Você está na página 1de 13

Fís.

Semana 7

Leonardo Gomes
(Arthur Vieira)

Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a


cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por
escrito. Todos os direitos reservados.
CRONOGRAMA

06/03 Lançamento
vertical e queda
livre

13:30

08/03 Exercícios de
lançamento
vertical e queda
livre

15:00

13/03 Lançamentos
horizontal e
oblíquo

13:30

15/03 Exercícios de
lançamentos no
vácuo

15:00
20/03 Cinemática vetorial

13:30

22/03 Movimento
Circular Uniforme

15:00

27/03 Transmissão de
movimento

13:30

29/03 Leis de Newton

15:00
29
Leis de mar
Newton
01. Resumo
02. Exercícios de Aula
03. Exercícios de Casa
04. Questão Contexto
RESUMO
O conceito de inércia é um conceito importante:
Força Peso todo corpo que possui massa possui inércia; inércia
É a força que o planeta (ou uma grande massa) exer- é a tendência dos corpos de se opor ao movimento.
ce sobre um corpo. No caso comum de um objeto na
Terra, a força peso é a força que a Terra faz no obje- Segunda Lei de Newton – Princípio Funda-
to, atraindo-o para o centro da Terra. mental da Dinâmica.
A força resultante sobre um corpo é diretamente
proporcional à aceleração que ele adquire.

É importante entender que se o corpo não está em


repouso ou em MRU, ele tem uma força resultante
que é igual ao produto de sua massa pela acelera-
Seu módulo é calculado pelo produto: ção resultante.

P=mg Terceira Lei de Newton – Ação e reação


Para toda ação de uma força em um corpo exis-
Dica: Na Lua, a aceleração da gravidade é menor te uma reação de igual intensidade, igual direção e
(cerca de 6 vezes menor). Na Lua os objetos pos- sentido oposto (no corpo que produziu a ação).
suem a mesma massa que na Terra, mas peso menor

35
(caem mais devagar). É preciso ressaltar que as forças de ação e reação:

✓✓ Atuam em corpos distintos;


Tração ou Tensão ✓✓ Não admitem resultante;

Fís.
Tração: força que atua em fios, cabos e cordas. Re- ✓✓ Produzem uma troca de agentes entre as forças
aliza a transmissão do movimento. Aponta do corpo (ocorre uma troca de agentes).
para a corda.

Obs.: Se o fio é ideal, ou seja, sua massa é desprezí-


vel, podemos considerar que |T’|=|T|.

Força de uma superfície


Força de contato que o plano exerce sobre o corpo
(perpendicular ao plano – normal).

Leis de Newton
Primeira Lei de Newton – Lei da Inércia
Todo corpo em repouso ou em Movimento Retilíneo
Uniforme (MRU) tende a permanecer em repouso ou
em MRU até que uma força externa atue sobre ele.
EXERCÍCIOS DE AULA
1.
(UEPA) Na parte final de seu livro Discursos e demonstrações concernentes a
duas novas ciências, publicado em 1638, Galileu Galilei trata do movimento do
projétil da seguinte maneira: “Suponhamos um corpo qualquer, lançado ao longo
de um plano horizontal, sem atrito; sabemos que esse corpo se moverá indefini-
damente ao longo desse plano, com um movimento uniforme e perpétuo, se tal
plano for limitado.”

O princípio físico com o qual se pode relacionar o trecho destacado acima é:

a) o princípio da inércia ou primeira lei de Newton.


b) o princípio fundamental da Dinâmica ou Segunda Lei de Newton.
c) o princípio da ação e reação ou terceira Lei de Newton.
d) a Lei da gravitação Universal.
e) o princípio da energia cinética

2.
Em uma manobra de atracação, uma embarcação é auxiliada por dois rebocado-
res “A” e “B”. A força de tração que cada rebocador transmite através do cabo

36
de reboque para o navio, é, respectivamente, TA = 8 kN e TB = 10 kN. O mar está
tranquilo, o motor da embarcação não está atuando, não há vento nem corren-
tes. A resultante dessas forças que atuam sobre o navio é, aproximadamente, de:

Fís.
a) 19,87 kN
b) 16,34 kN
c) 15,62 kN
d) 14,32 kN
e) 11,38 kN

3.
Dois blocos A e B, de massas respectivamente iguais a 8 kg e 6 kg, estão apoia-
dos em uma superfície horizontal e perfeitamente lisa. Uma força horizontal,
constante e de intensidade F = 7 N, é aplicada no bloco A, conforme a figura
abaixo.
Nessas condições, podemos afirmar que o bloco B adquire uma aceleração de

a) 0,50 m/s2
b) 0,87 m/s2
c) 1,16 m/s2
d) 2,00 m/s2
e) 3,12 m/s2

4.
(MACK-SP) Um corpo de 4 kg desloca-se com movimento retilíneo uniforme-
mente acelerado, apoiado sobre uma superfície horizontal e lisa, devido à ação
da força F.

