Você está na página 1de 8

LAUDO PSICOLÓGICO

COM ENFOQUE NEUROPSICOLÓGICO

Nome: Lara Dominique Rodrigues Pereira da Silva Idade na avaliação: 11 anos


Escolaridade: 5º Ano Ensino Fundamental Data de nascimento: 27/06/2008
Lateralidade: Destro Data da avaliação: Dezembro/2019

Finalidade: Avaliação para compreensão do funcionamento cognitivo devido dificuldade de


aprendizagem.

Nome da autora: Adriana Fernandes da Silva CRP: 15/4747


Qualificações: Psicóloga Clínica, Pós graduada em Saúde Pública, Pós graduanda em
Neuropsicologia.
Supervisor: Aluízio S. Costa Júnior – Neuropsicólogo Clínico CRP: 15/1428

2. DEMANDA
Lara apresenta histórico de dificuldades no desempenho escolar: dificuldades no processo de leitura,
compreensão e escrita (suprime letras), e em cálculos matemáticos . Sua genitora relata que “fica na
dúvida se ela tem problema ou se é preguiça, pois não entende porque todos aprendem menos ela”
(SIC). Já recebeu atendimento individualizado na escola para ajudar no processo de leitura, além de
professor de reforço em casa. Os professores já indicaram a procura de psicopedagoga para verificar
dificuldades de aprendizagem. A dificuldade de aprendizagem foi percebida desde que iniciou a vida
escolar. Durante o período que estava sendo avaliada encerrava o 5°ano do Ensino fundamental numa
escola privada. Sua genitora expressou preocupação se ela conseguiria acompanhar o restante da
turma em relação ao conteúdo escolar no 6° ano. Relatou ainda, que embora nunca tenha repetido o
ano, acha que deveria ter repetido, devido as dificuldades apresentadas. Foi submetida à Avaliação
Neuropsicológica a fim de analisar suas funções cognitivas, para melhor compreender sua capacidade
de desenvolvimento, organização e planejamento para o alcance de objetivos, e dessa forma,
encontrar subsídios para o delineamento de estratégias de intervenção com a finalidade de trabalhar
com os aspectos cognitivos, emocionais e comportamentais (prejudicados e preservados), favorecendo
sua funcionalidade e melhorando sua qualidade de vida.

3. PROCEDIMENTO
3.1 ANAMNESE SEMI DIRIGIDA
Anamnese realizada com a genitora.
3.2 APLICAÇÃO DE TESTES PSICOLÓGICOS
WASI - ESCALA WECHSLER ABREVIADA DE INTELIGÊNCIA
NEUPSILIN INFANTIL
RAVLT - TESTE DE APRENDIZAGEM VERBAL AUDITIVA DE REY
FCR - FIGURA COMPLEXA DE REY
TAC – TESTE DE ATENÇÃO CONCENTRADA
BPA – BATERIA PSICOLÓGICA DA ATENÇÃO

3.3 TAREFAS PARA VERIFICAÇÃO DE HABILIDADES COGNITIVAS COM ESTUDOS PRELIMINARES DE


PADRONIZAÇÃO PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA E TAREFAS QUALITATIVAS
TESTE DE TRILHAS
TAREFA DIGIT SPAM
CUBOS DE CORSI
TOKEN TEST – VERSÃO REDUZIDA
ESCALA DE COMPORTAMENTO ADAPTATIVO – ABAS II
RECORDAÇÃO DE HISTÓRIAS
INVENTÁRIO DE PREFERÊNCIA LATERAL DE EDIMBURGO

