Você está na página 1de 10

COMITÊ PARA TERAPIAS MICROBIOLÓGICAS

Para levar e colecionar

Edição – 5

SEM AR – INSPIRE (inspire


aliviado)

AMT
Círculo de trabalho para terapias microbiológicas

1
O que fazer quando a asma brônquica (bronquite) ataca?
Dr.med. Rainer Schmidt-Fuchs
Médico Patologista, Pediatra , Alergista

Felizmente, hoje em dia existem diversas formas modernas de terapias que


ajudem pacientes com asma. Trinta anos atrás, a asma era tratada com
medicamentos em drágeas e injeções. A introdução das inalações sob pressão de
ar comprimido trouxe um alívio significativo. Com uma respiração regular,
medicamentos em forma líquida são transportados diretamente para a mucosa
dos brônquios dando conforto imediato aos pacientes, aliviando também outros
órgãos do organismo.

Inalação húmida é superior as pulverizações com Spray (Aerossol)


Em seguida foram desenvolvidos as pulverizações com o medicamento em pó,
que sem dúvida são úteis em casos emergenciais, porém, não para uma terapia
prolongada. As pulverizações apresentem algumas desvantagens: para o
transporte do pó é usado um gás em cuja vaporização é liberado ar frio que irrita
os brônquios. O medicamento pulverizado não alcança em quantidade suficiente
os brônquios inflamados e a desejada diluição do muco não é obtida. O jato do
medicamento pulverizado deve ser em sincronia com a inspiração, a cabeça deve
ser inclinada para trás e a respiração segurada por alguns segundos após
inalação. A incorreta aplicação de pulverizações implica em altos riscos com
consideráveis efeitos colaterais nocivas. A inalação húmida continua sendo a
melhor forma de inalação.

A mucosa deve ser protegida


Medicamentos, com efeito comprovado, são o cromoglicato de sódio para a
proteção da mucosa e o salbutamol como broncodilatador. Quando as inalações
são feitas regularmente, 2 a 3 vezes/dia por 5 minutos, pode-se dispensar o uso
de corticóides em quase todos os casos. No entanto, outras terapias devem
acompanhar o paciente em seu tratamento das causas múltiplas da asma
bronquial visando-se sempre melhorar a proteção da mucosa. A terapia
microbiológica demonstrou sua eficácia, uma vez que ela também estimula a
regulação do sistema imunológico.

Aconselhamento continuo para paciente asmáticos


Para melhorar o controle da doença e a qualidade de vida destes pacientes é
recomendado desenvolver um questionário de pós-consulta e, em casos de
crianças, os país devem ser instruídos também. No tratamento dos casos crônicos
não poderá faltar a orientação individualizada sobre uma alimentação adequada.
Alimentos que podem causar inflamações, tais como tomates, carne crua,
abacate, bananas, peixe em conservas, chocolate, vinho tinto ou queijos
industrializados, devem ser evitados. No contexto de um tratamento holístico,
podem ser usados tratamentos como homeopatia, acupuntura e ortomolecular. As

2
chances de uma melhora rápida são maiores, se estes tratamentos são iniciados
imediatamente após diagnóstico da doença.
Os autores
Dr.med Rainer Schmidt-Fuchs Dr. med. Michael Schreiber
Patologista, Pediatra, Alergista Internist, Medicina Natural,
Lindenstr.8 Homeopatia
29462 Wustrow (Wendland) Hauptstrasse 45 b
86482 Aystetten b.Augsburg

Ulla Veit-Koehler Dr.med.Ulrich Woestmann


Trofoterapeuta Clínico Geral
Hessenberg 16 Medicina Natural,
35753 Greifenstein Medicina Ambiental
Blumentalstra.166
47803 Krefeld

Meu caminho para sair do sufoco


(O caminho para a solução dos meus problemas)
– Um caso do consultório (um estudo de caso)
Relatado por Dr. med. Rainer Schmidt-Fuchs, Médico Patologista, Pediatra e
Alergista

O relato do paciente asmático F.J., 34 anos, demonstra que com a ajuda de


terapias diversificadas a doença pode ser vencida.

Dificuldade para respirar desde pequeno


Desde pequeno tive, durante a estação da polinização, febre do feno. Minha mãe
confirmou este fato e eu me lembro claramente destes transtornos. Quando era
pequeno fiquei irritado nestas crises e depois, com 13 anos me senti ameaçado
quando ficava sem ar.

