Você está na página 1de 410

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MOBIREX MR 110 Z + ZS
K017
Série

14.03.2012
Data de emissão

2262729_00_PT
Número de encomenda

© Kleemann GmbH 2012


Editor Kleemann GmbH
Manfred-Wörner-Straße 160
D-73037 Göppingen
Alemanha
Telefone: + 49 (0) 71 61 / 20 6 - 0
Página web: www.kleemann.info
Número do documento BAL_K017_2262729_00_PT
Manual de instruções de origem
Data da primeira edição 29.03.2010
Data de revisão 02.02.2012
Copyright © Kleemann GmbH 2012
Esta documentação, incluindo todos os seus componentes, está prote-
gida por direitos de autor. Cada utilização ou alteração, para além dos
limites restritos dos direitos autorais, é proibida e punível por lei, se não
autorizada pela KLEEMANN GmbH.
Isto aplica-se, particularmente, a reproduções, traduções, microfilma-
gens e ao armazenamento e processamento em sistemas eletrónicos.

2 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


ÍNDICE

ÍNDICE
1 GERAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.01 Prefácio/Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.01.01 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.01.02 Alterações/Ressalvas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.01.03 Embalagem e Armazenamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
1.01.04 Sinais e Símbolos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
1.01.05 Símbolos de advertência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.01.06 Documentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
1.01.07 Declaração de conformidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
1.01.08 Garantia e responsabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.02 Utilização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.02.01 Utilização segundo o fim a que se destina, finalidade da utilização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.02.02 Utilização não segundo o fim a que se destina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.02.03 Perigos residuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
1.03 condições climáticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
1.04 Indicações de segurança. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
1.04.01 Manual de Segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
1.04.02 Proteção do ambiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
1.04.03 Remoção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
1.04.04 Indicações relativas aos componentes elétricos/eletrónicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
1.04.05 Zonas de perigo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
1.04.05.01 Distância de segurança. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
1.04.06 Equipamento de extinção de incêndios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
1.05 Emissões e exposições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
1.05.01 Emissão de ruído . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
1.05.02 Emissão de pó . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
1.05.03 Emissão de vibrações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
1.06 Sinalização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
1.06.01 Plano de sinalização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
1.06.02 Placas de aviso/autocolantes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
1.06.03 Placas de características . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
1.06.03.01 Placa de características da instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
1.07 Pessoal - Qualificação e deveres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
1.07.01 Equipamento pessoal de proteção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
1.07.02 Formações disponibilizadas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
1.07.03 Contacto para operação e manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
1.08 Estados de revisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 3


ÍNDICE

2 DESCRIÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
2.01 Dispositivos de segurança/chassis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
2.01.01 Indicações de operação e de perigo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
2.01.02 Chassis com barras de guiamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
2.01.03 Plataformas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
2.01.04 Iluminação/dispositivos de aviso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
2.01.05 Tomadas no chassis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
2.01.06 Dispositivos de proteção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
2.01.07 Dispositivos de paragem de emergência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
2.02 Posto de comando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
2.02.01 Interruptor principal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
2.02.02 Painéis de comando/interfaces . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
2.02.02.01 Ecrã tátil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
2.02.02.02 Painel de comando do motor diesel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
2.02.03 Conversor de frequência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
2.02.04 Controlos remotos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
2.02.05 Comandos locais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
2.03 Não ocupado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
2.04 Unidade de acionamento/motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
2.04.01 Motor a gasóleo/gerador diesel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
2.04.02 Alimentação de combustível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
2.04.02.01 Bomba de abastecimento de combustível (opção) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
2.04.03 Sistema de escape . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
2.04.04 Admissão de ar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
2.04.05 Sistema de refrigeração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
2.04.06 Acoplamento líquido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
2.05 Alimentação de óleo hidráulico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
2.05.01 Depósito de óleo hidráulico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
2.05.02 Bombas hidráulicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
2.05.03 Blocos de comando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
2.05.04 Ligação hidráulica da unidade de crivagem posterior (opção) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
2.06 Sistema elétrico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
2.06.01 Alimentação da tensão de 24 V. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
2.06.02 Seccionador da bateria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
2.06.03 Armário de distribuição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
2.06.04 Geradores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
2.06.05 Motores elétricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
2.06.06 Tomadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
2.06.07 Sistema de sobrepressão Armário de distribuição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
2.07 Não ocupado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91

4 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


ÍNDICE

2.08 Mecanismo de translação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91


2.08.01 Trem de rodagem de lagartas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
2.08.02 Acionamento das lagartas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
2.09 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
2.10 Transporte de material. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
2.10.01 Transportador de cinta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
2.10.01.01 Estação de centragem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
2.10.02 Calha de descarga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
2.10.03 Calhas de deslize. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
2.10.04 Separador magnético (opção) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
2.11 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
2.12 Instalação da água (opção) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
2.12.01 Bomba de água . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
2.12.02 Injetores de pulverização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
2.13 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.14 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.15 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.16 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.17 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.18 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.19 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.20 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.21 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.22 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.23 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.24 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.25 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.26 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.27 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.28 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.29 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.30 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.31 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
2.32 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
2.33 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
2.34 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
2.35 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
2.36 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
2.37 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
2.38 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 5


ÍNDICE

2.39 Não ocupado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104


2.40 Não ocupado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
2.41 Pacote de serviço/manutenção remota. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
2.41.01 Pacotes de serviço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
2.41.02 Manutenção remota. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
2.42 Ferramenta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
2.43 Carregamento de material . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
2.43.01 Tremonha de carregamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
2.43.02 Calha de carregamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
2.44 Britadeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
2.44.01 Ajuste hidráulico da fenda da britadeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
2.44.01.01 Proteção contra sobrecarga. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
2.45 Máquinas de crivar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
2.45.01 Crivo preliminar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
2.45.02 Crivo de triagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117

3 MANUSEAMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .119
3.01 Painéis de comando/interfaces . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
3.01.01 Ecrã tátil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
3.01.02 Painel de comando do motor diesel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
3.02 Medidas antes da primeira colocação em funcionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
3.03 Colocar a instalação em funcionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
3.04 Modo automático. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
3.04.01 Voltar a ligar a instalação após o acionamento de paragem /desativação de emergência . . . . . . . . . 134
3.05 Modo de reparação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
3.06 Modo de operação manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
3.07 Operação de marcha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
3.07.01 Preparações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
3.07.02 Ligar e desligar o controlo remoto por rádio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
3.07.03 Ligar e desligar o controlo remoto por cabo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
3.07.04 Conduzir . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
3.07.05 Colocar a instalação em repouso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
3.08 Abastecer instalação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
3.08.01 Abastecer a instalação por meio de uma bomba (opção) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
3.09 Operar a instalação da água (opção) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
3.10 Carregar a instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
3.10.01 Veículos de carregamento adequados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
3.10.02 Preparação do material de carregamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
3.10.03 Carregar tremonha de carregamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
3.10.04 Alimentar a britadeira de impacto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151

6 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


ÍNDICE

3.11 Abrir a britadeira de impacto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152


3.12 Proteger o rotor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154
3.12.01 Inserir a proteção do rotor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
3.12.02 Inserir o dispositivo para rodar o rotor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
3.13 Eliminar obstruções de material . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
3.13.01 Montar/desmontar o corrimão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
3.14 Ajustar a britadeira de impacto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
3.14.01 Valores de referência do ajuste da fenda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
3.14.02 Valores de referência do número de rotações do rotor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
3.14.03 Verificar/ajustar a fenda da britadeira superior. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
3.14.04 Verificar/ajustar a fenda da britadeira inferior. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
3.14.04.01 Realizar a determinação do ponto de repouso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
3.14.04.02 Ajustar a fenda da britadeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
3.15 Remover montes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
3.16 Funcionamento no Inverno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168
3.17 Ajuda e localização de falhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170
3.17.01 Arrancar o motor com cabo auxiliar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170

4 MANUTENÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
4.01 Dispositivos de segurança/chassis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
4.01.01 Trabalhos de manutenção gerais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
4.01.02 Verificar dispositivos de aviso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
4.01.03 Verificar os dispositivos de proteção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
4.01.04 Verificar dispositivos de paragem de emergência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
4.01.04.01 Botão e cordas de comando de paragem de emergência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
4.01.04.02 Botão de desativação de emergência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
4.02 Posto de comando. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
4.02.01 Verificar o revestimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
4.02.02 Verificar controlos remotos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
4.03 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
4.04 Unidade de acionamento/motor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
4.04.01 Efetuar manutenção da unidade de acionamento do gerador diesel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
4.04.02 Efetuar a manutenção da correia dentada do gerador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
4.04.02.01 Verificar a correia dentada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
4.04.02.02 Tensionar a correia dentada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
4.04.03 Verificar filtro preliminar de ciclone . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183
4.04.04 Efetuar manutenção do filtro do ar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
4.04.05 Limpar o filtro de combustível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
4.04.06 Limpar as nervuras do radiador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
4.04.07 Mudar o óleo do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
4.04.08 Reparar a unidade de acionamento/motor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 7


ÍNDICE

4.04.08.01 Purgar a alimentação de combustível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189


4.05 Alimentação de óleo hidráulico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
4.05.01 Efetuar manutenção da instalação hidráulica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 192
4.05.01.01 Trabalhos de manutenção gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 192
4.05.01.02 Despressurizar a instalação hidráulica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
4.05.02 Efetuar manutenção do depósito de óleo hidráulico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
4.05.02.01 Verificar o nível de enchimento de óleo hidráulico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
4.05.02.02 Mudar óleo hidráulico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195
4.05.02.03 Substituir filtro do óleo hidráulico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
4.06 Sistema elétrico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
4.06.01 Trabalhos de manutenção gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
4.06.02 Efetuar manutenção da alimentação elétrica de 24 V. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
4.06.02.01 Efetuar manutenção do sistema elétrico do gerador diesel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
4.06.02.02 Efetuar manutenção das baterias do motor de arranque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
4.06.03 Efetuar manutenção do armário de distribuição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
4.06.03.01 Verificar os componentes elétricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
4.06.03.02 Verificar deslocamento do armário de distribuição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
4.06.04 Efetuar manutenção dos motores elétricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
4.06.05 Efetuar manutenção do sistema de sobrepressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
4.06.06 Reparar o sistema elétrico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
4.06.06.01 Fusíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
4.06.06.02 Interruptor de proteção do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212
4.06.06.03 Interruptor de proteção FI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
4.06.06.04 Sistema de proteção do motor ZEV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215
4.07 Não ocupado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 218
4.08 Mecanismo de translação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 218
4.08.01 Efetuar manutenção do trem de rodagem de lagartas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 218
4.08.01.01 Verificar/tensionar correntes do trem de rodagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 218
4.08.01.02 Verificar a fixação dos roletes de rolamento e das placas de fundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221
4.08.02 Efetuar manutenção do acionamento das lagartas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
4.08.02.01 Efetuar manutenção da caixa de engrenagem planetária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
4.08.02.02 Verificar componentes em relação a estanqueidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224
4.08.03 Reparar trem de rodagem de lagartas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225
4.08.03.01 Abrir/fechar correntes do trem de rodagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225
4.08.03.02 Reparar o elo da corrente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 227
4.09 Não ocupado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230
4.10 Transporte de material . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230
4.10.01 Efetuar manutenção do transportador de cinta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230
4.10.01.01 Verificar cintas transportadoras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230
4.10.01.02 Efetuar manutenção dos raspadores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232
4.10.01.03 Reajustar calhas de deslize . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234
4.10.01.04 Efetuar manutenção da caixa de engrenagem cónica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235
4.10.01.05 Efetuar a manutenção aos moto tambores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 237

8 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


ÍNDICE

4.10.01.06 Lubrificar o apoio fixo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239


4.10.02 Verificar as calhas de deslize. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 241
4.10.02.01 Verificar as cortinas de borracha e vedações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 241
4.10.03 Efetuar a manutenção aos separadores magnéticos (opção) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 242
4.10.04 Reparar o transportador de cinta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 242
4.10.04.01 Tensionar a cinta transportadora. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 242
4.10.04.02 Substituir a cinta transportadora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 244
4.10.04.03 Verificar o andamento da cinta transportadora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 244
4.10.04.04 Ajustar o andamento da cinta transportadora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 245
4.10.05 Efetuar a manutenção à calha de descarga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247
4.11 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247
4.12 Instalação da água (opção) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247
4.13 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
4.14 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
4.15 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
4.16 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
4.17 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
4.18 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
4.19 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
4.20 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
4.21 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
4.22 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
4.23 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
4.24 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
4.25 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
4.26 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
4.27 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
4.28 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
4.29 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
4.30 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
4.31 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
4.32 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
4.33 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
4.34 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
4.35 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
4.36 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
4.37 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
4.38 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
4.39 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
4.40 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
4.41 Não ocupado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 9


ÍNDICE

4.42 Ferramenta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250


4.43 Carregamento de material . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 251
4.43.01 Efetuar a manutenção à tremonha de carregamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 251
4.43.02 Efetuar a manutenção à calha de carregamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253
4.43.02.01 Efetuar a manutenção aos elementos vibratórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253
4.43.02.02 Verificar os motores de vibração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 254
4.43.02.03 Efetuar a manutenção ao revestimento de desgaste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256
4.43.03 Reparar a calha de carregamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257
4.43.03.01 substituir. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257
4.43.03.02 Verificar a amplitude de oscilação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 259
4.43.03.03 Ajustar a amplitude de oscilação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260
4.44 Britadeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262
4.44.01 Lubrificar os apoios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262
4.44.02 Auscultar o apoio, verificar o aquecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 264
4.44.03 Verificar/tensionar as correias trapezoidais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265
4.44.03.01 Verificar as correias trapezoidais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265
4.44.03.02 Tensionar/substituir as correias trapezoidais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 266
4.44.04 Verificar a fixação das placas de impacto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 268
4.44.05 Verificar o revestimento de desgaste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
4.44.06 Verificar a barra de impacto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
4.44.07 Verificar o desgaste das travessas de impacto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 270
4.44.08 Verificar o deslocamento da britadeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 271
4.44.09 Verificar a cortina de correntes e de borracha. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 272
4.44.10 Reparar a britadeira. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273
4.44.10.01 Utilização e aplicação de travessas de impacto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 274
4.44.10.02 Substituir as travessas de impacto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275
4.44.10.03 Substituir as placas de impacto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280
4.44.10.04 Trocar chapas de desgaste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 282
4.44.10.05 Substituir as barras de impacto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 283
4.44.10.06 Substituir a cortina de correntes e de borracha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 284
4.44.10.07 Substituir a polia de correia trapezoidal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 285
4.44.10.08 Substituir a placa portadora do ajuste da fenda da britadeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 287
4.45 Máquinas de crivar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 289
4.45.01 Verificar os revestimentos do crivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 289
4.45.02 Tensionar os revestimentos do crivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 291
4.45.03 Efetuar manutenção da caixa de engrenagem cónica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 293
4.45.04 Efetuar a manutenção ao veio de transmissão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 295
4.45.05 Lubrificar os apoios do crivo preliminar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 296
4.45.06 Lubrificar o apoio do crivo de triagem (opção) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 297
4.45.07 Auscultar o apoio, verificar o aquecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 297
4.45.08 Verificar a amplitude de oscilação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 298
4.45.09 Outros trabalhos de manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 300

10 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


ÍNDICE

4.45.10 Reparar as máquinas de crivar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 301


4.45.10.01 Ajustar a amplitude de oscilação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 301
4.45.10.02 Substituir os revestimentos do crivo preliminar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 303
4.45.10.03 Substituir as borrachas de perfil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 306
4.46 Limpar a instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 307
4.46.01 Limpar a instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 307
4.46.02 Limpeza com equipamentos de limpeza a alta pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 308
4.46.03 Limpar o ecrã tátil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 308
4.47 Realizar trabalhos de soldadura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 309

5 TABELAS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 312
5.01 Dados técnicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 312
5.01.01 Instalação completa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 312
5.01.01.01 Pesos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 312
5.01.01.02 Dimensões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 313
5.01.01.03 Operação de marcha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 314
5.01.01.04 Material e dimensão do carregamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 315
5.01.01.05 Desempenho de carregamento e de trituração. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 315
5.01.01.06 Desempenho de crivagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 316
5.01.01.07 Temperaturas ambiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 317
5.01.01.08 Nível de potência acústica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 317
5.01.02 Unidade de acionamento/motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 318
5.01.03 Alimentação de óleo hidráulico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 319
5.01.04 Sistema elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 320
5.01.05 Mecanismo de translação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 320
5.01.06 Transporte de material . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 321
5.01.07 Instalação da água (opção) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 323
5.01.08 Carregamento de material . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 324
5.01.09 Britadeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 325
5.01.10 Máquinas de crivar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 326
5.02 Plano de manutenção/Intervalos de manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 327
5.03 Binários de aperto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 341
5.04 Ingredientes de serviço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 343
5.04.01 Lubrificantes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 344
5.04.02 Combustíveis diesel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 346
5.05 Documentação em separado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 346
5.05.01 Documentação referente à instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 347
5.05.02 Material informativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 348

6 MONTAGEM E DESMONTAGEM, TRANSPORTE. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 349


6.01 Transporte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 349
6.01.01 Autorização de transportes especiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 350

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 11


ÍNDICE

6.01.02 Dados de transporte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 350


6.01.02.01 Dimensões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 350
6.01.02.02 Pesos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 352
6.01.03 Carregar e descarregar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 353
6.02 Montagem da instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 356
6.02.01 Preparações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 357
6.02.02 Fazer sair a luz de advertência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 358
6.02.03 Ligar a instalação à terra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 359
6.02.04 Levantar as paredes da tremonha. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 360
6.02.05 Dobrar a cinta de retorno. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 362
6.02.05.01 Dobrar a cinta de retorno em cima . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 362
6.02.05.02 Dobrar a cinta de retorno em baixo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 364
6.02.06 Bascular a cinta de retorno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 367
6.02.07 Montar a cinta do crivo preliminar (opção) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 369
6.02.08 Funcionamento sem/com unidade de crivagem posterior. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 371
6.02.08.01 Proteções das polias de retorno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 371
6.02.08.02 Selecionar/anular a seleção da unidade de crivagem posterior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 371
6.02.09 Montar a unidade de crivagem posterior (opção) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 372
6.02.10 Montar o estribo do lançamento para fora da cinta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 376
6.02.11 Trabalhos finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 378
6.02.11.01 Teste de funcionamento sem material . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 378
6.02.11.02 Teste de funcionamento no modo de operação manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 379
6.03 Desmontagem da instalação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 379
6.03.01 Preparações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 381
6.03.02 Fazer entrar a luz de advertência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 381
6.03.03 Desmontar a cinta do crivo preliminar (opção) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 382
6.03.04 Rebater as paredes da tremonha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 384
6.03.05 Bascular a cinta de retorno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 386
6.03.06 Dobrar a cinta de retorno. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 388
6.03.06.01 Dobrar a cinta de retorno em cima . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 388
6.03.06.02 Dobrar a cinta de retorno em baixo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 390
6.03.07 Desmontar o estribo do lançamento para fora da cinta. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 392
6.03.08 Desmontar a unidade de crivagem posterior (opção) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 393
6.03.09 Remover a ligação à massa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 397
6.03.10 Trabalhos finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 398
6.04 Armazenamento, imobilização, remoção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 398
6.04.01 Condições de armazenamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 398
6.04.02 Imobilizar, voltar a colocar em funcionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 399
6.04.03 Remoção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 399

12 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


GERAL
Prefácio/Introdução

1 GERAL
Respeite, na execução de todas as atividades, as indicações contidas no
seu Manual de Segurança!

1.01 Prefácio/Introdução

1.01.01 Introdução
Esta instalação KLEEMANN resulta da extensa gama de produtos de
unidades de britagem e crivagem móveis da KLEEMANN.
A vasta experiência da KLEEMANN, bem como os mais modernos pro-
cessos de produção e de teste, garantem uma elevada fiabilidade da sua
instalação.
Manual de instruções e O manual de instruções só é válido em conjunto com o Manual de segu-
Manual de segurança rança e a documentação do fabricante juntamente fornecida. Por favor,
tenha em conta:
• Este Manual de instruções foi elaborado o pessoal operacional, da
manutenção e da assistência que se encontra no local de utilização.
• O objetivo deste manual de instruções é preparar estes funcionários
para um manuseamento seguro da instalação e para a exploração
das possibilidades de utilização que a mesma disponibiliza.
• Este manual também lhe dá indicações relativas à função de agre-
gados ou componentes importantes.
• Para o efeito, são utilizados determinados termos neste manual de
instruções. De forma a evitar equívocos, deve utilizar sempre os
mesmos termos.
• Esta instalação só pode ser utilizada por pessoal qualificado, instru-
ído e com formação.
• O manual de instruções, o manual de segurança, a documentação
do fabricantes e as regulamentações e normas em vigor no local de
aplicação devem ser respeitados (por exemplo as normas de pre-
venção de acidentes).
• O manual de instruções, o manual de segurança e a documentação
do fabricante fazem parte do produto. Assegure-se, de que estes se
encontram disponíveis e, sempre, consultáveis, ao longo de todo o
tempo de vida útil da instalação.
• Entregue o manual de instruções, o manual de segurança e a docu-
mentação do fabricante ao proprietário seguinte da instalação e aler-
te-o para a importância das documentações.
A utilização deste manual de instruções facilita-lhe:
• o conhecimento da instalação.
• prevenir avarias devido a um manuseamento inadequado.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 13


GERAL
Prefácio/Introdução

A observação do manual de instruções:


• ajuda a evitar perigos.
• aumenta a fiabilidade no local de utilização.
• eleva o temo de vita útil da instalação.
• diminui os custos de manutenção e os períodos de inatividade.
Guarde este manual de instruções, de modo a ele estar sempre à mão,
no armário de distribuição da instalação ou no reservatório previsto para
o efeito.
Se lhe fornecermos informações adicionais (como por exemplo informa-
ções suplementares técnicas) sobre a instalação, estas também devem
ser respeitadas e anexadas ao manual de instruções.
Se não compreender este manual de instruções ou capítulos individuais
do mesmo, deve questionar-nos antes de iniciar respetiva atividade.
A KLEEMANN GmbH não se responsabiliza pelo funcionamento seguro
da instalação:
• em caso de manuseamento que não corresponda à utilização usual.
Não possui quaisquer direitos à garantia em caso de:
• erros de manuseamento.
• manutenção deficiente.
• produtos de funcionamento errados.
• outros fins de utilização não especificados no manual de instruções.
As condições de garantia e de responsabilização dos termos e condi-
ções gerais de negócio da KLEEMANN GmbH, não são alargadas atra-
vés das indicações supracitadas.
Como consequência do desenvolvimento técnico, reservamos o direito a
alterações sem avisos prévios. Este manual de instruções descreve,
também, equipamentos opcionais que, eventualmente, não se encon-
tram disponíveis na sua instalação. Não é autorizada a reprodução, dis-
seminação, nem utilização para fins de concurso dos dados e imagens
deste manual de instruções.
As traduções são efetuadas de acordo com os melhores conhecimentos.
Não assumimos responsabilidade por erros de tradução e todas as con-
sequências daí resultantes; mesmo que a mesma tenha sido efetuada
ou encomendada por nós.
O texto alemão permanece como padrão para todas as reivindicações
de responsabilidade e de garantia.
Ressalvam-se, expressamente, todos os direitos segundo a lei sobre os
direitos autorais. Desejamos-lhe muito sucesso com a sua instalação
KLEEMANN!

1.01.02 Alterações/Ressalvas
Esforçamo-nos pela exatidão e atualização deste manual de instruções.
De forma a preservarmos o nosso avanço tecnológico, poderá ser ne-
cessário, efetuar alterações ao produto e ao seu manuseamento sem

14 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


GERAL
Prefácio/Introdução

aviso prévio. Não assumimos qualquer responsabilidade por avarias, fa-


lhas e danificações daí resultantes.
Observe, também, informações suplementares juntamente fornecidas.

1.01.03 Embalagem e Armazenamento


De forma a garantia um nível suficiente de proteção durante a expedi-
ção, os componentes e peças e foram, meticulosamente, embalados. A
embalagem e o produto devem ser verificados em relação a danos
aquando da recepção do artigo.
Em caso de danos, os componentes e peças não devem ser colocados
em funcionamento. Também cabos e ligações de ficha danificados cons-
tituem um risco para a segurança e não podem ser utilizados. Neste ca-
so, dirija-se à sucursal KLEEMANN.
Se os componentes e peças não forem, imediatamente, utilizados após
o desempacotamento, então estes devem protegidos da umidade e su-
jidade.

1.01.04 Sinais e Símbolos


Os sinais e símbolos têm por objetivo ajudá-lo a utilizar o manual de ins-
truções e a instalação de forma rápida e segura.
Neste manual de instruções, os potenciais perigos são ilustrados através
de indicações de perigo, de advertência e de precaução. Estas são iden-
tificadas com uma cor e uma palavra de sinal consoante a gravidade do
perigo.
Indicação de perigo

PERIGO!
Aqui é denominada a fonte de perigo.
Aqui são mencionadas as possíveis consequências.
Aqui são expostas as medidas para evitar o perigo.

A indicação de perigo denomina com a palavra de sinal PERIGO um pe-


rigo existente no momento. Se este não for evitado, a consequência se-
rão a morte e lesões graves.
Advertência

ATENÇÃO!
Aqui é denominada a fonte de perigo.
Aqui são mencionadas as possíveis consequências.
Aqui são expostas as medidas para evitar o perigo.

A advertência denomina com a palavra de sinal ADVERTÊNCIA um pe-


rigo existente no momento. Se este não for evitado, a consequência se-
rão a morte e lesões graves.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 15


GERAL
Prefácio/Introdução

Indicação de precaução

CUIDADO!
Aqui é denominada a fonte de perigo.
Aqui são mencionadas as possíveis consequências.
Aqui são expostas as medidas para evitar o perigo.

A indicação de precaução denomina com a palavra de sinal CUIDADO,


uma situação, potencialmente, perigosa. Se esta não for evitada, poderá
ter como consequência lesões leves ou ligeiras, bem como danos mate-
riais.
Indicação de atenção

AVISO
A indicação de atenção denomina com a palavra de sinal ATENÇÃO,
uma situação, potencialmente, perigosa. Se este não for evitado, poderá
ter danos materiais como consequência.

Informação
A informação expõe, no início de cada capítulo principal, brevemente o
conteúdo dos capítulo que se segue. Para além disso, será informado,
em determinado ponto, sobre a forma de utilização mais eficiente ou prá-
tica da instalação e deste manual de instruções.
Procedimentos
a sequência definida dos procedimentos facilita-lhe a utilização adequa-
da e segura da instalação.
 Resultado
aqui poderá encontrar a descrição do resultado de uma sequência de
procedimentos.
(1) Número de posição de gráfico do grupo construtivo
os números de posição em gráficos de grupos construtivos estão identi-
ficados no texto com parêntesis redondos ().
[1] Número de posição de gráfico de peças individuais
os números de posição em gráficos de peças individuais estão identifi-
cados no texto com parêntesis retos [].
Direção do fluxo do material
a seta mostra-lhe, para uma melhor orientação, a direção do fluxo do ma-
terial da instalação ou de um componente.

(Opção) Equipamento opcional


equipamentos opcionais estão identificados com "(Opção)". Todas as
máquinas ou componentes não identificados com "(Opção)" referem-se
ao equipamento de série da instalação.

16 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


GERAL
Prefácio/Introdução

1.01.05 Símbolos de advertência


Os sinais de advertência representam graficamente uma fonte de perigo.
Os sinais de advertência em toda a documentação técnica correspon-
dem à norma harmonizada EN 61310 Parte 2: Segurança de Máquinas
- Indicações, identificações e manuseamento ou à Diretiva UE 92/58/
CEE - Prescrições mínimas para a sinalização de segurança e/ou de
saúde no local de trabalho (Regulamento sobre segurança operacional).
Concorda com as ilustrações nas placas de aviso, que se encontram dis-
postas nos respetivos locais de perigo da instalação.
Advertência em relação a um perigo geral
Este sinal de advertência encontra-se diante de atividades, nas quais di-
versas causas podem levar a perigos.

Advertência de tensão elétrica perigosa


Este sinal de advertência encontra-se diante de atividades, nas quais
existe perigo de eletrocussão com, eventuais, consequências fatais.

Aviso de carga suspensa


Este sinal de advertência encontra-se diante de atividades, nas quais
existe perigo devido a queda de objetos com consequências, eventual-
mente, fatais
Advertência de peças em rotação
Este sinal de advertência encontra-se diante de atividades, nas quais
existe perigo devido a peças em rotação com consequências, eventual-
mente, fatais.
Advertência de perigo de tropeçar
Este sinal de advertência encontra-se diante de atividades, nas quais
existe perigo devido a tropeçamento com consequências, eventualmen-
te, fatais.
Advertência de perigo de esmagamento do corpo
Este sinal de advertência encontra-se diante de atividades, nas quais
existe perigo devido a esmagamento do corpo com consequências,
eventualmente, fatais.
Advertência de perigo de esmagamento das mãos
Este sinal de advertência encontra-se diante de atividades, nas quais
existe perigo devido a esmagamento das mãos.

Advertência de perigo de esmagamento dos pés


Este sinal de advertência encontra-se diante de atividades, nas quais
existe perigo devido a esmagamento dos pés.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 17


GERAL
Prefácio/Introdução

Advertência de superfície quente


Este sinal de advertência encontra-se diante de atividades, nas quais
existe perigo devido a superfícies quentes.

Advertência de líquido quente


Este sinal de advertência encontra-se diante de atividades, nas quais
existe perigo devido a líquidos quentes.

Advertência de baterias
Este sinal de advertência encontra-se diante de atividades, nas quais
existe perigo devido a gás detonante a derramar e líquidos corrosivos.

Advertência de materiais inflamáveis


Este sinal de advertência encontra-se diante de atividades, nas quais
existe perigo devido a materiais inflamáveis com consequências, even-
tualmente, fatais.
Advertência de materiais explosivos
Este sinal de advertência encontra-se diante de atividades, nas quais
existe perigo devido a materiais explosivos com consequências, eventu-
almente, fatais.
Advertência de materiais tóxicos
Este sinal de advertência encontra-se diante de atividades, nas quais
existe perigo devido a materiais tóxicos com consequências, eventual-
mente, fatais.

1.01.06 Documentação
Um exemplar deste manual de instruções deve estar sempre acessível
ao pessoal operacional e da manutenção autorizado.
Este manual de instruções deve ser sempre observado em unicidade
com a indicação de operação formulada pela entidade operadora.
Este manual de instruções a indicação de operação da entidade opera-
dora devem ser entregues ao pessoal operacional e da manutenção.
Em caso de entrega da instalação a uma nova entidade operadora, deve
também ser entregue toda a documentação.
Antes de colocar a instalação pela primeira vez em funcionamento e an-
tes de iniciar quaisquer trabalhos na instalação, deve ler, com atenção,
e compreender este manual de instruções.
O objetivo deste manual de instruções é de o familiarizar com os traba-
lhos e atividades, fundamentais, na instalação.
Este manual de instruções contém indicações importantes para utilizar a
instalação de forma segura e adequada.

18 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


GERAL
Prefácio/Introdução

A observação da mesma auxilia:


• a evitar perigos.
• a diminuir custos de reparação e períodos de inatividade.
• a elevar a fiabilidade, disponibilidade e tempo de vida útil da instala-
ção.
Independentemente deste manual de instruções, devem ser respeitadas
as leis, regulamentações, diretivas e normas em vigor no país e local de
utilização.
Neste manual de instruções é descrita a utilização da instalação. Este
manual de instruções só é válido em conjunto com o manual de seguran-
ça e, eventualmente, as instruções de transporte da empresa KLEE-
MANN. Os respetivos manuais de segurança e instruções de transporte
encontra.se referenciados no cap. 5.05.01.
Um manual de segurança e, eventualmente, as instruções de transporte
devem estar sempre acessíveis ao pessoal de operação e de manuten-
ção da instalação.

1.01.07 Declaração de conformidade


A declaração de conformidade pertence à documentação, separada-
mente,disponibilizada, da KLEEMANN GmbH e é-lhe fornecida na entre-
ga da instalação.
A marcação CE da instalação é parte integrante da placa de caracterís-
ticas.
O pictograma identifica a conformidade da instalação com Diretivas da
UE válidas, que regulamentam da marcação CE.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 19


GERAL
Prefácio/Introdução

1.01.08 Garantia e responsabilidade


Aplicam-se os termos e condições gerais de negócio (AGB´s) da KLEE-
MANN GmbH. Estes encontram-se à disposição do comprador ou enti-
dade operadora, mais tardar a partir do momento de celebração do
contrato.
Direitos a reivindicações de garantia e de deficiências materiais podem
ser consultadas nos termos e condições gerais de negócio.

20 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


GERAL
Utilização

1.02 Utilização

1.02.01 Utilização segundo o fim a que se destina, finalidade da utilização


A instalação corresponde ao estado atual da tecnologia, bem como às
normas de segurança no momento do seu lançamento no mercado, no
âmbito da sua utilização para os fins a que se destina.
Em termos construtivos não é possível evitar a utilização imprópria pre-
visível, nem os perigos residuais, sem limitar a funcionalidade segundo
o fim a que se destina.
A instalação está construída e direcionada:
• para o processamento de materiais minerais, como indicado no cap.
5.01.01.04.
• para o carregamento com auxílio de uma escavadora com pá ou co-
lher, que esteja adequada à dimensão da instalação e ao material de
carregamento. Com o correspondente encaixe de uma tremonha
(Opção), é, também, possível carregar a instalação com uma carre-
gadora de rodas com a dimensão correspondente.
• para o carregamento com auxílio de uma instalação conectada a
montante ou de uma transportador de cinta, desde que esta apresen-
te a altura de descarga necessária e esteja adaptada à dimensão da
instalação e material de carregamento.
• para a trituração de material com uma resistência à pressão como in-
dicado no cap. 5.01.01.04.
• para crivar diferentes tamanhos de grão através do crivo preliminar
e do crivo de triagem (opção).
• para o transporte dos tamanhos de grão através da transportador de
cinta para montes ou instalações conectadas a jusante para o segui-
mento do processamento.
• para a arrumação dos montes com uma carregadora de rodas, cujo
tamanho esteja adaptado à potência da instalação.
A instalação destina-se apenas à utilização industrial no interior de locais
de utilização fechados, como obras e pedreiras.
A instalação deve ser utilizada por operadores instruídos de acordo com
as especificações na documentação técnica.
Todas as utilizações da instalação não de acordo com o fim a que se des-
tina ou todas as atividades na instalação não descritas neste manual de
instruções, constituem uso impróprio não autorizado fora dos limites le-
gais de responsabilidade do fabricante.

1.02.02 Utilização não segundo o fim a que se destina


Em caso de utilização da instalação não de acordo com o fim a que se
destina ou utilização imprópria da instalação, a obrigação de prestação
de garantia do fabricante expira, assumindo a entidade operadora a in-
teira responsabilidade.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 21


GERAL
Utilização

Utilizações não de acordo com o fim a que se destina são:


• Transporte de pessoas.
• Subida à instalação para outros fins que não os de manutenção e re-
paração.
• Funcionamento com dispositivos de proteção desmontados, defeitu-
osos ou contornados.
• Funcionamento não tendo sido efetuados trabalhos de manutenção
e de reparação ou não tendo sido efetuados adequadamente.
• Funcionamento não sendo cumpridos os intervalos de manutenção.
• Funcionamento sem serem efetuadas medições ou verificações
para a deteção precoce de danos ou desgaste.
• Carregamento com veículos pesados, dumper ou camiões basculan-
tes ou com pás ou de colheres da escavadora demasiado grandes
ou pequenas.
• Arrumação dos montes com aparelho inadequado, que leva a danos
nas cintas transportadoras.
• Funcionamento em condições climáticas inadequadas.
• Funcionamento no estado vertical.
• Funcionamento após alterações construtivas por iniciativa própria,
não autorizadas na instalação.
Não adequados à trituração na britadeira são:
• Material, que exceda a resistência à pressão e medidas especifica-
das.
Material demasiado grande ou duro leva a obstruções de material,
elevado desgaste e a danos da britadeira.
• Materiais inquebráveis como sucata.
Sucata, especialmente peças de aço endurecidas e maciças, condu-
zem também em carregamentos esporádicos a danos nos braços
oscilantes de impacto, travessas de impacto, cintas transportadoras
e noutros componentes móveis.
• Todos os outros materiais, que não são mencionados na utilização
para o fim a que se destina, como madeira, carvão, resíduos, lixo,
pedaços de minério e outros materiais não minerais.
Na britadeira não podem ser introduzidos:
• Materiais perigosos e explosivos.
• Químicos.
• Solventes, óleos e massas lubrificantes.
• Resíduos que contenham amianto, como p.ex. fibrocimento.
• Recipientes sob pressão.

1.02.03 Perigos residuais


Os perigos residuais foram analisados e avaliados antes do início da
construção e do planeamento da instalação.
Na documentação são indicados os perigos residuais existentes.

22 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


GERAL
condições climáticas

Poderá evitar os perigos residuais existentes transpondo para a prática


e respeitando as seguintes especificações:
• As advertências especiais na instalação.
• As indicações gerais de segurança expostas neste manual de instru-
ções e no manual de segurança.
• As advertências especiais neste manual de instruções.
• As instruções no manual de segurança.
• As instruções de operacionais da entidade operadora.
Na instalação pode ser originado risco de vida/perigo de ferimento para
pessoas através de, p.ex.:
• uso impróprio.
• manuseamento inadequado.
• transporte.
• dispositivos de proteção em falta.
• componentes avariados ou danificados.
• Manuseamento/utilização por pessoa não formado, nem instruído.
O meio ambiente pode ser colocado em risco pela instalação, p. ex., em
caso de:
• manuseamento inadequado.
• ingredientes de serviço, lubrificantes etc.
• emissões de ruído e de pó.
Danos materiais na instalação podem ser originados através e p.ex.:
• manuseamento impróprio.
• não cumprimento de especificações de funcionamento e de manu-
tenção.
• ingredientes de serviço inadequados.
Danos materiais noutros valores materiais no área de funcionamento da
instalação podem ser originados através de p.ex.:
• manuseamento impróprio.
Podem ser originadas restrições de desempenho ou de funcionalidade
na instalação através de p.ex.:
• manuseamento impróprio.
• manutenção ou reparação imprópria.
• ingredientes de serviço inadequados.

1.03 condições climáticas


A temperatura ambiente mínima ou máxima permitida da instalação é in-
dicada no cap. 5.01.01.07.
Temperatura ambiente baixa Em caso de tempo frio, o comportamento de arranque e o funcionamento
do motor diesel dependem dos seguintes itens:

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 23


GERAL
condições climáticas

• combustíveis utilizados.
• viscosidade do óleo do motor.
• estado das baterias do motor de arranque.
Conselhos para o funcionamento com tempo frio:
• Após o arranque, deixar o motor diesel a trabalhar até ser alcançada
uma temperatura de serviço de pelo menos 80 °C. O alcance da tem-
peratura de serviço correta evita que válvulas de admissão e de es-
cape fiquem presas.
• Após desligar o motor diesel, os sistemas de refrigeração e de lubri-
ficação não ficam imediatamente frios. Isto significa que o motor die-
sel pode permanecer desligado durante algumas horas, arrancando
de seguida sem qualquer problema.
• Abaixo dos 0 °C, utilizar combustível diesel para inverno com sufi-
ciente fluidez.
• Encher o lubrificante correto antes do início da época do ano fria.
• Verificar semanalmente todos os componentes de borracha (tubos
flexíveis, correias trapezoidais, etc.).
• Verificar todos os cabos elétricos e ligações em relação a pontos de
fricção e danificações no isolamento.
• Carregar e manter quentes as baterias do motor de arranque.
• Encher o depósito de combustível no final de cada turno de trabalho.
Em caso de condições de funcionamento especiais, terão, eventualmen-
te, que ser utilizados ingredientes de serviço adequados.

ATENÇÃO!
Perigo de lesões corporais e danos materiais
Em caso de utilização de álcool ou de outros líquidos auxiliares do arran-
que, existe perigo de ferimento e de explosão.
• Não utilizar auxílio de arranque aerossol, como p.ex. éter.

Temperatura ambiente A altitude acrescida ou a temperatura ambiente crescente afetam a po-


elevada, grande altura tência máxima do motor diesel, a qualidade dos gases de escape, o nível
da temperatura e, em caso extremo, o comportamento no arranque.
Se a instalação for utilizada a uma altitude superior a 1000 m ou a uma
temperatura ambiente acima dos 30 °C, é necessária uma redução da
quantidade de combustível injetado.
Chuva forte e trovoada Em caso de chuva forte, é possível entrar água da chuva na admissão
de ar do motor diesel a trabalhar. A água da chuva é, então, sugada para
as câmaras de combustão e conduz a um golpe de aríete que pode cau-
sar uma avaria do motor.
Conselhos para o funcionamento com chuva forte e trovoada:

24 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


GERAL
Indicações de segurança

• Desligue a instalação e o gerador diesel antes do início de chuvas


fortes e de trovoadas.
• Feche, se aberta, a carcaça da unidade de acionamento.
• Feche o armário de distribuição.
• Afaste-se da instalação, até a trovoada ter terminado.

PERIGO!
Tensão perigosa
O operação da instalação durante trovoadas pode atrair relâmpagos,
dando origem a ferimentos graves ou mesmo fatais, bem como a danos
materiais na instalação.
• Desligar a instalação e afastar-se da mesma até ter terminado a tro-
voada.
• Verificar o sistema elétrico após relâmpago.

Vento forte Por regra, é possível operar a instalação perante qualquer nível de ven-
to. O vento forte pode, porém, influenciar a formação de poeira no am-
biente circundante da instalação.
Influências devido a vento forte:
• Vento forte impede a formação perfeita da névoa de pulverização,
coletora de poeira, do sistema de pulverização (opção) e origina, as-
sim adicionalmente, uma maior disseminação de poeira.
• Vento forte pode influenciar a granulação do material transportado
devido ao esvoaçamento da proporção fina de material.
• Um direção de vento desfavorável pode contribuir para uma carga
reforçada das nervuras do radiador e filtros da unidade de aciona-
mento.
É possível reduzir, porém não eliminar completamente, a formação de
poeira através de uma utilização adicional de coberturas de cinta e de
calhas de deslize de descarga (Opções).

1.04 Indicações de segurança


Devido à utilização da instalação segundo o fim a que se destina, não foi
possível evitar o uso impróprio previsível, nem os perigos residuais sem
limitar a devida funcionalidade. Esta circunstância causa perigos de vida
e integridade física para o pessoal operacional, da manutenção e da as-
sistência, os quais podem, porém, ser minimizados mediante observân-
cia e cumprimento das indicações de segurança.

1.04.01 Manual de Segurança


Leia o manual de segurança disponibilizado em separado pela KLEE-
MANN GmbH. Este descreve todos os perigos gerais e formas de os evi-
tar, que possam surgir no manuseamento, manutenção e reparação da
instalação. O manual de segurança faz parte do manual de instruções.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 25


GERAL
Indicações de segurança

1.04.02 Proteção do ambiente


Material de embalagem, produtos de limpeza, ingredientes de serviço
usados ou residuais, bem como peças de desgaste desmontadas, como
cintas transportadoras, travessas de impacto, braços oscilantes de im-
pacto, maxilas da britadeira, forros de desgaste, borrachas de vedação,
etc. devem ser submetidos à reciclagem, de acordo com as regulações
relativas à proteção do ambiente em vigo no local de utilização.

1.04.03 Remoção
A proteção das bases naturais de subsistência é uma das tarefas mais
prioritárias. Uma remoção, adequada, evita efeitos negativos sobre o ser
humano e o meio ambiente e possibilita uma reutilização de matérias-pri-
mas valiosas.
Ingredientes de serviço
Eliminar ingredientes de serviço de acordo com as especificações cor-
respondentes e as respetivas regulamentações do país.
Materiais (metais, plásticos)
De forma a ser possível eliminar materiais, corretamente, estes devem
estar separados por tipo de material. Limpar partículas estranhas ade-
rentes dos materiais.
Eliminar materiais de acordo com as respetivas regulamentações do pa-
ís.
Sistema elétrico/eletrónico
Os componentes elétricos/eletrónicos não está subordinado à Diretiva
de REEE 2002/96/CE, nem à legislação nacional correspondente (na
Alemanha p.ex. ElektroG).
Enviar os componentes elétricos/eletrónicos directamente para uma em-
presa reciclagem especializada.

1.04.04 Indicações relativas aos componentes elétricos/eletrónicos


Preste atenção às seguintes indicações de segurança para dispositivos
elétricos/eletrónicos fornecidos mediante opção:
• Verifique o artigo imediatamente após a sua recepção em relação a
danos ou peças em falta.
• Não colocar aparelho avariados em funcionamento.
• Também cabos e ligações de ficha danificados constituem um risco
para a segurança e não podem ser utilizados.
• Dirija-se à sua sucursal KLEEMANN, que irá garantir, imediatamen-
te, uma substituição.
Montagem
Antes da montagem, manuseamento ou operação dos aparelhos, leia o
manual de instruções com atenção e integralmente. Se tiver dúvidas, di-
rija-se à sua sucursal KLEEMANN. Na montagem dos aparelhos só po-
dem ser utilizados os cabos originais da KLEEMANN. As fichas não

26 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


GERAL
Indicações de segurança

podem ser retiradas dos cabos, uma vez que estão protegidas contra
umidade e uma abertura iria destruir esta proteção. Assegure-se de um
bom aperto dos parafusos de fixação nas ligações de ficha. Poderá en-
contrar outras indicações de montagem para os aparelhos e sensores
nas fichas de dados ou manuais de utilização à parte.
Se os pontos acima mencionados não forem cumpridos, a KLEEMANN
GmbH não poderá assumir qualquer prestação de garantia para os apa-
relhos elétricos/eletrónicos.
Medidas de precaução
As medidas de precaução aqui recomendadas correspondem, por nor-
ma, às diretivas relativas à instalação e colocação em funcionamento de
equipamentos elétricos. Estas podem ser aplicadas a todas as aplica-
ções relacionadas com aparelhos KLEEMANN.
Ligação dos fios e cablagem
A ligação dos fios e cablagem devem ser efetuadas adequadamente, de
acordo com as indicações neste manual de instruções. Todas as linhas
de alimentação e bornes de ligação devem estar dimensionados para a
intensidade de corrente correspondente. Para além disso, todas as liga-
ções devem ser efetuadas de acordo com regulamentos da VDE ou os
respetivos regulamentos nacionais.
Segurança contra interferências
Os aparelhos foram concebidos para a utilização industrial e testadas de
acordo com isto. Apesar disso, a tecnologia de microprocessador coloca
algumas exigências à instalação. Por isso, alerta-se para as seguintes
características de instalação, que em caso de inobservância, levarão a
avarias posteriores:
• Prestar atenção à polaridade, adequada, das ligações.
• Não exceder ou descer abaixo da faixa da tensão de alimentação.
• Certificar-se de boas ligações elétricas entre as carcaças dos apare-
lhos e os componentes e o chassis da instalação, de forma a garantir
um bom funcionamento.
• Ligar linhas blindadas apenas unilateralmente à massa (do lado do
aparelho).
• Não alimentar directamente outros aparelhos através bornes de liga-
ção da tensão de alimentação.
• Não utilizar bornes livres como ligação para outras ligações ou apa-
relhos.
Fusíveis
Os aparelhos estão equipados com fusíveis, que protegem contra o cur-
to-circuito. As tensões de alimentação indicadas nos dados técnicos não
podem ser excedidas.
Configuração
Os aparelhos oferecem a possibilidade de uma configuração por parte
do utilizador. Em caso de uma reconfiguração, o utilizador é obrigado a
efetuar a mesma apenas de acordo com as circunstâncias da instalação.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 27


GERAL
Indicações de segurança

Zonas com risco de explosão


Não está prevista a utilização dos aparelho em zonas com risco de ex-
plosão.
Reparação de avarias
Antes de iniciar uma reparação de avarias, certifique-se de que estão in-
terrompidas todas as alimentações elétricas para o aparelho. Aparelhos
avariados devem ser analisados, numa área para fins de testes, adequa-
damente, equipada. Todas as tentativas de reparação de avarias num
aparelho que ainda se encontre instalado, poderão constituir um perigo
para o pessoal operacional e a instalação. Antes de remover ou substi-
tuir sensores que se encontrem no aparelho, certifique-se de que a ali-
mentação elétrica foi interrompida.
Em caso de dúvidas relativas à utilização e montagem, dirija-se à sua su-
cursal KLEEMANN.
Se as medidas de precaução supracitadas não forem seguidas, poderá
ser originada uma avaria do aparelho ou da instalação. Danos devido à
inobservância das medidas de precaução supracitadas, estão excluídos
da garantia do fabricante.

1.04.05 Zonas de perigo

2 1 2

Abb. 1.1: Zona de perigo


1 Zona de perigo Instalação
2 Zona de perigo Veículos de abastecimento e de carga
Durante o modo de operação automático e deslocamento da instalação,
não se podem encontrar pessoas na zona de perigo da instalação, bem
como dos veículos de abastecimento e de carga.
Nas seguintes situações, a zona de perigo pode, exclusivamente, ser
acedida por pessoal autorizado e habilitado estando a instalação parada
e segura:

28 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


GERAL
Indicações de segurança

• Para trabalho de manutenção, reparação e de assistência.


• Durante trabalhos de montagem, desmontagem e de modificação.
• Durante trabalhos de transporte decorrentes.

1.04.05.01 Distância de segurança

1 2
3

Abb. 1.2: Distância de segurança entre área de trabalho e de tráfego


1 Zona de tráfego
2 Distância de segurança
3 Área de trabalho
No caso da instalação ser operada, p.ex. em trabalhos de construção ro-
doviária ou em proximidade imediata de estradas públicas, deve ser
mantida a distância de segurança para a zona de tráfego.
A dimensão da distância de segurança entre área de trabalho e de trá-
fego deve, aí, corresponder às regulamentações nacionais.

1.04.06 Equipamento de extinção de incêndios


Para o combate ao incêndio na instalação, deve ser disponibilizado, pelo
menos, um extintor para as classes de incêndio A, B e C e com uma
quantidade de enchimento suficiente. Respeitar as regulamentações na-
cionais.
O extintor deve ser verificado por examinadores, especialistas na área,
pelo menos uma vez em 12 meses em relação à operacionalidade.
Familiarizar o pessoal operacional, de manutenção e da reparação com
o manuseamento do extintor. Para o efeito, é responsável a entidade
operadora da instalação.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 29


GERAL
Emissões e exposições

1.05 Emissões e exposições


Não podem ser efetuadas quaisquer alterações na instalação que origi-
nem o aumento das emissões de ruído, poeira e vibrações.
• Leia e respeite o manual de segurança.
• Se necessário, utilize a sua proteção auditiva pessoal e uma másca-
ra respiratória.
• Assegure-se de que estão instalados e encontram operacionais to-
dos os dispositivos para a minimização das emissões de ruído e de
pó.
• Não efetue quaisquer alterações na instalação.

1.05.01 Emissão de ruído


Nível de potência acústica
O nível de potência acústica da instalação é, por regra, ultrapassado na
zona de britagem pelo ruído do processo. O nível de potência acústica é
indicado no cap. 5.01.01.08.
Nível de pressão acústica das emissões
No modo de operação automático, a instalação é operada de forma to-
talmente automática sem pessoal operacional. Por isso, não existe ne-
nhum posto de trabalho determinado directamente atribuído, pelo que o
nível de pressão acústica das emissões não possui qualquer significado
imediato. O nível de pressão acústica das emissões é indicado no cap.
5.01.01.08.

ATENÇÃO!
Perigo de lesões auditivas
Ao trabalhar em proximidade imediata ou nas plataformas da instalação,
é excedido o nível autorizado de exposição diária ao ruído (LEX,8h) de
80 dB (A).
• Se necessário, utilize a sua proteção auditiva pessoal.

ATENÇÃO!
Perigo devido a comunicação perturbada
Devido à formação de ruído da instalação, a comunicação entre pessoas
pode ser perturbada e originar situações perigosas.
• Acordar sinais manuais claros para evitar equívocos. Se possível,
utilizar a radiotelefonia.
• Evitar a zona de perigo durante a operação, manutenção, montagem
e desmontagem e transporte da instalação.

30 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


GERAL
Emissões e exposições

1.05.02 Emissão de pó

ATENÇÃO!
Risco para a saúde
A inalação de pós pode levar a doenças graves.
• Utilize uma máscara respiratória.

Não é possível evitar totalmente a formação de pós durante a operação


da instalação, por motivos construtivos e processuais.
Sendo cumpridas algumas medidas, é, porém, possível minimizar emis-
sões de pó e perigos daí resultantes:
• Ative sempre o sistema de pulverização durante o funcionamento
(Equipamento opcional).
• Assegure uma orientação eficaz dos injetores de pulverização.
• Tenha sempre uma quantidade suficiente de água disponível. Con-
soante a quantidade dos injetores de pulverização utilizados entre
aprox. 5-10 m3 por camada.
• Mantenha os injetores de pulverização, as linhas de alimentação e
outros componentes da instalação da água na devida condição.
• Utilize coberturas de cinta e calhas de deslize de descarga (equipa-
mentos opcionais).
• Substitua isolamentos de pó defeituosos ou gastos.
Para mais informações em relação à formação e prevenção de pó e ao
sistema de pulverização, consulte o cap. 1.03 e o cap. 2.12.

1.05.03 Emissão de vibrações


No modo de operação automático, a instalação é operada de forma to-
talmente automática sem pessoal operacional. Por isso, não existe ne-
nhum posto de trabalho determinado directamente atribuído, pelo que as
emissões de vibrações não possuem qualquer significado.
Durante o funcionamento, a instalação emite, porém, carga vibratória.
Nas plataformas, que podem apenas ser acedidas por pessoal da manu-
tenção e reparação, o pessoal autorizado está exposto a uma carga vi-
bratória.
Sendo cumpridas algumas medidas, é, porém, possível minimizar emis-
sões de vibrações e perigos daí resultantes:
• Em caso de trabalhos de manutenção e de reparação, não se man-
tenha nas plataformas durante mais tempo do que o necessário.
• Aceda aos crivos vibratórios, às calhas de carregamento e de des-
carga apenas quando estas se encontrarem totalmente imobilizadas.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 31


GERAL
Sinalização

1.06 Sinalização

1.06.01 Plano de sinalização


Poderá encontrar o plano de sinalização no catálogo de peças sobres-
selentes.

1.06.02 Placas de aviso/autocolantes


Este segmento informa-o sobre a função especial das informações para
o operador. As indicações de perigos estão descritas no manual de se-
gurança.
Dobrar as paredes da tremonha
Dobrar e desdobrar as paredes da tremonha esquerdas, centrais e direi-
tas.

Bloquear as paredes da tremonha


Prender e desprender hidraulicamente a parede esquerda e direita da
tremonha na parede central da tremonha.

Unidade de crivagem posterior


Elevar e baixar a unidade de crivagem posterior. Fazer sair e recolher as
bases de apoio.

32 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


GERAL
Sinalização

Dobrar o transportador de cinta


Dobrar e desdobrar o transportador de cinta de forma hidráulica.

Cinta de retorno
Dobrar a cinta de retorno em cima e em baixo e bascular a cinta de re-
torno.

Comando local da britadeira de impacto


Abrir e fechar a tampa da entrada da britadeira, o braço oscilante de im-
pacto superior, a carcaça da britadeira e o braço oscilante de impacto in-
ferior.