4. INFORMAÇÕES PRELIMINARES
Queixa Histórico Clínico

1
Lara Dominique é a segunda entre duas filhas de sua genitora, sendo que sua” irmã de 21 anos
apresenta quadro depressivo e está em tratamento há quatro anos, além de Déficit de Atenção” (SIC).
Lara fez acompanhamento psicológico durante 6 meses quando tinha cinco anos de idade por ocasião
da separação de seus pais com o objetivo de trabalhar a aceitação do fato. Os objetivos da terapia
foram alcançados e atualmente mantém contato com o pai biológico.
A genitora apresentou deslocamento de placenta, sangramento e ameaça de aborto no primeiro
trimestre da gestação, mas normalizou e seguiu a gestação até os noves meses sem maiores
complicações. A criança nasceu a termo (9 meses), de parto cesáreo, pesando 3 quilos e 650 gramas,
e medindo 51 centímetros.
Lara andou com 1 ano, mas não engatinhou; fez xixi na cama até os cinco anos, não apresentou atraso
na linguagem, embora apresenta fala desorganizada: fala muito rápido e às vezes gagueja. Já fez
acompanhamento fonoaudiológico por causa da gagueira, mas ainda gagueja quando está estressada,
sendo que seu pai também apresenta gagueira.
A genitora relata que “ela é uma menina bem sociável, gosta de fazer amizades, é muito teimosa,
facilmente irritável, impulsiva, foge das responsabilidades e vive no mundo fantástico de Boby,
principalmente durante a realização das tarefas escolares. Sua atividade predileta é dançar: dança de
forma impressionante” (SIC).
Lara já teve pneumonia quatro vezes, fez cirurgia de adenóide aos 3 anos e já fraturou o dedo da mão.
Atualmente apresenta diagnóstico de Hipotireoidismo e faz uso de medicação, levotiroxina sódica
88mcg, desde maio de 2018.
Em relação as habilidades cognitivas, apresenta aprendizagem lenta, distrai-se com facilidade e
apresenta dificuldades em lidar com dinheiro ou matemática.

5. OBSERVAÇÕES CLÍNICAS
Durante a testagem a paciente se mostrou tranquila e participativa, embora sua mãe tenha relatado
que alguns dias ela não queria vir. Sua comunicação foi regular e expressão de linguagem simples.
Algumas vezes pediu para repetir a instrução e parecia distraída. Outros momentos ela demonstrou
insegurança e preocupação se tinha errado a resposta. Ao encerrar as atividades demostrava alívio,
como se participar da testagem fosse algo chato e cansativo.

6. ANÁLISE DE DADOS
Avaliação foi realizada através de testes específicos para cada função cognitiva conforme normas
éticas propostas pelo CFP (Conselho Federal de Psicologia), além de instrumentos qualitativos para a
complementação da investigação e junção destes resultados com os dados da história de vida do
paciente e comportamento em sessão.

6.1 CAPACIDADES COGNITIVAS


6.1.1 – RASTREIO COGNITIVO GERAL - NEUPSILIN INFANTIL
Nesse teste de rastreio de oito funções cognitivas, pode-se observar grandes prejuízos em algumas
funções avaliadas.
Em relação a orientação não apresentou prejuízo, conseguiu pontuar todos os itens dessa função
cognitiva. Dessa forma, demonstrou consciência em relação a sua identidade, ao tempo e ao espaço.
A atenção geral apresentou prejuízo severo, com escore z (-3,6), ou seja, sugere déficit significativo
nessa função que está relacionada ao processamento de estímulos e execução de diversas tarefas
(perceptuais e cognitivas). Sendo que a atenção visual obteve escore z (-3), quando observado o
tempo apresentou escore (0). A atenção auditiva se mostrou prejudicada (-2,4). Esses achados em
relação a atenção, de forma geral, corroboram com o relato da genitora de que a paciente “parece viver
no mundo da lua” (SIC).
A percepção geral apresentou escore z (0,4) indicando resultado positivo.
No geral, a função da memória se mostrou levemente prejudicada, apresentando escore z (-1,2).
Observou-se algum prejuízo na memória de trabalho (-1), que permite o armazenamento e
manipulação simultânea de informações recebidas e necessárias a compreensão e ao aprendizado de
novos conteúdos; a memória visuoespacial obteve escore z (-0,3), semântica verbal (-1,2) e semântica
visuoverbal (-0,5).
A função da linguagem se mostrou extremamente prejudicada, apresentando resultado de (-9,9). Com
exceção da nomeação (0,3), da leitura em voz alta de palavras (0,2) e compreensão escrita (0), todos
os componentes referentes a função da linguagem revelaram resultado negativo e, portanto, apontam
prejuízos severos nessa função que envolve componentes expressivo e receptivo (compreensão). Vale
ressaltar que prejuízos nessa habilidade da linguagem pode indicar risco ou dificuldade de leitura e
escrita, o que corrobora com o histórico de tais dificuldades apresentadas pela paciente.
2
Em relação as habilidades visuoconstrutivas, o resultado foi negativo com escore z (-0,8).
As habilidades aritméticas se mostraram extremamente prejudicadas, se comparadas a indivíduos
dentro de sua faixa etária, com escore z (-14,8), uma vez que não conseguiu efetuar contas simples de
subtração, apresentou dificuldades na multiplicação e não conseguiu resolver contas simples de
divisão. Esse resultado corrobora com o relato da genitora acerca de sua dificuldade com cálculos
matemáticos, tabuada e manipulação de dinheiro.
As funções executivas também apresentaram resultado negativo com escore z (-1,8), apontando para
dificuldades em planejamento e organização direcionados ao alcance de metas, raciocínio, e resolução
de problemas.
Os resultados obtidos a partir do Neupsilin Infantil indicam déficits acentuados em diversos domínios
cognitivos, permitindo rastrear áreas de maior comprometimento ou fragilidade para uma melhor
verificação de tais áreas comprometidas.