Hypo-desensibilização sem sucesso


Na escola primária foi feito um teste de alergia e diagnosticado polinose. A seguir
foi feita uma desensibilização, com a injeção de cada vez maiores doses do
alérgeno, que resultou num choque alérgico, graças a Deus compensado
imediatamente com medicamentos. Em seguida, esta terapia foi interrompida. Não
houve nenhuma melhora do meu estado.

Diagnóstico – Asma bronquial


Seguiu-se então um tratamento com anti-histamínicos que deveria suprimir as
reações alérgicas. O alívio foi mínimo, os transtornos asmáticos se intensificaram
e multiplicaram. Por causa das constantes crises e falta de ar me senti bastante
limitado, exercícios físicos na escola e outros tipos de esforços eram difíceis.
Nesta época foi feita uma avaliação da função pulmonar e o diagnóstico de asma
bronquial confirmado. Novamente foi iniciada uma desensibilização pelo período

3
de dois anos, igualmente sem sucesso.

As fortes reações à vacina e a dor local nos braços eram insuportáveis, e os


afazeres diários uma tormenta. Já nesta época me interessei por tratamentos
alternativos como, por exemplo, a reeducação respiratória. O médico
pneumologista me informou, que tal tratamento não existia. Nos anos seguintes
tive a sensação do que a minha alergia e asma eram somente administradas.
Diversos especialistas continuaram fazer testes para alergias, no entanto não
houve uma conduta terapêutica que fazia sentido. Os medicamentos prescritos
foram antialérgicos e sprays broncodilatadores.

Ajuda através da inalação húmida


Luz no túnel somente vi dez anos mais tarde, quando um médico com orientação
antroposófica receitou inalação húmida através de um nebulizador sob pressão de
ar comprimido. Com a prescrição do cromoglicato de sódio deveria ser alcançada
uma proteção maior da mucosa. Na época não tive a sensação de uma melhora
significativa, porém, com as inalações diárias, desenvolvi uma maior consciência
do meu corpo.

A reconstrução do sistema de defesa


Após mais dez anos, medicado principalmente com broncodilatadores, levei o meu
filho de três anos, com grande susceptibilidade a infecções, para um médico
naturopata.O diagnóstico do meu filho foi começo de asma bronquial e
imunodepressão. O médico recomendou a inalação com cromoglicato de sódio e
salbutamol assim como, uma terapia para o aumento do sistema imunológico.
Estas terapias ajudaram ao meu filho de quebrar rapidamente o círculo vicioso de
suas doenças, que até agora ocorriam pelo seguinte esquema: infecção,
dificuldade para respirar – antibióticos – infecção fúngica – otite do ouvido médio –
antibióticos – infecção fúngica – bronquite – pneumonia. Os anos difíceis que
passei cobraram seu preço, e a minha asma continuava incomodar muito.
Surpreso, com a rápida melhora do meu filho com estas terapias, resolvi envergar
pelo mesmo caminho. Com as inalações húmidas senti um alívio enorme nos
brônquios. Pela primeira vez em meus 33 anos me senti bem. A longo prazo, tanto
a imunoterapia, como a reeducação em termos holística, me ajudou a vencer os
meus transtornos asmáticos.

Asma – tratamento de todo o organismo (tratamento holístico)


Dr. Michael Schreiber
Medicinal Interna e Medicinal Natural
Vias respiratórias extremamente sensíveis que se estreitam quando irritadas,
causam falta de ar, tosse seca ou chiado no peito do paciente asmático.
Felizmente, hoje existem uma série de terapias que possam ajudar. Um spray,
típico para asma, com salbutamol leva a broncodilatação dando alívio
rapidamente. Além destes medicamentos existem uma série de outros meios e
métodos de tratamento natural que poderão facilitar a vida do asmático, dos quais
fazem parte comprovadas terapias da medicina natural mas, também regras para

4
levar uma vida saudável.

As vantagens de um estilo de vida saudável


Exercícios físicos, com a reeducação respiratória adequada e a melhora do
sistema circulatório, levam a uma respiração melhor gastando-se a mesma
quantidade de energia. Quem ficou sem fôlego e está exausto, conhece os efeitos
benéficos e broncodilatadores de um banho quente de banheira. Mudar para
comidas quentes também pode fazer milagres. Pessoas com alergias devem
evitar alimentos ricos em albumina “em caso de muco, evitar produtos lácteos”.
Conservantes e aditivos devem ser evitados. Alimentos cozidos são melhor
digeridos do que alimentos crus. E finalmente, palavras tranqüilizantes de amigos
ou da mãe, no caso de crianças asmáticas, ajudam a reencontrar o equilíbrio.
Uma visita ao psicólogo é aconselhável.