Trabalhos de soldadura
Para a execução de trabalhos de soldadura na instalação, observar as
indicações no manual de instruções.

Braço oscilante da carga de engate


Respeitar a máxima carga de engate do braço oscilante.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 33


GERAL
Sinalização

Ponto de suspensão
Para a elevação de máquinas e componentes utilizar apenas os pontos
de suspensão marcados.

F20010031

Ponto de fixação
Para prender a instalação ou máquinas e componentes individuais, utili-
zar apenas os pontos de fixação marcados.

F20010035

Escoamento de combustível diesel


Utilizar apenas esta abertura de escoamento para escoar o combustível
diesel.
D

F20010032

Medidor da amplitude de oscilação da máquina de crivar


Em relação aos dados sobre o medidor da amplitude de oscilação da
máquina de crivar, consulte o cap. 4.45.08.

Medidor da amplitude de oscilação e calha transportadora oscilante


Em relação a dados sobre o medidor da amplitude de oscilação da calha
transportadora oscilante, consulte o cap. 4.43.03.02.

Setas do sentido de rotação


Sentido de rotação do veio primário de uma máquina de crivar.

34 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


GERAL
Sinalização

Escala da fenda da britadeira


Indicação da fenda da britadeira do braço oscilante de impacto superior.

Ponto de fixação
Determinar a posição das travessas de impacto. Os pontos de fixação
estão aplicados na polia de correia trapezoidal do rotor.

Retentor de segurança da britadeira de impacto


Indicação da posição protegida ou desprotegida do retentor de seguran-
ça da carcaça da britadeira de impacto.

1.06.03 Placas de características


Toda a marcação possui estatuto de certificado e não pode ser alterada
ou tornada irreconhecível.
O peso de transporte da instalação, bem como das máquinas, compo-
nentes e peças a transportar individualmente, poderá ser consultado no
cap. 6.01.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 35


GERAL
Pessoal - Qualificação e deveres

1.06.03.01 Placa de características da instalação

Kleemann
GmbH . Manfred-Wörner-Straße
Bezeichnung
Designation 160 . D-73033
Göppingen
Baureihe . Germany
/
Series / Type Typ

Seriennummer
Serial number

Baujahr
Year of construction

Leistungsdaten
Rating information

Betriebsgewicht
Operating
mass
Transportgewicht
Transport
mass Siehe Betriebsanleitung
/ See Instruction
Manual

F20009221

Abb. 1.3: Placa de características da instalação


1 Revestimento
2 Placa de características
Introduza os dados da placa de características na seguinte tabela:

Designação Dados
1. Série / Tipo
2. Número de série
3. Ano de construção
4. Dados de potência kW / kVA / Hz
5. Peso operacional
Tab. 1.1: Dados da placa de características

1.07 Pessoal - Qualificação e deveres


Todas as atividades na instalação podem apenas ser executadas por
pessoal autorizado.

36 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


GERAL
Pessoal - Qualificação e deveres

O pessoal autorizado deve:


• ter completado o 18.º ano de vida.
• possuir formação em primeiros socorros e ser capaz de os prestar.
• ter lido e compreendido o manual de segurança.
• conhecer e ser capaz aplicar as normas de prevenção de acidentes
e de segurança da instalação.
• ser formado e instruído, de acordo com as normas comportamentais,
em caso de avaria.
• dispor de capacidades físicas e psíquicas para a execução das suas
responsabilidades, tarefas e atividades na instalação.
• ser formado e instruído de acordo com as suas responsabilidades,
tarefas e atividades na instalação.
• ter compreendido, sendo capaz de uma aplicação prática, a docu-
mentação técnica relativa às suas responsabilidades, tarefas e ativi-
dades na instalação.
Antes de colocar a instalação em funcionamento, leia:
• o manual de instruções.
• o manual de segurança.
Só se podem encarregar de uma operacionalização e deslocamento
autónomos da instalação pessoas que adicionalmente:
• sejam instruídas em termos de operação e deslocamento da instala-
ção.
• tenham comprovado a sua habilitação para o efeito perante a entida-
de operadora.
• consigam desempenhar as suas tarefas com fiabilidade.
Estas devem ser determinadas, pela entidade operadora da instalação,
para a operação e deslocamento da instalação.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 37


GERAL
Pessoal - Qualificação e deveres

Siga as seguintes indicações:


• Familiarize-se com o equipamento da instalação.
• Desloque a instalação apenas, quando se tiver familiarizado com os
elementos operacionais e de comando, bem como com o funciona-
mento.
• Conheça a sua área de trabalho.
• Utilize a instalação apenas para o fim a que se destina.
• Utilize para o transporte e montagem de componentes e peças pe-
sadas meios de elevação e de fixação adequados.
• Utilize o seu equipamento pessoal de proteção, como por exemplo
sapatos de segurança, capacete de proteção e proteção auditiva.
• Se forem detetados defeitos nos dispositivos de segurança, informe
imediatamente a entidade operadora da instalação.
• Se forem detetados outros defeitos, que afetem o funcionamento se-
guro da instalação, informe imediatamente a entidade operadora da
instalação.
• Em caso de defeitos que constituam perigo para pessoas, desativar
imediatamente a instalação.
• Se forem detetadas reconstruções ou alterações na instalação, que
afetem o funcionamento seguro da mesma, informe imediatamente
a entidade operadora da instalação.
• Preste atenção aos seguintes objetos fixados na instalação:
– marcações de segurança.
– marcações de proteção da saúde.
– Indicações de segurança.
• Leia as normas de segurança e indicações criadas adicionalmente
pela entidade operadora da instalação para casos especiais.
• Verifique a integralidade e legibilidade da(s)
– marcação de segurança.
– marcação de proteção da saúde.
– indicações de segurança (placas de aviso, autocolantes, picto-
gramas).
• Antes de iniciar o trabalho informe-se sobre
– primeiros socorros.
– Possibilidades de salvamento (paramédico, corpo de bombeiros,
helicóptero).
• Certifique-se da existência de uma caixa de primeiros socorros com
conteúdo de acordo com as normas.
Sinalizador de manobras Os sinalizadores de manobras são necessários sempre que o condutor
não possuir suficiente visibilidade para o trajeto de deslocamento ou de
transporte.
Para a sinalização de manobras autónoma de instalações só podem ser
encarregues pessoas que adicionalmente:

38 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


GERAL
Pessoal - Qualificação e deveres

• possuam formação na sinalização de manobras da instalação.


• tenham comprovado a sua participação, bem sucedida, na forma-
ção.
• tenham comprovado a sua habilitação para o efeito perante a entida-
de operadora da instalação.
• consigam desempenhar as suas tarefas com fiabilidade.
Estas devem ser determinadas, pela entidade operadora da instalação,
para a sinalização de manobras da instalação.
De forma a evitar equívocos, devem ser utilizados sinais de mãos claro,
p.ex. de acordo com a regulamentação da lei federal alemã "Marcação
de segurança e de proteção da saúde no local de trabalho (BGV A 8).
Respeite as seguintes indicações:
• Familiarize-se com as dimensões da instalação e do veículo de
transporte.
• Vista um colete refletor na sinalização de manobras.
• A sinalização de manobras pode ser efetuada através de sinais de
mãos aquando do deslocamento da instalação e, de preferência,
através de radiotelefonia no carregamento da instalação com uma
grua.
• O significado dos sinais de mãos e sinais no geral deve ser esclare-
cido, de forma indubitável, entre o condutor e o sinalizador de mano-
bras antes de iniciarem a atividade.
Pessoal de assistência e de A responsabilidade do pessoal da assistência, reparação e manutenção
manutenção recai sobre:
• o estado bem legível das indicações de segurança e de perigo.
• a proteção da instalação de utilização não autorizada.
• a combinação dos trabalhos de manutenção e de reparação com a
entidade operadora da instalação.
• a operação da instalação, exclusivamente, se esta estiver funcional
e segura em termos de funcionamento.
• a execução segura e adequada dos trabalhos de assistência, repa-
ração e manutenção.

1.07.01 Equipamento pessoal de proteção


Todos os componentes do equipamento pessoal de proteção devem ser
utilizados em todas as atividades na instalação descritas neste manual
de instruções:
• Capacete de proteção.
• Sapatos de segurança.
• Luvas de proteção.
• Vestuário de sinalização.
Nas condições laborais correspondentes devem, adicionalmente, ser uti-
lizados os seguintes equipamentos de proteção:

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 39


GERAL
Estados de revisão

• Proteção auditiva.
• Óculos de proteção.
• Máscara respiratória.

1.07.02 Formações disponibilizadas


De forma a transmitir as correspondentes qualificações ao pessoal ope-
racional, de manutenção e da assistência, a KLEEMANN GmbH oferece
uma série de possibilidades de formação, que formam as bases para
uma utilização perfeita e segura das instalações.
As formações podem ocorrer na KLEEMANN GmbH ou directamente na
entidade operadora, no local.
• Princípios básicos da técnica de britagem e crivagem.
• Estrutura e modo de funcionamento das instalações.
• Princípios básicos do funcionamento das instalações.
• Manutenção e reparação.
• Princípios básicos do sistema elétrico.
• Princípios básicos do sistema hidráulico.

1.07.03 Contacto para operação e manutenção


Pode encontrar os contactos correspondentes para a operação, manu-
tenção e assistência em "Serviço de apoio ao cliente" na página inicial
da KLEEMANN GmbH: www.kleemann.info

1.08 Estados de revisão


Alterações ao manual de instruções K017 MR110Z

Data Estado da revisão Alteração Válida a partir do N.º de


Série:
29.03.2010 F20012227_A • Nova versão K017-0001
16.07.2010 F20014965_A • Revisão e alargamento dos conteúdos K017-0003
para o início de série
02.02.2012 2240805_00 • Introdução das placas de interruptores K017-0045
simbolizadas, revisão dos conteúdos

40 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Estados de revisão

2 DESCRIÇÃO
Neste capítulo são descritas as funções da instalação e dos grupos
construtivos.
Os números de posição em ilustrações de grupos construtivos estão
identificados com parêntesis redondos () no texto.
Os números de posição nas ilustrações individuais estão identificados
com parêntesis retos [ ] no texto.
Respeite, na execução de todas as atividades, as indicações contidas no
seu Manual de Segurança!
Equipamentos de série e opcionais
Este manual de instruções descreve todos os equipamentos de série e
opcionais da instalação. Os equipamentos opcionais estão marcados
com "Opção". Todas as máquinas ou componentes não identificados
com "Opção" referem-se ao equipamento de série da instalação.

1 2 3 4 5 6

7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Abb. 2.1: Visão geral da instalação


(1) Tremonha de carregamento
(2) Crivo preliminar
(3) Britadeira de impacto
(4) Unidade de acionamento
(5) Separador magnético (Opção)
(6) Cinta de descarga da britadeira
(7) Calha de carregamento
(8) Chassis
(9) Cinta do crivo preliminar (opção)
(10) Bypass
(11) Calha de descarga

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 41


DESCRIÇÃO
Estados de revisão

(12) Trem de rodagem


(13) Cinta de retorno (opção)
(14) Cinta de entrega (opção)
(15) Crivo de triagem (opção)
(16) Cinta de grão fino (opção)
O material é carregado para a tremonha de carregamento (1) com auxílio
de uma escavadora ou carregadora de rodas. A calha de carregamento
(7) transporta o material para o crivo preliminar (2).
O crivo preliminar separa o material recebido consoante o revestimento
do crivo montado:
a) Plataforma superior coberta com chapa perfurada de aço ou grelha
fendida (opção), plataforma inferior coberta com revestimento de
borracha:
• Material grosseiro que não trespassa a plataforma superior do
crivo preliminar, vai diretamente para a britadeira de impacto (3).
• Material que trespasse a plataforma superior, é transportado pelo
revestimento de borracha e bypass (10), passando pela britadei-
ra, diretamente para a calha de descarga (11).
É utilizado, p.ex. para material de carregamento limpo, de forma a
transportá-lo na integridade até ao produto final, sem prescindir da
vantagem da crivagem preliminar e, por conseguinte, do alívio da bri-
tadeira.
b) Plataforma superior equipada com chapa perfurada de aço ou grelha
fendida (opção), plataforma inferior equipada com revestimento do
crivo (opção):
• Material grosseiro que não trespassa a plataforma superior do
crivo preliminar, vai diretamente para a britadeira de impacto (3).
• Material que trespasse a plataforma superior, mas não a platafor-
ma inferior, é transportado através do bypass (10), passando
pela britadeira, diretamente para a calha de descarga (11).
• O material que trespassa a plataforma inferior do crivo preliminar
é transportado sobre a cinta do crivo preliminar (9) para montes
ou uma instalação a jusante.
c) Plataforma superior coberta com painel cego (opção):
• Todo o material de carregamento entra para a britadeira. A criva-
gem preliminar não está ativa.
É utilizada, p. ex., na trituração de pedaços de asfalto, pois aqui é
necessário conduzir todo o material de carregamento para a britadei-
ra.
d) Plataforma superior com chapa perfurada de aço ou grelha fendida
(opção), plataforma inferior não revestida:
• Material grosseiro que não trespassa a plataforma superior do
crivo preliminar, vai diretamente para a britadeira de impacto (3).

42 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Estados de revisão

• O material que trespasse a plataforma superior é conduzido di-


retamente para a cinta do crivo preliminar (9). Nessa situação, o
bypass (10) permanece inutilizado.
É utilizado, p. ex., caso apenas deva ser crivado preliminarmente um
tamanho de grão.
A britadeira de impacto (3) tritura os grãos sobre dimensionados do crivo
preliminar, consoante o ajuste da fenda da britadeira para um tamanho
de grão final com percentagem de grãos sobre dimensionados, e entre-
ga-os à calha de descarga (11). Dai vai para a cinta de descarga da bri-
tadeira (6).
A cinta de descarga da britadeira (6) transporta o material para montes
ou para uma instalação de britagem ou crivagem a jusante.
O separador magnético (5) extrai os elementos ferrosos do material e
lança-os para fora para um contentor colocado de lado.
Unidade de crivagem posterior (opção)
A cinta de descarga da britadeira (6) lança o material para a plataforma
do crivo de triagem (15):
• Material que não trespasse a plataforma do crivo de triagem é con-
duzido de volta para a tremonha de carregamento (1), através da cin-
ta de entrega (12) e da cinta de retorno (13).
Em alternativa, a cinta de retorno (13) também pode ser virada para
fora, de modo a transportar os grãos sobre dimensionados do crivo
de triagem para montes ou uma instalação a jusante.
• Material que trespassa a plataforma do crivo de triagem, chega à cin-
ta de grão fino (16) e é transportado para montes ou uma instalação
a jusante.

13
1

7
2 6
3
9
15
16
14
11

Abb. 2.2: Fluxograma


(1) Tremonha de carregamento
(2) Crivo preliminar

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 43


DESCRIÇÃO
Estados de revisão

(3) Britadeira de impacto


(6) Cinta de descarga da britadeira
(7) Calha de carregamento
(9) Cinta do crivo preliminar (opção)
(11) Calha de descarga
(13) Cinta de retorno (opção)
(14) Cinta de entrega (opção)
(15) Crivo de triagem (opção)
(16) Cinta de grão fino (opção)
O fluxograma ilustra o fluxo do material dentro da instalação. Os tama-
nhos de grãos resultantes dependem do material carregado, da amplitu-
de de fenda da britadeira ajustada, dos revestimentos do crivo montado
e de outros fatores.
Modos de operação
A instalação é operada em quatro modos de operação distintos:
• Modo automático
• Modo manual
• Modo de reparação
• Modo de condução
Modo automático Durante o modo automático, todas as funções de segurança mecânicas
e elétricas estão ativas. Os acionamentos individuais estão reciproca-
mente bloqueados através do comando da instalação de acordo com o
fluxo de material.
Após a atribuição da autorização de arranque, a instalação pode ser co-
locada a trabalhar através do botão "LIG Instalação". Todos os aciona-
mentos são colocados a trabalhar de acordo com a sequência de
ativação. Este modo de operação é utilizado na operação de trituração
normal.
Modo manual Durante o modo manual, também estão ativas todas as funções de se-
gurança mecânicas e elétricas. A diferença relativamente ao modo auto-
mático reside na falta do bloqueio recíproco dos acionamentos.
Após a atribuição da autorização de arranque é possível colocar a traba-
lhar combinações arbitrárias de acionamentos individuais da instalação.
Este modo de operação serve principalmente para a reparação de ava-
rias, p. ex., em caso de obstruções de material.
Modo de reparação No modo de reparação é necessário que estejam satisfeitas as seguin-
tes condições:
• A instalação está desligada.
• O interruptor principal está desligado e protegido contra uma reativa-
ção.
• O armário de distribuição está trancado.
• Está afixada a placa de aviso contra reativação.

44 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Dispositivos de segurança/chassis

Deixa de ser possível um arranque dos acionamentos elétricos. É assim


possível remover dispositivos de proteção para a realização de trabalhos
de manutenção e de reparação.
O gerador diesel pode ser colocado a trabalhar se, p. ex., for necessária
corrente através dos circuitos elétricos extraídos para a realização dos
trabalhos de manutenção e de reparação.
Modo de condução O modo de condução é utilizado para o transporte e deslocamento da
instalação. A condução faz-se através do controlo remoto por cabo ou si-
nal de rádio. No modo de condução apenas estão disponíveis funções
limitadas, como p. ex., conduzir ou ligar e desligar componentes indivi-
duais. Não é possível ligar e desligar a instalação.
Os modos de operação "modo automático", "modo manual" e "modo de
condução" são selecionados através do ecrã tátil (consulte o cap.
3.01.01).

2.01 Dispositivos de segurança/chassis

2.01.01 Indicações de operação e de perigo


A sinalização (indicações de perigo, de proibição, de obrigação e de ope-
ração) deve estar aplicada na instalação e encontrar-se num estado bem
legível. As indicações aplicadas diretamente na instalação devem ser
respeitadas.
Poderá encontrar uma vista geral da sinalização no catálogo de peças
sobresselentes.
As indicações de perigo, de proibição, de obrigação e de operação estão
descritas no cap. 1.06.02.

2.01.02 Chassis com barras de guiamento

Abb. 2.3: Chassis com barras de guiamento

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 45


DESCRIÇÃO
Dispositivos de segurança/chassis

(1) Chassis do lado do carregamento


(2) Deslocamento Separador magnético
(3) Chassis Lado de descarga
(4) Acionamento das lagartas
(5) Barras de guiamento
O chassis é composto por chapas de aço e tubos perfilados com solda-
dura. As barras de guiamento (5) estão soldadas com o chassis.
No chassis são fixados manualmente os deslocamentos, suspensões,
apoios das máquinas individuais, bem como os componentes, como
p.ex. a tremonha de carregamento, as calhas transportadoras vibrató-
rias, a britadeira, o transportador de cinta e o separador magnético.

2.01.03 Plataformas

3
4

1 6

Abb. 2.4: Plataformas e escadas


[1] Subida
[2] Plataforma para o crivo preliminar e britadeira
[3] Proteções anti-queda
[4] Plataforma entre a britadeira e a unidade de acionamento
[5] Plataforma para o depósito de diesel e britadeira
[6] Plataforma por baixo do crivo preliminar e calha de carregamento
[7] Escada
As escadas e plataformas permitem o acesso às máquinas e componen-
tes da instalação.
As proteções anti-queda impedem que pessoas caiam abaixo de plata-
formas na zona da subida.
As escadas podem ser desengatas ou levantadas para o transporte da
instalação.

46 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Dispositivos de segurança/chassis

ATENÇÃO!
Perigo de queda
A colocação incorreta de plataformas, escadas, corrimãos e proteções
anti-queda pode originar a queda de pessoas.
• Certificar-se de que as plataformas, escadas, corrimãos e proteções
anti-queda estão devidamente colocadas.

2.01.04 Iluminação/dispositivos de aviso

3 1 2

Abb. 2.5: Luz de advertência e sirene de aviso


[1] Luz de advertência
[2] Sirene de aviso
[3] Antena de recepção para controlo remoto por rádio
A luz de advertência [1] e a sirene de advertência [2] acende ou toca du-
rante aprox. 7 segundos após ativação da autorização de arranque.
Após emergência de uma perturbação ou ativação de uma paragem de
emergência estas permanecem ativas até a perturbação ser confirmada
no painel de comando.
A luz de advertência está fixada num mastro que é deslocado para fora
e fixado por aperto antes da instalação ser colocada a funcionar.
A sirene de advertência está fixada na parte exterior do armário de dis-
tribuição.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 47


DESCRIÇÃO
Dispositivos de segurança/chassis

Abb. 2.6: Iluminação


[1] Farol de halogéneo (opção)
Os faróis de halogénio [1] estão fixados num mastro de forma a poderem
ser girados e inclinados. Através destes é possível iluminar, individual-
mente, a área de trabalho.
Só é possível ativar a iluminação, após ativação da tensão de comando.

2.01.05 Tomadas no chassis


Tomadas Cinta do crivo preliminar

1 2 3 4

Abb. 2.7: Tomadas Cinta do crivo preliminar


[1] Ligação Paragem de emergência Cinta do crivo preliminar

48 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Dispositivos de segurança/chassis

[2] Ligação Acionamento Cinta do crivo preliminar


[3] Ligação Paragem de emergência Instalação (opção)
[4] Ligação Acionamento Balança da cinta (opção)
As tomadas estão aplicadas em ambos os lados do chassis, de forma a
ser possível montar a cinta do crivo preliminar, facultativamente, do lado
esquerdo ou direito.
De forma a ser possível operar ou deslocar a instalação sem a cinta do
crivo preliminar, têm de ser inseridas fichas cegas nas tomadas de para-
gem de emergência.
Tomadas da unidade de crivagem posterior (opção)

1 2 3 4 5 6 7

Abb. 2.8: Tomadas da unidade de crivagem posterior


[1] Ligação Acionamento Cinta de grão fino
[2] Ligação Acionamento Cinta de descarga da britadeira
[3] Ligação Acionamento Crivo de triagem
[4] Ligação Paragem de emergência Cinta de grão fino esquerda
[5] Ligação Paragem de emergência Cinta de grão fino direita
[6] Ligação Balança da cinta de grão fino (opção)
[7] Ligação Balança da cinta de descarga da britadeira (opção)
[8] Ligação Acionamento Cinta de entrega

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 49


DESCRIÇÃO
Dispositivos de segurança/chassis

9 10

Abb. 2.9: Tomadas da cinta de retorno


[9] Ligação Paragem de emergência Cinta de retorno
[10] Ligação Acionamento Cinta de retorno
De forma a ser possível operar ou deslocar a instalação sem a unidade
de crivagem posterior, têm de ser inseridas fichas cegas nas tomadas de
paragem de emergência.
Tomadas Separador magnético

1 2

Abb. 2.10: Tomadas do separador magnético


[1] Ligação Acionamento Separador magnético
[2] Ligação Eletroíman
Se a instalação for operada sem o separador magnético, as tomadas de-
vem ser cobertas com uma tampa cega para a proteção contra pó e su-
jidade.

50 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Dispositivos de segurança/chassis

2.01.06 Dispositivos de proteção


Os dispositivos de proteção podem ser removidos ou abertos com auxí-
lio de ferramentas ou de chaves especiais e devem estar bem fixas du-
rante o funcionamento e trabalhos de manutenção rotineiros. Podem ser
retirados para trabalhos de reparação.
Dispositivos de proteção da instalação

Abb. 2.11: Dispositivos de proteção da instalação I


[1] Cobertura de proteção Acionamento do crivo Crivo preliminar
[2] Cobertura Transmissão por correia Britadeira
[3] Cortina de correntes e de borracha
[4] Cobertura de proteção Desvio dos braços oscilantes de impacto
[5] Coberturas de proteção Segmentos de desequilíbrio Acionamento
do crivo
[6] Dispositivo de proteção Cilindro hidráulico

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 51


DESCRIÇÃO
Dispositivos de segurança/chassis

7 8

Abb. 2.12: Dispositivos de proteção da instalação II


[7] Cobertura de proteção Segmentos de desequilíbrio Crivo de tria-
gem
[8] Cobertura de proteção Acionamento do crivo de triagem
As cortinas de correntes e de borracha impedem que o material seja lan-
çado para fora da britadeira. Elas estão aplicadas na tampa da entrada
da britadeira e podem ser levantadas e baixadas sobre esta.
Os dispositivos de proteção dos cilindros hidráulicos na tremonha de car-
regamento estão aplicados no lado da haste do cilindro. Eles servem
também para prender a parede esquerda e direita da tremonha. Ao des-
dobrar das paredes da tremonha, também os dispositivos de proteção
baixam.
Dispositivos de proteção dos transportadores de cinta

1 2 3 4 5 6

52 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Dispositivos de segurança/chassis

Abb. 2.13: Dispositivos de proteção dos transportadores de cinta


[1] Proteção das polias de retorno
[2] Barras de guiamento de material
[3] Proteção do ramal inferior, em baixo
[4] Proteção do tambor de inversão
[5] Proteção do tambor de acionamento
[6] Proteção das polias de retorno
Os dispositivos de proteção dos transportadores de cinta protegem de
perigos recolhendo e enrolando e de quedas laterais do material. Estão
aplicados em todos os transportadores de cinta, desde que necessário
para prevenção de perigos.
Os dispositivos de proteção devem estar ajustados de modo a que a fen-
da no local de recolha tenha o tamanho máximo de 5 mm.
Proteções de componentes

1 2 3

Abb. 2.14: Proteções de componentes


[1] Pino de mola
[2] Corrente de proteção
[3] Cavilhas de encaixe
As cavilhas de apoio e de encaixe com os quais estão montados os com-
ponentes e peças, estão seguradas com pinos de mola. Se não estive-
rem montados componentes ou peças da instalação, as cavilhas de
encaixe e pinos de mola devem ser guardados para a reutilização.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 53


DESCRIÇÃO
Dispositivos de segurança/chassis

2.01.07 Dispositivos de paragem de emergência


Dispositivos de paragem e de desativação de emergência da insta-
lação

1 2

Abb. 2.15: Dispositivos de paragem de emergência da instalação


[1] Botão de desativação de emergência no armário de distribuição
[2] Botão de paragem de emergência na instalação
Através do botão de paragem de emergência [2] da instalação são des-
ligados todos os acionamentos da instalação à exceção do gerador die-
sel. A britadeira é desligada após um período de desativação definido.
O botão de desativação de emergência [1] no armário de distribuição
desliga toda a instalação inclusive o gerador diesel.
O desbloqueio dos botões de paragem e de desativação de emergência
é efetuado mediante rotação do botão. Os componentes e máquinas da
instalação têm depois de ser reiniciados através do ecrã tátil no armário
de distribuição.

54 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Dispositivos de segurança/chassis

Dispositivos de paragem de emergência nos transportadores de


cinta

Abb. 2.16: Dispositivos de paragem de emergência nos transportado-


res de cinta
[1] Corda de comando
[2] Interruptor de paragem de emergência
A corda de comando [1] está aplicado em olhais ao longo de ambos os
lados do transportador de cinta. O interruptor de paragem de emergência
[2] é ativado mediante o puxar da corda de comando, desativando todos
os acionamentos da instalação do gerador diesel. A britadeira é desliga-
da após um período de desativação definido.
O desbloqueio do interruptor de paragem de emergência é efetuado me-
diante a reposição da alavanca para a posição central. Os componentes
e máquinas da instalação têm depois de ser reiniciados através do painel
de comando no armário de distribuição.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 55


DESCRIÇÃO
Posto de comando

2.02 Posto de comando

Abb. 2.17: Posto de comando da instalação


(1) Posto de comando
(2) Revestimento
A partir do posto de comando são controladas todas as funções da ins-
talação durante a colocação em funcionamento e durante os trabalhos
de ajuste e de manutenção.
O posto de comando pode ser acedido mediante o levantamento da tam-
pa do armário de distribuição do revestimento. A tampa do armário de
distribuição é mantida na posição de aberta com auxílio de hastes teles-
cópicas.
As tampas individuais do revestimento devem ser abertas e fechadas
através de um punho e podem ser trancadas através de uma chave de
quadrado. A tampa do acionamento da correia está protegida adicional-
mente com dois trincos.
Durante a operação regular de trituração, a instalação é comandada, ex-
clusivamente, através do controlo remoto por rádio. Não é, por isso, ne-
cessária a permanência do operador no posto de comando.
Durante a operação regular de trituração, a tampa do armário de distri-
buição do revestimento deve ser mantida fechada, de forma a evitar a
entrada de pó e água.
Durante os trabalhos de ajuste e de manutenção sem carregamento de
material, a tampa do armário de distribuição pode ficar aberta para fins
de manuseamento e comando. Neste caso, ela serve de proteção contra
intempéries para o pessoal operacional, de manutenção e de reparação.
O manual de instruções e outros documentos técnicos encontram-se no
porta-documentos no armário de distribuição.

56 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Posto de comando

2.02.01 Interruptor principal

1 2

Abb. 2.18: Interruptor principal


[1] Seletor das posições de operação
[2] Bloqueio do fecho
[3] Botão de ativação manual
O interruptor principal liga ou separa todos os consumidores da instala-
ção do gerador diesel. As tomadas dos circuitos elétricos excluídos não
são conectadas ou separadas (consulte o cap. 2.06.06).
Na posição de operação "Auto", o interruptor principal é ativado através
do ecrã tátil. Na posição de operação "Manual", só poderá ser ativado
através do botão de ativação manual [3]. Na posição de operação "Fe-
chadura", o bloqueio do fecho [2] do interruptor principal pode ser puxa-
do para fora, de forma a protegê-lo contra reativação por meio de um
cadeado.
Se surgir uma subtensão ou uma falha de um disjuntor diferencial, o in-
terruptor principal é desencadeado. Depois disso, é necessário voltar a
ligar a instalação através do painel de comando da instalação.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 57


DESCRIÇÃO
Posto de comando

2.02.02 Painéis de comando/interfaces

3 4 5 6 7 8 9

Abb. 2.19: Painel de comando

58 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Posto de comando

Pos.: Elemento de comando/de in- Funcionamento


formação
[1] Botão de desativação de Desativação de emergência da instalação, consulte o cap.
emergência 2.01.07
[2] Ecrã tátil Interface para operar a instalação e definir diferentes parâme-
tros, consulte a descrição "Ecrã tátil"
[3] Interruptor de chave da tensão Ligar/desligar a tensão de comando da instalação
de comando
[4] Confirmar o botão Avaria Confirmação de avarias e paragem de emergência
[5] Botão Autorização de arran- Indicação da autorização de arranque e confirmar
que
[6] Botão LIG Instalação Ligar a instalação
[7] Botão Desligar instalação Desligar instalação
[8] Interruptor rotativo do controlo Ligar/desligar a instalação através de utilização do controlo re-
remoto por rádio moto por rádio
[9] Interruptor rotativo da ilumina- Ligar/desligar faróis da instalação
ção
Tab. 2.1: Elementos de comando do painel de comando

Funções gerais dos elementos de comando


Interruptores de chave
Os interruptores de chave são acionados com auxílio de uma chave. Só
é possível inserir ou retirar a chave na posição de desligado.

Interruptor rotativo
O interruptor rotativo é acionado mediante rotação. Mediante rotação
para a esquerda ou direita, é ativada ou desativada a função pretendida.
Existem interruptores rotativos no modo de funcionamento de ajuste ou
por tentativa.
Botão
Este elemento de comando é acionado mediante pressionamento.
• Pressionando, ativa-se a respetiva função e o botão acende.
• Voltando a pressionar, a função correspondente volta a ser desativa-
da e o botão apaga.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 59


DESCRIÇÃO
Posto de comando

2.02.02.01 Ecrã tátil

2 6

Abb. 2.20: Ecrã tátil


[1] Área de mensagens de informação e de alarme
[2] Área de comando e de indicação condicionada pela situação
[3] Área de comando e de indicação estática
[4] Informações do utilizador, data e hora
[5] Elementos de comando e de indicação
[6] Superfície sensível ao toque
[7] Grelha de luz de infravermelhos
O ecrã tátil permite, através dos elementos de comando e de indicação,
a operação da instalação e a exibição do atual estado de operação.
A operação ocorre se a grelha de luz de infravermelhos [7] for interrom-
pida com um dedo ou um objeto adequado, com pelo menos Ø 7 milíme-
tros. Para o efeito, o ecrã tátil não precisa ser tocado.
Por regra, durante o modo normal, de reparação e de condução, o ecrã
tátil está subdividido em três áreas:

60 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Posto de comando

• Área de comando e de indicação estática [3] com acesso às configu-


rações do utilizador, informações de componentes, menus princi-
pais, mensagens de erro e outros.
• Área de comando e de indicação condicionada pela situação [2] com
acesso a componentes e funções da instalação.
• Área de mensagens de informação e de alarme que pode ser torna-
da visível ou ocultada[1] com mensagens de estado e informações
atuais.
Elementos de comando acionados são apresentados visualmente como
estando premidos ou invertidos, de modo a fornecer ao utilizador uma
impressão realista.

2.02.02.02 Painel de comando do motor diesel

4 5 6

7
3

15 14 13 12 11 10

Abb. 2.21: Painel de comando do motor diesel


[1] Lado para baixo ou diminuir valor
[2] Lado para cima ou aumentar valor
[3] Display de cristais líquidos
[4] Folhear os modos de operação para trás
[5] Folhear os modos de operação para a frente

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 61


DESCRIÇÃO
Posto de comando

[6] Colocar o motor diesel a trabalhar


[7] Parar o motor diesel
[8] LED Motor diesel OK
[9] LED Motor diesel com falha
[10] Repor avaria
[11] Repor sirene de aviso
[12] LED Circulação de dados ativa
[13] Saída da ligação de carga/saída do binário de acoplamento Lig/
Deslig
[14] Mudar a representação Medição, Ajuste, Histórico no display de
cristais líquidos
[15] Confirmar a introdução/Valor
Para iniciar e parar a unidade de acionamento e definir parâmetros, uti-
lizar sempre o ecrã tátil. Utilizar o painel de comando do motor diesel
apenas em caso de falha do ecrã tátil. Encontra-se no lado de trás da
porta do armário de distribuição do painel de comando.
O painel de comando do motor diesel permite o arranque e paragem da
unidade de acionamento. Os parâmetros podem ser ajustados ou cha-
mados através do teclado de película.
Funções e combinações de teclas

Funcionamento Combinação de teclas Página atual


Aumentar contraste Enter - Página Para cima Página principal
Diminuir o contraste Enter - Página Para baixo
Janela de informações Enter - Página
Modo de operação local LIG Enter - Mode >
Modo de operação local DESLIG Enter - Mode <
Edição rápida Premir Enter durante 4 segundos
Repor falha/avaria Fault reset Lista de alarmes
Repor falha/avaria ECU Fault reset Lista de alarmes ECU
Aumentar as rotações do motor Página Para cima Edição rápida
Diminuir as rotações do motor Página Para baixo
Confirmar e abandonar Enter
Abandonar sem confirmar Página
Aumentar a iluminação do plano de Enter - Página Para cima Página das informações
fundo
Diminuir a iluminação do plano de Enter - Página Para baixo
fundo
Mudança para a página do idioma Página
Abandonar a página das informa- Após 10 segundos volta automatica-
ções mente para a página principal

62 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Posto de comando

Funcionamento Combinação de teclas Página atual


Selecionar o idioma Página Para cima, Página Para baixo Página dos idiomas
Abandonar a página dos idiomas Enter
ECU = Electronic Control Unit (unidade de controlo eletrónica do motor).

2.02.03 Conversor de frequência


Conversor de frequência Interruptor principal

Abb. 2.22: Interruptor principal do conversor de frequência


[1] Conversor de frequência Interruptor principal
Os interruptores principais dos conversores de frequência estão instala-
dos no armário de distribuição. Eles ficam acessíveis após abrir as res-
petivas portas do armário de distribuição.

AVISO
Perigo de danos materiais
A comutação do interruptor principal do conversor de frequência com a
instalação a trabalhar pode originar danos no sistema elétrico.
• Desligar os componentes da instalação, o gerador diesel e o inter-
ruptor principal da instalação.
• Comutar o interruptor principal do conversor de frequência apenas
quando a instalação se encontrar no estado sem corrente.

Os interruptores principais têm duas posições de comutação:

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 63


DESCRIÇÃO
Posto de comando

• Posição de ligação 1 = Funcionamento em rede elétrica: Todos os


consumidores são alimentados com frequência nominal pelo gera-
dor diesel.
• Posição de ligação 2 = Funcionamento com conversor de frequên-
cia: Os consumidores conectados ao conversor de frequência são
regulados pelo mesmo.
Conversor de frequência Módulo de comando

3
1

4
5

Abb. 2.23: Conversor de frequência


[1] Carcaça do conversor de frequência
[2] Display
[3] Tecla de programação
[4] Teclas comando
[5] Ranhura Smartstick/Logicstick (opção)
Os conversores de frequência de corrente trifásica permitem a regulação
do número de rotações dos motores de vibração da calha de carrega-
mento e também do acionamento do crivo preliminar.
• Conversor de frequência da calha de carregamento = x330, esquer-
da
• Conversor de frequência do crivo preliminar = x300, direita
O conversor de frequência é operado através das teclas de programação
e de comando. O display está subdividido num campo de exibição es-
querdo e direito. No campo de exibição esquerdo é apresentado o parâ-
metro atual, no direito o respetivo valor.
O display é visível através de uma janela na porta do armário de distri-
buição. A porta do armário de distribuição deve estar aberta para a ope-
ração do módulo de comando.

64 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Posto de comando

Tecla de modo
O modo do módulo de comando é alterado através da tecla de modo. Po-
dem ser selecionados três modos diferentes:
• Modo de estado.
– Conta-rotações.
– Indicação de carga.
• Modo de indicação de parâmetros.
• Modo de introdução de parâmetros.
Teclas de seta
+ Através das teclas de seta, são aumentadas ou diminuídas as rotações
dos motores de vibração. Para além disso, são assim selecionados os
parâmetros e processados os seus valores.
Tecla de arranque
Pressionando a tecla de arranque, ativa-se o conversor de frequência.
Tecla de paragem
Pressionando a tecla de paragem, desativa-se o conversor de frequên-
cia.
Indicações de display
Estados operacionais (modo de estado)

Campo de Estado Descrição


exibição es-
querdo
Conversor opera- Conversar está autorizado e pronto
cional para o arranque.
Conversor blo- O conversor está bloqueado devido
queado a falta de autorização ou desativa-
ção por erro.
Desativação por Desativação por erro do conversor
erro do conversor foi ativada. O código de desativa-
ção por erro é apresentado no cam-
po de exibição direito.
Travagem por in- A travagem por injeção de corrente
jeção de corrente contínua está ativa.
contínua
Falha de rede Falha da rede.

Tab. 2.2: Estados operacionais do conversor de frequência

Conta-rotações

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 65


DESCRIÇÃO
Posto de comando

Campo de Descrição
exibição es-
querdo
Frequência de saída do acionamento em Hz.

Rotações do motor em rpm.

Rotações do motor definidas pelo operador.

Tab. 2.3: Conta-rotações do conversor de frequência

Indicações de carga

Campo de Descrição
exibição es-
querdo
Corrente de carga ativa em % da corrente de carga no-
minal do motor.
Corrente de saída do conversor por fase em A.

Tab. 2.4: Indicações de carga do conversor de frequência

2.02.04 Controlos remotos


Controlo remoto por rádio

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

14 13 12 11

Abb. 2.24: Controlo remoto por rádio


[1] Sem função
[2] Controlo remoto por rádio ligado
[3] Trem de rodagem de lagartas esquerdo para a frente/para trás
[4] Calha de carregamento lenta/rápida

66 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Posto de comando

[5] Trem de rodagem de lagartas lento/rápido


[6] Tampa da entrada da britadeira para cima/baixo
[7] Trem de rodagem de lagartas para a frente/para trás
[8] Indicação de funcionamento LED
[9] Calha de carregamento ligada
[10] Calha de carregamento desligada
[11] Controlo remoto por rádio desligado, tal como paragem de emer-
gência
[12] Separador magnético para cima/baixo
[13] Mecanismo de translação ligado/desligado (opção)
[14] Abrir/fechar braço oscilante de impacto superior
O controlo remoto por rádio permite a operação e deslocamento da ins-
talação, independentemente painel de comando do armário de distribui-
ção. A autonomia do controlo remoto por rádio é de aprox. 30 m.
Este é alimentado com corrente através de um acumulador recarregável.
A prontidão de funcionamento é indicada através do LED verde a piscar.
Se existir uma subtensão no acumulador, o LED vermelho pisca.
A função de paragem de emergência do controlo remoto por rádio é au-
tomaticamente ativada através das seguintes ocorrências:
• Acionamento manual da paragem de emergência no controlo remoto
por rádio.
• Interrupção do sinal de rádio, p. ex., devido a perturbação do emissor
ou receptor.
• Ultrapassagem do alcance do sinal de rádio.
• Retiro do acumulador do controlo remoto por rádio.
Ao ativar a função de paragem de emergência, são desativados todos os
acionamentos da instalação à exceção do gerador diesel.
Ligar e desligar o controlo remoto por rádio, consulte o cap. 3.07.02.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 67


DESCRIÇÃO
Posto de comando

Componentes e acessórios do controlo remoto por rádio

1 2 3 4 5

Abb. 2.25: Componentes e acessórios


[1] Receptor
[2] Conexão Controlo remoto por cabo
[3] Carregador
[4] Acumulador
[5] Antena de recepção
O receptor [1] do controlo remoto por rádio situa-se por cima do armário
de distribuição. No receptor encontra-se a ligação do controlo remoto por
cabo [2].
A antena de recepção [5] está fixada num mastro no qual também se en-
contra a luz de advertência.
Carregador [3] e acumulador [4] estão acondicionados no armário de dis-
tribuição.

68 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Posto de comando

Controlo remoto por cabo

1 2 3 4 5 6

Abb. 2.26: Controlo remoto por cabo


[1] Sem função
[2] Controlo remoto por cabo ligado
[3] Trem de rodagem de lagartas esquerdo para a frente/para trás
[4] Trem de rodagem de lagartas lento/rápido
[5] Trem de rodagem de lagartas para a frente/para trás
[6] Indicação de funcionamento LED
[7] Controlo remoto por cabo desligado, tal como a paragem de emer-
gência
O controlo remoto por cabo serve exclusivamente para o deslocamento
da instalação. Ao contrário do controlo remoto por rádio este permanece
na instalação durante o transporte. Com o seu auxílio, pessoal qualifica-
do e autorizado pode deslocar a instalação para fins de carga e descar-
ga.
Ele é encaixado diretamente no receptor do controlo remoto por rádio.
Ao ativar da paragem de emergência, são desativados todos os aciona-
mentos da instalação à exceção do gerador diesel.
Ligar e desligar o controlo remoto por cabo, consulte o cap. 3.07.03.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 69


DESCRIÇÃO
Posto de comando

2.02.05 Comandos locais

Abb. 2.27: Comando local da britadeira de impacto


[1] Abrir/fechar o braço oscilante de impacto inferior
[2] Abrir/fechar a carcaça da britadeira
[3] Abrir/fechar braço oscilante de impacto superior
[4] Abrir/fechar a tampa da entrada da britadeira
[5] Paragem de emergência
Com o comando local é possível abrir e fechar a tampa da entrada da
britadeira, os braços oscilantes de impacto superior e inferior e também
a carcaça da britadeira diretamente na britadeira.
No comando local está aplicado um botão de paragem de emergência
que, quando acionado, desliga todos os acionamentos da instalação
com exceção do gerador diesel. A britadeira é desligada após um perío-
do de desativação definido.
O desbloqueio do botão de paragem de emergência faz-se rodando o
botão. Os componentes e máquinas da instalação têm depois de ser rei-
niciados através do ecrã tátil no armário de distribuição.

70 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Não ocupado

2.03 Não ocupado

2.04 Unidade de acionamento/motor

4
5

6
2

1
7

Abb. 2.28: Unidade de acionamento Gerador diesel


(1) Sistema hidráulico auxiliar do motor elétrico
(2) Alimentação de combustível, consulte o cap. 2.04.02
(3) Motor elétrico da bomba em tandem do mecanismo de translação
(4) Sistema de refrigeração, consulte o cap. 2.04.05
(5) Admissão de ar, consulte o cap. 2.04.04
(6) Sistema de escape, consulte o cap. 2.04.03
(7) Motor diesel, consulte o cap. 2.04.01
(8) Gerador (não visível), consulte o cap. 2.06.04
(9) Acoplamento líquido (não visível), consulte o cap. 2.04.06

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 71


DESCRIÇÃO
Unidade de acionamento/motor

2.04.01 Motor a gasóleo/gerador diesel

4
5

3
6

2 7

Abb. 2.29: Motor diesel Scania DC12


[1] Bomba de escoamento de óleo
[2] Vareta do nível de óleo
[3] Equipamento de limpeza centrífugo
[4] Filtro de óleo do motor
[5] Turbocompressor de gases de escape
[6] Motor diesel
[7] Bocal de enchimento de óleo do motor
O motor a gasóleo em linha de 6 cilindros está equipado com injeção di-
reta e um refrigerante de líquidos. Ele dispõe de um turbocompressor de
gases de escape com permutador de calor do ar de sobrealimentação.
Todas as peças e componentes são acessíveis após abertura da carca-
ça da unidade de acionamento.
Dados técnicos, consulte o cap. 5.01.02.

72 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Unidade de acionamento/motor

2.04.02 Alimentação de combustível

5
6

2
7
1

Abb. 2.30: Alimentação de combustível (I)


[1] Cobertura de proteção
[2] Sensor do depósito de combustível
[3] Retorno de combustível
[4] Alimentação de combustível com filtro de combustível, separador
de água e bomba manual de purga
[5] Bocal de enchimento com tampa de fecho
[6] Filtro principal do combustível
[7] Filtro preliminar do combustível com separador de água

Abb. 2.31: Alimentação de combustível (III)


[8] Cobertura articulável

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 73


DESCRIÇÃO
Unidade de acionamento/motor

[9] Tampa de fecho do escoamento de combustível diesel


O bocal de enchimento [5] pode ser alcançado através da plataforma di-
reita da britadeira.
Durante o funcionamento, as guarnições do combustível estão cobertas
com uma cobertura de proteção [1] que pode ser fechada à chave de
modo a proteger contra sujidade e pedras em queda. Esta pode ser
aberta para encher o depósito de diesel.
Com ajuda da bomba manual [4] é possível purgar o sistema de tubos
de combustível para o motor diesel.
Em caso de necessidade, o depósito de diesel pode ser esvaziado atra-
vés do escoamento de combustível diesel [9]. Ele está protegido através
de um fecho para impedir uma recolha não autorizada.

2.04.02.01 Bomba de abastecimento de combustível (opção)

3
4

5
1

Abb. 2.32: Bomba de abastecimento de combustível


[1] Tubo flexível de aspiração
[2] Interruptor da bomba de abastecimento de combustível
[3] Suporte de tubo flexível
[4] Alimentação elétrica
[5] Tubo flexível de pressão
Com ajuda da bomba de abastecimento de combustível é possível abas-
tecer a instalação, p. ex., através de barris de combustível.
Durante o funcionamento da instalação, os tubos flexíveis e guarnições
estão protegidas contra sujidade e quedas de pedras pela carcaça que
pode ser fechada à chave.

74 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Unidade de acionamento/motor

2.04.03 Sistema de escape

Abb. 2.33: Sistema de escape


[1] Turbocompressor de gases de escape
[2] Tubo de escape com isolamento térmico
[3] Silenciador
[4] Chapeleta dos gases de escape

2.04.04 Admissão de ar

1 5

Abb. 2.34: Admissão de ar


[1] Tubo flexível ondulado do lado da aspiração
[2] Filtro preliminar de ciclone
[3] Filtro do ar

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 75


DESCRIÇÃO
Unidade de acionamento/motor

[4] Válvula de descarga de poeiras


[5] Tubo de ar filtrado
O filtro preliminar de ciclone [1] limpa o ar aspirado de partículas de pó
grosseiras. O filtro do ar [3] filtra, com o elemento de filtragem aplicado,
as sujidades mais finas.

2.04.05 Sistema de refrigeração

4 6

3
7

2 8

Abb. 2.35: Sistema de refrigeração


[1] Turbocompressor de gases de escape
[2] Ventilador viscoso
[3] Refluxo do intercooler
[4] Alimentação ao intercooler
[5] Depósito de compensação com bocal de enchimento
[6] Intercooler
[7] Radiador do líquido de refrigeração
[8] Radiador do ventilador viscoso
[9] Radiador do acoplamento líquido
O radiador integra o intercooler [6], o radiador do líquido de refrigeração
[7] e o radiador para o ventilador viscoso [8] e o acoplamento líquido [9]
numa única unidade.

76 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Unidade de acionamento/motor

2.04.06 Acoplamento líquido

Abb. 2.36: Acoplamento líquido


[1] Acoplamento líquido
[2] Motor diesel
[3] Polia de correia do motor da britadeira
O acoplamento líquido [1] está montado como acoplamento hidrodinâmi-
co de engate/desengate entre o motor diesel [2] e a polia de correia do
motor da britadeira [3]. O motor é ligado e desligado através do enchi-
mento e esvaziamento do acoplamento líquido.
Para além disso, um acoplamento de ligação elástico entre o motor die-
sel [2] e o acoplamento líquido [1] assegura um arranque sem solavan-
cos.
A ligação do motor faz-se com a britadeira sem carga. A bomba de en-
chimento acionada diretamente enche a área de trabalho do acoplamen-
to líquido através do sistema de alimentação de óleo integrado. O
acoplamento líquido começa com a transmissão de potência. Após de-
correr o tempo de enchimento tem início o funcionamento contínuo e a
britadeira pode ser alimentada.
O desligar da unidade de saída faz-se de novo com a britadeira sem car-
ga. Nessa ocasião, o acoplamento líquido é esvaziado. A bomba de en-
chimento acionada de forma direta está continuamente em
funcionamento e alimenta o sistema de alimentação de óleo integrado, o
qual assegura a lubrificação do apoio e a refrigeração do acoplamento
líquido.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 77


DESCRIÇÃO
Alimentação de óleo hidráulico

2.05 Alimentação de óleo hidráulico

6
7

4
8
3

Abb. 2.37: Alimentação de óleo hidráulico


[1] Bomba de engrenagens do sistema hidráulico auxiliar
[2] Distribuidor de retorno
[3] Filtro de aspiração de retorno do depósito de óleo hidráulico, con-
sulte o cap. 2.05.01
[4] Válvula de travagem do mecanismo de translação
[5] Bomba de engrenagens, pressão de alimentação do mecanismo
de translação
[6] Bomba em tandem do mecanismo de translação
[7] Válvulas direcionais do separador magnético
[8] Válvulas direcionais da britadeira

78 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Alimentação de óleo hidráulico

2.05.01 Depósito de óleo hidráulico

5 6

4 7

3
8

Abb. 2.38: Depósito de óleo hidráulico


[1] Válvula de fecho do escoamento de óleo hidráulico
[2] Filtro de aspiração situado no interior
[3] Indicação do nível de enchimento
[4] Filtro de aspiração de retorno
[5] Filtro da ventilação do depósito
[6] Retorno do cilindro de ajuste da fenda
[7] Termóstato e sensor do indicador do depósito
[8] Tampa de limpeza
O depósito de óleo hidráulico alimenta todas as instalações hidráulicas
com óleo hidráulico.
O depósito de óleo hidráulico está equipado com um filtro de aspiração
de retorno [4] combinado. Com o termóstato [7] monitoriza-se a tempe-
ratura do óleo hidráulico. O filtro de aspiração situado no interior [2] filtra
partículas do óleo hidráulico. A sua manutenção pode ser efetuada atra-
vés da tampa de limpeza [8].
O nível de enchimento do depósito de óleo hidráulico é apresentado, por
um lado, na indicação do nível de enchimento [3]. Por outro lado, tam-
bém é indicado através do sensor do indicador do depósito [7] no ecrã
tátil.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 79


DESCRIÇÃO
Alimentação de óleo hidráulico

2.05.02 Bombas hidráulicas

Abb. 2.39: Bombas hidráulicas


[1] Bomba de engrenagens, pressão de alimentação do mecanismo
de translação
[2] Bomba em tandem do mecanismo de translação
[3] Bomba de engrenagens do sistema hidráulico auxiliar
[4] Bomba de engrenagens do ventilador viscoso
A bomba em tandem [2] alimenta o mecanismo de translação com pres-
são e fluxo volumétrico.
A bomba de engrenagens [1] unida por flange à bomba em tandem pro-
videncia a pressão de alimentação da bomba em tandem.
A bomba de engrenagens do sistema hidráulico auxiliar [3] é responsá-
vel pela alimentação de óleo hidráulico dos seguintes componentes e
máquinas:
• Levantar e baixar e também prender as paredes da tremonha.
• Elevar e baixar o separador magnético (opção).
• Ajustar a amplitude de fenda do braço oscilante de impacto superior
e inferior.
• Abrir e fechar a carcaça da britadeira de impacto.
• Abrir e fechar a tampa da entrada da britadeira.
• Elevar e baixar a unidade de crivagem posterior (opção).
• Fazer sair e recolher as bases de apoio da unidade de crivagem pos-
terior (opção).
• Articular a cinta de retorno para fora e para dentro e ainda dobrar em
cima e em baixo (opção).
• Virar a cinta de descarga da britadeira ou a cinta de grão fino para
cima e para baixo (opção).

80 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Alimentação de óleo hidráulico

A bomba de engrenagens do ventilador viscoso [4] alimenta-o com pres-


são e fluxo volumétrico.

2.05.03 Blocos de comando

Abb. 2.40: Bloco de comando Paredes da tremonha


[1] Pressão de pré-tensionamento do bloqueio da parede da tremo-
nha (opção)
[2] Prender/desprender as paredes da tremonha (opção)
[3] Dobrar parede da tremonha, à esquerda
[4] Dobrar parede da tremonha, ao centro
[5] Dobrar parede da tremonha, à direita

Abb. 2.41: Bloco de comando da cinta de retorno (opção)

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 81


DESCRIÇÃO
Alimentação de óleo hidráulico

[6] Bascular o estrangulador para a cinta de retorno


[7] Dobrar a cinta de retorno em cima
[8] Dobrar a cinta de retorno em baixo
[9] Articular a cinta de retorno para fora e para dentro

10

11

12
13

Abb. 2.42: Bloco de comando da unidade de crivagem posterior e do


transportador de cinta (opção)
[10] Dobrar a cinta de grão fino para cima e para baixo
[11] Elevar e baixar a unidade de crivagem posterior
[12] Base de apoio da unidade de crivagem posterior, lado direito
[13] Base de apoio da unidade de crivagem posterior, lado esquerdo
Com as alavancas de comando dos blocos de comando é possível acio-
nar manualmente os respetivos componentes e máquinas. As indica-
ções de utilização dispostas nos blocos de comando explicam as
funções.
O sistema hidráulico auxiliar alimenta os blocos de comando com pres-
são e fluxo volumétrico.

82 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Sistema elétrico

2.05.04 Ligação hidráulica da unidade de crivagem posterior (opção)

1
2

Abb. 2.43: Ligação hidráulica da unidade de crivagem posterior


[1] Ligação T
[2] Ligação P
As ligações hidráulicas estão aplicadas por baixo das tomadas para a
unidade de crivagem posterior.
Se a unidade de crivagem posterior não estiver montada, a ligação do
tubo flexível hidráulico P [2] é encaixada na ligação T [1].

