Você está na página 1de 22

HigieneTítulo

Inserir do Trabalho:
Aqui
Inserir Físicos
Riscos Título Aqui
e Biológicos
Riscos Físicos – Frio, Umidade e Iluminação

Responsável pelo Conteúdo:


Prof.ª Me. Fernanda Anraki Vieira

Revisão Textual:
Prof.ª Dr.ª Luciene Oliveira da Costa Granadeiro
Riscos Físicos – Frio,
Umidade e Iluminação

Fonte: Getty Images


Nesta unidade, trabalharemos os seguintes tópicos:
• Frio;
• Umidade;
• Iluminação.

Objetivos
• Fornecer o conteúdo teórico básico para entendimento dos agentes físicos frio, umidade
e iluminação;
• Relacionar as exigências normativas;
• Capacitar o aluno para realizar o monitoramento dos agentes físicos frio, umidade
e iluminação;
• Demonstrar medidas de controle para os agentes físicos frio, umidade e iluminação.

Caro Aluno(a)!

Normalmente, com a correria do dia a dia, não nos organizamos e deixamos para o úl-
timo momento o acesso ao estudo, o que implicará o não aprofundamento no material
trabalhado ou, ainda, a perda dos prazos para o lançamento das atividades solicitadas.

Assim, organize seus estudos de maneira que entrem na sua rotina. Por exemplo, você
poderá escolher um dia ao longo da semana ou um determinado horário todos ou alguns
dias e determinar como o seu “momento do estudo”.

No material de cada Unidade, há videoaulas e leituras indicadas, assim como sugestões


de materiais complementares, elementos didáticos que ampliarão sua interpretação e
auxiliarão o pleno entendimento dos temas abordados.

Após o contato com o conteúdo proposto, participe dos debates mediados em fóruns de
discussão, pois estes ajudarão a verificar o quanto você absorveu do conteúdo, além de
propiciar o contato com seus colegas e tutores, o que se apresenta como rico espaço de
troca de ideias e aprendizagem.

Bons Estudos!
UNIDADE
Riscos Físicos – Frio, Umidade e Iluminação

Contextualização
Frio e umidade são agentes físicos comumente encontrados nos ambientes de traba-
lho. A exposição ocupacional pode ser inerente às atividades desenvolvidas, por exemplo,
no caso do frio, o trabalho em câmaras resfriadas, ou no caso da umidade, a realização
de atividades de lavação. Ou a exposição ocupacional pode ser resultante dos trabalhos
realizados às condições ambientes de temperatura e umidade (ex.: frio e chuva).

Independentemente da origem da exposição, a mesma deve ser controlada para não


somente evitar danos à saúde dos trabalhadores, quanto para minimizar a possibilidade
de ocorrência de acidentes de trabalho, visto que a exposição aos agentes frio e umidade
pode contribuir significativamente para o fato.

O agente iluminação foi tratado como agente físico até o ano de 1990, quando sua
regulamentação deixou de ser a NR-15 e passou a ser a NR-17. Desde então, o mesmo
recebe a abordagem da ergonomia.

Ambientes com iluminação inadequada podem influenciar o estado psíquico e com-


portamental do indivíduo. A iluminação interfere diretamente na agilidade e no desem-
penho do trabalhador, influenciando funções regionais do cérebro. Logo, também deve
ser devidamente controlada no intuito de manter a integridade da saúde física e psicoló-
gica do funcionário, contribuindo para a redução de acidentes de trabalho.

6
Frio
Segundo o artigo 253 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), parágrafo único:
Considera-se artificialmente frio, para os fins do presente artigo, o que
for inferior, nas primeira, segunda e terceira zonas climáticas do mapa
oficial do Ministério do Trabalho, Industria e Comercio, a 15º (quinze
graus), na quarta zona a 12º (doze graus), e nas quinta, sexta e sétima
zonas a 10º (dez graus). (BRASIL, 2014)

A Portaria SSST nº 21, de 26 de dezembro de 1994, definiu o mapa oficial do


Ministério do Trabalho, para atender o disposto no artigo 253 da CLT. Em seu artigo
1º, definiu que este mapa seria o “Brasil Climas”, do Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística (IBGE), publicado em 1978. Este mapa (Figura 1) define as zonas climáticas
brasileiras de acordo com a temperatura média anual, a média anual de meses secos e
o tipo de vegetação natural.

