Você está na página 1de 5

Constituição da Order of the Lion of Styria

Capítulo I - A Instituição

Artigo 1º [Definição]

a. A “Order of the Lion of Styria”é uma Ordem Cavalheiresca, sob a proteção do soberano da
Casa de Styria e de seu conselho. Como Ordem Dinástica, o título de Grão Mestre caberá
sempre ao Príncipe Jure de Styria.

b. Todos os membros desta instituição têm o direito de participar em assuntos relacionados


com a sua determinada categoria ou por ordem de seus superiores.

Artigo 2º [Imparcialidade]

A ordem respeita todos os homens e mulheres sem qualquer tipo de distinção e, portanto, não
vai negar filiação em razão de religião, raça ou qualquer outro viés. Todas as decisões
proferidas por parte da administração
administra devem ser imparciais, não levando em consideração
qualquer fator não incluso neste documento.
documento

Artigo 3º [Língua Oficial e Insígnias]

a. O idioma a ser utilizado pela ordem em seus documentos oficiais é o Português


Português. Devido à
diversidade das ordens, oss idiomas secundários da ordem são inglês, francês, espanhol e
alemão. No entanto, o idioma secundário deve ser traduzido para o Português para uma
melhor compreensão e vice-versa
versa, quando a ocasião pede.

b. Os símbolos oficiais da Ordem são fixadosos pelo Soberano, com o auxílio do Colégio de
Heráldica daa Ordem. E devem ser oficialmente ratificados por decreto.

Artigo 4º [Competência]

Todos os membros da Ordem em e as partes estão sujeitas às


à leis, à ordem e aos valores morais
da jurisdição em que see encontram e ao conteúdo destes estatutos.
estatutos

Capítulo II - Constituintes da Instituição

Artigo 5º [O Grão Mestre]

O Príncipe Grão-Mestre é o chefe da instituição. A liderança é hereditária e por aí vai passar


por seu filho mais velho, salvo indicação em
e contrário por um decreto magistral
magistral.
Artigo 6º [Membros Investidos]

São Membros Investidoss da Ordem aqueles admitidos de acordo com o estabelecido neste e
com documentos oficiais emitidos pela autoridade competente. Uma confirmação por escrito
de sua admissão pelo Grão-Mestre,
Grão em condições especiais,, será considerad
considerada como
investidura. Todos os membros investidos são autorizados
autorizad s a utilizar o título de Chevalier e as
abreviações de seu grau na Ordem.
Ordem

Artigo 7º [Membros Honorários]

São aqueles homenageados pelo Grão-Mestre e recebidos como membros da ordem, sem
passar pelo processo de admissão e sem os mesmos direitos dos membros investidos
investidos.

Artigo 8º [Classes
Classes de Membros]
Membros

A seguir, estão as 4 classes da Ordem, começando com a de mais alto grau:

a. Cavaleiro/Dama Grão-Colar
Colar (Knight/Dame
( Grand Collar) – Classe do Grão
Grão-Mestre da
Ordem e destinada somente aos membros que colaboraram de forma indispensável ao
estabelecimento e funcionamento da Ordem, além de soberanos de Casas Reais e
Principescas. Membros
mbros desta classe podem usar como abreviação (postnominal) GCLS.

b. Cavaleiro/Dama Grã-Cruz
Cruz (Knight/Dame Grand Cross) – Apenas os membros que deram a
ordem de serviço excepcional podem ser incluídas nesta categoria. Membros desta classe
podem usar como abreviação
reviação (postnominal) KGCLS.

c. Cavaleiro/Dama Comendador (Knight/Dame Commander) – Esta classificação é dada aos


membros que tenham manifestado uma grande liderança e serviço à Ordem. Membros desta
classe podem usar como abreviação (postnominal) KCLS.

d. Cavaleiro/Dame (Knight/Dame) – Esta classificação é dada para aqueles que foram


investidos e que concordaram em seguir as leis da ordem e em executar os trabalhos
solicitados. Membros desta classe podem usar como abreviação (postnominal) KLS.

Capítulo III - Princípios

Artigo 9º [Cavalheirismo]

Uma vez que esta instituição é uma


um Ordem Cavalheiresca,, a ordem tem de trabalhar e realizar
as suas obrigações de acordo com as leis de cavalheirismo revistas, conforme o artigo 14 da
presente Constituição.
ção. Os membros da ordem devem deve agir com cavalheirismo, etiqueta,
cortesia e honra.
Artigo 10 [Paz]

Uma das funções mais importantes da ordem é a difusão da paz em todo o mundo. Os
membros da ordem devem buscar a paz em sua vida quotidiana, e fazer tudo em seu poder
para contribuir em projetos que visem a paz mundial e a compreensão entre os povos
povos.

Artigo 11 [Caridade]

A pobreza é uma das razões para a falta de paz. Assim, os membros da ordem deve
devem sempre
que possível e na medida de suas posses, trabalhar em prol dos
os necessitados.

Artigo 12 [Melhoria Social]

Os membros da ordem devem


deve realizar ações que possam contribuir para a melhoria da
sociedade humana. A Ordem,
Ordem portanto, apóia atividades de cunho cultural, científico
científico, social e
moral.

Artigo 13 [Defesa do Fraco]

Como os membros estão sujeitos aos princípios de cavalheirismo, é importante defender


aqueles que foram injustiçados, maltratados,
maltratados, rejeitados, perseguidos ou discriminados
discriminados.

