Você está na página 1de 35

Ministério da Educação

Ministro Milton Ribeiro

Secretaria Executiva
Victor Godoy Veiga
José de Castro Barreto Júnior

Secretaria de Educação Básica


Izabel Lima Pessoa
Mauro Luiz Rabelo
Karine Silva dos Santos
Helber Ricardo Vieira
Renato de Oliveira Brito
Gilson Passos de Oliveira
Luciana da Silva Castro
Paulo Sérgio Parro

Secretaria de Alfabetização
Carlos Francisco de Paula Nadalim

Secretaria de Modalidades Especializadas de Educação


Ilda Ribeiro Peliz

Consultoria especializada
Maria Inez Montagner
Miguel Ângelo Montagner
Helena Maria Junqueira de Andrade Abreu Ceccatelli
Caroliny Victoria dos Santos Silva
Lucas Joshuah Teixeira Mendes
Levi Galeno dos Santos

Projeto designer gráfico


Marcos Felipe Bispo Alves

Agradecimentos especiais ao Conselho Nacional de Secretários de Educação


e à União dos Dirigentes Municipais de Educação pelas contribuições à
elaboração deste guia.
SUMÁRIO
APRESENTAÇÃO ................................................................................................................................. 2
INTRODUÇÃO ...................................................................................................................................... 4
ACÕES DE SUPORTE ÀS ESCOLAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ...................................... 5
MEDIDAS GERAIS DE PROTEÇÃO E PREVENÇÃO À COVID-19 .................................................... 6
ORIENTAÇÕES GERAIS ...................................................................................................................... 9
Primeira avaliação ......................................................................................................................... 9
Quem não poderá retornar .......................................................................................................... 10
Treinamento e capacitação das equipes ..................................................................................... 10
MEDIDAS SOCIAIS EM SAÚDE ......................................................................................................... 11
Medidas gerais para a escola independentes da fase da Covid-19 ............................................ 11
Primeiros passos ......................................................................................................................... 11
No transporte escolar .................................................................................................................. 12
Cuidados com áreas comuns ...................................................................................................... 13
Medidas de higiene e limpeza ambiental .................................................................................... 14
Uso da biblioteca ......................................................................................................................... 14
Uso de equipamentos de proteção individual e de proteção coletiva ......................................... 14
Ventilação dos ambientes ........................................................................................................... 16
Dentro das salas de aula ............................................................................................................. 16
Distanciamento físico entre grupos ............................................................................................. 17
Registros da OMS/UNICEF para o uso de máscaras ................................................................. 18
Atenção especial à educação infantil .......................................................................................... 19
Atenção aos alunos com deficiência ........................................................................................... 22
Atenção aos alunos da educação escolar indígena, do campo, das comunidades quilombolas,
demais povos e comunidades tradicionais .................................................................................. 23
MEDIDAS PEDAGÓGICAS................................................................................................................. 25
ORGANIZAÇÃO DO COLETIVO LOCAL - CONSELHO ESCOLAR AMPLIADO .............................. 26
MONITORAMENTO E TRIAGEM DE ALUNOS, PROFESSORES E FUNCIONÁRIOS .................... 27
CRONOGRAMA .................................................................................................................................. 28
NORMAS VIGENTES PARA CONTROLE, PREVENÇÃO E DIMINUIÇÃO DOS RISCOS ................ 28
REFERÊNCIAS ................................................................................................................................... 29

Ministério da Educação | 1
contém normas técnicas de segurança em
saúde e recomendações de ações sociais e
APRESENTAÇÃO pedagógicas a serem observadas pelos
integrantes da comunidade escolar.
A pandemia da Covid-19 trouxe consigo
O presente guia tomou como base
desafios para toda a sociedade, causou
orientações da Organização Mundial de
impactos para as políticas públicas e muitas
Saúde (OMS), da Organização Pan-
incertezas em relação aos desdobramentos
Americana de Saúde (OPAS), da
das políticas de saúde.
Organização das Nações Unidas para a
Na educação, o efeito tempestivo da
Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO),
suspensão das aulas fez com que
do Fundo das Nações Unidas para a Infância
professores e alunos tivessem que se
(UNICEF) e do próprio Ministério da Saúde
ajustar rapidamente às novas formas de
do Brasil (MS). O guia também considerou
ensinar e aprender. Nesse contexto, o uso
os documentos e sugestões produzidos pelo
das tecnologias e as aulas remotas
Conselho Nacional de Secretários de
emergiram como alternativas para dar
Educação (Consed) e pela União Nacional
seguimento às atividades escolares.
dos Dirigentes Municipais de Educação
Agora, tanto no Brasil quanto em
(Undime), além dos cuidados relativos à
diferentes países, há um movimento de
educação alimentar e nutricional e à
retomada das aulas presenciais, justificado
segurança dos alimentos, elaborados pelo
pela importância da educação escolar para
Fundo Nacional de Desenvolvimento da
o desenvolvimento intelectual, social e
Educação (FNDE) no âmbito do Programa
emocional das crianças, dos jovens e das
Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).
famílias. Nesse sentido, é necessário
Também é importante observar os
preparar a comunidade escolar (alunos,
objetivos do Programa Saúde nas Escolas,
professores, gestores, famílias e entorno
que busca contribuir para a formação
escolar) para novas práticas a partir das
integral dos estudantes por meio de ações
perspectivas científicas sobre os cuidados
de promoção, prevenção e atenção à saúde,
de prevenção, promoção e reabilitação em
com vistas ao enfrentamento das
saúde.
vulnerabilidades que comprometem o pleno
Para tanto, o Ministério da Educação
desenvolvimento de crianças e jovens da
(MEC), por meio da Secretaria de Educação
rede pública de ensino.
Básica (SEB), da Secretaria de
Nesse retorno, portanto, deverá
Alfabetização (Sealf) e da Secretaria de
preponderar o esforço coletivo de diferentes
Modalidades Especializadas de Educação
entidades que estão no entorno da escola,
(Semesp), com base em diferentes
bem como a participação dos profissionais
documentos e protocolos de biossegurança,
da atenção primária à saúde e de
elaborou o presente guia de orientação para
especialistas das instituições de ensino
auxiliar sistemas e redes de ensino na
superior para auxiliar no entendimento de
retomada das aulas ou quando forem
problemas relacionados não só à Covid-19,
elaborar seus próprios guias ou planos de
mas também aos reflexos dessa pandemia
retorno às atividades presenciais. Este guia

Ministério da Educação | 2
nas famílias, nos profissionais da educação Precisamos colocar a mão na massa
e em seus familiares. para construirmos imediatamente uma
A qualidade do ensino e a segurança das solução que nos ajude a minimizar os danos
pessoas neste momento do retorno às aulas ocasionados por esse período tão grave e
somente serão possíveis se houver inusitado pelo qual estamos passando.
compreensão, cooperação e espírito de Temos que nos conscientizar de que todos
solidariedade. Se, durante a pandemia, a somos parte desse movimento em busca de
sociedade brasileira observou a capacidade melhores condições de retorno, propiciando
tempestiva e criativa de muitos professores ambiente seguro à vida dos professores e
e alunos para seguir ensinando e demais profissionais da educação para que
aprendendo, também estamos convictos de possam cumprir a missão nobre de oferecer
que a escola brasileira, ambiente formação de qualidade às crianças e aos
intencionalmente estruturado para o jovens brasileiros, fundamentando o
desenvolvimento dos processos educativos, trabalho pedagógico na perspectiva da
é capaz de preparar-se com segurança educação humanizada e integral.
sanitária para a retomada das aulas Por fim, cumpre ressaltar que a decisão
presenciais. Mais qualificada pelas novas de retorno às aulas presenciais deve ser
aprendizagens oriundas do tempo de tomada pelos governos subnacionais de
suspensão das aulas, a escola, hoje, acordo com orientação das autoridades
aprendeu a lidar com tecnologias modernas, sanitárias locais.
aulas remotas, estratégias híbridas de
ensino e novos modelos de avaliação das
aprendizagens.
É, também, momento ímpar de
acolhimento, em que as equipes
pedagógicas, as famílias e os estudantes
mais precisam do apoio para elucidar o ano
letivo de 2020. Será necessário fazer
avaliações diagnósticas para identificar o
nível de aprendizado dos alunos, verificando
os que se adiantaram nas aprendizagens e
podem ser reclassificados de ano escolar,
assim como trazer soluções para aqueles
que demandam algum tipo de atendimento
diferenciado na tentativa de dar um
tratamento minimamente equitativo. Não há
resposta pronta e acabada que atenda a
todos os casos, pois a implementação das
medidas necessárias para ajustar ou
recuperar a aprendizagem dos estudantes
ensejará adequações a serem feitas no
curso da ação.

Ministério da Educação | 3
INTRODUÇÃO educação básica no sentido de levantar as
necessidades de cada unidade escolar,
O objetivo central deste guia é orientar
antes mesmo de estabelecer seus planos de
sistemas e redes de ensino da educação
retorno, não apenas no que se refere à
básica sobre o funcionamento e o
infraestrutura material e de pessoal, mas
desenvolvimento de atividades
também quanto à necessidade de se
administrativas e educativas nas escolas,
preparar adequadamente para desenvolver
com vistas ao retorno das atividades
capacitações da comunidade escolar e
presenciais. Esse retorno deverá ocorrer de
ações permanentes de sensibilização de
forma gradual, com a segurança sanitária
estudantes, pais ou responsáveis.
que propicie um ambiente saudável e com o
As medidas sociais em saúde são, então,
menor risco possível para a saúde e o bem-
desdobradas em: medidas gerais
estar da comunidade escolar.
independentes da fase da Covid-19 em que
Todas as recomendações aqui estão
se encontra a região; recomendações sobre
sujeitas aos regramentos de estados e
medidas de segurança sanitária que
municípios, às análises epidemiológicas
deverão fazer parte do Plano de Retorno das
sobre a doença e às orientações dos órgãos
atividades escolares presenciais; os
de saúde nacionais e internacionais sobre as
cuidados com o transporte escolar, com as
medidas sanitárias a serem tomadas.
áreas comuns, com o uso da biblioteca, com
Ancorando-se nas ações preconizadas
o uso de equipamentos de proteção
por instituições de saúde e pelo Ministério da
individual e de proteção coletiva e com a
Saúde, o guia se inicia com as medidas
ventilação dos ambientes; as medidas mais
gerais de proteção e prevenção à Covid-19
adequadas dentro das salas de aula de
preconizadas pela OMS, pela UNESCO e
acordo com a cor da fase em que se
pelo UNICEF, que orientam no sentido da
encontra a região e as estratégias a serem
retomada das aulas presenciais,
adotadas para garantir o distanciamento
ressalvadas as devidas cautelas de
físico entre grupos; além de serem
segurança sanitária. Optou-se por
pontuados os registros da OMS e do
apresentar as fases ou períodos de
UNICEF para o uso de máscaras.
implementação dos protocolos de volta às
É dado destaque para as
aulas sugeridas pela OMS, que considera os
recomendações específicas para o retorno
níveis de intensidade da transmissão da
dos alunos da educação infantil, dos alunos
Covid-19, e associou-se uma cor a cada uma
com deficiência e dos alunos da educação
delas para facilitar a compreensão: nenhum
escolar indígena, quilombola e do campo.
caso (azul), transmissão esporádica (verde),
Além das medidas sociais em saúde,
transmissão em grupos específicos
apresenta-se uma síntese das medidas
(amarela) e transmissão comunitária
pedagógicas que devem ser consideradas, à
(vermelha).
luz do que está sendo elaborado pelo
Em seguida, são apresentadas
Conselho Nacional de Educação (CNE) a
orientações gerais sobre as condições
partir do que estabelece a Lei nº
prévias que devem ser consideradas pelos
14.040/2020, seguida de uma sugestão de
gestores das redes das escolas de
criação de um coletivo local, denominado

Ministério da Educação | 4
Conselho Escolar Ampliado, responsável reorganização do calendário escolar e à
por coordenar, acompanhar e avaliar, sob retomada das atividades presenciais.
orientação das autoridades sanitárias locais O Programa tem como finalidade apoiar
e das secretarias de educação a que se as ações de:
vinculam, o processo de retomada das § Implementação dos projetos
aulas, fornecer orientações sobre pedagógicos reestruturados;
monitoramento e triagem de alunos, § Desenvolvimento das atividades
professores e funcionários, principalmente educacionais, para revisão de conteúdos
acerca da importância da correta notificação e avaliação da aprendizagem;
aos órgãos de saúde locais em casos § Realização de pequenos reparos,
positivos de contração da Covid-19 entre adequações ou serviços necessários à
alunos ou funcionários. manutenção dos procedimentos de
Finalmente, para fins de consulta, são segurança;
listadas algumas normas vigentes para § Contratação de serviços especializados
controle, prevenção e diminuição dos riscos na desinfecção de ambientes;
e as referências utilizadas para elaboração § Aquisição de itens de consumo para
deste guia. Atenção especial deve ser dada higienização do ambiente e das mãos;
às Orientações para Retomada Segura das § Compra de equipamentos de proteção
Atividades Presenciais nas Escolas de individual;
Educação Básica no Contexto da Pandemia § Investimentos para a melhoria de
da Covid-19, elaboradas e divulgadas pelo conectividade e acesso à internet para
Ministério da Saúde em setembro de 2020. alunos e professores;
§ Aquisição de materiais permanentes.

