Você está na página 1de 15
Justiga Eleitoral PJe - Proceso Judicial Eletrénico 30/09/2020 Numero: 0600163-13.2020.6.11.0034 Classe: REPRESENTAGAO Orgao julgador: 034* ZONA ELEITORAL DE CHAPADA DOS GUIMARAES MT Ultima distribuigdo : 23/09/2020 Valor da causa: R$ 0,00 Assuntos: Propaganda Politica - Propaganda Eleitoral - Extemporanea/Antecipada Objeto do processo: Propaganda Eleitoral Negativa Segredo de justica? NAO. Justiga gratuita? NAO Pedido de liminar ou antecipaco de tutela? SIM Partos: Procurador/Terceiro vinculado ‘THELMA PIMENTEL FIGUEIREDO DE OLIVEIRA FABIANA NAPOLIS COSTA (ADVOGADO) (REPRESENTANTE) DIRETORIO MUNICIPAL PARTIDO DA SOCIAL, FABIANA NAPOLIS COSTA (ADVOGADO) DEMOCRACIA BRASILEIRA EM CHAPADA DOS GUIMARAES MT (REPRESENTANTE) PAULO ROBERTO BOMFIM DE JESUS (REPRESENTADO) |blog paginadoenock.com.br (REPRESENTADO) www.paginadoestado.com.br (REPRESENTADO) IVANILZA MOREIRA (REPRESENTADO) a PROMOTOR ELEITORAL DO ESTADO DO MATO GROSSO (FISCAL DA LE!) [ Documentos 16. | Datada [Documento Tipo sinatra (91237 [2610072020 1623 | Decisio Desist 49 [Pegg [zseer2t20 16:4] Decinso Deciséo JUSTIGA ELEITORAL 034° ZONA ELEITORAL DE CHAPADA DOS GUIMARAES MT REPRESENTAGAO (11541) N° 0600163-13.2020.6.11.0034 / 034 ZONA ELEITORAL DE CHAPADA DOS GUIMARAES MT REPRESENTANTE: THELMA PIMENTEL FIGUEIREDO DE OLIVEIRA, DIRETORIO MUNICIPAL PARTIDO DA SOCIAL DEMOCRACIA BRASILEIRA EM CHAPADA DOS GUIMARAES MT ‘Advogado do(a) REPRESENTANTE: FABIANA NAPOLIS COSTA - MT15569/O ‘Advogado do(a) REPRESENTANTE: FABIANA NAPOLIS COSTA - MT15569/O REPRESENTADO: PAULO ROBERTO BOMFIM DE JESUS, BLOG PAGINADOENOCK.COM.BR, WWW.PAGINADOESTADO.COM.BR, IVANILZA MOREIRA DEcIsAO Trata-se de representacao por propagande eleitoral negativa extemporanea com pedido de liminar ajuizada por THELMA PIMENTEL FIGUEIREDO DE OLIVEIRA e DIRETORIO MUNICIPAL DO PARTIDO DA SOCIAL DEMOGRACIA BRASILEIRA - PSDB DE CHAPADA DOS GUIMARAES-MT em face de PAULO ROBERTO BOMFIM DE JESUS, IVANILZA MOREIRA, sitios eletronicos www.paginadoestado.com.br e www.paginadoenock.com.br, todos qualificados na inicial Afirma que o primeiro representado passara a publicar diversas materias de cunho inveridico € ofensivo, em verdadeira campanha difamatéria contra a primeira representante. Conta que sem embargo de outras matérias, o objeto desta representagao diz respeito a um artigo veiculado nos sitios eletrénicos representados acima, intitulado “Pistolagem eleitoral em Chapada dos Guimarées’. Diz que o artigo sobredito insinua que 0 pré-candidato Paulinho do Quero Mais teria ameagado a Vida de outro pré-candidato em conluio com a atual prefeita, ora representante. Narra que além de tal insinuag&o ofensiva, o primeiro representado, com a divulgagao do artigo, teria direcionado ofensas a honra e imagem da atual prefeita. Pede a concessao de liminar para a retirada da matéria dos sitios e das demais plataformas de conteido digital, incluindo redes sociais, bem como sejam os representados obrigados a retrataco pelos mesmos meios. Com a inicial vieram documentos. Informago do Cartério Eleitoral anexada O proceso veio concluso. Eo relato do essencial. Fundamenta-se e decide-se. De proémio, necessdrio estabelecer um contexto conceitual acerca do que efetivamente € propaganda, ‘Assia eeroricamente per RAMON FAGUNDES BOTELHO - 26/09/2020 16.28.43 Num, 9123749 - Pag. 4 pst sus br44parProcesso!ConsutaDocumantoitView seam?x-200026 182°4980200000008884719 mero do cocimente: 2008261623436r9000000006047 18 Como sabido, propaganda significa difundir, espalhar ou propalar ideias por meio de reproduc&o que tome comum a outras pessoas, buscando incutir certos pensamentos, influenciar opiniées ou criar impressées positivas ou negativas. Pode ser definida como a difusdo deliberada de mensagem, aptas a criar uma imagem positiva ou negativa de determinados fendmenos, pessoas, movimentos, acontecimentos, instituigSes etc. ‘A propaganda negativa, por sua vez, tem por finalidade 0 menoscabo ou a desqualificacdo dos candidatos oponentes, sugerindo que nao detém os adornos ou aptidéo necessdria para desempenho do cargo eletivo. A Lei das Eleicées disciplina data especifica para o inicio da propaganda, a qual geralmente coincide com o término do prazo para registro das candidaturas e, neste ano, ocorreré no préximo dia 27 de setembro, devido as alteragdes no calendario eleitoral ocasionadas pela pandemia COvID-19, Qualquer ato de propaganda realizada antes deste periodo é considerada extemporanea ou antecipada, demandando sua retirada e respectiva sancdo. De outro norte, a mesma lei explicita condutas que nao configuram propaganda antecipada, no dispositivo abaixo colacionado: Art. 36-A, Nao configuram propaganda eleitoral antecipada, desde que nao envolvam pedido explicito de voto, a mengdo a pretensa cendidatura, a exaltagao das quelidades pessoais dos pré- candidatos os seguintes atos, que poderao ter cobertura dos meios de comunicacao social, inclusive via