Você está na página 1de 197

Staff

Tradutora: Goreth
Revisora: Chris
Leitura Final: Caroline
Formatação: Andreia M.
Sinopse

Cookie "Hunter" Knox era bom em seu trabalho, infiltrar-se atrás das
linhas inimigas era uma de suas especialidades. Sua equipe SEAL dependia
dele para fazer seu trabalho, assim como ele dependia deles para fazer o
deles. Desde que dois de seus companheiros de equipe encontraram uma
mulher que os completou, seus perigosos Ops pareciam um pouco mais
intensos. Cookie sabia se ele tinha uma mulher que pertencia a ele, ele
nunca a deixaria ir. Pouco sabia que a última missão da equipe SEAL no
México mudaria sua vida para sempre.

Fiona Storme renunciou ao fato de que era altamente improvável que ela
faria sair da selva viva. Seqüestrado por traficantes de seres humanos,
abusados e sem família ou amigos procurando por ela, Fiona sabia que
desejar resgatar era tão realista como ter um hambúrguer grande e
suculento do céu. Sem o conhecimento de Fiona, a equipe SEAL, incluindo
Cookie, estava a caminho, mas sua tarefa não consistiu em resgatá-la.
Prologo

Seis homens sentaram-se ao redor de uma mesa no avião militar


estudando um mapa da paisagem mexicana de perto. Eles foram
convocados para uma tarefa especial. A filha de um senador tinha sido
drogada e sequestrada enquanto estava festejando em Las Vegas com os
amigos e atravessou a fronteira antes que alguém soubesse que ela estava
perdida. Nenhuma nota de resgate chegou e isso significava que os
sequestradores eram provavelmente traficantes de sexo. Eles queriam uma
mulher bonita que pudessem vender como escrava sexual nas entranhas do
México ou além.
Wolf, Dude, Abe, Mozart, Benny e Cookie foram todos membros da
equipe SEAL que foram escolhidos para fazer algum reconhecimento e ver
se conseguiam descobrir onde a mulher foi pega... e trazê-la para casa.
O sétimo membro não oficial da equipe, Tex, estava na Virgínia
trabalhando sua magia com seus contatos e computadores. Nos dias de
hoje, ninguém estava completamente fora do mapa. Mesmo terroristas e
sequestradores usavam eletrônicos para se comunicarem uns com os
outros. No segundo em que, eles acessavam a Internet, ou usavam um
telefone celular o Tex os encontraria.
- Benny, você e Dude serão responsáveis pela extração. Aguarde com
o helicóptero e estejam prontos para o sinal. – Matthew "Wolf" Steel
comandou.
Os homens concordaram com a cabeça. Benny e Dude tiveram a
maior experiência em pilotar helicóptero e foram as melhores escolhas para
o avião de multi-milhões de dólares. Wolf era o líder não oficial de seu
grupo. Todo homem respeitava o inferno dele e o seguiria ao inferno se ele
pedisse.
- Abe, você e eu nos dirigiremos para a aldeia mais próxima e veremos
o que podemos descobrir dos locais. Cookie, você e Mozart precisarão
verificar os dois sites de retenção possíveis que nós criamos. Isso terá que
ser uma missão de "divisão e conquista". Nós não temos tempo para estar
cem por cento seguros de onde eles estão mantendo a garota. Se você a
encontrar, contate via rádio de volta para Benny e Dude, eles informarão
para o resto de nós e todos podemos nos encontrar nas coordenadas que
discutimos. Certifique-se de ter o conjunto extra de roupas que seu pai
enviou, e viaje com luz e rápido. Não podemos permitir-nos confundir, e não
apenas porque "Papai é senador ".
Todos assentiram solenemente. Eles não davam o traseiro de um rato
sobre o que o governo ou o senador pensava, era tudo sobre a mulher. Se
eles não a encontrassem, e rápido, ela desapareceria, provavelmente para
sempre, e se tornaria apenas uma outra estatística horrível.
- Ok, vamos pousar em cerca de vinte minutos. Se eu ouvir algo mais
do Tex, vou transmiti-lo para frente. Vamos fazer isso.
Todos os homens concordaram com a cabeça, mas não se falou muito
mais. Todos estavam focados na próxima missão.
Hunter "Cookie" Knox estalou o pescoço e passou mentalmente seu
papel na extração. Ele estava indo para um dos dois campos possíveis onde
a mulher poderia estar. Eles tinham percebido que os desprezíveis que
habitualmente haviam se escondido se comunicavam com alguns traficantes
humanos conhecidos. Infelizmente havia um outro grupo na mesma área,
que correu drogas e era conhecido por também vender uma mulher
ocasionalmente. Este grupo também esteve ativo recentemente e a equipe
também os examinou.
Mozart levaria um grupo e Cookie levaria o outro. Cookie esperava
que fosse encontrar a mulher. As ordens eram para arrebatar e agarrá-la,
mas ele não se oporia a tirar alguns dos suspeitos. Quem pensou que era
bom sequestrar e vender mulheres merecia uma morte dolorida e lenta.
A equipe do SEAL esteve em muitas missões de resgate para contar,
por isso, infelizmente, isso não era novidade, mas, por algum motivo, a pele
de Cookie ficou muito apertada. Ele estava muito cansado para esta. Ele não
podia esperar para pegar botas no chão e tirar a mulher do inferno de
esquivar.
O avião começou seu pouso, era hora.
CaPitulo um

Cookie caminhou silenciosamente pela selva, de vez em quando,


olhando para o GPS encaixado na LBV, Load Bearing Vest, para se certificar
de que ainda estava indo na direção certa. Ele podia sentir o suor escorrer
de sua testa e ele estava constantemente limpando-o enquanto ele
continuava dobrando e esquivando de árvores e obstáculos em seu
caminho. Cookie conseguiu cobrir uma boa distância a cada hora, algo que
ele sabia que não seria capaz de fazer uma vez que Julie estivesse com ele...
se Julie estivesse com ele.
Mesmo que sua inteligência lhes dissesse que era provável que ela
estivesse sendo mantida em um dos dois campos, Cookie esperava que suas
informações fossem corretas. O tráfico sexual não era qualquer coisa que
seguisse os padrões. Uma vez que um grupo pode manter uma mulher por
semanas, outra mulher pode ser mantida por apenas horas. Dependia de
onde e para quem se dirigia.
Embora Cookie estivesse prestando atenção onde ele estava
colocando os pés, ele ainda se encontrou tropeçando sobre raízes e lama no
chão. A selva não era qualquer lugar que qualquer um fizesse uma
caminhada de prazer, e Cookie sabia que a caminhada de volta ao ponto de
extração com Julie não seria fácil. Inferno, não foi fácil para ele, e ele foi
treinado e vestido para isso.
O senador lhes entregou roupas para sua filha, mas mesmo uma
camisa de manga comprida e um par de calças não conseguiram manter os
mosquitos fora de seus olhos e o calor penetrou no mesmo dia em seus
ossos quando eles voltaram para o ponto de extração. Cookie sabia que
nunca levaria o ar condicionado como garantido novamente.
Ele diminuiu o ritmo quando chegou perto de seu alvo. O
acampamento era ruidoso e agitado. Os homens estavam consumindo
grandes quantidades de álcool e era óbvio que eles estavam comemorando
algo. Cookie se ajoelhou na escuridão que a selva forneceu e levou seu
tempo. Ele queria se precipitar para o prédio, situado ao lado, mas ele se fez
esperar. Ele só tinha uma chance de fazer isso certo, e Julie estava contando
com ele para tirá-la de lá. Cookie aguardaria o momento certo. Então ele
faria seu movimento.

***

Fiona sentou-se no escuro e os olhos arregalados. Ela não estava


dormindo bem, como de costume, e tinha ouvido enquanto seus captores
tinham partido toda a noite. Eles ficaram quietos uma hora ou mais, e sabia
que a manhã estava a caminho. Fiona estava pensando em quão quieto
estava, agora que os homens provavelmente se desmascararam, quando
pensou que ouviu algo. Ela não tinha certeza se era sua imaginação ou as
drogas que haviam forçado nela, mas ela também não achava que
fosse. Fiona conhecia cada rangido e gemido no inferno, e o som que ouvia
estava fora do comum.
Julie, a outra mulher, finalmente ficou em silêncio. Ela gritou sem
parar por dois dias. Não era como se Fiona estivesse com coração frio, mas
Julie não a escutava e não seria consolada. Fiona tentou se lembrar de
quando ela foi trazida pela primeira vez aqui, mas era impossível. Foi há
muito tempo atrás. Ela pensou que tinha sido cerca de três meses, mas não
podia ter certeza. Fiona tentou acompanhar, mas sabia que havia alguns dias
que ela havia saído das drogas que seus captores estavam forçando
nela. Noventa dias, cem dias... seja lá o que fosse, era uma vida inteira.
Ali. Um pequeno feixe de luz no canto. Fiona sabia que não eram os
guardas, eles não iriam se esgueirar, e eles certamente não teriam apenas
uma pequena lanterna. Quem foi? O que era isso? Fiona estava com medo
de esperar.
Fiona sabia que ninguém estava vindo por ela. Ela não tinha nenhuma
família de volta para casa, e seus amigos eram mais conhecidos do que
qualquer outra coisa. Ela sabia como essas coisas funcionavam. Quando
alguém é sequestrado, a família faria o que fosse que aceitasse para
recuperar o seu amado... mas no caso dela, ela não tinha ninguém. Fiona
estava à mercê dos sequestradores, estava à mercê por três longos meses,
e ninguém a salvaria.
Sua mente quase se virou para o inferno que tinha passado nas mãos
dos sequestradores, mas Fiona o impediu. Ela não podia ir lá. Não sabia se
ela poderia ir lá novamente. Seu novo mantra era sobreviver um dia de cada
vez, mas mesmo aquela pequena rebelião contra seus captores estava em
um terreno instável. Fiona lentamente aprendeu algum espanhol durante
seu cativeiro, e as palavras que ela conseguiu traduzir, droga, morte, cadela
e sujeira, não a fizeram pensar em pensamentos felizes. Mas Fiona preferiria
enfrentar a morte de cabeça e, então, sofrer com o que os homens tinham
na loja para Julie. Sem resposta.

***

Cookie tinha sido deixado a cinco milhas de distância por Dude e


Benny no helicóptero. O plano era pegar a mulher e voltar para a
selva. Cookie estava preparado para qualquer coisa, ou então pensou que
estava. Ele meio que riu para si mesmo. Inferno, eles tentaram estar
preparados para qualquer coisa, mas como eles geralmente descobriram, o
plano A normalmente não funcionou, e plano B normalmente tornou-se o
novo plano A. De vez em quando, a equipe precisaria criar um plano C em
voar quando os outros planos se tornaram fubar 1*, fodido além de todo o
reconhecimento.
Cookie seguiu furtivamente o caminho para o prédio desabrigado à
beira do acampamento. Era no início da manhã e estava escuro. Ele
observou enquanto os homens do campo bebiam em um estupor e

1
*FUBAR: Gíria do Exército dos Estados Unidos da América, FUBAR, quer dizer que todos são
irreconhecíveis.
cambaleavam em torno do acampamento. Alguns caíram na terra e seus
chamados amigos apenas deixaram-nos lá para dormir com o álcool.
Faziam festas por um motivo; esses tipos de homens não tinham
dinheiro para desperdiçar em ficar bêbado todas as noites. Cookie esperava
que estivesse no lugar certo. Eles poderiam estar comemorando a venda da
mulher que ele estava aqui para encontrar. Ele esperava que ele não
estivesse muito atrasado. Se eles já tivessem vendido Julie, havia poucas
chances de a equipe conseguir recuperá-la. Ela desapareceria, assim como
faziam as centenas de mulheres todos os anos.
Cookie girou a caneta lanterna por um momento para que ele pudesse
seguir em frente. Não houve barulho proveniente do pequeno edifício
retangular. Sua inteligência disse que a mulher poderia estar aqui, e as ações
dos homens fora pareciam confirmá-lo. Mozart estava a cerca de vinte
cliques a norte da sua localização, conferindo um segundo site possível. As
doze milhas ou mais entre eles poderiam ter sido cem. Mozart estava muito
longe para fornecer backup, e o inverso também era verdadeiro.
Se o prédio estivesse vazio, Cookie desapareceria de volta na selva e
se encontraria com Wolf e Abe que estavam esperando na cidade mais
próxima para os resultados de suas investigações.
A mulher atrás de qual ele vira, Julie, estava desaparecida há cinco
dias. Cinco dias de inferno. Cinco dias demais na opinião de
Cookie. Inferno, um dia foi muito longo.
Cookie e seus irmãos da equipe SEAL já tinham visto tudo isso
antes. Ele nunca se acostumaria com o fato de que seres humanos eram
vendidos como escravos sexuais. Era tão bárbaro. Cookie pensou e as
mulheres de seus colegas de equipe estivessem nesse tipo de situação e fez
sua pele se arrepiar. Caroline e Alabama eram duas das mulheres mais fortes
que conhecia. Caroline salvou a vida de Wolf duas vezes. Cookie sabia que
as mulheres eram mais fortes, em geral, do que a maioria dos homens lhes
deram crédito.
Mas isso, sendo sequestrada e sabendo que você deveria ser vendida
a uma vida de abuso e depravação sexual para nunca mais ser livre, isso era
algo que Cookie não sabia como alguém poderia sobreviver com sua
sanidade intacta.
Julie era a filha de um senador e, provavelmente, uma das únicas
razões pelas quais Cookie e sua equipe estavam no México. Se tivesse sido
alguém, qualquer outro pai menos rico e politicamente motivado, a família
teria que tentar trabalhar com a polícia local, ou com investigadores
privados, e não conseguir chegar a lugar nenhum. Cookie voltou ao seu
pensamento de que nenhuma mulher, nenhum ser humano, deve ter que
passar pelo que Julie o tinha inevitavelmente atravessado desde que ela
tinha sido sequestrada. Cookie achou que ela provavelmente teria sido
estuprada repetidamente para tentar assustá-la na submissão. Ela
provavelmente estava morrendo de fome e tinha medo de sua
mente. Cookie sabia que Julie provavelmente precisaria de anos de
aconselhamento para ajudá-la a tornar-se normal outra vez... se ele pudesse
encontrá-la e tirá-la da selva com segurança.
Se Julie pudesse andar, isso facilitaria seu trabalho, mas ele estava
preparado para levá-la, se fosse preciso. Cookie sabia que ela era uma
mulher pequena, com apenas um metro e meio e dois centímetros de altura
e pesava cerca de cinquenta quilos. Ele achou que provavelmente perdera
peso na semana em que ela estava em cativeiro, então ele sabia que não
teria problemas para levá-la pela selva, se ele precisasse.
O pacote que ele normalmente realizava em missões pesava mais que
Julie, mas Cookie ficou claro para essa viagem. Ele carregava apenas as
necessidades básicas para a sua caminhada através das árvores espessas. Ele
queria poder se mover rápido e silencioso, e isso seria mais fácil se ele tivesse
menos peso para carregar.

Também tinha seu kit de primeiros socorros para que ele pudesse
ajudar Julie de qualquer maneira médica se ela precisasse, e ela
provavelmente faria. Os traficantes de seres humanos não eram conhecidos
como os mais agradáveis. A substituição de roupa que ele trouxe para o seu
tamanho a protegeria dos insetos e das plantas quando eles cortarem a selva
até o ponto de extração. Ele estava levando mais água e rações de comida
para os dois para um ou dois dias também.
Cookie se moveu silenciosamente para o prédio e brilhava
brevemente na esquina. Bingo. As placas estavam apodrecidas aqui do calor
e da umidade da selva. Seriam mais fáceis de remover. Cookie sabia que os
sequestradores estavam nos outros edifícios, a maioria deles desmaiou, mas
ele não ia correr o risco. Ele queria tirar Julie e sair daqui sem que ninguém
percebesse. Se a sorte estivesse com ele, ele e Julie iriam há muito tempo
antes que os sequestradores percebessem que ela escapara.
Cookie tirou duas tábuas, apenas o suficiente para ele apertar, e se
acomodar na sala, sem saber o que encontraria. Ele não queria apenas
acender a luz na sala, porque se não fosse onde Julie estava sendo mantida,
ele poderia estar cometendo uma merda.

Fiona prendeu a respiração. Ela podia ouvir quem estava trabalhando


na parede na esquina. Ela pensou muitas vezes que, se ela só pudesse
alcançar as paredes, ela poderia escapar para a selva... mas, como ela estava
acorrentada no chão, ela não conseguia chegar perto. Ela observou como
um homem, Fiona assumiu que era um homem, facilitou-se na sala.
Havia apenas a luz que entrava do brilho da lua através do buraco que
ele havia feito na parede, mas, como os olhos de Fiona estavam ajustados à
escuridão, ela podia ver surpreendentemente bem. O homem era grande e
tinha um grande pacote nas costas. Ele estava todo de negro e estava focado
em Julie, que estava deitada no chão do lado da sala. Como ela estava do
outro lado do prédio retangular, Fiona não achou que o homem podia vê-la
através da escuridão cheia de tons da noite.
Cookie tentou respirar pelo nariz. O cheiro na sala estava
putrefado. Cheirava urina, suor, sangue e medo. Algumas pessoas
zombavam de sua afirmação de que podia sentir o medo, mas Cookie esteve
em bastantes buracos do inferno, e tinha visto algumas coisas más na sua
carreira, para saber que o medo tinha um odor. Não era algo que ele
pudesse explicar prontamente para outra pessoa, mas quem estava em
combate e tinha visto as coisas que ele tinha, saberia imediatamente o que
ele queria dizer.
Ele esteve em muitos lugares ruins com sua equipe SEAL, mas este foi
um dos piores. Cookie não achava que os traficantes de sexo tivessem a
mulher o suficiente para que tornasse isso ruim, mas ele supunha que tudo
era possível. Todo mundo lida com a merda que acontece em suas vidas de
forma diferente, e porque Julie era de uma família rica e poderosa, Cookie
supôs que ela não tinha os mecanismos de enfrentamento que outras
pessoas faziam.
Cookie viu uma forma no chão que tinha que ser Julie. Seu pulso
aumentou ainda mais do que já estava. A adrenalina percorreu seu
corpo. Ele a encontrou. Graças a Deus.
- Julie. - Cookie sussurrou, enquanto tocava o ombro brevemente.
A mulher rolou, olhou para cima e tomou uma grande
inspiração. Sabendo o que estava por vir, Cookie rapidamente colocou a mão
sobre a boca de Julie para sufocar seu grito. Ele rapidamente tentou
tranquilizá-la.
- Meu nome é Cookie, eu sou um SEAL da Marinha. Estou aqui para
levá-la para casa. - Suas palavras eram silenciosas. Elas mal penetraram os
poucos centímetros de sua boca até os ouvidos, mas ela as ouviu no entanto.
Julie assentiu freneticamente e começou a chorar. - Graças a Deus. -
ela sussurrou, quebrada depois que Cookie tirou a mão de sua boca.
Cookie não desperdiçou qualquer momento tentando tranquilizá-la,
mas, em vez disso, começou a trabalhar libertando-a. Ele estava
chateado. Julie estava presa ao chão por uma corrente curta presa em torno
de seu tornozelo. Ela tinha alguma liberdade de movimento, mas não
muito. Havia um balde perto, Cookie assumiu para Julie se aliviar dentro.
- Você aguenta? Você pode andar? - Cookie perguntou a Julie,
novamente, na voz silenciosa que ele usara antes.
Julie assentiu, mas cambaleou quando ela se levantou. Cookie cavou
em sua mochila e tirou a camisa preta de manga comprida que ele trouxe
para ela. Era pequena, quase delicada e frágil. Cookie ajudou Julie a colocar
cada braço nas mangas. Ele então tirou as calças cargo preta. Olhando para
Julie, ele pensou que as roupas poderiam ser um pouco grandes, mas ele
esperava que elas coubessem.
- Julie, tire seus shorts e coloque estes, rapidamente. - Cookie não era
conhecido como um homem gentil, e ele não podia evitar se ele soasse
curto. Ele sabia que o tempo estava contra eles, eles tinham que sair de lá e
desaparecerem na selva antes que os sequestradores começassem a se
revoltar e levassem Julie para lá e a entregassem ao novo dono.
- O quê? - Julie disse com um sorriso ruim: - Eu não poderia estar com
você aqui...
Cookie cortou-a com uma mão sobre a boca novamente. - Olha, você
quer sair daqui ou não? Você não pode sair naquela selva com shorts, apenas
coloque as malditas calças.
Cookie meio girou para dar a Julie tanta privacidade quanto ele
podia. Ele não gostou do tom chorão de sua voz, mas tentou dar-lhe o
benefício da dúvida. Ela estava com medo em sua mente. Ele poderia tentar
ser mais agradável. Cookie tentou imaginar Caroline ou Alabama no lugar de
Julie. O pensamento o fez suavizar a voz dele. - Desculpe, não queria ser tão
abrupto. Deixe-me saber quando estiver pronta.
- Por favor, vamos simplesmente. - foi a resposta de Julie. Cookie
virou-se e viu que ela colocava as calças e estava segurando a cintura com
uma mão. As calças se encaixam, mas mal. Cookie a estabilizou quando ela
tropeçou enquanto caminhava para o canto da sala onde ele entrou. A mão
de Julie agarrou sua camisa em uma bola enquanto se dirigiam para a saída.

Quando Cookie se virou para sair da sala, deu um último olhar ao redor
da sala longa, acalmou-se e estreitou os olhos. Ele achou que viu algo no
outro lado. Ele estava vendo coisas? Cookie inclinou a cabeça e se esforçou
para ouvir. Eles estavam prestes a ser pegos? Era um dos homens? Cookie
agarrou a faca na cintura e esperou, cada músculo pronto para entrar em
ação.
Capitulo dois

Fiona assistiu desapaixonadamente quando o homem que entrou na


prisão ajudou Julie em uma camisa de mangas compridas. Fiona não moveu
um músculo. Era óbvio que o homem tinha vindo para a mulher e não para
ela. Embora Fiona esperasse e rezasse para que alguém a encontrasse, doía
que ele viesse para Julie e não para ela. Ela era uma menina grande. Ela
sobreviveu a tudo o que tinham feito com ela até agora, ela sobreviveria a
isso também.
Tudo o que Fiona podia fazer era olhar impotente. Ela não choraria,
não imploraria. Ela pensou em chamar o homem, mas obviamente estava
tentando ficar quieto e a última coisa que queria fazer era alertar os
sequestradores do que estava acontecendo, que sua última escrava estava
sendo resgatada.
Fiona observou enquanto o homem se afastava para dar a Julie
alguma privacidade para vestir as calças que ele lhe trouxera. Ela não
conseguia ouvir o que ele havia dito para ela, sua voz era muito baixa para
que ela passasse pelo quarto. Fiona não conhecia muitos homens que eram
honrados, mas parecia que esse soldado era um, pelo menos ele entendeu
que Julie poderia estar envergonhada ou traumatizada por tirar seus shorts
na frente dele depois de tudo o que tinha passado.
Ela observou quando o casal se virou para sair das placas agora
desaparecidas na esquina. Fiona prendeu a respiração. Ela tentou dizer a si
mesma que era um milagre que pelo menos uma delas saír desse
inferno. Talvez Julie diria a alguém sobre ela uma vez que ela estivesse longe
daqui e segura.
Assim que o casal estava prestes a sair, o homem se virou para dar um
último olhar ao redor do quarto. Fiona olhou quando ele ficou perfeitamente
imóvel, enquanto aparentemente olhava para ela. Ela sabia que não tinha
feito barulho. Ela tinha? Se ela inconscientemente se mexeu ou fez alguma
coisa para chamar sua atenção? Ele a viu? Como ele sabia que ela estava lá?
Cookie colocou a mão no braço de Julie e sussurrou: - Espere
aqui. Acho que vi algo.
- Onde você está indo? - Julie gritou silenciosamente e agarrou seu
braço desesperadamente. - Não, não vá lá... temos que ir. Por favor, eu
quero ir agora mesmo!
Cookie ergueu a mão para silenciá-la e tirou a mão do braço. -
Quieta. Você quer que todos no acampamento venha aqui para ver por que
você está fazendo tanto barulho? - Na agitação da cabeça rápida de Julie, ele
continuou. - Certo. Agora fique aqui por um segundo, volto logo.
Cookie escorregou na escuridão para o outro lado do quarto. Ele
achou ter visto outra pessoa no quarto, a faca pronta. Se fosse um dos
bandidos, ele teria que levá-lo para fora. Ele não podia deixar testemunhas
sobre o que aconteceu com Julie. Assim que ele teve o pensamento, ele o
descartou. Não poderia ter sido um dos sequestradores, ele já teria sido
confrontado agora. Cookie estava confuso, se fosse outro prisioneiro por
que a pessoa não havia dito nada? Ele estava vendo coisas? Se fosse outra
pessoa, por quê o Tex não havia falado sobre uma segunda prisioneira? Tex
estava monitorando ilegalmente a área com os satélites do governo
altamente sensíveis, ele deveria saber sobre uma segunda pessoa no prédio
com Julie.
Cookie e sua equipe foram sempre preparados para qualquer coisa,
mas se fosse outra pessoa, ou Deus me livre, mais de uma pessoa, esse
resgate só seria cem por cento mais complicado. Eles não contavam com
mais do que Julie, nem mesmo o plano B representava mais de um
prisioneiro. Cookie tentou calcular mentalmente as possibildades que ele
tinha com ele, juntamente com os procedimentos de extração enquanto ele
se arrastou em pés silenciosos para o outro lado do espaço vazio. Tudo teria
que ser alterado dependendo do que ele encontrasse.
Cookie moveu-se silenciosamente ao longo da parede em direção
aonde ele pensou que tinha visto alguma coisa. Quando ele se moveu, o
cheiro da sala ficou mais forte. Se houvesse outra pessoa aqui, ela haviam
estado aqui por muito mais tempo do que Julie, com base no cheiro. Ele
tentou não mordaçar, reagir, enquanto se aproximava. Cookie parou de
repente. Merda sagrada. Era outra pessoa, outra prisioneira. Era uma
mulher.
Parecia horrível. Ela também estava acorrentada ao chão, mas ela
tinha sido acorrentada pelo pescoço em vez de pelo tornozelo, como Julie
tinha sido. Ela estava sentada com as pernas para o lado no chão, com uma
mão apoiando-a. Ela estava coberta de sujeira. Ele podia ver os brancos de
seus olhos brilhando através da sujeira em seu rosto. A luz era quase
inexistente aqui, mas Cookie podia ver com muita clareza a forma em que
ela estava.

Ela estava usando uma camiseta desgastada, cortou os shorts de brim


que haviam visto dias melhores, e havia um par de chinelos ao lado dela no
chão. Ela sentou-se, olhando-o silenciosamente.

Fiona viu o homem se aproximar dela. Como ela adivinhou, ele era
uma espécie de soldado. De repente, teve o horrível pensamento de que
talvez ele não estivesse aqui para resgatar Julie, mas sim para roubá-la de
seus captores para vendê-la. Fiona respirou fundo. Não, ela tinha que
acreditar que ele estava lá para salvar Julie, e não colocá-la através de mais
inferno.
Fiona viu o homem levá-la de uma só vez. Ela só podia adivinhar o que
parecia. Ela sabia que estava suja e cheirava horrível. Seus captores não
haviam permitido que ela tomasse banho e a única maneira de atender suas
necessidades era o balde perto, que não havia sido esvaziado demais.
Eles a torturaram encurtando a corrente e anexando-a ao pescoço,
em vez do tornozelo, de modo que não teve muita liberdade de
movimentos. Fiona só tinha espaço suficiente para se levantar, se encolher
e só o suficiente para mover dois pés de um lado para outro. Ela ainda estava
usando a mesma roupa que tinham a levado. Ela estava nojenta, Fiona sabia
disso. Ela não tinha preocupado-se com isso antes, justamente pensando
que ajudava a manter seu abuso a um mínimo, mas agora... agora ela se
importava.
Fiona não tinha certeza o que dizer para o homem. Ela estava
envergonhada e queria desesperadamente sair de lá, mas sabia que
ninguém tinha pago para ele chegar a ela , apenas a outra mulher. Talvez
pudesse convencê-lo a dizer ao governo ou ao Exército, ou alguém , que ela
estava ali para que eles pudessem voltar e pegá-la. Fiona sabia que não havia
nenhuma maneira que este homem poderia levá-la com ele também. Estava
tudo bem; ela tentou dizer a si mesma, realmente.
Cookie não pode deixar de ficar chocado. Ele não ficava facilmente
chocado. Os tipos de missões que ele e sua equipe tinham feito, em sua
maior parte, tudo era horrível. Enquanto alguns tiveram bons resultados,
nenhum era qualquer coisa que ele sempre quis voltar a viver. Esta superou
todos eles.
A mulher estava sentada no chão, cercada por sujeira, acorrentada ao
chão, apenas olhou para ele. Cookie não podia acreditar que ela não tinha
dito nada durante todo o tempo que ele estava lá. Ele quase deixou sem
saber que ela estava lá.
- Você fala inglês? Qual é o seu nome? - Cookie perguntou baixinho
enquanto se ajoelhava ao lado dela e pegou a faca.
- Fiona. - disse ela suavemente, sem acento discernível.
Americana, Cookie pensou consigo mesmo, provavelmente a partir do
Centro-Oeste .
- Temos que nos apressar, Fiona. - ele disse a ela distraidamente. Ele
disse tanto a ela quanto para si mesmo. Cookie não estava pensando muito
sobre ela no momento, sua mente estava preocupado em chegar com um
novo plano sobre como tirar a ela e Julie fora da selva ilesas. Ele não tinha
roupas para esta mulher. Eles só tinham planejado Julie. Cookie pensou
sobre o que ele tinha em sua mochila. Ele poderia dar-lhe a camisa extra que
ele tinha trazido para ele, mas ele não podia fazer nada sobre seus sapatos
ou seus shorts. Merda , isso ia ser difícil.
No meio de pensar através de um novo plano de fuga, Cookie também
voltou a pensar nas ações de Julie. Ela estava indo para deixá-los sair do
quarto sem uma vez dizer qualquer coisa sobre outra pessoa que estava
sendo aprisionada com ela. Julie ia deixar essa mulher, Fiona, morrer, ou
pelo menos ser submetida a mais inferno. Cookie tinha encontrado algumas
pessoas egoístas em sua vida, mas ele nunca pensou que alguém pudesse
ser tão insensível como Julie tinha acabado de mostrar. Cookie tentou
concentrar-se de volta em Fiona e não pensar sobre Julie por um momento.
Fiona estendeu a mão para tocar o homem, depois mudou de ideia e
colocou-a de volta em seu colo. Ela ficou espantada que o soldado estava
indo para tentar quebrar sua cadeia, mas ele realmente não tinha
tempo. Eles tinham que sair de lá antes que fossem descobertos.
- Está tudo bem, senhor. - Fiona disse tão suavemente quanto pôde. -
Eu sei que você está aqui para ela. - ela fez um gesto em direção a Julie que
era uma bolha escura do outro lado da sala, esperando impacientemente no
canto. - E não tem tempo para mim, mas se você talvez pudesse dizer ao
Exército ou a polícia, ou alguém , que eu estou aqui quando você chegar em
casa, eu aprecio isso.

Cookie parou e olhou para a mulher. Ele tinha ouvido direito? -


Perdão? - Ele perguntou, antes que pudesse se conter.

Fiona quase chorou. Ele parecia louco. Ela não queria fazê-lo
louco. Ela gaguejou um pouco para responder, e baixou a voz um pouco
mais. Fiona estava envergonhada por Julie ouvir como patética ela
realmente era. - Eu não tenho dinheiro para contratá-lo para me resgatar
também, então se você pudesse apenas dizer a alguém quando sair... - Ela
parou quando o homem continuou a olhar para ela.
Finalmente, ele disse em um tom cortante: - Se você acha que eu vou
te deixar aqui, você está louca.
Assim que Fiona abriu a boca, ele silenciosamente a calou e começou
a trabalhar na corrente no pescoço.

Cookie estava chateado. Que diabos? Por que essa mulher pensava
que ele ia deixá-la aqui? Por mais que tê-la junto pudesse ser um
inconveniente, não era impossível. Nada era impossível, cada SEAL tinha que
pensar no impossivel desde o primeiro dia da sua formação. Cookie não
poderia transportar tanto esta mulher e Julie, ele esperava que uma delas
fosse capaz de andar por conta própria. Fiona estava dolorosamente magra,
mas alta. Quando Cookie se inclinou para ela, ele tentou respirar pela
boca. O mau cheiro era horrível, mas ele sabia que a envergonharia se ele
fizesse qualquer menção disso, consciente ou inconscientemente.
- Eu sinto muito que eu cheiro mal. - Fiona disse-lhe em voz baixa,
como se pudesse ler a mente dele.
Cookie tranquilamente silenciou-a novamente. Ele não sabia que
outra forma de responder. Ele não podia negar que ela fedia, mas ele
também não queria dizer que não o incomodou. Cookie não teve tempo de
entrar em todas as coisas que queria dizer a ela e perguntar-lhe.
Ele se concentrou mais na corrente. Ele sabia que o tempo não estava
do seu lado. Finalmente Cookie disse-lhe: - Eu não posso tirar o colar de
metal fora agora, mas posso quebrar a corrente.
Fiona simplesmente disse: - Ok. - como se o colar de metal pesado em
torno de seu pescoço fosse um belo colar de ouro delicado em vez de um
dispositivo de tortura que tinha que estar causando sua dor.
Quando a corrente finalmente caiu livre, Cookie aliviou-a no chão para
que não batesse alto. Ele rapidamente virou-se para sua mochila e cavou
fundo até que ele veio com sua camisa extra. Era de manga comprida e
preta, assim como a que ele tinha. Ele estendeu-a para Fiona.
- Eu não tenho nenhumas calças extras, mas eu tenho uma camisa, vai
ficar grande em você, mas vai ajudar. É melhor que nada.
Fiona assentiu, extraordinariamente satisfeita por ter isso. -
Obrigada. Sério, eu... Vai ser perfeito.
Cookie continuou falando. - Eu não tenho sapatos que se encaixam
em você ou um par extra de calças. - ele disse a ela, expressando suas
preocupações em voz alta.
Fiona sabia que a caminhada através da selva de shorts e chinelos
estava indo para sugar, que foi provavelmente o eufemismo do século, mas
ela certamente não ia reclamar. O colar em volta do pescoço feria. Ela tinha
esfregado a pele crua e pensou que estava sangrando, mas novamente,
Fiona se tornaria voluntária para usar a coisa para sempre se isso significasse
sair deste inferno.
- Eu posso gerir com apenas a camisa, obrigada. - Fiona disse a ele
honestamente. Em seu olhar de descrença que ela interpretou mal, ela se
endireitou um pouco e prometeu: - Eu não vou te atrapalhar. Eu sei que você
não tem que me ajudar, mas eu juro que vou ficar quieta e eu vou manter-
me. Eu vou fazer o que você me disser, eu vou fazer de tudo para sair daqui.
Cookie olhou para Fiona surpreso. Ela continuou a impressionar o
inferno fora dele. Ela poderia ter sido histérica, mas ela tinha uma dignidade
silenciosa sobre ela. Ele desejou que ele pudesse ter o tempo para conhecer
mais sobre o que diabos tinha acontecido com ela e como tinha chegado lá,
mas ele estava rapidamente ficando sem tempo.
- Isso é bom de ouvir, Fiona. Basta falar para mim como nós vamos. -
Cookie disse a ela. - Eu vou fazer o que puder para ajudá-la, mas se você não
me disser que algo está errado ou que você precisar de ajuda, eu não posso
ajudá-la.
Fiona assentiu e disse-lhe: - Se eu te atrapalhar muito, basta ir em
frente sem mim. Vou pegar ou você pode enviar alguém de volta para mim
mais tarde.
Cookie apenas balançou a cabeça. - Não vai acontecer, Fiona. - ele
disse a ela. - Estamos todos a sair daqui juntos.
Cookie levantou-se e estendeu a mão para ajudar Fiona. Ele agarrou-
a pelo braço. Ele não deveria ter sido surpreendido com o quão frágil ela
mostrava-se, mas ele estava. Sua força quieta quando ela falou o tinha
distraído de seu verdadeiro estado físico.
Sentiu-a balançar um pouco, mas ela se conteve e se endireitou
rapidamente. Cookie ouvi-a tomar uma inspiração rápida de ar e, em
seguida, acalmar-se. Ele observou enquanto Fiona mancou
desajeitadamente ao longo de seus chinelos e colocou-os em seus pés. Ela
assentiu com a cabeça sem jeito, por causa do colar de metal, como se para
dizer-lhe que ela estava pronta para ir.
Cookie agarrou a mão dela e apertou, algo que ele não tinha que fazer,
e normalmente não fazia, mas ele queria mostrar esta mulher que tudo
ficaria bem. Havia apenas algo sobre ela que o fez querer tranquilizá-la. A
equipe havia sido ensinada ao resgatar civis de situações incertas, para não
tocá-los desnecessariamente. Eles não tinham ideia do que tinham passado
e se poderia ser um gatilho para eles. A última coisa que a equipe precisava
era alguém pirando ou reagindo mal no meio de uma situação volátil.
Cookie não tinha ideia se tudo iria dar certo, eles estavam longe de
estarem seguros, ela estava longe de ser resgatada, mas ele precisava que
Fiona soubesse que ele estava impressionado com ela. Ele queria transmitir
tanto com que um aperto de mão pequeno. Cookie não sabia a sua história,
mas logo o faria. Ele só tinha que levá-los todos para fora daqui em uma
peça.
Fiona lutou para conter as lágrimas. Jesus, ela teve que se
aguentar. Seu pequeno sinal de aprovação e encorajamento foi o suficiente
para ela querer cair em seus braços e nunca deixar ir. Ela não podia fazer
nada para distrair ou irritar este homem. Ele era tudo o que estava em pé
entre ela e a liberdade.
Ela se arrastou atrás dele tão silenciosamente quanto pôde enquanto
cruzavam de volta para o buraco no canto da sala. Fiona estremeceu quando
seus chinelos fizeram um percetível ruído cada vez que ela deu um
passo. Chinelos não eram exatamente tranquilos. Ela começou a embaralhar
seus pés em vez disso, e o barulho acalmou.
Fiona observou o soldado que deitou de bruços e deslizou para fora
do buraco em primeiro lugar. Ele disse-lhe e a Julie que esperassem até que
ele verificasse nas imediações para se certificar de que era seguro. Fiona
aproveitou o momento para se sentar no chão e descansar. Jesus, mesmo a
curta caminhada através do quarto tinha sido cansativa para sair. Ela não
tinha ideia de como ela estava indo para fazê-lo fora na selva, mas ela faria
seu melhor que pudesse.

Como se estivesse lendo sua mente, Julie se inclinou e agarrou o braço


de Fiona com um aperto surpreendentemente forte e cravou as unhas. - É
melhor não estragar tudo para mim. Meu pai mandou-o para mim, não para
sua bunda gorda.
Fiona puxou o braço para fora do aperto de Julie e fugiu para longe da
outra mulher. Ela não disse nada. Ela não podia. Cada palavra vil da boca de
Julie era a verdade e não podia ser refutada.
Cookie encontrou o acampamento do jeito que estava quando ele
entrou no prédio aonde as mulheres haviam sido mantidas. Ninguém estava
apontando. Todos estavam ainda dormindo ou desmaiados. Eles não tinham
muito tempo antes do sol começar a subir e eles tinham que estar muito
longe até então. Cookie voltou para o edifício e ajudou Julie deslizar para
fora do buraco. Ele fez sinal para ela se agachar perto da parede, em seguida,
virou-se para ajudar a Fiona.
Após as duas mulheres estarem fora, Cookie apoiou as placas de volta
em seus lugares originais. Não passaria por uma inspeção perto, mas
esperava que os sequestradores não fossem tão inteligente e não tivessem
ideia de como seus prisioneiros escaparam por um longo tempo, dando-lhes
uma vantagem agradável.

Cookie observou como as mulheres assentiram com entusiasmo, e


todos eles se dirigiram para a selva implacável.
Capitulo tres

Fiona caminhou atrás do soldado e Julie silenciosamente. Ela


prometeu não fazer nada para segurá-los, e ela estava fazendo seu maldito
melhor para manter esse voto. Ainda estava escuro, mas o sol tinha acabado
de começar a fazer o seu caminho acima do horizonte. Fiona mal podia ver
Julie à frente dela. A outra mulher estava segurando a mochila do soldado
como a própria vida. Julie não tinha deixado Fiona chegar perto do homem,
ela o reivindicou para si mesma.
Ele estava dando um bom ritmo e Fiona podia ouvir-se respirar muito
duro e muito alto. Ela parou golpeando os insetos nas pernas um tempo
atrás, era inútil e sem sentido. Assim que ela golpeava um, mais dois iriam
pousar. Fiona sabia que teria picadas de insetos por toda parte, mas ela
estaria viva. Seus pés também doíam. Ela tocou os dedos dela mais de uma
vez nos troncos e outras coisas no chão da floresta, mas não ia reclamar.
Fiona se recusou ser uma cadela sobre isso. Ela estava fora desse inferno e
ela suportaria tudo o que ela tinha que suportar, a fim de sair do país por
completo.
Fiona estava preocupada com a retirada de drogas que ela sabia que
tinha entrando. Seu corpo começou a tremer e ela sabia que era só uma
questão de tempo antes que a ânsia por drogas que seus captores forçaram
em seu sistema iria ficar ruim. Ela não tinha ideia do que diabos eles estavam
atirando em seu corpo, mas odiava cada segundo dela. O sentimento de
algum cocktail misterioso sendo empurrado em suas veias era horrível. Ela
lutou com seus captores como uma gata selvagem cada vez que entravam
com outra seringa. Eles tinham acabado de segurá-la enquanto empurraram
a agulha em seu braço. Fiona tinha passado por várias vezes desde que
tinham começado a atirar nela, e seus captores tinham apenas rido dela. Eles
tinham a observado, esperando por ela para pedir as drogas, mas Fiona se
recusou. De jeito nenhum ela iria implorar aos idiotas para colocar mais
veneno em seu corpo. Finalmente eles começaram a furar o seu pequeno
jogo, e injetaram a droga em seu corpo regularmente, não se importando
que ela lutava cada vez.
Fiona teve que tomar sua mente fora das drogas e a reação de seu
corpo... ela fez o que tinha que ser feito enquanto acorrentada ao chão... ela
começou a se concentrar na contagem regressiva de mil lentamente. Se ela
se concentrasse sobre os números tudo parecia estar melhor. Mil, 999, 998…
Quando Fiona tinha contado para baixo para as três centenas, o
soldado chegou a parar. A luz da manhã foi espreitando por entre as árvores
agora, aquecendo a área rapidamente.
- Vamos parar aqui para uma pausa. - ele disse às mulheres.
Julie imediatamente se sentou. - Por favor. - ela disse em uma voz
chorosa. - Estou com tanta fome, você tem alguma comida?
Cookie olhou para a mulher sentada a seus pés. É claro que ela estava
com fome, mas ele queria levá-las tão longe a partir do composto antes de
parar. Lembrou-se de volta ao inferno que tinha encontrado Julie e pensou
sobre como ela queria deixar Fiona trás. Ele tentou conter sua
irritação. Julie tinha sido sequestrada por amor de Cristo.
- Claro, Julie. Eu tenho algumas barras de granola.
Julie retrucou. - É isso? Somente barras de granola? Você sabe quanto
tempo tem sido desde que eu tive qualquer tipo de verdadeira comida?

Cookie parou no ato de chegar em sua mochila e simplesmente olhou


para a mulher. Ele estava ficando chateado. Ela estava falando sério? Claro
que ela estava. Ele tentou ficar civil.

- Sim é isso. Você vai sair daqui em breve e será capaz de ter uma
refeição completa, em seguida. Não é uma boa ideia comer uma grande
refeição no momento quando o estômago não está acostumado com isso.
Você vai querer começar devagar e se acostumar com as refeições de
tamanho normal novamente. Eu também tenho um pouco de água. Vocês
duas. - Ele continuou, incluindo Fiona em seu gesto. - Terão que certificar-se
de beber um pouco.
A boca de Fiona regava incontrolavelmente. Ela ficou ao lado de Julie
e o homem, inclinando-se contra uma árvore. Ela não queria sentar-se,
sabendo que ela podia não ser capaz de se levantar novamente. Além disso,
tão dolorida quanto ela estava, se sentiu muito bem para ficar totalmente
na vertical, algo que ela não tinha sido capaz de fazer por um tempo. A
corrente no pescoço tinha impedido. Suas costas doíam da caminhada e
exercício desacostumados, mas era tão bom estar no ar fresco, ela não
estava prestes a reclamar.

