Você está na página 1de 9

 

Morte e vida Severina: proposta interdisciplinar de ensino


JOSIANE DE CÁSSIA ZANETI*

Resumo
Inspirando-se na obra literária Morte e vida Severina, redigida por João
Cabral de Melo Neto, este artigo apresenta uma proposta de
interdisciplinaridade para escolas de Ensino Fundamental e/ou Médio, cujo
objetivo é, em uma abordagem menos fragmentada, demonstrar a
complexidade de questões sócio-ambientais.
Palavras-chave: Morte e Vida Severina; interdisciplinaridade; Educação
Ambiental.

Morte e vida Severina: a proposal of interdisciplinary teaching


Abstract
Inspired by the literary work Morte e vida Severina, written by João Cabral
de Melo Neto, this article presents a proposal of interdisciplinarity for
schools of secundary and/or high schools, with the intention of, in a less
fragmented approach, to demonstrate the complexity of social-environmental
questions.
Key words: Morte e vida Severina; interdisciplinarity; Environmental
Education.

                                                            

*
JOSIANE DE CÁSSIA ZANETI é Mestra em Educação para a Ciência pela Universidade
Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2012) campus de Bauru.
59 
 

 
 

Um caminho para a abordagem de questões comuns e que,


interdisciplinaridade na escola permitem um olhar multifacetado.
Carlos (2007) discute que o termo
A realidade das escolas se assemelha de
interdisciplinaridade possui diversas
certo modo à realidade ambiental,
interpretações, sendo entendido como
conhecemos alguns dos inúmeros
multidisciplinaridade,
problemas enfrentados cotidianamente,
pluridisciplinaridade ou
e vivenciamos os desafios que nos são
transdiciplinaridade gerando equívocos
postos através da rotina de ensinar e de
em decorrência de sua estreita
viver. Entretanto, não conseguimos
semelhança. Grosso modo, este autor
enxergar mudanças efetivas que alterem
diferencia tais termos, baseando-se em
o quadro que conhecemos de modo
Japiassu (1976), da seguinte maneira: a
significativo; uma mudança
multidisciplinaridade como uma ação
transformadora que torne a educação
fragmentada e simultânea em torno de
um bem acessível a todos e o respeito
uma mesma questão; a
ao ambiente natural como prioridade de
pluridisciplinaridade seria muito
nossas atitudes. Em meio ao contexto
semelhante à primeira, apresentando
ambiental e educacional que nos
entretanto uma relação discreta entre as
encontramos, a prática interdisciplinar
disciplinas. Este autor entende a
se mostra como uma ferramenta
interdisciplinaridade como uma
fundamental para dar ao processo de
interação coordenada das disciplinas,
ensino aprendizagem o caráter
localizadas em diferentes níveis
articulado que questões complexas
hierárquicos, por meio de um eixo
necessitam para sua correta
integrador interdisciplinar (CARLOS,
compreensão.
2007).
A interdisciplinaridade é comumente
Há que se considerar também a visão de
entendida como a integração de
interdisciplinaridade dos Parâmetros
diferentes disciplinas, por meio da
60 
 

 
 