ACÕES DE SUPORTE ÀS ESCOLAS As aquisições de materiais e bens, assim


PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO como as contratações de serviços, com os
recursos do PDDE Emergencial deverão
Para fazer frente ao problema observar as determinações estabelecidas na
educacional oriundo da pandemia da Covid- Resolução n.º 09/2011 e seguir os modelos
19, está em curso o repasse, pelo Ministério operacionais do Programa Dinheiro Direto
da Educação, de recursos via Programa na Escola previstos na Resolução n.º
Dinheiro Direto na Escola (PDDE) 10/2013, disponível em:
Emergencial, com o objetivo de contribuir,
supletivamente, para o provimento das http://www.fnde.gov.br/acessibilidade/item/4386-
necessidades prioritárias dos resolu%C3%A7%C3%A3ocdfnden%C2%BA-10-de-
estabelecimentos de ensino, em razão da 18-de-abril-de-2013.

calamidade provocada pela pandemia da


Covid-19. Os recursos destinam-se à O acesso facilitado às informações
adequação das estruturas e à aquisição de oficiais por intermédio de fontes seguras é
materiais necessários para seguir os fundamental quando os gestores precisam
protocolos de segurança, com vistas à realizar consultas relativas às suas unidades
escolares. Para isso, o MEC criou o CLIQUE
ESCOLA, aplicativo que visa facilitar o

Ministério da Educação | 5
acesso da comunidade escolar às principais MEDIDAS GERAIS DE PROTEÇÃO E
informações educacionais e financeiras da PREVENÇÃO À COVID-19
escola, bem como às notícias sobre
A OMS, a UNESCO e o UNICEF 1
educação, de forma a promover a
compreensão e a transparência dos dados sugerem que a educação deve ser
educacionais, tais como: Índice de considerada serviço essencial. Assim,
orientam que, a partir de decisão das
Desenvolvimento da Educação Básica
(Ideb), Sistema de Avaliação da Educação autoridades sanitárias locais, as aulas
presenciais sejam retomadas, observadas
Básica (Saeb), Taxa de Distorção Idade-
as devidas cautelas à segurança sanitária,
Série, Taxas de Rendimento e, também,
informações sobre os repasses financeiros desde que avaliados os riscos e níveis locais
do Programa Dinheiro Direto na Escola. de transmissão do vírus SARS-CoV-2, a
Para baixar e instalar o aplicativo, basta capacidade escolar de adaptação segura, as
acessar a loja virtual Play Store, para o perdas em educação dos estudantes, a
sistema Android, e a Apple Store, para o garantia da equidade em termos de
sistema IOS. aprendizagem, a saúde em geral e o bem-
O download é rápido e gratuito. Mais estar das crianças e jovens.
informações podem ser obtidas em: Essas organizações realizaram uma
revisão de estudos sobre a transmissão do
https://www.gov.br/mec/pt-br/centrais-de- vírus nas escolas e produziram o painel
conteudo/campanhas-1/clique-escola. Research on Covid-19 in children and in
schools 2. Tais estudos indicam que a taxa
Na plataforma AVAMEC, ambiente dos casos registrados no mundo, para a
virtual colaborativo que permite a população de crianças e jovens de até 18
concepção, administração e anos de idade, gira em torno de 8,5%, com
desenvolvimento de diversos tipos de ações muito poucos óbitos. Os referidos
formativas por parte do MEC, encontra-se organismos internacionais consideram que,
um repositório de protocolos oficiais de em contraste a esse fenômeno, o
retorno às aulas presenciais, que pode ser fechamento das escolas tem impactos
acessado no link: negativos evidentes na saúde física e mental
das crianças, assim como na educação, no
http://avamec.mec.gov.br/#/curso/listar?quer desenvolvimento, na renda familiar e na
y=protocolo economia em geral.

1
World Health Organization, United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization and United Nations Children's Fund.
Considerations for school-related public health measures in the context of COVID-19: Annex to Considerations in adjusting public
health and social measures in the context of COVID-19. Disponível em:
https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/334294/WHO-2019-nCoV-Adjusting_PH_measures-Schools-2020.2-eng.pdf.
Acesso em: 15 set. 2020.
2
Ibidem, p.8.

Ministério da Educação | 6
Segundo estudo recente da OMS e do de propagação mais significativos que
UNICEF3, publicado em agosto deste ano, outros ambientes ocupacionais ou de lazer
ainda não está totalmente compreendido até com densidades semelhantes; as evidências
que ponto as crianças contribuem para a publicadas sobre o impacto da reabertura ou
transmissão do SARS-CoV-2. De acordo fechamento de escolas nos níveis de
com o banco de dados de vigilância global transmissão comunitária são conflitantes,
da OMS de casos confirmados em embora as evidências de contatos
laboratório, desenvolvido a partir de detectados em escolas e de dados
relatórios fornecidos à OMS pelos Estados observados em alguns países da União
Membros e outros estudos, 1 a 7% dos Europeia sugerem que não há associação
casos de Covid-19 relatados ocorrem entre direta da reabertura de escolas com o
crianças, apresentando relativamente aumento significativo de transmissão
poucas mortes em comparação com outras comunitária; as evidências atuais indicam
faixas etárias. que o fechamento de creches e instituições
O Centro Europeu para Prevenção e educacionais provavelmente não é uma
Controle de Doenças (ECDC) mencionou medida eficaz de controle da transmissão
recentemente que menos de 5% dos casos comunitária e não oferece proteção adicional
de Covid-19 relatados na União Europeia significativa à saúde das crianças, dado que
(UE), Espaço Econômico Europeu (EEE) e a maioria desenvolve forma muito leve da
Reino Unido são entre crianças e jovens com doença, quando acontece.4
menos de 18 anos de idade e, quando Nessa perspectiva, ancorando-se nas
diagnosticados com Covid-19, têm riscos ações preconizadas por instituições de
muito menores de serem hospitalizados ou Saúde 5 e pelo Ministério da Saúde 6, serão
irem à óbito. Esse Centro concluiu que: as apresentadas as fases ou períodos de
investigações de casos identificados em implementação dos protocolos de volta às
ambientes escolares sugerem que a aulas, considerando a norma sugerida pela
transmissão de criança para criança nas OMS acerca da intensidade da transmissão
escolas é incomum e não a principal causa da Covid-19:
de infecção por SARS-CoV-2 em crianças; § Nenhum caso: área sem nenhum caso
se medidas adequadas de distanciamento detectado (nenhum caso confirmado em
físico e higiene forem aplicadas, é laboratório na área relacionada). Nessa
situação, as escolas podem ser abertas.
improvável que as escolas sejam ambientes

3
World Health Organization & United Nations Children's Fund (UNICEF). Advice on the use of masks for children in the community
in the context of COVID-19: annex to the advice on the use of masks in the context of COVID-19, 21 August 2020. World Health
Organization. Disponível em: https://www.who.int/publications/i/item/WHO-2019-nCoV-IPC_Masks-Children-2020.1.
Acesso em: 25 set. 2020.
4
European Centre for Disease Prevention and Control. COVID-19 in children and the role of school settings in COVID-19
transmission. Stockholm: ECDC 6/08/2020. Disponível em: https://www.ecdc.europa.eu/sites/default/files/documents/COVID-19-
schools-transmission-August%202020.pdf. Acesso em: 25 set. 2020.
5
FIOCRUZ. Contribuições para o retorno às atividades escolares presenciais no contexto da pandemia COVID 19. Rio de Janeiro:
FIOCRUZ, 2020. Disponível em:
https://portal.fiocruz.br/sites/portal.fiocruz.br/files/documentos/contribuicoes_para_o_retorno_escolar_-_08.09_4_1.pdf. Acesso em:
15 set. 2020.
6
BRASIL. Ministério da Saúde. Orientações para Retomada segura das atividades presenciais nas Escolas de Educação Básica no
Contexto da Pandemia da COVID-19. Brasília: MS, 2020. Disponível em: https://coronavirus.saude.gov.br/profissional-gestor.
Acesso em: 15 set. 2020.

Ministério da Educação | 7
§ Transmissão esporádica: área que provável que essas medidas amplas,
comporta um ou mais casos, importados que incluem fechamento de escolas,
ou locais. Nessa situação, todas as sejam implantadas em áreas com
escolas podem ser abertas. Se alguma tendências de aumento de casos,
for fechada, a reabertura poderá ocorrer hospitalizações e mortes por Covid-19;
desde que haja, previamente, um bom qualquer escola que permanecer aberta
controle da transmissão generalizada deverá seguir estritamente as diretrizes
prévia, obtido por meio de medidas de preventivas da Covid-19.
saúde pública.
Para facilitar a compreensão, esses
§ Transmissão em grupos específicos
casos estão organizados em cores na tabela
(clusters): área atingida por casos
a seguir.
agrupados no tempo, com delimitada
região geográfica e/ou exposição Tabela 1: Situação do nível de transmissão do
padrão. Nessa situação, a maioria das SARS-COV-2 e considerações para ações da
escolas permanecerá aberta, com escola.7
NÍVEL DE
implementação de prevenção à Covid-19 TRANSMISSÃO
CONSIDERAÇÕES
e medidas de controle da transmissão. NA REGIÃO
GERAIS
As autoridades sanitárias locais podem Todas as escolas abrem e
Nenhum caso
considerar o fechamento de escolas AZUL
implementam medidas de prevenção
como parte de uma política mais ampla e controle da Covid-19.
Casos Todas as escolas abrem e
de Medidas Sociais e de Saúde Pública
esporádicos implementam medidas de prevenção
(MSSP), nas áreas que passam por uma VERDE e controle da Covid-19.
expansão no número de regiões A maioria das escolas abrem e
afetadas que incluem as escolas. implementam medidas de prevenção
§ Transmissão comunitária: área que Transmissão e controle da Covid-19. As
passa por grande surto de transmissão local – restrita a autoridades locais podem fechar
regiões escolas, como parte de Medidas
local definida por meio de uma avaliação específicas Sociais e de Saúde Pública (MSSP)
de fatores, incluindo, mas não se (clusters) mais amplas, nas áreas que passam
limitando a: grande número de casos que AMARELA por uma expansão no número de
não podem ser ligados às cadeias de regiões afetadas e que incluem as
transmissão; grande número de casos escolas.
Abordagem baseada em risco para o
apontados pelo serviço de vigilância por
funcionamento da escola, e outras
meio de laboratório sentinela, com vários MSSP de abrangência comunitária,
aglomerados não relacionados entre si, com foco em garantir a continuidade
em várias áreas do território. da educação das crianças. É
Dependendo das tendências e da Transmissão provável que essas MSSP amplas,
comunitária que incluem fechamento de escolas,
intensidade da transmissão, as
VERMELHA sejam implantadas em áreas com
autoridades locais podem considerar a tendências de aumento do número
abordagem embasada em risco para o de casos, hospitalizações e mortes
funcionamento da escola, e outras por Covid-19; qualquer escola
MSSP de abrangência comunitária, com remanescente aberta deve aderir às
normas preventivas sobre Covid-19.
foco em garantir a continuidade da
educação das crianças e dos jovens. É

7
World Health Organization, United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization and United Nations Children's Fund.
Considerations for school-related public health measures in the context of COVID-19: Annex to Considerations in adjusting public
health and social measures in the context of COVID-19. Disponível em:
https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/334294/WHO-2019-nCoV-Adjusting_PH_measures-Schools-2020.2-eng.pdf.
Acesso em: 15 set. 2020.