E barras de granola. Deus. Tinha sido tanto tempo desde que Fiona
tinha comido algo de verdade, assim como Julie tinha dito. Claro que
para ela “muito tempo” era um pouco mais longo do que Julie tinha sido. Às
vezes, seus captores a trazia algumas batatas fritas ou algo assim, mas
geralmente eles acabavam por jogar um pedaço de pão duro. Fiona não
tinha certeza de quanto tempo tinha sido desde que ela tinha algo que não
foi pão endurecido ou obsoleto.
E água fresca? Ela estava no céu. Era incrível como as coisas pequenas
significam muito mais quando você não as tem. Ela tinha estado a beber
água de baixa qualidade por mais tempo do que se lembrava. No início, ela
estava doente como um cão por beber o que quer que seus captores
trouxeram para ela, mas, eventualmente, seu corpo se acostumou com as
bactérias e quaisquer outros organismos que estivessem nadando na água.
Seu estômago ainda dói, às vezes dos parasitas que Fiona sabia que estavam
provavelmente percorrendo seu corpo, mas pelo menos ela não estava mais
constantemente doente. Fiona queria pular sobre o homem, pegar a
comida, e encher em sua boca tão rápido quanto podia. Mas ela não podia.
Ela não sabia a quantidade de comida que havia trazido, e ela era a bagagem
extra. Fiona figurou que ela esperou tanto tempo, ela poderia esperar um
pouco mais para obter algo para comer, se não fosse o suficiente... talvez.
Cookie caminhou até onde Fiona estava encostada a uma árvore. Se
ele achou que ela estava ruim antes, à luz do novo dia, ele podia ver que ela
parecia pior do que pensava. Ele não tinha sido capaz de vê-la muito bem no
edifício, e eles estava andando no escuro desde então, mas agora que Cookie
teve a chance de realmente olhar para ela, ele não tinha certeza de como
ela ainda estava de pé .
O colar de metal foi parcialmente escondido por sua camiseta preta,
mas ele podia ver a pele de Fiona ao redor do topo estava vermelha e parecia
doloroso. Cookie não podia ver nenhum sangue, mas não o surpreenderia
se ela estivesse sangrando, onde a gola cavava em seu pescoço. Suas pernas
estavam imundas, e ele podia ver que estavam cobertas de vergões de
picadas de insetos. Seus pés nos chinelos estavam absolutamente
repugnantes, coberto de lama e cobertos de material preto até os joelhos.
Ela puxou o cabelo para trás em algum ponto segurou-o com uma videira de
uma das árvores que tinham passado. Ele estava fibroso e mole e tinha tanta
necessidade de um pouco de sabão. Seu rosto e as mãos também estavam
cobertos de sujeira e ela tinha filetes de suor escorrendo nas têmporas.
Ela também era muito, muito magra. Ela, obviamente, não teve o
suficiente para comer em muito tempo. Cookie estendeu uma toalha que
ele puxou de sua bolsa e ofereceu a Fiona sem uma palavra.
Fiona olhou para o homem e para a toalha estendida. Ela queria
arrebatá-la e deleitar-se com a limpeza da mesma, mas ela hesitou.
Cookie viu sua hesitação e disse em voz baixa, mal-entendendo sua
reticência. - Eu sei que não é muito, mas até que possamos estarmos mais
distante, não podemos arriscar um banho completo. - Fiona assentiu. Era
bobagem, mas ela não queria ser parcialmente limpa. Isso lembrou-lhe quão
horrível o resto dela parecia e como cheirava, se ela limpasse apenas uma
parte dela. Como se ele pudesse ler sua mente, o homem lindo na frente
dela disse: - Pelo menos as mãos, Fiona. Então você pode comer sem se
preocupar com germes.
Fiona riu sem humor. - Eu não acho que tenho que me preocupar com
germes. Eu não quero tomar o seu último. - disse-lhe honestamente.
- Eu tenho muitos. - Cookie disse a ela, ainda segurando o pano.
Fiona finalmente estendeu a mão para alcançar a toalha lentamente,
constrangida com o quanto suas mãos tremiam. Ela tentou sorrir para o
homem, esperando que ele não notasse. Claro que ele fez.
- Você está bem? - Cookie disse suavemente, estreitando os olhos. -
Suas mãos estão tremendo.
Fiona se concentrou em esfregar as mãos e não iria olhar nos olhos
dele enquanto ela tentava esfregar três meses de sujeira de suas mãos. - Eu
estou bem. Eu estou realmente pronta para sair daqui.
Cookie observou a mulher na frente dele. Santo inferno. De onde ela
tirou sua força? Ele sabia de um monte de homens que poderiam suportar
grande dor e tiveram resistência incrível. Ele tinha visto uma e outra vez com
seus próprios companheiros de equipe. Mas ali, assistindo essa mulher
indiferente, tentar limpar as mãos e ignorar sua fome e o fato de que ela
tinha acabado de escapar após ser mantida em cativeiro por quem sabe
quanto tempo... Cookie pensou que ela tinha de ser uma das mulheres mais
fortes mentalmente que ele já conheceu, e que incluía a mulher de Wolf,
Caroline.
Cookie quase esqueceu que trouxe uma barra de granola, mas
finalmente lembrou. - Quando estiver pronta, não deixe de me devolver a
toalha. Nós não queremos deixar qualquer sinal de que estivemos aqui. - Ele
observou o aceno de cabeça de Fiona, ainda sem olhar para ele. - Então você
pode comer a sua barra de granola e podemos estar no nosso caminho.
Cookie viu quando ela foi finalmente olhou para isso, não para ele,
mas para a comida que ele estendeu em direção a ela. Os olhos de Fiona
estavam trancados na comida na mão como se, se ela piscasse, ela
desapareceria. Ele quase podia vê-la salivando. O músculo em sua mandíbula
assinalou como ela apertou os dentes e Cookie podia vê-la engolir várias
vezes. Ela pode exteriormente agir como se não importasse se ela comeu
alguma coisa ou não, mas ele podia ver nos olhos dela como ela estava
desesperada pelo o pequeno pedaço de comida que ele lhe estendia. Sua
respiração tinha aumentado e ele quase podia ver seu coração batendo em
seu peito. Ela engoliu mais duas vezes, lutando com ela mesma.

Fiona queria a barra de granola mais do que ela jamais quis algo, antes
de qualquer coisa, bem, talvez não mais do que sair desta selva. Ela baixou
os olhos e deu de ombros, tentando parecer desinteressada. Ela olhou para
suas mãos, agora distraidamente esfregando-as, e disse-lhe: - Está tudo
bem, eu não estou com fome, você pode guardá-la para mais tarde.
Cookie mal manteve a boca de cair aberta. A mulher era pele e osso,
ele sabia que ela estava com fome, morrendo de fome, de fato, e ela estava
se recusando a comida? Que diabos?
- Fiona, você precisa de força para continuar. Você precisa comer.
Assim quando Fiona abriu a boca para responder, Julie interrompeu. -
Eu vou comê-la se ela não quiser.

Fiona engoliu em seco e tentou não chorar. Seu estômago se rebelou


com o pensamento de dar a barra de granola embora, mas ela se controlou
e se obrigou a sussurrar para Cookie. - Julie pode tê-la. Eu vou ter um pouco
de água.
- Uh, não. - Cookie segurou Fiona pelo braço e levou-a um pouco
longe, dizendo com firmeza por cima do ombro para Julie. - Nós estaremos
de volta, fique parada.
- O que se passa com você? - Cookie perguntou à Fiona com pouca
paciência em sua voz. Ele não tinha tempo para isso. Foi por isso que ele não
tinha uma namorada firme. Ele nunca iria entender os jogos que as mulheres
fazem, mesmo se vivesse até os cem anos. - Eu tenho que levá-la tanto ao
ponto de extração. Eu preciso que você ande, não posso levar você e ela, ao
mesmo tempo. - Cookie repreendeu sem rodeios. - Eu só posso transportar
uma de vocês em um momento.
- Você não vai precisar me levar. Eu disse que não vou te
atrapalhar. Eu sei que sou bagagem extra que você não esperava. Eu não vou
entrar em seu caminho, eu não vou te atrapalhar e não vou comer a comida
de modo que não é suficiente. Você apenas planejou para dois, você não
planejou para mim.
Cookie acalmou. Então era isso. Ela não estava tentando interpretá-lo
de qualquer maneira, ela não estava jogando, ela estava tentando voar sob
o radar. Ele não queria estourar sua bolha, mas não estava funcionando.
- Olha. - Cookie tentou tranquilizar Fiona, colocando uma mão no
ombro dela brevemente. - Não é tão longe até ponto de extração. Eu tenho
muita comida para todos nós, mesmo que eu não esperasse você. Comer
uma barra de granola não irá esgotar os meus recursos. Eu ia esperar para
contar isto, ao mesmo tempo, mas eu, obviamente, preciso informá-la
agora. Eu sou parte de uma equipe SEAL da Marinha que foi destacada aqui
para obter Julie fora do cativeiro. Meus companheiros estão nas
proximidades. Encontramo-nos no ponto de extração e daremos o fora
daqui. Não fale mais sobre ser “extra” ok? Agora, por favor, você precisa da
energia e as calorias, Fiona. Pegue.
Fiona não parecia acreditar nele, seja sobre a ajuda vindo, ou sobre a
quantidade de comida que ele tinha para eles, mas ela estava literalmente
morrendo de fome. Cookie quase riu da indecisão evidente em seu rosto,
mas ele viu o momento em que ela tomou sua decisão.
Fiona não poderia fazer-se chegar para a barra de granola quando ele
novamente estendeu-a para ela, mas ela sabia que precisava dela para que
fosse capaz de continuar. Ela olhou para o homem, não sabendo como seus
olhos imploraram-lhe para tomar a decisão de suas mãos.

Cookie estendeu a mão e gentilmente pegou uma de suas mãos


trêmulas e agarrou quando Fiona empurrou-o de volta. Ele esperou até que
ela olhou para ele. - Eu juro para você, Fiona, você não é bagagem
extra. Sim, fomos enviados aqui para Julie, mas eu viria por mim mesmo se
eu soubesse que você estava lá. Eu teria vindo para você.
Fiona apenas olhou para ele, querendo segurar as lágrimas. Depois de
não ouvir uma palavra amável em tanto tempo, suas palavras sentia-se
como um bálsamo para a alma cheia de bolhas. Ele nunca saberia o quanto
que ele apenas o que ele havia dito significava para ela.
Cookie queria dizer mais. Ele queria dizer que ele a admirava, que ele
ficou impressionado com ela, mas ele sabia que não era o momento nem o
lugar. Ele baixou a mão e Fiona ficou segurando a barra de granola. Cookie
viu como ela tentou abrir a embalagem. Ela se atrapalhou com o plástico
grosso e não poderia segurá-lo com força suficiente para rasgá-la aberta.
Cookie pegou e rasgou-a aberta para ela, em seguida, entregou-lhe de volta,
sem o invólucro.
Fiona deu uma pequena mordida e fechou os olhos. Foi a melhor coisa
que ela já tinha comido, desde sempre. Tentou degustar os sabores e não
mastigar muito rápido. Ela finalmente terminou a primeira mordida, engoliu
e abriu os olhos novamente para tirar outra pequena mordida e encontrou
os olhos do homem. Fiona virou-se em constrangimento. Deus, ela era tão
idiota. Ela deve apenas comer a coisa estúpida e acabar com isso, mas tinha
sido tanto tempo, ela queria saborear a granola enquanto podia.
Cookie engoliu sua raiva. Ele estava furioso. Não por Fiona, mas os
arrepios que tinha segurado por tanto tempo. O prazer no rosto que uma
pequena mordida deu afetou-o bastante. Ele nunca tinha estado com tanta
fome que um pedaço de comida fosse felicidade total. Claro que durante o
treinamento SEAL e BUD/S, ele e seus amigos tinham pensado que eles
estavam indo para morrer de fome, mas a partir do olhar no rosto de Fiona
agora, ele sabia que não tinha estado perto.

Ele virou-se para dar à Fiona um pouco de privacidade e voltou para


onde ele tinha deixado Julie descansando. Cookie sabia que ele soou mais
duro do que queria quando disse às mulheres um pouco mais tarde que era
hora de seguir em frente. Julie gemeu e lamentou sobre o quanto ela estava
dolorida, mas ela se levantou, agarrou sua mochila, e eles estavam prontos
para ir novamente.
Capitulo quatro

Fiona ficou em silêncio enquanto caminhavam. Ela se concentrou em


fazer a barra de granola durar tanto tempo quanto podia. Ela levou mordidas
pequenas e contou todas as mordidas. Ela não só fez a comida durar mais
tempo, mas levou sua mente fora de quão horrível ela se sentia.
Seu estômago doía, mas Fiona sabia que tinha que manter-se
comendo alguma coisa. Tinha estado vazio por tanto tempo, realmente feria
fisicamente comer. A água que o soldado tinha dado a ela foi a melhor que
ela já teve. Ela observou como Julie engoliu a dela para baixo, mas Fiona
tinha saboreado a dela. Não estava fria, nem mesmo perto, e não era
exclusiva, mas era limpa, e foi um grande passo a partir do que ela tinha
bebido. Fiona não sentiu nenhum grão em sua boca depois de bebê-la e
enquanto ela tinha um gosto ligeiramente metálico de qualquer toalhete de
limpeza o soldado tinha usado para se certificar de que estava limpa e
saudável, ainda tinha sido incrível.
Era mais fácil para Fiona tomar seu tempo comendo a barra de granola
quando Julie e o homem não estavam observando cada movimento seu.
Fiona não tinha ideia de qual era seu nome, ele não lhes tinha dito. Ela queria
desesperadamente chamá-lo de algo diferente de “o homem” ou “o
soldado” em sua cabeça, mas ela achou que seria rude para pedir-lhe sem
rodeios. Fiona de repente teve um pensamento. Se ele era um SEAL da
Marinha, ela provavelmente não deve mesmo ter chamando-o de “soldado.”
Será que eles não se chamam de “marinheiros”, ou era “marinheiros”?
Droga. A cabeça de Fiona doía. Se ele quisesse deixá-las saber qual era seu
nome, ele diria. Talvez ele não tinha permissão para dizer-lhes. Talvez fosse
alguma coisa secreta que SEALs não eram autorizados a dizer às pessoas que
salvaram quem eles eram.
Fiona sabia que seu cérebro estava voando de um assunto para outro
sem rima ou razão, mas ela não podia evitar. Ela estava pendurada em sua
sanidade por um fio. Tudo o que ela queria fazer era cair no chão e enrolar-
se em uma pequena bola, fechar os olhos, mexer o nariz, e encontrar-se de
volta em seu apartamento em El Paso... mas ela não podia. É claro que ela
não podia. Fiona tinha jurado ao soldado que ela não seria nenhum
problema. Ela poderia aguentar um pouco mais... talvez.
Suas mãos ainda tremiam, e o desejo do corpo de Fiona para
quaisquer drogas que tinham sido dado ainda estava lá, mas contanto que
ela pudesse se concentrar em outra coisa que não ter mais do cocktail tóxico
injetado em seu corpo, ela poderia afastar a reação à retirada da droga
apenas um pouco mais. Fiona não queria que o homem soubesse o que
estava acontecendo. Ele certamente a deixaria para trás então. Ele tinha que
chegar com Julie fora de lá e de volta para os Estados Unidos. Ou talvez ele
decidisse que não deveria continuar se ela simplesmente parasse no
caminho, e isso não era aceitável. Fiona queria sair desta selva. Ela poderia
aguentar um pouco mais. Eles não estavam tão longe do local onde ele disse
que poderiam vir buscá-los.
Eles tinham andado pelo que pareceu um longo tempo, mas depois
de um tempo o homem parou e sinalizou para ela e Julie se agachasse em
um grupo de árvores. Fiona sentiu que algo estava errado. Ela observou o
soldado perto. Ele não tinha dito nada, mas ele parecia tenso. Ele estava
agachado ao lado delas e havia uma área limpa da floresta um pouco além
das árvores. Não era tranquila, havia muitos ruídos de animais para que
possa ser chamado de silêncio na floresta, mas Fiona ainda pensava que era
estranho... obviamente o soldado fez também.

Ele ficou olhando para o relógio e para o céu. Fiona suspeitou que seu
transporte estava atrasado, ou não estava vindo. Ela distraidamente coçou
uma picada na perna com os dedos trêmulos. Seus sintomas de abstinência
foram piorando. Se não saisse daqui, ele ia notar. Fiona não sabia o que ele
faria. Deixá-la? Ficar com nojo? Ficar chateado com ela? Ela não podia
arriscar dizendo-lhe. Ela só teria que passar por tudo, assim como tudo o que
ela tinha passodo.
- O que estamos esperando? - Julie lamentou suavemente. - Minha
bunda dói e eu quero ir para casa.
Cookie suspirou. Merda. Quando as coisas iam mal, eles fizeram isso
em grande estilo.
Ele virou-se para as mulheres. Julie tinha lágrimas de crocodilo
escorrendo pelo rosto e Fiona só olhava para ele como se ela soubesse que
ele ia dizer que algo estava errado.
- Mudança de planos. - disse ele sem rodeios, fazendo sua decisão. -O
helicóptero não apareceu e eu não posso passar pelos os meus
companheiros. Temos que ir para o ponto de extração de reserva.
Cookie conhecia algumas pessoas que assumiriam que a equipe
estava atrasada, mas SEALs não “chegavam a tarde”. Algo estava errado e
que era hora de mudar para o plano de reserva que haviam ensaiado antes
da missão começar. Cookie deliberadamente não disse às mulheres, onde o
ponto de extração de reserva era, mas Julie não estava tendo nenhuma das
suas explicações vagas.
- Mas onde está? Quanto mais nós temos que ir? Pensei que
estávamos indo para ser pegos aqui.
A voz de Julie era irritante e ralou em último nervo de Cookie. Ele
segurou o seu temperamento com a pele dos seus dentes. Ele estava
acostumado a ter sua equipe com ele como um amortecedor. Sempre que
uma pessoa resgatada tornou-se muito, eles se revezam com a pessoa. Ele
sentiu faltada de sua equipe. Cookie sempre preferiu trabalhar com seus
amigos do que sozinho. Era como os SEALs normalmente operavam e esta
missão estava deixando claro a Cookie, mais uma vez, por quê. Ele estava
tendo um tempo difícil em lidar com Julie.

Ele suspirou e esfregou o rosto com uma das mãos. - É longe, mas não
iremos chegar lá hoje. Nós temos alguns dias ...

Cookie foi interrompido por Julie. - Alguns dias? - Ela gritou alto
demais para a selva tranquila. - Que diabos você está falando? Achei que
você estivesse aqui para me resgatar, precisamos sair da mmph...

Cookie moveu-se rapidamente para um homem com uma mochila


enorme nas costas. Sua mão estava sobre a boca de Julie antes da última
sílaba sair.
- Shhhhh. - ordenou furiosamente. - Os homens que a sequestraram
poderiam estar em qualquer lugar. Além deles, nesta selva está cheio de
traficantes de drogas e outros homens que definitivamente não querem
fugir. Nós não estamos seguros aqui. É preciso lembrar e mantê-lo baixo. -
Cookie observou como Julie assentiu com medo, os olhos arregalados.
Fiona podia ver que o soldado estava chateado. Todo o resgate tinha
sido cheio de surpresas, e não das boas. A menos de que era sua presença,
e agora, aparentemente, sua carona não tinha chegado. Ela queria
tranquilizar o homem, mas não sabia o que dizer, então ela se manteve em
silêncio.
Cookie lentamente tirou a mão da boca de Julie. - Aqui está o
plano. Vamos caminhar para o sul em direção ao rio, em seguida, dobrar
novamente e seguir para oeste. Eles vão descobrir que nós vamos seguir o
rio, por isso vamos fazer o oposto. Basta ficar perto de mim e você vai ficar
bem. - disse a Julie, sabendo que ele não tem que dizer a Fiona para ficar
perto. Ele sabia que ela faria isso ou morreria tentando.
Cookie olhou para Fiona. Ela não tinha tirado os olhos de cima dele e
algo se acalmou dentro dele com sua calma aceitação da situação. Pelo
menos ele não teria duas mulheres histéricas para lidar com elas. Ele deu à
Fiona o que esperava ser um aceno tranquilizador e disse: - Vamos.
Cookie não tinha ideia de onde Mozart estava, não podia alcançá-lo
no rádio por satélite e obviamente algo tinha dado errado com o helicóptero,
caso contrário, Dude e Benny já estariam lá até agora. Pode ser que eles
tiveram que recolher Mozart porque ele teve problemas. Seja qual fosse a
razão , Cookie não perdeu tempo pensando nisso. A equipe tinha feito os
arranjos alternativos para pegar exatamente por esse motivo. Às vezes as
coisas simplesmente não saem como planejado e eles têm de ajustar seus
planos.
O trio voltou para a selva. Eles tinham um longo caminho a percorrer
antes que eles estivessem seguros.
Julie tinha finalmente deixado de reclamar uma hora antes de eles
pararem para passar a noite. Cookie percebeu que ela tinha o direito de estar
cansada, mas eles estavam todos no mesmo barco... na verdade eles não
estavam. Ele olhou para Fiona. Ele não a tinha ouvido dizer nada por um
tempo. Ela ficou em silêncio e manteve-se com eles, como tinha
prometido. Ele só poderia desejar que Julie tivesse a mesma força interior
como Fiona.
Cookie não sabia quanto tempo Fiona tinha estado em cativeiro, mas
ele estava certo de que era um inferno de muito mais tempo do que Julie. Ele
sabia que algo estava acontecendo com ela, mas ele não teve o tempo para
descobrir isso... até agora.
Eles pararam e Julie imediatamente se sentou no chão e levou os
joelhos até o peito e apertou as mãos em torno deles. Ela deitou a cabeça
sobre os joelhos e não se moveu enquanto ele montou seu acampamento
improvisado para a noite. Não era muito; eles não podiam dar-se ao luxo de
acender um fogo, possivelmente alertaria alguém à espreita na selva escura
onde estavam. Cookie recordou a breve conversa que tivera com Fiona
quando eles se instalaram. Ela perguntou se ela poderia ajudá-lo de qualquer
forma. Ele agradeceu, mas disse-lhe honestamente que ela iria acabar por
atrasá-lo. Ela não fez beicinho ou ficou mal-humorada; ela apenas balançou
a cabeça, como se ela esperasse sua resposta, e sentou-se contra uma
árvore nas proximidades, fora do seu caminho.
Ele ia falar com ela agora que eles estavam parados para a noite. Não
tinha sido um grande negócio para configurar três barracas em vez das duas
que ele tinha planejado. Suprimentos eram abundantes na selva, folhas e
gravetos. Cookie estava viajando leve e não tinha nenhuma tenda. Ele não
tinha pensado que ele iria precisar delas em primeiro lugar, mas mesmo se
ele tivesse planejado passar várias noites na selva, ele preferiu manter sua
mochila o mais leve possível, e tendas teria adicionado um pouco de peso.
Cookie tinha entregue outra barra de granola a cada uma das mulheres, e
tinha aquecido até duas refeições prontas para comer. Eles todos dividiram
a comida, com Fiona comendo apenas um pouco, alegando que seu
estômago doía do alimento pesado que ela não estava acostumada, e agora
ambas as mulheres estavam descansando.
Cookie olhou para Fiona agora. Ela ainda estava apoiada na árvore
com seus braços em volta de suas pernas. Sua cabeça estava descansando
em seus joelhos e seus olhos estavam fechados. Ela estava na mesma
posição que Julie, mas de alguma forma ela parecia mais vulnerável do que
Julie.
Cookie pensou novamente, como o que estava “fora” sobre Fiona. Era
seus pés? Eles estavam bastante machucados. Ela tinha sido ferida pelos
ramos e pelas merdas que eles caminharam através? Ela não estava usando
calças. Talvez os homens a tinham machucado na última noite antes dele ter
chegado lá. Merda, ela tinha que ter sido estuprada e provavelmente estava
com medo de estar perto dele.
Esse último pensamento fez Cookie visivelmente vacilar e sentir-se
fisicamente doente. Ele tinha estado em torno de vítimas de estupro antes,
mas por algum motivo desta vez foi diferente. Talvez fosse porque ele era o
único em torno. Talvez fosse porque Fiona estava tentando tão difícil ser
corajosa. Fosse o que fosse, Cookie sabia que algo dentro dele
completamente se rebelou com o pensamento de ela ser violada dessa
maneira.

Infelizmente, eles tinham cerca de dez milhas mais a andar antes que
de chegar ao segundo ponto de extração. Dez porras de milhas. Eles tinham
mais dois dias para chegar lá, o que significava mais dois dias de caminhada
difícil. Se alguém lhe tivesse dito que ele teria que ter duas mulheres
sequestradas a caminhar mais de 10 milhas através da selva mexicana, ele
teria dito que eles eram loucos. Mas lá estavam eles. Cookie não tinha
certeza de que uma mulher faria isso, o que o preocupava.
Julie era a mais forte das duas, mas ela era suave. Ela não estava
acostumada ao exercício e ela queixou-se a cada passo do caminho. Era
óbvio em sua vida “real”, a qualquer hora algo foi “difícil”, ela foi autorizada
a sair. Não é capaz de manter a média pensado de sua cabeça, Cookie não
tinha certeza de que ele podia aguentar mais dois dias se ele tivesse que
ouvir as queixas incessantes de Julie o tempo todo.
Ele pensou que Fiona deve ser capaz de fazê-lo, mas ele não tinha
certeza. Se ela estivesse a cem por cento, Cookie não tinha dúvida de que
ela teria feito a caminhada de 10 milhas facilmente. Inferno, ela
provavelmente poderia ter feito isso em um dia. Mas ela não estava cem por
cento. Inferno, ela provavelmente não estava mesmo a cinquenta por cento.
Ela tinha estado cativa um inferno de muito mais tempo do que Julie, e ela
não parecia bem. Mas ela não tinha desistido. Ela seguiu em frente todo o
dia sem uma palavra de queixa. Cookie estava fodidamente impressionado.
Os chinelos que Fiona estava usando o preocupava. Porra, com quem
ele estava brincando, tudo sobre ela preocupava Cookie. Sua falta de calças
compridas, o colar em volta do pescoço, as mãos trêmulas, sua desidratação,
sua fome óbvia... Cookie precisava descobrir o que estava acontecendo com
ela esta noite, para que ele pudesse tomar melhores decisões para todos
eles.
Uma vez que Julie se estabeleceu durante a noite, Cookie caminhou
até onde Fiona estava sentada. Ela ainda estava descansando contra a
árvore em silêncio. Se Cookie não visse as suas costas levemente movendo
para cima e para baixo, ele teria receio de que ela estava morta. Ele andou
até ela, abrindo os olhos, ela não se moveu de outra forma. Cookie sentou-
se ao lado dela.

- Como você está? - Cookie perguntou em voz baixa.


- Estou bem. - Fiona disse ele. - Eu não vou te atrapalhar.
Cookie assentiu e disse a ela: - Eu sei, você foi muito bem até agora. -
Ele fez uma pausa, depois continuou. - Eu não acho que eu me apresentei
para você ainda. Eu sou Cookie. - Ele não se incomodou estendendo a mão
para ela segurar. Eles tinham ido além das sutilezas sociais.
- Cookie? - Fiona olhou para o belo homem sentado ao seu lado
tentando fazer conversa fiada. Ela sentiu vontade de chorar. Ele estava
tentando fazê-la sentir normal, e ela apreciava mais do que podia dizer.
- Sim, todos na minha equipe têm um apelido. Há Dude, Mozart, Wolf,
Abe, Benny, e eu... Cookie.
- Você vai me dizer por que você é chamado Cookie?
- Você vai rir se eu fizer?
Fiona amava as brincadeiras relaxadas. Inferno, só de ouvir alguém
falar com ela em Inglês sentia incrível. - Provavelmente. Especialmente
desde que você parece estar relutante em me dizer.
Cookie riu. Ele sabia que era inapropriado, mas ele estava curtindo o
inferno fora desta conversa, especialmente após a tensão e reclamações de
Julie durante todo o dia. Ele, obviamente, levou muito tempo para
responder porque Fiona continuou falando.
- Você vai me fazer adivinhar?
- Você nunca adivinharia, Fee.

Fiona empurrou sua cabeça fora de seus joelhos para olhar para ele. O
que ele a tinha chamado?

- O que? Você acha que você pode adivinhar? - Cookie tinha notado
sua reação, e corretamente adivinhou que foi resultado de ele a chamar de
“Fee”. Ele não sabia de onde veio, mas parecia certo em sua cabeça. Ela
parecia uma “Fee”.
- Uh, bem, sua mãe enviou-lhe os cookies a cada semana enquanto
estava em treinamento básico?

- Eu fui ao campo de treinamento, não básico. E bom palpite, mas


não. Tentativa um. - Cookie viu os olhos de Fiona se estreitaram. Ela,
obviamente, tinha um espírito competitivo. Ele tem que lembrar de usá-lo
para mantê-la ir mais tarde, se fosse preciso.

- Quando você era pequeno, você comeu muitos biscoitos um Natal e


vomitou suas tripas para fora?
Uma inesperada risada baixa escapou por entre os lábios de Cookie
antes que ele pudesse mantê-lo de volta. - Uau, eu acho que estou
magoado. Não, não é isso também. Mais um palpite restante.
Todo o corpo de Fiona doía, ela estava exausta e mais sedenta do que
ela jamais poderia se lembrar de estar, mas por algum motivo ela estava se
divertindo. Este homem a surpreendeu. Ela pensou que ele seria profissional
e grosseiro, mas ela gostava esse lado dele. – Vamos ver... por que alguém
tem o apelido de Cookie? - Fiona decidiu realmente mexer com ele. Que
diabo, ela não tinha nada a perder.
- Você era virgem quando você entrou para a Marinha e depois
do boot camp seus amigos levaram você para fora na cidade e pagaram uma
puta velha de 80 anos chamada Cookie para deflorar você.
Cookie começou a rir, discretamente, e não conseguia
parar. Passaram vários momentos antes que ele pudesse falar.
- Jesus, Fee, eu vou ter que lembrar de não te chatear no
futuro. Primeiro, eu fui deflorado quando eu tinha catorze anos pelo
encontro para o baile, de dezassete anos. Assim, sua última suposição
também é errada. Embora você é muito mais criativa do que o que a razão
para o meu apelido é realmente. Eu era o último membro a me juntar à
equipe. Normalmente novatos são chamados pepitas, FNGs, ou
cookies. Cookie ficou.
Ficaram sentados ali por um momento, apenas olhando para o outro.
Não sabendo o que um “FNG” era, Fiona decidiu deixá-lo
ir. Realmente não importa de qualquer maneira. - Você tem um nome real?
- Fiona não sabia por que ela queria saber, mas ela fez.
- Hunter. Hunter Knox.
- Você está falando sério?

- Completamente. Por quê?


Fiona não podia acreditar que era realmente o seu nome. - Porque é
o tipo de nome que uma stripper ou super-herói teria. - Ela imediatamente
corou. Oh droga. Ela realmente disse isso em voz alta? Jesus, ela
era como um idiota.
- Eu acho que vou tomar isso como um elogio, Fee, mas eu prefiro
uma festa de um.
- Por favor, apenas me ignore. Eu não sei o que estou dizendo. Deixe-
me tentar novamente. - Fiona olhou para cima. Ela estava envergonhada,
mas determinado a dizê-lo. - É bom conhecê-lo, Hunter. Não, é fodidamente
incrível conhecê-lo. Eu nunca estive tão feliz em encontrar alguém em toda
a minha vida.
Os olhos de Cookie perderam seu humor e ele ficou sério
imediatamente. Ele entendeu o que ela estava dizendo. - Estou feliz por ter
encontrado você do que qualquer um que eu já conheci na minha vida
inteira, Fee.
Um silêncio confortável caiu entre eles. Fiona colocou a cabeça para
trás em seus joelhos, e fechou os olhos novamente.
Percebendo os nós dos dedos brancos de tanto apertar as mãos
firmemente, Cookie finalmente perguntou o que tinha estado em sua mente
durante a maior parte do dia. - Eu preciso saber o que está acontecendo,
Fee. - Ele viu como ela se encolheu. - Eu não sei o que está passando pela
sua cabeça, mas eu não vou deixá-la. Eu não vou ficar louco, eu só preciso
saber para que eu possa ter certeza de que todos nós passamos por isso e
chegaremos em casa. Se os seus pés estão incomodando, posso envolvê-los
com fita adesiva para ajudar com isso. Merda, eu deveria ter feito isso.
Podemos cobrir suas pernas com lama para tentar protegê-las um pouco
mais. Eu posso ver todos os vergões das picadas de insetos. Eu gostaria de
ter um par extra de calças para você.
Fiona não disse nada, apenas continuou a sentar ao lado dele em
silêncio. Cookie ficou frustrado. Ele queria ajudá-la, mas ele não podia se ela
não iria falar com ele. Finalmente, ele achava que sabia o que dizer para
obter Fiona se abrindo para ele. Cookie sabia que ela era teimosa e
resistente apenas de estar ao seu redor por um dia e para sobreviver a sua
provação de sequestro. Ele pensou que ele poderia dizer que iria até ela.
Finalmente, ele sabia. Seria o mesmo que, se dissesse a ele, o levaria a abrir
e ser honesto.
Cookie baixou a voz e falou de coração. - Não é besteira, Fiona, minha
vida depende de você. Não vou deixá-la. Se eu não sei o que está
acontecendo com você, e você fica para trás ou não pode continuar, que
poderia acabar me machucando também, porque eu vou ficar com você e
tentar ajudá-la. Não há nenhuma maneira no inferno que eu te trouxe até
aqui para te deixar para trás agora. Você está presa comigo. Não importa o
quê.
Ele esperou. Cookie pensou que talvez Fiona tinha adormecido ou que
ela iria recusar-se a falar com ele.
Finalmente Fiona falou baixinho, sem abrir os olhos. - Estou passando
por abstinência de drogas.
Capitulo Cinco

Seja o que fosse que Cookie pensou que Fiona ia dizer, não era isso.
- O quê? - Ele perguntou mais severamente do que pretendia. Sua
mente girava. Como ele poderia ter perdido isso? Cookie não podia
acreditar. Bem, estava escuro no quarto quando ele a encontrou e ela agora
estava vestindo uma camisa de manga longa, então ele nunca tinha
conseguido uma boa olhada em seus braços.
Fiona manteve os olhos fechados e continuou. - Eles estavam a
drogar-me com alguma coisa. Eu não tenho certeza do quê. Não o suficiente
para me assustar, mas o suficiente para me controlar, me manter
complacente. Eu acho que eles pensaram que poderiam fazer o que eles
queriam se eles me viciassem, que eu faria qualquer coisa por outra dose.
Mas eu me recusei a mendigar ou a me comportar por eles. Tem sido algum
tempo desde a última vez que me deram alguma coisa, eu não sei ao certo
quanto tempo. Eu juro que se ficar ruim o suficiente, que se eu te atrapalhar,
eu vou deixar você ir em frente. Eu sei que você não negocia sobre isso, ou
eu... eu sinto muito. Eu sinto muito. Eu deveria ter lhe contado antes de
sairmos da cabana. - A voz de Fiona parou. Ela manteve os olhos fechados
durante toda a sua confissão. Fiona esperou por Hunter se levantar e ir
embora com nojo. Não bastava estar nojenta, suja e malcheirosa, ela era
uma viciada também.
Cookie engoliu uma vez. Ele teve que engolir novamente antes que ele
pudesse falar. Ficou aliviado que não era algo mais sério, por um lado, mas,
ao mesmo tempo, ele sabia que, por vezes, ficar fora das drogas era a pior
parte. Ele sabia o que ele disse agora era importante.
- Posso ver? - Cookie esperou, e quando Fiona assentiu ligeiramente,
mudou-se para que ele estivesse ajoelhado na frente dela. Ele gentilmente
soltou as mãos e pegou uma e enfiou os dedos com os dela. Cookie esperou
até Fiona abrir os olhos para verificar o que ele estava fazendo.
Ele manteve contato visual com ela, enquanto ele empurrou a manga
em seu braço direito até ultrapassar o cotovelo. Não era até que foi todo o
caminho até que ele olhou para baixo. Ele apertou os dentes para as marcas
de agulha dentro de seu cotovelo. Ele podia vê-las claramente, mesmo com
a luz minguante da noite. Baixou a manga, e empurrou a outra para ver a
mesma coisa. Os hematomas em seus braços era uma indicação de como ela
lutou com seus captores e como eles não tinham sido gentis ao injetá-la.
Cookie alisou sua camisa para baixo e levou as duas mãos na
sua. Fiona estava observando-o agora com cautela. Ele podia sentir os
tremores nas mãos.
Ele encontrou seus olhos e disse: - Fee, eu sinto muito. Me desculpe,
eu não cheguei lá mais rápido. Me desculpe, eu não sabia que você estava
lá. Estou sinto tanto.
Quando Fiona respirou pronta para dizer alguma coisa, Cookie
interrompeu. - Não, não diga nada, e não peça merda de desculpas
novamente. Escute-me. Eu só a conheço por um dia, mas você é uma das
pessoas mais fortes que eu conheço. Não apenas a mulher mais forte que
conheço mas uma das pessoas mais fortes. Você não me disse quanto tempo
você estava naquele prédio caramba, mas eu sei que foi um tempo. Você já
andou uma tonelada de merda de milhas hoje, em seus próprios pés, sem se
queixar. Eu não sei quanto tempo passou desde que você teve algo decente
para comer ou beber. Tudo o que importa é esta missão e não estar no
caminho. Você não está no caminho. Se houvesse dez mulheres naquele
casebre, eu teria resgatado todas elas, embora eu só estava esperando uma.
Cookie fez uma pausa e deixou seu comentário afundar, em seguida,
continuou. - Nós temos mais dois dias de caminhada difícil. Temos apenas
dois dias antes de nosso próximo captador de reserva nos vir pegar. Eu,
obviamente, não tenho nada para dar-lhe para ajudá-la com a retirada. Sem
saber exatamente que drogas estavam dando-lhe, eu não quero correr o
risco de injetar-lhe com a coisa errada. Eu tenho alguns analgésicos em
minha mochila, mas não é uma boa ideia misturá-los com drogas
desconhecidas. Enquanto eu não tenho nada para contrariar os sintomas de
abstinência, eu certamente posso ajudar a distraí-la ou fazer qualquer outra
coisa que você ache que vai ajudar. OK? Não me afaste. - Então Cookie riu e
pediu suavemente, humor revestindo suas palavras. - Por favor, não me
deixe com Julie como minha única conversa.
Fiona sorriu para suas palavras, mas acalmou rapidamente, olhando
para Hunter com olhos grandes, a sua preocupação mostrando claramente.
Cookie continuou. - Eu não sou um terapeuta e eu não posso imaginar
o que você passou, mas se você precisa de alguém para conversar...
Fiona concordou, cortando Hunter. Ela sabia que nunca iria dizer-lhe
que ela tinha sobrevivido. Tinha sido ruim o suficiente ter passado por
isso; ela não podia suportar que ele sentisse mais pena dela do que já
sentia. Ela gostava de Hunter. Realmente gostava dele. Ela não tinha
conhecido muitas pessoas militares, mas ela imaginou-os todos grunindo,
uns babacas com fome de sexo ou idiotas que pensavam que eram mais
importantes do que qualquer um em torno deles. Obviamente, ela estava
estereotipando, porque Hunter não era qualquer um. Pelo menos ela não
pensava assim. Ele parecia genuinamente preocupado com ela. Essa
preocupação era maravilhosa.
Cookie apertou a mão dela. - Tente dormir um pouco, Fee. Nós
estaremos começando cedo amanhã. Eu quero ir antes que fique muito
quente. E lembre-se, eu estou aqui se você precisa falar.
Fiona apertou sua mão para trás e, em seguida, deixou cair para
apertar suas pernas novamente. Ela não podia contar com ele. Ela sabia que
ela provavelmente estaria fora de sua cabeça em breve, e ela teve que se
concentrar para manter-se sob controle. Ela se aproximou da pequena
inclinação que Hunter tinha feito para ela sem dizer mais nada e enrolou-se
em uma bola. Fiona poderia dizer que ela estava piorando. Seus captores
nunca a deixaram sem drogas tanto tempo. Ela sabia que Hunter disse que
ia ajudar, mas não havia nada que pudesse fazer. Fiona precisava se distrair;
ela começou a contagem regressiva de mil novamente.
Às quatro da manhã seguinte, Cookie acordou as mulheres. Cada uma
tiveram uma outra barra de granola e ele verificou sua água. Ele olhou para
Fiona cautelosamente. Ela não parecia bem. Ela se recusou a olhá-lo nos
olhos, e os tremores em suas mãos estavam piores, mesmo que ela tentasse
esconder isso dele. Ela também estava muito pálida. Ela comeu a barra de
granola com o mesmo prazer que tinha no dia anterior, assim como Julie
comeu a dela com o mesmo desgosto. Quando eles terminaram, e tinham
se aliviado nos arbustos perto, eles partiram.
O calor era brutal. O fato de não estarem caminhando perto do rio
significava que eles não precisavam se preocupar tanto com os animais que
iriam lá para beber, mas também significava que eles tinham que conservar
a água que eles tinham. Isso também significava que fazia calor; mais quente
do que poderia ter sido se eles tivessem sido capazes de esfriar com um
mergulho na água de fluxo rápido de vez em quando
Julie não falava muito, mas quando o fazia, era para se lamentar sobre
o quanto mais eles tiveram que ir e como ela estava quente. Ela também se
queixou sobre seus pés doendo, os insetos, as folhas lambendo a rosto
dela... a lista era interminável. Mas Fiona estava quieta. Muito quieta. Ela se
arrastou ao longo atrás de Julie sem uma palavra. Cookie olhou para trás
para vê-la muitas vezes e viu Fiona estava fazendo indo ... mal. Ele sabia que
ela estava fraca, mas agora saber sobre as drogas que seus captores haviam
forçado sobre ela, ele estava ainda mais preocupado.
Quando pararam para uma pequena pausa de alimentos, Fiona
estranhamente se deitou na sombra de uma árvore e enrolou em uma bola,
sua posição de descanso preferida agora. Cookie estava ocupado com sua
mochila e não percebeu até que Julie gemeu sarcasticamente. - Oh grande,
nós nunca vamos chegar lá agora.
Cookie viu Fiona começar a sentar-se ao ouvir as palavras de Julie. Ele
se aproximou e colocou a mão em suas costas.
- Fique. Descanse. Vamos começar a ir em breve. - Ele olhou para Julie
e disse em tom áspero, sem se preocupar em tentar diminuí-lo. - Você
deveria se deitar e tirar uma soneca também. Nós ainda temos algum
caminho a percorrer hoje.
Fiona olhou para Hunter com a miséria em seus olhos quando ele se
virou para ela. - Eu sinto muito.
Cookie cortou. - Nada disso. Merda, Fiona, você não é uma
supermulher. Apenas descanse um pouco e deixe estar um pouco. E antes
que você diga, você não está segurando-nos. Todos nós precisamos de uma
pausa e é seguro o suficiente.
Fiona balançou a cabeça e fechou os olhos novamente. Ela ouviu
Hunter ir. Ela sabia que ele provavelmente estava deitado por causa dela,
mas ela não podia fazer-se importante no momento. Fiona se sentiu um lixo.
Seu corpo inteiro estava se rebelando contra ela. Ela desejou que esses
sequestradores malditos estivessem lá para dar-lhe as drogas. Ela estava
pronta para implorar para eles agora. Ela finalmente chegou ao ponto onde
ela faria o que quisessem, a fim de obtê-las. Fiona sabia que eles eram ruins,
mesmo sem saber exatamente o lixo que tinha sido empurrando em seu
corpo, mas ela faria qualquer coisa para se livrar da sensação rastejando sob
sua pele e náusea horrível.
Os tremores ela poderia lidar, mas a sensação de insetos andando
sobre ela era horrível. Ela sentia imensos comichões, mas resistiu ao impulso
de coçar. Fiona sabia que uma vez que ela começasse, não iria
parar. Inferno, metade da coceira era provavelmente a partir de picadas de
insetos e não das drogas, mas não importava agora. Coceira era coceira.
Fiona sufocou um soluço. Por que não a tinham matado? Por
quê? Eles tiveram a chance. Mais de uma vez. Ela não conseguia pensar
direito. Ela respirou fundo. Ela tinha que parar de pensar dessa forma. Ela
sabia que Hunter não iria deixá-la na selva, e se ele não iria deixá-la, então
nenhum deles iria sair tão cedo, talvez nunca. Ela não podia viver com isso
na sua consciência. Fiona respirou fundo para se acalmar e não ceder ao
desespero tentando desesperadamente chupá-la para baixo e começou a
contagem regressiva... desta vez de dois mil.

Cookie observava Fiona. Ela não estava dormindo. Ele podia ver os
lábios se movendo. Ele finalmente percebeu que ela estava contando. No
mesmo momento que ele descobriu, ele ouviu Julie dizer com malícia: - Isso
é tudo que ela fez quando estávamos naquela porra de edifício. Ela contou
para trás. Ele quase me deixou louca.
Cookie apenas olhou para Julie incrédulo. Ela não podia realmente ser
tão insensível, poderia?
- Então? Ela fez! - Julie respondeu defensivamente depois de ver o
olhar no rosto de Cookie, mas ficou em silêncio sob seu olhar mordaz
contínuo.
Sim, ela pode ser insensível. Finalmente Cookie sabia que não podia
esperar mais. Era hora de mudar. Ele se levantou e ia passar por cima para
ajudar Fiona, mas ele viu que ela estava sentada sozinha. Ela ouviu-o
movendo-se e sabia que era hora de ir. O pequeno grupo miserável recolheu
seus pertences e começou novamente.
Algumas horas mais tarde, Fiona começou a ficar enjoada. Ela não
tinha qualquer alimento no estômago para realmente vomitar, além de
algumas mordidas de granola, mas seu corpo tentou se livrar de qualquer
coisa que estava lá de qualquer maneira. Ela parou no meio do caminho e
vomitou a seco. Ela tentou pará-lo, mas era impossível. Os ruídos vomitando
que ela fez foram horríveis.
Julie gritou e pulou para fora do caminho gritando. - Nojento!
Enquanto Cookie não estava arrependido que tinha resgatado Julie,
ela era um ser humano, e uma mulher, ele estava desejando que ela
pudesse estar calada por a porra de um segundo. Ela era obviamente
mimada e não estava lidando com a logística de ser resgatada tão
bem. Cookie não analisou seus pensamentos demais. Provavelmente tinha
ex-cativos agindo pior do que Julie, mas quando ele comparou as ações de
Julie às de Fiona, ele teve muita dificuldade em ter simpatia para com Julie.

Cookie foi para Fiona. Ela estendeu a mão para afastá-lo, mas ele
apenas pegou sua mão e continuou chegando. Ele a levou longe de onde
Julie estava parada e apenas segurou-a em pé enquanto seu estômago se
contraiu.
Fiona estava tão envergonhada. Ela não queria nada mais do que
deitar-se no chão da floresta e morrer, mas ela não podia. Ela respirou
fundo, e com a força de Hunter endireitou.
- Eu estou bem. - ela sussurrou. - Precisamos continuar.
- Jesus, Fee, apenas descanse por um segundo. Eu tenho você.
Fiona teria chorado se ela tivesse qualquer líquido extra no seu
corpo. Ela se levantou, tremendo, com seu lado contra Hunter. Ele estava
segurando seus lados no caso de ela ter que vomitar de novo, mas ela sabia
que tinha acabado... por agora.
Cookie se afastou, apenas o suficiente, de modo que ele poderia
inclinar-se e olhar nos olhos de Fiona. - Eu desejo como o inferno que eu
pudesse levar isso por você.
Fiona só poderia dizer baixinho: - Eu não desejaria isso ao meu pior
inimigo.
Cookie passou a mão sobre a cabeça de Fiona e alisou o cabelo para
baixo. Sem uma palavra, ele se inclinou e beijou-a de leve no topo da cabeça
antes de perguntar em voz baixa. - Pronta?
Fiona assentiu brevemente, decidindo que ela não podia lidar com a
compreensão e ações de Hunter logo em seguida. Talvez mais tarde ela se
lembraria de seu toque , seu beijo e iria analisá-lo. Mas, por enquanto, ela
teve de se concentrar em ficar na vertical e móvel. Pelo amor de Hunter.
Cookie sabia que Fiona tinha certeza quando ela disse que tinha que
continuar, mas ele não estava feliz com isso. Ela precisava de um cuidado
médico, imediatamente. Mas isso não ia acontecer tão cedo. Ele não tinha a
intenção de beijá-la, mas ele foi incapaz de se controlar. Cookie queria levar
Fiona nos braços e levá-la para longe, mas era impossível. Ele consolou-se
com a carícia de sua mão e o breve beijo.
Quando eles começaram de novo, Cookie caminhava ao lado de Fiona,
desta vez com o braço em volta da cintura. Ele teve que parar várias vezes
enquanto ela vomitava a seco. Finalmente Cookie calculou que tinha andado
longe o suficiente para o dia. Eles estavam em sua maioria no caminho certo
para chegar ao ponto de extração a tempo, e ele parou para deixar todos
eles descansarem a noite. Eles fizeram sua meta de cinco milhas, mas ele
secretamente esperava que tivessem ido mais longe para que tivessem
menos para ir amanhã.
Quando Cookie tinha Julie deitada, graças a Deus ela não estava
tentando se agarrar a ele, e ficou satisfeito que eles estavam tão seguros
quanto poderiam estar, por enquanto, ele foi se juntar a Fiona. Ela não se
moveu muito desde que ele ajudou-a no chão, e ele estava preocupado com
ela.
Ela também não tinha comido nada, não querendo, em suas palavras,
“desperdiçar” jogando-a fora assim que comesse. Cookie não sabia o que
era que o fez querer estar ao lado de Fiona, bem, na verdade, ele sabia. Foi
sua coragem e força interior.
Cookie tinha visto isso antes, com Caroline. Quando a mulher de Wof
havia sido sequestrada por terroristas e jogada ao mar no meio do oceano
com os pés amarrados e pendurados para baixo, ele tinha sido o único a
chegar até ela e dar-lhe oxigênio salva-vidas, enquanto Wolf e a equipe
derrotaram os terroristas. Cookie tinha sido surpreendido com firmeza e
força de Caroline, em seguida, e ainda hoje o fazia. Ele não tinha conhecido
ninguém como ela, até Fiona.
Cookie tinha prometido a si próprio, se ele conhecesse alguém como
Caroline, ele iria arrebatar-lhe e nunca deixá-la ir. Quando o Cookie fez essa
promessa silenciosa para si mesmo, ele não esperava realmente encontrar
uma mulher que admirava tanto quanto ele admirava Caroline. Mas não foi
admiração, exatamente, que ele estava sentindo sobre Fiona.
Cookie tinha estado em missões de recuperação de reféns que eram
muito pior do que esta. Balas voando foi o pior, mas na maioria das vezes
eram difíceis por causa da falta de fortaleza interior da pessoa, ou pessoas,
sendo resgatadas. Cookie e a equipe nunca culpou-os, afinal, ser
sequestrado não era sempre uma boa experiência, mas o fato de que esta
mulher, mantida por mais tempo do que qualquer um que ele já tinha
resgatado antes, estava lidando com uma reação a uma retirada de algum
tipo de droga, e sabia que ela estava apenas sendo resgatada porque alguém
tinha sido enviado para... é o que o fez respeitá-la. Respeito e orgulho. Isso
era o que ele estava sentindo sobre essa mulher.
Havia muito poucas pessoas em sua vida que Cookie verdadeiramente
respeitava. O fato de que ele tinha conhecido Fiona por dois dias e a
respeitava disse muito. Ele também estava fodidamente orgulhoso
dela. Fiona estava segurando a si própria em uma situação horrível. Ela
merecia uma medalha, porra. Cookie baixou ao lado dela.
Fiona estava do seu lado enrolada em uma bola, como de costume. A
mulher atingiu o céu alto, estava coberta de sujeira e imundície, e estava
usando um colar de metal em volta do pescoço. Cookie queria chegar o mais
perto que ele podia com ela para oferecer conforto, independentemente de
tudo isso. Deixá-la saber que não estava sozinha. Ele supôs que não deveria
fazê-lo, especialmente com Julie atirando punhais para eles do outro lado do
caminho, mas ele não podia deixar de oferecer conforto a esta mulher.
Fiona sentiu Hunter abaixar-se no chão ao lado dela e encaixar-se em
torno dela. Sua frente às suas costas. Ele não tentou movê-la, ela ainda
estava enrolada em uma bola de proteção, mas ela se encaixou na curva de
seu corpo melhor do que ela pensou que nunca faria com um homem. Fiona
era muito alta para uma mulher, por volta de um metro e oitenta, e nunca
tinha encontrado um homem que tinha “encaixado-a” como Hunter tinha.
Fiona sabia que Hunter podia senti-la tremer, mas ela não podia parar.

