Você está na página 1de 29

1ª Lei de Ohm

Embora os conhecimentos sobre eletricidade tenham sido ampliados, a Lei de Ohm


continua sendo uma lei básica da eletricidade e eletrônica, por isso conhecê-la é
fundamental para o estudo e compreensão dos circuitos eletroeletrônicos.

Esta unidade vai tratar da Lei de Ohm e da forma como a corrente elétrica é medida.
Desse modo, você será capaz de determinar matematicamente e medir os valores das
grandezas elétricas em um circuito.

Para desenvolver de modo satisfatório os conteúdos e atividades aqui apresentados,


você já deverá conhecer tensão elétrica, corrente e resistência elétrica e os
respectivos instrumentos de medição.

Determinação experimental da Primeira Lei de Ohm

A Lei de Ohm estabelece uma relação entre as grandezas elétricas: tensão ( V ),


1 2ª Lei de Ohm2ª Lei de Ohm2ª Lei de Ohm
corrente ( I ) e resistência ( R ) em um circuito.

Verifica-se a Lei de Ohm a partir de medições de tensão, corrente e resistência


realizadas em circuitos elétricos simples, compostos por uma fonte geradora e um
resistor.

Montando-se um circuito elétrico com uma fonte geradora de 9 V e um resistor de 100


, notamos que no multímetro, ajustado na escala de miliamperímetro, a corrente
circulante é de 90 mA.
Formulando a questão, temos:
V=9V
R = 100 
I = 90 mA

Vamos substituir o resistor de 100  por outro de 200 . Nesse caso, a resistência do
circuito torna-se maior. O circuito impõe uma oposição mais intensa à passagem da
corrente e faz com que a corrente circulante seja menor.

Formulando a questão, temos:


V=9V
R = 200 
I = 45 Ma

À medida que aumenta o valor do resistor, aumenta também a oposição à passagem


da corrente que decresce na mesma proporção.
Formulando a questão, temos:
V=9V
R = 400 
I = 22,5 mA

Colocando em tabela os valores obtidos nas diversas situações, obtemos:

Situaçã Tensão (V) Resistência Corrente


o (R) (I)
1 9V 100  90 mA
2 9V 200  45 mA
3 9V 400  22,5 mA

Analisando-se a tabela de valores, verifica-se:


 A tensão aplicada ao circuito é sempre a mesma; portanto, as variações da corrente
são provocadas pela mudança de resistência do circuito. Ou seja, quando a
resistência do circuito aumenta, a corrente no circuito diminui.
 Dividindo-se o valor de tensão aplicada pela resistência do circuito, obtém-se o
valor da intensidade de corrente:

Tensão aplicada Resistênci Corrente


a
9V 100  = 90 mA
9V 200  = 45 mA
9V 400  = 22,5 mA

A partir dessas observações, conclui-se que o valor de corrente que circula em um


circuito pode ser encontrado dividindo-se o valor de tensão aplicada pela sua
resistência. Transformando esta afirmação em equação matemática, tem-se a Lei de
Ohm:

V
I
R
Com base nessa equação, enuncia-se a Lei de Ohm: “A intensidade da corrente
elétrica em um circuito é diretamente proporcional à tensão aplicada e
inversamente proporcional à sua resistência.”
Aplicação da Lei de Ohm

Utiliza-se a Lei de Ohm para determinar os valores de tensão ( V ), corrente ( I ) ou


resistência ( R ) em um circuito. Portanto, para obter em um circuito o valor
desconhecido, basta conhecer dois dos valores da equação da Lei de Ohm: V e I, I e
R ou V e R.

Para determinar um valor desconhecido, a partir da fórmula básica, usa-se as


operações matemáticas e isola-se o termo procurado .

Fórmula básica:

V
I
R

Fórmulas
derivadas:
V
R
VR.I
I

Para que as equações decorrentes da Lei de Ohm sejam utilizadas, os valores das
grandezas elétricas devem ser expressos nas unidades fundamentais:

 Volt ( V )  tensão
 Ampère ( A )  corrente
 Ohm (  ) 
resistência
Observação
Caso os valores de um circuito estejam expressos em múltiplos ou submúltiplos das
unidades, esses valores devem ser convertidos para as unidades fundamentais antes
de serem usados nas equações.

