Você está na página 1de 5

Unidade 02 - Avaliação Parcial 01 Data- 21/05/2018

DISCIPLINAS: ENG041 e ENG 360


Professor – Manuel de Almeida Barreto Filho
Aluno - Assinatura _________________________________

QUESTÕES OBJETIVAS (0,2 pontos)


Observação – Cada questão objetiva de “n” alternativas que for respondida de forma
incorreta será penalizada adicionalmente ao valor normal da questão em [100/(n-1)] %
do valor correspondente à questão. Questões cuja nenhuma resposta for assinalada não
terão penalidade adicional além do valor normal da questão. Valor normal de cada
questão – 0,1 pontos.

 ε 
1 – Em não havendo alteração de volume num ensaio de tração, %TF =   ⋅ 100 .
 ε +1
A–V B–F

Solução:

ld − l0 ld l l 1
ε= = −1∴ d = ε +1∴ 0 =
l0 l0 l0 ld ε + 1

l 0 Ad
Sem alteração de volume: A0 ⋅ l 0 = Ad ⋅ l d ∴ =
ld A0

 A − Ad   A   l   ε +1
 ⋅ 100 = 1 −
1  1 
%TF =  0  ⋅ 100 = 1 − d  ⋅ 100 = 1 − 0  ⋅ 100 =  −  ⋅ 100
 A0   A0   ld   ε +1  ε +1 ε +1

 ε 
%TF =   ⋅ 100
 ε + 1

2 – A tensão máxima necessária para causar escoamento ocorre quando um monocristal


está orientado tal que φ = λ = 45 o ?
A–V B–F

Solução:

τ rcrc
σl = .
[(cos φ ) ⋅ (cos λ )]max
[(cos φ ) ⋅ (cos λ )]max implica em σ l (tensão mínima) para ocorrer deformação plástica.
QUESTÕES DISCURSIVAS (0,8 pontos) – Valor de cada questão - 0,2 pontos.

1 – Um corpo de provas cilíndrico de uma liga metálica hipotética é tensionado em


compressão. Se sues diâmetros, original e final, são 20.000 e 20.025 mm,
respectivamente, e o seu comprimento final é 74.96 mm, calcule seu comprimento
original se a deformação é totalmente elástica. Os módulos de elasticidade (E) e de
cisalhamento (G) para essa liga são 105 GPa e 39.7 GPa, respectivamente

Solução:

∆d d f − d 0 20.025 − 20.000
Cálculo da deformação lateral: ε x = = = = 0.00125
d0 d0 20.000

E
Cálculo do Coeficiente de Poisson: E = 2 ⋅ G ⋅ (ν + 1) ∴ ν = −1
2⋅G

105 GPa
ν= − 1 ≅ 0.322418
2 ⋅ 39.7 GPa

εx ε 0.00125
Cálculo da deformação longitudinal: ν = − ∴ε z = − x = − ≅ −0.003877
εz ν 0.322418

∆l l f − l 0
Cálculo do comprimento original: ε z = = ∴ l f − l0 = l0 ⋅ ε z ∴ l f = l0 + l0 ⋅ ε z
l0 l0

lf 74.96 mm
l f = l 0 ⋅ (1 + ε z ) ∴ l 0 = ; l0 = ≅ 75.25 mm
1+ ε z 1 + (− 0.003877 )

2 – Uma barra cilíndrica com 380 mm de comprimento e diâmetro de 10.00 mm deve


ser submetida a uma carga de tração. Se a barra não deve sofrer deformação plástica ou
um alongamento de 0.9 mm quando a carga aplicada for de 24500 N, quais dos quatro
metais ou ligas listados na tabela a seguir são possíveis candidatos? Justifique.

Material E (GPa) σ l (MPa) LRT (MPa)


Liga de Alumínio 70 255 420
Latão 100 345 420
Cobre 110 250 290
Aço 207 450 550

Solução:

∆l σ ⋅ l0
2
F D
σ= ; A0 = π ⋅ r 2 = π ⋅   ; σ l = Eε ; ε = ; ∆l =
A0 2 l0 E
Como a tensão é diretamente proporcional à carga aplicada na região elástica, basta
pegarmos as ligas com tensão de escoamento maior do que o valor da tensão associada à
carga aplicada. Assim, fica assegurado que a deformação será totalmente elástica. Logo,

24500 N
σ= 2
≅ 311.944 MPa - Possíveis Candidatos: Latão e Aço.
 10.0 ⋅ 10 −3 m 
π ⋅  
 2 

Para o Latão, tem-se:

311.944 MPa ⋅ 380 mm


∆l = ≅ 1.1854 mm
100 ⋅ 10 3 MPa

O Latão não atende a restrição do limite para o alongamento.

Para o aço, tem-se

311.944 MPa ⋅ 380 mm


∆l = ≅ 0.5727 mm
207 ⋅ 10 3 MPa

O aço atende a restrição do limite para o alongamento. O Aço é o candidato.