2.06 Sistema elétrico

Abb. 2.44: Sistema elétrico (I)

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 83


DESCRIÇÃO
Sistema elétrico

(1) Armário de distribuição com fusíveis, consulte o cap. 2.06.03


(2) Tomadas no armário de distribuição, consulte o cap. 2.06.06

3
6

Abb. 2.45: Sistema elétrico (II)


(3) Seccionador da bateria, consulte o cap. 2.06.02
(4) Alimentação elétrica de 24 V, consulte o cap. 2.06.01
(5) Gerador de 24 V, motor diesel, consulte o cap. 2.06.04
(6) Gerador de 400 V, consulte o cap. 2.06.04
(7) Armário de distribuição e fusíveis do motor diesel, consulte o cap.
2.06.03(não ilustrado)
(8) Motores elétricos, consulte o cap. 2.06.05 (não ilustrado)
(9) Circuitos elétricos excluídos, consulte o cap. 2.06.06 (não ilustra-
do)
(10) Sistema de sobrepressão do armário de distribuição, consulte o
cap. 2.06.07 (não ilustrado)
No sistema elétrico são distinguidas duas redes elétricas:
• A rede de corrente contínua de 24 V alimenta sistema elétrico do mo-
tor e de comando com a corrente elétrica necessária.
• A rede de corrente trifásica de 400 V alimenta os acionamentos elé-
tricos com a corrente elétrica necessária.

84 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Sistema elétrico

2.06.01 Alimentação da tensão de 24 V

Abb. 2.46: Baterias do motor de arranque


[1] Baterias dos motor de arranque de 12 V
As baterias do motor de arranque de 12 V [1] encontram-se na carcaça
da unidade de acionamento.
A alimentação elétrica de 24 V ocorre através do gerador (alternador) do
motor a gasóleo e duas baterias do motor de arranque de 12 V ligadas
em linha [1].

2.06.02 Seccionador da bateria

Abb. 2.47: Seccionador da bateria


[1] Seccionador da bateria

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 85


DESCRIÇÃO
Sistema elétrico

O seccionador da bateria mecânico [1] encontra-se na zona dianteira do


motor diesel.
O seccionador da bateria separa o sistema elétrico das baterias do motor
de arranque de 12V.

2.06.03 Armário de distribuição

8
6

2 5

Abb. 2.48: Armário de distribuição e fusíveis da instalação


[1] Interruptor de proteção FI
[2] Relé de proteção do motor
[3] Interruptor principal (consulte o cap. 2.02.01)
[4] Sistemas de proteção do motor ZEV
[5] Proteções
[6] Corta circuito fusível
[7] Dispositivos de proteção do motor
[8] Corta circuito automático
O armário de distribuição contém todos os elementos de comutação e
proteção elétricos e ligações de fios da instalação.
Os elementos de comutação e de proteção são acessíveis após abertura
das portas do armário de distribuição.
Todos os elementos de comutação e de proteção elétricos estão identi-
ficados com designações abreviadas. Se surgir uma falha, esta designa-
ção abreviada é apresentada no ecrã tátil.

86 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Sistema elétrico

Abb. 2.49: Fusíveis Motor diesel


[4] Fusíveis
O armário de distribuição do gerador diesel está integrado na unidade de
acionamento.
Ele inclui todos os elementos elétricos de comutação e de proteção do
motor diesel.
Respeitar as seguintes indicações:
• Não remende, nem contorne proteções.
• Substituir sempre fusíveis queimados.
• Se um fusível estiver constantemente a queimar, informar pessoal
autorizado.
• Não pulverizar os armários de distribuição com água.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 87


DESCRIÇÃO
Sistema elétrico

2.06.04 Geradores

Abb. 2.50: Gerador de 24 V


[1] Gerador de 24 V (alternador)
[2] Motor de arranque

3
5

Abb. 2.51: Gerador de 400 V


[3] Transmissão por correia
[4] Caixa de bornes
[5] Gerador de 400 V
O gerador de 24 V [1] é acionado através de um acionamento de correias
trapezoidais do motor diesel. A alimentação elétrica de 24 V ocorre atra-
vés de duas baterias do motor de arranque de 12 V ligadas em linha.

88 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Sistema elétrico

O gerador de 400 V [5] é acionado diretamente pelo motor diesel através


de uma transmissão por correia [3].
O gerador de 400 V [5] é um gerador síncrono sem escovas, autoexcita-
do e autorregulado. Ele fornece a corrente trifásica necessária da insta-
lação.

2.06.05 Motores elétricos


Todos os motores elétricos da instalação são operados com corrente tri-
fásica de 400 V.
Os motores de vibração da calha de carregamento e do acionamento do
crivo preliminar podem ser regulados ao longo de uma faixa de rotações
definida através dos conversores de frequência (consulte o cap.
2.02.03).

2.06.06 Tomadas

1 2

Abb. 2.52: Tomadas no armário de distribuição


[1] Ligação do comando local
[2] Ligação ou bloqueio para instalação ligada a montante ou a jusan-
te
[3] Tomada de serviço 400 V / 32 A
[4] Tomada de serviço 230 V / 16 A
De forma a ser possível operar a instalação sem instalação ligada a mon-
tante ou a jusante, a ligação [2] deve estar provida de uma ficha de blo-
queio.
Circuitos elétricos excluídos
As tomadas dos circuitos elétricos excluídos [3] e [4], bem como a liga-
ção para instalações ligadas a montante ou a jusante [2] encontram-se
sob tensão, mesmo com o interruptor principal desligado. Estas ficam
apenas sem corrente, quando o gerador diesel estiver desligado.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 89


DESCRIÇÃO
Sistema elétrico

2.06.07 Sistema de sobrepressão Armário de distribuição

3 4

2 5

1 6

Abb. 2.53: Sistema de sobrepressão Armário de distribuição


[1] Tubo flexível ondulado
[2] Ligação elétrica
[3] Motor elétrico com ventilador
[4] Filtro preliminar de ciclone
[5] Caixa do filtro com elemento de filtragem de poeiras
[6] Válvula de descarga de poeiras
O sistema de sobrepressão admite, através do filtro preliminar de ciclone
[4] e o filtro de poeiras [5], ar exterior e sopra-o através do ventilador [3]
para o armário de distribuição. Desta forma, forma-se uma sobrepressão
no armário de distribuição não sendo possível a penetração de poeira.
O sistema de sobrepressão pode funcionar sob as seguintes condições:
• O armário de distribuição deve estar devidamente fechado durante o
funcionamento.
• Os tubos flexíveis ondulados e as suas ligações não podem apre-
sentar quaisquer fugas.
• O filtro preliminar de ciclone e o filtro de poeiras não podem estar
obstruídos.

90 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Não ocupado

2.07 Não ocupado

2.08 Mecanismo de translação

2.08.01 Trem de rodagem de lagartas

4 5

3
7

2
8

Abb. 2.54: Trem de rodagem de lagartas


(1) Carreto de guiamento
(2) Tensor da corrente
(3) Corrente do trem de rodagem
(4) Barras de guiamento
(5) Carreto de acionamento
(6) Acionamento das lagartas
(7) Cárter da corrente
(8) Roletes de rolamento
(9) Carril da corrente
As barras de guiamento esquerda e direita (4) estão soldadas ao chas-
sis. Na barra de guiamento estão montados os diversos componentes do
trem de rodagem de lagartas.
Os acionamentos das lagartas esquerdo e direito (6) com carreto de
acionamento (5) unido por flange acionam as correntes do trem de roda-
gem (3).
A corrente do trem de rodagem (3) é tensionada através do tensor da
corrente (2) e o carreto de guiamento (1). O carril da corrente (9) mantém
a corrente do trem de rodagem no trilho.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 91


DESCRIÇÃO
Mecanismo de translação

2.08.02 Acionamento das lagartas

2
3

Abb. 2.55: Acionamento das lagartas


[1] Carreto de acionamento
[2] Caixa de velocidades
[3] Motor hidráulico com ligações
O trem de rodagem de lagartas esquerdo e direito é acionado por respe-
tivamente um acionamento das lagartas.
No acionamento das lagartas está integrado um travão com incidência
por força da mola, que protege a instalação de resvalar e é ativável de
forma hidráulica. No modo de condução, os travões são ativados de
modo hidráulico.
Ambos os motores hidráulicos do acionamento das lagartas são alimen-
tados com pressão e fluxo volumétrico através das bombas de pistões
axiais da unidade de acionamento.
A mudança do modo de operação de britagem para o de condução e
vice-versa, ocorre através do ecrã tátil, consulte o cap. 3.01.01.

92 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Não ocupado

2.09 Não ocupado

2.10 Transporte de material

2
4

Abb. 2.56: Transporte de material


(1) Cinta do crivo preliminar (opção)
(2) Separador magnético (opção), consulte o cap. 2.10.04
(3) Cinta de grão fino (opção)
(4) Cinta de descarga da britadeira
(5) Cinta de entrega (opção)
(6) Cinta de retorno (opção)
(7) Calhas de deslize, consulte o cap. 2.10.03
O transporte de material é efetuado através de diversas máquinas e
componentes na instalação. A vista geral da instalação e o fluxograma
evidenciam isto, consulte o cap. 2.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 93


DESCRIÇÃO
Transporte de material

2.10.01 Transportador de cinta

5 6

4
7

8
2

10
1

Abb. 2.57: Transportador de cinta


[1] Tambor de inversão
[2] Avental de carregamento
[3] Barras de guiamento de material
[4] Roletes de suporte
[5] Cinta transportadora
[6] Tambor de acionamento
[7] Raspador
[8] Estrutura da cinta
[9] Polia de retorno com proteção
[10] Dispositivo de aperto
Todos os transportadores de cinta estão, por princípio, montados da
mesma forma. Eles distinguem-se, essencialmente, na largura da cinta,
na distância entre eixos dos tambores de acionamento e de inversão,
bem como no acionamento de transportador de cinta.
Como acionamentos de transportador de cinta são utilizados motores
elétricos com caixa de engrenagem cónica unida por flange ou tambores
de acionamento com moto tambor elétrico.
No modo de operação automático, o comando dos transportadores de
cinta é efetuado automaticamente através do controlador lógico progra-
mável. No modo de operação manual, estes podem ser individualmente
ativados e desativados.
A estrutura da cinta [8] aloja os componentes do transportador de cinta.
A cinta transportadora [5] é conduzida e acionado através dos roletes de
acionamento e de inversão, [6] e [1]. Os roletes de suporte [4] suportam
carga do material a transportar. Mediante a disposição dos roletes de su-

94 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Transporte de material

porte, a forma da cinta transportadora pode, na transversal, ser plana ou


em forma de cava.
Através do dispositivo de aperto [10], a cinta transportadora é ajustada
para o tensionamento correto.
Os raspadores [7] asseguram que o ramal superior e inferior da cinta
transportadora sejam libertados de material aderente, que iria danificar
a cinta transportadora e os tambores.
As barras de guiamento de material [3] impedem que o material a trans-
portar caia lateralmente do transportador de cinta.
Equipamentos opcionais
• Cabeçote hidraulicamente dobrável da cinta de descarga da britadei-
ra.
• Cinta de descarga da britadeira alongada.
• Preparação para a balança da cinta na cinta de descarga da britadei-
ra.

2.10.01.01 Estação de centragem

3
4

5
1

Abb. 2.58: Estação de centragem (I)

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 95


DESCRIÇÃO
Transporte de material

Abb. 2.59: Estação de centragem (II)


[1] Suporte
[2] Porta roletes de suporte
[3] Ramal inferior da cinta transportadora
[4] Roletes de suporte cónicos
[5] Rolete de suporte cilíndrico
A estação de centragem, através dos rolete de suporte cónicos [4], as-
segura o movimento centrado da cinta transportadora.
Se esta começar a mover-se de forma enviezada, o rolete de suporte có-
nico que tem um maior contacto com a cinta transportadora volta a em-
purrar a cinta transportadora [3] de volta para o centro.
O porta roletes de suporte [2] está fixo de forma móvel no suporte [1].
Juntamente com os revestimentos de borracha especiais dos rolete de
suporte, isso aumenta a união por fricção à cinta transportadora.

96 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Transporte de material

2.10.02 Calha de descarga

5
2

1
3

Abb. 2.60: Calha de descarga


[1] Motores de vibração
[2] Revestimento de desgaste
[3] Elementos vibratórios
[4] Caixa da calha
[5] Vedação para a saída da britadeira

Abb. 2.61: Motor de vibração


[6] Pesos de equilibragem
[7] Motor elétrico 400 V

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 97


DESCRIÇÃO
Transporte de material

A calha de descarga é um transportador oscilante, que transporta o ma-


terial proveniente da britadeira e do bypass, através de movimentação
oscilante,para a cinta de descarga da britadeira.
A caixa da calha situa-se com elementos vibratórios no chassis. A área
de carga e os flancos possuem um revestimento de desgaste.
As rotações dos motores elétrico estão acopladas às rotações do gera-
dor diesel. O sentido de rotação de ambos os motores de vibração é
oposto. Estes criam um movimento oscilante periódico através dos pe-
sos de equilibragem ajustáveis.

2.10.03 Calhas de deslize

Abb. 2.62: Calhas de deslize


[1] Passagem inferior do crivo
[2] Calha de deslize de descarga
[3] Bypass
As calhas de deslize, tal como a passagem inferior do crivo [1] e a calha
de deslize de descarga [2] conduzem e entregam o material às máquinas
e componentes subsequentes.
As vedações de borracha aplicadas na construção em aço das calhas de
deslize diminuem a saída de pó da instalação e formam transições flexí-
veis para as máquinas e componentes subsequentes.
Material que trespasse a plataforma superior, mas não a plataforma in-
ferior do crivo preliminar, é transportado através do bypass [3], passando
ao lado da britadeira, diretamente para a calha de descarga.

98 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Transporte de material

2.10.04 Separador magnético (opção)

3
4

2
5

Abb. 2.63: Separador magnético


[1] Tambor de inversão
[2] Suspensão
[3] Dispositivo de elevação hidráulico
[4] Cinta transportadora com nervuras
[5] Cinta transportadora da cinta de descarga da britadeira
[6] Calha de deslize de descarga
[7] Tambor de acionamento com acionamento (não ilustrado)
O separador magnético puxa, com força magnética, o material ferroso da
cinta de descarga da britadeira [5] e envia-o, através da cinta transpor-
tadora [4] e calha de desliza de descarga [6], para um contentor prepa-
rado.
O separador magnético é acionado por um motor elétrico com caixa en-
grenagem cónica unida por flange [7].
O separador magnético pode ser elevado e baixado hidraulicamente
através do dispositivo de elevação [3], de modo a ajustar assim a distân-
cia ideal à cinta de descarga da britadeira.
Equipamentos opcionais
• Separador magnético eletromagnético.
• Separador magnético permanentemente magnético.
• Preparação do separador magnético.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 99


DESCRIÇÃO
Não ocupado

2.11 Não ocupado

2.12 Instalação da água (opção)


O sistema de pulverização assegura uma redução da formação de poei-
ras nos locais de transmissão de material da instalação. Um bomba de
água de baixa pressão cria a pressão de água e fluxo volumétrico neces-
sários. Injetores de pulverização individualmente ativáveis e desativá-
veis formam uma névoa de pulverização fina nos locais determinantes.
As gotinhas de água aglutinam grande parte das partículas de poeiras
que depois correm para baixo.
A instalação da água é ativada manualmente.
O sistema de pulverização é, na maioria dos casos, suficiente para aglu-
tinar as poeiras formadas nos processos de britagem e crivagem, de for-
ma a que ocorra apenas uma formação de poeiras localmente limitada.
Assim não uma limitação da visão, nem uma limitação funcional na ins-
talação.
Uma vez que a formação de poeiras depende, essencialmente, das pe-
dras e das condições climáticas, poderá em casos especiais, como p.ex.
processamento de materiais secos e frágeis como calcário, detritos de
tijolo ou betão esburacado, haver uma formação de poeiras mais eleva-
da. É possível reduzir isto, porém não eliminar completamente, através
de uma utilização adicional de coberturas de cinta e de calhas de deslize
de descarga (opções especiais).
No processamento de asfalto esburacado ou fresado, deve adicional-
mente ser efetuada uma limpeza mais frequente e minuciosa das palhe-
tas do arrefecedor, uma vez que as poeiras formadas, neste caso,
tendem a colar as palhetas do arrefecedor.

2.12.01 Bomba de água

100 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Instalação da água (opção)

Abb. 2.64: Bomba de água


[1] Caixa da bomba
[2] Tomada 230 V
[3] Fluidcontrol
[4] Ligação Modo de aspiração
[5] Ligação Modo de alimentação
A bomba de água escalonada e autoaspirante destina-se para o modo
de aspiração. No modo de alimentação, os injetores de pulverização são
alimentados diretamente com água. As ligações previstas para o efeito
estão assinaladas em conformidade.
A bomba de água reencaminha a água aspirada, através do Fluidcontrol,
para os diversos tubos de alimentação das injeções. O Fluidcontrol as-
segura uma pressão constante e impede o refluxo dos tubos de alimen-
tação. Os diversos tubos de alimentação para os injetores de
pulverização são abertos ou fechados com válvulas de fecho.
A bomba de água é ligada e desligada através do ecrã tátil.
Condições para o modo de aspiração
• Água limpa e depósito de água.
• Comprimento máximo do tubo de sução 5 m.
• Bomba de água deve ser enchida com água antes de ser colocada
em funcionamento.
• A água deve, antes da bomba de água, passar por um filtro de aspi-
ração.
Condições para o modo de alimentação
• Pressão máxima da alimentação 4 bar.

2.12.02 Injetores de pulverização

Abb. 2.65: Injetores de pulverização

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 101


DESCRIÇÃO
Instalação da água (opção)

[1] Injetores de pulverização


[2] Válvulas de fecho
A água conduzida através das válvulas de fecho [2] e tubos de alimenta-
ção do sistema de pulverização é distribuída pelos injetores de pulveri-
zação [1] sob a forma de uma fina névoa de água.
Os injetores de pulverização estão aplicados nos seguintes locais:
• Entrada da britadeira
• Bypass
• Lançamento para fora cinta
• Cinta de descarga da britadeira após a saída da britadeira

102 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Não ocupado

2.13 Não ocupado

2.14 Não ocupado

2.15 Não ocupado

2.16 Não ocupado

2.17 Não ocupado

2.18 Não ocupado

2.19 Não ocupado

2.20 Não ocupado

2.21 Não ocupado

2.22 Não ocupado

2.23 Não ocupado

2.24 Não ocupado

2.25 Não ocupado

2.26 Não ocupado

2.27 Não ocupado

2.28 Não ocupado

2.29 Não ocupado

2.30 Não ocupado

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 103


DESCRIÇÃO
Não ocupado

2.31 Não ocupado

2.32 Não ocupado

2.33 Não ocupado

2.34 Não ocupado

2.35 Não ocupado

2.36 Não ocupado

2.37 Não ocupado

2.38 Não ocupado

2.39 Não ocupado

2.40 Não ocupado

2.41 Pacote de serviço/manutenção remota

2.41.01 Pacotes de serviço


Para trabalhos de manutenção e de serviço de assistência, a KLEE-
MANN GmbH disponibiliza diversos pacotes de serviço e conjuntos de
manutenção.
Pode encontrar os respetivos contactos relacionados em relação aos pa-
cotes de serviço em "Serviço de apoio ao cliente" na página inicial da
KLEEMANN GmbH: www.kleemann.info

104 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Pacote de serviço/manutenção remota

2.41.02 Manutenção remota

Abb. 2.66: Manutenção remota Modem


[1] Interruptor rotativo Manutenção remota
[2] Modem
[3] Antena (não ilustrada)
O modem para a manutenção remota está instalado no armário de dis-
tribuição, atrás da porta do armário de distribuição do painel de coman-
do.
Para a ativação do modem [2] o interruptor rotativo [1] deve ser ligado e
a antena do modem [3] fixada com a base magnética no exterior da caixa
de distribuição.
Através da ligação remota por rádio podem, agora, ser lidos e alterados
o controlador lógico programável, bem como as configurações do con-
versor de frequência.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 105


DESCRIÇÃO
Ferramenta

2.42 Ferramenta

1 2

Abb. 2.67: Ferramentas e acessórios


(1) Caixa de ferramentas
[2] Ferramentas e acessórios

4
3

Abb. 2.68: Ferramentas especiais


(3) Dispositivo de extração
(4) Dispositivo de elevação das travessas de impacto
Na caixa de ferramentas (1) encontram-se todas as ferramentas e aces-
sórios (2), necessário para os trabalhos de manutenção e de reparação.
A caixa de ferramentas está, por um cadeado, protegida de acessos não
autorizados.

106 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Carregamento de material

O dispositivo de elevação das travessas de impacto (3) está engatado


no chassis, por baixo da tremonha de carregamento, num suporte pre-
visto para o efeito.
O dispositivo de extração dos casquilhos do braço oscilante de impacto
superior (4) está fixo na plataforma por baixo do crivo preliminar.

2.43 Carregamento de material

2.43.01 Tremonha de carregamento

3
4

2
5

6
1

Abb. 2.69: Tremonha de carregamento


[1] Parede da tremonha traseira
[2] Bloqueio hidráulico da parede da tremonha
[3] Parede da tremonha esquerda
[4] Parede da tremonha direita
[5] base de apoio com deslocamento
[6] Cilindro hidráulico
[7] Batentes

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 107


DESCRIÇÃO
Carregamento de material

9 10

11

4 12

Abb. 2.70: Bloqueio/desbloqueio hidráulico


[1] Parede da tremonha traseira
[4] Parede da tremonha direita
[8] Cilindro hidráulico
[9] Cunha
[10] Patilha
[11] Bloqueio e proteção do cilindro hidráulico
[12] Parafuso de olhal e cavilha de encaixe
A tremonha de carregamento recebe o material descarregado por uma
escavadora, carregadora de rodas ou instalação ligada a montante.
As paredes da tremonha [1], [3] e [4] podem ser articuladas sobre o gru-
po auxiliar do sistema hidráulico e são acionadas manualmente através
de blocos de comando. Os cilindros hidráulicos [6] estão equipados com
uma proteção de ruptura do tubo de forma a proteger as paredes da tre-
monha ao dobrar para cima e para baixo.
No estado articulado para cima, as paredes da tremonha esquerda e di-
reita [3] e [4] são fixas com auxílio dos bloqueios de cilindro hidráulico
[11] e as cavilhas de encaixe [12]. Os bloqueios da parede da tremonha
[2] acionados hidraulicamente garantem uma fixação adicional nos pon-
tos de ligação das paredes da tremonha.
Estando as paredes da tremonha dobradas para baixo, estas estão en-
costadas nos batentes [7] no chassis. Com auxílio das patilhas [10] e das
cavilhas de encaixe [12], os bloqueios de cilindro hidráulico [11] são fixos
no chassis, de modo a impedir que basculem para fora.
Equipamentos opcionais
• Revestimento de desgaste Hardox soldado ou aparafusado.

108 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Carregamento de material

2.43.02 Calha de carregamento

Abb. 2.71: Calha de carregamento


[1] Motores de vibração
[2] Revestimento de desgaste
[3] Elementos vibratórios
[4] Caixa da calha

Abb. 2.72: Motores de vibração


[5] Motores elétricos 400 V
[6] Pesos de equilibragem
A calha de carregamento é um transportador oscilante que transporta,
através da sua movimentação oscilante, o material carregado na tremo-
nha de carregamento para a máquina seguinte.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 109


DESCRIÇÃO
Britadeira

A caixa da calha [4] situa-se com elementos vibratórios [3] no chassis. A


área de carga e os flancos possuem um revestimento de desgaste [2].
Os motores elétricos [5] são reguláveis em termos de rotações através
do conversor de frequência (consulte o cap. 2.02.03). Estes criam um
movimento oscilante periódico através dos pesos de equilibragem [6]
ajustáveis.
Ambos os motores de vibração possuem sentidos de rotação opostos.

2.44 Britadeira

5
3

2 6

1 8

Abb. 2.73: Britadeira de impacto


[1] Cortina de borracha
[2] Cilindro hidráulico da tampa de entrada
[3] Tampa da entrada da britadeira
[4] Parte superior da carcaça da britadeira
[5] Cilindro hidráulico do braço oscilante de impacto inferior
[6] Cilindro hidráulico da carcaça da britadeira
[7] Cilindro hidráulico do braço oscilante de impacto superior
[8] Parte inferior da carcaça da britadeira
[9] Apoio do rotor

110 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Britadeira

14
13

12

15
11
16

10
17

Abb. 2.74: Rotor e braços oscilantes de impacto


[10] Barra de impacto dianteira
[11] Rotor
[12] Travessas de impacto
[13] Cortina de correntes
[14] Braço oscilante de impacto superior
[15] Braço oscilante de impacto inferior
[16] Placas de impacto
[17] Barra de impacto traseira

20

19

21

18

Abb. 2.75: Britadeira de impacto, retentor de segurança


[18] Saliência de proteção
[19] Retentor de segurança

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 111


DESCRIÇÃO
Britadeira

[20] Tampa de segurança


[21] Cilindro hidráulico
As britadeiras de impacto trituram o material carregado através de forças
dinâmicas que resultam do rotor em rotação [11]. Nessa ocasião, o ma-
terial é captado pelas travessas de impacto [12], é projetado contra o
braço oscilante de impacto superior e inferior [14] e [15] e voltar a ser lan-
çado para as travessas de impacto. Este processo repete-se até que o
material consiga passar a fenda existente entre o rotor [11] e o braço os-
cilante de impacto inferior [16].
O rotor [11] está apoiado sobre apoios de rolos oscilantes. As travessas
de impacto [12] estão fixas no rotor com auxílio de cunhas de aperto.
A distância entre os braços oscilantes de impacto [14] e [15] e as traves-
sas de impacto [12] é modificada através dos cilindros hidráulicos [5] e
[7]. É assim possível influenciar consideravelmente o granulação final do
material triturado.
O braço oscilante de impacto superior [14] é responsável pela trituração
prévia do material de carregamento, o braço oscilante de impacto inferior
[16] é responsável pela trituração até ao tamanho de grão final.
As barras de impacto dianteira e traseira [10] e [17] fazem com que o ma-
terial triturado seja expulso para baixo, orientado para um alvo.
A parte superior da carcaça da britadeira [4] pode ser desdobrada atra-
vés dos cilindros hidráulicos [6] para permitir, p. ex., a substituição das
travessas de impacto ou dos braços oscilantes de impacto ou para elimi-
nar obstruções de material.
A tampa da entrada da britadeira [3] pode ser levantada hidraulicamente.
A cortina de correntes [13] e a cortina de borracha [1] que o material seja
projetado de volta para fora da câmara de trituração.
O retentor de segurança [19] protege mecanicamente a britadeira de im-
pacto aberta para impedir que esta feche. Ao abrir, a saliência de prote-
ção [18] do cilindro hidráulico [21] empurra a tampa de segurança [20]
para cima e engata então no retentor de segurança [19].
Para fechar a britadeira de impacto, o retentor de segurança [19] é levan-
tado manualmente, sendo assim desbloqueado. Ao fechar a britadeira
de impacto, o cilindro hidráulico [21] é alimentado com uma pressão re-
duzida, de modo a não danificar o retentor de segurança [19].

112 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Britadeira

2.44.01 Ajuste hidráulico da fenda da britadeira

1 2 3 4 6 7

Abb. 2.76: Ajuste hidráulico da fenda da britadeira


[1] Rotor
[2] Braço oscilante de impacto inferior
[3] Haste de êmbolo
[4] Interruptor de fim de curso
[5] Anel batente
[6] Câmara de bloqueio
[7] Cilindro hidráulico
Enquanto que o braço oscilante de impacto superior é deslocado através
de cilindros hidráulicos simples, o braço oscilante de impacto inferior
possui um ajuste hidráulico da fenda da britadeira, que está protegido
electronica e mecanicamente contra uma colisão com o rotor.
A fenda da britadeira é ajustada através do ecrã tátil e é acedida hidrau-
licamente. O ponto de repouso é determinado automaticamente antes
da fenda da britadeira ser ajustada. O ponto de repouso é a distância en-
tre as travessas de impacto do rotor [1] e as placas de impacto do braço
oscilante de impacto inferior [2] mais uma distância de segurança defini-
da. A partir deste ponto de repouso é acedida a fenda pretendida da bri-
tadeira.
Determinação automática do ponto de repouso
Com o rotor em movimento [1], o braço oscilante de impacto [2] move-se
lentamente em direção às travessas de impacto até que ocorra um con-
tacto que é detetado por um sensor. Em seguida, o braço oscilante de
impacto [2] é puxado uma distância de segurança (definida) para trás.
Durante este processo, o anel batente [5] desliza sobre a haste de êm-
bolo [3]. Depois de atingir o ponto de repouso, a câmara de bloqueio [6]
é bloqueada hidraulicamente e o anel batente [5] está assim fixo. O anel
batente [5] serve agora de batente mecânico da haste de êmbolo [3].

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 113


DESCRIÇÃO
Britadeira

Verificação do anel batente


Na verificação do anel batente, que é realizada a cada novo arranque da
britadeira, o ponto de repouso memorizado é comparado com o valor
real através do interruptor de fim de curso eletrónico [4]. Se o valor diver-
gir, volta a ocorrer uma nova determinação do ponto de repouso. Se
coincidir, é acedida a fenda da britadeira ajustada.

2.44.01.01 Proteção contra sobrecarga

3 4

2
6

Abb. 2.77: Proteção contra sobrecarga


[1] Bujão de escoamento
[2] Travessa transversal da britadeira
[3] União de tubo flexível e de tubo
[4] Cilindro hidráulico Ajuste da fenda da britadeira
[5] Placa portadora
[6] Peça de união
A proteção contra sobrecarga do ajuste hidráulico da fenda da britadeira
impede danos nos componentes da britadeira.
Se for ultrapassada uma pressão definida, a placa portadora [5] rompe
e, das o óleo hidráulico que nessa altura escorre, chega à travessa trans-
versal da britadeira [2] através da união de tubo flexível e de tubo [3].
Nessa situação, a bomba hidráulica e a instalação são desligadas auto-
maticamente.
Através do bujão de escoamento [1] é possível escorrer o óleo hidráulico
em segurança e removê-lo de forma ecológica.
Se a britadeira for sobrecarregada ou o braço oscilante de impacto infe-
rior se encontrar mais de 20 segundos fora do curso de deslocamento
admissível, a calha de carregamento e o crivo preliminar são regulados
para 20 Hz através do conversor de frequência.

114 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Máquinas de crivar

Após outros 30 segundos fora do curso de deslocamento admissível ou


em caso de rompimento da placa portadora, a bomba hidráulica e o ins-
talação são automaticamente desligados.
Após o desencadeamento da proteção contra sobrecarga aparece uma
mensagens de erro correspondente no ecrã tátil.

2.45 Máquinas de crivar

2.45.01 Crivo preliminar

6
4

3 8

9
2

Abb. 2.78: Crivo preliminar


[1] Motor elétrico 400 V
[2] Caixa de engrenagem cónica
[3] Veio de transmissão
[4] Elementos vibratórios
[5] Calha de deslize de descarga da cinta de retorno
[6] Revestimentos do crivo
[7] Caixa do crivo
[8] Proteção contra poeiras
[9] Segmentos de desequilíbrio
O crivo preliminar de duas plataformas serve como crivo de processa-
mento. Este separa o material de carregamento de acordo com o reves-
timento do crivo utilizado (chapa perfurada, grelha fendida, tela de
arame) em 3 tamanhos de grão definidos.
A caixa do crivo [7] está apoiada no chassis com elementos vibratórios
[4]. Nos caixilhos distanciadores da plataforma do crivo são tensionados
revestimentos do crivo [6] com auxílio de sistemas de tensionamento.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 115


DESCRIÇÃO
Máquinas de crivar

O motor elétrico [1] aciona o veio excêntrico do acionamento do crivo


através da caixa de engrenagem cónica [2] e do veio de transmissão [3].
O veio excêntrico possui massa lubrificante.
É possível alterar a amplitude de oscilação do crivo preliminar através
dos segmentos de desequilíbrio substituíveis [9].
Processo de crivagem
a) Plataforma superior coberta com chapa perfurada de aço ou grelha
fendida (opção), plataforma inferior coberta com revestimento de
borracha:
• Material grosseiro que não trespassa a plataforma superior do
crivo preliminar, vai diretamente para a britadeira.
• Material que trespasse a plataforma superior, é transportado pelo
revestimento de borracha e bypass (), passando pela britadeira,
diretamente para a cinta de descarga da britadeira ().
É utilizado, p.ex. para material de carregamento limpo, de forma a
transportá-lo na integridade até ao produto final, sem prescindir da
vantagem da crivagem preliminar e, por conseguinte, do alívio da bri-
tadeira.
b) Plataforma superior equipada com chapa perfurada de aço ou grelha
fendida (opção), plataforma inferior equipada com revestimento do
crivo (opção):
• Material grosseiro que não trespassa a plataforma superior do
crivo preliminar, vai diretamente para a britadeira.
• Material que trespasse a plataforma superior, mas não a platafor-
ma inferior, é transportado pelo bypass, passando pela britadei-
ra, diretamente para a cinta de descarga da britadeira.
• O material que trespassa a plataforma inferior do crivo preliminar
é transportado sobre a cinta do crivo preliminar para montes ou
uma instalação a jusante.
c) Plataforma superior coberta com painel cego (opção):
• Todo o material de carregamento entra para a britadeira. A criva-
gem preliminar não está ativa.
É utilizado na britagem de rochas duras sendo, assim, possível al-
cançar um enchimento mais compacto na abertura de alimentação
da britadeira.
No equipamento de série, a plataforma superior está revestida com cha-
pas perfuradas de aço. A plataforma inferior está equipada com um re-
vestimento cego de borracha, de forma a que todo o material seja
conduzido através do bypass, contornando a britadeira.
Equipamentos opcionais
• Grelha fendida na plataforma superior.
• Chapa cega na plataforma superior.
• Chapa perfurada de borracha na plataforma superior.
• Tela de arame na plataforma inferior.

116 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


DESCRIÇÃO
Máquinas de crivar

2.45.02 Crivo de triagem

5 6

4 7

8
3

2
10

Abb. 2.79: Crivo de triagem


[1] Motor elétrico 400 V
[2] Caixa de engrenagem cónica
[3] Segmentos de desequilíbrio
[4] Elementos vibratórios
[5] Caixa do crivo
[6] Chicana
[7] Revestimentos do crivo
[8] Veio de transmissão
[9] Saída do crivo
[10] Vedações de borracha
O material carregado da cinta de descarga da britadeira é separado por
grão final triado 0-x mm e por grãos sobre dimensionados através do cri-
vo de triagem .
A caixa do crivo [5] está apoiada no lado de descarga do chassis com
elementos vibratórios [4]. No caixilho distanciador da plataforma do crivo
são tensionados revestimentos do crivo [7] com auxílio de sistemas de
tensionamento.
O motor elétrico [1] aciona o veio excêntrico do acionamento do crivo
através da caixa de engrenagem cónica [2] e do veio de transmissão [8].
O veio excêntrico possui massa lubrificante.
É possível alterar a amplitude de oscilação do crivo de triagem através
dos segmentos de desequilíbrio substituíveis [3].

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 117


DESCRIÇÃO
Máquinas de crivar

Processo de crivagem
• Os grãos sobre dimensionados que não trespassem a plataforma do
crivo de triagem, chegam à cinta de entrega e à cinta de retorno atra-
vés da saída do crivo [9].
• Material que trespassa a plataforma do crivo de triagem, chega à cin-
ta de grão fino através da passagem inferior do crivo.

118 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Máquinas de crivar

3 MANUSEAMENTO
Neste capítulo é descrito o modo de utilização da instalação e das diver-
sas máquinas e componentes.
Respeite, na execução de todas as atividades, as indicações contidas no
seu Manual de Segurança!

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 119


MANUSEAMENTO
Painéis de comando/interfaces

3.01 Painéis de comando/interfaces

3 4 5 6 7 8 9

Abb. 3.1: Painel de comando

120 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Painéis de comando/interfaces

Pos.: Elemento de comando/de in- Funcionamento


formação
[1] Botão de desativação de Desativação de emergência da instalação, consulte o cap.
emergência 2.01.07
[2] Ecrã tátil Interface para operar a instalação e definir diferentes parâme-
tros, consulte a descrição "Ecrã tátil"
[3] Interruptor de chave da tensão Ligar/desligar a tensão de comando da instalação
de comando
[4] Confirmar o botão Avaria Confirmação de avarias e paragem de emergência
[5] Botão Autorização de arran- Indicação da autorização de arranque e confirmar
que
[6] Botão LIG Instalação Ligar a instalação
[7] Botão Desligar instalação Desligar instalação
[8] Interruptor rotativo do controlo Ligar/desligar a instalação através de utilização do controlo re-
remoto por rádio moto por rádio
[9] Interruptor rotativo da ilumina- Ligar/desligar faróis da instalação
ção
Tab. 3.1: Elementos de comando do painel de comando

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 121


MANUSEAMENTO
Painéis de comando/interfaces

3.01.01 Ecrã tátil

2 6

Abb. 3.2: Ecrã tátil


[1] Área de mensagens de informação e de alarme
[2] Área de comando e de indicação condicionada pela situação
[3] Área de comando e de indicação estática
[4] Informações do utilizador, data e hora
[5] Elementos de comando e de indicação
[6] Superfície sensível ao toque
[7] Grelha de luz de infravermelhos

122 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Painéis de comando/interfaces

10
2

9
11

12
8

13

Abb. 3.3: Visão geral da instalação


[8] Submenu e estado dos componentes
[9] Representação das máquinas e componentes
[10] Indicações de funcionamento atuais
[11] Submenu Ajuste da fenda do braço oscilante de impacto inferior
[12] Submenu Sistema hidráulico auxiliar
[13] Submenu Sistema de pulverização ou instalação da água
Indicações de estado das máquinas e componentes
Na visão geral da instalação, os estados de funcionamento de cada uma
das máquinas e componentes são representados por meio de cores. As
teclas também servem para aceder ao submenu da respetiva máquina
ou componente.

Cor da tecla Estado de funcionamento


A máquina ou componente está desligada

A máquina ou componente está ligada e a


trabalhar

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 123


MANUSEAMENTO
Painéis de comando/interfaces

Cor da tecla Estado de funcionamento


Cuidado! A máquina ou componente está a
arrancar

Avaria da máquina ou componente

Tab. 3.2: Indicações de estado

Se a britadeira for sobrecarregada, a calha de carregamento e o crivo


preliminar são regulados para 20 Hz através do conversor de frequência.
As indicações de estado das duas máquinas piscam então alternada-
mente a amarelo e verde.
Condução por menu

Seleção de idioma
Dados do sistema

Ecrã tátil, seleção de


idioma

Selecionar utilizador Editar configurações

Administração de utili-
zadores

Editar configurações

Data / Hora

Estado de fun- Valores atuais do ge-


cionamento dos rador diesel
componentes

Mensagens de Visualizar/editar men-


erro sagens de informa-
ção e de erro
Evolução / histórico Editar

Modo automáti- Gerador diesel/Arran-


co car/parar instalação
Pré-selecionar o nú-
mero de rotações do
gerador diesel

124 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Painéis de comando/interfaces

Modo manual Arrancar / parar o ge- Ligar / desligar o in-


rador diesel terruptor principal
Pré-selecionar o nú-
mero de rotações do
gerador diesel

Modo de condu- Arrancar / parar o ge- Ligar/desligar o inter- Ligar / desligar o acio-
ção rador diesel ruptor principal namento das lagartas
Pré-selecionar o nú-
mero de rotações do
gerador diesel

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 125


MANUSEAMENTO
Painéis de comando/interfaces

Menu em posi- Chamar componen- Visualizar/editar as Abrir / fechar o blo-


ção superior/vi- tes configurações de queio da porta da bri-
são geral da cada um dos compo- tadeira (utilizador:
instalação nentes (utilizador: operador)
operador)
(pode ser cha-
mado a partir de Arrancar/parar com-
qualquer ponto) ponente (apenas no
modo manual)
Fenda superior da bri- Ajustar a fenda da bri-
tadeira/tampa da en- tadeira em cima (con-
trada da britadeira sulte o cap. 3.14.03)
Abrir / fechar a tampa
da entrada da brita-
deira
Fenda inferior da bri- Ajustar a fenda da bri-
tadeira tadeira em baixo/de-
terminação do ponto
de repouso (consulte
o cap. 3.14.04)
Acionamento das la- Arrancar / parar o ge-
gartas rador diesel
Ligar / desligar o in-
terruptor principal
Ligar/desligar o acio-
namento das lagartas
Sistema de pulveriza- Ligar/desligar bomba
ção de água
Selecionar/anular a
seleção do modo au-
tomático
Sistema hidráulico Ligar/desligar Siste-
auxiliar ma hidráulico auxiliar
Visualizar o nível de
enchimento e tempe-
ratura do óleo hidráu-
lico

Teclas de função e de menu

Tecla Funcionamento
Chamar configurações do ecrã tátil, do utili-
zador, do idioma

Chamar o estado de funcionamento do ge-


rador diesel

Chamar as mensagens de erro

126 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Painéis de comando/interfaces

Tecla Funcionamento
Chamar o menu Modo automático

Chamar o menu Modo manual

Chamar o menu Modo de condução

Ligar / desligar componentes

Selecionar componente ou confirmar sele-


ção, anular a seleção do componente

Desencadear a desativação de emergência


da determinação do ponto de repouso

até Pré-selecionar o número de rotações do


gerador diesel

Chamar o menu Sistema de pulverização


ou instalação da água

Chamar o menu Sistema hidráulico auxiliar

Chamar o menu Britadeira

Chamar o menu Ajuste da fenda do braço


oscilante de impacto inferior

Realizar o ajuste da fenda no modo auto-


mático

Abrir / fechar o braço oscilante de impacto


superior

Abrir / fechar a tampa da entrada da brita-


deira

Chamar o modo de diagnóstico

Chamar o sistema operativo do ecrã tátil

Alterar configurações

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 127


MANUSEAMENTO
Painéis de comando/interfaces

Tecla Funcionamento
Aumentar/diminuir valor

Chamar o submenu de máquinas e compo-


nentes. Estado de funcionamento das má-
quinas e componentes, consulte as
indicações de estado
Regressar ao menu em posição superior,
visão geral da instalação

Folhear para a frete ou para trás

Mostrar ou ocultar a janela das mensagens


de erro

Confirmar o erro

Confirmar todos os erros

Chamar o histórico

Ativar scroll automático

Correr até acima ou abaixo de todo

Correr aos poucos para cima ou para baixo

Chamar a administração de utilizadores

Iniciar ou terminar a sessão

.. .. .. Selecionar o idioma do display

Indicações e símbolos

Símbolos gerais Explicação


Pressão do óleo do motor

Temperatura do óleo do motor

128 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Painéis de comando/interfaces

Símbolos gerais Explicação


Nível do líquido de refrigeração

Temperatura do líquido de refrigeração

Temperatura do ar de sobrealimentação

Nível de enchimento do depósito de diesel

Rotações por minuto

Tensão elétrica

Acionado ou selecionado

Não acionado ou seleção anulada

Símbolos da determina- Explicação


ção do ponto de repou-
so
Cilindro hidráulico desloca-se para trás

Cilindro hidráulico desloca-se para a frente

Verificação do anel batente

Tateamento das travessas de impacto

Ajustar a distância de segurança às traves-


sas de impacto

A britadeira arranca

Os símbolos cinzentos ou verdes mostram a progressão da determina-


ção do ponto de repouso e da verificação do anel batente. Cinzento =
inativo, verde = ativo.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 129


MANUSEAMENTO
Medidas antes da primeira colocação em funcionamento

3.01.02 Painel de comando do motor diesel


Para iniciar e parar a unidade de acionamento e definir parâmetros, uti-
lizar sempre o ecrã tátil. Utilizar o painel de comando do motor diesel
apenas em caso de falha do ecrã tátil, consulte o cap. 2.02.02.02.

3.02 Medidas antes da primeira colocação em funcionamento

PERIGO!
Perigo devido a pessoal não qualificado
A montagem e colocação em funcionamento por pessoal não qualificado
e não autorizado pode originar lesões fatais ou graves.
• Apenas encarregar pessoas para montagem e colocação em funcio-
namento que sejam qualificadas e autorizadas de acordo com os re-
quisitos expostos neste manual de instruções.

AVISO
Perigo de danos materiais devido a corpos estranhos
Corpos estranhos como ferramentas, acessórios e materiais de embala-
gem na instalação podem originar avarias e danos materiais.
• Após montagem e antes da colocação em funcionamento, procurar
remover corpos estranhos em toda a instalação.

Na primeira colocação em funcionamento e após cada transporte, de-


vem ser efetuados diversos trabalhos e verificações.
 Montar a instalação na totalidade, consulte o cap. 6.02.
 Remover corpos estranhos, como ferramentas, acessórios e mate-
riais de embalagem da instalação.
Software e downloads
Antes da primeira colocação em funcionamento e em qualquer outro mo-
mento, existe a possibilidade de atualizar o software instalado do contro-
lador lógico programável e de efetuar downloads.
O acesso ao controlador lógico programável ocorre através do modem
da manutenção remota, consulte o cap. 2.41.02.

130 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Colocar a instalação em funcionamento

3.03 Colocar a instalação em funcionamento

PERIGO!
Perigo devido a pessoal não qualificado
A montagem e colocação em funcionamento por pessoal não qualificado
e não autorizado pode originar lesões fatais ou graves.
• Apenas encarregar pessoas para montagem e colocação em funcio-
namento que sejam qualificadas e autorizadas de acordo com os re-
quisitos expostos neste manual de instruções.

Antes da instalação ser colocada em funcionamento, devem ser verifica-


dos os seguintes pontos:
Ingredientes de serviço e • Nível de óleo do motor diesel (consultar também a documentação do
lubrificantes fabricante).
• Nível de enchimento do líquido de refrigeração (consulte o cap.
4.04.01).
• Nível de enchimento do depósito de gasóleo.
• Nível de enchimento da instalação da água (opção) (consulte o cap.
4.12).
• Verificar o nível do óleo hidráulico (consulte o cap. 4.05.02.01).
• Nível de óleo dos acionamentos do crivo (consulte o cap. 4.45.06).
• Lubrificação dos apoios da britadeira (consulte o cap. 4.44.01).
• Lubrificação dos acionamentos de transportador de cinta (consulte o
cap. 4.10.01.06).
• Lubrificação dos acionamentos do crivo (consulte o cap. 4.45.05).
Estanqueidade e estado • Estanqueidade da alimentação de combustível.
• Estanqueidade da alimentação de óleo hidráulico.
• Estanqueidade da instalação da água (opção).
• Estado da unidade de acionamento.
• Estado das correias trapezoidais (consulte o cap. 4.44.03).
• Estado das cintas transportadoras (consulte o cap. 4.10.01.01).
• Estado e existência dos dispositivos de proteção (consulte o cap.
4.01.03).
• Estado dos revestimentos do crivo, elementos vibratórios e borra-
chas de perfil (consulte o cap. 4.45).
• Bom encaixe das uniões roscada.
• Estado e tensão das correntes do trem de rodagem.
• Fecho de diversas portas e chapeletas de manutenção.
• Devida ligação à massa da instalação.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 131


MANUSEAMENTO
Modo automático

Funções • Função dos dispositivos de paragem de emergência e de desativa-


ção de emergência.
• Função dos dispositivos de aviso.
• Função do mecanismo de translação e dos travões.
Após um período de trabalho ou de um período de desativação mais pro-
longados deve ser efetuada uma verificação, especialmente, minuciosa.
Encher os lubrificantes e ingredientes de serviço em falta. O plano de
manutenção, tabelas de ingredientes de funcionamento e de lubrifican-
tes estão exposto no cap. 5.

3.04 Modo automático

PERIGO!
Perigo devido a queda de material
Pessoas que se encontrem na zona de perigo da instalação, podem, no
arranque da instalação, ser lesionadas por queda de material.
• No arranque da instalação não entrar na zona de perigo.
• Advertir pessoas que se encontrem na zona de perigo antes do ar-
ranque da instalação.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

Depois de o gerador diesel ter sido colocado a trabalhar, os componen-


tes da instalação e a britadeira são ligados automaticamente. Isto suce-
de no modo de operação "Automático". Modos de operação da
instalação, consulte o cap. 2.
No modo automático, os componentes da instalação são ativados auto-
maticamente no sentido oposto do sentido de fluxo do material. Isto evita
as obstruções de material no arranque da instalação.
Devem estar desbloqueados todos os dispositivos de paragem de emer-
gência, antes dos componentes da instalação serem ativados.
Desbloquear dispositivos de paragem de emergência, consultar também
o cap. 2.01.07.
Ligar a instalação
 Ligar o interruptor de chave "Tensão de comando" [3].
 Premir o botão "Confirmar avaria / desativação de emergência" [4].
 Quando o sistema e o ecrã tátil tiverem sido inicializados por com-
pleto, aparece a janela de seleção do modo de operação.
 Premir modo automático.
 Aparece o menu do gerador diesel.
 Pré-selecionar um número de rotações de no mínimo 1500 rpm.
 Premir gerador diesel LIG.
 O gerador diesel arranca e passa para o número de rotações pré-se-
lecionado.

132 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Modo automático

 Premir o botão "Autorização de arranque" [5].


 O botão "Autorização de arranque" [5] acende, o botão "Instalação
LIG" [6] pisca lentamente e a sirene de aviso soa durante aprox. 7
segundos.
 Premir o botão "Instalação LIG" [6].
 O acoplamento líquido é enchido e a britadeira arranca. Após atingir
um número de rotações definido, os componentes da instalação ar-
rancam automaticamente no sentido inverso ao do fluxo de material.
Acendem a verde as indicações de estado na visão geral da instala-
ção. A instalação está ligada.
 Durante o tempo de enchimento, aprox. 60 segundos, o botão "Ins-
talação LIG" [6] pisca rapidamente e, em seguida, acende de forma
contínua.
 Se necessário, selecionar o sistema de pulverização e ligar a
bomba de água.
 Bomba de água a trabalhar.
Desligar instalação

AVISO
Perigo de obstruções de material
Ao desativar os componentes da instalação, podem ser causadas obs-
truções de material na britadeira.
• Deixar todos os componentes, particularmente a britadeira, funcio-
nar até ficarem vazios antes de serem desligados.

 Deixar a instalação a funcionar até ficar vazia.


 Se necessário, selecionar o sistema de pulverização e desligar a
bomba de água.
 A bomba de água desliga-se.
 Deixar que a britadeira funcione até ficar vazia.
 Premir a tecla "Instalação DESLIGADA" [7].
 Todos os componentes da instalação, com exceção da britadeira,
são imediatamente desligados. O gerador diesel é estrangulado para
1500 rpm, de modo a travar a britadeira. A britadeira e o interruptor
principal são desligados após 15 segundos. O botão "Autorização de
arranque" [5] e o botão "Instalação LIG" [6] apagam-se. As indica-
ções de estado na visão geral da instalação ficam cinzentas.
 Premir modo automático.
 Aparece o menu do gerador diesel.
Para assegurar a lubrificação do acoplamento líquido, o gerador diesel
só se deixa desligar quando o número de rotações da britadeira tiver
descido abaixo de 200 rpm.
 Premir gerador diesel DESLIG.
 O gerador diesel é desligado.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 133


MANUSEAMENTO
Modo automático

 Desligar o interruptor de chave "Tensão de comando" [3] e retirar a


chave.
 A instalação está desligada.

3.04.01 Voltar a ligar a instalação após o acionamento de paragem /desativa-


ção de emergência

PERIGO!
Perigo devido a queda de material
Pessoas que se encontrem na zona de perigo da instalação, podem, no
arranque da instalação, ser lesionadas por queda de material.
• No arranque da instalação não entrar na zona de perigo.
• Advertir pessoas que se encontrem na zona de perigo antes do ar-
ranque da instalação.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

Voltar a ligar instalação após paragem de emergência


Após acionamento de uma paragem de emergência ou corda de coman-
do, são desativados todos os acionamentos da instalação à exceção do
gerador diesel. A instalação deve, depois, ser novamente ligada.
Ter em atenção o tempo de funcionamento por inércia da britadeira, de
cerca de 60 segundos, após acionar uma paragem de emergência.
 Eventualmente, remover obstruções de material na instalação, con-
sulte o cap. 3.13.
 Desbloquear botão ou interruptor de paragem de emergência da cor-
da de comando, consulte o cap. 2.01.07.
 Premir o botão "Confirmar avaria / desativação de emergência" [4].
 Quando já não estiver a ser premida a paragem ou desativação de
emergência, a luz no botão apaga-se. A instalação está pronta a ser
reativada.
 Voltar a ligar a instalação.
Voltar a ligar instalação após desativação de emergência
Após acionar o botão de desativação de emergência no armário de dis-
tribuição, todos os acionamentos da instalação, incluindo do gerador die-
sel, são imediatamente desligados. É então necessário voltar a ligar a
instalação.
 Se necessário, remover obstruções de material na instalação, con-
sulte o cap. 3.13.
 Desbloquear o botão de desativação de emergência, consulte o cap.
2.01.07.
 A instalação está pronta a ser reativada.
 Voltar a ligar a instalação.

134 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Modo de reparação

3.05 Modo de reparação


Executar o modo de operação "Modo de reparação", consulte o cap. 4.
Modos de operação da instalação, consulte o cap. 2.

3.06 Modo de operação manual

PERIGO!
Perigo devido a pessoal não qualificado
A execução do modo de funcionamento "Modo de operação manual" por
pessoal não qualificado e não autorizado pode originar lesões fatais ou
graves.
• Apenas encarregar pessoas para trabalhos de manutenção, repara-
ção e serviço de assistência que sejam qualificadas e autorizadas de
acordo com os requisitos expostos neste manual de instruções.

AVISO
Perigo de obstruções de material
O modo manual não é adequado para o carregamento de material na
instalação. A ativação de componentes individuais da instalação no
modo manual, pode levar a obstruções de material.
• Não carregar a instalação com material no modo manual.
• Antes da ativação de um componente da instalação, verificar a situ-
ação atual.

Ao contrário do modo automático, no modo manual os componentes da


instalação não são ativados automaticamente no sentido oposto do sen-
tido de fluxo do material. Modos de operação da instalação, consulte o
cap. 2.
Após o arranque do gerador diesel, os componentes da instalação po-
dem ser ativados ou desativados individualmente.
Ligar componentes da instalação no "Modo manual"
 Ligar o interruptor de chave "Tensão de comando" [3].
 Premir o botão "Confirmar avaria / desativação de emergência" [4].
 O sistema e o ecrã tátil são inicializados. Depois disso, surge a jane-
la de seleção do modo de operação.
 Premir modo manual.
 Aparece o menu do gerador diesel.
 Pré-selecionar um número de rotações de no mínimo 1500 rpm.
 Premir gerador diesel LIG.
 O gerador diesel arranca e passa para o número de rotações pré-se-
lecionado.
 Premir interruptor principal LIG.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 135


MANUSEAMENTO
Modo de operação manual

 Premir o botão "Autorização de arranque" [5].


 O botão "Autorização de arranque" [5] acende, o botão "Instalação
LIG" [4] pisca lentamente e a sirene de aviso soa durante aprox. 7
segundos.
 Para ligar componentes individuais da instalação, selecionar a vi-
são geral da instalação.
 Aparece a visão geral da instalação.
 Selecionar componentes da instalação pretendidos.
 Aparece o menu dos componentes da instalação.
 Premir componentes da instalação LIG.
 O componente da instalação arranca. Britadeira: o acoplamento lí-
quido é enchido e a britadeira arranca. Durante o tempo de enchi-
mento, aprox. 60 segundos, o botão "Instalação LIG" [6] pisca
rapidamente e, em seguida, acende de forma contínua.
 Se necessário, realizar os ajustes do componente da instalação.
Os ajustes em componentes da instalação só podem ser realizados com
os respetivos direitos de utilizador.
Desligar componentes da instalação no "Modo manual"

AVISO
Perigo de danos materiais
Desligar a instalação ou o gerador diesel através do botão de desativa-
ção de emergência dá origem à falha da lubrificação do acoplamento lí-
quido e, em consequência, a danos nos apoios.
• Não desligar a instalação ou o gerador diesel através do botão de de-
sativação de emergência.
• Desligar a instalação ou gerador diesel sempre através do ecrã tátil.