Estude a seguir alguns exemplos de aplicação da Lei de Ohm.

Exemplo 1 - Vamos supor que uma lâmpada utiliza uma alimentação de 6V e tem
120 de resistência. Qual o valor da corrente que circula pela lâmpada quando
ligada?
Formulando a questão, temos:
V  6V
R  120
I?

Como os valores de V e R já estão nas unidades fundamentais volt e ohm, basta


aplicar os valores na equação:

V
I 6
R  120  0,05A

O resultado é dado também na unidade fundamental de intensidade de corrente.


Portanto, circulam 0,05 A ou 50 mA quando se liga a lâmpada.

Exemplo 2 - Vamos supor também que o motor de um carrinho de autorama atinge a


rotação máxima ao receber 9 V da fonte de alimentação. Nessa situação a corrente do
motor é de 230 mA. Qual é a resistência do motor?
Formulando a questão, temos:

V  9V
I  230mA (ou 0,23A)
R?

V
R 9
I  0,23  39,1
Exemplo 3 - Por fim, vamos supor que um Chuveiro tem 12 , e foi conectado a uma
tensão desconhecida. Um Alicate Amperímetro foi colocado no circuito e indicou uma
corrente de 22 A. Qual a tensão de alimentação do Chuveiro?

Formulando a questão, temos:

I  22 A
R  10 
V?
V  R.I
V  10 . 22  220V

Portanto, V = 220 V

Exercícios

1. Responda às seguintes questões.


a) Qual é a equação da Lei de Ohm?

b) Dê as equações para o cálculo da corrente, tensão e resistência, segundo a Lei


de Ohm.

c) Enuncie a Lei de Ohm.

d) No circuito a seguir calcule os valores, segundo a Lei de Ohm.


a) V = 50 V b) I = 15A
R = 33  R = 12 
I= V=

c) V = 30V d) I = 3,5 A
I = 0,18 A R = 68 
R= V=

e) V = 440V f) V = 12V
R = 48 I = 100 mA
I= R=

g) V = 380 V h) I = 300 mA
I = 500 mA R = 470 
R= V=

i) V = 60 V j) V= 12 V
R = 680  R = 400 
I= I=

K) I = 1,2 A l) R = 88k
V = 30 V I=5A
R= V=

2. Resolva os problemas a seguir usando a Lei de Ohm.


a) Um ferro de passar roupa absorve uma corrente de 6 A quando a tensão nos
seus terminais são 110 V. Qual é a resistência do componente?

b) Um chuveiro elétrico funciona com uma tensão de 230 V. Sabendo-se que, sua
resistência é de 9 . Calcule a corrente que circula no aparelho?

c) Ao aplicar uma tensão desconhecida em uma torneira elétrica de resistência


elétrica de 20 , Circula uma corrente de 11 A. Qual é a tensão de
alimentação desse componente?

d) Um toca-fitas de automóvel exige 0,6 A da bateria. Sabendo-se que, nesta


condição, sua resistência interna é de 10 , determinar pela Lei de Ohm se o
automóvel tem bateria de 6 ou 12 V.
2ª Lei de Ohm

Segunda Lei de Ohm

George Simon Ohm foi um cientista que estudou a resistência elétrica do ponto de
vista dos elementos que têm influência sobre ela. Por esse estudo, ele concluiu que a
resistência elétrica de um condutor depende fundamentalmente de quatro fatores a
saber:
1. material do qual o condutor é feito;
2. comprimento (L) do condutor;
3. área de sua seção transversal (S);
4. temperatura no condutor.

Para que se pudesse analisar a influência de cada um desses fatores sobre a


resistência elétrica, foram realizadas várias experiências variando-se apenas um dos
fatores e mantendo constantes os três restantes.

Assim, por exemplo, para analisar a influência do comprimento do condutor,


manteve-se constante o tipo de material, sua temperatura e a área da sessão
transversal e variou-se seu comprimento.

S resistência obtida =
R
S resistência obtida =
2R
S resistência obtida =
3R

Com isso, verificou-se que a resistência elétrica aumentava ou diminuía na mesma


proporção em que aumentava ou diminuía o comprimento do condutor.

Isso significa que: “A resistência elétrica é diretamente proporcional ao


comprimento do condutor”.

