Você está na página 1de 42

Cálculo de Carga Térmica

Prof.: Eng. André Felipe Leite Soares


Disciplina: Refrigeração, Ar Condicionado e Ventilação
Carga Térmica
Carga térmica é a quantidade de calor sensível e latente, geralmente
expressa em BTU/h, ou kcal/h, que deve ser retirada ou colocada no
recinto a fim de proporcionar as condições de conforto desejadas.
Essa carga térmica pode ser introduzida no recinto a condicionar por:
• condução:
• insolação:
• dutos;
• pessoas;
• equipamentos;
• infiltração:
• ventilação.

2
Carga de Condução - Calor Sensível
Expressão geral da transmissão de calor por condução e por hora, para
paredes planas e paralelas

Para materiais homogêneos:

3
Carga de Condução - Calor Sensível
Expressão geral da transmissão de calor por condução e por hora, para
paredes planas e paralelas

Para materiais não homogêneos:

4
Carga de Condução - Calor Sensível
• A transferência de calor do ar a uma superfície, ou vice-versa, se
processa por meio da condutância da superfície de contato ou filme;
• A condutância superficial é a quantidade de calor transferido, em
kca/h, do ar para a superfície, ou vice-versa, por metro quadrado e
por °C de diferença de temperatura.
• Se o fluxo for uniforme, esta transferência pode ser expressa pela
fórmula:

5
Carga de Condução - Calor Sensível
Fluxo de Calor Uniforme:

6
Carga de Condução - Calor Sensível
• Nos cálculos da carga térmica do ar condicionado, usa-se um
coeficiente U, mais fácil de ser obtido, medindo-se a temperatura do
ar em ambos os lados da superfície.
• Coeficiente global de transmissão de calor: é o fluxo de calor por hora
através de um m2 de superfície, quando a diferença entre as
temperaturas do ar nos dois lados da parede ou teto é de um grau
centígrado.

7
Carga de Condução - Calor Sensível
Fluxo de Calor:

8
Carga de Condução - Calor Sensível
Exercício 1:
Queremos saber qual o coeficiente global de transmissão de calor para
uma parede composta das seguintes camadas:

9
10
Carga de Condução - Calor Sensível

11
Carga de Condução - Calor Sensível
Exercício 2:
Vamos considerar uma parede exterior de tijolo maciço de 20 X 1 O X 6
cm de meia-vez (14 cm de espessura) com emboço (reboco) de 2 cm
nos dois lados.

12
13
Carga Devida à Insolação - Calor Sensível
• A mais poderosa energia que a superfície da Terra recebe do universo
é a energia solar, que já está sendo aproveitada pelo homem como
fonte térmica. Essa energia é, quase sempre, a responsável pela maior
parcela da carga térmica nos cálculos do ar condicionado, em geral
como radiação e convecção.

14
Carga Devida à Insolação - Calor Sensível
Por absorção, a energia de radiação solar pode ser introduzida nos
recintos tanto em maior quantidade quanto menos brilhante for a
superfície refletora. Assim, temos a seguinte tabela, que dá uma idéia
do percentual de energia radiante em função da cor:

Este percentual é também uma função da rugosidade da superfície

15
Carga Devida à Insolação - Calor Sensível
A temperatura dos tetas e paredes depende dos seguintes fatores:
• Coordenadas geográficas do local (latitude);
• Inclinação dos raios do Sol (depende da época do ano e da hora
consideradas);
• Tipo da construção;
• Cor e rugosidade da superfície;
• Refletância da superfície.
Para a estimativa de carga térmica, será importante saber o horário de
utilização da dependência e fazer o cálculo para a incidência máxima do
Sol.

16
17
Carga Devida à Insolação - Calor Sensível
Transmissão de calor do Sol através de superficies transparentes
(vidro)
• A energia radiante oriunda do Sol incidente em uma superfície
transparente subdivide-se em três partes:
✓uma que é refletida (q1);
✓uma que é absorvida pelo vidro (q2);
✓uma que atravessa o vidro (q3);

18
Carga Devida à Insolação - Calor Sensível

A parcela q3 que penetra no recinto é a que vai nos interessar nos cálculos da
carga térmica.
Para janelas com proteção, deve-se multiplicar os valores obtidos, pelos
seguintes coeficientes de redução:
• Toldos ou persianas externas: 0,15 - 0,20;
• Persianas internas e reflexoras: 0,50 - 0,66;
• Cortinas internas brancas (opacas): 0,25 - 0,61.
Esta tabela é para janelas com esquadrias de madeira; para esquadrias
metálicas multiplicar por 1,15.
Observe-se: para maiores detalhes ou cálculos mais precisos, são indicadas
as tabelas da Seção 1.19.

19
Carga Devida à Insolação - Calor Sensível
Exercício 3:
Queremos saber a quantidade de calor solar transmitido através de
uma janela de vidro sem proteção, com os seguintes dados:
✓Dimensões: 4,00 X 2,00 m;
✓Local: Rio de Janeiro;
✓Hora: 16 h;
✓Data: 20 de fevereiro;
✓Janela voltada para oeste;

20
Carga Devida à Insolação - Calor Sensível

21
Carga Devida à Insolação - Calor Sensível
Transmissão de calor do Sol através de superfícies opacas
As paredes, lajes e telhados transmitem a energia solar para o interior
dos recintos por condução e convecção, segundo a fórmula:

22
Carga Devida à Insolação - Calor Sensível

23
Carga Devida à Insolação - Calor Sensível
Exercício 4:
Queremos saber qual o fluxo de calor solar através da parede do
Exercício 4, onde:
A = 10 X 3m;
U= 1,03 kcal/h · m2 · °C;
te = 32°C;
ti = 25°C;
A parede está voltada para oeste e tem cor clara.