Figura 1 – Mapa Brasil Climas


Fonte: IBGE, 1978

Efeitos ao organismo da exposição ao frio


A temperatura interna do corpo é determinada pela relação entre o calor produzido
internamente e o calor ganho ou perdido para o ambiente externo. Quando colocado
em um ambiente frio, o organismo reage no intuito de manter a temperatura central
do corpo constante. A exposição do trabalhador ao frio pode desencadear complica-
ções em sua saúde, vez que o frio causa alterações fisiológicas, tais como hipotermia,
frostbite, artrites, doenças respiratórias, entre outras. Além das alterações fisiológicas,
o frio pode dificultar a concentração e provocar distrações devido à sensação de des-
conforto, aumentando, dessa forma, o risco de acidentes (SUSIN, 2015). A Tabela 1
apresenta sintomas clínicos relacionados à hipotermia.

7
7
UNIDADE
Riscos Físicos – Frio, Umidade e Iluminação

Tabela 1 – Sintomas clínicos progressivos de hipotermia


Temperatura Interna
°C °F Sintomas Clínicos
37.6 99.6 Temperatura retal normal
37 98.6 Temperatura oral normal
36 96.8 Taxa metabólica aumenta para compensar as perdas por calor
35 95 Calafrio máximo
34 93.2 Vítima consciente e com resposta, com pressão arterial normal
33 91.4 Hipotermia severa abaixo desta temperatura
32 89.6 Consciência diminuída; dificuldade de tomar a pressão sanguínea;
31 87.8 dilatação da pupila, mas ainda regaindo à luz; Cessa o calafrio
30 86.0 Perda progressiva da consciência; aumento da rigidez muscular, pulso e
29 84.2 pressão arterial difíceis de determinar; redução da frequência respiratória
28 82.4 Possível fribilação ventricular, com irritabilidade miocárdica
Parada do movimento voluntário; as pupilas não reagem à luz; ausência de
27 80.6
reflexos profundos e superficiais
26 78.8 Vítima raramente consciente
25 77 Fibrilação ventricular pode ocorrer espontaneamente
24 75.2 Edema pulmonar
22 71.6 Risco máximo de fibrilação ventricular
21 69.8
20 68 Parada cardíaca
18 64.4 Vítima de hipotermia acidental mais baixa de recuperar
17 62.6 Eletroencefalograma isoelétrico
9 48.2 Vítima de hipotermia por resfriamento artificial mais baixa de recuperar
Fonte: SUSIN (2015) apud ACGIH, ABHO (1999)

Saiba mais sobre a exposição ocupacional ao frio em: http://bit.ly/2wrHGGR

Anexo 9 da NR-15
O Anexo 9 da Norma Regulamentadora 15 (NR-15) estabelece os critérios de expo-
sição ocupacional ao frio. O mesmo diz:
As atividades ou operações executadas no interior de câmaras frigo-
ríficas, ou em locais que apresentem condições similares, que expo-
nham os trabalhadores ao frio, sem a proteção adequada, serão con-
sideradas insalubres em decorrência de laudo de inspeção realizada no
local de trabalho. (BRASIL, 2014)

Avaliação de frio
A NR-15 não estabelece limites de tolerância para a exposição ao frio, no entanto, tal
omissão não leva ao entendimento de que o trabalho em condições de baixa temperatu-
ra, independentemente de outras avaliações, é caracterizado como atividade insalubre.

8
No que diz respeito ao tempo de exposição, o artigo 253 da CLT diz:
Para os empregados que trabalham no interior das câmaras frigorífi-
cas e para os que movimentam mercadorias do ambiente quente ou
normal para o frio e vice-versa, depois de 1 (uma) hora e 40 (quarenta)
minutos de trabalho contínuo, será assegurado um período de 20 (vin-
te) minutos de repouso, computado esse intervalo como de trabalho
efetivo. (BRASIL, 2014)

Já a NR-29, que trata da Segurança e Saúde no Trabalho Portuário, apresenta jorna-


das de trabalho para determinadas temperaturas (Tabela 2).

