Você está na página 1de 11

1

0.1 Introdução
A situação de aprender e ensinar implica na organização de um cenário físico, abstracto e
relacional.
A actividade pedagógica implica sempre em um movimento de trocas entre professor, alunos
e conteúdos de ensino. A organização do sistema de ensino repercute em uma proposta
organizada e apresentada aos alunos. Considerada como a proposta ideal ou apenas
inicialmente ideal, a partir da qual decorrem as demais acções educacionais.
Uma aula sempre pode ser bem aproveitada “toda aula, em resumo, seja qual for o objectivo a
que vise, e por mais claro, preciso, restrito, que este se apresente, tem sempre uma inelutável
repercussão mais ou menos ampla, no comportamento e no pensamento dos alunos”
Desta forma não existiria uma aula, uma acção pedagógica que não seja interessante ou que
de certa forma não ocorra aprendizagem.
Essa dinâmica pode acarretar em desafios despertados aos professores e alunos, agentes
envolvidos no processo. No entanto, estes podem ser concebidos como factores que
impulsionam (professor e aluno) a busca de inovações no plano de desenvolvimento pessoal e
profissional.
Neste trabalho abordar-se-á o tema sobre “ os desafios de um bom professor” e que apresenta
como subtítulos os seguintes: Desafios do Professor no Século XXI, Desafios ou problemas
enfrentados na prática docência, Desafios da prática pedagógica na actualidade e Princípios
de um bom professor.
2

0.2 Objectivos

0.2.1 Objectivo geral


 Conhecer os desafios para um bom professor

0.2.2 Objectivos específicos


 Identificar os desafios do Professor no Século XXI,
 Explicar os desafios ou problemas enfrentados na prática docência,
 Descrever os desafios da prática pedagógica na actualidade
 Indicar os princípios de um bom professor.

0.3 Metodologias
Para a produção do presente trabalho o grupo recorreu à consultas bibliográficas de obras que
versam sobre o tema em estudo e também à Internet.
3

0.4 Conceitos básicos

Aluno é quem aprende, aquele de quem existe a escola (LIBANEO, 1992)

Aprendizagem é um processo de assimilação de determinados conhecimento e modos de


acção física e mental organizados e orientados no processo de ensino e visa criar uma
modificação na actividade externa e interna do sujeito nas suas relações com o ambiente e
social (LIBANEO, 1992)

Aula é toda a situação didáctica na qual se põe objectivos, conhecimentos, problemas,


desafios com fins instrutivos e formativos que incitam as crianças, jovens a aprender
(LIBANEO, 1990)

Ensino é toda a forma de orientar a aprendizagem a outrem desde a acção directa ate à
execução de tarefas de total responsabilidade do educando, previstas pelo professor (NERCI,
1991)
4

0.5 Desafios do Professor no Século XXI

A profissão de Professor é uma das mais antigas e mais importantes, tendo em vista que as
demais, na sua maioria, dependem dela.

Estabelecendo comparação entre o Professor de antiguidade e o Professor de hoje, a


tendência é de julgarmos que os Professores de outrora eram mais respeitados, tinham e
exerciam mais autoridade, “explicavam” mais, ensinavam melhor e mereciam distinção dos
alunos, logo, eram tidos como inesquecíveis mas a questão fundamental seja essa. O certo é
que os tempos mudaram, as sociedades evoluíram e a realidade é bem diferente.

O importante é entendermos que o Professor da actualidade é como um “Homem Novo”, um


Homem “formatado” segundo “Novos Paradigmas”.

O papel do Professor na Educação Moderna está impregnado de complexidades. Enfrenta


outros desafios, deve estar mais capacitado académica e pedagogicamente, permitindo-lhe
lidar com alunos com conhecimentos e pensamentos diversos e cujos interesses reflectem
particularidades diferentes.

Segundo Daniel Medina” todos não nascemos com vocação para a docência, uns exercem-na
com muito profissionalismo, educam seus alunos para a vida, outros nem tanto, a respeito de
terem habilitação académica para o exercício dessa profissão, mesmo assim, não se
entregaram”

O professor não pode colocar-se na posição ingénua de quem se pretende detentor de todo o
saber; deve, antes, colocar-se na posição humilde de quem sabe que não sabe tudo,
reconhecendo que o analfabeto não é um homem ‘perdido’, fora da realidade, mas alguém
que tem toda a experiência de vida e por isso também é portador de um saber (MEDINA,
1999:2).