Cookie sentiu-se impotente. Ele era um SEAL da Marinha. Ele poderia


resolver qualquer problema jogado no seu caminho. Ele poderia lutar com o
mais malvado vilão, nadar o mais vasto oceano, cair do céu, sair a atirar, mas
ele não podia fazer nada para a mulher tremendo em seus braços. Nem uma
coisa do caralho. A única coisa que ele poderia fazer por ela foi falar com ela.
- Você está indo bem, Fee.

Fiona balançou a cabeça em negação. - Eu não acho que eu vou fazer


isso, Hunter. - ela sussurrou, com medo, se ela dissesse muito alto, seria de
alguma forma torná-lo realidade.

- Você está brincando comigo? Você já fez isso.


- Do que você está falando? Você comeu um cogumelo ruim em algum
momento no último dia? - Fiona tentou brincar com Hunter. Se ela não
fizesse uma piada, ela provavelmente choraria.
Cookie passou a mão sobre a cabeça de Fiona, limpando o suor da
testa no processo. - Menina engraçada. Quero dizer, você já fez isso longe
dos idiotas. Essa foi a parte mais difícil. Este é um pedaço do bolo.
Fiona fechou os olhos e sussurrou seu maior medo em voz alta. - E se
eu surtar e se você for morto?
O coração de Cookie quebrou acerca em seu peito. Fiona não tinha
dito. - E se eu surtar e eles me levarem de volta. - ela estava mais preocupada
com ele. Jesus fodido Cristo.
- Você não vai surtar, Fee.
- Você não sabe disso.
Cookie virou a cabeça apenas o suficiente e se levantou em um
cotovelo para que ele pudesse olhar nos olhos de Fiona. - Eu sei que
acabamos de nos conhecer, mas eu te conheço. Você vai aguentar até que
estejamos seguros. Eu sei que você vai. - Cookie observou enquanto Fiona
fechou os olhos, mas continuou de qualquer maneira, mantendo a mão no
rosto, gostando da conexão que ele lhe deu. - E mesmo se você não
aguentar, e você surtar, você não vai me matar e eu não vou permitir que
levem-na de volta. Eu juro.
- Não se machuque por minha causa, Hunter. Você é muito mais
valioso do que eu sou.
Cookie não aguentava mais. Toda vez que ele tentou tranquilizar
Fiona, ela se virava e dizia algo mais que o matava.
- Shhhh, Fee. Descanse. Você está segura. Apenas relaxe.
Deitaram-se no chão por mais algum tempo. Cookie sabia que Fee não
estava dormindo. - O que contas? - Perguntou ele inesperadamente.
- O quê? - Fiona gaguejou, sentindo-se envergonhada. Ela não tinha
percebido que Hunter tinha ouvido a contagem. Era a única coisa que a
mantinha sã no poço que a tinham posto, mas agora era a única coisa que a
impedia de cair em histeria com a retirada.

- Eu sei que você está contando para distrair-se. - Cookie disse


suavemente. - Deixe-me ajudar.
- Realmente, Hunter. - Fiona reclamou: - Você deve descansar um
pouco... eu cheiro horrível, você tem outras coisas com que se preocupar...
Cookie cortou. - O que você contou até aqui? - Suas palavras foram
firme e inflexível.
Fiona suspirou para si mesma. Ela não sabia como Hunter contar iria
distraí-la, mas ela finalmente disse a ele. - Eu geralmente começo em mil e
conto para trás, mas ultimamente eu tenho contado a partir de dois mil.
Cookie não disse nada, mas se inclinou e beijou sua testa, segurando
os lábios contra sua pele por um momento. Então ele levou os lábios ao
ouvido dela e suavemente começou a contar. - Dois mil, 1999, 1998 ...
Fiona contou em sua cabeça com ele, amando o som baixo, rouco da
voz de Hunter. Era profunda e macia e suave. Seu corpo exausto logo caiu
em um sono conturbado com o som da voz de Hunter ainda contando em
sua cabeça.
Capitulo Seis

Na manhã seguinte, Cookie acordou cedo novamente. Ele gostou da


sensação de Fiona nos seus braços, mesmo na não tão boa situação
presente. Ele odiava acordá-la, e que eles tinham outro dia difícil de
caminhada através da selva. Fiona tinha praticamente quebrado seu coração
na noite passada com as suas palavras. Ela estava tentando
desesperadamente segurar-se e ser corajosa, mas Cookie poderia dizer que
ela estava lutando.
A situação não era ideal. Fiona não estava no seu melhor, o inferno
que era o eufemismo do ano, mas Cookie ainda estava atraído por ela.
Mesmo com mau cheiro, suada, coberta de sujeira, e a sofrer de retirada do
que-só-o-diabo-sabia de que drogas, Cookie achava que ela era incrível. Ele
gentilmente abrandou no chão e tirou o braço da cintura de Fiona e
levantou-se. Cookie deslizou uma mecha de cabelo do rosto de Fiona e o
colocou atrás da orelha suavemente, em seguida, virou-se para se preparar
para o dia. Sabendo que tinha mais um dia de viagem cansativa antes que
eles pudessem chegar ao ponto de extração, Cookie queria que as mulheres
dormissem mais tempo antes de ter que acordá-las.
Depois de protelar o mais tarde possível, Cookie finalmente acordou-
as. Julie estava irritada e não tinha problema em deixar Cookie saber. Ela
reclamou sobre o chão duro, a falta de boa comida, mesmo sobre não ter
um banheiro maldito. Cookie ignorou tanto quanto podia. Ele só tinha que
passar por mais um dia antes dela ser problema de outra pessoa. Foi uma
coisa terrível para pensar depois do que ela tinha passado, mas ele não
poderia evitar.

Uma vez que Fiona estava de pé e se movendo, Cookie pensou que


ela realmente parecia um pouco melhor do que no dia anterior, mas ainda
não parecia nada bem. Ele ainda podia ver suas mãos tremendo. Ela foi capaz
de manter a metade de uma barra de granola para baixo e Cookie tomou
isso como um bom sinal. Ele estava com pouca comida, mas esperando que
não iria fazer a diferença depois desta noite. Não havia nenhuma maneira
que Cookie estava deixando Fiona saber que tinha apenas mais uma barra
de granola. Ela insistiu que ele ou Julie comesse-a, quando era óbvio que ela
era a única que precisava mais dos nutrientes.
Fiona ficou feliz por ter sido capaz de comer alguma coisa e não jogá-
lo imediatamente de volta; ela esperava que ela estivesse saindo do outro
lado do pior dos sintomas de abstinência que ela estava experimentando,
mas não tinha certeza. Ela ainda cheirava horrível e muito provavelmente
parecia uma refugiada de um país do terceiro mundo. Fiona estava feliz que
não tinha visto um espelho. Ela não pensou que queria ver seu reflexo a
qualquer hora em seu futuro próximo. Ela estava coberta de picadas de
insetos também. Eles causavam uma irritante coceira. Seus pés não estavam
se saindo bem nos chinelos, mas Fiona sabia que ela não tinha escolha ali.
Hunter tinha tentado envolvê-los em fita antes de eles partiram ontem, mas
a fita só iria durar um tempo. Ela tinha bolhas entre o primeiro e segundo
dedo dos pés por causa do plástico no chinelos entre eles, mas,
honestamente,eles eram o menor de seus problemas neste momento. Fiona
propositadamente não perguntou a Hunter quanto tempo eles tiveram que
caminhar hoje, não queria saber.
Após o intervalo do almoço, Cookie disse às mulheres que estavam
vindo para a parte mais perigosa de sua viagem. Havia uma razão para isso,
pois era o plano B. Primeiro, foi muito mais longe do acampamento do
sequestrador, mas o segundo foi em uma área mais povoada e perto de um
ponto de encontro de um conhecido traficante de drogas. Todos eles tinham
que ficar quietos e não falar a menos que fosse absolutamente necessário.
Cookie disse-lhes para ver onde eles andavam e tentar fazer o mínimo de
som possível. Ele não achava que eles tinham de se preocupar com os
sequestradores encontrá-los tão longe para fora, mas a última coisa que ele
queria que acontecesse era correr para traficantes de drogas enquanto
estava escapando de traficantes de sexo.
Finalmente, depois de algumas tranquilas horas de caminhada, Cookie
parou. - Ok, senhoras, aqui está o plano. - disse-lhes em voz baixa. - O
helicóptero deve estar aqui em cerca de uma hora. Precisamos sentar e
esperar. Vocês podem descansar e recuperar suas forças, tanto quanto
possível. Estejam prontas para qualquer coisa quando o helicóptero entrar
em alcance. Se acontecer alguma coisa, e eu quero dizer qualquer coisa ,
vocês duas vão para obter seus traseiros naquele helicóptero. Vou cobrir
suas costas e certificar-me de que vocês cheguem lá. Entenderam?

Julie, não surpreendentemente, assentiu com entusiasmo,


concordando com qualquer coisa, desde que ele a tirasse da selva. Fiona não
era tão rápida para concordar. De alguma forma Cookie sabia que ela ia
protestar.
Fiona estava se sentindo melhor no início, mas começou a sentir
instável novamente quando eles pararam para esperar o helicóptero. Ela
não gostou do que Hunter estava dizendo e deixou-o saber, em termos
inequívocos. - Não, não está bem. - disse ela, desafiadora.
- Cale a boca. - Julie vaiou mesquinhamente, sem esperar Cookie dizer
qualquer coisa. - Ele está aqui por causa de mim , se não fosse por mim, você
não teria sequer sido resgatada. Então deixe-o resgatar-nos e cale a boca!
Fiona olhou para Julie incrédula. - Você está certa; se não fosse por
Hunter, você ainda estaria naquele prédio fedorento ou no seu caminho
para ser brinquedo sexual de um homem. Você está disposta a deixá-
lo morrer por você?
Sem esperar por uma resposta, ao que era, obviamente, uma
pergunta retórica, Fiona virou-se para Hunter. - Não há nenhuma maneira
que nós viemos até aqui para te deixar para trás agora. Diga-nos o que estar
à espera e nós podemos ajudá-lo.
Cookie balançou a cabeça e manteve a voz uniforme, mas firme. Ele
não podia negar, era bom ter Fiona levantar-se para ele, mesmo que ele não
precisasse. Não são muitas as mulheres que têm a coragem de ir para o
bastão para ele. Pelo menos nenhuma no passado recente que ele podia se
lembrar.
- Não, Fiona, que não é como isso funciona. Eu sou o profissional, você
não é. Você vai seguir as minhas ordens e entrar naquele helicóptero, sem
perguntas. Sou capaz de lidar com qualquer situação que se colocar aqui. Eu
sou um SEAL da Marinha, um soldado profissional. Se eu souber que você
está segura, eu posso me concentrar melhor e eu vou estar melhor sem
vocês duas aqui.
Suas palavras feriram, mas Fiona sabia que Hunter falou nada além da
verdade. Ela não queria desistir de seu argumento, embora.
Diante do olhar teimoso em seus olhos, Cookie aliviou sua voz um
pouco. - Fee, esta não é a minha primeira missão. Eu sei o que estou
fazendo. Mesmo se por algum motivo eu não posso chegar ao helicóptero,
eu sei o que fazer. Eu vou cavar e sair até que minha equipe possa voltar e
me pegar. E eles vão voltar para me pegar. SEAL não deixa um SEAL para
trás, nunca. É muito mais fácil apenas me esconder e esperá-los do que seria
se eu tivesse que cuidar de você ou Julie também.

Fiona ouviu o que Hunter estava dizendo, mas ela não gostou. Bem,
Hunter poderia dizer o que ele queria; ela não ia deixá-lo na selva se ela
poderia ajudá-lo, mesmo que a sua equipe iria voltar para ele. Fiona sabia o
que era para ser deixado para trás, e ela jurou que não iria colocar qualquer
outra pessoa por ela, nunca.
O tempo passava lentamente. A hora que eles tiveram que esperar era
uma das mais longas horas de vida de Fiona. Finalmente, finalmente, eles
ouviram o som fraco de um helicóptero.
- Vamos. - Foi tudo Cookie disse. Ele começou através da selva,
cortando os galhos longe de seu caminho à medida que ele foi. Ele não
estava tentando ficar quieto, ele estava tentando levá-los para a zona de
desembarque o mais rápido possível.
- É cerca de um quarto de milha através das árvores, distância em linha
reta, desta forma. ele disse a elas mais cedo apontando para o oeste. - Sem
problemas.
Foi um problema embora. Eles ouviram o helicóptero, obviamente,
assim como os traficantes de drogas. Enquanto eles não sabiam exatamente
onde ele estava indo, eles tinham um palpite muito bom desde que não
havia muitos lugares ele poderia pousar ou ficar perto do chão na área.
Quando Cookie, Julie, e Fiona finalmente chegaram à área onde eles
estavam à ser pegos, o mundo desabou. Os traficantes de drogas tinha
alcançado a área ao mesmo tempo e facilmente os viram e abriram
fogo. Cookie não hesitou e atirou de volta. O som alto de tiros assustaram
Fiona.
O ruído era extremamente alto em comparação com o silêncio que
tinha sido ao viajarem. Companheiros de Cookie no helicóptero começaram
a cobrir o tiroteio. Eles sinalizaram para Cookie e ele conduziu Julie e Fiona
em direção a uma pequena abertura nas árvores. Ia ser complicado. Elas
tiveram que subir uma escada abaixadas e ser transportadas para cima. O
helicóptero não poderia pousar, e eles estariam sentados esquivando-se
enquanto estavam sendo transportados a bordo.

Julie foi a primeira. Cookie e Fiona ficaram de joelhos em um


amontoado de arbustos macios . Cookie estava atirando na direção de onde
ele achava que os traficantes estavam escondidos na selva ao seu redor. Ele
tinha tirado sua mochila para ter uma melhor amplitude de movimento.
Estava tomando um tempo para Julie agarrar uma preensão da
escada. Fiona queria gritar de frustração. Por que ela não bastava pegar a
maldita coisa e obter o inferno fora de lá? Cookie foi ficando sem munição,
ele não tinha uma quantidade ilimitada de balas. Ambos sabiam, se ele
tivesse que parar de disparar, Julie poderia ser ferida.
Cookie ficou surpreso, mas supunha que ele não deveria ter ficado,
quando ouviu Fiona dizer: - Aqui. - e enfiou a pistola original para ele,
totalmente carregada novamente. Ela tinha carregado enquanto ele estava
disparando a sua de reserva. Cookie não disse nada, simplesmente agarrou
e começou a atirar novamente.
Fiona recarregou a pistola que Hunter tinha acabado de esvaziar. Suas
mãos estavam tremendo muito, por isso era uma tarefa difícil, mas sabia que
Hunter tinha de se concentrar ou então eles estavam todos mortos. Ela sabia
como carregar e disparar pistolas porque em seu mundo de volta em El Paso,
ela decidiu que precisava de ser proativa para sua própria autoproteção. Ela
morava sozinha e queria ter certeza de que ela poderia segurar uma arma
para se proteger. Ela tinha tomado lições de segurança de arma e realmente
possuía uma pistola dela mesma. Essa decisão simples que ela tinha feito há
muito tempo foi certamente compensada agora.
Finalmente Julie estava segura no helicóptero. Fiona não tinha visto
ela ir para cima; Ela tinha se concentrado em carregar as balas na arma. Foi
provavelmente uma boa coisa. Se ela observasse, ele poderia ter assustado
a merda fora dela.
De repente, foi a vez de Fiona. Sem dizer uma palavra, Cookie foi para
empurrá-la para frente para levá-la por sua vez, quando de repente ele caiu
para trás.
Fiona olhou para baixo em horror. Hunter estava deitado imóvel no
chão com sangue vindo de algum lugar em torno de sua parte superior do
tórax. Ele havia sido baleado!
Fiona olhou em volta rapidamente e fez uma segunda decisão
dividida. Hunter ia viver, caramba. Ele certamente não merecia morrer aqui
na porra da selva. Ele arriscou sua vida por Julie, e por ela, e ela não estava
indo para salvar-se e deixá-lo aqui. Fiona sabia que nunca seria capaz de
viver consigo mesma se ela apenas fosse para cima e deixasse Hunter
sangrando no chão. Ela assistiu como Julie teve que amarrar-se na escada e
percebeu que ela poderia fazer isso com Hunter... mas ela tinha que ter a
sua ajuda. Ela não podia carregá-lo.
Ela freneticamente sacudiu. - Levante-se, Hunter, levante-se! - Depois
de mais alguns momentos de seus gritos com ele, ele finalmente se mexeu,
grogue.
Fiona continuou a tentar levá-lo para cima e em movimento. - Hunter,
temos que chegar ao helicóptero. Preciso de sua ajuda. - Ela apelou para o
soldado nele, no lado que salvou as pessoas para a vida. - Por favor, me ajude
a chegar à escada. - Fiona implorou, esperando que o desespero, ela podia
ouvir em suas próprias palavras, iria romper com ele.
Ele fez. Hunter cambaleou, com a ajuda de Fiona e, com o braço em
volta de sua cintura, ele tropeçou ao lado dela para a escada pendurada.
Fiona tentou firmar Hunter com uma mão, enquanto a disparar
aleatoriamente a pistola com a outra. Ela sabia que não estava batendo uma
maldita coisa , mas ela esperava que as balas voando pudesse talvez fazer
os bandidos pensar duas vezes sobre a sair do esconderijo. Os companheiros
de equipe de Hunter no helicóptero estavam freneticamente atirando em
torno deles, tentando suprimir os tiros dos traficantes de drogas também.
Fiona esperava que fosse tão bom um tiro como ela sempre ouviu. Ela
odiaria acabar morta por uma bala perdida depois de tudo o que ela passou.

Depois do que pareceu uma eternidade, mas foi muito


provavelmente, apenas cerca de dez segundos, chegaram à escada. - Ajude-
me, Hunter. - Fiona implorou novamente. - Segure-se à escada para mantê-
lo estável para mim.
Fiona estava completamente mentindo para ele, tentando levá-lo
perto o suficiente para o primeiro degrau para que ela pudesse prendê-lo. -
Sobe, Hunter. - Ela observou-o cegamente ir até o primeiro degrau. Fiona
enrolou a corda de contenção em torno de suas costas e cortou-a para a
escada novamente. Não era muito, e provavelmente não iria segurá-lo, se
desmaiar em seu caminho, ela orou que ele seria capaz de segurar para uma
viagem curta para cima.
- Espere. - Fiona pediu Hunter desesperadamente. - Segure-se em
mim. Não me deixe ir. - Hunter parecia tornar-se um pouco mais lúcido em
suas palavras, e assim como seus parceiros estavam transportando-o, ele
tentou agarrar a mão dela.
Fiona deu um passo atrás para fora do caminho e correu de volta para
a rutura nas árvores onde eles estavam escondidos. Ela o ouviu xingar
quando ele foi levantado em direção ao helicóptero.
- Graças a Deus. - Fiona soluçava enquanto ainda tentava atirar
aleatoriamente sua pistola. Quando ela atirou a última bala, ela apenas
observava enquanto Hunter milagrosamente chegou ao helicóptero e foi
arrastado para dentro por várias mãos segurando. Os traficantes de drogas
foram finalmente recuando como um resultado do poder de fogo a partir do
helicóptero.
Fiona não tinha certeza do que os homens no helicóptero fariam. Ela
sabia que eles não estavam esperando para pegar mais de duas pessoas. Ela
nem sabia se tinha espaço para ela. Mas eles tinham que tê-la visto ajudando
Hunter na escada. Tinha que ter visto que ela não era o inimigo. Fiona queria
ver a escada cair de volta para o chão para ela quase mais do que ela queria
uma refeição de três pratos, mas ela não tinha ideia de quanto peso o
helicóptero poderia segurar e se era mesmo possível para companheiros de
equipe de Hunter salvá-la também.

Fiona agarrou a mochila de Hunter com a intenção de atirá-la sobre


suas costas como ela o tinha visto fazer hora após hora, e quase caiu para
trás quando ela tentou pegá-la. A coisa era pesada! Ela não tinha ideia de
como Hunter tinha sido capaz de levá-la tanto quanto ele fez sem parecer
ser incomodado por ela. Fiona queria deixá-la no chão, onde Hunter tinha
deixado, ela honestamente não se sentia forte o suficiente para levá-la com
ela, mas ela sabia que não poderia deixá-la para trás. Fiona percebeu que
havia provavelmente um monte de equipamentos eletrônicos nele e
provavelmente outras coisas secretas.
A outra razão pela qual ela não queria deixar isso para trás era porque
ela não sabia se havia qualquer informação de identificação nela ou não, e
ela não queria nada voltando à Hunter. Ela não teve tempo para pesquisá-lo
para certificar-se e a última coisa que ela queria era algum traficante de
drogas no México sabendo quem era Hunter e, possivelmente, vindo atrás
dele nos Estados Unidos. Ela não tinha ideia de como provável era, mas,
novamente, ela nunca teria pensado que ela teria sido sequestrada e levada
para ser vendida para o comércio de escravas sexuais.
Fiona colocou a mochila no chão e deitou-se de costas em cima
dela. Ela serpenteou os braços pelas correias e lutou para chegar na posição
vertical. Ela colocou seus pés para o lado e deslocou ao redor. Ela tem as
pernas debaixo dela e usou uma árvore próxima para puxar-se
dolorosamente a seus pés. Ela caiu para trás uma vez, e felizmente havia
uma árvore lá para impedi-la de cair em sua bunda. Fiona mudou seu peso
até que ela se sentiu confortável em pé com a mochila pesada por diante.
Fiona olhou nervosamente de volta para o helicóptero pairar em
cima. Era tempo para a pergunta do milhão de dólares. Será que eles iriam
deixá-la para trás? Eles haviam resgatado o seu homem e a refém
original. Eles haviam completado a sua missão. Será que eles iriam resgatá-
la também? Ou era muito de um desconhecido?
Fiona prendeu a respiração. Se eles deixassem, ok, ela não podia
pensar sobre isso, mas talvez apenas talvez... os segundos passavam. Assim
quando Fiona pensou que o helicóptero ia decolar e deixá-la a cuidar de si
mesma na selva, a escada começou a baixar novamente. Graças a
Deus! Fiona quase chorou de alívio, percebendo o um triz que ela tinha
tido. Que a escada era literalmente a diferença entre a vida e a morte para
ela. Fiona sufocou um soluço, agora não era o momento nem o lugar para
quebrar. Ela ainda tinha que conseguir subir e entrar no helicóptero viva.
Capitulo Sete

Fiona cambaleou em direção à escada balançando loucamente no ar


voando pelas lâminas do helicóptero. Ela não conseguia andar em linha reta
por causa da mochila nas costas. Ela também estava ainda a tentar atirar
aleatoriamente em árvores, mas estava quase sem munição. Fiona percebeu
que parecia ridículo, mas tudo o que importava era dar o fora da selva.
Ela olhou para cima. Havia homens pendurados para fora da porta
aberta ainda disparando suas armas contra os traficantes de drogas, mas
Fiona ouviu tudo isso através de um torpor.
Apenas um pouco mais , Fiona disse a si mesma, tentando se tornar
um alvo tão pequeno quanto possível, o que foi realmente risível desde que
ela tinha uma mochila gigante e era bastante alta.
Finalmente Fiona agarrou a escada, atingindo-a apenas quando ela
começou a cair em seu rosto. Ela se aproximou do primeiro degrau, e
pendurou-se firme. Não havia nenhuma maneira que ela pudesse pegar a
alça em torno de si com a mochila, por isso ela simplesmente colocou os
braços em torno dos lados da escada, enterrou a cabeça, e esperava que os
companheiros de equipe de Hunter iriam puxá-la rapidamente. Eles fizeram.
Fiona ouviu uma bala atingir a mochila em suas costas e ela pensou
que sentiu algo bater sua perna, mas surpreendentemente não doeu. Ela
estava insensível a tudo. Seu corpo tremia de adrenalina como se estivesse
vinte graus fora em vez de noventa. Fiona não achou que ela sentiria isso, se
uma bala tivesse atingido na cabeça dela naquele ponto.
Fiona abriu os olhos para verificar o seu progresso em chegar ao
helicóptero e viu que eles estavam voando para longe da clareira em uma
alta taxa de velocidade. Aterrorizada, ela respirou bruscamente e apertou os
olhos e rezou para que ela chegasse ao helicóptero rapidamente.
Depois do que pareceu uma eternidade, Fiona sentiu mãos sobre os
braços levantando-a, praticamente jogando-a para o interior do
helicóptero. Seus olhos imediatamente procuraram Hunter. Ele estava
deitado em direção à parte de trás do pequeno espaço com um homem todo
vestido de camuflagem dando-lhe os primeiros socorros.
Fiona olhou em torno de Julie, ela também parecia estar bem. Ela
estava sentada ao lado, com a cabeça enterrada no peito de outro homem
vestindo camuflagem.
Os dois homens que puxaram-na a bordo do helicóptero, imitou para
ela rastejar para o lado da aeronave ao lado do homem que estava
consolando Julie. Fiona apontou para as costas, sabendo que não havia
nenhuma maneira que ela pudesse se mover com a mochila de Hunter nas
costas. Um dos homens a ajudou a remover a mochila como se ela
carregasse penas em vez do que tinha que ser pelo menos cem quilos de
bagagem, e ela fez seu caminho até onde eles haviam apontado.

Era demasiado alto para falar, e ninguém seria capaz de ouvi-la se ela
tentasse falar de qualquer maneira. Fiona viu que todos os homens usavam
peças nas orelha, de modo que ela imaginou que poderiam se comunicar
uns com os outros, mesmo com o barulho. Ela viu seus lábios se movendo,
mas não conseguia ouvir nada, além do motor do helicóptero. Fiona não se
importou. Ela estava fora da maldita selva e todos pareciam estar bem. No
momento era tudo que ela podia reunir por dentro para se preocupar.
Ela viu quando o ombro de Hunter foi enfaixado por um de seus
companheiros de equipe. Ele estava inconsciente, mas pelo menos eles
pareciam ter parado o sangramento. Fiona percebeu, com um sobressalto,
que ela nunca tinha estado tão assustada em sua vida como ela ficou quando
viu Hunter cair e jorrar sangue dele. Mesmo quando ele tinha sido agarrado
e tinha acordado... sim, mesmo assim. Assistindo Hunter cair após ser
baleado, era mais assustador do que mesmo isso. Fiona não poderia dizer
por que, ele só estava.

O helicóptero voou e depois do que pareceu uma eternidade,


finalmente desembarcou em uma pista de pouso coberta de sujeira. Fiona
viu um pequeno avião e percebeu que era como eles estavam saindo. Assim
como Fiona não teve coragem para perguntar sobre o que estava
acontecendo, Julie estava lá para fazer as perguntas para que Fiona não
precisava.
- Para onde estamos indo? - Perguntou ela maldosamente. - Pensei
que estávamos saindo daqui. Por que estamos parando? Onde está o avião
do meu pai?
O homem que Julie tinha estado agarrada, respondeu: - Não se
preocupe, Julie, você vai estar em casa logo. Seu pai vai ficar feliz em vê-la.
E com isso Julie começou a chorar dramaticamente novamente.
Fiona se virou. Ela chamou a atenção de um dos outros homens. Ela
tinha que perguntar: - Como é que vamos voltar aos Estados Unidos sem
passaporte? - Ela não queria ser a estraga prazeres do momento em que eles
estavam prestes a sair do país, mas ela sempre tinha sido muito
prática. Fiona tinha feito a pergunta geral. Ela imaginou que provavelmente
tinham o passaporte de Julie desde que eles estavam esperando para
resgatá-la, mas eles nem sabia quem ela era. Como Fiona poderia voltar a
entrar no país? Eles não iriam deixá-la no aeroporto, deixariam? Ela não
tinha ideia de como essas coisas funcionavam e desejou que Hunter
estivesse acordado. Fiona sabia que ele ia explicar tudo para ela e fazê-la se
sentir melhor.
- Bem, nós não estamos indo de volta para o país da maneira usual. -
O homem riu quando ele respondeu.
Ao ver o olhar aflito de Fiona, ele correu para tranquilizá-la: - Não se
preocupe, vai ficar tudo bem.
Fiona calou-se. Tanto faz. Ela estava feliz que alguém estava lidando
com as coisas; ela não achava que ela poderia ficar de pé por muito mais
tempo, quanto mais pensar sobre o que fazer a seguir. A adrenalina estava
passando e Fiona estava se sentindo doente de novo. Ela sentiu-se um lixo,
sua dor na perna, ela estava no alto céu, e não conseguia fazer as mãos parar
de tremer. Mas ela estava viva. Hunter estava vivo. Isso devia ser tudo o que
importava no momento.
Todos eles foram transferidos para um pequeno avião. Hunter foi
colocado na parte de trás do avião em um pequena cama, enquanto Julie e
o homem que ela não soltava, sentaram-se perto da frente. Dois dos homens
subiram para a área da cabine do piloto, enquanto os outros dois tiveram
Hunter deitado e escolheram um assento para si.
Fiona subiu a bordo do avião e olhou ao redor para decidir onde ela
devia sentar-se. Ela não queria se sentar perto de Julie, ela tinha certeza de
que o sentimento era mútuo, e ela não queria sentar-se longe de Hunter,
para que ela pudesse ter certeza que ele estava bem. Mas ela não queria
sentar-se perto de qualquer dos outros homens, porque ela sabia que estava
nojenta. Ela fedia e estava coberta de sujeira. Fiona também estava
desconfortável com a masculinidade óbvia do SEAL também. Eles escorriam
testosterona por todos os poros e agora que Fiona estava fora da selva e do
perigo imediato, ela não podia deixar de se lembrar do que outros homens
tinham feito para ela enquanto ela tinha estado em cativeiro.
Fiona também sabia que outro ataque com seus sintomas de
abstinência estavam por vir. Ela não conseguia controlar o tremor de seu
corpo, como antes. Sua perna também estava ferida, mas Hunter
necessitava mais atenção do que ela. Ela manteve o silêncio. Ela tinha que
cuidar dela mais tarde.
A viagem para onde eles estavam indo, levou cerca de três
horas. Hunter acordou uma vez e Fiona ouviu-o falando com os homens
sentados perto dele. Ela não podia ouvir o que diziam, mas ela foi tão longe
dentro de sua cabeça naquele momento, que não teria importado de
qualquer maneira.
Fiona não conseguia parar os tremores e ela estava vomitando a seco
no bolso do assento à sua frente durante a última hora. Ela sabia que os
homens pensavam que ela enjoava ao voar, e que estava tudo bem com
ela. Ela rezou para que Hunter não lhes dizesse nada sobre as drogas. Fiona
estava constrangida o suficiente. Se pudesse chegar a um hotel, ou em
algum lugar, e ficar sozinha, ela lidaria com isso. Eventualmente, os sintomas
teriam que parar. Ela só tinha que esperar para sair.
Cookie tinha acordado na parte de trás do avião. Ele tentou sentar-se
e foi contido por Wolf e Dude.
- Acalme-se, Cookie, você está bem. - Wolf lhe disse em uma voz calma
e baixa.
A lesão de Cookie doía como o inferno, mas havia algo que tinha que
fazer, algo que ele tinha que se lembrar.

Wolf viu sua confusão e tentou tranquilizá-lo. - As mulheres estão


seguras, não se preocupe. Você conseguiu. Não tenho certeza de quem é o
segundo amplo, mas ambas estão bem. Somente você poderia pegar uma
mulher na selva, Cookie!
Era isso! Cookie segurou o braço de Dude quando ele se inclinou sobre
ele para verificar seu ferimento no ombro. Wolf também inclinou-se para
seu companheiro de equipe para ouvir o que ele tinha a dizer.
Olhando para cada um de seus companheiros de equipe, Cookie disse
urgentemente. - Fee. Ajudem-na, não a deixem ir. - Foi tudo o que saiu antes
que ele desmaiasse de novo.
Dude enfiou o braço de Cookie de volta ao seu lado, ele e Wolf se
olharam, percebendo que Cookie se importava com a segunda mulher. Nem
sabia o que tinha acontecido na selva, mas ele especificamente tinha estado
preocupado com a mulher que ele tinha chamado Fee, não Julie.
Apesar de Cookie não poder ouvi-lo, Dude disse-lhe baixinho: - Não se
preocupe, Cookie, vamos cuidar dela para você até que você possa ver por
si mesmo.
O avião pousou com um solavanco e deslizou. Fiona respirou
fundo. Era isso. Era hora de seguir com sua vida. Ela não sabia onde estavam,
mas ela ia descobrir isso. Ela sempre fez isso.
Julie e um dos homens sairam do avião em primeiro lugar, em seguida,
os dois pilotos, então ela, logo Hunter foi carregado pelos dois homens que
tinham vindo a assistir ele. Fiona sabia que os homens eram a equipe de
Hunter. Ela tinha reconhecido seus nomes a partir de quando Hunter lhe
tinha dito o que parecia anos atrás.
Um dos homens que tinham estado na parte de trás com Hunter tinha
sido chamado Wolf por um dos outros homens. Ela estava tão feliz que
Hunter estava com sua equipe. Eles cuidariam dele.
Fiona olhou quando eles saíram para fora do avião e para o sol. Eles
estavam em uma outra pista de terra deserta, mas desta vez havia uma van
esperando por eles. Estava quente, mas o sol era maravilhoso no
rosto. Fiona não tinha visto o sol diretamente em meses. Além disso, ela
estava congelando. Ela sabia que não deveria ter sido, mas ela estava. Fiona
cambaleou e Wolf estava lá para pegar o braço dela.
- Você está bem? - Perguntou.
Fiona não gostou do escrutínio que o homem estava lhe dando, então
ela simplesmente assentiu com a cabeça e se afastou. Ela só queria ficar
sozinha.
Todos eles, os oito subiram em uma van e os mesmos dois homens
que tinham ajudado Hunter antes, colocaram-no através de um dos assentos
e subiram atrás dele. Fiona conseguiu rastejar no assento sem assistência, e
viu como Julie e os outros também eles próprios se estabeleceram em seus
assentos. Foi tudo feito sem uma palavra falada. Mesmo Julie não estava
balbuciando agora. Foi estranho, mas Fiona não teve tempo para se
importar. Ela não estava mais no México. Isso era tudo o que importava no
momento. Eles seguiram pela estrada e longe do pequeno avião.

Não importava para onde estavam indo, apenas que eles estavam
indo para algum lugar longe da selva. Seus pés doíam como uma cadela, por
isso esperava que eles não tivessem que andar muito. Olhando para eles,
Fiona não tinha ideia de como ela estava indo tirar os seus chinelos. Hunter
tinha tirado o inferno fora deles em um esforço para protegê-la.
Eles dirigiram por um tempo até chegarem a uma pequena casa de
baixa qualidade no meio do nada. Outra van estava à espera. Eles repetiram
a troca de antes, e todo mundo ficou estabelecido. Os homens tinham
colocado Hunter na parte de trás da van neste momento e ele estava deitado
no banco de trás. Wolf estava sentado perto dele certificando-se que tudo
estava bem. Fiona esperava que eles estivessem levando-o para um
hospital. Ela não gostava de vê-lo tão calmo e quieto.
Finalmente, depois de dirigir por mais quinze minutos ou mais, Fiona
começou a ver sinais de civilização. Algumas casas aqui e ali, finalmente,
algumas lojas. Eventualmente, eles puxaram para cima para outro pequeno
aeroporto, este com uma pista de concreto real espalhando-se por trás do
pequeno edifício. Fiona não tinha qualquer ideia de como ela poderia voar
comercialmente, mas novamente, ficou quieta e esperava os SEALs para
dizer o que estava acontecendo e o que deveria fazer.
Quando a van parou, Fiona observou como todos os homens saíram,
exceto Wolf, que estava monitorando Hunter. Ninguém fez sinal para ela
ficar, por isso, Fiona saiu também, mas ficou perto da van... e Hunter. Ela
sabia, eventualmente, ela teria que deixá-lo, mas se eles não a pedissem
para fazê-lo agora, ela não faria. Só de estar perto dele a confortou. Ela sabia
que era porque ele tinha resgatado, mas ela também pensava que era mais.
O que mais, ela não poderia dizer... só mais.
Fiona viu uma limusine se aproximando. Um homem mais velho saiu
da limusine e finalmente algo clicou. Este deve ser o pai de Julie. E era. Julie
gritou e atirou-se para o homem e o abraçou apertado. Ela viu o homem
fechar os olhos e abraçar sua filha. Tão chata como Julie era, Fiona não
poderia deixar de aflingir-se. Se não fosse por esse homem e sua filha ela
ainda estaria naquele inferno sem esperança de resgate.
Ela ficou colada ao lado da van assistindo o drama se desdobrar na
frente dela. Uma parte dela queria agradecer o homem ela mesma, mas ela
simplesmente não estava se sentindo com isso. Ela teria que se afastar da
van, atravessar o espaço que separava a van e a limusine, explicar quem era
e... Fiona parou de pensar. Só não valia a pena.
Fiona observou como um dos homens que os tinha resgatado,
aproximou-se do senador e Julie. O senador teve uma breve conversa com o
militar, sem largar sua filha, então eles apertaram as mãos, acenou com a
cabeça para o outro, e isso foi tudo. O homem levou Julie à distância. Eles
entraram na limusine e a porta se fechou atrás deles.

Fiona suspirou. Ela não tinha gostado da mulher, mas era quase
anticlímatica vê-la simplesmente ir embora sem olhar para trás. Fiona
estremeceu, colocou Julie fora de sua mente, e se virou para assistir aos
homens enquanto se dirigiam de volta para ela e a van. Ela não tinha ideia
do que iria acontecer. Ela não teve de esperar muito para descobrir.
- Volte para aqui, Fiona. - Wolf chamou de dentro da van. Ele estendeu
a mão para ajudá-la a voltar para dentro.
- Mas... - disse Fiona, olhando entre o aeroporto e o Wolf sentado no
veículo. Ela encolheu os ombros. Ela, obviamente, não ia estar voando em
qualquer lugar, não parecendo ou cheirando como ela estava, e certamente
não sem qualquer identificação.
Ela subiu de volta sem a ajuda de Wolf. Quando a van estava a
caminho de novo, Fiona finalmente perguntou: - Será que estamos levando-
o para o hospital? - Apontando para Hunter.
Ninguém lhe respondeu em primeiro lugar. Finalmente, um dos
outros homens da van disse: - Não, nós temos nosso próprio centro médico
nas proximidades. Não nos convém mostrar no hospital local como nós
fazemos às vezes. Não se preocupe; vamos cuidar bem dele.
Fiona assentiu com a cabeça como se tivesse todo o seu senso, sem
saber que sua sobrancelha franzida entregava sua confusão. Nada fazia
sentido. Eles não tinham perguntado quem era, não tinham perguntado de
onde ela veio, não tinham comentado sobre a forma como ela parecia ou
cheirava, eles realmente não tinham perguntado qualquer coisa. Apenas
tomaram como certo que ela estava lá. Isso confundiu o inferno fora de
Fiona, e não era uma boa sensação, no topo de tudo o resto. Ela estava
segura com eles? E se eles a despejassem em algum lugar?

Assim quando ela começou a surtar, Wolf disse: - Pare de se


preocupar, Fiona.
No uso de seu nome pela segunda vez, Fiona começou.
Wolf notou, e tentou tranquilizá-la. - Cookie nos disse quem você era
quando o arrastaram no helicóptero, bem, pelo menos o seu nome. Ele
estava xingando a faixa azul dizendo que você desobedeceu. Nós pensamos
que ele estava tendo alucinações, até que ele nos disse seu nome quando
ele acordou brevemente no avião.
Todos riram e Fiona olhou para seu colo. Fiona sabia que Hunter
estaria louco que ela o enganou para colocá-lo no helicóptero, mas,
honestamente, que tinha sido para seu próprio bem.
Wolf continuou, sério. - Ele também nos pediu para cuidar de você
até que ele esteja melhor. Mas honestamente, não importa quem você é ou
de onde você veio, Fiona, você salvou sua vida. Isso faz de você um de nós. E
nós cuidamos dos nossos. Vamos descobrir as outras coisas no devido
tempo, mas enquanto isso, vamos tomar conta dele e vamos cuidar de você.
Fiona apenas olhou para Wolf. - O quê? - Ela perguntou
silenciosamente. Ela não poderia colocar seu cérebro para funcionar
direito. Ela estava cansada, assustada, doente e sofrendo. - Apenas relaxe. -
Wolf acalmou-a, vendo como estressada ela estava. - Nós não vamos
machucá-la e em breve você vai chegar ao resto. Eu sei que você está
confusa, com fome e cansada, e provavelmente com medo também. Deixe-
me apresentá-la a todos, para que possam ajudar a fazer você se sentir
melhor. OK?
Fiona assentiu. O que mais ela poderia fazer?

- Sou Wolf. Aquele lá a conduzir é Benny. Dude e Mozart estão


sentados no banco na frente de você, e esse é Abe ao seu lado. Eu acho que
você provavelmente sabe que estamos todos na mesma equipe SEAL da
Marinha. Eu quis dizer o que eu disse. Você salvou a vida de Cookie. Você é
uma parte de nós agora também.
Fiona mansamente assentiu com a cabeça. Ela não tinha ideia do que
o Wolf estava malditamente falando. Ela sentiu como se estivesse em um
mundo alternativo. Ela não era um deles. Ela nem sequer os conhecia. Tanto
faz. Enquanto poderia cuidar de Hunter ela não se importava com o que eles
disseram. Fiona acabou de desejar que eles se apressassem e chegassem
aonde quer que fossem. Ela queria... não, ela precisava deitar-se.
Capitulo Oito

A van finalmente puxou até um portão, Benny digitou um código e


dirigiu com o portão fechando atrás dele. Fiona assistiu-o fechar com
cautela. Seria esta outra forma de prisão para ela? Ela não queria acreditar,
mas a retirada da droga estava tomando seu pedágio. Sentia-se nervosa e
agitada e não podia confiar em seu próprio julgamento. A cabeça de Fiona
estava girando e ela sentiu paranóica. Meu Deus, ela precisava ficar sozinha.

Fiona saiu da van, logo que parou. Ela olhou para uma bela casa. Era
um enorme edifício de dois andares com janelas em todo o andar
superior. Havia uma varanda antíquada anexada à frente com três cadeiras
de balanço. A porta da frente foi pintada de um vermelho escuro e ela podia
ver cortinas vermelhas em torno das janelas no primeiro andar. Ela não tinha
ideia de quem era a casa. Parecia perfeitamente inofensiva, mas por algum
motivo fez Fiona nervosa como o inferno.
Fiona observou enquanto os homens saíram da van e Wolf e Dude
levaram Hunter para a casa pela porta da frente. Fiona olhou um pouco mais
ao redor do quintal, observando o gramado e arbustos bem cuidados e,
lentamente, caminhou atrás do resto dos homens. Antes de Wolf descer o
corredor atrás de Hunter, pegou o braço de Fiona e levou-a para uma porta.
- Fiona, este é seu quarto. Ele tem um banheiro em anexo. Por favor,
tome o seu tempo para se trocar e limpar. Vou trazer uma tesoura para baixo
daqui a pouco para ajudar a tirar os chinelos fora de seus pés se você
precisar. Eu também vou encontrar algumas roupas para você colocar depois
de seu banho. Provavelmente vão ser muito grandes, mas vão estar limpas.
Vamos comer uma vez que você estiver pronta - Wolf abriu a porta e viu
Fiona andar no quarto; ele sorriu para ela, em seguida, fechou a porta.

Santo inferno , Fiona não sabia o que estava acontecendo. Ela tinha
ido de viver em sua própria sujeira e fazer xixi em um balde, a estar de pé no
mais belo quarto que ela já tinha visto. Era absolutamente lindo. Era enorme
e o tapete era de um branco imaculado. Fiona não queria caminhar em
frente ao chuveiro. Ela sabia que iria deixá-lo sujo. O que Wolf tinha pensado
em deixá-la aqui?
Fiona finalmente cambaleou em direção ao banheiro, ignorando a
sujeira que ela sabia que estava seguindo pelo quarto. Ela entrou, fechou a
porta com cuidado e trancou-a firmemente atrás dela. O banheiro era tão
bonito como o resto do quarto. Havia duas pias e um enorme balcão de
mármore. Havia uma banheira de hidromassagem e um chuveiro separado
que tinha pelo menos três chuveiros.
Fiona teria admirado com mais cuidado, mas ela estava no fim de sua
corda. Ela simplesmente passou por muito, e seu corpo não era capaz de
apoiá-la mais. Ela mergulhou no chão ao lado da pia, tendo a presença de
espírito para empurrar o tapete branco de pelúcia fora do caminho e
tombou. A última coisa que Fiona pensou era tão ruim quanto sentia, ela
esperava que ela morresse.