internet: (.) \V - a divulgacao de posicionamento pessoal sobre ques socials; inclusive nas red Mais e além, tem-se em como ligdo doutrinaria que a “critica politica ~ dura, mordaz, espinhosa, acida ~ é pega essencial ao debate democratico’, sendo natural em campanhas eleitorais a utilizagdo de estratégias de desqualificagao de oponentes, realgando seus defeitos, pontos fracos, eros e manchas em suas biografias[1] Para que houvesse ent&o caracterizagao de propaganda antecipada negativa, a critica veiculada teria que ultrapassar os limites da liberdade de expresso. Nesse sentido: (...]2. Configuram propaganda eleitoral antecipada negativa criticas que desbordam os limites da liberdade de informacao, em contexto indissociavel da disputa eleitoral do pleito vindouro. tr (Ac. de 10.2.2011 no AgR-REspe n° 3967112, rel, Min, Amialdo Versiani.) “Recurso especial. Direito de resposta. Expresso injuriosa. [.. 2. As criticas - mesmo que veementes — fazem parte do jogo eleitoral, ndo ensejando, por si s6, 0 direito de resposta, desde que nao ultrapassem os limites do questionamento politico e nao descambem nem para 0 insulto pessoal nem para a increpacao de conduta penalmente coibida. Além, claro, da proibigdo de se veicular fates sabidamente inveridicos. [..’ (Ac. de 2.10.2006 no REspe n° 26.777, rel. Min. Carlos Ayres Britto.) RECURSO ELEITORAL. ELEICOES 2018. PRELIMINAR. JUNTADA DE DOCUMENTOS, NOVOS, EM FASE RECURSAL. IMPOSSIBILIDADE. DIREITO DE RESPOSTA. PROPAGANDA ELEITORAL EM BLOCO. INSERCAO. IMPROCEDENCIA. OFENSA A HONRA E A IMAGEM DE CANDIDATO. NAO CONFIGURACAO. LIBERDADE DE EXPRESSAO. AMPLO DEBATE POLITICO. CRITICA ACIDA E CONTUNDENTE. FATO SABIDAMENTE INVERIDICO. NAO CONFIGURADO. PROPAGANDA NEGATIVA. NAO CARACTERIZADA. RECURSO |Assnadoelevoncamenta por RAMON FAGUNDES BOTELHO - 261092020 162843 Num, 9123749 - Pag, 2 tps jet es jos 4 e/Procees0\ConaltaDcumarioitviwaeam?x=700026 16254360300000008884719 By himoro co documenta: 20002616234360200000000594718 DESPROVIDO. 1. Preliminar. Inviabilidade de produg&o de prova documental nova, em sede recursal, no proceso eleitoral, conforme inteligéncia do art. 268 olc art. 270 do Cédigo Eleitoral. Ressalva 2 possibilidade de juntada de nova documentag&o, quando efetivamente demonstrada a sua impossibilidade em primeira instancia, 2. Propaganda eleitoral no radio veiculada na modalidade de insergSes de 30 segundos na qual so expostas criticas incisivas ao administrador publico nao desbordam os limites da liberdade de expresséo. 3. A condicao de gestor de is contundentes a conduta pessoal e forma de direcdo da maquina estatal. 3. 0 deferimento de direito de resposta t4o somente é cabivel quando, das afirmagdes impugnadas, puder se extrair fato sabidamente inveridico capaz de ofender pessoalmente partido, coligag4o ou candidato. 4. Critica patente ao desempenho do candidato como gestor pliblico através de um tipico discurso de Oposigao nao induz a concessao de direito de resposta. 5. Recurso a que se nega provimento. (TRE-PA - RP: 060218366 BELEM - PA, Relator: LUCYANA SAID DAIBES PEREIRA, Data de Julgamento: 04/10/2018, Data de Publicagao: PSESS - Publicado em Sessao, Data 04/10/2018) Diante do panorama normativo ¢ jurisprudencial exposto, nao se evidencia na conduta dos representados qualquer conduta irregular repreensivel aprioristicamente, em sede liminar, porquanto a critica fora direcionada no apenas a chefe do executivo local, como também a outros pretensos candidates e figuras politicas em tom generalizado. Com efeito, 0 representado teceu comentarios negativos em comentérios sobre a atuacdo da atual prefeita deste municipio, em nitida expresséo de sua liberdade de opiniéo, sem violar, a0 menos em uma analise perfunctéria, qualquer regra do proceso eleitoral. Mais e ainda, nao se constata de plano a afirmagao de fato sabidamente inveridico. Nesse sentido: “Eleigdes 2014. Recurso. Representagdo. Eleig&0 presidencial. Propaganda eleitoral. Direito de resposta. Inserg4o. Fato sabidamente inveridico. Art. 58 da lei n® 9.504/97. Emprego de meios publicitarios destinados a criar, artificialmente, na opiniao publica, estados mentais, emocionais ou passionais. Art. 242 do Cédigo Eleitoral. Critica politica. Liberdade de expressao. Manutencao da decisao recorrida. Recurso desprovido, | - 0 fato sabidamente inveridico, a que se refere o art. 58 da Lei n° 9.04/97, para fins de concessdo de direito de resposta, é aquele que ndo demanda investigacdo, ou seja, deve ser perceptivel de plano, a ‘olhos desarmados’. Além disso, deve denotar ofensa de carater pessoal a candidato, partido ou coligacao. [.... Il- A parte final do caput do (vetusto) art. 242 do Cédigo Eleitoral, no sentido de que nao se deva empregar, na propaganda eleitoral, ‘meios publicitarios destinados a criar, artificialmente, na opinido publica, estados mentais, emocionais ou passionais', néo pode embaracar a critica de natureza politica - ainda que forte e acida -, insita