Artigo 14 [Leis de Cavalheirismo


avalheirismo Revistas]

A seguir estão as Leis de cavalheirismo revistas, com suas explicações.

a. Deveis jurar fidelidade e defender a Casa Real de Styria e seu soberano. Como Ordem
Dinástica, todos os membros devem fidelidade ao soberano.

b. Deveis
eveis defender tua crença em Deus e a tua fé. A ordem respeita todos os credos e
religiões, porque a Administração entende que os objetivos de todas as religiões são o de unir
as pessoas em sua crença e a unidade dará lugar, no futuro, à paz e harmonia.

c. Deveis respeitar todas


as os mais fracos,
fracos e deveis constituir-te
te o defensor delas. Os membros
da ordem devem defender os fracos e os oprimidos.

d. Deveis
eveis amar o mundo em que nasceste. Todos os membros devem agir de modo a não
prejudicar o planeta e fazer tudo para protegê-lo.
protegê

e. Não deveis recuar ante teu inimigo. A ordem considera como inimigos os opressores e
aqueles que pregam a guerra. Aqueles que são contrários a estes princípios
princípios, são obstáculos
paredes que impedem o mundo de alcançar harmonia e paz. Apenas quando todos os meios
pacíficos possíveis foram utilizados,
utilizados deve-se avaliar o uso da força.

f. Deveis
eveis fazer a guerra contra o inimigo, sem cessar, e sem piedade. Os membros da Ordem
nunca devem parar de perseguir com motivação as suas missões.

g. Deveis realizar, escrupulosamente, teus deveres


dev feudais, se não forem contrári
contrários às leis do
teu Deus. Membros da ordem, não podem esquecer os seus deveres para com Deus, seu país e
para com a ordem.

h. Nunca
unca poderás mentir, e deve manter-se
manter fiel à palavra empenhada. Se fizer uma promessa
ou assumir um compromisso,, deve esforçar-se
esforçar e fazer todo
odo o possível para cumprir
cumprir.

i. Serás generoso, e doarás o máximo a todos. Isso faz parte do nosso esforço para ajudar os
necessitados.

Capítulo IV - Estabelecimentos

Artigo 15 [O Supremo Conselho]

O Supremo o Conselho da “Order of the Lion of Styria” é formado por um grupo de


administradores que se encarregam do funcionamento da ordem. Oss membros do Supremo
Conselho são escolhidos pelo Grão-Mestre
Grão Mestre e empossados por um decreto magistral
magistral.

A organização do Supremo Conselho da Ordem fica a cargo do Grão-Mestre


Grão Mestre ou de um Oficial
da Administração nomeado por ele. Esta organização deverá ser publicada através de um
decreto magistral.

Artigo 16 [Corpo Diplomático]

O Corpo Diplomático da “Order of the Lion of Styria”


Sty é um ramo da ordem que se pre
presta ao
desenvolvimento e à expansão da Ordem.

a. Delegados ou Embaixadores – Nos países onde não estão o oficialmente estabelecidos


Grandes Priorados,, o Grão-Mestre
Grão Mestre ou o Supremo conselho pode nomear um Delegado ou
Embaixador, comom a função de iniciar o recrutamento e a indicação de membros para a
futura criação de um Grande
ande Priorado.
b. Cônsules – Como subdivisões destas Embaixadas, seguindo os mesmos princípios de
nomeação, consulados podem ser estabelecidos de forma a facilitar a integração nacional
de membros de Nações onde ainda não estão estabelecidos oficialmente os Grande
Priorados.

Artigo 17 [Grande Priorados]]


O Grande Priorado é uma divisão da ordem em um determinado país que executa as obras e
busca a consecução dos objetivos
objet da mesma.

O Grande Priorado é a mais elevada esfera administrativa da Ordem, situando


situando-se em um nível
nacional. Se houver apenas um priorado
priora dentro dee um determinado país, o prioradpriorado terá
jurisdição sobre todos os membros e funções da ordem dentro daquele ele país. O Grande
Priorado é chefiado por um membro da Ordem nomeado pelo Grão-Mestre
Grão Mestre ou pelo Supremo
conselho e oficialmente confirmado pelo primeiro, assumindo o título de "Gr
"Grão Prior". O Grão
Prior atua em nome do Soberano Grão-Mestre e é o representante do Grão Grão-Mestre naquele
país.

Artigo 18 [Sucursais de um Grande Priorado]

Grandes Priorados podem estabelecer outras


outr divisões em diferentes regiões do país. Estas são
denominadas Priorados. Eles representarão o Grande Priorado e estão subordinados a eles.

Capítulo V - Poderes

Artigo 19 [Grão-Mestre]

O Soberano Grão-Mestre da Ordem é o líder da ordem e pode submeter suas decisões à


apreciação do supremo conselho,
conselho cabendo-lhe a definição final.

Por meio de decretos magistrais o Grão-Mestre


Grão pode definir e passar responsabilidades e
tarefas a membros do Supremo Conselho ou a membros específicos.

Artigo 20 [Moção de Censura]


ensura]

Qualquer pessoa do conselho,


conselho com exceção do Grão-Mestre,, pode ser destituíd
destituída das suas
funções através de um voto de confiança.
confia A decisão final cabe ao Grão-Mestre.
Mestre.

Artigo 21 [Emendas]

Emendas à Constituição ou decretos podem ser feitas através de petição dos membros do
Supremo Conselho e aprovados ou negados oficialmente pelo Grão-Mestre.