Tratamentos naturais como alternativa


Uma destas alternativas é a homeopatia, que com certas substâncias pela “Lei da
Semelhança” instiga uma reação do corpo contra o desequilíbrio e restaura a força
vital do indivíduo. A ozonioterapia, o tratamento com oxigênio que a cada
respiração aumenta o aporte de oxigênio a todas as células do organismo,
aliviando assim o pulmão. Há 4.000 anos na velha China, os médicos já sabiam
que os pontos de acupuntura do pulmão e do intestino grosso estavam
relacionados. Por exemplo, o meridiano do intestino grosso acaba nas narinas e o
meridiano do intestino grosso localizado na mão é de grande ajuda nas crises
asmáticas.

Ajuda pela terapia microbiológica


Nas dificuldades respiratórias pode ser usada a terapia microbiológica com
bastante sucesso. A estrutura das mucosas é praticamente idêntico nas diversas
partes do corpo. As mucosas são interligadas também pelo sistema linfático.
Através da administração de bactérias benéficas para o sistema digestório pode
se reequilibrar e estabilizar a mucosa das vias respiratórias, beneficiando
pacientes asmáticos e aqueles com o “febre do feno”.

Terapias individuais
O médico, com orientação holística, sempre escolherá das múltiplas terapias
existentes a mais adequada para cada paciente. As opções terapêuticas são
inúmeras, mas através de terapias naturais sempre existirá uma possibilidade de
ajuda para o paciente com problemas respiratórios.

5
Influenciar a asma com a alimentação
Ulla Veit-Köhler, Greifenstein
Trofoterapeuta

A maioria dos asmáticos acredita, que seu estado geral de saúde depende
unicamente da situação em que se encontra o seu pulmão. No entanto, o pulmão
não é um órgão isolado do nosso organismo, o bom desempenho dos outros
órgãos também tem conseqüências para o pulmão e vice-verso. Se o paciente
consegue diminuir outras sobrecargas do seu corpo, os efeitos positivos se
refletem nos seus problemas com a asma, especialmente a redução de alérgenos
e a diminuição do nível de histamina. A alimentação tem um papel importante. A
escolha dos alimentos do dia a dia poderá influenciar a manifestação e
intensidade da crise e, portanto, a qualidade de vida dos pacientes. Além do mais,
o paciente asmático se beneficiará, em seu estado geral, com uma alimentação
variada e saudável.

O combate a alergias alimentares


Muitos asmáticos sofrem de alergias. Em muitos casos, a asma se desenvolve por
causa de uma “simples” febre do feno que foi tratada inadequadamente. Muitas
vezes, os alimentos são os responsáveis pelo aparecimento dos sintomas. Em
princípio, todo alimento pode desencadear uma alergia, porém, foram identificados
alguns específicos como leite de vaca, soja, nozes, aipo e cereais. Em geral vale:
quando o alimento é usado em sua forma natural, mais alta é sua potencia
alérgena. Alguns alimentos são menos prejudiciais pelo simples fato de terem sido
aquecidos como, por exemplo, frutas. Os sintomas da alergia alimentar podem ser
de várias formas: coceira ou ardor na boca, ardor no esôfago e estomago,
diarréias, dor abdominal, mas também falta de ar, vermelhidão na pele e cefaléia
do tipo enxaqueca. Muitas vezes estes sintomas ocorrem em intervalos irregulares
e, portanto, são de difícil classificação. Quando existe a suspeita de alergia
alimentar pode-se identificar, através de um teste alérgico, a correlação do
surgimento dos sintomas com a ingestão de determinado alimento e este deve ser
definitivamente excluído do cardápio. Agindo desta maneira, o organismo é menos
sobrecarregado o que contribuí para uma melhora também da asma. Um fator
importante é a preparação dos alimentos pelo próprio paciente, pois os produtos
para consumo imediato escondem muitas vezes alérgenos como conservantes e
colorantes. Atenção especial deve-se dar também a produtos congelados.
Preparando seus próprios alimentos, o paciente sabe o que eles contêm, além do
gosto ser muito melhor.