0.5.1 Desafios ou problemas enfrentados na prática docência.


O professor autoritário, o professor licencioso, o professor competente, sério, o professor
incompetente, irresponsável, o professor amoroso da vida e das gentes, o professor mal-
amado, sempre com raiva do mundo e das pessoas, frio, burocrático, racionalista, nenhum
deles passa pelos alunos sem deixar sua marca (FREIRE, 1996:73).
Tal abordagem foi descrita por Libâneo (1994:250) ao sugerir que “o professor não apenas
transmite uma informação ou faz perguntas, mas também ouve os alunos”
5

Freire (1996:96) acentuou “[...] o bom professor é o que consegue enquanto fala trazer o
aluno até a intimidade do movimento do seu pensamento. Sua aula é assim um desafio [...]

0.5.1 Desafios da prática pedagógica na actualidade.


Actualmente é fundamental analisar o processo de formação dos profissionais, ou seja, é
preciso mudar o paradigma de formação e ainda reflectir sobre a distância entre a formação
profissional académica e o campo de trabalho (acção pedagógica),
O professor deve se colocar na posição de aprendiz que busca uma formação profissional
contínua e deve adoptar uma actividade docente inovadora e criativa.
O professor do séc. XXI deve ser um profissional da educação que elabora com criatividade
os conhecimentos teóricos e críticos sobre a realidade, tendo o mesmo que centrar-se numa
prática pedagógica de êxito, com uma aprendizagem satisfatória e significativa, pois as
constantes mudanças ocorridas na sociedade exigem uma nova postura do professor, bem
como um repensar crítico sobre a educação

Kenski (2001:103) afirma que “o papel do professor em todas as épocas é ser o mensageiro
permanente das inovações existentes. Ensinar é fazer conhecido o desconhecido. Agente das
inovações por excelência o professor aproxima o aprendiz das novidades, descobertas,
informações e noticias orientadas para a efectivação da aprendizagem”.

O papel do professor é de mediação entre o aluno e o conhecimento a ser trabalhado e


construído, ou seja, deve conceber estratégias de ensino que visam ensinar a aprender, bem
como persistir no empenho de auxiliar os alunos a pensarem de forma crítica e aprender
novamente a aprender como ensinar, onde através da troca de experiências se cria um espaço
de formação mútua, e cada professor desempenha simultaneamente, o papel de formador e de
formando e o aluno interioriza um conjunto de valores favoráveis à aquisição de cidadania.

O professor deve conhecer o significado da docência, juntamente com as suas características


pessoais e competências profissionais, para que se tenha como resultado, diferentes
posicionamentos em sala de aula, tanto dos educadores como dos educandos.
6

Moura (2001:155) diz que “fazer da sala de aula o lugar de aprendizagem natural do sujeito é
estabelecer como objectivo da escola criação de um ambiente onde se partilha e constrói
significados. Sendo assim, a prática pedagógica do professor não fica situada apenas no
âmbito do conhecimento, envolve também dimensões éticas, na medida em que lida com
valores, interesses e concepções de homem e de mundo, assim, o papel do professor é ser
competente nessa acção planejada.

As relações educacionais, sofreram grandes transformações que os professores sentem maior


dificuldade em mediar o conhecimento com determinados alunos.
O professor nesse contexto mantém uma postura norteadora do processo ensino-
aprendizagem, quando busca novas aprendizagens e se utiliza destas para construir e
colaborar com a construção de novos conhecimento tanto para si como para seu educando.

Sobre essa prática, Gadotti (2000:9) afirma que “o professor é um mediador do


conhecimento, diante do aluno que é o sujeito da sua própria formação”.
É primordial que o professor acompanhe a evolução da turma, respeite as diferenças de estilo,
principalmente que seja crítico reflexivo, tenha condições de pensar e repensar a sua prática,
buscando novos caminhos para solucionar problemas, que tenha coerência entre discurso e
prática.

Segundo Moura (2009) ”Os futuros professores, serão responsáveis pela organização deste
conhecimento junto aos aprendizes. É necessário que estes professores tenham clareza de que
o processo ensino-aprendizagem encontra-se em reformulação contínua diante das
transformações sociais e do avanço tecnológico e científico”.

0.5.2 Princípios de um bom professor


O professor do século XXI é aquele que, além da competência, habilidade interpessoal,
equilíbrio emocional, tem a consciência de que mais importante do que o desenvolvimento
cognitivo é o desenvolvimento humano e que o respeito às diferenças está acima de toda
pedagogia.
A função do bom professor do século XXI não é apenas a de ensinar, mas de levar seus
alunos ao reino da contemplação do saber.

Segundo MARTINS (1998) os princípios de um bom professor são:


7

Aprimorar o educando como pessoa humana.

A nossa grande tarefa como professor ou educador não é a de instruir, mas a de educar nosso
aluno como pessoa humana, como pessoa que vai trabalhar no mundo tecnológico.

De nada adianta o conhecimento bem ministrado em sala de aula, se fora da escola, o aluno
se torna um homem brutalizado, desumano e patrocinador da barbárie.