Ministério da Educação | 8
Cabem às autoridades sanitárias 6. Verificar as condições de trabalho de
competentes – estaduais, municipais, todos profissionais da educação,
distrital ou locais – decidir em que grau se inclusive a existência de EPIs suficientes
encontra sua região. Após essa decisão, as para todas as pessoas que trabalham
secretarias municipais e estaduais de com recepção, manutenção e limpeza;
educação poderão colocar em prática, junto 7. Avaliar se as condições de higiene de
às respectivas redes de ensino, as medidas todos os espaços estão adequadas, com
sugeridas neste guia, fazendo a checagem água, sabonete de limpeza das mãos e
da aplicação dos itens indicados. álcool em gel 70% disponíveis para
todos;
8. Definir formas de garantir a frequência
ORIENTAÇÕES GERAIS adequada da limpeza dos ambientes,
cuidando do suprimento de água
Primeira avaliação sanitária, álcool, materiais descartáveis,
entre outros, e também de equipe
Em articulação com as secretarias
suficiente para o trabalho;
municipais e estaduais a que a escola se
9. Decidir como será o processo de
vincula, recomenda-se a seguinte lista inicial
alimentação dos alunos: se ocorrerá
de procedimentos antes do retorno das
dentro das salas de aula ou em
atividades presenciais:
cantinas/refeitórios, se há espaço de
1. Atualizar a lista de todas as pessoas
atendimento para garantir a distância
envolvidas na instituição de ensino,
mínima entre pessoas, se há condições
todos os profissionais da educação e
alunos, com os respectivos contatos; para revezamento de horários; como
será a distribuição de alimentos;
2. Verificar como está o processo de
elaboração do Plano de Retorno das 10. Criar mecanismos para monitorar o
cumprimento das medidas sociais e
atividades escolares presenciais,
sanitárias;
destacando os pontos centrais desse
Plano; 11. Analisar se há condições para realizar
treinamento e capacitação da
3. Avaliar e definir se o retorno será de
comunidade acadêmica;
forma gradual ou se os alunos vão
12. Verificar se há equipe preparada para
retornar todos de uma vez, bem como se
realizar ações permanentes de
a opção será pelo ensino híbrido ou pelo
ensino remoto para alguma das séries ou sensibilização de estudantes, pais ou
responsáveis.
etapas.
4. Avaliar todo o ambiente de trabalho,
observando como estão as condições
físicas e estruturais e se há condições de
atender a retomada presencial das
aulas, o trabalho administrativo e de
serviços gerais (manutenção e limpeza);
5. Avaliar a adequabilidade da ventilação
dos espaços da escola;

Ministério da Educação | 9
Quem não poderá retornar Treinamento e capacitação das equipes
Deve-se, antes de serem iniciadas as No processo de retorno gradual às
atividades na escola, realizar uma análise da atividades presenciais, recomenda-se que
situação dos profissionais da instituição, as instituições escolares realizem o
além de fazer uma triagem dos alunos. O acolhimento e a reintegração social dos
objetivo será definir quem pode ou não professores, estudantes e suas famílias,
retornar e em que condições, sempre em como forma de superar os impactos
atuação integrada com profissionais da psicológicos do longo período de isolamento
Unidade Básica de Saúde e/ou Unidades social. Para isso, poderão ser criados
Básicas de Saúde Indígenas, Polos Base e programas de formação continuada de
Casas de Apoio a Saúde Indígena (CASAI). professores, visando prepará-los para esse
No caso de estudantes ou profissionais trabalho de integração, incluindo a
da educação, fazem parte do grupo de risco capacitação para oferta de atividades
quem possui: cardiopatias; doenças remotas e ensino híbrido.
pulmonares crônicas; diabetes; obesidade Assim, os professores, em conjunto com
mórbida; doenças imunossupressoras ou profissionais da saúde, estarão aptos a
oncológicas; pessoas com mais de 60 anos; oferecer capacitação (na forma de cursos,
gestantes e lactantes. Para esses grupos, palestras, vídeos explicativos, infográficos,
devem ser adotadas estratégias de simulações, entre outras possibilidades)
realização de atividades não presenciais. para todas as pessoas envolvidas na relação
É necessário também articular com as escola-saúde-sociedade, direcionadas às
famílias sobre o retorno às aulas medidas que devem ser adotadas no retorno
presenciais, garantindo aos pais ou às aulas. As atividades podem envolver
responsáveis a possibilidade de trocas de experiências e reflexões referentes
continuidade de atendimento escolar ao período de isolamento. Todos os
remoto, de forma concomitante, em integrantes da comunidade escolar precisam
condições e prazos previamente acordados. ser capacitados sobre a correta
Diante da possiblidade de desenvolver implementação das medidas de higiene e
atividades pedagógicas não presenciais, no segurança. Além disso, ações permanentes
ano letivo afetado pelo estado de de sensibilização dos estudantes, pais e
calamidade pública, salienta-se que, responsáveis devem ser realizadas.
aproximadamente, apenas 10% das escolas Sugere-se que a capacitação seja
do campo, indígenas e quilombolas iniciada pelas equipes responsáveis pela
possuem acesso à internet para uso nos limpeza, manutenção, alimentação,
processos de ensino e aprendizagem. Essa transporte e de atendimento ao público, a fim
realidade impossibilita a utilização de de garantir a correta higiene do espaço
tecnologias de educação a distância para o escolar antes do início das atividades
cumprimento da carga horária mínima anual presenciais.
e reforça a necessidade de criação de Também é relevante que, antes da
condições, pelos sistemas de ensino, para a capacitação, seja providenciado o
gestão comunitária, democrática e fornecimento de equipamentos de proteção
diferenciada dessas modalidades. individual (EPIs) para esses profissionais.

Ministério da Educação | 10
MEDIDAS SOCIAIS EM SAÚDE 1. Elaborar o Plano de Retorno das
atividades escolares presenciais,
Medidas gerais para a escola considerando as orientações da
independentes da fase da Covid-19 Secretaria de Educação à qual a escola
As medidas gerais são aquelas atenções está vinculada, fazendo uma avaliação
e cuidados com a saúde de todos: da capacidade da instituição para
1. Usar máscara, obrigatoriamente; receber os alunos e os profissionais da
2. Cobrir nariz e boca com lenço ou com o educação. Para tanto, o grupo que
braço, e não com as mãos, nos casos de coordenará as ações deverá contar com
tosse e espirros; o auxílio de Gerências de Atenção
3. Lavar frequentemente as mãos até a Primária à saúde, Centros de Saúde,
altura dos punhos, com água e sabão, ou Unidades Básicas de Saúde, Unidades
higienizar com álcool em gel 70%; de Pronto Atendimento, Distritos
4. Não cumprimentar com aperto de mãos, Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs),
beijos e abraços; Hospitais e de Faculdades de Ciências
5. Respeitar o distanciamento de pelo da Saúde, que poderão colaborar
menos 1 metro; diretamente por meio de ações de
6. Não compartilhar objetos de uso extensão universitária e estágios
pessoal, como copos e talheres, nem supervisionados, bem como de pais e
materiais didáticos, brinquedos ou jogos; pessoas da sociedade civil que possam
7. Priorizar, sempre que possível, refeições contribuir com as tomadas de decisão.
empratadas em vez do autosserviço; no 2. Definir a quantidade de alunos a ser
caso de refeitórios que possuem balcão distribuída em cada sala de aula,
de serviço, do tipo bufê, com serviço respeitando-se o distanciamento mínimo
realizado por funcionário, é de 1 metro;
recomendável a instalação de barreira 3. Fazer o georreferenciamento da área em
física que impeça a contaminação dos que a escola está instalada, identificando
alimentos e utensílios por gotículas de potenciais parceiros para as ações que
saliva; necessitem de utilização de outros
8. Não compartilhar celulares, assim como espaços para aulas, ações da atenção
evitar seu uso em ambientes sociais, básica em saúde e aquelas relacionadas
cuidando de higienizar frequentemente a direitos das crianças e adolescentes;
os aparelhos. 4. Checar se a quantidade de máscaras e
outros itens de segurança necessários à
Primeiros passos segurança coletiva e individual são
suficientes;
Além das medidas gerais, considerando
5. Identificar quais entidades ou órgãos que
todas as medidas de segurança sanitária
estão no entorno da escola podem
que propiciem um ambiente saudável e com
auxiliar no retorno às aulas presenciais,
o menor risco possível para a saúde e o
com a implementação das medidas de
bem-estar da comunidade escolar, faz-se
segurança, a exemplo das relacionadas
necessário:
à segurança alimentar e nutricional, que

Ministério da Educação | 11
deverão estar de acordo com as novas preferencialmente, termômetro sem
medidas pós Covid-19. Se houver contato (infravermelho); essa medida
Instituição de Ensino Superior no poderá contar com o apoio de
entorno, esta poderá disponibilizar profissionais das unidades básicas de
profissionais da saúde, por meio de saúde, das faculdades de ciências
projetos de extensão universitária ou de médicas ou de profissionais da escola
estágio supervisionado, para auxiliar na treinados para essa finalidade;
nutrição, saúde física e mental, logística 12. Planejar e comunicar a organização de
de aquisição de EPI, entre outros; horários intercalados para a entrada,
6. Atuar junto à Atenção Primária à Saúde saída, alimentação e intervalo escolar de
para que, no caso de problema de saúde modo a evitar aglomerações;
dos profissionais da educação ou dos 13. Organizar o sistema de higienização e
estudantes, fazer a referência e o limpeza, com períodos de fechamento
acompanhamento dos casos; para desinfecção geral das áreas
7. Organizar as equipes para trabalharem comuns, em especial de banheiros e
de forma escalonada, respeitando-se a salas de aula, observando que áreas de
medida de distanciamento social; difícil limpeza como os parquinhos
8. Organizar a rotina e escala de limpeza devem ser isoladas;
do ambiente de trabalho e dos 14. Realizar estratégias de orientação sobre
equipamentos de uso individual formas de prevenção da Covid-19, sobre
(inclusive toucas, luvas e roupas higiene das mãos, uso de máscara,
adequadas para essa limpeza), inclusive identificação dos sintomas da Covid-19,
de limpeza de talheres, copos e pratos, assim como ações a serem realizadas
caso sejam utilizados nas merendas, caso algum desses sintomas sejam
observando que, preferencialmente, a identificados.
alimentação escolar deve ser realizada
nas salas de aula; No transporte escolar
9. Manter, sempre que possível, portas e 1. Usar máscara, obrigatoriamente;
janelas abertas para ventilação do 2. Evitar tocar olhos, nariz e boca sem
ambiente; higienizar as mãos;
10. Garantir a comunicação visual de 3. Utilizar os braços em casos de tosse e
promoção à saúde e prevenção dos espirros, para proteger as outras
riscos à Covid-19; os cartazes poderão pessoas;
ser feitos pela própria comunidade 4. Evitar, o máximo possível, o contato com
escolar e deverão conter informações as superfícies do veículo;
sobre assepsia e limpeza não só das 5. Deixar as janelas do transporte abertas,
próprias mãos, mas do uso de áreas quando possível;
comuns. 6. Acomodar-se intercalando um assento
11. Fazer aferição da temperatura de ocupado e um livre;
servidores, estudantes e colaboradores 7. Higienizar as mãos com álcool em gel
na entrada da escola e de salas e 70% durante o percurso;
ambientes fechados, utilizando,

