Você está na página 1de 6

1

Out-Nov-Dez/2018 = Assunto do 4º Trimestre: Unidade em Cristo

Lição 04: O segredo para a unidade (20 a 27/10/2018)

Verso: "Deus nos revelou o mistério da Sua vontade, de acordo com o Seu bom propósito que Ele
estabeleceu em Cristo, isto é, de fazer convergir em Cristo todas as coisas, celestiais ou terrenas, na
dispensação da plenitude dos tempos" (Ef 1:9, 10, NVI - Nova Versão Internacional).

Pensamento: "O caminho para a unidade da igreja não passa pelas salas de comissões... Está
na unidade pessoal com o Senhor" (Wiliiam Temple).

Sábado (20/outubro/2018) Introdução: Unidos no mesmo propósito


A igreja primitiva, quando teve seu inicio, foi estremecida com o fato de que judeus e gentios
tinham as mesmas oportunidades de salvação em Cristo. Logo, o evangelho foi pregado em todos
os lugares conhecidos da época e várias igrejas foram formadas, onde o padrão de convivência foi
justamente a unidade em Cristo Jesus. A igreja tinha diversidade de pessoas e dons, mas estavam
unidos através do Senhor Jesus Cristo. Ele era o elo que unia todos.
Ilustração: Conta-se que numa carpintaria houve certa vez uma estranha assembléia. Foi uma
reunião de ferramentas para acertar suas diferenças. Um martelo exerceu a presidência, mas os
participantes lhe notificaram que teria que renunciar. A causa? Fazia demasiado barulho. O
martelo aceitou sua culpa, mas pediu que também fosse expulso o parafuso, pois ele dava muitas
voltas para conseguir algo. Diante do ataque, o parafuso concordou. Mas, por sua vez, pediu a
expulsão da lixa; dizia que ela era muito áspera no tratamento com os demais. A lixa acatou, com
a condição de que se expulsasse o metro, que sempre media os outros segundo a sua medida,
como se fosse o único perfeito. Nesse momento entrou o carpinteiro, juntou o material e iniciou o
seu trabalho. Utilizou o martelo, a lixa, o metro e o parafuso. Finalmente, a rústica madeira se
converteu num fino móvel. Quando a carpintaria ficou novamente só, a assembléia entendeu que
o martelo era forte, o parafuso unia e dava força, a lixa era especial para limar e afinar asperezas,
e o metro era preciso e exato. Sentiram alegria pela oportunidade de trabalharem juntos, sob a
direção do carpinteiro.
"O amor a Deus e uns aos outros une a alma a Cristo pelos áureos elos do amor. A alma é
ligada a Ele numa união santificada e elevada" (Med. Matinais, 1980, p. 270).
Jesus é a fonte da unidade da igreja e se há avanços na conquista de almas é porque o
instrumento humano ligado a Cristo é utilizado nessa conquista até Jesus voltar. Por isso, é tão
importante a igreja buscar estar em santificação, pois isso nos dá o poder da unidade.
"A verdadeira santificação une os crentes a Cristo e uns aos outros nos laços de terna simpatia.
Essa união faz com que fluam continuamente para o coração ricas correntes de amor semelhante
ao de Cristo, o qual flui para fora em amor uns pelos outros" (Med. Matinais, 1980, p. 270).
Vamos estudar este assunto e avaliemos qual o grande segredo para que a igreja fique unida e
prospere espiritualmente para que almas sejam ganhas para Cristo.

