Você está na página 1de 40

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO

CAMPUS RONDONÓPOLIS
CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

RELATÓRIO TÉCNICO
DIMENSIONAMENTO DE VENTILAÇÃO
INDUSTRIAL

Venicio Silva Araujo

Rondonópolis
2020
LISTA DE ILUSTRAÇÕES

Figura 1 – Laboratório de Soldagem - UFMT . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10


Figura 2 – Disposição - Laboratório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Figura 3 – Bancada de Esmerilhamento (MACINTYRE, 1990) . . . . . . . . . . . 12
Figura 4 – Coifa de Fenda Lateral (MACINTYRE, 1990) . . . . . . . . . . . . . . 13
Figura 5 – Imagem de Referência: Chaminé Chapéu . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Figura 6 – Arranjo Final de Secções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Figura 7 – Dados: Bancada Esmerial Manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Figura 8 – Tabela 11.2: Velocidade de Captura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Figura 9 – Dados: Vazão da Coifa de Fenda Lateral . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Figura 10 – Dados: Geometria da Coifa de Fenda Lateral . . . . . . . . . . . . . . . 27
Figura 11 – Dados: Velocidades da Coifa de Fenda Lateral . . . . . . . . . . . . . . 27
Figura 12 – Perda de Carga da Coifa: Pressão Dinâmica . . . . . . . . . . . . . . . 27
Figura 13 – Perda de Carga da Coifa: Total . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Figura 14 – Perda de Carga Conexões: Imagem de Referência . . . . . . . . . . . . 27
Figura 15 – Perda de Carga Conexões: Tabela 9.2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Figura 16 – Perda de carga por atrito: Abaco A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Figura 17 – Perda de carga por atrito: Abaco B . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Figura 18 – Catálogo manta em Fibra Sintética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Figura 19 – Catálogo Caixa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Figura 20 – Catálogo ventilador (Tabela de dimensões) . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Figura 21 – Catálogo ventilador Rendimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Figura 22 – Desenho 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Figura 23 – Desenho 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Figura 24 – Desenho 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Figura 25 – Desenho 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Figura 26 – Desenho 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Figura 27 – Desenho 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
LISTA DE TABELAS

Tabela 1 – Dados de Fluxo das Bancadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21


Tabela 2 – Geometrias das Bancadas de Esmerilhamento . . . . . . . . . . . . . . 21
Tabela 3 – Propriedades: Tanque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Tabela 4 – Geometria: Mesa e Coifa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Tabela 5 – Área: Mesa e Coifa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Tabela 6 – Comprimento Real - Secções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Tabela 7 – Comprimento Equivalente: Acessórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Tabela 8 – Perda de Carga Total . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Tabela 9 – Comprimento Total - Tubos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas

ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária

ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica


LISTA DE SÍMBOLOS

φ Umidade Relativa

ω Umidade Absoluta

∆ Letra grega Delta

π Letra grega Pi

ρ Letra grega minúscula Rho


SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8

2 OBJETIVOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2.0.1 Objetivos Específicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

3 ESPECIFICAÇÕES DE PROJETO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

4 METODOLOGIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

5 MEMORIAL DE CÁLCULO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
5.1 Bancada de Esmerilhamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
5.1.1 Captor de Fenda Lateral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
5.1.2 Duto de Sucção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
5.1.3 Perda de Carga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
5.2 Tanque de desengraxe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
5.2.1 Coifa de Fenda Lateral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
5.2.2 Duto de Sucção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
5.2.3 Perda de Carga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
5.3 Damper . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
5.4 Filtro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
5.4.1 Perda de Carga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
5.5 Chaminé . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
5.5.1 Perda de Carga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
5.6 Tubulação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
5.6.1 Perda de Carga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

6 RESULTADOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
6.0.1 Seleção de Equipamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
6.0.2 Ventilador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
6.0.3 Caixa de Filtragem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

REFERÊNCIAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

7 ANEXO A - PROPRIEDADES MACINTYRE . . . . . . . . . . . . . 26

8 ANEXO B - CATÁLOGOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
9 ANEXO C - DESENHOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
RESUMO
Este relatório visa o dimensionamento de um sistemas de sucção e ventilação industrial. O
objetivo é dimensionar um sistema de captação para 5 bancadas de esmerilhamento e uma
mesa de desengraxe de modo a remover os contaminantes de um laboratório localizado
na Universidade Federal de Rondonópolis e prover um espaço adequado de trabalho
salúbre. As considerações deste trabalho foram adotados seguindo recomendações das
normas internacionais Ashrae e serve como requisito parcial de aprovação na disciplina de
Refrigeração e Ventilação e Ar Conticionado do curso de Engenharia Mecânica.