Ministério da Educação | 12
8. Fazer a higienização das mãos, assim refeição, quando estiverem na cantina ou
que entrar na escola; no refeitório;
9. Fazer a higienização das mãos, assim 12. Procurar reduzir ao máximo a mistura de
que entrar em casa no retorno da escola. turmas ou grupos de idade para
atividades escolares e pós-escolares;
Cuidados com áreas comuns 13. Considerar modalidades alternativas de
Definir na escola quais são as áreas aulas, como o escalonamento do início e
comuns, nas quais as regras abaixo serão fim das aulas com o objetivo de reduzir o
cumpridas: contato entre estudantes de diferentes
1. Garantir a obrigatoriedade do uso de turmas, no caso de escolas com espaço
máscaras; limitado;
2. Manter distância de pelo menos 1 m 14. Alternar turnos de aula, quando
entre estudantes, professores e necessário;
profissionais da educação; 15. Escalonar os horários de intervalo, de
3. Manter dispensadores para álcool em gel forma que as turmas usem as cantinas,
70%, em quantidade suficiente nas salas banheiros e dependências gerais em
de aula e demais ambientes da escola; momentos diferenciados;
4. Aferir a temperatura no acesso às áreas 16. Procurar ampliar a quantidade de
comuns, utilizando preferencialmente professores ou recorrer a professores
termômetro sem contato (infravermelho); temporários ou voluntários, quando
5. Evitar o uso de bebedouros coletivos, necessário;
orientando os estudantes a levarem suas 17. Procurar aumentar o número de salas de
garrafas de água e apenas utilizar os aulas por conta da lotação, quando
bebedouros como fontes para abastecê- possível;
las; 18. Prestar especial atenção ao momento de
6. Suspender o uso de armários chegada e saída dos estudantes na
compartilhados na escola; escola, identificando claramente os
7. Manter a limpeza frequente de móveis, locais de entrada e saída, marcando o
carteiras, mesas de refeitórios, chão, se necessário, para assegurar o
bancadas, computadores, grades, distanciamento, indicando também a
corrimões, superfícies e utensílios que direção que deve ser tomada pelos
são tocados por muitas pessoas; estudantes dentro da escola;
8. Higienizar lavatórios, banheiros e 19. Restringir ao máximo a entrada de
vestiários antes da abertura, após o pessoas de fora da comunidade escolar
fechamento e regularmente após o uso; nas instituições, evitando a realização de
9. Fazer a remoção e descarte do lixo com atividades em grupo;
segurança; 20. Assegurar o controle de aglomeração
10. Escalonar o acesso de estudantes ao durante os períodos de entrega e coleta
refeitório e às praças de alimentação; das crianças na escola ou na creche;
11. Orientar os alunos a manter o uso de 21. Estabelecer restrições à entrada
máscaras até o horário de iniciar a desnecessária de pais ou responsáveis
nas instalações da escola;

Ministério da Educação | 13
22. Monitorar a limpeza periódica dos Uso da biblioteca
veículos de transporte escolar entre as
A biblioteca pode funcionar desde que
viagens, em especial das superfícies
sejam tomados alguns cuidados extras em
comumente tocadas pelas pessoas;
relação ao uso de materiais, respeitando-se
23. Estabelecer sistema adequado de
sempre o distanciamento mínimo de 1 metro
gestão de resíduos, com informações
entre as pessoas e o uso de máscaras.
claras sobre seu descarte, em especial
1. Separar uma estante para receber o
quanto à eliminação das máscaras já
material (livro) devolvido pelo usuário,
utilizadas.
acomodando-o adequadamente;
Medidas de higiene e limpeza ambiental 2. Usar luvas descartáveis para
recebimento do material;
1. Estabelecer cronograma de higienização
3. Reservar o material devolvido por pelo
das mãos, na chegada à escola e
menos 5 dias, antes de retorná-lo para o
durante a rotina diária, no horário do
acervo ou de liberá-lo para novo
lanche e antes da volta para casa;
empréstimo;
2. Estabelecer cronograma de limpeza
4. Usar EPI e higienizar o material após
regular do ambiente escolar, com maior
esse período, liberando-o, assim, para
frequência, especialmente banheiros,
novo empréstimo.
maçanetas, carteiras, interruptores,
portas, material de ensino, livros de uso Uso de equipamentos de proteção
coletivo, entre outros; individual e de proteção coletiva
3. Estabelecer lista de checagem das
Os equipamentos de proteção individual
atividades de limpeza para controle das
(EPIs) são dispositivos ou produtos, de uso
tarefas e de fornecimento de
individual, destinados à proteção de riscos
equipamentos de proteção individual
suscetíveis de ameaça à segurança e à
(EPIs). Estas listas deverão estar
saúde de um indivíduo.
afixadas em local de fácil visualização e
deverão ser assinadas pela pessoa que
Tabela 2: Equipamentos de proteção individual
foi responsável pela limpeza; recomendados para cada grupo de indivíduos
4. Estabelecer fluxo de circulação unilateral Indivíduos EPIs necessários
dos discentes pelas instituições, § Máscara tripla camada
(deve ser trocada a cada 4
controlar o número de pessoas horas ou assim que estiver
permitidas nos locais e exibir o número úmida) – observando a
máximo de pessoas em cada ambiente Aluno(a) contraindicação para
crianças com idade inferior
coletivo; a 2 anos;
5. Evitar o uso de ventilador e ar § Frasco individual de álcool
em gel/álcool 70%.
condicionado; caso o ar condicionado § Máscara tripla camada
seja a única opção de ventilação, instalar (deve ser trocada a cada 4
e manter filtros e dutos sempre limpos. horas ou assim que estiver
úmida);
Bibliotecário(a)
§ Protetor facial (face shield);
§ Frasco individual de álcool
em gel/álcool 70%;
§ Luvas descartáveis.

Ministério da Educação | 14
§ Máscara tripla camada § Máscara tripla camada
(deve ser trocada a cada 4 (deve ser trocada a cada 4
horas ou assim que estiver horas ou assim que estiver
Coordenador(a) úmida); Professor(a) úmida);
§ Protetor facial (face shield). § Protetor facial (face shield);
§ Frasco individual de álcool § Frasco individual de álcool
em gel/álcool 70%. em gel/álcool 70%.
§ Máscara tripla camada § Máscara tripla camada
(deve ser trocada a cada 4 (deve ser trocada a cada 4
Profissional
horas ou assim que estiver horas ou assim que estiver
responsável por
úmida); úmida);
aferir a
§ Protetor facial (face shield); § Protetor facial (face shield);
temperatura dos
§ Frasco individual de álcool § Frasco individual de álcool
Cozinheiro(a) alunos
em gel/álcool 70%; em gel/álcool 70%;
§ Avental impermeável de § Luvas descartáveis.
mangas longas; § Máscara tripla camada
§ Luvas de proteção (deve ser trocada a cada 4
Profissionais de
descartáveis; horas ou assim que estiver
apoio na
§ Touca descartável. úmida);
educação
§ Máscara tripla camada § Protetor facial (face shield);
inclusiva
(deve ser trocada a cada 4 § Frasco individual de álcool
horas ou assim que estiver em gel/álcool 70%.
Diretor(a) úmida); § Máscara tripla camada
§ Protetor facial (face shield); (deve ser trocada a cada 4
§ Frasco individual de álcool horas ou assim que estiver
em gel/álcool 70%. Psicopedagogo(a) úmida);
§ Máscara tripla camada § Protetor facial (face shield);
(deve ser trocada a cada 4 § Frasco individual de álcool
horas ou assim que estiver em gel/álcool 70%.
úmida); § Máscara tripla camada
§ Protetor facial (face shield); (deve ser trocada a cada 4
§ Proteção ocular (quando horas ou assim que estiver
não houver disponibilidade Secretário(a) úmida);
Encarregado(a) de protetor facial); § Protetor facial (face shield);
da limpeza § Frasco individual de álcool § Frasco individual de álcool
em gel/álcool 70%; em gel/álcool 70%.
§ Avental impermeável de § Máscara tripla camada
mangas longas; (deve ser trocada a cada 4
§ Luvas de proteção horas ou assim que estiver
descartáveis; Segurança úmida);
§ Botas ou sapatos § Protetor facial (face shield);
impermeáveis. § Frasco individual de álcool
§ Máscara tripla camada em gel/álcool 70%.
(deve ser trocada a cada 4 Além dos EPIs, recomenda-se o uso de
horas ou assim que estiver
úmida); equipamentos de proteção coletiva (EPCs),
Merendeira
§ Protetor facial (face shield); que são dispositivos ou sistemas, de âmbito
§ Frasco individual de álcool coletivo, destinados à preservação da
em gel/álcool 70%;
§ Touca descartável; integridade física e da saúde de um grupo,
§ Luvas de proteção nas seguintes situações:
descartáveis.
§ Máscara tripla camada 1. Para higiene das mãos:
(deve ser trocada a cada 4 § Dispensadores de álcool em gel 70%;
horas ou assim que estiver § Dispensadores de sabonete líquido;
Porteiro(a) úmida);
§ Protetor facial (face shield); § Embalagem para descarte e
§ Frasco individual de álcool armazenamento de máscaras.
em gel/álcool 70%.

Ministério da Educação | 15
2. Para limpeza do ambiente:
§ Água sanitária; 1. Regiões sem casos de transmissão –
§ Lixeiras de material que permitem AZUL:
desinfecção. § Os profissionais de educação, de
3. Para monitoramento: apoio e docentes devem manter o
§ Termômetro (de uso à distância). distanciamento mínimo de 1 metro e
4. Para segurança coletiva: usar máscara, identificando casos
§ Fitas/adesivos para delimitar o específicos em que se faz necessário
distanciamento recomendado; o uso de EPIs adequados;
§ Evitar o uso de celulares; § Crianças e jovens com doze anos ou
§ Não partilhar dispositivos (telefones e mais de idade devem manter o
materiais). afastamento de 1 metro;
§ Crianças de zero a onze anos de idade
Ventilação dos ambientes não precisam manter afastamento.
1. Deve-se privilegiar a ventilação natural,
abrindo portas e janelas o máximo de 2. Regiões de transmissão de casos
tempo possível, evitando-se, inclusive, o esporádicos – VERDE:
toque em maçanetas e fechaduras; § Os profissionais de educação, de
2. Manter uma ventilação adequada ou apoio e docentes devem manter o
aumentar o fluxo de ar, quando for distanciamento mínimo de 1 metro e
possível; usar máscara, identificando casos
3. Evitar o uso de ventiladores e ar específicos em que se faz necessário
condicionado. Caso isso não seja o uso de EPIs adequados;
possível, os sistemas de ventilação e ar § Crianças e jovens com doze anos ou
condicionado devem ser periodicamente mais de idade devem manter o
inspecionados e limpos; distanciamento de 1 metro e usar
4. Deve-se aumentar ao máximo a entrada máscara;
de ar externo, alterando, quando § Crianças de zero a onze anos de idade
necessário, as configurações de precisam manter o distanciamento de
sistemas de ventilação. 1 metro.

