Você está na página 1de 1

Relação entreLinguagem

Search for epapers,


Pensamento
people, and interests  D O W N LO ASDI G N U P
LO G I N

DOCX

Relação entre Linguagem e Pensamento


Germano Minezes

Download with Google Download with Facebook

or download with email

READ PAPER

RELATED PAPERS
3
Vygotsky - Pensamento E
Linguagem
Introdução
By Franklin Arruda de Lima

Este trabalho aborda o estudo de um dos mais complexos problemas da psicologia — a


Ridendo Castigat Mores
inter-relação entre o pensamento e a linguagem . Tanto quanto sabemos esta questão não
By Daynnyere Albuquerque
foi ainda estudada experimentalmente de forma sistemática.
PENSAMENTO E LINGUAGEM -
As análises teóricas e críticas são uma condição pr!ia necessária e um complemento VYGOTSKY
da parte experimental e" por isso" ocupam uma grande parte do nosso trabalho. #ou!e By Jhonit Gonzaga

que basear as hipóteses de trabalho que ser!iram de ponto de partida ao nosso estudo
nas raí$es genticas do pensamento e da linguagem. Lev Vygotsky - Pensamento e
Linguagem
By Juliglessias Silva

000001F1
By Rute Mendes

1. Origens do pensamento e da língua de acordo com Vygotsky

Assim como no reino animal" para o ser humano pensamento e linguagem t%m origens
diferentes. &nicialmente o pensamento não  !erbal e a linguagem não  intelectual. 'uas
tra(ectórias de desen!ol!imento" entretanto" não são paralelas ) elas cru$am)se. Em dado
momento" a cerca de dois anos de idade" as cur!as de desen!ol!imento do pensamento e
da linguagem" at então separadas" encontram)se para" a partir daí" dar início a uma
no!a forma de comportamento. * a partir deste ponto que o pensamento começa a se
tornar !erbal e a linguagem racional. &nicialmente a criança aparenta usar linguagem
apenas para interação superficial em seu con!í!io" mas" a partir de certo ponto" esta
linguagem penetra no subconsciente para se constituir na estrutura do pensamento da
criança.

1.1. Pensamento, linguagem e desenvolvimento intelectual

+e acordo com ,-gots-" todas as acti!idades cogniti!as básicas do indi!íduo ocorrem


de acordo com sua história social e acabam se constituindo no produto do
desen!ol!imento histórico)social de sua comunidade. /ortanto" as habilidades
cogniti!as e as formas de estruturar o pensamento do indi!íduo não são determinadas
 por factores cong%nitos. 'ão" isto sim" resultado das acti!idades praticadas de acordo
com os hábitos sociais da cultura em que o indi!íduo se desen!ol!e. 0onsequentemente"
a história da sociedade na qual a criança se desen!ol!e e a história pessoal desta criança
são factores cruciais que !ão determinar sua forma de pensar. 1este processo de
desen!ol!imento cogniti!o" a linguagem tem papel crucial na determinação de como a
criança !ai aprender a pensar" uma !e$ que formas a!ançadas de pensamento são
transmitidas 2 criança atra!s de pala!ras.

/ara ,-gots-" um claro entendimento das relaç3es entre pensamento e língua 


necessário para que se entenda o processo de desen!ol!imento intelectual. 4inguagem
não  apenas uma expressão do conhecimento adquirido pela criança. Existe uma inter)
relação fundamental entre pensamento e linguagem" um proporcionando recursos ao
outro. +esta forma a linguagem tem um papel essencial na formação do pensamento e
do carácter do indi!íduo.

2. A teoria de Piaget sore a !inguagem e o Pensamento das crianças

A psicologia de!e muito a 5ean /iaget. 1ão  exagero di$er)se que ele re!olucionou o
estudo da linguagem e do pensamento infantis" pois desen!ol!eu o mtodo clínico de
in!estigação das idias das crianças que posteriormente tem sido generali$adamente
utili$ado. 6oi o primeiro a estudar sistematicamente a percepção e a lógica infantis7
alm disso" trouxe ao seu ob(ecto de estudo uma no!a abordagem de amplitude e arro(o
in!ulgares. Em lugar de enumerar as defici%ncias do raciocínio infantil quando
comparado com o dos adultos" /iaget centrou a atenção nas características distinti!as do
 pensamento das crianças" quer di$er" centrou o estudo mais sobre o que as crianças t%m
do que sobre o que lhes falta. /or esta abordagem positi!a demonstrou que a diferença
entre o pensamento das crianças e dos adultos era mais qualitati!a do que quantitati!a.

'egundo /iaget" o elo que liga todas as características específicas da lógica infantil  o
egocentrismo do pensamento das crianças. Ele reporta todas as outras características que
descobriu" quais se(am" o realismo intelectual" o sincretismo e a dificuldade de
compreender as relaç3es" a este traço nuclear e descre!e o egocentrismo como
ocupando uma posição intermdia" gentica" estrutural e funcionalmente" entre o
 pensamento autístico e o pensamento orientado.