Palavras-chave: Ventilação; Industrial; Remoção de Contaminantes;


8

1 INTRODUÇÃO

De modo a prover um ambiente salúbre para trabalhos industriais se faz necessário


o seguimento de alguns critérios de segurança que garanta um nível de ruído, temperatura
e ar disponível em quantidades e padrões aceitáveis de modo a não prover dano físico ou
psicológico aqueles que utilizão do espaço de serviço. Na análise do controle de ar, um
sistema de vazão de contaminantes é um dos principais parâmetros sob o quais se deve
estabelecer um controle.
Além de sistemas pensados para a reposição de ar no ambiente fabril, mediante a
presença de qualquer natureza de contaminantes, o uso de um sistema independentes que
garanta sua remoção deve ser construído de modo a evitar contaminação das pessoas que
trabalham neste ambiente pelo contaminante, que muitas vezes se apresenta tóxico para
humanos e portanto de alta periculosidade de exposição.
Assim sendo, este trabalho visa o dimensionamento de um sistema de ventilação
industrial de modo a prover um ambiente com condições salúbres para um laboratório
que dispõe de 5 bancadas de esmerilhamento e um tanque de limpeza geral, usualmente
utilizado para desengraxamento. Considerações adotadas para esse dimensionamento,
desde a escolha do tamanho dos dutos, ao tipo de conexões segue apresentadas no corpo
do texto.
9

2 OBJETIVOS

Proporcionar a um ambiente interno de um laboratório a correta exaustão de


contaminantes de modo a prover uma boa qualidade ar e conforto para os indivíduos que
se encontrarem neste ambiente.

2.0.1 Objetivos Específicos

• Avaliar e desenvolver habilidades técnicas para o dimensionamento de sistemas


de ventilação apresentados na disciplina de Refrigeração e Ar Condicionado do Curso de
Engenharia Mecânica.
• Estipular a participação efetiva e independência de projeto para discentes de
Engenharia.
• Aferir a criticidade na tomada de decisões em âmbitos reais de projeto.
10

3 ESPECIFICAÇÕES DE PROJETO

Este projeto visa o desenvolvimento de um sistema de ventilação industrial para


um laboratório na Universidade Federal de Rondonópolis, localizada na cidade de mesmo
nome, cuja intenção é criar parâmetros de conforto para a utilização de 5 bancadas de
esmerilhamento e uma mesa de limpeza geral.
Os parâmetros de conforto ambiente foram considerados de acordo com os requisitos
recomendados pela Ashrae, atendendo critérios de vazão, velocidade de fluido e perdas de
carga na tubulação que são consideradas razoáveis para um espaço industrial de modo a
prover um ambiente livre de contaminantes.
O objetivo proposto é dimensionar um sistema de ventilação e o alocamento de
cinco mesas de esmerilhamento de 1m2 e um tanque de desengraxe de 1.5m2 onde hoje
funciona um laboratório de soldagem com área de 50m2 , cuja estrutura interna pode ser
observada na Figura 1.

Figura 1 – Laboratório de Soldagem - UFMT

De modo a simplificar a construção, e prover um espaço adequado de trabalho


simultâneo, assim como garantir que a tubulação dos exaustores individuais das bancadas
e mesa tenham espaço para serem instaladas, tanto mesa quanto bancadas foram alocadas
com um distanciamento de 60cm das paredes do laboratório, e as bancadas foram alinhadas
com uma distância igual umas das outras, em fila ao longo do laboratório. Todas as bancadas
tem geometrias quadradas, de 1x1m, já a mesa foi pensada com a geometria de 1x1.5m,
alocada na parede oposta a das bancadas de esmerilhamento com uma distância de 1.9
metros entre elas, de modo a garantir também um livre acesso e passagem uma vez que
estas formam um corredor no final do laboratório.
Um esquema unifilar do projeto para este laboratório segue na Figura 2, onde as
bancadas de esmerilhamento estão identificadas em vermelho e a mesa de limpeza geral
em azul.
Capítulo 3. Especificações de Projeto 11

Figura 2 – Disposição - Laboratório

O trabalho segue com as especificações do sistema de exaustão proposto e a


respectiva metodologia de seu dimensionamento, assim como considerações feitas ao longe
de sua concepção.
12