Tabela 2 – Regime de trabalho diário em baixas temperaturas


Faixa de Temperatura Máxima Exposição Diária Permissível para Pessoas
de Bulbo Seco (°C) Adequadamente Vestidas para Exposição ao Frio
+15,0 a -17,9 * Tempo total de trabalho no ambiente frio de 6 horas e 40 minutos, sendo
+12,0 a -17,9 ** quatro períodos de 1 hora e 40 minutos alternados com 20 minutos de repouso
+10,0 a -17,9 *** e recuperação térmica fora do ambiente de trabalho.
Tempo total de trabalho no ambiente frio de 4 horas alternando-se 1 hora de
-18,0 a –33,9
trabalho com 1 hora para recuperação térmica fora do ambiente frio.
Tempo total de trabalho no ambiente frio de 1 hora, sendo dois períodos de 30
-34,0 a –56,9 minutos com separação mínima de 4 horas para recuperação térmica fora do
ambiente frio.
Tempo total de trabalho no ambiente frio de 5 minutos sendo o restante da
-57,0 a –73,0
jornada cumprida obrigatoriamente fora de ambiente frio.
Abaixo de -73,0 Não é permitido a exposição ao ambiente frio, seja qual for a vestimenta utilizada.
(*) faixa de temperatura válida para trabalhos em zona climática quente, de acordo com o mapa oficial do IBGE.
(**) faixa de temperatura válida para trabalhos em zona climática subquente, de acordo com o mapa oficial do IBGE.
(***) faixa de temperatura válida para trabalhos em zona climática mesotérmica, de acordo com o mapa oficial do IBGE.
Fonte: Adaptação da NR-29 (BRASIL, 2014)

Ainda, a NR-36, que trata da Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate


e Processamento de Carnes e Derivados, diz:

36.9.5.1 Devem ser adotadas medidas preventivas individuais e cole-


tivas - técnicas, organizacionais e administrativas, em razão da expo-
sição em ambientes artificialmente refrigerados e ao calor excessivo,
para propiciar conforto térmico aos trabalhadores.

36.9.5.1.1 As medidas de prevenção devem envolver, no mínimo:

a) controle da temperatura, da velocidade do ar e da umidade;

b) manutenção constante dos equipamentos;

c) acesso fácil e irrestrito a água fresca;

d) uso de EPI e vestimenta de trabalho compatível com a temperatura


do local e da atividade desenvolvida;

e) outras medidas de proteção visando o conforto térmico. (BRASIL, 2014)

9
9
UNIDADE
Riscos Físicos – Frio, Umidade e Iluminação

Medidas de controle para exposição ao frio


Medidas de controle coletivas da exposição ao frio, quando aplicáveis, incluem a redução
da velocidade e o aumento da temperatura do ar. Outras medidas compreendem a limitação
do tempo de exposição, incluindo a adoção dos períodos de recuperação térmica, controle
médico, treinamento e uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) (SALIBA, 2018).

Com relação aos EPI, os equipamentos devem garantir a estabilidade térmica do tra-
balhador, possibilitando a realização do trabalho sem interferir nas habilidades motoras
e assim evitando possíveis acidentes (SUSIN, 2015). Ainda, a NR-6 indica os seguintes
equipamentos contra riscos de origem térmica (Figura 2):
• capuz para proteção do crânio e pescoço;
• macacão para proteção do corpo inteiro;
• vestimentas para proteção do tronco;
• calça e perneira para proteção dos membros inferiores;
• meia e sapato para proteção dos pés;
• luvas para proteção das mãos (BRASIL, 2014).