e necesséria ao debate eleitoral e substrato do processo demooratico representativo, [..] Ill - Em prol da liberdade de expresso, afasta-se a concessao de direito de resposta e indefere-se pedido de suspensdo definitiva de inserc3o na qual se disse, com apoio de imagens eloquentes (enfocando tristeza por escassez de comida), que @ plataforma politica da candidata recorrente sobre a autonomia do Banco Central representaria entregar aos banqueiros vultoso poder de decisdo sobre a vida do eleitor e de sua familia, IV - Recurso desprovido.” (Ac. de 23.9.2014 no R-Rp n° 121177, rel. Min, Tarcisio Vieira de Carvalho Neto). Por fim, as criticas fazem parte do processo politico eleitoral € no podem ser censuradas pelo Poder Judiciario, a quem cabe a misséo de velar pela regularidade do jogo, sem intervengdes prematuras que inibam a liberdade de expresso dos cidadaos. Forte nos fundamentos acima, este Juizo INDEFERE a liminar vindicada CITEM-SE os representados para apresentagao de resposta no prazo legal CIENCIA ao representante do Ministerio Publico Eleitoral INTIMEM-SE, CUMPRA-SE. |Asinad ooronicamente por: RAMON FAGUNDES BOTELHO - 2619/2020 16:2843 Num. 9123749 - Pag. 3 tos pj. us br 442 peProceseo!ConaltaDocumantoltView ear?x=200026 6234960200000008604719 Numer do cocimento: 200926162340602000000086047 8 Chapada dos Guimaraes, 25 de setembro de 2020, as 14h05min. RAMON FAGUNDES BOTELHO Juiz Eleitoral [1] GOMES, José Jairo. Direito Eleitoral. 16* Edig&0. Editora Atlas, 2020. ‘Assinatoelvoricamente por RAMON FAGUNDES BOTELHO - 26/0/2020 16.2843 Num, 9123749 - Pag. 4 tos peg. us bra Proceseo/ConsutaCocumantaltView seamy?4=200026 16234960200000008684719 E: Nimere do documento: 200526162043609000000086047 18 EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA 34* ZONA ELEITORAL DA COMARCA DE CHAPADA DOS GUIMARAES — MT. THELMA PIMENTEL FIGUEIREDO DE OLIVEIRA, brasileira, vita, portadora do documento de Identidade n.° 0303000-8 SSP/MT portador do CPF n.° 171.785.171-15, com domicilio profissional_na Rua Tiradentes, n° 166, Centro, Chapada dos Guimaraes/MT ¢ DIRETORIO MUNICIPAL DO PARTIDO DA SOCIAL DEMOCRACIA BRASILEIRA ~ PSDB DE CHAPADA DOS GUIMARAESIMT, inscrito no CNPJ sob o n° 01.339.466/0001-89, com sede na Avenida Rubens Paes de Barros Filho, n° 770, Altos do Mirante, Chapada dos Guimardes/MT, através de sua advogada infra- assinada, com escritério profissional na Rua Fernando Correa, n. 432, Centro, Chapada dos Guimaraes/MT, vem, respeitosamente a presenca de Vossa Exceléncia, propor REPRESENTACAO PROPAGANDA ELEITORAL NEGATIVA EXTEMPORANEA C/C. PEDIDO DE LIMINAR, contra PAULO ROBERTO BOMFIM DE JESUS, inscrito no CPF sob 0 n, 543.964.177-72 e IVANILZA MOREIRA, ambos residentes e domiciliados na Travessia Padre José do Sacramento, n. 39, Centro, Chapada dos Guimardes/MT, site www.paginadoestado.com.br, com enderego na Rua Viena n° 13 - 2° Andar | Bairro: Jardim Tropical | Cuiaba MT, tel 65 99994 1799 e site www.paginadoenock.com.br, endereco desconhecido, representado por ENOCK CAVALCANTI, tel 65-89638-6107, email: enockcavalcanti@gmail.com, pelos motivos de fatos e de direito a seguir aduzidos: DOS FATOS A campanha injuriosa, difamatéria e caluniosa perpetrada pelo Representado Paulo Bonfim nao para. Desta vez, 0 Representado elaborou uma matéria com 0 titulo “Pistolagem Eleitoral em Chapada dos Guimaraes’, no qual atribuindo ao candidato “Paulinho do Quero Mais’ PSL uma ameaca a vida do também candidato Gilberto Mello em conluio com a Representante, nos seguintes termos: “O candidato que se auto intitula como empresério, Anténio Paulo da Silva, chamado de “Paulinho quero quero Mais’, pelo Partido Social Liberal - PSL, publica video na internet onde ‘oferece os seus servigos para cuidar’ da vida do candidato Gilberto Melo, a atual prefeita Thelma de Oliveira — PSDB. Gilberto Melo, que ja foi prefeito da cidade no periodo de 2008/2012 6 o candidato do Partido Liberal — PL ao cargo, novamente, neste pleito de prefeito em 2020 e lider em todas as pesquisas de opiniéo. ‘Muito preocupante e vergonhoso este oferecimento, piiblico, de pistolagem eleitoral, pois indica um alto nivel de desespero da parte daqueles que se langaram neste processo de forma irresponsavel, em possivel conluio, articulado pelo grupo politico da atual prefeita Thelma de Oliveira - PSDB.” ‘Assinagoeltvoricamente por FABIANA NAPOLIS COSTA -23/0872020 2026-49 Num, 6395757 - Pag. 4 psa sus b-44perProcesso|ConauitaDocumentaitViow seary?x=2000220264011800000005083528 PH Nimere do documento: 2008232025481 1800000005983528 Como se observa pelo teor da matéria o Representado insinua que a Representante estaria em conluio com o candidato Paulinho do Quero Mais para atentar contra a vida do candidato que, segundo ele, estaria liderando em todas as pesquisas de opinio Dai € de se ver que a tendéncia do Representado é denegrir a imagem da Representante e, por outro lado, fazer propaganda propositiva em favor