Para verificar a influência da seção transversal, foram mantidos constantes


o comprimento do condutor, o tipo de material e sua temperatura, variando-se apenas
sua seção transversal.
S  resistência obtida = R

 resistência obtida = R/2


2.
S

resistência obtida = R/3


3.S

Desse modo, foi possível verificar que a resistência elétrica diminuía à medida que se
aumentava a seção transversal do condutor. Inversamente, a resistência elétrica
aumentava, quando se diminuía a seção transversal do condutor.
Isso levou à conclusão de que: “A resistência elétrica de um condutor é inversamente
proporcional à sua área de seção transversal”.

Mantidas as constantes de comprimento, seção transversal e temperatura, variou-se o


tipo de material:

S cobre
I resistência obtida = R1

S alumínio
L resistência obtida = R2

S prata
L resistência obtida = R3

Utilizando-se materiais diferentes, verificou-se que não havia relação entre eles. Com
o mesmo material, todavia, a resistência elétrica mantinha sempre o mesmo valor.

A partir dessas experiência, estabeleceu-se uma constante de proporcionalidade que


foi denominada de resistividade elétrica.

Resistividade elétrica

Resistividade elétrica é a resistência elétrica específica de um certo condutor com


1 metro de comprimento, 1 mm2 de área de seção transversal, medida em temperatura
ambiente constante de 20oC.

A unidade de medida de resistividade é o  mm2/m, representada pela letra grega 


(lê-se “rô).
A tabela a seguir apresenta alguns materiais com seu respectivo valor de resistividade.

Peso específico Resistividade em


Símbol Número Ponto de
Elementos e ligas
o atômico
em grama por
fusão em 
cm2 x mm2 /
químic ºC
o m a 20º
C
Alumínio 99,9% A 1 2,58 657 0,0284
l 3 0
Bismuto B 8 10,0 269 0,1200
i 3 50
Carbono C 6 3.500 35,0
Chumbo P 8 11,3 327 0,2114
b 2 00
Cobre eletrolítico C 2 9,05 1.080 0,0167
u 9 0
Cobre recozido normal C 2 8,89 1.080 0,0173
u 9 0
Constantan (Cu 60% – Ni 40%) 8,40 1.240 0,5000
0
Estanho S 5 7,30 231 0,1195
n 0 0
Ferro puro comercial F 2 7,85 1.500 0,1221
e 6 0
Latão (Cu 60% – Zn 40%) 940 0,0818
Mercúrio H 8 13,5 -39 0,9567
g 0 50
Nicromo (Cu 60% – Cr 12% – Fe 28%) 1,3700
Níquel N 2 8,70 1.452 0,0780
i 8 0
Ouro A 7 19,2 1.063 0,0244
u 9 6
Platina P 7 21,5 1.750 0,1184
t 8 00
Prata A 4 10,5 961 0,0164
g 7 5
Tungstênio W 7 18,7 2.970 0,0710
4 00
Zinco Z 3 7,12 418 0,0615
n 0 0

Diante desses experimentos, George Simon OHM estabeleceu a sua segunda lei que
diz que:
“A resistência elétrica de um condutor é diretamente proporcional ao produto da
resistividade específica pelo seu comprimento, e inversamente proporcional à sua
área de seção transversal.”

Matematicamente, essa lei é representada pela seguinte equação:

. Onde:
R
L= R = resistência do condutor (em );
S  = resistividade do material (em  x mm2/m);
l = comprimento do condutor (em m);
s = seção transversal do condutor (em mm2).

Influência da temperatura sobre a resistência

Como já foi visto, a resistência elétrica de um condutor depende do tipo de material de


que ele é constituído e da mobilidade das partículas em seu interior.
Na maior parte dos materiais, o aumento da temperatura significa maior resistência
elétrica. Isso acontece porque com o aumento da temperatura, há um aumento da
agitação das partículas que constituem o material, aumentando as colisões entre as
partículas e os elétrons livres no interior do condutor.

Isso é particularmente verdadeiro no caso dos metais e suas ligas. Neste caso, é
necessário um grande aumento na temperatura para que se possa notar uma pequena
variação na resistência elétrica. É por esse motivo que eles são usados na fabricação
de resistores.

