores, dez novos
Ex.: requeiro, requeres, requer pássaros serão libertados.”
requeira, requeiras, requeira (C) “A mulher requereu o benefício em abril de 2014. Ela
requeri, requereste, requereu apresentou diversos atestados médicos que comprovavam sua
situação delicada e seu histórico de risco, mas o pedido foi
16) Prover: conjuga-se como verbo regular no pretérito indeferido.”
perfeito, no mais-que-perfeito, no imperfeito do subjuntivo, no
futuro do subjuntivo e no particípio; nos demais tempos, (D) “A polícia interviu nos confrontos entre adeptos
acompanha o verbo ver. ingleses, russos e franceses‟, disse o chefe local da polícia, que
Ex.: Provi, proveste, proveu; provera, proveras, provera; teve de dispersar os apoiantes das duas seleções e cidadãos
provesse, provesses, provesse etc. franceses pelo terceiro dia consecutivo.”
provejo, provês, provê; provia, provias, provia; proverei, (E) “A cada dois meses acumulados, ele sugere que
proverás, proverá etc. investidor se presentei com algo que deseja, para se sentir
motivado a manter a reserva.”
17) Reaver, precaver-se, falir, adequar, remir, abolir,
colorir, ressarcir, demolir, acontecer, doer são verbos 03. Leia o trecho:
defectivos. Estude o que falamos sobre eles na lição anterior, Toda a gente dormia com a mulher do Jaqueira. Era só
no item sobre a classificação dos verbos. Ex.: Reaver, no empurrar a porta. Se a mulher não abria logo, Jaqueira ia abrir,
presente do indicativo: reavemos, reaveis. bocejando e ameaçando:

Questões - Um dia eu mato um peste.


Matou. Escondeu-se por detrás de um pau e descarregou a
01. (FAPERP - Agente Administrativo - SeMAE) lazarina bem no coração do freguês.
(Graciliano Ramos, São Bernardo)
HÁBITOS SAUDÁVEIS E QUALIDADE DE VIDA11
A forma verbal grifada:
Para um indivíduo ter uma boa qualidade de vida, é (A) está no pretérito, indicando uma ação durativa ou
fundamental a busca de hábitos saudáveis. Esses, não devem ser repetitiva que começa num passado mais ou menos distante e
feitos esporadicamente, mas sim com frequência (para toda perdura ainda no momento da fala.
vida). A adoção desses hábitos saudáveis tem por objetivos a (B) está no futuro do pretérito, indicando uma ação
manutenção da saúde física e psicológica, aumentando a hipotética.
qualidade de vida. (C) está no presente, indicando que a ação se dará num
tempo futuro.
PRINCIPAIS HÁBITOS SAUDÁVEIS: (D) está no futuro, indicando que a ação se dará num futuro
do presente.
- Alimentação balanceada, nutritiva e de acordo com as (E) está no presente, indicando uma ação momentânea ou
necessidades de cada organismo; pontual.
- Prática regular de atividades físicas; - Atividades ao ar livre
e contato com a natureza; 04. (IESES - Auxiliar em Administração - IFC-SC)
- Não ter vícios (álcool, cigarro e outras drogas); Assinale a alternativa correta quanto à flexão dos verbos.

11 http://www.todabiologia.com/saude/habitos_saudaveis.htm

Língua Portuguesa 49
APOSTILAS OPÇÃO

(A) Quando não disporem de tempo, precavenham-se, Optativas: exprimir um desejo.


adiantando alguns de seus compromissos. Deus te acompanhe!
(B)Se o governo propor mudanças e intervier em favor da Que você consiga passar no concurso.
população, será possível melhorar sua imagem.
(C) Ele reaviu seus pertences apreendidos pela polícia. Imprecativas: uma imprecação (lançar uma praga,
(D) Mesmo que as autoridades interviessem, perceber-se- maldição).
ia logo que o candidato não previra as consequências que Não conseguindo atingir seu intento, dirigiu maldições
adviriam de sua conduta. contra seu desafeto.
Maldito seja quem encontrar você.
Gabarito
Atenção: Algumas frases só podem ser entendidas quando
1.D / 2.C / 3.C / 4.D compreendemos o contexto em que são empregadas, como por
exemplo em frases que contém ironia, sarcasmo, deboche e
escárnio. Pois estas as vezes acabam expressando o contrário
Sintaxe: frase, oração e do que aparentemente se diz.
período; termos da oração;
processos de coordenação e Questões
subordinação; 01. (CFN - Soldado Fuzileiro Naval – Marinha)

A Raposa Furta e a Onça Paga


ANÁLISE SINTÁTICA
A raposa viu que vinha vindo um cavalo carregado com
A Análise Sintática examina a estrutura do período, divide cabaças cheias de mel de abelhas. Mais que depressa deitou-se
e classifica as orações que o constituem e reconhece a função no meio da estrada fingindo-se morta. O tangerino parou e
sintática dos termos de cada oração. achou o bicho muito bonito. Não tendo tempo de esfolar para
aproveitar o pelo, sacudiu a raposa no meia da carga e seguiu
Frase viagem. Vai a raposa e se farta de mel, pulando depois para o
chão, ganhando o mato. O homem ficou furioso mas não viu
É todo enunciado suficiente por si mesmo para estabelecer mais nem a sombra da raposa.
comunicação. Pode expressar um juízo, indicar uma ação, Dias depois a raposa encontrou a onça que a achou gorda e
estado ou fenômeno, transmitir um apelo, uma ordem ou lustrosa. Perguntou se ela descobrira algum galinheiro.
exteriorizar emoções12. São exemplos de frases13: - Qual galinheiro, camarada onça, minha gordura ê de mel
de abelha, que dá força e coragem.
“Por favor!” - Onde você encontrou tanto mel?
“Bom dia, tudo bem com você?” - Ora, nas cargas dos camboeiros que passam pela estrada.
- Quer me levar, camarada raposa?
Os sinais de pontuação são as pausas especiais nas frases, - Com todo gosto. Vamos indo...
e quando ocorre a inversão do sujeito + predicado, a sua Levou a onça para a estrada, depois de muda volta, ensinou
compreensão depende do contexto. a conversa. A onça deitou-se e ficou estirada, dura, fazendo que
estava morta. Quando o camboeiro avistou aquele bichão
Chamam-se frases nominais as que se apresentam sem o estendido na areia, ficou com os cabelos em pê e puxou logo
verbo ou seja frases constituídas apenas por nomes, pela sua garrucha. Não vendo a onça bulir, aproximou-se,
substantivo, adjetivo e pronome. cutucou com o cabo do chicote e gritou para os companheiros:
Exemplo: Cada louco com sua mania. - Eh lá! Uma onça morta! Vamos tirar o couro.
Meteram a faca com vontade na onça que, meio esfolada,
Tipos de Frases ganhou os matos, doida de raiva com a arteirice da raposa.
Declarativas: anuncia algo de forma afirmativa ou (CASCUDO, Luís da Câmara. Contas Tradicionais do Brasil. Rio de Janeiro:
negativa, ou juízo acerca de alguma coisa ou alguém: Ediouro, 2003)
Pedro estuda muito. (afirmativa)
Jamais comprarei aquele carro. (negativa) “Onde você encontrou tanto mel?”
“Eh lá! Uma onça morta!“
Interrogativas: pergunta alguma coisa (com ponto de
interrogação) ou de forma indireta (sem o ponto de Analisando as orações acima, pode-se afirmar que elas são,
interrogação). respectivamente:
Por que quebraste o vidro? (A) afirmativa e negativa.
Gostaria de comprar uma casa. (B) exclamativa e negativa.
(C) interrogativa e negativa.
Imperativas: expressa uma ordem, pedido, pode ser (D) interrogativa e exclamativa.
afirmativa ou negativa. (E) exclamativa explicativa e interrogativa.
“Silêncio! Respeite o professor.” (afirmativa)
Não faça loucuras. (negativa) 02. (MGS - Auxiliar - MGS) Marque a alternativa que
apresenta frase exclamativa:
Exclamativas: expressa uma admiração, surpresa, (A) Os casais saíram para jantar?
arrependimento e etc. (B) Bons ventos o levem!
Como ela é inteligente! (C) O cliente pagou o copo de suco?
Não acertaram mais! (D) Maria depositou dinheiro em sua conta bancária.

12 OTHON, Garcia, Comunicação em Prosa Moderna. FGV.2011.

Língua Portuguesa 50
APOSTILAS OPÇÃO

03. (Câmara Municipal de Marialva - PR - Auxiliar de (B) frase verbal.


Serviços Gerais - FAUEL) Assinale abaixo a única alternativa (C) frase nominal.
que apresenta uma FRASE INTERROGATIVA: (D) período simples.
(A) Depois do que soube, precisarei interrogá-lo. (E) período composto.
(B) Por acaso não sabiam que isso aconteceria?
(C) Resistiram bravamente o tempo todo! Gabarito
(D) Perguntei o que entenderam, mas não obtive resposta... 01. D / 02. B / 03. B / 04. A / 05. C

04. (PC-ES - Auxiliar Perícia Médico-Legal - INSTITUTO Oração


AOCP/2019)
É todo enunciado linguístico dotado de sentido, porém há,
necessariamente, a presença do verbo. A oração encerra uma
frase (ou segmento de frase), várias frases ou um período,
completando um pensamento e concluindo o enunciado
através de ponto final, interrogação, exclamação e, em alguns
casos, através de reticências.
Em toda oração há um verbo ou locução verbal (às vezes
elípticos - ocultos).
Não têm estrutura sintática, portanto não são orações,
assim não podem ser analisadas sintaticamente frases como:

Socorro!
Com licença!
Que rapaz impertinente!

Na oração as palavras estão relacionadas entre si, como


partes de um conjunto harmônico: elas formam os termos ou
as unidades sintáticas da oração. Cada termo da oração
desempenha uma função sintática.

Os termos da oração na língua portuguesa são classificados


em três grandes níveis:
No excerto do primeiro quadrinho, há duas frases
- Termos Essenciais da Oração: Sujeito e Predicado.
exclamativas em que, dado o contexto, ambas indicam
- Termos Integrantes da Oração: Complemento Nominal e
(A) entusiasmo.
Complementos Verbais (Objeto Direto, Objeto indireto e
(B) espanto.
Agente da Passiva).
(C) susto.
- Termos Acessórios da Oração: Adjunto Adnominal,
(D) raiva.
Adjunto Adverbial, Aposto e Vocativo.
(E) admiração.
Termos Essenciais da Oração
05. (Prefeitura de Inhapi/AL - Procurador Municipal -
Dois termos fundamentais da oração: sujeito e predicado.
COPEVE/UFAL)
Sujeito Predicado
Felicidade é estar satisfeito.
Os jovens compraram os doces.
Um carro tombou nas ruas.
forte

Sujeito: é equivocado dizer que o sujeito é aquele que


pratica uma ação ou é aquele (ou aquilo) do qual se diz alguma
coisa. Ao fazer tal afirmação estamos considerando o aspecto
semântico do sujeito (agente de uma ação) ou o seu aspecto
estilístico (o tópico da sentença).
Já que o sujeito é depreendido de uma análise sintática,
vamos restringir a definição apenas ao seu papel sintático na
sentença: aquele que estabelece concordância com o núcleo do
predicado.
Quando se trata de predicado verbal, o núcleo é sempre um
verbo; sendo um predicado nominal, o núcleo é sempre um
nome. 14Tendo assim por características básicas:
- Estabelecer concordância com o núcleo do predicado;
- Apresentar-se como elemento determinante em relação
ao predicado;
O enunciado “socorro!”, de acordo com a análise sintática, - Constituir-se de um substantivo, ou pronome substantivo
é um(a) ou, ainda, qualquer palavra substantivada. Exemplo:

(A) oração. O banco está interditado hoje.

14 www.portalsaofrancisco.com.br/portugues/sujeito

Língua Portuguesa 51
APOSTILAS OPÇÃO

está interditado hoje: predicado nominal. uma voz para a selvagem filha do sertão.” (José de Alencar)
interditado: nome adjetivo = núcleo do predicado.
O banco: sujeito. Classificação dos Sujeitos
Banco: núcleo do sujeito - nome masculino singular. Simples - tem um só núcleo, no singular ou plural: O
cachorro tem uma casinha linda.
No interior de uma sentença, o sujeito é o termo Composto - apresenta mais de um núcleo: O garoto e a
determinante, ao passo que o predicado é o termo menina brincavam alegremente.
determinado. Essa posição de determinante do sujeito em Expresso - está explícito, enunciado: Eu trabalharei
relação ao predicado adquire sentido com o fato de ser amanhã.
possível, na língua portuguesa, uma sentença sem sujeito, mas Oculto (ou elíptico) - está implícito, não está expresso,
nunca uma sentença sem predicado. Exemplos: funciona como algo que não está claro, porém, no texto está o
significado dele: Trabalharei amanhã. (se deduz “eu” a partir
As formigas invadiram minha casa. da desinência do verbo).
as formigas: sujeito = termo determinante. Agente - ação expressa pelo verbo da voz ativa: O garoto
invadiram minha casa: predicado = termo determinado. chutou a bola.
Paciente - recebe os efeitos da ação expressa pelo verbo
Há formigas na minha casa. passivo: A bola é chutada pelo menino. Construíram-se
há formigas na minha casa: predicado = termo açudes. (= Açudes foram construídos.)
determinado. Agente e Paciente - quando o sujeito realiza a ação
sujeito: inexistente. expressa por um verbo reflexivo e ele mesmo sofre ou recebe
os efeitos dessa ação: O operário feriu-se durante o trabalho;
O sujeito sempre se manifesta em termos de sintagma Regina trancou-se no quarto.
nominal, isto é, seu núcleo é sempre um nome. Quando esse Indeterminado - quando não se indica o agente da ação
nome se refere a objetos da primeira e segunda pessoa, o verbal: Atropelaram uma senhora na esquina. (Quem
sujeito é representado por um pronome pessoal do caso reto atropelou a senhora? Não se diz, não se sabe quem a
(eu, tu, ele, etc.). atropelou.); Come-se bem naquele restaurante (quem come).15
Se o sujeito se refere a um objeto da terceira pessoa, sua
representação pode ser feita através de um substantivo, de um Observações:
pronome substantivo ou de qualquer conjunto de palavras, - Não confunda sujeito indeterminado com sujeito oculto.
cujo núcleo funcione, na sentença, como um substantivo. - Sujeito formado por pronome indefinido não é
Exemplos: indeterminado, mas expresso: Ninguém lhe telefonou.
- Assinala-se a indeterminação do sujeito usando-se o
Eu acompanho você até o guichê. verbo na 3ª pessoa do plural, sem referência a qualquer agente
eu: sujeito = pronome pessoal de primeira pessoa. já expresso nas orações anteriores: Na rua olhavam-no com
admiração. “De qualquer modo, foi uma judiação matarem a
Vocês disseram alguma coisa? moça”.
vocês: sujeito = pronome pessoal de segunda pessoa (tu) - Assinala-se a indeterminação do sujeito com um verbo
ativo na 3ª pessoa do singular, acompanhado do pronome se.
Marcos tem um fã-clube no seu bairro. O pronome se, neste caso, é índice de indeterminação do
Marcos: sujeito = substantivo próprio. sujeito. Pode ser omitido junto de infinitivos. Exemplos:
Aqui paga-se bem.
Ninguém entra na sala agora. Devagar se vai ao longe.
ninguém: sujeito = pronome substantivo. Quando se é jovem, a vida é vigorosa.

O andar deve ser uma atividade diária. - O verbo no infinitivo impessoal, ocorre a indeterminação
o andar: sujeito = núcleo: verbo substantivado nessa do sujeito. Exemplo: É legal assistir a estes filmes clássicos.
oração.
Normalmente, o sujeito antecede o predicado; todavia, a
Além dessas formas, o sujeito também pode se constituir posposição do sujeito ao verbo é fato corriqueiro em nossa
de uma oração inteira. Nesse caso, a oração recebe o nome de língua. Exemplo: Da casa próxima apareceu aquela moça. / É
oração substantiva subjetiva: difícil esta situação.

É difícil optar por esse ou aquele doce... Sem Sujeito - são enunciados através do predicado, o
É difícil: oração principal. verbo não é atribuído a nenhum sujeito. Construídas com
optar por esse ou aquele doce: oração substantiva verbos impessoais na 3ª pessoa do singular: Havia gatos na
subjetiva. sala. / Choveu durante a festa.

O sujeito é constituído por um substantivo ou pronome, ou São verbos impessoais: Haver (nos sentidos de existir,
por uma palavra ou expressão substantivada. Exemplos: acontecer, realizar-se, decorrer).
Fazer, passar, ser e estar, com referência ao tempo.
O sino era grande. Chover, ventar, nevar, gear, relampejar, amanhecer,
Ela tem uma educação fina. anoitecer e outros que exprimem fenômenos meteorológicos.
Vossa Excelência agiu com imparcialidade.
Predicado - é a soma de todos os termos da oração, exceto
O núcleo (isto é, a palavra base) do sujeito é, pois, um o sujeito e o vocativo. É tudo o que se declara na oração
substantivo ou pronome. Em torno do núcleo podem aparecer referindo-se ao sujeito (quando há sujeito). Sempre apresenta
palavras secundárias (artigos, adjetivos, locuções adjetivas, um verbo.16 Exemplo:
etc.). Exemplo: “Todos os ligeiros rumores da mata tinham

15 CEGALLA, Paschoal. Minigramática Língua Portuguesa. Nacional. 2004. 16 PESTANA, Fernando. Gramática para concursos. Elsevier.2011.

Língua Portuguesa 52
APOSTILAS OPÇÃO

Victor conhece os amigos do rei. Outros verbos, que tem predicação incompleta (sentido
sujeito: Victor = termo determinante. incompleto) conhecido como transitivos (precisam de
predicado: conhece os amigos do rei = termo determinado. complemento) Exemplos: Paulo comprou cinco pães. / A casa
pertence ao Júlio.
No predicado o núcleo pode ser de dois tipos: um nome,
quase sempre um atributo que se refere ao sujeito da oração, Observe que, sem os seus complementos, os verbos
ou um verbo (ou locução verbal). “comprou” e “pertence” não transmitiriam informações
Predicado nominal - (seu núcleo significativo é um nome, completas, pois ainda fica a dúvida: Comprou o quê? Pertence
substantivo, adjetivo, pronome, ligado ao sujeito por um verbo a quem?
de ligação).
Predicado verbal - (seu núcleo é um verbo, seguido, ou Os verbos de predicação completa denominam-se de
não, de complemento(s) ou termos acessórios). Quando, num intransitivos e os de predicação incompleta de transitivos.
mesmo segmento o nome e o verbo são de igual importância, Os verbos transitivos subdividem-se em: transitivos
ambos constituem o núcleo do predicado e resultam no tipo de diretos, transitivos indiretos e transitivos diretos e
predicado verbo-nominal (tem dois núcleos significativos: indiretos (bitransitivos).
um verbo e um nome). Exemplos:
Além dos verbos transitivos e intransitivos, que encerram
Victor era jogador. uma noção definida ou conteúdo significativo, ainda existem
predicado: era jogador. os de ligação, verbos que entram na formação do predicado
núcleo do predicado: jogador = atributo do sujeito. nominal, relacionando o predicativo com o sujeito.
tipo de predicado: nominal.
Quanto à predicação classificam-se, pois os verbos em:
A prefeitura comprou várias coisas na licitação. Intransitivos: são os que não precisam de complemento,
predicado: comprou várias coisas na licitação. pois têm sentido completo. Exemplo: “Três contos bastavam,
núcleo do predicado: comprou = nova informação sobre o insistiu ele.” (Machado de Assis)
sujeito
tipo de predicado: verbal Observações: Os verbos intransitivos podem vir
acompanhados de um adjunto adverbial e mesmo de um
Os meninos jogavam bola contentes. predicativo (qualidade, características). Exemplos:
predicado: jogavam bola contentes.
núcleos do predicado: jogavam = nova informação sobre o Fui cedo; Passeamos pela cidade; Cheguei atrasado;
sujeito; contentes = atributo do sujeito. Entrei em casa aborrecido.
tipo de predicado: verbo-nominal.
As orações formadas com verbos intransitivos não podem
Nos predicados verbais e verbo-nominais o verbo é “transitar” (= passar) para a voz passiva. 17
responsável também por definir os tipos de elementos que Verbos intransitivos passam, ocasionalmente, a transitivos
aparecerão no segmento. Em alguns casos o verbo sozinho quando construídos com o objeto direto ou indireto. Exemplo:
basta para compor o predicado (verbo intransitivo).
Em outros casos é necessário um complemento que, “Inutilmente a minha alma o chora!” (Cabral do
juntamente com o verbo, constituem a nova informação sobre Nascimento)
o sujeito. De qualquer forma, esses complementos do verbo “Depois me deitei e dormi um sono pesado.” (Luís
não interferem na tipologia do predicado. Jardim)
Entretanto, é muito comum a elipse (ou omissão) do verbo, “Morrerás morte vil da mão de um forte.” (Gonçalves
quando este puder ser facilmente subentendido, em geral por Dias)
estar expresso ou implícito na oração anterior. Exemplos: “Inútil tentativa de viajar o passado, penetrar no mundo
que já morreu...” (Ciro dos Anjos)
“A fraqueza de Pilatos é enorme, a ferocidade dos algozes
inexcedível.” (Machado de Assis) (Está subentendido o verbo Alguns verbos essencialmente intransitivos: anoitecer,
é depois de algozes) crescer, brilhar, ir, agir, sair, nascer, latir, rir, tremer, brincar,
“Mas o sal está no Norte, o peixe, no Sul” (Paulo Moreira da chegar, vir, mentir, suar, adoecer, etc.
Silva) (Subentende-se o verbo está depois de peixe)
Transitivos Diretos: pedem um objeto direto, ou seja,
Predicativo do sujeito - é o nome dado ao núcleo do sempre um complemento sem preposição. Alguns verbos
predicado nominal, é atribuído uma qualidade ou deste grupo: julgar, chamar, nomear, eleger, proclamar,
característica ao sujeito. Os verbos de ligação (ser, estar, designar, considerar, declarar, adotar, ter, fazer, etc. Exemplos:
parecer, etc.) são a ligação entre o sujeito e o predicado. Comprei um terreno e construí a casa.
Exemplo: A atriz é talentosa. “Trabalho honesto produz riqueza honrada.” (Marquês de
Sujeito – A atriz Maricá)
Verbo de ligação - é
Predicativo - talentosa Dentre os verbos transitivos diretos merecem destaque os
que formam o predicado verbo nominal e se constrói com o
Predicação verbal - tem como núcleo um verbo que complemento acompanhado de predicativo. Exemplos:
transmite ideia de ação, pode ser uma locução verbal (dois Consideramos a situação difícil.
verbos). Alguns verbos, por natureza, têm sentido completo, Fernando trazia os documentos.
podendo, por si mesmos, constituir o predicado: são os verbos Em geral, os verbos transitivos diretos são usados na voz
de predicação completa denominados intransitivos. passiva.
Exemplos: A planta nasceu. / Os meninos correm. Podem receber como objeto direto, os pronomes o, a, os,
as: convido-o, encontro-os, incomodo-a, conheço-as.

17 CEGALLA, Paschoal. Minigramática Língua Portuguesa. Nacional. 2004.

Língua Portuguesa 53
APOSTILAS OPÇÃO

Podem ser construídos acidentalmente com preposição, a Muitos desses verbos passam à categoria dos intransitivos
qual lhes acrescenta novo sentido: arrancar da espada; puxar em frases como por exemplo: Era = existia) uma vez uma
da faca; pegar de uma ferramenta; tomar do lápis; cumprir princesa.;
com o dever; Eu não estava em casa. / Fiquei à sombra. / Anda com
Alguns verbos transitivos diretos: abençoar, achar, colher, dificuldades. / Parece que vai chover.18
avisar, abraçar, comprar, castigar, contrariar, convidar,
desculpar, dizer, estimar, elogiar, entristecer, encontrar, ferir, Os verbos, relativamente à predicação, não fixos. Variam
imitar, levar, perseguir, prejudicar, receber, saldar, socorrer, conforme apresentado na frase, a sua regência e sentido
ter, unir, ver, etc. podem pertencer a outro grupo. Exemplos:
O homem anda. (intransitivo)
Transitivos Indiretos: são os que reclamam um O homem anda triste. (de ligação)
complemento regido de preposição, chamado objeto indireto.
Exemplos: O cego não vê. (intransitivo)
“Ninguém perdoa ao quarentão que se apaixona por uma O cego não vê o obstáculo. (transitivo direto)
adolescente.” (Ciro dos Anjos)
“Populares assistiam à cena aparentemente apáticos e Predicativo: expressa estado, qualidade ou condição do
neutros.” (Érico Veríssimo) ser ao qual se refere, ou seja, é um atributo. Dois predicativos
são apontados.
Observações: Entre os verbos transitivos indiretos
importa distinguir os que se constroem com os pronomes Predicativo do Sujeito: exprime um atributo, estado ou
objetivos lhe, lhes. Em geral são verbos que exigem a modo de ser do sujeito, aparece como verbo de ligação, no
preposição a: agradar-lhe, agradeço-lhe, apraz-lhe, bate-lhe, predicado nominal. Exemplos:
desagrada-lhe, desobedecem-lhe, etc. O aluno é estudioso e exemplar.
Entre os verbos transitivos indiretos importa distinguir os A casa era toda feita de pedras raras.
que não admitem para objeto indireto as formas oblíquas lhe,
lhes, construindo-se com os pronomes retos precedidos de Outro tipo de predicativo, aparece no predicado verbo-
preposição: aludir a ele, anuir a ele, assistir a ela, atentar nele, nominal. Exemplos:
depender dele, investir contra ele, não ligar para ele, etc. José chegou cansado.
Os meninos chegaram cansados.
Em princípio, verbos transitivos indiretos não comportam
a forma passiva. Excetuam-se pagar, perdoar, obedecer, e O predicativo subjetivo pode estar preposicionado; E pode
pouco mais, usados também como transitivos diretos. o predicativo ser antes do sujeito e do verbo. Exemplo:
Exemplos: São horríveis essas coisas!
João paga (perdoa, obedece) o médico. Que linda estava Amélia!
O médico é pago (perdoado, obedecido) por João. Completamente feliz ninguém é.