6.1.2 - WASI - ESCALA WECHSLER ABREVIADA DE INTELIGÊNCIA


Escores de QI WASI Intervalo de Predição
WISC-IV WAIS III
Soma QI Percentil 90% Intervalo
dos de Confiança 90% 68% 90% 68%
Escores
T

Verbal (QIV) 44 50 < 0,1 48-61


Execução (QIE) 65 70 2 66-79
Escala Total-4 109 57 0,2 54-65 53-61 55-59 - -
(QIT-4)

A partir dos dados obtidos na WASI, Lara


apresentou QI Total-4 = 57, que se
configura como estimativa geral do nível de
funcionamento intelectual da criança
avaliada (com intervalo de confiança de
90% (entre 54 e 65), o que corresponde a
uma classificação de desempenho muito
baixa.

Em relação ao QI Verbal da WASI, que é


uma medida do conhecimento adquirido,
raciocínio verbal e atenção à informação
verbal, obteve escore: 50 (com intervalo de
confiança de 90% entre 48 e 61),
classificado como extremamente baixo.

Quanto ao QI Execução, que é uma medida


de raciocínio fluido, processamento
espacial, atenção a detalhes e integração
visuomotora, demonstrou escore: 70 (com
intervalo de confiança de 90% entre 66 e
79), desempenho classificado como Inferior.

Os subtestes da WASI têm funções distintas


no que diz respeito aos domínios cognitivos
avaliados, como demonstrados a seguir:

3
Em relação aos subtestes de Raciocínios
Verbais: Vocabulário e Semelhanças,
Guilherme obteve os seguintes
desempenhos:

Vocabulário, escore T: 24, indicando grande


dificuldade nas capacidades ligadas a
compreensão, nessa medida que avalia as
habilidades cristalizadas da inteligência,
consistindo em uma tarefa que avalia
genericamente o desenvolvimento da
linguagem, o que implica conhecimento
semântico e conhecimentos adquiridos ao
longo dos anos.

Subteste Semelhanças, escore T: 20, obteve


desempenho extremamente baixo nessa
medida, que avalia a formação de conceitos
verbais, raciocínio verbal abstrato e
habilidade intelectual geral.

Em relação aos subtestes de Raciocínios


Não-verbais, Execução: Cubos e Raciocínio
Matricial, Lara obteve os seguintes
desempenhos:

No subteste Cubos, apresentou escore T: 31,


o que corresponde a um desempenho inferior
nessa tarefa que avalia a expressão de
habilidades visuoespaciais e visuoconstru-
tivas e considera o tempo de realização da
tarefa.