 Para desligar componentes individuais da instalação, selecionar a


visão geral da instalação.
 Aparece a visão geral da instalação.
 Selecionar componentes da instalação pretendidos.
 Aparece o menu dos componentes da instalação.
 Premir componente da instalação DESLIG.
 O componente da instalação é desligado.
 Para desligar toda a instalação, premir o botão "Instalação DESLIG"
[7].
 Todos os componentes da instalação são, imediatamente, desliga-
dos. O botão "Autorização de arranque" [5] e o botão "Instalação
LIG" [6] apagam-se. As indicações de estado na visão geral da ins-
talação ficam cinzentas.
 Premir modo manual.
 Aparece o menu do gerador diesel.

136 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Operação de marcha

Para assegurar a lubrificação do acoplamento líquido, o gerador diesel


só se deixa desligar quando o número de rotações do acoplamento tiver
descido abaixo de 200 rpm.
 Premir gerador diesel DESLIG.
 O gerador diesel é desligado.
 Desligar o interruptor de chave "Tensão de comando" [3] e retirar a
chave.
 A instalação está desligada.

3.07 Operação de marcha

3.07.01 Preparações
O deslocamento da instalação também é possível estando a mesma
montada, ou seja, com todos os componentes montados, como p.ex.
plataformas e cintas de saída lateral e unidade de crivagem posterior
(opção).
Estando a instalação em funcionamento e o acionamento das lagartas
ativado, a calha de carregamento e o crivo preliminar são ligados auto-
maticamente.

AVISO
Perigo de danos materiais devido a deslocamento
Correntes do trem de rodagem podem colar por congelamento ou por
ferrugem e partir ao arrancar.
Correntes do trem de rodagem não tensionadas, podem saltar do carreto
de acionamento ou de guiamento aquando de deslocamento ou rotação
da instalação originando danos no trem de rodagem de lagartas.
Os veios de transmissão dos acionamentos do crivo e as suspensões do
separador magnético podem ser danificados através de trepidações.
• Não efetuar o deslocamento com correntes do trem de rodagem co-
ladas por congelamento ou por ferrugem.
• Deslocar a instalação, diariamente, aprox. 10 metros, de forma a evi-
tar colagem por congelamento ou por ferrugem.
• Verificar o tensionamento da corrente de trem de rodagem antes do
deslocamento, eventualmente tensionar.
• Aplicar sistemas de segurança de transporte nas máquinas de crivar
e separador magnético.

Antes do deslocamento da instalação, devem ser executadas algumas


medidas preparatórias:
 Deixar todos os componentes, como tremonha, calhas, crivos, brita-
deira e transportadores de cinta, a funcionar até não se encontrar
qualquer material nos mesmos.
 Articular a cinta de retorno para dentro e, devido à altura ao solo, le-
vantá-la em baixo.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 137


MANUSEAMENTO
Operação de marcha

 Aplicar sistemas de segurança de transporte nas máquinas de crivar


e separador magnético.
 Desmontar pilar de ligação à terra.
 Eventualmente, recolher as bases de apoio hidráulicas da unidade
de crivagem posterior (opção).
 Limpar pedras e sujidade aderente das rodas e correntes do trem de
rodagem de lagartas.
 Verificar tensionamento das correntes do trem de rodagem, eventu-
almente tensionar.
 Verificar curso de deslocamento e piso, eventualmente remover obs-
táculos.
 Prestar atenção à altura da instalação ao solo.
 Determinar sinalizador de manobras.
 A instalação encontra-se pronta para o deslocamento.
Deslocar a instalação em subidas e descidas

AVISO
Perigo de danos materiais devido a deslocamento
No deslocamento em subidas e descidas, ocorrem cargas muito eleva-
das nos componentes do trem de rodagem de lagartas.
• Percorrer descidas e subidas sempre de modo a que o acionamento
do trem de rodagem de lagartas aponte no sentido descendente.
• Percorrer encostas cuidadosamente e sempre em direção direta
para cima ou para baixo.
• Não percorrer encostas no sentido transversal.

Abb. 3.4: Subidas e descidas


(1) Acionamento das lagartas

138 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Operação de marcha

 Encher o depósito de combustível até no mínimo 300 litros, para que


o motor a gasóleo não morra nas subidas e descidas.
 Direcionar a instalação, antes de subidas e descidas, em esquadria
para o declive.
 Direcionar o acionamento das lagartas [1] para o vale.
 Percorrer subidas ou descidas.

3.07.02 Ligar e desligar o controlo remoto por rádio


Controlo remoto por rádio

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

14 13 12 11

Abb. 3.5: Controlo remoto por rádio


[1] Sem função
[2] Controlo remoto por rádio ligado
[3] Trem de rodagem de lagartas esquerdo para a frente/para trás
[4] Calha de carregamento lenta/rápida
[5] Trem de rodagem de lagartas lento/rápido
[6] Tampa da entrada da britadeira para cima/baixo
[7] Trem de rodagem de lagartas para a frente/para trás
[8] Indicação de funcionamento LED
[9] Calha de carregamento ligada
[10] Calha de carregamento desligada
[11] Controlo remoto por rádio desligado, tal como paragem de emer-
gência
[12] Separador magnético para cima/baixo
[13] Mecanismo de translação ligado/desligado (opção)
[14] Abrir/fechar braço oscilante de impacto superior

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 139


MANUSEAMENTO
Operação de marcha

Ao ligar o controlo remoto por rádio ou no caso de uma interrupção do


sinal de rádio, o sistema reage com a denominada posição de repouso
forçada. Isso pode suceder no caso de uma interrupção do sinal de rádio
ou se for ultrapassado o alcance.
A posição de repouso forçada impede movimentos descontrolados da
instalação em caso de interrupção do sinal de rádio.
Comportamento em caso de interrupção do sinal de rádio:
 Soltar todos os elementos de comando do controlo remoto por rádio.
 Os elementos de comando voltam à sua posição de repouso.
 Acionar o botão "Controlo remoto por rádio Lig" [2].
 A instalação volta a reagir a sinais de rádio.
Ligar o controlo remoto por  Certificar-se de que está inserido um acumulador carregado.
rádio
 Se necessário, desbloquear a paragem de emergência [11]
 Premir o botão "Controlo remoto por rádio Lig" [2] por breves instan-
tes e, no intervalo de 4 segundos, voltar a premi-lo até que o LED da
indicação de funcionamento [8] pisque a verde.
 O controlo remoto por rádio está operacional
O controlo remoto por rádio desliga-se autonomamente nas seguintes si-
tuações:
• O botão "Controlo remoto por rádio Lig" [2] é premido durante mais
de meio segundo.
• O processo de ligar demora mais de 4 segundos.
• Durante o processo de ligar é acionado um outro elemento de co-
mando.
• A indicação de funcionamento [8] pisca a vermelho.
Desligar o controlo remoto  Premir o botão "Paragem de emergência" [11].
por rádio  O controlo remoto por rádio está desligado. Ao ativar a paragem de
emergência são ainda desligados todos os acionamentos da instala-
ção, exceto o gerador diesel.
Após cada desencadeamento da paragem de emergência do controlo
remoto por sinal de rádio ou por cabo é necessário premir o botão "Ava-
ria / Confirmar desativação de emergência" por baixo do ecrã tátil.
Quando já não estiver a ser premida a paragem ou desativação de emer-
gência, a luz no botão apaga-se. A instalação está pronta a ser reativa-
da.

140 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Operação de marcha

3.07.03 Ligar e desligar o controlo remoto por cabo


Controlo remoto por cabo

1 2 3 4 5 6

Abb. 3.6: Controlo remoto por cabo


[1] Sem função
[2] Controlo remoto por cabo ligado
[3] Trem de rodagem de lagartas esquerdo para a frente/para trás
[4] Trem de rodagem de lagartas lento/rápido
[5] Trem de rodagem de lagartas para a frente/para trás
[6] Indicação de funcionamento LED
[7] Controlo remoto por cabo desligado, tal como a paragem de emer-
gência
Ligar o controlo remoto por  Se necessário, desbloquear a paragem de emergência [7].
cabo
 Premir o botão "Controlo remoto por cabo Lig" [2] por breves instan-
tes e, no intervalo de 4 segundos, voltar a premi-lo até que o LED da
indicação de funcionamento [6] pisque a verde.
 O controlo remoto por cabo está operacional.
O controlo remoto por cabo desliga-se autonomamente nas seguintes si-
tuações:
• O botão "Controlo remoto por cabo Lig" [2] é premido durante mais
de meio segundo.
• O processo de ligar demora mais de 4 segundos.
• Durante o processo de ligar é acionado um outro elemento de co-
mando.
• A indicação de funcionamento [6] pisca a vermelho.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 141


MANUSEAMENTO
Operação de marcha

Desligar o controlo remoto  Premir o botão "Paragem de emergência" [7].


por cabo  O controlo remoto por cabo está desligado. Ao ativar a paragem de
emergência são ainda desligados todos os acionamentos da instala-
ção, exceto o gerador diesel.
Após cada desencadeamento da paragem de emergência do controlo
remoto por sinal de rádio ou por cabo é necessário premir o botão "Ava-
ria / Confirmar desativação de emergência" por baixo do ecrã tátil.
Quando já não estiver a ser premida a paragem ou desativação de emer-
gência, a luz no botão apaga-se. A instalação está pronta a ser reativa-
da.

3.07.04 Conduzir

PERIGO!
Perigo devido a zonas não visíveis
Pessoas na área de deslocamento da instalação sem visibilidade podem
ser feridas de modo grave ou fatal.
• Para monitorização da área de deslocamento, utilizar um sinalizador
de manobras e um poste de segurança.
• Manter contacto visual contínuo com o sinalizador de manobras e
poste de segurança.
• Em caso de emergência de perigos, parar de imediato a instalação.

Circular com controlo remoto  Certificar-se de que o controlo remoto por cabo está desligado e a
por rádio paragem de emergência desbloqueada.
 Ligar o interruptor rotativo "Controlo remoto por rádio" [8] por baixo
do ecrã tátil.
 Certificar-se de que está inserido um acumulador carregado no con-
trolo remoto por rádio.
 Ligar o controlo remoto por rádio (consulte o cap. 3.07.02).
 Ligar o interruptor de chave "Tensão de comando" [3].
 Premir o botão "Confirmar avaria / desativação de emergência" [4].
 O sistema e o ecrã tátil são inicializados. Depois disso, surge a jane-
la de seleção do modo de operação.
 Premir modo de condução.
 Aparece o menu do modo de condução.
 Pré-selecionar o número de rotações de 1500 rpm.
Se, durante o modo automático ou manual, for mudado para o modo de
condução, o número de rotações do gerador diesel reduz-se automatica-
mente para 1500 rpm.
 Premir gerador diesel LIG.
 O gerador diesel arranca e passa para o número de rotações pré-se-
lecionado.

142 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Operação de marcha

 Premir interruptor principal LIG.


 Premir Acionamento das lagartas LIG.
 O acionamento das lagartas é engatado.
 Deslocar a instalação com alavancas de condução.
 Após o deslocamento, desligar o controlo remoto por rádio (consulte
o cap. 3.07.02).
As correntes do trem de rodagem são colocadas em marcha através de
ambas as alavancas de condução do comando de condução. A alavanca
de condução esquerda corresponde à corrente de trem de rodagem es-
querda, e a alavanca de condução direita à corrente de trem de rodagem
direita.
As correntes do trem de rodagem movimentam-se sempre no sentido no
qual são movidas as alavancas de condução. A velocidade altera-se,
proporcionalmente, à deflexão das alavancas de condução.
Conduzir com controlo  Certificar-se de que o controlo remoto por rádio está desligado e a
remoto por cabo paragem de emergência desbloqueada.
 Ligar o interruptor rotativo "Controlo remoto por rádio" [8] por baixo
do ecrã tátil.
 Certificar-se de que está inserido um acumulador carregado no con-
trolo remoto por cabo.
 Inserir o controlo remoto por cabo no receptor do controlo remoto por
rádio (consulte o cap. 2.02.04).
 Ligar o controlo remoto por cabo (consulte o cap. 3.07.03).
 Ligar o interruptor de chave "Tensão de comando" [3].
 Premir o botão "Confirmar avaria / desativação de emergência" [4].
 O sistema e o ecrã tátil são inicializados. Depois disso, surge a jane-
la de seleção do modo de operação.
 Premir o modo de condução.
 Aparece o menu do modo de condução.
 Pré-selecionar o número de rotações de 1500 rpm.
Se, durante o modo automático ou manual, for mudado para o modo de
condução, o número de rotações do gerador diesel reduz-se automatica-
mente para 1500 rpm.
 Premir gerador diesel LIG.
 O gerador diesel arranca e passa para o número de rotações pré-se-
lecionado.
 Premir interruptor principal LIG.
 Premir Acionamento das lagartas LIG.
 O acionamento das lagartas é engatado.
 Deslocar a instalação com alavancas de condução.
 Após o deslocamento, desligar o controlo remoto por cabo (consulte
o cap. 3.07.03).

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 143


MANUSEAMENTO
Operação de marcha

As correntes do trem de rodagem são colocadas em marcha através de


ambas as alavancas de condução do comando de condução. A alavanca
de condução esquerda corresponde à corrente de trem de rodagem es-
querda, e a alavanca de condução direita à corrente de trem de rodagem
direita.
As correntes do trem de rodagem movimentam-se sempre no sentido no
qual são movidas as alavancas de condução. A velocidade altera-se,
proporcionalmente, à deflexão das alavancas de condução.

3.07.05 Colocar a instalação em repouso

AVISO
Maior desgaste
A instalação só trabalha devidamente em piso plano. Inclinações no eixo
ao comprido e transversal levam a um desempenho de trituração dimi-
nuído, desgaste unilateral e a obstruções de material.
• Através de deslocamento, orientar a instalação de modo a que fique
nivelada.

Um nível de bolha de ar que se encontra nos acessórios da instalação,


que é fixado no chassis, possibilita a disposição exatamente horizontal
da instalação.

 Parar a instalação em piso firme e plano.


 Premir Acionamento das lagartas DESLIG.
 O acionamento das lagartas é desengatado.
 Premir Gerador diesel DESLIG.
 O gerador diesel é desligado.
 Desligar o interruptor de chave "Tensão de comando" [3] e retirar a
chave.
 Desligar o controlo remoto por rádio (consulte o cap. 3.07.02) ou
desligar o controlo remoto por cabo (consulte o cap. 3.07.03) e de-
sencaixar.
 A instalação está desligada.

144 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Abastecer instalação

3.08 Abastecer instalação

ATENÇÃO!
Perigo devido a incêndio
O gasóleo pode inflamar-se durante o abastecimento.
• Durante o abastecimento não fumar ou utilizar chamas abertas.
• Manter objetos inflamáveis afastados do depósito de combustível.

Abb. 3.7: Abastecer a instalação


[1] Bocal de enchimento
[2] Cobertura de proteção
 Posicionar o camião cisterna ou depósito de combustível o mais pró-
ximo possível do bocal de enchimento [1].
 Levantar a cobertura de proteção [2] das guarnições do combustível.
 Retirar a tampa de fecho do bocal de enchimento [1].
 Encher o depósito de combustível da instalação.
 Voltar a fechar a tampa de fecho.
 Voltar a baixar a cobertura de proteção [2] das guarnições do com-
bustível de forma a proteger contra a sujidade e o pó.
 Depois de o gerador diesel ser ligado, no ecrã tátil é exibido o nível
de enchimento do depósito de diesel.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 145


MANUSEAMENTO
Abastecer instalação

3.08.01 Abastecer a instalação por meio de uma bomba (opção)

3
4

5
1

Abb. 3.8: Bomba de abastecimento de combustível


[1] Tubo flexível de aspiração
[2] Interruptor da bomba de abastecimento de combustível
[3] Suporte de tubo flexível
[4] Alimentação elétrica
[5] Tubo flexível de pressão
 Posicionar o barril de combustível o mais perto possível do bocal de
enchimento da instalação.
 Levantar a cobertura de proteção das guarnições do combustível.
 Retirar a tampa de fecho do bocal de enchimento.
 Inserir o tubo de sução do tubo flexível de sução [1] no barril de com-
bustível.
 Colocar a trabalhar o gerador diesel da instalação.
 Segurar a pistola de abastecimento do tubo flexível de pressão [4]
dentro do depósito de combustível.
 Solicitar que a bomba de abastecimento de combustível [2] seja liga-
da por uma segunda pessoa.
 Controlar o enchimento de combustível e mandar desligar a bomba
de abastecimento de combustível [2] atempadamente.
 Voltar a fechar a tampa de fecho.
 Guardar os tubos flexíveis [1] e [4] no suporte de tubos flexíveis [3].
Nessa ocasião, recolher o combustível diesel a escorrer num reci-
piente adequado e remover de forma ecológica.

146 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Operar a instalação da água (opção)

 Voltar a baixar a cobertura de proteção das guarnições do combus-


tível de forma a proteger contra a sujidade e o pó.
 No ecrã tátil é indicado o nível de enchimento do depósito de diesel.

3.09 Operar a instalação da água (opção)

AVISO
Perigo de danos materiais
O funcionamento sem água ou com água suja ou congeladas destrói da
bomba de água.
• Garantir sempre o abastecimento suficiente de água.
• Utilizar apenas água limpa, não suja nem congelada.
• Em caso de perigo de congelamento, esvaziar inteiramente a insta-
lação da água.

Ligar a instalação da água  Assegurar os requisito para o funcionamento da instalação da água


(consulte o cap. 2.12).
 Ligar a instalação (consulte o cap. 3.04).
 Selecionar visão geral da instalação.
 Aparece a visão geral da instalação.
 Selecionar o sistema de pulverização.
 Aparece o menu do sistema de pulverização.
 Premir Bomba de água LIG ou selecionar modo automático da
bomba de água.
 Abrir ou fechar as respetivas válvulas de fecho dos tubos de alimen-
tação para os injetores de pulverização.
 A instalação da água pulveriza névoa de água para os respetivos lo-
cais.
No modo automático, a instalação da água liga-se automaticamente ao
ligar a calha de carregamento. Depois de a calha de carregamento ser
desligada, a instalação da água volta a desligar-se com um retardamen-
to de um minuto.
Desligar a instalação da água  Selecionar Visão geral da instalação.
 Aparece a visão geral da instalação.
 Selecionar o sistema de pulverização.
 Aparece o menu do sistema de pulverização.
 Premir Bomba de água DESLIG ou anular a seleção do modo au-
tomático da bomba de água.
 Fechar as respetivas válvulas de fecho dos tubos de alimentação
para os injetores de pulverização.
 A instalação da água está desligada.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 147


MANUSEAMENTO
Carregar a instalação

3.10 Carregar a instalação

PERIGO!
Perigo devido a veículos de carregamento
Durante o carregamento da instalação existe perigo de lesões fatais de-
vido carregadoras de rodas e escavadoras em funcionamento, bem
como devido a queda de material.
• Não entrar na zona de perigo durante o carregamento.
• Advertir pessoas que se encontrem na zona de perigo antes do car-
regamento da instalação.
• Não se encontrar na instalação durante o carregamento e funciona-
mento.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

3.10.01 Veículos de carregamento adequados

AVISO
Perigo de danos materiais
Veículos e instalações de carregamento não adequados originam danos
materiais nos componentes da instalação.
• Não carregar instalação com camiões, dumper ou camiões bascu-
lantes.
• Não carregar a instalação com tamanho demasiado grande ou pe-
queno de pá ou de colher da escavadora.

Para o carregamento, de forma correta, da instalação adequam-se esca-


vadoras com pá ou colher ou instalações de britagem ou de crivagem li-
gadas a montante. Com a devida tremonha (opção), a instalação pode
também ser carregada com uma carregadora de rodas.
Exigências a veículos de carregamento
• Escavadora com pá ou colher com suficiente capacidade de carre-
gamento e ajustada à dimensão da instalação e do material de car-
regamento.
• Carregadora de rodas ajustada à dimensão da instalação e do ma-
terial de carregamento.
O carregamento de materiais heterogéneos e por selecionar, como
betão partido armado , com uma carregadora de rodas pode levar
uma redução da disponibilidade e a um aumento do desgaste da ins-
talação.
• Suficiente altura de elevação da pá ou da colher.
• Estabilidade e resistência à inclinação da carregadora de rodas ou
escavadora.
Eventualmente, têm de ser criadas rampas de acesso adequadas e su-
perfícies de apoio mais elevadas para veículos de carregamento.

148 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Carregar a instalação

O carregamento da instalação pode também ser efetuado através de um


transportador de cinta, desde que este apresente a altura de descarga
necessária.
Requisitos de rampas de acesso ou superfícies de apoio
• Compressão, correta, das rampas de acesso e superfícies de apoio.
• Garantia de vista desimpedida para a tremonha de carregamento.
• Seguro contro escorregamento lateral.
• Material acumulado para rampas de acesso ou superfícies de apoio,
não pode cobrir os componentes da instalação.
• Seguro contra colisões entre a instalação e veículos de carregamen-
to.

3.10.02 Preparação do material de carregamento


Material de carregamento bem preparado possibilita a utilização ideal da
instalação, reduz o desgaste das máquinas individuais e componentes e
garante o bom funcionamento.
Requisitos do material de carregamento
• Não exceder o tamanho e comprimento das arestas, bem como a re-
sistência à pressão do material, consulte o cap. 5.01.01.04.
• Dimensão do carregamento em função do grão final e da relação de
britagem máxima.
• Não carregar material não triturável como p.ex. vigas de aço.
• Não carregar depósitos de pressão, materiais explosivos, químicos
e afins.
• Encurtar vigas de aço armado em betão partido para menos de um
metro.
A transposição do tamanho, comprimento das arestas e resistência à
pressão do material origina obstruções de material de danificações da
britadeira, bem como dos componentes de transporte de material. Para
além disso, só é possível alcançar desempenhos de trituração claramen-
te reduzidos.
Ao utilizar a unidade de crivagem posterior (opção), prestar atenção para
que a dimensão do carregamento de 150 mm não seja ultrapassada. De
contrário não é garantido um fluxo de material sem falhas.
Desempenhos de crivagem, consulte o cap. 5.01.01.06.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 149


MANUSEAMENTO
Carregar a instalação

3.10.03 Carregar tremonha de carregamento

1 1

Abb. 3.9: Carregar tremonha de carregamento


[1] Altura de carregamento máxima
[2] Altura da camada e fluxo do material
Material carregado corretamente possibilita um fluxo ideal de material,
bons resultados de crivagem preliminar e evita a obstrução de material.
• Carregar material para a tremonha de carregamento em intervalos
de tempo regulares e em quantidades aproximadamente idênticas.
• Não encher a tremonha de carregamento para além da borda da tre-
monha. Assegurar que não caia material para fora das paredes da
tremonha. É, porém, permitido a formação de empilhamentos de ma-
terial em forma de cone.
• Prestar atenção, que permanece sempre que possível uma cama de
material na tremonha e calha de carregamento. Um carregamento
repetido contínuo da calha de carregamento vazia pode originar de-
formações e um aumento do desgaste da instalação, levando, para
além disso, a uma carga de ruído evitável.
• Assegurar um fluxo de material e espessura de camada uniformes
na calha de carregamento e no crivo preliminar.
• Ajustar a calha de carregamento através do conversor de frequência
de modo a ser garantido um fluxo de material uniforme.

AVISO
Perigo de danos materiais
Carregamento ou ajuste errado da calha de carregamento leva uma ati-
vação e desativação constante da calha de carregamento. Isto origina

150 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Carregar a instalação

uma carga desnecessária do conversor de frequência e/ou dos motores


de vibração e um desgaste mais elevado dos elementos vibratórios.
• Ajustar calha de carregamento através do conversor de frequência,
de modo a que a desativação automática só atue em casos extremos
(valor de referência, no máximo 10 vezes por hora).
• Voltar a ligar a calha de carregamento, após desativação por sobre-
carga, apenas quando esta tiver parado completamente.

3.10.04 Alimentar a britadeira de impacto

ATENÇÃO!
Perigo devido a desvio do braço oscilante de impacto
Se o braço oscilante de impacto superior escapar subitamente para trás
existe risco de ferimento na zona do apoio do braço oscilante de impac-
to.
• Durante a operação de trituração, não deve tocar na zona de perigo
do apoio do braço oscilante de impacto.
• Manter uma distância de segurança suficiente.

1 2 3

Abb. 3.10: Alimentar a britadeira de impacto


[1] Enchimento da britadeira de impacto
[2] Material de carregamento sobre dimensionado
[3] Amplitude de fenda e relação da fenda da britadeira
Material carregado corretamente possibilita uma utilização ideal do de-
sempenho de trituração e evita obstruções de material.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 151


MANUSEAMENTO
Abrir a britadeira de impacto

• Assegurar sempre um enchimento perfeito da britadeira de impacto.


• Não exceder a dimensão e comprimento das arestas máximos do
material de carregamento.
• Ajustar corretamente as amplitudes de fenda e relação da fenda da
britadeira dos braços oscilantes de impacto, consulte o cap. 3.14.03.
• Prestar atenção a um fluxo de material uniforme para a britadeira de
impacto.
O carregamento ideal da britadeira de impacto é influenciada determi-
nantemente pelo carregamento da tremonha de carregamento, por um
fluxo de material uniforme, bem como pelo ajuste das amplitudes de fen-
da e da relação da fenda da britadeira dos braços oscilantes de impacto.
Em caso de sobrecarga da britadeira de impacto, p. ex., devido a mate-
rial não triturável, o braço oscilante pode recuar até um determinado
grau.

AVISO
Perigo de danos materiais
Um sobre enchimento contínuo da britadeira de impacto leva a um des-
gaste precoce e pode originar a ativação da proteção contra sobrecarga
e, deste modo, obstruções de material.
• Assegurar um carregamento correto da britadeira de impacto.

3.11 Abrir a britadeira de impacto

Abb. 3.11: Abrir a britadeira de impacto (I)


[1] Parafusos de fixação
[2] Ganchos de engate
[3] Interruptor de fim de curso

152 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Abrir a britadeira de impacto

Abb. 3.12: Abrir a britadeira de impacto (II)


[4] Superfícies de apoio
[5] Apoio do rotor
A britadeira de impacto pode ser aberta hidraulicamente para eliminar
obstruções de material e para substituir as travessas de impacto e bra-
ços oscilantes de impacto. A carcaça da britadeira está trancada eletri-
camente através do interruptor de fim de curso [2], enquanto o rotor
estiver a rodar.

PERIGO!
Perigo de esmagamento na zona de basculamento da britadeira
A abertura e fecho da carcaça da britadeira pode causar graves lesões
por esmagamento.
• Não permanecer na área de dobragem da carcaça da britadeira.
• Certificar-se de que não existem pessoas na zona de perigo.

Abrir a britadeira de impacto  Desligar a britadeira e aguardar até à imobilização total.


 Desengatar a escada da plataforma entre a britadeira e a unidade de
acionamento e pousar num local seguro.
 Desenroscar as porcas dos parafusos de fixação [1] e retirar inclusi-
ve as anilhas. Engatar as porcas e anilhas nos ganchos de engate
[2] previstos para o efeito.
 Repetir o processo do lado oposto.
 Ligar a instalação no modo manual.
 Com as teclas do comando local, consulte o cap. 2.02.05, abrir a car-
caça da britadeira.
 Abrir a carcaça da britadeira até ao batente.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 153


MANUSEAMENTO
Proteger o rotor

 Certificar-se de que o retentor de segurança está engatado. A tampa


de segurança deve estar visível no orifício superior, consulte a seta.
 Desligar o gerador diesel.
 A carcaça da britadeira está aberta. O retentor de segurança está
bloqueado.

Fechar a britadeira de impacto  Limpar as superfícies de apoio da carcaça da britadeira [4] e a zona
em torno dos apoios do rotor [5].
 Certificar-se de que não se encontra nenhuma pessoa na câmara de
trituração e que não existem obstáculos na zona de basculamento
da britadeira.
 Ligar a instalação no modo manual.
 Para desbloquear o retentor de segurança, puxar pelo punho e man-
tê-lo puxado.
 O retentor de segurança é desbloqueado, consulte a seta. A britadei-
ra de impacto pode ser fechada.
 Com as teclas do comando local, consulte o cap. 2.02.05, fechar a
carcaça da britadeira.
 Enroscar e apertar as anilhas e porcas dos parafusos de fixação [1].
Repetir o processo do lado oposto.
 Voltar a engatar a escada da plataforma entre a britadeira e a unida-
de de acionamento.
 Desligar o gerador diesel.
 A carcaça da britadeira está fechada e protegida.

3.12 Proteger o rotor

PERIGO!
Perigo devido a rotor em rotação
Um rotor não protegido pode dar origem a ferimentos graves ou mesmo
fatais.
• Não rodar o rotor à mão. Utilizar o dispositivo para rodar o rotor.
• Não meter as mãos no rotor em rotação.
• Antes de efetuar trabalhos na câmara de trituração é necessário apli-
car sempre a proteção do rotor.
• Abandonar a câmara de trituração antes de remover a proteção do
rotor.

154 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Proteger o rotor

3.12.01 Inserir a proteção do rotor

Abb. 3.13: Aplicar a proteção do rotor


[1] Parafuso de fixação
[2] Proteção do rotor
[3] Orifício de retenção do rotor
Só a proteção do rotor garante uma fixação segura do rotor, para que se
possam realizar trabalhos de manutenção e de reparação sem perigo na
câmara de trituração.
Inserir a proteção do rotor  Desligar a britadeira e aguardar até à imobilização total.
 Abrir a britadeira de impacto (consulte o cap. 3.11).
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel e protegê-
los contra uma reativação.
 Rodar o rotor para a posição utilizando o dispositivo para rodar o ro-
tor (consulte o cap. 3.12.02).
 Aplicar a proteção do rotor [2] no orifício de retenção do rotor [3] e
fixar com o parafusos de fixação [1].
 O rotor está protegido.
A proteção do rotor encontra-se na caixa das ferramentas.

Retirar a proteção do rotor  Elevar o parafusos de fixação [1] para fora e retirar a proteção do ro-
tor [2].
 Voltar a inserir o parafusos de fixação [1] no suporte.
 Guardar a proteção do rotor [2] na caixa das ferramentas para uma
utilização futura.
 O rotor não está protegido.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 155


MANUSEAMENTO
Proteger o rotor

3.12.02 Inserir o dispositivo para rodar o rotor

PERIGO!
Perigo devido a rotor em rotação
Um dispositivo para rodar o rotor inserido não protege suficientemente o
rotor de um rearranque.
• Antes de efetuar trabalhos na câmara de trituração é necessário apli-
car sempre a proteção do rotor.
• Abandonar a câmara de trituração antes de remover a proteção do
rotor.
• Não meter as mãos no rotor em rotação.

2 3

Abb. 3.14: Dispositivo para rodar o rotor


[1] Tensor de carga
[2] Caixa de engrenagens
[3] Coroa dentada
[4] Roda dentada
[5] Manivela

156 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Proteger o rotor

ATENÇÃO!
Perigo devido aos acionamentos de correia
Em caso acionamentos da correia de roda livre existe perigo de ferimen-
to por colhimento de membros do corpo.
• Ao efetuar trabalhos de manutenção e de reparação nos acionamen-
tos de correia é necessário desligar sempre os componentes da ins-
talação e o gerador diesel.
• Proteger a instalação contra uma reativação.
• Não meter as mãos em acionamentos de correia a trabalhar.

O dispositivo para rodar o rotor permite o posicionamento seguro do ro-


tor, para que se possam realizar trabalhos de manutenção e de repara-
ção na câmara de trituração. Após o posicionamento do rotor é
necessário inserir a proteção do rotor.
Engatar o dispositivo para  Desligar a britadeira e aguardar até à imobilização total.
rodar o rotor
 Abrir a britadeira de impacto (consulte o cap. 3.11).
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel e protegê-
los contra uma reativação.
 Abrir o revestimento do acionamento da correia.
 Rodar o tensor de carga [1], até que a roda dentada [4] engate por
completo na coroa dentada [3] da polia de correia.
 Encaixar e rodar a manivela [5] na caixa de engrenagens [2] até ser
alcançada a posição pretendida do rotor.
 O rotor está posicionado.
A manivela encontra-se na caixa das ferramentas.
 Inserir a proteção do rotor (consulte o cap. 3.12.01).
 O rotor está protegido.
Desengatar o dispositivo para  Certificar-se de que não existem pessoas na câmara de trituração.
rodar o rotor
 Retirar a proteção do rotor (consulte o cap. 3.12.01).
 Rodar o tensor de carga [1] completamente para trás. Certificar-se
de que a roda dentada [4] já não está engatada na coroa dentada [3].
 Retirar a manivela [5] da caixa de engrenagens [2] e guardá-la na
caixa das ferramentas para uma reutilização futura.
 Fechar o revestimento.
 O rotor não está protegido e está pronto para arrancar.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 157


MANUSEAMENTO
Eliminar obstruções de material

3.13 Eliminar obstruções de material

PERIGO!
Perigo devido a obstruções de material
A intervenção com a instalação em funcionamento, especialmente, na
britadeira em funcionamento ou em descarga, pode originar lesões gra-
ves ou fatais.
• Não remover obstruções de material com a instalação em funciona-
mento.
• Não subir para cima de calhas transportadoras vibratórias e máqui-
nas de crivar em funcionamento.
• Não abrir portas e chapeletas de manutenção com a instalação em
funcionamento.
• Deixar a britadeira esvaziar até à paragem total.
• Desligar instalação, retirar chave e proteger contra reativação.
• Afixar a placa de aviso correspondente de forma bem visível.
• Usar equipamento pessoal de proteção.
• Observar o manual de segurança.

Obstruções de material podem ter diversas causas:


• Ajustes não adequados da instalação, p. ex., velocidade de transpor-
te da calha de carregamento demasiado elevada.
• Uma fenda da britadeira demasiado pequena do braço oscilante de
impacto inferior e, deste modo, uma relação da fenda da britadeira
demasiado grande.
• Circuito de grãos sobre dimensionados ajustado incorretamente ao
utilizar uma unidade de crivagem posterior (opção).
• Amplitudes inadequadas das malhas de crivagem.
• Excedimento da dimensão máxima do carregamento.
• Carregamento de materiais não trituráveis, como p.ex. vigas ou tu-
bos de aço.
• Carregamento de betão armado com vigas de aço reforçado compri-
das e sobressalientes.
Obstruções de material podem surgir em diversos pontos do fluxo de
material:
• Na entrada da britadeira devido a transposições diante do braço os-
cilante de impacto superior.
• Imobilização do rotor devido ao encravamento de material não tritu-
rável no braço oscilante de impacto inferior.
• Na saída da britadeira, mergulhando o rotor no material triturado que
se situa na calha de descarga.
• Transposições ou bloqueios em todos os outros locais de passagem
de material devido a material volumoso.

158 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Eliminar obstruções de material

Preparações Antes de ser iniciada a remoção de obstruções de material numa brita-


deira bloqueada ou para, executar, obrigatoriamente, os seguintes pro-
cedimentos:
 Deixar a britadeira esvaziar até à paragem total.
 Inserir o dispositivo para rodar o rotor (consulte o cap. 3.12.02).
 Abrir a britadeira de impacto (consulte o cap. 3.11).
 Desligar todos os componentes da instalação.
 Desligar o gerador diesel.
 Retirar a chave de ignição e proteger contra reativação.
 Afixar a placa de aviso correspondente de forma bem visível.
 Informar outras pessoas sobre o início de trabalhos na instalação.
 Eventualmente, desmontar o segmento do corrimão da plataforma
sobre o depósito de diesel (consulte o cap. 3.13.01), para poder re-
tirar o material da britadeira.
 Preparar as ferramentas adequadas.
 Usar equipamento pessoal de proteção.
 Foram efetuadas todas as preparações. As obstruções de material
podem ser removidas.
Eliminar obstruções de Cada obstrução de material é condicionada pela situação e difere indivi-
material dualmente. Os pontos mencionados descrevem possíveis modos de
procedimento e dão conselhos para a prevenção de perigos:
• Nunca efetuar sozinho a eliminação de obstruções de material na
britadeira.
• Primeiro remover material volumoso ou demasiado comprido da ca-
lha de carregamento e do crivo preliminar com a pá ou colher da es-

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 159


MANUSEAMENTO
Eliminar obstruções de material

cavadora, para que não possa escorregar, à posteriori, material para


a britadeira.
• Triturar material sobre dimensionado e volumoso na britadeira com
um cinzel hidráulico ou elétrico.
• Eventualmente, apertar parafusos de ancoragem no material sobre
dimensionado e levantar com dispositivo de elevação adequado
para fora.
• Lembre-se que pedras, material não triturável e, especialmente, vi-
gas de aço reforçado podem acumular uma quantidade considerável
de energia numa britadeira parada.
• Na eliminação de obstruções de material na britadeira, proceder com
extrema precaução. Energia acumulada do material pode levar a
movimentações inesperadas do material e da britadeira.
• Eliminar obstruções de material sempre de cima para baixo, de for-
ma a evitar perigos devido a material a escorregar à posteriori e que
caia.
• Descarregar material, que tenha passado a britadeira, com auxílio da
cinta de descarga da britadeira ou da calha de descarga. Nunca car-
regar a britadeira perante a existência de perigo de queda de pedras.
• Eventualmente, remover material por baixo da britadeira com pás ou
jactos de água de alta pressão.
• Soltar e eliminar obstruções de material em calhas transportadoras
vibratórias, máquinas de crivar e cintas transportadoras com auxílio
de ferramentas adequadas como pés de cabra, picaretas ou pás.
Não soltar obstruções de material na zona da unidade de carrega-
mento , nem na britadeira com carregadora de rodas ou escavadora.
Poderiam ser destruídos componentes ou peças da instalação.
• No funcionamento com unidade de crivagem posterior, preste aten-
ção para que os materiais excessivamente grandes, que caíram na
cinta de descarga da britadeira, não deem origem a obstruções de
material subsequentes no crivo de triagem, na cinta de saída lateral
e na cinta de retorno.
• Nunca utilizar explosivos para eliminação de obstruções de material.
• Nunca utilizar maçaricos de corte para recortar material ou compo-
nentes. Energia acumulada do material pode levar a movimentações
inesperadas do material e da britadeira.
Trabalhos finais Após remoção das obstruções de material devem, de seguida, se exe-
cutados os seguintes trabalhos:

160 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Eliminar obstruções de material

AVISO
Perigo de danos materiais
Através do arranque de um acionamento de britadeira contra uma brita-
deira bloqueada, podem ser destruídos o acionamento da britadeira
como os elementos de comando.
• Eliminar obstruções de material antes de colocar a britadeira em fun-
cionamento.
• Esvaziar inteiramente o espaço de britagem.

 Remover ferramentas utilizadas das máquinas e componentes da


instalação.
 Assegurar, que não é transportado material sobre dimensionado na
cinta de descarga da britadeira. De contrário, isso poderá dar origem
a danos no separador magnético e nos componentes da unidade de
crivagem posterior.
 Voltar a aplicar dispositivos de proteção e componentes desmonta-
dos adequadamente.
 Assegurar que já não se encontram pessoas na zona de perigo.
 A instalação está pronta para a reativação.

3.13.01 Montar/desmontar o corrimão

Abb. 3.15: Segmento do corrimão da plataforma


[1] Parafuso de olhal
[2] Braçadeira de aperto
[3] Segmento do corrimão

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 161


MANUSEAMENTO
Ajustar a britadeira de impacto

ATENÇÃO!
Perigo de queda
Existe perigo de queda quando o segmento do corrimão está desmonta-
do.
• Desmontar o segmento do corrimão apenas para eliminar obstru-
ções de material e para substituir as travessas de impacto.
• Deve ter um cuidado redobrado quando o segmento do corrimão es-
tá desmontado.
• Não deve saltar da instalação.

Para que possa substituir obstruções de material e substituir travessas


de impacto é possível desmontar o segmento do corrimão [3] da plata-
forma sobre o depósito de diesel.
 Desenroscar as porcas dos parafusos de olhal [1] até que os parafu-
sos de olhal se deixem bascular para fora.
 Bascular as braçadeiras de aperto [2] para fora.
 Retirar o segmento do corrimão [3] e pousá-lo num local seguro.
 O segmento do corrimão está desmontado.
 Voltar a montar o segmento do corrimão na sequência inversa.

3.14 Ajustar a britadeira de impacto

3.14.01 Valores de referência do ajuste da fenda


Valores de referência para ajustes de fenda em britadeiras de im-
pacto da série SHB
Os seguintes valores de referência servem de ajuste básico. O ajuste de-
finitivo da fenda da britadeira faz-se após o controlo do grão final (curva
de crivo, tamanho de grão) e após a verificação e ajuste do fluxo contí-
nuo de material.
Ajustes fora destes valores de referência podem dar origem a um maior
desgaste e menor desempenho de trituração.

162 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Ajustar a britadeira de impacto

Material de carre- Dimensão do Tamanho de grão Fenda da britadeira Fenda da britadeira


gamento carregamento1 final superior inferior
Resistência à pres- 0-400 0-25 ~120 15
são até 100 N/mm2 0-32 25
(macio)
0-45 35
0-63 50
0-600 0-32 ~180 25
0-45 35
0-63 50
0-80 60
0-800 0-45 ~240 35
0-63 50
0-80 60
0-1000 0-63 ~300 50
0-80 60
Resistência à pres- 0-400 0-25 ~120 15
são até 150 N/mm2 0-32 25
(meio duro)
0-45 35
0-63 50
Tab. 3.3: Valores de referência dos ajustes de fenda

1 Dimensões de carregamento admissíveis, consulte o cap. 5.01.01.04.


Regras empíricas para o ajuste da fenda
• A fenda da britadeira superior perfaz cerca de 30 % da dimensão do
carregamento.
• A fenda da britadeira inferior perfaz cerca de 80 % do tamanho de
grão final pretendido.

3.14.02 Valores de referência do número de rotações do rotor


Valores de referência para os números de rotações dos rotores de
britadeiras de impacto da série SHB
O ajuste do número de rotações do rotor faz-se através da pré-seleção
do número de rotações do gerador diesel. O ajuste definitivo do número
de rotações do rotor faz-se após o controlo do grão final (tamanho de
grão, proporção fina de material, desgaste) e após a verificação e ajuste
do fluxo contínuo de material.
Regras empíricas para o ajuste do número de rotações
• De preferência, começar com rotações baixas a médias (1600-
1700 rpm).
• Observar como o tamanho de grão e a proporção fina de material no
grão final se desenvolvem. Em seguida, aumentar ou reduzir o nú-
mero de rotações do rotor.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 163


MANUSEAMENTO
Ajustar a britadeira de impacto

Ao aumentar o número de rotações do rotor são alterados os seguintes


valores:
• Maior desgaste nas travessas de impacto, braços oscilantes de im-
pacto e chapas de desgaste.
• Maior energia de trituração específica e, deste modo, maior consu-
mo de combustível.
• Mair grau de trituração.
• Maior proporção de grão fino.
• Forma do grão cúbica e melhorada.

3.14.03 Verificar/ajustar a fenda da britadeira superior

3
4

Abb. 3.16: Braço oscilante de impacto superior, fenda da britadeira


[1] proteção elétrica da porta de manutenção
[2] Parafuso de aperto
[3] Viga da porta
[4] Placas de impacto do braço oscilante de impacto superior
[5] Travessa de impacto
A fenda da britadeira do braço oscilante de impacto superior pode ser
ajustada de forma aproximada através do ecrã tátil ou, em alternativa,
através do comando local, com base no curso de deslocamento do cilin-
dro hidráulico. Isto também poderá ser efetuado com a britadeira em fun-
cionamento.
A fenda da britadeira entre a travessa de impacto e o braço oscilante de
impacto só pode ser ajustada de forma exata com a britadeira parada.
Ajustar a fenda da britadeira A porta de manutenção para o ajuste da fenda da britadeira só é liberta-
de forma exata da pela proteção elétrica da porta [1] após a total imobilização do rotor.
 Ligar a instalação no modo manual, consulte o cap. 3.06.
 Desligar a britadeira e aguardar até que imobilize por completo.

164 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Ajustar a britadeira de impacto

 Soltar o parafuso de aperto [2] e retirar a viga da porta [3].


 Chamar através do ecrã tátil o submenu da britadeira e desativar a
proteção elétrica da porta de manutenção [1].
 Abrir a porta de manutenção.
 Eventualmente, com o dispositivo para rodar o rotor (consulte o cap.
3.12.02) rodar o rotor até que uma travessa de impacto [5] fique exa-
tamente do lado oposto ao das placas de impacto [4].
 Medir a fenda da britadeira com ajuda de um metro ou fita métrica.
 Com as teclas do comando local (consulte o cap. 2.02.05) abrir ou
fechar a fenda da britadeira. Em alternativa, mande efetuar o proces-
so através do ecrã tátil.
 Medir a fenda da britadeira; se necessário corrigi-la.
 Fechar a porta de manutenção e protegê-la com a viga da porta [3]
e o parafuso de aperto [2].
 Chamar através do ecrã tátil o submenu da britadeira e ativar a pro-
teção elétrica da porta de manutenção [1].
 Desligar o sistema hidráulico auxiliar.
 A fenda da britadeira do braço oscilante de impacto superior está
ajustada.
Ajustar a fenda da britadeira Encontra-se descrito o modo de procedimento através do ecrã tátil. O
de modo aproximado ajuste também é possível através do comando local.
 Ligar a instalação no modo automático (consulte o cap. 3.04).
 Selecionar Visão geral da instalação.
 Aparece a visão geral da instalação.
 Selecionar o menu da britadeira.
 Chamar Submenu da britadeira.
 Aparece o submenu da britadeira.
 Avançar o cilindro hidráulico do braço oscilante de impacto com
ou recuar com.
 Se o botão for mantido premido, o braço oscilante de impacto avança
até ao batente dianteiro ou recua até ao batente traseiro.
 A fenda da britadeira do braço oscilante de impacto superior está
ajustada.
Do ponto de vista construtivo, a fenda mínima da britadeira do braço os-
cilante de impacto superior está dimensionada de forma a não ser pos-
sível uma colisão com o rotor em rotação.

3.14.04 Verificar/ajustar a fenda da britadeira inferior


3.14.04.01 Realizar a determinação do ponto de repouso
A realização da determinação do ponto de repouso deverá ser efetuada
depois de ocorrer a seguinte situação:

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 165


MANUSEAMENTO
Ajustar a britadeira de impacto

• Após a abertura da carcaça da britadeira. Uma solicitação para ini-


ciar a determinação do ponto de repouso ocorre através do ecrã tátil,
após o fecho da carcaça da britadeira.
• Após uma verificação do sistema, concluída sem êxito, que é reali-
zada sempre automaticamente antes do arranque da britadeira. Uma
solicitação para iniciar a determinação do ponto de repouso sucede
após uma mensagem de erro.
• Após o desencadeamento da proteção contra sobrecarga do ajuste
da fenda da britadeira.
• Em caso de necessidade, p. ex., após uma operação de trituração
mais prolongada.
A determinação do ponto de repouso só pode ser efetuada com o gera-
dor diesel a trabalhar e estando acesa a "Autorização de arranque".
Para iniciar a determinação do ponto de repouso é necessário que este-
jam desligados todos os acionamentos, também o acionamento da brita-
deira.
A determinação do ponto de repouso só pode ser efetuada no modo au-
tomático.
 Ligar a instalação no modo automático.
 Selecionar Visão geral da instalação.
 Aparece a visão geral da instalação.
 Selecionar Submenu da britadeira.
 Chamar Menu do ajuste da fenda.
 Aparece o menu do ajuste da fenda.
 Premir Determinação automática do ponto de repouso (está pre-
definido).
 Premir Determinação do ponto de repouso LIG.
 Responder sim à pergunta "Pretende mesmo iniciar a determinação
do ponto de repouso?".
 A indicação muda para a representação da determinação do ponto
de repouso. O ponto de repouso é acedido automaticamente. Em se-
guida, o braço oscilante de impacto move-se para o valor nominal
ajustado previamente. Este processo pode demorar vários minutos.
O processo da determinação do ponto de repouso pode ser interrompido
a qualquer momento através do botão de desativação de emergência no
menu da determinação do ponto de repouso. O braço oscilante de im-
pacto inferior move-se então, de imediato, para a zona segura.

3.14.04.02 Ajustar a fenda da britadeira


O ajuste da fenda da britadeira é realizado no modo automático. O des-
locamento livre do braço oscilante de impacto faz-se exclusivamente no
modo manual.
Ajustar a fenda da britadeira O ajuste exato da fenda da britadeira só pode ser realizado no modo au-
no modo automático tomático, com a britadeira a trabalhar.

166 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Remover montes

 Ligar a instalação no modo automático (consulte o cap. 3.04).


 Selecionar Visão geral da instalação.
 Aparece a visão geral da instalação.
 Selecionar Submenu da britadeira.
 Chamar Menu do ajuste da fenda.
 Aparece o menu do ajuste da fenda.
 Premir Valor nominal do ajuste da fenda.
 Introduzir o valor nominal pretendido e confirmar com RET.
 O valor nominal pretendido é acedido. A fenda da britadeira está
ajustada.
Deslocar o braço oscilante de No modo manual, o braço oscilante de impacto poderá ser avançado e
impacto no modo manual recuado com o rotor parado. Isso poderá ser necessário para verificar a
liberdade de movimento do braço oscilante de impacto ou para eliminar
obstruções de material.
Para o deslocamento do braço oscilante de impacto é necessário um uti-
lizador registado na administração de utilizadores do ecrã tátil. Se não
estiver registado nenhum utilizador, as funções não se encontram dispo-
níveis.
 Ligar a instalação no modo manual (consulte o cap. 3.06).
 Selecionar Visão geral da instalação.
 Aparece a visão geral da instalação.
 Selecionar o menu da britadeira.
 Chamar Menu do ajuste da fenda.
 Aparece o menu do ajuste da fenda.
 Avançar o cilindro hidráulico do ajuste da fenda com ou recuar
com.
 Se o botão for mantido premido, o braço oscilante de impacto avança
até ao ponto de repouso ajustado ou recua até ao batente traseiro.
Pedras ou peças metálicas encravadas bloqueiam o braço oscilante de
impacto. O curso de deslocamento pode ser controlado visualmente
através da indicação "Sistema de medição do cilindro" do ecrã tátil.

3.15 Remover montes


Devem ser monitorizados a dispersão e altura dos montes originados por
baixo das zonas de descarga dos transportadores de cinta e separado-
res magnéticos.
• A dispersão originada dos montes não pode chegar ao trem de roda-
gem de lagartas, nem aos componentes da instalação.
• Não deixar que os montes cheguem aos bordos inferiores dos trans-
portadores de cinta. A distância entre o pico do monte e o transpor-
tador de cinta não pode ser inferior a 250 mm. Montes demasiado

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 167


MANUSEAMENTO
Funcionamento no Inverno

altos que alcancem os transportadores de cinta, originam danos nas


cintas transportadoras, raspadores e vedações.
• Remover os montes sempre atempadamente com carregadoras de
rodas. Prestar atenção para as carregadoras de rodas não colidirem
componentes e peças da instalação.
• Na remoção dos montes assegurar que estes não sejam empurra-
dos contra a instalação sendo, através disso, obstruídos ou danifica-
dos o trem de rodagem de lagartas ou outros componentes da
instalação.
• Descarregar a saída de ferro do separador magnético, eventualmen-
te, para um recipiente de recolha preparado. Esvaziar o recipiente de
recolha atempadamente.
• Em caso de saída de ferro direta para o chão, removê-lo atempada-
mente com escavadora e dispositivos de elevação adequado.

3.16 Funcionamento no Inverno


Antes e durante o inverno é necessária a preparação da instalação para
a época fria do ano.

Líquido de refrigeração
 Encher anticongelante permitido em concentração suficiente para a
instalação de refrigeração.
 Verificar o anticorrosivo e anticongelante com mais frequência du-
rante o período de gelo.
Para obter mais informações sobre anticongelantes autorizados do mo-
tor diesel, consultar documentação do fabricante.

Óleo do motor
 Efetuar, atempadamente, a mudança de óleo do motor diesel com
um óleo do motor autorizado nas classes SAE prescritas.
Para obter mais informações sobre óleos autorizados do motor diesel,
consular a documentação do fabricante.

Combustível diesel de inverno


 Perante temperaturas exteriores abaixo de 0 °C, mudar para com-
bustível diesel com suficiente fluidez.
Para obter mais informações em relação a medidas permitidas para o
melhoramento da fluidez do combustível diesel, consulte a documenta-
ção do fabricante.
A operacionalidade de combustíveis diesel de inverno resistentes ao frio
está assegurada, na Alemanha, até aprox. -20 °C. Noutros países são
possíveis desvios.

Baterias do motor de arranque de 12 V


 Verificar o nível de ácido das baterias do motor de arranque de 12 V
com mais frequência na época fria do ano. Eventualmente, acres-
centar água destilada.

168 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Funcionamento no Inverno

 Se necessário, carregar baterias do motor de arranque.

Vedações e raspadores
 Antes da ativação dos componentes da instalação, verificar se as ve-
dações e raspadores, que se encontram nos componentes móveis,
não estão congelados.

Trem de rodagem de lagartas


 Antes do deslocamento da instalação, verificar se os componentes
do trem de rodagem de lagartas não estão congelados.
Instalação da água (opção)

Abb. 3.17: Instalação da água Funcionamento no Inverno


[1] Parafuso de escoamento de água
[2] Válvulas de fecho dos tubos de alimentação
A temperaturas exteriores abaixo dos 0 °C, a bomba de água e o sistema
de pulverização podem ser operados, desde que esteja assegurado um
funcionamento contínuo. Em caso de paragem mais prolongada da ins-
talação, p.ex. durante a noite, deve ser escoada a água da bomba de
água e dos tubos de alimentação para os injetores de pulverização, de
forma a evitar o congelamento.
 Aplicar calha de descarga adequada por baixo do parafuso de esco-
amento de água da bomba de água [1]. A água tem de ser conduzida
para fora da carcaça.
 Separar da instalação as uniões da alimentação de água, aplicadas
por baixo do armário de distribuição.
 Desaparafusar o parafuso de escoamento de água [1] e deixar esco-
ar a água.
 Rodar todas as válvulas de fecho dos tubos de alimentação [2] no
sentido do fluxo e deixar que a água escorra.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 169


MANUSEAMENTO
Ajuda e localização de falhas

 Voltar a aplicar o parafuso de escoamento de água [1] e rodar as vál-


vulas de fecho [2] de forma a ficarem transversais ao sentido do flu-
xo.
 A instalação da água está protegida contra congelamento.

3.17 Ajuda e localização de falhas

3.17.01 Arrancar o motor com cabo auxiliar

PERIGO!
Perigo no manuseamento com baterias
Perigo de explosão devido a formação de "gás detonante"!
• Usar equipamento pessoal de proteção.
• Após abertura da carcaça da unidade de acionamento, esperar al-
gum tempo para deixar entrar ar.
• Não fumar, não utilizar chama aberta.
• Evitar formação de curto-circuito e de faíscas.
• Não pousar ferramentas em cima das baterias.