Há verbos transitivos indiretos, como atirar, investir, Predicativo do Objeto: é o termo que se refere ao objeto
contentar-se, etc., que admitem mais de uma preposição, sem de um verbo transitivo. Exemplos:
mudança de sentido. Outros mudam de sentido com a troca da As paixões tornam os homens felizes.
preposição. Exemplos: Nós julgamos o fato estranho.
Trate de sua vida. (tratar=cuidar).
É desagradável tratar com gente grosseira. (tratar=lidar). Observações: O predicativo objetivo, pode estar regido de
preposição. É facultativo, as vezes. E o predicativo objetivo em
Verbos como aspirar, assistir, dispor, servir, etc., variam de geral se refere ao objeto direto. Em casos especiais, pode
significação conforme sejam usados como transitivos diretos referir-se ao objeto indireto do verbo chamar. Exemplo:
ou indiretos. Chamavam-lhe poeta.
Podemos também antepor o predicativo a seu objeto como
Transitivos Diretos e Indiretos: utilizam com dois por exemplo: O advogado considerava indiscutíveis os
objetos: um direto, outro indireto, ao mesmo tempo. direitos da herdeira. / Julgo inoportuna essa viagem. / “E até
Exemplos: embriagado o vi muitas vezes.” / “Tinha estendida a seus pés
A jornalista fornece informações para os concorrentes. uma planta rústica da cidade.” / “Sentia ainda muito abertos
Oferecemos rosas a nossa amiga. os ferimentos que aquele choque com o mundo me causara.”
Ceda o carro para sua mãe.
Termos Integrantes da Oração
De Ligação: ligam ao sujeito o predicativo, uma palavra. Complementam o sentido de certos verbos e nomes para
Esses verbos, formam o predicado nominal. Exemplos: que a oração fique completa, são chamados de:
A casa é feia.
A carroça está torta. - Complemento Verbais (Objeto Direto e Objeto Indireto);
A menina anda (=está) alegre. - Complemento Nominal;
A vizinha parecia uma mulher virtuosa. - Agente da Passiva.

Observações: os verbos de ligação não servem apenas de Objeto Direto: complementa o sentido de um verbo
anexo, mas exprimem ainda os diversos aspectos sob os quais transitivo direto, não regido por preposição. Dica: faça as
se considera a qualidade atribuída ao sujeito. O verbo ser, por perguntas “o quê?” ou “quem?”. Exemplos:
exemplo, traduz aspecto permanente e o verbo estar, aspecto O menino matou o passarinho. (o menino matou quem ?)
transitório. Exemplos: Geraldo ama Andressa. (Geraldo ama o quê?)
Ele é doente. (aspecto permanente)
Ele está doente. (aspecto transitório).

18 CEGALLA, Paschoal. Minigramática Língua Portuguesa. Nacional. 2004.

Língua Portuguesa 54
APOSTILAS OPÇÃO

Características do objeto direto: direto para dar-lhe realce: A você é que não enganam!; Ao
- Completa a significação dos verbos transitivos diretos; médico, confessor e letrado nunca enganes.; “A este
- Normalmente, não vem regido de preposição; confrade conheço desde os seus mais tenros anos”.
- Traduz o ser sobre o qual recai a ação expressa por um - Sendo objeto direto o numeral ambos(as): “O aguaceiro
verbo ativo. Ex. Caim matou Abel. caiu, molhou a ambos.”; “Se eu previsse que os matava a
- Torna-se sujeito da oração na voz passiva. Ex. Abel foi ambos...”.
morto por Caim. - Com certos pronomes indefinidos, sobretudo referentes
a pessoas: Se todos são teus irmãos, por que amas a uns e
O objeto direto pode ser constituído: odeias a outros?; Aumente a sua felicidade, tornando felizes
- Por um substantivo ou expressão substantivada: O também aos outros.; A quantos a vida ilude!.
lavrador cultiva a terra; Unimos o útil ao agradável. - Em certas construções enfáticas, como puxar (ou
- Pelos pronomes oblíquos o, a, os, as, me, te, se, nos, vos: arrancar) da espada, pegar da pena, cumprir com o dever,
Espero-o na estação; Estimo-os muito; Sílvia olhou-se ao atirar com os livros sobre a mesa, etc.: “Arrancam das espadas
espelho; Não me convidas?; Ela nos chama.; Avisamo-lo a de aço fino...”; “Chegou a costureira, pegou do pano, pegou da
tempo.; Procuram-na em toda parte.; Meu Deus, eu vos amo.; agulha, pegou da linha, enfiou a linha na agulha e entrou a
“Marchei resolutamente para a maluca e intimei-a a ficar coser.”; “Imagina-se a consternação de Itaguaí, quando soube
quieta.”; “Vós haveis de crescer, perder-vos-ei de vista.” do caso.”
- Por qualquer pronome substantivo: Não vi ninguém na
loja; A árvore que plantei floresceu. (que: objeto direto de Observações: Nos quatro primeiros casos estudados a
plantei); Onde foi que você achou isso? Quando vira as folhas preposição é de rigor, nos cinco outros, facultativo; A
do livro, ela o faz com cuidado; “Que teria o homem percebido substituição do objeto direto preposicionado pelo pronome
nos meus escritos?” oblíquo átono, quando possível, se faz com as formas o(s), a(s)
e não lhe, lhes: amar a Deus (amá-lo); convencer ao amigo
Frequentemente transitivam-se verbos intransitivos, (convencê-lo); O objeto direto preposicionado, é obvio, só
dando-se-lhes por objeto direto uma palavra cognata ou da ocorre com verbo transitivo direto; Podem resumir-se em três
mesma esfera semântica. Exemplos: as razões ou finalidades do emprego do objeto direto
“Viveu José Joaquim Alves vida tranquila e patriarcal.” preposicionado: a clareza da frase; a harmonia da frase; a
(Vivaldo Coaraci) ênfase ou a força da expressão.
“Pela primeira vez chorou o choro da tristeza.” (Aníbal
Machado) Objeto Direto Pleonástico: aquele que se repete na
“Nenhum de nós pelejou a batalha de Salamina.” sequência da frase. Quando queremos dar destaque ou ênfase
(Machado de Assis) à ideia contida no objeto direto, colocamo-lo no início da frase
Em tais construções é de rigor que o objeto venha e depois o repetimos ou reforçamos por meio do pronome
acompanhado de um adjunto.19 oblíquo. A esse objeto repetido sob forma pronominal chama-
se pleonástico, enfático ou redundante. Exemplos:
Objeto Direto Preposicionado: antecipado por preposição O pão, Paulo o trazia dentro da sacola.
não obrigatória. Exemplos: Seus cachorros, ele os cuidava em amor.
Identifiquei a vocês todos naquela foto (quem identifica,
identifica a algo, o verbo não pede preposição). Objeto Indireto: por meio de uma preposição obrigatória,
completa o sentido de um verbo transitivo indireto. Dica: faça
Em certos casos, o objeto direto, vem precedido de às perguntas “para quê, em quê, de quê, ou preposição mais
preposição, e ocorrerá: quem?”
- Quando o objeto direto é um pronome pessoal tônico: Exemplos: Meu irmão cuidava de toda a sua casa. (cuidava
Deste modo, prejudicas a ti e a ela; “Mas dona Carolina amava de quê ?) João gosta de goiaba. (gosta do quê ?)
mais a ele do que aos outros filhos.”; “Pareceu-me que Roberto
hostilizava antes a mim do que à ideia.”; “Ricardina lastimava - Transitivos Indiretos: Assisti ao filme; Assistimos à
o seu amigo como a si própria.”; “Amava-a tanto como a nós”. festa e à folia; Aludiu ao fato; Aspiro a uma casa boa.
- Quando o objeto é o pronome relativo quem: “Pedro
Severiano tinha um filho a quem idolatrava.”; “Abraçou a - Transitivos Diretos e Indiretos (na voz ativa ou
todos; deu um beijo em Adelaide, a quem felicitou pelo passiva): Dou graças a Deus; Dedicou sua vida aos doentes e
desenvolvimento das suas graças.”; “Agora sabia que podia aos pobres; Disse-lhe a verdade. (Disse a verdade ao moço.)
manobrar com ele, com aquele homem a quem na realidade
também temia, como todos ali”. O objeto indireto pode ainda acompanhar verbos de outras
- Quando precisamos assegurar a clareza da frase, evitando categorias, os quais, no caso, são considerados acidentalmente
que o objeto direto seja tomado como sujeito, impedindo transitivos indiretos: A bom entendedor meia palavra basta;
construções ambíguas: Convence, enfim, ao pai o filho amado; Sobram-lhe qualidades e recursos. (lhe=a ele); Isto não lhe
“Vence o mal ao remédio.”; “Tratava-me sem cerimônia, como convém; A proposta pareceu-lhe aceitável.
a um irmão.”; A qual delas iria homenagear o cavaleiro?
- Em expressões de reciprocidade, para garantir a clareza Observações: Há verbos que podem construir-se com dois
e a eufonia da frase: “Os tigres despedaçam-se uns aos objetos indiretos, regidos de preposições diferentes: Rogue a
outros.”; “As companheiras convidavam-se umas às outras.”; Deus por nós; Ela queixou-se de mim a seu pai.; Pedirei para
“Era o abraço de duas criaturas que só tinham uma à outra”. ti a meu senhor um rico presente; Não confundir o objeto
- Com nomes próprios ou comuns, referentes a pessoas, direto com o complemento nominal nem com o adjunto
principalmente na expressão dos sentimentos ou por amor da adverbial; Em frases como “Para mim tudo eram alegrias”,
eufonia da frase: Judas traiu a Cristo; Amemos a Deus sobre “Para ele nada é impossível”, os pronomes em destaque
todas as coisas. “Provavelmente, enganavam é a Pedro.”; “O podem ser considerados adjuntos adverbiais.
estrangeiro foi quem ofendeu a Tupã”.
- Em construções enfáticas, nas quais antecipamos o objeto O objeto indireto é sempre regido de preposição, expressa

19 PESTANA, Fernando. Gramática para concursos. Elsevier.2011.

Língua Portuguesa 55
APOSTILAS OPÇÃO

ou implícita. A preposição está implícita nos pronomes expulso da cidade. (Expulsaram-no da cidade.); As florestas
objetivos indiretos (átonos) me, te, se, lhe, nos, vos, lhes. são devastadas. (Devastam as florestas.); Na passiva
Exemplos: Obedece-me. (=Obedece a mim.); Isto te pertence. pronominal não se declara o agente: Nas ruas assobiavam-se
(=Isto pertence a ti.); Rogo-lhe que fique. (=Rogo a você...); as canções dele pelos pedestres. (errado); Nas ruas eram
Peço-vos isto. (=Peço isto a vós.). Nos demais casos a assobiadas as canções dele pelos pedestres. (certo);
preposição é expressa, como característica do objeto indireto: Assobiavam-se as canções dele nas ruas. (certo)
Recorro a Deus; Dê isto a (ou para) ele.; Contenta-se com
pouco.; Ele só pensa em si.; Esperei por ti.; Falou contra nós.; Termos Acessórios da Oração
Conto com você.; Não preciso disto.; O filme a que assisti São os que desempenham na oração uma função
agradou ao público.; Assisti ao desenrolar da luta.; A coisa de secundária, qual seja a de caracterizar um ser, determinar os
que mais gosto é pescar.; A pessoa a quem me refiro você a substantivos, exprimir alguma circunstância. São três os
conhece.; Os obstáculos contra os quais luto são muitos.; As termos acessórios da oração: adjunto adnominal, adjunto
pessoas com quem conto são poucas. adverbial e aposto.

Como atestam os exemplos acima, o objeto indireto é Adjunto adnominal: é o termo (expressão) que se junta a
representado pelos substantivos (ou expressões substantivas) um nome para melhor função especificar, detalhar ou
ou pelos pronomes. As preposições que o ligam ao verbo são: caracterizar o sentido desse nome (substantivos).21 Exemplo:
a, com, contra, de, em, para e por. Meu irmão veste roupas vistosas. (Meu determina o
substantivo irmão: é um adjunto adnominal – vistosas
Objeto Indireto Pleonástico: sempre representado por caracteriza o substantivo roupas: é também adjunto
um pronome oblíquo átono para dar ênfase a um objeto adnominal).
indireto que já tem na frase. Exemplos: O adjunto adnominal pode ser expresso: Pelos adjetivos:
A mim o que me deu foi pena.”; “Que me importa a mim o água fresca, animal feroz; Pelos artigos: o mundo, as ruas;
destino de uma mulher tísica...? “E, aos brigões, incapazes de Pelos pronomes adjetivos: nosso tio, este lugar, pouco sal,
se moverem, basta-lhes xingarem-se a distância.” muitas rãs ,país cuja história conheço, que rua? Pelos
numerais: dois pés ,quinto ano; Pelas locuções ou expressões
Complemento Nominal: completa o sentido de um (nome) adjetivas que exprimem qualidade, posse, origem, fim ou outra
substantivo, de um adjetivo e um advérbio, sempre regido por especificação:
preposição. Exemplos: A defesa da pátria; “O ódio ao mal é - presente de rei (=régio): qualidade
amor do bem, e a ira contra o mal, entusiasmo divino.”; “Ah, - livro do mestre, as mãos dele: posse, pertença
não fosse ele surdo à minha voz!” - água da fonte, filho de fazendeiros: origem
- fio de aço, casa de madeira: matéria
Observações: O complemento nominal representa o - casa de ensino, aulas de inglês: fim, especialidade
recebedor, o paciente, o alvo da declaração expressa por um
nome: amor a Deus, a condenação da violência, o medo de Observações: Não confundir o adjunto adnominal
assaltos, a remessa de cartas, útil ao homem, compositor de formado por locução adjetiva com complemento nominal. Este
músicas, etc. É regido pelas mesmas preposições usadas no representa o alvo da ação expressa por um nome transitivo: a
objeto indireto. Difere deste apenas porque, em vez de eleição do presidente, aviso de perigo, declaração de guerra,
complementar verbos, complementa nomes (substantivos, empréstimo de dinheiro, plantio de árvores, colheita de
adjetivos) e alguns advérbios em –mente. Os nomes que trigo, destruidor de matas, descoberta de petróleo, amor ao
requerem complemento nominal correspondem, geralmente, próximo, etc. O adjunto adnominal formado por locução
a verbos de mesmo radical: amor ao próximo, amar o adjetiva representa o agente da ação, ou a origem, pertença,
próximo ;perdão das injúrias, perdoar as injúrias; obediente qualidade de alguém ou de alguma coisa: o discurso do
aos pais, obedecer aos pais; regresso à pátria, regressar à presidente, aviso de amigo, declaração do ministro,
pátria; etc.20 empréstimo do banco, a casa do fazendeiro, folhas de
árvores, farinha de trigo, beleza das matas, cheiro de
Agente da Passiva: complementa um verbo na voz petróleo, amor de mãe.22
passiva. Sempre representa quem pratica a ação expressa pelo
verbo passivo. Vem regido na maioria das vezes pela Adjunto adverbial: termo que exprime uma circunstância
preposição por, e menos frequentemente pela preposição de: (de tempo, lugar, modo, etc.) ou, em outras palavras, que
O vencedor foi escolhido pelos jurados. modifica o sentido de um verbo, adjetivo ou advérbio.
O menino estava cercado pelo seu pai e mãe. Exemplo: “Meninas numa tarde brincavam de roda na
praça”. O adjunto adverbial é expresso: Pelos advérbios:
O agente da passiva pode ser expresso pelos substantivos Cheguei tarde; Maria é mais alta; Não durma na cabana; Ele
ou pelos pronomes: fala bem, fala corretamente; Talvez esteja enganado.; Pelas
O cão foi atropelado pelo carro. locuções ou expressões adverbiais: Compreendo sem
Este caderno foi rabiscado por mim. esforço.; Saí com meu pai.; Paulo reside em São Paulo.;
Escureceu de repente.
O agente da passiva corresponde ao sujeito da oração na
voz ativa: Observações: Pode ocorrer a elipse da preposição antes
A menina foi penteada pela mãe. (voz passiva) de adjuntos adverbiais de tempo e modo: Aquela noite, não
A mãe penteou a menina. (voz ativa) dormi. (=Naquela noite...); Domingo que vem não sairei. (=No
Ele será acompanhado por ti. (voz passiva) domingo...); Ouvidos atentos, aproximei-me da porta. (=De
ouvidos atentos...); Os adjuntos adverbiais classificam-se de
Observações: Frase de forma passiva analítica sem acordo com as circunstâncias que exprimem: adjunto
complemento agente expresso, ao passar para a ativa, terá adverbial de lugar, modo, tempo, intensidade, causa,
sujeito indeterminado e o verbo na 3ª pessoa do plural: Ele foi companhia, meio, assunto, negação, etc. É importante saber

20 CEGALLA, Paschoal. Minigramática Língua Portuguesa. Nacional. 2004. 22 CEGALLA, Paschoal. Minigramática Língua Portuguesa. Nacional. 2004.
21 AMARAL, Emília. Novas Palavras. Editora FTD.2016.

Língua Portuguesa 56
APOSTILAS OPÇÃO

distinguir adjunto adverbial de adjunto adnominal, de objeto “Correi, correi, ó lágrimas saudosas!” (Fagundes Varela)
indireto e de complemento nominal: sair do mar (ad. adv.);
água do mar (adj. adn.); gosta do mar (obj. indir.); ter medo Observação: Profere-se o vocativo com entoação
do mar (compl. nom.). exclamativa. Na escrita é separado por vírgula(s). No exemplo
inicial, os pontos interrogativo e exclamativo indicam um
Aposto: um termo ou expressão que associa a um nome chamado alto e prolongado. O vocativo se refere sempre à 2ª
anterior, e explica ou esclarece o sentido desse nome. pessoa do discurso, que pode ser uma pessoa, um animal, uma
Geralmente, separado dos outros termos da oração por dois coisa real ou entidade abstrata personificada. Podemos
pontos, travessão e vírgula. antepor-lhe uma interjeição de apelo (ó, olá, eh!):
Exemplos:
Ontem, segunda-feira, passei o dia com dor de estômago. “Tem compaixão de nós, ó Cristo!” (Alexandre Herculano)
“Nicanor, ascensorista, expôs-me seu caso de consciência.” “Ó Dr. Nogueira, mande-me cá o Padilha, amanhã!”
(Carlos Drummond de Andrade) (Graciliano Ramos)
“Esconde-te, ó sol de maio ,ó alegria do mundo!” (Camilo
O núcleo do aposto pode ser expresso por um substantivo Castelo Branco)
ou por um pronome substantivo. Exemplo: O vocativo é um tempo à parte. Não pertence à estrutura
Os responsáveis pelo projeto, tu e a arquiteta, não podem da oração, por isso não se anexa ao sujeito nem ao predicado.23
se ausentar.
Questões
O aposto não pode ser formado por adjetivos. Nas frases
seguintes, por exemplo, não há aposto, mas predicativo do 01. (MPE/SC - Promotor de Justiça - Instituto
sujeito. Ex. Consulplan/2019)
Audaciosos, os dois surfistas atiraram-se às ondas.
As borboletas, leves e graciosas, esvoaçavam num balé de Excerto 2
cores.
“[...] Depois da aula, Hassan e eu passávamos a mão em um
Os apostos, em geral, têm pausas, indicadas, na escrita, por livro e corríamos para uma colina arredondada que ficava bem
vírgulas, dois pontos ou travessões. Não havendo pausa, não ao norte da propriedade de meu pai em Wazir Akbar Khan.
haverá vírgula, como nestes exemplos: Havia ali um velho cemitério abandonado, com várias fileiras
O romance Tróia; o rio Amazonas; a Rua Osvaldo Cruz; o de lápides com as inscrições apagadas e muito mato
Colégio Tiradentes, etc. impedindo a passagem pelas aleias. Anos e anos de chuva e
“Onde estariam os descendentes de Amaro vaqueiro?” neve tinham enferrujado o portão de grade e deixado a mureta
(Graciliano Ramos) de pedras claras em ruínas. Perto da entrada do cemitério
havia um pé de romã. Em um dia de verão, usei uma das facas
O aposto pode preceder o termo a que se refere, o qual, às de cozinha de Ali para gravar nossos nomes naquela árvore:
vezes, está elíptico. Exemplos: “Amir e Hassan, sultões de Cabul.” Essas palavras serviram
Rapaz impulsivo, Mário não se conteve. para oficializar o fato: a árvore era nossa. Depois da aula,
Mensageira da ideia, a palavra é a mais bela expressão da Hassan e eu trepávamos em seus galhos e apanhávamos as
alma humana. romãs encarnadas. Depois de comer as frutas e limpar as mãos
na grama, eu lia para Hassan. [...]”
O aposto, às vezes, refere-se a toda uma oração. Exemplos: HOSSEINI, Khaled. O caçador de pipas. Rio de Janeiro: Nova
Nuvens escuras borravam os espaços silenciosos, sinal de Fronteira, 2003. p. 34. [fragmento]
tempestade iminente.
O espaço é incomensurável, fato que me deixa atônito. No início do excerto 2, há duas orações coordenadas cujo
sujeito é o mesmo: nós.
Um aposto refere a outro aposto, às vezes: Certo ( ) Errado ( )
“Serafim Gonçalves casou-se com Lígia Tavares, filha do
velho coronel Tavares, senhor de engenho.” (Ledo Ivo) 02. (Prefeitura de Teresina/PI - Professor de Educação
Básica - NUCEPE/2019)
O aposto pode vir antecedido das expressões explicativas,
ou da preposição acidental como:

Dois países sul-americanos, isto é, a Colômbia e o Chile,


não são banhados pelo mar.