Figura 2 – EPI contra frio

Os EPI comercializados no Brasil, até a publicação da Portaria SIT nº 121/2009,


não apresentavam uma especificação de isolamento confiável, pois não havia recomen-
dações para as análises técnicas para a liberação do CA (Certificado de Aprovação).
Porém, nos últimos anos, após a publicação da referida portaria, houve uma melhora
significativa na fabricação de vestimentas para proteção ao frio, sendo possível obter
informações acerca dos materiais utilizados, isolamento mínimo, ergonomia, ensaios e

10
requisitos obrigatórios para cada tipo de EPI térmico de proteção ao agente estressante
(SUSIN, 2015). Diz a Portaria SIT nº 121/2009:
a) os EPIs devem ser concebidos e fabricados de forma a propiciar
dentro das condições normais das atividades o nível mais alto possível
de proteção;

b) a concepção dos EPIs deve levar em consideração o conforto e a fa-


cilidade de uso por diferentes grupos de trabalhadores, em diferentes
tipos de atividades e de condições ambientais;

c) os EPIs devem ser concebidos de maneira a propiciar o menor nível


de desconforto possível;

d) o EPI deve ser concebido de forma a não acarretar riscos adicionais


ao usuário e não reduzir ou eliminar sentidos importantes para reco-
nhecer e avaliar os riscos das atividades;

e) todas as partes do EPI em contato com o usuário devem ser des-


providas de asperezas, saliências ou outras características capazes de
provocar irritação ou ferimentos;

f) os EPIs devem adaptar-se à variabilidade de morfologias do usuário


quanto a dimensões e regulagens, ser de fácil colocação e permitir
uma completa liberdade de movimentos, sem comprometimento de
gestos, posturas ou destreza;

g) os EPIs devem ser tão leves quanto possível, sem prejuízo de sua
eficiência, e resistentes às condições ambientais previsíveis;

h) EPIs que se destinam a proteger simultaneamente contra vários


riscos devem ser concebidos e fabricados de modo a satisfazerem as
exigências específicas de cada um desses riscos e de possíveis siner-
gias entre eles;

i) os materiais utilizados na fabricação não devem apresentar efeitos


nocivos à saúde. (BRASIL, 2009)

Um meio de se avaliar se os EPI são adequados à exposição ocupacional é através do


Índice de Isolamento Requerido pela Roupa (IREQ), estabelecido na Norma ISO 11079.
O IREQ é um balanço térmico (Equação 1) que relaciona:
• calor metabólico gerado pelo organismo (M);
• trabalho muscular realizado, ou eficiência mecânica (W);
• transferência de calor por evaporação da respiração (ERES);
• transferência de calor por convecção da respiração (Cr);
• transferência de calor por evaporação do suor (E);
• transferência de calor por radiação (R);
• transferência de calor por condução (K);
• transferência de calor por convecção (C);
• armazenamento de calor do corpo (S) (SUSIN, 2015).

M  W  ERES  CRES  E  K  R  C  S W / m 2  (Eq. 1)

11
11
UNIDADE
Riscos Físicos – Frio, Umidade e Iluminação

O cálculo do IREQ é extenso e passível de solução apenas através de iterações nu-


méricas, sendo necessário utilizar software capaz de computar os resultados (SUSIN,
2015). A Figura 3 apresenta o procedimento de avaliação de ambientes frios em confor-
midade com a ISO 11079:

Ambiente Frio
Medir:
Temperatura do ar
Temperatura radiante
Umidade relativa
Velocidade do ar

Medir ou estimar:
Isolamento térmico do EPI
Metabolismo de acada atividade

Calcular IREQ,
comparar com lcl, e
calcular DLE

Icl,r < IREQmin IREQmin < Icl,r < IREQneutro Icl,r > IREQneutro
EPI com isolamento EPI fornece o isolamento EPI fornece o isolamento necessário
insuficiente necessário com risco superaquecido

Figura 3 – Procedimento de avaliação de ambientes frios


Fonte: Adaptado da ISO 11079, 2007

O cálculo do IREQ apresenta como resultados os valores IREQmin e IREQneutro. Esses


valores avaliam a disfunção fisiológica e determinam uma faixa de valores de isolamen-
tos permissíveis que o EPI deve fornecer, em termos da temperatura e umidade média
da pele e a mudança no conteúdo de calor do corpo (SUSIN, 2015):
I. Icl,r < IREQmin: a roupa selecionada não fornece o isolamento
térmico mínimo necessário. Há sério risco de hipotermia com a ex-
posição continua.

