Você está na página 1de 11

Formação de Peritos Qualificados

RCCTE SCE

Implicações nas soluções


construtivas
Eng.ª Patrícia Botelho
Arq.º Selwin Wever
Arq.ª Ingrid b. Coelho

V 2.0 (2008) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD

Implicações nas soluções construtivas

Introdução (I)

Para que se faça uma correcta implementação regulamentar será


necessária uma atenção particular aos detalhes construtivos

O RCCTE influencia directamente as soluções construtivas


essencialmente ao nível dos seguintes aspectos:

1. Envolvente opaca

Localização do isolamento térmico (interior / exterior / na caixa de ar)


Espessura do isolamento térmico
Correcção de pontes térmicas planas

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho
Implicações nas soluções construtivas

Introdução (II)

2. Vãos envidraçados

Tipo de vidro e caixilho

Estores e caixas de estore

3. Estrutura

Fixação de colectores solares


Correcto posicionamento dos elementos estruturais face ao isolamento

Apesar de ser impossível apresentar soluções universais (boas em


todas as situações) analisaremos aspectos gerais e linhas
orientadoras

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho

Implicações nas soluções construtivas

Envolvente opaca (I)

Localização do isolamento térmico

Exterior Interior Na caixa de ar

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho
Implicações nas soluções construtivas

Envolvente opaca (II)

Implicações da localização do isolamento térmico

Massa e Correcção de Tempo de


Localização Condensações Durabilidade
Inércia Pontes resposta à
do Isolamento (caso existam) e resistência
Térmica Útil Térmicas Climatização

Exterior Muito boa Fácil Lento Na parede Média


Interior Muito má Média Rápido Interiores Média
Caixa de ar Boa Difícil Lento Caixa de ar Boa

O isolamento térmico pelo exterior permite que o pano de alvenaria e a


estrutura seja interior (aproveitando a massa térmica do mesmo)

O isolamento térmico pelo interior permite aquecer ou arrefecer rapidamente


mas com pouco conforto térmico e eficiência

O isolamento térmico na caixa de ar está protegido de agressões externas

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho

Implicações nas soluções construtivas

Envolvente opaca (III)

Espessura do isolamento térmico

O isolamento térmico é fundamental essencialmente de Inverno

As necessidades de isolamento térmico variam de acordo com as


zonas climáticas de Inverno e os Graus Dia do local

O papel desempenhado pelo isolamento térmico no Verão é mais


reduzido

A espessura de isolamento térmico ideal deve ser encontrada caso


a caso através de estudos paramétricos de custo / benefício

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho
Implicações nas soluções construtivas

Envolvente opaca (IV)

Verão
Radiação Solar

Ganhos Solares

Perdas Q (devidas a t)

O isolamento térmico de Verão limita os ganhos térmicos mas também


limita as perdas!

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho

Implicações nas soluções construtivas

Envolvente opaca (V)

Inverno
Radiação Solar

(não se contabilizam
os Ganhos Solares
através da envolvente
opaca)

Perdas Q (devidas a t)

O isolamento térmico de Inverno reduz somente as perdas !

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho
Implicações nas soluções construtivas

Envolvente opaca (VI)


Aconselham-se:

Espessuras de isolamento térmico que conduzam a U inferiores às


referências

Zona climática
Elemento da Envolvente
I1 I2 I3 Zona 1 das R.A.
EXTERIORES opacos em zona corrente VERTICAIS 0.7 0.6 0.5 1.4
EXTERIORES opacos em zona corrente HORIZONTAIS 0.5 0.45 0.4 0.8
INTERIORES * opacos em zona corrente VERTICAIS 1.4 1.2 1.0 2.0
INTERIORES * opacos em zona corrente HORIZONTAIS 1.0 0.9 0.8 1.25
ENVIDRAÇADOS (valor médio dia / noite) 4.3 3.5 3.3 4.3

*de separação para zonas anexas não úteis unidades: W/m2ºC

Espessuras de isolamento térmico ponderadas (não exageradas)


Que se analise a viabilidade económica face às vantagens térmicas

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho

Implicações nas soluções construtivas

Envolvente opaca (VII)

Exemplos de espessuras de isolamentos térmicos para elementos


opacos exteriores Verticais:

I1 (U referência = 0.70W/m2ºC)

30mm XPS U = 0.54W/m2ºC

Ext
I2 (U referência = 0.60W/m2ºC)

40mm XPS U = 0.47W/m2ºC

2 cm reboco I3 (U referência = 0.50W/m2ºC)


Tijolo 15
Espaço de ar com drenagem 60mm XPS U = 0.37W/m2ºC
Isolante térmico
Tijolo 11
2 cm estuque

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho
Implicações nas soluções construtivas

Envolvente opaca (VIII)

Exemplos de espessuras de isolamentos térmicos para elementos


opacos exteriores Horizontais:

I1 (U referência = 0.50W/m2ºC)

60mm EPS U = 0.43W/m2ºC

I2 (U referência = 0.45W/m2ºC)
Protecção mecânica
Sistema de impermeabilização
80mm EPS U = 0.35W/m2ºC
Isolante térmico
Camada de forma
Laje estrutural
2 cm estuque
I3 (U referência = 0.40W/m2ºC)
100mm EPS U = 0.29W/m2ºC

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho

Implicações nas soluções construtivas

Envolvente opaca (IX)