O aposto que se refere a objeto indireto, complemento


nominal ou adjunto adverbial vem precedido de preposição:
Disponível em: https://tirasarmandinho.tumblr.com/page/73 Acesso em:
O rei perdoou aos dois: ao fidalgo e ao criado. 15.05.19.
“Acho que adoeci disso, de beleza, da intensidade das Em “... é transmitida por animais contaminados e
coisas.” (Raquel Jardim) comentários e postagens nas redes sociais...”, o termo
destacado tem a função sintática de
Vocativo: termo que exprime um nome, título, apelido, (A) adjunto adverbial, indica circunstância à ação verbal.
usado para chamar o interlocutor. (B) agente da passiva, pratica a ação verbal na voz passiva.
(C) complemento nominal, pois completa o adjetivo
“Elesbão? Ó Elesbão! Venha ajudar-nos, por favor!” (Maria “transmitida”.
de Lourdes Teixeira) (D) objeto indireto, completa do sentido do verbo com o
“A ordem, meus amigos, é a base do governo.” (Machado auxílio da preposição.
de Assis) (E) sujeito, pratica a ação de “transmitir” expressa na

23 CEGALLA, Paschoal. Minigramática Língua Portuguesa. Nacional. 2004.

Língua Portuguesa 57
APOSTILAS OPÇÃO

oração de ordem inversa. Pegou fogo no prédio. (Período simples, oração absoluta.)
Quero que você aprenda. (Período composto.)
03. (Prefeitura de Avelinópolis/GO - Psicólogo -
Itame/2019) Em: Precisa-se de técnicos em informática. O Existe uma maneira prática de saber quantas orações há
sujeito: num período, e para isso basta contar os verbos ou locuções
(A) está elíptico no contexto. verbais. Num período haverá tantas orações quantos forem os
(B) está na voz passiva sintética. verbos ou as locuções verbais neles existentes. Exemplos:
(C) trata-se de uma oração sem sujeito.
(D) é indeterminado no contexto da frase. Pegou fogo no prédio. (um verbo, uma oração)
Quero que você aprenda. (dois verbos, duas orações)
04. (Prefeitura de Pacujá/CE - Fiscal de Tributos - Está pegando fogo no prédio. (uma locução verbal, uma
CETREDE/2019) oração)
Deves estudar para poderes vencer na vida. (duas
Estátua Falsa locuções verbais, duas orações)

Só de oiro falso meus olhos se douram; Há três tipos de período composto: por coordenação, por
Sou esfinge sem mistério no poente. subordinação e por coordenação e subordinação ao mesmo
A tristeza das coisas que não foram tempo (também chamada de período misto).
Na minha alma desceu veladamente.
Período Composto por Coordenação – Orações
Na minha dor quebram-se espadas de ânsia, Coordenadas
Gomos de luz em treva se misturam.
As sombras que eu dimano não perduram, Considere, por exemplo, este período composto:
Como ontem para mim, hoje é distância. Passeamos pela praia, / brincamos, / recordamos os
tempos de infância.
Já não estremeço em face de segredo; 1ª oração: Passeamos pela praia
Nada me aloira, nada me aterra 2ª oração: brincamos
A vida corre sobre mim em guerra, 3ª oração: recordamos os tempos de infância
E nem sequer um arrepio de medo! As três orações que compõem esse período têm sentido
próprio e não mantêm entre si nenhuma dependência
Sou estrela ébria que perdeu os céus, sintática: elas são independentes. Há entre elas, é claro, uma
Sereia louca que deixa o mar; relação de sentido, mas, como já dissemos, uma não depende
Sou templo prestes a ruir sem deus, da outra sintaticamente.
Estátua falsa ainda erguida no ar... As orações independentes de um período são chamadas de
Mário de Sá Carneiro. orações coordenadas (OC), e o período formado só de
orações coordenadas é chamado de período composto por
O sujeito de “desceu”, v. 4, é: coordenação.
(A) oiro.
(B) esfinge. As orações coordenadas são classificadas em assindéticas
(C) tristeza. e sindéticas.
(D) alma. - As orações coordenadas são assindéticas (OCA) quando
(E) poente. não vêm introduzidas por conjunção. Exemplo:
Os torcedores gritaram, / sofreram, / vibraram.
05. (Prefeitura de Porto Calvo/AL - Assistente OCA OCA OCA
Administrativo - COPEVE-UFAL/2019)
Para ser franco, declaro que esses infelizes não me “Inclinei-me, apanhei o embrulho e segui.” (Machado de
inspiram simpatia. Lastimo a situação em que se acham, Assis)
reconheço ter contribuído para isso, mas não vou além. “A noite avança, há uma paz profunda na casa deserta.”
RAMOS, Graciliano. São Bernardo. São Paulo: M. Fontes, (Antônio Olavo Pereira)
1970. p. 241. “O ferro mata apenas; o ouro infama, avilta, desonra.”
(Coelho Neto)
Considerando aspectos sintáticos, a oração destacada no
texto é - As orações coordenadas são sindéticas (OCS) quando
(A) complemento nominal. vêm introduzidas por conjunção coordenativa. Exemplo:
(B) complemento verbal. O homem saiu do carro / e entrou na casa.
(C) predicativo. OCA OCS
(D) sujeito.
(E) aposto. As orações coordenadas sindéticas são classificadas de
acordo com o sentido expresso pelas conjunções
Gabarito coordenativas que as introduzem. E podem ser:
01. Errado / 02. B / 03. D / 04. C / 05. B
- Orações coordenadas sindéticas aditivas: e, nem, não
Período só... mas também, não só... mas ainda.
Saí da escola / e fui à lanchonete.
Toda frase com uma ou mais orações constitui um período, OCA OCS Aditiva
que se encerra com ponto de exclamação, interrogação ou
reticências. Observe que a 2ª oração vem introduzida por uma
O período de uma oração pode ser: simples quando só traz conjunção que expressa ideia de acréscimo ou adição com
uma oração, também conhecida como oração absoluta; ou referência à oração anterior, ou seja, por uma conjunção
composto quando traz mais de uma oração. Exemplo: coordenativa aditiva.

Língua Portuguesa 58
APOSTILAS OPÇÃO

O menino comprou pães e um leite. Todos querem / que você participe. (oração subordinada
As crianças não gritavam e nem choravam. com função de objeto direto)
Os celulares não somente instruem mas também Não pude sair / porque estava chovendo. (oração
divertem. subordinada com função de adjunto adverbial de causa)

- Orações coordenadas sindéticas adversativas: mas, Em todos esses períodos, a segunda oração exerce uma
porém, todavia, contudo, entretanto, no entanto. certa função sintática em relação à primeira, sendo, portanto,
subordinada a ela. Quando um período é constituído de pelo
Estudei bastante / mas não passei no teste. menos um conjunto de duas orações em que uma delas (a
OCA OCS Adversativa subordinada) depende sintaticamente da outra (principal), ele
é classificado como período composto por subordinação.
Observe que a 2ª oração vem introduzida por uma As orações subordinadas são classificadas de acordo com a
conjunção que expressa ideia de oposição à oração anterior, ou função que exercem: adverbiais, substantivas e adjetivas.
seja, por uma conjunção coordenativa adversativa.
Orações Subordinadas Adverbiais (OSA)
O aluno é estudioso, porém, suas notas são baixas. São aquelas que exercem a função de adjunto adverbial da
“É dura a vida, mas aceitam-na.” (Cecília Meireles) oração principal (OP). São classificadas de acordo com a
conjunção subordinativa que as introduz:
- Orações coordenadas sindéticas conclusivas: portanto,
por isso, pois, logo. - Causais: expressam a causa do fato enunciado na oração
principal. Conjunções: porque, que, como (= porque), pois que,
Ele me ajudou muito, / portanto merece minha gratidão. visto que.
OCA OCS Conclusiva Não fui à escola / porque fiquei doente.
OP OSA Causal
Observe que a 2ª oração vem introduzida por uma
conjunção que expressa ideia de conclusão de um fato O tambor soa porque é oco.
enunciado na oração anterior, ou seja, por uma conjunção Como não me atendessem, repreendi-os severamente.
coordenativa conclusiva. Como ele estava armado, ninguém ousou reagir.
“Faltou à reunião, visto que esteve doente.” (Arlindo de
Vives mentindo; logo, não mereces fé. Sousa)
Não tenho dinheiro, portanto não posso pagar.
- Condicionais: expressam hipóteses ou condição para a
- Orações coordenadas sindéticas alternativas: ou... ou, ocorrência do que foi enunciado na principal. Conjunções: se,
ora... ora, seja... seja, quer... quer. contanto que, a menos que, a não ser que, desde que.
Irei à sua casa / se não chover.
Seja mais educado / ou retire-se da reunião! OP OSA Condicional
OCA OCS Alternativa
Deus só nos perdoará se perdoarmos aos nossos
Observe que a 2ª oração vem introduzida por uma ofensores.
conjunção que estabelece uma relação de alternância ou Se o conhecesses, não o condenarias.
escolha com referência à oração anterior, ou seja, por uma “Que diria o pai se soubesse disso?” (Carlos Drummond
conjunção coordenativa alternativa. de Andrade)
A cápsula do satélite será recuperada, caso a experiência
Cale-se agora ou nunca mais fale. tenha êxito.
Ora colocava a luva, ora a retirava.
- Concessivas: expressam ideia ou fato contrário ao da
- Orações coordenadas sindéticas explicativas: que, oração principal, sem, no entanto, impedir sua realização.
porque, pois, porquanto. Conjunções: embora, ainda que, apesar de, se bem que, por mais
Vamos andar depressa / que estamos atrasados. que, mesmo que.
OCA OCS Explicativa Ela saiu à noite / embora estivesse doente.
Observe que a 2ª oração é introduzida por uma conjunção OP OSA Concessiva
que expressa ideia de explicação, de justificativa em relação à Admirava-o muito, embora (ou conquanto ou posto que
oração anterior, ou seja, por uma conjunção coordenativa ou se bem que) não o conhecesse pessoalmente.
explicativa. Embora não possuísse informações seguras, ainda
assim arriscou uma opinião.
Não comprei o carro, porque estava muito caro. Cumpriremos nosso dever, ainda que (ou mesmo
Cumprimente-a, pois hoje é o seu aniversário. quando ou ainda quando ou mesmo que) todos nos
critiquem.
Período Composto por Subordinação Por mais que gritasse, não me ouviram.
Observe os termos destacados em cada uma destas
orações: - Conformativas: expressam a conformidade de um fato
Vi uma cena triste. (adjunto adnominal) com outro. Conjunções: conforme, como (=conforme), segundo.
Todos querem sua participação. (objeto direto) O trabalho foi feito / conforme havíamos planejado.
Não pude sair por causa da chuva. (adjunto adverbial de OP OSA Conformativa
causa)
O homem age conforme pensa.
Veja, agora, como podemos transformar esses termos em Relatei os fatos como (ou conforme) os ouvi.
orações com a mesma função sintática: Como diz o povo, tristezas não pagam dívidas.
Vi uma cena / que me entristeceu. (oração subordinada O jornal, como sabemos, é um grande veículo de
com função de adjunto adnominal) informação.

Língua Portuguesa 59
APOSTILAS OPÇÃO

- Temporais: acrescentam uma circunstância de tempo ao diminuindo.


que foi expresso na oração principal. Conjunções: quando,
assim que, logo que, enquanto, sempre que, depois que, mal Orações Subordinadas Substantivas
(=assim que). As orações subordinadas substantivas (OSS) são
Ele saiu da sala / assim que eu cheguei. aquelas que, num período, exercem funções sintáticas
OP OSA Temporal próprias de substantivos, geralmente são introduzidas pelas
conjunções integrantes que e se. Elas podem ser:
Formiga, quando quer se perder, cria asas.
“Lá pelas sete da noite, quando escurecia, as casas se - Oração Subordinada Substantiva Objetiva Direta: é
esvaziam.” (Carlos Povina Cavalcânti) aquela que exerce a função de objeto direto do verbo da oração
“Quando os tiranos caem, os povos se levantam.” principal. Observe: O grupo quer a sua ajuda. (objeto direto)
(Marquês de Maricá) O grupo quer / que você ajude.
Enquanto foi rico, todos o procuravam. OP OSS Objetiva Direta

- Finais: expressam a finalidade ou o objetivo do que foi O mestre exigia que todos estivessem presentes. (= O
enunciado na oração principal. Conjunções: para que, a fim de mestre exigia a presença de todos.)
que, porque (=para que), que. Mariana esperou que o marido voltasse.
Abri a porta do salão / para que todos pudessem entrar. Ninguém pode dizer: Desta água não beberei.
OP OSA Final O fiscal verificou se tudo estava em ordem.

“O futuro se nos oculta para que nós o imaginemos.” - Oração Subordinada Substantiva Objetiva Indireta: é
(Marquês de Maricá) aquela que exerce a função de objeto indireto do verbo da
Aproximei-me dele a fim de que me ouvisse melhor. oração principal. Observe: Necessito de sua ajuda. (objeto
“Fiz-lhe sinal que se calasse.” (Machado de Assis) (que = indireto)
para que) Necessito / de que você me ajude.
“Instara muito comigo não deixasse de frequentar as OP OSS Objetiva Indireta
recepções da mulher.” (Machado de Assis) (não deixasse =
para que não deixasse) Não me oponho a que você viaje. (= Não me oponho à sua
viagem.)
- Consecutivas: expressam a consequência do que foi Aconselha-o a que trabalhe mais.
enunciado na oração principal. Conjunções: porque, que, como Daremos o prêmio a quem o merecer.
(= porque), pois que, visto que. Lembre-se de que a vida é breve.
A chuva foi tão forte / que inundou a cidade.
OP OSA Consecutiva - Oração Subordinada Substantiva Subjetiva: é aquela
que exerce a função de sujeito do verbo da oração principal.
Fazia tanto frio que meus dedos estavam endurecidos. Observe :É importante sua colaboração. (sujeito)
“A fumaça era tanta que eu mal podia abrir os olhos.” É importante / que você colabore.
(José J. Veiga) OP OSS Subjetiva
De tal sorte a cidade crescera que não a reconhecia mais.
As notícias de casa eram boas, de maneira que pude A oração subjetiva geralmente vem:
prolongar minha viagem. - Depois de um verbo de ligação + predicativo, em
construções do tipo é bom ,é útil ,é certo ,é conveniente, etc.
- Comparativas: expressam ideia de comparação com Ex.: É certo que ele voltará amanhã.
referência à oração principal. Conjunções: como, assim como, - Depois de expressões na voz passiva, como sabe-se, conta-
tal como, (tão)... como, tanto como, tal qual, que (combinado se, diz-se, etc. Ex.: Sabe-se que ele saiu da cidade.
com menos ou mais). - Depois de verbos como convir, cumprir, constar, urgir,
Ela é bonita / como a mãe. ocorrer, quando empregados na 3ª pessoa do singular e
OP OSA Comparativa seguidos das conjunções que ou se. Ex.: Convém que todos
participem da reunião.
A preguiça gasta a vida como a ferrugem consome o
ferro.” (Marquês de Maricá) É necessário que você colabore. (= Sua colaboração é
Ela o atraía irresistivelmente, como o imã atrai o ferro. necessária.)
Os retirantes deixaram a cidade tão pobres como vieram. Parece que a situação melhorou.
Como a flor se abre ao Sol, assim minha alma se abriu à Aconteceu que não o encontrei em casa.
luz daquele olhar. Importa que saibas isso bem.

Obs.: As orações comparativas nem sempre apresentam - Oração Subordinada Substantiva Completiva
claramente o verbo, como no exemplo acima, em que está Nominal: É aquela que exerce a função de complemento
subentendido o verbo ser (como a mãe é). nominal de um termo da oração principal. Observe: Estou
convencido de sua inocência. (complemento nominal)
- Proporcionais: expressam uma ideia que se relaciona Estou convencido / de que ele é inocente.
proporcionalmente ao que foi enunciado na principal. OP OSS Completiva Nominal
Conjunções: à medida que, à proporção que, ao passo que,
quanto mais, quanto menos. Sou favorável a que o prendam. (= Sou favorável à prisão
Quanto mais reclamava / menos atenção recebia. dele.)
OSA Proporcional OP Estava ansioso por que voltasses.
Sê grato a quem te ensina.
À medida que se vive, mais se aprende. “Fabiano tinha a certeza de que não se acabaria tão
À proporção que avançávamos, as casas iam rareando. cedo.” (Graciliano Ramos)
O valor do salário, ao passo que os preços sobem, vai

Língua Portuguesa 60
APOSTILAS OPÇÃO

- Oração Subordinada Substantiva Predicativa: é - Subordinadas Adjetivas Explicativas: são explicativas


aquela que exerce a função de predicativo do sujeito da oração quando apenas acrescentam uma qualidade à palavra a que se
principal, vindo sempre depois do verbo ser. Observe: O referem, esclarecendo um pouco mais seu sentido, mas sem
importante é sua felicidade. (predicativo) restringi-lo ou especificá-lo. Exemplo:
O importante é / que você seja feliz. O escritor Jorge Amado, / que mora na Bahia, / lançou um
OP OSS Predicativa novo livro.
Seu receio era que chovesse. (Seu receio era a chuva.) OP OSA Explicativa OP
Minha esperança era que ele desistisse.
Meu maior desejo agora é que me deixem em paz. Deus, que é nosso pai, nos salvará.
Não sou quem você pensa. Valério, que nasceu rico, acabou na miséria.
Ele tem amor às plantas, que cultiva com carinho.
- Oração Subordinada Substantiva Apositiva: É aquela Alguém, que passe por ali à noite, poderá ser assaltado.
que exerce a função de aposto de um termo da oração Observação: As explicativas são isoladas por pausas, que
principal. Observe: Ele tinha um sonho a união de todos em na escrita se indicam por vírgulas.24
benefício do país. (aposto)
Ele tinha um sonho / que todos se unissem em benefício Orações Reduzidas
do país. Observe que as orações subordinadas eram sempre
OP OSS Apositiva introduzidas por uma conjunção ou pronome relativo e
apresentavam o verbo na forma do indicativo ou do
Só desejo uma coisa: que vivam felizes. (Só desejo uma subjuntivo. Além desse tipo de orações subordinadas há
coisa: a sua felicidade) outras que se apresentam com o verbo numa das formas
Só lhe peço isto: honre o nosso nome. nominais (infinitivo, gerúndio e particípio). Exemplos:
“Talvez o que eu houvesse sentido fosse o presságio disto:
de que virias a morrer...” (Osmã Lins) Ao entrar na escola, encontrei o professor de inglês.
“Mas diga-me uma cousa, essa proposta traz algum (infinitivo)
motivo oculto?” (Machado de Assis) Precisando de ajuda, telefone-me. (gerúndio)
As orações apositivas vêm geralmente antecedidas de Acabado o treino, os jogadores foram para o vestiário.
dois-pontos. Podem vir, também, entre vírgulas, intercaladas à (particípio)
oração principal. Exemplo: Seu desejo, que o filho
recuperasse a saúde, tornou-se realidade. As orações subordinadas que apresentam o verbo numa
das formas nominais são chamadas de reduzidas.
Observação: Além das conjunções integrantes que e se, as Para classificar a oração que está sob a forma reduzida,
orações substantivas podem ser introduzidas por outros devemos procurar desenvolvê-la do seguinte modo:
conectivos, tais como quando, como, quanto, etc. Exemplos: colocamos a conjunção ou o pronome relativo adequado ao
Não sei quando ele chegou. sentido e passamos o verbo para uma forma do indicativo ou
Diga-me como resolver esse problema. subjuntivo, conforme o caso. A oração reduzida terá a mesma
classificação da oração desenvolvida.
Orações Subordinadas Adjetivas
As orações subordinadas Adjetivas (OSA) exercem a Ao entrar na escola, encontrei o professor de inglês.
função de adjunto adnominal de algum termo da oração Quando entrei na escola, / encontrei o professor de
principal. Observe como podemos transformar um adjunto inglês.
adnominal em oração subordinada adjetiva: OSA Temporal
Desejamos uma paz duradoura. (adjunto adnominal) Ao entrar na escola: oração subordinada adverbial
Desejamos uma paz / que dure. (oração subordinada temporal, reduzida de infinitivo.
adjetiva)
Precisando de ajuda, telefone-me.
As orações subordinadas adjetivas são sempre Se precisar de ajuda, / telefone-me.
introduzidas por um pronome relativo (que , qual, cujo, quem, OSA Condicional
etc.) e podem ser classificadas em: Precisando de ajuda: oração subordinada adverbial
condicional, reduzida de gerúndio.
- Subordinadas Adjetivas Restritivas: são restritivas
quando restringem ou especificam o sentido da palavra a que Acabado o treino, os jogadores foram para o vestiário.
se referem. Exemplo: Assim que acabou o treino, / os jogadores foram para o
O público aplaudiu o cantor / que ganhou o 1º lugar. vestiário.
OP OSA Restritiva OSA Temporal
Acabado o treino: oração subordinada adverbial temporal,
Nesse exemplo, a oração que ganhou o 1º lugar especifica reduzida de particípio.
o sentido do substantivo cantor, indicando que o público não
aplaudiu qualquer cantor mas sim aquele que ganhou o 1º Observações:
lugar. Exemplo: - Há orações reduzidas que permitem mais de um tipo de
desenvolvimento. Há casos também de orações reduzidas
Pedra que rola não cria limo. fixas, isto é, orações reduzidas que não são passíveis de
Os animais que se alimentam de carne chamam-se desenvolvimento. Exemplo: Tenho vontade de visitar essa
carnívoros. cidade.
Rubem Braga é um dos cronistas que mais belas páginas - O infinitivo, o gerúndio e o particípio não constituem
escreveram. orações reduzidas quando fazem parte de uma locução verbal.
“Há saudades que a gente nunca esquece.” (Olegário Exemplos:
Mariano) Preciso terminar este exercício.

24 CEGALLA, Paschoal. Minigramática Língua Portuguesa. Nacional. 2004.

Língua Portuguesa 61
APOSTILAS OPÇÃO

Ele está jantando na sala. − Vá que seja, e fico ansioso. Realmente!


Essa casa foi construída por meu pai. (ASSIS, Machado de. O alienista. São Paulo: Companhia das Letras, 2014, p.
24-25)
- Uma oração coordenada também pode vir sob a forma
reduzida. Exemplo:
confundidas antigamente as línguas, é fácil trocá-las agora,
O homem fechou a porta, saindo depressa de casa.
desde que a razão não trabalhe... (3° parágrafo)
O homem fechou a porta e saiu depressa de casa. (oração
Em relação ao trecho anterior, o trecho sublinhado tem
coordenada sindética aditiva)
sentido de
Saindo depressa de casa: oração coordenada reduzida de
(A) causa.
gerúndio.
(B) condição.
Qual é a diferença entre as orações coordenadas
(C) concessão.
explicativas e as orações subordinadas causais, já que ambas
(D) consequência.
podem ser iniciadas por que e porquê? Às vezes não é fácil
(E) oposição.
estabelecer a diferença entre explicativas e causais, mas como
o próprio nome indica, as causais sempre trazem a causa de
03. (SEE-AC - Professor PNS - IBADE/2019) Conversou
algo que se revela na oração principal, que traz o efeito.
com ela POR HORAS.
Note-se também que há pausa (vírgula, na escrita) entre a
O termo destacado é um:
oração explicativa e a precedente e que esta é, muitas vezes,
(A) objeto indireto.
imperativa, o que não acontece com a oração adverbial causal.
(B) vocativo.
Essa noção de causa e efeito não existe no período
(C) aposto.
composto por coordenação. Exemplo:
(D) adjunto adnominal.
Rosa chorou porque levou uma surra. Está claro que a
(E) adjunto adverbial.
oração iniciada pela conjunção é causal, visto que a surra foi
sem dúvida a causa do choro, que é efeito.
04. (Prefeitura de Itapemirim - ES - Agente
Rosa chorou, porque seus olhos estão vermelhos. O
Administrativo - IBADE/2019)
período agora é composto por coordenação, pois a oração
“...tecia os delicados fios com que se fabrica a quietude.”
iniciada pela conjunção traz a explicação daquilo que se
“— Venha, meu filho, venha ajudar-me a ficar calado."
revelou na coordena anterior. Não existe aí relação de causa e
efeito: o fato de os olhos de Elisa estarem vermelhos não é
As palavras "quietude”, “filho" e "calado", retiradas dos
causa de ela ter chorado.
trechos em destaque, têm, respectivamente, as seguintes
funções sintáticas:
Ela fala / como falaria / se entendesse do assunto.
(A) núcleo do sujeito - núcleo do vocativo - predicativo.
OP OSA Comparativa OSA Condicional
(B) objeto direto - núcleo do vocativo - predicativo.
(C) objeto direto - aposto - adjunto adverbial
Questões
(D) núcleo do sujeito - adjunto adnominal - predicativo.
(E) predicativo - aposto - adjunto adverbial
01. (Prefeitura de São José do Cedro - SC - Merendeira
- AMEOSC/2019) Assinale a alternativa que contenha uma
05. (Prefeitura de Sonora - MS - Professor de Educação
conjunção coordenativa adversativa:
Infantil - MS CONCURSOS/2019) O verso “e cai como uma
(A) Amanhã viajarei para a Bahia.
lágrima de amor” é uma oração:
(B) Domingo é dia de ir ao parque.
(A) Coordenada sindética aditiva.
(C) Fui à padaria, mas não comprei os pães.
(B) Coordenada assindética.
(D) Não aceito suas desculpas, pois não são sinceras.
(C) Subordinada adverbial.
(D) Subordinada substantiva.
02. (Câmara de Fortaleza - CE - Consultor Técnico
Legislativo - FCC/2019)
Gabarito
De todas as vilas e arraiais vizinhos afluíam loucos à Casa
01. C / 02. B / 03. E / 04. A / 05. A
Verde. Eram furiosos, eram mansos, eram monomaníacos, era
toda a família dos deserdados do espírito. Ao cabo de quatro
meses, a Casa Verde era uma povoação. Não bastaram os
primeiros cubículos; mandou-se anexar uma galeria de mais Concordância nominal e
trinta e sete. O padre Lopes confessou que não imaginara a
existência de tantos doidos no mundo, e menos ainda o
verbal;
inexplicável de alguns casos. Um, por exemplo, um rapaz
bronco e vilão, que todos os dias, depois do almoço, fazia
regularmente um discurso acadêmico, ornado de tropos, de CONCORDÂNCIA NOMINAL
antíteses, de apóstrofes, com seus recamos de grego e latim, e
suas borlas de Cícero, Apuleio e Tertuliano. O vigário não Concordância nominal é o ajuste realizado aos demais
queria acabar de crer. Quê! um rapaz que ele vira, três meses termos da oração para que concordem em gênero e número
antes, jogando peteca na rua! com o substantivo. É preciso alterar, portanto, o artigo,
− Não digo que não, respondia-lhe o alienista; mas a o adjetivo, o numeral e o pronome. Ademais, há também o
verdade é o que Vossa Reverendíssima está vendo. Isto é todos verbo, que se flexionará à sua maneira.
os dias.
− Quanto a mim, tornou o vigário, só se pode explicar pela Regra Geral
confusão das línguas na torre de Babel, segundo nos conta a
Escritura; provavelmente, confundidas antigamente as O artigo, o adjetivo, o numeral e o pronome concordam
línguas, é fácil trocá-las agora, desde que a razão não trabalhe... em gênero e número com o substantivo.
− Essa pode ser, com efeito, a explicação divina do A pequena criança é uma gracinha. / O garoto que encontrei
fenômeno, concordou o alienista, depois de refletir um era muito gentil e simpático.
instante, mas não é impossível que haja também alguma razão
humana, e puramente científica, e disso trato...