Domingo (21/outubro/2018) Bênçãos em Cristo


Ilustração: John McNeill de dezenove anos de idade estava numa estação de trem na Escócia,
quando aceitou Cristo como seu Salvador. Anos mais tarde, este evangelista escocês, muito
amado, olhou para trás, para aquele dia que mudou a sua vida. Ele disse: "Foi o erguer do pano
para mim. Não houve grande sentimento; foi uma questão de visão. Fui andar na plataforma.
Lembro-me de nessa manhã ter pensado: "A estação foi pintada de branco?" As paredes de tijolo
Comentário: Prof. Brasiliano = Digitação, formatação e montagem final: Edson dos Reis (e-mail: edsonreis.uem@gmail.com).
2

escuro, cobertas com o fumo e fuligem das locomotivas pareciam mais brancas. Não eram as
paredes. Era a minha mente que estava iluminada com a luz da salvação. Desse dia em diante
selei minha unidade com Cristo e passei a usar em minha vida as bênçãos que dEle recebi,
pregando e batizando as pessoas e levando-as a crer que se tornaram filhos de Deus e herdeiros".

1. Leia Efésios 1:3-14. De acordo com Paulo, o que recebemos em Cristo?


RESPOSTA: Nossa unidade com Cristo nos elegeu para sermos santos, nos adotou como filhos e
herdeiros das promessas, fomos perdoados dos pecados (justificados), fomos feitos Seus
representantes e selados pelo Espírito Santo.

Se olharmos bem, devemos dar louvores ao nosso Deus por ter enviado Jesus Cristo para nos
salvar. Fomos libertos das superstições que nos escravizavam, das crendices, dos cultos falsos e
da adoração sem sentido. Recebemos uma identidade nova diante de Deus (filhos salvos) e nos
tornamos instrumentos de salvação de outras vidas que, à nossa semelhança, vagueavam sem
rumo espiritual. Agora, temos esperança no coração e um alvo a atingir: preparação para o
encontro com Jesus em Sua segunda vinda. Graças a Deus por tudo isto que recebemos e vivemos
por Sua graça.
"Deseja Cristo que reconheçamos que nossos interesses são os mesmos. Em Cristo Jesus
somos um. Pelo pronunciamento de um só nome, "Nosso Pai", somos erguidos à mesma
categoria. Tornamo-nos membros da família real, filhos do celeste Rei" (Med. Matinais, p.1968,
p.288).
O apóstolo Paulo escreveu que "fomos predestinados para a salvação", isto quer dizer que
Deus não excluiu ninguém desta salvação, pelo contrário, estendeu-a para todos sem exceção. O
segredo está em crer em Jesus como Salvador e ficar unido a Ele e aos Seus filhos.
Ilustração: Uma lenda judaica diz que, quando os egípcios se afogaram no Mar Vermelho, os
anjos começaram a entoar um hino de louvor a Deus. Mas o Senhor, segundo a lenda, os teria
interrompido, dizendo: "Não cantem, eu queria que eles se salvassem também." Embora seja
apenas uma lenda, esta história ilustra a verdade bíblica de que Deus "deseja que todos os homens
sejam salvos."

Segunda (22/outubro/2018) Derrubando a parede


Quando a igreja primitiva começou a operar, havia ainda uma parede de separação entre judeus
e gentios. Com o passar do tempo, tanto Pedro, Paulo, Barnabé, Filipe e outros tiveram
experiências que abonavam a vontade divina de que o muro que separava as pessoas deveria ser
derrubado. Deus queria ver a convivência fraterna entre pessoas de raças diferentes, mas com um
mesmo credo: salvação em Cristo Jesus.
Ilustração: Conta-se que dois irmãos carnais tiveram uma discussão e ficaram magoados um
com outro. Por esse motivo, os irmãos chamaram um construtor e pediram que ele fizesse um
muro entre as duas fazendas para impedir que um passasse para o terreno do outro e tivessem o
constrangimento de se falar. O construtor esperou os dois irmãos ir cada um para seu trabalho e
iniciou a obra. No final do dia os dois voltaram para casa e tomaram um susto. Ao invés de um
muro de separação, o construtor fez uma ponte entre as duas fazendas e disse aos dois irmãos:
''Sempre admirei vocês pela união e carinho que um tinha pelo outro. Por minha conta, fiz essa
ponte para que vocês voltem a se falar e tenham a união que tinham antes." Isso foi o suficiente;
os irmãos se olharam e juntos entraram na ponte e se abraçaram perdoando-se mutuamente.