da candidatura de Gilberto Mello, tendo em vista que até o momento desconhecemos qualquer pesquisa registrada na Justica Eleitoral que foi divulgada, Se no bastasse essa insinuaco o Representado continua o artigo agredindo a honra e imagem da Representante, sendo vejamos: “nossa Chapada, apés este longo periodo de trevas administrativas, com gestao de incompeténcias, blefes, mentiras e dissimulagdes, sendo a regra geral e “marca de governo", precisa fugir das solugées impositivas e inconsequentes dos que se julgam “superiores”, a tudo e a todos, sendo os verdadeiros ‘mestres” dos professores que ensinaram Deus a criar 0 mundo." ‘ Veja que a Representante € acusada de ser incompetente, mentirosa e dissimulada e, posteriormente, afirma que a mesma fez mau uso do dinheiro publico, insinuando ainda que ela estaria utilizando o dinheiro publico em favor do PSDB, sendo vejamos: “O que repudiamos saos os seus conceitos horrorosos de gestéo e politica administrativa, sra. Prefeita Thelma de Oliveira- PSDB, baseados no mau uso do dinheiro que é publico, de todos nés contribuintes. O dinheiro nao é do PSDB!” Tal matéria foi veiculado nao s6 pelo blog paginadoenock.com.br (https://paginadoenock.com.br/paulo-bomfim-repudia-possivel-pistolagem-eleitoral-em- chapada-dos-guimaraes/), como também pelo site www. paginadoestado.com(https://paginadoestado.com.bripistolagem-eleitoral-em- chapada-dos-guimaraes/) e, ainda, nos grupos de whatsapp pelo Sr. Paulo Bonfim e no facebook pela Sra. Ivanilza Moreira companheiro do Bonfim Diante das representagdes que ja protocolamos essa Justica Eleitoral deve agir para punir essa campanha difamatéria realizada pelo Sr. Paulo Bonfim que, como ja mencionamos, tende a beneficiar a candidatura de Gilberto Mello. DO DIREITO DA PROPAGANDA ELEITORAL ANTECIPADA Ao propalar e publicar matéria com cunho que ao mesmo & ofensivo, sabiamente inveridico, difamatorio, injurioso, calunioso e discriminatorio, os Representados praticaram propaganda eleitoral de cunho negativo extemporaneamente, o que é vedado pela legislacao. Nesse passo, devemos ressaltar que a imagem e da honra das pessoas sao direitos fundamentais, asseguradas pela Carta Magna de 1988, art. 5° inciso ‘Assinadoeetonicamente por: FABIANA NAPOLIS COSTA -20/092020 202649 Num, 6395757 - Pag, 2 isp tus 44 pe/Processo/ConutaDocumentaiaView sean ?x-20097520264S1 1200000005983526, X, in verbis: “Art. 5.* Todos sao iguais perante a lei, sem disting&o de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no Pais a inviolabilidade do direito vida, a liberdade, 4 igualdade, 4 seguranca e 4 propriedade, nos termos seguintes. () X= So invioléveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado 0 direito a indenizagao pelo dano material ou moral decorrente de sua violagéo.” Assim, registra-se a importancia dada pela Constituigéo Republicana quanto a protecdo da imagem e honra das pessoas, elencando-as e ratificando-a por mais de uma vez entre os direitos e garantias fundamentais da pessoa humana. A propésito, oportuna a deciséo jurisprudencial sobre o tema, que assim preconiza: “LIBERDADE DE EXPRESSAO - PRINCIPIO CONSTITUCIONAL - INVIOLABILIDADE DA HONRA E DA IMAGEM — PRINCIPIO MAIOR — CENSURA ~ INEXISTENCIA NGo constitui exercicio de censura a postura de um juiz que, jé conhecendo publicagéo ofensiva a honra e a imagem profissional de uma pessoa, expede comando judicial impedindo que outras publicagées se fagam, determinando, assim, a evidente e maior prevaléncia de principio constitucional que protege valor material, abstrato, em confronto com outro principio que apenas assegura a pratica de ato, revestindo-se, pois, de natureza material.” (Processo: 0361423-1; Agravo de Instrumento; Civel: Ano: 2002; Comarca: Januaria; Origem: Tribunal de Algada do Estado de Minas Gerais; Orgao Julgador Primeira Camara Civel; Relator: Juiz Moreira Diniz; Data Julgamento: 30/04/2002; Dados Publicados: RJTAMG 47/p.57; Decisao: Unanime) Segundo leciona 0 professor Caio Mario da Silva Pereira, in “Responsabilidade Civil", 4* ed., editora forense, p. 59: “E preciso entender que, a par do patriménio, como complexo de relagdes juridicas de uma pessoa, economicamente aprecidvel. (Clovis Beviléqua, Teoria Geral do Direito Civil, paragrafo 29) o individuo 6 titular de direitos integrantes de sua personalidade, 0 bom conceito de que desfruta na sociedade, os sentimentos que exortam a sua consciéncia, os valores efetivos, merecedores, todos de integral protecao da ordem juridica).” © Cédigo Eleitoral proibe qualquer forma de propaganda que possa caluniar, injuriar e difamar, assim como degradar candidato ou preteniso candidato, exatamente 0 que esta acontecendo no caso dos autos, verbis: ‘Art. 243. Nao seré tolerada propaganda: Iii - de incitamento de atentado contra pessoa ou bens; IX - que caluniar, difamar ou injuriar quaisquer pessoas, bem como ‘Assinaco elatoncamente por FABIANA NAPOLIS COSTA -23/082020 2026-49 Num, 6395757 - Pig. 3 tos a e844 peProcesso/ConsltaDocumentol View esry?x=2000282026401 1800000005083526 Nerd documento, 200923202848 1800000008989526 1s. § 1° 0 ofendido por caltnia, difamag&o ou injaria, sem prejuizo e independentemente da agao penal competente, poderd demandar, no Juizo Civil a reparagéo do dano moral respondendo por este 0 ofensor e, solidariamente, o partido politico deste, quando responsavel por acéo ou omissdo a quem que favorecido pelo crime, haja de qualquer modo contribuido para ele.” Logo depois o mesmo diploma legal define como sendo crime: “Art, 323. Divulgar, na propaganda, fatos que sabe inveridicos, em relag&o a partidos ou candidatos e capazes de exercerem influéncia perante o eleitorado: Pena - detengao de dois meses a um ano, ou pagamento de 120 a 150 dias- multa. Pardgrafo unico. A pena 6 agravada se o crime cometido pela imprensa, radio ou televisao. Art. 324. Caluniar alguém, na propaganda eleitoral, ou visando fins de propaganda, imputando-Ihe falsamente fato definido como crime: Pena - detengao de seis meses a dois anos, e pagamento de 10 a 40 dias- muita. § 1° Nas mesmas penas incorre quem, sabendo falsa a imputacdo, a propala ou divulga.” Em que pese a CF garantir 0 direito a livre manifestagao e opinido, a Justiga Eleitoral entende que a publicagao de propaganda negativa em sites, blogs ou rede sociais nao pode ser admitida na disputa, uma vez que causa desequilibrio no pleito, conforme decisdo do Tribunal Regional Eleitoral da Paraiba’ “... A divulgagao por meio de blogs de matéria que transmite propaganda eleitoral negativa em desfavor de candidatos e partidos politicos, foge a razoabilidade da livre manifestagéo de pensamento e da liberdade de imprensa, provocando desequilibrio na disputa.” (RP 762868, Decisdo n° 3 de 17/12/2010, Relator(a) MARCIO MURILO DA CUNHA RAMOS, Publicacao 12.11.2011) Por outro lado, a Lei 9.504/97 nao obstante pregar a liberdade de manifestagao na internet dispde que tal liberdade nao é absoluta e pode sofrer restriges em casos em que haja extrapolamento, inclusive prevendo a aplicagao de multa, verbis: “Art. 57-D. E livre a manifestagéo do pensamento, vedado o anonimato durante a campanha eleitoral, por meio da rede mundial de computadores - internet, assegurado o direito de resposta, nos termos das alineas a, b @ c do inciso IV do § 30 do art. 58 e do 58-A, e por outros meios de comunicagéo interpessoal mediante mensagem eletronica. § 20 A violacao do disposto neste artigo sujeitaré 0 responsdvel pela ‘Assinao eletonicamente por FABIANA NAPOLIS COSTA - 2308/2020 20:28:49 Num, 8395757 - Pag. 4 seg test ¢4spe/Procesto/CorsutaDocumentaieView sea?x=2009282026401 1e00000005069526 Numero do documento: 2008232026401 18000c0008083526 divulgagao da propaganda e, quando comprovado seu prévio conhecimento, © beneficiario 4 multa no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) a R$ 30.000,00 (trinta mil reais) § 30 Sem prejuizo das sangées civis e criminais aplicaveis ao responsavel, a Justia Eleitoral poderé determinar, por solicitagao do ofendido, a retirada de publicacées que contenham agressdes ou ataques a candidatos em sitios da internet, inclusive redes sociais.” Com efeito, a caracterizacao da propaganda eleitoral negativa é evidente na medida em que, ao alegar fatos inveridicos, calunioso, injurioso, difamatério e discriminatério quem o produziu tende que o eleitorado deixe de votar no candidato do Diretério/requerente. Assim sendo, é pacifico na jurisprudéncia que “A divulgagao de fatos que levem o eleitor a ndo votar em determinada pessoa, provavel candidato, pode ser considerada propaganda eleitoral antecipada negativa’(TSE — Recurso Especial n° 20.073, Rel, Min, Fernando Neves) E se a propaganda negativa é realizada fora do periodo em que é permitido a propaganda eleitoral ela é caracterizada como extemporanea, conforme Posicionamento pacifico do Tribunal Superior Eleitoral “[.... Propaganda eleitoral negativa extemporanea. Configuragéo. Multa. [..] 1. Consoante a jurisprudéncia do Tribunal Superior Eleitoral, a configuracao da propaganda eleitoral extempordnea independe da escolha dos candidatos em convengao partidaria. Precedente. 2. A divulgagdo de propaganda antes do periodo permitido pelo art. 36 da Lei 9.504/97 contendo imagem ofensiva honra e a dignidade do governador do estado configura propaganda eleitoral negativa extemporanea. 3. O acérdéo recorrido esta em consonéncia com a jurisprudéncia do Tribunal Superior Eleitoral, no sentido de que o pluralismo politico, a livre manifestagao do pensamento, a liberdade de imprensa e 0 direito de critica no encerram direitos ou garantias de caréter absoluto, atraindo a sango da lei eleitoral no caso de ofensa a outros direitos, tal como 0 de personalidade. Precedentes. 