***

Cookie finalmente recuperou a consciência. Wolf tinha sentado ao


lado dele por trinta minutos, certificando-se o quarto foi todo aberto, e que
o ferimento no ombro foi fechado corretamente. Mozart tinha feito as
honras para isso. Wolf sabia que ele era o melhor deles para fazê-lo. Mozart
tinha costurado Caroline de Wolf quando ela tinha sido ferida. Wolf mal
podia ver a cicatriz do lado de Caroline. Mozart era tão bom.
A bala felizmente tinha saído do ombro de Cookie, assim Mozart não
teve que cavar para fora. Com sorte, não tinha atingido nenhuma das
artérias principais, mas tinha colocado dois furos no braço de Cookie. Ele
estava em alguns analgésicos graves, mas Cookie era um SEAL por
completo. Ele foi capaz de ser funcional, mesmo com as drogas correndo
através de seu corpo, especialmente porque ele estava preocupado com
Fiona.
- Diga-me o que aconteceu. - Cookie exigiu de seu amigo e
companheiro de equipe. - Lembro-me de Julie subir para o helicóptero e, em
seguida, apenas trechos depois disso. Fee conseguiu, certo?
Wolf acenou com a cabeça. - A versão curta é que você foi baleado,
Fiona arrastou-o para a escada e amarrou em você, nós o pegamos,
enquanto ela voltava e pegava a sua mochila. Ela disparou contra os
traficacantes enquanto nós baixamos novamente a escada. Ela cambaleou
por carregar com a mochila. Nós a levamos enquanto nos mudamos de lá.
Nós mudamos para um avião, desembarcamos aqui no Texas, enviamos a
Julie em seu caminho, e agora estamos aqui no esconderijo que Tex
providenciou para nós. Agora... você me diga o que aconteceu lá fora.
Cookie sabia o que Wolf queria dizer. Eles não tinham suspeita de um
segundo refém. Cookie disse a Wolf, tanto quanto sabia, o que não era
muito. Ele não queria dizer-lhe muito sobre a condição de Fiona ainda, ele
sabia que a envergonhava. Mas ele sabia que, eventualmente, seus
companheiros de equipe teriam que saber. Eles não poderiam ajudá-la com
a retirada da droga, se eles não soubessem sobre ela. Cookie queria saber
mais sobre Fiona, de onde ela veio e como ela acabou naquele inferno que
ele a tinha encontrado antes de ele falar com Wolf.
A porta do quarto de Cookie abriu e Benny enfiou a cabeça.
- Eu trouxe a tesoura e uma muda de roupa para o quarto de Fiona, e
quando ela não respondeu a porta, olhei para dentro. Ela estava no banheiro
e quando eu bati naquela porta para que ela soubesse que eu trouxe
algumas coisas. Ninguém respondeu. Bati mais forte e ela ainda não
respondeu. Ela não está no banho e eu estou preocupado.
Cookie imediatamente começou a se levantar ao ouvir as palavras de
Benny. Se Benny estava preocupado, Cookie estava fodidamente
apavorado. Wolf parou-o. - Eu vou. - ele disse a seu companheiro ferido, mas
Cookie não estava escutando.
- Ajude-me. - disse a Wolf rispidamente. Tudo o que sabia era que ele
não ia mentir se Fiona estivesse ferida. Wolf não se opôs, apenas suspirou e
ajudou Cookie a levantar-se e ir para o quarto de Fiona.
Abe estava na porta do banheiro de Fiona quando os outros homens
chegaram. - Nós não queremos entrar se ela estiver na banheira. - Abe
explicou ainda. - Mas não podemos levá-la a abrir a porta. Ela diz que está
tudo bem, mas ela não soa bem.
Wolf bateu na porta novamente e quando não houve resposta, ajudou
Cookie chegar mais perto. Wolf fez um gesto para ele tentar no sentido de
conseguir através dela.
- Fiona? - Cookie chamou. - Você pode me ouvir? Abra a porta,
querida. - O carinho saiu sem pensamento consciente.
Fiona não conseguia parar de tremer. Seu corpo estava se rebelando
contra ela. Ela não conseguia respirar muito bem, e ela sabia que algo estava
seriamente errado. Ela pensou que ouviu a voz de Hunter, mas que não
poderia estar certa. Ele estava inconsciente... não estava?
Cookie tentou novamente, com a voz um pouco mais forte do que
antes. - Fee, abra a porta agora ou nós vamos entrar. - Ele fez uma
pausa.- Estou preocupado com você. Vamos, abra a porta para que eu possa
ver que está tudo bem.
Fiona despertou-se novamente. Era ele. - Hunter? - Ela disse
fracamente. - Você está bem? - Ela ouviu-o rir.
- O inferno, Fee, eu estou bem, é contigo que estou
preocupado. Agora, abra a porta. - Ele disse a última parte um pouco mais
duramente que pretendia.
- Eu não posso vir para a porta agora, Hunter. - Fiona tentou explicar,
sem saber o que ela estava dizendo. - Talvez mais tarde. - Ela colocou a
cabeça no piso de ladrilho frio e fechou os olhos.
Cookie gesticulou para Benny. Ele era o melhor selecionador de
bloqueio que tinham. Todos eles poderiam abrir praticamente qualquer
porta e qualquer bloqueio, mas Benny era o mestre nisso. Ele sempre
conseguia abrir qualquer fechadura muito mais rápido do que o resto
deles. E esta era certamente uma situação onde o tempo era
essencial. Benny tinha a porta aberta dentro de alguns segundos. A porta se
abriu e o estômago Cookie caiu no chão.
Wolf estava ao lado de Fiona antes que Cookie pudesse se mover. Ela
permaneceu imóvel no chão do banheiro, assim tão imunda como a última
vez que Cookie tinha visto-a. Ela conseguiu entrar no banheiro, mas não para
limpar-se de qualquer maneira. Era como se ela ao entrar no quarto, caiu
no chão imediatamente. Wolf levantou facilmente o corpo inconsciente de
Fiona e se dirigiu de volta para o quarto médico com o Cookie às suas costas
seguindo de perto.
Wolf pôs Fiona para baixo cuidadosamente sobre a cama que Cookie
tinha acabado de sair, e olhou para Benny e Abe. - Eu preciso de água
morna. Muita. Nós temos que limpá-la antes de fazer qualquer outra
coisa. Pegue a tesoura também para que possamos obter os chinelos fora de
seus pés.

Cookie observava impotente. Ele estava se sentindo fraco e balançou


em seus pés.

Wolf parou seu cuidado de Fiona para arrastar uma cadeira em


direção à cama em que estava deitada e forçou Cookie a sentar. - Sente-se,
Cookie. - ele disse-lhe com firmeza. - Antes de cair, seu burro teimoso.
Abe e Benny voltaram com a água, toalhas e tesoura. Todos eles
começaram limpando os membros de Fiona, tentando tirar o máximo de
sujeira e lama fora dela como podiam, sem banheira ou ducha de pleno
direito. Eles se mudaram rapidamente e profissionalmente. Fiona gemeu,
mas não protestou de forma alguma.
Benny começou com os pés. Ele cortou a fita e descascou os chinelos
fora de seus pés. Seus pés estavam absolutamente nojentos. Ele podia ver
que Fiona tinha bolhas nos topos dos seus pés onde a borracha dos chinelos
tinha esfregado contra a pele. A quantidade de sujeira e lama na parte
inferior de seus pés era quase difícil de acreditar. Benny deixou cair os
chinelos no chão e cuidadosamente tirou os shorts. Ele não estava nem
prestando atenção à forma como ela parecia, ele estava cem por cento
concentrado em obter esta mulher um pouco limpa, para que pudessem
dar-lhe qualquer outra ajuda médica que ela precisava.
Cookie observava distraidamente enquanto seus companheiros
limparam Fiona. Ele não estava chateado que eles estavam tocando-a e que
Benny tinha retirado seus shorts, ele estava muito preocupado sobre por
que Fiona estava inconsciente e que havia algo de errado com ela.
Abe e Wolf cortaram a camisa preta de manga comprida de Cookie
fora de Fiona, o que não era difícil de fazer, uma vez que era tão grande
sobre ela. Eles xingaram no primeiro vislumbre que eles tinham do colar de
metal em volta do pescoço. A camisa tinha escondido até agora.
- Jesus. - Cookie ouvi Abe murmurar sob sua respiração. Todos podiam
ver como vermelho o pescoço dela estava. O metal enferrujado tinha
esfregado a pele crua. Ela provavelmente já tinha sido ferida antes que
escapasse, mas agora, após a sua corrida louca através da selva, estava além
de dolorido. Ficou vermelho e inflamado e a quantidade de sangue seco em
volta era um pouco alarmante.
Abe continuou a retirar sua camisa, puxando-a para fora sob ela. Por
tudo isso, Cookie manteve os olhos no rosto de Fiona. Ela não se moveu, ela
não gemeu, ela não tinha chorado. Ela só estava deitada na cama,
completamente fora de si.
Os homens continuaram a sua limpeza. Eles tinham panos quentes
que eles estavam usando para tentar obter o pior da poeira e sujeira fora de
Fiona. Com cada golpe, os panos foram se tornando mais e mais sujos, a
água que tinham a enxaguar os trapos estava praticamente preta com a
sujeira que estava saindo de seu corpo.
De repente, ao mesmo tempo, Benny disse: - Inferno. - Wolf disse: -
Merda.

Cookie desviou o olhar do rosto de Fiona, pela primeira vez,


perguntando-se o que tinham encontrado. Ele tinha ouvido claramente a
severidade em cada um dos tons de seus amigos.

Benny fez um gesto em direção a sua perna. Todos viram o que tinha
perdido antes. A poeira e sujeira tinha escondido uma ferida de bala. Parecia
apenas um arranhão, mas estava agora lentamente escorrendo sangue
sobre sua perna e no lençol. O pano obviamente tinha removido a crosta que
havia se formado e permitiu que começasse novamente a sangrar.
Ambos os homens olharam para Abe, perguntando o que ele estava
alarmado. Ele simplesmente fez um gesto para seus braços. O interior dos
cotovelos de Fiona estavam cobertos de marcas de agulhas e
contusões. Cookie os tinha visto antes, mas, obviamente, seria uma surpresa
para os outros homens.
Ninguém questionou Cookie, ninguém olhou enojado. Eles só
continuaram a trabalhar em silêncio para tentar limpar o tempo desta
mulher corajosa no inferno. E obviamente tinha sido uma experiência
infernal. Além das marcas de faixa e condição suja de seu corpo, hematomas
foram revelados à medida que a sujeira foi apagada. Ela tinha cores
diferentes de marcas de dedos em seus braços, e mais alarmante, em sua
cintura. Houve uma contusão do tamanho de uma bota desaparecendo nas
costas, mas o mais alarmante foram as contusões em suas coxas, todas as
cores diferentes, alertando os homens para o fato de que algumas eram
mais velhas do que outras.
As marcas de faixa em seus braços eram feias, mas realmente não
importava a longo prazo. Mesmo que Fiona tinha tomado as drogas
ansiosamente, que nenhum deles iria culpá-la por isso; essa mulher salvou a
vida de seu companheiro de equipe. Todos eles tinham perguntas, mas eles
esperariam. Sua saúde estava em primeiro lugar.
Tudo ia bem até que Wolf tentou colocar uma intravenosa no braço
de Fiona. Um segundo ela era um peso morto em seus braços, o que lhes
permitiu mover seus membros onde quer que eles precisavam, a fim de
obter o seu corpo despido e limpo, e no seguinte, ela lutava contra eles como
se sua vida dependesse disso.
- Não, não, não. - Fiona gritou, lutando com tudo o que tinha. Ela
chutou para fora com seus pés e por pouco não acertou Abe, que estava
perto dela. Ela estava, obviamente, lembrando como ela tinha sido drogada,
ou pior, violentada.
- Saiam de mim, idiotas. - Fiona rosnou, enquanto ainda torcendo e
virando nos braços dos homens. Fiona quase conseguiu girar para fora da
cama e no chão antes de Wolf e Benny conseguissem agarrar seus membros
e segurá-la, o que só a fez lutar mais freneticamente.
Cookie rapidamente se inclinou em direção a cabeça de Fiona. - Fiona,
sai dessa. - disse ele asperamente, tentando chegar até ela. Ele colocou a
mão de seu braço bom em sua testa. Ela se acalmou. Cookie continuou,
inclinando-se até que seus lábios estavam bem à sua orelha. - Sou eu,
Hunter. Você está segura. Você está de volta nos Estados Unidos. Você não
está mais em um barraco. Você me ouve?
Fiona não respondeu, mas não lutou tanto.
- Eu estou aqui com você e você está no hospital comigo. Nós não
estamos drogando você. Eu juro pela minha vida que você está segura. Você
me ouve? Estamos tentando colocar uma intravenosa. Vai dar-lhe fluidos,
ela vai fazer você se sentir melhor. Nós não estamos drogando você. Eu
prometo.
Ainda nenhum movimento de Fiona. - Confie em mim, querida. -
Cookie tentou novamente. - Por favor, apenas confie em mim.
Fiona finalmente suspirou e voltou-se para Hunter. Seus olhos se
abriram em fendas, apenas o suficiente para ver. - Hunter? - Ela disse,
hesitante. - Você está realmente bem?
- Estou muito bem. - Cookie foi tocado de uma maneira que nunca
tinha sido antes em seu altruísmo. Ela tinha que estar sofrendo e estava
confusa, e ainda assim, ela estava preocupada com ele. Cookie moveu a mão
da testa para o lado de seu rosto. Sua pele era quente e suada, mas Cookie
podia senti-la inclinar a cabeça em sua mão enquanto ele falava. O
pensamento de que, no meio de seu terror, ela confiava nele, fez seu
estômago apertar com um estranho, mas não desagradável, sacudido. -
Apenas relaxe, Fee, está tudo bem. Eu estou aqui e eu não vou a lugar
nenhum.
Fiona suspirou e assentiu. Seus olhos foram para Wolf e os outros
homens e, sem saber, impressionou o inferno fora dos homens endurecidos
pela batalha em pé ao seu redor. - Desculpem rapazes, eu vou tentar ficar
parada, não posso prometer embora.
Abe foi o primeiro a responder, e fez-o rindo baixinho. - Não se
preocupe, Fiona. Nós vamos cuidar de você. Nada vai te machucar
aqui. Relaxe.
Wolf foi capaz de colocar a intravenosa sem mais incidentes, mas os
quatro homens viram como ela franziu os olhos fechados e, como o suor saiu
na testa. Fiona finalmente caiu em um sono febril sem outra palavra.
Wolf se virou para Cookie com raiva mal controlada nos seus olhos
para os homens que tinham drogado e abusado de Fiona, e disse entre
dentes. - Derrama. - Todos eles precisavam ouvir a história de Fiona. Isto,
evidentemente, não foi um caso pronto. Todos eles precisavam ouvir o que
estava acontecendo, e teriam que ser comunicadas ao seu comandante.
Cookie suspirou. - Eu esperava que ela tivesse passado o pior, mas,
aparentemente, eu estava errado. Eles drogaram-na. Eu não tenho ideia
com o que, mas eu estou supondo que foi, provavelmente, a heroína, mas
seus sintomas não fazem exatamente o ajuste. A retirada de heroína
geralmente inclui coisas como agitação, dores musculares, náuseas e
vômitos. Ela experimentou todos esses, mas eles geralmente não duram
muito mais do que trinta horas. Ela deveria ter terminado agora.
- Mas se eles misturaram a heroína com metanfetamina,
definitivamente poderia causar algum tipo de transtorno psicótico induzido
por substância. Isso faz com que esta retirada seja mais séria. Ela tem seu
próprio conjunto de sintomas, o proeminente sendo delírios ou
alucinações. Fiona disse que tinha sido drogada por semanas. Ela está
envergonhada com isso, e você pode ver que ela está lutando tão duro
quanto ela pode, mas não o suficiente. Temo que vai ficar ruim. Estou
espantado que ela durou tanto tempo.
- Ela é, obviamente, forte. - disse Wolf a Cookie. - Ela vai lidar com
isso. Nós não vamos desiludi-la.
Wolf tinha, aparentemente, adotado Fiona como uma dos seus
próprios. Ele assistiu ela colocar sua vida em risco por um de seus melhores
amigos. Não havia nenhuma maneira que um da equipe poderia ter ido com
segurança para baixo do helicóptero para ajudar e para obter Cookie. Fiona
literalmente salvou a vida de ambos.
- Nós temos que descobrir o que vamos fazer. Não podemos ficar aqui
para sempre. O povo de Tex são apenas o que nos permite usar este lugar
por cerca de uma semana e meia no máximo, e nós temos que relatar de
volta à base. Vou ligar para o comandante e deixá-lo saber o que está
acontecendo e que todos nós, não vamos voltar imediatamente. Temos que
descobrir quem vai ficar para ajudar a cuidar dela e quem vai.
- Eu não vou deixá-la, Wolf. - Cookie disse com aço em sua voz. - Eu
não achava que você ia. - Foi dito com naturalidade, como se Wolf não tinha
sequer pensado na possibilidade.
- Eu vou ficar também. - Benny disse a eles. Antes de Abe poder
oferecer para ficar, Benny continuou. - Abe, você precisa chegar em casa
para Alabama. Você sabe o quanto ela estressa quando você vai
embora. Wolf, você provavelmente deve chegar em casa também, você
pode falar com o comandante e certifique-se que você mantenha o forte
para baixo, além disso, Caroline estará tão ansiosa para vê-lo como Alabama
está para ver Abe. Vou pegar Dude para ficar aqui com a gente.
- E Mozart? - Abe perguntou, aparentemente, não tendo problemas
com o plano de Benny.

- Eu acho que ele provavelmente pode voltar para casa também. Se


precisarmos dele, porém, vamos entrar em contato. Nós podemos
improvisar.

- Cookie? Será que isso soa bem para você? - Wolf queria ter certeza
que Cookie aprovava tudo o que eles decidiram, esta mulher era obviamente
importante para ele, apesar de ter acabado de conhecer. Wolf não
questionava. Ele tinha feito uma conexão com sua Caroline tão rapidamente
e se Cookie estava sentindo a metade do que ele sentiu quando ele
descobriu que Caroline ficou ferida, ele sabia que Fiona já era uma parte de
sua família SEAL unida, mesmo se ela não soubesse ainda.
Cookie passou a mão sobre a testa de Fiona, sentindo o calor e
umidade. Moveu-se lentamente e com cuidado, ainda sentindo a dor de sua
própria ferida. - Sim, eu vou levá-la através disto e vamos ver onde estamos.
- Sua voz baixou de dor. - Eu realmente não sei nada sobre ela. Eu não sei se
ela tem uma família em algum lugar perguntando onde ela está. Se ela é
casada, se ela tem filhos... - Sua voz sumiu.
O clima no quarto ficou pesado. Cristo, não tinha pensado nisso. Wolf
pigarreou. - A principal coisa é mantê-la bem. Cookie, você pode lidar com
tudo isso depois que ela se recuperar.
Cookie assentiu. - Ok, vocês vão. Benny e Dude podem ficar aqui
comigo. Wolf, se você puder falar com Tex para que ele saiba que vamos
estar enfurnados aqui por um pouco mais, eu aprecio isso. Eu vou ficar em
contato e deixar você saber como Fiona está indo e quais serão os nossos
próximos passos.

Os outros homens saíram da sala, cada um olhando para trás mais


uma vez para a mulher na cama e seu companheiro de equipe. Todos eles
silenciosamente esperavam que ela se recuperasse e que ela estivesse
livre. Era fácil de ver Cookie já considerando Fiona como ”sua”, e eles
esperavam, pelo bem de ambos, que pudessem fazer funcionar.
Capitulo Nove

A febre de Fiona aumentou. Cookie estava no quarto com ela quando


ela começou a se debater na cama. Ela estava extremamente quente ao
toque. Cookie agarrou a mão de Fiona para tentar tranquilizá-la, mas isso só
pareceu piorar a reação dela, e ele a empurrou sobre a borda. Ela empurrou
para longe dele e sentou-se, obviamente, tentando levantar-se e sair da
cama.

- Duuuude. - Cookie gritou enquanto tentava segurar Fiona ainda. Ele


não foi muito eficaz com o seu próprio ombro ferido devido ao tiro. A porta
se abriu e não só Dude, mas Benny também entraram na sala e virão a
situação rapidamente.

Dude agarrou os ombros de Fiona, enquanto Benny agarrou suas


pernas. Cookie ficou em sua cabeça tentando acalmar Fiona para baixo com
seu toque. Todos os três homens ficaram em silêncio enquanto observavam
Fiona torcer e virar-se e lutar para libertar-se. Tal como antes, seus esforços
apenas a deixava exausta. Desta vez, quando Cookie falou com sua voz
gentil, não adiantou. Sua voz não poderia trazê-la para fora da neblina
induzida por drogas que ela estava neste momento.
Finalmente, depois do que pareceu horas, mas foi realmente apenas
dez minutos ou mais, Fiona novamente caiu. Ela abriu os olhos, olhando
devidamente ao redor da sala. Com os olhos vidrados ela choramingou, - Por
quê? Por que está fazendo isso comigo? - E depois ficou em silêncio mais
uma vez.
- Caramba. - Benny exclamou baixinho. - Deixe-nos saber quando ela
acordar de novo. - disse ele a Cookie infelizmente, sabendo que
provavelmente não seria a última vez que eles eram necessários. - Estamos
ao lado e poderemos estar aqui em um segundo.
- Eu vou, obrigado pessoal. Esperemos que ela vá dormir o pior disso
em breve.
Concordando, Benny e Dude deixaram Cookie sozinho com Fiona
novamente.
Cookie dormiu com facilidade durante as próximas vinte e quatro
horas. Acordando quando Fiona acordou, tentando acalmá-la, pedindo a
Benny e Dude para ajudá-lo evitando que Fiona se machucasse quando
necessário, e, em seguida, tentando dormir quando Fiona dormiu.
Eles realmente tinham que colocar as luvas nas mãos de Fiona porque
ela continuou tentando arranhar sua pele. Ele sabia que provavelmente
sentiu como sua pele estava rastejando com insetos, mas foi apenas a
retirada fazendo-a pensar dessa forma... bem, e a multidão de picadas de
insetos também.
Cookie tinha visto um monte de coisas difíceis em sua vida, mas nada
o havia preparado para os gritos de partir o coração e pedido que saíram da
boca dessa mulher. Eles foram ainda mais horríveis porque ele sabia que
se ela sabia que estava fazendo isso, ela teria ficado mortificada. Fiona tinha
feito tudo o que podia, enquanto eles estavam na selva para minimizar seu
próprio sofrimento, e não havia dúvida de que ela estava sofrendo.
Quando Fiona estava lúcida o suficiente, todos eles tentaram levá-la
para comer alguma coisa. Eles sabiam que ela não estava desidratada
porque as intra venosas bombeavam muitos líquidos que salvavam vidas
nela sem parar, mas eles estavam preocupados com a sua ingestão calórica.

Eles frequentemente a levarantaram e ela foi capaz de usar o


banheiro. Cookie ficou aliviado porque sabia que Fiona definitivamente não
queria que eles colocassem um cateter. Todos ficaram maravilhados o tão
móvel como ela estava. Cookie atribuiu à sua teimosia e força de vontade.
Ela ainda não estava lúcida, mas todos esperavam que ela logo voltasse do
outro lado do pior disso em breve.
Três dias depois que eles chegaram, Fiona abriu os olhos e viu Cookie
sentado ao lado dela em uma cadeira ao lado da cama. Ela não disse nada,
mas esperou que ele abrisse os olhos. Como se pudesse sentir seu olhar
sobre ele, ele se mexeu e seus olhos a encontraram, logo que ele despertou.
- Como você se sente hoje, Fiona? - Cookie perguntou
cautelosamente, imaginando em que tipo de humor ela estaria e, como a
retirada estava afetando-a hoje. Ele tinha visto os olhos de Fiona aberto
antes, e ela estava completamente fora de si, sem saber o que ela estava
dizendo ou fazendo. Cookie esperava que hoje fosse o dia em que ela iria
romper e voltar para ele.
Fiona limpou a garganta antes de falar. - Melhor.
Cookie assentiu, e manteve um olhar atento sobre ela. Ela parecia
horrível, mas ele não estava surpreso com tudo o que ela tinha passado. -
Você se sente bem para se levantar para ir ao banheiro?
Fiona corou e assentiu.
Cookie ficou emocionado ao ver o rubor no rosto de Fiona. Nos
últimos dias que ela agiu como um zumbi, e certamente não tinha reagido
com embaraço para qualquer coisa que ela tinha feito, ou que os caras
tinham feito a ela. Cookie ajudou Fiona se levantar e arrumou o apoio da
intra venosa e acompanhou-a até o banheiro. Quando ele foi entrar com ela,
Fiona parou.
- Eu posso fazer isso. - disse ela com firmeza, sem olhar Cookie nos
olhos.
Cookie estava cético, mas não queria ferir os sentimentos de Fiona. -
Ok, se você precisar da minha ajuda, basta dizer alguma coisa, eu vou estar
bem aqui. - e ele fez um gesto para a porta. Fiona assentiu e fechou a porta
suavemente.
Cookie ouviu a fechadura da porta e franziu a testa. Não era como se
o bloqueio iria mantê-lo ou qualquer outra pessoa, mas era mais o fato de
que se sentia qundo ela teve que trancá-la em tudo o que o
incomodava. Esperou não tão pacientemente que ela terminasse para que
ele pudesse colocá-la de volta na cama.
Fiona não se preocupou em olhar-se no espelho, ela não se preocupou
em usar o banheiro, ela foi imediatamente para a pequena janela no
banheiro. Ela tinha que sair daqui. Quem sabia o que eles estavam pensando
em fazer com ela. Ela sabia que, por vezes, eles gostavam de ser bons para
ela para tentar levá-la a baixar a guarda, em seguida, fazer algo horrível para
esmagar seus espíritos. - Nunca mais. - Fiona murmurou para si mesma. Ela
queria sair. Ela tinha que sair.
Suas mãos tremiam, sentia-se horrível, mas ela estendeu a mão para
a janela de qualquer maneira, notando pela primeira vez como ela fez, a intra
venosa em seu braço. Sentindo repulsa, que sabia o que eles estavam
colocando em seu corpo agora, Fiona rasgou-o, não tentando ser gentil ou
se preocupar em fazer-lhe o “caminho certo.” Sangue lentamente escorria
pelo braço e pingava no chão, mas ela não prestou atenção a ele.

Fiona lentamente levantou a janela e olhou para fora. Felizmente,


parecia ser noite. Ela perdeu a sensação de que dia era e quando era.
Quando ela foi levada pela primeira vez, ela tentou acompanhar, mas os dias
e as noites em breve tudo correram juntos. Mas agora a escuridão a ajudaria
a fugir. Fiona olhou para fora novamente. Por desgraça, ela não estava no
primeiro andar... ela olhou para a direita... um tubo de drenagem percorreu
o comprimento da parede à direita da janela. Não era perfeito, mas teria que
funcionar.
Fiona fez uma pausa momentânea, algo estava incomodando na parte
de trás de seu cérebro, algo sobre estar no segundo andar, em vez do
primeiro. Ela ignorou. O tempo era essencial. Ela tinha que fugir. A qualquer
momento eles poderiam notar que ela tinha ido embora. Seu único
pensamento era sair. Saia agora. Fiona desajeitadamente subiu no vaso
sanitário para obter melhor acesso para a janela e levantou uma
perna. Sentindo-se fraca e trêmula, ela forçou seu corpo para cooperar e
aliviou-se para fora. Ela pegou o cano de drenagem e segurou.

Benny estava dormindo quando sentiu o alarme silencioso vibrar em


seu pulso. Tex lhes tinha dito que a casa estava completamente
conectada. Ninguém podia entrar ou sair sem ser detectado. Ninguém tinha
pensado que eles realmente precisariam, enquanto Fiona se recuperava,
mas era uma segunda natureza para todos eles serem hiper-vigilantes.
Surpreso, Benny atirou para fora da cama, abriu a porta do quarto e
rasgou pelo corredor até a sala de controle do vigilância. A sala de controle
principal estava realmente instalada no andar de baixo em um complexo de
refúgio debaixo da guarida, mas eles estavam passando tanto tempo no
andar de cima com Fiona, todos concordaram em mover alguns aspectos
disso aqui, por isso, estariam, apenas no caso.
Benny deu uma olhada para o monitor de televisão e
xingou. Porra. Benny girou, correu pelo corredor e desceu as escadas. Sem
se preocupar em entrar em contato com qualquer um dos seus
companheiros de equipe ou desativar o alarme da casa, imaginando que iria
acordar Dude, tal como aconteceu, Benny correu ao redor do lado do edifício
não sabendo exatamente o que esperar, mesmo depois de vê-lo nos
monitores, e olhou para cima. - Aw, inferno. - ele murmurou.
Fiona tentou deslizar lentamente pelo cano de drengem, mas suas
mãos estavam sangrentas de onde ela tirou a intra venosa e ela não tinha
força. Ela deslizou mais e mais rápido em direção ao chão. Tudo o que podia
fazer era tentar pendurar. Benny pegou Fiona pouco antes de ela bater no
chão. Assim como ele a pegou, Dude veio correndo ao virar da esquina do
prédio, arma na mão, pronto para qualquer coisa.
Fiona sentiu alguém agarrá-la quando ela estava prestes a escapar. Ela
tinha estado tão perto desta vez. Ela tentou atirar-se para fora dos braços
do homem que a segurava, mas seu poder era muito apertado.
- Deixe-me ir, deixe-me ir. - ela resmungou para ele, enquanto tentava
acertá-lo e arranhar-lhe os olhos. Benny grunhiu e agarrou-a mais perto de
seu peito. Dude resumiu a situação rapidamente, olhou para a janela e
explodiu. - Cooookie.
Cookie ouviu Dude gritando para ele e sabia que algo estava muito
errado. Gritar não era o seu modo usual de comunicação, por isso, se estava
gritando do lado de fora, na parte superior de seus pulmões, algo estava
seriamente errado. Ele tinha que chegar a Fiona e protegê-la.
Com um forte impulso contra a porta do banheiro com o ombro, a
porta se abriu como se o bloqueio nunca tivesse sido contratado. Seu
coração bateu no chão. Ele tentou processaro banheiro vazio, o apoio da
intra venosa de pé, e os respingos de sangue cobrindo a parede e a janela...
e, claro, a janela aberta.
Cookie caminhou e olhou para fora. - Puta que pariu. - Ele viu Benny
lutando com Fiona, e Dude de joelhos, tentando segurar as pernas. Ela
estava chorando, lutando e tentando sair de seus braços. Uma parte dele viu
o sangue cobrindo seus braços, mas tentou bloqueá-lo. Cookie não disse
uma palavra, mas virou-se e desceu as escadas para chegar a Fiona.
Quando ele saiu, Cookie viu que Benny estava sentado no chão e,
estava segurando Fiona no aperto de um lutador que não conseguia escapar.
Ele tinha um braço na diagonal ao redor de seu peito e o outro estava
trancado em torno de sua cabeça, mantendo-a imóvel, mas permitindo-lhe
o suficiente espaço para respirar. Dude estava de joelhos ao lado deles
segurando Fiona com as mãos sobre as pernas acima dos joelhos. Os braços
de Fiona estavam presos aos seus lados dentro do alcance de Benny. Ela
olhou para Cookie com lágrimas e disparou em seus olhos ao mesmo tempo.

- Deixem-me ir, seus malditos bastardos. Vocês não podem me


manter aqui. Deixem-me ir, deixem-me ir.

Benny olhou para Cookie infeliz. - Acho que ela ainda não está fora do
pior.
Cookie assentiu sombriamente com as palavras não necessárias da
sua equipe, e agachou-se embaraçosamente ao lado de Benny, Dude e
Fiona.
- Fiona, é Hunter, você está bem, você está bem. Você está no Texas.
- Ele tinha que tentar chegar até ela.
- Cale-se!. - Ela gritou violentamente enquanto tentava esquivar-se do
aperto inescapável de Benny, ao mesmo tempo. - Eu não acredito em você,
você é um idiota e eu vou te matar, eu vou rasgar a porra dos seus braços
fora e picar os seus olhos, apenas veja se eu não faço. - Fiona tentou cuspir,
mas sua saliva pousou algumas polegadas de distância de seu quadril, em
vez de Cookie.

- Eu não vou fazer isso, eu não vou fazer o que me dizem para fazer,
está me ouvindo? Eu não vou . Você é doente. Você não
pode vender pessoas. Nós não somos escravas . Estuprar pessoas, ferir e
drogá-las até que façam o que você quer é uma coisa de merda para fazer. -
Ela fez uma pausa, a respiração engatando em sua garganta, mas ela
continuou. - Eu nunca mais serei uma 'boa menina' e deixar alguém me
manter como sua escrava sexual. Nunca . Você me ouviu? Você pode muito
bem me matar agora. Basta fazê-lo já. Maldito, faça!
Cookie levantou-se. Mais irritado do que ele poderia se lembrar de
estar em um longo tempo. Não por Fiona, mas os seus
sequestradores. Eles haviam feito isso com ela. Ele sabia que ela estava
revivendo alguns dos diabos que eles a colocaram completamente.Sabia que
Fiona pensava que eram eles. Cookie queria pegar um avião, voltar para o
México, e caçá-los. Eles machucaram Fiona. Eles tinham feito todos os tipos
de coisas indizíveis a ela. Para sua Fiona. Ele queria matar todos eles. Cookie
sabia que tinha de obter o controle de si mesmo. Enquanto ele poderia
querer matá-los, ele tinha que cuidar de Fiona em primeiro lugar. Ela sempre
viria em primeiro lugar agora. Sempre. Ele não tinha ideia do que o futuro
reservava para eles, ele só sabia que ele queria estar nele com ela.
- Você a pegou? - Cookie perguntou a Benny, com os dentes
cerrados. Ele queria ser o único segurando Fiona, mas sabia que sua força
não era cem por cento, no entanto, e ele não queria correr o risco, quer
soltando-a ou tê-la em fuga e se machucar ainda mais.
Benny assentiu. Dude ajudou Benny levantar-se uma vez que ele não
poderia usar os braços, porque eles estavam segurando Fiona. Os quatro
deles sem jeito fizeram o seu caminho de volta para a casa e subiram as
escadas. Fiona insultou-os e ameaçou danos corporais a todos e todo o
caminho.

Nenhum dos homens disse uma palavra enquanto se moviam de volta


a subir as escadas e para o quarto dela. Nem um homem estava revoltado,
nem um homem com pena dela. Cada um deles sabia a história de Fiona
agora, com as poucas palavras que ela cuspiu para fora, ela revelou tudo o
que passou. Eles podiam ler as entrelinhas. Os palavrões e insultos que ela
continuou a gritar com eles enquanto se dirigiam no andar superior foram
resultado das drogas, e o que tinha acontecido com ela. Todos sabiam e
entenderam.
Equipes SEAL são notoriamente próximos; eles têm que ser se eles
colocam suas vidas em mãos uns dos outros em cada missão. Está no chão
desde o primeiro dia de treinamento BUD/S. Mas isso, isso era algo novo.
Benny, Dude, e Cookie nunca se sentiram tão perto como neste momento.
Nenhuma palavra foi falada, enquanto Fiona foi levada de volta para sua
cama e contida. Esta mulher tinha estado através do inferno, mas não foi
quebrada. Não foi batida. Ela estava lutando até seu último suspiro. Ela
estava em desvantagem e fraca, mas ela ainda lutava. Foi humilhante e
surpreendente. Os três homens tinham visto bravura antes. Eles tinham
visto Caroline levar uma surra que teria quebrado a maioria dos homens.
Eles tinham-na visto ser jogada no oceano; tornozelos amarrados, e ainda
ter a força interior para manter a calma. Mas de alguma forma, isso era algo
completamente diferente.
Eles queriam vingança por Fiona, algo que eles sabiam que poderia
nunca chegar. Mas os três homens silenciosamente prometeram fazer o que
fosse preciso para se certificar que Fiona sentia-se segura novamente. De
alguma forma, de alguma maneira, eles iriam fazê-la se sentir segura.
Capitulo Dez

Fiona lutou fracamente na cama. Eles tinham-na amarrado para baixo,


novamente. Pelo menos ela não estava acorrentada pelo pescoço mais. E ela
não estava no chão duro. Novamente, não era algo que ela devia se
lembrar... mas tinha ido embora assim que o pensamento passou pelo seu
cérebro. Eles queria machucá-la, eles tinham-na machucado. Eles queriam
vendê-la. Eles queriam matá-la.

Ela viu quando um dos homens de pé ao lado dela encheu uma


seringa. Ele estava de costas, mas Fiona sabia o que estava fazendo. Oh
Deus. De novo não. Mais drogas, não! Fiona não iria implorar, ela tinha feito
isso antes, não tinha feito nada de bom só tinha feito sentir-se mais patética.

- Eu não vou implorar, seus babacas. - Fiona estendeu de forma


imprudente, olhando para os dois outros homens na sala. Ela piscou para
tentar limpar a sua visão, mas continuou, mesmo que ela não podia vê-los
claramente. - Vocês podem drogar-me o quanto quiser, mas não vai
ajudar. Eu não vou fazer o que você diz, mesmo se eu nunca sair daqui, você
vai pagar por tudo. Eu juro por Deus. Eu não posso impedi-los de me drogar,
mas não vou ajudá-lo a me vender. Vou me certificar de que alguém que
você me venda, se arrependa e venha para tirá-lo de você.
A voz de Fiona parou. O rugido em seus ouvidos era alto. Ela podia
ouvir sua própria respiração, mas foi isso. Oh Deus, ele realmente estava
indo para drogá-la novamente. Ela fechou os olhos e virou a cabeça, tanto
para o lado quanto podia. Ela não podia mais lutar. Eles mantiveram-na e ela
sentiu a picada da agulha em seu braço. Merda. Os pensamentos de Fiona
se tornaram mais e mais confusos e ela acolheu o nada que veio sobre
ela. Ela não quer saber o que eles fariam com ela desta vez, enquanto ela
estava fora dele.
Os homens suspiraram. Graças a Deus. Graças a Deus o valium que
Benny tinha dado, tinha tomado efeito rapidamente. Ninguém disse uma
palavra. Dude ocupou-se colocando outra intra venosa em seu outro
braço. Cookie tentou limpar o sangue em seu corpo. Benny começou a
trabalhar na limpeza do banheiro.
Dude foi o primeiro a sair para voltar para seu quarto. Benny e Cookie
sentaram-se em ambos os lados da cama de Fiona e observavam. Ela estava
respirando um pouco rápido, mas por outro lado parecia estar calma.
- Puta merda, Cookie. - Benny disse finalmente. Cookie só poderia
acenar com a cabeça. Ambos foram imaginando o inferno que Fiona tinha
passado. O fato de que ela não recuou, que ela ainda não estava recuando,
disse muito sobre ela.
- Você sabe, quando eu vi você levar um tiro do helicóptero, por um
momento eu me perguntava o que diabos iríamos fazer. Tivemos um refém
resgatado, você teve uma outra pessoa desconhecida com você e você foi
baleado. Eu quase a levei para fora.
Benny desviou o olhar do rosto de Fiona e Cookie, pela primeira vez
desde que ele começou a falar. - Não tínhamos ideia de que ela também
estava lá, e tudo que eu conseguia pensar era que ela era dispensável e você
não. Eu tive meu dedo no gatilho e eu estava pronto para disparar quando a
vi tropeçar fora desse arbusto com você. Ela meio que arrastou, meio que
levou você para aquela escada. Assim que eu vi que você estava seguro, que
transportava o seu rabo o mais rápido que podia. Mesmo naquele momento
eu pensei sobre como obter o inferno fora de lá. Nós ainda não sabiámos
quem ela era, e tivemos tanto você quanto a refém resgatados.
Benny fez uma pausa, depois respirou fundo e continuou. - Eu abri
minha boca para dizer a Wolf para nos tirar de lá quando a vi lutando com a
sua mochila. Fiona simplesmente olhou para o helicóptero e esperou. Ela
sabia que poderiamos deixá-la lá. Ela não implorou, ela não estava
gesticulando para nós para abaixar a escada, ela estava apenas esperando...
e esperando. Deus, a esperança. Eu podia vê-la a partir do
helicóptero. Olhando para ela, olhando para nós, eu fiz a única decisão que
podia. Baixei a escada. Eu praticamente podia ver seu alívio. - Benny parou
novamente.
Cookie assentiu, sabendo o quão difícil esta decisão tinha que ter
sido. Ele esperou por seu amigo para continuar.
- Sabendo agora o inferno que Fiona passou, e foda, nós dois sabemos
que não sabemos da missa a metade, mas saber algo de que ela passou, eu
me sinto culpado como o inferno que eu mesmo pensei em deixá-la lá.
O silêncio encheu o quarto, quebrado apenas pelo breve ruído que
Fiona fez enquanto ela dormia, alheia às correntes no quarto ao seu redor.
Cookie acenou para seu amigo e companheiro de equipe. - Acredite
em mim, eu sei o que você quer dizer. Eu tive Julie toda pronta e nós
estávamos um passo de sair do buraco que tinha sido mantida quando algo
me fez dar uma última olhada ao redor. Eu não ouvi nada, era
apenas algo que me fez olhar de novo. Quando eu penso sobre se eu tivesse
ignorado esse sentimento, quando eu penso sobre como Fiona poderia ter
facilmente ter sido deixada lá ... - A voz de Cookie morreu.
Os homens ambos sabiam quão mulher extraordinária Fiona era. Eles
não a culpavam pelo que aconteceu esta noite. Na realidade, ambos
culpavam a si mesmos. Eles deveriam ter sabido que ela ainda não estava
melhor, que deveriam terem sido mais vigilantes. Mas, sentado ali com
Fiona, depois de assistir a sua angústia, sua força e vontade de viver, cada
um deles fez uma promessa silenciosa de que nada iria acontecer com essa
mulher novamente. Não importa onde ela foi, ou o que ela fez, elesa
vigiariam. Eles não poderiam fazer nada menos.

***

Dois dias depois, Fiona rolou com um gemido. Seu corpo parecia que
tinha estado através do espremedor. Ela doía toda. Sua cabeça estava um
pouco confusa, mas ela respirou fundo e olhou em volta. Ela viu Hunter
sentado em uma cadeira perto de sua cama. Seus pés estavam em cima do
colchão, com os braços cruzados sobre o peito, a cabeça inclinada para o
lado, enquanto ele suavemente roncava. Fiona perguntou que horas eram e
por que ele estava dormindo lá.
Cookie acordou de sua soneca ao lado da cama para encontrar Fiona
olhando para ele.
- Oi. - ele disse suavemente, sem saber se Fiona estava
verdadeiramente consciente de seu entorno ou não.

- Oi. - Fiona respondeu. - Você parece uma porcaria. - disse a Hunter


honestamente.

Ele riu. - Você não parece tão quente. - ele brincou com cuidado. Seu
sorriso rapidamente deixou seu rosto e ele sentou-se. Ele se inclinou para
frente e colocou a mão em sua testa. Fiona tentou não recuar longe dele ou
corar com seu toque suave.
- Como está se sentindo? - Cookie perguntou cuidadosamente. Ele
queria avaliar o estado da mente de Fiona antes de ele deixá-la fazer
qualquer coisa por conta própria para que eles não tivessem uma repetição
de sua fuga para fora da janela do segundo andar.
- Eu me sinto estranha. - Fiona respondeu honestamente.

- Como assim? - Cookie perguntou, inclinando a cabeça para o lado


enquanto esperava sua resposta.
- Eu me sinto fraca, sinto minha boca como se estivesse chupando
algodão por um mês, e eu tenho que usar o banheiro. - Fiona respondeu
honestamente.
Cookie apenas olhou para ela por um momento.
- O quê? - Fiona finalmente perguntou. - Por que você está olhando
assim para mim?
- Você se lembra de algo sobre os últimos dias? - Cookie perguntou
em voz baixa.
Fiona ficou tensa. Ah Merda. O que aconteceu? O que ela fez? Ela
apenas balançou a cabeça e esperou para ouvir o que Hunter tinha a dizer.
Cookie olhou-a nos olhos e disse apenas: - Ok, eu vou ajudá-la e nós
iremos daqui.
Fiona perguntou o que Hunter estava escondendo dela, mas ela
realmente tinha que usar o banheiro, por isso as perguntas poderiam
esperar. Ela deixou Hunter ajudá-la para fora da cama e ajudá-la a caminhar
em direção ao banheiro. Ela apontou para a intra venosa ainda conectada ao
seu braço. - Alguma chance de eu conseguir isso? Eu não sou um grande fã
de agulhas e saber que está embutida na minha pele, mesmo se ela está me
ajudando, me assusta.
- Vamos ver. - Hunter disse a ela sem rancor.
Fiona percebeu que a porta do banheiro estava faltando. Ela
realmente parecia que tinha sido estilhaçada de suas dobradiças. Ela não se
lembrava muito sobre chegar à casa, mas ela pensou que iria se lembrar de
uma porta em falta. Não havia nenhuma maneira que ela ia fazer xixi na
frente de Hunter embora.
- Você precisa de ajuda? - Perguntou Hunter.
Fiona balançou a cabeça vigorosamente. - Não!
- Ok, eu vou estar aqui ao lado da porta com as costas viradas. Quando
estiver pronta, deixe-me saber e eu vou entrar e ajudá-la.
Fiona arrastou-se para o banheiro. Nem mesmo a pensar se Hunter ia
dar uma olhada, ela rapidamente fez o que precisava fazer, em seguida,
virou-se para o espelho. Oh. Meu. Deus. Ela se parecia com a criatura do
lago negro. Ela quase não reconheceu a si mesma. Fiona não achou que ela
fez um barulho, mas de repente Hunter estava lá.
Fiona observava no espelho quando ele veio por trás dela e colocou
as mãos no balcão de cada lado de seus quadris e inclinou-se. Podia senti-lo
ao longo de toda sua volta. Ele a anulou. Fiona realmente não tinha
percebido até agora quão alto ele realmente era. A cabeça dela veio até
cerca do queixo de Hunter. Ele encontrou seus olhos no espelho.
- Como você está , realmente, Fee? - Ele perguntou em voz baixa.
- Eu estou bem, Hunter. - ela disse-lhe em voz baixa. E ela estava. Ela
estava viva, ela estava segura, ela não estava na selva. Ela foi foda demais.
Hunter continuou a olhar para ela. Fiona olhou para o balcão. Ela
deveria ter se sentido encurralada com ele em suas costas, mas não o
fez. Parecia... bom. Ela podia sentir sua força e tudo o que ela queria fazer
era se apoiar nele e deixá-lo ser o mais forte por uma vez em sua vida. Assim
que Fiona teve o pensamento, ela dispensou-o e tentou levantar-se reto. Ela
era forte. Ela tinha que ser.
Hunter levou a escolha longe dela. Um braço surgiu no peito de Fiona
e o outro foi em torno de sua cintura. Ele a puxou de volta contra ele. Fiona
foi de bom grado. Logo as lágrimas começaram. Ela não podia evitar. Ela
estava fraca e sentindo-se vulnerável. A maneira como ele estava
segurando-a, como se ela fosse feita de vidro, foi demais.
Cookie virou-a em seus braços e segurou-a enquanto ela chorava. Ele
odiava vê-la tão chateada, mas estava feliz de ver a emoção honesta, pela
primeira vez desde que a conheceu.
Ele envolveu um braço em torno de suas costas e outra em volta do
pescoço; ele colocou a cabeça na curva de seu ombro. Fiona estremeceu
enquanto ela chorava e Cookie podia sentir as lágrimas em seu
pescoço. Seus braços estavam enrolados na frente dela e ele podia sentir os
dedos agarrando sua camisa como se nunca tivesse deixado ir.