Língua Portuguesa 62
APOSTILAS OPÇÃO

Casos Especiais Fiquei bastante contente com a proposta de emprego.

Veremos alguns casos que fogem à regra geral mostrada 2- Como pronomes: seguem a regra geral.
acima. Seus argumentos foram bastantes para me convencer.
Os mesmos argumentos que eu usei, você copiou.
a) Um adjetivo após vários substantivos
1- Substantivos de mesmo gênero: adjetivo vai para o j) Menos, alerta
plural ou concorda com o substantivo mais próximo. Em todas as ocasiões são invariáveis.
Irmão e primo recém-chegado estiveram aqui. / Irmão Preciso de menos comida para perder peso. / Estamos alerta
e primo recém-chegados estiveram aqui. para com suas chamadas.

2- Substantivos de gêneros diferentes: vai para o k) Tal qual


plural masculino ou concorda com o substantivo mais “Tal” concorda com o antecedente, “qual” concorda com o
próximo. consequente.
Ela tem pai e mãe louros. / Ela tem pai e mãe loura. As garotas são vaidosas tais qual a tia. / Os pais vieram
fantasiados tais quais os filhos.
3- Adjetivo funciona como predicativo: vai
obrigatoriamente para o plural. l) Possível
O homem e o menino estavam perdidos. / O homem e sua Quando vem acompanhado de “mais”, “menos”, “melhor” ou
esposa estiveram hospedados aqui. “pior”, acompanha o artigo que precede as expressões.
A mais possível das alternativas é a que você expôs.
b) Um adjetivo anteposto a vários substantivos Os melhores cargos possíveis estão neste setor da empresa.
1- Adjetivo anteposto normalmente concorda com o mais As piores situações possíveis são encontradas nas favelas da
próximo. cidade.
Comi delicioso almoço e sobremesa. / Provei deliciosa fruta
e suco. m) Meio
2- Adjetivo anteposto funcionando como predicativo: 1- Como advérbio: invariável.
concorda com o mais próximo ou vai para o plural. Estou meio (um pouco) insegura.
Estavam feridos o pai e os filhos. / Estava ferido o pai e os
filhos. 2- Como numeral: segue a regra geral.
Comi meia (metade) laranja pela manhã.
c) Um substantivo e mais de um adjetivo
1- antecede todos os adjetivos com um artigo. Falava n) Só
fluentemente a língua inglesa e a espanhola. 1- apenas, somente (advérbio): invariável.
2- coloca o substantivo no plural. Falava fluentemente as Só consegui comprar uma passagem.
línguas inglesa e espanhola.
2- sozinho (adjetivo): variável.
d) Pronomes de tratamento Estiveram sós durante horas.
Sempre concordam com a 3ª pessoa. Vossa Santidade
esteve no Brasil. Questões

e) Anexo, incluso, próprio, obrigado 01. (Prefeitura de São José - SC - Analista de Recursos
Concordam com o substantivo a que se referem. Humanos - IESES/2019) Assinale a alternativa correta em
As cartas estão anexas. / A bebida está inclusa. relação à concordância nominal:
(A) Os milhares de pessoas que estiveram no evento
f) Um(a) e outro(a), num(a) e noutro(a) usaram transporte coletivo.
Após essas expressões o substantivo fica sempre no (B) Mais de 20 pessoas desapareceu durante a passagem
singular e o adjetivo no plural. do furacão.
Renato advogou um e outro caso fáceis. / Pusemos numa e (C) Todos queriam que o almoço começasse meio-dia e
noutra bandeja rasas o peixe. meio.
(D) Ela ficou meia chateada com a amiga porque não a
g) É bom, é necessário, é proibido chamou para sair.
Essas expressões não variam se o sujeito não vier
precedido de artigo ou outro determinante. 02. (IPREMM - SP - Agente Municipal de Vigilância
É necessário sua presença. / É necessária a sua presença. Patrimonial - VUNESP/2019) Para responder à questão,
É proibido entrada de pessoas não autorizadas. / A entrada assinale a alternativa que completa, correta e adequadamente,
é proibida. as falas dos personagens dos quadrinhos.

h) Muito, pouco, caro


1- Como adjetivos: seguem a regra geral.
Comi muitas frutas durante a viagem. / Pouco arroz é
suficiente para mim.

2- Como advérbios: são invariáveis.


Comi muito durante a viagem. / Pouco lutei, por isso perdi
a batalha.

i) Mesmo, bastante
1- Como advérbios: invariáveis
Preciso mesmo da sua ajuda. (O melhor de Hagar, o horrível. Dik Browne. adaptado)

Língua Portuguesa 63
APOSTILAS OPÇÃO

(A) vou ... Meu ... biscoitos substantivo que a segue: A maioria dos alunos resolveu ficar.
(B) vamos ... Meus ... biscoito / A maioria dos alunos resolveram ficar.
(C) vou ... Meu ... biscoito
(D) vamos ... Meus ... biscoitos 4) No caso de o sujeito ser representado por expressões
(E) vou ... Meus ... biscoitos aproximativas, representadas por “cerca de, perto de”, o verbo
concorda com o substantivo determinado por elas: Cerca de
03. (Prefeitura de Barreiras - BA - Assistente vinte candidatos se inscreveram no concurso de piadas.
Administrativo - Fundação CEFETBAHIA/2019) Avalie as
orações a seguir quanto à concordância nominal. 5) Em casos em que o sujeito é representado pela
I – A paciente parece meia confusa após a cirurgia. expressão “mais de um”, o verbo permanece no singular: Mais
II – É proibido entrada de alimentos no centro cirúrgico. de um candidato se inscreveu no concurso de piadas.
III – Há motivos bastantes para efetuar uma nova cirurgia Observação: no caso da referida expressão aparecer
no paciente. repetida ou associada a um verbo que exprime reciprocidade,
IV - Ela mesmo compareceu à Policlínica para marcação de o verbo, necessariamente, deverá permanecer no plural: Mais
exames. de um aluno, mais de um professor contribuíram na campanha
Considerando a norma culta, as orações que apresentam a de doação de alimentos. / Mais de um formando se
concordância nominal correta são: abraçaram durante as solenidades de formatura.
(A) I e II.
(B) I e III. 6) O sujeito for composto da expressão “um dos que”, o
(C) II e III. verbo permanecerá no plural: Paulo é um dos que mais
(D) II e IV. trabalhar.
(E) III e IV.
7) Quanto aos relativos à concordância com locuções
04. (MPE-GO - Auxiliar Administrativo - MPE- pronominais, representadas por “algum de nós, qual de vós,
GO/2019) Das frases abaixo assinale aquela com erro de quais de vós, alguns de nós”, entre outras, faz-se necessário
concordância nominal. nos atermos a duas questões básicas:
(A) Ele fez questão de deixar bem claras as intenções. - No caso de o primeiro pronome estar expresso no plural,
(B) Deixarei gravadas estas palavras de saudade. o verbo poderá com ele concordar, como poderá também
(C) A Revolução Russa tornou visíveis os erros do concordar com o pronome pessoal: Alguns
comunismo. de nós o receberemos. / Alguns de nós o receberão.
(D) Tomei emprestados ao professor vários livros. - Quando o primeiro pronome da locução estiver expresso
(E) Os sindicatos tiveram reconhecidos o seu direito de no singular, o verbo também permanecerá no singular: Algum
greve. de nós o receberá.

05. (Prefeitura de Várzea - PB - Técnico em 8) No caso de o sujeito aparecer representado pelo


Enfermagem - EDUCA/2019) Há erro de concordância pronome “quem”, o verbo permanecerá na terceira pessoa do
nominal em: singular ou poderá concordar com o antecedente desse
(A) A fruta é boa para a saúde. pronome: Fomos nós quem contou toda a verdade para ela. /
(B) Seguem inclusas as notas fiscais. Fomos nós quem contamos toda a verdade para ela.
(C) A janela, meio aberta, deixava ver o interior do
apartamento. 9) Em casos nos quais o sujeito aparece realçado pela
(D) É proibida a aproximação de mensageiros. palavra “que”, o verbo deverá concordar com o termo que
(E) É proibido a aproximação de mensageiros. antecede essa palavra: Nesta empresa somos nós
que tomamos as decisões. / Em casa sou eu que decido tudo.
Respostas
01. A / 02. A / 03. C / 04. E / 05. E 10) No caso de o sujeito aparecer representado por
expressões que indicam porcentagens, o verbo concordará
CONCORDÂNCIA VERBAL com o numeral ou com o substantivo a que se refere essa
porcentagem: 50% dos funcionários aprovaram a decisão da
Quando se fala sobre a concordância verbal, fala-se a diretoria. / 50% do eleitorado apoiou a decisão.
respeito da relação de dependência estabelecida entre um Observações:
termo e outro mediante um contexto oracional. - Caso o verbo aparecer anteposto à expressão de
porcentagem, esse deverá concordar com o numeral:
Casos Referentes a Sujeito Simples Aprovaram a decisão da diretoria 50% dos funcionários.
- Em casos relativos a 1%, o verbo permanecerá no
1) Sujeito simples, o verbo concorda com o núcleo em singular: 1% dos funcionários não aprovou a decisão da
número e pessoa: O aluno chegou atrasado. diretoria.
- Em casos em que o numeral estiver acompanhado de
2) O verbo concorda no singular com o sujeito coletivo do determinantes no plural, o verbo permanecerá no plural: Os
singular, o verbo permanece na terceira pessoa do 50% dos funcionários apoiaram a decisão da diretoria.
singular: A multidão, apavorada, saiu aos gritos.
Observação: no caso de o coletivo aparecer seguido de 11) Quando o sujeito estiver representado por pronomes
adjunto adnominal no plural, o verbo permanecerá no singular de tratamento, o verbo deverá ser empregado na terceira
ou poderá ir para o plural: Uma multidão de pessoas saiu aos pessoa do singular ou do plural: Vossas
gritos. / Uma multidão de pessoas saíram aos gritos. Majestades gostaram das homenagens. Vossas Excelência agiu
com inteligência.
3) Quando o sujeito é representado por expressões
partitivas, representadas por “a maioria de, a maior parte de, a 12) Casos relativos a sujeito representado por substantivo
metade de, uma porção de, entre outras”, o verbo tanto pode próprio no plural se encontram relacionados a alguns aspectos
concordar com o núcleo dessas expressões quanto com o que os determinam:

Língua Portuguesa 64
APOSTILAS OPÇÃO

- Diante de nomes de obras no plural, seguidos do verbo preciso sempre reconhecer que a validade de qualquer uma
ser, este permanece no singular, contanto que o predicativo delas estará presa à validação do critério que a sustenta.
também esteja no singular: Memórias póstumas de Brás (Adaptado de: FIRTH, Raymond. In: VV.AA. Homem e sociedade. Trad. Amadeu
José Duarte Lanna. São Paulo: Nacional, 1975, p. 35-36)
Cubas é uma criação de Machado de Assis.
- Nos casos de artigo expresso no plural, o verbo também
O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se
permanece no plural: Os Estados Unidos são uma potência
numa forma do singular para integrar corretamente a frase:
mundial.
(A) As respostas que se (aguardar) para essa questão
- Casos em que o artigo figura no singular ou em que ele
prendem-se aos critérios a serem observados.
nem aparece, o verbo permanece no singular: Estados Unidos
(B) A propósito dessa exata definição de estrutura com que
é uma potência mundial.
se (afligir) os antropólogos, estamos longe de qualquer
consenso.
Casos Referentes a Sujeito Composto
(C) Não (dever) caber aos sociólogos ou antropólogos
definir açodadamente o que seja uma estrutura social.
1) Nos casos relativos a sujeito composto de pessoas
(D) Àqueles que (haver) de pesquisar o funcionamento de
gramaticais diferentes, o verbo deverá ir para o plural, estando
uma sociedade recomenda-se sensatez na escolha de um
relacionado a dois pressupostos básicos:
critério.
- Quando houver a 1ª pessoa, esta prevalecerá sobre as
(E) A validação dos critérios que se (apresentar) como
demais: Eu, tu e ele faremos um lindo passeio.
parâmetros aceitáveis deve receber o aval de todos os
- Quando houver a 2ª pessoa, o verbo poderá flexionar na
envolvidos na definição.
2ª ou na 3ª pessoa: Tu e ele sois primos. / Tu e ele são primos.
02. (Câmara de Mauá - SP - Procurador Legislativo -
2) Nos casos em que o sujeito composto aparecer
VUNESP/2019) Assinale a alternativa que atende à norma-
anteposto (antes) ao verbo, este permanecerá no plural: O pai
padrão de concordância.
e seus dois filhos compareceram ao evento.
(A) Será requerido ações urgentes de intensificação e
replicação das políticas mais bem-sucedidas para limitar o
3) No caso em que o sujeito aparecer posposto (depois) ao
aumento da temperatura a 1,5 grau.
verbo, este poderá concordar com o núcleo mais próximo ou
(B) Os pesquisadores apontam que devem haver
permanecer no plural: Compareceram ao evento o pai e seus
investimentos diretos na descarbonização por três setores:
dois filhos. Compareceu ao evento o pai e seus dois filhos.
finanças, energia e indústria.
(C) Os países mais vulneráveis precisa que três áreas seja
4) Nos casos relacionados a sujeito simples, porém com
protagonista nas transformações: soluções baseadas na
mais de um núcleo, o verbo deverá permanecer no singular:
natureza, ações locais e urbanas e o incremento da resiliência
Meu esposo e grande companheiro merece toda a felicidade do
e adaptação às mudanças climáticas.
mundo.
(D) O desenvolvimento socioeconômico e ambiental sofre
impacto devido às mudanças climáticas que põe o mundo em
5) Casos relativos a sujeito composto de palavras
estado de alerta.
sinônimas ou ordenado por elementos em gradação, o verbo
(E) Em junho, as queimadas emitiram 50 megatons de
poderá permanecer no singular ou ir para o plural: Minha
dióxido de carbono na atmosfera, mais do que a soma de todas
vitória, minha conquista, minha premiação são frutos de meu
as emissões que haviam sido realizadas no mesmo mês entre
esforço. / Minha vitória, minha conquista, minha premiação é
2010 e 2018.
fruto de meu esforço.
03. (Prefeitura de Pinto Bandeira - RS - Auxiliar
Questões
Administrativo - OBJETIVA/2019) Assinalar a alternativa
que preenche a lacuna abaixo CORRETAMENTE:
01. (TRF - 3ª REGIÃO - Analista Judiciário - FCC/2019)
Queria que tu ___________ hoje me visitar.
(A) viesse
[Como se estrutura uma sociedade?]
(B) venha
(C) vem
A pergunta formulada acima é uma constância da história
(D) viesses
social. Alguns antropólogos têm afirmado que a estrutura
social é a rede de todas as relações de pessoa-a-pessoa, numa
04. (Prefeitura de Imperatriz - MA - Técnico em
dada sociedade. Mas tal definição é por demais ampla. Não
Enfermagem - Prefeitura de Imperatriz - MA/2019) De
estabelece distinção entre os elementos efêmeros e os mais
acordo com a concordância verbal marque a alternativa
persistentes na atividade social, e torna quase impossível
correta:
distinguir a noção de estrutura de uma sociedade da totalidade
(A) Devem haver muitas pessoas na confraternização;
da própria sociedade.
(B) Houveram muitas festas no fim de semana passado;
No extremo oposto, está a noção de estrutura social
(C) Existe Pessoas que não conhecem a verdade;
compreendendo, somente, as relações entre os grupos
(D) Há alunos se preparando para a Olimpíada de Química
principais na sociedade, que persistem por muitas gerações,
e Biologia.
mas exclui outros como a família, que se dissolve de uma
geração para outra. Essa definição é limitada demais.
05. (Prefeitura de Olímpia - SP - Guarda Civil Municipal
Uma terceira noção de estrutura social enfatiza não tanto
- VUNESP/2019) Assinale a alternativa que reescreve
as relações reais entre pessoas ou grupos, mas as relações
passagem do texto em conformidade com a norma-padrão de
esperadas ou mesmo as relações ideais. De acordo com esse
concordância.
ponto de vista, o que realmente dá à sociedade sua forma e
(A) Pesquiso a relação da arma de fogo com a violência
permite a seus membros exercerem suas atividades são as
fazem mais de 15 anos.
expectativas ou mesmo as crenças idealizadas do que está
(B) Quanto às medidas de restrição de armas de fogo,
feito, ou do que deverá ser feito pelos outros membros. Não
tratam-se de questão de segurança.
falta quem veja tal formulação como bastante insatisfatória.
(C) Existe argumentos ideológicos e crenças que tem pouca
Em vez de respostas prontas à pergunta aqui tratada, será
relação com a realidade.

Língua Portuguesa 65
APOSTILAS OPÇÃO

(D) Entre os brasileiros pesquisados, 61% são contrários à b) Comparecer;


posse de armas. O adjunto adverbial de lugar pode ser introduzido
(E) O fato é que só se garante direitos quando se pensam por em ou a.
nos interesses coletivos. Comparecemos ao estádio (ou no estádio) para ver o último
jogo.
Respostas
01. C / 02. E / 03. D / 04. D / 05. D Verbos Transitivos Diretos
Os verbos transitivos diretos são complementados por
objetos diretos. Isso significa que não exigem preposição para
o estabelecimento da relação de regência. Ao empregar esses
Transitividade e regência verbos, devemos lembrar que os pronomes oblíquos o, a, os,
de nomes e verbos; as atuam como objetos diretos. Esses pronomes podem
assumir as formas lo, los, la, las (após formas verbais
terminadas em -r, -s ou -z) ou no, na, nos, nas (após formas
REGÊNCIA VERBAL E NOMINAL verbais terminadas em sons nasais), enquanto lhe e lhes são,
quando complementos verbais, objetos indiretos.
Regência Verbal São verbos transitivos diretos: abandonar, abençoar,
aborrecer, abraçar, acompanhar, acusar, admirar, adorar,
A regência verbal estuda a relação que se estabelece entre alegrar, ameaçar, amolar, amparar, auxiliar, castigar,
os verbos e os termos que os complementam (objetos diretos condenar, conhecer, conservar, convidar, defender, eleger,
e objetos indiretos) ou caracterizam (adjuntos adverbiais). estimar, humilhar, namorar, ouvir, prejudicar, prezar,
O estudo da regência verbal permite-nos ampliar nossa proteger, respeitar, socorrer, suportar, ver, visitar, dentre
capacidade expressiva, pois oferece oportunidade de outros.
conhecermos as diversas significações que um verbo pode Na língua culta, esses verbos funcionam exatamente como
assumir com a simples mudança ou retirada de uma o verbo amar:
preposição. Amo aquele rapaz. / Amo-o.
Observe: Amo aquela moça. / Amo-a.
A mãe agrada o filho. -> agradar significa acariciar, Amam aquele rapaz. / Amam-no.
contentar. Ele deve amar aquela mulher. / Ele deve amá-la.
A mãe agrada ao filho. -> agradar significa "causar agrado
ou prazer", satisfazer. Obs.: os pronomes lhe, lhes só acompanham esses verbos
para indicar posse (caso em que atuam como adjuntos
Logo, conclui-se que "agradar alguém" é diferente de adnominais).
"agradar a alguém". Quero beijar-lhe o rosto. (= beijar seu rosto)
Prejudicaram-lhe a carreira. (= prejudicaram sua carreira)
Saiba que: Conheço-lhe o mau humor! (= conheço seu mau humor)
O conhecimento do uso adequado das preposições é um
dos aspectos fundamentais do estudo da regência verbal (e Verbos Transitivos Indiretos
também nominal). As preposições são capazes de modificar Os verbos transitivos indiretos são complementados por
completamente o sentido do que se está sendo dito. Veja os objetos indiretos. Isso significa que esses verbos exigem uma
exemplos: preposição para o estabelecimento da relação de regência. Os
Cheguei ao metrô. pronomes pessoais do caso oblíquo de terceira pessoa que
Cheguei no metrô. podem atuar como objetos indiretos são o "lhe", o "lhes", para
substituir pessoas. Não se utilizam os pronomes o, os, a,
No primeiro caso, o metrô é o lugar a que vou; no segundo as como complementos de verbos transitivos indiretos. Com
caso, é o meio de transporte por mim utilizado. A oração os objetos indiretos que não representam pessoas, usam-se
"Cheguei no metrô", popularmente usada a fim de indicar o pronomes oblíquos tônicos de terceira pessoa (ele, ela) em
lugar a que se vai, possui, no padrão culto da língua, lugar dos pronomes átonos lhe, lhes.
sentido diferente. Aliás, é muito comum existirem Os verbos transitivos indiretos são os seguintes:
divergências entre a regência coloquial, cotidiana de alguns a) Consistir - tem complemento introduzido pela
verbos, e a regência culta. preposição "em".
A modernidade verdadeira consiste em direitos iguais para
Para estudar a regência verbal, agruparemos os verbos de todos.
acordo com sua transitividade. A transitividade, porém, não é
um fato absoluto: um mesmo verbo pode atuar de diferentes b) Obedecer e Desobedecer - possuem seus complementos
formas em frases distintas. introduzidos pela preposição "a".
Devemos obedecer aos nossos princípios e ideais.
Verbos Intransitivos Eles desobedeceram às leis do trânsito.
Os verbos intransitivos não possuem complemento. É
importante, no entanto, destacar alguns detalhes relativos c) Responder - tem complemento introduzido pela
aos adjuntos adverbiais que costumam acompanhá-los. preposição "a". Esse verbo pede objeto indireto para indicar "a
a) Chegar, Ir; quem" ou "ao que" se responde.
Normalmente vêm acompanhados de adjuntos adverbiais Respondi ao meu patrão.
de lugar. Na língua culta, as preposições usadas para Respondemos às perguntas.
indicar destino ou direção são: a, para. Respondeu-lhe à altura.
Fui ao teatro. Obs.: o verbo responder, apesar de transitivo indireto
Adjunto Adverbial de Lugar
quando exprime aquilo a que se responde, admite voz passiva
analítica. Veja: O questionário foi respondido corretamente. /
Ricardo foi para a Espanha. Todas as perguntas foram respondidas satisfatoriamente.
Adjunto Adverbial de Lugar

Língua Portuguesa 66
APOSTILAS OPÇÃO

d) Simpatizar e Antipatizar - Possuem seus complementos Peço (licença) para ir entregar-lhe os catálogos em casa.
introduzidos pela preposição "com".
Antipatizo com aquela apresentadora. Observe que, nesse caso, a preposição "para" introduz uma
Simpatizo com os que condenam os políticos que governam oração subordinada adverbial final reduzida de infinitivo
para uma minoria privilegiada. (para ir entregar-lhe os catálogos em casa).

Verbos Transitivos Diretos e Indiretos 2) A construção "dizer para", também muito usada
Os verbos transitivos diretos e indiretos são popularmente, é igualmente considerada incorreta.
acompanhados de um objeto direto e um indireto. Merecem
destaque, nesse grupo: Preferir
Na língua culta, esse verbo deve apresentar objeto
Agradecer, Perdoar e Pagar indireto introduzido pela preposição "a". Por Exemplo:
São verbos que apresentam objeto direto Prefiro qualquer coisa a abrir mão de meus ideais.
relacionado a coisas e objeto indireto relacionado a pessoas. Prefiro trem a ônibus.
Veja os exemplos: Obs.: na língua culta, o verbo "preferir" deve ser usado
Agradeço aos ouvintes a audiência. sem termos intensificadores, tais como: muito, antes, mil vezes,
Objeto Indireto Objeto Direto um milhão de vezes, mais. A ênfase já é dada pelo prefixo
existente no próprio verbo (pre).
Cristo ensina que é preciso perdoar o pecado ao pecador.
Objeto Direto Objeto Indireto Mudança de Transitividade versus Mudança de
Paguei o débito ao cobrador. Significado
Objeto Direto Objeto Indireto Há verbos que, de acordo com a mudança de
transitividade, apresentam mudança de significado. O
- O uso dos pronomes oblíquos átonos deve ser feito com conhecimento das diferentes regências desses verbos é um
particular cuidado. Observe: recurso linguístico muito importante, pois além de permitir a
Agradeci o presente. / Agradeci-o. correta interpretação de passagens escritas, oferece
Agradeço a você. / Agradeço-lhe. possibilidades expressivas a quem fala ou escreve. Dentre os
Perdoei a ofensa. / Perdoei-a. principais, estão:
Perdoei ao agressor. / Perdoei-lhe.
Paguei minhas contas. / Paguei-as. Agradar
Paguei aos meus credores. / Paguei-lhes. - Agradar é transitivo direto no sentido de fazer carinhos,
acariciar.
Informar Sempre agrada o filho quando o revê. / Sempre o agrada
- Apresenta objeto direto ao se referir a coisas e objeto quando o revê.
indireto ao se referir a pessoas, ou vice-versa. Cláudia não perde oportunidade de agradar o gato. /
Informe os novos preços aos clientes. Cláudia não perde oportunidade de agradá-lo.
Informe os clientes dos novos preços. (ou sobre os novos - Agradar é transitivo indireto no sentido de causar agrado
preços) a, satisfazer, ser agradável a. Rege complemento introduzido
pela preposição "a".
- Na utilização de pronomes como complementos, veja as O cantor não agradou aos presentes.
construções: O cantor não lhes agradou.
Informei-os aos clientes. / Informei-lhes os novos preços.
Informe-os dos novos preços. / Informe-os deles. (ou sobre Aspirar
eles) - Aspirar é transitivo direto no sentido de sorver, inspirar
(o ar), inalar.
Obs.: a mesma regência do verbo informar é usada para os Aspirava o suave aroma. (Aspirava-o)
seguintes: avisar, certificar, notificar, cientificar, prevenir. - Aspirar é transitivo indireto no sentido de desejar, ter
como ambição.
Comparar Aspirávamos a melhores condições de vida. (Aspirávamos a
Quando seguido de dois objetos, esse verbo admite as elas)
preposições "a" ou "com" para introduzir o complemento Obs.: como o objeto direto do verbo "aspirar" não é
indireto. pessoa, mas coisa, não se usam as formas pronominais átonas
Comparei seu comportamento ao (ou com o) de uma "lhe" e "lhes" e sim as formas tônicas "a ele (s)", " a ela (s)". Veja
criança. o exemplo:
Aspiravam a uma existência melhor. (= Aspiravam a ela)
Pedir
Esse verbo pede objeto direto de coisa (geralmente na Assistir
forma de oração subordinada substantiva) e indireto de - Assistir é transitivo direto no sentido de ajudar, prestar
pessoa. assistência a, auxiliar. Por Exemplo:
Pedi-lhe favores. As empresas de saúde negam-se a assistir os idosos.
Objeto Indireto Objeto Direto
As empresas de saúde negam-se a assisti-los.
- Assistir é transitivo indireto no sentido de ver,
Pedi-lhe que mantivesse em silêncio. presenciar, estar presente, caber, pertencer.
Objeto Indireto Oração Subordinada Substantiva
Objetiva Direta
Exemplos:
Saiba que: Assistimos ao documentário.
1) A construção "pedir para", muito comum na linguagem Não assisti às últimas sessões.
cotidiana, deve ter emprego muito limitado na língua culta. No Essa lei assiste ao inquilino.
entanto, é considerada correta quando a
palavra licença estiver subentendida.