4 METODOLOGIA

A metodologia adotada para o dimensionamento da bancada de esmerilhamento,


assim como o tanque de desengraxe se baseia no livro (MACINTYRE, 1990) que traz
exemplos de aplicação industrial destes modelos assim como recomendações para o sistema
de tubulações, no que diz respeito a forma como se deve dimensionar um sistema de
ventilação baseado nas normas internacionais da (ASHRAE, 1993).
Para a bancada de esmerilhamento, será seguido o modelo presente na página
235 do (MACINTYRE, 1990), a qual traz um exemplo de bancada de esmerilhamento
comum com grelha descendente e gavetas de limpeza. O desenho de sua estrutura pode ser
observado em detalhes na Figura 3, entretanto, diferente do modelo proposto que conta
na imagem, para fins deste projeto, não será adotado o uso de dois captores laterais, mas
apenas um, com dimensões maiores, essa escolha foi feita pensando em um aspecto mais
prático de montagem uma vez que as mesmas terão uma área quadrada muito pequena se
comparada a valores trazidos de exemplos no livro para bancadas desta natureza.

Figura 3 – Bancada de Esmerilhamento (MACINTYRE, 1990)

Já para o tanque de desengraxe será dimensionado de modo que seu sistema de


exaustão seja composto por uma coifa de fenda lateral, cujo exemplo pode-se, de igual
modo, ser visto no livro do (MACINTYRE, 1990), na página 225, a qual segue anexado
na Figura 4. Esta seguirá fielmente a estrutura proposta sem demasiadas alterações.
Capítulo 4. Metodologia 13

Figura 4 – Coifa de Fenda Lateral (MACINTYRE, 1990)

O sistema de exaustão foi dimensionado de acordo com o texto do mesmo livro e


recomendações diretas da (ASHRAE, 1993), usando o método de perda de carga recomen-
dado para a escolha de equipamentos, desde o dimensionamento de seções transversais de
ramificações até a definição de filtro, ventilador e chaminé utilizados na instalação.
Detalhes de dimensionamento seguem em memorial de cálculo e resultados, e os
desenhos das estruturas e tubulações adotados seguem em anexo no final deste relatório.
14

5 MEMORIAL DE CÁLCULO

5.1 Bancada de Esmerilhamento


5.1.1 Captor de Fenda Lateral
Inicialmente, para se calcular as geometrias do captor foi utilizado de dados presentes
no (MACINTYRE, 1990) respectivos a vazão por pé quadrado da mesa, e velocidade de
captura, adquirida através da tabela 11.2 do mesmo livro, o qual indica uma faixa de
valores em m/min para velocidades de captura. Esta foi definida como o limite máximo
desta faixa, estipulada em 120m/min. A escolha da velocidade máxima para a captura se
deu devido a fatores estruturais desejados para o captor, uma vez que a vazão era fixa
foi escolhido reduzir o máximo possível o uso de material de modo a tornar o projeto
mais barato, e portanto a maior velocidade recomendada foi a escolhida uma vez que esta
proveria a menor área transversal de captor.
Antes de utilizar a equação da continuidade e extrair a área do captor é preciso
fazer primeiro a conversão dos fatores para a unidade internacional, a vazão da mesa (Q)
em pés cúbicos por minuto foi convertida para metros cúbicos por hora através da relação
vista na equação 5.1.

Q = Q( cf m) · 1.6999 (m3 /h) (5.1)

A área do captor é então obtida, uma vez que se dispõe da vazão da mesa (Q) e da
velocidade de captura (Vc), utilizando a relação vista na equação 5.2.

Q · 60 1
A= · (m2 ) (5.2)
Vc 3600
Para calcularmos os lados do captor, uma vez que este apresenta ou um formato
retangular ou quadrado foi fixado um valor de largura, desejado de modo a cobrir boa
parte da mesa de trabalho de modo a facilitar a extração de contaminantes, esse valor foi
fixado em 500mm e a relação para obter o outro lado deste retângulo é visto na equação
5.3, com o qual se obtém o valor de 94.388mm de altura pra um captor com 500mm de
largura.

A
h= (mm) (5.3)
500
Capítulo 5. Memorial de Cálculo 15

5.1.2 Duto de Sucção


Com a respectiva geometria do captor, calculou-se então a dimensão do duto de
sucção individual desta bancada, que se liga ao duto principal. Utilizando a vazão da mesa,
e a velocidade no duto recomendada para esse modelo de mesa, convertida para o sistema
internacional direto na fórmula, usamos a relação vista na equação 5.4 para se obter o
valor da área transversal e a respectiva relação da equação 5.5 para se obter o diâmetro
deste duto.