Medidas de precaução • Prestar atenção a uma tensão nominal igual das baterias.
• Um bateria descarregada pode congelar já a temperatura por volta
dos 0 °C. -Descongelar baterias congeladas, obrigatoriamente, num
espaço quente, antes de serem ligados os cabos para auxílio no ar-
ranque.
• Utilizar cabos para auxílio no arranque com bornes terminais isola-
dos e um corte transversal de pelo menos 25 mm2.
• Os bornes terminais de um dos cabos não podem tocar os do outro
cabo.
• Não separar baterias descarregadas do gerador diesel.
• Veículo de carga e instalação não podem entrar em contacto.
Ligar cabo  Ligar um borne terminal de um dos cabos ao polo positivo da bateria
carregada (sinal de mais).
 Ligar o outro borne terminal desse cabo ao polo positivo da bateria
descarregada (sinal de mais).
 Ligar um borne terminal do segundo cabo ao polo negativo da bate-
ria carregada (sinal de menos).
 Ligar o outro borne terminal do segundo cabo à massa do gerador
diesel, p.ex. no bloco do motor ou no parafuso de fixação do apoio
do motor. Não ligar o borne terminal ao polo negativo da bateria des-
carregada (perigo de explosão), mas tanto quanto possível longe da
bateria descarregada.
 Instalar os cabos, de modo a que estes não sejam abrangidos pelos
componentes rotativos, podendo posteriormente ser retirados
aquando do funcionamento do gerador diesel.

170 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUSEAMENTO
Ajuda e localização de falhas

Colocar o motor em marcha  Arrancar o motor do veículo de carga e deixar trabalhar com rota-
ções médias do motor.
 Colocar o gerador diesel, após aprox. 5 minutos, em funcionamento.
 Deixar ambos os motores, com cabos auxílio no arranque conecta-
dos, a continuar a trabalhar durante aprox. 3 minutos a rotações do
motor médias.
Retirar cabos  Para prevenir sobretensões no sistema elétrico, ligar um consumidor
elétrico na instalação antes de remover os cabos de auxílio no arran-
que (p. ex., bomba de água).
 Retirar os cabos para auxílio no arranque na sequência oposta do
que ao efetuar a ligação.
 O arranque assistido está concluído.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 171


MANUTENÇÃO
Ajuda e localização de falhas

4 MANUTENÇÃO
Neste capítulo são descritos trabalhos de manutenção e de reparação
que devem ser ordenados ou efetuados. As quantidades de enchimento
e intervalos de manutenção são expostos no cap. 5.01 ou cap. 5.02.
As especificações das massas lubrificantes e óleos estão descritas nos
ingredientes de funcionamento no cap. 5.04.01.
Respeite, na execução de todas as atividades, as indicações contidas no
seu Manual de Segurança!

PERIGO!
Perigo devido a pessoal não qualificado
A execução de trabalhos de manutenção, reparação e de assistência por
pessoal não qualificado e não autorizado pode levar a lesões graves ou
fatais.
• Apenas encarregar pessoas para trabalhos de manutenção, repara-
ção e serviço de assistência que sejam qualificadas e autorizadas de
acordo com os requisitos expostos neste manual de instruções.

Todos os dispositivos de proteção revestimentos e proteções de compo-


nentes devem, após os trabalhos de manutenção, reparação e assistên-
cia, voltar a ser colocados na posição de segurança.
Verificar, regularmente, as porcas e parafusos em relação a bom encaixe
e, eventualmente, reapertar! Os binários de aperto estão referenciados
no cap. 5.03.
Os intervalos de manutenção devem ser cumpridos, de forma a ser ga-
rantido o funcionamento perfeito das máquinas e componentes e a dimi-
nuir o desgaste.
Todos os trabalhos de manutenção, reparação e assistência não descri-
tos neste capítulo, podem apenas ser efetuados por pessoal formado
pela KLEEMANN GmbH. Destes fazem parte trabalhos de reparação na
instalação hidráulica e elétrica, bem como no gerador diesel.
Observar as seguintes indicações de segurança:
• Deixar esvaziar completamente todos os componentes da instalação
como britadeira, calhas transportadoras vibratórias, crivos vibrató-
rios e transportadores de cinta.
• Colocar a instalação em piso firme e plano em repouso.
• Por regra, os trabalhos de reparação, manutenção e limpeza, assim
como a eliminação de perturbações de funcionamento devem ser re-

172 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Ajuda e localização de falhas

alizadas no modo de operação "Modo de reparação", veja mais abai-


xo neste capítulo.
• Os trabalhos de reparação, manutenção e assistência em que acio-
namentos individuais tenham de estar a trabalhar devem ser realiza-
dos no modo de operação "Modo manual", consulte o cap. 3.06.
• Desligar todas as instalações ligadas a montante e a jusante e pro-
teger contra colocação involuntária em funcionamento.
• Informar o pessoal operacional antes do início de trabalhos de ma-
nutenção, reparação e de assistência.
• Ao efetuar trabalhos na instalação hidráulica, desligar o sistema hi-
dráulico e protegê-lo contra uma reativação involuntária.
• Antes de serem efetuados trabalhos em válvulas, cilindros hidráuli-
cos ou linhas hidráulicas, apoiar ou firmar transportadores de cinta,
paredes da tremonha e outros componentes hidraulicamente acio-
nados.
• Substituir tubos flexíveis hidráulicos mais tardar após um tempo de
utilização de seis anos, inclusive um período de permanência em ar-
mazém de no máximo dois anos.
• Encarregar apenas pessoal de assistência formado pela KLEE-
MANN para a execução de ajustes nas válvulas de borboleta e vál-

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 173


MANUTENÇÃO
Ajuda e localização de falhas

vulas limitadoras de pressão. É proibida a remoção de selos nas


válvulas de segurança.
• Abrir portas e chapeletas da instalação apenas após paragem dos
componentes móveis.
• Seguir indicações de segurança, de forma a evitar lesões e aciden-
tes.
• Trabalhos de reequipamento, soldadura e de reparação na instala-
ção devem apenas ser efetuados por pessoal formado ou autorizado
pela KLEEMANN.
• Seguir instruções relativas a trabalhos de soldadura, consulte o cap.
4.47.
• Na substituição, elevar componentes e peças pesados com disposi-
tivos de elevação e acessórios de lingamento adequados e proteger
ao pousar.
• Ajustar os componentes elétricos e hidráulicos substituídos de forma
correspondente às especificações nas placas de características e
esquemas de ligações.
• Apertar as uniões roscadas de acordo o devido binário de aperto e
verificar em relação ao encaixe firme.
• Verificar o funcionamento dos dispositivos de segurança após con-
clusão dos trabalhos de manutenção, reparação e assistência.
• Efetuar os trabalhos de manutenção prescritos dentro dos prazos.
• Utilizar apenas peças sobresselentes, filtros, massas lubrificantes e
óleo disponibilizados pela KLEEMANN. Componentes e ingredien-
tes de serviço de outros fabricantes podem causar danos.
• Colocar filtros velhos em recipientes adequados, de forma a recolher
óleo usado ou combustível que escorra.
• Remover filtros, óleo usado, combustível e massa lubrificante de
modo ecológico e nas devidas condições.
Executar o modo de operação "Modo de reparação"

1 2

174 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Dispositivos de segurança/chassis

Abb. 4.1: Interruptor principal


[1] Seletor das posições de operação
[2] Bloqueio do fecho
[3] Botão de ativação manual
Antes da execução de trabalhos de reparação, manutenção e assistên-
cia é necessário mudar a instalação para o modos de operação "Modo
de reparação". Modos de operação da instalação, consulte também o
cap. 2.
 Desligar a instalação.
 Mover o seletor [1] do interruptor principal para a posição de opera-
ção "Fecho".
 Puxar o bloqueio do fecho [2] para fora e trancar com um cadeado.
 Fechar o armário de distribuição.
 Aplicar placa de aviso contra reativação.
 A instalação está mudada para o modo de operação "Modo de repa-
ração".
O gerador diesel pode ser colocado a trabalhar se, p. ex., for necessária
corrente através dos circuitos elétricos extraídos para a realização dos
trabalhos de manutenção e de reparação.

4.01 Dispositivos de segurança/chassis

4.01.01 Trabalhos de manutenção gerais


Efetuar os seguintes trabalhos de manutenção:

Sinalização
 Verificar sinalização (indicações de perigo, proibição, obrigação e de
utilização) da instalação em relação à sua colocação e legibilidade
clara. Substituir autocolantes danificados.

Carcaça da unidade de acionamento


 Verificar suportes e dobradiças do capô em relação a facilidade de
movimento e olear ligeiramente.
 Efetuar exame visual às hastes do êmbolo das molas de gás pressu-
rizado e olear ligeiramente.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 175


MANUTENÇÃO
Dispositivos de segurança/chassis

AVISO
Hastes do êmbolo danificadas
Danos ligeiros, corrosões ou restos de tinta na haste do êmbolo da mola
de gás pressurizado originam a falha da mola, as vedações são danifi-
cadas.
• Substituir a mola de gás pressurizado em caso de danos e perda de
força.
• Substituir mola de gás pressurizado em caso de saída de óleo.

 Efetuar exame visual dos suportes dos revestimentos laterais e das


grelhas de proteção contra intempéries e olear ligeiramente.
 Verificar pegas, cintas tensoras e fechaduras em relação ao funcio-
namento na devida condição e fixação segura.
Plataformas

ATENÇÃO!
Perigo de tropeçamento
Existe perigo de tropeçamento ao caminhar sobre as plataformas e tran-
sições para as subidas e escadas.
• Garantir sempre que os corrimões das plataformas sejam segurados
com firmeza.
• Não saltar de plataformas ou componentes da instalação.
• Manter plataformas livres de ferramentas e sujidades.

 Verificar a fixação segura dos encaixes de charneira dos corrimões


de encaixe. Substituir encaixes de charneira em falta ou danificados.
 Verificar proteções anti-queda em relação ao funcionamento nas de-
vidas condições.
 Verificar a existência de escadotes e colocação segura.
 Eliminar sujidades grosseiras e pedras das plataformas, escadotes
e corrimãos.

Uniões roscadas
 Efetuar exame visual nas uniões roscadas no chassis e nos compo-
nentes e máquinas da instalação. Apertar, devidamente, as uniões
roscadas soltas.
Binários de aperto, consulte o cap. 5.03.

Bocal de lubrificação
 Verificar bocais de lubrificação em relação à permeabilidade. Subs-
tituir bocais de lubrificação e capas de proteção defeituosos.

176 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Dispositivos de segurança/chassis

4.01.02 Verificar dispositivos de aviso


 Ligar a instalação no modo de operação automático.
 Após pressionamento do botão "Instalação LIGADA" acende ou toca
a luz de advertência e sirene de advertência durante aprox. 7 segun-
dos.
 Premir o botão "Confirmar pertubação / desativação de emergência".
 luz de advertência e sirene de advertência apaga ou emudece. Os
dispositivos de aviso estão verificados.
 Reparar dispositivos de aviso danificados ou que não funcionem.

4.01.03 Verificar os dispositivos de proteção


 Verificar todas as coberturas de proteção, grelhas de proteção e co-
bertas de proteção em relação à sua existência, devido funciona-
mento e aplicação segura.
 Verificar todas as proteções de componentes, como pinos de mola,
correntes de proteção e cavilhas de encaixe em relação à sua exis-
tência, devido funcionamento e aplicação segura.
 Substituir dispositivos de proteção ou proteções de componentes em
falta ou danificados.

4.01.04 Verificar dispositivos de paragem de emergência


4.01.04.01 Botão e cordas de comando de paragem de emergência

AVISO
Perigo de obstruções de material
Devido à desativação imediata de todos os acionamentos da instalação
através dos dispositivos de paragem de emergência, podem ser origina-
das obstruções de material.
• Acionar botão e corda de comando de paragem de emergência ape-
nas após a instalação ter trabalhado até esvaziar.

 Deixar a instalação trabalhar até esvaziar totalmente.


 Ligar a instalação no modo de operação automático.
 Acionar o botão de paragem de emergência da instalação.
 Todos os acionamentos são imediatamente desligados. A britadeira
permanece durante aprox. 60 segundos em modo de desativação
sendo depois, também, desligada. O gerador diesel continua a tra-
balhar.
 Desbloquear botão de paragem de emergência e repetir o procedi-
mento com todos os botões e cordas de comando de paragem de
emergência da instalação.
 Verificar se o botões e cordas de comando de paragem de emergên-
cia da instalação estão acessíveis sem qualquer impedimento.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 177


MANUTENÇÃO
Posto de comando

 Verificar botão de paragem de emergência do controlo remoto por rá-


dio e do controlo remoto com cabo.
 Em caso de funcionamento com erro, verificar a causa e eliminá-la.
 Os dispositivos de paragem de emergência estão verificados.

4.01.04.02 Botão de desativação de emergência

AVISO
Podem ser originadas obstruções de material devido à desativação ime-
diata do gerador diesel através do botão de desativação de emergência.
• Acionar o botão de desativação de emergência apenas após a insta-
lação ter trabalhado até estar vazia.

 Deixar a instalação trabalhar até esvaziar totalmente.


 Ligar a instalação no modo automático.
 Acionar botão de desativação de emergência no armário de distribui-
ção.
 Todos os acionamentos, inclusive o gerador diesel, são imediata-
mente desligados.
 Desbloquear o botão de desativação de emergência.
 Em caso de funcionamento com erro, verificar a causa e eliminá-la.
 O botão de desativação de emergência está verificado.

4.02 Posto de comando

4.02.01 Verificar o revestimento

Abb. 4.2: Revestimento


[1] Pontos de fixação

178 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Posto de comando

[2] Dobradiças
[3] Mola de gás pressurizado
Efetuar os seguintes trabalhos de manutenção em todas as tampas do
revestimento:
 Verificar se as molas de gás pressurizado [3] funcionam corretamen-
te e se estão estanques. Eventualmente, substituir.
As tampas do revestimento devem ser mantidas de forma segura na po-
sição aberta através das molas de gás pressurizado.
 Verificar se os pontos de fixação [1] estão bem presos.
 Verificar as dobradiças [2] em relação a uma fixação segura e um
funcionamento correto.
 Olear ligeiramente os fechos das tampas e verificar em relação a fun-
cionamento nas devidas condições.
 Verificar o revestimento em relação a danos, tais como, fissuras e
entalhes. Se necessário, reparar.
 O revestimento está verificado.

4.02.02 Verificar controlos remotos


Verificar controlo remoto por rádio

AVISO
Verificação por um perito
O controlo remoto por rádio deve ser verificado, pelo menos uma vez por
ano, por um perito. Perito é,
• quem devido à sua formação e experiência na matéria, possui sufi-
cientes conhecimentos no campo da transmissão de ordens de con-
trolo sem fios;
• e quem estiver familiarizado com as respetivas normas de proteção
de trabalho estatais, normas de prevenção de acidentes, diretivas e
regras da técnica globalmente reconhecidas, de forma a ser capaz
de avaliar o estado de segurança operacional de dispositivos para a
transmissão ordens de controlo sem fios.

 Encarregar perito de verificação do controlo remoto por rádio.


 Verificar controlo remoto por rádio, receptor, antena receptora e car-
regador em relação a danos exteriores. Eventualmente, substituir
componentes.
 Verificar as funções do controlo remoto por rádio com a instalação li-
gada.
 Verificar paragem de emergência do controlo remoto por rádio, con-
sulte o cap. 2.02.04.
 Carregar sempre um acumulador no carregador, o segundo carrega-
dor carregado deve ser inserido no controlo remoto por rádio.
 O controlo remoto por rádio está verificado.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 179


MANUTENÇÃO
Não ocupado

Para obter mais informações em relação ao controlo remoto por rádio,


consulte a documentação do fabricante.
Verificar o controlo remoto por cabo
 Verificar o controlo remoto por cabo, cabos e fichas em relação a da-
nos exteriores. Eventualmente, substituir componentes.
 Verificar as funções do controlo remoto por cabo com a instalação li-
gada.
 Verificar a paragem de emergência do controlo remoto por cabo,
consulte o cap. 2.02.04.
 Controlo remoto por cabo está verificado.

4.03 Não ocupado

4.04 Unidade de acionamento/motor

4.04.01 Efetuar manutenção da unidade de acionamento do gerador diesel

CUIDADO!
Perigo devido a motor a gasóleo quente
Os componentes do motor a gasóleo podem estar muito quentes; existe
perigo de lesão.
• Usar equipamento pessoal de proteção.
• Evitar o contar com componentes do motor a gasóleo.

Os trabalhos de manutenção e de reparação do gerador diesel e do aco-


plamento líquido encontram-se descritos na documentação do fabrican-
te.
• Realizar todos os trabalhos de manutenção e de reparação com
base na documentação do fabricante.
• Observar as indicações de segurança na documentação do fabrican-
te.
Trabalhos de manutenção adicionais da unidade de acionamento
Adicionalmente aos trabalhos de manutenção descritos na documenta-
ção do fabricante, devem ser efetuados os seguintes trabalhos de ma-
nutenção:
• Efetuar a manutenção ao acionamento de correia dentada para o ge-
rador.
• Verificar filtro preliminar de ciclone.
• Efetuar manutenção do filtro do ar.
• Limpar o filtro de combustível.
• Limpar as nervuras do radiador.

180 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Unidade de acionamento/motor

4.04.02 Efetuar a manutenção da correia dentada do gerador


4.04.02.01 Verificar a correia dentada

Abb. 4.3: Verificar a correia dentada


[1] Polia dentada do motor diesel
[2] Polia dentada do gerador
[3] Correia dentada

ATENÇÃO!
Perigo devido aos acionamentos de correia
Em caso acionamentos da correia de roda livre existe perigo de ferimen-
to por colhimento de membros do corpo.
• Ao efetuar trabalhos de manutenção e de reparação nos acionamen-
tos de correia é necessário desligar sempre os componentes da ins-
talação e o gerador diesel.
• Proteger a instalação contra uma reativação.
• Não meter as mãos em acionamentos de correia a trabalhar.

 Desligar o gerador diesel e protegê-lo contra uma reativação.


 Verificar a correia dentada [3] em relação a locais porosos, desfia-
mentos e outros danos. Eventualmente, substituir.
 Através de um exame visual, verificar a posição centrada da correia
dentada sobre as polias dentadas [1] e [2]. Eventualmente, ajustar o
paralelismo dos eixos das polias dentadas através do dispositivo de
aperto do gerador.
 A correia dentada está verificada.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 181


MANUTENÇÃO
Unidade de acionamento/motor

4.04.02.02 Tensionar a correia dentada

Abb. 4.4: Tensionar a correia dentada


[1] Parafusos de aperto
[2] Gerador
[3] Carro tensor
O gerador [2] está montado num carro tensor [3] que é deslocado atra-
vés dos dois parafusos de aperto [1].
Verificar a tensão da correia dentada com o aparelho de medição da ten-
são prévia. Tensão de serviço da correia dentada, consulte o cap.
5.01.02.
Um ajuste exato da tensão da correia dentada pode ser efetuado através
de um aparelho de medição da tensão da correia por meio de frequência.
• Valor nominal em correias dentadas novas: 62,2 Hz.
• Valor nominal em correias dentadas gastas: 52,6 Hz.
Tensionar a correia dentada  Medir a tensão da correia dentada.
 Soltar as porcas dos parafusos de aperto [1] e tensionar corretamen-
te a correia dentada enroscando ou desenroscando os parafusos de
aperto [1].
 Eventualmente, ajustar o paralelismo dos eixos das polias dentadas
através do dispositivo de aperto do gerador.
 Apertar as porcas dos parafusos de aperto.
 A correia dentada está tensionada.
Substituir a correia dentada  Soltar as porcas dos parafusos de aperto [1] e desenroscar os para-
fusos de aperto. Eventualmente, empurrar o gerador [2] no sentido
do motor diesel.
 Retirar a correia dentada antiga das polias dentadas e colocar uma
correia dentada nova.

182 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Unidade de acionamento/motor

 Tensionar a correia dentada.


 A correia dentada está substituída.

4.04.03 Verificar filtro preliminar de ciclone

Abb. 4.5: Filtro preliminar de ciclone


[1] Fixação do tubo flexível ondulado
[2] Recipiente de poeiras
[3] Porca de fixação
[4] Marca de máximo
O filtro preliminar de ciclone acumula poeira e partículas grosseiras filtra-
das no recipiente de poeiras [2]. O recipiente de poeiras [2] tem de ser
esvaziado, mais tardar quando o nível de enchimento tiver alcançado a
marca Máx. [4].
 Desligar o gerador diesel e protegê-lo contra uma reativação.
 Desenroscar a porca de fixação [3] e retirar a tampa.
 Retirar, cuidadosamente, o recipiente de poeiras [2] e esvaziar.
Eventualmente, limpar.
 Colocar o recipiente de poeiras [2] e a tampa e apertar com a porca
de fixação [3].
 Verificar se a fixação do tubo flexível ondulado [1] está corretamente
aplicada.
 Verificar o tubo flexível ondulado em relação a danos. Eventualmen-
te, substituir.
 O filtro preliminar de ciclone volta a estar operacional.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 183


MANUTENÇÃO
Unidade de acionamento/motor

4.04.04 Efetuar manutenção do filtro do ar

Abb. 4.6: Efetuar manutenção da admissão de ar


[1] Válvula de descarga de poeiras
[2] Tampa da caixa do filtro
[3] Grampos de fecho
[4] Fixação do tubo flexível ondulado
[5] Elemento de filtragem principal

AVISO
Perigo de danos materiais
A utilização de elementos de filtragem errado ou danificados pode origi-
nar danos no motor. A penetração de sujidade pode levar a danos no
motor.
• Utilizar apenas elementos de filtragem originais.
• Substituir, também, elementos de filtragem apenas ligeiramente da-
nificados.
• Não lavar, nem escovar elementos de filtragem.
• Não colocar motor a gasóleo em marcha estando os elementos de
filtragem desmontados.
• Prestar atenção à limpeza máxima ao efetuar trabalhos na admissão
de ar.

Trabalhos gerais  Verificar o tubo flexível ondulado [4] e o tubo de ar filtrado em relação
a danos; se necessário, substituir.
 Verificar os pontos de união do tubo flexível ondulado e do tubo de
ar filtrado em relação a estanqueidade e aplicação segura.
 Verificar a válvula de descarga de poeiras [1] em relação a permea-
bilidade.

184 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Unidade de acionamento/motor

Efetuar manutenção do Substituir o elemento de filtragem principal [5], mais tardar, após a quinta
elemento de filtragem limpeza.
principal
 Abrir os grampos de fecho [3] da tampa da caixa do filtro [2] e retirar
a tampa.
 Retirar elemento de filtragem principal [5].
 Limpar o elemento de filtragem principal [5] soprando, de dentro para
fora, com ar comprimido seco (no máximo 2 bar ou 30 psi).
 Com uma lanterna dirigir luz para dentro do elemento de filtragem
principal e verificar a partir de fora em relação a fissuras e furos.
Eventualmente, substituir o elemento de filtragem principal.
 Voltar a montar o elemento de filtragem principal e a caixa do filtro.
Prestar atenção, para que a válvula de descarga de poeiras [1] apon-
te para baixo.
 Está efetuada a manutenção do elemento de filtragem principal.
Substituir o elemento de
filtragem de segurança

Abb. 4.7: Substituir o elemento de filtragem de segurança


[6] Elemento de filtragem de segurança
Substituir o elemento de filtragem de segurança [6], mais tardar, após a
quinta limpeza do elemento de filtragem principal. Nunca limpar o ele-
mento de filtragem de segurança. Caso contrário, seria destruído.
 Desmontar elemento de filtragem principal [5].
 Retirar elemento de filtragem de segurança [6].
 Lavar as paredes interiores da caixa do filtro, antes da colocação dos
elementos de filtragem, com um pano úmido.
 Introduzir novo elemento de filtragem de segurança.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 185


MANUTENÇÃO
Unidade de acionamento/motor

 Voltar a montar o elemento de filtragem principal e a caixa do filtro.


Prestar atenção, para que a válvula de descarga de poeiras [1] apon-
te para baixo.
 A admissão de ar está novamente operacional.

4.04.05 Limpar o filtro de combustível

Abb. 4.8: Efetuar a manutenção ao filtro de combustível


[1] Caixa do filtro com elemento de filtragem
[2] Bomba manual de purga

ATENÇÃO!
Perigo devido a incêndio
O combustível diesel pode inflamar-se.
• Não fumar ou utilizar chamas abertas durante os trabalhos de manu-
tenção e de reparação.
• Manter objetos a arder afastados do sistema de combustível.

O filtro de combustível filtra partículas grosseiras do combustível diesel,


antes que estas cheguem ao filtro preliminar do combustível do motor
diesel. A água contida no combustível diesel junta-se na caixa do filtro
[1].
 Levantar a cobertura de proteção das guarnições do combustível.
 Desenroscar a caixa do filtro [1]. Nessa ocasião, recolher o combus-
tível diesel a escorrer num recipiente adequado.
 Esvaziar o combustível diesel na caixa do filtro inclusive a água acu-
mulada e remover de forma ecológica.
 Retirar e limpar o elemento de filtragem.

186 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Unidade de acionamento/motor

 Aplicar o elemento de filtragem na caixa do filtro e voltar a enroscá-


lo na bomba manual de purga [2].
 Purgar a alimentação de combustível (consulte o cap. 4.04.08.01).
 Acionar o gerador diesel.
 Através de um exame visual, verificar a alimentação de combustível
em relação a estanqueidade.
 Voltar a virar a cobertura de proteção para baixo.
 Está efetuada a manutenção do filtro de combustível.

4.04.06 Limpar as nervuras do radiador

Abb. 4.9: Limpar as nervuras do radiador


[1] Nervuras de refrigeração

AVISO
Perigo de danos materiais
A limpeza errada das nervuras do radiador pode originar danos no siste-
ma de refrigeração tendo como consequência danos no motor.
• Desligar e deixar arrefecer o motor a gasóleo.
• Não limpar as nervuras do radiador com equipamentos de limpeza a
alta pressão.
• Não limpar as nervuras do radiador com objetos como p.ex. chaves
de parafusos.
• Não utilizar nenhum ou produtos de limpeza com conteúdo ácido.
• Observar as indicações na documentação do fabricante.

O radiador do líquido de refrigeração, de ar de sobrealimentação e de


óleo hidráulico ficam rapidamente obstruídos com poeiras, especialmen-
te em caso de uma grande formação das mesmas. Através disso, é re-

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 187


MANUTENÇÃO
Unidade de acionamento/motor

duzido desempenho de refrigeração podendo ocorrer


sobreaquecimento.
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel e deixar
arrefecer.
 Abrir a carcaça da unidade de acionamento.
 Efetuar exame visual das nervuras do radiador em relação a obstru-
ções.
 eventualmente, pulverizar as nervuras do radiador com produto de
limpeza adequado, deixar atuar e limpar com jacto de água de dentro
para fora.

4.04.07 Mudar o óleo do motor

Abb. 4.10: Bomba de escoamento de óleo


[1] Alavanca da bomba
[2] Bomba de escoamento de óleo
[3] Tubo flexível de escoamento

CUIDADO!
Perigo devido a óleo quente
O óleo e os componentes da máquina podem estar muito quentes; existe
perigo de lesões.
• Usar equipamento pessoal de proteção.
• Evitar o contacto com componentes das unidades.
• Evitar contacto da pele com óleos e massas lubrificantes.
• Em caso de lesões, procurar imediatamente um médico.

188 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Unidade de acionamento/motor

Visto que o bujão de escoamento do óleo do motor diesel não está aces-
sível, o óleo do motor é bombeado através da bomba de escoamento de
óleo [2].
Indicações referentes à mudança e especificação do óleo do motor, con-
sulte também a documentação do fabricante.
 Conduzir o tubo flexível de escoamento [3] para fora da unidade de
acionamento.
 Colocar um recipiente adequado para recolher o óleo usado por bai-
xo do tubo flexível de escoamento.
 Acionar a alavanca da bomba [1] até que o óleo usado seja bombe-
ado por completo.
 Deitar óleo do motor fresco, com a respetiva especificação e quanti-
dade de enchimento, através do bocal de enchimento de óleo do mo-
tor.
 A mudança do óleo do motor está terminada.

4.04.08 Reparar a unidade de acionamento/motor


4.04.08.01 Purgar a alimentação de combustível

Abb. 4.11: Purgar a alimentação de combustível


[1] Punho
[2] Bomba manual de purga
[3] Filtro de combustível com separador de água

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 189


MANUTENÇÃO
Alimentação de óleo hidráulico

ATENÇÃO!
Perigo devido a incêndio
O combustível diesel pode inflamar-se.
• Não fumar ou utilizar chamas abertas durante os trabalhos de manu-
tenção e de reparação.
• Manter objetos a arder afastados do sistema de combustível.

Se o depósito de combustível tiver sido esvaziado por completo ou o fil-


tro de combustível substituído, então é necessário purgar a alimentação
de combustível do motor diesel com ajuda da bomba manual de purga
[2].
 Abrir a válvula de purga no motor diesel, consulte a documentação
do fabricante. Nessa ocasião, recolher o combustível diesel a escor-
rer num recipiente adequado e remover de forma ecológica.
 Levantar a cobertura de proteção das guarnições do combustível.
 Desenroscar o punho [1].
 Com o punho, bombear até que saia combustível sem bolhas na vál-
vula de purga.
 Fechar a válvula de purga no motor diesel.
 Voltar a enroscar o punho e apertá-lo à mão.
 Acionar o gerador diesel.
 Através de um exame visual, verificar a alimentação de combustível
em relação a estanqueidade.
 Voltar a virar a cobertura de proteção para baixo.
 A alimentação de combustível está purgada.

4.05 Alimentação de óleo hidráulico

PERIGO!
Perigo devido a óleo hidráulico a derramar sob pressão
O óleo que se encontra na instalação hidráulica está sob pressão; existe
perigo de lesão.
• Despressurizar a instalação hidráulica.
• Desligar instalação, retirar chave de ignição e proteger contra reati-
vação.
• Afixar a placa de aviso correspondente de forma bem visível.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

190 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Alimentação de óleo hidráulico

CUIDADO!
Perigo devido a óleo quente
O óleo e os componentes da máquina podem estar muito quentes; existe
perigo de lesões.
• Usar equipamento pessoal de proteção.
• Evitar o contacto com componentes das unidades.
• Evitar contacto da pele com óleos e massas lubrificantes.
• Em caso de lesões, procurar imediatamente um médico.

AVISO
Perigo de danos materiais
A instalação hidráulica pode ser danificada se óleo biológico entrar em
contacto com óleo mineral.
• Antes de ser enchido óleo biológico, devem ser limpos minuciosa-
mente todos os componentes que tenham entrado em contacto com
óleo mineral.

AVISO
Perigo de danos materiais
Alterações no ajuste efetuado pela KLEEMANN GmbH nas válvulas de
borboleta e limitadoras de pressão podem originar danos materiais.
• Não alterar ajustes.
• Não remover selos das válvulas de segurança.

Observar as seguintes indicações de segurança:


• A qualidade do óleo hidráulico, enquanto ingrediente de lubrificação
e de funcionamento de qualquer instalação hidráulica, é determinan-
te, em primeira linha, para o desempenho, a segurança de funciona-

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 191


MANUTENÇÃO
Alimentação de óleo hidráulico

mento e tempo de vida útil dos componentes hidráulicos utilizados


na instalação.
• A temperatura de serviço possui uma influência essencial sobre per-
turbações e danos na instalação.
• Em trabalhos de montagem em componentes hidráulicos para fins
de manutenção, reparação ou substituição, prestar atenção à limpe-
za.
• Selecionar, cuidadosamente, os óleos hidráulicos.
• Efetuar, regularmente, controlos do nível do óleo.
• Respeitar intervalos de manutenção de óleo.
• Efetuar a mudança de óleo sempre em estado quente de funciona-
mento.
• Substituir filtro do óleo de acordo com as normas.
• Evitar sujidade do radiador do óleo hidráulico.
• Limpar, minuciosamente, a sujidade de componentes hidráulicos e
de todos os elementos de junção antes da desmontagem.
• Proteger ligações de tubo soltas ou livres de sujidade.
• Reapertar uniões roscadas não estanques em estado quente de fun-
cionamento e isento de pressão.
• Eliminar, ecologicamente, óleo hidráulico e produtos de recolha e
limpeza derramantes.

4.05.01 Efetuar manutenção da instalação hidráulica


4.05.01.01 Trabalhos de manutenção gerais
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Despressurizar a instalação hidráulica.
 Verificar todos os tubos e tubos flexíveis hidráulicos, cilindros hidráu-
licos e bombas hidráulicas e outros componentes hidráulicos em re-
lação a estanqueidade.
 Reparar e substituir componentes hidráulicos não estanques.
 Reapertar ou substituir uniões roscadas não estanques.
 Substituir tubos flexíveis hidráulicos com fissuras, quebradiços, en-
velhecidos ou de outro modo danificados.

192 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Alimentação de óleo hidráulico

AVISO
Perigo devido a tubos flexíveis hidráulicos envelhecidos
Substituir tubos flexíveis hidráulicos mais tardar após um tempo de utili-
zação de seis anos, inclusive um período de permanência em armazém
de no máximo dois anos.
Intervalos de substituição recomendados
• Em caso de cargas normais, no mínimo a cada 6 anos.
• Em caso de cargas mais elevadas (tempos de utilização superiores,
p.ex. operação em múltiplos turnos, ou influências exteriores espe-
ciais, p.ex. condições climática), pelo menos a cada 2 anos.
Intervalos de verificação recomendados
• Em caso de cargas normais a cada 12 meses.
• Em caso de cargas mais elevadas a cada 6 meses.

4.05.01.02 Despressurizar a instalação hidráulica

PERIGO!
Perigo devido a óleo hidráulico a derramar sob pressão
O óleo que se encontra na instalação hidráulica está sob pressão; existe
perigo de lesão.
• Despressurizar a instalação hidráulica.
• Desligar instalação, retirar chave de ignição e proteger contra reati-
vação.
• Afixar a placa de aviso correspondente de forma bem visível.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

Despressurizar o sistema O circuito hidráulico do sistema hidráulico de marcha fica despressuriza-


hidráulico de marcha do após desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Desligar componentes da instalação.
 Desligar o gerador diesel.
 Retirar a chave de ignição e proteger contra reativação.
 Afixar a placa de aviso correspondente de forma bem visível.
 O sistema hidráulico de marcha está despressurizado.
Despressurizar o sistema No circuito do sistema hidráulico auxiliar está integrado um acumulador
hidráulico auxiliar de pressão. Por conseguinte, é necessário despressurizar o circuito an-
tes de se iniciarem os trabalhos de manutenção e de reparação.
 Ligar a instalação no modo manual (consulte o cap. 3.06).
 No bloco de comando das paredes da tremonha (consulte o cap.
2.05.03), acionar várias vezes a alavanca de comando do bloqueio
da parede da tremonha, até que o manómetro da pressão de pré-
tensionamento deixe de indicar qualquer pressão.
 Voltar a desligar a instalação.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 193


MANUTENÇÃO
Alimentação de óleo hidráulico

 Retirar a chave de ignição e proteger contra reativação.


 Afixar a placa de aviso correspondente de forma bem visível.
 O acumulador de pressão está aliviado. O sistema hidráulico auxiliar
está despressurizado.

4.05.02 Efetuar manutenção do depósito de óleo hidráulico


4.05.02.01 Verificar o nível de enchimento de óleo hidráulico

max.
min.
2

Abb. 4.12: Depósito de óleo hidráulico, nível de enchimento


[1] Depósito de óleo hidráulico
[2] Indicação do nível de enchimento
A indicação do nível de enchimento [2] apresenta o atual nível de enchi-
mento do óleo hidráulico na posição de operação da instalação. Em caso
de, na posição de transporte, paredes da tremonha dobradas para baixo
ou unidade de crivagem posterior baixada podem ser originados des-
vios.
 Ler o nível de enchimento na posição de operação e com a instala-
ção parada. O nível de enchimento do óleo hidráulico deve encon-
trar-se aprox. entre ½ e ¾ no óculo de inspeção.
 Eventualmente, acrescentar óleo hidráulico sobre filtro da ventilação
do depósito.
 O nível de enchimento está verificado.
Através da indicação do nível de enchimento é, para além disso, possí-
vel controlar visualmente a temperatura do óleo hidráulico.

194 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Alimentação de óleo hidráulico

4.05.02.02 Mudar óleo hidráulico

Abb. 4.13: Escoamento de óleo hidráulico


[1] Válvula de fecho do escoamento de óleo hidráulico
[2] Filtro de aspiração de retorno
[3] Filtro da ventilação do depósito
Escoar óleo hidráulico O escoamento de óleo hidráulico [1] situa-se à direita, em baixo, no de-
pósito de óleo hidráulico. Na união poderá ser aplicado um tubo flexível
de escoamento de óleo.

ATENÇÃO!
Perigo de queda
Ao efetuar trabalhos de manutenção e de reparação nos componentes
da instalação existe perigo de queda.
• Utilizar auxílios de subida ou plataformas elevadoras adequadas.
• Verificar o apoio seguro dos auxílios de subida.
• Manter um contacto de três pontos seguro no auxílio de subida.
• Não saltar dos auxílios de subida ou da instalação.

 Colocar o óleo hidráulico à temperatura de serviço. Se necessário,


deixar que a instalação trabalhe durante aprox. 10 minutos.
 Observar as indicações de segurança específicas no início deste ca-
pítulo.
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Aplicar o tubo flexível de escoamento de óleo no escoamento de
óleo hidráulico [1] e preparar um recipiente adequado.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 195


MANUTENÇÃO
Alimentação de óleo hidráulico

CUIDADO!
Perigo devido a óleo quente
O óleo e os componentes da máquina podem estar muito quentes; existe
perigo de lesões.
• Usar equipamento pessoal de proteção.
• Evitar o contacto com componentes das unidades.
• Evitar contacto da pele com óleos e massas lubrificantes.
• Em caso de lesões, procurar imediatamente um médico.

 Desenroscar a tampa do filtro de aspiração de retorno [2].


 Abrir a válvula de fecho do escoamento de óleo hidráulico [1].
 Escoar totalmente óleo hidráulico.
 Voltar a fechar a válvula de fecho do escoamento de óleo hidráulico.
 Voltar a aplicar a tampa do filtro de aspiração de retorno [2].
 Eliminar óleo hidráulico antigo de forma ecologicamente correta.
 O óleo hidráulico está escoado.
Encher óleo hidráulico  Retirar cobertura do filtro da ventilação do depósito [3] e retirar ele-
mento de filtragem.
 Encher depósito de óleo hidráulico até ao meio da indicação do nível
de enchimento com óleo hidráulico fresco.
O nível de enchimento deve ser visível na indicação do nível de enchi-
mento e deveria situar-se entre ½ e ¾ da altura máxima de enchimento.
Estando o gerador diesel desligado, a indicação do nível de enchimento
não se pode situar abaixo da indicação de MÍN.
 Recolocar o elemento de filtragem do filtro da ventilação do depósito
e colocar cobertura.
 Ligar o gerador diesel e os componentes da instalação e deixar que
o óleo hidráulico aqueça até à temperatura de serviço.
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Verificar o nível de enchimento da indicação do nível de enchimento
e, eventualmente, encher óleo hidráulico até aprox. ¾ da altura má-
xima de enchimento.
 O óleo hidráulico está enchido.

196 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Alimentação de óleo hidráulico

4.05.02.03 Substituir filtro do óleo hidráulico

Abb. 4.14: Filtro do óleo hidráulico


[1] Filtro de aspiração de retorno
[2] Filtro da ventilação do depósito
Em caso de sujidade, a pressão dinâmica sobe nos filtros. Quando tiver
sido alcançada a capacidade de absorção dos filtros, isto será indicado
pelo indicador de manutenção do filtro de aspiração de retorno.

ATENÇÃO!
Perigo de queda
Ao efetuar trabalhos de manutenção e de reparação nos componentes
da instalação existe perigo de queda.
• Utilizar auxílios de subida ou plataformas elevadoras adequadas.
• Verificar o apoio seguro dos auxílios de subida.
• Manter um contacto de três pontos seguro no auxílio de subida.
• Não saltar dos auxílios de subida ou da instalação.

Trabalhos preparatórios  Observar as indicações de segurança específicas no início deste ca-


pítulo.
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
Ao mudar o óleo hidráulico é necessário substituir sempre o filtro de as-
piração de retorno e o filtro da ventilação do depósito.
Utilizar sempre filtros originais na substituição de filtros.
Eliminar óleo hidráulico escoado e os filtros de forma ecologicamente
correta.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 197


MANUTENÇÃO
Alimentação de óleo hidráulico

Substituir o filtro da ventilação do depósito

Abb. 4.15: Filtro da ventilação do depósito


[1] Cobertura
[2] Elemento de filtragem
Substituir o filtro da  Retirar cobertura [1].
ventilação do depósito
 Retirar o antigo elemento de filtragem [2].
 Limpar as poeiras e a sujidade da caixa e cobertura do filtro da ven-
tilação do depósito.
 Colocar novo elemento de filtragem.
 Recolocar cobertura.
 O filtro da ventilação do depósito está substituído.

198 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Alimentação de óleo hidráulico

Substituir o filtro de aspiração de retorno

Abb. 4.16: Filtro de aspiração de retorno


[1] Elemento de filtragem
[2] Indicador de manutenção
[3] Placa de separação
[4] Tampa de fecho

CUIDADO!
Perigo devido a óleo quente
O óleo e os componentes da máquina podem estar muito quentes; existe
perigo de lesões.
• Usar equipamento pessoal de proteção.
• Evitar o contacto com componentes das unidades.
• Evitar contacto da pele com óleos e massas lubrificantes.
• Em caso de lesões, procurar imediatamente um médico.

Em caso de elevada pressão dinâmica, o indicador de manutenção [2]


passa para a área vermelha. O mais tardar nessa altura deverá substi-
tuir-se o filtro de aspiração de retorno.
Substituir o filtro de aspiração  Desenroscar a tampa de fecho [4].
de retorno
 Extrair o elemento de filtragem [1] antigo no arco da placa de sepa-
ração [3].
Para retirar o elemento de filtragem deve, eventualmente, retirar os tu-
bos flexíveis hidráulicos através do filtro de aspiração de retorno.
O elemento de filtragem está munido com anéis vedantes, em cima e em
baixo. Ao retirar, pode prender na placa de separação e no tubo de su-
ção.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 199


MANUTENÇÃO
Alimentação de óleo hidráulico

 Colocar novo elemento de filtragem. Prestar atenção ao correto po-


sicionamento do elemento de filtragem no tubo de sução e na placa
de separação.
 Limpar a junta de vedação da tampa de fecho e olear ligeiramente.
 Desenroscar tampa de fecho.
 A substituição do filtro de aspiração de retorno está terminada.
Substituir o filtro de aspiração do ventilador viscoso

Abb. 4.17: Filtro de aspiração do ventilador viscoso


[1] Elemento de filtragem
[2] Bocal
[3] Bomba de engrenagens do ventilador viscoso

CUIDADO!
Perigo devido a óleo quente
O óleo e os componentes da máquina podem estar muito quentes; existe
perigo de lesões.
• Usar equipamento pessoal de proteção.
• Evitar o contacto com componentes das unidades.
• Evitar contacto da pele com óleos e massas lubrificantes.
• Em caso de lesões, procurar imediatamente um médico.

O filtro de aspiração do ventilador viscoso [1] é substituído juntamente


com o óleo hidráulico. Ele está montado dentro do depósito de óleo hi-
dráulico.
Substituir o filtro de aspiração  Escoar o óleo hidráulico (consulte o cap. 4.05.02.02).
do ventilador viscoso
 Retirar a tampa de limpeza para permitir o acesso ao filtro de aspira-
ção.

200 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Sistema elétrico

 Desenroscar o elemento de filtragem antigo do bocal [2] e remover


de forma ecológica.
 Enroscar e apertar um elemento de filtragem [1] novo.
 Aplicar corretamente o O-Ring da tampa de limpeza e munir parafu-
so de cabeça cilíndrica com um novo anel vedante.
 Aplicar a tampa de limpeza no depósito de óleo hidráulico.
 Encher com óleo hidráulico ( consulte o cap. 4.05.02.02).
 O filtro de aspiração está trocado.

4.06 Sistema elétrico

PERIGO!
Perigo devido a eletrocussão
Os cabos e componentes estão sob tensão; existe perigo de lesão.
Os cabos e componentes dos circuitos elétricos extraídos encontram-se
sob tensão mesmo quando o gerador diesel está desligado.
O conversor de frequência encontra-se, mesmo após desativação ou se-
paração da rede, carregado com tensão.
• Efetuar trabalhos no sistema elétrico apenas com os componentes
da instalação e gerador diesel desligados.
• Após desativação do gerador diesel, esperar 10 minutos antes de
serem iniciados trabalhos no sistema elétrico.

AVISO
Perigo de danos materiais
A não verificação da instalação após substituição de componentes elé-
tricos ou cabos pode originar perturbações de funcionamento e falhas.
• Verificar as funções da instalação após todas as substituições de
componentes elétricos e cabos.
• Prestar atenção a diretivas da Associação de eletrotecnia, eletrónica
e tecnologia de informação (VDE) e regulamentações nacionais em
vigor.

Observar as seguintes indicações de segurança:


• Encarregar apenas pessoal qualificado e autorizado com a execu-
ção de trabalhos de manutenção, reparação e assistência no siste-
ma elétrico.
• Observar o manual de segurança em todos os trabalhos de manu-
tenção, reparação e assistência no sistema elétrico.
• Colocar a instalação em piso firme e plano em repouso.
• Ligar a instalação com pilar de ligação à terra, devidamente, à terra.
• Proteger a instalação contra ativação involuntária.
– Retirar a chave da ignição.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 201


MANUTENÇÃO
Sistema elétrico

– Desligar e bloquear o interruptor principal.


– Fechar armário de distribuição.
– Aplicar placa de aviso contra reativação.

4.06.01 Trabalhos de manutenção gerais


 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Observar as indicações de segurança específicas no início deste ca-
pítulo.
 Efetuar exame visual dos cabos elétricos da instalação em relação a
danos.
 Efetuar exame visual das passagens dos cabos e canais de cabos
no chassis em relação a danos.
 Efetuar exame visual das tomadas no chassis em relação a danos e
fixação segura.
 Substituir cabos elétricos, passagens de cabo e tomadas danifica-
dos.

4.06.02 Efetuar manutenção da alimentação elétrica de 24 V


4.06.02.01 Efetuar manutenção do sistema elétrico do gerador diesel
Os trabalhos de manutenção do sistema elétrico do gerador diesel estão
descritos na documentação do fabricante.
• Efetuar todos os trabalhos de manutenção com base na documenta-
ção do fabricante.
• Observar as indicações de segurança na documentação do fabrican-
te.
Trabalhos de manutenção adicionais do sistema elétrico do gera-
dor diesel
Adicionalmente aos trabalhos de manutenção descritos na documenta-
ção do fabricante, devem ser efetuados os seguintes trabalhos de ma-
nutenção:
• Efetuar manutenção das baterias do motor de arranque.

202 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Sistema elétrico

4.06.02.02 Efetuar manutenção das baterias do motor de arranque

Abb. 4.18: Baterias do motor de arranque


[1] Baterias dos motor de arranque de 12 V
As baterias do motor de arranque [1] devem ser mantidas limpas e se-
cas.
O nível de ácido das baterias do motor de arranque deve ser verificado
com regularidade e, eventualmente, acrescentado.

ATENÇÃO!
Perigo devido a ácido da bateria
O ácido da bateria é um líquido corrosivo; existe perigo de ferimento!
• Usar equipamento pessoal de proteção.
• Nunca encher ácido da bateria em garrafas de bebida ou recipientes
idênticos.

PERIGO!
Perigo no manuseamento com baterias
Perigo de explosão devido a formação de "gás detonante"!
• Usar equipamento pessoal de proteção.
• Após abertura da carcaça da unidade de acionamento, esperar al-
gum tempo para deixar entrar ar.
• Não fumar, não utilizar chama aberta.
• Evitar formação de curto-circuito e de faíscas.
• Não pousar ferramentas em cima das baterias.

Reatestar baterias do motor  Abrir a carcaça da unidade de acionamento.


de arranque
 Retirar a cobertura de proteção das tampas de fecho.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 203


MANUTENÇÃO
Sistema elétrico

 Desenroscar tampas de fecho das células de ácido.


 Encher água destilada com auxílio de uma tremonha até o nível de
ácido se situar aprox. 10-15 milímetros acima das bordas superiores
das lamelas.
 Voltar a aplicar as tampas de fecho e a cobertura de proteção.
 Em caso de número de rotações do motor de arranque demasiado
baixo, verificar a densidade do ácido das baterias do motor de arran-
que.
 Em caso de células de ácido danificadas, substituir a bateria do mo-
tor de arranque.
 Verificar as conexões de cabo.
 A bateria do motor de arranque está atestada.
Substituir a bateria do motor  Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
de arranque
 Observar as indicações de segurança específicas no início deste ca-
pítulo.
 Desligar e retirar o seccionador da bateria.
 Detetar a bateria do motor de arranque defeituosa.
 Retirar as capas de proteção das conexões de cabo.
 Soltar e retirar os cabos nas baterias do motor de arranque na se-
guinte ordem:
– Ligação à massa da ponte entre as baterias do motor de arranque
– Ligação do positivo da ponte entre as baterias do motor de arranque
– Cabos da bateria do motor de arranque defeituosa
 Retirar parafusos e chapas de fixação da bateria do motor de arran-
que com ferramenta adequada.
 Substituir a bateria do motor de arranque, prestar atenção a posição
de montagem correta.
 Limpar polos da bateria e bornes e lubrificar com massa lubrificante
sem ácido e resistente ao mesmo.
 Montar cabos nas baterias do motor de arranque na sequência inver-
sa. As ligações de bornes devem possuir um bom contacto.
 Assegurar, que os polos das baterias não foram trocados (perigo de
curto-circuito!).
 Recolocar capas de proteção das conexões de cabo.
 Recolocar parafusos e chapas de fixação da bateria do motor de ar-
ranque.
 A bateria do motor de arranque está substituída.

204 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Sistema elétrico

4.06.03 Efetuar manutenção do armário de distribuição


4.06.03.01 Verificar os componentes elétricos

PERIGO!
Perigo devido a eletrocussão
Trabalho de forma inadequada dentro do armário de distribuição pode
originar situações que coloquem a vida em risco.
• Encarregar apenas pessoal qualificado e autorizado com a execu-
ção de trabalhos de manutenção, reparação e assistência do siste-
ma elétrico.

AVISO
Perigo de danos materiais
A limpeza por sopro do armário de distribuição com ar comprimido pode
levar à avaria do sistema elétrico.
• Eliminar poeira ou sujidade no armário de distribuição aspirando ou
varrendo.

 Abrir carcaça do armário de distribuição, manter armário de distribui-


ção fechado.
 Efetuar exame visual dos cabos elétricos dentro da carcaça do armá-
rio de distribuição em relação a danos.
 Efetuar exame visual das passagens dos cabos da carcaça do armá-
rio de distribuição em relação a danos.
 Efetuar exame visual das tomadas no armário de distribuição em re-
lação a danos e fixação segura.
 Efetuar exame visual dos elementos de comando e de informação
em relação a danos.
 Eliminar acumulações de poeira e sujidade na carcaça do armário de
distribuição, p.ex. através de aspiração.
 Encarregar pessoal qualificado e autorizado da eliminação de danos
em componentes elétricos.
 Os componentes elétricos do armário de distribuição estão verifica-
dos.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 205


MANUTENÇÃO
Sistema elétrico

4.06.03.02 Verificar deslocamento do armário de distribuição

2
1

Abb. 4.19: Borracha da mola pneumática


[1] Válvula de pneu (Schrader)
[2] Borracha da mola pneumática
 Efetuar exame visual das borrachas das molas pneumáticas [2] em
relação a danos.
 Verificar a fixação das borrachas de mola pneumática.
 Verificar a pressão de ar e altura corretas das borrachas das molas
pneumáticas.
 Se necessário, rebombear ar através da válvula de pneu [1].
 O deslocamento do armário de distribuição está verificado.

Ø Mola Altura Pressão Utilização


pneumática
80 mm 60 mm 3 bar / 43 psi Armário de distribuição sim-
ples
118 mm 72 mm 5 bar / 72 psi Armário de distribuição du-
plo
Tab. 4.1: Borracha da mola pneumática

206 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Sistema elétrico

4.06.04 Efetuar manutenção dos motores elétricos

Abb. 4.20: Caixa de bornes


[1] Entrada de cabos
[2] Tampa da caixa de bornes
[3] Junta de vedação
Caixas de bornes e entradas de cabos dos motores elétricos danificadas
ou soltas podem, devido a entrada de umidade, originar problemas de
contacto e curto-circuitos.
 Efetuar exame visual de todas as entradas de cabos [1] em relação
a danos.
 Efetuar exame visual de cabos em relação a pontos de fricção e ins-
talação fixa.
Os cabos não podem, durantes o funcionamento, sofrer fricção devido a
área de oscilação demasiado grande. Cabos oscilantes não podem
exercer uma tensão demasiado elevada sobre as entradas de cabos
através do seu peso próprio.
 Verificar todas as tampas das caixas de bornes [2] em relação a bom
encaixe e estanqueidade.
 Substituir, eventualmente, as juntas de vedação [3].
 As caixas de bornes estão verificadas.
Devem ser verificadas as seguintes caixas de bornes:
• Acionamento dos transportadores de cinta
• Acionamentos das calhas transportadoras vibratórias
• Acionamentos das máquinas de crivar
• Acionamento da bomba de água

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 207


MANUTENÇÃO
Sistema elétrico

4.06.05 Efetuar manutenção do sistema de sobrepressão

3
5

Abb. 4.21: Sistema de sobrepressão Caixa do filtro


[1] Elemento de filtragem principal Filtro de poeiras
[2] Tubo flexível ondulado
[3] Filtro preliminar de ciclone, recipiente transparente
[4] Arco tensor
[5] Elemento de filtragem de segurança
Trabalhos gerais  Comprimir válvula de saída de poeiras nos lábios de vedação, para
que possam sair poeiras e água acumuladas.
 Aliviar e retirar depósitos de poeiras.
 A válvula de saída de poeiras está novamente operacional.
 Verificar tubos flexíveis ondulados [2] em relação a danos, eventual-
mente, substituir.
 Verificar pontos de junção dos tubos flexíveis ondulados em relação
a estanqueidade e aplicação segura.
Efetuar manutenção do filtro  Verificar nível de enchimento no recipiente transparente [3]. O nível
preliminar de ciclone de enchimento não pode ultrapassar a marca de MÁX.
 Eventualmente, abrir o arco tensor [4], retirar tampa e esvaziar reci-
piente.
 Verificar a entrada de ar no lado inferior em relação a obstrução com
poeira e sujidade, eventualmente limpar.
 Voltar a fechar filtro preliminar de ciclone.
 O filtro preliminar de ciclone volta a estar operacional.
Efetuar manutenção do filtro  Desenroscar porca da tampa da caixa do filtro e retirar tampa.
de poeiras
 Retirar elemento de filtragem principal [1] e limpar por sopro com ar
comprimido seco (no máximo 2 bar ou 30 psi), de dentro para fora.
Não lavar, nem escovar o elemento de filtragem principal.

208 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Sistema elétrico

Não continuar a utilizar elementos de filtragem com fissuras e furos.