4. O pedido expresso de voto ndo é condig&o necesséria 4 configuracao de propaganda, que, em sua forma dissimulada, pode ser reconhecida aferindo-se todo 0 contexto em que se deram os fatos. Precedentes. [..]” (Ac. de 17.3.2015 no AgR-REspe n° 20626, rel. Min. Joao Otévio de Noronha.) “l...] Propaganda eleitoral extempordnea negativa na internet. Caracterizada. Abuso do direito constitucional de livre manifestagdo de pensamento. Anonimato. Ofensa a honra. [...] 2. A moldura fatica delineada no acérdao regional revela que o agravante, antes do periodo permitido para a realizagao de propaganda eleitoral, utilizou-se de perfil anénimo e falso na rede social Facebook, denominado ‘Orlando Enrolando’, para criticar politicamente 0 recorrido — ‘ofendem a imagem, a honra e a dignidade do recorrido e como corolério induzem os eleitores a nao votar nele’ [...]-, motivo pelo qual restou configurada a propaganda eleitoral antecipada negativa. 3. A livre manifestagéo de pensamento néo constitui direito de cardter absoluto. Precedentes. 4. A divulgagao de publica¢éo, antes do periodo permitido, que ofende a honra de possivel futuro candidato constitui propaganda eleitoral negativa extemporanea. Precedentes. [...J” Assinato elevoricamente por FABIANA NAPOLIS COSTA - 2/08/2020 20:28:48 Num, 8395757 - Pag. 5 tose. us br44/perrocesto!ConsuitaCocumantaitVew sear? x=2008282026491 6000000050825 [Name do documents: 200823202640 60000000588526 (Ac. de 29.08.2017 no AgR-Al n° 264, rel. Min... Tarcisio Vieira de Carvalho Neto.) |] Propaganda eleitoral antecipada, Propaganda negativa, Multa. [...] 3. No mérito, o Tribunal a quo manteve a condenago, mas reduziu o valor da multa imposta na sentenga para R$ 5,000,00, tendo concluido pela configuragao de propaganda eleitoral antecipada negativa, por ter o representado veiculado em sua pagina pessoal do Instagram noticias acerca da gestao do entéo pré-candidato a reeleigdo ao cargo de Governador do Estado. 4. No termos da jurisprudéncia do Tribunal Superior Eleitoral: ‘A divulgacao de publicagao, antes do periodo permitido, que ofende a honra de possivel futuro candidato constitui propaganda eleitoral negativa extemporanea’ [...] 5. O TRE ao analisar 0 contexto no qual ocorreu a veiculagéo da mensagem postada, destacou que ‘mesmo considerando que a divulgagao dos recorrentes digam respeito as vicissitudes na gestéo da saude publica durante 0 governo do candidato do recorrido (atual Governador do Estado e candidato a reeleicéo), no hé comprovagao nos autos de que o mesmo [sic] desvia dinheiro da saiide para a politica, e ha nitida comparacao entre gestdes, 0 que é suficiente para demonstrar o cardter eleitoreiro da postagem e a realizagao de propaganda eleitoral antecipada negativa’ [...] Acresca-se que descabe potencializar somente o teor da mensagem veiculada, a fim de afastar a propaganda eleitoral antecipada negativa, diante das premissas expostas no acérdao recorrido. [...)° (Ac. de 17.9.2019 no AgR-REspe n° 060009906, rel. Min. Sergio Banhos.) Portanto, Exceléncia, nao resta duvida que a propaganda divulgada pelos representados ¢ totalmente ilegal e deve ser cessada imediatamente. DA DIVULGAGAO DE PESQUISA SEM REGISTRO Da andlise da matéria questionada, observa-se que os Representados divulgaram supostas pesquisas eleitorais em que o candidato Gilberto Mello estaria liderando em todas elas, cabe transcrever novamente o trecho: “Gilberto Melo, que jé foi prefeito da cidade no periodo de 2008/2012 é 0 candidato do Partido Liberal — PL ao cargo, novamente, neste pleito de prefeito em 2020 e lider em todas as pesquisas de op! Veja que os Representados, de forma dissimulada, tentam levar a e170 08 eleitores chapadenses em pensar que 0 candidato Gilberto Melo estaria liderando nas pesquisas, sem fazer qualquer mengdo de que se trata de pesquisa eleitoral registrada ou mera sondagem Tal ato viola 0 disposto na Resolugao TSE n. 23600, pois, para a divulgagao de qualquer tipo de pesquisa envolvendo o processo eleitoral 6 necessario 0 prévio registro, senao vejamos: “Art. 2° A partir de 1° de janeiro do ano da eleigdo, as entidades e as empresas que realizarem pesquisas de opiniao publica relativas as eleigdes ou aos candidatos, para conhecimento publico, so obrigadas, para cada pesquisa, a registrar, no Sistema de Registro de Pesquisas Eleitorais (PesgEle), até 5 (cinco) dias antes da divulgacao, as sequintes informagées (Lei n° 9.504/1997, art, 33, caput, | a Vil e § 19):” ‘Assinado eatonicamente por: FABIANA NAPOLIS COSTA -23/092020 202649 Num, 6398757 - Pag. 6 iips:pe a te jus br 443/pj/ProcessolConsutaDocumentastView seam?x=20002320264S1 1200000005089525, Nimes do document: 2008252025481 1800000008902526 Além de prévio registro, para a divulgacao da pesquisa eleitoral a menciona resoluc&o exige que sejam colocadas diversas informacées: “Art. 10. Na divulgagao dos resultados de pesquisas, atuais ou ndo, serao obrigatoriamente informados: 1-0 periodo de realizagéo da coleta de dados; II- a margem de erro; IM o nivel de confianga; 1V- 0 ndmero de entrevistas; V- o nome da entidade ou da empresa que a realizou e, se for 