24
Carga Devida à Insolação - Calor Sensível

25
Carga Devida às Pessoas - Calor Sensível e Calor Latente
Todo ser humano emite calor sensível e calor latente, que variam
conforme esteja o indivíduo em repouso ou em atividade;
Se submetido à atividade física violenta, o corpo humano pode emitir
até cinco vezes mais calor do que em repouso;
Considerando-se que a temperatura média normal de uma pessoa é de
37°C (98,6°F), verifica-se experimentalmente que quanto maior é a
temperatura externa, maior é a quantidade de calor latente emitida, e
quanto menor esta temperatura, maior é o calor sensível;

26
Carga Devida às Pessoas - Calor Sensível e Calor Latente
A Tabela 3.8, baseada na NBR-6401, dá os valores do calor liberado
pelas pessoas em função da temperatura e da atividade

27
Carga Devida à Insolação - Calor Sensível
Exercício 5:
Um teatro com 500 lugares deverá ser mantido a 25°C. É previsto um
máximo de 20 artistas trabalhando ao mesmo tempo. Q1,1al deverá
ser a carga térmica devida às pessoas?

28
Carga Devida aos Equipamentos- Calor Sensível e Calor
Latente
Carga devida aos motores- calor sensível
• Os motores elétricos, adicionam carga térmica ao sistema devida às
perdas nos enrolamentos, e essa carga precisa ser retirada pelo
equipamento frigorígeno. É preciso levar em conta se o motor está
sempre em funcionamento ou se a sua utilização é apenas
esporádica.

29
Carga Devida aos Equipamentos- Calor Sensível e Calor
Latente
Carga devida aos motores- calor sensível
• Para os ventiladores, temos as seguintes fórmulas:.

30
Carga Devida à Insolação - Calor Sensível
Exercício 6:
Um ventilador de insuflamento de ar em recinto a ser condicionado é
do tipo centrifugo (dentro da corrente de ar) e está acoplado a um
motor de 7,5 cv. Pelo catálogo do fabricante, está registrado um
rendimento de 85%. Qual a carga térmica adicionada ao ar circulante?

31
Carga Devida aos Equipamentos- Calor Sensível e Calor
Latente
Carga devida aos motores- calor sensível
• Para outros motores que porventura permaneçam no recinto
condicionado (elevadores, bombas, máquinas elétricas, perfuradoras
etc.), temos as fórmulas:

32
Carga Devida aos Equipamentos- Calor Sensível e Calor
Latente
Carga devida aos motores- calor sensível

33
Carga devida à iluminação- calor sensível

Deve-se levar em conta, no cálculo da carga térmica, que nem sempre


todas as lâmpadas estão ligadas na hora que se tomou por base para o
cálculo; geralmente na hora em que a carga térmica de insolação é
máxima muitas lâmpadas podem estar desligadas.

34
Carga devida à iluminação- calor sensível

35
Carga Devida à Insolação - Calor Sensível
Exercício 7:
Um equipamento de ar atende ao restaurante, ao salão de estar e à
portaria de um hotel onde temos a seguinte iluminação:
• Restaurante: 50 aparelhos de luz fluorescente de 4 X 40 W;
• Salão de estar: 20 lustres, cada qual com 8 lâmpadas incandescentes
de 100 W;
• Portaria: 10 spotlights de 150 W, incandescentes.
Desejamos saber a carga técnica devida à iluminação.

36
Carga Devida à Insolação - Calor Sensível
Exercício 7:

37
Carga Térmica Total
• Conhecida a carga térmica devida a condução, insolação, dutos,
pessoas, equipamentos, infiltração e ventilação, e adicionando-os,
temos o somatório de calor sensível e calor latente a retirar (ou
introduzir) do recinto para obter as condições de conforto desejadas.
Somando ambos, temos o calor total.
• Como medida de segurança, para atender às penetrações eventuais
de calor no recinto, acrescentamos mais 10% aos cálculos.
• Normalmente desejamos o resultado em toneladas de refrigeração,
por isso dividimos por 12.000 o total de BTU/h, por 3,52 o total de
kW ou por 3.024 kcallh o total de kcal/h.

38
Total de Ar de Insuflamento
Conhecida a carga térmica de calor sensível a ser retirada do recinto e
as condições do ar interior e de insuflamento, podemos conhecer a
quantidade total de ar em CFM, usando a mesma expressão:

39
Total de Ar de Insuflamento

40
Carga Devida à Insolação - Calor Sensível
Exercício 8:
O total de ganho de calor sensível em um recinto é de 120.000 kcal/h.
A temperatura de bulbo seco do interior é de 25°C e a do ar de
insuflamento é de 18°C.
Calcular a quantidade de ar a ser insuflado pelo ventilador.

41
Obrigado!
Prof. André Felipe Leite Soares
Engenheiro Mecânico
unime.andre@gmail.com

Você também pode gostar