Você está na página 1de 3

TRILHA DE ++ Conteúdo produzido pela Diretoria de

INVESTIGAÇÃO Educação e Cultura da Infância do Instituto Alana

Filme As hipermulheres
Público Ensino médio
Tema Diversidade cultural
Campos de investigação Diversidade cultural; conhecimento da cultura oral

SUGESTÕES DE INVESTIGAÇÕES

A memória e a transmissão do conhecimento oral que passa pelo afeto das relações pes-
soais.
A importância da conservação da tradição oral como ferramenta de transmissão do con-
hecimento.
Conhecer outras maneiras de viver e de se organizar socialmente.
Os índios e a diversidade cultural brasileira.
Os rituais femininos entre as diferentes culturas, incluindo nesse contexto a cultura oci-
dental capitalista contemporânea.

CAMINHOS POSSÍVEIS
Rodas de conversa com os alunos
¬ Vocês sabem o que é o Parque do Xingu?
¬ Vocês têm ideia de quantos índios e quantas etnias diferentes moram no Parque do Xingu?
¬ Vocês sabem quais são as influências dos índios brasileiros nos nossos hábitos de vida?
¬ Vocês sabem alguma coisa sobre o povo Kuikuro, do Parque do Xingu?
¬ Vocês sabiam que por muito tempo as tradições foram transmitidas apenas de forma oral,
de geração em geração, por meio de contos, lendas e cantigas? E que geralmente existem
pessoas, os sábios, que guardam a história e a ciência das diferentes comunidades e grupos
fundadas na oralidade?
¬ Vocês sabiam que a transmissão oral dos saberes e fazeres de várias tradições está ameaça-
da?
¬ No filme, os cantos são passados de geração em geração. Tem algo que seja tradicional na
sua família que vocês tenham aprendido com as pessoas mais velhas?

Aprendendo a reconhecer um griô na família


Os mestres griôs são os pajés, pais e mães de santo, capoeiras, cantadores, contadores de
histórias, cordelistas, brincantes, bonequeiros, erveiros, curandeiros, artesãos e todas as
pessoas que têm histórias de vida repleta de saberes e fazeres que não estão escritos nos
livros. Algumas perguntas podem ajudar os alunos nessa tarefa.
¬ Que tal descobrir os griôs próximos de vocês e revelar a riqueza e o conhecimento contidos
nas histórias de sua família? A ideia é escutar o saber que só pode ser transmitido em um
bom encontro, corpo a corpo, por uma boa conversa.
¬ A primeira etapa seria vocês descobrirem o que precisam aprender urgentemente na sua geração
para que esse conhecimento não se acabe e possa seguir para as próximas gerações. Existe algum
talento, história, música, habilidade que se vocês não aprenderem vai se perder na história de sua
família?
¬ Depois de fazerem entrevistas com as pessoas mais velhas que vocês desconfiam terem
muito para contar em relação à maneira de fazer coisas, às tradições, histórias, músicas,
brincadeiras, miscigenações, aos modos de cuidar, viver, relacionar-se, enfim, saberes
diversos, vocês podem registrá-las em forma de vídeos, contos, imagens, poesias, textos.
A apresentação dos trabalhos pode ser feita em forma de exposição pública no pátio da esco-
la e numa roda de conversa sobre os aprendizados e descobertas de todo esse processo.

Texto Ritos corporais entre os naciremas


Este texto tem a habilidade de descrever, de maneira excêntrica e inusitada, os hábitos mais
comuns da cultura ocidental, como escovar os dentes, tomar banho, tomar medicamento ou
realizar dieta. O lance curioso do texto é que não fica óbvio de que se trata da cultura ociden-
tal, pois os costumes parecem ser de uma tribo indígena “selvagem”. Por isso, pode ser um
bom caminho para se pensar sobre o preconceito em relação ao que causa estranhamento
e sobre culturas de povos que têm modos de organização distintos das matrizes de tradição
europeia.
Uma ideia para explorar o texto é fazer uma leitura em grupo e colher, oralmente ou por es-
crito, impressões dessa leitura. Depois, montem um quadro com imagens que representam os
costumes dos naciremas. Nesse momento, pode surgir uma grande surpresa, pois esses cos-
tumes fazem parte do nosso cotidiano. Por último, pode ser interessante revelar que o termo
nacirema é a ordem inversa da palavra american.

Programa “Memória local na escola”


A escola pode se inspirar nesse programa de formação do Museu da Pessoa (http://www.
museudapessoa.net/pt/educativo/publicacoes/memoria-local-escola) e iniciar projetos de
registro da memória da comunidade e dos familiares de seus alunos, que, assim, aprendem
a ouvir e a honrar e instruem-se com a experiência de vida dos mais velhos, além de serem
promotores da cultura viva e ancestral das pessoas.

OUTRAS INSPIRAÇÕES

VÍDEOS
Vídeo nas aldeias
https://www.youtube.com/user/VideoNasAldeias

Das crianças Ikpeng para o mundo


https://www.youtube.com/watch?v=MNIeHjdfvJg

Filme: Nanook, o esquimó


https://www.youtube.com/watch?v=v-dQbuW4kY4

Expedição Irmãos Villas-Bôas – 1953


https://www.youtube.com/watch?v=626XZlhj324

Tradição e resistência: um olhar sobre os índios do Brasil


WWW SITES
NAPAS – Núcleo de Pesquisa em Antropologia Social, Artes, Performance e Simbolismos
https://www.napasufmt.com/rituais-performances-cosmopoliticas

Instituto Socioambiental
https://www.socioambiental.org

Museu da Pessoa
http://www.museudapessoa.net/pt/home

TEXTOS
Revista Diversitas: Dossiê pedagogia griô
http://diversitas.fflch.usp.br/node/3661

Projeto de Lei Griô


http://www.leigrionacional.org.br/o-que-e-grio/

Ritos corporais entre os naciremas
https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/364413/mod_resource/content/0/Nacirema.pdf

Saiba mais sobre o povo Kuikuro:


https://pib.socioambiental.org/pt/povo/kuikuro/713