Conclui-se, então, que em um condutor, a variação na resistência elétrica relacionada


ao aumento de temperatura depende diretamente da variação de resistividade elétrica
própria do material com o qual o condutor é fabricado.

Assim, uma vez conhecida a resistividade do material do condutor em uma


determinada temperatura, é possível determinar seu novo valor em uma nova
temperatura. Matematicamente faz-se isso por meio da expressão:

f = o.(1 +  . )

Nessa expressão,
f é a resistividade do material na temperatura final em  . mm2/m;
o é a resistividade do material na temperatura inicial (geralmente 20o C) em  .
mm2/m;
 é o coeficiente de temperatura do material (dado de tabela) e
 é a variação de temperatura, ou seja, temperatura final - temperatura inicial, em oC.

A tabela a seguir mostra os valores de coeficiente de temperatura dos materiais que


correspondem à variação da resistência elétrica que o condutor do referido material
com resistência de 1 sofre quando a temperatura varia de 1o C.

Material Coeficiente de
temperatura
 (oC-1)
Cobre 0,0039
Alumínio 0,0032
Tungstênio 0,0045
Ferro 0,005
Prata 0,004
Platina 0,003
Nicromo 0,0002
Constantan 0,00001
Como exemplo, vamos determinar a resistividade do cobre na temperatura de 50o C,
sabendo-se que à temperatura de 20o C, sua resistividade corresponde a
0,0173 .mm2/m.

o = 0,0173
 (oC-1) = 0,0039 . (50 - 20)
f = ?

Como f = o.(1 +  . ), então:


f = 0,0173 . (1 + 0,0039 . (50 - 20))
f = 0,0173 . (1 + 0,0039 . 30)
f = 0,0173 . (1 + 0,117)
f = 0,0173 . 1,117
f = 0,0193 .mm2/m

EXERCÍCIOS

Questão 01 - Dois fios, um de cobre com resistividade 1,7 x 10-8 Ω . m e outro de alumínio com
resistividade 2,8 x 10-8Ω.m, possuem mesmo comprimento e mesmo diâmetro. Se ambos forem
percorridos pela mesma corrente i, pode-se afirmar que:
a) As resistências ôhmicas dos dois fios são iguais.
b) A ddp é menor no fio de cobre.
c) O fio de cobre fica submetido a um campo elétrico maior do que o do fio de alumínio.
d) A perda de energia pelo efeito Joule é menor no fio de alumínio.

Questão 02 - Se dois cabos que ligam o telão for de 6 mm2 , qual a resistência elétrica que
ambos terão , se o comprimento de cada cabo é de 20 metros e a resistividade do material em
que são feitos é ρ = 1,7 X 10-8 Ω.m.
a) 0,056 Ω
b) 0,113 Ω
c) 0,226 Ω
d) 0,028 Ω

Questão 03 - Um fio de cobre tem comprimento de 120 m e a área da seção transversal é 0,50
mm2 . Sabendo–se que a resistividade do cobre a 0 ºC é de 1,72 x10-2 Ω.mm2/m. Então a sua
resistência elétrica a 0 ºC será de :
a) 5,2 Ω
b) 4,1 Ω
c) 8,2 Ω
d) 6,2 Ω
Potência elétrica em Corrente Contínua
(CC)

Certos conceitos de física já fazem parte do nosso dia à dia. Quando se opta, por
exemplo, por uma lâmpada de menor potência para gastar menos energia elétrica,
está-se aplicando um conceito de física chamado potência.

Potência é um conceito que está diretamente ligado à idéia de força, produção de


som, calor, luz e até mesmo ao gasto de energia.

Estudando esta unidade sobre a potência elétrica em CC, você terá oportunidade de
aprender como se determina a potência dissipada por uma carga ligada a uma fonte
de energia elétrica.

Para desenvolver satisfatoriamente os conteúdos e atividades aqui apresentadas,


você deverá conhecer resistores e Lei de Ohm.
15

Potência elétrica em CC

Ao passar por uma carga instalada em um circuito, a corrente elétrica produz, entre
outros efeitos, calor, luz e movimento. Esses efeitos são denominados de trabalho.

O trabalho de transformação de energia elétrica em outra forma de energia é realizado


pelo consumidor ou pela carga. Ao transformar a energia elétrica, o consumidor realiza
um trabalho elétrico.