Com relação ao subteste Raciocínio


Matricial, obteve escore T: 34, desempenho
inferior. Tarefa de raciocínio fluido e
habilidade intelectual geral.

6.2 ATENÇÃO E FUNÇÕES EXECUTIVAS


6.2.1 ATENÇÃO
6.2.1 – TESTAGEM PSICOLÓGICA PARA AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO

Atenção Pontos Brutos Pontuação Padrão Classificação


Atenção Geral 79 101 Média
Atenção Seletiva 45 103 Média
Atenção Seletiva com 1 76 Baixa
maior grau de dificuldade-
Atenção dividida
Atenção Alternada 33 106 Média

4
Atenção Seletiva – Média – O resultado apontou para capacidade de atenção seletiva na média, se
comparado às pessoas da amostra normativa, o que indica capacidade para selecionar uma única
fonte de informação diante de vários estímulos distratores em um tempo predeterminado.
Atenção Seletiva com maior grau de dificuldade ou Atenção Dividida– Baixa – Embora disponha
de atenção seletiva, como mostrado acima, pode-se perceber dificuldade significativa quando o grau de
complexidade foi aumentado, o que indica dificuldade quando a atividade é mais elaborada e exige
maior habilidade cognitiva.
Atenção Alternada – Média - Dispõe de atenção alternada, o que indica capacidade média, se
comparada a pessoas da amostra normativa, de focar sua atenção e selecionar ora um estímulo, ora
outro, por um determinado período de tempo e diante de vários estímulos distratores.
Atenção Geral – Média- Obteve uma pontuação bruta total 79 pontos, que corresponde a uma
classificação média. Esse resultado sugere que ele apresenta uma capacidade atencional geral na
média, se comparado às pessoas da amostra normativa.
Os resultados do TAC revelam que a avaliada consegue desenvolver algumas tarefas que exigem
atenção seletiva quando a natureza da tarefa é simples, porém quando as tarefas são mais elaboradas
e exigem maior habilidade cognitiva, o rendimento baixou significativamente. No Teste de rastreio
Neupsilin Infantil a função da atenção se mostrou bastante prejudicada.
A partir do Teste de Trilhas foi possível perceber algumas dificuldades atencionais, mesmo
conhecendo as letras fez uma sequência de apenas 5 letras, o que sugere erro por falta de atenção.

6.2.2 FUNÇÕES EXECUTIVAS


6.2.2.1 - FUNÇÕES EXECUTIVAS
Demonstrou dificuldade no planejamento e organização mental, sendo incapaz de delimitar uma
estratégia eficaz com objetivo de cumprir uma meta proposta. Em algumas situações, realiza as
atividades sem “pensar antes”, o que dificulta a criação de um plano de ação, como aponta o resultado
da Tarefa Cubos do WASI que revelou desempenho inferior e a Figura Complexa de Rey, na qual
pode-se observar dificuldades no planejamento e organização para reprodução da cópia da figura.
Na tarefa Span de Dígitos apresentou escore Z (-1,6) na ordem direta e escore Z (-1,7) na ordem
inversa esse resultado indica déficit em memória operacional. Na tarefa Cubos de Corsi obteve escore
Z (-1,3) na ordem direta, esse desempenho aponta para alerta para possível déficit; obteve escore Z (-
0,1) na ordem inversa, desempenho se manteve na média. Tal resultado sugere que a avaliada pode
ter um potencial mais elevado do que se mostra, pois alguns erros observados se deram por falta de
atenção.
A partir do resultado da tarefa Teste de Trilhas, que avalia as funções executivas e flexibilidade
cognitiva, apresentou algumas dificuldades em realizar a parte “A” da tarefa que
avalia a busca visual e serve como linha de base para interpretação do desempenho na parte “B”;
demonstrou baixo desempenho na parte “A” correspondente ao sequenciamento das letras; conhece
as letras, mas apresentou dificuldade na memória automática. Contudo, na parte dos números não
apresentou dificuldades na sequenciação. Na parte “B” que avalia Atenção, velocidade e sobretudo
flexibilidade cognitiva, obteve Pontuação Padrão (-15) na tabela B-A o que aponta para um
desempenho baixo para sua faixa etária. No geral, apresentou dificuldade em sustentar a informação
para executar o comando e alguma dificuldade no uso da linguagem automática. O resultado apontou
para baixa capacidade de flexibilidade cognitiva, além de não sustentar a informação quando faz busca
visual no sequenciamento de letras. Pode-se observar dificuldade ao realizar atividades automáticas de
maneira rápida e precisa, sugerindo baixa eficiência cognitiva.