0 caso, de quem a contratou; VI- 0 ntimero de registro da pesquisa.” A divulgagao de supostas pesquisas colocando determinado candidato como lider sem prévio registro na Justica Eleitoral, atrai a sancdo prevista no att. 17 da Resolugao: “Art. 17. A divulgagao de pesquisa sem o prévio registro das informacées constants do art. 2° desta Resolugao sujeita os responsaveis 4 multa no valor de R$ 53.205,00 (cinquenta e trés mil, duzentos e cinco reais) a RS 106.410,00 (cento e seis mil, quatrocentos e dez reais) (Lei n° 9.504/1997, arts, 33, § 3°, @ 105, § 29.” Esse é 0 entendimento do C. Tribunal Superior Eleitoral L..] 1. A divulgagéo de pesquisa sem o registro exigido pelo art. 33 da Lei n” 9.504/97 impée a aplicagéo da multa prevista na referida legislagao. 2. A finalidade da lei é evitar a divulgagao de pesquisa sem acompanhamento da Justica Eleitoral, haja vista a forte influéncia que ela provoca no eleitorado. 3. Irrelevante o fato de a divulgagao da pesquisa néo mencionar, concretamente, os indices apurados. 4. O simples fato de ser propagado, de modo piiblico e por veiculo de comunicagéo, que o pretenso candidato ao cargo de prefeito, conforme pesquisa efetuada, esta em primeiro lugar na preferéncia dos eleitores, tudo sem registro na Justiga Eleitoral, caracteriza infrago ao art. 33 da Lei n® 9.50497, [..]” (Ac. de 17.8.2006 no REspe n° 26.029, rel. Min. José Delgado.) [..] Representagao. Pesquisa eleitoral. Aplicagao. Multa. |...) Divulgagao. Entrevista. Radio. Informagao. Incompleta. Potencialidade. Interferéncia. Vontade. Eleitor. [...] 2. A divulgagéo de forma voluntéria em entrevista de pesquisa eleitoral, ainda que incompleta, ndo afasta a incidéncia da sangéo eleitoral. 3. Para se imputar multa, ndo se investiga se a divulgagao da pesquisa eleitoral teve potencialidade para interferir no resultado das eleigées. [...)" ‘Assinao eleonicamente por: FABIANA NAPOLIS COSTA - 2108/2020 20.2649 Num, 6395757 - Pag. 7 psp te us 443 pjProcesso/ConsutaDocumentaistview sar?x=2000232026401 1ED0000005083526 F, himero do documento: 2008232026481 1R0000000SE83528 (Ac. n° 24.919, de 31.3.2008, rel. Min, Caputo Bastos.) L Cabe ressaltar que o teor da matéria questionada e o seu objetivo, denigrir a imagem da Representante e 20 mesmo tempo favorecer a candidatura de Gilberto Melo, tem o potencial de influenciar o eleitorado levando a erro. A ma-fé na mengéo da lideranca nas pesquisas e a intengao preponderante da materia jornalista, impde a aplicacao a sangao mencionada no art. 17, DA LIMINAR O direito fundamental de liberdade de expressao vem positivado na norma do artigo 50, IV, da Constituicéo Federal, segundo a qual é livre a manifestagao do pensamento, vedado o anonimato, norma essa que deve ser, compulsoriamente, interpretada com o disposto no artigo 50, IX, do mesmo texto, pelo qual é livre a expressao da atividade intelectual, artistica, cientifica e de comunicacao, independentemente de censura ou licenca. Por certo que nao ha direito fundamental de indole absoluta, tendo em vista a possibilidade de restrigéo a qualquer direito fundamental prevista na Constituigéo Federal e no ordenamento infraconstitucional. Dai é que nao se pode admiitir a utilizagéo de um veiculo de comunicagao social para favorecer determinado candidato em detrimento de outros. Essa restric&o vem positivada tanto na Lei n° 9.504/97, quanto na Lei Complementar n° 64/90. E certo também que o Tribunal Superior Eleitoral em diversas oportunidades j4 manifestou que o direito a liberdade de manifestacdo deve ser interpretado em consonancia com o principio da igualdade entre os candidatos, que ¢ a maxima de um proceso eleitoral, sendo vejamos: NE: “...) a liberdade de informagéo e de expressao prevista no art. 220 da Constituic&o Federal deve ser interpretada em consondncia com o principio da igualdade entre os candidatos, necessario para resguardar 0 equilibrio entre eles no pleito, sob pena de ser maculada a livre vontade popular expressa por meio das umas (...).” (Ementa no transcrita por ndo reproduzir a decisdo quanto ao tema.) (Ac. no .409, de 10.3.2008, rel. Min. Peganha Martins.) Agravo regimental. Recurso especial. Caracterizagéo infragéo 4 Lei das Eleicdes. Reexame. Impossibilidade. Agravo nao provido.” NE: “As normas contidas na Lei das Eleicdes ndo afetam a liberdade de expressdo @ informagéo, garantidas pela Constituigao Federal. Esses principios so equivalentes, na ordem constitucional, aos da lisura do pleito e igualdade dos candidatos”. (Ac. no 21.885, de 8.9.2004, rel, Min. Luiz Carlos Madeira.) Recurso especial. Representagao. Programa de radio. Art. 45, incisos |, Il @ IV, da Lei no 9.504/97. (...) 