2. Em Efésios 2:11-22, Paulo indicou um caminho melhor para a comunidade cristã. Qual é o
efeito da nossa unidade em Cristo sobre nossas diferenças? O que foi derrubado pela morte de
Jesus na cruz?

Comentário: Prof. Brasiliano = Digitação, formatação e montagem final: Edson dos Reis (e-mail: edsonreis.uem@gmail.com).
3

RESPOSTA: O apóstolo Paulo mostrou que antes havia separação entre as pessoas por causa da
raça e outros obstáculos, mas Jesus derrubou a parede que separava as pessoas e por Seu
sacrifício tornou a todos "filhos de Deus'' , membros da família cristã e herdeiros das promessas
divinas. Louvado seja!

Na igreja de Jerusalém, como em Éfeso e em ouras igrejas como Filipos e Antioquia, as


diferenças de raça, cultura e religião criou muito atrito entre as pessoas. Deus nos fez um povo só
e nos fez crer que somos descendentes de Abraão, através de Cristo e que a circuncisão que os
judeus tanto queriam impor aos gentios, era feita agora não na carne, não no corpo, mas no
coração, através da aceitação de Cristo como nosso Salvador.
"Somos um em Cristo, como Cristo é Um com o Pai. Os cristãos são ramos, apenas ramos, na
Videira viva" (Med. Matinais, 1974, p. 209).
Ilustração: O pastor e autor H. A. Ironside contou acerca de um recém-convertido que deu o
seu testemunho num culto da igreja. Falou como vivera uma vida de pecados e como, ao vir para
a igreja, fora discriminado como "bandido". Ele disse: "Me afastei, mas depois retornei e graças a
Deus encontrei pessoas que me acolheram e me levaram a ser unido com Cristo. Hoje louvo a
Deus pela salvação e porque estou na igreja acolhendo pessoas que se sentem deslocadas,
aproximando-as de Jesus e da comunidade, pois devemos ser um em Cristo."

Terça (23/outubro/2018) Unidade em um corpo


O foco do estudo desta semana está no tratamento que o apóstolo Paulo deu à igreja de Éfeso,
onde havia certa dificuldade de convivência entre judeus e gentios dentro da igreja. Éfeso foi uma
super igreja com obreiros como Paulo, Apolo, Timóteo e Tíquico, além de pessoas que
evangelizavam como Priscila e Áquila. Em um certo momento a igreja que foi campeã
missionária, de repente perdeu a motivação e esfriou até no tratamento entre os irmãos.
Ilustração: Há, em Londres, as ruínas de uma igreja cristã que consiste de um prédio
abandonado onde há um magnífico portal com símbolos da fé cristã. Sobre o arco central na
entrada da igreja está uma Bíblia feita de gesso e uma harpa, e sobre as outras duas portas
laterais, pombas de mármore branco. Não há nada no interior do templo, porque este foi
totalmente destruído. Na nave da igreja, onde outrora se faziam cultos memoráveis, só tem agora
ervas daninhas, pó e cinza, isso é tudo que restou ali. A igreja de Éfeso corria o risco de se tornar
um templo vazio. No apocalipse uma das cartas às 7 igrejas é para Éfeso, como uma repreensão.
O apóstolo Paulo, em sua terceira viagem, estava prevenindo justamente esse problema, cuidando
para que houvesse um interesse de todos para manter a unidade da igreja, como um corpo que
funciona bem quando todos os órgãos e membros estão em perfeita saúde e harmonia.

3. De acordo com Efésios 4:1-3, como os cristãos devem andar de modo digno de seu chamado em
Cristo?
RESPOSTA: Paulo disse que uma pessoa salva por Cristo deve andar em humildade, mansidão,
bondade, saber suportar os outros e viver em união, procurando a paz com todos através do amor
fraternal.