Língua Portuguesa 67
APOSTILAS OPÇÃO

Obs.: no sentido de morar, residir, o verbo "assistir" é Querer


intransitivo, sendo acompanhado de adjunto adverbial de - Querer é transitivo direto no sentido de desejar, ter
lugar introduzido pela preposição "em". vontade de, cobiçar.
Assistimos numa conturbada cidade. Querem melhor atendimento.
Queremos um país melhor.
Chamar - Querer é transitivo indireto no sentido de ter afeição,
- Chamar é transitivo direto no sentido de convocar, estimar, amar.
solicitar a atenção ou a presença de. Quero muito aos meus amigos.
Por gentileza, vá chamar sua prima. / Por favor, vá chamá- Ele quer bem à linda menina.
la. Despede-se o filho que muito lhe quer.
Chamei você várias vezes. / Chamei-o várias vezes.
- Chamar no sentido de denominar, apelidar pode Visar
apresentar objeto direto e indireto, ao qual se refere - Como transitivo direto, apresenta os sentidos de mirar,
predicativo preposicionado ou não. fazer pontaria e de pôr visto, rubricar.
A torcida chamou o jogador mercenário. O homem visou o alvo.
A torcida chamou ao jogador mercenário. O gerente não quis visar o cheque.
A torcida chamou o jogador de mercenário. - No sentido de ter em vista, ter como meta, ter como
A torcida chamou ao jogador de mercenário. objetivo, é transitivo indireto e rege a preposição "a".
O ensino deve sempre visar ao progresso social.
Custar Prometeram tomar medidas que visassem ao bem-estar
- Custar é intransitivo no sentido de ter determinado valor público.
ou preço, sendo acompanhado de adjunto adverbial.
Frutas e verduras não deveriam custar muito. Regência Nominal
- No sentido de ser difícil, penoso, pode ser intransitivo ou
transitivo indireto. É o nome da relação existente entre
um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio) e os termos
Muito custa viver tão longe da família. regidos por esse nome. Essa relação é sempre intermediada
Verbo Oração Subordinada Substantiva Subjetiva por uma preposição. No estudo da regência nominal, é preciso
Intransitivo Reduzida de Infinitivo levar em conta que vários nomes apresentam exatamente o
mesmo regime dos verbos de que derivam. Conhecer o regime
Custa-me (a mim) crer que tomou realmente aquela de um verbo significa, nesses casos, conhecer o regime dos
atitude. nomes cognatos. Observe o exemplo: Verbo obedecer e os
Objeto Indireto Oração Subordinada Substantiva -
Subjetiva Reduzida de Infinitivo nomes correspondentes: todos regem complementos
introduzidos pela preposição "a". Veja:
Obs.: a Gramática Normativa condena as construções que Obedecer a algo/ a alguém.
atribuem ao verbo "custar" um sujeito representado por Obediente a algo/ a alguém.
pessoa. Observe o exemplo abaixo:
Custei para entender o problema. Apresentamos a seguir vários nomes acompanhados da
Forma correta: Custou-me entender o problema. preposição ou preposições que os regem. Observe-os
atentamente e procure, sempre que possível, associar esses
Implicar nomes entre si ou a algum verbo cuja regência você conhece.
- Como transitivo direto, esse verbo tem dois sentidos:
a) dar a entender, fazer supor, pressupor Substantivos
Suas atitudes implicavam um firme propósito. Admiração a, por
b) Ter como consequência, trazer como consequência, Devoção a, para, com, por
acarretar, provocar Medo a, de
Liberdade de escolha implica amadurecimento político de Aversão a, para, por
um povo. Doutor em
Obediência a
- Como transitivo direto e indireto, significa comprometer, Atentado a, contra
envolver Dúvida acerca de, em, sobre
Implicaram aquele jornalista em questões econômicas. Ojeriza a, por
Obs.: no sentido de antipatizar, ter implicância, é transitivo Bacharel em
indireto e rege com preposição "com". Horror a
Implicava com quem não trabalhasse arduamente. Proeminência sobre
Capacidade de, para
Proceder Impaciência com
- Proceder é intransitivo no sentido de ser decisivo, ter Respeito a, com, para com, por
cabimento, ter fundamento ou portar-se, comportar-se,
agir. Nessa segunda acepção, vem sempre acompanhado de Adjetivos
adjunto adverbial de modo. Acessível a
As afirmações da testemunha procediam, não havia como Diferente de
refutá-las. Necessário a
Você procede muito mal. Acostumado a, com
- Nos sentidos de ter origem, derivar-se (rege a Entendido em
preposição" de") e fazer, executar (rege complemento Nocivo a
introduzido pela preposição "a") é transitivo indireto. Afável com, para com
O avião procede de Maceió. Equivalente a
Procedeu-se aos exames. Paralelo a
O delegado procederá ao inquérito. Agradável a

Língua Portuguesa 68
APOSTILAS OPÇÃO

Escasso de (C) “... em termos de comportamento e de habilidades de


Parco em, de comunicação – conquistando seus donos definitivamente.” (de
Alheio a, de ligação)
Essencial a, para (D) “... o processo evolutivo que transformou lobos em
Passível de cachorros domésticos fez com que os animais adquirissem um
Análogo a novo tipo de inteligência social.” (transitivo direto)
Fácil de
Preferível a 02. (Prefeitura de São José do Cedro - SC - Telefonista -
Ansioso de, para, por AMEOSC/2019) Em “A criança dormiu”, o verbo destacado é
Fanático por classificado como:
Prejudicial a (A) Verbo de ligação.
Apto a, para (B) Verbo transitivo.
Favorável a (C) Verbo intransitivo.
Prestes a (D) Verbo transito e intransitivo.
Ávido de
Generoso com 03. (Prefeitura de São João do Oeste - SC - Secretário
Propício a Legislativo - AMEOSC/2019) Há erro de regência em qual das
Benéfico a frases do texto abaixo?
Grato a, por (A) Um dia um corvo estava pousado no galho de uma
Próximo a árvore.
Capaz de, para (B) Vendo o corvo com o quejo, a raposa logo começou a
Hábil em matutar um jeito de se apoderar do quejo.
Relacionado com (C) Foi para debaixo da árvore, olhou para cima e disse,
Compatível com meio como se namorasse com o corvo.
Habituado a (D) Que pássaro magnífico nessa árvore!.
Relativo a
Contemporâneo a, de 04. (Prefeitura de Arujá - SP - Assistente Social -
Idêntico a VUNESP/2019) Leia a charge.
Satisfeito com, de, em, por
Contíguo a
Impróprio para
Semelhante a
Contrário a
Indeciso em
Sensível a
Curioso de, por
Insensível a
Sito em
Descontente com
Liberal com
Suspeito de
Desejoso de
Natural de
Vazio de
Em conformidade com a norma-padrão, as lacunas da fala
Advérbios da personagem devem ser preenchidas, correta e
- Longe de; respectivamente, com:
- Perto de. (A) que … no … ao
(B) que … ao … o
Obs.: os advérbios terminados em -mente tendem a seguir (C) que … no … o
o regime dos adjetivos de que são formados: paralela à; (D) de que … ao … ao
paralelamente a; relativa a; relativamente a.25 (E) de que … no … o

Questões 05. (Prefeitura de Fraiburgo - SC - Professor -


FEPESE/2019) Preencha as lacunas com pronomes relativos
01. (Prefeitura de Caranaíba - MG - Auxiliar de que, quem, onde, cujo/cujos/cuja/ cujas, precedidos ou não
Consultório Dentário - FCM/2019) “O verbo é fundamental de preposição, conforme exige o contexto frasal.
na formação de uma oração, pois é a palavra que exprime ação, ◾ O engenheiro ......................... fez os estudos preliminares
estado, fato e fenômeno natural em determinado espaço de da obra acabou de me dizer que está à nossa disposição para
tempo.” iniciar os trabalhos.
(BUENO, 2014, p.184). ◾ O bairro ......................... ruas circulam animais domésticos
A classificação do verbo grifado, quanto à predicação, está fica a cerca de 10 min do centro da cidade.
corretamente indicada em ◾ Meu tio Armando, ................................. sempre admirei,
(A) “... os cachorros são os mamíferos mais bem-sucedidos recebeu uma justa homenagem da Câmara
do planeta...” (transitivo indireto) ◾ O concurso ....................... estudou neste ano é um dos mais
(B) “Baseados em um conjunto de trabalhos sobre o difíceis que já fez.
assunto que apelidaram de caninognição...” (intransitivo)

25 https://bit.ly/2Gkw913

Língua Portuguesa 69
APOSTILAS OPÇÃO

◾ Desconheço os reais motivos ........................... meu irmão em conformidade com a norma-padrão da língua portuguesa
não respeitou o acordo feito com a família antes da morte de é:
mamãe. (A) Nossos antepassados tinham pés aos quais eram mais
Os pronomes relativos, com ou sem preposição, que saudáveis que os nossos.
preenchem corretamente as lacunas, de cima para baixo, são: (B) Andar descalço pode contribuir para a melhora da
(A) a quem • para o qual • a cujas • de quem • por quem saúde dos nossos pés.
(B) pelo qual • em quem • de cujas • em que • pelos quais (C) Surpreende o fato sob que quase 80% dos corredores
(C) a que • a quem • no qual • por quem • de cujas lesionam anualmente.
(D) que • em cujas • a quem • para o qual • por que (D) Foi nos anos 70 que as pessoas passaram a interessar
(E) o qual • por cujas • que • no qual • para os quais mais para a corrida.
(E) Ficar mais sentados certamente influiu ao
06. (Câmara de Piracicaba - SP - Jornalista - enfraquecimento dos nossos pés.
VUNESP/2019) Leia o texto para responder à questão.
09. (Prefeitura de Campinas - SP - Especialista em
Ao filósofo americano Daniel Dennett, os editores da Informação - VUNESP/2019) Assinale a alternativa que
revista Edge perguntaram: “Em 2013, o que deve nos atende à norma-padrão quanto à regência.
preocupar?”. Ele contou que em 1980 se temia que a revolução (A) As conquistas que aspiravam as antigas feministas
do computador aumentasse a distância entre os países ricos teriam tido resultados compatíveis aos interesses das
“do Ocidente” e os países pobres, que não teriam acesso à nova mulheres?
tecnologia e a seus aparelhos. A verdade é que a informática (B) Que mudanças foram trazidas no universo feminino
criou fortunas enormes, mas permitiu também a mais para se pensarem as relações injustas de gênero?
profunda disseminação niveladora da tecnologia que já se viu (C) Pesquisadoras do mundo afora se dedicam com afinco
na história. “Celulares e laptops e, agora, smartphones e tablets em buscar respostas a complexas questões feministas.
puseram a conectividade nas mãos de bilhões”, afirmou (D) Com as conquistas feministas, pode-se, hoje, conciliar
Dennett. a igualdade de gênero na igualdade social?
O planeta, segundo o filósofo, ficou mais transparente na (E) O avanço de conhecimento a que Susan Watkins se
informação como ninguém imaginaria há 40 anos. Isso é refere diz respeito à expansão dos sistemas universitários.
maravilhoso, disse Dennett, mas não é o paraíso. E citou a lista
daquilo com que devemos nos preocupar: ficamos 10. (Prefeitura de Várzea - PB - Assistente Social -
dependentes e vulneráveis neste novo mundo, com ameaças à EDUCA/2019) Aponte a opção INCORRETA quanto ao uso da
segurança e à privacidade. E sobre as desigualdades, ele disse regência:
que Golias ainda não caiu; milhares de Davis*, porém, estão (A) O médico assistiu o paciente.
rapidamente aprendendo o que precisam. Os “de baixo” têm (B) Visaram os documentos.
agora meios para confrontar os “de cima”. O conselho do (C) Quero muito aos meus filhos.
filósofo é que os ricos devem começar a pensar em como (D) Aspirou ao ar puro das montanhas.
reduzir as distâncias criadas pelo poder e pela riqueza de (E) Tenho profunda admiração por você.
poucos.
* referência ao episódio bíblico em que Davi, Gabarito
aparentemente mais fraco, derrota o gigante Golias. 01. D / 02. C / 03. C / 04. D / 05. D / 06. C / 07. B / 08.
(Míriam Leitão. História do futuro: o horizonte do Brasil no século XXI. Rio B / 09. E / 10. D
de Janeiro, Intrínseca, 2015)
O trecho destacado em – ... E citou a lista daquilo com que
devemos nos preocupar... (2º parágrafo) – estará
corretamente substituído, quanto à regência, conforme a Padrões gerais de colocação
norma-padrão da língua portuguesa, por:
(A) sobre que devemos nos ater
pronominal no português;
(B) de que devemos estar atentos
(C) a que devemos dar atenção
(D) a que devemos estar cientes COLOCAÇÃO DOS PRONOMES OBLÍQUOS
(E) em que devemos estar alertas ÁTONOS
07. (Prefeitura de Itapevi - SP - Professor de Educação De acordo com as autoras Rose Jordão e Clenir Bellezi26, a
Básica I - VUNESP/2019) Assinale a alternativa cujo colocação pronominal é a posição que os pronomes pessoais
enunciado está em conformidade com a norma-padrão de oblíquos átonos ocupam na frase em relação ao verbo a que se
regência. referem.
(A) Moana ia nos grupos de estudos com os pais e ficava São pronomes oblíquos átonos: me, te, se, o, os, a, as, lhe,
atenta de todas as coisas que aconteciam ali. lhes, nos e vos.
(B) Moana, antes de dormir, queria falar com o pai sobre O pronome oblíquo átono pode assumir três posições na
aquilo de que mais havia gostado na leitura de O Hobbit. oração em relação ao verbo:
(C) As transformações no personagem central mostram 1. Próclise: pronome antes do verbo;
que o hobbit aspirava em ser um aventureiro épico. 2. Ênclise: pronome depois do verbo;
(D) Quando Moana pediu para comentar a leitura, o pai 3. Mesóclise: pronome no meio do verbo.
discordou com ela, achando que não queria dormir.
(E) O pai pensava de que Moana não estava apta em ler a Próclise
versão integral do clássico de J.R.R. Tolkien, O Hobbit. A próclise é aplicada antes do verbo quando temos:
- Palavras com sentido negativo: Nada me faz querer sair
08. (Prefeitura de Campinas - SP - Agente de dessa cama. / Não se trata de nenhuma novidade.
Fiscalização - VUNESP/2019) A frase em que a regência está

26http://www.soportugues.com.br/secoes/morf/morf42.php
http://www.brasilescola.com/gramatica/colocacao-pronominal.htm

Língua Portuguesa 70
APOSTILAS OPÇÃO

- Advérbios: Nesta casa se fala alemão. / Naquele dia me usado posposto ao verbo.
falaram que a professora não veio. (D) Próclise: em orações iniciadas com verbos no
imperativo afirmativo, o pronome oblíquo deve ser usado
- Pronomes relativos: A aluna que me mostrou a tarefa não posposto ao verbo.
veio hoje. / Não vou deixar de estudar os conteúdos que me
falaram. 02. (UNIRIO - Administrador - CESGRANRIO/2019) A
frase em que a colocação do pronome oblíquo obedece aos
- Pronomes indefinidos: Quem me disse isso? / Todos se ditames da norma-padrão é:
comoveram durante o discurso de despedida. (A) Abri o estojo, cheirando-o por um longo tempo.
(B) Seria-lhe útil ter um notebook de última geração.
- Pronomes demonstrativos: Isso me deixa muito feliz! / (C) Me fascinou reviver o tempo de minha primeira
Aquilo me incentivou a mudar de atitude! infância.
(D) O que lembrou-lhe o estojo escolar foi o novo notebook.
- Preposição seguida de gerúndio: Em se tratando de (E) Conforme abria-o, sentia seu cheiro agradável cada vez
qualidade, o Brasil Escola é o site mais indicado à pesquisa mais forte.
escolar.
03. (Prefeitura de São José do Cedro - SC - Agente
- Conjunção subordinativa: Vamos estabelecer critérios, Comunitário de Saúde - AMEOSC/2019) Em “Pior ainda,
conforme lhe avisaram. depois que acordo, minha mente tem se descontrolado de
novo, traindo-me e levando-me a um estado de pânico que eu
Ênclise não sentia desde o pior período dos meus anos de divórcio”, os
A ênclise é empregada depois do verbo. A norma culta não termos destacados são classificados como:
aceita orações iniciadas com pronomes oblíquos átonos. A (A) Próclise.
ênclise vai acontecer quando: (B) Mesóclise.
(C) Ênclise.
- O verbo estiver no imperativo afirmativo: Amem-se uns (D) Cóclise.
aos outros. / Sigam-me e não terão derrotas.
04. (Prefeitura de Bom Repouso - MG - Auxiliar em
- O verbo iniciar a oração: Diga-lhe que está tudo bem. / Saúde Bucal - MDS/2019) Nas frases a seguir, o uso correto
Chamaram-me para ser sócio. quanto à colocação dos pronomes átonos correspondente à
sequência: Ênclise – mesóclise – próclise é:
- O verbo estiver no infinitivo impessoal regido da (A) Ninguém te convidou para a festa? / A prova realizar-
preposição “a”: Naquele instante os dois passaram a odiar-se. se-á neste sábado. / Diga-lhe que estou aqui.
/ Passaram a cumprimentar-se mutuamente. (B) Far-lhe-ei a proposta. / Amem-se uns aos outros. / O
homem o qual me referi foi preso.
- O verbo estiver no gerúndio: Não quis saber o que (C) Isso me deixa muito triste. / Gostaria de convidar-te
aconteceu, fazendo-se de despreocupada. Despediu-se, para jantar. / Neste país talvez se combata a fome.
beijando-me a face. (D) Sigam-me. / Os alunos esforçar-se-ão. / Ela desmaiou
logo que lhe contaram o acontecido.
- Houver vírgula ou pausa antes do verbo: Se passar no
vestibular em outra cidade, mudo-me no mesmo instante. / Se 05. (Prefeitura de Arujá - SP - Assistente Social -
não tiver outro jeito, alisto-me nas forças armadas. VUNESP) Leia a tira para responder à questão.

Mesóclise
A mesóclise acontece quando o verbo está flexionado no
futuro do presente ou no futuro do pretérito:
A prova realizar-se-á neste domingo pela manhã. (= ela se
realizará).
Far-lhe-ei uma proposta irrecusável. (= eu farei uma
proposta a você).

Questões

01. (Prefeitura de Cabo de Santo Agostinho - PE -


Técnico em Saneamento - IBFC 2019) Observe o enunciado
abaixo.
Vou-me embora pra Pasárgada,
lá sou amigo do Rei”.
(M.Bandeira)

Quanto à regra de colocação pronominal utilizada, assinale


a alternativa correta.
(A) Ênclise: em orações iniciadas com verbos no presente De acordo com a norma-padrão, a lacuna do segundo
ou pretérito afirmativo, o pronome oblíquo deve ser usado quadrinho deve ser preenchida com:
posposto ao verbo. (A) destroçar-no
(B) Próclise: em orações iniciadas com verbos no presente (B) lhe destroçar
ou pretérito afirmativo, o pronome oblíquo deve ser usado (C) destroçar ele
posposto ao verbo. (D) destroçá-lo
(C) Mesóclise: em orações iniciadas com verbos no (E) destroçar-lhe
presente ou pretérito afirmativo, o pronome oblíquo deve ser

Língua Portuguesa 71
APOSTILAS OPÇÃO

Gabarito Emprego do G
01. A / 02. A / 03. C / 04. D /05. D Se empregará o “G” em:
1) Substantivos terminados em: -agem, -igem, -ugem.
Exemplos: barragem, miragem, viagem, origem, ferrugem.
Mecanismos de coesão Exceção: pajem.
textual. 2) Palavras terminadas em: -ágio, -égio, -ígio, -ógio, -úgio.
Exemplos: estágio, privilégio, prestígio, relógio, refúgio.

Caro(a) Candidato (a) esse assunto já foi abordado no 3) Em palavras derivadas de outras que já apresentam “G”.
tópico: Interpretação e organização interna. Exemplos: engessar (de gesso), massagista (de massagem),
vertiginoso (de vertigem).

Observação - também se emprega com a letra “G” os


Ortografia. seguintes vocábulos: algema, auge, bege, estrangeiro, geada,
gengiva, gibi, gilete, hegemonia, herege, megera, monge,
ORTOGRAFIA rabugento, vagem.

Alfabeto Emprego do J
Para representar o fonema “j’ na forma escrita, a grafia
O alfabeto da língua portuguesa é formado por 26 letras. A – considerada correta é aquela que ocorre de acordo com a
B–C–D–E–F–G–H–I–J–K–L–M–N–O–P–Q–R–S– origem da palavra, como por exemplo no caso da na palavra jipe
T – U – V – W – X – Y – Z. que origina-se do inglês jeep. Porém também se empregará o “J”
nas seguintes situações:
Observação: emprega-se também o “ç”, que representa o
fonema /s/ diante das letras: a, o, e u em determinadas palavras. 1) Em verbos terminados em -jar ou -jear. Exemplos:
Arranjar: arranjo, arranje, arranjem
Emprego das Letras e Fonemas Despejar: despejo, despeje, despejem
Viajar: viajo, viaje, viajem
Emprego das letras K, W e Y
Utilizam-se nos seguintes casos: 2) Nas palavras de origem tupi, africana, árabe ou exótica.
1) Em antropônimos originários de outras línguas e seus Exemplos: biju, jiboia, canjica, pajé, jerico, manjericão, Moji.
derivados. Exemplos: Kant, kantismo; Darwin, darwinismo;
Taylor, taylorista. 3) Nas palavras derivadas de outras que já apresentam “J”.
Exemplos: laranja –laranjeira / loja – lojista / lisonja –
2) Em topônimos originários de outras línguas e seus lisonjeador / nojo – nojeira / cereja – cerejeira / varejo –
derivados. Exemplos: Kuwait, kuwaitiano. varejista / rijo – enrijecer / jeito – ajeitar.

3) Em siglas, símbolos, e mesmo em palavras adotadas como Observação - também se emprega com a letra “J” os
unidades de medida de curso internacional. Exemplos: K seguintes vocábulos: berinjela, cafajeste, jeca, jegue, majestade,
(Potássio), W (West), kg (quilograma), km (quilômetro), Watt. jeito, jejum, laje, traje, pegajento.

Emprego do X Emprego do S
Se empregará o “X” nas seguintes situações: Utiliza-se “S” nos seguintes casos:
1) Após ditongos. 1) Palavras derivadas de outras que já apresentam “S” no
Exemplos: caixa, frouxo, peixe. radical. Exemplos: análise – analisar / catálise – catalisador /
Exceção: recauchutar e seus derivados. casa – casinha ou casebre / liso – alisar.