6.3 MEMÓRIA E APRENDIZAGEM VERBAL


6.3.1 TESTE DE APRENDIZAGEM AUDITIVO VERBAL DE REY - RAVLT
Categorias Percentil Desempenho / Interpretação Clínica
A1 5 Inferior
Primeiras etapas de A2 50 Médio / Típico
aprendizagem A3 25 Médio Inferior/ Possível déficit
A4 5-25 Inferior
A5 25-50 Médio Inferior / Possível déficit
Distrator B1 75 Médio / superior
Evocação Imediata A6 25 Médio Inferior/Possível déficit
Evocação Tardia A7 5-25 Inferior
Reconhecimento Reconhecimento 25 - 50 Médio Inferior / Possível déficit
5
Escore total 25 - 50 Médio Inferior / Possível déficit
Índices de
Aprendizagem ao longo das
Aprendizagem 50 - 75 Médio / Típico
tentativas
Índice de Retenção Velocidade de Esquecimento 5 - 25 Inferior
Interferência Proativa 95 Médio / Superior
Índices de Interferência
Interferência Retroativa 25 -50 Médio Inferior/ Possível déficit

Os resultados do teste RAVLT sugerem desempenho Inferior na evocação imediata, demonstrando


dificuldades na capacidade de resgatar as informações imediatamente após terem sido apresentadas.
Conforme sucessivas exposições ao estímulo demonstra curva de aprendizagem oscilante, mas
ascendente, aprendeu a quantidade dentro do esperado para a sua idade, demonstrando rendimento
mediano no seu índice de aprendizagem (ALT). Ao ser apresentada lista de distratores, observou-se
uma melhora significativa no seu aprendizado com desempenho médio superior. Após distrator exprime
uma recordação espontânea (A6) média Inferior que indica possível déficit. O padrão de desempenho
diminuiu quando o resgate espontâneo (A7) foi solicitado após intervalo de tempo (memória de longo
prazo); demonstrando uma velocidade de esquecimento com desempenho Inferior, indicando
dificuldade em manter o conteúdo aprendido conforme a passagem de tempo. A memória de
reconhecimento demonstrou desempenho médio inferior, o que aponta para possível déficit no resgate
da informação armazenada, sugerindo dificuldade em resgatar corretamente conteúdos aprendidos,
confundindo em suas respostas os conceitos aprendidos, ou seja, tem dificuldade de acessar o
conteúdo aprendido por não organizar a informação indexada corretamente (guardando nas “gavetas
de conceitos corretos”). Após interferência perde algum conteúdo anteriormente aprendido
(interferência retroativa com percentil maior que 25, classificação médio inferior), contudo, tem
capacidade de aprender uma nova informação (interferência proativa com rendimento médio superior).

6.4 MEMÓRIA E APRENDIZAGEM VISUAL

Figura Complexa de Rey Percentil < 10 Inferior


(evocação imediata 3’)

Figura Complexa de Rey Análise qualitativa da tarefa, comparando a


(evocação tardia 30’) produção da figura no curto e longo prazo.

Diante dessa atividade que avalia a memória visual, Lara demonstrou uma evocação imediata muito
abaixo do esperado. Embora o conteúdo aprendido seja armazenado precariamente na memória
imediata, observou-se aumento no rendimento, ainda que inferior, diante da evocação tardia visual.
Sugere-se que a preocupação demonstrada pela fala constante: “fiz tudo errado” possa interferir na
evocação imediata.