Q
A= (m2 ) (5.4)
Vd · 0, 00508
Com as medidas do captor e do duto, foi utilizado um software de cad para desenhar
a respectiva peça, cujo desenho segue em anexo assim como os valores e tabelas utilizados
para a definição de sua geometria.


d= A · 1000 (mm) (5.5)

5.1.3 Perda de Carga


Existe uma perda de carga associada a geometria do captor, respectiva a entrada de
fluido e elementos contaminantes da tubulação de sucção, essa perda de carga é referenciada
no (MACINTYRE, 1990), calculada de acordo com a equação 5.6.

Vc2
∆P = 0, 25 · (P a) (5.6)
2·g

5.2 Tanque de desengraxe


5.2.1 Coifa de Fenda Lateral
Para fazer a exaustão de possíveis contaminantes do tanque de desengraxe foi
pensado no uso de uma coifa de fenda lateral, cuja vazão e velocidade de captura são dadas
para o modelo de acordo com orientações do livro do (MACINTYRE, 1990), a relação
que provém a vazão da coifa parte da equação 5.7 (onde W é a largura do tanque, e L o
Comprimento), já a velocidade de captura é obtida através de um valor considerado bom,
também vindo da literatura, fixado em 15m/s.
A escolha desta velocidade de captura se deve a orientação do livro base sugerir a
ordem de velocidade de 2000 pés/min ou 10 m/s, sem deixar claro uma restrição nesse valor,
e como os tanques deste modelo no mesmo livro em geral apresentam áreas quadradas
maiores, o que garantem uma respectiva vazão maior pela dependência da equação da
Capítulo 5. Memorial de Cálculo 16

continuidade, atribuir um valor um pouco superior a velocidade sugerira garante uma


área transversal de captura menor e portanto dimensões da coifa menores, o que torna
o projeto mais barato sem perder em qualidade, garantindo também que a coifa consiga
algum grau de sobredimensionamento no que diz respeito a capacidade de remoção de
particulados, uma vez que o parâmetro principal no que tange o tamanho de partícula que
pode ser removida por um captor é justamente a velocidade de sucção do mesmo.

Q = 2.8 · L · W · Vc (P és3 /min) (5.7)

A conversão da vazão para o sistema internacional é feita utilizando as medidas de


comprimento da coifa, assim como a Velocidade Captura em termos de metros, dispensando
qualquer necessidade de reformulação.
Com a vazão da coifa, e sua respectiva velocidade de fenda, que é igual a de captura,
conseguimos calcular o área da fenda através da equação da continuidade (5.8), e uma vez
que se fixe o comprimento do coifa como o tamanho da mesa, é possível se obter também
a altura de fenda através da relação vista na equação 5.9.

Q=V ·A (m3 /s) (5.8)

Existe uma dependência entre altura de fenda e largura da coifa, vista na equação
5.10, a qual é utilizada para se obter a largura inicial da coifa.

A
S= · 1000 (mm) (5.9)
1, 5
Com estas relação é possível então desenharmos a fenda através de softwares de
cad, os desenhos seguem em anexos, assim como as orientações sobre velocidades e vazões
utilizadas para a exaustão do tanque.

Lc = 2 · S (mm) (5.10)

5.2.2 Duto de Sucção


Para o duto de sucção do tanque, o procedimento se segue próximo ao adotado no
captor das bancadas de esmerilhamento. Por recomendação do livro base, as velocidades
no duto e fenda são as mesmas, com esse valor se faz o uso da equação da continuidade(5.8)
para obter a área transversal do duto de captação, usando então a equação 5.5 pode-se
extrair o diâmetro dessa secção, estipulado em 422.20mm.
Capítulo 5. Memorial de Cálculo 17

5.2.3 Perda de Carga


A perda de carga relativa a entrada de fluido na sucção da coifa de fenda late-
ral também se é visto na bibliografia do (MACINTYRE, 1990), porém sua relação é
relativamente mais complexa do que a do captor de bancada do esmerilhamento.
Primeiramente, tens que a perda de carga do captor é dado como a soma da perda
de carga do fluido ao atravessar a fenda com a perda na entrada do duto, ambos esses
termos estão relacionados por uma constante, hv, tida como a pressão dinâmica no duto,
calculada através da equação 5.11.

vd2
hv = (mmca) (5.11)
16.34
Com este valor, utilizamos a equação da perda de carga, 5.12, para aferir a pressão
perdida em função da entrada do fluido na coifa, esta equação foi levemente alterada de
sua forma original de modo o prover a resposta em Pa uma vez que esta unidade é mais
facilmente utilizada nos cálculos posteriores.