Dentro das salas de aula 3. Regiões de transmissão de aglomerados


Uma vez que há recomendações – AMARELA:
distintas em relação à necessidade do Aplicar abordagem baseada em risco e
distanciamento mínimo de 1 metro manter 1 metro de distância mínima
concomitante com o uso de máscara, de entre as pessoas como premissa.
acordo com a escala de intensidade de § Os profissionais de educação, de
transmissão do vírus em determinada apoio e docentes devem manter o
região, optou-se por uma abordagem mais distanciamento mínimo de 1 metro e
conservadora para as indicações referentes usar máscara, identificando casos
ao dia a dia nas salas de aula, conforme específicos em que se faz necessário
descrito a seguir. o uso de EPIs adequados;

Ministério da Educação | 16
§ Crianças e jovens com doze anos ou Distanciamento físico entre grupos
mais de idade devem manter o
1. Limitar ao máximo a mistura de turmas e
distanciamento de 1 metro e usar
grupos de idades diferentes para
máscara; atividades escolares e pós-escolares;
§ Crianças de seis a onze anos precisam 2. Considerar a possibilidade de retorno de
manter o distanciamento de 1 metro e
forma gradual, até mesmo para que o
usar máscara; distanciamento social seja cumprido;
§ Crianças com mais de dois e até cinco
3. Pode-se utilizar o ensino híbrido, ou seja,
anos de idade precisam manter o
parte dos alunos com aulas presenciais
distanciamento de 1 metro, sendo e parte com aulas virtuais e/ou síncronas
recomendado o uso de máscara; em casa ou outro local, com atividades e
§ Crianças com menos de dois anos de
trabalhos a serem realizados em casa;
idade precisam manter o 4. As escolas com espaço ou recursos
distanciamento de 1 metro, sendo
limitados podem considerar modalidades
contraindicado o uso de máscara.
alternativas de aulas para limitar os
contatos entre as diferentes classes. Por
4. Regiões de transmissão comunitária – exemplo, na modalidade escalonada,
VERMELHA:
diferentes turmas começam e terminam
Manter a distância mínima de 1 metro
em momentos diferentes;
entre as pessoas e o uso de máscara
5. O horário do ensino médio pode ser
como premissa. alterado, com alguns alunos tendo aulas
§ Os profissionais de educação, de pela manhã, outros à tarde ou à noite. As
apoio e docentes devem manter o escolas também podem minimizar os
distanciamento de 1 metro e usar intervalos compartilhados, alternando o
máscara, identificando casos horário e o local em que os alunos fazem
específicos em que se faz necessário as refeições;
o uso de EPIs adequados;
6. Considerar a ampliação do número de
§ Crianças com doze anos ou mais de professores ou recorrer ao apoio
idade devem manter o distanciamento voluntário, se possível, para permitir
de 1 metro e usar máscara;
menos alunos por sala de aula (se
§ Crianças de seis a onze anos precisam houver espaço disponível);
manter o distanciamento de 1 metro e 7. Assegurar o controle de aglomeração
usar máscara; durante os períodos de entrega e coleta
§ Crianças com mais de dois e até cinco dos estudantes na escola pelos pais;
anos de idade precisam manter o identificar claramente entradas e saídas,
distanciamento de 1 metro, sendo com marcação de direção do percurso a
fortemente recomendável o uso de ser feito dentro da escola; considere as
máscara; restrições para pais ou responsáveis
§ Crianças com menos de dois anos de entrarem nas instalações da escola.
idade precisam manter o
Todas as entradas da escola devem ser
distanciamento de 1 metro, sendo marcadas e estabelecidos horários
contraindicado o uso de máscara.

Ministério da Educação | 17
específicos por grupos que compõem a 2. Entre os seis e onze anos de idade,
comunidade escolar; deve-se considerar, antes de se
8. Estimular o desenvolvimento da determinar o uso:
consciência coletiva solicitando que os a) a intensidade da transmissão do
alunos não se reúnam em grandes vírus na região;
grupos ou fiquem muito próximos uns b) os costumes e crenças relacionados
dos outros quando em filas, ao sair da aos contatos sociais na região,
escola e em seu tempo livre; sobretudo entre crianças;
9. A prática de atividade física deve c) a compreensão pelas crianças sobre
priorizar, sempre que possível, as a necessidade do uso e a
atividades individuais e ao ar livre. A possibilidade de supervisão por um
distância mínima de 1 metro entre os adulto;
estudantes deve ser mantida e o uso de d) o impacto do uso de máscara na
máscara é obrigatório; aprendizagem.
10. Evitar atividades que envolvam a 3. Crianças e jovens com doze anos ou
coletividade, com o intuito de mitigar a mais de idade devem seguir as diretrizes
transmissão do SARS-Cov-2 no nacionais de uso de máscara para
ambiente escolar, havendo necessidade adultos;
de buscar novas formas de interação dos 4. As normas devem ser adaptadas para
estudantes. situações específicas, como práticas
esportivas ou para crianças com
Registros da OMS/UNICEF para o uso de deficiências/morbidades;
máscaras 5. Professores, profissionais da educação
O critério base para uso de máscaras é e equipes de apoio podem ser obrigados
o da idade, em combinação com a estrutura a usar máscaras e protetor facial e,
das instituições de ensino e o nível de sempre que possível, manter a distância
transmissão do vírus. Se não for possível mínima de 1 metro de outras pessoas;
manter a distância regulamentar mínima 6. Todos os esforços devem ser feitos para
entre as pessoas ou se a transmissão garantir que o uso de máscara não
naquela área ainda for intensa interfira no aprendizado, em especial
(VERMELHA), os responsáveis pela política para crianças com deficiência;
de prevenção na escola devem usar as 7. Não se deve negar às crianças o acesso
seguintes normas sugeridas para todas as à educação pela falta da máscara,
áreas das escolas: especialmente em razão da
1. O uso de máscara é contraindicado para impossibilidade de sua aquisição.
crianças com menos de dois anos de Sugere-se manter máscaras de reserva,
idade e para aquelas que apresentem que podem ser adquiridas com recursos
dificuldade em removê-la, sendo do PDDE Emergencial.
recomendável para as demais crianças
de até cinco anos de idade;

Ministério da Educação | 18
Atenção especial à educação infantil 2. Utilizar recursos lúdicos para sinalizar as
rotas a serem seguidas pelas crianças,
Segundo a Lei de Diretrizes e Bases da
para ensiná-las sobre as distâncias que
Educação Nacional (LDB), a educação
infantil, primeira etapa da educação básica, precisam respeitar e sobre bons hábitos
tem como finalidade o desenvolvimento de saúde e de higiene;
3. Reforçar, por meio de músicas ou
integral da criança até cinco anos em seus
aspectos físico, psicológico, intelectual e brincadeiras, a maneira correta de tossir
ou espirrar;
social, complementando a ação da família e
4. Buscar variações de brincadeiras
da comunidade. É a fase das primeiras
descobertas, da curiosidade, do cuidar, do dirigidas, individuais e coletivas que
brincar e da aprendizagem com afeto. possam ser feitas a distância, tais como
mímicas, peteca, corrida de obstáculos,
Essa etapa da escolaridade possui
muitas especificidades, trazendo à luz a entre outras;
5. Pensar em kits, caixas ou sacolas
necessidade de elaboração de
transparentes, com brinquedos para
recomendações direcionadas, que abarcam
a rotina das crianças de zero a cinco anos de cada criança, evitando-se o
idade. O retorno dessas crianças aos compartilhamento dos objetos;
6. Proporcionar uma roda de conversa
estabelecimentos de educação infantil
sobre o coronavírus (respeitando-se o
requer atenção especial e exige integração
distanciamento), deixar que as crianças
dos profissionais e das famílias para que as
orientações e informações sejam demonstrem suas dúvidas, seus medos
compartilhadas de forma eficiente. e suas impressões acerca do tema; o(a)
O contato dos profissionais da educação professor(a) deve ter uma escuta atenta
com as crianças dessa faixa etária é de para aproveitar ao máximo as
muita proximidade, o que exige redobrar os manifestações das crianças, explorando
cuidados já elencados. as mais diversas temáticas que sejam
produzidas;
Cabe destacar que está contraindicado o
uso de máscaras por crianças com idade 7. Fornecer informações constantes e de
inferior a dois anos e por aquelas que qualidade aos familiares e profissionais
da educação infantil sobre medidas de
apresentem dificuldade em removê-la.
Como regra, brinquedos, trocadores (em segurança relativas à Covid-19, evitando
creches) e os espaços comuns devem ser a proliferação de notícias falsas sobre a
higienizados com maior frequência logo pandemia;
após o uso. Materiais que não podem ser 8. Orientar pais e responsáveis sobre a
higienizados não devem ser utilizados para importância de manter a criança em casa
atividades pedagógicas ou lúdicas. quando ela apresentar algum sintoma da
Além disso, torna-se necessário: doença;
1. Repensar a organização das salas de 9. Perguntar aos pais ou responsáveis se a
aula, dispensando materiais e mobiliário criança apresentou, nas últimas 24
horas, algum sintoma suspeito, tais
que não sejam essenciais e brinquedos
de difícil higienização e fácil como febre, calafrios, tosse, falta de ar,
contaminação; diarreia, falta de olfato ou paladar, dor de

Ministério da Educação | 19
cabeça, dor de garganta e, caso 18. Sugerir aos pais ou responsáveis que
afirmativo, orientar a família a se dirigir a não deixem as crianças levarem
um atendimento de saúde, ficando o brinquedos de casa para a escola;
retorno da criança à escola condicionado 19. Evitar o compartilhamento de objetos de
à sua melhora; uso pessoal entre as crianças;
10. Disponibilizar materiais e orientações 20. Lavar todos os utensílios utilizados pelas
aos pais ou responsáveis sobre a crianças e bebês (em creches)
realização das atividades educacionais imediatamente após o uso;
com as crianças; 21. Higienizar todos os materiais recebidos
11. Organizar cuidadosamente a entrada e pela instituição antes de serem
saída dos pais ou responsáveis na guardados;
escola, sempre observando o uso de 22. Organizar o refeitório das crianças
máscaras; prevendo a distância mínima de 1 metro
12. Fazer a aferição da temperatura na entre elas, não sendo permitido realizar
entrada da escola, tomando como as refeições dentro das salas de aulas;
referência que a temperatura não poderá 23. Preparar e servir alimentos utilizando
ser igual ou superior a 37,5º C; EPIs, seguindo rigorosamente os
13. Procurar intercalar horários de entrada e protocolos de higiene e manipulação dos
saída das turmas para reduzir a alimentos, de acordo com os cuidados
quantidade de crianças circulando em relativos à educação alimentar e
um mesmo momento; nutricional e à segurança dos alimentos,
14. Evitar juntar crianças de turmas elaborados pelo Fundo Nacional de
diferentes, trabalhando sempre com Desenvolvimento da Educação (FNDE),
pequenos grupos fixos; no âmbito do Programa Nacional de
15. Colocar os berços, no caso de creches, Alimentação Escolar (PNAE);
em posição que respeite o 24. Utilizar espaços fechados voltados para
distanciamento mínimo de 1 metro entre recreação conforme escalonamento
eles; entre as turmas; os espaços abertos
16. Organizar os colchonetes de forma poderão ser utilizados por mais de uma
invertida, pés e cabeças turma simultaneamente, desde que haja
alternadamente, e com distância mínima espaço suficiente para manter o
de 1 metro entre eles; aproveitar o distanciamento mínimo de 1 metro entre
momento para pedir às crianças que as crianças;
ajudem a colocar seus lençóis, 25. Acondicionar o lixo fora do alcance das
ressaltando a importância de não crianças, em lixeiras fechadas sem
compartilhar seus objetos; dispositivo manual de abertura; no caso
17. Usar luvas descartáveis no momento da dos EPIs, o descarte deverá ocorrer em
higienização da criança, sendo lixeira específica;
obrigatório o seu descarte a cada criança 26. Evitar aglomeração de pessoas na
atendida; entrada e no interior da escola,
restringindo também a realização de
comemorações e apresentações

