Você está na página 1de 5

FACULDADE UNINASSAU

CURSO DE BACHARELADO EM PSICOLOGIA

PESQUISA NARRATIVA - HISTÓRIA E VIDA E HISTÓRIA ORAL

Aluno: Gabriela Teodoro Cordeiro


Matrícula: 06045796
Aluno: Geane Eloina da Silva Alves
Matrícula: 06044313
Aluno: Michelle Vanessa dos Prazeres Santos
Matrícula: 06044299
Aluno: Patrícia Karine Alves da Cunha Santos
Matrícula: 06044981

Docente: Ana Izabel Oliveira Lima


Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa Psicológica
O que é a pesquisa narrativa?

• Narrar é uma dimensão fundamental da comunicação


humana e de atribuições e significados.

• Narrativa pode ser uma história, algo contado e recontado,


um relato de algo real ou até mesmo fictício, acontecimentos,
sequência de eventos passados, uma série de eventos
lógicos e cronológicos.

Sendo assim:

• A pesquisa narrativa é uma forma de compreender uma


experiência, narrando fatos, feitos, fenômenos, sentimentos,
outras pessoas e nós mesmos.

Em que consiste a pesquisa narrativa: História de vida e história


oral?

 Processo de colaboração entre pesquisador e pesquisado.


 Contribuições são obtidas por meio da coleta de informações
obtidas por métodos de entrevistas, diários, autobiografias,
gravações de narrativas orais, narrativas escritas e notas de
campo.
 narrador faz um retrato de si mesmo, trabalhando sua
trajetória, possibilitando visitar aspectos históricos e culturais,
contando histórias e experiências através do tempo.

Narrativa e História através do tempo

• Vale ressaltar que as narrativas são de suma importância


para a transmissão e perpetuação de contextos culturais.

• Perpetuação de contos de vida, passando assim de geração


em geração suas histórias.
Narrativa – História – Memória

Assim:

• Pesquisa narrativa, por utilizar diversos instrumentos


na coleta de dados e a busca por pessoas para narrar as
histórias, pode ser vista como um instrumento utilizado na
recuperação de memórias.

Sobre o método

• A pesquisa narrativa pode ser compreendida como


importante instrumento para o estudo qualitativo.

• As narrativas são utilizadas para conhecer histórias podem


ser analisadas de diferentes formas após a captação e a
transcrição dos dados.

• São abrangidas características que vão além da oralidade e


narração.

• Também são levadas em consideração o tom da voz, pausas,


mudanças na entonação, silêncio que pode ser transformado
em narrativas não ouvidas, dentre outras expressões
fundamentais para se entender o não dito.

• No processo de análise de narrativas explora-se não apenas


o que é dito, mas também como é dito.
Como exemplo, a tabela apresenta de forma estruturada o processo
para obtenção das informações necessárias à pesquisa narrativa por
meio de entrevistas:
Vídeos
Disponíveis na plataforma do YouTube

Método de Historia Oral (02min:46seg)


https://www.youtube.com/watch?v=VoA3E0ObXeQ
Griot: O Conhecimento Transmitido pela Oralidade (03min:19seg)
https://www.youtube.com/watch?v=VxM_2332cxg
As entrevistas - Metodologia de História Oral (02min:49seg)
https://www.youtube.com/watch?v=8Bql0Hh2bIk&feature=youtu.be

Referências

História de Vida, Pesquisa Narrativa e Testimonio: Perspectivas


nos Estudos Biográficos. Pereira, Eliane Regina; Pegoraro, Renata
Fabiana & Rasera, Emerson Fernando. Universidade Federal de
Uberlândia. Quaderns de Psicologia | 2017, Vol. 19, No 3, 277-286.
https://doi.org/10.5565/rev/qpsicologia.1413

MUYLAERT, Camila Junqueira et al . Entrevistas narrativas: um


importante recurso em pesquisa qualitativa. Rev. esc. enferm.
USP, São Paulo , v. 48, n. spe2, p. 184-189, Dec. 2014 . Available
from<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S008062
342014000800184&lng=en&nrm=iso>. Access
on 29 Aug. 2020. https://doi.org/10.1590/S0080-
623420140000800027.

PAIVA, Vera Lúcia Menezes de Oliveira e. A pesquisa narrativa: uma


introdução. Rev. bras. linguist. apl., Belo Horizonte , v. 8, n. 2, p.
261-266, 2008 . Disponível
em<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984639
82008000200001&lng=pt&nrm=iso>. acessos
em 29 ago. 2020. https://doi.org/10.1590/S1984-
63982008000200001.

Você também pode gostar