Eventualmente, substituir o elemento de filtragem. Utilizar, mais tardar
após 5 limpezas, um novos elemento de filtragem principal.
Nunca limpar o elemento de filtragem de segurança. Caso contrário, se-
ria destruído.
 Retirar e substituir o elemento de filtragem de segurança [5], mais
tardar, após a quinta limpeza do elemento de filtragem principal.
 Lavar as paredes interiores da caixa do filtro, antes da colocação dos
elementos de filtragem, com um pano úmido.
 Voltar a montar os elementos de filtragem e caixas do filtro na se-
quência inversa. Prestar atenção, para a válvula de saída de poeiras
se encontre a apontar para baixo.
 Os filtros de poeiras estão novamente operacionais.

4.06.06 Reparar o sistema elétrico


4.06.06.01 Fusíveis
Corta-circuitos automáticos

Abb. 4.22: Corta-circuitos automático


[1] Interruptor de segurança
[2] Campo indicador vermelho/verde
[3] Contacto auxiliar
Os corta circuitos automáticos desativam autonomamente, como um fu-
sível, o circuito elétrico em caso de sobrecarga. Eles protegem as linhas
de serem danificadas devido a demasiado aquecimento como conse-
quência de corrente demasiado elevada.
Após disparo de um corta circuitos automático, executar as seguintes
operações:
 Verificar e corrigir a causa antes da reativação.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 209


MANUTENÇÃO
Sistema elétrico

 Reativar o interruptor de segurança [1].


 O campo indicador [2] está vermelho.
Todos os elementos de comutação e de proteção elétricos estão identi-
ficados com designações abreviadas. Se surgir uma falha, esta designa-
ção abreviada é apresentada no ecrã tátil.
Corta circuito fusível

Abb. 4.23: Corta circuito fusível (I)


[1] Caixa do corta circuito
[2] Tampa do corta circuito

Abb. 4.24: Corta circuito fusível (II)


[3] Elemento fusível
[4] Bloqueio

210 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Sistema elétrico

PERIGO!
Perigo devido a eletrocussão
Eletrocussões podem dar origem a ferimentos fatais e incêndios no sis-
tema elétrico.
• Antes de colocação de um fusível, desligar os consumidores elétri-
cos.
• Não contornar, reparar ou substituir fusíveis por outros com valores
de amperes errados.

O corta circuito fusível protege o motor elétrico da bomba em tandem do


mecanismo de translação contra sobrecarga.
Elementos fusíveis fundidos são identificáveis através do pino indicador
que saltou para fora, por trás da janela de observação.
 Desligar o gerador diesel e a tensão de comando.
 Determinar e eliminar causa do curto-circuito ou sobrecarga.
 Abrir a tampa do corta circuito [2] pelo punho e virar para baixo.
 Levantar a tampa do corta circuito [2] para fora da caixa do corta cir-
cuito [1] e pousá-la.
 Pressionar o bloqueio [4] para o lado e retirar o elemento fusível [3].
 Aplicar e deixar que o novo elemento fusível encaixe e voltar a mon-
tar tampa do corta circuito na caixa do corta circuito.
Respeitar as seguintes indicações:
• Não remende, nem contorne proteções.
• Substituir sempre fusíveis queimados.
• Se um fusível estiver constantemente a queimar, informar pessoal
autorizado.
• Não pulverizar os armários de distribuição com água.
Todos os elementos de comutação e de proteção elétricos estão identi-
ficados com designações abreviadas. Se surgir uma falha, esta designa-
ção abreviada é apresentada no ecrã tátil.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 211


MANUTENÇÃO
Sistema elétrico

4.06.06.02 Interruptor de proteção do motor


Interruptor de proteção do motor Acionamentos

3 3

2 2

1
1

Abb. 4.25: Interruptor de proteção do motor


[1] Ativador de teste
[2] Interruptor basculante/interruptor rotativo
[3] Ajuste Faixa de disparo
Interruptores de proteção do motor protegem motores elétricos de sobre-
carga térmica devido a sobrecarga mecânica ou em caso de falha de um
único ou de dois condutores externos.
Após disparo de um interruptor de proteção do motor, executar as se-
guintes operações:
 Verificar e corrigir a causa antes da reativação.
 Esperar aprox. 5 minutos para arrefecimento dos componentes.
 Reativar interruptor basculante ou interruptor rotativo [2].
Todos os elementos de comutação e de proteção elétricos estão identi-
ficados com designações abreviadas. Se surgir uma falha, esta designa-
ção abreviada é apresentada no ecrã tátil.
Testar o interruptor de proteção do motor
 Deslocar o ativador de teste [1], com auxílio de uma chave de para-
fusos plana, para a esquerda.
 O interruptor basculante ou interruptor rotativo [2] salta de volta para
0 ou OFF.

212 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Sistema elétrico

Relé de proteção do motor Calha de carregamento

Abb. 4.26: Relé de proteção do motor Calha de carregamento


[1] Reposição Manua/Automática
[2] Botão de Stop
[3] Faixa de disparo
[4] Ativador de teste
Os relés de proteção do motor protegem os motores de vibração da ca-
lha de carregamento de sobrecarga térmica devido a sobrecarga mecâ-
nica ou em caso de falha de um único ou de dois condutores externos.
No modo de funcionamento automático o relé efetua autonomamente a
reposição, após arrefecimentos do motor de vibração. No modo de fun-
cionamento manual a Reposição [1] tem de ser premida para dentro.
Após disparo de um relé de proteção do motor, executar as seguintes
operações:
 Verificar e corrigir a causa antes da reativação.
 Esperar aprox. 5 minutos para arrefecimento dos componentes.
 No modo de funcionamento automático esperar até o relé efetuar a
reposição.
 No modo de funcionamento manual, voltar a premir a Reposição [1]
para dentro.
Todos os elementos de comutação e de proteção elétricos estão identi-
ficados com designações abreviadas. Se surgir uma falha, esta designa-
ção abreviada é apresentada no ecrã tátil.
Testar o relé de proteção do motor

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 213


MANUTENÇÃO
Sistema elétrico

 Deslocar o ativador de teste [4], com auxílio de uma chave de para-


fusos plana, para a esquerda.
 No modo de funcionamento automático ocorre, após libertação do
ativador de teste, uma reposição automática.
 No modo de funcionamento manual, voltar a premir a Reposição [1]
para dentro.
 O relé de proteção do motor está reposto.
Comutar a reposição para manual/automático
 Premir Reposição [1] com uma chave de parafusos plana para den-
tro e rodar para manual ou automático.

4.06.06.03 Interruptor de proteção FI

1
1

Abb. 4.27: Interruptor de proteção FI


[1] Ativador de teste
[2] Interruptor de proteção Instalação
[3] Interruptor de proteção Tomadas, circuitos elétricos excluídos
Interruptor de proteção FI ou interruptor de corrente diferencial residual
comparam a corrente que é conduzida para o consumidor com a corren-
te que é conduzida para fora do consumidor. Normalmente estas corren-
tes são iguais. Em caso de defeito, existe uma corrente de fuga à terra.
O interruptor de proteção FI deteta esta situação e interrompe o circuito
elétrico.
A instalação possui respetivamente um interruptor de proteção FI para
toda a instalação, bem como para as tomadas dos circuitos elétricos ex-
cluídos.
Após disparo de um interruptor de proteção FI, executar as seguintes
operações:
 Verificar e corrigir a causa antes da reativação.
 Reativar interruptor de proteção [2] ou [3].

214 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Sistema elétrico

Todos os elementos de comutação e de proteção elétricos estão identi-


ficados com designações abreviadas. Se surgir uma falha, esta designa-
ção abreviada é apresentada no ecrã tátil.
Testar o interruptor de proteção FI
 Ligar o interruptor principal.
 Acionar o ativador de teste [1].
 O respetivo interruptor de proteção [2] salta de volta para 0.

4.06.06.04 Sistema de proteção do motor ZEV

3
2

1
5

Abb. 4.28: Sistema de proteção do motor ZEV


[1] Tecla de reposição/teste
[2] Display
[3] Tecla de ajuste Para cima
[4] Tecla de ajuste Para baixo
[5] Tecla seletora de funções

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 215


MANUTENÇÃO
Sistema elétrico

9
6

Abb. 4.29: Display ZEV


[6] Indicação ótica Temperatura do motor
[7] Monitorização de fases
[8] Atual consumo de corrente do motor
[9] Classe de ativação
O ZEV oferece, ao contrário de interruptores de proteção do motor con-
vencionais, uma maior diversidade de funções. É, por exemplo, possível
ajustar a característica da ativação.
Mensagens de display
O surgimento de perturbações do acionamento é ilustrado no display [2].
Nessa ocasião, pisca a respetiva indicação no display.
No configuração "Reposição manual" deve ser respetivamente pressio-
nada a tecla de reposição/teste [1].

Sobrecarga

 Verificar e eliminar causa.


 Esperar até o tempo no display ter decorrido.
 Voltar a ligar o acionamento.

216 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Sistema elétrico

Ativação do termistor

 Verificar os cabos elétricos no acionamento em relação a danos,


eventualmente reparar.
 Verificar a temperatura do acionamento manualmente, eventualmen-
te reparar o acionamento.
 Esperar até a temperaturas ter baixado.
 Voltar a ligar o acionamento.
Falha à terra

 Verificar e eliminar causa.


 Voltar a ligar o acionamento.
Falha de fases

 Verificar e eliminar causa.


 Voltar a ligar o acionamento.
Simetria de corrente

 Verificar e eliminar causa.


 Esperar até o tempo no display ter decorrido.
 Voltar a ligar o acionamento.
Defeito do aparelho

1 Cabo de ligação entre o aparelho de ativação e conversor de cor-


rente separado ou danificado.
2+3 Defeito do aparelho de ativação.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 217


MANUTENÇÃO
Não ocupado

 Verificar e eliminar causa.


 Voltar a ligar o acionamento.

4.07 Não ocupado

4.08 Mecanismo de translação

4.08.01 Efetuar manutenção do trem de rodagem de lagartas


4.08.01.01 Verificar/tensionar correntes do trem de rodagem
Verificar tensão da corrente

Abb. 4.30: Corrente do trem de rodagem


[1] Corpo de teste
[2] Flecha da corrente do trem de rodagem
As correntes do trem de rodagem devem estar tensionadas de modo a
que por 1 metro de comprimento possuam aprox. 2 cm de flecha. Se a
distância entre o carreto de acionamento e roletes de rolamento ou calha
de deslize for p.ex. de 1,5 metros, então a corrente do trem de rodagem
deverá possuir uma flecha de aprox. 3 cm no ponto mais extenso.

AVISO
Maior desgaste devido a tensão da corrente errada
Correntes do trem de rodagem demasiado tensionadas ou soltas levam
a um maior desgaste.
• Tensionar correntes do trem de rodagem sempre de acordo com as
especificações.

218 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Mecanismo de translação

 Deslocar a instalação em piso plano, até o ramal superior da corren-


te do trem de rodagem estar livre de tensionamento.
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Colocar um corpo de teste [1], p.ex. barra longa e reta, em cima cor-
rente do trem de rodagem entre o carreto de acionamento e o rolete
de rolamento ou calha de deslize.
 Medir a flecha da corrente do trem de rodagem [2]. Eventualmente,
tensionar ou aliviar a corrente do trem de rodagem.
 A tensão da corrente está verificada.
Verificar sempre a corrente esquerda e direita do trem de rodagem.

Tensionar/aliviar a corrente do trem de rodagem

Abb. 4.31: Tensor da corrente


[1] Cobertura do tensor da corrente
[2] Cilindro tensor
[3] Bocal de lubrificação
As correntes do trem de rodagem são tensionadas e aliviadas através de
cilindros tensores hidráulicos, enchidos com massa lubrificante.

PERIGO!
Perigo devido a tensor de corrente sob pressão
Os componentes interiores do tensor de corrente estão sob elevada
pressão e podem originar lesões graves.
• Não abrir tensor da corrente.
• Encarregar apenas pessoal autorizado e qualificado com a execu-
ção de trabalhos de reparação.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 219


MANUTENÇÃO
Mecanismo de translação

Tensionar a corrente do trem  Verificar a corrente do trem de rodagem em relação a danos, even-
de rodagem tualmente reparar.
 Desaparafusar cobertura do tensor da corrente [1].
 Colocar o acoplamento de deslize sobre o bocal de lubrificação [3].
 Tensionar corrente do trem de rodagem através de inserção de mas-
sa lubrificante por pressão no cilindro tensor [2].
 Verificar tensão da corrente do trem de rodagem durante o tensiona-
mento, eventualmente corrigir.
 Absorver massa lubrificante excedente com um pano que não largue
fiapos e de forma ecológica.
 Voltar a aparafusar a cobertura do tensor da corrente [1].
 A corrente do trem de rodagem está tensionada.
Tensionar sempre a corrente esquerda e direita do trem de rodagem.
Acoplamento de deslize e bomba de lubrificação encontram-se na caixa
de ferramentas.
Aliviar corrente do trem de
rodagem

ATENÇÃO!
Perigo devido a massa lubrificante a derramar sob pressão
A massa lubrificante pode esguichar para fora; existe perigo de lesão!
• Nunca soltar o bocal de lubrificação com as mãos.
• Nunca desenroscar o bocal de lubrificação por completo.
• Usar equipamento pessoal de proteção.
• Em caso de lesões, procurar imediatamente um médico.

 Desaparafusar cobertura do tensor da corrente [1].


 Soltar o bocal de lubrificação [3], não desenroscar na totalidade, até
sair massa lubrificante.
 Absorver massa lubrificante que saia com um pano que não largue
fiapos e de forma ecológica.
 Voltar a aparafusar a cobertura do tensor da corrente [1].
 A corrente do trem de rodagem está aliviada.
Aliviar sempre a corrente esquerda e direita do trem de rodagem.

220 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Mecanismo de translação

4.08.01.02 Verificar a fixação dos roletes de rolamento e das placas de fundo

Abb. 4.32: Placas de fundo


[1] Parafusos
[2] Placas de fundo
[3] Porcas
 Dar pancadas ou efetuar exame visual nas/das placas de fundo [2],
parafusos e porcas [1, 3].
 Reapertar parafusos e porcas soltos.
 Substituir, eventualmente, placas de fundo, parafusos e porcas dani-
ficados.
 As placas de fundo estão verificadas.
 Dar pancadas ou efetuar exame visual nos/dos parafusos de fixação
dos roletes de rolamento.
 Reapertar parafusos soltos.
 A fixação dos roletes de rolamento está verificada.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 221


MANUTENÇÃO
Mecanismo de translação

4.08.02 Efetuar manutenção do acionamento das lagartas


4.08.02.01 Efetuar manutenção da caixa de engrenagem planetária
Verificar o nível de enchimento do óleo

1 3

Abb. 4.33: Mecanismo de translação Caixa de engrenagem planetária


[1] Parafuso de controlo do nível de óleo
[2] Parafuso de enchimento do óleo
[3] Nível máximo de enchimento do óleo

CUIDADO!
Perigo devido a óleo quente
O óleo e os componentes da máquina podem estar muito quentes; existe
perigo de lesões.
• Usar equipamento pessoal de proteção.
• Evitar o contacto com componentes das unidades.
• Evitar contacto da pele com óleos e massas lubrificantes.
• Em caso de lesões, procurar imediatamente um médico.

 Deslocar instalação em piso plano de modo a que o parafuso de en-


chimento do óleo [2] esteja virado para cima.
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Limpar caixa, para que não entre sujidade para a caixa de engrena-
gem planetária.
 Desaparafusar o parafuso de controlo do nível de óleo [1] e, eventu-
almente, absorver óleo a derramar com um pano que não largue fia-
pos.
 Verificar se o nível de enchimento do óleo no bordo inferior do orifício
roscado é visível.

222 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Mecanismo de translação

 Eventualmente, acrescentar óleo da transmissão até ao nível máxi-


mo de enchimento do óleo [3].
 Inserir e apertar parafuso de controlo do nível de óleo com um novo
anel vedante.
 O nível de enchimento do óleo está verificado.
Verificar sempre o nível de enchimento do óleo da caixa de engrenagem
planetária esquerda e direita.
Mudar o óleo da transmissão

Abb. 4.34: Mecanismo de translação Caixa de engrenagem planetária


[1] Bujão de escoamento do óleo
[2] Parafuso de enchimento do óleo

CUIDADO!
Perigo devido a óleo quente
O óleo e os componentes da máquina podem estar muito quentes; existe
perigo de lesões.
• Usar equipamento pessoal de proteção.
• Evitar o contacto com componentes das unidades.
• Evitar contacto da pele com óleos e massas lubrificantes.
• Em caso de lesões, procurar imediatamente um médico.

Escoar óleo da transmissão  Colocar o óleo da transmissão, eventualmente através de desloca-


mento da instalação, na temperatura de serviço.
 Deslocar a instalação em piso plano de modo a que o bujão de es-
coamento do óleo [1] esteja virado para baixo.
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 223


MANUTENÇÃO
Mecanismo de translação

 Limpar caixa, para que não entre sujidade para a caixa de engrena-
gem planetária.
 Colocar tina de recolha de óleo com aprox. 10 litros de capacidade
por baixo do bujão de escoamento do óleo [1].
 Desenroscar o parafuso de enchimento do óleo [2].
 Desaparafusar o bujão de escoamento do óleo [1] e escoar o óleo da
transmissão na totalidade.
 Inserir e apertar bujão de escoamento do óleo [1] com novo anel ve-
dante.
 Eliminar óleo antigo de modo ecológico.
 O óleo da transmissão está escoado.
Encher óleo da transmissão  Com ajuda de um funil, atestar óleo da transmissão fresco com a res-
petiva especificação através da abertura do parafuso de enchimento
do óleo. Especificação e capacidade, consulte o cap. 5.
 Encher óleo da transmissão até ao bordo inferior do orifício roscado
do parafuso de enchimento do óleo [2].
 Inserir e apertar parafuso de enchimento do óleo [2] com novo anel
vedante.
 Recolher o óleo derramado com um pano que não largue fiapos e re-
mover de forma ecológica.
 O óleo da transmissão está enchido.
Mudar sempre o óleo da transmissão da caixa de engrenagem planetária
esquerda e direita.

4.08.02.02 Verificar componentes em relação a estanqueidade


A estanqueidade das engrenagens planetárias, bem como dos motores
hidráulicos e linhas hidráulicas dos mecanismos de translação, deve ser
verificada diariamente. Fugas devem ser, imediatamente, eliminadas.
 Efetuar exame visual das caixas das engrenagens planetárias em re-
lação a saída de óleo.
 Efetuar exame visual dos componentes hidráulicos do mecanismo
de translação em relação à saída de óleo.
 Encarregar pessoal da reparação e da assistência com a remoção
de fugas.
 As engrenagens planetárias e mecanismos de translação estão ve-
rificados.

224 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Mecanismo de translação

4.08.03 Reparar trem de rodagem de lagartas


4.08.03.01 Abrir/fechar correntes do trem de rodagem

3
5

2
6

Abb. 4.35: Corrente do trem de rodagem Fechadura da corrente (I)


[1] Orifícios dos parafusos Placas de fundo
[2] Elo da corrente exterior
[3] Elo da corrente interior
[4] Anéis de extremidade
[5] Casquilho de extremidade
[6] Cavilha de extremidade
[7] Marca Cavilha de fecho da corrente

9
8

10

Abb. 4.36: Correntes do trem de rodagem Fechadura da corrente (II)

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 225


MANUTENÇÃO
Mecanismo de translação

[8] Cavilha de fecho da corrente


[9] Placas de fundo
(10) Carreto de guiamento
Para trabalhos de reparação no trem de rodagem de lagartas, pode ser
aberta a corrente do trem de rodagem na fechadura da corrente.

ATENÇÃO!
Perigo de ferimento devido componentes pesados
Em trabalhos de reparação no trem de rodagem de lagartas existe perigo
de ferimento devido a componentes pesados e que caiam.
• Utilizar sempre dispositivos de elevação e meios de amarra adequa-
dos.
• Proteger componentes contra queda.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

A cavilha de fecho da corrente [8] está, ao contrário de outras cavilhas


de extremidades, provida de uma centragem ou de uma extensão conec-
tada, consoante a versão.
Abrir fechadura da corrente  Deslocar a instalação em piso plano de modo a que a cavilha de fe-
cho da corrente [8] fique em posição de aprox. 13 horas sobre o car-
reto de guiamento [10].
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Desaparafusar uma a duas placas de fundo [9] a montante e a jusan-
te da cavilha de fecho da corrente.
 Entre o chassis e elos da corrente interiores, calçar blocos de madei-
ra maciça respetivamente antes e depois da cavilha de fecho da cor-
rente. Os elos da corrente devem ser fixados de modo a que bater a
cavilha de fecho da corrente para fora, não seja possível qualquer
ressalto.
 Proteger a corrente do trem de rodagem no casquilho de extremida-
de [5] com dispositivo de elevação adequado, p.ex. moitão, contra
queda do carreto de guiamento [10].
 A fechadura da corrente está preparada para que a cavilha de fecho
da corrente seja batida para fora.
 Aquecer os elos da corrente à volta da cavilha de fecho da corrente
[8], eventualmente, para aprox. 400 °C, de forma a alargar os ajus-
tes.
 Mover a cavilha de fecho da corrente [8], com auxílio de uma punção
e um martelo pesado, para fora dos ajustes do elo da corrente exte-
rior e interior [3] e [2].
 Soltar a corrente do trem de rodagem separada, com auxílio do dis-
positivo de elevação aplicado, do carreto de guiamento.
 Retirar os anéis das extremidades [4] dos rebaixes planos dos elos
da corrente e guardar para a reutilização.
 A corrente do trem de rodagem está separada.

226 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Mecanismo de translação

Fechar fechadura da corrente  Untar anéis das extremidades [4] com massa lubrificante e inserir
nos rebaixes planos dos elos da corrente.
 Puxar corrente do trem de rodagem, com auxílio de um moitão no
casquilho de extremidade [5] entre o ela da corrente exterior e inte-
rior.
 Limpar, polir e untar com massa lubrificante os ajustes da cavilha de
fecho da corrente [8].
 Mover a cavilha de fecho da corrente [8] com um martelo pesado
para os ajustes do elo da corrente exterior e interior [3] e [2].
 Fixar a cavilha de fecho da corrente [8] com ponto de soldadura no
elo da corrente exterior [2].
 Remover blocos de madeira maciça calçados entre o chassis e os
elos da corrente.
 Aparafusar as placas de fundo [9].
 A corrente do trem de rodagem está fechada.

4.08.03.02 Reparar o elo da corrente

1
5

Abb. 4.37: Elo da corrente


[1] Casquilho de extremidade
[2] Interfaces
[3] Elo da corrente interior
[4] Cavilha de extremidade
[5] Elo da corrente exterior
[6] Elo da corrente danificado
Elos da corrente da corrente do trem de rodagem danificados podem ser
reparados com auxílio de um kit de reparação previsto para o efeito.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 227


MANUTENÇÃO
Mecanismo de translação

ATENÇÃO!
Perigo de ferimento devido componentes pesados
Em trabalhos de reparação no trem de rodagem de lagartas existe perigo
de ferimento devido a componentes pesados e que caiam.
• Utilizar sempre dispositivos de elevação e meios de amarra adequa-
dos.
• Proteger componentes contra queda.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

AVISO
perigo de incêndio devido a maçarico de soldadura
Maçaricos de soldadura, metal quente e faíscas podem incendiar com-
ponentes e objetos ao seu redor.
• Cobrir componentes e objetos em risco de incêndio tanto quanto
possível.
• Proteger componentes e objetos de metal quente que pingue e de fa-
íscas.
• Colocar extintor preparado antes do início dos trabalhos.
• Posicionar monitorização de incêndios durante e após os trabalhos
de soldadura.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

Remover elo da corrente  Deslocar a instalação em piso plano de modo a que o elo da corrente
danificado fique aprox. na posição de 13 horas por cima do carreto
de guiamento.
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Desaparafusar uma a duas placas de fundo a montante e a jusante
do elo da corrente danificado.
 Proteger a corrente do trem de rodagem no casquilho da extremida-
de do ela da corrente não danificado com um dispositivo de elevação
adequado, p.ex. moitão, contra a queda do carreto de guiamento.
 Separar o elo da corrente exterior e interior [5] e [3], bem como o cas-
quilho da extremidade [1], inclusive a cavilha de extremidade que
nele se encontra, nos locais de corte apresentados [2] com um ma-
çarico de corte.
 Remover fragmentos e restos do casquilho de extremidade separa-
dos.
 Aquecer os elos da corrente à volta da cavilha de extremidade [4],
eventualmente para aprox. 400 °C, de forma a alargar os ajustes.
 Mover a cavilha de extremidade [4], com auxílio de uma punção e de
um martelo pesado, para fora dos ajustes do elo da corrente exterior
e interior [5] e [3].

228 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Mecanismo de translação

 Desgastar e rebarbar extremidades do casquilho do elo da corrente


sobressalientes.

 Soldar furos, ao centro, nas cavilhas de extremidade do elo da cor-


rente intato do lado oposto através de um maçarico de corte.
 Extrair restos das cavilhas de extremidade com auxílio de uma pun-
ção e de um martelo pesado.
 Limpar os ajustes do elo da corrente e untá-los com massa lubrifi-
cante.
 O elo da corrente danificado está removido.
Inserir elo da corrente O kit de reparação do elo da corrente contém todos os componentes ne-
cessários para a reparação de um elo da corrente.

Abb. 4.38: Kit de reparação Elo da corrente


[1] Casquilho de extremidade
[4] Cavilhas de extremidade, 2 unidades
[7] Anéis de extremidade, 4 unidades
[8] Elo da corrente de reparação, 1 unidade
 Untar dois anéis de extremidade [7] com massa lubrificante e colocar
com o lado chanfrado no rebaixo plano do elo da corrente intato.
 Limpar, polir e untar com massa lubrificante os ajustes das cavilhas
de fecho [4].
As faces de ajuste das cavilhas de extremidade devem ser polidas até
conseguirem ser inseridas nos orifícios dos elos das correntes sem dis-
pêndio de força superior.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 229


MANUTENÇÃO
Não ocupado

 Inserir casquilho de extremidade [1] do elo d corrente de reparação


[8] no elo da corrente intato e colocar a cavilha de extremidade [4].
 Untar os dois restantes anéis de extremidade [7] com massa lubrifi-
cante e colocá-lo com o lado chanfrado nos rebaixes planos do elo
da corrente de reparação.
 Puxar a outra extremidade da correntes do trem de rodagem com au-
xílio de um moitão para o elo da corrente de reparação [8] e colocar
a segunda cavilha de extremidade. Nessa ocasião, assegurar que os
anéis de extremidade permanecem no rebaixe plano.
 Segurar ambas as cavilhas de extremidade [4] com pontos d solda-
dura no elo da corrente de reparação [8].
 O elo da corrente de reparação está aplicado.

4.09 Não ocupado

4.10 Transporte de material

4.10.01 Efetuar manutenção do transportador de cinta

PERIGO!
Perigo devido a componentes móveis e rotativos
Trabalhos de manutenção e de reparação em componentes da instala-
ção em funcionamento, podem levar a lesões graves ou fatais.
• Por regra, efetuar trabalhos de manutenção e de reparação sempre
com a instalação parada.
• Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
• Proteger a instalação contra ativação involuntária.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

ATENÇÃO!
Perigo de queda
Ao efetuar trabalhos de manutenção e de reparação nos componentes
da instalação existe perigo de queda.
• Utilizar auxílios de subida ou plataformas elevadoras adequadas.
• Verificar o apoio seguro dos auxílios de subida.
• Manter um contacto de três pontos seguro no auxílio de subida.
• Não saltar dos auxílios de subida ou da instalação.

4.10.01.01 Verificar cintas transportadoras


Os transportadores de cinta são verificados no estado de em funciona-
mento e depois parado.

230 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Transporte de material

 Arrancar transportadores de cinta no modo de operação manual e,


nessa ocasião, efetuar, a partir de uma distância segura, um exame
visual em relação aos seguintes danos:
• Cintas transportadoras.
– Danos das arestas
– Danos das placas de cobertura
– Danos do têxtil
– Descamações da ligação sem fim
– Descamações do corpo
– Locais abrasivos e riscos
– Tensionamento da cinta transportadora. Tensão demasiado fraca
origina a flecha da cinta transportadora e escorregamento do
tambor de acionamento. Tensão demasiado forte origina a vibra-
ção do ramal interior.
– Desalinhamento da cinta transportadora
• Componentes dos transportadores de cinta.
– Roletes de suporte, rolos de desvio e polias de retorno presos e
desgastados
– Uniões roscadas frouxas
– Raspadores presos e desgastados
– Lábios de vedação das barras de guiamento de material
• Outros.
– Ruídos de funcionamento estranhos
– Pedras entaladas
– Sujidades e formações de depósitos
– Carregamento descentrado da cinta transportadora
 Desligar transportador de cinta e gerador diesel e proteger contra re-
ativação.
 Efetuar, novamente, exame visual dos pontos supracitados.
 Eliminar danos e defeitos detetados.
 Os transportadores de cinta estão verificados.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 231


MANUTENÇÃO
Transporte de material

4.10.01.02 Efetuar manutenção dos raspadores


Reajustar raspador de cunha

1
3

Abb. 4.39: Raspador de cunha


[1] Frisos de fixação
[2] Corrente
[3] Borracha raspadora
O raspador de cunha limpa o lado interior do ramal inferior de material
solto nele assente. Ele está pendurado na estrutura da cinta com uma
corrente [2] e reajusta-se autonomamente através do seu peso próprio.
 Efetuar exame visual da borracha raspadora [3] em relação a danos
e desgaste.
 Eventualmente, desaparafusar os frisos de fixação [1] e substituir
borracha raspadora [3.
 Está efetuada a manutenção do raspador de cunha.

232 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Transporte de material

Reajustar raspador plano

Abb. 4.40: Raspador plano


[1] Elemento tensor
[2] Parafuso
[3] Friso raspador
[4] Dispositivo de aperto
O raspador plano limpa o lado exterior da cinta transportadora de mate-
rial solto assente na mesma. Os elementos tensores [1] garantem uma
pressão de contacto constante do friso raspador [3]. Se o friso raspador
não se situar junto à cinta transportadora ou possuir uma pressão de
contacto demasiado baixa, então deverá ser reajustado.
 Encaixar o dispositivo de aperto [4] no elemento tensor [1] e soltar o
parafuso [2], não desaparafusar.
 Aumentar ou diminuir distância ou pressão de contacto do friso ras-
pador à cinta transportadora através de rotação do elemento tensor
[1].
 Reapertar parafuso [2].
 Repetir o procedimento no elemento tensor do lado oposto.
 Eventualmente, virar ou substituir o friso raspador danificado ou gas-
to.
 Está efetuada a manutenção do raspador plano.
Se o material a transportar tender a aderir à cinta transportadora, p.ex.
material aglutinante como argila, poeira molhada, etc., a pressão de con-
tacto do friso raspador deve ser aumentada.
Em caso de material não aglutinante basta colocar o friso raspador sem
pressão de contacto junto à cinta transportadora.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 233


MANUTENÇÃO
Transporte de material

4.10.01.03 Reajustar calhas de deslize

3
1

Abb. 4.41: Calhas de deslize


[1] Calha de deslize
[2] Friso de fixação
[3] Parafusos

ATENÇÃO!
Perigo de queda
Ao efetuar trabalhos de manutenção e de reparação nos componentes
da instalação existe perigo de queda.
• Utilizar auxílios de subida ou plataformas elevadoras adequadas.
• Verificar o apoio seguro dos auxílios de subida.
• Manter um contacto de três pontos seguro no auxílio de subida.
• Não saltar dos auxílios de subida ou da instalação.

As calhas de deslize isolam as barras de guiamento de material da cinta


transportadora, para que não entre nenhum material em contacto com os
componentes rotativos ou não possa cair do transportador de cinta. Em
caso de danos ou desgaste, as calhas de deslize devem ser reajustadas
ou substituídas.
 Soltar os parafusos [3] dos frisos de fixação [2], não desaparafusar.
 Reajustar as calhas de deslize [1], até encostarem na cinta transpor-
tadora.
 Substituir calhas de deslize, eventualmente, danificadas ou gastas.
 Reapertar os parafusos [3] dos frisos de fixação [2].
 As calhas de deslize estão reajustadas.

234 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Transporte de material

4.10.01.04 Efetuar manutenção da caixa de engrenagem cónica

3
2

1
4

Abb. 4.42: Acionamento de transportador de cinta com caixa de engre-


nagem cónica
[1] Bujão de escoamento do óleo em montagem horizontal
[2] Parafuso de enchimento do óleo e purga
[3] Placa de características
[4] Bujão de escoamento do óleo em montagem inclinada
Não é possível a verificação do nível de enchimento do óleo nas engre-
nagens cónicas, uma vez que os acionamentos de transportador de cinta
estão montados em diferentes posições de montagem e não está previs-
to um parafuso de nível de enchimento. Se forem detetadas fugas, a
quantidade de enchimento deverá ser averiguada através do escoamen-
to do óleo.

CUIDADO!
Perigo devido a óleo quente
O óleo e os componentes da máquina podem estar muito quentes; existe
perigo de lesões.
• Usar equipamento pessoal de proteção.
• Evitar o contacto com componentes das unidades.
• Evitar contacto da pele com óleos e massas lubrificantes.
• Em caso de lesões, procurar imediatamente um médico.

O bujão de escoamento do óleo esquerdo [1] deve ser utilizado se a


montagem for horizontal. Se a montagem for inclinada, o bujão de esco-
amento do óleo direito [4].
Verificar o nível de  Colocar o óleo da transmissão à temperatura de serviço. Eventual-
enchimento do óleo mente, deixar o transportador de cinta funcionar durante aprox. 10
minutos.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 235


MANUTENÇÃO
Transporte de material

 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.


 Limpar a carcaça da caixa de engrenagem cónica. Especialmente o
parafuso de enchimento e o bujão de escoamento do óleo devem es-
tar isentos de sujidades.
 Desenroscar o parafuso de enchimento do óleo [2].
 Posicionar tina de recolha de óleo limpa com capacidade de aprox.
10 litros por baixo do bujão de escoamento do óleo [1] ou [4].
 Desenroscar o bujão de escoamento do óleo [1] ou [4] e escoar o
óleo da transmissão.
 Averiguar a quantidade de enchimento. Capacidade correta, consul-
tar placa de características [3].
 Voltar a enroscar e apertar bujão de escoamento do óleo [1] ou [4].
 Voltar a deitar o óleo da transmissão escoado com ajuda de um funil.
Eventualmente, acrescentar a quantidade de óleo em falta com a
respetiva especificação.
 Voltar a enroscar e apertar o parafuso de enchimento do óleo [2].
 Recolher o óleo derramado com um pano e remover de forma ecoló-
gica.
 Verificar a caixa de engrenagem cónica em relação a estanquidade.
 O nível de enchimento do óleo está verificado.
Mudar o óleo da transmissão  Colocar o óleo da transmissão à temperatura de serviço. Eventual-
mente, deixar o transportador de cinta funcionar durante aprox. 10
minutos.
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Limpar a carcaça da caixa de engrenagem cónica. Especialmente o
parafuso de enchimento e o bujão de escoamento do óleo devem es-
tar isentos de sujidades.
 Desenroscar o parafuso de enchimento do óleo [2].
 Colocar tina de recolha de óleo com aprox. 10 litros de capacidade
por baixo do bujão de escoamento do óleo [1] ou [4].
 Desenroscar o bujão de escoamento do óleo [1] ou [4], escoar o óleo
da transmissão e eliminar de forma ecologicamente correta.
 Voltar a enroscar e apertar bujão de escoamento do óleo [1] ou [4].
 Com ajuda de um funil, atestar óleo da transmissão fresco com a res-
petiva especificação através da abertura do parafuso de enchimento
do óleo. Em relação à quantidade de enchimento correta, consultar
a placa de características [3].
 Voltar a enroscar e apertar o parafuso de enchimento do óleo [2].
 Recolher o óleo derramado com um pano e remover de forma ecoló-
gica.
 Verificar a caixa de engrenagem cónica em relação a estanqueidade.
 O óleo da transmissão foi mudado.

236 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Transporte de material

4.10.01.05 Efetuar a manutenção aos moto tambores

Abb. 4.43: Acionamento de transportador de cinta, moto tambor


[1] Placa de características
[2] Bujão de escoamento do óleo com filtro magnético (ponto verme-
lho)
[3] Parafuso de enchimento do óleo e purga
A verificação do nível de enchimento do óleo não é possível nos moto
tambores. Se forem detetadas fugas, a quantidade de enchimento deve-
rá ser averiguada através do escoamento do óleo.

CUIDADO!
Perigo devido a óleo quente
O óleo e os componentes da máquina podem estar muito quentes; existe
perigo de lesões.
• Usar equipamento pessoal de proteção.
• Evitar o contacto com componentes das unidades.
• Evitar contacto da pele com óleos e massas lubrificantes.
• Em caso de lesões, procurar imediatamente um médico.

Verificar o nível de  Colocar o óleo da transmissão à temperatura de serviço. Eventual-


enchimento do óleo mente, deixar o transportador de cinta funcionar durante aprox. 10
minutos.
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Limpar o moto tambor. Especialmente o parafuso de enchimento e o
bujão de escoamento do óleo devem estar isentos de sujidades.
 Rodar o moto tambor até que o bujão de escoamento do óleo [2] se
encontre no ponto inferior.
 Desenroscar o parafuso de enchimento do óleo [3].

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 237


MANUTENÇÃO
Transporte de material

 Colocar uma tina de recolha de óleo limpa, com capacidade suficien-


te, por baixo do bujão de escoamento do óleo [2].
 Desenroscar o bujão de escoamento do óleo [2] e escoar o óleo da
transmissão.
 Averiguar a quantidade de enchimento. Em relação à quantidade de
enchimento correta, consultar a placa de características [1].
 Voltar a enroscar e apertar o bujão de escoamento do óleo [2].
 Voltar a deitar o óleo da transmissão escoado com ajuda de um funil.
Eventualmente, acrescentar a quantidade de óleo em falta com a
respetiva especificação.
 Voltar a enroscar e apertar o parafuso de enchimento do óleo [3].
 Recolher o óleo derramado com um pano e remover de forma ecoló-
gica.
 Verificar o moto tambor em relação a estanquidade.
 O nível de enchimento do óleo está verificado.
Mudar o óleo da transmissão  Colocar o óleo da transmissão à temperatura de serviço. Eventual-
mente, deixar o transportador de cinta funcionar durante aprox. 10
minutos.
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Limpar o moto tambor. Especialmente o parafuso de enchimento e o
bujão de escoamento do óleo devem estar isentos de sujidades.
 Desenroscar o parafuso de enchimento do óleo [3].
 Colocar uma tina de recolha de óleo com capacidade suficiente por
baixo do bujão de escoamento de óleo [2].
 Desenroscar o bujão de escoamento do óleo [2], escoar o óleo da
transmissão e remover de forma ecológica.
 Voltar a enroscar e apertar o bujão de escoamento do óleo [2].
 Com ajuda de um funil, atestar óleo da transmissão fresco com a res-
petiva especificação através da abertura do parafuso de enchimento
do óleo. Em relação à quantidade de enchimento correta, consultar
a placa de características [3].
 Voltar a enroscar e apertar o parafuso de enchimento do óleo [3].
 Recolher o óleo derramado com um pano e remover de forma ecoló-
gica.
 Verificar o moto tambor em relação a estanquidade.
 O óleo da transmissão foi mudado.

238 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Transporte de material

4.10.01.06 Lubrificar o apoio fixo

Abb. 4.44: Apoio fixo


[1] Tambor de acionamento ou de inversão
[2] Bocal de lubrificação
[3] Parafusos da tampa do apoio
[4] Lábios de vedação
Todos os transportadores de cinta, cujo acionamento se faz através de
uma caixa de engrenagem cónica, estão equipados com apoios fixos.
Os apoios fixos dos tambores de acionamento e de inversão não são lu-
brificados através do bocal de lubrificação [2]; estes têm de ser desman-
telados e atestados com massa lubrificante.

AVISO
Perigo de danos nos apoios
A massa lubrificante a escorrer alarga os lábios de vedação dos apoios
fixos. Através de lábios de vedação alargados e danificados pode infil-
trar-se pó, destruindo os apoios.
• Remover a massa lubrificante a escorrer.
• Substituir os lábios de vedação danificados.

Verificar os apoios fixos  Desaparafusar as coberturas de proteção dos apoios fixos.


 Remover a sujidade e o pó dos apoios fixos.
 Recolher a massa lubrificante a escorrer com um pano e remover de
forma ecológica.
 Através de uma inspeção visual, verificar se os lábios de vedação [4]
interiores e exteriores apresentam danos; se necessário, devem ser
substituídos.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 239


MANUTENÇÃO
Transporte de material

 Voltar a aparafusar as coberturas de proteção dos apoios fixos.


 Os apoios fixos estão verificados.
Lubrificar o apoio fixo  Desaparafusar as coberturas de proteção dos apoios fixos.
 Remover a sujidade e o pó dos apoios fixos.
 Fixar o tambor de acionamento ou de inversão [1] com um meio de
fixação adequado, p. ex., cinta tensora, para impedir que deslize
para fora dos apoios fixos.
 Desenroscar os parafusos das tampas dos apoios [3] e retirar as
tampas dos apoios.
 Retirar os lábios de vedação [4] do apoio fixo. Os lábios de vedação
estão divididos em duas partes e, deste modo, podem ser retirados
do veio.
 Remover a massa lubrificante antiga do apoio fixo e da tampa do
apoio e remover de forma ecológica.
 Aplicar novos lábios de vedação no apoio fixo e na tampa do apoio.
 Encher o apoio fixo e a tampa do apoio com massa lubrificante fresca
e com a respetiva especificação.
 Voltar a aplicar a tampa do apoio com os parafusos [3].
 Voltar a aparafusar as coberturas de proteção dos apoios fixos.
 Os apoios fixos estão lubrificados.
Lubrificar os apoios fixos inferiores da cinta de descarga da brita-
deira

Abb. 4.45: Lubrificação central da cinta de descarga da britadeira


[1] Bocal de lubrificação do apoio fixo esquerdo
[2] Bocal de lubrificação do apoio fixo direito

240 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Transporte de material

Os apoios fixos do tambor de inversão da cinta de descarga da britadeira


são lubrificados através dos bocais da lubrificação central. A lubrificação
central está localizada à direita, ao lado do armário de distribuição.
 Com ajuda de uma bomba de lubrificação, injetar 2,5 gramas de
massa lubrificante com a respetiva especificação nos bocais de lu-
brificação [1] e [2].
 Os apoios fixos estão lubrificados.
Um curso da bomba de lubrificação corresponde a aprox. 2 gramas de
massa lubrificante. As quantidades de massa lubrificante a injetar por
pressão estão anotadas nos blocos da lubrificação central.

4.10.02 Verificar as calhas de deslize


4.10.02.01 Verificar as cortinas de borracha e vedações

Abb. 4.46: Cortinas de borracha e vedações


[1] Cortinas de borracha, passagem inferior do crivo
[2] Vedações do bypass e britadeira
As cortinas de borracha e as vedações das calhas de deslize conduzem
o material para os locais de entrega e reduzem as emissões de pó. Cor-
tinas de borracha e vedações danificadas já não conseguem cumprir in-
tegralmente esta tarefa.
 Através de uma inspeção visual, verificar as cortinas de borracha da
passagem inferior do crivo [1] em relação a danos.
 Através de uma inspeção visual, verificar vedações do bypass e da
britadeira [2] em relação a danos.
 Verificar as réguas de fixação das cortinas de borracha e vedações
em relação a danificações e aplicação firme.
 Eventualmente, substituir os componentes danificados.
 As calhas de deslize estão verificadas.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 241


MANUTENÇÃO
Transporte de material

4.10.03 Efetuar a manutenção aos separadores magnéticos (opção)

PERIGO!
Perigo devido a campos magnéticos
Separadores magnéticos elétricos e permanentes geram fortes campos
magnéticos, que podem prejudicar pessoas.
• Pessoas com pace-makers e outros equipamentos médicos devem
ser mantidas afastadas dos separadores magnéticos.
• Manter uma distância de, no mínimo, 2 metros aos separadores
magnéticos.
• Observar o manual de segurança.

Os trabalhos de manutenção e de reparação do separador magnético


encontram-se descritos na documentação do fabricante.
• Realizar todos os trabalhos de manutenção e de reparação com
base na documentação do fabricante.
• Observar as indicações de segurança na documentação do fabrican-
te.

4.10.04 Reparar o transportador de cinta


4.10.04.01 Tensionar a cinta transportadora

3
5

6
1

Abb. 4.47: Dispositivo tensor do transportador de cinta


[1] Barra roscada
[2] Contraporca
[3] Porca de aperto
[4] Estrutura da cinta
[5] Guia
[6] Cinta transportadora

242 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Transporte de material

ATENÇÃO!
Perigo de queda
Ao efetuar trabalhos de manutenção e de reparação nos componentes
da instalação existe perigo de queda.
• Utilizar auxílios de subida ou plataformas elevadoras adequadas.
• Verificar o apoio seguro dos auxílios de subida.
• Manter um contacto de três pontos seguro no auxílio de subida.
• Não saltar dos auxílios de subida ou da instalação.

AVISO
Perigo de danos materiais
Uma cinta transportadora tensionada obliquamente ou tensionada com
força excessiva ou insuficiente desgasta-se mais rapidamente e pode
causar danos consequentes em componentes do transportador de cinta.
• Tensionar o tambor de acionamento ou de inversão de modo unifor-
me e perpendicularmente à estrutura da cinta.
• Tensionar a cinta transportadora com a tensão correta.

As cintas transportadoras são tensionadas em todos os transportadores


de cinta através de dois dispositivos de tensionamento mecânicos cuja
estrutura, por princípio, é igual.
Tensionar a cinta  Eventualmente, desaparafusar as coberturas de proteção dos dispo-
transportadora sitivos de tensionamento.
 Soltar as contraporcas à esquerda e à direita [2] até que o curso de
tensionamento fique livre.
 Rodar as porcas de aperto à esquerda e à direita [3] de modo unifor-
me até que a cinta transportadora esteja corretamente tensionada.
Prestar atenção para que o tambor de acionamento ou de inversão
fique perpendicular à estrutura da cinta [4].
 Voltar a apertar as contraporcas [2] à esquerda e à direita.
 Eventualmente, voltar a aparafusar as coberturas de proteção dos
dispositivos de tensionamento.
 A cinta transportadora está tensionada.
É possível identificar uma cinta transportadora tensionada insuficiente-
mente através das flechas que se formam entre as polias de retorno.
Uma cinta transportadora tensionada excessivamente identifica-se pela
vibração do ramal inferior durante o funcionamento.
Como valor de referência é válido o seguinte: a tensão correta é a míni-
ma tensão possível que impede que o tambor de acionamento patine na
cinta transportadora.
Aliviar a cinta transportadora  Eventualmente, desaparafusar as coberturas de proteção dos dispo-
sitivos de tensionamento.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 243


MANUTENÇÃO
Transporte de material

 Rodar as porcas de aperto à esquerda e à direita [3] de modo unifor-


me até que a cinta transportadora fique aliviada. Prestar atenção
para que o tambor de acionamento ou de inversão fique perpendicu-
lar à estrutura da cinta [4].
 Apertar as contraporcas [2] à esquerda e à direita.
 Eventualmente, voltar a aparafusar as coberturas de proteção dos
dispositivos de tensionamento.
 A cinta transportadora está aliviada.

4.10.04.02 Substituir a cinta transportadora


Para substituir a cinta transportadora, por regra, existem dois modos de
procedimento distintos:
• Colocar a cinta transportadora dividida sobre o transportador de cinta
e unir as extremidades por meio de vulcanização.
• Desmontar o transportador de cinta, desmantelar parcialmente e co-
locar uma cinta transportadora sem fim.
Pode encontrar os contactos correspondentes para a reparação de cin-
tas transportadoras em "Serviço de apoio ao cliente" na página inicial da
KLEEMANN GmbH: www.kleemann.info

4.10.04.03 Verificar o andamento da cinta transportadora

Abb. 4.48: Andamento da cinta transportadora (I)


[1] Roletes de suporte
[2] Roletes guia laterais
[3] Cinta transportadora
Uma cinta transportadora corretamente alinhada desloca-se ao centro
entre os roletes guia laterais e os tambores de acionamento e de inver-
são. Isso implica menos despesas de reparação e um funcionamento
perfeito.

244 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Transporte de material

A cinta transportadora pode encostar nos roletes guia laterais, no entan-


to, não pode ocorrer a formação de vincos e dobras.

ATENÇÃO!
Perigo de colhimento por componentes em rotação
Ao efetuar controlos e inspeções visuais em transportadores de cinta em
movimento existe um elevado perigo de colhimento dos membros pelos
componentes em rotação.
• Manter-se afastado dos componentes em rotação.
• Efetuar os trabalhos de manutenção e de assistência técnica apenas
em transportadores de cinta parados.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

 Ligar os componentes da instalação e o gerador diesel.


 Observar o andamento da cinta transportadora com e sem material
carregado e anotar eventuais deficiências constatadas.
 O andamento da cinta transportadora está verificado.

4.10.04.04 Ajustar o andamento da cinta transportadora


A estação de centragem na cinta de descarga da britadeira assegura o
movimento centrado da cinta transportadora (consulte o cap.
2.10.01.01).
Para todas as outras cintas transportadoras, consulte a seguinte descri-
ção.

Abb. 4.49: Andamento da cinta transportadora (II)


[3] Cinta transportadora
[4] Tambor de inversão
[5] Polias de retorno
[6] Tambor de acionamento

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 245


MANUTENÇÃO
Transporte de material

A ilustração mostra uma cinta transportadora [3] que se move com des-
vio para a direita e como ajustar as polias de retorno [5] em conformida-
de.
Razões para um andamento incorreto da cinta transportadora
• Alinhamento insuficiente dos tambores de acionamento e/ou de in-
versão.
• Tambores e roletes sujos de um dos lados.
• Carregamento descentrado de material e guia da cinta transportado-
ra.
• Raspadores posicionados obliquamente no fluxo de material, que
enviam o material através do bordo lateral da cinta transportadora.
• Cinta transportadora roça na estrutura da cinta ou em bocados de
material entalados.
• Transmissão não uniforme da força ao longo da largura da cinta
transportadora devido a umidade.
• União incorreta da cinta transportadora com vinco no sentido longi-
tudinal.
Ajustar o andamento da cinta transportadora
Se o andamento incorreto da cinta transportadora tiver uma razão dife-
rente das acima referidas, então é necessário ajustar o andamento da
cinta transportadora através das polias de retorno [5].
No ponto em que a cinta transportadora [3] começa a mover-se obliqua-
mente é possível ajustar uma ou várias polias de retorno [5].
 Razões para um andamento incorreto da cinta transportadora.
 Eventualmente, tensionar a cinta transportadora.
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Soltar o suporte da polia de retorno [5] e rodar ligeiramente nos ori-
fícios alongados.
 Voltar a apertar o suporte.
 Ligar os componentes da instalação e o gerador diesel e observar o
andamento da cinta transportadora com e sem material carregado.
 Corrigir o ajuste em caso de necessidade.
 O andamento da cinta transportadora está ajustado
Basta um curso de ajuste de poucos milímetros das polias de retorno
para conseguir uma correção do andamento da cinta transportadora.
Para controlar o andamento da cinta transportadora, o transportador de
cinta tem de trabalhar durante, no mínimo, 2 minutos.
Devido a um fabrico, utilização ou armazenamento deficiente, as cintas
transportadoras podem estar deformadas ou arqueadas, deixando de
ser possível ajustá-las corretamente.

246 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Não ocupado

4.10.05 Efetuar a manutenção à calha de descarga


Os trabalhos de manutenção na calha de descarga devem ser realizados
como descrito no capítulo "Efetuar a manutenção à calha de carrega-
mento".
 Efetuar a manutenção aos elementos vibratórios, consulte o cap.
4.43.02.01.
 Verificar os motores de vibração, consulte o cap. 4.43.02.02.
 Efetuar a manutenção ao revestimento de desgaste, consulte o cap.
4.43.02.03.
Indicações e informações relativas à reparação da calha de descarga,
consulte o cap. 4.43.03.

4.11 Não ocupado

4.12 Instalação da água (opção)

3
2

Abb. 4.50: Instalação da água


[1] Bomba de água
[2] Fluidcontrol
[3] Injetores de pulverização

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 247


MANUTENÇÃO
Instalação da água (opção)

ATENÇÃO!
Perigo de queda
Ao efetuar trabalhos de manutenção e de reparação nos componentes
da instalação existe perigo de queda.
• Utilizar auxílios de subida ou plataformas elevadoras adequadas.
• Verificar o apoio seguro dos auxílios de subida.
• Manter um contacto de três pontos seguro no auxílio de subida.
• Não saltar dos auxílios de subida ou da instalação.

A bomba de água [1] e o Fluidcontrol [2] não necessitam de manutenção.


Apenas é necessário realizar uma inspeção visual.
 Através de uma inspeção visual, verificar o corpo e as uniões da
bomba de água [1] e do Fluidcontrol [2] em relação a estanqueidade.
 Mandar reparar eventuais danificações por pessoal autorizado e
qualificado.
 Através de uma inspeção visual, verificar as ligações dos injetores
de pulverização [3] em relação a estanqueidade.
 Verificar a orientação do jacto de pulverização; se necessário, corri-
gi-lo.
 Através de uma inspeção visual, verificar os tubos de alimentação
dos injetores de pulverização [] em relação a estanqueidade. Elimi-
nar fugas.
 A instalação da água está verificada.
Os injetores de pulverização estão aplicados nos seguintes locais:
• Entrada da britadeira
• Bypass
• Lançamento para fora cinta
• Cinta de descarga da britadeira após a saída da britadeira

248 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Não ocupado

4.13 Não ocupado

4.14 Não ocupado

4.15 Não ocupado

4.16 Não ocupado

4.17 Não ocupado

4.18 Não ocupado

4.19 Não ocupado

4.20 Não ocupado

4.21 Não ocupado

4.22 Não ocupado

4.23 Não ocupado

4.24 Não ocupado

4.25 Não ocupado

4.26 Não ocupado

4.27 Não ocupado

4.28 Não ocupado

4.29 Não ocupado

4.30 Não ocupado

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 249


MANUTENÇÃO
Não ocupado

4.31 Não ocupado

4.32 Não ocupado

4.33 Não ocupado

4.34 Não ocupado

4.35 Não ocupado

4.36 Não ocupado

4.37 Não ocupado

4.38 Não ocupado

4.39 Não ocupado

4.40 Não ocupado

4.41 Não ocupado

4.42 Ferramenta

250 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Carregamento de material

1 2

Abb. 4.51: Ferramentas e acessórios


(1) Caixa de ferramentas
[2] Ferramentas e acessórios
 Verificar se a caixa da ferramenta [1] está aplicada de forma segura
na instalação e se apresenta danificações.
 Verificar se a ferramenta e os acessórios [2] estão completos e se
apresentam danificações. Substituir ou trocar as ferramentas em fal-
ta ou danificadas.
 As ferramentas e acessórios estão verificados.

4.43 Carregamento de material

4.43.01 Efetuar a manutenção à tremonha de carregamento

2
3

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 251


MANUTENÇÃO
Carregamento de material

Abb. 4.52: Tremonha de carregamento


[1] Cilindro hidráulico
[2] Cilindros hidráulicos e cunhas dos bloqueios da parede da tremo-
nha
[3] Deslocamentos das paredes da tremonha
[4] Bloqueio e proteção do cilindro hidráulico

ATENÇÃO!
Perigo de queda
Ao efetuar trabalhos de manutenção e de reparação nos componentes
da instalação existe perigo de queda.
• Utilizar auxílios de subida ou plataformas elevadoras adequadas.
• Verificar o apoio seguro dos auxílios de subida.
• Manter um contacto de três pontos seguro no auxílio de subida.
• Não saltar dos auxílios de subida ou da instalação.