Ministério da Educação | 20
culturais, com o intuito de mitigar a período de readaptação. Naturalmente, o
transmissão do SARS-Cov-2; Conselho Tutelar deverá ser acionado caso
27. Procurar disponibilizar apoio haja suspeita de violências físicas ou
psicossocial aos alunos e profissionais psicológicas.
da educação; Como estratégia de orientação para as
28. Para profissionais que atuam com crianças, podem ser apresentados vídeos
crianças pequenas, recomenda-se o uso curtos sobre a Covid-19 (o que é, como
de proteção facial para evitar o contato funciona, como se prevenir), como se
com secreções. higienizar corretamente e até mesmo sobre
29. Estimular as atividades pedagógicas não o uso correto da máscara, pois, ainda que
presenciais, por meio de orientação às muitas crianças não precisem utilizá-la, elas
famílias, disponibilizando diferentes podem ensinar e cobrar seus familiares. Em
estratégias para reforçar os períodos de geral, as crianças adoram replicar
interação com as crianças fora do informações novas que aprendem na escola.
ambiente escolar, em conformidade com Na eventualidade de uma criança
a regulamentação do Conselho Nacional apresentar algum sintoma de doença
de Educação (CNE); no caso da durante a permanência na escola, ela
alfabetização, pode-se orientar e deverá aguardar pelo pai ou responsável em
incentivar os pais ou familiares a um ambiente separado dos demais alunos,
realizarem práticas de literacia familiar, devendo o caso ser registrado em livro de
sobretudo no sentido de estimular o ocorrência.
desenvolvimento de funções executivas A participação direta das famílias das
das crianças, auxiliando-as a se crianças da educação infantil nesse período
comportarem de forma mais segura; o de retorno é condição primordial para
Programa Conta pra Mim, do Ministério garantir o sucesso da adaptação de todos às
da Educação, apresenta materiais com novas regras de convivência. Desse modo,
orientações práticas de literacia familiar, deve ser mantida comunicação direta,
disponíveis no link: aberta e clara com as famílias sobre o
http://alfabetizacao.mec.gov.br/contapramim momento do retorno, suas implicações,
exigências e riscos, possibilitando que elas
Após longo período de afastamento, o decidam com mais cautela sobre permitir ou
retorno às atividades presenciais será uma não o retorno de suas crianças. É importante
nova adaptação para as crianças, momento ouvir e sanar suas dúvidas e anseios,
difícil para muitas delas, que poderá gerar transmitindo sempre informações
choro, irritabilidade e até agressividade por atualizadas e de fontes oficiais sobre a
parte de algumas. Orienta-se pensar em pandemia, a fim de evitar a proliferação de
estratégias de acolhimento utilizando informações inverídicas e calamitosas.
atividades lúdicas. É interessante conversar Além disso, recomenda-se que os
com as famílias antes do retorno para objetos pessoais da criança sejam
averiguar possíveis experiências nomeados, bem como suas mochilas,
traumáticas vividas no período de vestimentas e fraldas, a fim de evitar a troca
isolamento social, que poderão dificultar o no momento de sua utilização, tendo em

Ministério da Educação | 21
vista que crianças pequenas nem sempre 7. Informar às famílias sobre os postos de
reconhecem seus pertences. Na mochila da atendimento e unidades de saúde mais
criança deverão ser enviadas no mínimo três próximos na região do entorno da escola.
mudas de roupas, para a troca na chegada,
após o banho e para o caso de algum Atenção aos alunos com deficiência
imprevisto; sacolas plásticas também são O retorno dos estudantes com
necessárias para o armazenamento de deficiência deve ser cuidadosamente
roupas e calçados sujos. Orientar familiares planejado assim como o dos demais
que as roupas e calçados utilizados devem membros da comunidade escolar. Em geral,
ser retirados no mesmo dia da mochila e esses estudantes necessitam de contato
higienizados antes do próximo uso. próximo com terceiros e com objetos
Adicionalmente, para maior efetividade especializados de uso diário, assim como
das ações, recomenda-se: demandam maior atenção dos profissionais
1. Solicitar apoio das famílias para da educação em todas as medidas já
conversar com as crianças sobre o citadas. Devido à complexidade dos casos,
distanciamento, o não compartilhamento recomenda-se às famílias e aos
de brinquedos, talheres e objetos em profissionais da saúde que indiquem às
geral; escolas alguma recomendação diferenciada
2. Conversar também sobre o motivo pelo entre aquelas que já foram estabelecidas
qual os adultos estarão diferentes, com pelo Ministério da Saúde em virtude de
máscaras e protetores faciais, na alguma necessidade específica de cada um
tentativa de amenizar o estranhamento; desses estudantes, a pertinência ou não do
3. Manter uma agenda ou caderno na uso de máscara e a escolha dos
mochila como forma de comunicação profissionais mais adequados para
entre instituição e famílias, bem como acompanhá-los na escola. Sempre que
usar contatos via mídias sociais, para possível e seguro, recomenda-se que as
reduzir a necessidade de contato físico; crianças ou jovens com deficiência voltem às
4. Manter os dados pessoais das crianças aulas juntamente com os demais
atualizados nas secretarias das escolas, estudantes.
principalmente os telefones de contato São cuidados básicos nesse caso, além
com pais ou responsáveis; daqueles anteriormente mencionados:
5. Orientar as famílias sobre respeitar o 1. Avaliar a disponibilidade de pessoas,
distanciamento, o momento da aferição infraestrutura e recursos para o
de temperatura, o uso correto da atendimento às medidas de higiene e
máscara e a higienização constante das segurança sanitária;
mãos, até mesmo para servir de exemplo 2. Envolver as famílias na preparação de
para as crianças; retorno e especialmente fornecer-lhes
6. Solicitar que a instituição seja informada informações qualificadas sobre como se
sobre casos de acometimento pela dará esse processo;
Covid-19 em membros da família, ou 3. Incluir os profissionais de apoio ao
pessoas com as quais tenham tido estudante com deficiência no acesso aos
contato, e manter a criança em casa; EPIs e planejar capacitação que

Ministério da Educação | 22
contemple as especificidades dos 10. Autorizar o acompanhamento por
cuidados com esses estudantes; cuidador ou outro profissional de apoio,
4. Destacar profissional capacitado para desde que este não apresente nenhum
auxiliar crianças e jovens com deficiência sintoma de Covid-19 e siga
que apresentam dificuldades ou rigorosamente as medidas de segurança
impossibilidade para a execução da implementadas pela instituição escolar
lavagem ou desinfecção adequada das para os demais profissionais da
mãos; instituição;
5. Providenciar máscaras transparentes 11. Garantir a acessibilidade do transporte
para os alunos com deficiência auditiva, escolar ao estudante com deficiência,
a fim de garantir a leitura labial e a efetiva tomando-se as medidas de segurança e
comunicação por linguagem de sinais, distanciamento já mencionadas.
aplicando regra análoga aos intérpretes
Atenção aos alunos da educação escolar
de Língua de sinais e a outros
indígena, do campo, das comunidades
profissionais que interagem com esses
quilombolas, demais povos e comunidades
estudantes; tradicionais
6. Dispensar o uso de máscara por
indivíduos com problemas respiratórios Segundo a Lei nº 14.021/2020, os povos
ou incapazes de removê-la sem indígenas, as comunidades quilombolas, as
assistência; populações do campo e os demais povos e
7. Sensibilizar a comunidade escolar sobre comunidades tradicionais são considerados
a necessidade de flexibilizar o uso de grupos em situação de extrema
máscaras para os alunos com deficiência vulnerabilidade e de alto risco. Os indígenas,
ou transtorno do espectro do autismo, em especial, possuem maior vulnerabilidade
dando ênfase às medidas de higiene e do ponto de vista epidemiológico por terem
distanciamento social; como característica a vida comunitária, com
8. Prover apoio aos estudantes com muitos membros convivendo em uma
deficiência na execução das medidas de mesma moradia.
higiene pessoal e de desinfeção de seus Diante desse contexto, foi estabelecido
equipamentos e instrumentos: cadeiras rigoroso protocolo de controle sanitário e
de rodas, próteses, regletes, punção, vigilância epidemiológica de ingresso nas
bengalas, óculos, cadeiras higiênicas, terras, aldeias ou comunidades indígenas,
implantes, próteses auditivas e com o objetivo de evitar a propagação da
corporais, entre outros; Covid-19 nesses territórios, assim como
9. Orientar os estudantes que fazem uso de foram orientadas medidas de proteção
cadeiras de rodas e constantemente territorial e sanitária, com a restrição de
tocam essas rodas a lavar as mãos com acesso a pessoas estranhas às
bastante frequência, além de poderem comunidades quilombolas e de demais
optar por usar luvas descartáveis e ter povos e comunidades tradicionais,
sempre álcool em gel à disposição ou ressalvadas as missões religiosas que já
mesmo usar lenços umedecidos estavam atuando e os responsáveis pela
antissépticos; prestação de serviços públicos devidamente

Ministério da Educação | 23
credenciados, como profissionais da saúde e peculiaridades das modalidades citadas,
e de demais órgãos públicos, visando sem deixar de considerar as demais
impedir a disseminação da Covid-19. diretrizes editadas pelo CNE, a Base
Nesse sentido, para a organização de Nacional Comum Curricular (BNCC) e as
retomada das aulas presenciais dos normas dos respectivos sistemas de ensino.
estudantes dos públicos acima descritos, São orientações básicas para o retorno
além de se reconhecer os direitos às aulas presenciais dos estudantes
diferenciados apresentados na Constituição indígenas, quilombolas e do campo:
Federal e, posteriormente, na Lei de 1. Realizar consulta prévia com lideranças
Diretrizes e Bases da Educação Nacional e representantes dos povos indígenas e
(LDB) e nas Diretrizes Curriculares comunidades quilombolas para a
Nacionais para a Educação Escolar organização do retorno às aulas;
Indígena e Quilombola na Educação Básica, 2. Avaliar a disponibilidade de pessoal,
definidas pelo Conselho Nacional de infraestrutura e recursos para o
Educação (CNE) e homologadas pelo MEC atendimento às medidas de higiene e
em 2012, é indispensável atender o que segurança sanitária;
preconiza a Convenção nº 169 sobre Povos 3. Envolver as famílias na preparação de
Indígenas e Tribais em Países retorno e esclarecer sobre como se dará
Independentes, da Organização esse processo e todas as medidas de
Internacional do Trabalho (OIT), de 1989, segurança e orientação adotadas;
ratificada no Brasil pelo Decreto Legislativo 4. Decidir com a comunidade escolar sobre
nº 143/2002 e promulgada pelo Decreto nº a adequação do calendário escolar,
5051/2004. considerando os princípios da diferença,
Segundo o Art. 6º da Convenção nº 169, da especificidade, do bilinguismo (no
devem ser consultados os povos caso da Educação Escolar Indígena) e
interessados cada vez que sejam previstas da interculturalidade, considerando o
medidas legislativas ou administrativas respeito às atividades econômicas,
suscetíveis a afetá-los diretamente, sociais, culturais e religiosas de cada
mediante procedimentos apropriados e, comunidade;
particularmente, por meio de suas 5. Definir com as comunidades escolares
instituições representativas. formas alternativas de organização da
Destaca-se a necessidade de oferta, observadas as diretrizes
adequação do calendário escolar para a nacionais editadas pelo CNE, a BNCC e
retomada das aulas presenciais, pois as as normas dos respectivos sistemas de
escolas indígenas, quilombolas e do campo ensino para o cumprimento da
possuem diretrizes específicas editadas pelo integralização da carga horária mínima
Conselho Nacional de Educação (CNE), por do ano letivo afetado pelo estado de
conta das peculiaridades e legislações que calamidade pública.
amparam o ensino diferenciado. É
importante que essas diretrizes sejam
seguidas a fim de que se possa acomodar o
ano letivo de 2020 dentro das possibilidades