O tipo de trabalho depende da natureza do consumidor de energia. Um aquecedor, por


exemplo, produz calor; uma lâmpada, luz; um ventilador, movimento.
A capacidade de cada consumidor produzir trabalho, em determinado tempo, a partir
da energia elétrica é chamada de potência elétrica, representada pela seguinte
fórmula:


P=
t

Onde;
P é a potência;
 (lê-se “tal”) é o trabalho e
t é o tempo.

Para dimensionar corretamente cada componente em um circuito elétrico é preciso


conhecer a sua potência.

Trabalho elétrico

Os circuitos elétricos são montados visando ao aproveitamento da energia elétrica.


Nesses circuitos a energia elétrica é convertida em calor, luz e movimento. Isso
significa que o trabalho elétrico pode gerar os seguintes efeitos:

Efeito calorífico - Nos fogões, chuveiros, aquecedores, a energia elétrica converte-se


em calor.
Efeito luminoso - Nas lâmpadas, a energia elétrica converte-se em luz (e também uma
parcela em calor).
Efeito mecânico - Os motores convertem energia elétrica em força motriz, ou seja, em
movimento.

efeito luminoso
efeito calorífico

efeito mecânico
Potência elétrica

Analisando um tipo de carga como as lâmpadas, por exemplo, vemos que nem todas
produzem a mesma quantidade de luz. Umas produzem grandes quantidades de luz e
outras, pequenas quantidades.

Da mesma forma, existem aquecedores que fervem um litro de água em 10 min e


outros que o fazem em apenas cinco minutos. Tanto um quanto outro aquecedor
realizam o mesmo trabalho elétrico: aquecer um litro de água à temperatura de 100o C.

A única diferença é que um deles é mais rápido, realizando o trabalho em menor


tempo.

A partir da potência, é possível relacionar trabalho elétrico realizado e tempo


necessário para sua realização.

Potência elétrica é, pois, a capacidade de realizar um trabalho numa unidade de


tempo, a partir da energia elétrica.

Assim, pode-se afirmar que são de potências diferentes:


 As lâmpadas que produzem intensidade luminosa diferente;
 Os aquecedores que levam tempos diferentes para ferver uma mesma
quantidade de água;
 Motores de elevadores (grande potência) e de gravadores (pequena potência).

Unidade de medida da potência elétrica

A potência elétrica é uma grandeza e, como tal, pode ser medida. A unidade de
medida da potência elétrica é o watt, simbolizado pela letra W.

Um watt (1W) corresponde à potência desenvolvida no tempo de um segundo em uma


carga, alimentada por uma tensão de 1V, na qual circula uma corrente de 1A.
A unidade de medida da potência elétrica watt tem múltiplos e submúltiplos como
mostra a tabela a seguir.
Denominação Valor em relação ao
watt
Múltiplo quilowatt KW 103 W ou 1000 W

Unidade Watt W 1W
Submúltiplos miliwatt mW 10-3 W ou 0,001 W

microwatt W 10-6 ou 0,000001 W

Na conversão de valores, usa-se o mesmo sistema de outras unidades.

KW W mW W

Observe a seguir alguns exemplos de conversão


a) 1,3W = mW
W mW mW
W
0 1 3 3 0
1
 (posição inicial da vírgula) (posição atual da vírgula)
1,3 W = 1300 mW

b) 350W = KW
W KW 0 W
KW
5 3 0 3 5
 
350 W = 0,35 KW

c) 640 mW = W
W mW W mW
4 6 0 4 6 0
0
 
640 mW = 0,64 W

d) 2,1 KW = W
KW W K W
0 2 1 1 0
W
 
2
2,1 KW = 2100 W
Determinação da potência de um consumidor em CC

A potência elétrica (P) de um consumidor depende da tensão aplicada e da corrente


que circula nos seus terminais. Matematicamente, essa relação é representada pela
seguinte fórmula:
P = V . I.

Nessa fórmula V é a tensão entre os terminais do consumidor expressa em volts (V); I


é a corrente circulante no consumidor, expressa em ampéres (A) e P é a potência
dissipada expressa em watts (W).

Exemplo - Uma lâmpada de lanterna de 6 V solicita uma corrente de 0,5 A das pilhas.
Qual a potência da lâmpada?