Preparar o educando para o exercício da cidadania.

A grande finalidade é de fazer o bem às pessoas: fazer o bem, é preparar nosso aluno para o
exercício exemplar e pleno da cidadania.
O cidadão não começa quando os pais registam seus filhos, a cidadania começa na escola,
desde os primeiros anos da educação infantil e se estende à educação superior, mas sim
começa com o fim do medo de perguntar, de inquirir o professor, enfim, quando o aluno
aprende a saber fazer e criar um clima de paz e bem-estar social, política e económico no
meio social.

Construir uma escola democrática.

A gestão democrática é a palavra de ordem na administração das escolas.


Quanto mais a escola for democrática, mais transparente. Quanto mais a escola é
democrática, menos erra, tem mais acerto e possibilidade de atender com equidade as
demandas sociais. Quanto mais exercitamos a gestão democrática nas escolas, mais nos
preparamos para a gestão da sociedade política e civil organizada.
Portanto, quem chega à universidade não deve nunca descartar a possibilidade de inserção no
meio político e poder exercitar a melhor política do mundo, a democracia.

Qualificar o educando para progredir no mundo do trabalho.

A escola através de seus professores, poderá qualificar o educando para aprender a progredir
no mundo do trabalho, quer dizer, oferecer instrumentos para dar respostas, às novas
demandas sociais, principalmente o novo que vem nas novas ocupações e empregabilidade.
8

Fortalecer a solidariedade humana.

É papel da escola favorecer a solidariedade, pois, é na solidariedade que a escola pode


desenvolver, no aluno cidadão os interesses da colectividade e às responsabilidades de uma
sociedade.

Fortalecer a tolerância recíproca.

Um dos mais importantes princípios de quem ensina e trabalha com crianças, jovens e
adultos é o da tolerância.
A tolerância começa na aceitação, sem reserva, das diferenças humanas, expressas na cor, no
cheiro, no falar e no jeito de ser de cada educando.
Só a tolerância é capaz de fazer o educador admitir modos de pensar, de agir e de sentir que
seja diferente dos de um indivíduo ou de grupos determinados, políticos ou religiosos
9

0.6 Conclusão
Conclui-se que nada está pronto, o professor está num processo de redefinição da profissão e
da compreensão da prática. Este deve procurar desenvolver em seus alunos o raciocínio, a
imaginação, a argumentação e o senso de observação: trabalhando a interactividade, tendo
criatividade para alcançar seus objectivos, assumindo colectivamente a responsabilidade em
relação ao aluno e devem adquirir novas competências em relação a sua formação. Cabe
ressaltar que nem sempre o professor consegue buscar esse conhecimento em condições
dignas de trabalho, pois, o momento actual exige do professor conhecimentos que vão além
daqueles de sua área específica, levando-o a avaliar e rever constantemente sua prática
pedagógica, visando mudanças.
Assim pode-se acreditar na formação de alunos aptos a viver uma cidadania plena. Porém,
vale ressaltar, que tal processo é longo e contínuo devendo este, ser o objectivo de cada
professor, pois, formar cidadãos competentes e críticos requer muito esforço, em todos os
níveis de ensino, da educação infantil a pós graduação.
É necessário estar atento às transformações e buscar sempre o aperfeiçoamento na área de
actuação. O crescimento profissional deve ser contínuo tendo sempre a clareza de que
professor é o facilitador. Que na actualidade está difícil a separação da educação com
tecnologias da informação e comunicação, pois, esta é recurso fundamental para aquela.
10

0.7 Bibliografia
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo:
Paz e Terra, 1996.

GADOTTI, M. Perspectivas actuais da educação. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas, 2000.

LIBÂNEO, J. C. Didáctica. São Paulo: Cortês, 1994.

MOURA. M. A actividade de ensino como acção formadora, 2001.

KENSKI, V.M. O papel do Professor na Sociedade Digital, 2001.

.
11

Índice página
0.1 Introdução ....................................................................................................................... 1

0.2 Objectivos ....................................................................................................................... 2

0.2.1 Objectivo geral ............................................................................................................. 2

0.2.2 Objectivos específicos .................................................................................................. 2

0.3 Metodologias................................................................................................................... 2

0.4 Conceitos básicos ............................................................................................................ 3

0.5 Desafios do Professor no Século XXI .............................................................................. 4

0.5.1 Desafios ou problemas enfrentados na prática docência. ............................................... 4

0.5.1 Desafios da prática pedagógica na actualidade. ............................................................. 5

0.5.2 Princípios de um bom professor .................................................................................... 6

0.6 Conclusão ....................................................................................................................... 9

0.7 Bibliografia ................................................................................................................... 10

Você também pode gostar