Os alérgicos devem evitar os anti-histamínicos


Um porcento da população da Alemanha sofrem de intolerância à histamina, 80%
são mulheres. Sintomas desta intolerância podem ser obstrução nasal após
ingestão de um copo de vinho tinto ou dificuldades para respirar. Não raro, são dor
de cabeça, urticária e outros sintomas de alergia. Vinho tinto tem um alto teor de

6
histamina, assim como, queijos curados ou alguns legumes, normalmente muito
saudáveis, como berinjelas e tomates.
A histamina é uma substância liberada por células do sistema imunológico quando
ocorre uma reação alérgica. Muitos alimentos contêm histamina. Em pessoas
reativas à histamina existe provavelmente uma deficiência da enzima
diaminoxidase “DAO” ou uma interação distorcida entre a histamina e a DAO.
Acredita-se que esta condição não é genética, mas adquirida. Doenças alérgicas,
como alergia e asma, normalmente indicam uma alto nível de histamina no
organismo. Portanto, alimentos ricos em histamina podem piorar muito o estado
de saúde do asmático. A única solução é evitar estes alimentos, obtendo-se assim
uma melhor qualidade de vida e diminuição dos sintomas da doença.

Alimentos ricos em histamina


Carne:
Crua, defumada, embutidos: salsichas, lingüiças
“melhor comprar a peça inteira de carne”

”Peixes:
Atum, crustáceos, sardinhas, arenque em conserva

Queijos: os amarelos “melhor queijos frescos, quark, “outros produtos lácteos”

Legumes: chucrute, tomate, espinafre, berinjela, cogumelos

Outros: Vinho tinto, vinho branco, cerveja, molho de soja, extratos de leveduras.

Aprender a respirar de novo – um seminário de fim de semana


sobre o tema asma
Dr. med. Rainer Schmidt-Fuchs
Médico Patologista, Pediatra e Alergista
Parecia o pátio do recreio de uma escola. Em altos brados, cinco crianças de cada
lado puxavam a corda tentando ganhar do outro grupo. Os pais estão numa outra
sala estudando. Dez famílias se reuniram para um fim de semana na Lüneburger
Heide para saber o que há de novo sobre o tema asma bronquial. As crianças
sofrem já algum tempo com problemas respiratórios e terão agora a oportunidade
de aprender o que significa – respirar livremente.

Criar consciência da respiração


O programa deste seminário trata de aspectos práticos e teóricos sobre o tema
asma. O assunto principal do encontro é a conscientização da respiração. Jogos,
exercícios de relaxamento, dança e cantos estimulam o fluxo respiratório
demonstrando novos caminhos. Não somente as crianças, mas também os pais
aprendem com estas práticas. Eles são familiarizados com a anatomia do pulmão,
especialmente da árvore bronquial e aprendem sobre as causas da respiração
problemática.

7
São apresentados tratamentos tradicionais e também os tratamentos holísticos.
Exercícios físicos (Fisioterapia) e reeducação funcional respiratória são
individualizadas, dando ao paciente a possibilidade de verificar com quais
procedimentos se sente melhor. Os participantes foram informados da
necessidade de se fazer uma imunoterapia (ativada), terapia microbiológica, que
ajudará a restaurar o sistema imunológico.

Longe do dia- a- dia


Uma equipe bem treinada “um médico e alergista, uma terapeuta familiar, uma
fisioterapeuta e uma pedagoga, especializada em musicoterapia”, acompanham
as famílias longe do seu dia-a-dia. Diferente do ambiente hospitalar normalmente
usado para este tipo de programa, escolhemos um lugar idílico no campo. As
famílias dormem no lugar e aproveitam as comidas da cozinha natural.
Especialmente para os pais é uma oportunidade de um contato maior com suas
crianças asmáticas, podendo se familiarizar mais com a doença, e ser de maior
ajuda nas horas das crises. Com certeza, a mãe ficará menos sobrecarregada.

Estratégias para o dia-a-dia


Todos os participantes do seminário já tiveram contatos desagradáveis com a
asma. O curso lhes dá ferramentas para lidar melhor com estes transtornos.
Novos caminhos se abrem. O programa também lhes dá a oportunidade de falar
dos seus medos e preocupações e trocar idéias. A terapia familiar ajuda
desenvolver estratégias para planejar as ações necessárias. Muitos laços de
amizade são feitos. Finalmente, a equipe apresentará um plano individualizado
para cada paciente que será enviado aos médicos que normalmente cuidam do
paciente. A intenção é obter uma parceria efetiva com todos os envolvidos como
paciente, seus familiares e terapeutas para seguirem uma única linha de conduta
de tratamento e garantir seu sucesso.