6.5 PERCEPÇÃO VISUAL E VISUOCONSTRUÇÃO

TESTES Escore T Percentil Classificação


Cubos (Subteste WASI) 31 -- Limítrofe
Figura Complexa de Rey (cópia) --- <10 Inferior
No subteste Cubos, apresentou bastante dificuldade em praxia construtiva demonstrando pouca
capacidade de planejamento (funções executivas) o que contribuiu diretamente em suas habilidades
visuoconstrutivas, prejudicando o seu desempenho nas referidas funções. Em atividades que
envolviam habilidades de percepção visual, como demonstrado a partir da Figura complexa de Rey, na
qual obteve desempenho inferior com percentil < 10, ao produzir a cópia da figura, demonstrou
percepção visual empobrecida. Não foi capaz de copiar boa parte dos itens que compõem a figura.

6.6 LINGUAGEM
TESTES Escore T Percentil Classificação
Vocabulário (Subteste WASI) 24 5 Deficitária
Apresentou dificuldade em compreender as instruções simples e complexas oferecidas ao longo da
testagem. Apresentou pouca capacidade de abstração, vocabulário abaixo da média para sua idade e
sem capacidade de argumentação. Demonstra linguagem empobrecidas diante de respostas pouco
comuns para sua idade.

6
Na tarefa Token Test reduzido que avalia distúrbios leves de compreensão da linguagem, demonstrou
desempenho equivalente ou esperado para crianças com idade de 9 anos, ou seja, desempenho
inferior ao esperado para sua idade.

7. AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO ADAPTATIVO

Escore Percentil Intervalo de Classificação


Composto confiança (95%)
Comportamento Adaptativo 101 53 97-105 Médio
Geral
Conceitual 92 30 86-98 Médio

Social 116 86 109-123 Médio Superior

Prático 81 10 74-88 Médio inferior

A partir da Escala de Avaliação do Comportamento adaptativo ABAS II, apresentou escore


composto:101, com desempenho médio, nessa medida que avalia o comportamento adaptativo, que
pode ser definido como o grau de eficiência com que o indivíduo preenche as normas de independência
pessoal e responsabilidade social que são esperadas para sua idade ou grupo cultural. Refere-se ao que
os indivíduos fazem de modo a tomarem conta de si e a se relacionarem como os outros na vida diária,
mais do que o potencial abstrato que implica inteligência (Grossman, 1983). Sendo que o
comportamento adaptativo se expressa nas habilidades conceituais, sociais e práticas.
A avaliada apresentou escore composto:92, desempenho médio, nas habilidades conceituais, nessa
medida ligada a capacidade intelectual e cognitiva; linguagem receptiva e expressiva; letramento e
escrita; enumerar; conceitos de dinheiro, tempo; comportamento autônomo e independente, etc. Em
comunicação apresentou ponto ponderado:10, desempenho médio; em funcionamento acadêmico
obteve ponto ponderado: 7, desempenho médio inferior; auto direção, ponto ponderado: 8, desempenho
médio inferor. A avaliada demonstrou dificuldades significativas nos itens que avaliam a contagem e
manejo de dinheiro.
Nas habilidades socias obteve escore composto: 116, desempenho médio superior, nessa medida que
avalia a responsabilidade social, prudência (cautela); autoestima consistente; observância de regras e
leis; capacidade de solucionar problemas sociais. Apresentou ponto ponderado:13, desempenho médio
superior em lazer; em sociabilidade, ponto ponderado:12, desempenho médio superior.
Em habilidades práticas obteve escore composto: 81, desempenho médio inferior, nessa habilidade
que avalia autocuidado (alimentar-se, preparar alimento, deslocar-se, higienizar-se, vestir-se, etc.);
habilidades ocupacionais; uso de dinheiro; segurança; cuidados com a saúde; uso de transporte;
cumprimento de rotinas; uso de equipamentos e recursos como uso de telefones, dentre outros . Obteve
ponto ponderado 14, desempenho superior em uso comunitário; ponto ponderado:2, desempenho
deficitário em vida em casa; ponto ponderado: 14, desempenho superior em saúde e segurança; ponto
ponderado: 9, desempenho médio em cuidados pessoais.