Curriculares Nacionais (PCN), que expõe de tal forma as relações do objeto


sugere diretrizes norteadoras para a de conhecimento a ponto de diminuir as
educação brasileira. Segundo este fronteiras entre as disciplinas.
documento, tanto a transversalidade Considerando não apenas a dimensão
como a interdisciplinaridade criticam a conceitual, mas também a inclusão de
concepção de conhecer a realidade de aspectos socioculturais presentes para
forma neutra e, como mera fonte de além dos muros escolares e a somatória
dados estáticos, apontando sempre na de um caráter participativo e integrador
direção da complexidade das relações do estudante em relação ao ambiente,
entre os mais diversos aspectos da vida. propõe uma relação dialógica com o
Sua diferença fundamental consiste no objeto de conhecimento capaz de
caráter da abordagem epistemológica interferir nesse mesmo meio; gera
dos objetos de conhecimento na assim, a impressão de que ambos os
interdisciplinaridade enquanto que, a termos se complementam mais do que
transversalidade se refere mais ao diferenciam.
campo da didática. O aspecto sociocultural que se refere o
A interdisciplinaridade questiona a PCN é o ponto em que queremos tocar
segmentação entre os diferentes neste texto, enfocando especificamente
campos de conhecimento produzida a Educação Ambiental (EA) como
por uma abordagem que não leva capaz de munir o estudante de tal
em conta a inter-relação e a
habilidade dialógica e integradora na
influência entre eles — questiona a
visão compartimentada
relação que estabelece com o meio ao
(disciplinar) da realidade sobre a qual está inserido. O PCN toma Meio
qual a escola, tal como é Ambiente como um de seus eixos
conhecida, historicamente se transversais, com a intenção de que este
constituiu. seja capaz de permear todo o processo
de ensino aprendizagem.
A transversalidade diz respeito à
possibilidade de se estabelecer, na A solução dos problemas
prática educativa, uma relação ambientais tem sido considerada
entre aprender conhecimentos cada vez mais urgente para garantir
teoricamente sistematizados o futuro da humanidade e depende
(aprender sobre a realidade) e as da relação que se estabelece entre
questões da vida real e de sua sociedade/natureza, tanto na
transformação (aprender na dimensão coletiva quanto na
realidade e da realidade). E a uma individual.
forma de sistematizar esse trabalho
Essa consciência já chegou à escola
e incluí-lo explícita e
e [...] vê-se a importância de incluir
estruturalmente na organização
Meio Ambiente nos currículos
curricular, garantindo sua
escolares como tema transversal,
continuidade e aprofundamento ao
permeando toda prática
longo da escolaridade. (BRASIL,
educacional. É fundamental, na sua
1998, p. 30)
abordagem, considerar os aspectos
Tal relação de mutua interferência entre físicos e biológicos e,
interdisciplinaridade e principalmente, os modos de
transdiciplinaridade dos PCN é interação do ser humano com a
explicitada nos Temas Transversais natureza, por meio de suas relações
sociais, do trabalho, da ciência, da
propostos por esse documento. Este
61 
 

 
 

arte e da tecnologia (BRASIL, alternativa a tal situação, temos a


1998, p.169). prática interdisciplinar como aliada.
Muitas formas de incluir tais Citamos como exemplo o trabalho de
problemáticas ambientais e/ou Santos, Cavassan & Battistelle (2010),
ecológicas são efetivadas no dia a dia que estabelece um paralelo entre a obra
das escolas. Não consideramos em A Cidade e as Serras do escritor
nosso ponto de vista, aquela EA já português Eça de Queiroz e o
banalizada da coleta de materiais urbanismo contemporâneo. Trata-se de
recicláveis sem um fim específico e uma relação entre literatura e a
com um início contraditório, (consumir graduação em Arquitetura, que traz a
para levar a embalagem para a coleta da mesma tônica da nossa proposta, a de
escola), ou mesmo a limpeza de um utilizar meios de dentro da própria
ambiente totalmente alheio ao dinâmica escolar em favor das questões
estudante. As ações que têm se do foro ambiental. Não se trata de uma
mostrado efetivas são aquelas que, abordagem multidisciplinar relativa ao
emotiva e afetivamente, envolvem os dia da Árvore ou ao dia do Meio
estudantes na tarefa de (re)conhecer o Ambiente, onde cada professor
ambiente ao qual está inserido, para que desenvolve algo relativo ao tema
possibilite uma relação do estudante isoladamente, sem nem ao menos tomar
com o posterior objeto de estudo, às conhecimento do que fora feito em
vezes distante de sua realidade e de outra disciplina. Mas significa
caráter mais abstrato. enriquecer a problemática ambiental
com múltiplos olhares, unindo o
Trabalhos como os de Cerati e Lazarini, conhecimento dos educadores, outrora
(2009); Seniciato e Cavassan (2004) e fragmentados, em uma empreitada
Seniciato e Cavassan (2009), embora coletiva e articulada em torno de uma
sejam caracterizados dentro do ensino mesma temática, de um mesmo
de ecologia, são exemplos de pesquisas contexto complexo, ambiental e
que envolvem aspectos socioculturais socialmente, e porque não, também
permeados pelo sentimento de pertença histórico e político? É de acordo com
e integração ao meio e de percepção essa discussão que se apresenta nossa
estética e afetiva com este. Tais proposta, que está vinculada a obra de
pesquisas deixam uma visão clara de João Cabral de Melo Neto, Morte e
que somente a relação de conhecer de Vida Severina.
modo concreto por meio dos sentidos
possibilita o conflito cognitivo
necessário para gerar uma motivação no Um breve olhar sobre a obra
contexto educacional e um desejo de
preservação do patrimônio natural mais Morte e vida Severina é um auto de
amplo. Natal pernambucano que retrata a vida
dura do nordestino, representado por um
Tais trabalhos prescindem desse contato jovem retirante. Escrito entre os anos de
concreto com o meio, sem o qual tal 1954-55, apresenta a extensão do rio
abordagem dificilmente se realiza e cuja Capibaribe, do interior da Paraíba até a
viabilidade no contexto escolar cidade de Recife em Pernambuco, como
dificilmente é possível. O que não palco da trajetória do personagem que
significa que a temática ambiental não se apresenta:
possa ser estudada a contento. Como
62 
 