Ministério da Educação | 24
MEDIDAS PEDAGÓGICAS adoção de um continuum curricular de duas
séries ou anos escolares consecutivos,
Em 18 de agosto de 2020, foi sancionada
desde que respeitados os normativos legais.
a Lei nº 14.040/2020, que estabelece
Isso significa que o reordenamento curricular
normas educacionais excepcionais a serem
do que restar do ano letivo presencial atual
adotadas durante o estado de calamidade
e o do ano letivo seguinte pode ser
pública reconhecido pelo Decreto Legislativo
reprogramado, aumentando-se os dias
nº 6/2020. Esta Lei, no parágrafo único do
letivos e a carga horária do ano letivo de
art. 1º, define que “o Conselho Nacional de
2021 para cumprir os objetivos de
Educação (CNE) editará diretrizes nacionais
aprendizagem e desenvolvimento previstos.
com vistas à implementação do disposto
Recomenda-se trabalhar na perspectiva do
nesta Lei”. Nesse sentido, está sendo
que seja considerado essencial em termos
editada nova Resolução do CNE propondo
de aprendizagem, de acordo com o contexto
diretrizes para adequar suas orientações a
de cada escola, de cada série ou até mesmo
esse diploma legal, que deverão ser
de cada turma.
consideradas pelos sistemas e redes de
A reorganização das atividades
ensino. Ressalta-se que as atividades
educacionais deve ser feita com extrema
pedagógicas não presenciais a serem
cautela e considerar os impactos das
desenvolvidas pelas instituições escolares já
medidas de isolamento na aprendizagem
estão descritas no Parecer CNE/CP nº
dos estudantes devido ao longo período de
05/2020, que trata da reorganização do
suspensão das atividades educacionais
Calendário Escolar e da possibilidade de
presenciais.
cômputo de atividades não presenciais para
Para os estudantes que se encontram
fins de cumprimento da carga horária
nos anos finais do ensino fundamental e do
mínima anual, em razão da pandemia da
ensino médio são necessárias medidas
Covid-19.
especificas relativas ao ano letivo de 2020,
Neste momento de discussão sobre o
de modo a garantir aos estudantes a
início das atividades presenciais,
possibilidade de mudança de nível ou
recomenda-se considerar a possibilidade de
unidade escolar ou de participação nos
retorno de forma gradual, até mesmo para
processos seletivos de acesso à educação
que o distanciamento social seja cumprido,
superior ou à educação tecnológica.
apresentando alternativas para cumprimento
Pode-se utilizar o ensino híbrido, ou seja,
da carga horária mínima anual, que podem
parte dos alunos com aulas presenciais e
incluir: ampliação da jornada diária nas
parte com aulas virtuais e/ou síncronas em
escolas; reposição de aulas utilizando
casa ou outro local, com atividades e
sábados letivos; reposição de aulas em
trabalhos a serem realizados em casa. A
turnos alternativos; prorrogação dos
realização das atividades pedagógicas não
calendários de atividades para o período de
presenciais deve possibilitar a efetivação
recesso ou para o ano seguinte.
dos direitos de aprendizagem e
A integralização da carga horaria mínima
desenvolvimento previstos na Base Nacional
do ano letivo em curso pode ser efetivada no
Comum Curricular (BNCC), nos currículos e
ano subsequente, inclusive por meio da
nas propostas pedagógicas. Nesse caso,

Ministério da Educação | 25
haverá necessidade de disponibilizar meios, 1. Representantes da comunidade escolar:
isto é, plataformas de ensino mediado diretor de escola; coordenador
acessíveis para os estudantes que não pedagógico; representante dos
retornarem às aulas presenciais e criar professores e dos trabalhadores em
logística para entrega de material impresso educação; representante dos
para estudantes que não tenham acesso à estudantes, quando for o caso;
internet. representante de pais ou responsáveis
Recomenda-se a realização de dos estudantes;
avaliações diagnósticas e formativas, as 2. Membros das Unidades Básicas de
quais poderão orientar programas de Saúde (UBS) locais e/ou Equipes
recuperação da aprendizagem presencial ou Multiprofissionais de Saúde Indígena
não presencial, promovida pela escola ou (EMSIs) dos Distritos Sanitários
rede de ensino, de acordo com seu Especiais Indígenas (DSEIs);
planejamento pedagógico e curricular de 3. Docentes e discentes de Instituições de
retorno às aulas. Ensino Superior (IES) locais que
possuam Faculdades de Ciências da
Saúde. Por meio de atividades de
ORGANIZAÇÃO DO COLETIVO extensão universitária ou de estágio
LOCAL - CONSELHO ESCOLAR supervisionado, essas instituições
AMPLIADO poderão prestar informações e
desenvolver ações em saúde, auxiliando
O coletivo local consiste na identificação nas medidas de prevenção, promoção e
e reunião de pessoas envolvidas com o nas tomadas de decisões acerca das
processo educação-sociedade-saúde, como atividades presenciais;
professores, pais de alunos e 4. Representantes dos Conselhos
representantes da comunidade e poderá ser Tutelares, para orientação sobre formas
denominado de Conselho Escolar Ampliado. de acompanhamento e prevenção de
Esse coletivo fará a interlocução com o maus tratos na infância e na
Conselho Municipal de Enfrentamento à adolescência;
Covid-19 e com a respectiva secretaria de 5. Lideranças e representantes das
educação à qual a escola se vincula. comunidades indígenas e quilombolas, a
Sugere-se a criação do Conselho fim de assegurar o que estabelece a
Escolar Ampliado, responsável por Convenção nº 169 da OIT;
coordenar o processo de retomada das 6. Representantes da Funai;
aulas, indicar desafios, demandas e 7. Outros atores locais que a unidade
propostas exitosas, bem como buscar escolar considerar necessários.
parcerias locais que possam contribuir com
a biossegurança do ambiente escolar para o
retorno das aulas presenciais e promoção do
processo de ensino e aprendizagem. Esse
Conselho poderá ser constituído de:

Ministério da Educação | 26
MONITORAMENTO E TRIAGEM DE Ampliado, informando como estão sendo
ALUNOS, PROFESSORES E desenvolvidas as atividades, as dificuldades
FUNCIONÁRIOS e desafios encontrados, permitindo, assim, o
monitoramento da situação de cada
Mesmo retomando as atividades, ainda instituição de ensino.
estaremos sob estado de observação dos
desdobramentos em saúde. Portanto, é de Criar uma lista de checagem que
extrema importância que mantenhamos a auxiliem as pessoas sobre sua condição de
correta notificação aos órgãos de saúde de trabalho:
todos os casos, em especial naqueles a) Condições médicas, comorbidades e
lugares em que houver suspeita de pessoas vulnerabilidades;
com problemas respiratórios. O Conselho b) Circunstâncias especiais no ambiente
Escolar Ampliado deverá acompanhar a doméstico, como parentes infectados e
situação, em articulação com o Conselho outras situações;
Municipal de Enfrentamento à Covid-19 e c) Dispensar apresentação de atestado
com a Secretaria de Educação à qual a médico em regiões de transmissão
escola se vincula. comunitária (VERMELHA);
Todo e qualquer sintoma, em especial d) Em caso de contato direto com pessoas
tosse, febre, coriza, dor de garganta, infectadas pela Covid-19, orientar a
dificuldade para respirar, fadiga, tremores e pessoa a ficar afastada em casa por
calafrios, dor muscular, dor de cabeça, quatorze dias;
perda recente do olfato ou paladar, e) Garantir que os alunos que estiveram em
apresentado por estudante ou outra pessoa contato com alguém contaminado pela
da comunidade escolar, deve ser Covid-19 fiquem em casa por quatorze
comunicado imediatamente à escola, a qual dias.
notificará a Unidade Básica de Saúde (UBS).
Recomenda-se que esse fluxo de Nos casos relacionados à escola:
comunicação seja previamente estabelecido a) A direção da escola deve notificar as
para garantir efetividade das ações. autoridades de saúde pública em caso
Estabelecer a norma “se não estiver se positivo de Covid-19 entre alunos ou
sentindo bem, fique em casa” para todos os funcionários;
membros da comunidade escolar. Ao b) Deve haver monitoramento da situação
identificar um estudante com sintomas de da comunidade escolar e avaliação de
síndrome gripal em sala de aula, a escola risco antes de considerar a possibilidade
deve acionar os pais ou responsáveis, de suspensão das aulas ou fechamento
orientando que esse estudante seja da escola;
imediatamente encaminhado à UBS mais c) Dependendo da política local, considerar
próxima. Nesse caso, o estudante deverá o isolamento de pessoas ou grupos em
aguardar em local seguro e isolado, até que uma sala de aula, caso o contato tiver
pais ou responsáveis possam buscá-lo. sido restrito, evitando-se o fechamento
Recomenda-se a realização de relatórios da escola;
após as reuniões do Conselho Escolar

Ministério da Educação | 27
d) Não há necessidade de se criar pânico Sistema de Saúde, lembrando que a
em casos de Covid-19, mas é de grande pessoa com Covid-19 não é culpada por
importância que todos os casos sejam sua doença. Precisaremos tratar essas
relatados o mais brevemente possível ao pessoas com atenção e cuidado.

CRONOGRAMA
O cronograma de retorno às atividades da comunidade escolar deve ser orientado pelas
autoridades sanitárias locais, pelo governo local, pelos órgãos dos sistemas de ensino,
considerando a avaliação do estágio da transmissão do vírus.
Utilizamos neste guia cores relativas a cada fase, com orientações sobre o que poderia estar
acontecendo em cada uma delas, de forma prática e empírica. Logo que liberadas as atividades
escolares e didáticas, deverão ser feitos relatórios sobre a situação de cada instituição de ensino.

NORMAS VIGENTES PARA CONTROLE, PREVENÇÃO E DIMINUIÇÃO DOS RISCOS


1. Pareceres CNE/CP números 5, 9 e 11 de 2020, do Conselho Nacional de Educação;
2. Portaria nº 544, de 16 de junho de 2020, do Ministério da Educação;
3. Portaria Conjunta MEC/MS nº 20, de 18 de junho de 2020;
4. Portaria nº 1.565, de 18 de junho de 2020, do Ministério da Saúde;
5. Lei nº 14.021, de 7 de julho de 2020;
6. Lei nº 14.040, de 18 de agosto de 2020;
7. Orientações gerais – máscaras faciais de uso não profissional, da Anvisa, de 3 de abril de
2020;
8. Nota de Alerta da Sociedade Brasileira de Pediatria, de 13 de maio de 2020;
9. Protocolo de Biossegurança para Retorno das Atividades nas Instituições Federais de
Ensino, do Ministério da Educação, de junho de 2020;
10. Orientações para Retomada Segura das Atividades Presenciais nas Escolas de Educação
Básica no Contexto da Pandemia da Covid-19, do Ministério da Saúde, de setembro de 2020.
11. Recomendações para a execução do PNAE no retorno presencial às aulas durante a
pandemia da Covid-19: educação alimentar e nutricional e segurança dos alimentos, do
Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, de outubro de 2020.

Ministério da Educação | 28
REFERÊNCIAS
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT PR 1002:2020 Ed. 2: Máscaras de proteção
respiratória de uso não profissional - Guia de requisitos básicos para métodos de ensaio, fabricação e uso.
Rio de Janeiro: ABNT, 2020. Disponível em: https://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=447152.
Acesso em: 15 set. 2020.
BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Nota Técnica nº 34, de 4 de abril de 2020.
Recomendações e alertas sobre procedimentos de desinfecção em locais públicos realizados durante a
pandemia da COVID-19. Brasília: Anvisa, 2020. Disponível em:
http://portal.anvisa.gov.br/documents/219201/4340788/SEI_ANVISA+-+0976782+-
+Nota+Técnica.pdf/1cdd5e2f-fda1-4e55-aaa3-8de2d7bb447c. Acesso em: 20 set. 2020.
BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Nota Técnica nº 47, de 3 de junho de 2020. Uso de
luvas e máscaras em estabelecimentos da área de alimentos no contexto do enfrentamento ao COVID-19.
Brasília: Anvisa, 2020. Disponível em:
http://portal.anvisa.gov.br/documents/219201/4340788/NOTA_TECNICA_N__47.2020.SEI.GIALI_0_uso_
de_EPIs.pdf/41979d87-50b8-4191-9ca8-aa416d7fdf6e. Acesso em: 20 set. 2020.
BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Orientações gerais – Máscaras faciais de uso não
profissional. Brasília: Anvisa, 2020. Disponível em:
http://portal.anvisa.gov.br/documents/219201/4340788/NT+Máscaras.pdf/bf430184-8550-42cb-a975-
1d5e1c5a10f7. Acesso em: 15 set. 2020.
BRASIL. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Programa Nacional de Alimentação Escolar
- PNAE. Brasília: FNDE, 2020. Disponível em: https://www.fnde.gov.br/index.php/programas/pnae. Acesso
em: 20 set. 2020.
BRASIL. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Recomendações para a execução do PNAE
no retorno presencial às aulas durante a pandemia da Covid-19: educação alimentar e nutricional e
segurança dos alimentos. Brasília: FNDE, 2020.
BRASIL. Ministério da Economia. Secretaria Especial de Previdência e Trabalho. Portaria Conjunta nº 20,
de 18 de junho de 2020. Estabelece as medidas a serem observadas visando à prevenção, controle e
mitigação dos riscos de transmissão da COVID-19 nos ambientes de trabalho. Brasília: ME, 2020.
Disponível em: http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-conjunta-n-20-de-18-de-junho-de-2020-
262408085. Acesso em: 25 jun. 2020.
BRASIL. Ministério da Educação. Coronavírus: Monitoramento das Instituições de Ensino. Brasília: MEC,
2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/coronavirus/. Acesso em: 10 jun. de 2020.
BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB nº 20/2009. Revisão das Diretrizes Curriculares
Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC, 2020. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/pceb020_09.pdf . Acesso em: 22 set. 2020.
BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CP nº 5/2020. Reorganização do Calendário Escolar e da
possibilidade da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. Brasília: MEC, 2020.
Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=145011-
pcp005-20&category_slug=marco-2020-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 10 jun. de 2020.