Paulo sugeriu uma vida prática dentro da conformidade cristã, sempre procurando nos
demonstrar nas atitudes a semelhança com o Senhor Jesus. Humanamente isso pode ser uma
tarefa difícil de realizar, por isso vamos precisar do Espírito Santo nos auxiliando no exercício
dessas virtudes através do amor e da graça divina, porque ninguém nasce ou cresce bonzinho.
Nossa natureza humana tem a tendência para o pecado; por isso precisamos do Espírito Santo nos
auxiliando a mantermos a unidade da igreja e a paz entre todos.

Comentário: Prof. Brasiliano = Digitação, formatação e montagem final: Edson dos Reis (e-mail: edsonreis.uem@gmail.com).
4

4. Leia Efésios 4:4-6. Qual é o tema dessa passagem?


RESPOSTA: Paulo diz que a igreja é como um corpo único do qual fazemos parte por causa do
chamado divino para nós. Não se admite divisões ou independência de vontades. Um só Senhor,
uma só fé, indica unidade indivisível, pois estamos empenhados em um único propósito: chegar
ao Céu na companhia de Jesus.

Uma igreja onde as pessoas batem cabeça, exercem pressão por liderança, é um indicador de
que em breve surgirão atritos e desavenças que dará um mau testemunho diante do mundo,
desonrando o nome da igreja e seu dirigente, que é Jesus.
"Unidade na diversidade é plano de Deus. Deve haver entre os seguidores de Cristo a união de
diversos elementos, um adaptado ao outro, fazendo cada um sua obra especial para Deus"
(Mente, Caráter e Personalidade, vol. 2, p. 800).
Disse um escritor o seguinte: "O Senhor Jesus Cristo não levará para o Céu ninguém que Ele
não tenha santificado na Terra e que não esteja em união com Ele e com a igreja. Esta Cabeça
viva não admite membros mortos ou desunidos."

Quarta (24/outubro/2018) Líderes da igreja e unidade


Nosso relacionamento com os líderes da igreja deve ser o mais amigável possível, para que a
unidade da igreja não perca o seu vínculo da perfeição, a paz no Espírito Santo. Uma igreja onde
a liderança não tem apoio está destinada a desunião. Não podemos confundir liderança cristã com
cargo político. A liderança cristã é um dom de Deus e o cargo político é uma posição humana. A
liderança cristã é um serviço abnegado em favor da igreja. Um líder da igreja, não é um patrão,
nem um ditador de ordens, é um servo da obra do Senhor trabalhando pela unidade da igreja.
Ilustração: Quando Fox, líder dos Quakers, foi encarcerado em um porão sujo e desagradável,
um dos seus amigos foi a Oliver Cromwell e ofereceu-se para ficar no lugar do líder. Cromwell,
muito impressionado com este oferecimento, perguntou aos grandes do seu conselho: "Quem de
vocês faria tal coisa por mim, se eu estivesse na mesma situação?" Cromwell não pôde aceitar a
oferta, pois era contra a lei, mas estava admiradíssimo de ver pessoas tão unidas por uma fé
sincera. Mais tarde, os amigos de Fox tudo fizeram para colocar o seu líder em liberdade, e
conseguiram, pelo valoroso exemplo de união, honestidade e companheirismo demonstrado por
eles. Um líder que trabalha segundo a vontade divina, exerce em alto grau o dom que lhe foi
concedido.

5. De acordo com Efésios 4:11, quais dons de liderança Deus concede à igreja?
RESPOSTA: Deus concedeu alguns dons de liderança como: apóstolos, evangelistas, pastores,
mestres, profetas, para manter a igreja unida, não pela capacidade dos líderes, mas pelo poder do
Espírito Santo.

Não é pouca coisa dirigir uma igreja e mantê-la unida no Senhor, considerando os vários
obstáculos que existem nesse meio. Considere, por exemplo, o temperamento de alguns, a apatia
de outros, combinado com a prepotência de muitos e, nesse meio, os consagrados e ainda os
exigentes conservadores que desejam barrar os liberais da comunidade. Tem que ter um dom
mesmo, senão a igreja vira uma panela de pressão.