Formulando a questão, temos:


V = 6V  tensão nos terminais da lâmpada
I = 0,5A  corrente através da lâmpada
P=?
Como P = V . I  P = 6 . 0,5 = 3W
Portanto, P = 3W

A partir dessa fórmula inicial, obtém-se facilmente as equações de corrente para o


cálculo de qualquer das três grandezas da equação. Desse modo temos:
 Cálculo da potência quando se dispõe da tensão e da corrente:

P = V . I.

 Cálculo da corrente quando se dispõe da potência e da tensão:


P
I=
V

 Cálculo da tensão quando se dispõe da potência e da corrente:

P
V=
I

Muitas vezes é preciso calcular a potência de um componente e não se dispõe da


tensão e da corrente. Quando não se dispõe da tensão (V) não é possível calcular a
potência pela equação P = V . I. Esta dificuldade pode ser solucionada com auxílio da
Lei de Ohm.
Para facilitar a análise, denomina-se a fórmula da Primeira Lei de Ohm, ou seja,
V = R . I, da equação I e a fórmula da potência, ou seja, P = V . I, de equação II. Em
seguida, substitui-se V da equação II pela definição de V da equação I:

V = R . I  equação I

P = V . I  equação II

Assim sendo, pode-se dizer que


P = R . I . I, ou P = R . I2

Esta equação pode ser usada para determinar a potência de um componente. É


conhecida como equação da potência por efeito joule.

Observação
Efeito joule é o efeito térmico produzido pela passagem de corrente elétrica através
de uma resistência

Pode-se realizar o mesmo tipo de dedução para obter uma equação que permita
determinar a potência a partir da tensão e resistência.

Assim, pela Lei de Ohm, temos:

V
I  equação I
R

P=V . I  equação II

Fazendo a substituição, obtém-se:


V
P  V.
R

Que pode ser escrita da seguinte maneira:


2
P=V
R
A partir das equações básicas, é possível obter outras equações por meio de
operações matemáticas.

Fórmulas básicas Fórmulas derivadas

R = P I2

P = R . I2

I =P R

V =P . R

2
P= VR
2
R=V
P

A seguir são fornecidos alguns exemplos de como se utilizam às equações para


determinar a potência.

Exemplo 1
Um aquecedor elétrico tem uma resistência de 8 e solicita uma corrente de 10 A.
Qual é a sua potência?

Formulando a questão, temos:


I = 10 A
R=8
P=?

Aplicando a fórmula P = I2 . R, temos:


P = 102 . 8  P = 800 W

Exemplo 2 - Um isqueiro de automóvel funciona com 12 V fornecidos pela bateria.


Sabendo que a resistência do isqueiro é de 3 , calcular a potência dissipada.
Formulando a questão, temos:
V = 12 V
R=3
P=?

Aplicando a fórmula:

V 12
P 2P 2
R 3

 P = 48 W

Potência nominal

Certos aparelhos como chuveiros, lâmpadas e motores têm uma característica


particular: seu funcionamento obedece a uma tensão previamente estabelecida.
Assim, existem chuveiros para 110V ou 220V; lâmpadas para 6V, 12V, 110V, 220V e
outras tensões; motores, para 110V, 220V, 380V, 760V e outras.

110V
60W

Esta tensão, para a qual estes consumidores são fabricados, chama-se tensão
nominal de funcionamento. Por isso, os consumidores que apresentam tais
características devem sempre ser ligados na tensão correta (nominal), normalmente
especificada no seu corpo.

Quando esses aparelhos são ligados corretamente, a quantidade de calor, luz ou


movimento produzida é exatamente aquela para a qual foram projetados. Por
exemplo, uma lâmpada de 110 V/60 W ligada corretamente (em 110 V) produz 60 W
entre luz e calor. A lâmpada, nesse caso, está dissipando a sua potência nominal.
Portanto, potência nominal é a potência para qual um consumidor foi projetado.
Enquanto uma lâmpada, aquecedor ou motor trabalha dissipando sua potência
nominal, sua condição de funcionamento é ideal.

Energia Elétrica:

A unidade de medida da energia é o joule (J), em homenagem ao físico britânico


James Prescott Joule (1818-1889). Junto com seu compatriota William Thomson
(posteriormente Lord Kelvin), Joule descobriu que a temperatura de um gás diminui
quando este se expande sem realizar nenhum trabalho.