∆P = (1.78 · hv + 0.25 · hv) · 9.81 (P a) (5.12)

5.3 Damper
Para todas as bancadas, assim para o tanque de desengraxe, foi estabelecido a
presença de dampers na suas redes de sucção individual, de modo que seja possível trabalhar
um melhor controle de vazão de acordo com a necessidade imediata de uso, entretanto
como esse dispositivo é um regulador de persiana, sua perda varia de um ponto quase
desprezível quando completamente aberto e se torna um bloqueador uma vez selado, deste
modo, devido a variação ser de critério do usuário, seu cálculo de perda de carga não será
acrescido ao projeto, entretanto a presença deste dispositivo, assim como sua identificação
nas plantas, segue detalhado em anexos.

5.4 Filtro
A escolha da malhado do filtro segue critérios menos quantitativos, e se foca na
escolha pela qualidade do material que compõe o filtro em si, e suas propriedades desejadas
em respeito a capacidade de retenção de particulados, perda de carga e vida útil do mesmo.
Assim sua escolha foi feita consultado diretamente o catálogo do fabricante, que segue em
anexo, com a respectiva perda de carga adotada, sendo selecionado um modelo de fibra
sintética(SB 15), uma vez que este apresenta uma perda de carga e vida útil atrativa para
um projeto dessa natureza.
Capítulo 5. Memorial de Cálculo 18

Paralelamente a escolha da manta do filtro, se define de igual modo a caixa de


filtragem para dutos onde passarão as mantas, este também é dimensionado através do
catálogo do fabricante para a vazão total da sucção, calculada em 9259 m3 /h, o ideal é
encontrar uma caixa com vazão igual ou superior a esta, e foi esta a metodologia adotada.

5.4.1 Perda de Carga


A perda de carga para esses componentes, não levará em conta a caixa de dutos
de filtragem, apenas a própria manta cuja perda de carga provém do fabricante para
a pior situação da malha. A escolha de assim o fazer provém do fato de que o projeto
já está dimensionado para a pior situação que as mantas um dia se encontrarão, deste
modo calcular perda de carga na própria caixa, uma vez que estas não tem ângulos
abruptos e acompanha o escoamento, com aquelas algumas intrusões milimétricas, seria
um esforço desperdicioso e produziria pouca relevância para o cálculo que já se encontra
sobredimensionado tanto para vazão quanto perda de carga.

5.5 Chaminé
A chaminé em um sistema de exaustão tem a função de aumentar a dispersão de
gases, e detritos sólidos. O seu dimensionamento da chaminé no sistema de tubulação
foi feito utilizando o exemplo do livro do (MACINTYRE, 1990) para chaminés do tipo
chapéu, cuja extensões da proteção superior é dada como função do diâmetro de seu duto
de acordo com a equação 5.13 e sua linha de centro tem valores definidos pela relação 5.14.
Será adicionado nessa seção, afim de melhor visualização, o esquema das geometrias
da chaminé em função de diâmetro, entretanto o mesmo segue em anexo para conferência
posterior.

L=2·D (m) (5.13)

h = D/3 (m) (5.14)

Essa estrutura é inteiramente construída com o duto de maior diâmetro do sistema


de tubulação, uma vez que recebe toda a vazão de captura do sistema, e portanto seu
tamanho será acrescido no comprimento total deste duto. Por recomendações da (ASHRAE,
1993) o tamanho total de altura (x) desde a saia ao chapéu respeita a relação vista na
equação 5.15.

x = P é( direito) (m) (5.15)


Capítulo 5. Memorial de Cálculo 19

Figura 5 – Imagem de Referência: Chaminé Chapéu

5.5.1 Perda de Carga


Para o cálculo de perda de carga deste elemento, precisa ser adotado o uso da
relação D/H, que foi adotado como 1, deste modo pode-se obter um valor de coeficiente
de perda de 0.10, que se correlaciona com a pressão dinâmica(equação 5.11 através da
equação 5.16, produzindo a perda total do elemento.