- Chore, Fee. Você está segura. Eu tenho você. - Cookie murmurou as


palavras no cabelo de Fiona e sabia que ele ia deixá-la ficar lá o dia todo, se
ela precisava.

- Eu - eu - eu não sei por que estou chorando. - Suas palavras foram


abafadas contra o seu pescoço, mas Cookie ainda as ouviu.

- É alívio. Aposto que você era forte, enquanto você estava sendo
mantida, provavelmente não iria deixar esses idiotas ver você chorar, mas
agora você não tem que ser mais forte.

Quando as lágrimas finalmente diminuíram e Cookie sentiu os


tremores de Fiona diminuir, ele cuidadosamente levantou-a nos braços e
levou-a, e seu apoio da intra venosa, de volta para o quarto.
Cookie definiu Fiona em uma cadeira no canto da sala e beijou-a na
testa. Olhou-a nos olhos e ordenou. - Fique parada por um pouco, Fee. Eu
estou indo mudar os lençóis antes de voltar.
Cookie esperou até Fiona balançar a cabeça, em seguida, virou-se para
a cama e com rapidez e eficiência despojou os lençóis sujos e colocou um
conjunto recém-lavado. Ele queria dar-lhe tempo para se recompor. Depois
de colocar lençóis limpos na cama ele voltou a Fiona e a ajudou a sair da
cadeira. Ele manteve a mão em seu cotovelo e a auxiliava de volta para a
cama, deixando-a caminhar sozinha. Cookie colocou-a, inclinou-se para
baixo e beijou-a na testa. Ele ficou perto e sussurrou, - Durma, Fee. Eu
estarei aqui quando você acordar de novo. Está tudo bem. Eu juro.

- Obrigada, Hunter. Obrigada por me encontrar. Você não tem ideia,


apenas obrigada. - Fiona fechou os olhos e estava dormindo novamente em
alguns momentos, não esperando para ouvir a resposta de Hunter.

Quando Fiona acordou de novo, Hunter estava lá, como ele


prometera. Ela teria protestado contra Hunter a mimar, mas se fosse sincera
consigo mesma, sentia-se bem. Ouvindo um barulho perto da porta, Fiona
virou a cabeça e viu que Benny também estava no quarto.
- Olá, Fiona. Você está se sentindo melhor?
- Eu estou. Obrigado por tudo que você fez por mim.
- De nada. É hora de tirar a intra venosa. - Benny era todo o negócio.
Sua atitude realmente fez Fiona se sentir mais confortável. Ela nunca
gostou de ser o centro das atenções.
Benny fez um rápido trabalho de remover a agulha do braço. Fiona
esfregou seu pulso, onde a intra venosa tinha sido inserida.
Outro homem entrou no quarto carregando uma bandeja com
comida. A boca de Fiona imediatamente começou a aguar. Ela não podia
sequer imaginar quando foi a última vez que ela tinha comida real. Ela não
achava que seria boas maneiras se ela arrancasse a bandeja dos braços do
homem e caísse no meio do quarto como se ela fosse um felino faminto,
mas, como ela queria.
- Fee, eu quero apresentá-la aos meus companheiros de equipe. Esse
é Dude segurando a bandeja e Benny que tirou a sua intra venosa.
Fiona enrugou as sobrancelhas. - Benny? Dude? São esses seus nomes
reais?
Dude riu quando ele colocou a bandeja sobre a cama. - Não, Fiona,
esses são apelidos. Assim como o apelido de Hunter é Cookie.

Fiona não conseguia tirar os olhos da bandeja. A sopa estava fervendo


e o pão sentado ao lado da taça parecia o paraíso. - Ah... tudo bem. - Ela
realmente não sabia o que estava dizendo, a comida estava tomando toda a
sua atenção.
Benny riu. - Dude, é melhor você se afastar da bandeja, parece que ela
vai lutar por isso.
Fiona corou vermelho brilhante e olhou para suas mãos no colo. Ela
sentiu a cama ao lado dela, mas não olhou para cima.

Cookie sentou ao lado de Fiona, chateado que ela estava


envergonhada. Ele colocou uma mão em sua cintura e puxou a bandeja,
então na frente dele e ao lado de Fiona. - Coma, Fee, não se importe com a
gente.

Fiona não hesitou. Ela pegou o pão e rasgou ao meio. Ela não se
incomodou com a manteiga que estava sentada na bandeja, mas em vez deu
uma grande mordida do pão e quase gemeu. Jesus, estava ainda
quente. Fiona se forçou a colocar os pedaços de pão para baixo e pegar a
colher. Ela se inclinou para não derramar a sopa todo o caminho até a frente
de si mesma, e sorveu o delicioso caldo. Ele provavelmente veio de uma lata,
mas parecia celestial.
Fiona não se importava que os três homens observavam-a comer, ela
estava faminta. Quando ela viu pela primeira vez a comida que ela não
achava que era quase o suficiente, mas depois de comer metade do pão e
mais da sopa, ela estava surpreendentemente completa. Fiona sabia que seu
corpo precisava de tempo para ajustar-se a comer novamente. Ela não
queria ficar doente acima de tudo, então ela se forçou a colocar a colher
para baixo.
Fiona sentiu a mão de Hunter na parte baixa das costas e de repente
ela percebeu que ela estava lá o tempo todo que ela estava comendo. O
calor de sua mão sentiu-se bem. Ela não tinha sido tocada delicadamente
em um tempo muito longo.
Fiona tentou ignorar a forma como Benny e Dude olharam para
ela. Ela não queria tentar interpretar seus olhares. Ela estava muito cansada
e muito crua para isso. Finalmente, ela não aguentava mais.
- Sinto muito. - disse Fiona com tanta dignidade como pôde.
- Pelo quê? - Perguntou Benny, antes de Cookie pudesse.
- Pelo o que é que eu fiz, ou o que aconteceu que eu não me lembro.
- Fiona disse honestamente. Ela viu quando os homens olharam um para o
outro. - Ninguém me disse nada, mas pelo jeito que vocês estão agindo, não
pode ter sido bom. Que dia é hoje? - Ela perguntou de repente, mudando de
assunto abruptamente. - Quanto tempo eu estive aqui? - Ela poderia dizer
que não queria dizer a ela. Finalmente Dude cedeu.
- Cinco dias.
Cinco dias . Oh merda . - Uau, cinco dias, tudo bem então. - Fiona
pensou em voz alta. – Eu devo estar realmente fora disso para não recordar
cinco dias. Então, novamente, seja lá o que fiz, isso faz com que vocês agem
dessa maneira, desculpe.
Cookie sacudiu a cabeça. - Fee, não há nada para você se
desculpar. Nada . Você pode me ouvir? - Ele esperou ela acenar antes de
continuar. - Você estava doente, nós cuidamos de você. É isso aí.
Fiona sabia que ele estava encobrindo algo, mas ela deixá-lo por
enquanto. - Ok. - Ela fez uma pausa. - Posso tomar um banho?
Isso fez os homens rirem. - Eu só ia perguntar se você queria um
banho agora ou mais tarde. - Cookie disse a ela.

- Oh, definitivamente agora.


Benny e Dude sairam do quarto e Hunter ajudou a Fiona para fora da
cama e segurou-a enquanto ela balançou em seus pés. Fiona olhou para si
mesma e corou. Ela estava usando uma camisa com botão, obviamente de
um dos homens.
Vendo seu olhar de desgosto, Cookie apressou-se a tranquilizá-la. -
Minha camisa foi a coisa mais fácil de colocá-la enquanto você estava
doente. Não posso prometer que não vi nada, mas mantivemos tudo como
clínico possível para preservar sua modéstia.
Fiona apenas balançou a cabeça, desejando que ela pudesse derreter
no assoalho e nunca ter que ver qualquer um dos homens novamente.
Cookie colocou um dedo sob o queixo e forçou-a de modo que ela
estava olhando em seus olhos. - Não se sinta constrangida, Fee. Estávamos
todos preocupados com você e não sobre olhar para o seu corpo nu.
- Eu não tenho certeza que me faz sentir melhor.
- Talvez isso aconteça então. Mesmo que você tenha ficado doente,
ainda acho que você é a mais bela mulher que eu já vi.

Os olhos de Fiona quase saltaram de sua cabeça. - Você está


brincando comigo? - Ela tentou puxar seu rosto fora de seu alcance sem
sucesso.

Cookie colocou as duas mãos em seu rosto para que ela não pudesse
se afastar mais dele e inclinou a cabeça ainda mais. Seus polegares
descansando em sua maxilar. Cookie baixou a cabeça até a sua testa
descansar contra a dela. - Não, eu não estou brincando. Eu nunca fui mais
sério sobre qualquer coisa em toda a minha vida. Não é apenas o seu rosto,
Fee, é você. Eu não sei o básico sobre você, sua cor favorita, onde você
cresceu, ou o que você gosta de comer, mas eu conheço você. Eu sei que
você é forte, você tem uma vontade de ferro, você é compassiva e você tem
um forte senso de certo e errado. E, mais importante, eu sei que você não
vai desistir. As probabilidades foram empilhadas contra você por um tempo
agora, mas você simplesmente aproveitou todos os obstáculos em seu
caminho, e quando você não conseguiu atravessá-lo, você manteve-se até
que você pudesse atravessar com alguma ajuda. Isso é lindo para mim, Fee.
Você é muito linda.
- Caralho.
Cookie recuou uma fração e não lhe deu a chance de dizer mais nada. -
Agora, que tal aquele banho?
Fiona estava no jato do chuveiro apreciando a sensação da água
jorrando para baixo sobre seu corpo. Ela lavou seu cabelo pelo menos três
vezes antes que ela estivesse feliz com a sensação dele. Hunter queria ajudá-
la com o chuveiro, dizendo que ela não estava suficientemente forte ou
estável para ficar sozinha, mas Fiona tinha firmemente rejeitado essa ideia.
Era ruim o suficiente que ele e seus amigos a tenham a visto nua quando ela
esteve doente e através de tudo o que foi que ela tinha feito.
Ela ficou na água e, pela primeira vez realmente pensou sobre tudo o
que tinha acontecido com ela, era demais; Mesmo que ela tenha tido um
encaixe em torno de Hunter quando ela acordou, ela estava impassível
enquanto ela podia suportar. Fiona se permitiu quebrar, novamente. Ela
deslizou para baixo da parede para o chão e chorou. Ela chorou por aquilo
que os sequestradores tinham feito a ela, as dores que ela tinha passado,
por estar com medo e, finalmente, por ter sido resgatada.
Quando sua pele foi podado e o banho estava quente, Fiona desligou
a água e saiu, certificando-se de manter uma mão no porta-toalha para
evitar que ela não iria cair em seu rosto. Hunter deu uma camiseta e calças
de moleton para ela vestir. Ela secou-se e vestiu as roupas limpas.
Surpreendentemente, elas se encaixaram em grande parte. Ela não tinha
nenhuma roupa de banho ou um sutiã, mas nada sentiu-se melhor para ela
do que o algodão macio contra sua pele. Ela não conseguia se lembrar da
última vez que se sentiu limpa. Ela sabia que nunca mais daria por certo
novamente. Provavelmente ficaria obcecada com o banho, mas Fiona
supunha que havia coisas ruins para serem obcecadas. Ela encolheu os
ombros.

Fiona saiu do banheiro e encontrou Hunter de pé ao lado da porta


quebrada. Ele parecia forte e apto, e seu ferimento no ombro foi
obviamente curado o suficiente para não incomodá-lo. Fiona não tinha ideia
do que ela deveria dizer ou fazer, mas ela sabia de alguma forma ele estava
centrado nela e sentiu a sensação nervosa dentro da barriga.
Cookie olhou para a mulher que saiu do banheiro. Ela ainda estava tão
magra como sempre, e ele podia dizer que ela estava chorando, mas o banho
tinha feito coisas incríveis para ela. Sua pele brilhava e ela parecia mais leve
do que ela tinha estado desde que a conhecue.
- Você está ótima. - Cookie disse a ela honestamente.
Fiona corou e olhou para seus pés. - Obrigada, eu não tenho certeza
de ótima, mas me sinto cem por cento melhor.
- Você ainda está com fome? - Cookie perguntou a ela.

- Eu sinto que estou de alguma forma deixando meu gênero inteiro


dizendo isso, mas eu poderia comer uma vaca. - respondeu Fiona com
honestidade. - Eu estava cheia mais cedo, mas de repente estou com fome
novamente.
- Eu acho que isso vai acontecer por um tempo. Eu sei uma vez quando
minha equipe estava em uma missão e alguns de nós foram capturados, uma
vez que fomos liberados, não me sentia cheio por semanas.
Imediatamente preocupado com ele, Fiona se aproximou de Hunter e
colocou a mão em seu braço. Olhando para ele com simpatia, ela perguntou:
- Quanto tempo você foi capturado?

- Não tão longo como eu acho que você estava, Fee, mas tempo
suficiente.
- Sinto muito, Hunter.
- Eu não lhe disse que, por sua simpatia, mas obrigado, Fee. Meu
ponto era, eu acho que você vai sentir fome por algum tempo, mesmo que
você esteja cheia logo depois de comer, vinte minutos mais tarde você vai
estar com fome novamente. É a maneira do seu corpo de curar. Você vai
estar melhor comendo várias pequenas refeições por dia do que encher-se
com uma ou duas. Só ter calma, seu corpo irá dizer-lhe quando estiver
pronto.
Recuando um pé, Fiona estava achando difícil pensar em linha reta em
torno de Hunter, ela concordou com as palavras dele. - Tenho certeza de
que você está certo. Eu sempre fui à uma lanchonete, por isso vai ser bom
ter uma razão para lanche agora.
- Pronta para ir para baixo?

Em sua homenagem, Cookie pegou a mão de Fiona e eles fizeram o


seu caminho para fora do quarto em silêncio. Cookie segurou firme. Tudo o
que ele tinha dito a ela era o que sentia com o coração, mas ele nunca se
atribuiu a qualquer mulher como essa antes. Ele queria Fiona. Não havia uma
coisa sobre ela que o destruiu. Nenhum. Se ele tinha algo a dizer sobre isso,
ela era sua. Sua . Ele agora entendia o que Wolf e Abe sentia sobre suas
mulheres. Havia algo dentro dele que sabia que ela era para ser sua. Ele teria
que se desculpar com os seus dois companheiros de equipe por pensar que
eles eram loucos por amarrar-se a uma mulher tão rapidamente quanto eles
tiveram com Caroline e Alabama.
Cookie sabia que ele tinha um caminho a percorrer antes que ele fosse
capaz de reivindicar oficialmente Fiona como sua. Eles tinham um monte de
trabalhar através, havia muito que ele não sabia sobre ela, mas no final do
dia, ele ia lutar para fazê-la sua. Para sempre. Ela não sabia, mas sua vida
tinha mudado, espero que para melhor.
Capitulo Onze

Quando Fiona e Cookie entraram na sala de jantar, Benny e Dude


estavam esperando por eles. A mesa estava posta com várias tigelas cheias
de deliciosos alimentos cheirosos. Havia três pratos cheios de massa com
diferentes tipos de molho, Alfredo, marinara, e molho de carne, uma tigela
grande de salada, e um prato carregado com espigas de milho gotejamento
com manteiga. Os homens tinham estado obviamente ocupado.

Fiona desviou o olhar da comida e de repente sentiu-se auto-


consciente. Obviamente, Hunter tinha providenciado para que a refeição
fosse servida depois que ela terminasse seu banho, mas estar ao redor dos
outros, ela estava achando estranho, e até um pouco desconfortável. Ela era
a única mulher, e ainda estava um pouco cheia de tudo o que tinha
acontecido enquanto ela era mantida em cativeiro.
Cookie percebeu seu mal-estar e apertou sua mão em consolar. - OK?

- Sim. - Fiona olhou para Hunter como se ela tivesse acabado de


pensar alguma coisa. - Você não vai me deixar, vai? - Ela quis dizer naquele
momento, na mesa da sala de jantar, mas assim que as palavras saíram de
sua boca, Fiona percebeu que ela não se importaria se Hunter ficasse ao seu
lado para sempre.
Os olhos de Hunter aquecidos com suas palavras e ele trouxe suas
mãos entrelaçadas à boca e beijou as de Fiona juntas brevemente. - Nunca.
Suas palavras e o beijo fizeram um arrepio atravessar o seu caminho
através de Fiona. ele poderia ler sua mente? Fiona relaxou o suficiente com
as suas palavras para ser capaz de continuar a caminhar para a sala como se
nada estivesse errado, mas ela manteve um aperto da mão de Hunter para
tranquilizar-se.
Cookie foi, mais uma vez impressionado com a força interior de
Fiona. Ele notou a tensão do seu corpo quando eles entraram no quarto, e
não podia deixar de sentir orgulho em seu esforço óbvio para se
controlar. Ele sabia que ela lhe pediu para não deixá-la à mesa com seus
companheiros de equipe, mas ele respondeu como se ela tivesse
perguntado se ele nunca iria deixá-la.
Cookie sentou Fiona à sua esquerda antes de tomar seu assento ao
lado dela. Havia um banquete esperando na mesa para eles. Fiona não
conseguia se lembrar de ver que muita comida em um lugar antes.
- Vocês fizeram tudo isso?
Benny piscou para Fiona e brincou: - Foi tudo nós. Nós não somos
apenas rostos bonitos você sabe.
- Eu fiz a salada e cozi o milho. - disse Dude a Fiona sério, continuando
a responder a sua pergunta sobre a comida. - Mas Benny é o chef. Nunca
provei qualquer coisa que ele tenha feito, que não foi completamente
delicioso.
Benny apenas deu de ombros e comentou calmamente: - Eu gosto de
cozinhar.
A refeição foi animada, com todos a brincar. Era interessante estar em
uma atmosfera como essa para Fiona, pois nunca tinha tido uma grande
família e realmente não sabia como agir. Ela principalmente sorria para os
outros homens e se juntou à conversa quando podia.
Ela sabia que essa felicidade não duraria para ela. Em primeiro lugar,
ela não poderia ficar nesta casa para sempre. Fiona nem tinha certeza de
onde ela estava; só que ela não estava no México. Fiona sabia que tinha que
voltar para casa mais cedo ou mais tarde, e ela pensou que os caras também.
Este era apenas um breve momento em sua vida, e ela tinha que apreciá-lo
enquanto podia.
Fiona também imaginou, em algum momento, que ela teria que
conversar com Hunter e sua equipe sobre o que aconteceu com ela, mas ela
não iria levá-lo a menos que eles o fizessem.
Depois de terminar a refeição e comer menos do que pensava que iria
considerar quão faminta tinha sido quando ela entrou na sala e viu a comida,
Fiona ajudou Hunter e os outros a levar os pratos para a cozinha. Ela insistiu
em ajudar a colocar o prato na máquina de lavar louça e arrumar os restos.
Os homens haviam feito um protesto simbólico, mas no final lhe permitiram
ajudar.
Enquanto Fiona continuava a uma boa distância de Dude e Benny,
notou que Hunter estava ao seu lado quase todo o tempo que estavam na
cozinha. De vez em quando, colocou a mão na cintura para guiá-la ao lado,
ou para tirá-la do caminho de um de seus colegas de equipe. Sua mão se
sentia possessiva, mas de boa maneira. Hunter era fiel à sua palavra anterior,
de não sair do seu lado.
Mais tarde naquela noite, Fiona sentou em um sofá com Hunter
sentado ao lado dela, Benny e Dude em frente a eles em duas poltronas. Eles
estavam na biblioteca, uma das salas mais confortáveis da casa. Fiona sabia
que os caras fizeram isso deliberadamente, dando seu quarto e não a
agarrando, mas ela ainda estava no limite.
- Quer assistir TV, Fiona? - Dude perguntou.
Fiona pensou por um segundo. Tinha sido para sempre desde que ela
tinha visto pela última vez qualquer tipo de notícia, e de repente ela tinha
um desejo violento de ver o que estava acontecendo no resto do mundo
desde que ela tinha sido sequestrada. - Eu adoraria ver as notícias... se
estiver tudo bem?
- Claro que está tudo bem. Não tem problema. - Dude inclinou-se e
pegou o controle remoto que estava situado na mesa de café pequena. Ele
clicou na televisão e ligou os canais até chegar a uma estação de notícias 24
horas.
Fiona observava, completamente fascinada, enquanto se aproximava
da política e de outras notícias que ela havia perdido.
Cookie manteve os olhos em Fiona, avaliando seu estado mental
quando ela olhou para a TV. Ele não pensou sobre como ela se sentira,
perdendo tudo o que aconteceu ao redor do mundo, mas era óbvio que ela
estava gostando de recuperar o atraso.
Vendo Fiona suspirando, Cookie virou para olhar para a televisão,
assim como Benny pegou o controle remoto fora da mesa onde Dude tinha
jogado e aumentou o volume.
A nossa próxima história vem de Washington DC, onde o senador Lytle
realizou uma conferência de imprensa para discutir os rumores de que sua
filha, Julie Lytle, havia sido sequestrada. Vamos acompanhar...
Antes de eu entrar em detalhes sobre o que aconteceu com a minha
filha, eu só quero agradecer publicamente os membros da equipe SEAL que
foram enviados para o México para resgatar minha filha. Os homens e
mulheres de nossas forças armadas são heróis desconhecidos, e eles
arriscam suas vidas todos os dias lutando contra o mal em todo o mundo. O
tráfico sexual é um problema que não é apenas um problema dos Estados
Unidos, mas é um problema em todo o mundo. Mulheres e crianças estão
sendo sequestradas e forçadas à prostituição, à escravidão e trabalho
forçado. Vou usar a minha posição para pressionar o nosso governo a fazer
algo sobre isso. Agora, quanto aos rumores, minha filha foi...
A televisão ficou escuro quando Benny clicou.
Fiona virou-se para olhar para ele sobrancelhas levantadas em
questão.
- Você não precisa reviver isso.
Fiona simplesmente assentiu. Se ela tivesse pensado nisso um pouco
mais, ela provavelmente teria ficado muito desconfortável ouvir tudo o que
o pai de Julie tinha a dizer sobre o tempo de Julie em cativeiro. Foi o
movimento certo da parte de Benny.
- Com isso dito, você pode nos contar a sua história, Fiona?
Fiona engoliu em seco, parecia que era hora. Ela não podia mais
acabar com isso.
- Diga-nos quem você é, Fiona. - Cookie persuadiu suavemente. -
Como você acabou naquele inferno e de onde você vem?
Fiona respirou fundo, sabendo que seu tempo aqui neste santuário
estava chegando ao fim. Eles não iriam expulsá-la, mas ela teria que voltar
para o mundo real, seu mundo real, e eles tinham que voltar para resgatar
as pessoas . Era o que era.
- Meu nome é Fiona Rain Storm. - Ela observou os homens
encolherem, em seguida, lutar para segurar seus sorrisos. - Sim, horrível, não
é? Minha mãe tinha quatorze anos quando me teve... e ela me disse que
estava chovendo gatos e cães quando eu nasci. Aparentemente, a
tempestade foi súbita e inesperada. Ela planejava me dar o nome do meio
de Sarah, mas quando a tempestade chegou logo quando ela estava indo
para o hospital, e com o sobrenome já sendo Storm, ela decidiu mudá-lo. Eu
admito que não é muito criativo, mas tenho certeza de que isso pareceu a
uma adolescente. Nunca conheci meu pai; Ele já se foi antes que minha mãe
me tivesse. Vivemos com os pais da minha mãe por um tempo, mas era óbvio
que não gostavam dela nem de mim. Ela foi expulsa da casa quando tinha
dezoito anos, e eu tinha quatro anos. Nós nos mudamos muito, ficamos em
abrigos para pessoas sem-teto e outras coisas, até eu ter cerca de oito.
Então, um dia, minha mãe nunca veio me buscar da escola. Sentei-me na
frente do prédio até às oito da noite, quando um dos professores que
deixava o trabalho tarde, viu-me e ligou para a polícia. Nunca mais vi minha
mãe. Não tenho ideia do que aconteceu com ela e eu entendi isso. Entrei no
sistema de acolhimento porque meus avós não me queriam... mas estava
tudo bem.
- Tudo bem? - Cookie perguntou severamente.

- Sim, tudo bem.


Cookie sabia que ele nem tinha ouvido a parte ruim de sua história,
mas ele estava tão irritado com a mãe e os avós, que mal estava se
segurando. Mas ouvir Fiona descrever sua infância e o sistema de
acolhimento como "bem" quase o empurrou para a borda.

- O que exatamente "bem" significa para você Fee? Eu sei como você
segurou as coisas que aconteceram com você no México e eu suspeito que
você provavelmente reduziria as pessoas aos outros, e descreveria algo
como "não é um grande negócio". Então, eu quero saber exatamente o que
é que "bem" significa para você.
Fiona olhou para Hunter. Ele não parecia feliz. Tinha jurado a si
mesma quando ela tinha dezoito anos e saiu de seu último lar adotivo que
ela não iria utilizá-lo como uma muleta ou uma desculpa para qualquer coisa
ruim que acontecesse em sua vida. Ela definitivamente não queria que esses
homens bonitos e malvados pensassem que ela precisava ser mimada, ou
pior, sentir pena dela.
Ignorando os outros dois homens na sala por um momento e
assumindo um risco, Fiona inclinou-se para Hunter e colocou uma mão em
seu joelho e encostou a cabeça em seu ombro. Ela não teria que olhar para
ele dessa forma, mas também serviu de propósito secundário de consolá-
la. Não inteiramente surpreendida, Fiona sentiu o braço de Hunter
envolvendo imediatamente ao redor de seus ombros e ele a puxou para mais
perto dele e moveu até que ela estava mais confortável.

Quando Fiona não respondeu de imediato, Cookie a levou. - Fee?


- Significa apenas que, embora não foi uma infância de conto de fadas
cheio de pôneis, corações e flores, não era o inferno que muitas crianças
passam.
Fiona sentiu Hunter acenar a cabeça e pressionar seus lábios para seu
cabelo. - OK. Para agora. Você pode nos dizer como você chegou a esse
inferno no México?
Fiona respirou fundo, sabendo que esta era a parte mais difícil de
dizer. - Atualmente moro em El Paso. Eu trabalho como assistente
administrativa em uma universidade local. É um trabalho perfeitamente
chato e levo uma vida chata. Passo a maior parte dos meus dias tentando
ajudar os alunos a se inscreverem para aulas ou lidar com pais e alunos
loucos. Eu estava queimando e precisava fazer uma pausa. Eu estava de
férias na Flórida, quando fui levada.
Fiona parou de novo, realmente não queria dizer aos caras quão
estúpida ela agira. Ela não queria mais nada do que contar sua história e
nunca mais pensar nisso, mas ela devia a esses homens. Eles arriscaram suas
vidas para ajudá-la. Sentia-se obrigada a contar-lhes. Fiona sentiu Hunter
colocar a mão livre em cima da que estava descansando em sua perna. Ele
apertou-o com tranquilidade. Era incrível o quanto ela confiava em seus
pequenos toques. Fiona não sabia por que podia tolerar o toque de Hunter,
quando o pensamento de qualquer outro homem tocando-a como Hunter,
a deixava louca, mas estava cansada demais para analisá-lo. Fiona respirou
fundo e continuou.
- Eu estava de férias sozinha. Eu me convenci de que eu era uma adulta
e estava perfeitamente bem e segura para eu viajar sozinha. Ninguém
estaria interessado em me incomodar. Eu não sou linda ou o tipo de mulher
que os predadores estariam procurando. Eu estava lá três dias, não me
diverti realmente, se você quer saber. Não é tão divertido estar sozinha em
férias. Eu fui a restaurantes por mim mesma, até fui mergulhar sozinha, mas
não é muito emocionante quando não podemos compartilhar nossas
experiências com ninguém.
- Por que você foi por si mesmo, em primeiro lugar, Fee?
Cookie perguntou delicadamente, sem entender como alguém como
Fiona poderia ser tão sozinha.
Fiona olhou para baixo, envergonhada.
- Jesus, desculpe-me, não queria envergonhá-la. - Cookie disse a ela;
Mortificado, sua pergunta inocente lhe causara um segundo de
constrangimento.
- Está tudo bem, Hunter. Eu estava cansada do meu trabalho. Não é
que seja excitante ou interessante e eu só queria fazer uma pausa. Eu não
tenho nenhum namorado íntimo que eu me sentisse confortável em pedir
para ir comigo.

Dude fez a pergunta de que Cookie estava morrendo de vontade de


perguntar, mas tinha deixado passar. - Você precisa chamar alguém e
informá-los de que você está bem? Que você está viva. Namorado? Marido?

Fiona pegou a cabeça fora de ombro de Hunter e olhou para ele em


alarme. Mesmo que Dude tinha pedido, ela falou com Hunter. - Oh meu
Deus, não. Eu não estou com ninguém. Eu não... eu não... - Ela começou a
sentar-se ereta, mortificada que Hunter poderia ter pensado que ela era
casada ou tinha um namorado e foi inclinando-se contra ele tão
intimamente.
Cookie recolheu Fiona em seus braços e segurou-a forte. Ele podia
senti-la tremendo. - Shhhh, Fee. Ninguém pensou em nada impróprio.
Relaxe. - Ele acariciou suas costas e olhou para Dude.
Dude apenas balançou a cabeça, exasperado. - Sim, Fiona, eu só
queria ter certeza de que você saiba que você poderia entrar em contato
com alguém que você precisava.
Fiona afastou-se de Hunter apenas o suficiente para que ela pudesse
virar a cabeça e olhar sobre Dude. - Não há ninguém.
Com suas palavras angustiadas, Cookie colocou a mão sobre a cabeça
e empurrou-a de volta em seu peito. Ele amava sentir os braços de Fiona
hesitante enrolar em volta de seu corpo, segurando-o de volta. - Conte-nos
o resto, Fee. Você está segura aqui. Continue. Coloque tudo para fora.
Fiona assentiu contra o peito de Hunter, sem levantar a cabeça. - Tudo
bem, de qualquer forma, foi meu quarto dia na Flórida e eu estava saindo no
dia seguinte. Eu decidi que eu deveria pelo menos verificar um clube uma
vez quando eu estava lá.
Ouvindo Benny bufar, Fiona riu, mas não estava com humor. - Sim,
burra. Eu sei. Então, eu fui, sozinha, pensando que eu era tudo isso e muito
mais. Eu tomei algumas bebidas e vi os outros dançar. Um cara me pediu
para dançar, eu disse que sim. Quando terminou, voltei para o bar e
continuei a beber minha bebida.
Novamente, quando Benny bufou, Fiona concordou com ele. - Sim, eu
sei. Mais uma vez, eu era idiota. Realmente burra. Seriamente burra.
Ninguém sabe disso mais do que eu. Eu paguei por isso. Grande momento. -
A sala ficou quieta. Ninguém disse uma palavra, sabendo o que Fiona diria
em seguida.

- Quando eu acordei, eu estava na sala onde Hunter me encontrou. Eu


ainda estava usando a camiseta estúpida, shorts, e chinelos que eu tinha
usado para o clube. Suponho que deveria estar feliz que eu não estava
usando saltos, isso teria sido muito difícil de atravessar a selva. Não tenho
certeza de quantos dias passaram quando acordei, mas estava muito fora
disso. Eles devem ter começado as drogas antes de chegarem. Eu estava
acorrentada pelo tornozelo no início, mas quando eu os atacava sempre que
se aproximavam de mim, eles me desafiaram e me acorrentaram pelo
pescoço. Eles poderiam me controlar melhor dessa maneira. Eu acho que eu
estava lá por cerca de três meses, mas provavelmente foi mais baseado no
tempo que eu estava fora disso. - Fiona fez uma pausa. Ninguém disse uma
palavra, embora pudesse ver Dude e Benny cerrando os dentes.
- O que eles queriam de você? - Dude perguntou finalmente, sabendo,
mas querendo ver o que Fiona diria.

- Eles queriam me vender como escrava sexual, mas eu não estava


“devidamente treinada”. Fiona disse aos homens sem temperar suas
palavras. - Eles estavam esperando por eu quebrar. Pedir piedade, implorar
mais drogas, implorar para morrer... algo. Mas recusei. Eu não cederia a eles.
Eles não podiam roubar quem eu era. E pensei que tudo o que eles tinham
para mim em estoque, seria pior do que onde eu estava, então eu os recusei.
Eu não achei que eles me manteriam o tempo que eles fizeram, mas eles
não sabiam o que mais fazer comigo nesse ponto.
- Boa garota. - murmurou Cookie, acariciando o cabelo de Fiona.
- Eles estavam ficando cada vez mais irritado, porém. - Fiona
continuou, ignorando o comentário de Hunter para o momento. Ela pensa
sobre isso novamente quando ela teve tempo para falar sobre sentada lá em
seus braços. - Eu acho que o seu comprador estava ficando desesperado. Ele
queria sua escrava sexual e queria ela agora, foi quando Julie apareceu. Ela
era muito diferente de mim, então fiquei um pouco confusa. Achei que seus
compradores queriam um certo "tipo" de mulher, e Julie não era nada como
eu com aparência ou temperamento. Mas talvez o cara estivesse
desesperado e não se importasse mais. Se vocês não tivessem aparecido
quando vocês fizeram, Julie teria ido em breve. Ela caiu no segundo lugar
que a colocaram no quarto. Ela implorou para ser solta. Ela acompanhou
tudo o que lhe disseram para fazer, pensando em sua cooperação e que
“Papai” a salvaria. Ela estava tão assustada e flexível... eles a venderiam em
alguns dias. Então eu acho que eles iriam me matar.
Benny não podia segurar mais e fez a pergunta que tanto ele e Cookie
estava pensando. Eles tinham falado sobre isso juntos enquanto ela estava
se recuperando e não conseguia entender.
- Por que você não disse nada quando Cookie entrou no quarto? Você
não estava tão fora disso com as drogas que você não sabia que ele estava
lá, estava? Você realmente o deixaria sair e deixá-la lá?
Fiona pensou sobre como ela queria responder Benny, mas ela não
sabia exatamente o que estavam procurando. Ela poderia ter dito todos os
tipos de coisas, mas ela fez o que sempre fazia, ela disse a verdade, olhando
para Hunter quando ela respondeu. - Você não estava lá para mim. Não era
justo da minha parte reduzir suas chances de sair de lá com Julie viva.
Ninguém tinha pago para me tirar. Eu não tenho qualquer família, amigos
íntimos, eu estava fraca e eu sabia disso. Algo tinha mudado com os
sequestradores. Eles não tinham me alimentado em alguns dias e tinham
mesmo parado de me dar as drogas. Eles estavam cansados de lidar comigo
e, como eles tinham Julie para vender, acho que eles iriam me deixar lá,
acorrentada ao chão, para morrer. Achei que era melhor se uma de nós
saísse, em vez de nenhuma de nós.
Ninguém disse uma palavra quando Fiona parou de falar.
Fiona deslocou-se de seu assento. Inferno, que tinha soado dramática,
mesmo para ela. Cristo. Ela era patética. - Então... - Ela começou.

- Cale –se. - Cookie disse duramente, enunciando cada palavra


claramente. Ele estava respirando com dificuldade pelo nariz. Apertando a
mão que ele tinha colocado na perna de Fiona tão forte, seus dedos estavam
brancos. Seu toque era gentil, mas parecia que ele estava prestes a explodir.
Dude levantou-se e caminhou pela sala. Fiona podia ouvi-lo
resmungando, mas ela não poderia entender o que ele estava dizendo.

Finalmente Cookie não aguentava mais. As palavras irromperam. -


Jesus, Fiona. Como no inferno você caminhou quinze milhas em chinelos e
shorts pela selva, metade me levando por aquela escada, carregando uma
mochila pesando cem quilos e se apega a uma escada de corda depois de
ser acorrentada em um andar por mais de três meses, estar drogada contra
sua vontade e não ter comido por quem sabe quanto tempo? Ah, e não nos
esqueçamos, você estava malditamnete atirando enquanto se apegava a
essa maldita escada!
A voz de Cookie tinha aumentado constantemente enquanto ele
falava e se desprendeu de Fiona cuidadosamente, levantando-se. Fiona
sentou-se enquanto se movia. Ele se afastou dela, mudou de ideia quando
ele chegou a meio caminho da sala e voltou. Cookie se ajoelhou na frente de
Fiona, sem tocá-la, seus olhos perfurando os dela. Suas mãos descansaram
nas coxas enquanto ele esperava que ela respondesse a sua pergunta semi-
retórica.
Fiona olhou para ele. Hipnotizada por seus olhos, não se importando
que Benny e Dude estavam na sala com eles. Ela deu a Hunter a única coisa
que podia. - Porque se eu não o fizesse, você provavelmente teria morrido
naquela selva tentando me tirar e Julie. - Fiona disse-lhe em voz baixa, com
cem por cento de sinceridade. - Se fosse só eu, eu acabaria apenas me
deitando e morrendo. Eu não sou forte como você é. Não importava. Você
não entendeu? Ninguém estava procurando por mim. Não tenho família,
sem amigos verdadeiros. Isto. Não importa. Então você veio para resgatar
Julie e eu sabia que você não ia me deixar para trás. Oh, eu pensei que você
pudesse no início, e eu estava esperando que você faria, mas ao mesmo
tempo com medo que você realmente me deixaria lá. Eu queria gritar
quando você começou a descascar as tábuas na cabana. Ouvi alto e claro. Eu
teria corrido pelo quarto, se eu pudesse.
Fiona respirou, mas não desviou o olhar de Hunter. Seu corpo foi
enrolado com uma emoção que não podia ler. Ela continuou, tentando
explicar. - A primeira vez que você olhou para mim como se eu tivesse duas
cabeças quando eu perguntei se você ia me levar também, eu sabia que você
era o tipo de homem que nunca iria deixar alguém para trás. Então eu
marchei junto atrás de você, milha após milha, pensando sobre o quão
ruim você se sentiria se eu só tombasse. Que você pensaria que
era sua culpa. Então eu não fiz. Eu não podia. Ignorei quão horrível eu me
senti. Eu ignorei o quanto eu me machuquei. Concentrei-me em fazê-lo, um
passo de cada vez, contando um número de cada vez até nós sermos
resgatados ou mortos.
Cookie olhou para a mulher sentada na frente dele por um segundo
ou dois, então se levantou e saiu da sala sem dizer mais nada.
Fiona olhou para seus dedos, que estavam frios. Ela estava segurando-
os juntos firmemente toda a sua explicação para Hunter. Ela olhou para
Benny e Dude. Benny tinha um olhar estranho em seu rosto que Fiona não
poderia interpretar.
- O quê? - Ela perguntou-lhe defensivamente. - Você teria feito a
mesma coisa. - Fiona disse-lhe quase acusadoramente.
- Você está certa. - Benny respondeu sem hesitação. - E Dude também,
mas somos homens querida. E SEALs. Treinados. E não tenho certeza de que
nenhum de nós possa ter feito isso nas mesmas circunstâncias.
Fiona balançou a cabeça. - Sim, você faria. - disse ela suavemente. -
Você sabe que faria.
Benny e Dude continuaram a olhar para ela. Fiona achou que agora
era sua chance de perguntar sobre, o que aconteceu quando ela estava fora
disso. Ela não queria pensar mais no México. A reação de Hunter ao que ela
havia dito estava deixando-a fora. Ele estava enojado, irritado, chateado? Ela
não fazia ideia. Ela estava nervosa sem ele ao seu lado, então ela tentou
mudar o assunto.
- Por favor, me conte o que aconteceu esta semana. O que eu fiz, não
me lembro?
- Como você sabe que alguma coisa aconteceu, Fiona? - Dude
perguntou de volta. - Como você sabe que, você simplesmente não deitou
na cama durante os últimos cinco dias?
Fiona suspirou. - Eu não tinha certeza, mas você acabou de provar
isso. Por favor, Dude. Eu preciso saber.
Os caras realmente não queriam dizer a ela, mas ela merecia
saber. Dude olhou para Benny, viu-o dar uma leve inclinação de cabeça.
Dude disse-lhe o básico do que tinha acontecido. Ele ignorou a parte
em que ela lutou contra eles e o que ela disse especificamente, mas foi o
suficiente para deixá-la pálida e morder o lábio.
- Eu realmente sinto muito. Não...
Benny interrompeu. - Você não tem nada que se desculpar, Fiona. Se
você quer saber, todos nós admiramos você.

Fiona olhou para Benny como se ele fosse louco.


- Nós fazemos. Você estava claramente em desvantagem, e havia três
de nós, e você ainda assim lutou. Você é forte, Fiona. Você não desiste. Isso
é uma grande característica de ter.
Fiona não tinha certeza do que dizer. Ela apenas olhou para suas mãos
novamente. Ela estava feliz que não se lembrava, mas Jesus, ela realmente
saiu de uma janela do segundo andar para tentar escapar? Ela
provavelmente tinha. Se ela tivesse tido a chance de voltar naquela cabana
no México, ela teria feito o que fosse necessário para fugir. Mesmo que isso
significasse entrar sozinha na selva.
- Vamos, Fiona, você parece exausta. Vou levá-la de volta para seu
quarto para que você possa dormir. - Benny veio até onde ela estava sentada
no sofá e estendeu a mão.
Ele era grande, mas como Fiona veio a conhecê-los, ela sabia que eles
nunca lhe machucariam. Ela segurou sua mão hesitante e se levantou. Assim
que ela estava firme em seus pés, Benny a soltou, sabendo que ela não
estava confortável com toque casual ainda, e fez um gesto em direção à
porta.
Benny a acompanhou de volta para o quarto que a trouxeram para a
primeira noite ela veio para a casa grande. O quarto era exatamente como
ela se lembrava. Grande e branco. A cama parecia muito confortável. Era
uma grande cama de dossel que estava com cerca de três metros do chão.
Até tinha um banquinho ao lado dela para ajudar as pessoas a chegar a ela.
O edredom era fofo e parecia super macio. Mesmo com seu corpo clamando
para dormir e a cama parecendo fabulosa, Fiona não achava que seria capaz
de dormir.

Lembrando o olhar no rosto de Hunter quando ela falou sobre o que


aconteceu com ela, a estava matando. Ela não sabia se ele estava bravo,
enojado, impressionado, ou o quê. Estava estressando-a. Ela supôs que
realmente não importava ao longo prazo. Eles agora sabiam quem era,
sabiam onde morava e que estava sozinha no mundo. Fiona também sabia
que logo iria para casa. Ela tinha uma vida, Hunter tinha uma vida. Era hora
de voltarem à ela.
Capitulo Doze

Duas horas depois de Cookie ter deixado abruptamente Fiona e seus


companheiros de equipe na biblioteca, ele abriu a porta do quarto de Fiona
e olhou para dentro. Ele tentou ficar longe dela, ele realmente fez, mas ele
não podia. Ele passou os últimos oito dias com ela. Cookie realmente não
conseguia dormir bem, agora sem ela. Mesmo quando Fiona estava fora
disso, ele tinha dormido perto dela, segurando sua mão e falando com ela.

Depois de ouvir a sua história esta noite, Cookie queria ir


imediatamente de volta para o México e matar cada um de seus captores.
Eles estavam indo para deixá-la morrer nesse inferno. Talvez pior do que
isso, era que Fiona sabia disso. Ela teria morrido de fome, e ninguém teria
sabido. Teria sido uma morte lenta e agonizante. Se ela tivesse sido deixada
lá, Cookie nunca a conheceria. Nunca foi impressionado com sua força.
Inferno, ele não poderia ter feito isso fora da selva vivo se Fiona não tivesse
estado lá para ajudá-lo a ir até a escada para que seus companheiros de
equipe pudessem arrastá-lo até o helicóptero. Cookie não poderia imaginar
não saber de Fiona. Ele honestamente não entendia como ela conseguiu sair
de toda a situação dela viva, e surpreendentemente bem.
Ele sabia que o corpo humano era resistente, mas Fiona foi incrível. E
humilde. Isso foi o que ele conseguiu. Como diabos tinha Fiona crescido tão
humilde e modesta? A assim chamada mãe certamente não a tinha instigado
nela, e enquanto ela não tinha contado o que ela passara na infância, todos
eles conseguiram juntar algumas peças. Ser um filho adotivo nunca foi um
passeio, e certamente não é para um adolescente.
Fiona honestamente não tinha ideia de que o que ela tinha feito e
vivido no México era extraordinário. Ela fez isso porque tinha que ser feito.
Ponto final. Ela não queria ser elogiada, e na verdade ficou envergonhada
por isso, mas ela o fez de qualquer maneira. Fiona contou sua história,
enquanto a maioria das outras pessoas que passaram pelo mesmo, estariam
histericas.
Cookie fechou a porta silenciosamente atrás dele e abriu caminho
para a cama onde Fiona estava deitada. Ele não ficou completamente
surpreso quando ela se virou para olhar para ele à luz da lua através da
janela.
- Não conseguiu dormir? - Ela perguntou suavemente.
Cookie apenas balançou a cabeça e fez um gesto para que ela se
deslocasse.
Fiona fez e observou enquanto Hunter tirava sua camiseta e deixava
sua cair no chão. Ele era lindo. À luz da lua, Fiona podia ver as cicatrizes no
peito, mas ele foi construído como uma parede de tijolos. Hunter era
musculoso, e o jogo de seus músculos em seus braços era sexy como o
inferno. Ele tinha um leve salpico de pêlos no peito e ela podia ver seus
bíceps flexionarem enquanto se movia. Suas coxas pareciam fortes e ela
podia dizer que ele era grande... por toda parte.
Antes que Fiona pudesse dar uma olhada mais concentrada na parte
dele que a interessasse e a assustasse, ele subiu na cama. Sem dizer uma
palavra, Hunter passou a mão sobre a cabeça e a levou para ele. Ele a beijou
brevemente na testa, em seguida, encorajou-a a girar do seu lado,
afastando-se dele.
Fiona sentiu Hunter aconchegar-se atrás dela assim que ela se virou,
puxando-a de volta para frente. O braço dela veio ao redor do peito,
segurando-a firmemente contra ele. Ela suspirou e aconchegou-se mais
fundo em seu abraço. Fiona sabia que provavelmente deveria estar
enlouquecendo por que Hunter tinha ficado nu antes de se juntar a ela na
cama, mas sentia-se segura, era como quando ele a segurava de volta na
selva, e ela se sentia segura agora. Sua pele estava quente e Fiona podia
sentir seu calor mergulhar em seu corpo. Ela não estava pensando no que
seus sequestradores haviam feito com ela e sabia que Hunter não a
empurraria para qualquer coisa que ela não estivesse pronta. Talvez nunca
esteja pronta, mas Fiona esperava que não fosse esse o caso. Ela queria estar
intimamente com um homem novamente, com esse homem.
- Você está bem, Hunter?
- Me desculpe por ter saído.

- Não se desculpe. Eu compreendo. Me desculpe, eu te aborreci.


Cookie apertou os braços e coloou pressão sobre o quadril de Fiona
até que ela se virou de costas. Ele veio em um cotovelo e sua outra mão
subiu para o rosto dela e segurou sua bochecha. Fiona não tinha escolha a
não ser olhar para ele.
- Você não me aborreceu. Aqueles idiotas que sequestraram você me
aborreceram. Estou tão orgulhoso de você que eu poderia explodir. Você
não tem ideia do que significa para mim. - Ele viu a confusão nos olhos de
Fiona. - Eu sei, estou colocando muitas coisas pesadas em você, mas quero
ser sincero com você sobre como me sinto. Você pode tomar isso agora?
Fiona olhou para Hunter. Ele estava debruçado sobre ela e sua mão se
moveu de seu rosto para escovar o cabelo atrás da orelha direita. As pontas
dos dedos estavam traçando sua orelha, enviando calafrios por todo o
corpo. Ela queria pressionar-se para dentro dele, mesmo com tudo o que
aconteceu com ela, ela queria isso.
- Fee?