II. IREQmin < Icl,r < IREQneutro: a vestimenta selecionada fornece


suficiente isolamento térmico. As condições térmicas das pessoas são
percebidas como “levemente frio” ou neutro.

III. Icl,r > IREQneutro: a vestimenta selecionada fornece mais isolamento


térmico que o necessário. Há risco de superaquecimento. (SUSIN, 2015)

Saiba mais sobre o cálculo do IREQ em: http://bit.ly/2wzAckR

Saiba mais sobre a segurança do trabalho em câmaras frias: https://youtu.be/6-VTRUCljyg

12
Umidade
O trabalho em contato com a umidade é caracterizado como aquele que envolve a
imersão frequente das mãos em água, a lavagem frequente ou intensa das mãos ou o
uso frequente de luvas impermeáveis (ZANI; LAZZARINI; SILVA-JUNIOR, 2017). Con-
templa também a exposição de outras partes do corpo, geralmente em atividades que
envolvem grandes volumes de água.

Efeitos ao organismo da exposição à umidade


O contato prolongado com a água pode causar diferentes dermatoses – alterações
de mucosas, pele e seus anexos. Dentre as dermatoses, podem-se citar os eczemas
nas mãos entre trabalhadores que realizam atividades em contato com umidade. Nos
membros inferiores, as dermatoses mais comumente encontradas são as micoses su-
perficiais, porém, o contato contínuo e exagerado com a água também pode desenca-
dear o quadro de pé de imersão ou pé de trincheira, que causam dor nas regiões plan-
tares, enrugamento e palidez, decorrentes da hiper-hidratação (ZANI; LAZZARINI;
SILVA-JUNIOR, 2017).

Saiba mais sobre as dermatoses ocupacionais em: http://bit.ly/2wpMX1B

Anexo 10 da NR-15
O Anexo 10 da Norma Regulamentadora 15 (NR-15) estabelece os critérios de expo-
sição ocupacional à umidade. O mesmo diz:
As atividades ou operações executadas em locais alagados ou enchar-
cados, com umidade excessiva, capazes de produzir danos à saúde
dos trabalhadores, serão consideradas insalubres em decorrência de
laudo de inspeção realizada no local de trabalho. (BRASIL, 2014)

Avaliação de umidade
O critério de avaliação do agente físico umidade é subjetivo, e envolve três aspec-
tos principais:
1. Se a atividade exercida envolve um volume de água suficientemente capaz de
molhar o trabalhador exposto;
2. Se o tempo de exposição do trabalhador é suficiente para a ocorrência da do-
ença ocupacional;
3. Se o tipo de proteção usada é capaz de eliminar o risco.

13
13
UNIDADE
Riscos Físicos – Frio, Umidade e Iluminação

Medidas de controle para exposição à umidade


Para o controle da exposição do trabalhador à umidade podem ser tomadas medidas
de proteção coletiva, tais como modificações nos processos de trabalho, colocação de
ralos para escoamento da água etc., e medidas de proteção individual (fornecimento de
EPI: roupas, avental, luvas e botas impermeáveis – Figura 4).

Figura 4 – EPI contra umidade


Fonte: Getty Images

Iluminação
A iluminação foi tratada como agente físico no Anexo 4 da NR-15 até 1990, quando
referido anexo foi revogado pela Portaria MTPS 3.751/90. A partir de então, a ilumi-
nação passou a ser tratada no campo da ergonomia, estando regulamentada na NR-17
(BRASIL, 2014).