2) Após a sílaba inicial “en”. 2) Nos sufixos -ês e -esa, ao indicarem nacionalidade, título
Exemplos: enxame, enxada, enxaqueca. ou origem. Exemplos: burguês – burguesa / inglês – inglesa /
Exceção: palavras iniciadas por “ch” que recebem o prefixo chinês – chinesa / milanês – milanesa.
“en-”. Ex.: encharcar (de charco), enchiqueirar (de chiqueiro),
encher e seus derivados (enchente, enchimento, preencher...) 3) Nos sufixos formadores de adjetivos -ense, -oso e –osa.
Exemplos: catarinense / palmeirense / gostoso – gostosa /
3) Após a sílaba inicial “me-”. amoroso – amorosa / gasoso – gasosa / teimoso – teimosa.
Exemplos: mexer, mexerica, mexicano, mexilhão.
Exceção: mecha. 4) Nos sufixos gregos -ese, -isa, -osa.
Exemplos: catequese, diocese, poetisa, profetisa,
4) Se empregará o “X” em vocábulos de origem indígena ou sacerdotisa, glicose, metamorfose, virose.
africana e em palavras inglesas aportuguesadas.
Exemplos: abacaxi, xavante, orixá, xará, xerife, xampu, 5) Após ditongos.
bexiga, bruxa, coaxar, faxina, graxa, lagartixa, lixa, lixo, puxar, Exemplos: coisa, pouso, lousa, náusea.
rixa, oxalá, praxe, roxo, vexame, xadrez, xarope, xaxim, xícara,
xale, xingar, etc. 6) Nas formas dos verbos pôr e querer, bem como em seus
derivados.
Emprego do Ch Exemplos: pus, pôs, pusemos, puseram, pusera, pusesse,
Se empregará o “Ch” nos seguintes vocábulos: bochecha, puséssemos, quis, quisemos, quiseram, quiser, quisera,
bucha, cachimbo, chalé, charque, chimarrão, chuchu, chute, quiséssemos, repus, repusera, repusesse, repuséssemos.
cochilo, debochar, fachada, fantoche, ficha, flecha, mochila,
pechincha, salsicha, tchau, etc.

Língua Portuguesa 72
APOSTILAS OPÇÃO

7) Em nomes próprios personativos. 4) Emprega-se Sc: nos termos eruditos.


Exemplos: Baltasar, Heloísa, Inês, Isabel, Luís, Luísa, Exemplos: acréscimo, ascensorista, consciência, descender,
Resende, Sousa, Teresa, Teresinha, Tomás. discente, fascículo, fascínio, imprescindível, miscigenação,
miscível, plebiscito, rescisão, seiscentos, transcender, etc.
Observação - também se emprega com a letra “S” os
seguintes vocábulos: abuso, asilo, através, aviso, besouro, brasa, 5) Emprega-se Sç: na conjugação de alguns verbos.
cortesia, decisão, despesa, empresa, freguesia, fusível, maisena, Exemplos: nascer - nasço, nasça / crescer - cresço, cresça /
mesada, paisagem, paraíso, pêsames, presépio, presídio, Descer - desço, desça.
querosene, raposa, surpresa, tesoura, usura, vaso, vigésimo,
visita, etc. 6) Emprega-se Ss: nos substantivos derivados de verbos
terminados em -gredir, -mitir, -ceder e -cutir.
Emprego do Z Exemplos: agredir – agressão / demitir – demissão / ceder –
Se empregará o “Z” nos seguintes casos: cessão / discutir – discussão/ progredir – progressão /
1) Palavras derivadas de outras que já apresentam Z no transmitir – transmissão / exceder – excesso / repercutir –
radical. repercussão.
Exemplos: deslize – deslizar / razão – razoável / vazio –
esvaziar / raiz – enraizar /cruz – cruzeiro. 7) Emprega-se o Xc e o Xs: em dígrafos que soam como Ss.
Exemplos: exceção, excêntrico, excedente, excepcional,
2) Nos sufixos -ez, -eza, ao formarem substantivos abstratos exsudar.
a partir de adjetivos.
Exemplos: inválido – invalidez / limpo – limpeza / macio – Atenção - não se esqueça que uso da letra X apresenta
maciez / rígido – rigidez / frio – frieza / nobre – nobreza / pobre algumas variações. Observe:
– pobreza / surdo – surdez. 1) O “X” pode representar os seguintes fonemas:
“ch” - xarope, vexame;
3) Nos sufixos -izar, ao formar verbos e -ização, ao formar “cs” - axila, nexo;
substantivos. “z” - exame, exílio;
Exemplos: civilizar – civilização / hospitalizar – “ss” - máximo, próximo;
hospitalização / colonizar – colonização / realizar – realização. “s” - texto, extenso.

4) Nos derivados em -zal, -zeiro, -zinho, -zinha, -zito, -zita. 2) Não soa nos grupos internos -xce- e -xci-
Exemplos: cafezal, cafezeiro, cafezinho, arvorezinha, cãozito, Exemplos: excelente, excitar.
avezita.
Emprego do E
5) Nos seguintes vocábulos: azar, azeite, azedo, amizade, Se empregará o “E” nas seguintes situações:
buzina, bazar, catequizar, chafariz, cicatriz, coalizão, cuscuz, 1) Em sílabas finais dos verbos terminados em -oar, -uar
proeza, vizinho, xadrez, verniz, etc. Exemplos: magoar - magoe, magoes / continuar- continue,
continues.
6) Em vocábulos homófonos, estabelecendo distinção no
contraste entre o S e o Z. Exemplos: 2) Em palavras formadas com o prefixo ante- (antes,
Cozer (cozinhar) e coser (costurar); anterior).
Prezar (ter em consideração) e presar (prender); Exemplos: antebraço, antecipar.
Traz (forma do verbo trazer) e trás (parte posterior).
3) Nos seguintes vocábulos: cadeado, confete, disenteria,
Observação: em muitas palavras, a letra X soa como Z. empecilho, irrequieto, mexerico, orquídea, etc.
Como por exemplo: exame, exato, exausto, exemplo, existir,
exótico, inexorável. Emprego do I
Se empregará o “I” nas seguintes situações:
Emprego do Fonema S 1) Em sílabas finais dos verbos terminados em -air, -oer, -uir.
Existem diversas formas para a representação do fonema “S” Exemplos:
no qual podem ser: s, ç, x e dos dígrafos sc, sç, ss, xc, xs. Assim Cair- cai
vajamos algumas situações: Doer- dói
Influir- influi
1) Emprega-se o S: nos substantivos derivados de verbos
terminados em -andir, -ender, -verter e -pelir. 2) Em palavras formadas com o prefixo anti- (contra).
Exemplos: expandir – expansão / pretender – pretensão / Exemplos: anticristo, antitetânico.
verter – versão / expelir – expulsão / estender – extensão /
suspender – suspensão / converter – conversão / repelir – 3) Nos seguintes vocábulos: aborígine, artimanha, chefiar,
repulsão. digladiar, penicilina, privilégio, etc.

2) Emprega-se Ç: nos substantivos derivados dos verbos ter Emprego do O/U


e torcer. A oposição o/u é responsável pela diferença de significado
Exemplos: ater – atenção / torcer – torção / deter – detenção de algumas palavras. Veja os exemplos: comprimento
/ distorcer – distorção / manter – manutenção / contorcer – (extensão) e cumprimento (saudação, realização) soar (emitir
contorção. som) e suar (transpirar).
- Grafam-se com a letra “O”: bolacha, bússola, costume,
3) Emprega-se o X: em casos que a letra X soa como Ss. moleque.
Exemplos: auxílio, expectativa, experto, extroversão, sexta, - Grafam-se com a letra “U”: camundongo, jabuti, Manuel,
sintaxe, texto, trouxe. tábua.

Língua Portuguesa 73
APOSTILAS OPÇÃO

Emprego do H 02. (Prefeitura de Porto Velho/RO - Especialista em


Esta letra, em início ou fim de palavras, não tem valor Educação - IBADE/2019)
fonético. Conservou-se apenas como símbolo, por força da
etimologia e da tradição escrita. A palavra hoje, por exemplo, Queremos a infância para nós
grafa-se desta forma devido a sua origem na forma latina hodie.
Assim vejamos o seu emprego: O mundo anda bem atrapalhado: de um lado, temos
crianças que se comportam, se vestem, falam e são tratadas
1) Inicial, quando etimológico. como adultos. Do outro, adultos que se comportam, se vestem,
Exemplos: hábito, hesitar, homologar, Horácio. falam e são tratados como crianças. Pelo jeito, infância e vida
adulta têm hoje pouco a ver com idade cronológica.
2) Medial, como integrante dos dígrafos ch, lh, nh. Não é preciso muito para observar sinais dessa troca: basta
Exemplos: flecha, telha, companhia. olhar as pessoas no espaço público. É corriqueiro vermos
meninas vestidas com roupas de adultos, inclusive sensuais:
3) Final e inicial, em certas interjeições. blusas e saias curtas, calças apertadas, meia-calça e sapatos de
Exemplos: ah!, ih!, eh!, oh!, hem?, hum!, etc. salto. E pensar que elas precisam é de roupa folgada para
deixar o corpo explodir em movimentos que devem ser
4) Em compostos unidos por hífen, no início do segundo experimentados... Mas sempre há um traço que trai a idade:
elemento, se etimológico. um brinquedo pendurado, um exagero de enfeites, um excesso
Exemplos: anti-higiênico, pré-histórico, super-homem, etc. de maquiagem, etc.
Se olharmos as adultas, vestidas com o mesmo tipo de
Observações: roupa das meninas descritas acima, vemos também
1) No substantivo Bahia, o “h” sobrevive por tradição. Note brinquedos, carregados como enfeites ou amuletos: nos
que nos substantivos derivados como baiano, baianada ou chaveiros, nas bolsas, nos telefones celulares, nos carros. Isso
baianinha ele não é utilizado. sem falar nas mesas de trabalho, enfeitadas com ícones do
mundo infantil.
2) Os vocábulos erva, Espanha e inverno não iniciam com a Criança pequena adora ter amigo imaginário, mas essa
letra “h”. No entanto, seus derivados eruditos sempre são maravilhosa possibilidade tem sido destruída, pouco a pouco,
grafados com h, como por exemplo: herbívoro, hispânico, pelo massacre da realidade do mundo adulto, que tem
hibernal. colaborado muito para desfazer a fantasia e o faz-de-conta.
Mas os legítimos representantes desse mundo, por sua vez,
Questões não hesitam em ter o seu. Ultimamente, ele tem sido comum e
ganhou o nome de deus. Não me refiro ao Deus das religiões e
01. (Prefeitura de Maracanã/PA - Auxiliar de Serviços alvo da fé. A ideia de deus foi privatizada, e cada um tem o seu,
Gerais - CETAP/2019) à sua imagem e semelhança, mesmo sem professar religião
nenhuma.
SONHO O amigo imaginário dos adultos chamado de deus é aquele
com quem eles conversam animadamente, a quem chamam
Não quero nem ma referir aqui do sonho onírico, aquele nos momentos de estresse, a quem recorrem sempre que
que vem quando estamos dormindo, e que cumpre uma função enfrentam dificuldades, precisam tomar uma decisão ou
biológica e psicológica demasíadarnente importante para o anseiam por algo e, principalmente, para contornar a solidão.
nosso bem-estar. Falo eu de sonho como sendo o nosso desejo, Nada como ter um amigo invisível, já que ele não exige
o que queremos realizar, construir. Como Martin Luther King, lealdade, dedicação nem cobra nada, não é?
ao falar de uma sociedade sem diferenças. Ou Mahatma E o que dizer, então, das brincadeiras infantis que muitos
Gandhl, ao lutar pela independência da índia e expressar o adultos são obrigados a enfrentar quando fazem cursos,
sonho de sem violência alguma, haver um povo que tivesse frequentam seminários ou assistem a aulas? É um tal de
autodeterminação. assoprar bexigas, abraçar quem está ao lado, acender fósforo
Quando dizemos “eu sonho ter uma casa" ou ‘eu sonho que para expressar uma ideia, carregar uma pedra para ter a
meus filhos se formem” ou ‘eu sonho ter um casamento que palavra no grupo, escolher um bicho como imagem de
perdure bastante tempo", o sonho é aquilo que nos identificação, usar canetas coloridas para fazer trabalhos, etc.
Impulsiona. É um desejo que colocando no futuro, procuramos Mas, se existe uma manifestação comum a crianças e
buscar. adultos para expressar alegria, contentamento, comemoração
Isso nada tem a ver com delírio. Delírio é um desejo que e afins, ela tem sido o grito. Que as crianças gritem porque
não tem factibilidade, que não tem como se realizar. Sonho ainda não descobriram outras maneiras de expressar
precisa se factível, realizável. emoções, dá para entender. Aliás, é bom lembrar que os
Por exemplo não basta eu dizer: ‘Sonho ser o maior jogador educadores não têm colaborado para que elas aprendam a
de futebol da Fifa 2016". Isso não é sonho é delírio. Eu não desenvolver outros tipos de expressão. Mas os adultos
tenho mais idade, não teria como entrar no circuito do futebol. gritarem desesperada e estridentemente para manifestar
“E se eu rezar muito?" Lamento, não vai acontecer. “E se eu ler emoção é constrangedor. Com tamanha confusão, fica a
muitos livros de autoajuda?" Também não vai adiantar. impressão de que roubamos a infância das crianças porque a
Sonho não é delírio, é o desejo com factibilidade, que pode queremos para nós, não?
ser realizado. Delírio é um desejo marcado pela incapacidade SAYÃO, Rosely. “As melhores crônicas do Brasil”. In
cronicasbrasil.blogspot.com.
de realização.
(CORTELLA, Mário Sárglo- Pensar bem nos faz bem! Vozes, p.138.)
O vocábulo “impressão”, sublinhado no fragmento “fica a
A letra “x" representa vários sons como em "exemploVz/. impressão de que roubamos a infância das crianças” (7º §), é
Assinale a alternativa com som diferente: grafado com “ss” em razão de uma regra ortográfica segundo a
(A) exato. qual grafam-se com o dígrafo “ss” os nomes relacionados aos
(B) exame. verbos com radical em “prim”, como imprimir / impressão,
(C) expressar. comprimir/compressão, etc. Abaixo estão relacionadas outras
(D) exaurir. regras ortográficas, com os respectivos exemplos. A regra em
que um dos exemplos NÃO se enquadra nela é:

Língua Portuguesa 74
APOSTILAS OPÇÃO

(A) grafam-se com Z os sufixos -izar, -ização: civilizar, 6) Em siglas, símbolos ou abreviaturas internacionais.
humanizar, catalizar, colonização. Exemplos: ONU, Sr., V. Ex.ª.
(B) grafa-se com Ç a correlação T – Ç: absorção, ação,
assunção, exceção. 7) Nos nomes que designam altos conceitos religiosos,
(C) grafa-se com SS a correlação CED - CESS: cessão, políticos ou nacionalistas.
intercessão, acessível, concessão. Exemplos: Igreja (Católica, Apostólica, Romana), Estado,
(D) grafam-se com S os sufixos -esa, -ês, -esia, quando o Nação, Pátria, União, etc.
radical é um substantivo: freguês, burguesa, maresia, pedrês.
(E) grafam-se com Z os sufixos -ez, -eza, quando o radical é Observação: esses nomes escrevem-se com inicial
um adjetivo: pobreza, grandeza, acidez, realeza. minúscula quando são empregados em sentido geral ou
indeterminado.
03. (Prefeitura de Timbó/SC - Engenheiro Civil - Exemplo: Todos amam sua pátria.
FURB/2019) Assim como o verbo “autorizar”, assinale a
alternativa que contenha outro exemplo de verbo terminado Emprego Facultativo da Letra Maiúscula
em IZAR: 1) No início dos versos que não abrem período, é facultativo
(A) avi___ar. o uso da letra maiúscula, como por exemplo:
(B) ali___ar.
(C) pesqui___ar. “Aqui, sim, no meu cantinho,
(D) tranquili___ar. vendo rir-me o candeeiro,
(E) preci___ar. gozo o bem de estar sozinho
e esquecer o mundo inteiro.”
04. (Prefeitura de Timbó/SC - Engenheiro Civil -
FURB/2019) A exemplo de “crescimento”, escrito 2) Nos nomes de logradouros públicos, templos e edifícios.
corretamente com SC, assinale a alternativa cuja lacuna Exemplos: Rua da Liberdade ou rua da Liberdade / Igreja do
também deve ser preenchida com SC: Rosário ou igreja do Rosário / Edifício Azevedo ou edifício
(A) e___eção. Azevedo.
(B) do___ente.
(C) anoite___er. Inicial Minúscula
(D) ace___ível. Utiliza-se inicial minúscula nos seguintes casos:
(E) di____ente. 1) Em todos os vocábulos correntes da língua portuguesa.
Exemplos: carro, flor, boneca, menino, porta, etc.
05. (MPE-GO - Secretário Auxiliar - MPE-GO/2019)
Assinale a alternativa em que NÃO há erro de grafia nas 2) Depois de dois-pontos, não se tratando de citação direta,
palavras descritas: usa-se letra minúscula.
(A) aprasível, chafariz, puxar. Exemplo: “Chegam os magos do Oriente, com suas dádivas:
(B) pecha, cochichar, piche. ouro, incenso, mirra.” (Manuel Bandeira)
(C) poetiza, encharcada, exdrúxulo.
(D) expetacular, exceção, objeção. 3) Nos nomes de meses, estações do ano e dias da semana.
(E) estiagem, expulsão, enchuto. Exemplos: janeiro, julho, dezembro, etc. / segunda, sexta,
domingo, etc. / primavera, verão, outono, inverno.
Gabarito
4) Nos pontos cardeais.
01. C / 02. A / 03. D / 04. E / 05. B Exemplos: “Percorri o país de norte a sul e de leste a oeste.”
/ “Estes são os pontos colaterais: nordeste, noroeste, sudeste,
Emprego das Iniciais Maiúsculas e Minúsculas sudoeste.”

Inicial Maiúscula Observação: quando empregados em sua forma absoluta,


Utiliza-se inicial maiúscula nos seguintes casos: os pontos cardeais são grafados com letra maiúscula.
1) No começo de um período, verso ou citação direta. Exemplos: Nordeste (região do Brasil) / Ocidente (europeu)
/Oriente (asiático).
Disse o Padre Antônio Vieira: “Estar com Cristo em qualquer
lugar, ainda que seja no inferno, é estar no Paraíso.” Emprego Facultativo da Letra Minúscula
1) Nos vocábulos que compõem uma citação bibliográfica.
“Auriverde pendão de minha terra, Exemplos:
Que a brisa do Brasil beija e balança, Crime e Castigo ou Crime e castigo
Estandarte que à luz do sol encerra Grande Sertão: Veredas ou Grande sertão: veredas
As promessas divinas da Esperança…” Em Busca do Tempo Perdido ou Em busca do tempo perdido
(Castro Alves)
2) Nas formas de tratamento e reverência, bem como em
2) Nos antropônimos, reais ou fictícios. nomes sagrados e que designam crenças religiosas.
Exemplos: Pedro Silva, Cinderela, D. Quixote. Exemplos:
Governador Mário Covas ou governador Mário Covas
3) Nos topônimos, reais ou fictícios. Papa João Paulo II ou papa João Paulo II
Exemplos: Rio de Janeiro, Rússia, Macondo. Excelentíssimo Senhor Reitor ou excelentíssimo senhor
reitor
4) Nos nomes mitológicos. Santa Maria ou santa Maria
Exemplos: Dionísio, Netuno.
c) Nos nomes que designam domínios de saber, cursos e
5) Nos nomes de festas e festividades. disciplinas.
Exemplos: Natal, Páscoa, Ramadã. Exemplos:

Língua Portuguesa 75
APOSTILAS OPÇÃO

Português ou português [...]


Línguas e Literaturas Modernas ou línguas e literaturas Que significa isso? Que querem comigo? Que complô é
modernas este? Que vão pedir em troca de tanta gentileza?
História do Brasil ou história do Brasil Aguardo, meio apreensivo, meio feliz.
Arquitetura ou arquitetura Interrompo a crônica nesse ponto, saio para ir ao banco,
desço pelas escadas porque alguém segura o elevador lá em
Questões cima, o segurança do banco faz-me esvaziar os bolsos antes de
entrar na porta giratória, enfrento a fila do caixa, não aceitam
01. (MPE/SC - Promotor de Justiça - MPE/SC/2019) meus cheques para pagar contas em nome de minha mulher,
saio mal-humorado do banco, atravesso a avenida arriscando
Excerto 6 a vida entre bólidos3 , um caminhão joga-me água suja de uma
poça, o elevador continua preso lá em cima, subo a pé, entro no
“[...] O jurídico aparece sempre na forma de linguagem apartamento, sento-me ao computador e ponho-me de novo a
textual, mais precisamente, na maneira verbal escrita, o que sonhar com gentilezas.
outorga maior estabilidade às relações deônticas entre os
sujeitos das relações. Como tal, as Ciências da Linguagem, Vocabulário:
particularmente a Semiótica, desempenham papel decisivo 1 bairro Jardim Paulista, um dos mais requintados de São
para a investigação do objeto Direito. E, se pensarmos também Paulo
na afirmação de Flusser, segundo a qual a língua é constitutiva 2 funcionário que coordena agendamentos entre outras
da realidade, ficaremos autorizados a dizer que a linguagem coisas nos restaurantes
(língua) do Direito cria, forma e propaga a realidade jurídica. 3 carros muito velozes
[...]”
CARVALHO, Paulo Barros. O legislador como poeta: alguns apontamentos Em “nas ruas dos Jardins1" (4º§), a palavra em destaque
sobre a teoria flusseriana aplicados ao Direito. IN: PINTO, Rosalice; CABRAL, Ana
Lúcia Tinoco;
foi escrita com letra maiúscula por se tratar de:
RODRIGUES, Maria das Graças Soares (Orgs.). Linguagem e direito: (A) um erro de grafia.
perspectivas teóricas e práticas. São Paulo: Contexto, 2019. p. 25. [fragmento] (B) um destaque do autor
(C) um substantivo próprio.
As palavras Semiótica e Direito estão grafadas com letra (D) um substantivo coletivo.
inicial maiúscula, pois se referem a domínios do saber. De
acordo com a norma ortográfica vigente, também poderiam 03. (IF/PB - Assistente em Administração -
ser grafadas com letra inicial minúscula. IDECAN/2019)
Certo ( ) Errado ( )
ONG confirma segunda morte em conflitos na
02. (MGS – Todos os Cargos de Nível Fundamental Venezuela
Completo - IBFC/2017)
Segunda vítima é mulher que foi baleada na cabeça,
Estranhas Gentilezas informa o Observatório Venezuelano de Conflito Social
(Ivan Angelo) (OVCS). País enfrenta onda de protestos pró e contra Maduro.
Disponível em: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2019/05/02/ong-
Estão acontecendo coisas estranhas. Sabe-se que as relata-morte-de-mais-uma-pessoa-durante-protestos-na-venezuela.ghtml
pessoas nas grandes cidades não têm o hábito da gentileza.
Não é por ruindade, é falta de tempo. Gastam a paciência nos No texto, no que concerne à grafia, as iniciais maiúsculas
ônibus, no trânsito, nas filas, nos mercados, nas salas de em “Observatório Venezuelano de Conflito Social” são
espera, nos embates familiares, e depois economizam com a gramaticalmente
gente. (A) inadequadas, pois se trata de um substantivo comum,
Comigo dá-se o contrário, é o que estou notando de uns em razão de formação por sigla.
dias para cá. Tratam-me com inquietante delicadeza. Já (B) inadequadas, pois se trata de um adjetivo ligado à
captava aqui e ali sinais suspeitos, imprecisos, ventinho de Venezuela.
asas de borboleta, quase nada. A impressão de que há algo (C) inadequadas, pois, no gênero textual notícia, deve
estranho tomou meu corpo mesmo foi na semana passada. Um haver a ausência de iniciais maiúsculas.
vizinho que já fora meu amigo telefonou-me desfazendo o (D) adequadas, pois se trata de um substantivo próprio.
engano que nos afastava, intriga de pessoa que nem conheço e (E) adequadas, pois o gênero notícia exige este tipo de
que afinal resolvera esclarecer tudo. Difícil reconstruir a grafia para convencer ao leitor.
amizade, mas a inimizade morria ali.
Como disse, eu vinha desconfiando tenuemente de Gabarito
algumas amabilidades. O episódio do vizinho fez surgir em
meu espírito a hipótese de uma trama, que já mobilizava até 01. Certo / 02.C / 03. D
pessoas distantes. E as próximas?
Tenho reparado. As próximas telefonam amáveis, sem Palavras ou Expressões que geram dificuldades
motivo. Durante o telefonema fico aguardando o assunto que
estaria embrulhado nos enfeites da conversa, e ele não sai. Um Algumas palavras ou expressões costumam apresentar
número inesperado de pessoas me cumprimenta na rua, com dificuldades colocando em maus lençóis quem pretende falar
acenos de cabeça. Mulheres, antes esquivas, sorriem ou redigir português culto. Esta é uma oportunidade para você
transitáveis nas ruas dos Jardins1. Num restaurante caro, o aperfeiçoar seu desempenho. Preste atenção e tente
maître2, com uma piscadela, fura a demorada fila de incorporar tais palavras certas em situações apropriadas.
executivos à espera e me arruma rapidinho uma mesa para
dois. Um homem de pasta que parecia impaciente à minha A anos: Daqui a um ano iremos à Europa. (a indica tempo
frente me cede o último lugar no elevador. O jornaleiro larga futuro)
sua banca na avenida Sumaré e vem ao prédio avisar-me que o Há anos: Não o vejo há meses. (há indica tempo passado)
jornal chegou. Os vizinhos de cima silenciam depois das dez da Atenção: Há muito tempo já indica passado. Não há
noite. necessidade de usar atrás, isto é um pleonasmo.

