Você está na página 1de 1

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Filosofia

Conhecimento: relação sujeito-objecto

«No conhecimento encontram-se frente a frente a consciência e o objecto, o sujeito e o


objecto. O conhecimento apresenta-se como uma relação entre estes dois elementos, que
nela permanecem eternamente separados um do outro. O dualismo sujeito e objecto pertence
à essência do conhecimento. A relação entre os dois elementos é ao mesmo tempo uma
correlação. O sujeito só é sujeito para um objecto e o objecto só é objecto para um sujeito.

(…) Ser sujeito é algo completamente distinto de ser objecto. A função do sujeito consiste
em apreender o objecto; a do objecto em ser apreendido pelo sujeito. Vista pelo lado do
Apreender  
≠   sujeito, esta apreensão apresenta-se como uma saída do sujeito para fora da sua própria
Ser  apreendido  
esfera, uma invasão da esfera do objecto e uma recolha das propriedades deste. O objecto
não é arrastado para dentro da esfera do sujeito, permanece transcendente a ele.

(…) No sujeito alguma coisa se altera em resultado da função do conhecimento. No sujeito


surge algo que contém as propriedades do objecto, surge uma "imagem" do objecto. Visto
Imagem  
do   pelo lado do objecto, o conhecimento apresenta-se como uma transferência das
objecto  
propriedades do objecto para o sujeito.

[Assim] o conhecimento pode definir-se (…) como uma determinação do sujeito pelo
objecto. Mas o determinado não é o sujeito pura e simplesmente; mas apenas a imagem do
Determinação  
do  sujeito     objecto nele. Esta imagem é objectiva, na medida em que leva em si os traços do objecto.
Sendo distinta do objecto, encontra-se de certo modo entre o sujeito e o objecto. Constitui o
instrumento pelo qual a consciência cognoscente apreende o seu objecto.

Sendo o conhecimento uma determinação do sujeito pelo objecto, não há dúvida que o
sujeito se conduz receptivamente perante o objecto. Esta receptividade não significa,
Actividade    
do   contudo, passividade. Pelo contrário, pode falar-se de uma actividade e espontaneidade do
Sujeito    
sujeito no conhecimento. Esta não se refere, naturalmente, ao objecto, mas sim à imagem do
objecto, no que a consciência pode muito bem participar, contribuindo para a sua elaboração.

(…) Ao ser determinado, o objecto mostra-se independente dele [sujeito], transcende-o.


O  objecto  
transcende  o   Todo o conhecimento designa um objecto, que é independente da consciência cognoscente.
sujeito    
O carácter transcendente é próprio, enfim, de todos os objectos do conhecimento.»

Johannes Hessen, Teoria do Conhecimento, 1987, pp. 26-28

!
Prof.ª Joana Inês Pontes