 
 

– O meu nome é Severino, – Mas então por que o mataram,


não tenho outro de pia. irmão das almas,
Como há muitos Severinos, mas então por que o mataram
que é santo de romaria, com espingarda?
deram então de me chamar – Queria mais espalhar-se,
Severino de Maria; irmão das almas,
como há muitos Severinos queria voar mais livre
essa ave-bala.
[...] (MELO NETO, 2007, p.95)
Mas, para que me conheçam
melhor Vossas Senhorias [...]
e melhor possam seguir – Com a vinda das usinas
a história de minha vida, há poucos engenhos já;
passo a ser o Severino nada mais o retirante
que em vossa presença emigra. aprendeu a fazer lá?
(MELO NETO, 2007, p.91-93) – Ali ninguém aprendeu
outro ofício, ou aprenderá
mas o sol, de sol a sol,
Severino segue o trajeto do rio bem se aprende a suportar.
Capibaribe, cantando as cidades como (MELO NETO, 2007, p.103)
contas de um rosário para não se perder,
pois o rio é intermitente e no verão seca. [...]
[...] – Bem me diziam que a terra
Pensei que seguindo o rio se faz mais branda e macia
eu jamais me perderia: quanto mais do litoral
a viagem se aproxima.
[...] Agora afinal cheguei
Vejo que o Capibaribe, nessa terra que diziam.
como os rios lá de cima,
é tão pobre que nem sempre [...]
pode cumprir sua cina Mas não avisto ninguém,
e no verão também corta, só folhas de cana fina;
com pernas que não caminham. somente ali a distância
(MELO NETO, 2007, p.98) aquele bueiro de usina;
somente naquela várzea
um banguê velho em ruína.
Tal trajeto é feito pelo retirante
Por onde andará a gente
Severino com o objetivo de fugir da que tantas canas cultiva?
seca do sertão, esperando encontrar
melhores condições de vida na zona [...]
litorânea. O pano de fundo da poesia – É de bom tamanho,
narrativa é uma profunda análise da nem largo nem fundo,
realidade social e geográfica nordestina, é a parte que lhe cabe neste
temática que não poderia ser mais atual. latifúndio.
Severino em seu caminho vai (MELO NETO, 2007, p.106-108)
encontrando outros personagens que
vão narrando as condições de opressão, Sua característica de auto de Natal é
miséria e descaso com a vida humana e percebida no fim, quando o personagem
com o ambiente, sempre se encontrando desiludido com a vida que encontra no
com a sombra da morte pelo caminho. litoral, presencia o nascimento de uma

63 
 

 
 

criança e, a oferta de presentes ao Outro ponto importante que deve ser


recém-nascido, representando que abordado a partir da obra é a
apesar de todas as dificuldades identificação do território que Severino
encontradas por ele em sua vida percorre, a região Nordeste do Brasil
severina, a vida sempre triunfa. que está sendo apresentada ao longo de
– Severino, retirante, sua caminhada. A paisagem vai sendo
deixa agora que lhe diga: descrita no desenrolar do poema, as
eu não sei bem a resposta condições do solo, as elevadas
da pergunta que fazia, temperaturas e a seca. O personagem
se não vale mais saltar inicia sua sina no Agreste da Caatinga,
fora da ponta e da vida; alcança a Zona da Mata até chegar ao
nem conheço essa resposta, litoral, aos manguezais na foz do rio
se quer mesmo que lhe diga. Capibaribe com o mar na cidade de
É difícil defender, Recife. É fundamental que se conheça o
só com palavras, a vida, bioma Caatinga e que se entenda as sub-
ainda mais quando ela é
regiões com as características da
esta que vê, severina;
mas se responder não pude vegetação peculiares a cada uma no
à pergunta que fazia, Nordeste brasileiro. Tais características
ela, a vida, a respondeu são essenciais para entender a dinâmica
com sua presença viva. natural dessa região e a maneira como
E não há melhor resposta influenciam a vida da população
que o espetáculo da vida: nordestina e o fluxo migratório do
Nordeste para as regiões mais ao sul do
[...] país.
mesmo quando é a explosão
de uma vida Severina. O uso de metáforas já é um velho
(MELO NETO, 2007, p.132-133) conhecido do ensino, afinal
cotidianamente lançamos mão desse
recurso para tentar fazer que conceitos
Conhecendo a interdisciplinaridade
abstratos se tornem mais tangíveis aos
proposta
estudantes. Em Morte e Vida Severina,
O texto, um poema narrativo com o autor faz uso deste recurso que, se
características sonoras provocadas pela explorado produzirá atividades
maioria dos versos em redondilha interessantes. Como exemplo, podemos
maior1, sem um esquema regular de citar a intermitência do rio Capibaribe
rimas e com constantes repetições de que “no verão também corta, com
palavras e/ou versos interiores, pernas que não caminham”. O que isso
fornecem um terreno fértil para as aulas significa? Essa é uma questão que
de literatura. Há ainda a adjetivação do permitirá abordar o fenômeno de
substantivo próprio – Severino, vida intermitência do rio, investigar suas
severina e, a inversão da ordem do causas, estudar a bacia hidrográfica a
sintagma “vida e morte” para “ morte e qual pertence o rio, estudar inclusive o
vida” fazendo alusão direta a qualidade conceito de bacia hidrográfica e todas as
da vida severina vivida no sertão. suas implicações para a preservação do
ambiente e da qualidade das águas.
                                                             Abaixo, chamamos a atenção para o
1
Verso de sete sílabas poéticas, pertencente à trecho destacado:
tradição medieval.
64 
 