Ah, sim, ele lhe fez uma pergunta. - Eu posso tomar. - Ela mordeu o
lábio e olhou para o homem que ela estava começando a pensar que não
poderia viver sem. Ela esperava que ela pudesse levá-lo, mas se Hunter
precisasse contar algo a ela, ela iria ouvir, não importa se ela estivesse
pronta ou não.
- Eu sei que provavelmente é muito cedo, mas nunca me senti dessa
maneira sobre uma mulher antes. Sempre fui o único a ir embora. Eu sei que
fui um idiota no passado. Mas eu não quero me afastar de você. O
pensamento de você ser ferida ou morta me deixa louco. O pensamento de
sair desta casa e nunca te ver novamente me deixa louco. O pensamento de
seu corpo sob o meu, me deixa louco. - Cookie olhou nervosamente para
Fiona. Ele teve que terminar seus pensamentos e parar de bater ao redor do
arbusto.
- Você é minha, Fiona. Eu sei que isso me faz parecer um maldito
homem das cavernas, mas não posso me desculpar por isso. Eu quero
protegê-la. Quero mostrar-te. Eu só quero você. Em todos os sentidos. -
Cookie fechou os olhos e inclinou a cabeça para baixo, colocando a testa
contra a de Fiona. Ele podia sentir sua respiração quente contra o rosto dele.
Ele baixou a voz. - Eu sei que você tem algumas coisas que você tem que
trabalhar, e eu quero estar lá com você enquanto você faz isso. Tudo o que
quero é uma chance. A chance de mostrar que você está a salvo comigo. Que
você sempre estará a salvo comigo.
A respiração de Fiona engatou. As palavras de Hunter eram como
curativos em sua alma. Tudo o que ela sempre quis desde que ela estava em
sua primeira casa de acolhimento era se sentir segura e desejada. Hunter
estava oferecendo ambos.
- EU…

Cookie colocou um dedo sobre os lábios levemente. - Não, não diga


nada, Fee. Eu sei que isso é rápido. Provavelmente muito rápido, mas eu sei
o que quero, e é você. Durma com isso. Não concorde porque eu quero isso.
Concorde porque você quer. Há mais que temos que falar sobre o amanhã,
coisas muito pesadas, mas sei que vou estar com você. - Cookie olhou para
Fiona. Ele não tinha ideia de como essa mulher havia sobrevivido, mas não
havia dúvida em sua opinião de que ela era dele. Ele só esperava que ela
também desejasse isso. - Volte novamente ao seu lado. Deixe-me segurá-la?
Fiona fez o que ele pediu sem hesitação. Ela queria que Hunter a
abraçasse também. Quando ela se virou, sentiu Hunter enrolou-a
novamente. Seu braço inferior estava entre eles, enrolado contra seu peito
e contra suas costas. Seu outro braço estava enrolado sobre suas costas e
ele a puxou contra ele colocando a mão contra o seu seio.
Fiona podia sentir o calor de sua mão contra o seio. Ela sentiu um
momento de pânico, antes que conscientemente relaxasse. Este era
Hunter. Ela estava segura com ele.
- Eu quero você, mas estou com medo. - Ela sussurrou, como se dizer
as palavras em voz alta faria ter menos poder sobre ela.
- Eu sei que você tem. Eu nunca vou pressioná-la, Fee. Eu quero você,
você pode sentir isso, mas sei que eu nunca vou forçá-la. Aguardo o tempo
que precisar. OK? Eu não vou dizer para você não se sentir assustada, mas
enquanto estiver, saiba que estou aqui e eu tenho suas costas. Você nunca
terá que ter medo de mim.
Fiona assentiu. Ela podia sentir o quanto ele a queria. Sua ereção
contra seu traseiro era longa e dura. Ela desejou que ela pudesse virar e
mostrar a ele o quanto suas palavras significavam para ela, mas ele estava
certo. Ela precisava levar as coisas devagar. Colossalmente lento.
- Obrigado por ter vindo para mim esta noite. - Havia mais que Fiona
queria dizer, mas essas foram as únicas palavras que ela deixou sair.
- De nada, Fee. Eu sempre vou até você se eu puder.
Fiona assentiu e se aconchegou de volta para os braços de Hunter.
Cookie estava com Fiona durante toda a noite. Ele não dormiu. Ele não
podia. Por duas vezes, quando ela começou a ter um pesadelo, ele a acordou
lentamente e acalmou até que ela voltou a dormir. Ela era humana. Ela
poderia ter conseguido, de alguma forma, sair da selva viva, mas ela foi
afetada. Profundamente. Ela sempre poderia ser, mas Cookie sabia que
Fiona mostrava um rosto corajoso para o mundo e lutava contra seus
demônios atrás de portas fechadas.
É a mesma coisa que ele sempre tinha feito. Cookie amava essa
mulher. Ele não sabia como tinha acontecido tão rápido, mas tinha. Ele não
ia deixá-la ir. Ele não tinha certeza do que seu futuro tinha reservado para
eles, mas ele não ia deixá-la escapar. Finalmente, por volta do amanhecer,
Cookie caiu em um sono leve, segurando Fiona apertado e querendo saber
como fazê-la querer ficar com ele... para sempre.

***

Fiona acordou sozinha na manhã seguinte, mas quando ela se virou,


viu a aparência da cabeça de Hunter no travesseiro ao lado dela. Ela olhou
em volta, e vendo que estava sozinha, pegou o travesseiro que ele usou e
segurou-o no rosto. Deus, cheirava bem. Cheirava a Hunter. Fiona colocou o
travesseiro e olhou para o teto.
Era hora de pensar em ir para casa. Ela não queria, mas não tinha
escolha. Pensou que era o que Hunter queria dizer quando dizia ter uma
conversa séria hoje. Fiona tinha certeza de que os homens também tinham
que voltar para a base deles. Não era como se eles pudessem ficar aqui para
sempre.
Depois de tomar banho e colocar um par de calças de moletom e uma
camiseta que tinha sido deixado no banheiro para ela, Fiona fez seu caminho
descendo as escadas.
Ela entrou na cozinha para ver todos os três rapazes sentados na
pequena mesa, obviamente esperando por ela.
- Ei, pessoal. - Fiona disse cautelosamente.
Hunter levantou-se e aproximou-se dela e envolveu-a em seus
braços. Fiona enterrou a cabeça em seu peito e colocou os braços ao redor
dele.
- Bom dia, Fee. - Cookie disse suavemente, sua voz rouca fazendo-a
sentir mole por dentro.
- Bom dia, Hunter.
Ele se afastou e olhou para ela.
- Com fome?
- Uh, sim. - Fiona não pôde evitar o sarcasmo que escapou com suas
palavras. Ela viu quando Hunter jogou a cabeça para trás e riu.
- Tudo bem, vamos lá, Benny fez-nos um café da manhã delicioso.
Cookie se afastou, mas pegou a mão de Fiona e levou-a para a
pequena mesa. Ele esperou até que ela estivesse sentada antes de ir para a
geladeira. - Suco de laranja está bem?
- Meu Deus. Sim. Por favor. Eu não tive um no... bem, muito tempo.
Cookie respirou fundo. Jesus, Fiona matou-o com as suas palavras e
ela não tinha ideia. Encheu um grande copo até a borda e trouxe tanto o
copo como o recipiente de suco para a mesa. Se Fiona queria suco, ela iria
ter tanto quanto ela poderia beber.
Os quatro se sentaram em volta da mesa e apreciaram as panquecas
e omeletes que Benny tinha feito para eles. Eles estavam em sua maioria em
silêncio durante a refeição, os homens pensando sobre a próxima conversa
que tinha que ter com Fiona e Fiona pensando que ela nunca tinha tido nada
metade tão saboroso como a comida que ela estava comendo atualmente.
Depois que eles terminaram, Fiona pegou seu prato e se levantou,
com a intenção de levar seus pratos para a pia.
- Não, sente-se, Fiona. - Dude praticamente gritou para ela.
Ela assustou-se e quase deixou cair seu prato.
- Merda, desculpe. Eu não queria assustá-la. - O tom de voz de Dude
apavorante e lisonjeiro.
- Não, está tudo bem. Sou eu.
- Besteira. Eu fui rude, e eu sinto muito. O que eu quis dizer, foi deixe
as louças. Nós podemos cuidar dos pratos mais tarde.
Fiona assentiu. Ela deveria ter percebido antes, mas todos os três
homens parecia tenso. Era isso? eles estavam indo para expulsá-la
agora? ela ia ter que dizer adeus a Hunter?
- Nós precisamos conversar.
Fiona quase gemeu com as palavras de Benny. Sim. Já era tempo. - É
hora de ir, não é? - Ela poderia muito bem fazer a bola rolar.
Cookie pegou a mão de Fiona e segurou-a firmemente contra sua
coxa. - Sim. Mas temos algumas coisas que precisamos primeiro falar com
você sobre.
Cookie não queria contar a Fiona que Tex tinha encontrado por eles.
Mas ela estava certa, era hora de ir. Eles teriam que voltar para a base e
Cookie queria Fiona com eles quando eles fossem.
Benny assumiu a conversa de Cookie. - Ok, então esta casa não é
nossa. Temos um amigo, um antigo SEAL que vive na Virgínia. Tex trabalha
conosco, bem como com outros grupos fora dos militares. Ele é um gênio da
informàtica. Uma vez, por diversão, ele invadiu o sistema informático do FBI
apenas para ver se ele podia. Ele teve as bolas para chamá-los uma vez que
ele estava fora para deixá-los saber o que ele tinha feito. Desnecessário será
dizer que eles não estavam felizes, mas ele queria provar um ponto. De
qualquer forma, Tex classifica "gerenciar" essa casa. Tem um nível louco de
segurança e ele mantém sua existência bastante tranquila. Nós usamos isso,
bem como algumas outras pessoas de segurança privada que ele conhece.
Fiona assentiu enquanto Benny fez uma pausa. Quando ninguém
disse nada por um momento, Fiona nervosamente disse. - Ok. Vou ter que
lembrar-me de enviar-lhe um cartão de Natal. - Ela imediatamente
corou. Jesus, ela precisava controlar sua boca.
Cookie trouxe suas mãos entrelaçadas até a boca e roçou um beijo em
seus dedos. - Deus, você é bonita. Eu vou ter certeza de obter um endereço
a partir de Wolf para você.
Dude pegou onde Benny havia parado. - Então, sim, Tex é um dos
melhores hackers de computador que eu já conheci. Se, se trata de qualquer
coisa eletrônica, ele pode cortá-lo.
Fiona não tinha ideia de por que eles estavam dizendo isso, então ela
apenas balançou a cabeça.
Vendo que Dude estava confundindo Fiona e não chegando ao ponto,
Cookie assumiu a conversa. Ele virou-se em sua cadeira e tomou a outra mão
de Fiona na sua. Ele esperou até que ela olhou para ele.
- O que os caras estão tentando lhe dizer, e estragar, é que eu pedi a
Tex para olhar suas finanças e as circunstâncias de volta em El Paso.

Com a respiração indestrutível de Fiona, Cookie continuou


rapidamente. - Você foi embora por cento e quatro dias. Você não tem
dinheiro em sua conta bancária. Tex entrou no sistema informático da
Universidade e descobriu que você foi retirada oficialmente dos registros
como empregada e seu senhorio assumiu que você teria deixado sem aviso
prévio e alugou seu apartamento para outra pessoa.
Houve silêncio na sala depois das palavras contundentes de Cookie.

Finalmente Fiona sussurrou: - O quê?


- Eu quero que você volte para a Califórnia comigo.
Fiona apenas olhou para Hunter, tentando digerir o que ele
disse. Ignorando sua última declaração, ela perguntou em voz trêmula. - Eles
podem fazer isso?
- Fee. - A voz de Cookie era torturada. - Venha aqui.
Fiona quase gritou quando Hunter a alcançou inesperadamente e
puxou-a para fora da cadeira e em seu colo. Ela fechou os olhos para tentar
manter suas lágrimas roçando seu rosto. Não adiantava. Ela inalou uma vez,
então sentiu Hunter colocar uma mão em sua cabeça e empurrá-la para o
peito. A outra mão apertou sua cintura e puxou-a para dentro dele. Ele
segurou Fiona firme em seus braços e a deixou chorar.
Fiona ouviu uma cadeira raspar o chão e então sentiu outra mão nas
costas. Ela virou a cabeça para ver Benny ajoelhado ao lado da cadeira.
- Você era um empregado de necessidade da Universidade, querida.
Infelizmente, legalmente eles podem contratar alguém para ocupar seu
lugar. - Ele continuou, obviamente respondendo a pergunta anterior. - Tex
está tentando rastrear suas coisas. Seu senhorio teve que fazer algo com
isso. Se ainda estiver por perto, Tex vai encontrar tudo isso para você.
Quanto à sua conta bancária, a maioria das suas contas estava sendo
redigida automaticamente, e quando seu dinheiro acabou, eles começaram
a saltar. Mas não se preocupe. Tex também cuida disso para você. Você não
deverá um centavo depois que ele terminar.
Cookie aninhou Fiona com o queixo e ela virou-se para olhar para
ele. - Volte para a Califórnia comigo. - ele repetiu, desta vez ele ordenou as
palavras em vez de perguntar-lhes.
- Mas…
- Não, não mas. Você ouviu o que eu disse ontem à noite. Eu gostaria
de poder dizer que sinto muito que você perdeu seu emprego e perdeu seu
apartamento, mas mesmo que isso me torna um pau, eu não sinto, porque
isso significa que você está livre para vir comigo, para estar comigo, para
começar de novo na Califórnia. Eu vou ser honesto, até falar com Tex, eu não
tinha ideia de como eu estava indo para deixá-la sair de casa e longe de
mim. Eu tenho que voltar. Eu não tenho uma escolha, mas eu sabia que você
tinha uma vida. Se você pode me dizer honestamente que você quer voltar
para El Paso, eu vou ajudá-la de qualquer maneira que eu puder. Mas saiba
que eu não quero que você vá. Eu te quero comigo.
Fiona tentou se concentrar no que Hunter estava dizendo a ela. Ela
tinha ouvido ontem à noite, mas ele obviamente não ouvira ela.
- Eu estou assustada.
- Eu sei que você está, Fee, e é por isso que eu vou estar lá com
você. Confie em mim.
Sem parar, Fiona retornou imediatamente. - Eu confio. Jesus, Hunter,
eu acho que eu confio em você mais do que eu confio em mim agora.
- Então venha com a gente. Deixe-me apresentar-lhe a Caroline e
Alabama. Deixe o resto da minha equipe conhecê-la. Você virá a confiar
neles tanto quanto eu espero que você confie em mim.
Dude cortou, ele e Benny não tinha saído da sala. - Você tem opções,
Fiona.
- Que diabos, cara? - Cookie soltou imediatamente, apertando os
braços em volta Fiona protetor e olhando para seu companheiro de equipe.
- Ela tem que saber que ela tem opções, Cookie. Se você realmente
quer que ela vá com você pelas razões certas, você tem que dizer-lhe todas
as suas opções.
- Diga-me. - Fiona era noventa e nove por cento de certeza que queria
ir para a Califórnia com Hunter, mas Dude estava certo. Ela precisava de toda
a informação que ela poderia começar para que ela pudesse tentar tomar a
decisão certa.
- Sua conta bancária pode ter o máximo de dinheiro que você precisa
no final do dia. Não pergunte como, basta saber que Tex pode garantir que
você tenha o dinheiro que precisa para alugar outro apartamento e se
instalar novamente. Ele provavelmente já está disposto a tirar seu carro do
lote de imobilização onde foi rebocado do estacionamento do aeroporto. Se
você quiser continuar trabalhando para a Universidade, Tex pode
providenciar isso também. Enquanto eles estavam legalmente em seu
direito de substituí-la, seria um pesadelo de relações públicas, se soubessem
que você foi sequestrada e a escola a abandonou. Eles estarão implorando
que você volte e trabalhe para eles assim que o Tex terminar com eles.
- Ele pode fazer isso?

- Claro que sim. - Benny disse a ela a sério. - Nós não sabemos como
ele pode fazer as coisas que ele faz, mas estamos apenas extremamente feliz
que ele está do nosso lado.

Cookie virou a cabeça de Fiona de volta para ele. - Tanto quanto eu


quero vencer a merda de Dude, ele está certo. Você precisa saber que você
pode voltar para El Paso e recuperar sua vida. Se você escolher essa opção,
basta saber que não será o fim para nós. Não vou deixar você ir, não importa
o que você decida.
Enterrando o rosto no peito de Hunter, Fiona sussurrou: - Sério?
- Sério. Eu já disse que você é minha. Não importa se você estiver
morando em Timbuktu, Texas, ou na mesma casa que eu.
Fiona olhou para Hunter e assentiu.
Aparentemente, isso era tudo o que os caras precisavam. - Vou
chamar Tex e dizer-lhe para nos levar para casa. - disse Dude de forma
decisiva enquanto se levantava da mesa.
Benny também se levantou do chão onde ele estava agachado e
começou a juntar os pratos da mesa. - Vou limpar isso. Diga à Tex que
estaremos preparados para ir esta tarde.
Cookie levantou-se com Fiona nos braços e sem dizer uma palavra,
dirigiu-se para a porta. Benny observou com um pequeno sorriso enquanto
eles saíam.
Capitulo Treze

Fiona fechou os olhos e desfrutou a sensação de Hunter carregando-


a. Ela manteve-os fechados até que sentiu que ele se curvava. Ela finalmente
abriu-os para ver que ele a trouxe de volta ao quarto em que dormiram na
noite anterior. Ele cuidadosamente se inclinou e colocou Fiona nos lençóis
macios, então colocou ambas as mãos ao lado de seus ombros e pairou
sobre ela.
- Eu preciso te tocar, Fee. - Antes que ela pudesse dizer qualquer
coisa, Cookie continuou. - Nós não vamos fazer amor. Eu sei que vai levar
tempo. Você precisa curar fisicamente e mentalmente antes de irmos lá,
mas eu tenho que segurar você. Eu tenho que sentir você contra mim. Você
disse que confiava em mim antes. Por favor, deixe-me mostrar-lhe que a
confiança não é equivocada. Deixe-me mostrar-lhe o quanto você significa
para mim.
Fiona só poderia dar-lhe um pequeno aceno de cabeça. Ela queria
senti-lo também. Por mais que ela quisesse estar pronta para té-lo dentro
dela, ela sabia que Hunter estava certo sobre seu estado mental. Era muito
cedo.
Ela viu quando Hunter se levantou e colocou uma mão atrás de sua
cabeça e puxou sua camiseta pela cabeça. Fiona nunca entenderia como os
caras aprenderam como fazer isso. Jogando a camisa atrás dele
descuidadamente, Hunter começou a desabotoar as calças. Ele nunca tirou
os olhos dela.

Quando Fiona começou a sentar-se para tirar sua camiseta, Cookie


disse rapidamente: - Não, deixe-me. Por favor.
Fiona baixou as mãos para trás para os lados e continuou a observar
como Hunter tirou suas roupas.
Cookie manteve os olhos no rosto de Fiona quando ele abriu o zíper
de suas calças e baixou-as. Ele estava duro. Não havia nenhuma maneira que
ele poderia controlar a reação do seu corpo com Fiona deitada sobre uma
cama na frente dele.
- Eu não quero que você se sinta vulnerável, Fee. Eu vou fazer o que
for preciso para que você esteja confortável com tudo o que fazemos. -
Cookie colocou os polegares no cós de suas boxers e rapidamente deslizou-
as para baixo de suas pernas e despiu-se. - Venha aqui.
Fiona sabia que estava corando. Hunter era o homem mais sexy que
já havia encarado. Ele tirou todas as roupas para se sentir mais confortável,
mas não tinha certeza de que era o que estava sentindo. Ela queria tocá-lo.
Ela queria lamber ele. Ela queria se aconchegar ao lado dele e nunca deixar
ir. Fiona subiu na cama grande e observou enquanto Hunter subia e a
alcançava.
Cookie tentou controlar sua luxúria. Tendo Fiona na cama com ele,
acordada e disposta, era quase mais do que a sua libido poderia lidar. Ele
nunca sentiu isso, tão forte e excitante em sua vida. Antes de chegar a Fiona,
ele precisava ouvir as palavras dela.
- Diga-me você está bem com isso, Fee. Eu preciso das palavras.
- Estou mais do que bem com isso, Hunter. Eu quero te tocar.
- Sou seu. Faça o que você quiser.
Fiona estendeu a mão trêmula em direção a Hunter. Ele estava
deitado em cima das cobertas, completamente nu. Seu peito tinha um
pouco de cabelo e ela podia ver as cicatrizes que cobria a superfície. Fiona
colocou levemente as pontas dos dedos em uma das piores
cicatrizes. Hunter respirou fundo e Fiona puxou a mão de volta.
- Sinto muito, isso doeu?
Cookie agarrou a mão dela e apertou-a de volta ao seu peito. - Claro
que não, não doeu. Suas mãos em mim são um sonho tornando-se realidade.

Fiona deixou sua mão vagar por seu peito, fascinada pela reação de
Hunter. Ela manteve os olhos acima de sua cintura por enquanto, mas
observou como arrepios subiam sobre seu corpo. Enquanto acariciava suas
cicatrizes, seus mamilos se levantavam no peito. Ela não fazia ideia de que
os mamilos de um homem se tornassem duros como os de uma mulher. Sem
pensar, Fiona se inclinou e pegou uma em sua boca.
- Jesus, Fee. Deus sim. Merda, isso é tão bom. Sugue-o duro... Assim.

Fiona podia sentir-se molhada. Ela nunca tinha ficado entusiasmada


no passado sem ter as mãos de um homem diretamente sobre ela, mas isso
era sobre Hunter. Ele era completamente diferente de qualquer homem
com quem já esteve.
Cookie resistiu ao impulso de colocar a mão na cabeça de Fiona e
pressioná-la mais profundamente nele. Ele não tinha planejado esse caso,
ele queria fazê-la sentir-se bem, mas agora que ela estava tocando nele, ele
estava impotente para detê-la. Quando ela mudou para seu outro mamilo,
ele quase se perdeu.
- Toque-me, Fee. Deus por favor.
Fiona levantou a cabeça e olhou pela primeira vez. Hunter era grande,
maior do que qualquer pessoa com quem tinha estado. Ela podia ver o
sangue pulsando na veia do lado de seu eixo. Ouvir Hunter implorá-la era
inebriante e quase errado. Ela não queria que ele tivesse que implorar por
nada. Simplesmente não estava certo. Ela o alcançou e envolveu sua mão ao
redor dele. Ela passou o polegar sobre a ponta e espalhou a umidade que
encontrou lá e em volta da cabeça.
- Fee, mais difícil, me abrace mais.
Fiona ficou estranha pela primeira vez. Hunter obviamente precisava
de alguma coisa, mas não tinha certeza do quê. - Mostre-me.
Cookie imediatamente desenrolou a mão do lençol que ele estava
segurando e embrulhou-a em torno de Fiona em seu eixo. Ele mostrou a ela
como segurá-lo, para torná-lo mais agradável possível. Ele sabia que ele era
muito mais áspero do que teria sido. Ele jogou a cabeça para trás e fechou
os olhos.
Fiona observou Hunter com admiração. Ele era tão bonito. Ela adorava
como ele tomava o controle de seu prazer. Sim, sua mão estava ao seu redor,
mas ele estava claramente no comando e mostrando-lhe como ele gostava.
Quando sua cabeça voltou, ela se inclinou e pegou seu mamilo na boca
novamente e chupou duro.
Cookie gemeu ao sentir a língua de Fiona em seu mamilo e quando ela
chupou, ele perdeu.
- Fee, eu vou... - Antes que ele pudesse terminar de adverti-la, Cookie
sentiu os dentes morderem seu mamilo. Ele explodiu em suas mãos e
empurrou enquanto Fiona continuava apertando-o e acariciando-o e
mordiscando seu mamilo. Cookie estremeceu e empurrou mais uma vez
enquanto outro mini orgasmo passava por ele. Ele sentiu-se completamente
drenado.
Cookie soltou a mão dela e deixou cair na cama com um estalo. Ele
estremeceu quando Fiona continuou a levá-lo levemente e, finalmente,
soltou-se, apenas para passar a mão pelo corpo até que ela massageasse sua
liberação em seus abdominais.
- Você é linda. - Fiona respirou enquanto ela olhou para Hunter. Sem
pensar, sabendo apenas que ela queria sentir o gosto dele, Fiona levou a
mão em direção a seu rosto.
Cookie pegou sua mão assim que conseguiu em seu rosto. - Você quer
me provar, Fee? - Em seu hesitante aceno, ele pegou sua mão livre e limpou-
a sobre seu estômago, coletando um pouco de seu sêmem. Ele o alcançou
no rosto dela e segurou um de seus dedos para ela. - Prove-me.
Fiona tentou não corar e se inclinando pegou o dedo de Hunter na
boca. O sabor de sua essência salgada e terrena a encheu. Ela girou a língua
em seu dedo, certificando-se de limpá-lo completamente. Fiona olhou
através de olhos afiados enquanto as pupilas de Hunter se dilatavam e ele
respirou profundamente.

Fiona ficou surpresa quando Hunter subiu de repente para ela e


tomou sua boca com a dele. Ela não teria sonhado em um milhão de anos
que um homem gostaria de provar a si próprio, e sabia que podia. Fiona
sentiu sua língua se envolver na dela. Ambos devoraram vorazmente um ao
outro. Depois de vários momentos do melhor beijo de sua vida, Fiona se
afastou. Eles se olharam um para o outro. Fiona desviou o olhar primeiro e
olhou para baixo. Ele ainda estava duro. Ela tinha esquecido a bagunça que
eles haviam feito.
- Eu deveria pegar uma toalha para limpa-lo.

- Não. Não. Eu quero sentir você contra mim. Eu preciso marcar você.
Isso te enlouqueceu?

Fiona só podia olhar nos olhos de Hunter e sacudir a cabeça.


- Jesus, você me possui, Fee. A sério. Você é perfeita. - Cookie olhou
Fiona por um momento e depois tocou a bainha de sua camiseta. - Você acha
que pode tirar isso por mim? Não iremos muito longe. Apenas sua camiseta.
Fiona queria isso. Ela não hesitou. Ela se sentou e agarrou a barra de
sua camiseta e passou a cabeça rapidamente para que ela não se
acovardasse.
Cookie não hesitou, dando a Fiona a chance de se assustar e agarrou
seus quadris e facilitou-a sobre ele, então ela estava empurrando suas coxas.
Ela ainda estava usando calças de moleton, mas ele só podia olhar. Ela não
estava usando um sutiã, e Cookie tinha uma visão irresistível de seus seios.
Seus seios eram perfeitos. Ele sempre pensou que seu "tipo" era uma mulher
com enormes seios, mas Cookie percebeu naquele momento que Fiona era
o tamanho perfeito para ele. Suas areolas eram grandes e levavam a maior
parte de seu seio. Ela tinha mamilos rosados que estavam atualmente duros
e roçavam nele. Ela era um pouco pequena para seu tamanho, mas Cookie
percebeu uma vez que ganhou o peso que perdeu enquanto estava em
cativeiro, eles cresceram um tamanho. Ele não se importava. O resultado era
que, eles pertenciam a sua mulher, portanto, eles eram perfeitos.
Cookie pegou a mão que o acariciava mais cedo e a colocava em seu
próprio peito direito. Ele se certificou de que Fiona limpou sua libertação em
si mesma. Então ele pegou as duas mãos nas dele e as colocou nos quadris.
- Segure, Fee. Não mova as mãos. Eu não vou muito longe, eu
prometo. Mas eu preciso fazer isso. - Cookie não esperou que ela
concordasse, mas mantendo contato visual, pegou as duas mãos e as alisou
sobre sua barriga, coletando sua essência que ela tinha persuadido dele mais
cedo. Uma vez que eles estavam revestidos, ele os trouxe até o peito
lentamente e tocou sua mulher pela primeira vez. Ele finalmente quebrou o
contato visual e olhou para baixo. Cookie acariciava e massageava Fiona,
enquanto a marcava com seu aroma, com seu próprio ser.
- Você é minha, Fee. Ninguém mais vai tocar isso. Ninguém mais vai
ver isso. Eu vou te proteger com a minha vida se eu tiver que. Você está
segura comigo. Minha. Você é minha.
Fiona não conseguiu conter seu choro por mais tempo. Ela percebeu
o que ele pretendia fazer a segunda ele colocou as mãos sobre si mesmo, e
ela queria. Era como se suas mãos e seu sêmem lavassem a sensação das
mãos dos sequestradores sobre ela. Quando ele disse que era dele, ela
sentiu-se perdida.
Fiona caiu em cima de Hunter, batendo as mãos do peito no processo.
A sensação de seu peito contra o dela só a fez chorar mais. Ela precisava
desse tipo de conexão há tanto tempo. Ela vagamente sentiu os braços de
Hunter contra suas costas, puxando-a para dentro dele acalmando sua
espinha. Fiona não tinha medo de Hunter, não tinha medo do que suas mãos
lhe fariam. Estar nos braços de Hunter, estava certo.

Depois de uma longa sessão de choro, Fiona levantou a cabeça, mas


Hunter não permitiu que ela separasse seus corpos mais do que isso. Ela
olhou nos olhos de Hunter e disse o que estava em seu coração. - Sua.
Fiona viu os lábios de Hunter enrolados em um sorriso satisfeito. -
Pode ter certeza.
Ela sorriu de volta, sentindo-se satisfeita pela primeira vez em muito
tempo.
- Você quer tomar banho ou dormir?
- Nós temos tempo?
- Sim.

O banho significava lavar seu cheiro. A decisão foi fácil. - Dormir.


- Droga, mulher. - Cookie soprou, colocando a mão na parte de trás da
cabeça de Fiona e puxando-a de volta para o abraço dele. - Eu amo que você
não quer me lavar. Dormir então. Vamos tomar banho quando acordarmos.
Depois de tomar banho, precisamos sair. Você está voltando para a
Califórnia comigo, você não está?
Fiona podia ouvir a insegurança na voz de Hunter e odiava. Ela não
queria que ele estivesse inseguro sobre ela ou a relação que obviamente
estavam começando. Ela apressou-se a tranquilizá-lo. - Sim. Se eu tiver que
começar de novo, eu prefiro começar de novo, no mesmo lugar onde você
está, para que possamos ver se o que quer que seja... - ela fez um gesto entre
eles. - ... vai durar.
- Oh, vai durar, Fee. Você não está se afastando de mim. - Cookie disse
com um sorriso, mas ele obviamente quis dizer todas as palavras. Sua
sinceridade tocou-a em voz alta e clara.
- Obrigada, Hunter.
- Você não tem que me agradecer, Fee.
- Eu sei que você pensa isso, mas eu faço. Eu nunca vou parar de
agradecer você, enquanto eu viver.
- Contanto que você não esteja confundindo o que temos aqui, com
gratidão.

Irritada, Fiona se apoiou. - A sério? Depois do que aconteceu? Você


acha que foi um trabalho de mão de agradecimento?
- Shhhhh. Não, eu não acho isso. - Cookie colocou uma mão no lado
de sua cabeça e lhe acariciou o cabelo. - Eu só... inferno. Eu vou soar como
um adolescente aqui, mas eu só quero que você esteja comigo, porque você
quer, não porque você não sente que tem outra escolha ou porque você é
grata.

Ver Hunter inseguro e incerto era realmente meio fofo, mesmo que
não gostasse de ser a causa disso. Fiona sabia que não era algo que ela veria
muitas vezes. Era a sua vez para tranquilizá-lo. Ela passou a mão sobre a
cabeça de Hunter na parte de trás do pescoço e colocou a testa contra o
dele. - Estou aqui porque não consigo imaginar nenhum outro lugar. Mesmo
quando estive fora da minha cabeça com as drogas, acho que sabia que você
estava aqui perto de mim. Bem, talvez não, quando eu pulei a janela do
banheiro. Mas eu esperava que você pudesse me pedir para ir para casa com
você mesmo antes de saber sobre meu trabalho e meu apartamento. - Com
a satisfação nos olhos de Hunter, Fiona riu. - Isso faz você se sentir melhor?
- Sim, querida, sim. Agora, venha aqui e feche seus olhos. Teremos de
ir em breve, mas por enquanto só quero ficar aqui eu gosto de estar com
você.
Fiona fechou os olhos quando perguntou e se acomodou contra o
peito. Eles estavam pegajosos e era um pouco desconfortavel, mas era real,
e era uma parte dele. Ela ficaria exatamente onde ela estava para sempre,
se isso significasse que ele estaria lá com ela.
Capitulo Quatorze

Benny, Dude, Cookie e Fiona se dirigiram para a saída do aeroporto.


Tex tinha conseguido para todos eles um voo comercial fora do aeroporto
de Dallas/Fort Worth mais tarde naquela noite. A identificação estava à
espera de Fiona quando chegaram ao balcão, como se fosse magia.
Cookie só podia balançar a cabeça com admiração. Tex foi incrível.
Cookie não tinha ideia de como Tex fazia metade das coisas que ele fazia,
mas ele agradeceu suas estrelas de sorte pela milionésima vez que Tex
estava do seu lado. Como eles conseguiram metade das coisas que eles
fizeram sem ele, Cookie nunca saberia.

- Lembre-se, Fee, Wolf e Caroline provavelmente estarão nos


esperando na parte principal do aeroporto. Nós dissemos a ele que
estávamos voltando e ele não podia esperar para ver por si mesmo que você
estava bem. - Cookie segurou a mão de Fiona para tranquilizá-la.

Fiona estava quieta. Ela mal se lembrava do homem chamado Wolf.


Ela sabia que ele estava lá no helicóptero e mais tarde, mas ela mal estava
esperando, e realmente não se lembrou de nada que pudessem ter dito um
ao outro.
À medida que o quarteto seguiu a parte segura do aeroporto e entrou
no terminal principal, Fiona viu um grupo de pessoas parando ao lado. Fiona
sabia instintivamente que estavam esperando por eles. Havia três homens
grandes, quase assustadores, e duas mulheres notáveis.
Benny e Dude fizeram um caminho mais curto para o grupo, mas
Cookie puxou Fiona para uma parada bem longe de seus amigos. Ele a virou
para ele e pegou as duas mãos nas dele. - Se você não quiser encontrá-los
agora, está tudo bem, apenas me avise e iremos pegar um táxi de volta ao
meu lugar. Eu quero que você os conheça quando você se sentir confortável
com isso.
Fiona apertou a mão de Hunter. Deus, ele era tão bom com ela. - Está
tudo bem, Hunter. Quero conhecê-los. Eu preciso encontrá-los. Todos
tiveram uma parte em me salvar.
Cookie trouxe a mão de Fiona para a boca e beijou-a brevemente. -
Forte como o inferno. - ele murmurou em voz baixa, depois viro-os em
direção a seus companheiros de equipe e amigos.
À medida que se aproximavam Fiona pôde ver melhor os homens, ela
percebeu que os reconheceu. Ela não sabia quem era quem, mas
reconhecia-os.
Uma das mulheres se separou de um dos homens e chegou até eles.
- Oh meu Deus, estamos tão felizes por você estar aqui! Eu sou
Caroline e essa grande reta de volta lá é Matthew. - Ao olhar de confusão no
rosto de Fiona, Caroline suspirou drasticamente. - Sim, está bem, você está
saindo com eles... - ela gesticulou para Benny e Dude. - ... então você
provavelmente nunca ouviu o nome real de todos. Alabama e eu tentamos
não usar seus apelidos, preferimos chamá-los pelos nomes deles. Então
Matthew está comigo e ele é Wolf. De pé, há Alabama e Christopher, ou Abe.
Você conhece Benny e Dude, mas Alabama e eu os chamamos de Kason e
Faulkner. Então, por último, mas não menos importante, é Sam, conhecido
como Mozart pelos caras.
A cabeça de Fiona girou. Ela nunca lembraria de todos os nomes deles.
Como lendo sua mente, Caroline riu. - Não se preocupe se você não
consegue lembrar. Demorou-me para sempre mantê-los em linha reta. É
como se houvesse o dobro do número deles quando os caras estão usando
seus apelidos e estamos usando seus nomes reais.
Fiona só podia assentir enquanto Caroline continuava conversando. -
Então, eu não ouvi muito sobre o que aconteceu, só que você foi
sequestrada e resgatada no México e que você era incrivelmente forte. Pelo
menos é o que Matthew me disse. Estou tão feliz que você está bem. Você
ficará com o Hunter? Você tem roupas? Estou feliz de... mmmmf.

Fiona sorriu quando Wolf surgiu e colocou a mão sobre a boca de


Caroline. - Jesus, Ice, dá à mulher a chance de respirar.
- Ice? - Foi a única coisa que imediatamente veio à mente de Fiona.
Hunter inclinou-se para perto da orelha de Fiona e explicou: - Sim,
Caroline ganhou esse apelido quando Wolf a conheceu. É uma longa história,
e tenho certeza de que você vai ouvir mais cedo ou mais tarde da maneira
como Ice fala, mas, por enquanto, talvez possamos sair daqui? - Ele dirigiu a
última parte de suas palavras para seus amigos.
- Claro. Tem alguma malas? - Mozart pediu Cookie, Benny, e Dude.
- Não, Tex providenciou para que nossas coisas fossem enviadas. Você
sabe como é. - disse Dude, enquanto piscava para Fiona.
Fiona sabia que provavelmente não poderiam ter trazido suas malas
no avião com eles desde que foram carregados com armas e sabe-se o que
mais.
- Ótimo. Você e Fiona estão conosco, todos os outros estão com Wolf.
- disse Abe, falando pela primeira vez.

Fiona deu uma olhada na mulher do lado de Abe. Ela estava quieta,
mas estava muito atenta. Ela não tirou os olhos de Fiona desde que eles se
aproximaram. Fiona ficou extremamente nervosa. Ela nunca tinha sido boa
em fazer amigos e realmente queria que essas mulheres gostassem dela.
Fiona sabia que se ela tivesse a chance de fazer o que fosse que ela tivesse
com o trabalho de Hunter, ela teria que se dar bem com as mulheres de seus
colegas de equipe.
Antes que todos se afastassem, Caroline afastou-se do aperto de Wolf
e abraçou Fiona com força. Fiona não pôde deixar de endurecer no abraço.
Caroline levantou a mão quando Hunter deu um passo para Fiona. - Eu sei,
provavelmente ultrapassei meus limites lá, mas estou tão feliz que você está
aqui e com o Hunter. Ele merece o melhor, e do pouco que ouvi, é você. Não
posso esperar para me sentar e conhecê-la melhor. Alabama e eu
precisamos de alguém novo para fofocar.
- Jesus, Ice. Saia daqui - Cookie repreendeu com uma risada,
agarrando a mão de Fiona e puxando-a de volta ao seu lado, com a mão em
volta da cintura e descansando no quadril.
Caroline riu com ele, ficou na ponta dos pés e beijou Hunter na
bochecha. - Não queira mantê-la só para si, Hunter.
Cookie apenas balançou a cabeça, quando Caroline e os outros
homens dirigiram-se para a saída. - Vamos, Fee, vamos para casa.
Casa. Fiona gostava do som disso.

Os quatro dirigiram-se às portas do aeroporto, Abe os conduziu pela


garagem de estacionamento e até o jipe. Alabama e Abe chegaram na frente,
e Cookie ajudou Fiona a subir na parte traseira antes de se dirigir para o
outro lado e subir ao lado dela.
Quando eles estavam a caminho da área de estacionamento, Alabama
virou-se de lado em seu assento e falou pela primeira vez.

- Fiona, estou tão feliz que você está bem. Christopher me contou um
pouco sobre o que aconteceu e não consigo imaginar o que você passou. -
Sua voz era calma e calmante.

- Obrigada, Alabama. Eu agradeço. Estou feliz que eu também esteja


bem. - Fiona sorriu para a mulher no banco da frente. Parecia ser o oposto
total de Caroline, quieta e reservada, mas Fiona gostou dela imediatamente.

- Como disse Caroline, se você precisar de alguma coisa, não hesite


em chamar um de nós. Pode ser difícil estar com um SEAL e precisamos ficar
juntas.
Abe falou disso. - Ei, não somos tão mal.
- Uh, sim, às vezes você é. - Alabama discordou.
Os dois riram. Fiona sorriu. Eles pareciam estar à vontade. Se ela
conhecesse algum dos homens da equipe de Hunter sozinha em um beco
escuro, ela teria ficado apavorada, mas encontrá-los todos juntos e ver o
quão perto eles estavam, fez uma enorme diferença.
- Obrigada, Alabama. Eu tenho certeza que vamos ter muito tempo
para sair. - Eles sorriram um para o outro.
Os quatro fizeram conversas fiadas enquanto Abe seguiu o caminho
para o apartamento de Hunter. Puxando para cima, ele não desligou o
motor, mas virou-se em seu assento para olhar para Fiona.
- Eu tenho que repetir o que os outros disseram, Fiona. Você não sabe
o quanto estamos felizes que você está bem. Eu estava lá, eu sei o que vi.
Obrigado por salvar a vida de Cookie. Você não tem ideia do que isso significa
para todos nós. Você é da família agora. Você precisa de alguma coisa, tudo
o que você precisa fazer é pedir. Não me importa o que é. Você quer um
carro? Basta pedir. Você precisa de dinheiro? Mesma coisa. Se você precisa
de um advogado, um ouvido ou uma maneira de sair do lugar de Cookie,
estamos apenas a um telefonema de distância.

- Que diabos, Abe? - Cookie rosnou do lado de Fiona.


Abe ergueu a mão para impedir qualquer outra coisa que Cookie
pudesse dizer. Fiona ficou a olhar entre Hunter e Abe em confusão. Ela
pensou que eles eram amigos. Por que ele estava dizendo sobre o
Hunter? ele estava advertindo-a para ficar longe dele?
- Eu não estou insinuando que você vai querer se afastar dele, Fiona.
De todos nós, Cookie é o mais sensível e, ouso dizer, atencioso. Mas estou
tentando fazer um ponto aqui. Aprendi minha lição com Alabama e os erros
que cometi. Minha equipe intensificou quando eu a decepcionei. Aprendi o
verdadeiro significado da família. A família apoia e confia
incondicionalmente. Você não está mais sozinha, Fiona. Inferno, se alguém
não tiver ouvido falar de você em duas horas, começaremos a tentar entrar
em contato com você. Compreende? Você não está sozinha.
Fiona assentiu. Ela só podia assentir. Se ela tentasse falar, ela
explodiria em lágrimas. Ninguém em sua vida antiga notou ou se importou
que tivesse desaparecida sem dizer uma palavra. Abe estava lhe dizendo que
isso não aconteceria aqui. Ela nem conhecia essas pessoas, mas eles tinham
demonstrado mais compaixão para ela do que qualquer um desde que ela
tinha sido uma criança.
- Vamos, Fee, vamos para casa.
Casa. Jesus, que parecia ótimo. Fiona acenou com a cabeça para
Hunter e voltou-se para Abe e Alabama. - Obrigada. - Foi tudo o que ela podia
dizer no momento através do enorme nódulo na garganta, mas parecia ser
o suficiente.
Cookie abriu a porta do lado do jipe e não soltou a mão de Fiona. Ela
teve que se deslizar pelo banco para que ela pudesse segui-lo.
- Obrigado, cara. Vejo você mais tarde. - Fiona observou enquanto
Hunter e Christopher se deram um ao outro um levantar de queixo vigoroso
para se comunicar de forma não verbal, então ela estava sendo puxada para
o prédio de apartamentos. Ela olhou para trás uma vez para ver Alabama se
inclinar e beijar seu homem apaixonadamente. Fiona sorriu. Ela não havia
dito mais do que algumas palavras para a mulher, mas gostou dela.
Pararam na frente de uma porta no segundo andar. Cookie virou-a
para que estivessem de frente para o outro. - Eu vou me desculpar agora
antes de entrar, Fee. Recentemente, mudei para fora do quartel e o
apartamento ainda não está totalmente mobiliado. - Com suas sobrancelhas
levantadas, Cookie continuou. - Ok, então não há muito aí, exceto por uma
cama, um sofá e uma televisão enorme, mas o que você precisar ou quiser,
podemos conseguir. OK? Não enlouqueça.
Fiona riu. - Cookie, sério? Eu não ligo. Acabei de passar três meses
numa maldita cabana no meio de uma puta selva no México. Tudo o que
você tem é mais do que eu tenho agora e é um milhão de vezes melhor do
que onde eu estava. Está bem.
Cookie odiava ser lembrado do inferno que Fiona tinha passado, mas
entendeu o seu argumento. Tentando manter as coisas claras, ele disse: - Eu
vou lembrá-la de que você disse isso quando você vê e estiver reclamando
sobre o apartamento de solteiro.
Cookie tirou as chaves do bolso e destrancou a porta do apartamento
e viu como Fiona entrou em sua casa. Ele observou enquanto ela obserava a
sala de estar. Não era muito, como ele havia avisado. O sofá de couro estava
confortável como o inferno e, claro, a televisão de cinquenta e quatro
polegadas ocupava a maior parte de uma parede. Caso contrário, era
bastante simples. Não havia fotos nas paredes e Cookie nem tinha comprado
um tapete para colocar no chão de madeira. Não havia uma mesa e sem
brincadeiras curiosas sentadas ao redor. Inferno, Cookie poderia até ouvir
um eco quando Fiona atravessou a sala.
Ele observou enquanto caminhava direto para a porta de vidro
deslizante que se abriu para uma varanda. Fiona apertou as mãos contra o
copo e olhou sem dizer uma palavra. Cookie trancou a porta da frente e
jogou as chaves no balcão enquanto caminhava pela cozinha para chegar até
ela. Cookie colocou os braços em volta da cintura de Fiona quando ele
apareceu atrás dela.
- O que você está pensando, Fee?
- Esta é a vista mais surpreendente.
- É por isso que eu escolhi o apartamento. Havia maiores no complexo,
mas eu gostei da ideia de ser capaz de me sentar na varanda e tomar uma
cerveja ou comer o jantar, e vendo tanto a praia e as montanhas, ao mesmo
tempo, à distância.
Fiona virou em seus braços e encostou o rosto contra o peito de
Hunter e se aconchegou contra ele. - É lindo. Eu não acho que eu veria algo
como isso novamente. Eu pensei…
- Shhhh, eu sei.
Ficaram calados por um longo tempo. Finalmente Cookie afastou. -
Vamos, Fee, vamos para a cama. Nós vamos ter alguns longos dias
chegando. Precisamos fazer com que você se estabeleça, e eu preciso ter
certeza de que o que você precisa. Se eu conheço que Caroline direito, ela
vai aparecer aqui tão cedo quanto Wolf vai deixá-la fora da casa. Ela vai
querer levá-la para compras.
Fiona olhou para Hunter e assentiu. Ela estava cansada. Ela não
conseguia pensar em nada que quisesse ou precisasse mais naquele
momento, do que aconchegar-se ao lado de Hunter em sua cama. Como
diabos ela poderia querer, depois de tudo o que aconteceu no México, Fiona
não fazia ideia, mas lá estava.
Os pensamentos de Cookie eram muito parecidos com os de Fiona.
Ele queria ver Fiona em sua cama. Não em uma cama emprestada, nem no
chão no meio da maldita selva, mas nos lençóis em sua casa em sua cama.
Chame-o de um troglodita, mas ele precisava disso.
Capitulo Quinze

Cookie estava certo. Houve uma batida na porta às dez horas da


manhã seguinte. Felizmente, eles estavam preparados e prontos. Cookie
olhou pela porta e viu que era realmente Caroline, mas ficou surpreso ao ver
Alabama com ela. Ele abriu a porta e deu as boas-vindas às mulheres lá
dentro.
- Estou surpreso que Wolf deixa você tão cedo, Ice.
- Ha, ha, muito engraçado, Hunter. Você sabe que ele me forçou a ficar
longe até agora. Queria estar aqui às oito.
- Oh, tenho certeza de que ele não precisava forçar você, Ice. - Cookie
riu quando Caroline corou.
- Sim, bem, talvez ele não tenha que me convencer muito.
- Eu aposto que foi difícil.
Fiona riu alto na maneira cômica que as cabeças de Hunter e Caroline
se elevaram com as palavras de Alabama.