6. De acordo com Efésios 4:12, qual é o propósito de Deus em dar à igreja dons especiais de
liderança? Como esses dons se relacionam entre si?
RESPOSTA: Os dons de liderança, dados por Deus, também tem o propósito de promover o
aperfeiçoamento da igreja, a capacitação para o ministério, tanto de cuidar dos membros, como de
alcançar os não alcançados. Todos esses dons se relacionam para que a igreja (corpo de Cristo) se
torne unida, consagrada.

Comentário: Prof. Brasiliano = Digitação, formatação e montagem final: Edson dos Reis (e-mail: edsonreis.uem@gmail.com).
5

Todos fomos chamados para a missão de salvar almas como servos de Deus. A igreja como um
corpo com seus membros, um todo deve ter essa visão de ministério. Os líderes não foram
comissionados para sozinhos pregar o evangelho, mas todos tem essa missão. Ninguém é
independente para dizer que isso não é tarefa dele ou dela ou ainda querer fazer tudo sozinho, à
parte do ministério, por mais talentoso que seja tal pessoa.
Ilustração: No tempo da irmã Ellen White, houve um pastor que pensava que a igreja
dependia totalmente dele; seu nome era D. M. Canright. Ela teve muitos problemas para
convencer esse pastor a sair da posição em que ele se colocou como uma pessoa essencial à obra.
Ela escreveu para ele o seguinte: "Apelo agora para vós, que façais o mais depressa possível o
caminho de volta: assumi a missão que vos é dada por Deus, e buscai pureza e santidade para
santificar essa missão. Permiti que D. M. Canright seja absorvido em Jesus Cristo. Agora, Pastor
Canright, por amor de vossa alma, rogo-vos, agarrai firmemente a mão de Deus. Que Deus vos
livre dos laços de Satanás, é minha oração" (Carta 1, 1880).
Lembre-se: Não importa o nosso talento, juntos somos parte do corpo de Cristo.

Quinta (25/outubro/2018) Relacionamentos humanos em Cristo


Ilustração: Na Alemanha, tempos atrás, quando havia o ódio racial contra os judeus, ocorreu
certa vez, que algumas pessoas estavam assistindo a um desfile próximo a um rio, quando alguém
deu o alarme de que um homem havia caído no rio e estava se afogando. Um homem, vendo a
cena, se dispôs a pular na água, mas alguém lhe disse: "Não se preocupe em salvá-lo, é apenas
um judeu imundo." O homem não ligou para o comentário irônico e pulou no rio e salvou o pobre
homem que se afogava. Quando ambos foram retirados do rio, descobriram que o homem salvo
era um católico e o homem que o salvara era um judeu cristão. Todos ficaram espantados com o
exemplo de amor ao próximo demonstrado pelo judeu. Como filhos de Deus, somos ensinados a
usarmos de amor e humildade nos relacionamentos familiar, social e no trabalho. Paulo, ao
escrever para as igrejas, recomendou o amor cristão.

7. Leia Efésios 5:15-21. O que Paulo disse no verso 21? Qual é a relação entre sujeição e unidade?
RESPOSTA: Paulo nos aconselha a sermos sábios nos relacionamentos, cumprindo a vontade do
Senhor, agindo pelo Espírito Santo e buscando um relacionamento cristão, através da humildade e
nos sujeitando uns aos outros em Cristo. Isso produz união.

Quando existe a prepotência dentro de uma igreja, geralmente há problemas nos


relacionamentos. Sujeitar-se a uma pessoa não é uma atitude humana habitual; é preciso a ação
do Espírito Santo na vida. Por isso, Jesus instituiu a cerimônia do Lava-pés porque ali
exercitamos a sujeição uns com os outros por meio de Cristo. No Lava-pés ninguém é melhor ou
maior que ninguém. A submissão a Deus nos toma submissos uns aos outros.
"A renúncia de nosso eu, sujeitando tudo à vontade de Deus, requer luta; mas a alma tem de
submeter-se a Deus antes que possa ser renovada em santidade" (Med. Matinais, 1959, p. 87).