8. CONCLUSÃO

Mediante o seu desempenho na avaliação, histórico clínico e de desenvolvimento, nota-se um atraso


cognitivo. Sendo, portanto, necessário o apoio substancial para déficits cognitivos, principalmente
déficits mnêmicos, atencionais e nas capacidades de compreensão e abstração.
No geral, o funcionamento intelectual da avaliada apontou para um QI 57, o que corresponde a um
funcionamento intelectual deficitário, ou seja, apresenta dificuldades intelectuais significativas, que
indicam prejuízos nos domínios cognitivos, habilidades acadêmicas e práticas. Ao avaliar o
comportamento adaptativo, observou-se que embora apresente dificuldades em algumas habilidades
conceituais específicas e algumas atividades práticas, a avaliada possui habilidades sociais e de
comunicação que favorecem seu comportamento adaptativo e socialização. A partir dos resultados
obtidos, observou-se um rendimento abaixo do esperado para sua faixa etária em grande parte das
funções e constructos cognitivos avaliados, como funcionamento executivo (memória operacional,
planejamento e organização), além de comprometimento nas funções mnêmicas e atencionais. Vale

7
enfatizar que o resultado mostra que a avaliada pode ter potencial mais elevado do que se mostra na
testagem, pois alguns erros observados se deram por falta de atenção e desinteresse na tarefa.
Mediante o seu desempenho na avaliação, histórico clínico e de desenvolvimento, nota-se
desorganização e dificuldades práticas da vida cotidiana que são empecilhos ao alcance de metas e
independência pessoal . Portanto, o paciente necessita de acompanhamento Interdisciplinar
(Psicólogo, e Psicopedagogo) para observar a evolução dos padrões do seu desenvolvimento.
Necessita também de cuidados/orientação por parte da família quanto às suas AVD’s - Atividade da
Vida Diária propondo tarefas especificas para que possa adquirir melhor organização e
responsabilidade.
Indica-se reavaliação Neuropsicológica após um ano, para comparação dos atuais achados.

9. INTERVENÇÕES E ACOMPANHAMENTOS
FAMÍLIA
 Proporcionar acolhimento, orientação e incentivar aspectos positivos e potencialidades;
 Controlar o uso de quaisquer distratores (Jogos, celulares, etc.) de forma que não atrapalhe a
organização da rotina com suas atividades diárias e acadêmicas;
 Procurar falar de forma clara com uso de linguagem simples;
 Delegar algumas atividades, para que possa adquirir compromisso e responsabilidade.

ESCOLA
 Assistir as aulas nas primeiras carteiras, longe de distrações;
 Proporcionar suporte pedagógico específico visando o desenvolvimento de habilidades
cognitivas prejudicadas.

EQUIPE MULTIDISCIPLINAR
Psicólogo – Intervir de modo a melhorar aspectos emocionais e cognitivos, visando fortalecer
seu quadro psicológico. Pensar estratégias de intervenções voltadas para melhorar autopercepção e
comportamentos relacionados a organização, trabalhando de forma a minimizar as dificuldades
apresentadas e estimular as suas potencialidades, assim como a psicoeducação com responsáveis;

Psicopedagoga – Intervir nas dificuldades de aprendizagem apontadas e estimular áreas


prejudicadas.
Professor de reforço - Auxiliar nos conteúdos escolares ou disciplinas de maior dificuldade.

Coloco-me à disposição para quaisquer outros esclarecimentos,

Maceió, 02 de Março de 2020.

Adriana Fernandes da Silva


Psicóloga / Especializanda em Neuropsicologia
CRP 15/4747 Aluízio S. Costa Júnior
Neuropsicólogo Supervisor
CRP 15/428

Você também pode gostar