Efeitos ao organismo da exposição à iluminação inadequada


Para Silva (2016) apud Chauí (2000), o ambiente de trabalho pode produzir sensa-
ções aos usuários, e através delas o mesmo passa a perceber o objeto, organizá-lo e
interpretá-lo. SILVA (2016) apud VARGAS (2009), cita que:
O olho é o órgão através do qual se torna possível perceber as sensa-
ções de luz, cor e, interpretar, por meio da imagem, o mundo que nos
cerca. A sensação visual ocasionada pelos estímulos luminosos gera
impulsos que são transmitidos até o cérebro através do nervo ótico,
onde se processa a interpretação das diferentes intensidades de luz.
A iluminação tem como característica a produção de reflexos que,

14
transportados ao olho humano, geram informações do meio externo,
permitindo que o cérebro possa analisá-las e interpretá-las, provocan-
do distinções de cor, forma, tamanho e posição dos objetos por meio
da percepção visual. (SILVA, 2016 apud VARGAS, 2009)

Existem variáveis externas que influenciam a percepção visual. As variáveis relativas


ao ambiente, tais como ambientes iluminados natural e artificialmente, produzem fatores
orgânicos que agirão nos estados psíquico e comportamental do indivíduo. A luz aumen-
ta a agilidade e o desempenho, influenciando funções regionais do cérebro. Esses efeitos
formam um sistema que fornece respostas endócrinas, fisiológicas, neurofisiológicas e
comportamentais (SILVA, 2016).

Ante essas considerações, sistemas de iluminação bem projetados nos ambientes de tra-
balho são fundamentais para tornar o ambiente mais seguro e menos estressante, conse-
quentemente fazendo os indivíduos se sentirem mais confortáveis. Uma iluminação inade-
quada no ambiente profissional pode prejudicar a saúde física e psicológica do funcionário,
além de afetar seu rendimento e podendo provocar um acidente de trabalho (SILVA, 2016).

NR-17
A NR-17, em seu item 17.5, trata das condições ambientais de trabalho. No que se
refere à iluminação, a NR-17 diz:
17.5.3. Em todos os locais de trabalho deve haver iluminação adequa-
da, natural ou artificial, geral ou suplementar, apropriada à natureza
da atividade.

17.5.3.1. A iluminação geral deve ser uniformemente distribuída e difusa.

17.5.3.2. A iluminação geral ou suplementar deve ser projetada e ins-


talada de forma a evitar ofuscamento, reflexos incômodos, sombras e
contrastes excessivos.

17.5.3.3 Os métodos de medição e os níveis mínimos de iluminamen-


to a serem observados nos locais de trabalho são os estabelecidos na
Norma de Higiene Ocupacional nº 11 (NHO 11) da Fundacentro  –
Avaliação dos Níveis de Iluminamento em Ambientes de Trabalho In-
ternos. (BRASIL, 2014)

Avaliação de iluminação
A Norma de Higiene Ocupacional 11 (NHO 11) trata da avaliação dos níveis de
iluminação em ambientes internos de trabalho. O critério de avaliação adotado é a me-
dição ponto a ponto nas diferentes tarefas e a comparação dos valores obtidos com os
valores mínimos exigidos listados no Quadro 1. A unidade de iluminância é o lux. Ainda,
admite-se uma tolerância de 10% abaixo dos valores indicados no respectivo quadro.
Caso uma tarefa específica não esteja apresentada no Quadro 1, o valor de iluminância
mínimo exigido deverá ser obtido por associação com tarefa similar do mesmo quadro.
Quanto ao ambiente de trabalho, o mesmo deve ser iluminado o mais uniformemente
possível (BRASIL, 2018).

15
15
UNIDADE
Riscos Físicos – Frio, Umidade e Iluminação

Quadro 1 – Níveis mínimos de iluminamento E (lux) em função do tipo de ambiente, tarefa ou atividade
Tipo de ambiente,
E (lux) IRC/Ra* Observações
tarefa ou atividade
1. Áreas gerais da edificação
Saguão de entrada 100 60
Sala de espera 200 80
Nas entradas e saídas, estabelecer uma zona de transição
Área de circulação e corredor 100 40
para evitar mudanças bruscas.
Escada, escada rolante e esteira rolante 150 40
Rampa de carregamento 150 40
Refeitório e cantina 200 80
Sala de descanso 100 80
Sala para exercícios físicos 300 80
Vestiário, banheiro e toalete 200 80
Enfermeira 500 80
Sala para atendimento médico 500 90 Tcp mínimo de 4.000K
Fonte: BRASIL, 2018

A avaliação de iluminação se inicia com a verificação de aspectos, tais como ofusca-


mento, cintilação, efeito estroboscópico, direcionalidade, sombras excessivas, aparência
da cor e contraste, e verificação de não conformidades. A abordagem dos locais e das
condições de trabalho consiste em identificar as atividades realizadas e as respectivas áreas
das tarefas e áreas de trabalho. Assim, é possível mapear e definir os pontos de avaliação.
Ainda, os ambientes de trabalho, incluindo o sistema de iluminação utilizado, tipos de lu-
minárias, de lâmpadas e suas características devem ser descritos (BRASIL, 2018).