A reação da superfície de apoio sobre o corpo tem intensidade 28 N. A acelera-


ção escalar desse corpo vale: (Dados: cos α = 0,8, sen α = 0,6 e g = 10 m/s2)

a) 2,3 m/s2

37
b) 4,0 m/s2
c) 6,2 m/s2
d) 7,0 m/s2
e) 8,7 m/s2

Fís.
5.
(UFRJ) Um corredor de alto desempenho parte do repouso e atinge uma veloci-
dade de 10 m/s em 2,5 s, na fase de aceleração. Suponha que a massa do corre-
dor seja de 70 kg. Calcule o módulo da força horizontal média que o piso da pista
de corridas exerce sobre o corredor nesta fase.

6.
(UFG-GO) No arranjo esquematizado na figura ao lado, o corpo de massa m1 é
ligado por um fio inextensível a uma bandeja, passando por uma polia. Sobre a
bandeja há um corpo de massa m2.

O gráfico da velocidade do corpo de massa m1, em função do tempo, é:


Despreze as forças de atrito e as massas da bandeja, fio e polia. Considere m1 =
1,0 kg, g = 10,0 m/s2 e determine:
a) a massa m2;
b) a força que a bandeja exerce sobre o corpo de massa m2.

7.
(Enem) Em um dia sem vento, ao saltar de um avião, um paraquedista cai vertical-
mente até atingir a velocidade limite. No instante em que o paraquedas é aber-
to (instante TA), ocorre a diminuição de sua velocidade de queda. Algum tempo
após a abertura do paraquedas, ele passa a ter velocidade de queda constante,
que possibilita sua aterrissagem em segurança. Que gráfico representa a força
resultante sobre o paraquedista, durante o seu movimento de queda?

a)

b)

38
c)

Fís.
d)

e)

EXERCÍCIOS PARA CASA


1.
(UFPel-RS) Aristóteles afirmava que o lugar natural do corpo é o repouso, ou seja,
quando um corpo adquire velocidade, sua tendência natural é voltar ao repouso
(daí a explicação dos antigos filósofos de que os corpos celestes deveriam ser
empurrados por anjos...). Em oposição ao que afirmava Aristóteles, Galileu ela-
borou a hipótese de que não há necessidade de forças para manter um corpo
com velocidade constante, pois uma aceleração nula está necessariamente as-
sociada a uma força resultante nula.

Com base no texto e em seus conhecimentos, considere as afirmativas abaixo.


I. Quando, sobre uma partícula, estão aplicadas diversas forças cuja resultante é
zero, ela está necessariamente em repouso (v = 0).
II. Quando, sobre uma partícula, estão aplicadas diversas forças cuja resultante é
zero, ela necessariamente está em movimento retilíneo e uniforme (v ≠ 0).
III. Quando é alterado o estado de movimento de uma partícula, a resultante das
forças exercidas sobre ela é necessariamente diferente de zero.

A(s) afirmativa(s) que se aplica(m) a qualquer sistema de referência inercial é


(são):

a) apenas a I.
b) apenas a III.
c) apenas a I e a II.
d) apenas a II e a III.
e) I, II e III.

2.
(FGV-SP) Usado para missões suborbitais de exploração do espaço, o VS-30, fo-
guete de sondagem brasileiro, possui massa total de decolagem de, aproximada-
mente, 1500 kg e seu propulsor lhe imprime uma força de 95 x 103 N. Supondo
que um desses foguetes seja lançado verticalmente em um local onde a acelera-

39
ção da gravidade tem valor 10 m/s2, desconsiderando a gradual perda de massa
devido à combustão, a aceleração imprimida ao conjunto nos instantes iniciais
de sua ascensão, relativamente ao solo, é, aproximadamente:

Fís.
a) 15 m/s2
b) 24 m/s2
c) 36 m/s2
d) 42 m/s2
e) 53 m/s2

3.
(UFF) Dois corpos, um de massa m e outro de massa 5m, estão conectados entre
si por um fio e o conjunto encontra-se originalmente em repouso, suspenso por
uma linha presa a uma haste, como mostra a figura. A linha que prende o conjun-
to à haste é queimada e o conjunto cai em queda livre.