- É sempre o mais quieto que você tem que tomar cuidado. - disse
Fiona, ainda rindo.
Caroline apareceu e passou o braço pela cintura de Fiona. - Eu gosto
de você, Fiona. Eu acho que você vai se encaixar com a gente. Você está
pronta para gastar algum dinheiro?

Com suas palavras e ações, Fiona ficou rígida. Merda. Ela queria passar
algum tempo com elas, mas não tinha dinheiro.
Ao ver o corpo de Fiona ficar apertado, Cookie jurou. Ele já deveria ter
falado sobre isso com Fiona. - Posso falar com a Fee por um segundo, Ice? -
Cookie não deu a Caroline a chance de concordar ou discordar, e pegou a
mão de Fiona e puxou-a para a cozinha.
Quando Fiona abriu a boca para falar, Cookie cobriu com a mão
levemente. - Ouça-me por um segundo, Fee. Lembra-se quando eu disse que
você era minha? - Esperando por ela acenar com a cabeça, Cookie
continuou. - Esta é uma parte do que isso significa. Eu tenho dinheiro. Eu
tenho muito dinheiro. Olhe em volta. Eu vivo simples, tenho poucas
obrigações fora do meu dever para o meu país. Eu tenho muito dinheiro, e
você gastando em roupas e outras bugigangas não vai mesmo fazer
diferença.

Fiona torceu a cabeça para desalojar a mão de Hunter sobre a boca.


Ele soltou imediatamente. - Eu não gosto de tirar seu dinheiro, Hunter.
Cookie suspirou. - Como eu sabia que você iria dizer isso? Ok, aqui está
o acordo. Lembra-se de ter falado sobre Tex? - Quando Fiona assentiu,
Cookie continuou. - Bem, Tex é bom no que ele faz. Você não está mais
quebrada, Fee. - Quando ela apenas olhou para ele incompreensivelmente,
Cookie tentou novamente. - Tex é um gênio da computação. É quase
assustador as coisas que ele pode fazer. Ele arranjou para que você não
esteja quebrada. Você não é rica, mas também não está quebrada.
- Você está dizendo que ele colocou dinheiro na minha conta... - A voz
de Fiona caiu para um sussurro como se a polícia estivesse de alguma forma
ouvindo, entrando e exigindo saber onde Tex estava para que ele pudesse
ser preso. - ... ilegalmente?
- Eu não acho que eu colocaria assim. Mas digamos que ele decidiu
que não estava certo que você tenha sido demitida, então ele providenciou
para que o dinheiro que você tenha feito ao longo do tempo que esteve no
México foi depositado em sua conta... além de juros.
- Mas, eu também não posso aceitar esse dinheiro, Hunter. Não está
certo.
Cookie suspirou e puxou Fiona para dentro de seus braços. Parecia
que ele sempre estava puxando-a para dentro de seu peito, mas ele amava
a sensação dela lá e não parecia incomodá-la. - Acredite, Fee, tentamos
controlar Tex, mas ele faz o que ele acha certo. Se você pagá-lo de volta, ele
se virará e fará algo maior. Acredite em mim, tentamos. Depois que Tex usou
seus contatos para descobrir onde os terroristas tomaram Caroline, Wolf
enviou-lhe um buquê de flores, sabendo que era coxo e não muito viril para
enviar flores do SEAL, mas não sabia como agradecer o homem. Wolf
mandou isso como uma língua maternal, obrigada, mas Tex virou-se e
ordenou duas dúzias de rosas para ser entregues todos os dias durante duas
semanas para a casa de Wolf. Todos aprendemos que um simples "obrigado"
é suficiente quando se trata de Tex.
- Sequestrada por terroristas? - Fiona disse com incredulidade.
- Foco, Fee. - Cookie a repereendeu em brincadeiras. - É meu dinheiro
ou o seu.
- Não posso usar dinheiro ilegal.
- Então, pegue meu cartão hoje. Você não vai me falir. Eu prometo.
Mesmo que Caroline a leve a Louis Vuitton e você compre o lugar todo. OK?
- Você sabe mesmo quem é Louis Vuitton?
- Fee…
Fiona assentiu. - Ok, ok, mas estou guardando todos os recibos e, se
eu tiver muito, vou retomar.
Cookie apenas balançou a cabeça para Fiona. Ela era inacreditável, de
uma boa maneira. Toda namorada que ele tinha tido em sua vida tinha
saltado a chance de ele pagar seu caminho. Fiona era incomum em todos os
sentidos. - Beije-me antes de voltarmos lá. Eu preciso de você.
Fiona estava na ponta dos pés e não hesitou. Ela alcançou Hunter
assim que as palavras saíram de sua boca. Não foi um beijo fácil; Era cru e
sensual como o inferno.
Cookie devorou a boca de Fiona. Ele não segurou nada de volta. Ele
queria que Fiona soubesse o quanto ele precisava e a queria. Mesmo que
fosse anos antes, ela estaria psicologicamente pronta para fazer amor com
ele, ele esperaria o tempo que levasse.
Fiona sentiu arrepios abater os braços enquanto Hunter a beijava. Ele
fez amor com a boca dela. Sua língua entrando e saindo imitou o ato de fazer
amor. Hunter a provou, passou a língua pelos dentes e enrolou-a
intimamente. Fiona sentiu que uma de suas mãos se movia debaixo da
camiseta e subia as costas.
Sua mão era áspera e quente. O arrepio que estava em seus braços,
moveu-se para as pernas. À medida que a língua de Hunter se fundia com a
dela e empurrou-a na boca, sua mão se moveu o seu lado e a aproximou
dela. Fiona sentiu sua almofada do polegar contra o lado de seu peito sem
sutiã, em seguida moveu uma fração de polegada para escovar sobre seu
mamilo. Ele imediatamente enrijereceram ao seu toque. Assim como Fiona
arqueou suas costas para incentivar Hunter a continuar, Caroline chamou da
outra sala.
- Venham vocês dois! Não comecem nada que você não possam
terminar! Estou pronta para comprar!
Fiona assustou-se mal e puxou para trás com um suspiro.
Cookie jurou, mas não soltou Fiona.
- Calma, Fee. Está tudo bem. - Cookie podia sentir sua respiração
difícil, fosse de se assustar ou de suas ações, ele não tinha certeza. Cookie
não moveu imediatamente a mão. Fiona era macia e quente e ele não queria
nada além de tirar a camiseta e adorar seus seios com a boca. Ele desejou
ter feito isso antes, mas sabia que eles teriam todo o tempo do mundo para
chegar lá.
- Eu queria que você estivesse sem sutiã todos os dias, mas suponho
que essa seja sua primeira parada, não é? - Cookie riu quando Fiona corou.
- Relaxe. Caroline não entrará. Esperamos até você estar pronta.
- Se você não mover a mão, talvez nunca esteja pronta. - Fiona riu de
si mesma.
- Eu gosto da minha mão aqui.
- Eu posso dizer.

Eles ficaram parados olhando um para o outro por um instante antes


que Cookie movesse a mão longe de seu peito, e baixasse até a cintura. -
Certifique-se hoje, Fee. Caroline e Alabama têm meu número de celular se
você precisar de alguma coisa. Não tenha medo de pedir-lhes que me
liguem. Eu vou pegar um celular para você hoje enquanto você está
comprando. Vou colocá-lo no meu plano. E antes de perguntar, não vai
custar muito para adicioná-lo. Obtenha o que precisa e o que não precisa.
Você não tem ideia do que significa para mim saber que você está
caminhando em roupas que eu paguei. É troglodita, mas é assim que me
sinto.
Fiona corou e rindo empurrou para ele. - Você homem, eu mulher. -
Ela provocou.
- Minha mulher. - Hunter respondeu semi-sério.
Fiona apenas balançou a cabeça e ficou de pé na ponta dos pés para
beijar Hunter rapidamente nos lábios. - Vou ligar se eu precisar de você. Vejo
você mais tarde?
- Você vai me ver mais tarde.
Cookie segurou a mão de Fiona quando eles saíram da cozinha e
voltaram para o corredor onde Alabama e Caroline estavam esperando por
eles.
- Eita, vocês são piores do que eu e Matthew já fomos.

- Uh, não, eles não são. - respondeu Alabama imediatamente. -


Lembro-me de mim e Christopher esperar por vocês por vinte minutos e
finalmente acabar de sair sem você porque você se distraiu e acabou deitada
na cama.

Fiona riu enquanto Caroline corava. Ela teria que se lembrar de não
chegar ao lado ruim de Alabama. Parecia que a mulher tinha uma maneira
de se lembrar e lançar morto - em um forro como ninguém que já tinha visto.

- De qualquer forma, vamos! Eu não fiz compras por uma semana! -


Caroline tentou tirar a conversa sobre ela e sua própria vida sexual e de volta
às compras.

Todos riram e eles se dirigiram para a porta. Fiona olhou para trás
quando ela saiu e viu Hunter parado exatamente onde ele estava quando
eles voltaram para o corredor. Seus olhos se encontraram e ele piscou para
ela e falou: - Eu vou te ver mais tarde.
***

Fiona caiu no sofá no apartamento de Hunter. Jesus, ela não tinha


ideia do que ela tinha estado no momento em que ela saiu naquela manhã
com Caroline e Alabama. Ela achou que teria que controlar Caroline, mas
Alabama era a única que assumiu o controle de suas compras. Ela as arrastou
de uma loja para outra. Elas haviam enchido o carrinho com todos os tipos
de roupa e as outras mulheres até insistiam em incluir roupas de baixo e
sutiãs sexy. Quando Fiona estava pronta para ligar, Alabama insistiu em
visitar "apenas mais uma loja." Claro que essa loja se transformou em cinco.
Fiona gastou muito mais dinheiro do que planejava. Ela iria comprar
uma roupa ou duas, alguns jeans, camisetas e algumas roupas de algodão e
sutiãs e calcinhas de algodão. Quando ela disse tanto para Alabama e
Caroline, elas se opuseram fortemente, então simplesmente ignoraram seus
desejos para o resto do dia.
Fiona sabia que era a pessoa tranquila que tinha que prestar atenção.
Alabama não foi um empurrão, não importa o que sua primeira impressão
possa fazer alguém pensar. Quando eles estavam empurrados por um
homem que não estava a ver onde ela estava indo, Alabama despedaçou-se
nela, e ela havia caído por completo se desculpando antes de escapar.
Depois de fazer compras, Caroline e Alabama trouxeram Fiona para
um lugar chamado Aces Bar and Grill. Elas disseram que era o bar favorito
da equipe e que eles iam lá todo o tempo para almoçar, ou jantar, ou mesmo
para bebidas à noite.
Elas tiveram um almoço sem valor nutricional, mas estava delicioso.
As outras mulheres a apresentaram a uma garçonete chamada Jess, que elas
disseram que estava sempre lá e era, em suas palavras, incrível. Entre servir
os outros clientes, Jess riu com elas e contou-lhes algumas histórias
engraçadas sobre alguns dos outros regulares que fizeram os jumentos deles
em uma base quase que noturna.
Fiona perguntou a Caroline o que estava errado com a linda
garçonete, quando notou que ela mancava, mas Caroline tinha encolhido os
ombros e dissera que nunca tinham perguntado.
Depois de ter ido durante a maior parte do dia, as mulheres
finalmente levaram Fiona de volta ao lugar de Hunter. Foi surpreendente o
quão cansativo foi o dia de compras e risos.
Fiona fechou os olhos e sentiu-se relaxada. Ela se levantou em apenas
um segundo e viu o que poderia fazer para o jantar. Fiona sabia que Hunter
ficaria com fome quando ele chegasse em casa e queria fazer algo legal para
ele. Afinal, ele tinha feito uma série de coisas agradáveis para ela
ultimamente e Fiona queria garantir que Hunter soubesse que ela o
apreciava.
Cookie fechou a porta alto atrás dele. Ele não queria surpreender
Fiona e assustá-la no processo. Quando ele não ouviu nada, ele andou
cuidadosamente na sala de estar. Ele não viu Fiona, mas viu uma tonelada
de sacos de compras espalhados. Ele sorriu. Deus ele amava Caroline e
Alabama. Ele sabia que elas não deixariam Fiona poupar em fazer compras.
Ele tinha que ser o único homem vivo que adorava saber que sua mulher
acabava de gastar uma fortuna em roupas e outras utilidades feminina.
Ele deu a volta ao lado do sofá e sorriu ainda mais brilhante. Fiona
estava esparramada no sofá, adormecida. Sua cabeça estava ao lado e um
dos braços dela foi jogado e pendurado sobre a borda. Cookie sentou-se ao
lado de seu quadril e massageou suas costas. Ele queria acordá-la
lentamente para que ela não estivesse assustada.
- Fee? Acorde, querida. - Cookie continuou esfregando suas costas,
mas colocou um pouco mais de pressão sobre ela. - Vamos,
dorminhoca. Você comeu?
Fiona lentamente despertou. Sem abrir os olhos, ela sabia que Hunter
estava lá com ela. Ela podia sentir o cheiro dele, para não mencionar os
arrepios à mão nas costas dela foi aumentando. Ela arqueou um olho aberto
e olhou para ele.
- Estou acordada. Que horas são?
- Cerca de sete. Você está com fome?
- Oh merda! - Fiona sentou-se tão rapidamente que mal perdeu
batendo a cabeça em Hunter. Ela nem percebeu, mas continuou com seu
discurso. - Eu estava indo fazer o jantar para você! Eu sinto muito, Hunter! O
que você quer? Você está com fome?
- Whoa, devagar, Fee. Você não tem que me fazer o jantar. Estou
emocionado eu vou começar a fazê-lo com você. Eu realmente nunca fiz isso
antes.
Fiona olhou para Hunter. - Mesmo?
- Mesmo.
- Mas eu queria te agradecer por tudo que você fez para mim. E eu só
queria... você sabe?
- Você me agradecerá todos os dias por estar aqui comigo. Por ser
minha. Mas eu sei. Eu quero fazer coisas para você todos os dias
também. Diga-me que, se você nunca se sentir mal por não ter o jantar
pronto quando eu chegar em casa, eu vou deixar você fazer isso de vez em
quando.

- Deixar- me?
- Sim. Deixar você.
Eles sorriram um para o outro. Cookie estendeu a mão e ajudou a
Fiona ficar de pé.
- Eu vou comprometer-me com você, Hunter. Vou preparar o jantar
com você, se você me ajudar a decidir o que fazer destas porcarias que
Alabama e Caroline me obrigaram a comprar hoje, o que devo manter e o
que eu devo devolver. - Fiona disse a ele a sério.
- Isso é fácil, mantenha tudo isso.
- Hunter, você ainda nem viu nada disso.

- Eu não preciso. Se essas duas obrigaram a comprá-las, eu sei que fica


bem em você.

Fiona apenas balançou a cabeça. - Você é Insano.


Cookie beijou o topo da cabeça de Fiona e passeou na cozinha. -
Insanamente feliz que você está aqui comigo.

***

Fiona ficou estranhamente ao lado da cama. Hunter já estava na cama


e tinha um lençol cobrindo o colo. Fiona sabia que estava nu debaixo disso e
ela queria muito jogar as cobertas e atacá-lo, mas sabia que não ia.
Ela usou a nova camisola que as meninas tinham insistido em comprar,
junto com calcinhas combinando. Embora estivesse adequadamente
coberta, Fiona ainda se sentia na maior parte nua. Ela hesitou ao lado da
cama, sem saber se ela deveria escorregar para a cama ao lado de Hunter
com a camisola ou se ela deveria retirá-la.
Hunter decidiu por ela, estendendo a mão. - Venha aqui, Fee.
Fiona colocou um joelho no colchão e foi se deitar. Hunter agarrou
seu braço e puxou. Ela caiu contra ele e rapidamente entrou debaixo do
lençol e esticou as pernas para fora até se encolher com as dele.
Cookie podia sentir o coração de Fiona batendo forte contra seu peito.
- Relaxe, querida. Você está segura.
- Não sei o que fazer.
- Você não precisa fazer nada. Apenas esteja aqui comigo. Nós
descobriremos juntos. OK?
- OK.
Depois de alguns minutos, Fiona balançou contra Hunter. Ela podia
sentir o cabelo nas pernas esfregando contra as dela. Isso deveria ter trazido
boas lembranças, mas, em vez disso, tudo o que ela poderia pensar era a
outra noite, quando ele explodiu em sua mão.

Fiona lentamente moveu sua mão contra seu peito, lembrando a


sensação de que os mamilos de Hunter se endureciam sob seus toques.
Cookie ergueu uma mão e colocou-a sobre ela no peito. - Eu amo suas
mãos em mim, Fee, mas eu quero dar prazer a você esta noite. Você vai me
deixar?
- Eu não sei se posso.
- Que tal, começamos devagar, e se eu fizer qualquer coisa que torne
desconfortável, vou parar.

Fiona assentiu. - Eu confio em você, Hunter.


- Eu não vou trair essa confiança. - Cookie moveu uma mão para a
parte de trás do pescoço de Fiona e se inclinou para beijá-la. Ele manteve o
beijo leve, não querendo assustá-la. Ele usou a outra mão para deslizar para
cima e para baixo em seu corpo, acalmando-a. Ele manteve seu toque em
cima de sua curta camisola, que tinha subido para expor sua calcinha, não se
aprofundando debaixo dela. Ele podia sentir Fiona se contorcendo debaixo
dele. Finalmente, quando ela gemeu, Cookie moveu a mão, apenas a ponta
dos dedos destacando-se sob o tecido frontal de sua calcinha.
- Você sabe o quão bom você se sente, Fee? Você é tão suave. Você
foi feita para minhas mãos. Não posso esperar para te provar. Aposto que
você tem um gosto tão doce. Você vai explodir tão forte quando eu colocar
minha língua em você, não vai?
Fiona estremeceu com suas palavras. Deus, Hunter sentiu-se bem.
Suas palavras a deixavam louca. - Por favor, Hunter. Por favor. - Ela não tinha
ideia do que ela estava implorando, mas ela precisava de algo. Ela precisava
de mais.
- O que você quer, querida?
- Mais.
- Mais? Mais de meus beijos? Minhas mãos em você?

- Sim. Tudo isso.


Cookie adorava fazer Fiona sentir assim. Ele realmente não queria que
ela implorasse, mas ele também queria ter certeza que ela queria,
queria ele . Ele moveu os dedos para trás e para a frente logo abaixo do cós
de sua calcinha. Ele podia sentir o calor vindo de seu núcleo. Ele se inclinou
e beijou-a novamente e moveu a mão para que ele estivesse cobrindo seu
montículo, mas em cima da calcinha.
Cookie esfregou contra Fiona enquanto a beijava, sua língua imitando
os movimentos de sua mão. Ele apertou a palma de sua mão contra seu
clitóris e não podia negar o deleite que seu grito de prazer lhe deu.
Fiona jogou a cabeça para trás e agarrou o pulso de Hunter enquanto
ele moveu a mão contra ela.
Cookie parou, sem saber se ela queria que ele continuasse ou parasse.

- Não pare. Deus, não pare.


Ele sorriu. Graças a Deus. Cookie esfregou contra Fiona cada vez mais
duro, enquanto alternava beijando seu rosto e mordiscando seu pescoço.
- É isso, Fee. Esfregue contra mim. Você se sente tão bem, você é tão
quente. Você está indo bem. Você é tão sexy.
Cookie pode sentir que Fiona estava perto de gozar. Ele tinha manter
sua eração longe dela, não querendo assustá-la, mas agora ele se deixou
escovar contra ela.
- Sinta o quão duro eu estou. Você fez isso. Você é tão sexy. Eu estou
indo com você, Fee. Apenas assistir você me faz perder a cabeça. Sinta-me.
Ele soltou seu pescoço com a outra mão e trouxe-o contra o
peito. Cookie mexeu um mamilo que já estava apontando para cima através
do tecido de sua camisola. Ao mesmo tempo, ele se inclinou e soprou em
seu ouvido, em seguida, chupava o lóbulo na boca duramente. - Goze para
mim, Fee. Goze agora.
Fiona quebrou. As costas arqueadas e ela gritou em êxtase. Ela não
conseguia se lembrar da última vez que tinha um orgasmo tão difícil... ou se
ela já teve. Ela mal conseguia lembrar seu próprio nome, no entanto,
qualquer coisa ou pessoa que veio antes de Hunter. Quando Fiona voltou à
realidade, ela podia sentir o rosto de Hunter contra seu pescoço e ele estava
respirando com dificuldade. Ela também sentiu a umidade contra seu
quadril.

- Ual.
Cookie riu. - Ual, de fato. Apenas assistir você me fez perder isso
também.
Fiona abriu os olhos e olhou nos olhos de Hunter, que foram trancados
nos dela. - Você fez?
- Eu fiz. Seu cheiro, a sensação de seu calor. É tão malditamente sexy,
não pude evitar. Quando nos juntamos de forma real, vamos ser
fodidamente combustíveis. Não vamos sair da cama por dias.
Fiona só podia sorrir para Hunter. Suas palavras a deixaram relaxada.
Ele não achou que ela fosse uma aberração e, aparentemente, ele realmente
não queria levá-la a uma intimidade mais profunda que ela sabia que não
estava pronta.
- Vamos, tanto quanto eu amo minha marca em você, você não pode
dormir nesta camisola molhada. - Cookie saiu da cama, completamente
inconsciente sobre seu corpo nu. Ele entrou em seu armário e Fiona o ouviu
chamar de volta para ela. - Onde você colocou suas camisolas? Quero ver
você de vermelho.
- A segunda gaveta à esquerda. - gritou Fiona, Hunter estava
completamente arrumado, trazendo-lhe uma nova camisola para vestir. Ela
nunca esteve com um cara que se incomodou em cuidar dela de qualquer
maneira após o sexo.
Fiona observou enquanto Hunter voltou para o quarto.
- Vamos lá, saia.
Fiona puxou o lençol para trás e saiu, envergonhada pela mancha
molhada cobrindo a frente de sua camisola. Por que ela estava
envergonhada, ela não fazia ideia, especialmente considerando que ela não
era a única que a deixou lá.
Cookie sorriu para ela. Deus, ela era fofa. - Bravo.

Fiona fechou os olhos e fez o que Hunter falou. Ele acabou de fazê-la
gozar, não importa se a visse nua, e ele também tinha visto seus seios. Não
era nada que ele não tivesse visto um milhão de vezes em outras mulheres
também. Pelo menos foi o que Fiona tentou dizer a si mesma.
Cookie tentou manter seu toque tão clínico quanto possível. Ele
segurou o fundo de sua camisola suja e puxou-a sobre sua cabeça. Ele podia
sentir seu coração acelerar. Ele se perguntou pela milionésima vez como ela
havia sobrevivido ao inferno que tinha atravessado no México. Ela parecia
muito frágil para ter conseguido passar por isso.
- Mantenha os braços eretos, Fee. Dê-me um momento e eu terei você
coberta em um segundo.
Sabendo que ele não poderia prolongar a sua cura, não importa o
quanto ele deseje, Cookie colocou a camisola vermelha sobre a cabeça de
Fiona e puxou os braços pelas alças. Ele caiu sobre seus quadris com um
zumbido. Agora, para a parte difícil.
Uma vez que a camisola cobriu os quadris e caiu até a metade da coxa,
Cookie agarrou suas roupas íntimas e deslizou-as pelas pernas sem avisá-la,
mantendo-a coberta o tempo todo.
Fiona gritou quando sentiu que a roupa intíma cair até os tornozelos.
- Saia, querida. Tenho um novo par para você. Estas estão
encharcadas. - Cookie manteve a voz baixa e controlada e não ameaçadora.
Fiona fez o que Hunter pediu, sabendo que ela estava vermelha
brilhante.
- Deus, eu adoro quando você cora. Eu acho que o vermelho vai do
seu rosto até os dedos dos pés. - Cookie provocou, tentando manter a mente
de Fiona fora do que estava fazendo. Ele bateu cada tornozelo quando ele
queria que ela intensificasse e conseguisse colocar o novo par de calcinha no
lugar. Ele não conseguiu resistir a correr as mãos sobre as bochechas e as
costas das coxas antes de se levantar.
- Vamos, de volta à cama.
Eles se arrastaram de volta para a cama, e não escapou do aviso de
Fiona de que Hunter tomou o lado da cama que tinha o ponto úmido. Ela se
aconchegou em seus braços e suspirou.
- Para o que foi o suspiro?

- Estou tão feliz. É difícil acreditar que duas semanas atrás, eu estava...
- Não termine a frase.
- Mas...

- Eu não quero imaginar você lá novamente. Isso me mata.


- Está tudo bem, Hunter. Eu ia dizer que eu não acho que eu estive
mais feliz em toda a minha vida e, de alguma forma distorcida, eu estou feliz
que eu fui sequestrada, apenas porque ele trouxe você para mim.
- Jesus, Fee. Eu não posso... eu não...
Foi a vez de Fiona que o ajudasse. - Está tudo bem, Hunter. Não vou
voltar a falar, eu juro.
Naquela noite, Cookie acordou mais uma vez quando Fiona teve outro
pesadelo. Nenhuma noite passou sem sonhar sobre o seu cativeiro e ele
odiava fodidamente. Ela nunca falou sobre isso, mas Cookie sabia que tinha
que falar com alguém. Ela não estava se movendo de sua experiência tão
bem como podia, como evidenciado pelos pesadelos que ainda tinha todas
as noites. Não era saudável e, assim como Fiona estava fazendo, Cookie
sabia que ela iria quebrar se ela não conseguisse sair. Por mais que quisesse
ser aquele com quem falava, ele sabia que tinha que levá-la a um
profissional. Ele tinha visto muito em sua vida, mas ele não achava que seria
capaz de lidar com o que ela diria sobre seu tempo no México. Se ela
precisasse dizer a ele, ele iria ouvir, mas, se não, ele nunca queria ouvir isso.
Ele sabia o que aconteceu com as mulheres que foram levadas, destinadas a
ser escravas sexuais, mas ele não podia pensar que sua Fee estava nessa
situação.
Cookie acalmou-a o melhor que podia, e a segurou enquanto chorava.
Como de costume, Fiona nunca acordou completamente, mas voltou a ficar
de braços cruzados sem dizer uma palavra, enquanto ele contava alto para
ela. Cookie sempre começou a cem e contou para trás em direção a um.
Fiona geralmente estava dormindo quando chegava aos oitenta.
Capitulo Dezesseis

As próximas duas semanas passaram rapidamente para Fiona. Ela


passou seus dias com Alabama e Caroline, juntas ou separadamente, e suas
noites com Hunter. Eles tinham passsado mais noites na sua cama, mas não
tinham ido além disso. Fiona queria, mas sabia que ela não estava pronta,
porque cada vez que pensava em fazer algo mais do que tocar, ela se
assustou e não conseguia passar por isso. Fiona estava começando a pensar
que nunca estaria pronta, e isso a mataria. Hunter merecia muito mais.
Hunter começou a incentivá-la a conversar com um profissional. Ele
havia dito a ela que havia um médico na base que tinha experiência em lidar
com o tipo de abuso que ela havia sofrido. Ele até lhe entregou o cartão do
médico. Ele falou com ela e ela concordou em falar com ele quando estivesse
pronta. Fiona não sabia se ela já estava pronta, mas ela carregava o cartão
da mulher com ela onde quer que fosse por caso.
Um dia, quando Fiona estava saindo com Alabama, o seu telefone
celular tocou. As únicas chamadas que ela já recebeu foram de Hunter, e
agora ela tinha amigos. Obviamente, não era Alabama chamando-a,
enquanto estava sentada na frente dela.
- Olá?
- Ei, Fee, é Cookie.
- Hey, Hunter, tudo bem?

- Claro. Sinto muito por ter preocupado você. Você estar com
Alabama em seu lugar?

- Sim.
- Ok, eu estou chegando.
- Tem certeza que está tudo bem?
- Claro. Vejo você em breve?
- Ok, eu estarei esperando.
- Tchau.

- Tchau.
Fiona olhou para Alabama, só para ver os dedos voando em seu
telefone. Ela estava, obviamente enviando mensagens de texto para alguém.
Quando ela terminou, Fiona disse: - Era Hunter, ele disse que estava
vindo para me pegar.
- Ok, sim, tudo bem.
- Você está bem? Era Abe?

Fiona nunca tinha conseguido se lembrar de chamar os outros


homens da equipe pelo nome real. Se alguém ouvia-a falar, eles pensariam
que estava louca porque Caroline e Alabama usavam os nomes reais dos
homens, e Fiona usava seus apelidos. Era como se estivessem falando sobre
pessoas completamente diferentes.
- Uh, sim, Christopher também está voltando para casa.
- Você acha que eles estão bem?
- Sim, tenho certeza que não é nada.
- O que? Você parece esquisita, Alabama.
Alabama suspirou. - Olha, eu tenho certeza que Hunter quer dizer ele
mesmo, mas estou achando difícil manter isso de você.
- Oh meu Deus, o quê? Você está me assustando.
- Eles foram chamados para fora em uma missão. Eles estão partindo
esta noite.
- Hoje à noite ? - Fiona não pôde evitar o tom estridente da voz
dela. Ela respirou fundo e tentou novamente. - Esta noite? Eles estão
partindo esta noite?
- Sim, e provavelmente vou ter meu traseiro chutado por te dizer
antes que Hunter pudesse. Ele provavelmente está nervoso quanto a dizer a
você e sobre deixar você. Eu sei que a primeira vez que Christopher foi em
uma missão depois de nos juntar foi uma bagunça. Só estou lhe dizendo isso
porque acho que você precisa saber agora e não quando pular em você.
Fiona assentiu, embora ela estava apavorada, ela sabia o que quer
Alabama estava prestes a dizer e ela estava falando sério.
- Christopher cometeu erros naquela primeira missão depois de nos
juntarmos. Ele estava preocupado comigo e sua cabeça não estava no lugar
certo. Quando ele voltou... ele... bem, ele me machucou e quase terminamos
para o bem do resultado. - Vendo o pânico no rosto de Fiona, Alabama
apressou-se. - Nós conseguimos isso, então está tudo bem. Só estou lhe
dizendo isso para que você possa fazer o que for necessário para convencer
Hunter, você está bem e ele pode manter a cabeça no jogo.
Fiona assentiu freneticamente. - Sinto muito que você passou por
tudo o que foi, e eu estou tão feliz que vocês dois trabalharam para fora. Eu
não quero Hunter se preocupando comigo. O que posso dizer a ele?
- Você vai descobrir isso. Mas lembre-se que você não está
sozinha. Ele pode estar indo em uma missão, mas você tem a mim e Caroline.
Estamos a sua volta. OK?
- OK. Obrigada por me dizer. Eu provavelmente não teria reagido bem
se eu não tivesse a cabeça para cima. Eu agradeço. Posso te ligar mais tarde?
- Não, não ligue. Basta chegar a sua bunda até Caroline depois que
Hunter partir. Nós vamos ter uma festa do pijama lá para comer muito e
chorar sobre a falta dos nossos homens. Então amanhã vamos fazer compras
e gastar uma tonelada de dinheiro com porcarias. Isso deve manter-nos até
os nossos homens voltar para nós.
Fiona riu enquanto Alabama falou a intenção que tinha.
Houve uma batida na porta. Alabama foi até ela, verificando pelo olho
mágico e abriu-a. Hunter e Abe estavam ali. Abe imediatamente puxou
Alabama para seus braços.
- Hey, baby. Hey, Fiona.
- Hey. - Fiona respondeu distraidamente, seus olhos em Hunter.

- Ei, Fee. Pronta para ir?


- Sim. Te vejo mais tarde, Alabama. - Fiona perguntou, enquanto
Hunter dirigia-os para fora da porta com a mão na parte inferior das costas.
Fiona não disse nada enquanto Hunter os conduzia ao carro e
assegurou-se de que ela se instalasse no assento antes de caminhar até o
lado do motorista. Fiona se moveu no assento, mas manteve o silêncio. Ela
colocou a mão esquerda na coxa de Hunter enquanto ele dirigia. Ela podia
dizer que ele estava tenso e sabia que Alabama estava certa em dizer-lhe o
que estava acontecendo. Ela já ficaria louca agora, se ela ainda não
soubesse. No inferno, ela provavelmente teria se convencido de que Hunter
estava prestes a romper com ela ou algo assim.
Era óbvio que Hunter estava receoso de lhe dizer que ele estava
saindo. Fiona relaxou um pouco quando colocou a mão sobre a dela no colo,
gostando do contato pele sobre pele e confortando-se.
Eles voltaram para o apartamento e ambos ficaram em silêncio
enquanto subiam as escadas.
- Vamos sentar na varanda, ok?
- Ok. - Fiona manteve a voz tão suave e calmante quanto podia.
Cookie sentou-se em uma das grandes cadeiras do pátio e puxou Fiona
para baixo em seu colo. Fiona imediatamente se instalou nele e enrolou um
braço em volta do pescoço e pousou a cabeça contra o peito. - Seja o que
for, Hunter, tudo bem. - Fiona queria ajustá-lo assim que pudesse. Ela odiava
vê-lo trabalhar.
- Você sabe que eu sou um SEAL. - Fiona assentiu e Cookie continuou
falando. - É uma parte de quem eu sou. Não quero mudar isso. Eu sou bom
no que faço. Mas se você precisar que eu abandone, eu vou.
Fiona sentou-se com isso. - O que diabos, Hunter? Por que você iria
mesmo dizer isso?
- Nós estamos saindo hoje à noite para uma missão, Fee. Eu tenho
que sair hoje. É assim que funciona. Às vezes ficamos em aviso prévio, mas
mais frequentemente do que não, nós temos que sair assim que formos
notificados. - A voz de Hunter saiu torturada e ele continuou. - Eu não posso
te dizer onde estamos indo ou o que estamos fazendo. Eu não posso te dizer
quanto tempo vamos ter ido embora. Há uma chance de que eu não vou
voltar. Há sempre uma chance de eu não voltar.
Os olhos de Fiona se encheram de lágrimas em seu tom de voz. Era
sobre o que Alabama estava falando. De alguma forma, ela tinha que
encontrar as palavras certas para tranquilizá-lo.
- Hunter, eu sei que você é um SEAL. Agradeço a Deus que você é um
SEAL todos os dias da minha vida. Você acha que eu teria sobrevivido para
sair do buraco do inferno se não você fosse? Eu, mais do que ninguém, sei o
quão importante é o seu trabalho. Eu nunca pedi para você parar. Eu
chutaria minha própria bunda se eu pedisse que você parasse. Será que vou
me preocupar com você? Claro. Você se preocupará comigo? Claro. Mas
maldição, você não pode deixar que nenhuma dessas coisas o impeça de
fazer o que você faz melhor. Estou triste, você está saindo? Sim. Estou
preocupada que não saiba onde você está ou o que está fazendo? Isso aí.
Mas Hunter, eu posso lidar com isso. Você voltará para mim. Você irá. Toda
vez. Eu acredito e você tem que acreditar. Eu não sou uma garotinha que vai
se despedaçar toda vez que você sair. Além disso, eu tenho Caroline e
Alabama para sair e fazer compras. - Ela sentiu Hunter relaxar uma fração
abaixo dela. Fiona continuou, tentando provocar Hunter fora de seu calor.
- Além disso, você me deu carta branca para usar seu cartão de
crédito, e eu planejo usar o inferno fora disso quando você se for. - Ok, essa
era uma mentira descarada, mas Hunter não precisava saber disso.
- Somente se você comprar outra camisola sexy para eu vê-la quando
eu voltar.
Fiona sorriu e inclinou-se para ele. - Você entendeu.
- Eu tenho que admitir, você está tomando isso muito melhor do que
eu pensava que você faria.

- Eu sei. Você também se destacou sobre isso. Mas Hunter, eu tenho


que lhe dizer algo... Alabama já me disse. Ela queria me preparar.

Cookie franziu a testa. - Não era sua posição.


Fiona podia dizer que Hunter estava prestes a se cansar, então ela o
interrompeu antes que ele pudesse começar. - Sim, era. Você trabalhou em
um frenesi. Alabama viveu algo com Abe que ela não queria que acontecesse
conosco. Ela nos fez um favor.
Cookie ficou quieto por um momento, digerindo o que Fiona lhe falou.
Ela estava certa. Alabama tinha feito o que era certo. - Você está certa. Abe
ferrou Alabama e ela estava tentando me impedir de fazer a mesma coisa.
Mas, Fee, francamente, estou temendo deixar você.
- Uma vez que estamos sendo honestos, eu também estou temendo,
mas você precisa ir, Hunter. Eu quero que você vá. Eu ficarei bem. Eu juro.
- Antes de partir, quero que você saiba algo. - disse Cookie em voz
baixa, passando a mão pelas costas de Fiona suavemente e amorosamente.
Fiona enrolou-se no peito de Hunter novamente. - OK.

- Eu te amo.
A cabeça de Fiona foi chicoteada com as palavras de Hunter e olhou
para ele.
Cookie disse novamente: - Eu amo você.
- Você não está dizendo isso porque você está saindo e tem medo que
você não volte, está? Porque se você for, eu vou chutar sua bunda.
Cookie riu. - Não, Fee. Eu soube que amei você há algum tempo, mas
eu estava tentando dar tempo para você acostumar-se a ser minha. Eu decidi
que agora era um bom momento para informá-la. Estou voltando, você pode
apostar sobre isso. Eu ainda tenho que estar dentro de você.
- Jesus, Hunter, você não pode dizer coisas assim!
- Eu apenas fiz.
Fiona sorriu para Hunter através de suas lágrimas. - EU…
Cookie colocou um dedo sobre os lábios. - Não diga isso apenas
porque eu fiz. Mesmo que demore mais vinte anos para dizer, estarei aqui.
Não vou deixar você, só porque você não disse isso. Diga isso quando você
quiser dizer isso. Quando você souber no fundo do seu coração, que você
quer dizer isso. Até então, eu estarei aqui. Vou irritá-la, deixando minhas
meias no chão e minhas aparas de barba na pia. Não vou deixar você ir. Se
você me deixar, eu vou encontrar você. Você é minha. Está me ouvindo?
Minha.
- Eu te ouço.

- Diga. - As palavras de Hunter eram guturais e desesperadas.


- Sua.
- Malditamente certa. Agora me beije.

***

Naquela noite, Caroline, Fiona e Alabama sentaram-se na enorme


cama de Caroline. Elas assistiram Bette Midler em Beaches e gritaram os
olhos. Claro que o filme era apenas uma desculpa para chorar, e todas
sabiam disso. Nenhuma delas queria admitir que estavam preocupadas com
seus homens. Pertencer a um SEAL da Marinha não era uma coisa fácil. Mas,
felizmente, as mulheres confiaram e se apoiaram quando necessário.
Na manhã seguinte, Caroline foi a primeira a acordar, como de
costume. Ela deu cotoveladas em Fiona e Alabama até acordarem. Elas se
revezaram para se preparar para sair e ter uma terapia de compras.
Por volta das onze, elas finalmente estavam prontas. Alabama dirigiu-
as para o shopping e elas partiram, cada uma determinada a encontrar algo
sexy para vestir quando seu homem chegasse de volta para casa.

Elas estavam na loja de lingerie, e Caroline estava tentando decidir se


ela deveria comprar uma camisola negra ou vermelha, quando algo pegou o
olho de Fiona à sua direita. Ela virou a cabeça e viu dois homens hispânicos
observando-as. Um arrepio imediatamente correu pela espinha de Fiona e
sentiu-se tonta e doente.
Ela odiava sua reação. Os homens não estavam fazendo nada de
errado. Eles estavam assistindo, porque Caroline era alta, provavelmente
muito alta para a loja tranquila. Os homens não estavam tentando
sequestrá-las, nem sequer estavam olhando de soslaio. Mas não importava.
Bastava vê-los de pé, olhando para ela, trouxe-a de volta a esse buraco do
inferno no México.
Fiona caiu no meio da loja. Ela colocou ambas as mãos sobre a cabeça
e choramingou.
Caroline ouviu o som e olhou em volta confunsa. Ao ver Fiona no chão,
ela imediatamente largou o sutiã que estava segurando e se agachou ao lado
dela.
- Fiona? O que está errado? O que é isso?

- Eles estão aqui. - murmurou Fiona. - Nós temos que sair daqui.
- Quem está aqui? - Perguntou Alabama, ajoelhando-se do outro lado.
- Não deixe que eles a vejam, eles vão te levar também. Temos que
nos esconder.
Alabama e Caroline apertaram o corpo trêmulo de Fiona. Elas não
tinham certeza do que estava acontecendo, mas eles tinham uma boa ideia.
- Fiona, é seguro. Eles se foram agora, vamos, levante, vamos para
casa tomar uma xícara de café.
Fiona olhou para fora por baixo de seus braços e viu os dois homens
ali de pé, olhando-as com um fascínio mórbido.
Sussurrando agora, Fiona agarrou freneticamente os braços de suas
amigas. - Ok, eles sabem sobre mim, mas vocês ainda podem sair daqui. Eu
me entregarei a eles, e vocês saem por aquela outra porta. Caiam fora. Vocês
tem que fugir. Já passei por isso, posso aguentar. Vocês vão. Apenas vão.
Caroline viu o olhar que Fiona havia atirado nos dois homens
hispânicos que estavam perto. Ela gesticulou com o queixo para Alabama,
como ela tinha visto Matthew fazer com sua equipe uma e outra vez. Por
sorte, Alabama tinha estado em torno deles o tempo suficiente para
entender. Ela soltou o braço de Fiona e levantou-se para pedir aos homens
para sair. Enquanto ela estava contando a eles, ela dizia a outros
espectadores para sair também. Era grosseiro olhar.
Fiona viu Alabama começar a dirigir-se em direção aos homens e se
afastou do controle de Caroline. - Não! Alabama Não! Corra, droga, corra! -
Ela saltou após Alabama e teve uma vantagem sobre Caroline que ela chegou
à Alabama antes que Caroline pudesse detê-la. Ela agarrou o braço de
Alabama e a empurrou para trás. Fiona então correu para os homens agora
escancarados. - Vocês não pode tê-las, idiotas. Vocês não podem. Tome-me
de volta se você tiver que fazê-lo, mas deixe-as em paz!
Os homens, obviamente surpreendidos com o veneno na voz de
Fiona, deram três passos rápidos longe dela. Eles pareciam surpresos,
perguntando-se se a louca estava falando com eles.
Caroline tinha apanhado Alabama quando Fiona a tinha chicoteado
em sua direção, e correu para apanhar Fiona.
- Por favor, vocês, apenas vão, ela está tendo um flashback. Vocês
estão piorando. Vocês não fizeram nada de errado, mas, por favor, vá
embora. - Alabama pediu aos homens quando chegou a Fiona.
Os homens, felizes em sair da vizinhança das mulheres loucas, fugiram
da loja como se de repente se encontraram cercados por tigres famintos.
Caroline e Alabama agarraram cada um dos braços de Fiona e
seguraram-se firmemente. Ela não estava se afastando delas novamente.
- Eles se foram, Fiona. Eles foram embora. Vamos, docinho. Sente-se.
Fiona colapsou no chão no meio da loja em alívio. Os homens
deixaram. Eles não levariam suas amigas. Eles não a levariam. - Nós temos
que sair daqui no caso de eles voltarem. - disse ela a Caroline e Alabama com
sinceridade. - Vocês não os conhece, eles não vão desistir. Eles estarão de
volta.
- Tudo bem, vamos. - Caroline acalmou. Ela desejou com todo o
coração que os caras estivessem por perto. Fiona precisava de Hunter. -
Alabama vá buscar o carro. Vamos sentar aqui até que ela volte, ok?
Fiona assentiu com a cabeça, fechou os olhos e balançou para frente
e para trás no chão, inconscientemente da aparência que ela recebeu de
compradores curiosos e os olhares preocupados de suas amigas.
Caroline sentou-se no chão da loja de lingerie segurando Fiona até que
Alabama voltasse. Caroline sabia que Alabama estava apressada, mas
pareceu demorar muito para que ela voltasse para os lados.
- Eu puxei o carro para a porta dos fundos. O gerente disse que ficaria
bem se a levássemos para fora dessa maneira. Eu tentei explicar o que está
acontecendo. Ele também está preocupada com ela.
Caroline assentiu e segurou a cabeça de Fiona e forçou-a a olhar para
seus próprios olhos. - Fiona? Alabama tem o carro aqui. Você pode andar?
Nós iremos para casa.
Fiona tentou se concentrar no que Caroline estava dizendo. Por que
Caroline estava lá? Ela também foi levada? - Caroline? Eles também fizeram
com você?
Caroline apenas balançou a cabeça tristemente. - Não, estamos
seguras, querida. Vamos lá, vamos sair daqui, ok?
Fiona assentiu entorpecida. Sair de lá parecia bom para ela. Os
homens poderiam voltar a qualquer momento, era melhor ir embora.
As três amigas arrastaram para fora da porta de volta para o carro
esperando. O gerente olhou com olhos tristes. Alabama havia lhe dito o
suficiente do sofrimento de Fiona para ele se sentir mal sobre o que tinha
acontecido em sua loja.
Caroline e Alabama ficaram com Fiona encostada no assento e
Alabama dirigiu enquanto Caroline estava sentada ao lado de Fiona e a
segurava. Fiona estremeceu incontrolavelmente todo o caminho para casa.
Depois de levar Fiona de volta à casa de Caroline, elas a colocaram na
cama e ficaram com ela até que ela adormeceu. Nem questionaram quando
Fiona começou a contar de mil para trás. Elas se juntaram quando parecia
acalmá-la mais.
Caroline e Alabama sentaram-se na mesa da cozinha, sem palavras.
- Ela precisa de ajuda. Eu me sinto desamparada. Não sei o que fazer.
- disse Alabama com tristeza.

- Tudo o que podemos fazer está lá para ela.


- Você acha que ela vai lembrar de hoje?
- Eu com certeza espero que não, Alabama. Se isso acontecer, ela vai
ficar mortificada.

- Isso é uma poracria. Ela não tem nada para se envergonhar.