As medições devem ser realizadas no ambiente interno sob as condições mais des-
favoráveis. Os avaliadores devem evitar usar roupas claras e se posicionarem de modo
a não causarem sombras e reflexões sobre a fotocélula. Quando existirem atividades
noturnas no ambiente analisado, as medições deverão ser realizadas nesse período
(BRASIL, 2018).

O equipamento de medição deve ser um medidor de iluminância com fotocélula corrigi-


da para a sensibilidade do olho humano e o ângulo de incidência. Ainda, deve apresentar
especificação técnica, informada pelo fabricante, que permita realizar a medição conforme
o tipo de lâmpada utilizada, por exemplo, LED, fluorescente ou vapor de sódio. Deve ser
periodicamente calibrado e certificado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e
Tecnologia (Inmetro), ou por laboratórios acreditados pelo Inmetro (BRASIL, 2018).

A medição deve ocorrer dentro das condições habituais de iluminação, sendo que se
deve aguardar a estabilização do medidor conforme orientações do fabricante. A leitura
deve ser realizada no plano da tarefa visual ou, quando ele não for definido, a 0,75 m
do piso. O plano da tarefa visual pode ser horizontal, vertical ou inclinado e a fotocélula
deve ser posicionada nesse plano. A medição na área da tarefa deve ser realizada pon-
to a ponto (Figuras 5 e 6), levando-se em consideração a região onde a tarefa visual é
efetivamente executada. Deve-se elaborar relatório técnico com as condições nas quais
a avaliação foi realizada (BRASIL, 2018).

16
P1 P2

P3 P4

Figura 5 – Pontos de medição para ambiente de trabalho de área retangular com luminária central
Fonte: Adaptado de BRASIL, 2018

No caso da avaliação de iluminação em um ambiente de trabalho de área retangular


com luminária central, efetuam-se as medições nos pontos p1 a p4 e a iluminância média
será a média aritmética dos valores obtidos nos quatro pontos avaliados (BRASIL, 2018).

p1 q1 q2 q3

q4 q5 q6 p2

1/4 L 1/4 L 1/4 L 1/4 L


L
Figura 6 – Pontos de medição para ambiente de trabalho de área retangular com uma linha contínua de luminárias
Fonte: Adaptado de BRASIL, 2018

Já no caso da avaliação de iluminação em um ambiente de trabalho de área retangu-


lar com uma linha contínua de luminárias, efetuam-se as medições nos pontos q1 a q6
e p1 a p2, e calculam-se as média aritméticas de Q e P. A iluminância média é dada pela
Equação 2, sendo N o número de luminárias (BRASIL, 2018).

Q.N  P
I (Eq. 2)
N 1
A NHO 11 traz outros exemplos de avaliação no Anexo 1 (BRASIL, 2018).

Saiba mais sobre a NHO 11 em: http://bit.ly/2wskOXx

17
17
UNIDADE
Riscos Físicos – Frio, Umidade e Iluminação

Medidas de controle
Detectada condição de iluminação inadequada, a mesma deve ser corrigida. Após
a correção, deve ser realizada manutenção preventiva e corretiva do sistema, consi-
derando aspectos como limpeza, substituição de lâmpadas e de outros componentes.
A periodicidade de manutenção depende das características do sistema e da atividade
desenvolvida, da sujidade e de outros aspectos do ambiente de trabalho (BRASIL, 2018).