A Lei de Joule estabelece que a quantidade de calor produzida num condutor pela
passagem da corrente elétrica é proporcional à resistência do condutor e ao quadrado
da intensidade da corrente.

Joule:

 Unidade de medida de energia no Sistema Internacional, igual ao trabalho realizado


por uma força constante de um newton, cujo ponto de aplicação se desloca da
distância de um metro na direção da força;
 A energia transportada por segundo em um condutor percorrido por uma corrente
elétrica invariável de um ampère, sob uma diferença de potencial constante igual a
um volt.
1 joule = 1 volt x 1 coulomb

A unidade de medida da potência elétrica no Sistema Internacional é o watt, que


equivale a um joule por segundo.

1Watt  1Joule
1segundo

Trabalho é energia. Portanto, quando se diz que a potência de uma lâmpada é de 60


W, significa que ela absorve uma energia de 60 J em cada segundo.

Onde:
E P = Potência Elétrica
P E = Energia = trabalho
t
t = Intervalo de tempo
Em eletricidade, além do joule, utiliza-se uma outra unidade denominada watt-hora
(Wh). Um kilowatt-hora é a energia consumida, com potência de um kilowatt, durante
uma hora.

Watt-hora: Unidade de medida de energia, igual a 3600 J.

1 kWh = 1 kw x 1h = 1000 w x 3.600 s

1 kWh = 3,6 x 106


em apenas um dos fios, em pontos próximos (A
POR QUE ASSOCIAR RESISTORES? e B), a diferença de potencial é desprezível.
Uma associação de resistores é feita para O contato com fios diferentes (altíssima ddp)
se obter uma resistência maior do que a leva o pássaro a ser eletrocutado violentamente.
fornecida por um único resistor. Há Associação de Resistores
situações em que um único resistor não - EM PARALELO -
suporta a intensidade de corrente que deve
atravessá-lo. Nesses casos, utilizam-se
vários resistores associados entre si.

Associação de Resistores
- EM SÉRIE -

O resistor equivalente (Req)


Uma associação em paralelo de resistores
apresenta várias propriedades. As principais
são:
a) A ddp (voltagem) é a mesma em todos os
O resistor equivalente (Req) resistores.
Uma associação em série de resistores b) A corrente total é a soma das correntes
apresenta várias propriedades. As principais em cada resistor.
são: c) A resistência equivalente é dada pela
a) A corrente elétrica é a mesma em todos expressão abaixo:
os resistores.
b) A ddp nos extremos da associação é
igual à soma das ddps em cada resistor.
25 Associação de resistores
c) A resistência equivalente é a soma das d) Maior resistência, menor corrente.
resistências de cada resistor.
EXEMPLO: três resistores de resistências
R1 = 60 Ω, R2 = 30 Ω e R3 = 20 Ω, estão
d) A potência dissipada é maior no resistor associados em paralelo, sendo submetidos
de maior resistência à ddp de 120 V.

EXEMPLO: Três resistores têm resistências


elétricas R1 = 20 Ω, R2 = 30 Ω e R3 = 10 Ω
e estão associados em série. Aplica-se uma
ddp de 120 V nos extremos dessa
associação, conforme figura a seguir.

Determine:
a) a resistência equivalente da associação.
b) a intensidade de corrente em cada
Determine: resistor.
a) a resistência equivalente da associação. c) a tensão em cada resistor.
b) a intensidade de corrente em cada
resistor. ASSOCIAÇÃO MISTA DE
c) a tensão em cada resistor. RESISTORES
Dá-se o nome associação mista de

Curiosidade
resistores à associação que contém,
simultaneamente, associações de resistores
em série e em paralelo. O cálculo do
resistor equivalente deve ser feito a partir
das associações, em série ou em paralelo,
O contato com fios de alta tensão em apenas tendo em mente que devemos ir, pouco a
um ou dois pontos próximos (sem ligação com a
pouco, simplificando o esquema da
terra) não causa nenhum dano, pois, ao tocar
associação.
24 W, da figura abaixo, fique acesa com o
EXEMPLO 1: A resistência equivalente do seu maior brilho.
circuito abaixo é de:

2) No trecho de circuito abaixo, a resistência


EXEMPLO 2: No circuito representado na de 3 Ω dissipa 27W. Determine a ddp
figura, a ddp entre os pontos A e B é igual a entre os pontos A e B.
15 V. A corrente total da associação será:
a) 1 A.
b) 2 A.
c) 3 A.
d) 4 A.
e) 5 A.