 Através de uma inspeção visual, verificar os bloqueios e dispositivos


de proteção dos cilindros hidráulicos [4] em relação a danos.
 Através de uma inspeção visual, verificar os cilindros hidráulicos dos
bloqueios da parede da tremonha [2] em relação a estanqueidade.
 Verificar o movimento das cunhas dos bloqueios da parede da tre-
monha [2].
 Através de uma inspeção visual, verificar os deslocamentos das pa-
redes da tremonha [3] em relação a danos e verificar se as cavilhas
e contra pinos de segurança estão aplicados de forma segura.
 Através de uma inspeção visual, verificar o cilindro hidráulico [1] em
relação a estanquidade.
 Eventualmente, substituir componentes danificados.
 A tremonha de carregamento está verificada.

252 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Carregamento de material

4.43.02 Efetuar a manutenção à calha de carregamento


4.43.02.01 Efetuar a manutenção aos elementos vibratórios

Abb. 4.53: Elementos vibratórios da calha de carregamento


[1] Pontos de fixação
[2] Elementos vibratórios

ATENÇÃO!
Perigo de queda
Ao efetuar trabalhos de manutenção e de reparação nos componentes
da instalação existe perigo de queda.
• Utilizar auxílios de subida ou plataformas elevadoras adequadas.
• Verificar o apoio seguro dos auxílios de subida.
• Manter um contacto de três pontos seguro no auxílio de subida.
• Não saltar dos auxílios de subida ou da instalação.

AVISO
Danos materiais devido a elementos vibratórios danificados
Elementos vibratórios danificados já não conseguem suportar as cargas
e oscilações que surgem, dando origem a danos consequentes nos com-
ponentes da instalação.
• Substituir imediatamente elementos vibratórios danificados.

Verificar os elementos Fissuras em molas originam rapidamente a destruição de todo o elemen-


vibratórios to vibratório. Isso pode levar a que componentes embatam em compo-
nentes contíguos da instalação ou contra o chassis, danificando-os.
 Através de uma inspeção visual, verificar as molas [2] em relação a
fissuras e deformações.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 253


MANUTENÇÃO
Carregamento de material

 Se necessário, substituir os elementos vibratórios.


 Os elementos vibratórios estão verificados.
Substituir os elementos  Rebater as paredes da tremonha, consulte o cap. 6.03.04.
vibratórios
 Desaparafusar a fita de ligação à massa entre a calha de carrega-
mento e o chassis.
 Aplicar dispositivos de elevação e meios de amarra adequados nos
pontos de fixação [1].
 Elevar a calha de carregamento até que seja possível retirar os ele-
mentos vibratórios [2].
 Substituir os elementos vibratórios.
 Voltar a baixar a calha de carregamento sobre os elementos vibrató-
rios.
 Voltar a aparafusar a fita de ligação à massa.
 Voltar a levantar as paredes da tremonha, consulte o cap. 6.02.04.
 Os elementos vibratórios estão substituídos.

4.43.02.02 Verificar os motores de vibração

Abb. 4.54: Motores de vibração


[1] Parafusos de fixação
[2] Coberturas de proteção

254 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Carregamento de material

ATENÇÃO!
Perigo de ferimento devido a pesos de equilibragem não protegidos
Pesos de equilibragem não cobertos dos motores de vibração podem
dar origem a ferimentos graves ou fatais em caso de contacto com pes-
soas.
Material que eventualmente atinja os pesos de equilibragem poderá ser
projetado dando origem a ferimentos graves ou mesmo fatais.
• Operar os motores de vibração apenas com as coberturas de prote-
ção montadas.
• Ao efetuar trabalhos de manutenção e de reparação, proteger os
componentes da instalação para que não possam ser ligados.

AVISO
Perigo de danos materiais
Nos motores de vibração não cobertos com coberturas de proteção pode
infiltrar-se água e pó, causando danos nos apoios e curto-circuitos nos
enrolamentos.
• Operar os motores de vibração apenas com as coberturas de prote-
ção montadas.
• Substituir coberturas de proteção danificadas.

Visto que os parafusos de fixação [1] dos motores de vibração estão ex-
postos a fortes solicitações alternadas, estes podem soltar-se com o
tempo. Uma transmissão das forças de oscilação deixa de estar assegu-
rada se os parafusos de fixação estiverem afrouxados e os motores de
vibração são destruídos prematuramente.
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Reapertar todos os parafuso de fixação [1] com uma chave dinamo-
métrica. Binários de aperto, consulte o cap. 5.03.
 Através de uma inspeção visual, verificar se as coberturas de prote-
ção [2] estão danificadas; se necessário, substituir.
 Os motores de vibração estão verificados.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 255


MANUTENÇÃO
Carregamento de material

4.43.02.03 Efetuar a manutenção ao revestimento de desgaste

Abb. 4.55: Revestimento de desgaste das calhas transportadoras vi-


bratórias
[1] Chapas de desgaste
[2] Porcas

ATENÇÃO!
Perigo de queda
Ao efetuar trabalhos de manutenção e de reparação nos componentes
da instalação existe perigo de queda.
• Utilizar auxílios de subida ou plataformas elevadoras adequadas.
• Verificar o apoio seguro dos auxílios de subida.
• Manter um contacto de três pontos seguro no auxílio de subida.
• Não saltar dos auxílios de subida ou da instalação.

Verificar as chapas de  Através de uma inspeção visual, verificar as chapas de desgaste [1]
desgaste das calhas transportadoras vibratórias em relação a desgaste e rom-
pimentos.
 Através de batimento, verificar o bom encaixe das chapas de des-
gaste.
 Substituir chapas de desgaste desgastadas ou danificadas. Reaper-
tar chapas de desgaste soltas.
 O revestimento de desgaste está verificado.
Trocar chapas de desgaste
Visto que o sextavado interior dos parafusos é "lavado" ou obstruído pelo
material, as cabeças de parafuso podem ser protegidas com pontos de
soldadura para impedir que girem solidariamente. Depois de desenros-

256 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Carregamento de material

car as porcas, as chapas de desgaste podem ser retiradas ou os parafu-


sos expulsos por meio de golpes.
As chapas de desgaste [1] estão todas aparafusadas a partir do exterior
com a caixa da calha.
 Desenroscar as porcas [2] das chapas de desgaste desgastadas ou
danificadas e retirar as chapas de desgaste.
 Aplicar novas chapas de desgaste e enroscar as porcas com anéis
de retenção.
 Apertar as porcas com o respetivo binário de aperto.
 As chapas de desgaste estão trocadas.
Binários de aperto das chapas de desgaste

Binários de aperto em Nm

M10 M12 M16 M20 M24 M30


50 90 230 450 750 1450
Tab. 4.2: Binários de aperto das chapas de desgaste

4.43.03 Reparar a calha de carregamento


4.43.03.01 substituir

PERIGO!
Perigo devido a pesos de equilibragem a trabalhar sem cobertura
Pesos de equilibragem a trabalhar sem cobertura podem dar origem a
ferimentos graves ou mesmo fatais, se as pessoas forem colhidas e pu-
xadas para dentro.
• Operar os motores de vibração apenas com dispositivos de proteção
aplicados firmemente.
• Ler a amplitude de oscilação apenas com os dispositivos de prote-
ção aplicados.
• Antes de iniciar os trabalhos de reparação, desligar a instalação, re-
tirar a chave e proteger a instalação cotra uma reativação.
• Afixar a placa de aviso correspondente de forma bem visível.

Se surgir um defeito nos motores de vibração, poderá ser necessário


substituir um ou ambos os motores de vibração.
Observar os seguintes pontos ao efetuar a substituição dos motores de
vibração.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 257


MANUTENÇÃO
Carregamento de material

• Os dois motores de vibração devem ser do mesmo fabricante e do


mesmo modelo.
• O ajuste dos pesos de equilibragem deve ser igual em ambos os mo-
tores de vibração.
• Os sentidos de rotação dos dois motores de vibração devem ser
sempre opostos.
• Reapertar os parafusos de fixação dos motores de vibração substi-
tuídos após 10 horas de serviço com um binário de aperto adequado.
Sentidos de rotação dos motores de vibração
Os motores de vibração são montados de forma distinta consoante a
versão da calha. Os sentidos de rotação prescritos podem ser observa-
dos na ilustração.

1 2 3

Abb. 4.56: Situações de montagem dos motores de vibração


[1] Montagem lateral
[2] Montagem nas costas, na vertical
[3] Montagem nas costas, na horizontal

258 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Carregamento de material

4.43.03.02 Verificar a amplitude de oscilação

2
1

Abb. 4.57: Medidor da amplitude de oscilação da calha transportadora


oscilante
[1] Autocolante do medidor da amplitude de oscilação
[2] Interseção

PERIGO!
Perigo devido a pesos de equilibragem a trabalhar sem cobertura
Pesos de equilibragem a trabalhar sem cobertura podem dar origem a
ferimentos graves ou mesmo fatais, se as pessoas forem colhidas e pu-
xadas para dentro.
• Operar os motores de vibração apenas com dispositivos de proteção
aplicados firmemente.
• Ler a amplitude de oscilação apenas com os dispositivos de prote-
ção aplicados.
• Antes de iniciar os trabalhos de reparação, desligar a instalação, re-
tirar a chave e proteger a instalação cotra uma reativação.
• Afixar a placa de aviso correspondente de forma bem visível.

Durante o funcionamento da calha transportadora oscilante, a amplitude


de oscilação pode ser lida no medidor da amplitude de oscilação [1] com
base na interseção [2] com o plano. A interseção indica a amplitude de
oscilação em milímetros. No exemplo apresentado são aprox. 8,5 mm.
Condição
O medidor da amplitude de oscilação [1] tem de estar colocado no centro
da calha transportadora oscilante,
transversalmente ao sentido de oscilação.
Verificar a amplitude de  Deixar que a calha transportadora oscilante funcione até ficar vazia.
oscilação

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 259


MANUTENÇÃO
Carregamento de material

 Ler a amplitude de oscilação no medidor da amplitude de oscilação


[1].
 Eventualmente, ajustar a amplitude de oscilação, consulte o cap.
4.43.03.03.
 A amplitude de oscilação está verificada.

4.43.03.03 Ajustar a amplitude de oscilação

Abb. 4.58: Pesos de equilibragem da calha transportadora oscilante


[1] Peso de equilibragem exterior
[2] Aresta do peso de equilibragem interior
[3] Escala
[4] Parafusos de aperto

PERIGO!
Perigo devido a pesos de equilibragem a trabalhar sem cobertura
Pesos de equilibragem a trabalhar sem cobertura podem dar origem a
ferimentos graves ou mesmo fatais, se as pessoas forem colhidas e pu-
xadas para dentro.
• Operar os motores de vibração apenas com dispositivos de proteção
aplicados firmemente.
• Ler a amplitude de oscilação apenas com os dispositivos de prote-
ção aplicados.
• Antes de iniciar os trabalhos de reparação, desligar a instalação, re-
tirar a chave e proteger a instalação cotra uma reativação.
• Afixar a placa de aviso correspondente de forma bem visível.

260 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Carregamento de material

AVISO
Perigo de danos materiais
Pesos de equilibragem ajustados incorretamente podem dar origem a
danos nos motores de vibração e calhas transportadoras vibratórias.
• Mandar efetuar os trabalhos de reparação em motores de vibração
apenas por pessoal qualificado e autorizado.
• Ajustar de forma exatamente igual todos os pesos de equilibragem
de uma calha transportadora oscilante.

Ajustar a amplitude de Os pesos de equilibragem estão ajustados de fábrica para um determi-


oscilação nado valor percentual. Com este ajuste é possível utilizar a faixa de ro-
tações definida através do conversor de frequência. Especialmente,
antes de ajustar um valor percentual mais elevado, é necessário consul-
tar o Serviço de apoio ao cliente da KLEEMANN GmbH.
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Desmontar todas as coberturas de proteção dos motores de vibra-
ção.
 Soltar os parafusos de aperto [4] dos pesos de equilibragem [1] ex-
teriores.
 Ajustar os pesos de equilibragem exteriores [1] de modo a que a
aresta do peso de equilibragem interior [2] aponte para o valor per-
centual pretendido na escala [3]. Ajustar todos os pesos de equilibra-
gem exteriores [1] para o mesmo valor percentual.
 Apertar os parafusos de aperto [4] dos pesos de equilibragem exte-
riores [1] com o respetivo binário de aperto.
 Verificar a amplitude de oscilação com a calha transportadora osci-
lante em funcionamento; se necessário, corrigir.
 Voltar a montar todas as coberturas de proteção dos motores de vi-
bração. Nessa ocasião, deverá certificar-se de que os O-Rings das
coberturas de proteção apoiam corretamente.
 A amplitude de oscilação está ajustada.
Cada traço de divisão da escala [3] corresponde a um valor percentual
da máxima força centrífuga dos pesos de equilibragem.
Binários de aperto dos parafusos de aperto

Binários de aperto em Nm

M8 M10 M12 M14 M16 M20


38 77 131 212 312 627
Tab. 4.3: Binários de aperto dos parafusos de aperto

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 261


MANUTENÇÃO
Britadeira

4.44 Britadeira

PERIGO!
Perigo devido a componentes móveis e rotativos
Trabalhos de manutenção e de reparação em componentes da instala-
ção em funcionamento, podem levar a lesões graves ou fatais.
• Por regra, efetuar trabalhos de manutenção e de reparação sempre
com a instalação parada.
• Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
• Proteger a instalação contra ativação involuntária.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

4.44.01 Lubrificar os apoios

Abb. 4.59: Lubrificação central da britadeira de impacto


[1] Bocal de lubrificação do apoio esquerdo
[2] Bocal de lubrificação do apoio direito

262 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Britadeira

3 4 5

Abb. 4.60: Apoios e labirintos


[3] Labirinto exterior
[4] Ponto de lubrificação do apoio esquerdo
[5] Apoios de rolos oscilantes
Os apoios e labirintos do motor da britadeira de impacto são lubrificados
através dos bocais de lubrificação da lubrificação central. A lubrificação
central está localizada à direita, ao lado do armário de distribuição.
A britadeira de impacto está equipada com apoios de rolos oscilantes,
que estão previstos para massa lubrificante. Para garantir a vedação
contra sujidade estão integrados vedantes de labirinto. Estes componen-
tes só conseguem cumprir a sua função se existir um enchimento sufi-
ciente de massa lubrificante.
Os apoios devem ser lubrificados com a britadeira de impacto a traba-
lhar.
 Iniciar a britadeira de impacto no modo manual.
 Com ajuda de uma bomba de lubrificação, injetar a quantidade ade-
quada de massa lubrificante com a respetiva especificação nos bo-
cais de lubrificação.
 Os apoios e labirintos estão lubrificados.

Ponto de lubrificação Quantidade de massa lubrifi-


cante por ponto de lubrificação
Apoios e labirintos 40 gramas ou até sair uma "gola"
de massa lubrificante
Tab. 4.4: Pontos de lubrificação da britadeira

Um curso da bomba de lubrificação corresponde a aprox. 2 gramas de


massa lubrificante. As quantidades de massa lubrificante a injetar por
pressão estão anotadas nos blocos da lubrificação central.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 263


MANUTENÇÃO
Britadeira

É possível que os apoios aqueçam intensamente após a lubrificação.


Isso não tem qualquer influência negativa sobre os apoios.
Certificar-se de que, o mais tardar após 8 horas, a temperatura dos
apoios volta a diminuir para aprox. 50 °C.
Se, após este período de tempo, a temperatura elevada dos apoios não
voltar a diminuir, estamos possivelmente perante uma avaria do respeti-
vo apoio.

4.44.02 Auscultar o apoio, verificar o aquecimento

ATENÇÃO!
Perigo devido a componentes movidos e em rotação
Em caso de procedimento incorreto ao auscultar os apoios e medir a
temperatura dos apoios existe perigo de ferimento devido a esmaga-
mento e colhimento.
• Manter sempre uma distância suficiente a componentes movidos e
em rotação.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

CUIDADO!
Perigo devido a superfícies quentes
Os apoios podem aquecer intensamente durante o funcionamento.
• Usar equipamento pessoal de proteção.
• Para verificar a temperatura dos apoios, utilizar um aparelho de me-
dição da temperatura.

Ruídos invulgares nos apoios ou temperaturas demasiado elevadas nos


apoios podem chamar a atenção para possíveis avarias nos apoios ou
para um desgaste cada vez maior. A verificação deverá ser realizada
com a britadeira à temperatura de serviço.
Identificar ruídos invulgares nos apoios pressupõe uma grande experi-
ência devido à elevada intensidade dos ruídos ambientais. Mandar efe-
tuar a verificação por pessoal qualificado e autorizado.
 Ligar o gerador diesel.
 Ligar a britadeira no modo de operação manual e colocar os apoios
à temperatura de serviço.
 Auscultar os apoios e verificar a temperatura nos apoios com um
aparelho de medição da temperatura.
 Eventualmente, mandar reparar os apoios por pessoal qualificado e
autorizado.
 Os apoios estão verificados.
É possível que os apoios aqueçam intensamente após a lubrificação.
Isso não tem qualquer influência negativa sobre os apoios.

264 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Britadeira

Certificar-se de que, o mais tardar após 8 horas, a temperatura dos


apoios volta a diminuir para aprox. 50 °C.
Se, após este período de tempo, a temperatura elevada dos apoios não
voltar a diminuir, estamos possivelmente perante uma avaria do respeti-
vo apoio.

4.44.03 Verificar/tensionar as correias trapezoidais


4.44.03.01 Verificar as correias trapezoidais

2 3

Abb. 4.61: Correia trapezoidal do motor da britadeira


[1] Correias trapezoidais
[2] Polia de correia do motor da britadeira
[3] Polia de correia da britadeira de impacto

ATENÇÃO!
Perigo devido aos acionamentos de correia
Com os dispositivos de proteção retirados dos acionamentos de correia
existe o perigo de ferimento por colhimento de membros do corpo.
• Ao efetuar trabalhos de manutenção e de reparação nos acionamen-
tos de correia é necessário desligar sempre os componentes da ins-
talação e o gerador diesel.
• Proteger a instalação contra uma reativação.
• Não meter as mãos em acionamentos de correia a trabalhar.

A transmissão de força na britadeira de impacto faz-se através de polias


de correia e várias correias trapezoidais situadas umas ao lado das ou-
tras. A tensão e o estado das correias trapezoidais têm de ser verificados
por forma a garantir uma transmissão de força sem perdas.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 265


MANUTENÇÃO
Britadeira

 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel e protegê-


los contra uma reativação.
 Abrir a tampa do acionamento da correia do revestimento.
 Através de uma inspeção visual, verificar as correias trapezoidais em
relação a fissuras, desfiamentos e outros danos. Substituir correias
trapezoidais desgastadas ou danificadas.
 Colocar correias trapezoidais torcidas na posição correta.
 Verificar a tensão das correias trapezoidais [1] com um aparelho de
medição da tensão prévia. Tensão de serviço das correias trapezoi-
dais, consulte o cap. 5.01.09.
 A verificação das correias trapezoidais está terminada.

4.44.03.02 Tensionar/substituir as correias trapezoidais

1
2

Abb. 4.62: Dispositivo de aperto das correias trapezoidais


[1] Tampa de manutenção
[2] Carro tensor
[3] Porca
[4] Parafuso de aperto

ATENÇÃO!
Perigo devido aos acionamentos de correia
Com os dispositivos de proteção retirados dos acionamentos de correia
existe o perigo de ferimento por colhimento de membros do corpo.
• Ao efetuar trabalhos de manutenção e de reparação nos acionamen-
tos de correia é necessário desligar sempre os componentes da ins-
talação e o gerador diesel.
• Proteger a instalação contra uma reativação.
• Não meter as mãos em acionamentos de correia a trabalhar.

266 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Britadeira

AVISO
Perigo de danos materiais
Um tensionamento demasiado frouxo das correias trapezoidais faz com
que surjam oscilações nas correias trapezoidais ou, até mesmo, que es-
tas saltem das polias.
Um tensionamento demasiado elevado das correias trapezoidais dão
origem a uma carga demasiado elevada sobre os apoios e ao desgaste
das correias trapezoidais.
• Garantir sempre um tensionamento correto das correias trapezoi-
dais.
• Ajustar os parafusos de aperto de modo uniforme, de modo a garan-
tir o paralelismo dos eixos das polias de correia.

A unidade de acionamento completa está montada sobre o carro tensor


[2], que pode ser deslocado no sentido longitudinal através de dois pa-
rafusos de aperto [4]. As correias trapezoidais são assim tensionadas ou
aliviadas.
Tensionar a correia  Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel e protegê-
trapezoidal los contra uma reativação.
 aguardar até à imobilização total da britadeira.
 Abrir a carcaça da unidade de acionamento e retirar a tampa de ma-
nutenção [1].
 Soltar as porcas [3] do dispositivo de aperto.
 Rodar os parafusos de aperto [4] alternadamente de modo uniforme,
até se atingir a tensão prévia ideal das correias trapezoidais.
 Medir a distância dos dois parafusos de aperto e, se necessário,
ajustá-los para a mesma medida.
 Verificar a tensão das correias trapezoidais; se necessário, corrigir a
tensão.
 Voltar a apertar as porcas [3].
 Voltar a aplicar a tampa de manutenção [1] e fechar a carcaça da uni-
dade de acionamento.
 As correias trapezoidais estão tensionadas.
Substituir a correia  Realizar trabalhos preparatórios tal como em "Tensionar a correia
trapezoidal trapezoidal".
 Rodar os parafusos de aperto [4] alternadamente no sentido dos
ponteiros do relógio, até que as correias trapezoidais se deixem re-
tirar das polias.
 Colocar correias trapezoidais novas.
 Rodar os parafusos de aperto [4] até se atingir a tensão prévia ideal
das correias trapezoidais.
 Verificar a tensão das correias trapezoidais; se necessário, corrigir a
tensão.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 267


MANUTENÇÃO
Britadeira

 Realizar os trabalhos finais como em "Tensionar a correia trapezoi-


dal".
 A substituição das correias trapezoidais está terminada.
Correias trapezoidais enfiadas de novo devem ser retensionadas devido
ao alongamento após 50 horas de serviço.

4.44.04 Verificar a fixação das placas de impacto

Abb. 4.63: Placas de impacto do braço oscilante de impacto


[1] Placas de impacto do braço oscilante de impacto inferior
 Abrir a britadeira de impacto (consulte o cap. 3.11).
 Aplicar a proteção do rotor (consulte o cap. 3.12.01).
 Através de uma inspeção visual, verificar as placas de impacto do
braço oscilante de impacto inferior [1] em relação a desgaste e rom-
pimentos.
 Através de batimento, verificar o bom encaixe das placas de impac-
to.
 Substituir placas de impacto desgastadas ou danificadas. Reapertar
placas de impacto soltas.
 Retirar a proteção do rotor.
 Fechar a britadeira de impacto.
Substituir as placas de impacto, reapertar placas de impacto soltas, con-
sulte o cap. 4.44.10.03.

268 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Britadeira

4.44.05 Verificar o revestimento de desgaste

Abb. 4.64: Revestimento de desgaste da britadeira de impacto


[1] Chapas de desgaste da entrada da britadeira
[2] Chapas de desgaste da parte inferior da carcaça da britadeira
[3] Chapas de desgaste da parte superior da carcaça da britadeira
 Abrir a britadeira de impacto (consulte o cap. 3.11).
 Aplicar a proteção do rotor (consulte o cap. 3.12.01).
 Através de uma inspeção visual, verificar as chapas de desgaste da
entrada da britadeira [1] e da carcaça inferior e superior da britadeira
[2] e [3] em relação a desgaste e rompimentos.
 Através de batimento, verificar o bom encaixe das chapas de des-
gaste.
 Substituir chapas de desgaste desgastadas ou danificadas. Reaper-
tar chapas de desgaste soltas.
 Retirar a proteção do rotor.
 Fechar a britadeira de impacto.
Substituir as chapas de desgaste, reapertar chapas de desgaste soltas,
consulte o cap. 4.44.10.04.

4.44.06 Verificar a barra de impacto


 Abrir a britadeira de impacto (consulte o cap. 3.11).
 Desligar a instalação e protegê-la contra uma reativação.
 Com o dispositivo para rodar o rotor, rodar o rotor até que as barras
de impacto dianteira e traseira estejam visíveis (consulte também o
cap. 3.12.02).

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 269


MANUTENÇÃO
Britadeira

 Através de uma inspeção visual, verificar as barras de impacto dian-


teira e traseira em relação a desgaste e rompimentos.
 Substituir as barras de impacto desgastadas ou danificadas (consul-
te o cap. 4.44.10.05).
 A verificação das barras de impacto está terminada.

4.44.07 Verificar o desgaste das travessas de impacto

Abb. 4.65: Desgaste das travessas de impacto


(A) Limite de desgaste, 15-20 milímetros
As travessas de impacto não desgastam de modo uniforme ao longo de
toda a largura. O limite de desgaste é atingido quando, num ponto das
travessas de impacto, é atingida a medida mínima indicada.
As travessas de impacto têm uma forma simétrica e, por conseguinte,
podem ser viradas uma vez depois de ter sido atingido o limite de des-
gaste.
 Abrir a britadeira de impacto (consulte o cap. 3.11).
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Através de uma inspeção visual, verificar o limite de desgaste em to-
das as travessas de impacto. Através de uma inspeção visual, veri-
ficar as travessas de impacto em relação a fissuras e rompimentos.
 Se necessário, virar ou substituir as travessas de impacto (consulte
o cap. 4.44.10.02).
 A verificação das travessas de impacto está terminada.

270 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Britadeira

4.44.08 Verificar o deslocamento da britadeira

Abb. 4.66: Deslocamento da britadeira de impacto


[1] Parafusos de fixação da carcaça
[2] Parafusos de fixação do apoio do rotor
A britadeira de impacto está pousada diretamente sobre a consola da bri-
tadeira e está fixa, no total, através de oito parafusos de fixação. Vibra-
ções durante a operação de trituração podem soltar a britadeira de
impacto da fixação.
 Através de batimento, verificar o bom encaixe dos parafusos de fixa-
ção da carcaça [1] e dos parafusos de fixação exteriores do apoio do
rotor [2]; se necessário, reapertar.
 Repetir o processo do outro lado da britadeira de impacto.
 A verificação do deslocamento da britadeira de impacto está termi-
nada.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 271


MANUTENÇÃO
Britadeira

4.44.09 Verificar a cortina de correntes e de borracha

2
3

Abb. 4.67: Verificar a cortina de correntes e de borracha


[1] Cortina de borracha
[2] Fixação das tiras de borracha
[3] Cortina de correntes
[4] Fixação dos cordões de correntes

ATENÇÃO!
Perigo devido a superfície de apoio escorregadia
Devido ao peso dos componentes e da superfície de apoio não nivelada
no crivo preliminar existe perigo de ferimento.
• Substituir as cortinas de correntes e de borracha sempre em conjun-
to.
• Assegurar o apoio seguro no crivo preliminar.
• Utilizar dispositivos de elevação e meios de amarra adequados.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

Através de uma inspeção visual, verificar as cortinas de correntes e de


borracha em relação às seguintes características de danos e de desgas-
te:
Cortina de correntes
• Cordões de correntes em falta
• Elos de corrente em falta
• Elos de corrente adelgaçados, com arestas vivas

272 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Britadeira

Cortina de borracha
• Fissuras e rompimentos
• Orifícios
• Locais delgados
 Através de uma inspeção visual, verificar as cortinas em relação aos
pontos referidos.
 Se forem observadas características de dano e de desgaste muito
pronunciadas, é necessário substituir as respetivas tiras de borracha
ou cordões de correntes (consulte o cap. 4.44.10.06).

4.44.10 Reparar a britadeira

PERIGO!
Perigo devido a componentes móveis e rotativos
Trabalhos de manutenção e de reparação em componentes da instala-
ção em funcionamento, podem levar a lesões graves ou fatais.
• Por regra, efetuar trabalhos de manutenção e de reparação sempre
com a instalação parada.
• Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
• Proteger a instalação contra ativação involuntária.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

PERIGO!
Perigo devido a carga pesada
Cargas elevadas ou suspensas podem soltar-se e dar origem a ferimen-
tos graves ou mesmo fatais.
• Utilizar sempre dispositivos de elevação e meios de amarra adequa-
dos.
• Aplicar os meios de amarra cuidadosamente e de forma a não des-
lizarem nos componentes.
• Na medida do possível, amarrar os componentes a elevar no centro
de gravidade.
• Não deve dirigir-se para a zona de perigo nem permanecer na mes-
ma.
• Manter uma distância de segurança suficiente.
• Ao baixar, não colocar as mãos por baixo dos componentes.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 273


MANUTENÇÃO
Britadeira

4.44.10.01 Utilização e aplicação de travessas de impacto

Material de carregamento Travessas de impacto

Manganês Martensítico Martensítico com


elemento de cerâ-
mica
Asfalto
Betão, percentagem de ferro reduzida
Betão, percentagem de ferro elevada
Resíduos de edifícios
Cascalho N
Calcário < 100 N/mm2
Calcário > 100 N/mm2 até máx. 150 N/
mm2
Pedra dura, granito N
Tab. 4.5: Aplicação e utilização de travessas de impacto

Adequado em termos económicos e técnicos


Não económico devido ao elevado desgaste, limitadamente ade-
quado em termos técnicos
Não adequado devido a perigo de quebra
N Rebritagem1
1
Não exceder a dimensão máxima do carregamento até 250 mm de
comprimento das arestas.
Características do material das travessas de impacto

Material Dureza original Características


Manganésio 220-250 HBW Duro, resistente, com solidificação a frio
Martensítico 48-53 HRC Aço cromado de baixa liga e elevada temperabili-
dade, perigo de quebra devido ao elevado teor de
ferro no material de carregamento (aço estrutural >
20 mm)
Martensítico com aplicação de 50-55 HRC Aço cromado de baixa liga e elevada temperabili-
cerâmica dade com aplicação de cerâmica, perigo de quebra
devido ao elevado teor de ferro no material de car-
regamento (aço estrutural > 20 mm)
Tab. 4.6: Características do material das travessas de impacto

HBW = ensaio de dureza Brinell


HRC = ensaio de dureza Rockwell

274 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Britadeira

4.44.10.02 Substituir as travessas de impacto

PERIGO!
Perigo devido a rotor em rotação
Um rotor não protegido pode dar origem a ferimentos graves ou mesmo
fatais.
• Não rodar o rotor à mão. Utilizar o dispositivo para rodar o rotor.
• Não meter as mãos no rotor em rotação.
• Antes de efetuar trabalhos na câmara de trituração é necessário apli-
car sempre a proteção do rotor.
• Abandonar a câmara de trituração antes de remover a proteção do
rotor.

AVISO
Perigo de danos materiais
Uma substituição incorreta das travessas de impacto pode dar origem a
danos na britadeira.
• Utilizar o rotor apenas com as travessas de impacto corretamente
montadas.
• Substituir ou virar sempre todas as travessas de impacto.
• Após a substituição das travessas de impacto, verificar ou ajustar a
amplitude de fenda.
• Reapertar os parafusos de aperto após aprox. 2 horas de serviço.

Montar e desmontar as travessas de impacto com segurança


• Montar e desmontar sempre as travessas de impacto, pelo menos,
em pares.
• Desmontar sempre apenas uma travessa de impacto e montar a tra-
vessa nova ou virada. Só depois, desmontar e montar a travessa de
impacto seguinte.
• Não remover a proteção do rotor com a travessa de impacto des-
montada. O rotor rodaria devido à força de gravidade.
• Utilizar sempre dispositivos de elevação e meios de amarra adequa-
dos. Observar o peso das travessas de impacto, consulte o cap.
5.01.09.
• Aplicar sempre anilhas de aperto nos parafusos dos dispositivos de
aperto.
Desmontar as travessas de As travessas de impacto estão concebidas de modo a poderem ser utili-
impacto zadas de ambos os lados. O modo de procedimento para virar e substi-
tuir é igual.
 Antes de substituir as travessas de impacto, abastecer a britadeira
durante alguns minutos com material de carregamento limpo e gros-
seiro.
 Desligar a britadeira e aguardar até à imobilização total.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 275


MANUTENÇÃO
Britadeira

 Bascular a cinta de retorno para fora (consulte o cap. 6.02.06).


 Desmontar o segmento do corrimão da plataforma sobre o depósito
de diesel (consulte o cap. 3.13.01), para poder bascular as travessas
de impacto para fora da britadeira.
 Abrir a britadeira de impacto (consulte o cap. 3.11).
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel e protegê-
los contra uma reativação.
 Acoplar o dispositivo para rodar o rotor e posicionar o rotor (consulte
o cap. 3.12.02).
 Aplicar a proteção do rotor (consulte o cap. 3.12.01).
 Soltar o rotor, a travessa de impacto e os dispositivos de aperto da
sujidade solta depositada.
 O rotor está protegido.

Abb. 4.68: Aplicar o dispositivo de elevação


[1] Dispositivo de elevação
[2] Aparelho de elevação
[3] Braço oscilante com carro monocarril
[4] Saliência de proteção
[5] Cavilha de encaixe
 Deslocar o braço oscilante [3] para fora e engatar o dispositivo de
elevação [1] num aparelho de elevação adequado, p. ex., um moitão
[2].
 Limpar os orifícios das travessas de impacto.
 Posicionar o dispositivo de elevação [1] e aplicar cavilhas de encaixe
[5] nas travessas de impacto. Nesta ocasião, prestar atenção para
que as cavilhas de encaixe sejam rodadas por baixo das saliências
de proteção [4].

276 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Britadeira

 Tensionar ligeiramente o dispositivo de elevação.


 A travessa de impacto está fixa.

9 10

8 11

8
6

Abb. 4.69: Dispositivos de aperto da travessa de impacto


[6] Porcas
[7] Anilhas de aperto
[8] Proteções
[9] Contra-apoio
[10] Cunha de aperto
[11] Parafuso de aperto
 Desenroscar as porcas [6] e retirar o parafuso de aperto [11] e as ani-
lhas de aperto [7].
 Soltar ambas as proteções [8] e retirar em conjunto com o contra-
apoio [9].

ATENÇÃO!
Perigo devido à lascagem dos revestimentos duros
Batendo nos revestimentos duros do rotor e das cunhas de aperto, as
lascagens podem causar ferimentos.
• Não bater diretamente com um martelo nas cunhas de aperto ou no
rotor.
• Para expulsar as cunhas de aperto por batimento, utilizar um expul-
sor.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

 Expulsar a cunha de aperto [10] batendo com o expulsor para baixo


e retirá-la.
 Repetir o procedimento nos outros dispositivos de aperto.
 A travessa de impacto está pronta para ser retirada.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 277


MANUTENÇÃO
Britadeira

Abb. 4.70: Virar a travessa de impacto


 Levantar a travessa de impacto para fora do rotor e girar para fora.
 Para virar, rodar a travessa de impacto 180° e rodar o dispositivo de
elevação 180°.
 Para substituir, baixar a travessa de impacto sobre o chão.
 A travessa de impacto está desmontada ou virada.
Montar as travessas de  Limpar a sujidade do rotor e da guia das travessas de impacto.
impacto
 Engatar a nova travessa de impacto no dispositivo de elevação [2].
Nesta ocasião, prestar atenção para que as cavilhas de encaixe se-
jam rodadas por baixo das saliências de proteção [5].

14

Abb. 4.71: Aplicar a travessa de impacto


[14] Calço de aperto

278 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Britadeira

 Baixar a travessa de impacto nova ou virada para dentro da respetiva


guia.
 Pressionar a travessa de impacto contra a respetiva guia, no disco
central do rotor, usando um dispositivo adequado, p. ex., um calço
de aperto [14].
 Assegurar que a travessa de impacto está fixa durante a montagem
dos dispositivos de aperto.
 A travessa de impacto está fixa.

9 10

8 11

8
6

Abb. 4.72: Dispositivos de aperto da travessa de impacto


[6] Porcas
[7] Anilhas de aperto
[8] Proteções
[9] Contra-apoio
[10] Cunha de aperto
[11] Parafuso de aperto
Primeiro, montar os dois dispositivos de aperto exteriores e, depois, o
dispositivo de aperto central.
 Aplicar o calço de aperto [10] e bater-lhe para cima, até ficar seguro
pela força de aperto.
 Colocar o contra-apoio [9].
 Montar as duas proteções [8] juntamente com o parafuso de aperto
[11], as anilhas de aperto [7] e as porcas [6].
 Apertar o parafuso de aperto com o binário correto.
 Retirar o calço de aperto [14] e montar os restantes dispositivos de
aperto.
 Desengatar o dispositivo de elevação [1].

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 279


MANUTENÇÃO
Britadeira

ATENÇÃO!
Perigo de esmagamento e de colhimento
Devido ao elevado peso da nova travessa de impacto, o rotor pode rodar
devido à força de gravidade, depois de se retirar a respetiva proteção.
• Abandonar a câmara de trituração antes de remover a proteção do
rotor.
• Não meter as mãos no rotor em rotação.

 Retirar a proteção do rotor.


 Desacoplar o dispositivo para rodar o rotor ou continuar a rodar o ro-
tor até à seguinte posição das travessas de impacto.
 A travessa de impacto está montada.
 Desmontar e montar a travessa de impacto seguinte.
 Fechar a britadeira de impacto e efetuar a determinação do ponto de
repouso (consulte o cap. 3.14.04.01).
 Montar novamente o segmento do corrimão da plataforma sobre o
depósito de diesel.
 Rebater a cinta de retorno para dentro.
 Verificar os dispositivos de aperto de todas as travessas de impacto
após aprox. 2 horas de operação de trituração e, se necessário, re-
apertá-los.
 As travessas de impacto estão substituídas.

4.44.10.03 Substituir as placas de impacto

Abb. 4.73: Placas de impacto do braço oscilante de impacto


[1] Placas de impacto do braço oscilante de impacto inferior

280 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Britadeira

PERIGO!
Perigo devido a rotor em rotação
Um rotor não protegido pode dar origem a ferimentos graves ou mesmo
fatais.
• Não rodar o rotor à mão. Utilizar o dispositivo para rodar o rotor.
• Não meter as mãos no rotor em rotação.
• Antes de efetuar trabalhos na câmara de trituração é necessário apli-
car sempre a proteção do rotor.
• Abandonar a câmara de trituração antes de remover a proteção do
rotor.

Montar e desmontar as placas de impacto com segurança


• Efetuar a substituição das placas de impacto sempre em pares.
• Observar o peso das placas de impacto de aprox. 50 kg.
• Utilizar apenas novos parafusos com cabeça de martelo, com porcas
de segurança e anilhas de aperto.
• Reapertar as porcas após 5 horas de serviço.
Substituir as placas de  Abrir a britadeira de impacto (consulte o cap. 3.11).
impacto
 Aplicar a proteção do rotor (consulte o cap. 3.12.01).
 Soltar as porcas na parte de trás do braço oscilante de impacto infe-
rior.
 Solicitar à segunda pessoa que segure na placa de impacto e retirar
os parafusos com cabeça de martelo, as porcas e as anilhas de aper-
to.
 Pousar a placa de impacto sobre a plataforma.
 Aplicar a nova placa de impacto e montar com novos parafusos com
cabeça de martelo, porcas e anilhas de aperto. Binário de aperto
1400 Nm.
 Retirar a proteção do rotor.
 Fechar a britadeira de impacto.
 Após a substituição das placas de impacto, efetuar a determinação
do ponto de repouso (consulte o cap. 3.14.04.01).
 As placas de impacto estão substituídas.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 281


MANUTENÇÃO
Britadeira

4.44.10.04 Trocar chapas de desgaste

Abb. 4.74: Revestimento de desgaste da britadeira de impacto


[1] Chapas de desgaste da entrada da britadeira
[2] Chapas de desgaste da parte inferior da carcaça da britadeira
[3] Chapas de desgaste da parte superior da carcaça da britadeira
As chapas de desgaste estão todas aparafusadas à carcaça da britadei-
ra, a partir do exterior.
As chapas de desgaste da entrada da britadeira [1] e da parede traseira
do bypass têm de ser substituídas pelo lado de baixo, através da calha
de descarga.
 Abrir a britadeira de impacto (consulte o cap. 3.11).
 Aplicar a proteção do rotor (consulte o cap. 3.12.01).
 Desenroscar os parafusos das chapas de desgaste desgastadas ou
danificadas e retirar as chapas de desgaste.
 Aplicar novas chapas de desgaste e enroscar os parafusos com
anéis de retenção.
 Apertar os parafusos com o respetivo binário de aperto.
 Retirar a proteção do rotor.
 Fechar a britadeira de impacto.
 As chapas de desgaste estão substituídas.
Binários de aperto das chapas de desgaste

Binários de aperto em Nm

M10 M12 M16 M20 M24 M30


50 90 230 450 750 1450
Tab. 4.7: Binários de aperto das chapas de desgaste

282 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Britadeira

4.44.10.05 Substituir as barras de impacto

1 2

Abb. 4.75: Substituir as barras de impacto


[1] Abertura de manutenção da barra de impacto dianteira
[2] Abertura de manutenção da barra de impacto traseira
[3] Cavilha de segurança
[4] Cobertura
[5] Pino de mola
A substituição da barra de impacto dianteira e traseira é igual. As aber-
turas de manutenção encontram-se do lado esquerdo, por baixo do re-
vestimento do motor da britadeira, e do lado direito, por baixo da
cobertura rebatível do depósito de combustível.
 Desligar a instalação e protegê-la contra uma reativação.
 Retirar o pino de mola [5], a cavilha de segurança [3] e a cobertura
[4].
 Repetir as operações do outro lado da instalação.
 Usando um meio auxiliar adequado, pressionar a barra de impacto
do lado contrário para fora, até que seja possível retirá-la com segu-
rança.
 Inserir a nova barra de impacto e centrá-la.
 Montar a cobertura [4], a cavilha de segurança [3] e o pino de mola
[5] de ambos os lados.
 A barra de impacto está substituída.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 283


MANUTENÇÃO
Britadeira

4.44.10.06 Substituir a cortina de correntes e de borracha

3
2

Abb. 4.76: Substituir a cortina de correntes e de borracha


[1] Anel de retenção
[2] Eixo
[3] Fixação das tiras de borracha
[4] Cortina de borracha

ATENÇÃO!
Perigo devido a superfície de apoio escorregadia
Devido ao peso dos componentes e da superfície de apoio não nivelada
no crivo preliminar existe perigo de ferimento.
• Substituir as cortinas de correntes e de borracha sempre em conjun-
to.
• Assegurar o apoio seguro no crivo preliminar.
• Utilizar dispositivos de elevação e meios de amarra adequados.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

Substituir a cortina de  Retirar o segmento individual da fixação da tira de borracha [3], para
borracha cima.
 Aplicar a fixação na nova tira de borracha.
 Inserir a nova tira de borracha na tampa da entrada da britadeira.
 Repetir o procedimento nas restantes tiras de borracha danificadas.
 A cortina de borracha está substituída.
Substituir a cortina de  Levantar a tampa da entrada da britadeira.
correntes
 Eventualmente, puxar as tiras de borracha para fora, para se ter me-
lhor acesso.
 Retirar o anel de retenção [1].

284 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Britadeira

 Extrair o eixo [2] até que seja possível retirar o primeiro dos cordões
de correntes.
 Repetir o procedimento para os outros cordões de correntes.
 Aplicar os novos cordões de correntes; nessa ocasião, inserir nova-
mente o eixo [2].
 Colocar novamente o anel de retenção [1].
 A cortina de correntes está substituída.

4.44.10.07 Substituir a polia de correia trapezoidal

4
5

3
3

2
2

Abb. 4.77: Desmontar a polia de correia trapezoidal


[1] Veio de acionamento
[2] Parafusos de fixação
[3] Casquilho Taperlock
[4] Rosca de relevação
[5] Polia de correia trapezoidal
Será descrita a desmontagem e montagem de polias que estão monta-
das com casquilhos Taperlock.
Desmontar a polia de correia  Eventualmente, aliviar e retirar a correia trapezoidal.
trapezoidal
 Assinalar a posição da polia de correia trapezoidal [5] no veio de
acionamento [1].
 Desenroscar os parafusos de fixação [2].
 Limpar e untar ligeiramente a rosca de relevação [4].
 Enroscar dois dos parafusos de fixação [2] na rosca de relevação [4].
 Apertar os dois parafusos de fixação de modo uniforme, até que o
casquilho Taperlock [3] rompa para fora do cone.
 Eventualmente, soltar o assento cónico através de pancadas sobre
o casquilho Taperlock [3].

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 285


MANUTENÇÃO
Britadeira

 Retirar a polia de correia trapezoidal [5] e o casquilho Taperlock [3].


 O veio de acionamento deverá ser limpo, mas não lubrificado.
 A polia de correia trapezoidal está desmontada.
Montar a polia de correia
trapezoidal

2 1

Abb. 4.78: Montar a polia de correia trapezoidal


[1] Veio de acionamento
[2] Parafusos de fixação
[3] Casquilho Taperlock
 O cone do casquilho Taperlock e da polia de correia trapezoidal deve
ser limpo, mas não lubrificado.
 Aplicar o casquilho Taperlock [3] na polia de correia trapezoidal e en-
roscar ligeiramente os parafusos de fixação [2].
 Deslocar a polia de correia trapezoidal [5] inclusive casquilho Taper-
lock sobre o veio de acionamento [1].
 Prestar atenção para que a polia de correia trapezoidal se encontre
na posição previamente assinalada. Eventualmente, verificar o ali-
nhamento com a polia de correia trapezoidal situada do lado oposto.
 Enroscar os parafusos de fixação [2] de modo uniforme e apertar
com o respetivo binário de aperto.
 Fazer entrar mais o casquilho Taperlock [3] por meio de ligeiras pan-
cas, utilizando um tarugo de madeira ou um casquilho de metal ma-
cio.
 Reapertar os parafusos de fixação [2] com o respetivo binário de
aperto.
 Encher a rosca de relevação [4] com massa lubrificante para impedir
a infiltração de sujidade.
 Colocar e tensionar a correia trapezoidal.

286 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Britadeira

 Reapertar a sede dos parafusos de fixação [2] após um breve funcio-


namento sob carga do acionamento.
 A polia de correia trapezoidal está montada.
Binários de aperto dos casquilhos Taperlock

Casquilho Binário de Número de parafu- Tamanho da ros-


aperto sos ca
2012 30 Nm 2 7/16"
2017
2517 50 Nm 2 1/2"
2525
3020 90 Nm 2 5/8"
3030
3525 115 Nm 3 1/2"
3535
4030 170 Nm 3 5/8"
4040
4535 190 Nm 3 3/4"
4545
5040 270 Nm 3 7/8"
5050
Tab. 4.8: Binários de aperto dos casquilhos Taperlock

4.44.10.08 Substituir a placa portadora do ajuste da fenda da britadeira

3 4

2
6

Abb. 4.79: Proteção contra sobrecarga


[1] Bujão de escoamento
[2] Travessa transversal da britadeira
[3] União de tubo flexível e de tubo
[4] Cilindro hidráulico Ajuste da fenda da britadeira

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 287


MANUTENÇÃO
Britadeira

[5] Placa portadora


[6] Peça de união

AVISO
Perigo de danos materiais
A quantidade de óleo hidráulico na travessa transversal da britadeira não
deve exceder o nível até ao tubo curvo. Caso contrário, a consequência
podem ser danos na proteção contra sobrecarga.
• Após a ativação da proteção contra sobrecarga, escoar o óleo hi-
dráulico da travessa transversal da britadeira.
• Não reutilizar o óleo hidráulico escoado, mas sim removê-lo de forma
ecológica.

Após a ativação da proteção contra sobrecarga, deixa de ser possível


formar a pressão no cilindro hidráulico do ajuste da fenda da britadeira
[4]. Todos os componentes da instalação são automaticamente desliga-
dos e surge uma mensagem correspondente no ecrã tátil.
A placa portadora [5] quebra se se exceder uma determinada pressão e,
depois, tem de ser substituída.
 Desligar o gerador diesel e protegê-lo contra uma reativação.
 Desenroscar os quatro parafusos na peça de união [6].
 Retirar a placa portadora destruída, limpar as superfícies de apoio e
verificar visualmente se existem danos no anel vedante da peça de
união; se necessário, substituir.
 Aplicar a nova placa portadora com o anel vedante para cima.
 Enroscar os parafusos da peça de união [6] e apertar com um binário
de 190 Nm.
 Colocar um recipiente adequado, com aprox. 10 litros de capacida-
de, por baixo do bujão de escoamento [1] e retirar o bujão.
 Escoar totalmente o óleo hidráulico e removê-lo ecologicamente.
 Enroscar novamente o bujão de escoamento e apertar.
 Mover várias vezes o braço oscilante de impacto inferior no modo
manual, para purgar o sistema hidráulico (consulte o cap.
3.14.04.02).
 Efetuar a determinação do ponto de repouso no modo automático
(consulte o cap. 3.14.04.01).
 A placa portadora está substituída.

288 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Máquinas de crivar

4.45 Máquinas de crivar

PERIGO!
Perigo devido a componentes móveis e rotativos
Trabalhos de manutenção e de reparação em componentes da instala-
ção em funcionamento, podem levar a lesões graves ou fatais.
• Por regra, efetuar trabalhos de manutenção e de reparação sempre
com a instalação parada.
• Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
• Proteger a instalação contra ativação involuntária.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

ATENÇÃO!
Perigo de queda
Ao efetuar trabalhos de manutenção e de reparação nos componentes
da instalação existe perigo de queda.
• Utilizar auxílios de subida ou plataformas elevadoras adequadas.
• Verificar o apoio seguro dos auxílios de subida.
• Manter um contacto de três pontos seguro no auxílio de subida.
• Não saltar dos auxílios de subida ou da instalação.

4.45.01 Verificar os revestimentos do crivo


Verificar o desgaste O desgaste dos revestimentos do crivo deve ser verificado visualmente.
Nessa ocasião é necessário inspeccionar os revestimentos do crivo em
relação às seguintes características de danos e de desgaste:
Grelha fendida
• Surgimentos de desgaste nas camadas duras soldadas.
• Perfis deformados.
• Uniões roscadas danificadas.
Chapas perfuradas de aço e de borracha
• Locais delgados desgastados.
• Fissuras, entalhes e outros danos.
• Uniões roscadas danificadas.
Revestimentos de borracha
• Locais delgados desgastados.
• Fissuras, orifícios e outros danos.
• Uniões roscadas danificadas.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 289


MANUTENÇÃO
Máquinas de crivar

Tela de arame e grelha de arame


• Locais delgados desgastados.
• Arames rompidos ou deformados.
• Sistemas de fixação danificados.
 Através de uma inspeção visual, verificar os revestimentos do crivo
em relação aos pontos referidos.
 Se forem observadas características de dano e de desgaste muito
pronunciadas, é necessário substituir o respetivo revestimento do
crivo.
 Os revestimentos do crivo estão verificados.
Verificar a tensão

ATENÇÃO!
Perigo devido a componentes movidos e em rotação
Ao verificar os componentes na máquina de crivar a trabalhar existe pe-
rigo de ferimento devido a esmagamento e colhimento.
• Manter sempre uma distância suficiente a componentes da máquina
de crivar movidos e em rotação.
• Não subir para a máquina de crivar a trabalhar.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

AVISO
Perigo de danos materiais
Revestimentos do crivo soltos dão origem a rompimentos por vibração e
danos na máquina de crivar.
• Verificar os revestimentos do crivo em relação a uma tensão e fixa-
ção correta.

A tensão dos revestimentos do crivo tem de ser verificada acusticamente


com a máquina de crivar a trabalhar. Nessa ocasião, prestar atenção aos
seguintes ruídos:
Grelhas fendidas, chapas perfuradas de aço, tela de arame e grelha
de arame
• Matraqueio das uniões roscadas.
• Matraqueio e batimento dos revestimentos do crivo.
• Matraqueio e batimento dos sistemas de fixação.
Revestimentos de borracha e chapas perfuradas de borracha
• Matraqueio das uniões roscadas.
• Batimento de revestimentos do crivo.
 Certificar-se de que os revestimentos do crivo apoiam em toda a su-
perfície dos caixilhos distanciadores.

290 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Máquinas de crivar

 Deixar que a máquina de crivar trabalhe até esvaziar por completo,


de modo a evitar ruídos perturbadores provocados pelo material.
 Auscultar os revestimentos do crivo nos pontos referidos.
 Se forem detetados ruídos, tensionar o respetivo revestimento do cri-
vo ou reapertar as uniões aparafusadas.
 Os revestimentos do crivo estão verificados.
Também é possível verificar se os revestimentos do crivo e as uniões
aparafusadas estão corretamente fixos dando algumas pancadas com
um martelo. No entanto, para o efeito, é absolutamente necessário des-
ligar os componentes da instalação e o gerador diesel e proteger a
instalação contra uma reativação.
Eventualmente, os revestimentos do crivo são peças específicas adap-
tadas ao cliente. Devido aos tempos de fornecimento mais longos, é fa-
vor encomendar estas peças específicas em devido tempo.

4.45.02 Tensionar os revestimentos do crivo


Tensionar o revestimento do crivo com tensão transversal

4 5

2
6

Abb. 4.80: Sistema de tensionamento, tensão transversal


[1] Caixilho distanciador
[2] Revestimento do crivo
[3] Porca
[4] Parede lateral
[5] Arco tensor
[6] Borracha de perfil com ferro de suporte
 Assegurar que, entre o grampo de tensionamento do revestimento
do crivo [2], o caixilho distanciador [1] e os arcos tensores [5], não
existe nenhum material. O revestimento do crivo deve apoiar sobre
toda a superfície do caixilho distanciador.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 291


MANUTENÇÃO
Máquinas de crivar

 Engatar o revestimento do crivo [2] de um dos lados no arco tensor


[5] e apertar uniformemente as porcas [3].
 Engatar o arco tensor [5] do lado oposto no grampo de tensionamen-
to do revestimento do crivo [2] e enroscar os parafusos e as porcas
[3].
 Tensionar o revestimento do crivo, rodando as porcas.
 Verificar a tensão do crivo através de algumas pancadas; eventual-
mente, corrigir.
 O revestimento do crivo está tensionado.
Tensionar o revestimento do crivo com tensão longitudinal

Abb. 4.81: Sistema de tensionamento, tensão longitudinal


[1] Porca
[2] Revestimento do crivo
[3] Contra apoio
[4] Guia tensora
 Certificar-se de que entre o grampo de tensionamento do revesti-
mento do crivo [2], o contra apoio [3] e a guia tensora [4] não existe
nenhum material. O revestimento do crivo deve apoiar sobre toda a
superfície do caixilho distanciador.
 Engatar o revestimento do crivo [2] no contra apoio [3].
 Engatar a guia tensora [4] no grampo de tensionamento do revesti-
mento do crivo [2] e enroscar os parafusos e porcas [1].
 Tensionar o revestimento do crivo, rodando as porcas.
 Verificar a tensão do crivo através de algumas pancadas; eventual-
mente, corrigir.
 O revestimento do crivo está tensionado.

292 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Máquinas de crivar

4.45.03 Efetuar manutenção da caixa de engrenagem cónica

Abb. 4.82: Acionamento do crivo com caixa de engrenagem cónica


[1] Parafuso de enchimento do óleo e purga
[2] Placa de características
Se forem detetadas fugas na caixa de engrenagem cónica é necessário
determinar o nível de enchimento do óleo. A verificação do nível de en-
chimento do óleo é realizada com auxílio de um arame de teste.