Língua Portuguesa 76
APOSTILAS OPÇÃO

Acerca de: Falávamos acerca de uma solução melhor. (a (inocentar, absolver de crime)
respeito de) Discriminar: Era impossível discriminar os caracteres do
A cerca de: dessa forma, separado, tem o significado de documento. (diferençar, distinguir, separar)
“perto de”, “próximo de”, “aproximadamente”. (A mulher foi Descrição: A descrição sobre o jogador foi perfeita.
encontrada a cerca de 15 metros de sua casa.) (descrever)
Há cerca de: Há cerca de dias resolvemos este caso. (faz Discrição: Você foi muito discreto. (reservado)
tempo)
Entrega em domicílio: Fiz a entrega em domicílio. (lugar)
Ao encontro de: Sua atitude vai ao encontro da verdade. Entrega a domicílio: Enviou as compras a domicílio. (com
(estar a favor de) verbos de movimento)
De encontro a: Minhas opiniões vão de encontro às suas.
(oposição, choque) Espectador: Os espectadores se fartaram da apresentação.
(aquele que vê, assiste)
A fim de: Vou a fim de visitá-la. (finalidade) Expectador: O expectador aguardava o momento da
Afim: Somos almas afins. (igual, semelhante) chamada. (que espera alguma coisa)

Ao invés de: Ao invés de falar começou a chorar. (oposição, Estada: A estada dela aqui foi gratificante. (tempo em algum
ao contrário de) lugar)
Em vez de: Em vez de acompanhar-me, ficou só. (no lugar Estadia: A estadia do carro foi prolongada por mais
de) algumas semanas. (prazo concedido para carga e descarga)

A par: Estamos a par das boas notícias. (bem informado, Fosforescente: Este material é fosforescente. (que brilha
ciente) no escuro)
Ao par: O dólar e o euro estão ao par. (de igualdade ou Fluorescente: A luz branca do carro era fluorescente.
equivalência entre valores financeiros – câmbio) (determinado tipo de luminosidade)

Aprender: O menino aprendeu a lição. (tomar Haja: É preciso que não haja descuido. (verbo haver – 1ª
conhecimento de) pessoa singular do presente do subjuntivo)
Apreender: O fiscal apreendeu a carteirinha do menino. Aja: Aja com cuidado, Carlinhos. (verbo agir – 1ª pessoa
(prender) singular do presente do subjuntivo)

Baixar: os preços quando não há objeto direto; os preços Houve: Houve um grande incêndio no centro de São
funcionam como sujeito: Baixaram os preços (sujeito) nos Paulo. (verbo haver - 3ª pessoa do singular do pretérito
supermercados. Vamos comemorar, pessoal! perfeito)
Abaixar: os preços empregado com objeto direto: Os postos Ouve: A mãe disse: ninguém me ouve. (verbo ouvir - 3ª
(sujeito) de combustível abaixaram os preços (objeto direto) pessoa singular do presente do indicativo)
da gasolina.
Mal: Dormi mal. (oposto de bem)
Bebedor: Tornei-me um grande bebedor de vinho. (pessoa Mau: Você é um mau exemplo. (oposto de bom)
que bebe)
Bebedouro: Este bebedouro está funcionando bem. Mas: Telefonei-lhe mas ela não atendeu. (ideia contrária)
(aparelho que fornece água) Mais: Há mais flores perfumadas no campo. (opõe-se a
menos)
Bem-Vindo: Você é sempre bem-vindo aqui, jovem.
(adjetivo composto) Nem um: Nem um filho de Deus apareceu para ajudá-la.
Benvindo: Benvindo é meu colega de classe. (nome (equivale a nem um sequer)
próprio) Nenhum: Nenhum jornal divulgou o resultado do concurso.
(oposto de algum)
Câmara: Ficaram todos reunidos na Câmara Municipal.
(local de trabalho) Onde: Onde fica a farmácia mais próxima? (lugar em que se
Câmera: Comprei uma câmera japonesa. (aparelho que está)
fotografa) Aonde: Aonde vão com tanta pressa? (ideia de movimento)

Champanha/Champanhe (do francês): O Por ora: Por ora chega de trabalhar. (por este momento)
champanha/champanhe está bem gelado. Por hora: Você deve cobrar por hora. (cada sessenta
minutos)
Cessão: Foi confirmada a cessão do terreno. (ato de doar)
Sessão: A sessão do filme durou duas horas. (intervalo de Senão: Não fazia coisa nenhuma senão criticar. (caso
tempo) contrário)
Seção/Secção: Visitei hoje a seção de esportes. (repartição Se não: Se não houver homens honestos, o país não sairá
pública, departamento) desta situação crítica. (se por acaso não)

Demais: Vocês falam demais, caras! (advérbio de Tampouco: Não compareceu, tampouco apresentou
intensidade) qualquer justificativa. (Também não)
Demais: Chamaram mais dez candidatos, os demais devem Tão pouco: Encontramo-nos tão pouco esta semana.
aguardar. (equivale a “os outros”) (intensidade)
De mais: Não vejo nada de mais em sua decisão. (opõe-se a
“de menos”) Trás ou Atrás: O menino estava atrás da árvore. (lugar)
Traz: Ele traz consigo muita felicidade. (verbo trazer)
Descriminar: O réu foi descriminado; pra sorte dele.

Língua Portuguesa 77
APOSTILAS OPÇÃO

Vultoso: Fizemos um trabalho vultoso aqui. (volumoso) (C) SP: falta saúde, educação e o problema é a pichação.
Vultuoso: Sua face está vultuosa e deformada. (congestão (D) As perdas do semestre serão compensadas no próximo.
no rosto) (E) O país interviu em várias guerras.

Há menos de= Quando há a ideia de passado, tempo 03. (Prefeitura de Mauriti/CE - Procurador -
transcorrido. Pode ser substituído por "aproximadamente" ou CEV/URCA/2019) Dada sequência a seguir, marque a opção
"mais ou menos". Ou ainda "faz" (do verbo fazer). que não apresenta desvio na grafia das palavras:
Exemplo: Ele saiu de casa há menos de dois anos. (A) Transgressão; distorsão; consessão; expulsão;
Samuel terminou a obra da casa há menos de seis meses. contorção;
(B) Transgreção; distorção; concessão; expulção;
A Menos De27= Locução prepositiva. Indica tempo futuro ou contorsão;
distância aproximada. (C) Transgressão; distorção; conseção; expulsão;
Exemplo: Passou a menos de um metro do muro. contorção;
A menos de um mês estarei de férias. (D) Transgreção; distorsão; consessão; expulção;
contorsão;
Bastante ou Bastantes?28 (E) Transgressão; distorção; concessão; expulsão;
Está aí uma palavra-encrenca. O uso de “bastante” depende contorção.
muito de qual função ele está assumindo na frase, podendo ser
três: adjetivo, advérbio e pronome indefinido. Vejamos os três Gabarito
casos.
Como advérbio 01. A / 02. E / 03. E

O uso mais comum é usar “bastante” como advérbio, no Emprego do Porquê


sentido de “muito”. Nesse caso, a palavra está relacionada ao
verbo, então não sofre flexão e deve ficar sempre no singular. Orações Interrogativas Exemplo:
Veja exemplo: (pode ser substituído Por que devemos nos
por: por qual motivo, por preocupar com o meio
qual razão) ambiente?
– O frio é bastante intenso por aqui em julho. Por
– As questões formuladas estão bastante ruins. Que
Exemplo:
– Você já comeu bastante por hoje. Equivalendo a “pelo Os motivos por que não
qual” respondeu são
Como adjetivo desconhecidos.

Quando usado como adjetivo, “bastante” assume significado Exemplos:


de “suficiente”, devendo ser flexionado de acordo com o Você ainda tem coragem de
substantivo que o acompanha. Veja: Por Final de frases e seguidos
perguntar por quê?
Quê de pontuação
Você não vai? Por quê?
– Há motivos bastantes para o divórcio. Não sei por quê!
– Os salgados e as bebidas não serão bastantes para a festa.
– O álibi foi bastante para retirar as acusações. Exemplos:
A situação agravou-se porque
Conjunção que indica
ninguém reclamou.
Como pronome indefinido explicação ou causa
Ninguém mais o espera,
Porque porque ele sempre se atrasa.
Se “bastante” assume a função de pronome, ele deverá
expressar qualidades ou quantidades não especificadas. Essa Conjunção de Finalidade Exemplos:
função é menos usada na nossa língua. – equivale a “para que”, Não julgues porque não te
“a fim de que”. julguem.
– Bastantes empresas fecharam as portas este mês.
– Camila tem bastantes amigos na escola. Exemplos:
Função de substantivo –
– Encontrei bastantes produtos como os que você pediu Não é fácil encontrar o
vem acompanhado de
Porquê porquê de toda confusão.
artigo ou pronome
Dê-me um porquê de sua
Questão saída.

01. (Prefeitura de Resende/RJ - Agente Comunitário de


Saúde - CONSULPAM/2019) Marque abaixo o item onde 1. Por que (pergunta);
todas as palavras estão escritas de forma CORRETA: 2. Porque (resposta);
(A) Tragédia, empréstimo, arcabouço. 3. Por quê (fim de frase: motivo);
(B) Próximo, esfoço, estrupo. 4. O Porquê (substantivo).
(C) Cabide, retrospequitiva, análogo.
(D) Barcaça, palhero, aeroporto. Questões

02. (UTFPR - Engenheiro Civil - UTFPR/2019) Assinale 01. (IPREMM - Psicólogo Clínico e Organizacional -
a alternativa cujo texto apresenta erro ortográfico. VUNESP/2019)
(A) Paralisia do governo dos EUA já começa a afetar dia a Membro da equipe curatorial do Brooklyn Museum desde
dia de americanos. 1998, Edward Bleiberg é especialista em arqueologia e em arte
(B) Tomara que eles viajem juntos. egípcias. Ele é o autor de uma pesquisa que busca

27 https://luconcursos.blogspot.com/2016/03/ha-menos-de-ou-menos- 28 https://guiadoestudante.abril.com.br/blog/duvidas-
de.html portugues/bastante-ou-bastantes

Língua Portuguesa 78
APOSTILAS OPÇÃO

compreender por que as estátuas egípcias têm não só o nariz 04. (MPE/SC - Promotor de Justiça - MPE/SC/2019)
quebrado, mas outras partes do corpo, como as mãos. Considere as duas orações em (a) e (b) para responder a
Em entrevista, Bleiberg afirmou que partes quebradas não Questão.
são comuns apenas em se tratando de protuberâncias de (a) Você chegou atrasado e gostaria de saber o porquê.
estátuas, mas também em baixos-relevos, como entalhes em (b) Você chegou atrasado e gostaria de saber por que.
placas de pedra, por exemplo.
Isso indica que não se trata apenas de eventual acidente Na oração em (b), o uso de por que está errado, pois nesse
ou desgaste em razão do tempo, mas sugere que ele é contexto o correto seria por quê.
proposital. Certo ( ) Errado ( )
Os egípcios acreditavam que a essência de uma deidade ou
parte da alma de um ser humano morto podiam habitar 05. (Prefeitura de Porto de Moz/PA - Psicólogo -
estátuas que os representassem. FUNRIO/2019) Acerca do emprego do “por que", assinale a
Em tumbas e templos, estátuas e relevos em pedra tinham alternativa correta:
propósitos ritualísticos e eram um ponto de encontro entre o (A) Você sabe o porquê ele foi grosseiro comigo?
mundo sobrenatural e o mundo natural. (B) Sou uma pessoa muito feliz por que tenho minha
Na crença do Egito Antigo, estátuas em uma tumba tinham família por perto.
o propósito de alimentar a pessoa morta com a comida deixada (C) Você não foi ao baile. Porque?
como oferenda. (D) Por quê temos que agir dessa forma?
Segundo a explicação encontrada por Bleiberg, o (E) Porque você quer me irritar?
vandalismo tinha, portanto, o objetivo de “desativar a força da
imagem”. Gabarito
Quando um nariz era quebrado, a estátua não podia mais
respirar, o que impedia que ela recebesse oferendas ou as 01. E / 02. D / 03. C / 04. Certo / 05. A
retransmitisse para deuses ou poderosos mortos.
Normalmente, as oferendas eram transmitidas com a mão
esquerda. Por isso, muitas estátuas dedicadas à transmissão de
oferendas tinham os braços esquerdos depredados. Por outro Acentuação gráfica.
lado, estátuas que recebiam as oferendas tinham as mãos
direitas depredadas.
Posteriormente, durante o período cristão, entre os
ACENTUAÇÃO29
séculos 1 e 3 depois de Cristo, as estátuas eram vistas como
demônios pagãos e, também, acabavam atacadas.
(André Cabette Fábio. Por que tantas estátuas egípcias têm os narizes Tonicidade
quebrados. www.nexojornal.com.br, 06.04.2019. Adaptado)
Implica na intensidade com que são pronunciadas as
A exemplo do que acontece no primeiro parágrafo, a sílabas das palavras. Aquela que se dá de forma mais
expressão por que foi usada conforme a norma-padrão na acentuada, mais forte, conceitua-se como sílaba tônica. As
frase: demais, pronunciadas com menor intensidade, são
(A) Muitos que olham para as estátuas egípcias hoje não denominadas átonas.
entendem o por que de elas não terem nariz. De acordo com a tonicidade, as palavras são classificadas
(B) Por que muitas deidades tinham a função de transmitir como oxítona, paroxítona e proparoxítonas, independente de
oferendas com a mão esquerda, essa era a mão vandalizada. levar acento gráfico:
(C) Partes da estátua eram quebradas, por que assim a
força da imagem supostamente seria desativada. Oxítonas
(D) A explicação do por que de apenas algumas partes São aquelas cuja sílaba tônica recai sobre a última sílaba.
estarem danificadas não estava apenas no fator tempo. Ex.: café – escritor – cajá – atum – anel – papel
(E) Não se sabia por que certas partes em baixo-relevo das
estátuas também estavam danificadas. Paroxítonas
São aquelas em que a sílaba tônica se evidencia na
02. (Prefeitura de Porto Nacional/TO - Assistente penúltima sílaba. Ex.: útil – tórax – táxi – leque – retrato –
Administrativo - COPESE/2019) Assinale a alternativa que passível
preenche CORRETAMENTE a lacuna da oração: “______ o
jornalista não compareceu ao evento?”. Proparoxítonas
(A) Porquê São aquelas em que a sílaba tônica se evidencia na
(B) Por quê antepenúltima sílaba. Todas as proparoxítonas são
(C) Porque acentuadas. Ex.: lâmpada – câmara – tímpano – médico –
(D) Por que ônibus

03. (CONSED/GO - Engenheiro Civil - IDCAP/2019) Nota-se que, mediante todos os exemplos mencionados, os
Analise o trecho e assinale a alternativa que completa vocábulos apresentam mais de uma sílaba, contudo, na Língua
corretamente a lacuna: Portuguesa existem aqueles com somente uma sílaba,
“Certamente há um _________ para eles terem discutido.”. conhecidos como monossílabos, que, quando pronunciados,
(A) Porque. apresentam certa diferenciação quanto à intensidade.
(B) Por que. Tal diferenciação só é percebida quando são pronunciados
(C) Porquê. em uma dada sequência de palavras. Veja um exemplo:
(D) Por quê.
(E) Para que. “Sei que não vai dar em nada, seus segredos sei de cor.”

29 BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro : Nova


Fronteira, 2009.

Língua Portuguesa 79
APOSTILAS OPÇÃO

Os monossílabos em destaque classificam-se como Regras Especiais


tônicos; os demais, como átonos (que, em e de).
Os ditongos abertos “ei”, “oi”, que antes eram acentuados
Acentos Gráficos em palavras paroxítonas, perderam o acento após o Novo
Acordo Ortográfico.
Acento agudo (´)
Colocado sobre as letras “a”, “i”, “u”, “e” e sobre o “e” do Antes Agora
grupo “em”. Indica que estas letras representam as vogais assembléia assembleia
tônicas de palavras como Amapá, caí, público, parabéns. idéia ideia
jibóia jiboia
Acento circunflexo (^) apóia (verbo apoia
Colocado sobre as vogais fechadas “a”, “e” e “o” e sobre as apoiar)
vogais nasais que aparecem nos dígrafos “âm”, “ân”, “êm”, “ên’,
“ôm” e “ôn”. Indica, além da tonicidade, timbre fechado. Quando a segunda vogal do hiato for “i” ou “u” tônicos,
Ex.: tâmara – Atlântico – pêssego – supôs. acompanhados ou não de “s”, haverá acento. Ex.: saída – faísca
– baú – país – Luís.
Acento grave (`)
Indica a fusão da preposição “a” com artigos e pronomes. OBSERVAÇÃO IMPORTANTE
Ex.: à – às – àquelas – àqueles. Não serão mais acentuados “i” e “u” tônicos, formando
hiato quando vierem depois de ditongo.
Trema (¨) Ex.:
De acordo com o Novo Acordo Ortográfico, foi totalmente
abolido das palavras. Há uma exceção: ainda é utilizado em Antes Agora
palavras derivadas de nomes próprios estrangeiros. bocaiúva bocaiuva
Ex.: mülleriano (de Müller). feiúra feiura

Til (~) Não se acentuam o “i” e o “u” que formam hiato quando
Indica que as letras “a” e “o” representam vogais nasais. seguidos, na mesma sílaba, de l, m, n, r ou z: Ra-ul, ru-im, con-
Ex.: coração – melão – órgão – ímã. tri-bu-in-te, sa-ir, ju-iz.

Regras Fundamentais Não se acentuam as letras “i” e “u” dos hiatos se estiverem
seguidas do dígrafo nh: ra-i-nha, ven-to-i-nha.
Palavras oxítonas
Acentua-se todas as oxítonas terminadas em: “a(s)”, “e(s)”, Não se acentuam as letras “i” e “u” dos hiatos se vierem
“o(s)”, “em(ns)”, seguidas ou não do plural(s): Pará – café(s) – precedidas de vogal idêntica: xi-i-ta, pa-ra-cu-u-ba.
cipó(s) – armazém(s).
As oxítonas que terminam com os ditongos tônicos abertos Após o Novo Acordo Ortográfico, as seguintes duplas
““éis”, “éu”, “ói” recebem acento agudo: papéis, chapéu, Ilhéus. perderam o Acento Diferencial:
Nas palavras oxítonas, as vogais tônicas “i(s)” e “u(s)”
levam acento agudo quando estiverem depois de um ditongo: Antes Depois
tuiuiú, teiús. pára para
péla(s) pela(s)
Monossílabos tônicos pólo(s) polo(s)
Terminados em “a(s)”, “e(s)”, “o(s)”, seguidos ou não de “s”. pêlo(s) pelo(s)
Ex.: pá(s) – pé(s) – dó – há pêra pera

Formas verbais As formas verbais que possuíam o acento tônico na raiz,


Terminadas em “a”, “e”, “o” tônicos, seguidas de lo, la, los, com “u” tônico precedido de “g” ou “q” e seguido de “e” ou “i”
las. não serão mais acentuadas.
Ex.: respeitá-lo – percebê-lo – compô-lo. Ex.:

Paroxítonas Antes Agora


Acentuam-se as palavras paroxítonas terminadas em: apazigúe (apaziguar) apazigue
- i, is: táxi - lápis – júri. argúi (arguir) argui
- us, um, uns: vírus - álbuns – fórum.
- l, n, r, x, ps: automóvel - elétron - cadáver - tórax – O acento pertencente aos encontros “oo” e “ee” foi abolido.
fórceps. Ex.:
- ã, ãs, ão, ãos on, ons: ímã - ímãs - órfão - órgãos - próton
– prótons. Antes Agora
crêem creem
DICA vôo voo
Memorize a palavra LINURXÃO. Repare que essa palavra
apresenta as terminações das paroxítonas que são acentuadas: - Agora memorize a palavra CREDELEVÊ. São os verbos
L, I, N, U (aqui inclua UM), R, X, Ã, ÃO. Assim ficará mais fácil a que, no plural, dobram o “e”, mas que não recebem mais
memorização! acento como antes: CRER, DAR, LER e VER.

Ditongo oral Veja:


Nas palavras paroxítonas terminadas em ditongo oral, a 1) O menino crê em você
vogal da sílaba tônica é acentuada: ágeis, imundície, lírio, Os meninos creem em você.
túneis, jóquei, história. 2) Elza lê bem!

Língua Portuguesa 80
APOSTILAS OPÇÃO

Todas leem bem! 04. (Prefeitura de Cuiabá - MT - Oficial Administrativo


3) Espero que ele dê o recado à sala. - IBFC/2019) Assinale a alternativa em que as palavras estão
Esperamos que os dados deem efeito! acentuadas corretamente.
4) Rubens vê tudo! (A) Há pesquisas sobre robôs inocuos que instalarão
Eles veem tudo! telescópios na Lua para observar a galáxia.
(B) Naquela manhã, Pedro saiu taciturno para a sala
Fique atento com os verbos vir, ter, conter, obter, reter, recôndita após a conversa com o pérfido homem de chapéu.
deter, abster. (C) Aproximo-me suavemente do momento em que os
Acentua-se a terceira pessoa do plural: filósofos e os imbecis tem o mesmo destino.
Ele vem – Eles vêm. (D) A Secretaria de Segurança Pública intervem, sempre
Ele tem – Eles têm. que necessário, em favor da população.

Acentua-se a terceira pessoa do singular e do plural: 05. (Prefeitura de Resende - RJ - Agente Comunitário
Ele contém – Eles contêm. de Saúde - CONSULPAM/2019) Marque o item abaixo onde
Ele obtém – Eles obtêm. a palavra está acentuada de forma INCORRETA:
Ele retém – Eles retêm. (A) Pragmátismo.
Ele convém – Eles convêm. (B) Café.
Ele abstém – Eles abstêm. (C) Tráfego.
(D) Terapêutico.
Não se acentuam mais as palavras homógrafas que antes
eram acentuadas para diferenciá-las de outras semelhantes Gabarito
(regra do acento diferencial). Apenas em algumas exceções, 1. B / 2. D / 3. A / 4. B / 5. A
como:
Pôde (terceira pessoa do singular do pretérito perfeito do
indicativo). Emprego do sinal indicativo
Pode (terceira pessoa do singular do presente do
indicativo).
de crase
Ex.:
Ela pode fazer isso agora.
Elvis não pôde participar porque sua mãe não deixou. CRASE

30A crase da preposição “a” com o artigo feminino “a” (s),


O mesmo ocorreu com o verbo pôr para diferenciar da
preposição por. com o “a” inicial dos pronomes aquele(s), aquela (s), aquilo e
Ex.: com o “a” do relativo a qual (as quais) é de grande importância.
Faço isso por você. Para indicar a crase na escrita, utiliza-se o acento grave (`).
Posso pôr (colocar) meus livros aqui? Utilizar o acento grave de maneira correta, que é a fusão de
duas vogais, requer a compreensão da crase, assim como o
Questões domínio da regência dos nomes e dos verbos que exigem a
preposição “a”.
01. (COPEVE-UFAL - Assistente em Administração – Por isso, é importante lembrar que a crase consiste na
UFAL/2019) Assinale a opção que apresenta acentuação ocorrência simultânea de uma preposição e um artigo (ou
correta: pronome).
(A) Individualísmo, flores, categoría, funil Ex.:
(B) Ruína, âmago, numerário, indivíduo - Vou a + a igreja.
(C) Idéia, ultimato, area, relógio - Vou à igreja.
(D) Efeméride, interêsse, raiz, antítese
31Veja que o verbo ir requer a preposição “a” (ir a algum
(E) Língua, princêsa, burguês, saúde
lugar). Além disso, igreja é um substantivo feminino, que é
02. (Prefeitura do Rio de Janeiro - RJ - Professor precedido pelo artigo “a”.
Prefeitura de Rio de Janeiro - RJ/2019) A seguinte palavra Houve o encontro das duas vogais “a”. Quando isso ocorre,
é acentuada por se tratar de uma paroxítona: elas se unem e tal união deve ser indicada pelo acento grave, a
(A) máscaras crase.
(B) através Vejamos outro exemplo:
(C) câmeras - Conheço a aluna.
(D) fáceis - Refiro-me à aluna.

03. (Prefeitura de Várzea - PB - Auxiliar de Serviços O verbo conhecer não exige preposição, pois é transitivo
Gerais - EDUCA/2019) Tendo por base o novo acordo direto (conheço algo, alguém). Logo não há a ocorrência de
ortográfico, qual a SEQUÊNCIA que obedece a mesma regra crase, afinal não há o encontro de duas vogais “a”, temos
quanto à acentuação gráfica: apenas um artigo “a”, de a aluna.
(A) fácil, táxi, tênis, próton Já o verbo referir exige a preposição “a” (se referir a
(B) vatapá, avó, refén, máquina alguém, a algo). Logo há ocorrência de crase, pois temos a
(C) saída, café, pá, mês artigo “a” em a aluna.
(D) dádiva, sátira, parabéns, céu Quando o termo seguinte for feminino e admitir o artigo
(E) látex, éden, pé, mói (moer) feminino “a” (ou um dos pronomes citados acima), a crase
existe.