Ministério da Educação | 29
BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CP nº 09/2020. Reexame do Parecer CNE/CP n. 5/2020.
Brasília: MEC, 2020. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=147041-pcp009-
20&category_slug=junho-2020-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 31 jul. 2020.
BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CP nº 11/2020. Orientações Educacionais para a
Realização de Aulas e Atividades Pedagógicas Presenciais e não Presenciais no contexto da Pandemia.
Brasília: MEC, 2020. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=148391-pcp011-
20&category_slug=julho-2020-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 15 set. 2020.
BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 544, de 16 de junho de 2020. Dispõe sobre a substituição
das aulas presenciais por aulas em meios digitais, enquanto durar a situação de pandemia do novo
coronavírus - Covid-19. Brasília: MEC, 2020. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-
n-544-de-16-de-junho-de-2020-261924872. Acesso em: 18 jun. 2020.
BRASIL. Ministério da Educação. Protocolo de biossegurança para retorno das atividades nas Instituições
Federais de Ensino. Brasília: MEC, 2020. Disponível em:
https://vps3574.publiccloud.com.br/cartilhabio.pdf. Acesso em: 20 set. 2020.
BRASIL. Ministério da Saúde. Orientações para Retomada segura das atividades presenciais nas Escolas
de Educação Básica no Contexto da Pandemia da COVID-19. Brasília: MS, 2020. Disponível em:
https://www.saude.gov.br/images/pdf/2020/September/18/doc-orientador-para-retomada-segura-das-
escolas-no-contexto-da-covid-19.pdf. Acesso em: 22 set. 2020.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 1.565, de 18 de junho de 2020. Estabelece orientações gerais
visando à prevenção, ao controle e à mitigação da transmissão da COVID-19, e à promoção da saúde
física e mental da população brasileira, de forma a contribuir com as ações para a retomada segura das
atividades e o convívio social seguro. Brasília: MS, 2020. Disponível em:
https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-1.565-de-18-de-junho-de-2020-262408151. Acesso em: 19
set. 2020.
BRASIL. Presidência da República. Lei nº 14.021, de 7 de julho de 2020. Dispões sobre medidas de
proteção social para prevenção do contágio e da disseminação da Covid-19 nos territórios indígenas; cria
o Plano Emergencial para Enfrentamento à Covid-19 nos territórios indígenas; estipula medidas de apoio
às comunidades quilombolas, aos pescadores artesanais e aos demais povos e comunidades tradicionais
para o enfrentamento à Covid-19; e altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, a fim de assegurar
aporte de recursos adicionais nas situações emergenciais e de calamidade pública. Brasília: Presidência
da República, 2020. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-14.021-de-7-de-julho-de-
2020-265632745. Acesso em: 25 set. 2020.
BRASIL. Presidência da República. Lei nº 14.040, de 18 de agosto de 2020. Estabelece normas
educacionais excepcionais a serem adotadas durante o estado de calamidade pública reconhecido pelo
Decreto Legislativo nº 6, de 20 de março de 2020; e altera a Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009. Brasília:
Presidência da República, 2020. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-14.040-de-18-de-
agosto-de-2020-272981525. Acesso em: 25 ago. 2020.
CONSELHO NACIONAL DE SECRETÁRIOS DE EDUCAÇÃO. Diretrizes para protocolo de retorno às
aulas presenciais. Disponível em: http://consed.org.br/media/download/5eea22f13ead0.pdf. Brasília:
Consed, 2020. Acesso em 22 set. 2020.

Ministério da Educação | 30
CONSELHO REGIONAL DE ODONTOLOGIA DE SÃO PAULO. Orientação de Biossegurança:
adequações técnicas em tempos de COVID-19. São Paulo: CROSP, 2020. Disponível em:
http://www.crosp.org.br/uploads/arquivo/747df5ff505e7beff33c1a5ff5d6f12a.pdf. Acesso em: 11 jun. 2020.
FEDERAÇÃO NACIONAL DE ESCOLAS PARTICULARES. Plano estratégico de retomada das atividades
do segmento educacional privado brasileiro. Brasília: FENEP, 2020. Disponível em:
https://www.fenep.org.br/fileadmin/user_upload/fenep/2020/04/30/PLANO_-_RETORNO_AS_AULAS_-
_FENEP_-_26-04-2020_com_logo.docx.pdf. Acesso em: 15 set. 2020.
FIOCRUZ. Contribuições para o retorno às atividades escolares presenciais no contexto da pandemia
Covid-19. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2020. Disponível em:
https://portal.fiocruz.br/sites/portal.fiocruz.br/files/documentos/contribuicoes_para_o_retorno_escolar_-
_08.09_4_1.pdf. Acesso em: 15 set. 2020.
FIOCRUZ. Covid-19 e saúde da criança e do adolescente. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2020. Disponível
em: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/wp-content/uploads/2020/08/COVID-19-SAUDE-CRIANCA-
ADOLESCENTE.pdf. Acesso em: 22 set. 2020.
FIOCRUZ. Covid-19: RBLH divulga recomendações sobre amamentação. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2020.
Disponível em: https://portal.fiocruz.br/noticia/covid-19-rblh-divulga-recomendacoes-sobre-amamentacao.
Acesso em: 1º jul. 2020.
FUNDAÇÃO MARIA CECÍLIA SOUTO VIDIGAL. Como voltar às atividades na educação infantil?
Disponível em: https://www.fmcsv.org.br/pt-BR/biblioteca/como-retornar-atividades-educacao-infantil-
pandemia-covid-19-recomendacoes-municipios/. São Paulo: Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, 2020.
Acesso em: 22 set. 2020.
INSTITUTO RODRIGO MENDES. Protocolos sobre educação inclusiva durante a pandemia da Covid-19.
São Paulo: Instituto Rodrigo Mendes, 2020. Disponível em: https://fundacaogrupovw.org.br/wp-
content/uploads/2020/07/protocolos-educacao-inclusiva-durante-pandemia.pdf. Acesso em: 22 set. 2020.
ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Considerações para o ajuste de medidas sociais e de
saúde pública no contexto da Covid-19. Orientação provisória, 16 de abril de 2020. Washington: OPAS,
2020. Disponível em: https://iris.paho.org/handle/10665.2/52179. Acesso em: 11 jun. 2020.
ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Folha informativa – COVID-19. Washington: OPAS,
2020. Disponível em: https://www.paho.org/pt/covid19. Acesso em: 22 set. 2020.
ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Orientação sobre o uso de máscaras por crianças na
comunidade no contexto da covid-19. Washington: OPAS, 2020. Disponível em:
https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/52704/OPASWBRACOVID-
1920111_por.pdf?sequence=5&isAllowed=y. Acesso em: 22 set. 2020.
SENHORAS, E. M. Coronavírus e Educação: análise dos impactos assimétricos. Boletim de Conjuntura,
Boa Vista, ano 2, v. 2, n. 5, 2020. Disponível em: http://doi.org/10.5281/zenodo.3828085. Acesso em: 28
set. 2020.
SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Nota de Alerta: COVID-19 e a volta às aulas. Brasília: SBP,
2020. Disponível em: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/22516b-NA_-_COVID-
19_e_a_Volta_as_Aulas.pdf. Acesso em: 15 set. 2020.
TEIXEIRA, Pedro; VALLE, Silvio. Biossegurança: uma abordagem multidisciplinar. Rio de Janeiro: Ed.
FIOCRUZ, 1996.

Ministério da Educação | 31
UNESCO. Suspensão das aulas e resposta à Covid-19. Unesco: 2020. Disponível em:
https://pt.unesco.org/covid19/educationresponse. Acesso em: 20 set. 2020.
UNIÃO NACIONAL DOS DIRIGENTES MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO. Subsídios para a elaboração de
protocolos de retorno às aulas na perspectiva das redes municipais de educação. Brasília: Undime, 2020.
Disponível em: https://undime.org.br/uploads/documentos/php7us6wi_5ef60b2c141df.pdf. Acesso em: 10
set. 2020.
UNICEF. Breastfeeding during the COVID-19 pandemic: Tips on keeping your baby healthy and safe.
UNICEF, 2020. Disponível em: https://www.unicef.org/eap/breastfeeding-during-covid-19. Acesso em: 2
ago. 2020.
UNICEF. Covid-19 e máscaras: dicas para famílias. UNICEF, 2020. Disponível em:
https://www.unicef.org/brazil/covid-19-e-mascaras-dicas-para-familias. Acesso em: 22 set. 2020.
UNICEF. Key Messages and Actions for COVID-19 Prevention and Control in Schools. UNICEF, 2020.
Disponível em: https://www.who.int/publications/m/item/key-messages-and-actions-for-covid-19-
prevention-and-control-in-schools. Acesso em: 10 set. 2020.
UNICEF. Notas de orientação sobre a reabertura das escolas no contexto da covid-19 para os ministérios
de educação na América Latina e no Caribe. UNICEF, 2020. Disponível em:
https://www.unicef.org/brazil/media/10391/file/notas-orientacao-sobre-reabertura-escolas-contexto-covid-
19-para-ministerios-educacao-na-america-latina-e-no-caribe.pdf . Acesso em: 22 set. 2020.
UNICEF, UNESCO, GRUPO BANCO MUNDIAL, PROGRAMA ALIMENTAR MUNDIAL. Recomendações
para a reabertura de escolas. UNICEF, 2020. Disponível em:
https://www.unicef.org/media/68886/file/PORTUGUESE-Framework-for-reopening-schools-2020.pdf.
Acesso em: 10 set. 2020.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL. Plano de Biossegurança da UFMS, versão 1.0.
Campo Grande: UFMS, 2020. Disponível em: https://www.ufms.br/wp-content/uploads/2020/08/Plano-de-
Biossegurança-da-UFMS_res.pdf. Acesso em: 10 jun. 2020.
WORLD HEALTH ORGANIZATION, UNITED NATIONS EDUCATIONAL, SCIENTIFIC AND CULTURAL
ORGANIZATION AND UNITED NATIONS CHILDREN’S FUND. Considerations for school-related public
health measures in the context of COVID-19: Annex to Considerations in adjusting public health and social
measures in the context of COVID-19. WHO; UNESCO; UNICEF: 2020. Disponível em:
https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/334294/WHO-2019-nCoV-Adjusting_PH_measures-
Schools-2020.2-eng.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 15 set. 2020.
WORLD HEALTH ORGANIZATION. Water, sanitation, hygiene and waste management for tSARS-CoV-2,
the virus that causes COVID-19. World Health Organization: 2020. Disponível em:
https://www.who.int/publications/i/item/water-sanitation-hygiene-and-waste-management-for-covid-19.
Acesso em: 15 set. 2020.

Ministério da Educação | 32