CUIDADO!
Perigo devido a óleo quente
O óleo e os componentes da máquina podem estar muito quentes; existe
perigo de lesões.
• Usar equipamento pessoal de proteção.
• Evitar o contacto com componentes das unidades.
• Evitar contacto da pele com óleos e massas lubrificantes.
• Em caso de lesões, procurar imediatamente um médico.

Verificar o nível de  Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.


enchimento do óleo
 Desaparafusar o dispositivo de proteção da caixa engrenagem cóni-
ca.
 Limpar a carcaça da caixa de engrenagem cónica. Especialmente, o
parafuso de enchimento do óleo deve estar livre de sujidades.
 Desenroscar o parafuso de enchimento do óleo [1].

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 293


MANUTENÇÃO
Máquinas de crivar

 Inserir um arame de teste limpo na abertura do parafuso de enchi-


mento do óleo.
 Aplicar o arame de teste no lado exterior da carcaça. O nível de en-
chimento do óleo deve situar-se a meia altura da carcaça.
 Eventualmente, acrescentar a quantidade de óleo em falta com a
respetiva especificação.
 Voltar a enroscar e apertar o parafuso de enchimento do óleo [1].
 Recolher o óleo derramado com um pano e remover de forma ecoló-
gica.
 O nível de enchimento do óleo está verificado.

AVISO
Danos na caixa de engrenagem devido à perda de óleo
Perdas de óleo apontam para vedações com defeito que, em conse-
quência, podem dar origem à falha da caixa de engrenagem.
• Em caso de saída de óleo, verificar o nível de enchimento do óleo.
• Substituir vedações danificadas.

Mudar o óleo da transmissão Para mudar o óleo da transmissão é necessário desmontar a caixa de
engrenagem cónica.
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Desaparafusar o dispositivo de proteção da caixa de engrenagem
cónica.
 Desaparafusar o veio de transmissão da caixa de engrenagem cóni-
ca.
 Fixar a caixa de engrenagem cónica com um dispositivo de elevação
adequado.
 Desaparafusar a caixa de engrenagem cónica do flange do motor
elétrico e pousar sobre uma base adequada com o parafuso de en-
chimento do óleo virado para cima.
 Colocar a tina de recolha de óleo por baixo do parafuso de enchi-
mento do óleo [1].
 Desenroscar o parafuso de enchimento do óleo [1] e escoar o óleo.
Eventualmente, posicionar a caixa de engrenagem cónica de forma
a que o óleo possa escorrer por completo.
 Com ajuda de um funil, atestar óleo da transmissão fresco com a res-
petiva especificação através da abertura do parafuso de enchimento
do óleo.
 Voltar a enroscar e apertar o parafuso de enchimento do óleo [1].
 Recolher o óleo derramado com um pano e remover de forma ecoló-
gica.

294 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Máquinas de crivar

 inicio_manuel Verificar a caixa de engrenagem cónica em relação a


estanquidade.
 O óleo da transmissão foi mudado.

4.45.04 Efetuar a manutenção ao veio de transmissão

Abb. 4.83: Veio de transmissão do acionamento do crivo


[1] Bocal de lubrificação
[2] Parafusos de fixação
Lubrificar o veio de
transmissão
O veio de transmissão pode ser lubrificado pelo lado de baixo com ajuda
do prolongamento flexível da bomba de lubrificação. Para o efeito não é
necessário desmontar o dispositivo de proteção.
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Com ajuda de uma bomba de lubrificação, injetar massa lubrificante
com a respetiva especificação nos bocais de lubrificação [1] até que
saia massa lubrificante nas articulações.
 O veio de transmissão está lubrificado.
Verificar os parafusos de  Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
fixação
 Desaparafusar o dispositivo de proteção do veio de transmissão.
 Verificar os parafusos de fixação [2] em relação a danos e correta fi-
xação.
 Eventualmente, reapertar os parafusos de fixação com o binário de
aperto prescrito.
 Voltar a aplicar o dispositivo de proteção do veio de transmissão.
 Os parafusos de fixação estão verificados.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 295


MANUTENÇÃO
Máquinas de crivar

4.45.05 Lubrificar os apoios do crivo preliminar

3 1
1 2

Abb. 4.84: Lubrificação do crivo preliminar


[1] Bocal de lubrificação dos apoios
[2] Bocal de lubrificação do labirinto
[3] Purga
Os apoios e labirintos são lubrificados através dos bocais de lubrificação
à esquerda e à direita, por cima do apoio da máquina de crivar. No lado
oposto, os bocais de lubrificação estão dispostos de forma simétrica.
 Com ajuda de uma bomba de lubrificação, injetar 15 gramas de mas-
sa lubrificante com a respetiva especificação nos bocais de lubrifica-
ção dos apoios [1].
 Injetar 5 gramas de massa lubrificante com a respetiva especificação
nos bocais de lubrificação dos labirintos [2].
 Os apoios e labirintos estão lubrificados.
Um curso da bomba de lubrificação corresponde a aprox. 2 gramas de
massa lubrificante. As quantidades de massa lubrificante a injetar por
pressão também estão anotadas juntos dos bocais da lubrificação.

296 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Máquinas de crivar

4.45.06 Lubrificar o apoio do crivo de triagem (opção)

Abb. 4.85: Lubrificação do crivo de triagem


[1] Bocal de lubrificação dos apoios
[2] Cobertura de proteção
[3] Bocal de lubrificação do labirinto
Os apoios são lubrificados através dos bocais de lubrificação à esquerda
e à direita, por baixo do apoio da máquina de crivar.
 Com ajuda de uma bomba de lubrificação, injetar 15 gramas de mas-
sa lubrificante com a respetiva especificação nos bocais de lubrifica-
ção dos apoios [1].
 Os apoios estão lubrificados.
Um curso da bomba de lubrificação corresponde a aprox. 2 gramas de
massa lubrificante. A quantidade de massa lubrificante a injetar por pres-
são também está anotada junto dos bocais de lubrificação.
Os bocais de lubrificação dos labirintos [3] estão ocultos por baixo das
coberturas de proteção [2] dos apoios. Os labirintos só são enchidos
com massa de lubrificação em casos excecionais, p. ex., em reparações.

4.45.07 Auscultar o apoio, verificar o aquecimento

ATENÇÃO!
Perigo devido a componentes movidos e em rotação
Em caso de procedimento incorreto ao auscultar os apoios e medir a
temperatura dos apoios existe perigo de ferimento devido a esmaga-
mento e colhimento.
• Manter sempre uma distância suficiente a componentes movidos e
em rotação.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 297


MANUTENÇÃO
Máquinas de crivar

CUIDADO!
Perigo devido a superfícies quentes
Os apoios podem aquecer intensamente durante o funcionamento.
• Usar equipamento pessoal de proteção.
• Para verificar a temperatura dos apoios, utilizar um aparelho de me-
dição da temperatura.

Ruídos invulgares nos apoios ou temperaturas demasiado elevadas nos


apoios podem chamar a atenção para possíveis avarias nos apoios ou
para um desgaste cada vez maior. A verificação deverá ser realizada
com a máquina de crivar à temperatura de serviço.
Identificar ruídos invulgares nos apoios pressupõe uma grande experi-
ência devido à elevada intensidade dos ruídos ambientais. Mandar efe-
tuar a verificação por pessoal qualificado e autorizado.
 Ligar o gerador diesel.
 Ligar a máquina de crivar no modo de operação manual e colocar os
apoios à temperatura de serviço.
 Auscultar os apoios e verificar a temperatura nos apoios com um
aparelho de medição da temperatura.
 Eventualmente, mandar reparar os apoios por pessoal qualificado e
autorizado.
 Os apoios estão verificados.

4.45.08 Verificar a amplitude de oscilação

Abb. 4.86: Medidor da amplitude de oscilação da máquina de crivar


[1] Autocolante do medidor da amplitude de oscilação
[2] Círculos de indicação

298 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Máquinas de crivar

PERIGO!
Perigo devido a pesos de equilibragem a trabalhar sem cobertura
Pesos de equilibragem a trabalhar sem cobertura podem dar origem a
ferimentos graves ou mesmo fatais, se as pessoas forem colhidas e pu-
xadas para dentro.
• Operar as máquinas de crivar apenas com dispositivos de proteção
aplicados firmemente.
• Ler a amplitude de oscilação apenas com os dispositivos de prote-
ção aplicados.
• Antes de iniciar os trabalhos de reparação, desligar a instalação, re-
tirar a chave e proteger a instalação cotra uma reativação.
• Afixar a placa de aviso correspondente de forma bem visível.

Durante a operação da máquina de crivar, a amplitude de oscilação pode


ser lida no medidor da amplitude de oscilação [1] tal como num relógio.
Um dos círculos de indicação [2] toca visualmente o círculo interior. O
ponto de contacto indica a amplitude de oscilação em milímetros. No
exemplo apresentado são aprox. 8 mm.
Condição
O medidor da amplitude de oscilação [1] deve estar aplicado no centro
da máquina de crivar, acima do desequilíbrio.
Verificar a amplitude de  Deixar que a máquina de crivar funcione até ficar vazia.
oscilação
 Ler a amplitude de oscilação no medidor da amplitude de oscilação.
 Se for ultrapassada a amplitude de oscilação máxima, esta deverá
ser reduzida. Regular a amplitude de oscilação, consulte o cap.
4.45.10.01.
 A amplitude de oscilação está verificada.
Amplitude de oscilação A amplitude de oscilação, para além de ser influenciada pelo número de
máxima segmentos de desequilíbrio também é influenciada pelo número de rota-
ções do motor elétrico e pela redução da caixa de engrenagem cónica.
O diagrama seguinte representa as amplitudes de oscilação máximas.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 299


MANUTENÇÃO
Máquinas de crivar

4
3,7 4,9 6,3 8,4 13,6

1480

3 1290

1130

980

750

Abb. 4.87: Diagrama da amplitude de oscilação


[3] Número de rotações do crivo em rpm
[4] Amplitude de oscilação em mm

4.45.09 Outros trabalhos de manutenção

AVISO
Perigo de danos materiais
Máquinas de crivar que choquem com componentes durante a operação
provocam fissuras em componentes da máquina e elementos vibrató-
rios.
• Assegurar a liberdade de movimento e distância mínima entre com-
ponentes fixos e oscilantes.
• Libertar regularmente a fenda entre os componentes fixos e oscilan-
tes de pedras e sujidades.

 Através de uma inspeção visual, verificar os componentes da máqui-


na de crivar em relação a danos.
 Efetuar uma inspeção visual e auscultar a caixa do crivo em relação
a liberdade de movimento e mobilidade.
 Através de uma inspeção visual, verificar as calhas de deslize e cor-
tinas de borracha da saída do crivo, passagem superior do crivo e
passagem inferior do crivo em relação a danos, tais como, fissuras e
fragilidade e também a uma fixação correta.
 Através de uma inspeção visual, verificar os elementos vibratórios da
máquina de crivar em relação a danos, tais como, desgaste, fadiga
crescente, fragilidade e fissuras.

300 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Máquinas de crivar

 Através de uma inspeção visual, verificar o revestimento de desgas-


te em relação a fixação, sujidade e formação de depósitos, assim
como desgaste.
 Através de uma inspeção visual, verificar as uniões aparafusadas
em relação a uma correta fixação; se necessário, apertar com binário
de aperto correto.
 Se necessário, substituir os componentes danificados da máquina
de crivar e das calhas de deslize.
 Os componentes e uniões aparafusadas estão verificadas.

4.45.10 Reparar as máquinas de crivar


4.45.10.01 Ajustar a amplitude de oscilação

Abb. 4.88: Pesos de equilibragem da máquina de crivar


[1] Lamelas
[2] Peso de equilibragem

PERIGO!
Perigo devido a pesos de equilibragem a trabalhar sem cobertura
Pesos de equilibragem a trabalhar sem cobertura podem dar origem a
ferimentos graves ou mesmo fatais, se as pessoas forem colhidas e pu-
xadas para dentro.
• Operar as máquinas de crivar apenas com dispositivos de proteção
aplicados firmemente.
• Ler a amplitude de oscilação apenas com os dispositivos de prote-
ção aplicados.
• Antes de iniciar os trabalhos de reparação, desligar a instalação, re-
tirar a chave e proteger a instalação cotra uma reativação.
• Afixar a placa de aviso correspondente de forma bem visível.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 301


MANUTENÇÃO
Máquinas de crivar

AVISO
Perigo de danos materiais
Pesos de equilibragem ajustados incorretamente podem dar origem a
danos na máquina de crivar.
• Mandar efetuar os trabalhos de reparação em máquinas de crivar
apenas por pessoal qualificado e autorizado.
• Aplicar sempre o mesmo número de lamelas em ambos os pesos de
equilibragem.

Ajustar a amplitude de A amplitude de oscilação é ajustada com ajuda de lamelas que são apa-
oscilação rafusadas no peso de equilibragem esquerdo e direito.
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Desmontar os dispositivos de proteção dos pesos de equilibragem.
 Desenroscar os parafusos das lamelas [1] e alterar o número ou es-
pessura das lamelas.
 No peso de equilibragem do lado oposto [2] aplicar o mesmo número
ou a mesma espessura das lamelas [1].
 Apertar os parafusos das lamelas [1] com o respetivo binário de
aperto.
 Voltar a montar os dispositivos de proteção dos pesos de equilibra-
gem.
 Verificar a amplitude de oscilação com a máquina de crivar em fun-
cionamento; se necessário, corrigir.
 A amplitude de oscilação está ajustada.
A aplicação de lamelas adicionais aumenta a amplitude de oscilação. A
remoção de lamelas reduz a amplitude de oscilação.
Consoante o tamanho da máquina de crivar, a aplicação ou remoção de
um par de lamelas altera a amplitude de oscilação aprox. entre 0,1 e 0,4
milímetros.

302 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Máquinas de crivar

4.45.10.02 Substituir os revestimentos do crivo preliminar


Substituir o revestimento do crivo da plataforma inferior

3 3

5
2
4

Abb. 4.89: Revestimento do crivo preliminar da plataforma inferior


[1] Revestimento do crivo
[2] Contra apoio
[3] Grampo de tensionamento
[4] Parafusos de aperto e porcas
[5] Guia tensora
Substituir o revestimento do crivo da plataforma inferior
É descrita a desmontagem e montagem de um revestimento do crivo
com tela de arame. Ao desmontar e montar um revestimento cego de
borracha, para extrair e inserir é necessário utilizar um moitão ou um dis-
positivo de tração semelhante.
Desmontar o revestimento do  Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
crivo
 Colocar auxílio de subida ou plataformas elevadoras adequadas na
parte de trás da máquina de crivar.
 Desmontar a cortina de borracha na parte de trás da máquina de cri-
var.
 Eventualmente, desmontar a passagem inferior do crivo para obter
mais espaço.
 Soltar as porcas dos parafusos de aperto [4] algumas voltas até que
o revestimento do crivo [1] fique aliviado.
 Deixar a máquina de crivar trabalhar durante um breve período de
tempo até que se soltem as sujidades e sedimentos entre o revesti-
mento do crivo e o caixilho distanciador.
 Voltar a desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 303


MANUTENÇÃO
Máquinas de crivar

 Desenroscar as porcas e parafusos de aperto [4] e retirar a guia ten-


sora [5].
 Pressionar o revestimento do crivo para fora do contra apoio [2] e,
em seguida, extraí-lo para trás.
 Libertar as superfícies de apoio no caixilho distanciador, contra apoio
[2] e guia tensora [5] de sujidades grosseiras.
 Através de uma inspeção visual, verificar as borrachas de perfil em
relação a danos e correto posicionamento; se necessário, substituir
ou colocar na posição correta.
 O revestimento do crivo está desmontado.
Montar o revestimento do  Inserir um novo revestimento do crivo e engatar com o grampo de
crivo tensionamento [3] no contra apoio [2].
 Aplicar a guia tensora [5], parafusos de aperto e porcas.
 Tensionar o revestimento do crivo, consulte o cap. 4.45.02.
 Eventualmente, voltar a montar a passagem inferior do crivo.
 Voltar a montar a cortina de borracha.
 O revestimento do crivo está montado.

AVISO
Perigo de danos materiais
Os revestimentos do crivo montados de novo acamam após algumas ho-
ras de serviço e podem afrouxar-se.
• Retensionar revestimentos do crivo montados de novo após aprox.
8 horas de serviço.

Substituir o revestimento do crivo da plataforma superior

Abb. 4.90: Revestimento do crivo preliminar da plataforma superior


[1] Parafusos

304 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Máquinas de crivar

[2] Chapa perfurada de aço do lado do carregamento


[3] Chapa perfurada de aço do lado de descarga
É descrita a desmontagem e montagem das chapas perfuradas de aço.
Ao desmontar e montar uma grelha fendida pode proceder-se da mesma
forma. Ter em consideração que a distância entre a grelha fendida e as
superfícies de apoio deverá ser no máximo de 2 milímetros. Se for supe-
rior a 2 milímetros, calçar com chapas de modo a garantir um apoio se-
guro.
Desmontar o revestimento do
crivo
Os parafusos dos revestimentos do crivo são parcialmente contínuos e
estão aparafusados pelo lado de baixo com porcas. Em parte estão apa-
rafusados pelo lado de cima no caixilho distanciador. Para contra apoiar
as porcas, estas podem ser acedidas através do bypass da britadeira.
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Desenroscar os parafusos [1] e as porcas das chapas perfuradas de
aço.
 Utilizando um dispositivo de elevação e meios de amarra adequa-
dos, retirar primeiro a chapa perfurada de aço do lado de descarga
[3] para cima, e em seguida a chapa perfurada de aço do lado do car-
regamento [2] também para cima.
 Libertar as superfícies de apoio no caixilho distanciador de sujidades
grosseiras.
 O revestimento do crivo está desmontado.
Montar o revestimento do
crivo
Ao substituir chapas perfuradas de aço e grelhas fendidas, os parafusos
e porcas devem ser sempre substituídos por novos.
 Utilizando um dispositivo de elevação e meios de amarra adequa-
dos, levantar a chapa perfurada de aço do lado do carregamento [2]
para o caixilho distanciador.
 Aplicar os parafusos [1] e porcas e apertar com o respetivo binário
de aperto.
 Utilizando um dispositivo de elevação e meios de amarra adequa-
dos, levantar a chapa perfurada de aço do lado de descarga [3] para
o caixilho distanciador.
 Aplicar os parafusos [1] e porcas e apertar com o respetivo binário
de aperto.
 O revestimento do crivo está montado.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 305


MANUTENÇÃO
Máquinas de crivar

4.45.10.03 Substituir as borrachas de perfil

Abb. 4.91: Borrachas de perfil do revestimento do crivo


[1] Ferro de suporte
[2] Borracha de perfil

PERIGO!
Perigo devido a componentes móveis e rotativos
Trabalhos de manutenção e de reparação em componentes da instala-
ção em funcionamento, podem levar a lesões graves ou fatais.
• Por regra, efetuar trabalhos de manutenção e de reparação sempre
com a instalação parada.
• Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
• Proteger a instalação contra ativação involuntária.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

As borrachas de perfil [2] estão encaixadas no ferro de suporte [1] e im-


pedem o revestimento do crivo de ficar bambo e bater. Borrachas de per-
fil desgastadas e em falta dão origem a danos no revestimento do crivo
e nos componentes da máquina de crivar.
 Desmontar o revestimento do crivo, consulte o cap. 4.45.10.02.
 Substituir as borrachas de perfil desgastadas e em falta [2].
 Voltar a montar o revestimento do crivo.
 As borrachas de perfil estão substituídas.

306 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Limpar a instalação

4.46 Limpar a instalação

4.46.01 Limpar a instalação

ATENÇÃO!
Perigo de queda
Ao efetuar trabalhos de manutenção e de reparação nos componentes
da instalação existe perigo de queda.
• Utilizar auxílios de subida ou plataformas elevadoras adequadas.
• Verificar o apoio seguro dos auxílios de subida.
• Manter um contacto de três pontos seguro no auxílio de subida.
• Não saltar dos auxílios de subida ou da instalação.

Para manter a instalação sempre operacional, terá de ser limpa todos os


dias. Se os trabalhos de limpeza não forem realizados, começa a surgir
um elevado desgaste nos componentes móveis e a operação é influen-
ciada.
Após a finalização dos trabalhos de trituração e de crivagem é necessá-
rio realizar os seguintes trabalhos de limpeza:
 Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.
 Remover o material solto do chassis, plataformas e subidas.
 Remover o material agarrado da tremonha de carregamento, calhas
transportadoras vibratórias, crivo preliminar e crivo de triagem, assim
como calhas de deslize.
 Remover material encravado e agarrado nos transportadores de cin-
ta e correspondentes calhas de deslize.
 Remover o material que se encontra sobre o trem de rodagem de la-
gartas e entre o carreto de acionamento e o carreto de guiamento e
também roletes de rolamento.
 A instalação está limpa.
Produtos de limpeza adequados
Para limpar a instalação são adequados os seguintes objetos e meios
auxiliares:
• Água limpa para enxaguar.
• Vassoura para varrer.
• Pás e picaretas para remover aglomerações e formações de depósi-
tos.
• Pé de cabra e semelhantes para soltar material encravado.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 307


MANUTENÇÃO
Limpar a instalação

4.46.02 Limpeza com equipamentos de limpeza a alta pressão

PERIGO!
Perigo de queimaduras, explosão e/ou intoxicação
A névoa de pulverização de produtos de limpeza que contenham solven-
tes pode provocar ferimentos graves ou mesmo fatais.
• Nunca aspirar líquidos que contenham solventes. Destes fazem par-
te a gasolina, diluente de tinta, gasóleo/óleo de aquecimento, aceto-
na, ácidos não diluídos, dissolventes, etc.
• Cobrir os componentes elétricos, material isolante e aberturas de as-
piração para o ar de combustão e não expor directamente ao jacto.
Após a limpeza, voltar a aplicar todas as coberturas.
• Não fixar a alavanca da pistola de pulverização durante o funciona-
mento.
• Como proteção contra partes projetadas por ricochete deve usar-se
um equipamento de proteção adequado, como, p. ex., máscara pro-
tetora ou óculos de proteção.
• Nunca orientar o jacto do produto de limpeza para pessoas, animais,
equipamento de alta pressão, vedantes ou componentes elétricos.

 Observar e respeitar as indicações relativas aos equipamentos de


limpeza a alta pressão no manual de segurança.

4.46.03 Limpar o ecrã tátil

Abb. 4.92: Ecrã tátil


[1] Caixilho da grelha de luz de infravermelhos
[2] Superfície sensível ao toque

308 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Realizar trabalhos de soldadura

AVISO
Perigo de danos materiais
O ecrã tátil pode ser danificado por objetos afiados ou cortantes e por lí-
quidos.
• Não utilizar nenhuns objetos afiados ou cortantes, p. ex., facas, para
a limpeza.
• Não utilizar nenhuns produtos de limpeza e solventes agressivos ou
abrasivos.
• Não deixar penetrar nenhuns líquidos na carcaça. Perigo de curto-
circuito!

A necessidade de limpeza do ecrã tátil é indicada do seguinte modo:


• No bordo inferior do ecrã tátil, aparece um dos seguintes símbolos:
– Ecrã tátil sujo
– Ecrã tátil avariado ou muito sujo
• É apresentada uma mensagem de advertência correspondente.
Se o ecrã tátil estiver muito sujo, a grelha de luz de infravermelhos pode
ser interrompida. Em casos extremos, o ecrã tátil pode deixar de reagir
ao acionamento.
 Limpar a superfície sensível ao toque [2] e o caixilho da grelha de luz
de infravermelhos [1] com um pano limpo e úmido.
 No caso de sujidade renitente, pulverizar produto de limpeza no
pano úmido.

4.47 Realizar trabalhos de soldadura

Abb. 4.93: Realizar trabalhos de soldadura

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 309


MANUTENÇÃO
Realizar trabalhos de soldadura

AVISO
perigo de incêndio devido a maçarico de soldadura
Maçaricos de soldadura, metal quente e faíscas podem incendiar com-
ponentes e objetos ao seu redor.
• Cobrir componentes e objetos em risco de incêndio tanto quanto
possível.
• Proteger componentes e objetos de metal quente que pingue e de fa-
íscas.
• Colocar extintor preparado antes do início dos trabalhos.
• Posicionar monitorização de incêndios durante e após os trabalhos
de soldadura.
• Usar equipamento pessoal de proteção.

Medidas de precaução e • Mandar efetuar os trabalhos de soldadura apenas por pessoal for-
requisitos mado ou autorizado pela KLEEMANN.
• Verificar se o aparelho de soldar, tubo de soldadura e o equipamento
estão em perfeito estado.
• Utilizar porta elétrodos totalmente isolados.
• Não deverá prender o porta elétrodos por baixo do braço.
• Não colocar o cabo de soldadura por cima do ombro.
• Usar luvas de proteção secas, não danificadas e livres de peças me-
tálicas.
• Não instalar o cabo de soldadura em paralelo com linhas elétricas.
• Não tocar com o eletrodo de soldadura no corpo de componentes
eletrónicos e condutores elétricos.
• Remover camadas de tinta, massa lubrificante ou ferrugem na zona
do local de conexão.
• Na medida do possível, ligar o borne da massa directamente ao
componente a soldar.
• Evitar correntes de fuga de soldadura.
• Nunca conectar através de componentes rotativos. Caso contrário, a
consequência podem ser danos nos apoios.
• Não conectar o borne da massa ao cilindro hidráulico do braço osci-
lante de impacto inferior. Nesse caso, o dispositivo de ajuste eletro
hidráulico seria destruído.
Soldar com corrente da  Ligar o gerador diesel.
unidade de acionamento
 Desligar a tensão de comando e o interruptor principal.
 Proteger o interruptor principal contra uma reativação.
 Conectar o aparelho de soldar à tomada de serviço (consulte o
cap.2.06.06).
 O controlador lógico programável está protegido. Os trabalhos de
soldadura podem começar.

310 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


MANUTENÇÃO
Realizar trabalhos de soldadura

Soldar com alimentação  Desligar os componentes da instalação e o gerador diesel.


elétrica externa
 Desligar o interruptor principal e proteger contra uma reativação.
 Desligar e retirar o seccionador da bateria.
 Utilizar uma ligação à rede externa ou um gerador de energia exter-
no.
 O controlador lógico programável está protegido. Os trabalhos de
soldadura podem começar.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 311


TABELAS
Dados técnicos

5 TABELAS
Neste capítulo são apresentadas listas de todos os dados técnicos rele-
vantes para a operação da instalação.
Os dados técnicos completos dos componentes do fabricante estão des-
critos nas respetivas documentações do fabricante.
Respeite, na execução de todas as atividades, as indicações contidas no
seu Manual de Segurança!

5.01 Dados técnicos

5.01.01 Instalação completa


5.01.01.01 Pesos

Designação Peso
Instalação sem equipamentos opcionais mas com Aprox. 44000 kg
opções obrigatórias, como, p. ex., revestimentos
do crivo.
Instalação com equipamentos opcionais, como se- Aprox. 47000 kg
parador magnético e cinta do crivo preliminar (mas
sem unidade de crivagem posterior).
Instalação com todos os equipamentos opcionais, Aprox. 58000 kg
inclusive unidade de crivagem posterior.
Tab. 5.1: Peso da instalação completa

Todos os pesos inclusive ingredientes de serviço e 300 litros de combus-


tível diesel.

312 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


TABELAS
Dados técnicos

5.01.01.02 Dimensões
Dimensões na posição de operação sem unidade de crivagem pos-
terior (série)
4175

3550
1380

565
5230 3980 7380
16580

Abb. 5.1: Vista de lado MR110Z


3530

4190 2800

Abb. 5.2: Vista de frente MR110Z


Todas as medidas em milímetros.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 313


TABELAS
Dados técnicos

Dimensões na posição de operação com unidade de crivagem pos-


terior (opção)
4175

3550
3440
1380

565

365
5230 3980 7380
16580
20070

Abb. 5.3: Vista de lado MR110ZS


3530

4190 2800

Abb. 5.4: Vista de frente MR110ZS


Todas as medidas em milímetros.

5.01.01.03 Operação de marcha

Designação Valor
Máxima capacidade ascensional para a frente/para 30 %
trás
Máxima inclinação lateral permitida 17 %
Máxima velocidade de marcha 1,4 km/h

314 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


TABELAS
Dados técnicos

Designação Valor
1
Máx. pressão do solo gerada 1,82 kg/cm²
Tab. 5.2: Modo de condução da instalação

1
A máxima pressão do solo gerada é calculada de acordo com a seguin-
te fórmula: Máx. peso total da instalação / distância entre eixos x largura
da placa de fundo x 2.

5.01.01.04 Material e dimensão do carregamento

Designação Valor
Material de carregamento Materiais minerais, tais como resíduos
admissível de edifícios, pedaços de asfalto, peda-
ços de betão armado, tijolos partidos e
pedras naturais.
Materiais como escórias, carvão, miné-
rio, etc., apenas após autorização ex-
pressa pela KLEEMANN GmbH.
Dimensão admissível do car- No caso de material de carregamento
regamento cúbico, comprimento máximo das ares-
tas de 600 mm.
Máximas dimensões das arestas 1000 x
900 x 300 mm (comprimento no sentido
de fluxo do material x largura 90° relati-
vamente ao sentido de fluxo do material
x altura).
Resistência permitida do ma- No caso de dimensão total do carrega-
terial de carregamento à mento até 100 N/mm2 no funcionamen-
pressão to contínuo.
No caso de dimensão do carregamento
até ao comprimento máximo das ares-
tas de 400 mm até 150 N/mm2 no fun-
cionamento contínuo.
Valor de abrasão < 150 g/t
Tab. 5.3: Material e dimensão do carregamento

5.01.01.05 Desempenho de carregamento e de trituração

Designação Valor
Desempenho de carrega- Até 350 t/h consoante o tipo e composi-
mento ção do material de carregamento e ta-
manho ou quantidade da crivagem
preliminar ou tamanho do grão final.

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 315


TABELAS
Dados técnicos

Designação Valor
Desempenho de trituração Asfalto: tamanho de grão 0-600 para 0-
32 com aprox. 10-15 % de grãos sobre-
dimensionados, até 250 t/h.
Calcário: tamanho de grão 0-600 para 0-
45 com aprox. 10-15 % de grãos sobre-
dimensionados, até 300 t/h.
Resíduos de edifícios: tamanho de grão
0-600 para 0-45 com aprox. 10-15 % de
grãos sobredimensionados, até 300 t/h.
Pedaços de betão: tamanho de grão 0-
600 para 0-45 com aprox. 10-15 % de
grãos sobredimensionados, até 250 t/h.
Tab. 5.4: Desempenho de carregamento e de trituração

Indicações sobre o desempenho de carregamento sem unidade de cri-


vagem posterior (opção).

5.01.01.06 Desempenho de crivagem

Designação Valor
Crivo preliminar: material e Tal como descrito no cap. 5.01.01.04.
dimensão do carregamento
admissíveis
Revestimentos do crivo per- Equipamento de série e opcional de ori-
mitidos gem da KLEEMANN GmbH.
Revestimentos do crivo diferentes só
são permitidos após autorização prévia
da KLEEMANN GmbH. Crivagem preli-
minar na plataforma superior, no máxi-
mo 100 mm.
Relação das aberturas de Máximo 1:5.
malha da plataforma superior
e da plataforma inferior
Crivo de triagem (opção): Material de carregamento conforme
material e dimensão do car- descrito no cap. 5.01.01.04. Máximas di-
regamento admissíveis mensões das arestas 150 mm.
Revestimentos do crivo per- Equipamento de série e opcional de ori-
mitidos gem da KLEEMANN GmbH.
Revestimentos do crivo diferentes só
são permitidos após autorização prévia
da KLEEMANN GmbH. Abertura máxi-
ma da malha na plataforma do crivo 80
mm.
Tab. 5.5: Desempenho de crivagem

316 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


TABELAS
Dados técnicos

5.01.01.07 Temperaturas ambiente


A instalação pode ser operada de forma contínua a temperaturas am-
biente de -15 °C até +40 °C.

5.01.01.08 Nível de potência acústica

Abb. 5.5: Nível de pressão acústica das emissões


A Ponto de medição na subida para o gerador diesel
B Ponto de medição antes do armário de distribuição
Nível de pressão acústica das emissões

Designação Nível de pressão acústica


LPA
Ponto de medição A* 99,0 dB
Ponto de medição B* 88,5 dB
Tab. 5.6: Nível de pressão acústica

* Medido a 1,0 metros de distância em relação à instalação e 1,6 metros


de altura em relação ao chão.
Nível de potência acústica

Designação Nível de potência acústica


LWA
Instalação sem unidade de crivagem 116 dB
posterior (série)
Instalação com unidade de crivagem 116 dB
posterior (opção)
Tab. 5.7: Nível de potência acústica

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 317


TABELAS
Dados técnicos

O nível de potência acústica é um dado quantitativo independente do


ambiente.
O nível de pressão acústica das emissões é uma pressão acústica regis-
tada a uma dada distância da fonte, sob determinadas condições am-
bientais.
Averiguação e execução de acordo com a norma: determinação dos ní-
veis de potência acústica de fontes de ruído a partir de medições da
pressão acústica EN ISO 3744.
Condições de medição
• A instalação funciona no modo automático.
• Funcionamento ao ar livre.
• Sem trituração de material.
• Rotações do gerador diesel 1800 rpm.

5.01.02 Unidade de acionamento/motor

Designação Valor
Designação de modelo AAD110-EU1
Fabricante da unidade de acionamen- AVS
to
Modelo da unidade de acionamento DW 308/120 SC 18 L22HH-
VO/TF
Potência nominal 103,5 kVA
Corrente nominal 149,57 A
Fator de potência nominal 0,8
Tensão nominal 231/400 V
Frequência 50 Hz
Número de rotações 1000/1500-1800 rpm
Peso Aprox. 6250 kg
Estado de referência*
Altura de colocação aprox. 100 m acima do nível do mar
Temperatura ambiente 25 °C
Umidade relativa do ar 60 %
Fabricante do motor diesel Scania
Modelo do motor DC 12-59A (10-31A)
Número de cilindros 6 em linha
Cilindrada 11,7 l
Número de rotações nominal 1800 rpm
Potência contínua de acordo com DIN 297-11 kW (PRP)
6280 / ISO 3046-1
Consumo de combustível de acordo com 206 g/kWh
DIN 51601 a plena carga aprox.

318 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


TABELAS
Dados técnicos

Designação Valor
Motor de arranque 24 V, 6,7 kW
Gerador 28 V, 65 A
Baterias 2 x 110 Ah, 24 V (2 x 12 V)
Sistema de refrigeração Refrigeração através de lí-
quido, refrigeração do ar de
sobrealimentação
Capacidade do depósito de combustível Aprox. 750 l
diesel
Capacidade do depósito do óleo do mo- Aprox. 33 l
tor
Nível de gases de escape Nível II
Fabricante do gerador Leroy Somer
Modelo do gerador LSA 44.2 S7
Potência nominal 125 kVA
Tensão nominal 231/400 V
Estabilidade de tensão estática ± 1,5 %
Frequência 50 Hz
Número de rotações 1500-1800 rpm
Tensão de serviço da correia dentada1, 193 N
nova correia dentada
Correia dentada usada1 143 N
Classe de proteção IP 23
Tab. 5.8: Unidade de acionamento/motor da instalação

* Os dados de potência acima indicados da unidade de acionamento re-


ferem-se ao estado de referência indicado. Valores a divergirem para
cima significam em parte uma considerável perda de potência.
1
Força estática de ramal da correia dentada, medida com Optikrik I.

5.01.03 Alimentação de óleo hidráulico

Designação Valor
Designação de modelo AMR110-Z1
Capacidade do depósito de óleo hidráulico 290 l
Capacidade da instalação hidráulica com- Aprox. 365 l
pleta
Acionamento do sistema hidráulico de 45 kW
marcha (motor elétrico)
Pressão de serviço do sistema hidráulico 365 bar
de marcha
Pressão de alimentação do sistema hi- 28 bar
dráulico de marcha

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 319


TABELAS
Dados técnicos

Designação Valor
Pressão de serviço do sistema hidráulico 200 bar, ±10 bar
auxiliar
Tab. 5.9: Sistema hidráulico da instalação

5.01.04 Sistema elétrico

Designação Valor
Designação de modelo EMR110-EU1
Tensão de serviço 400 V
Tensão de comando 24 V
Frequência 50 Hz
Tomadas adicionais (circuitos elétricos 230 V / 16 A
excluídos)
400 V / 32 A
Tab. 5.10: Sistema elétrico

5.01.05 Mecanismo de translação

Designação Valor
Designação de modelo FWD006-397
Trem de rodagem de lagartas com motores hidráulicos incorporados e
chassis montado entre eles.
Travão de estacionamento: travão de mola que fecha sem pressão.
Travão de serviço acionado hidraulicamente na operação de trituração,
solto hidraulicamente no modo de condução.
Modelo do trem de rodagem de lagartas D6
Distância entre eixos do carreto de acio- 3972 mm
namento e de guiamento
Largura da placa de fundo 400 mm
Binário máximo do motor redutor 60 kNm
Quantidade de enchimento da caixa de 5 l por cada lado
engrenagem planetária
Quantidade de enchimento do tensor da Com corrente de trem de ro-
corrente dagem nova, aprox. 530 cm3
Com corrente do trem de ro-
dagem gasta 2650 cm3
Tab. 5.11: Mecanismo de translação da instalação

320 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


TABELAS
Dados técnicos

5.01.06 Transporte de material


Cinta de descarga da britadeira

Designação Valor
Designação de modelo BFB120-094
Tipo de construção Construção de aço perfilado
Peso Aprox. 2600 kg
Distância entre eixos 9400 mm
Largura da cinta 1200 mm
Potência de acionamento 11 kW
Velocidade da cinta transportadora 1,31 m/s
Acionamento de transportador de cinta Motor elétrico com caixa de
engrenagem cónica unida
por flanges com bloqueio de
inversão de marcha
Quantidade de enchimento da caixa de Aprox. 5,3 l
engrenagem cónica
Tab. 5.12: Cinta de descarga da britadeira

Cinta do crivo preliminar (opção)

Designação Valor
Designação de modelo BFS065-060 / BFS065-040
Tipo de construção Construção de aço perfilado
Peso* Aprox. 1200 kg / 930 kg
Distância entre eixos 6000 mm / 4000 mm
Largura da cinta 650 mm
Potência de acionamento 5,5 kW
Velocidade da cinta transportadora 2,0 m/s
Acionamento de transportador de cinta Moto tambor acionado eletri-
camente com bloqueio de in-
versão de marcha
Quantidade de enchimento da caixa de Aprox. 6,0 l
engrenagem
Tab. 5.13: Cinta do crivo preliminar

* Inclusive apoio da cinta


Cinta de grão fino, crivo de triagem (opção)

Designação Valor
Designação de modelo BFN120-068
Tipo de construção Construção de aço perfilado

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 321


TABELAS
Dados técnicos

Designação Valor
Peso Aprox. 2400 kg
Distância entre eixos 6800 mm
Largura da cinta 1200 mm
Potência de acionamento 7,5 kW
Velocidade da cinta transportadora 1,31 m/s
Acionamento de transportador de cinta Motor elétrico com caixa de
engrenagem cónica unida
por flanges com bloqueio de
inversão de marcha
Quantidade de enchimento da caixa de Aprox. 2,7 l
engrenagem cónica
Tab. 5.14: Cinta de grão fino

Cinta de retorno, crivo de triagem (opção)

Designação Valor
Designação de modelo BFR050-084
Tipo de construção Construção de aço perfilado
Peso* Aprox. 1500 kg
Distância entre eixos 8400 mm
Largura da cinta 500 mm
Potência de acionamento 7,5 kW
Velocidade da cinta transportadora 1,6 m/s
Acionamento de transportador de cinta Moto tambor acionado eletri-
camente com bloqueio de in-
versão de marcha
Quantidade de enchimento da caixa de Aprox. 10,5 l
engrenagem
Tab. 5.15: Cinta de retorno, crivo de triagem

* Inclusive suspensões da cinta.


Cinta de entrega, crivo de triagem (opção)

Designação Valor
Designação de modelo BFU050-016
Tipo de construção Construção de aço perfilado
Peso Aprox. 370 kg
Distância entre eixos 1600 mm
Largura da cinta 500 mm
Potência de acionamento 3,0 kW
Velocidade da cinta transportadora 1,25 m/s

322 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


TABELAS
Dados técnicos

Designação Valor
Acionamento de transportador de cinta Moto tambor acionado eletri-
camente com bloqueio de in-
versão de marcha
Quantidade de enchimento da caixa de Aprox. 5,25 l
engrenagem
Tab. 5.16: Cinta de entrega, crivo de triagem

Calha de descarga

Designação Valor
Designação de modelo ABR110-Z1
Tipo de construção Calha transportadora osci-
lante configurada com cha-
pas de desgaste
Peso Aprox. 1700 kg
Largura da caixa 1200 mm
Comprimento da caixa 2600 mm
Acionamento 2 motores de vibração
Potência de acionamento 2 x 3,2 kW
Tensão de serviço 400 V
Temperatura ambiente admissível - 30 °C até + 40 °C
Classe de proteção IP 66
Tab. 5.17: Calha de descarga

5.01.07 Instalação da água (opção)

Designação Valor
Designação de modelo NDS110-MR1
Tensão de serviço 230 V
Temperatura do meio de transporte + 5 °C até + 35 °C
Máxima pressão de serviço admissível 8 bar
Mínima / máxima pressão admissível do - 0,8 / 4 bar
lado de aspiração
Máxima altura de aspiração 5m
Máxima temperatura ambiente + 40 °C
Consumo de água 2 a 5 m³ por dia
Classe de proteção IP 54
Tab. 5.18: Instalação da água

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 323


TABELAS
Dados técnicos

5.01.08 Carregamento de material


Tremonha de carregamento

Designação Valor
Designação de modelo TRI110-K1
Tipo de construção Paredes da tremonha com
possibilidade de articulação
e bloqueio hidráulicos
Peso Aprox. 3000 kg
Volume de carregamento Aprox. 4 m³
Largura de carregamento do lado frontal Aprox. 2100 mm
Largura de carregamento do lado longi- Aprox. 3700 mm
tudinal
Altura de carregamento Aprox. 4175 mm
Tab. 5.19: Tremonha de carregamento

Tremonha (opção)

Designação Valor
Designação de modelo TRE110-S1
Tipo de construção Construção soldada de
apertar, com possibilidade
de bloqueio hidráulico
Peso Aprox. 1180 kg
Volume de carregamento Aprox. 3,2 m³
Largura de carregamento do lado frontal Aprox. 2800 mm
Largura de carregamento do lado longi- Aprox. 3700 mm
tudinal
Altura de carregamento Aprox. 4550 mm
Tab. 5.20: Tremonha

Calha de carregamento

Designação Valor
Designação de modelo AGR110-Z1
Tipo de construção Calha transportadora osci-
lante configurada com cha-
pas de desgaste
Peso Aprox. 1700 kg
Largura da caixa 900/1000 mm
Comprimento da caixa 2600 mm

324 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


TABELAS
Dados técnicos

Designação Valor
Acionamento 2 motores de vibração com
regulação progressiva do
número de rotações através
de conversor de frequência
Potência de acionamento 2 x 3,2 kW
Tensão de serviço 400 V
Temperatura ambiente admissível - 30 °C até + 40 °C
Classe de proteção IP 66
Tab. 5.21: Calha de carregamento

5.01.09 Britadeira

Designação Valor
Designação de modelo SHB110-080
Tipo de construção Carcaça hidraulicamente articulável
em construção soldada com rotor
apoiado sobre rolamentos de rolos os-
cilantes. Portas de manutenção late-
rais e na parede traseira.
Peso Aprox. 13000 kg
Tampa da entrada da britadei- Com possibilidade de ajuste hidráulico
ra
Largura da entrada 1100 mm
Altura da entrada 800 mm
Rotor Construção soldada com sistema me-
cânico de fixação para travessas de
impacto
Largura do rotor 1080 mm
Diâmetro do rotor 1100 mm
Velocidade circunferencial do Em 4 escalões, de 32 até 39 m/s
rotor
Travessas de impacto 3 unidades em aço martensítico duro,
peso aprox. 280 kg/unidade
Braços oscilantes de impacto Construção em monobloco de aço
manganês duro. Braço oscilante de im-
pacto inferior com placa de impacto
adicional na zona de desgaste
Ajuste da fenda superior Com possibilidade de ajuste progressi-
vo através do cilindro hidráulico
Ajuste da fenda inferior Com possibilidade de ajuste progressi-
vo através do ecrã tátil e do cilindro hi-
dráulico e com determinação
automática do ponto de repouso

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 325


TABELAS
Dados técnicos

Designação Valor
Amplitude de fenda superior 20 a 375 mm, curso de desvio 415 mm
Amplitude de fenda inferior -100 a 100 mm, curso de desvio
250 mm
Revestimento de desgaste Hardox
Acionamento Acionamento direto através de cor-
reias trapezoidais
Tensão de serviço por correia 1553 N
trapezoidal1, novas correias
trapezoidais
Correias trapezoidais com 1194 N
marcas de uso
Tab. 5.22: Britadeira de impacto

1Força estática de ramal por correia trapezoidal, medida com Optikrik II


+ III.

5.01.10 Máquinas de crivar


Crivo preliminar

Designação Valor
Designação de modelo VUZ210-100
Tipo de construção Crivo de elementos pesados
de duas plataformas
Peso Aprox. 2000 kg
Largura do crivo 1050 mm
Comprimento do crivo 2100 mm
Inclinação do crivo da plataforma supe- 7°
rior
Inclinação do crivo, plataforma inferior 15°
Sistema de tensionamento dos revesti- Plataforma superior, tensão
mentos do crivo transversal; plataforma infe-
rior, tensão longitudinal
Ajuste da amplitude de oscilação Através de segmentos de
desequilíbrio
Acionamento do crivo Motor elétrico com caixa de
engrenagem cónica e veio
de transmissão unidos por
flange
Potência de acionamento 11 kW
Tensão de serviço 400 V
Quantidade de enchimento da caixa de Aprox. 1,2 l
engrenagem cónica
Tab. 5.23: Crivo preliminar

326 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


TABELAS
Plano de manutenção/Intervalos de manutenção

Crivo de triagem (opção)

Designação Valor
Designação de modelo VUE450-130
Tipo de construção Crivo de triagem de uma pla-
taforma
Peso Aprox. 2150 kg
Largura do crivo 1350 mm
Comprimento do crivo 4550 mm
Inclinação do crivo da plataforma supe- 21°
rior
Sistema de tensionamento dos revesti- Tensão transversal
mentos do crivo
Ajuste da amplitude de oscilação Através de segmentos de
desequilíbrio
Acionamento do crivo Motor elétrico com caixa de
engrenagem cónica e veio
de transmissão unidos por
flange
Potência de acionamento 11 kW
Tensão de serviço 400 V
Quantidade de enchimento da caixa de Aprox. 0,8 l
engrenagem cónica
Tab. 5.24: Crivo de triagem

5.02 Plano de manutenção/Intervalos de manutenção


Dispositivos de segurança/chassis

Máquina/Com- Trabalhos de Material, pe- Consulte o


De acordo com a necessidade
colocação em funcionamento

A cada 200 h / mensalmente


A cada 50 h / semanalmente

ponentes manutenção ças sobres- cap.


A cada 2000 h / anualmente
Pela primeira vez após h /

selentes
A cada 8 h / diariamente

A cada 1000 h
A cada 100 h

A cada 500 h

Sinalização Verificar/subs- Consulte o ca- X 4.01.01


tituir tálogo de pe-
ças
sobresselen-
tes

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 327


TABELAS
Plano de manutenção/Intervalos de manutenção

Máquina/Com- Trabalhos de Material, pe- Consulte o

De acordo com a necessidade


colocação em funcionamento

A cada 200 h / mensalmente


A cada 50 h / semanalmente
ponentes manutenção ças sobres- cap.

A cada 2000 h / anualmente


Pela primeira vez após h /
selentes

A cada 8 h / diariamente

A cada 1000 h
A cada 100 h

A cada 500 h
Carcaça da uni- Verificar/lubri- Óleo lubrifi- 50 X 4.01.01
dade de aciona- ficar cante
mento
Plataformas Verificar X 4.01.01
Uniões aparafu- Reapertar X 4.01.01
sadas
Bocal de lubrifica- Verificar/mu- X 4.01.01
ção dar
Dispositivos de Verificar X 4.01.02
aviso
Dispositivos de Verificar X 4.01.03
proteção
Dispositivos de Verificar/repa- Consulte o ca- X 4.01.04
paragem de rar tálogo de pe-
emergência ças
sobresselen-
tes
Tab. 5.25: Plano de manutenção do chassis/dispositivos de seguran-
ça

328 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


TABELAS
Plano de manutenção/Intervalos de manutenção

Posto de comando

Máquina/Com- Trabalhos de Material, pe- Consulte o

De acordo com a necessidade


colocação em funcionamento

A cada 200 h / mensalmente


A cada 50 h / semanalmente
ponentes manutenção ças sobres- cap.

A cada 2000 h / anualmente


Pela primeira vez após h /
selentes

A cada 8 h / diariamente

A cada 1000 h
A cada 100 h

A cada 500 h
Revestimento Verificar/repa- Óleo lubrifi- X 4.02.01
rar cante, consul-
te o catálogo
de peças so-
bresselentes
Ecrã tátil Limpar Pano, produto X 4.46.03
de limpeza
Controlos remo- Verificar/repa- X X1 4.02.02
tos, componentes rar
Paragem de Verificar/repa- X 4.02.02
emergência e rar
funções
Tab. 5.26: Plano de manutenção do posto de comando

1 Verificação do controlo remoto por rádio através de perito


Unidade de acionamento/motor

Máquina/Com- Trabalhos de Material, pe- Consulte o


De acordo com a necessidade
colocação em funcionamento

A cada 50 h / semanalmente

A cada 200 h / mensalmente

ponentes manutenção ças sobres- cap.


A cada 2000 h / anualmente
Pela primeira vez após h /

selentes
A cada 8 h / diariamente

A cada 1000 h
A cada 100 h

A cada 500 h

Motor diesel Efetuar manu- X 4.04.01


tenção/
reparação1
Gerador Efetuar manu- X 4.04.01
tenção/
reparação1

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 329


TABELAS
Plano de manutenção/Intervalos de manutenção

Máquina/Com- Trabalhos de Material, pe- Consulte o

De acordo com a necessidade


colocação em funcionamento

A cada 200 h / mensalmente


A cada 50 h / semanalmente
ponentes manutenção ças sobres- cap.

A cada 2000 h / anualmente


Pela primeira vez após h /
selentes

A cada 8 h / diariamente

A cada 1000 h
A cada 100 h

A cada 500 h
Acoplamento lí- Efetuar manu- X X 4.04.01
quido tenção/
reparação1
Substituir o fil- X4
tro do óleo
Mudar o óleo X5
Efetuar a ma- X6
nutenção das
correias
Correias denta- Verificar X 4.04.02.01
das do gerador Tensionar X 4.04.02.02
3
Substituir X 4.04.02.02
Filtro preliminar Verificar X2 4.04.03
de ciclone
Filtro do ar Limpar/substi- X2 4.04.04
tuir
Filtro de combus- Limpar X 4.04.05
tível
Nervuras do ra- Limpar X2 4.04.06
diador
Tab. 5.27: Unidade de acionamento/motor

1
Consulte a documentação do fabricante.
2
Em caso de grande acumulação de pó, também diariamente.
3
Por motivos de segurança, substituir as correias dentadas, o mais tar-
dar, a cada 3000 horas de serviço.
4
Tal como descrito na documentação do fabricante, não substituir o filtro
do óleo após as primeiras 100 horas de serviço. Efetuar a primeira subs-
tituição após 1000 horas de serviço.
5
Substituir o óleo a cada 3000 horas de serviço, mas, o mais tardar, a
cada 6 meses.
6
Verificar e substituir as correias a cada 6000 horas de serviço, mas, o
mais tardar, a cada 12 meses.

330 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


TABELAS
Plano de manutenção/Intervalos de manutenção

Alimentação de óleo hidráulico

Máquina/Com- Trabalhos de Material, pe- Consulte o

De acordo com a necessidade


colocação em funcionamento

A cada 200 h / mensalmente


A cada 50 h / semanalmente
ponentes manutenção ças sobres- cap.

A cada 2000 h / anualmente


Pela primeira vez após h /
selentes

A cada 8 h / diariamente

A cada 1000 h
A cada 100 h

A cada 500 h
Componentes hi- Verificar/repa- Consulte o ca- 50 X X1 X1 4.05.01.01
dráulicos, estan- rar tálogo de pe-
queidade ças
sobresselen-
tes
Depósito de óleo Verificar/reen- Óleo hidráuli- X 4.05.02.01
hidráulico, nível cher co
de enchimento
Óleo hidráulico Mudar/efetuar Óleo hidráuli- 500 X 4.05.02.02
análise ao co
óleo
Filtro da ventila- Substituir Consulte o ca- 500 X 4.05.02.03
ção do depósito tálogo de pe-
ças
sobresselen-
tes
Filtro de aspira- Substituir Consulte o ca- 500 X 4.05.02.03
ção de retorno tálogo de pe-
ças
sobresselen-
tes
Filtro de aspira- Substituir Consulte o ca- 500 X 4.05.02.03
ção do ventilador tálogo de pe-
viscoso ças
sobresselen-
tes
Tab. 5.28: Plano de manutenção da alimentação de óleo hidráulico

1
Respeitar os intervalos de inspeção e de substituição das mangueiras
do sistema hidráulico!

© Kleemann GmbH 2012 BAL_K017_2262729_00_PT 331


TABELAS
Plano de manutenção/Intervalos de manutenção

Sistema elétrico

Máquina/Com- Trabalhos de Material, pe- Consulte o

De acordo com a necessidade


colocação em funcionamento

A cada 200 h / mensalmente


A cada 50 h / semanalmente
ponentes manutenção ças sobres- cap.

A cada 2000 h / anualmente


Pela primeira vez após h /
selentes

A cada 8 h / diariamente

A cada 1000 h
A cada 100 h

A cada 500 h
Componentes Verificar/repa- Consulte o ca- 50 X 4.06.01
elétricos rar tálogo de pe-
ças
sobresselen-
tes
Baterias do motor Verificar/reen- Água destila- X 4.06.02.02
de arranque cher da
Armário de distri- Limpar X 4.06.03
buição,
Cabos, tomadas, Verificar/repa- Consulte o ca- 50 X 4.06.03.01
elementos de co- rar tálogo de pe-
mando e de indi- ças
cação sobresselen-
tes
Borracha de ve- Substituir Consulte o ca- X
dação das portas tálogo de pe-
do armário de dis- ças
tribuição sobresselen-
tes
Deslocamento do Verificar/ajus- X 4.06.03
armário de distri- tar
buição
Interruptor de Verificar X 4.06.03.02
proteção FI
Motores elétricos, Verificar/repa- X 4.06.04
caixas de bornes rar
Funcionamento Verificar/repa- Consulte o ca- X 4.06.05
do sistema de so- rar tálogo de pe-
brepressão, com- ças
ponentes sobresselen-
tes
Filtro preliminar Limpar X 4.06.05
de ciclone

332 BAL_K017_2262729_00_PT © Kleemann GmbH 2012


TABELAS
Plano de manutenção/Intervalos de manutenção

Máquina/Com- Trabalhos de Material, pe- Consulte o

De acordo com a necessidade


colocação em funcionamento

A cada 200 h / mensalmente


A cada 50 h / semanalmente
ponentes manutenção ças sobres-