A idia de polaridade do pensamento orientado e não orientado tomada de emprstimo 2


 psicanálise. +i$ /iaget8

9 pensamento orientado  consciente" isto " prossegue ob(ecti!os presentes no espírito


de quem pensa" * inteligente" isto " encontra)se adaptado a realidade e esforça)se por 
influenciá)la. * suscetí!el de !erdade e erro ... e pode ser comunicado atra!s da
linguagem. 9 pensamento autístico  subconsciente" isto " os ob(ecti!os que prossegue
e os problemas que p3e a si próprio não se encontram presentes na consci%ncia. 1ão se
encontra adaptado 2 realidade externa" antes cria para si próprio uma realidade de
imaginação ou sonhos. Tende" não a estabelecer !erdades" mas a recompensar dese(os e
 permanece estritamente indi!idual e incomunicá!el enquanto tal" por meio da
linguagem" !isto que opera primordialmente por meio de imagens e" para ser 
comunicado" tem que recorrer a mtodos indirectos" e!ocando" por meio de símbolos e
mitos" os sentimentos que o guiam.

". A teoria de #tern sore o desenvolvimento da linguagem

A parte do sistema de :ilhelm 'tern que  mais conhecida e que tem !indo a ganhar 
terreno com o passar dos anos"  a sua concepção intelectualista sobre o
desen!ol!imento da linguagem na criança. 0ontudo"  esta mesma concepção que mais
claramente re!ela as limitaç3es e as incoer%ncias do personalismo filosófico e
 psicológico de 'tern" os seus fundamentos idealistas e a sua aus%ncia de !alidade
científica.

* o próprio 'tern quem descre!e o seu ponto de !ista como ;personalista)gentico<.


Analisaremos o princípio personalista mais 2 frente. /ara (á" !amos !er como 'tern trata
do aspecto gentico. Afirmaremos (á 2 partida que esta teoria" tal como todas as teorias
intelectualistas" " pela sua própria nature$a" anti)gentica.

'tern estabelece uma distinção entre tr%s raí$es da linguagem8 a tend%ncia expressi!a" a
tend%ncia social e a tend%ncia ;intencional<. Enquanto as duas primeiras estão tambm
sub(acentes aos rudimentos de linguagem obser!ados nos animais" a terceira 
especificamente humana. 'tern define intencionalidade neste sentido como uma
orientação para um certo conte=do" ou significado. ;Em determinado estádio do seu
desen!ol!imento psíquico<" afirma ele" ;o homem adquire a capacidade de significar 
algo proferindo pala!ras" de se referir a algo ob(eti!o<. Em subst>ncia" tais actos
intencionais são (á actos de pensamento7 o seu surgimento denota uma intelectuali$ação
e uma ob(etificação do discurso.

 1ão temos nada a obstar 2 afirmação segundo a qual a linguagem humana desen!ol!ida
 possui um significado ob(ecti!o" pressupondo portanto um certo grau de
desen!ol!imento do pensamento" e estamos de acordo em que  necessário tomar em
linha de conta a relação estreita que existe entre a linguagem e o pensamento lógico.

$. As raí%es gen&ticas do pensamento e da linguagem

9 facto mais importante posto a nu pelo estudo gentico do pensamento e a linguagem 


o facto de a relação entre ambas passar por muitas alteraç3es7 os progressos no
 pensamento e na linguagem não seguem tra(etórias paralelas8 as suas cur!as de
desen!ol!imento cru$am)se repetidas !e$es" podem aproximar)se e correr lado a lado"
 podem at fundir)se por momentos" mas acabam por se afastar de no!o. &sto aplica)se
tanto ao desen!ol!imento filogentico como ao ontogentico.

9ntogeneticamente" a relação entre a g%nese do pensamento e a da linguagem  muito


mais intrincada e obscura7 mas tambm aqui poderemos distinguir duas linhas de
e!olução distintas" resultantes de duas raí$es genticas diferentes.

A exist%ncia de uma fase pr)linguística do desen!ol!imento do pensamento na inf>ncia


só recentemente foi corroborada por pro!as ob(ecti!as.

0ostuma!a)se di$er que a linguagem era o início da homini$ação ?@enscherdenB7


tal!e$ sim" mas antes da linguagem" há o pensamento implicado na utili$ação de
utensílios" isto " a compreensão das conex3es mec>nicas e a ideali$ação de meios
mec>nicos com fins mec>nicos" ou" para ser ainda mais bre!e" antes de surgir a
linguagem" a acção torna)se sub(ecti!amente significati!a — por outras pala!ras" torna)
se conscientemente finalista.

As raí$es pr)intelectuais da linguagem no desen!ol!imento da criança há muito que


são conhecidas. 9 papaguear das crianças" o seu choro e inclusi!amente as suas
 primeiras pala!ras são muito claramente estádios do desen!ol!imento da linguagem que
nada t%m a !er com o desen!ol!imento do pensamento.

9 problema do pensamento e linguagem estende)se" portanto" para alm dos limites da


ci%ncia natural e torna)se no problema focal da psicologia humana histórica" ou se(a" da
 psicologia social.

About Press Blog People Papers Job Board Advertise  We're Hiring!  Help Center
Find new research papers in: Physics Chemistry Biology Health Sciences Ecology Earth Sciences Cognitive Science Mathematics Computer Science

Terms Privacy Copyright Academia ©2020