P = k · hv · 9.81 (P a) (5.16)

5.6 Tubulação
O sistema de tubulação foi pensado de modo a garantir que a vazão exigida por
ambas as bancadas e pelo tanque de desengraxe sejam entregues com a menor perda de
carga possível, para isso, os diâmetros da tubulação foram calculados por secção e através
da equação da continuidade de modo a garantir a velocidade recomendada para diferentes
ramos a medida que a vazão do duto principal é distribuído.
Uma vez que a velocidade em todo a parte do sistema responsável pela captação
das bancadas é fixa, assim como a vazão das mesmas, de modo a compensar a equação
da continuidade temos uma constante redução dos diâmetros dos dutos a medida que a
vazão é distribuída e estes diâmetros são então calculados de acordo com a equação 5.5.
Essas reduções, como são consequências da ramificação de vazão do sistema, a (ASHRAE,
1993) recomenda o uso da própria ramificação em conjunto com a redução, formando uma
redução com bifurcação lateral que apresenta menor perda de carga do que o conjunto
separado do mesmo.
Capítulo 5. Memorial de Cálculo 20

5.6.1 Perda de Carga


O cálculo da perda de carga deste elemento em conjunto, assim como a das
curvas de 90 e 45o para diferentes diâmetros foram realizados utilizando a Tabela 9.2
do livro (MACINTYRE, 1990) para converter suas perdas em comprimento equivalente
de tubulação, e o cálculo efetivo das perdas de carga relativo a estes comprimentos foi
realizado através do uso dos ábacos para tubulações com o respectivo diâmetro, usando
para ambos os casos interpolações quando necessário.
Uma vez disponível os comprimentos equivalentes de acessórios, assim como os
comprimentos dos próprios tubos, para determinar a perda de carga total do sistema foi
preciso compreender alguns parâmetros de mecânica dos fluidos, entre elas a consideração
da forma como o sistema foi distribuído em ramificações paralelas e a natureza desta
distribuição apresentar perdas de carga em comum em pontos de encontro.
Tanto os ábacos utilizados quanto a tabela seguem em anexo, e a tubulação com
suas secções melhor detalhadas segue em resultados.
21

6 RESULTADOS

Os respectivos valores para propriedades dos fluidos obtidos a partir da literatura


seguem na Tabela 1 para as 5 bancadas de esmerilhamento, com sua respectiva conversão
para o sistema utilizado.

Tabela 1 – Dados de Fluxo das Bancadas


Q(cfm) Q(m3 /h) V. Duto(m/s) V. Captura(m/min)
Bancada 1 200 339,8 17,78 120
Bancada 2 200 339,8 17,78 120
Bancada 3 200 339,8 17,78 120
Bancada 4 200 339,8 17,78 120
Bancada 5 200 339,8 17,78 120

Com os valores das propriedades visto na Tabela 1 obtem-se as geometrias do


captor para as 5 bancadas, onde C.Transição corresponde o comprimento da transição
entre duto-captor para o ângulo de 45o exigido pelo modelo. A Tabela 2 traz esses valores,
assim como o diâmetro do duto de cada secção individual.

Tabela 2 – Geometrias das Bancadas de Esmerilhamento


Captor(mm) C. Transição(mm) Duto Individual(mm)
Bancada 1 500x94,388 208,9 82,2147
Bancada 2 500x94,388 208,9 82,2147
Bancada 3 500x94,388 208,9 82,2147
Bancada 4 500x94,388 208,9 82,2147
Bancada 5 500x94,388 208,9 82,2147

Já as propriedades utilizadas para o cálculo do tanque de desengraxe seguem na


Tabela 3.

Tabela 3 – Propriedades: Tanque


Q(m3̂/s) Velocidade de Fenda(m/s) Velocidade de Captura(m/s)
Coifa de Fenda L. 2,1 15 0,5

Os resultados de suas dimensões, para coifa e tanque, calculados através destas


propriedades seguem nas Tabelas 4 e 5

Tabela 4 – Geometria: Mesa e Coifa


Extensão(m) Largura(m) Altura de Fenda[S](m) Comp. Inicial (2S)
Coifa de Fenda L. 0,454 1,5 0,009333 0,186666
Tanque de Des. 1 1,5 // //
Capítulo 6. Resultados 22

Tabela 5 – Área: Mesa e Coifa


Área Quadrada Área de Fenda
Tanque de Des. 1,5 //
Coifa de Fenda L. // 0,14

Afim de facilitar a visualização das tubulações um desenho esquemático, que segue


em maiores detalhes em anexo, foi fixada aqui de modo a separar as secções de 1 a 7
utilizadas no cálculo de perda de carga. A maior perda de carga foi aferida através de
comparação das perdas produzidas pelas ramificações, sendo destacado a maior perda
como a presente na ramificação da última bancada do labarotário(ou a que apresenta a
maior distância linear de tubulação, o que era esperado).

Figura 6 – Arranjo Final de Secções

Valores para o tamanho das secções de análise seguem separa na Tabela 6.