3 – As expressões para os vetores de Burgers em estruturas cristalinas CFC e CCC são


da forma
a
b = uvw
2

em que a é o comprimento da aresta da célula unitária (parâmetro de rede). Além disso,


uma vez que as magnitudes desses vetores de Burgers podem ser determinadas a partir
da seguinte equação:
b = ⋅ (u 2 + v 2 + w 2 ) 2
a 1

determine os valores de b para o alumínio e para o cromo.

Metal Estrutura Cristalina Raio atômico (nm)


Alumínio CFC 0.1431
Cromo CCC 0.1249

Solução:

A direção [uvw] representa a direção mais compacta – maior densidade atômica

Para o Alumínio – Estrutura CFC; [uvw] =[110] ; r = 0.1431 nm

4⋅r = a⋅ 2 ∴ a = 2⋅ 2 ⋅r
2⋅ 2 ⋅r 2 2
b=
a
2
110 ∴ b =
2
(
⋅ 1 + 1 + 02 ) 1
2
= 2 ⋅ r ⋅ 2 = 2 ⋅ r = 0.2862 nm

Para o Cromo – Estrutura CCC; [uvw] =[111] ; r = 0.1249 nm

4⋅r
4⋅r = a⋅ 3 ∴ a =
3

4⋅r
4⋅r
b=
a
111 ∴ b =
3
(
⋅ 12 + 12 + 12 ) 1
2
= ⋅ 3 = 2 ⋅ r = 0.2498 nm
2 2 2⋅ 3

4 – Considere um monocristal de prata orientado tal que uma tensão de tração é aplicada
ao longo da direção [001]. Se o escorregamento ocorre no plano (111) e na direção
[101], e começa quando uma tensão de tração de 1.1 MPa é aplicada, calcule a tensão
rebatida crítica.

Solução:

φ é o ângulo entre a direção da tensão e a normal ao plano de escorregamento.

Determinação do vetor normal ao plano de escorregamento

O vetor normal a um plano qualquer pode ser determinado a partir do produto vetorial
de dois vetores distintos contidos neste plano.
  
n =uxv

Considere que o plano de escorregamento é designado por (abc). Então, as interseções


com os eixos coordenados são:

1 
Interseção com o eixo OX: ( x, y, z ) =  ,0,0 
a 

 1 
Interseção com o eixo OY: ( x, y, z ) =  0, ,0 
 b 

 1
Interseção com o eixo OZ: ( x, y, z ) =  0,0, 
 c

Sem perda de generalidade, podemos definir dois vetores pertencentes ao plano de


escorregamento (abc) a partir da interseção com o eixo OY, como segue:

 1 1 1 1 
u =  0,− ,  (traço no plano YOZ) ; v =  ,− ,0  ; (traço no plano XOY)
 b c a b 
Usando a regra de Sarrus para calcularmos o determinante de uma matriz quadrada de
ordem 3, tem-se:

       
i j k i j k i j
  1 1 1 1 1 1  1  1   1 1 1 
u xv= 0 − = 0 − 0 − = k+ i+ j = , , 
b c b c b ab bc ac  bc ac ab 
1 1 1 1 1 1
− 0 − 0 −
a b a b a b

   1 1 1 
u xv= , , 
 bc ac ab 
    
Podemos achar um múltiplo do vetor u x v , fazendo n = (a ⋅ b ⋅ c ) ⋅ (u x v ) = (a, b, c )

n = (a, b, c )

Este vetor n representa a direção normal ao plano de escorregamento, cuja equação é


dada por

ax + by + cz + d = 0 .

Substituindo-se nesta equação qualquer um dos pontos de interseção com os eixos


coordenados para determinar a constante d, tém-se:

ax + by + cz = 1 ,

que é a equação do plano de escorregamento definido por (abc).



No caso em questão, do plano (111), n = (1,1,1) e x + y + z = 1 .

φ é o ângulo entre a direção da tensão e a normal ao plano de escorregamento.

 
0 ⋅1 + 0 ⋅1 + 1 ⋅1  1  1 3
φ = arccos  = arccos  ∴ cos φ = =
2 
 0 + 0 +1 ⋅ 1 +1 +1 
2 2 2 2 2
 3 3 3

λ é o ângulo entre a direção da tensão e a direção de escorregamento.

 
0 ⋅ (− 1) + 0 ⋅ 0 + 1 ⋅ 1
λ = arccos  = arccos 1  ∴ cos λ = 1 = 2
 2 2 
 0 + 0 + 1 ⋅ (− 1) + 0 + 1   2
2 2 2 2 2 2

τ rctc = σ ⋅ (cos φ ) ⋅ (cos λ ) = 1.1 MPa ⋅


2 3
⋅ ≅ 0.449 MPa
2 3