Você está na página 1de 10

EOCA – ENTREVISTA OPERATIVA

CENTRADA NA APRENDIZAGEM
Elaborada pelo professor argentino Jorge Visca, cujo objetivo
é de estudar as manifestações cognitivo-afetivas da conduta
do entrevistado em situação de aprendizagem. Permite ainda
se obter uma visão conjugada e uma hipótese diretriz do
interjogo dos aspectos cognitivos e afetivos da
aprendizagem, bem como os pontos de alerta que deve ser
verificada para constatação ou não das hipóteses
levantadas.
• A EOCA é utilizada como ponto de partida em todo processo
de investigação diagnóstica das dificuldades de
aprendizagem.
• Entrevista estruturada que põe em evidência o aprendizado
e conta como reativos recursos e materiais lúdicos
• Os objetos são deixados sobre uma mesa, organizados de tal
forma que o entrevistado precise abrir as caixas de lápis, o
estojo, apontar o lápis preto sem ponta, procurar o que
deseja observar todo material para decidir o que vai utilizar.
• Pode-se aplicar quantas vezes for necessário
OBJETIVOS:
Consiste em solicitar ao sujeito que mostre ao entrevistador o que ele sabe
fazer, o que lhe ensinaram a fazer e o que aprendeu a fazer, utilizando-se
de materiais dispostos sobre a mesa( caixa)
Análise do sujeito quanto a aprendizagem.( primeiro contato a sós com o
aprendente.
Observar a sua reação, organização, apropriação, imaginação,
criatividade, preparação, regras utilizadas, etc.
Observar se sabe os nomes dos materiais.
Qual/Quais prefere?
Lápis sem ponta é para provocar a atitude normal que é fazer a ponta.
Queixa- ouvir – tentando saber se a queixa condiz com o que ele faz.
FATORES DE OBSERVAÇÃO DURANTE A EOCA

Através da observação do tema, da dinâmica e do


produto, pode se observar o sintoma e as causas
históricas coexistentes (ansiedade, defesa, funções,
nível de pensamento utilizado, grau de exigência,
aquisições automáticas, aspectos da lateralidade,
organização, ritmo de trabalho, interesses, etc).
DESENHO LIVRE – PIAGET
1ª Fase) GARATUJA ▪ Período Sensório-motor (0 a 2 anos de
idade). ▪ A figura é inexistente, a criança utiliza a
imaginação, por imaturidade da coordenação motora, o
desenho é desordenado.
2ª Fase) PRÉ-ESQUEMATISMO ▪ Período pré-operatório (2 a 7
anos de idade). ▪ A criança consegue fazer relação entre
desenho, o pensamento e a realidade, porém, os desenhos
ainda são dispersos. ▪ As cores não possuem relação com a
realidade, mas com os sentimentos. ▪ A figura humana está
relacionada com a maturação da percepção e
desenvolvimento cognitivo.
3ª Fase) ESQUEMATISMO ▪ Período operatório-concreto (7 a
12 anos de idade). ▪ A criança começa a expressar suas
experiências, a percepção começa a amadurecer. ▪ Utiliza a
linha como base e começa a perceber o espaço, o conceito de
figura humana, mas ainda apresenta exageros, omissões e as
cores são relacionadas ao estado de emoção.
4ª Fase) REALISMO ▪ Corresponde também ao período
operatório-concreto (7 a 12 anos de idade). ▪ É a fase da
transição das operações concretas para as formais. ▪ Nesta
fase, a criança apresenta noção de espaço, abandona as
linhas como base, a figura humana apresenta roupas e
formas.
5ª Fase) PSEUDONATURALISMO ▪ Período operatório-formal
(+ de 12 anos de idade). ▪ Nesta fase, o adolescente não
utiliza o abstrato e desenho espontâneo. ▪ O desenho segue
a personalidade, utilizam formas da sua personalidade. ▪ O
visual está relacionado com a realidade e suas emoções. ▪ O
desenho assume a comunicação sem palavras, expressa
sentimentos, inteligência, nível da maturação neurológica.
TESTES PROJETIVOS DE DESENHO
HTP
LIVRO: TÉCNICAS PROJETIVAS PSICOPEDAGÓGICAS
Baseadas na teoria de Jorge Visca e Alícia
Fernandez
Objetivo: Investigar a rede de vínculos que o sujeito
possui em três domínios: o escolar, o familiar e
consigo mesmo.

Você também pode gostar