 
 

Somos muitos Severinos cabresto e a compra de votos, a


iguais em tudo na vida: transposição do Rio São Francisco,
na mesma cabeça grande entre outras questões que, se estudadas
que a custo se equilibra, podem colaborar para uma visão mais
no mesmo ventre crescido
fidedigna da realidade, contribuindo
sobre as mesmas pernas finas,
e iguais também porque o sangue
para a desconstrução do senso comum a
que usamos tem pouca tinta. respeito do Nordeste, a de que seus
(MELO NETO, 2007, p.92, grifo problemas são decorrentes de causas
nosso). exclusivamente naturais.
Cabe destacar que o poema é permeado
A parte em destaque pode ser pela questão agrária. Em diferentes
interpretada como se referindo a um momentos, o autor apresenta situações
quadro de anemia, que compromete o de conflito que tem como pano de fundo
transporte de oxigênio em decorrência a disputa pela terra, o latifúndio e a
da baixa concentração de hemoglobina monocultura. A questão ambiental fica
nas hemácias do sangue. A aqui evidente, e pode ser diretamente
hemoglobina é a proteína responsável relacionada aos problemas sociais da
pela cor vermelha do sangue, esta migração e da baixa qualidade de vida
contém moléculas de ferro em sua da população. A monocultura, por
composição, que são as moléculas exemplo, está diretamente ligada aos
responsáveis pela ligação com as problemas ambientais. Ela causa o
moléculas de oxigênio que serão empobrecimento do solo e a diminuição
transportadas pelas hemácias para todo da infiltração da água, diminuição da
o corpo. A anemia pode ser uma doença biodiversidade, além do que o uso de
genética, decorrente de hemorragias ou, agrotóxicos para conter as pragas da
relacionando ao contexto de Severino, cultura pode contaminar os cursos
pode ser em consequência de uma d’água e os lençóis freáticos. Isso sem
alimentação carente de ferro (AMABIS considerar que tende a aumentar o
& MARTHO, 2004). Há ao longo do êxodo rural, gerando um fluxo
texto outras metáforas, como a “ave- migratório para locais que,
bala”, que podem também ser normalmente, não possuem saneamento
interpretadas seguindo princípios básico adequado, nem infraestrutura
semelhantes, gerando ricas discussões. como escolas, hospitais e moradias
suficientes. O resultado é o inchamento
As características geográficas, das periferias, o aumento da poluição
biológicas e sociais abordadas até aqui dos corpos de água, o desemprego e o
formam um panorama regional que será subemprego e até mesmo, o aumento da
compreendido de maneira mais criminalidade. Outros fatores colaboram
completa se houver um aprofundamento para afastar a população do campo,
na história da região, que faz parte do como a falta de apoio técnico para o
berço da colonização do Brasil. O cultivo do solo, por exemplo.
período colonial, as invasões holandesas
em Pernambuco, o ciclo da cana de Há duas atividades que gostaríamos de
açúcar e os latifúndios, o tráfico de propor. A primeira seria a encenação do
escravos, os indígenas, as insurreições poema, remontando sua origem que foi
populares e as guerras como a de
Canudos, o coronelismo, o voto de
65 
 