Correcção de Pontes térmicas Planas

U da ponte térmica plana < 2x U do elemento homologo


(Anexo IX)

Na prática este requisito vai obrigar a que se faça a correcção (com


isolamento térmico) das pontes térmicas planas

Pilares e Vigas vão ter que possuir isolamento térmico exterior ou


interiormente

Caixas de estore terão de possuir isolamento ou ser constituídas de


material isolante

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho
Implicações nas soluções construtivas

Envolvente opaca (X)

Quanto mais isolada for a envolvente mais difícil será corrigir as


pontes térmicas planas

Correcção em Pilares e Vigas – Isolamento Térmico pelo Exterior

No caso das soluções construtivas que utilizem o


U1 isolamento pelo exterior a correcção é simples

Ext O isolamento passa


Ext
por fora da estrutura
U2 garantindo que:
U2 < 2xU1
Corte U1 U2 Planta

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho

Implicações nas soluções construtivas

Envolvente opaca (XI)

Correcção em Pilares e Vigas – Isolamento Térmico na caixa de Ar

No caso de soluções com isolamento no interior da caixa de ar a


correcção pode ser difícil
Alargar a parede implica “desperdiçar” área de
construção
U1
Outra solução é utilizar isolamento térmico de menor
espessura e um forro cerâmico (interiormente)

Ext
Ext
U2

Corte U1 U2 Planta

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho
Implicações nas soluções construtivas

Envolvente opaca (XII)

Correcção em Caixas de Estore

U1 U1 U1

Ext Ext Ext

U3 U3 U3

Isolamento pelo exterior Isolamento pelo interior Na caixa de estore

O isolamento térmico deve estar presente para cumprir os requisitos das


pontes térmicas planas, mas também para diminuir as pontes térmicas lineares

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho

Implicações nas soluções construtivas

Vãos envidraçados (I)

Tipo de Vidro

A escolha do tipo de vidro deve ser muito ponderada,


particularmente caso as áreas sejam significativas

O vidro deverá permitir ganhos térmicos solares no Inverno

O vidro deverá evitar perdas térmicas por condução no Inverno

O vidro deverá permitir uma boa transmissão luminosa

A escolha do vidro deverá ter preocupações acústicas

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho
Implicações nas soluções construtivas

Vãos envidraçados (II)

(A) Duplo incolor (B) Duplo reflectante


colorido na
massa+incolor

Incidente Incidente
Absorvida

Reflectida Reflectida

Absorvida
Transmitida Transmitida
75% 35%

Um vidro duplo incolor (A) permite mais do dobro dos ganhos


térmicos (Inverno) do que um vidro duplo reflectante colorido na
massa + incolor (B)

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho

Implicações nas soluções construtivas

Vãos envidraçados (III)

(C) Vidro simples (D) Vidro duplo

U=6.0 W/m2ºC U=3.5 W/m2ºC

O valor de U de uma janela fixa simples com caixilharia metálica


e vidro simples (C) é de 6.0 W/m2ºC

Para vidro duplo com caixa de ar de 16mm (D) é de 3.5 W/m2ºC

O vidro simples apresenta quase o dobro do valor e U do vidro


duplo, independentemente do tipo de janela ou caixilho (ITE 50)

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho
Implicações nas soluções construtivas

Vãos envidraçados (IV)

Tipo de Caixilho

Escolher a classe de permeabilidade ao ar da caixilharia tem influência


directa na determinação da taxa de Infiltração de ar

Escolher o material da caixilharia tem influência na determinação do


coeficiente de transmissão térmica do vão

Caixilho
Caixilho de Caixilho Caixilho
Janela fixa com Vidro Duplo metálico com
madeira metálico de PVC
corte térmico
Sem estore 2.8 3.5 3.3 2.7
Com estore permeável ao ar 2.4 2.9 2.8 2.3
Com estore impermeável ao ar 2.2 2.6 2.5 2.1
UWdn = W/m2ºC
As melhores escolhas térmicas são soluções mais sensíveis ao
desgaste atmosférico do que o caixilho metálico!
V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD
Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho

Implicações nas soluções construtivas

Vãos envidraçados (V)

Estores

O sombreamento móvel exterior dos vãos é fundamental para


garantir um bom desempenho térmico dos mesmos

Inverno

Dia Noite

Durante o dia promover ganhos solares mantendo o estore aberto


à noite fechar o estore para conferir isolamento térmico adicional ao vão

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho
Implicações nas soluções construtivas

Vãos envidraçados (VI)

Verão

Dia Noite

Durante o dia controlar os ganhos solares fechando o estore


À noite manter o estore parcialmente aberto para promover o
arrefecimento

Um sombreamento móvel exterior de cor clara permite “recusar” cerca de


95% da radiação solar (vantagem no Verão) e aumentar o UWdn em 0.6 a
1W/m2ºC (vantagem no Inverno)

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho

Implicações nas soluções construtivas

Estrutura

A concepção estrutural dos edifícios terá que ter em conta as


novas exigências regulamentares de térmica

È possível projectar evitando pilares e vigas localizados à face da


envolvente, por forma a permitir um isolamento térmico contínuo

Colectores térmicos solares


vão necessitar de:

apoios estruturais adequados


impermeabilização correcta
dos apoios nas coberturas

V 2.0 (2007) Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa CIAUD


Formadores: Eng.ª Patrícia Botelho/ Arq.º Selwin Wever/ Arq.ª Ingrid B. Coelho