18
Material Complementar
Indicações para saber mais sobre os assuntos abordados nesta Unidade:

Vídeos
Segurança do trabalho em câmaras frias
https://youtu.be/6-VTRUCljyg

Leitura
Norma de Higiene Ocupacional – Procedimento Técnico – Avaliação dos níveis de iluminamento
em ambientes internos de trabalho – NHO 11
http://bit.ly/2wt2I7I
Dermatoses ocupacionais
http://bit.ly/2wpMX1B
Riscos e cuidados no trabalho em ambientes frios
http://bit.ly/2wrHGGR
Exposição ocupacional em ambientes frios: avaliação e aplicação da metodologia do IREQ
http://bit.ly/2wzAckR

19
19
UNIDADE
Riscos Físicos – Frio, Umidade e Iluminação

Referências
BRASIL. Leis e Decretos. Segurança e medicina do trabalho. 73. ed. São Paulo:
Atlas, 2014.
BRASIL. Norma de Higiene Ocupacional – Procedimento Técnico – Avaliação dos
níveis de iluminamento em ambientes internos de trabalho – NHO 11. São Paulo: Fun-
dacentro, 2018. Disponível em: <http://www.fundacentro.gov.br/biblioteca/normas-
-de-higiene-ocupacional/publicacao/detalhe/2018/8/nho-11-avaliacao-dos-niveis-de-
-iluminamento-em-ambientes-internos-de-trabalho>. Acesso em: 16 Fev. 2019.
BRASIL. Portaria SIT 121/2009. Disponível em: <http://www.normaslegais.com.
br/legislacao/portaria121_2009.htm>. Acesso em: 16 Fev. 2019.
BREVIGLIERO, E.; POSSEBON, J.; SPINELLI, R. Higiene ocupacional: agentes bio-
lógicos, químicos e físicos. 6.ed. São Paulo: Senac, 2011. 452 p.
CELSO. Segurança e Higiene do Trabalho / Celso Augusto Rossete, organizador.
São Paulo: Person Education do Brasil, 2014. (e-book)
EDITORA SABERES. Saúde e segurança do trabalho (livro eletrônico). São Paulo,
2014. (e-book)
IBGE. Mapa Brasil Climas. 1978. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/
visualizacao/mapas/GEBIS%20-%20RJ/map6113.jpg>. Acesso em: 16 Fev. 2019.
KAUSBEN. Equipamentos de proteção individual. Disponível em: <http://kausben.
blogspot.com/2014/12/equipamento-de-protecao-individual-epis.html>. Acesso em:
16 Fev. 2019.
MAICOL. EPI de fabricação própria. Disponível em: <http://maicol.com.br/fabrica-
cao-propria/EPI>. Acesso em: 16 Fev. 2019.
MELO JUNIOR, A. da S. Higiene e segurança do trabalho. Rio de Janeiro: Elsevier,
Campus, 2011.
SALIBA, T. M. Manual prático de higiene ocupacional e PPRA: avaliação e con-
trole dos riscos ambientais. 4. ed. São Paulo: LTr, 2018.
SILVA, L. M. M. Iluminação no ambiente de trabalho visando o conforto ambien-
tal. IPOG: 2016. Disponível em: <https://www.ipog.edu.br/download-arquivo-site.
sp?arquivo=luisa-maia-miglio...pdf>. Acesso em: 16 Fev. 2019.
STELLMAN, J. M.; DAUM, S. M. Trabalho e saúde na indústria: riscos físicos e
químicos e prevenção de acidentes. São Paulo: EPU, 1975.
SUSIN, R.C. Exposição ocupacional em ambientes frios: avaliação e aplicação da
metodologia do IREQ. Disponível em: <http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/
bitstream/1/5661/1/PB_DAMEC_2015_2_8.pdf>. Acesso em: 16 Fev. 2019.
ZANI, M. L. C.; LAZZARINI, R.; SILVA-JUNIOR, J. S. Pés de imersão em água
morna entre trabalhadores de lavagem de automóveis. Disponível em: <http://www.
rbmt.org.br/details/251/pt-BR/pes-de-imersao-em-agua-morna-entre-trabalhadores-
de-lavagem-de-automoveis>. Acesso em: 16 Fev. 2019.

20