8. Leia Efésios 5:22:-6:9. Qual é o impacto que a qualidade da sujeição mútua tem nos
relacionamentos do cristão no lar e no trabalho?
RESPOSTA: O apóstolo foi abrangente em seu conselho, orientou maridos e mulheres a um
tratamento cristão e comparou isto com Cristo e a igreja. Falou dos pais e filhos e do tratamento
de obediência e respeito, falou da obediência dos servos a seus senhores em temor cristão e de um
tratamento mais humano dos senhores a eles.

No final a base de uma igreja unida e fervorosa está na família, no lar. Um tratamento cordial
entre os membros da família se reflete na igreja e no trabalho.

Comentário: Prof. Brasiliano = Digitação, formatação e montagem final: Edson dos Reis (e-mail: edsonreis.uem@gmail.com).
6

Sexta (26/outubro/2018) Conclusão


Resumo do estudo: A recapitulação do assunto desse estudo nos leva a uma reflexão profunda
a respeito dos relacionamentos diversos que participamos na vida, seja no lar, na igreja, com
pessoas de outras raças e religiões e, também, no trabalho e até no lazer. Aprendemos que apesar
de sermos um em Cristo, ainda assim somos sujeitos a apresentarmos alguma diversidade, sem
porém perdermos a unidade. Podemos ter diferentes graus de cultura, diferentes origens étnicas
(raças diferentes), vindos de diferentes origens religiosas e, no entanto, em Jesus nos tornamos
absolutamente iguais.
"A vida consagrada ao serviço de Deus se desenvolverá e embelezará em sua individualidade.
Pessoa alguma pode imergir sua individualidade na de outro, mas todos nós, como indivíduos
somos enxertados no tronco-pai, e ai haverá unidade na diversidade" (Mente, Caráter e
Personalidade, p. 426).
O Senhor Jesus ao tratar com os Seus discípulos, viu que tinham diferentes tipos de
pensamentos e de caráter. Ele, no entanto, foi trabalhando com cada coração, com a finalidade de
que chegassem à unidade de sentimentos e propósitos. Só havia, portanto, um meio para torná-los
unidos na diversidade e este meio era mantê-los ligados e unidos entre si, para que assim
pudessem se chamar de irmãos.
Ilustração: O grande pregador Charles Spurgeon, entendendo o conceito da unidade, assim se
expressou: "Bem podemos nos chamar irmãos, porque somos redimidos por um sangue; somos
participantes da mesma vida; alimentamo-nos do mesmo pão celestial; estamos unidos à mesma
Cabeça vivente; buscamos os mesmos fins; amamos o mesmo Pai; somos herdeiros das mesmas
promessas; e habitaremos juntos para sempre no mesmo Céu."
Estas palavras de Spurgeon, bem se aplicam à oração de Jesus por nós: "Para que todos sejam
um, como Tu, ó Pai, o és em Mim, e Eu em Ti; que também eles sejam um em Nós" (João 17:21).
APLICAÇÃO: Se vamos viver no Céu um dia, precisamos aprender o que significa unidade,
já aqui nesta Terra. Unidade em Jesus só pode ser obtida através da nossa rendição ao sacrifício
que Jesus fez na cruz. Ali, Ele nos tornou iguais para uma vida consagrada e ao seu dispor.
Peçamos a Deus esta consciência.

"Quanto a mim, em retidão contemplarei a Tua face; eu me satisfarei com a tua semelhança
quando acordar" (Salmo 48:14).

Comentário: Prof. Brasiliano = Digitação, formatação e montagem final: Edson dos Reis (e-mail: edsonreis.uem@gmail.com).