Venenos na própria residência como desencadeantes da asma


Um dos fatores para a ocorrência dos fenômenos inflamatórios brônquicos são
encontrados no próprio domicilio dos pacientes e podem desencadear vários
problemas de saúde. Os desencadeantes podem ser divididos em aqueles
associados a alérgenos de responsividade brônquica imediata e os
desencadeantes que causam doenças crônicas a longo prazo. Para alcançar e
manter o controle da doença deve se reduzir ao máximo a exposição do paciente.
Os desencadeantes mais comuns nos domicílios são:
- Formaldeído (formol)
- Solventes
- Asbesto
- Mofo
-Ácaros de poeira doméstica

8
Formaldeído
Um dos produtos mais nocivos a saúde é o formaldeído. Ele é empregado na
produção de compensados, assoalhos de madeira, móveis, tapetes, têxteis, tintas
para paredes, espumas para isolamentos podendo dispersar-se no ar de
ambientes internos. É emitido também pela fumaça do cigarro. Após o fumo de
apenas seis cigarros a concentração de formaldeído num espaço de 50 metros
quadrados é maior do que a exalação de assoalhos. Formaldeído é classificado
pela toxicologia como extremamente venenoso. Existem evidências de seus
efeitos cancerígenos e mutagênicos. Pessoas expostas ao gás sentem um forte
odor irritante, irritação das mucosas que poderá levar a acessos de tosse e falta
de ar. Os olhos também ficam irritados. Na exposição crônica ocorrem reações
alérgicas na pele.

Solventes
Outro grupo de compostos nocivos são os solventes cujos efeitos podem ser
acessos de tosse, ardor nos olhos, cefaléias e até desmaios. São usados em
tintas, vernizes e diluentes, limpadores de manchas e produtos de limpeza.
Inseticidas e pesticidas contêm muitas vezes organofosforados (agrotóxicos) que
irritam a mucosa dos brônquios. Quando há exposição constante podem causar
fadiga crônica, dificuldades de concentração, falta de memória, mas também
depressão e nos piores casos câncer. Especialmente em casas antigas com
soalhos de tacos, as colas contêm muitas vezes hidrocarbonetos aromáticos
policíclicos “HAPs” e bifenil policlorado “BCPs” que se desprendem dos espaços
entre os tacos em forma volátil ou em pó. Crianças na idade de engatinhar são
especialmente expostas. Os dois compostos afetam o sistema imunológico e
podem causar câncer.

Amianto (asbesto)
É de longe o mais nocivo dos compostos tóxicos para as vias respiratórias. Foi
banido na Alemanha em 1990. No entanto, o amianto ainda está presente em
muitas residências como, por exemplo, em placas de paredes, tetos e materiais
isolantes. O risco está em suas pequenas partículas em forma de agulhas, que
uma vez inspiradas não podem ser mais expelidas pelo pulmão causando uma
inflamação crônica que pode levar a asbestose, câncer de pulmão e mesoteliomas
de pleura e peritônio.

Bolores
A proliferação descontrolada destes fungos constitui um dos maiores fatores de
risco. A culpa disso são as estritas normas para o isolamento de janelas que não
permitem uma troca normal de ar. A umidade do ar fica condensada nas paredes,
permitindo assim o crescimento dos fungos. As substâncias alérgenos destes
fungos desencadeiam falta de ar, tosse e na exposição prolongada asma.
Algumas destas substâncias como, por exemplo, as aflatoxinas podem causar
câncer. Por isso, a ventilação regular dos aposentos é extremamente
recomendável.

9
Ácaros da poeira doméstica
Para muitas pessoas os ácaros domésticos são uma verdadeira praga, pois
através da eliminação de suas fezes e carcaças em decomposição causam
alergias, tosses e falta de ar. Eles são encontrados nas roupas de cama, ou em
bichos de pelúcia. As roupas de cama devem ser trocadas regularmente e bichos
de pelúcia substituídos.

Ajuda e conselhos
Desde 1985 existe um serviço telefônico oferecendo ajuda sobre o tema
higienização de interiores. O aconselhamento e indicação de especialistas no
assunto é gratuito.

10