Já a Tabela 7 traz os acessórios presentes no sistema, em quantidade e comprimento
equivalente individual, os quais posteriormente foram utilizados para o cálculo de perda
de carga.
A perda de carga foi então calculada através do método das seções para a maior
perda de carga do sistema. Uma vez que esta se encontra na seção das bancadas e não na
do tanque, a parcela de perda do tanque foi desconsiderada na (Seção S6-S7), e a análise
se focou no ponto com maior perda, uma vez que estes se encontram em uma ramificação
Capítulo 6. Resultados 23

Tabela 6 – Comprimento Real - Secções


Seções Comprimento Real(m)
Secção S1-S2 3,438
Secção S2-S3 1,436
Secção S3-S4 1,367
Secção S4-S5 1,315
Secção S5-S6 3,63
Secção S6-S7 1,919
Secção S7-Saída 7,829

Tabela 7 – Comprimento Equivalente: Acessórios


Acessório Quantidade Comprimento Equivalente(m)
Bifurcação 45o 82,215mm 4 1,0587
Bifurcação 45o 183,84mm 1 2,8882
Cotovelo 90o - 82,215 mm 6 1,5962
Cotovelo 90o - 183,84 mm 1 4,2235
Cotovelo 90o - 422,20 mm 1 11,4468
Cotovelo 90o - 429,161 mm 2 11,6556
Cotovelo 45o - 82,215 mm 4 0,798
Cotovelo 45o - 183,84 mm 1 2,1117

paralela. Estes valores são vistos na tabela 8, já em comprimento equivalente, considerando


os acessórios.

Tabela 8 – Perda de Carga Total


Seções Comprimento Eq. Perda de Carga
Secção S1-S2 6,6307 390,283002
Secção S2-S3 2,4947 102,7866294
Secção S3-S4 2,4257 76,1475744
Secção S4-S5 2,3737 58,68071244
Secção S5-S6 7,5985 178,899084
Secção S6-S7 9,0586 //
Secção S7-Saída 21,6237 148,4899479
Total 955,2869501

Tabela 9 – Comprimento Total - Tubos


Tubulação: Comprimento(m)
Duto 429,16mm 7,829
Duto 422,2008mm 1,949
Duto 183,837mm 3,63
Duto 164,429mm 1,315
Duto 142,40mm 1,367
Duto 116,269mm 1,436
Duto 82,215mm 11,282
Capítulo 6. Resultados 24

O comprimento total dos tubos para esta instalação segue então na Tabela 9

6.0.1 Seleção de Equipamentos

6.0.2 Ventilador
Com o diâmetro de duto = 429,160mm, procurou-se em catálogos de fabricante um
modelo de ventilador com dimensões compatíveis com a instalação proposta, encontrando o
modelo OTAM 710 Radial AS, seguindo a verificação de vazão total do sistema 9259m3 /h
e perda de carga ∆P = 97.837mmCa, utilizamos a carta para constar se o ventilador
consegue suprir a demanda, o que se mostra favorável, apresentando um rendimento
mecânico de 72%

6.0.3 Caixa de Filtragem


O filtro, como previamente dito, foi escolhido o modelo SB15, cujo catálogo se
apresenta em anexos. A caixa de filtragem selecionada foi o modelo CQA 1000x700mm,
de modo a atender a demanda de vazão.
Os catálogos dos dispositivos escolhidos constam em anexos.
25

REFERÊNCIAS

ASHRAE. Handbook of Fundamentals. Georgia: American Society of Heating, Refrigerating


and Air-Conditioning Engineers, 1993. Citado 4 vezes nas páginas 12, 13, 18 e 19.

MACINTYRE, A. J. Ventilação industrial e Controle de Poluição. 2. ed. São Paulo:


