Você está na página 1de 22

Biologia volume único

3.ª edição

Armênio Uzunian
Ernesto Birner
CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Fecundação: uma superação de barreiras

corona
radiata
espermatozóide

acrossomo

núcleo

pró-núcleo
masculino membrana
de fertilização
grânulos
corticais

membrana
plasmática fusão dos
ÓVULO
dois pró-núcleos

zona pelúcida núcleo


diplóide
CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Cariogamia

• Encontro nuclear

• Ocorre depois da fecundação

• Leva à formação da célula diplóide: zigoto

• Início do desenvolvimento embrionário


CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Do zigoto ao embrião:
desenvolvimento embrionário
• Tipos de ovos
Tipo de ovo Características Ocorrência

Oligolécito sem diferenciação Pouco vitelo Equinodermos, homem.


polar (isolécito). uniformemente distribuído.

Oligolécito com diferenciação Pouco vitelo com Anfioxo.


polar. distribuição ligeiramente
irregular.
Heterolécito (mediolécito, Quantidade média de vitelo, Anfíbios.
telolécito incompleto). concentrado no pólo inferior
(pólo vegetativo) do ovo.

Megalécito (telolécito completo). Quantidade máxima de Peixes, répteis, aves,


vitelo. mamíferos ovíparos
(ornitorrinco, por
exemplo).
Centrolécito. Vitelo relativamente Insetos.
abundante, ocupando a
região central do ovo.

Obs.: as figuras não obedecem uma escala de proporcionalidade.


CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

As fases do desenvolvimento embrionário

• Segmentação • Gástrula

• Mórula • Nêurula

• Blástula • Organogênese
CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Segmentação (clivagem)

célula-ovo (zigoto)

2 blastômeros 4 blastômeros 8 blastômeros


CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Mórula: antecede a blástula

mórula

8 blastômeros 16 blastômeros 32 blastômeros


CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Blástula

blastocela micrômero
pólo
animal

blástulas
em corte
longitudinal

macrômero

pólo vegetativo
CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Gástrula: os folhetos embrionários


pólo animal ectoderme

mesendoderme

blastocela

pólo vegetativo

restos da blastocela
arquêntero
ectoderme blastóporo

blastóporo

mesendoderme arquêntero
CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Nêurula: formação do tubo neural


corte placa neural na ectoderme
longitudinal

blastóporo

ectoderme

mesoderme
placa neural futura
blastóporo endoderme

placa neural placa neural

mesoderme futura

arquêntero
endoderme
CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Mesoderme e notocorda
ectoderme que recobre
lateralmente a placa neural ectoderme em fusão futuro mesoderme
tubo neural
corte transversal

futura
notocorda

canal endoderme
neurentérico arquêntero

celoma somito
tubo neural notocorda
canal neural (mesoderme)
somito
somito (mesoderme)
tubo neural

notocorda
somito

endoderme
celoma arquêntero
arquêntero
endoderme
CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Organogênese: destino dos folhetos


embrionários
epiderme e anexos
ectoderme de queratina (pêlos, unhas)
esmalte dos dentes
(invaginação na região bucal)

tubo neural
derme (pele) ectoderme encéfalo
neural medula espinhal
nervos
notocorda vértebra em
desenvolvimento
musculatura
esquelética
mesoderme

arquêntero sistema
celoma (futura cavidade (cavidade reprodutor
peritoneal – ou digestória
pleural e pericárdica) primitiva)

revestimento interno da maior extensão


do canal digestivo (ou digestório),
endoderme das glândulas anexas (fígado, pâncreas)
e do sistema respiratório
(traquéia, brônquios, pulmões)
bexiga urinária
CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Os tipos de gastrulação
• Embolia ou invaginação blastocela
blastocela

blástula

ectoderme ectoderme
mesoderme
futura

blastóporo

arquêntero

arquêntero endoderme
X
corte ao nível X
CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Os tipos de gastrulação (cont.)


• Epibolia (e embolia) blastocela

blástula

blastocela mesoderme
arquêntero endoderme
ia
embol

blastóporo
obstruído
por uma “rolha”
de células
ep vitelínicas
ib
ol fenda
ia
blastoporal
X corte ao nível X
CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Os tipos de gastrulação (cont.)


• Migração

blastocela

blastocela secundária

células mesodérmicas
linha primitiva em migração

blástula

arquêntero
CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Os tipos de gastrulação (cont.)


cavidade do
blastocisto (blastocela)
• Migração

blástula
(blastocisto)

disco embrionário
bilaminar linha primitiva
cavidade amniótica ectoderme

mesoderme

cavidade do
saco vitelínico
primitivo e sem endoderme
reserva de vitelo
CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Classificação zoológica com base nos


folhetos embrionários e no blastóporo

cnidários vermes moluscos artrópodes equinodermos cordados

diploblásticos triploblásticos

protostômios deuterostômios
CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Celoma acelomado intestino


ectoderme

mesoderme endoderme

planária
intestino

pseudocelomado

pseudoceloma endoderme
lombriga
mesoderme
ectoderme

endoderme
celomado

celoma

ectoderme mesoderme
minhoca
intestino
CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Anexos embrionários em aves e répteis:


adaptação ao meio terrestre

cavidade alantóide vasos alantoidianos


amniótica
CO2
âmnio
O2 cavidade da
alantóide
embrião

membranas
da casca

câmara
de ar

casca
cório
clara
saco vitelínico

vasos vitelínicos
CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Mamíferos: o que muda?


• Formação do blastocisto

tuba uterina massa celular interna


1.ª mitose (embrioblasto)
útero
segmentação

mórula

fecundação
folículos ovarianos
em desenvolvimento
blastocisto trofoblasto

corpo lúteo
implantação
do blastocisto
ovário

ovulação
CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Placenta e os anexos
embrionários nos mamíferos

cordão umbilical
• Cordão umbilical
cavidade do útero

• Vilosidades coriônicas cório

âmnio

• Vesícula amniótica
saco vitelínico

cavidade amniótica
CAP. 12 “EMBRIOLOGIA ANIMAL”

Circulação placentária
artérias fetais vênula
materna

veia fetal

arteríola
materna

cordão
umbilical

vilosidade
coriônica

âmnio cório endométrio musculatura


fetal fetal uterina com vasos

Você também pode gostar