 
 

primeiramente escrito para o teatro2, Procuramos apresentar nossa proposta


como uma forma de encerramento do em forma de discussão, através de
processo de estudo interdisciplinar algumas notas preliminares, com a
inspirado pela obra. A segunda, e que intenção de manter a subjetividade do
também poderia colaborar como um professor durante o ato de ensinar,
processo avaliativo, seria pedir aos assim nos afastamos de descrições de
estudantes que escrevessem um texto regras e normas das receitas prontas que
com características semelhantes, podem cercear a liberdade didático-
utilizando um estilo literário que mais pedagógica de cada professor e da
lhes agradasse, (prosa, narração, equipe escolar.
dissertação ou poesia), tomando como A Educação Ambiental contemporânea
guia um rio importante de sua cidade ou não separa o homem do ambiente.
região e fosse descrevendo as Neiman (2002) afirma que todos os
características geográficas, biológicas, ecossistemas sofreram alguma
sociais, permeados por aspectos interferência humana e que os menos
culturais e históricos encontradas nessa afetados são projetados como intactos
viagem, que seria a epopéia dos somente pela nossa imaginação, fruto de
próprios estudantes, enfatizando uma cultura do ambientalismo moderno
problemas ambientais e se possível de preservação, mas essa é uma noção
propondo intervenções. falsa. A presença do homem está em
Todas as relações interdisciplinares toda parte, por isso que desenvolver
discutidas anteriormente, tendo como Educação Ambiental contemporânea na
ponto de partida a obra Morte e Vida verdade significa ressaltar a interação
Severina, entre outras colocações que necessária entre os seres humanos e
poderiam ter sido feitas, fazem parte de destes com as outras formas de
uma visão proposta de sociabilidade entre vida e o ambiente,
interdisciplinaridade a ser desenvolvida recolocando o homem como parte
na escola de Ensino Fundamental ou integrante da natureza e dependente da
Médio (anos finais do Fundamental ou mesma.
iniciais do Médio), pela equipe de
professores através de uma profunda
interação entre eles. A divisão entre as Referências
disciplinas não foi explicitada aqui AMABIS, J. M. & MARTHO, G. Biologia. v.1.
propositadamente evidenciando a 2. ed. São Paulo: Moderna, 2004.
importância de ações conjuntas BRASIL. 1998. Secretaria de Educação
articuladas que forneçam significado Fundamental. Parâmetros Curriculares
contextualizado e que demonstrem o Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação
dos temas transversais / Secretaria de Educação
caráter complexo dos problemas sócio-
Fundamental. – Brasília: MEC/SEF. Disponível
ambientais. em:
<http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ttrans
versais.pdf> Acesso em: 04/11/2010.
Considerações CARLOS, J. C. Interdisciplinaridade no
Ensino Médio: desafios e potencialidades.
Brasília. 2007. 161f. Dissertação (Mestrado em
                                                             Educação para Ciência) Programa de Pós-
2
Trata-se de um auto, teatro de gênero Graduação em Ensino de Ciências da
dramático, originário do período correspondente Universidade de Brasília. Disponível em:
a idade Média (FERREIRA, 2000).
66 
 

 
 
<http://vsites.unb.br/ppgec/dissertacoes_2007.ht SANTOS, M. F. N.; CAVASSAN, O.; e
m>. Acesso em 02/11/2010. BATTISTELLE, R. A. G. A Cidade e as Serras.
Eça de Queiroz e a construção do pensamento
CERATI, T. M.; LAZARINI, R. A. M. A
ambiental. Arquitextos. São Paulo, 10.124,
Pesquisa-Ação em Educação Ambiental: Uma
Vitruvius, set/2010. Disponível em:
experiência no entorno de uma unidade de
<http://vitruvius.com.br/revistas/read/arquitexto
conservação urbana. Ciência e Educação, v.
s/10.124/3574>. Acesso em: 31/10/2010.
15, n. 2, pp. 383-392, 2009.
SENICIATO, T.; CAVASSAN, O. Aulas de
FERREIRA, A. B. H. Miniaurélio Século XXI
campo em ambientes naturais e aprendizagem
Escolar: O minidicionário da língua
em ciências – Um estudo com alunos do ensino
portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Nova
fundamental. Ciência & Educação, v. 10, n. 1,
fronteira, 2000.
p. 133-147, 2004.
MELO NETO, J. C. Morte e Vida Severina e
__________, O. O ensino de ecologia e a
Outros poemas. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007.
experiência estética no ambiente natural:
NEIMAN, Z. & RABINOVICI, A. O Cerrado considerações preliminares. Ciência &
como Instrumento para Educação Ambiental em Educação, v. 15, n. 2, p. 393-412, 2009.
Atividades de Ecoturismo. In: NEIMAN, Z.
(Org.) Meio Ambiente, Educação e
Ecoturismo. Barueri: Manole, 2002. cap.7, Recebido em 2014-05-27
p.135-158. Publicado em 2014-09-12

67 
 

Você também pode gostar