3) No trecho de circuito elétrico abaixo, a


ddp entre A e B é 60V e a corrente i 1 tem
intensidade de 1 A. Determine valor da
resistência do resistor R.
RESITOR EM CURTO -CIRCUITO

Na prática, um fio metálico de resistência


desprezível (Rfio = 0) torna dois pontos
iguais (A e A), e todo resistor ligado a dois
pontos iguais estará em curto-circuito,
podendo ser retirado da associação por
26 NÃO ser percorrido por corrente elétrica.
4) Em cada uma Associação de resistores
das associações abaixo,
calcule a resistência do resistor equivalente
entre os pontos especificados:

a)

b)

EXEMPLO: No esquema, a potência c)


dissipada pelo resistor de 20 Ω é, em watts,
igual a:

a) 10
b) 100
c) 200
d) 300
e) 500

d)

1) Determine o valor da resistência R


necessário para que a lâmpada de 12 V –
Sabendo que a potência total dissipada no
circuito é 12W, determine:
A) a corrente i que passa pela bateria.
B) o valor da resistência R.

8) (Ufrrj 2005) Considere o circuito:


e)

As correntes nos resistores são,


respectivamente, no de 100 Ω e nos de
50 Ω:
A) (5/7) A e (2/7) A. D) (8/7) A e
(2/7) A.
B) (4/7) A e (2/7) A. E) (6/7) A e (2/7) A.
C) (10/7) A e (2/7) A.
f)
9) (PUC-PR) Supondo idênticas as três
lâmpadas da associação, analise as
afirmações.

5) A resistência elétrica equivalente à


associação indicada no esquema vale:
27 A) R Associação de resistores
B) R/2
C) 2R
D) 3R I. Abrindo o circuito no ponto Y, somente a
E) 4R lâmpada L3 apaga.
II. Abrindo o circuito no ponto X, a lâmpada
L1 apaga e L3 diminui de brilho.
III. Abrindo o circuito no ponto X, as
6) Qual das afirmações está errada? lâmpadas L1 e L3 apagam.
A) O amperimetro é um instrumento de IV. Abrindo o circuito no ponto X, a lâmpada
resistência interna quase nula. L2 aumenta de brilho e L3 diminui de brilho.
B) O voltímetro é um instrumento de
São corretas:
resistência interna quase infinita.
A) apenas as afirmações I, II e III.
C) Para uma dada resistência, a corrente é
B) apenas as afirmações II, III e IV.
inversamente proporcional à ddp aplicada.
C) apenas as afirmações I e III.
D) Em um condutor metálico, a resistência
D) apenas as afirmações III e IV.
depende de sua área de secção transversal.
E) apenas as afirmações II e IV.
E) O curto-circuito pode ocasionar grande
aquecimento, acarretando perigo de
10) (Ufms 2006) As quatro lâmpadas
incêndio.
idênticas, representadas na figura, acendem
quando os extremos A e B do circuito são
7) (Unesp 2004) Dois resistores, um de
ligados a uma fonte de tensão constante.
resistência 5,0 Ω e outro de resistência R,
Queimada a lâmpada 3, é correto afirmar
estão ligados a uma bateria de 6,0 V, como
mostra a figura.

A) as lâmpadas 1, 2 e 4 tornam-se mais


brilhantes.
B) as lâmpadas 1, 2 e 4 permanecem com o
mesmo brilho.
C) as lâmpadas ficam com brilhos desiguais
sendo que a 1 é a mais brilhante.
D) as lâmpadas 1 e 4 irão brilhar menos e a
lâmpada 2 irá brilhar mais do que quando a
lâmpada 3 não está queimada.

Equações:
U = R.i P = U.i
U = Tensão elétrica (V)
R = Resistência elétrica (Ω)
i = Corrente elétrica (A)
P = Potência elétrica (W)

28 Associação de resistores

Você também pode gostar