30 https://bit.ly/2N8KAJ7. 31 BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro:


Nova Fronteira, 2009.

Língua Portuguesa 81
APOSTILAS OPÇÃO

A Crase Não Ocorre à esquerda às turras às vezes à chave

Diante de substantivos masculinos à direita à procura à deriva à toa


- Andamos a cavalo.
- Fomos a pé. à luz à sombra de à frente de à proporção que

à semelhança de às ordens à beira de à vista


Diante de verbos no infinitivo
- A criança começou a falar.
- Ela não tem nada a dizer. Crase Diante de Nomes de Lugar

Obs.: como os verbos não admitem artigos, o “a” dos Certos nomes de lugar não admitem a anteposição do
exemplos acima é apenas preposição, por isso não há a artigo “a”. Outros, todavia, admitem o artigo de modo que
ocorrência crase. diante deles haverá crase, desde que o termo regente exija a
preposição “a”.
Diante da maioria dos pronomes e das expressões de É possível saber se um nome de lugar admite ou não a
tratamento, com exceção das formas senhora, senhorita e anteposição do artigo feminino “a”, basta substituir o termo
dona regente por um verbo que exija a preposição “de” ou “em”. O
- Diga a ela que não estarei em casa amanhã. fato da ocorrência da contração “da” ou “na” demonstra que
- Entreguei a todos os documentos necessários. esse nome de lugar aceita o artigo e, consequentemente,
- Ele fez referência a Vossa Excelência no discurso de haverá crase.
ontem. Ex.:
- Vou à França. (Vim da [de+a] França. Estou na [em+a]
Existe um método para verificar os casos em que a França.)
crase ocorre diante dos pronomes: Basta substituir a - Cheguei à Grécia. (Vim da Grécia. Estou na Grécia.)
palavra feminina por uma masculina. Se nessa nova - Retornarei à Itália. (Vim da Itália. Estou na Itália)
construção a forma “ao” surgir, então há a ocorrência de crase. - Vou a Porto Alegre. (Vim de Porto Alegre. Estou em Porto
Ex.: Alegre.)
- Refiro-me à mesma pessoa.
(Refiro-me ao mesmo indivíduo.) DICA
Utilize a regra “Vou a, volto da; crase há; vou a, volto de;
- Informei o ocorrido à senhora. crase pra quê?
(Informei o ocorrido ao senhor.) Ex.:
- Vou a Campinas. Volto de Campinas.
- Peça à própria Cláudia para sair mais cedo. - Vou à praia. Volto da praia.
(Peça ao próprio Cláudio para sair mais cedo.)
IMPORTANTE!
A crase também não ocorre diante de numerais Se houve a especificação do nome de lugar, então haverá
cardinais crase.
- Chegou a duzentos o número de feridos Ex.:
- Daqui a uma semana começa o campeonato. - Retornarei à São Paulo dos bandeirantes.

Casos Em Que a Crase SEMPRE Ocorre Crase Diante dos Pronomes Demonstrativos (Aquele
(s), Aquela (s), Aquilo)
Diante de palavras femininas
- Amanhã iremos à festa de aniversário de minha colega. A crase ocorrerá diante desses pronomes sempre que o
- Sempre vamos à praia no verão. termo regente exigir a preposição “a”.
- Ela disse à irmã o que havia escutado pelos corredores. Ex.:
- Refiro-me a (preposição) + aquele (pronome) atentado.
Diante da palavra “moda”, com o sentido de “à moda de” - Refiro-me àquele atentado.
(mesmo que a expressão “moda de” fique subentendida
- O jogador fez um gol à (moda de) Pelé. O termo regente do exemplo acima é o verbo transitivo
- Usava sapatos à (moda de) Luís XV. indireto referir (referir-se a algo ou alguém), que exige
- O menino resolveu vestir-se à (moda de) Bruce Wayne. preposição. Por isso ocorre a crase.

Na indicação de horas Veja outro exemplo:


Acordei às sete horas da manhã. - Aluguei aquela casa.
Elas chegaram às dez horas.
Foram dormir à meia-noite. O verbo alugar é transitivo direto (alugar algo) e não exige
preposição. Logo, a crase não ocorre.
Em locuções adverbiais, prepositivas e conjuntivas de
que participam palavras femininas. Crase Com os Pronomes Relativos (A Qual, As Quais)
Ex.:
Para que a crase ocorra com os pronomes relativos a qual
à tarde às ocultas às pressas à medida que e as quais, tudo dependerá do verbo. Caso o verbo que rege
esses pronomes exigir a preposição, então haverá crase.
à noite às claras às escondidas à força Em casos desse tipo, pode-se identificar a ocorrência da
crase ao substituir o termo regido feminino por um termo
à vontade à beça à larga à escuta regido masculino.
Ex.:
às avessas à revelia à exceção de à imitação de
- A igreja à qual me refiro fica no centro da cidade.

Língua Portuguesa 82
APOSTILAS OPÇÃO

- O monumento ao qual me refiro fica no centro da cidade Roberto.

Se a forma “ao” surgir com a substituição do termo, a crase Diante de pronome possessivo feminino
ocorrerá. É facultativo o uso da crase porque é facultativo o uso do
Ex.: artigo. Veja:
- São normas às quais todos os alunos devem obedecer. - Minha avó tem setenta anos; ou A minha avó tem setenta
- São termos aos quais todos os alunos devem obedecer. anos.
- Esta foi a conclusão à qual ele chegou. - Minha irmã está esperando por você; ou A minha irmã
- Este foi o lugar ao qual ele chegou. está esperando por você.

Crase com o Pronome Demonstrativo (a) Sendo facultativo o uso do artigo feminino diante de
A ocorrência da crase com o pronome demonstrativo “a” pronomes possessivos femininos, por isso podemos escrever
também pode ser detectada através da substituição do termo as frases abaixo das seguintes formas:
regente feminino por um termo regido masculino. Veja: - Cedi o lugar a minha avó; ou Cedi o lugar à minha avó.
- Minha revolta é ligada à do meu país. - Cedi o lugar a meu avô; ou Cedi o lugar ao meu avô.
- Meu luto é ligado ao do meu país.
- As orações são semelhantes às de antes. Depois da preposição “até”
- Os exemplos são semelhantes aos de antes. - Fui até a praia; ou Fui até à praia.
- Acompanhe-o até a porta; ou Acompanhe-o até à porta.
Crase Com a Palavra “Distância” - A palestra vai até as cinco horas da tarde; ou A palestra
vai até às cinco horas da tarde.
- Se a palavra distância aparecer especificada ou
determinada, a crase vai ocorrer. Questões
Ex.:
- Sua casa fica à distância de 100 Km daqui. (A palavra está 01. (Câmara de Piracicaba - SP - Jornalista -
determinada) VUNESP/2019) Assinale a alternativa que completa
- Todos devem ficar à distância de 50 metros do palco. (A corretamente a lacuna da frase a seguir, quanto ao emprego do
palavra está especificada) sinal indicativo da crase.
O que deve causar preocupação à _____________?
Quando a palavra distância não estiver especificada, a (A) todos
crase não ocorre. (B) você
Ex.: (C) pessoas
- Os militares ficaram a distância. (D) nós
- Gostava de fotografar a distância. (E) população
- Ensinou a distância.
02. (UNIRIO - Administrador - CESGRANRIO/2019) O
IMPORTANTE acento grave indicativo de crase é necessário e está
Para evitar ambiguidade e confusão, muitos gramáticos empregado de acordo com a norma-padrão em:
modernos, ao contrário dos clássicos, incentivam o uso da (A) É bom manter-nos à distância de dez passos.
crase mesmo em casos onde a palavra distância não está (B) O sol estava à pino e precisamos nos proteger do calor.
especificada. (C) A volta à Portugal, seu país natal, fez meu pai muito
- Gostava de fotografar à distância. feliz.
- Ensinou à distância. (D) Com muito esforço, os idosos acompanham às novas
- Dizem que aquele médico cura à distância. tecnologias.
(E) Sempre reconhecemos àqueles que são nossos
Contudo, a regra para uso de crase com a palavra distância verdadeiros amigos.
(estar ou não especificada) está valendo. Procure segui-la, já
que esta é a regra que vale para a Língua Portuguesa. 03. (Prefeitura de Campinas - SP - Professor -
VUNESP/2019) Quanto ao emprego do acento indicativo de
ATENÇÃO! crase, assinale a alternativa que apresenta frase em
Só há crase quando a expressão “à distância” exercer papel conformidade com a norma-padrão da língua portuguesa.
de locução conjuntiva. Se “distância” estiver no papel de (A) Crianças não estão acostumadas à ver os fatos
substantivo acompanhado do artigo definido feminino, científicos que estão no cotidiano delas.
nunca haverá crase. (B) Experiências científicas, infelizmente, estão limitadas
Ex.: às escolas que podem pagar por elas.
- A distância da minha casa até a sua é de 2 quilômetros. (C) Graças à um interesse maior pela ciência, tem sido
possível incentivar experimentos na escola.
Casos Em Que a Ocorrência da Crase É FACULTATIVA (D) Tem crescido o número de pais e filhos que visitam às
feiras de ciências nas grandes cidades.
Diante de nomes próprios femininos (E) De diretores de escola à professores, todos precisam se
É facultativo o uso da crase porque é facultativo o uso do envolver nas atividades escolares.
artigo. Veja:
- Paula é muito bonita; ou A Paula é muito bonita. 04. (IBGE - Recenseador - IBADE/2019) Assinale a
- Laura é minha amiga; ou A Laura é minha amiga. opção em que a o acento indicativo de crase foi corretamente
empregado, como em COM DIREITO À BECA E TUDO.
Como podemos ver, é facultativo o uso do artigo feminino (A) Eles vinham à pé para o trabalho.
diante de nomes próprios femininos, então podemos escrever (B) Vocês assistiram à que reunião?
as frases abaixo das seguintes formas: (C) Todos estavam dispostos à colaborar.
- Entreguei o cartão a Paula; ou Entreguei o cartão à Paula. (D) Entregamos o relatório diretamente à ela.
- Entreguei o cartão a Roberto; ou Entreguei o cartão ao (E) Era importante obediência às orientações.

Língua Portuguesa 83
APOSTILAS OPÇÃO

05. (IFAL - Assistente Social - COPEVE-UFAL/2019) Ponto Parágrafo


Assinale a opção que preenche corretamente as lacunas na
frase a seguir: Separa-se por ponto um grupo de período formado por
O Reitor dirigiu-se..... sala de eventos e pôs-se.....falar.... orações que se prendem pelo mesmo centro de interesse. Uma
todas as professoras. vez que o centro de interesse é trocado, é imposto o emprego
(A) à - à - a do ponto parágrafo se iniciando a escrever com a mesma
(B) a - à - à distância da margem com que o texto foi iniciado, mas em
(C) à - a - à outra linha.
(D) à - a - a O parágrafo é indicado por ( § ) na linguagem oficial dos
(E) a - a – a artigos de lei.

Gabarito Ponto de Interrogação


01. E / 02. A / 03. B / 04. E / 05. D
É um sinal (?) colocado no final da oração com entonação
interrogativa ou de incerteza, seja real ou fingida.
A interrogação conclusa aparece no final do enunciado e
Pontuação. requer que a palavra seguinte se inicie por maiúscula. Já a
interrogação interna (quase sempre fictícia), não requer que a
próxima palavra se inicia com maiúscula.
Ex.: — Você acha que a gramática da Língua Portuguesa é
PONTUAÇÃO complicada?
— Meu padrinho? É o Excelentíssimo Senhor coronel Paulo
Para a elaboração de um texto escrito, deve-se considerar Vaz Lobo Cesar de Andrade e Sousa Rodrigues de Matos.
o uso adequado dos sinais de pontuação como: pontos,
vírgula, ponto e vírgula, dois pontos, travessão, parênteses, Assim como outros sinais, o ponto de interrogação não
reticências, aspas, etc. requer que a oração termine por ponto final, a não ser que seja
Tais sinais têm papéis variados no texto escrito e, se interna.
utilizados corretamente, facilitam a compreensão e Ex.: “Esqueceu alguma cousa? perguntou Marcela de pé, no
entendimento do texto. patamar”.

A Importância da Pontuação Em diálogos, o ponto de interrogação pode aparecer


acompanhando do ponto de exclamação, indicando o estado de
32As palavras e orações são organizadas de maneira dúvida de um personagem perante diante de um fato.
sintática, semântica e também melódica e rítmica. Sem o ritmo Ex.: — “Esteve cá o homem da casa e disse que do próximo
e a melodia, os enunciados ficariam confusos e a função mês em diante são mais cinquenta...
comunicativa seria prejudicada. — ?!...”
O uso correto dos sinais de pontuação garante à escrita
uma solidariedade sintática e semântica. O uso inadequado Ponto de Exclamação
dos sinais de pontuação pode causar situações desastrosas,
como em: Este sinal (!) é colocado no final da oração enunciada com
- Não podem atirar! (entende-se que atirar está proibido) entonação exclamativa.
- Não, podem atirar! (entende-se que é permitido atirar) Ex.: “Que gentil que estava a espanhola!”
“Mas, na morte, que diferença! Que liberdade!”
Ponto
Este sinal é colocado após uma interjeição.
Este ponto simples final (.) encerra períodos que terminem Ex.: — Olé! exclamei.
por qualquer tipo de oração que não seja interrogativa direta, — Ah! brejeiro!
a exclamativa e as reticências.
Outra função do ponto é a da pausa oracional, ao As mesmas observações vistas no ponto de interrogação,
acompanhar muitas palavras abreviadas, como: p., 2.ª, entre em relação ao emprego do ponto final e ao uso de maiúscula
outros. ou minúscula inicial da palavra seguinte, são aplicadas ao
Se o período, oração ou frase terminar com uma ponto de exclamação.
abreviatura, o ponto final não é colocado após o ponto
abreviativo, já que este, quando coincide com aquele, Reticências
apresenta dupla serventia.
Ex.: “O ponto abreviativo põe-se depois das palavras As reticências (...) demonstram interrupção ou
indicadas abreviadamente por suas iniciais ou por algumas incompletude de um pensamento.
das letras com que se representam, v.g. ; V. S.ª ; Il.mo ; Ex.a ; etc.” Ex.: — “Ao proferir estas palavras havia um tremor de
(Dr. Ernesto Carneiro Ribeiro) alegria na voz de Marcela: e no rosto como que se lhe espraiou
O ponto, com frequência, se aproxima das funções do ponto uma onda de ventura...”
e vírgula e do travessão, que às vezes surgem em seu lugar. — “Não imagina o que ela é lá em casa: fala na senhora a
todos os instantes, e aqui aparece uma pamonha. Ainda
Obs.: Estilisticamente, pode-se usar o ponto para, em ontem...
períodos curtos, empregar dinamicidade, velocidade à leitura
do texto: “Era um garoto pobre. Mas tinha vontade de crescer Quando colocadas no fim do enunciado, as reticências
na vida. Estudou. Subiu. Foi subindo mais. Hoje é juiz do dispensam o ponto final, como você pode observar nos
Supremo.”. É muito utilizado em narrações em geral. exemplos acima.

32 BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37ª ed. Rio de Janeiro: Nova

Fronteira, 2009.

Língua Portuguesa 84
APOSTILAS OPÇÃO

As reticências, quando indicarem uma enumeração IMPORTANTE!


inconclusa, podem ser substituídas por etc. Mesmo separando por vírgula o sujeito expandido pela
Ao transcrever um diálogo, elas indicam uma não resposta oração adjetiva, esta pontuação pode acontecer.
do interlocutor. Já em citações, elas podem ser postas no início, Ex.: Os que falam em matérias que não entendem, parecem
no meio ou no fim, indicando supressão do texto transcrito, em fazer gala da sua própria ignorância.
cada uma dessas partes.
Quando ocorre a supressão de um trecho de certa - Para separar orações intercaladas.
extensão, geralmente utiliza-se uma linha pontilhada. Ex.: “Não lhe posso dizer com certeza, respondi eu”
As reticências podem aparecer após um ponto de
exclamação ou interrogação. - Para separar, geralmente, adjuntos adverbiais que
precedem o verbo e as orações adverbiais que aparecem antes
Vírgula ou no meio da sua principal.
Ex.: “Eu mesmo, até então, tinha-vos em má conta...”
A vírgula (,) é utilizada:
- Para separar termos coordenados, mesmo quando - Para separar o nome do lugar em datas.
ligados por conjunção (caso haja pausa). Ex.: São Paulo, 14 de janeiro de 2020.
Ex.: “Sim, eu era esse garção bonito, airoso, abastado”.
- Para separar os partículas e expressões de correção,
IMPORTANTE! continuação, explicação, concessão e conclusão.
Quando há uma série de sujeitos seguidos imediatamente Ex.: “e, não obstante, havia certa lógica, certa dedução”
de verbo, não se separa do verbo (por vírgula) o ultimo sujeito Sairá amanhã, aliás, depois de amanhã.
da série .
Ex.: Carlos Gomes, Vítor Meireles, Pedro Américo, José de - Para separar advérbios e conjunções adversativos
Alencar tinham-nas começado. (porém, todavia, contudo, entretanto), principalmente quando
pospostos.
- Para separar orações coordenadas aditivas, mesmo que Ex.: “A proposta, porém, desdizia tanto das minhas
estas se iniciem pela conjunção e, proferidas com pausa. sensações últimas...”
Ex.: “Gostava muito das nossas antigas dobras de ouro, e
eu levava-lhe quanta podia obter”. - Algumas vezes, para indicar a elipse do verbo.
Ex.: Ele sai agora: eu, logo mais. (omitiu o verbo “sairei”
- Para separar orações coordenadas alternativas (ou, quer, após “eu”; elipse do verbo sair)
etc.), quando forem proferidas com pausa.
Ex.: Ele sairá daqui logo, ou eu me desligarei do grupo. - Omissão por zeugma.
Ex.: Na classe, alguns alunos são interessados; outros,
IMPORTANTE! (são) relapsos. (Supressão do verbo “são” antes do vocábulo
Quando ou exprimir retificação, esta mesma regra vigora. “relapsos”)
Ex.: Teve duas fases a nossa paixão, ou ligação, ou qualquer
outro nome, que eu de nome não curo. - Para indicar a interrupção de um seguimento natural das
Caso denote equivalência, o ou posto entre os dois termos ideias e se intercala um juízo de valor ou uma reflexão
não é separado por vírgula. subsidiária.
Ex.: Solteiro ou solitário se prende ao mesmo termo latino.
- Para evitar e desfazer alguma interpretação errônea que
- Em aposições, a não ser no especificativo. pode ocorrer quando os termos estão distribuídos de forma
Ex.: “ora enfim de uma casa que ele meditava construir, irregular na oração, a expressão deslocada é separada por
para residência própria, casa de feitio moderno...” vírgula.
Ex.: De todas as revoluções, para o homem, a morte é a
- Para separar os pleonasmos e as repetições, quando não maior e a derradeira.
tiverem efeito superlativamente.
Ex.: “Nunca, nunca, meu amor!” - Em enumerações
A casa é linda, linda. sem gradação: Coleciono livros, revistas, jornais, discos.
com gradação: Não compreendo o ciúme, a saudade, a dor
- Para intercalar ou separar vocativos e apostos. da despedida.
Ex.: Brasileiros, é chegada a hora de buscar o
entendimento. Não se separa por vírgula:
É aqui, nesta querida escola, que nos encontramos. - sujeito de predicado;
- objeto de verbo;
- Para separar orações adjetivas de valor explicativo. - adjunto adnominal de nome;
Ex.: “perguntava a mim mesmo por que não seria melhor - complemento nominal de nome;
deputado e melhor marquês do que o lobo Neves, — eu, que - oração principal da subordinada substantiva (desde que
valia mais, muito mais do que ele, — ...” esta não seja apositiva nem apareça na ordem inversa).

- Para separar, na maioria das vezes, orações adjetivas Dois Pontos


restritiva de certa extensão, ainda mais quando os verbos de
duas orações distintas se juntam. São utilizados:
Ex.: “No meio da confusão que produzira por toda a parte - Na enumeração, explicação, notícia subsidiária.
este acontecimento inesperado e cujo motivo e circunstâncias Ex.: Comprou dois presentes: um livro e uma caneta.
inteiramente se ignoravam, ninguém reparou nos dois “que (Viegas) padecia de um reumatismo teimoso, de uma
cavaleiros...” asma não menos teimosa e de uma lesão de coração: era um
hospital concentrado”

Língua Portuguesa 85
APOSTILAS OPÇÃO

“Queremos governos perfeitos com homens imperfeitos: Ex.: “Duas, três vezes por semana, havia de lhe deixar na
disparate” algibeira das calças — umas largas calças de enfiar —, ou na
gaveta da mesa, ou ao pé do tinteiro, uma barata morta”
- Em expressões que se seguem aos verbos dizer, retrucar,
responder (e semelhantes) e que dão fim à declaração textual, IMPORTANTE!
ou que assim julgamos, de outrem. Como é possível observar no exemplo, pode haver vírgula
Ex.: “Não me quis dizer o que era: mas, como eu instasse após o travessão.
muito:
— Creio que o Damião desconfia alguma coisa” O travessão pode, também, denotar uma pausa mais forte.
Ex.: “... e se estabelece uma cousa que poderemos chamar
- Em alguns casos, onde a intenção é caracterizar —, solidariedade do aborrecimento humano”
textualmente o discurso do interlocutor, a transcrição aparece
acompanhada de aspas, e poucas vezes de travessão. Além disso, ainda pode indicar a mudança de interlocutor,
Ex.: “Ao cabo de alguns anos de peregrinação, atendi às na transcrição de um diálogo, com ou sem aspas.
suplicas de meu pai: Ex.: — Ah! respirou Lobo Neves, sentando-se
— Vem, dizia ele na última carta; se não vieres depressa preguiçosamente no sofá.
acharás tua mãe morta!” — Cansado? perguntei eu.
— Muito; aturei duas maçadas de primeira ordem (...)
Em expressões que, ao serem enunciadas com entonação
especial, o contexto acaba sugerindo causa, consequência ou Neste caso, pode, ou não, combinar-se com as aspas.
explicação.
Ex.: “Explico-me: o diploma era uma carta de alforria” Parênteses e Colchetes

- Em expressões que possuam uma quebra na sequência Estes sinais ( ) [ ] apontam a existência de um isolamento
das ideias. sintático e semântico mais completo dentro de um enunciado,
Ex.: Sacudiu o vestido, ainda molhado, e caminhou. assim como estabelecem uma intimidade maior entre o autor
“Não! bradei eu; não hás de entrar... não quero... Ia a lançar- e seu leitor. Geralmente, o uso do parêntese é marcado por
lhe as mãos: era tarde; ela entrara e fechara-se” uma entonação especial.
Se a pausa coincidir com o início da construção parentética,
Ponto e Vírgula o sinal de pontuação deve aparecer após os parênteses,
contudo, se a proposição ou frase inteira for encerrada pelos
Sinal (;) que denota pausa mais forte que a vírgula, porém parênteses, a notação deve aparecer dentro deles.
mais fraca que o ponto. É utilizado: Ex.: “Não, filhos meus (deixai-me experimentar, uma vez
que seja, convosco, este suavíssimo nome); não: o coração não
- Em trechos longos que já possuam vírgulas, indicando é tão frívolo, tão exterior, tão carnal, quanto se cuida”
uma pausa mais forte. “A imprensa (quem o contesta?) é o mais poderoso meio
Ex.: “Enfim, cheguei-me a Virgília, que estava sentada, e que se tem inventado para a divulgação do pensamento”.
travei-lhe da mão; D. Plácida foi à janela” (Carta inserta nos Anais da Biblioteca Nacional, vol. I) [Carlos
de Laet]
- Para separar as adversativas onde se deseja ressaltar o
contraste. - Isolar datas.
Ex.: “Não se disse mais nada; mas de noite Lobo Neves Ex.: Refiro-me aos soldados da Primeira Guerra Mundial
insistiu no projeto” (1914-1918).

- Em leis, separando os incisos. - Isolar siglas.


Ex.: A taxa de desemprego subiu para 5,3% da população
- Enumeração com explicitação. economicamente ativa (PEA)...
Ex.: Comprei alguns livros: de matemática, para estudar
para o concurso; um romance, para me distrair nas horas - Isolar explicações ou retificações.
vagas; e um dicionário, para enriquecer meu vocabulário. Ex.: Eu expliquei uma vez (ou duas vezes) o motivo de
minha preocupação.
- Enumeração com ponto e vírgula, mas sem vírgula, para
marcar distribuição. Os parênteses e os colchetes estão ligados pela sua função
Ex.: Comprei os produtos no supermercado: farinha para discursiva, mas estes são utilizados quando os parênteses já
um bolo; tomates para o molho; e pão para o café da manhã. foram empregados, com o objetivo de introduzir uma nova
inserção.
Travessão São utilizados, também, com a finalidade de preencher
lacunas de textos ou para introduzir, em citações
É importante não confundir o travessão (—) com o traço principalmente, explicações ou adendos que deixam a
de união ou hífen e com o traço de divisão empregado na compreensão do texto mais simples.
partição de sílabas.
O uso do travessão pode substituir vírgulas, parênteses, As