Você está na página 1de 3

Basta perguntar, a maioria dos espíritas receberam uma catequização católica, ao

menos na infância. Talvez esteja aí a raiz de uma peculiar transferência. Ainda imerso nas
descrições clericais da vida após a morte, o principiante espírita faz uma troca apenas de
nome, deixa de temer o inferno, e passa a temer o umbral. Muda o nome, permanece a
ameaça. Uma senhora, no saguão da casa espírita, já afirmou:
– Luto todo dia para não fazer nada de errado, me pelo de medo de ir para o umbral
quando chegar a hora. Meu sonho são os jardins e delícias da colônia espiritual Nosso
Lar!
É um senso comum, uma transferência natural de uma criação milenar, pertencente a
diversas tradições pagãs e cristãs, os infernos, onde o sofrimento impera e castiga, e uma
doutrina ainda pouco compreendida, contanto apenas 150 de sua elaboração, o espiritismo!
Allan Kardec sabia que seria necessário esclarecer minuciosamente estas questões,
para apresentar o quadro novo do mundo espiritual aos egressos do dogmatismo católico. Por
isso, retomou toda o catecismo e teologia adotada pela igreja e raciocinou quanto a cada
ponto, em sua obra O céu e o inferno, publicada em Paris em 1 de agosto de 1865.
Há uma particularidade pouco lembrada quanto aos dogmas da igreja. Segundo eles, o
sofrimento dos infernos deverá ser físico, pungente, na pele mesmo. O condenado deve sentir
o calor do fogo, o queimar das carnes, o penetrar dos tridentes, a pressão e o trucidar das
correntes. Mas quando são enviados aos infernos, esses condenados ainda são, como explica
Kardec, sem corpo, pois esse morreu e se desfez neste mundo:
Os condenados, presentemente no inferno, podem ser considerados puros Espíritos, uma
vez que só a alma aí desce, e os restos entregues à terra se transformam em ervas, em
plantas, em minerais e líquidos, sofrendo inconscientemente as metamorfoses constantes
da matéria. (O céu e o inferno, página 53).
Não se pode esquecer-se desse processo, quando se trata da doutrina da igreja! No
momento da morte, ninguém sofre ainda. Só depois, quando Deus destruir este mundo e, no
juízo final, restituir os corpos, agora imortais, mas feitos igualmente de carne e ossos, para que
o sofrimento no inferno seja físico, real, fisiológico. Desse modo, explica Kardec:
Os eleitos ressuscitarão, contudo, em corpos purificados e resplendentes, e os condenados
em corpos maculados e desfigurados pelo pecado. Isso os distinguirá, não havendo mais
no inferno puros Espíritos, porém homens como nós. Conseguintemente, o inferno é um
lugar físico, geográfico, material, uma vez que tem de ser povoado por criaturas
terrestres, dotadas de pés, mãos, boca, língua, dentes, ouvidos, olhos semelhantes aos
nossos, sangue nas veias e nervos sensíveis. (Idem, ibidem).
Aqui está o ponto fundamental deste artigo. A concepção dos infernos considera um
lugar físico, material, semelhante ao mundo atual, todavia, piorado. Não chega a luz do sol,
não se percebe o suceder dos dias e noites, não há lua. Um cheiro insuportável de enxofre,
fumaça, suor, sangue. Labaredas de fogo, caldeirões fumegantes. Desolação e sofrimento sem
fim. É preciso considerar um Deus bastante vingativo e que odeia muito aqueles que o
desobedeceram para condenar alguém para viver eternamente nesse horror! É algo para se
pensar à parte. Basta imaginar que uma inocente criança, simples e alegre em seu lar, nos
braços de seus pais, cuidada com amor e carinho, mas que não tenha sido batizada! Corre o
risco, a coitadinha, de sair desse lar aconchegante, e, depois do juízo, se ver sozinha, fugindo
dos tormentos dos demônios, abandonada eternamente pelo seu criador!
A doutrina espírita oferece uma explicação bastante diferente da vida após a morte.