1. A liberdade de manifestacéo do pensamento garantida pela Constituigéo Federal e a liberdade de imprensa sao principios equivalentes, na ordem constitucional, aos da lisura e legitimidade dos pleitos e igualdade dos candidatos. Precedentes da Corte. Recurso conhecido e jimprovido." (Ac. no 21.298, de 4.11.2003, rel. Min. Femando Neves.) Assinado eletronicaments por FABIANA NAPOLIS COSTA - 2309/2020 20:25 49 Num, 6398757 - Pag. 8 spe tee jus 44 peProvessoyConautaDocumartotView sam?4=20092820264011800000005089525 By nimero go cosumento: 2005232026491 1800000005083625 No caso, o Represente pretende obter provimento em sede de liminar para que os Representados se abstenham de veicular propaganda eleitoral negativa questionada no prazo de 24 (Vinte e quatro) sob pena de pagamento de multa no importe de RS 10.000,00 (dez mil reais) em caso de descumprimento. Presente a fumaga do bom direito, de forma inconteste, pois é claro e cristalino que os Representados de forma ardilosa e reprovavel veicularam propaganda eleitoral negativa de cunho calunioso, difamatério, injurioso e dsicriminatério. perigo da demora reside exatamente na possibilidade de que seja dada continuidade ao ato questionado, o que traré evidente prejuizo ao Representante. Assim, uma vez demonstrado de forma irreparavel, a conduta ilicita, € capitulando o caso concreto em ilicitudes eleitorais e penais, é que autoriza a Urgéncia Urgentissima. Presente, portanto, 0 periculum in mora e o fumus bon! iuris, condigdes sine qua non, & concessao da liminar é antes de tudo um direito Veja-se 0 que diz o respeitado doutrinador em matéria eleitoral Favila Ribeiro, sobre Processos de controle aplicaveis a propaganda: "Pertence a Justiga Eleitoral a plenitude do controle a ser exercido em matéria de propaganda eleitoral, velando por sua propria iniciativa para que a campanha politica seja realizada em sintonia com os preceitos legais. No desempenho dessas atividades ndo ficam os érgdos da Justica Eleitoral a depender da provocagao de interessados, cabendo-Ihes tomar as precaugdes compativeis com as circunstancias para manutengao de um clima de respeito e seguranga nas alividades de propaganda, em condig6es de abortar com agéo fulminante qualquer perturbac&o que possa irromper. Quase sempre uma intervengdo instantanea constitui o antidoto para proteger candidatos e partidos dos efeitos de uma campanha desleal e inescrupulosa... Alias, nessas empreitadas ilicitas ha sempre a interposicao de figuras inescrupulosas que atuam como instrumentos das torpezas, ndo se podendo comprovar a participagéo dos auténticos responsaveis pela urdidura criminosa que delas passam a se beneficiar definitiva e impunemente, colhendo proveito eleitoral imutdvel. Na atividade de controle em matéria de propaganda, consta expressa ressalva no art. 249 do Cédigo Eleitoral ao poder de policia, a "ser exercido em beneficio da ordem publica” Ainda, 0 renomado jurista, agora discorrendo a respeito dos crimes lesivos aos padrées éticos e igualitarios na competicao eleitoral, sobre a protegao moral assim diz: “Todos, indistintamente, so credores de igual protegéo moral, de respeito a sua dignidade. Mas a esse aspecto individual sobreleva a preocupacao com o proprio decoro da campanha politica, a que se néo venha amesquinhar em desprimorosas retaliagées. E a ordem publica que deixa refletida a prevaléncia de seu interesse, uma vez que a fase da campanha politica esta diretamente implicada com o funcionamento das instituigdes democraticas que compéem a organizacao politica nacional.” ‘Assinacoeletoricamente por FABIANA NAPOLIS COSTA -23/0872020 2026-49 Num, 6395757 - Pag, © ios eg 6 us. 443 peProcesso/ConsutaDocumentaitView eery?x=20002820264011800000005083526 Numer de cccumento: 200823202646 1800000005089528 DO REQUERIMENTO Diante de todo o exposto, requer: | — a concessao de liminar, a fim de que seja determinado a imediata retirada a matéria inveridica, de cunho injurioso, difamatorio, calunioso e discriminatério publicadas nos sites representados e qualquer midia social, entre elas, facebook e whatsapp, bem como se abstenham de reproduzi-la de qualquer forma, no prazo de 24 (vinte e quatro0 horas, sob pena de pagamento de multa no valor de RS 10.000,00 (dez mil reais) por dia de descumprimento; |l — Encaminhamento dos autos para a Policia Federal para instaurar inquérito sobre o crime eleitoral praticado; Ill - a nofificagdo dos Representados para, querendo, apresentar Defesa no prazo legal; IV - a intimagao do representante do Ministério Publico Eleitoral; VI- que @ ago soja julgada procedente em todos os seus termos e pedidos, ratificando a liminar, e, determinando definitivamente a prolbigao da propaganda ora atacada, assim como aplicando aos representados a multa prevista no §2°, do art. 57-D, da Lei 9.504/97 c/e a multa do art. 2°, § 4° da Resolugdo TSE 23.610, bem como da multa prevista no art. 17 da Resolucdo TSE n. 23.600. Termos em que, Pede deferimento. Fabiana Napolis Costa OABIMT 15569 _Assinad eetronicamante por: FABIANA NAPOLIS COSTA- 2308/2020 0:26.48 Num, 6395757 - Pag, 10 tes ej usb 44/peProcess0|ConaultaDocumentaiviewsearn?x=2000282026461 1200000005083528 Numer d documento: 200925202649 1800000005982526.

Avaliar