- Eu sei disso, e você sabe disso, mas eu aposto qualquer coisa, ela vai
estar envergonhada de qualquer maneira.
Alabama, em seguida, sussurrou baixinho, como se tivesse medo que
ela estava dizendo alguma blasfemia. - Eu desejava que os meninos
estivessem aqui.
- Eu também, Alabama. Eu também. - Caroline concordou tão
calmamente.
Capitulo Dezessete

Fiona rolou com um gemido. Ela se sentiu como uma porcaria. A sala
estava escura, mas estava morrendo de fome. O grunhido do estômago a
acordou. Ela olhou para o relógio, pelo menos, onde o relógio deveria estar.
Não estava lá. Então Fiona se lembrou. Ela estava em Caroline. Ela e
Alabama passaram a noite lá porque os caras haviam sido enviados em uma
missão.
Então Fiona sentou-se na posição vertical. Ah não. Jesus. Compras. Os
homens. Ela ficou louca. Fiona enterrou o rosto nas mãos. Meu Deus. Ela
tinha visto aqueles homens e pensou que estava de volta ao México. Ela
acusou homens inocentes de coisas horríveis. E se ela tivesse estado
sozinha? O que ela teria feito? Estava mortificada.
Ela tinha que sair de lá. Fiona olhou em volta cautelosamente. Ela
estava sozinha no quarto. Ela poderia voltar para casa. Não. Ela não tinha
casa. Ela voltaria para o apartamento de Hunter, então, vá... em algum lugar.
Ela não podia ficar. Hunter merecia muito melhor do que ela. E se ela tivesse
o assustado quando ele estava lá? Ela ficaria tão envergonhada. Ela estava
tão ferrada na cabeça.
Fiona andou na ponta dos pés ao redor da sala, encontrando seus
sapatos e bolsa e verificando se ela tinha tudo. Ela abriu cautelosamente a
porta da sala. Olhando e não ouvindo ninguém, ela atravessou o corredor.
Quando chegou à sala de estar, Fiona viu tanto Caroline quanto Alabama
espalhadas no sofá. Havia uma garrafa vazia de Jack Daniels sobre a mesa de
café e, várias latas de refrigerante ali estavam também. Obviamente, elas
obtiveram-se martelando-se como resultado das ações de Fiona no dia
anterior.
Lágrimas brotaram nos olhos de Fiona. Jesus, elas ficaram tão
envergonhadas com o que ela fez, elas tiveram que ficar bêbadas para passar
a noite. Quando Fiona se dirigiu para a porta, ela soube que nunca
esqueceria a visão de seus primeiros e únicos amigos verdadeiros,
desmaindo no sofá por causa de algo que ela havia feito.

***

Caroline acordou e gemeu. Jesus, ela tinha tido muita coisa para
beber. Ela sabia melhor, mas estava tão preocupada com Fiona, que não
parava de beber. Ela viu Alabama ainda se desviando ao lado dela e a
cutucou com o pé.
- Ei, Alabama, levante-se. Vamos ver Fiona.
Alabama gemeu, mas sentou-se cautelosamente. - Por que você me
deixou beber tanto na noite passada?
- Eu? Você foi a única a me encorajar a continuar.

- Ok, então podemos ter nos encorajado uma a outra.


Elas sorriram uma para a outra. - Venha, vamos buscar Fiona e
arrumar a porcaria estranha fora do caminho primeiro, então podemos fazer
um café enorme, sufocá-la e descobrir o que vamos fazer e como ajudá-la.
Alabama liderou o caminho para o quarto onde elas deixaram Fiona
ontem à noite. Permaneceram em estado de choque quando abriram a
porta e viram a cama vazia. Caroline virou-se e saiu da sala como se não
estivesse se sentindo doente há um momento.
- Vamos, Alabama, temos que ir até Hunter. Ela provavelmente
acordou cedo e pensou que seria educada e não nos acordaria.
Provavelmente também estava com vergonha e queria nos evitar. Nós temos
que ir buscá-la e deixá-la saber que ela não tem nada que sentir vergonha.
As duas mulheres jogaram roupas limpas e saíram da casa sem pensar
na aparência delas. Seu único foco era encontrar sua amiga e tranquilizá-la.
Uma vez que chegaram ao apartamento de Hunter, Alabama e
Caroline bateram na porta, quando não houve resposta, eles começaram a
bater mais ainda, chamando o nome de Fiona repetidamente.
Quando ela ainda não respondeu, elas só podiam concluir que Fiona
não estava lá. - O carro! - Alabama correu de volta ao estacionamento. Nem
Carline nem Alabama estavam preocupadas em procurar o carro de Hunter
quando chegaram pela primeira vez.
Vendo o espaço de estacionamento de Hunter vazio, Alabama
sussurrou: - Merda. - Suas pernas dobradas debaixo dela e ela estava
sentada no chão.
Caroline caiu no chão ao lado de sua amiga, frustrada sobre o que
deve fazer em seguida.
Pela segunda vez em tantos dias, Alabama disse: - Eu queria que os
meninos estivessem aqui.
Caroline só conseguiu concordar.

***

Fiona dirigiu um longo tempo o quanto podia. Ela estava cansada, mas
queria chegar o mais longe possível do norte. Ela balançou a cabeça. North
significava fora do México, era a única coisa que atravessava a cabeça no
momento. Fiona tinha que proteger suas amigas, e a melhor maneira de
fazer isso, era se afastar delas.
Ela chegou até os arredores de San Francisco antes de ter que sair da
estrada. Fiona debatia dormindo no carro, mas depois descobriu que seria
ainda mais fácil para os sequestradores dominá-la. Então ela considerou
parar em um motel pulguento que alugou por hora, mas novamente
percebeu se os sequestradores vieram lá por ela, provavelmente ninguém
viria em sua ajuda porque todos estavam tentando ficar sob o radar.
Fiona acabou puxando para um hotel sofisticado. Ela sabia que ela não
estava exatamente vestida para se misturar, seus suores e também - a
grande camiseta definitivamente a fazia notar-se, mas no final, decidiu que
todos seriam muito disciplinados para dizer qualquer coisa sobre ela.
Ela registrou, usando o cartão de crédito da Hunter e subiu ao quarto
dela. Fiona não tinha bagagem, mas no momento não se importava. Ela se
deitou na cama e fechou os olhos. Estava aterrorizada e exausta.
Fiona tentou descobrir o que estava acontecendo. Lembrou-se de
voltar ao apartamento de Hunter e ver os homens hispânicos do shopping
no estacionamento... pelo menos ela achava que eram os mesmo homens.
Ela teve que correr, teve que sair de lá. Ela nem sequer foi até o
apartamento, apenas correu para fora do estacionamento e se dirigiu para
o norte.
Fiona fechou os olhos. Ela simplesmente tiraria uma pequena soneca,
depois se levantaria e continuaria. Ela recuou sobre o que sempre funcionou
antes quando ela estava estressada, ela contou. Mil. 999. 998...
Seis horas depois, Fiona acordou desorientada e confusa. Onde ela
estava? Isso não parecia com a casa de Caroline. Ela se sentou. Era
definitivamente um quarto de hotel, mas ela não se lembrava de fazer o
check-in. Os trechos do dia anterior lentamente começaram a filtrar-se no
cérebro.

Estou enlouquecendo. Jesus, estou enlouquecendo. Isso realmente


está acontecendo ou estou sonhando? Meus sequestradores realmente me
encontraram? Fiona não conseguiu descobrir o que era real e o que não era.
Ela queria Hunter, mas ele estava ... em algum lugar. Ele estava fora de salvar
alguém e não tinha como entrar em contato com ele.
Quando ela se aprofundou na ilusão de que ela estava sendo caçada,
Fiona pensou em Hunter... Ele me encontrou no meio da selva mexicana e
ele nem estava olhando. Ele me encontrará aqui. Eu só tenho que ficar um
passo à frente dos sequestradores e esperar por Hunter.
***

- Nós temos que fazer alguma coisa, Caroline. - Alabama implorou a


amiga. - Nós não podemos apenas sentar aqui e esperar por ela para voltar
para casa. É óbvio que ela não vai simplesmente voltar e dizer: “Ei, desculpe,
eu preocupei vocês, estou de volta”.
- Algo está realmente errado, Alabama. - Caroline disse o óbvio. - Fiona
realmente pensou que aqueles homens estavam ali para levá-la de volta
para o México. E se ela ainda acha isso? Isso é mesmo possível?
- Eu não tenho ideia, mas, Jesus, Caroline. Se isso é o que ela pensa,
não há como dizer onde ela está. Nós temos que chamar o comandante. Ele
pode entrar em contato com Hunter. Ele tem que saber.
- Mas e se eles não podem voltar para casa agora? Isso seria apenas
assustar Hunter para fora e colocá-lo e o resto da equipe em perigo.
- Eu sei, mas o que se tivessémos em perigo? Você sabe Christopher
ou Matthew nunca nos perdoaria se eles não fossem notificados.

- Ok, eu vou chamar o comandante Hurt e deixá-lo saber o que está


acontecendo.
Caroline chamou a base e deixou uma mensagem para o comandante
da equipe chamá-la de volta assim que pudesse. Ela tentou certificar-se de
que o sub-oficial que tomou a mensagem entendeu que era literalmente
uma situação de vida ou morte e que o comandante precisava chamá-la
quando voltasse para o escritório dele.

Alabama sentou-se de repente. - Oh, meu Deus, por que não


pensamos nisso antes? E quanto ao Tex?

- Tex! Merda! Sim, você é um gênio, Alabama!


Caroline revirou por seu telefone. Se alguém pudesse encontrar Fiona,
seria Tex. Ela percorreu seus contatos e clicou em seu nome.
- O que há de errado? - Deixe isso para Tex para cortar direto ao ponto.
- Fiona está desaparecida e Hunter e os outros estão em uma missão.
- Fale comigo.

- Nós fomos às compras ontem e, havia dois homens hispânicos


ocupando seu próprio negócio na mesma loja na qual estávamos. Fiona os
viu e literalmente enlouqueceu. Ela teve um flashback ou algo assim e nós
tivemos que sair do shopping através da porta dos fundos da loja. Nós a
levamos para casa, mas quando acordamos, ela se foi. Ela não está no
apartamento de Hunter e seu carro está desaparecido. Nós pensamos que
ela está presa no flashback ou algo assim. Nós não sabemos o que fazer.
- Você contatou o comandante?
- Sim, acabei de falar com alguém na base e deixei uma mensagem
para ele nos chamar de volta. Alabama pensou em você. Você pode achar
ela não pode, Tex?
- Sim, eu vou encontrá-la. Continue tentando passar pelo
comandante, vou ver o que posso fazer para este fim.
- Obrigada, Tex. Oh, e ela tem o cartão de crédito de Hunter. Hunter
deu a ela para usar, ela não roubou.

A voz de Tex perdeu sua borda um pouco. - Eu não pensaria que ela
fizesse, Ice. Isso é bom, que ela tem. Eu vou encontrá-la e retornar para você
assim que puder.
- OK. Muito obrigada. Nós não sabíamos o que fazer.
- Você fez o certo ao me chamar. Até mais tarde, Ice.
- Até logo, Tex.
Caroline virou-se para Alabama e disse-lhe desnecessariamente: - Tex
disse que a encontraria.
Alabama assentiu. - Certo, se ele disse que a encontraria, ele fará. Nós
só temos que rezar.

***
O telefone na mesa de cabeceira tocou e Fiona quase saltou de um
pé. Ela olhou para ele. Era Hunter? Eram os sequestradores? Eles a
encontraram? Ela lutou por um momento entre querer atender o telefone e
querer sair do quarto, pular no carro e continuar dirigindo. Fiona mergulhou
profundamente pela coragem que sentia falta no último dia, e pegou o
telefone.
- Olá?
- Fiona, é o amigo do Cookie, Tex. Não desligue.
Fiona caiu de alívio. Ela lembrou-se de Hunter falando sobre Tex.
Graças a Deus, ele a encontrou. - Tex? - Ela sussurrou. - Estou tão assustada.
Eles me encontraram.
No outro lado da linha, Tex caiu no assento. Agradecendo que ela
soubesse quem ele era, mas Jesus, ele tinha que fazer tudo aqui, e ele não
tinha certeza do que era. Fiona estava obviamente presa no delírio que ela
estava sendo caçada, e tudo que demoraria seria uma palavra errada fora de
sua boca e ela correria novamente. Tex decidiu que seria melhor atender a
sua ilusão no momento em vez de tentar convencê-la de que ela estava
imaginando tudo.
- Fiona, ouça-me. Cookie falou sobre o que posso fazer com os
computadores? Bem, eu os tenho cobertos. Eu sei onde estão os
sequestradores e eles ainda estão de volta em Riverton. Eles não
perceberam que você saiu. Você está bem onde você está. Apenas fique
ligada. Solicite um serviço de quarto, peça-lhes para deixá-lo fora da sua
porta e coloque tudo no cartão de crédito. Tenho seu cartão de crédito
protegido, então ninguém mais poderá rastreá-la. Você me ouve? Você está
segura exatamente onde você está.

Tex não queria que Fiona abrisse a porta para possivelmente um


trabalhador do hotel hispânico, ou qualquer um, e assustando-a novamente.
Ele sabia que ela estava segura no hotel por enquanto. Ele a rastrearia com
uma breve pesquisa do cartão de crédito de Cookie. Fiona não estava
realmente tentando esconder-se, ela estava apenas assustada.
- Ok, Tex. Aguardo para ouvir de você. Estou realmente segura aqui?
Eles não sabem que eu sai? - Sua voz era baixa e tremia de emoção.
- Não, querida. Eles não tem ideia de onde você está. - Tex estava
sendo completamente honesto.
- Hunter vem me encontrar de novo?

O coração de Tex quase quebrou. - Estou trabalhando nisso, Fee. Você


sabe que ele está em uma missão certo?
- Sim, eu sei. É por isso que eles vieram agora, eles sabiam que ele
tinha ido embora e não estava aqui para me proteger.
- Estamos tentando trazer Cookie a casa para que ele venha buscá-la.
Lembre-se do que eu disse, não se mexa. Fique escondida por aí.
- Ok, Tex, eu vou.
- Eu vou ligar para você a cada quatro horas, Fiona. Você estará lá para
atender o telefone. OK? A cada quatro horas.
- Entendi. Estarei aqui.
- Boa. Beba muita água e certifique-se de pedir comida do hotel.
Mantenha sua força. - Tex achou que se ele pedisse a Fiona que fizesse as
coisas, ela seria mais provável de seguir.
- Sim, tudo bem. - Ela fez uma pausa e disse com uma voz infantil: - Eu
quero Hunter.
- Ele estará aí assim que puder, Fiona. Espera por ele, querida.
Tex estava relutante em desligar, mas ele tinha algumas outras
chamadas para fazer. Ele tinha que falar com Cookie. Sua mulher precisava
dele. Agora.
- Ok, espero pelo Hunter.
- Eu falo com você em quatro horas, Fiona. Quatro horas. Nem mais
nem menos. Certifique-se de atender o telefone.
- Ok, Tex. Até logo.
Tex desligou o telefone e jurou longamente e alto. Ele sabia que
Cookie não esperava que isso acontecesse. Fiona obviamente precisava de
ajuda para lidar com o que tinha acontecido com ela. Sua primeira chamada
foi para o comandante. Cookie tinha que chegar em casa. Sua mulher
precisava dele.

***

Cookie abriu a porta para a casa de Caroline e Wolf. Eles haviam se


sentido submersos numa "situação" em um país não tão conhecido na África,
quando Wolf o afastou e falou sobre Fiona. Tinha levado Benny e Abe
segurando-o de volta para que ele não fosse ficasse maluco e conseguir que
ele e sua equipe fossem mortos. A equipe havia conversado e decidido, com
a benção de seu comandante, voltar e permitir que outra equipe da SEAL
assumisse o controle.
Todos sabiam o quão incomum era para eles terem a chance de se
afastarem. Geralmente, quando se tratava do Tio Sam, não havia nenhuma
opção. A missão veio primeiro, sempre. Mas, aparentemente, Tex tinha
discutido pessoalmente a situação com o comandante e convencido-o pela
necessidade de uma retirada imediata de Cookie e do resto da equipe.
Todos os seis homens haviam concordado imediatamente em sair da
África e voltar para a Califórnia para que Cookie pudesse ajudar sua mulher.
Wolf estava logo atrás de Cookie quando ele entrou em sua casa.
Caroline e Alabama estavam lá e Caroline imediatamente correu para os
braços de Matthew.
- Desculpe, sinto muito, Hunter. Eu deveria ter mantido um olho
melhor nela.
- Diga-me o que aconteceu desde o início, Ice. - A voz de Cookie era
dura e uniforme, como se ele estivesse segurando seu temperamento e
sanidade pelas unhas.
- Cuidado, Cookie. - alertou Wolf, não gostando do tom que ele estava
tomando com Caroline.
- Tudo bem, Matthew. - Caroline o tranquilizou. Voltando a Hunter,
ela contou o que aconteceu na loja e o que elas fizeram depois.
- Parece que você fez tudo certo, Ice. Você a tirou da loja e, você e
Alabama ficaram com ela.

- Mas ficamos bêbadas e ela escapou.


- Eu sei, mas lembre-se de que ela se afastou de mim também quando
estávamos no Texas. Ela é uma adulta, você não poderia ter observado
durante todo o dia, e a noite toda. Mesmo que você não estivesse bêbada,
ela ainda poderia ter saído enquanto você estava dormindo. As pessoas
desesperadas conseguem fazer coisas que as pessoas que estão na mente
certa nunca podem.
- Ela pegou seu carro, e Tex a seguiu para San Francisco. Ela está em
um hotel lá em cima.
- Sim, ele me informou assim que aterrissamos. Eu vou para o
aeroporto para buscá-la, eu só tenho que fazer uma parada primeiro.

- Você está parando em algum lugar? - Alabama perguntou com


dureza.
Cookie virou-se para ela e defendeu suas ações, mesmo que ele
realmente não sentisse que tinha que fazer. - Sim, estou pegando a Dra.
Hancock. Eu queria que Fiona a visse e falasse com ela sobre tudo o que ela
atravessou no México, mas ela obviamente nunca seguiu. Eu não estou
dando a Fee uma escolha agora. Não sei como ajudá-la, mas eu sei que a
Dra. Hancock pode. Então eu estou pegando-a, eu já entrei em contato com
ela e ela concordou, e nós vamos voar lá e trazer Fiona para casa.
- Desculpe, Hunter. Jesus, fiquei tão preocupada com ela. Eu sei que
você nunca aceitaria sua segurança. Vá. Tragá-a para casa. - Alabama soou
tão contrita, Hunter não pôde deixar de dar os dois passos a seu lado e trazê-
la para ele para um rápido abraço.
- Ela estará em casa tão logo eu possa traze-la aqui. Estou levando
Benny conosco, mas a Dra. Hancock acha que seria melhor se Fiona não o
visse. Ele vai dirigir meu carro de volta aqui enquanto subimos ao quarto do
hotel para obter Fiona. Voltarei assim que a Dra. Hancock disser que está
tudo bem. Abe estará aqui em casa assim que puder. Ele e os outros tiveram
que conversar com o comandante.
Cookie soltou Alabama e segurou-a ao longo do braço com as mãos
nos ombros. Ele observou enquanto ela assentia e ele apertou os ombros
com tranquilidade.
- Ok, vá buscá-la, Hunter. Traga Fiona para casa.
Caroline, Wolf e Alabama observaram enquanto Cookie saiu da casa,
de volta ao carro na calçada. Benny estava atrás do volante. Eles estavam
em uma das missões mais importantes de suas vidas, e todos sabiam disso.
Capitulo Dezoito

Fiona atendeu o telefone depois que ele tocou apenas uma vez.
- Tex?
- Sim, querida, sou eu. Como você está segurando? - Tex manteve sua
promessa e chamou Fiona todas as quatro horas nos últimos três dias.
Demorou tanto tempo para ele se apoderar do comandante, para convencê-
lo de que era uma situação de vida ou morte, para que a equipe do SEAL de
Wolf voltasse para os Estados Unidos e que Cookie levasse sua bunda em
um avião dirigido a São Francisco.
Fiona tinha atendido o telefone toda vez que Tex ligou. Ambos
estavam exaustos, mas não perdeu uma ligação.
- Você já comeu?
- Sim, eu pedi uma omelete esta manhã.
- Tudo bem, isso é bom. Hoje é o dia, Fiona.

Fiona respirou fundo. Ela estava tão confusa nos últimos dias e Tex
tinha sido sua linha de vida. Ela vacilou entre saber que ela estava perdendo
a cabeça porque sabia que ninguém estava atrás dela, convencer-se de que
os sequestradores esperavam lá embaixo no átrio para tirá-la se saísse do
quarto. Tex tinha chamado, assim como ele disse que faria, a cada poucas
horas e ajudou a acalmá-la.
- Estou perdendo a cabeça, Tex. Eu quero ir para casa... de volta ao
apartamento de Hunter. Ninguém está atrás de mim pois não? - O último foi
dito em um sussurro triste.
- Fiona, Cookie estará aí em algumas horas. Seja forte. Ele estará aí, e
você ficará bem. Não saia agora, não antes dele chegar a você. - Quando Tex
não ouviu nenhuma resposta, ele continuou. - Eu vou chamá-la quando ele
estiver ao lado de sua porta, então você sabe que é ele e você pode deixá-lo
entrar. Você entende?
- Sim. - A voz de Fiona era baixa e tremida.
- Tudo bem, vou ligar de volta em algumas horas. Fique no quarto. Tire
uma soneca, se você precisar. Cookie está indo para você, Fee. Eu falo com
você em breve.
Tex desligou o telefone e caminhou pela sala. Sua perna protética, por
uma vez, não estava doendo. Ele só podia pensar sobre Fiona e sobre seu
estado de espírito. Ela atravessou o inferno, e ele esteve ali também com ela
nos últimos três dias. Tex nunca soube qual seria o estado de sua mente
quando ele ligaria. Às vezes, Fiona parecia mais lúcida, como essa última
ligação, outras vezes ela estava completamente apavorada, convencida de
que os sequestradores estavam bem na sua porta.
Foram aquelas horas que haviam tomado todo treinamento
psicológico que ele já teve. Ele a convenceu a fazer coisas como entrar no
banheiro e se agachar na banheira até que estivessem "desapontados". Ele
mentiu e disse que ele havia tocado nas câmeras do hotel e tinha visto os
homens sair do corredor, mesmo que ninguém estivesse lá, em primeiro
lugar.

Ele falou com Cookie para levar o médico com ele quando ele fosse
para Fiona. Ela precisava da ajuda, mais do que qualquer um que ele
conheceu. Bem, ele nunca conheceu Fiona, mas ele falou com ela o
suficiente nas últimas setenta horas, e ele sentiu como se ele a conhecesse.

Tex não podia esperar para ouvir de Cookie que ele havia
desembarcado. Era hora de acabar com isso.

***

Cookie desligou o telefone com Tex e esperou que Fee abrisse a porta.
Tex tinha dito que ele ligaria para Fiona e deixaria saber que ele estava lá e
que era seguro abrir a porta do hotel. Cookie tinha despedido de Benny no
estacionamento depois de chegarem a um táxi do aeroporto. Benny
entendeu por que ele não podia ver Fiona agora, e mesmo que ele não
gostasse, ele sabia que era o melhor. Ele fez uma promessa à Cookie de
poder vir e ver Fiona assim que Cookie pensasse que estava bem o suficiente
quando chegassem em casa.
Não foi nem um minuto depois de desligar com Tex que Cookie viu a
porta do hotel abrir um centímetro então, de repente, Fiona estava em seus
braços. Ela abriu a porta e se atirou nele depois de verificar se realmente era
ele à sua porta.
Cookie poderia literalmente sentir cada músculo em seu corpo
relaxar. Ele tinha estado tão estressado nos últimos três dias e era tudo o
que ele poderia fazer para não se dissolver em um ritmo histérico de
lágrimas. Uma mão percorreu a cintura de Fiona e a outra se enrolou na
parte de trás da cabeça e ele a segurou enquanto a apoiava na sala e em
direção à cama.
Fiona mal podia dizer uma palavra. Hunter estava aqui. Ele estava
aqui.
- Você veio.
- Eu vim. Eu sempre venho por você. - Cookie disse as palavras como
se elas fossem as palavras mais importantes que ele já havia dito e que nunca
diriam em sua vida.
Sentaram-se na cama e, depois que Fiona sentou em seu colo, Cookie
balançou Fiona para frente e para trás. Ambos precisavam do contato entre
si. Cada um passava por seu próprio tipo de inferno.
Finalmente, Cookie desfez seu apertou, apenas o suficiente para se
afastar para olhar para o rosto de Fiona.
- Fiona?
- Sim?

- Você pode me dizer o que está acontecendo? - Cookie tinha que ver
onde estava a cabeça. Ela ainda estava no meio da ilusão de que ela estava
fugindo de seus sequestradores, ou era lúcida o suficiente para saber que
ela imaginava o todo?

- Eu... não tenho certeza. Eu acho que eu ferrei.


Cookie balançou a cabeça e colocou as mãos no rosto de Fiona e
manteve o rosto imóvel enquanto ele falava com ela. Seus polegares
acariciaram a parte de baixo de sua mandíbula e ele falou com seriedade
para ela.
- Você não estragou nada, Fee. Eu fiz. Eu deveria ter me certificado de
cuidar de você antes de eu sair. Eu estava com medo que algo assim
acontecesse. Mas aprendi minha lição. Eu não vou a lugar nenhum até eu
corrigir isso. OK?
Fiona sentiu as lágrimas começarem, mas não conseguiram detê-las. -
Eu sinto muito. Não queria causar tantos problemas. Eu apenas... eles... não
consigo entender tudo na minha cabeça.
- Shhhh, vamos descobrir isso juntos. Por enquanto, quero que você
conheça alguém. Ela está comigo. Não tenha medo. - Cookie gesticulou em
direção à porta e uma mulher baixa, mas de bom coração, entrou no quarto.
Ela estava usando um jeans e parecia estar com uma gravidez de cinco
meses. Ela encolheu um pouco enquanto caminhava, mas o olhar no rosto
era aberto e amigável.

- Esta é a Dra. Hancock. Ela veio comigo para ajudá-la a lidar com o
que está acontecendo. Ela está comigo.
Fiona olhou da mulher, que parou bem no meio da porta, de volta a
Hunter. Com uma voz baixa e sussurrada, Fiona disse com tristeza: - Eles
nunca estiveram atrás de mim, não é? Sonhei tudo, não? É por isso que você
trouxe um psiquiatra com você. Eu estou ficando louca.

Cookie tocou a testa de Fiona e tentou pensar o que deveria dizer. Por
sorte, a médica respondeu por ele.
- Fiona, a mente é uma coisa poderosa. Tenho certeza que você viu
vídeos de pessoas usando esses óculos de realidade virtual, certo? Eles
sabem que não estão em uma montanha-russa, mas com aqueles óculos que
não conseguem parar seu corpo de estarem balançando e rolando como se
realmente estivessem em uma montanha-russa. Você teve uma experiência
muito parecida com isso. No fundo você sabia que aqueles homens que você
viu não estavam atrás de você, mas com base no que aconteceu com você,
sua mente consciente fez o que tinha que fazer para se proteger. Você não
está ficando louca. Você é perfeitamente normal. Se você não tivesse
reagido como você fez, eu teria ficado mais preocupada com você.
Fiona olhou para Hunter novamente. - Eu sinto Muito. Eu sinto muito.
Você estava em uma missão...
- Pare. Você é mais importante do que qualquer missão. Eu lhe disse
isso antes e continuarei dizendo isso até você acreditar. Eu escalaria
montanhas por você. Eu desistiria hoje se você precisasse de mim. Você. Em.
Primeiro. Lugar. Acabou. Desculpe. Vamos chegar em casa. Fale com a Dra.
Hancock. Vamos descobrir. Juntos.
Fiona abraçou Hunter e suspirou quando sentiu que seus braços a
rodeavam de novo. Ela assentiu.
Cookie levantou-se com Fee em seus braços. Ele a rodeou, então um
braço estava ao redor de suas costas e o outro estava em seus joelhos.
Feche seus olhos, Fee. Eu vou nos tirar daqui. Você simplesmente relaxe.
Confie em mim.
- Eu sei, Hunter. Eu sabia que você viria por mim e eu ficaria a salvo. -
Ela agarrou Hunter fortemente e enterrou a cabeça em seu pescoço,
fechando os olhos quando Hunter falou.
- Você está segura, Fee. Segura comigo. Sempre.

***

Cookie carregou Fiona em seu apartamento enquanto a Dra. Hancock


seguia muito atrás. Ela conversou com Fiona enquanto eles voltaram para o
sul da Califórnia. A médica queria ter uma ideia de onde estava a cabeça de
Fiona e a melhor maneira de adquirir a ajuda dela.

Cookie queria chorar quando ouviu Fiona dizer à Dra. Hancock que ela
tentou ser corajosa por ele. Ele não queria que Fiona reprimisse seus
sentimentos, mas ele havia dito uma e outra vez o quão impressionado ele
estava com sua bravura e coragem.
Ele a levou até seu quarto e colocou Fiona suavemente sobre a cama.
Ela não se mexia. Ela estava exausta de tentar esconder-se de
sequestradores imaginários, além de atender o telefone a cada quatro
horas, quando Tex ligou. Cookie sabia que devia a Tex tudo. Qualquer coisa
que o homem precisasse, ele teria. Ele manteve sua mulher segura. Não
havia como reembolsar isso. Cookie não esqueceria isso. Sempre. Ele beijou
Fiona na testa e acariciou seus cabelos gentilmente. Deus, ela tinha
assustado a merda fora dele.

Cookie saiu da sala e voltou para onde a Dra. Hancock estava


esperando por ele.
- O que você acha? Preciso levá-la ao hospital para tratamento
hospitalar? - Não era o que Cookie queria fazer, mas ele faria se a médica
achasse que era o que Fiona precisava.
- Acho que não. Ela parece mais lúcida com você ao redor. Ainda não
pode deixá-la sozinha, Hunter. Se você precisa ir ao trabalho ou se for
chamado, você precisará admitir sua própria coisa para seu bem.
- Eu não estou indo a lugar nenhum. Já foi despachado pelo
comandante. Se nos chamar, os outros irão cobrir-me. Ele sabe que Fiona
vem em primeiro.
- Tudo bem, bom. Ela precisará de sessões diárias no início. Então,
dependendo de como ela vá, podemos diminuí-las lentamente. A boa notícia
é que eu acho que ela quer melhorar.
- É claro que sim. - disse Cookie acaloradamente.
- Não há "claro" sobre isso, Hunter. - disse Hancock tristemente. - Você
ficaria surpreso com a quantidade de mulheres que não conseguiram passar
pelo que aconteceu com elas, o que foi feito para elas. Elas não podem
superar o abuso e elas entram em uma vida de drogas e às vezes
prostituição. Mesmo que elas tenham sido abusadas sexualmente, elas não
conseguem se acostumar na sociedade. - Esperando para garantir que
Hunter entenda suas palavras, a médica assentiu e depois continuou. - Ok,
fique com ela esta noite e leve-a para me ver pela manhã. Provavelmente
vou começar a encontrar-me com ela sozinha, então vou ver se ela vai
permitir que você venha também. Desde que você estava lá e uma grande
parte de seu resgate, acho que vai ajudar.
- Eu não posso agradecer o suficiente, doutora. Eu deveria ter
chamado você muito antes.
- Sim, você deveria. Mas o que está feito está feito. Fiona está
recebendo ajuda agora. E se for um consolo, acho que vai ficar bem. Você
estava certo. Ela é forte. Ela é corajosa. Isso vai levá-la através disso.
Cookie viu a médica e viu como ela entrou em um SUV sentado no
estacionamento. Seu marido, obviamente, estava esperando por ela. Cookie
ficou ali, enquanto o carro desapareceu na noite, pensando que tinha tido
sorte. Mais do que sortudo. Cookie virou-se e voltou para dentro, para Fiona.
Capitulo Dezenove

Fiona sorriu para Caroline e Alabama. Uma semana depois de sua


"aberração", como Fiona estava chamando, sentiu-se muito melhor em tudo
o que aconteceu. No começo, ela se recusara a conversar com alguma das
mulheres, pensando que a odiavam. Mas depois de várias reuniões com a
Dra. Hancock, ela finalmente alcançou suas amigas.
Agradecendo a Deus pelos verdadeiros amigos. Hunter a trouxe para
a casa de Caroline, e ele, Wolf, e Abe assistiram algum jogo de esportes na
televisão enquanto as três mulheres trabalhavam tudo entre elas no porão.
Hunter recusou-se a deixar seu lado durante a semana passada e
Fiona estava muito feliz. Ela havia dito várias vezes que ele não tinha que
cuidar da “criança”, mas ele tinha retrucado, dizendo que ele não estava
sendo babá, mas apoiava e emprestava uma orelha quando ela precisava
disso.
Fiona tinha dado um passo na casa de Wolf antes que ela estivesse
envolvida nos braços de Caroline e Alabama. Elas haviam chorado e riram e
isso era antes de elas terem falado.
Elas passaram horas no porão falando sobre o que aconteceu e todas
riram e choraram sobre isso. Quando Fiona tentou se desculpar, Caroline
perdeu a cabeça e alterou-se durante uns dez minutos cheios sobre os
sequestradores e compradores curiosos e de escravo de sexo e Fiona não
tinha tido o coração para tentar se desculpar novamente.

Era por volta das onze horas da noite, quando Wolf finalmente abriu
a porta do porão e gritou: - É seguro descer?
Rindo, as mulheres responderam sim.
Os três homens desceram as escadas e foram direto para as mulheres.
Cookie pegou Fiona e colocou-a no colo enquanto sentava no chão
encostado ao sofá. Ele se recostou contra ele e Fiona se aconchegou em seus
braços como costumava fazer.
Wolf sentou-se ao lado de Caroline no sofá e puxou-a para ele, de
modo que ela estava descansando a cabeça no peito.
Abe foi até a grande poltrona e sentou-se, fazendo um gesto para que
Alabama fosse até ele. Ela aproximou-se dele e o empurrou, colocando os
joelhos em ambos os lados do colo e dobrando-o como uma boneca de pano
desossada.
- Estávamos preocupados com você, Fiona. - disse Wolf, esfregando a
mão para cima e para baixo, nas costas de Caroline.
- Eu sei, me desculpe.
- Não, não se desculpe. É o que os amigos fazem. Você sabe que você
tem alguns amigos muito sérios aqui, certo?

- Eu sei. E você nunca saberá o quanto eu aprecio. Nunca tive amigos


verdadeiros antes, só conhecidos. - Fiona adorava a sensação dos braços de
Hunter à volta dela. Isso tornava falar sobre coisas assustadoras de alguma
forma mais fáceis.

- Já me desculpei com Caroline e Alabama, mas lamento que vocês


tivessem que voltar de sua missão para me pegar. Eu honestamente não
queria que isso acontecesse. O que vocês fazem é importante. Não consigo
imaginar se você foi chamado para meu resgate.
Sem elevar a voz, Abe respondeu calmamente. - Você teria sido
resgatada, Fiona. Nós não operamos de forma independente. Se não nos
chamássemos para o resgate, outro grupo teria sido chamado e você ainda
teria sido salva. Toda equipe SEAL cobre um ao outro.
- Mas…

- Não há mas, Fiona. E só para que você saiba, você é nossa agora.
Você é minha. Você é de Wolf, você é de Benny... você é todos nós. Se você
estiver com problemas, estamos lá.
Cookie segurou Fiona mais apertada enquanto ela soluçava em seus
braços. Ele a deixou chorar. Ela precisava ouvir as palavras de Abe.
Realmente as ouvia.
- Então, se você está com problemas, é como se nossas próprias
mulheres estivessem com problemas. Se você me ligar, eu irei correndo. Se
Alabama pede a Cookie, ele irá até ela. Então você vê, Cookie é o seu
homem, mas ele realmente é uma troca de pacote.
Fiona olhou finalmente. Seu rosto estava manchado e vermelho de
chorar, mas ela tentou sorrir para Abe. Ela soluçou uma vez e juntou-se.
- Eu falei muito com a Dra. Hancock esta semana, como todos vocês
sabem. Tentei chegar a um acordo com o que aconteceu comigo, o que
acontece com as mulheres em todo o mundo todos os dias. Sim, conheci
Hunter e sempre darei graças a Deus por isso, mas estava com dificuldade
em encontrar qualquer outra coisa para minha lista. Até agora. Até vocês.
Nunca sonhei que encontraria um homem meu, no entanto, uma família
cheia de irmãos e irmãs.
- Você pode não gostar de uma vez que todos entramos em seu
negócio, Fiona. - Wolf a avisou seriamente.
Fiona riu. - Você está certo, mas uma vez que eu posso pensar sobre
isso, vou me lembrar de quão solitária eu era e quanto melhor é minha vida
agora que vocês estão nela, e agradeço minha estrela de sorte que vocês
entraram na meu vida.
Um silêncio confortável caiu sobre o grupo.
Cookie quebrou com uma risada. - Se vocês dois estão querendo
cortejar minha mulher, acho que iremos para casa agora.
Todos riram e Fiona bateu Hunter no braço.
Wolf levantou-se e puxou Caroline com ele. - É hora de nos dirigirmos
para a cama nós mesmos. Abe, vocês ficam aqui?
Abe olhou para Alabama com as sobrancelhas levantadas. Desde que
Alabama vivia aqui no porão, enquanto Abe estava agindo juntos, eles
sabiam que eram bem-vindos e frequentemente levavam Wolf e Caroline na
oferta para ficar a noite em vez de dirigir para casa.
- Sim, podemos ficar aqui. - As palavras de Alabama foram arruinadas.
Ela já estava meio adormecida.
Cookie levantou-se com Fiona em seus braços. Ele a levou até as
escadas e pela porta sem dar-lhe a chance de despedir-se. Ele sabia que ela
veria seus amigos novamente, provavelmente no dia seguinte. A viagem
para casa foi feita em silêncio. Cookie esperava que a noite tivesse sido um
ponto de viragem na recuperação.
Quando chegaram em casa, Cookie virou-se para Fiona e ordenou: -
Fique. - enquanto alcançava a maçaneta da porta. Ela sorriu para ele e fez o
que lhe dissera.
Cookie veio ao lado do carro e abriu a porta e levantou Fiona.
- Você sabe que eu posso andar. Você não precisa me transportar em
todos os lugares.
- Você pesa menos que a mochila que eu carrego em missões. Agora,
silêncio.

Fiona apenas sorriu e aconchegou-se mais fundo em seu homem.


Cookie levou Fiona até a escada para o quarto deles. Para o que
rapidamente se tornava um hábito para eles, ele a deitou suavemente na
cama e tirou os sapatos. Olhando nos olhos dela, Cookie soltou suas calças
e as abaixou pelas pernas.
Fiona deitou na cama de Hunter e observou enquanto a despia com
cuidado. Ela não sentiu nem um segundo de desconforto. Isso era Hunter.
Ele não faria nada para machucá-la. Nunca.
Fiona olhou enquanto Hunter tirava sua camisa e jogou-a em direção
ao cesto no canto do quarto. Ele então sentou-se na cama e se inclinou e
tirou as botas. Em seguida, vieram suas calças e boxer. Só quando ele estava
completamente nu, ele se inclinou sobre Fiona e tirou a camiseta da cabeça.
Fiona ergueu os braços para permitir que ele a tirasse. Uma vez que foi feito,
ele alcançou as costas dela e tirou o sutiã. Suas ações eram clínicas e não
românticas, mas ele ainda a fazia sentir-se amada.
Durante a última semana, Fiona lentamente concordou com o que
aconteceu. Como parte de sua terapia, a Dra. Hancock sugeriu que ela
voltasse para o shopping e o lugar onde ela teve seu "episódio". Ela não
queria fazê-lo, mas Hunter a encorajou e prometeu que não iria sair do lado
dela.
Eles tinham ido e caminharam ao redor do shopping por horas.
Lentamente, Fiona perdeu o nervosismo e aproveitou o dia com Hunter.
Mesmo quando um grupo de homens latino-americanos passaram, ela não
se apavorou, mas, claro, ter Hunter ali mesmo com ela provavelmente tinha
muito a ver com isso.
Depois de caminhar pelos homens, Hunter a conduziu a um corredor
próximo e beijou-a para fora dela. Ele afirmou que era uma recompensa pelo
"bom comportamento". Fiona apenas riu e beijou-o novamente.
Hunter nunca a fez sentir culpada ou ruim pelo que aconteceu. A Dra.
Hancock convidou Hunter para suas sessões e Fiona teve que admitir, no
início ela não estava feliz. Ela nunca quis Hunter para saber o que os
sequestradores fizeram com ela, mas depois de algumas sessões, ela teve
que admitir que era um bom atendimento da médica.
Hunter teve que ouvir o que aconteceu e ela teve que lhe dizer. Isso
solidificou seu relacionamento de uma maneira que eles não tinham antes.
Cookie tinha adivinhado o que Fiona tinha passado, mas ouvindo isso
dela, ouvindo como ela se sentia e como ela havia sofrido, fez Cookie
perceber o quão sortudo ele era que Fiona estava aqui com ele. Havia tantas
coisas que poderiam ter sido diferentes... dos homens que a vendiam, que a
machucaram, a suas overdoses por acidente, a ela sendo resgatada, a sua
caminhada pela selva, o tiroteio enquanto esperavam o helicóptero, as balas
voadoras, a retirada... Cookie sabia que ele poderia continuar. Mas a
conclusão era que eles estavam aqui. Agora. Juntos. Cookie sabia que eles
deveriam estar juntos, caso contrário, qualquer uma dessas coisas poderia
ter terminado de forma diferente.
Quando Fiona deitou na cama ao lado de Hunter, ela sabia que não
havia lugar em que preferisse estar.
- Eu te amo, Hunter.

Sem hesitação, Cookie respondeu, não fazendo grande coisa ouvindo


as palavras dos lábios de Fiona pela primeira vez. - Eu também te amo, Fee.
Você é meu tudo.

Esta noite não era a noite em que eles faziam amor, mas Fiona sabia
que seria breve. Hunter nunca a empurrou para isto, e ela sabia que não o
faria. Fiona conversou com a Dr. Hancock sobre sexo e como ela se sentia, e
enquanto a Dra. Hancock advertiu Fiona para ir devagar, ela também a
encorajou a fazer o que estava certo, quando se sentisse certa. Fiona sabia
que ela teria que ser a única a dar o primeiro passo, e ela faria. Por enquanto,
ela e Hunter estavam curtindo a companhia do outro.
Fiona aconchegou-se mais fundo no abraço de Hunter. Ele sempre
estava tão quente, apenas mais uma coisa em uma longa lista de coisas que
Fiona amava sobre ele. A sensação de seu corpo nu contra o dela era
reconfortante, em vez de horrorosa.
- Pare de pensar, Fee. Vamos dormir.
Fiona sorriu. Ela adorava esse homem mais do que pensava ser
possível. Quando ela dormiu, ela sorriu, ouviu o murmúrio de Hunter: -
Minha, eu nunca vou deixar você. Você nunca terá mais uma noite de medo
em sua vida.
EPilogo

Fiona deitou no peito de Hunter ofegando e tentando se recuperar.


Jesus, ele ia matá-la. Esse foi o terceiro orgasmo que ele lhe deu naquela
noite e nunca mais se sentiu melhor ou mais amada.
- Eu acho que você me matou. - Fiona se queixou, enquanto Hunter
tentava recuperar o fôlego quando ele se deitava debaixo de seu corpo
saciado.
Fiona o observou enquanto um sorriso satisfeito explodiu no rosto de
Hunter. Ela lambeu seu mamilo mais uma vez e sorriu ainda mais para o
estremecimento que atravessou seu corpo. Ela se sentiu virada dentro dela.
- Eu te amo, Sr. Knox.
- Eu amo você, Sra. Knox.
Eles haviam voado para Vegas e se casaram sem contar a ninguém.
Seus amigos não conversaram com eles durante pelo menos dois dias em
protesto, mas Fiona não mudou nada sobre o casamento deles. Ela não
queria fazer uma grande coisa fora de seu casamento. Para ela, foi uma
continuação natural de seu amor. Ela tinha tido o suficiente para estar no
centro das atenções, Fiona acabava de se casar com Hunter e continuaram
com suas vidas.
Hunter protestou no início. Ele queria dar-lhe um casamento enorme
e convidar todos os seus amigos, e suas amigas. Não foi até Fiona ter
explicado por que queria um pequeno casamento com apenas os dois, que
ele cedeu.

Agora, sempre que alguém tentasse se queixar de perder o casamento


deles, Hunter os levaria de lado e explicaria sem rodeios que não era do seu
negócio por que eles fizeram o que tinham, e advertiu-os a não voltar a falar.
- Eu odeio mostrar algo além do quanto de um garanhão que você é,
já que estamos metidos ainda em nossa cama, mas estou preocupado com
Mozart. - disse Fiona suavemente.
- Eu sei eu também.
- Por que ele está tão obcecado com esse cara?

- Não tenho certeza absoluta, mas acho que tem a ver com sua irmã.
Eu sei que ela foi morta quando era pequena e nunca encontraram o cara
que fez isso. Eu acho que é por isso que Mozart se juntou aos SEALs em
primeiro lugar, então ele conseguiu rastrear o cara, já que os policiais haviam
encerrado o caso.
- Você acha que ele o encontrará?

- Não tenho ideia, mas eu sei que ele está tentando o seu melhor.
- Você acha que o cara que ele está caçando perto de Big Bear é o
assassino?
- Eu não sei, mas eu diria isso. Mozart não cometeu muitos erros, não
quando se trata de algo tão importante como isso.
Fiona assentiu. - Eu me sinto mal.
- Eu também. Mas antes de perguntar, eu não vou sentá-lo para
conversar sobre isso. - Cookie disse a Fiona resolutamente.
Fiona riu, imaginando Hunter e Mozart "conversando" sobre seus
sentimentos. Sua risadinha se tornou um gemido quando sentiu Hunter
crescer mais forte dentro dela. Ela balançou, pedindo-lhe que fizesse alguma
coisa.
- Mais uma vez, Fee?

- Ah, sim, novamente.


- Você sabe, talvez você precise ir e ver a Dra. Hancock sobre essa
insaciável necessidade que você tem. - Hunter provocou.
- Se eu tenho um problema, então é você. - Fiona sentou-se no colo
de Hunter e girou seus quadris, amando a sensação de seu comprimento
duro dentro dela. Ela colocou as mãos no peito e se inclinou sobre ele.
- Você está certa, eu sei. Então, vamos ver se não podemos fazer algo
sobre isso.
Cookie sorriu para a mulher. Fiona chegou tão longe desde a noite em
que a encontrou tremendo e assustada no quarto de hotel em San Francisco.
Ele nunca esqueceria a ansiedade que sentira enquanto tentava chegar a ela
de sua missão na África. Ela não teve muitas recaídas desde então, e nada
disso naquela época.
A primeira vez que Fiona iniciou o sexo quando eles voltaram de San
Francisco, Cookie tentou resistir, não acreditando que tivesse tido tempo
suficiente para processar tudo o que tinha acontecido com ela. Ela insistiu
que estava bem e não foi até que Cookie estivesse com uma promessa fora
dela para parar se ela sentisse até mesmo um susto de desconforto, que ele
continuara. Essa primeira vez foi especial.
Cookie tinha estado com sua parte justa de mulheres, mas nada em
toda a sua vida, em comparação com a primeira vez que ele facilitou o calor,
bem-vindo, o corpo molhado de Fiona. Ela nem sequer se encolheu, apenas
segurou seu rosto e olhou-o nos olhos quando ele a penetrava. Ela
respondeu ao olhar dele: - Você está bem com isso, Fee? - Com palavras que
ele memorizou. Ela disse: - Eu estou perfeita, Hunter. Quando você me
segura em seus braços, não consigo pensar em nada além de você. - Mesmo
com sua recaída, Fiona ainda era a pessoa mais forte que Cookie já
conheceu.
Ele rolou até Fiona estar debaixo dele. Ele tirou os cabelos do rosto
dela e colocou-os atrás da orelha.
- Minha.
- Sua. - Fiona retornou imediatamente com um sorriso.

Bloqueando tudo e todos fora de sua mente, exceto para agradar sua
esposa, Cookie inclinou-se em direção a Fiona. Ele não poderia pedir mais
nada neste mundo. Ela estava bem aqui em seus braços.