Primeiramente, o mundo espiritual é também um lugar físico, mas cujas propriedades são
completamente diferentes de nosso mundo. Enquanto aqui, se colocarmos pessoas bastante
diferentes, como a mãe de Jesus, um bandido, Herodes, camponeses, e um filósofo genial,
todos numa sala, e fizermos uma fogueira enorme, todos irão suar de calor, não importa o
quanto difiram moral e intelectualmente. Ao levarmos esse mesmo grupo para o polo norte,
todos iriam sofrer um frio lancinante, igualmente. O corpo físico de todos nós reage
igualmente, de acordo com o ambiente físico no qual se encontra. Esse raciocínio valeria caso
a vida futura ocorresse como a doutrina das igrejas cristãs imaginam o céu e o inferno. Os
espíritos superiores ensinam, porém, que o mundo espiritual tem a particularidade de ser
influenciado diretamente pelo que pensam e sentem seus habitantes. É o inverso de nosso
mundo. Aqui, o ambiente influencia nosso corpo (lugar frio esfria o corpo). No mundo
espiritual, segundo o espiritismo, o corpo espiritual tem a propriedade de ser mais denso e
materializado, quando o espírito está apegado às emoções e imperfeições, e torna-se leve,
tênue, alcança distâncias, pode transpor-se para outros planos, quando o espírito evolui
intelecto-moralmente.
Ou seja, um bom espírito, ganha, pela constituição mesma de seu perispírito, ganha a
liberdade de agir, de ir e vir, de transportar-se pelos orbes. Enquanto isso, um espirito
imperfeito, pela condição materializada de seu corpo espiritual, em virtude do padrão de seus
pensamentos e sentimentos, tem reflexos das sensações materiais, e vivencia as ilusões do
frio, calor, sede, fome, medo, e tantos outros. São ilusões, mas com plena realidade pela
subjetividade do próprio espírito, ao se manter prisioneiro de suas próprias escolhas! Quando
uma diversidade de espíritos presos aos seus apegos, imersos na raiva, medo, vingança, inveja
e outros sentimentos que geram apego e materializam o perispírito estão juntos, vão
moldando o ambiente ao seu redor pela força de seu pensamento. Eles poderiam criar um
ambiente agradável, belo, sublime até. Mas suas ideias fixas não deixam. Seus pensamentos
densos, criam ambientes escuros, pesados, desagradáveis.
Ou seja, não há um lugar onde os espíritos sofredores sejam jogados para sofrer. É o
inverso. São os pensamentos e sentimentos densos, as imperfeições morais do próprio
indivíduo a causa do ambiente que ele cria para si mesmo.
O mundo espiritual é imanente a este, é bom lembrar. Nós, encarnados, estamos
vivendo em dois mundos ao mesmo tempo. Aqui, com o corpo físico. E no mundo espiritual
com nosso perispírito. Não faz sentido, então, nos preocuparmos com o lugar que iremos após
a morte. O raciocínio é outro! Onde já estamos no mundo espiritual agora? Segundo nosso
padrão de pensamentos e sentimentos, estamos sintonizados, ambientados, em determinadas
condições espirituais. Quem tem raiva constante, materializa também o perispírito. Quem se
desprende, permanece sereno, vive em cada momento sua emoção adequada. Não se apega
aos fatos passados, revivendo emoções passadas. Esse mantém seu perispírito leve, suave,
desmaterializado. Céu e inferno são criações pessoais de cada um de nós. São escolhas livres,
regidas por leis naturais. A autonomia é o fundamento da vida.
E como se faz para sair dessa situação difícil na qual se encontram muitos espíritos
depois da morte? Há uma só saída. A vontade. Nenhum outro ser pode mudar o padrão de
pensamento e sentimento do outro, só ele mesmo. Só muda quem quer mudar. Quando um
espírito decide sair do sufoco e sofrimento que está vivendo, basta uma prece sincera a Deus,
um apelo aos bons espíritos, e será imediatamente auxiliado, por alterar voluntariamente seus
pensamentos! Não é preciso ficar absolutamente puro para mudar sua vida. Basta uma
mudança em suas disposições morais, explicou Kardec. E isso está ao alcance de todos. Guarde
esse ensinamento. Um dia ele poderá, certamente, lhe ser útil!