Editora ETC, 1990. Citado 8 vezes nas páginas 1, 12, 13, 14, 15, 17, 18 e 20.
26

7 ANEXO A - PROPRIEDADES MA-


CINTYRE

Figura 7 – Dados: Bancada Esmerial Manual

Figura 8 – Tabela 11.2: Velocidade de Captura

Figura 9 – Dados: Vazão da Coifa de Fenda Lateral


Capítulo 7. Anexo A - Propriedades Macintyre 27

Figura 10 – Dados: Geometria da Coifa de Fenda Lateral

Figura 11 – Dados: Velocidades da Coifa de Fenda Lateral

Figura 12 – Perda de Carga da Coifa: Pressão Dinâmica

Figura 13 – Perda de Carga da Coifa: Total

Figura 14 – Perda de Carga Conexões: Imagem de Referência


Capítulo 7. Anexo A - Propriedades Macintyre 28

Figura 15 – Perda de Carga Conexões: Tabela 9.2


Capítulo 7. Anexo A - Propriedades Macintyre 29

Figura 16 – Perda de carga por atrito: Abaco A

Fonte: MACINTYRE
Capítulo 7. Anexo A - Propriedades Macintyre 30

Figura 17 – Perda de carga por atrito: Abaco B

Fonte: MACINTYRE
31

8 ANEXO B - CATÁLOGOS

Figura 18 – Catálogo manta em Fibra Sintética

Fonte: LiNTER
Capítulo 8. Anexo B - Catálogos 32

Figura 19 – Catálogo Caixa

Fonte: LiNTER

Figura 20 – Catálogo ventilador (Tabela de dimensões)

Fonte: OTAM
Capítulo 8. Anexo B - Catálogos 33

Figura 21 – Catálogo ventilador Rendimento

Fonte: OTAM
34

9 ANEXO C - DESENHOS

Figura 22 – Desenho 1

EQ13

EQ12 EQ11

EQ10

EQ2 EQ5

EQ9
EQ4 EQ3
EQ8

EQ9
EQ4

EQ8

EQ9
EQ4
EQ7
EQ8

EQ9 EQ6
EQ4
EQ8

EQ6
EQ1

EQ6

EQ6

EQ1

EQ6
Capítulo 9. Anexo C - Desenhos 35

Figura 23 – Desenho 2
Capítulo 9. Anexo C - Desenhos 36

Figura 24 – Desenho 3
Capítulo 9. Anexo C - Desenhos 37

Figura 25 – Desenho 4

S7

S5 S6

S4

S3

S2

S1
Capítulo 9. Anexo C - Desenhos 38

Figura 26 – Desenho 5

PAPAA AR RA
0. .7.7474 4
R R R0 R0 0.0.7

RAAAA C
P
R
P
8° ° ° ° ° R

74 4

R
CC
PA
P PA

IMIMMM A
.7.9.1457646

74 4 PAAR RA

C
AAAA
0. .7 4

C
I
101318221.4.

R R 0 0.7 RAA C C

I
1422181310
PAAR
PAPA

I
0. 74

M
92° 2° ° R CI IMIM

P
AAAAA

74 4 P
74

.4.67.4.9.7
PPAAPRARARARARA M AA

RAA C
R 0.

0. 0.70.7.47.4744
IMIMIMIMIM

A 84. .08 A 89

°6°5°1°8°
° R

R R R 0 00.7 RAAA CC C
CCCCC

C IM
IMA R C I 4.0.22°

RR0RRR
C I
80° 6°7°2°6°° RR M
35 °

CI IMIMIMM

IM A
CIMMA 8°° R 0
ARARAA

8. 14

I .1 3 1 MAAAAA A

A 8
A . RR .07

0.70.70. 0
C . 1 3 .
.

. .
PARA

C 91114 9 312
A 4

RA 2 1 1 1 9

474.74.744
12 123.9.4.1. .1 0..747
RARA

PARRA

4. .3
IM A

AAAAA
PPAPAP

A .13°61237068° 44
PAA

145°
C IM

IM
I M
I MI M
I
C MIM °R° ° ° R

° R
CCCCAC R0R0RR
C

.70.470. 0.0.

R0
RRAA AAR
RAAPRARA
RRAA

7474.7474

0..7
PPAAPAP

74
PAA

1500.00

454.00

2,2
42
1500.00

Venicio Silva Araujo

Coifa - Tanque Desengraxante


Capítulo 9. Anexo C - Desenhos

PPAA
PPPAARRRAA
P
PPA
A CC

PA
AC
AARR A
PPPAAAARARRA MIM

PA
PPPA
P
M A
A RA C
CIIIIM

RA
RRRAAAA C MA

RA
PPPAA AC
C
ARRARA CIIM
C
C
AA CIM
MA A A 121686

C
RRAA IMA CCI IM
IM
C 75.5...40794°
IM
C MIMA

IM
AAA 25°°° R
I
CCIM A 12186. A

A
IM
1
IMMAA 75..50748496
RRR000.7
7.

AA
1216685
3°°° R

7.
..774444
55

RR 000.
..5.2.85151
°

55
11261865
7 °°°

°
..7744
R

RRR
.5...82551

R
6°°°°
0.

000...

0.
7

RRRR
4

7744

74
000.0
.7.774

Venicio Silva Araujo


44
Figura 27 – Desenho 6

500.00

Captor - Bancada de Esmerilhamento


39

Você também pode gostar