Desprezando os efeitos da resistência do ar, indique a figura que representa cor-


retamente as forças f1 e f2 que o fio faz sobre os corpos de massa m e 5m, res-
pectivamente, durante a queda.
a)

b)

c)

d)

e)

40
4.
(FATEC-SP) Três blocos, A, B e C, deslizam sobre uma superfície horizontal cujo

Fís.
atrito com estes corpos é desprezível, puxados por uma força F de intensidade
6,0N.

A aceleração do sistema é de 0,60m/s2, e as massas de A e B são respectivamen-


te 2,0kg e 5,0kg. A massa do corpo C vale, em kg,

a) 1,0
b) 3,0
c) 5,0
d) 6,0
e) 10

5.
(UFRJ) Quando o cabo de um elevador se quebra, os freios de emergência são
acionados contra trilhos laterais, de modo que esses passam a exercer, sobre o
elevador, quatro forças verticais constantes e iguais a f, como indicado na figura.
Considere g = 10m/s².
Suponha que, numa situação como essa, a massa total do elevador seja M =
600kg e que o módulo de cada força f seja | f | = 1350N. Calcule o módulo da
aceleração com que o elevador desce sob a frenagem dessas forças.

6.
(ITA) Fazendo compras num supermercado, um estudante utiliza dois carrinhos.
Empurra o primeiro, de massa m, com uma força F, horizontal, o qual, por sua
vez, empurra outro de massa M sobre um assoalho plano e horizontal. Se o atri-
to entre os carrinhos e o assoalho puder ser desprezado, pode-se afirmar que a
força que está aplicada sobre o segundo carrinho é:

a) F
b) MF/(m + M)
c) F(m + M)/M
d) F/2
e) outra expressão diferente.

7.
(UFPel-RS) Um pescador possui um barco a vela que é utilizado para passeios tu-
rísticos. Em dias sem vento, esse pescador não conseguia realizar seus passeios.

41
Tentando superar tal dificuldade, instalou, na popa do barco, um enorme venti-
lador voltado para a vela, com o objetivo de produzir vento artificialmente. Na
primeira oportunidade em que utilizou seu invento, o pescador percebeu que o
barco não se movia como era por ele esperado. O invento não funcionou!

Fís.
A razão para o não funcionamento desse invento é que:

a) a força de ação atua na vela e a de reação, no ventilador.


b) a força de ação atua no ventilador e a de reação, na água.
c) ele viola o princípio da conservação da massa.
d) as forças que estão aplicadas no barco formam um sistema cuja resultante é
nula.
e) ele não produziu vento com velocidade suficiente para movimentar o barco.

8.
(UFPE/UFRPE) Um bloco de 1,2 kg é empurrado sobre uma superfície horizontal,
através da aplicação de uma força F, de módulo 10 N conforme indicado na fi-
gura. Calcule o módulo da força normal exercida pela superfície sobre o bloco,
em newtons.
9.
(UFPE) Um corpo de massa 25 kg está sendo içado por uma força vertical F, apli-
cada em uma corda inextensível e de massa desprezível. A corda passa através
de uma roldana de massa também desprezível, que está presa ao teto por um
cabo de aço. O cabo de aço se romperá se for submetido a uma força maior do
que 950 N. Calcule a aceleração máxima que o corpo pode atingir, em m/s2, sem
romper o cabo de aço.

QUESTÃO CONTEXTO

42
Alguns insetos podem se deslocar pendurados em gravetos. Suponha que um
desses insetos tenha massa m e esteja pendurado em um graveto horizontal,
como mostra a figura abaixo, com um ângulo θ = 30°. As seis pernas do inseto

Fís.
estão sob a mesma tensão e as seções das pernas mais próximas do corpo são
horizontais.

a) Qual é a razão entre a tensão em cada tíbia (parte dianteira da perna) e o peso
do inseto?
b) Se o inseto estica um pouco as pernas, a tensão em cada tíbia aumenta, dimi-
nui ou continua a mesma?
GABARITO
01. 03.
Exercícios para aula Questão contexto
1. a a) T/mg ≈ 0,33 b) Conforme o inseto estica as per-
2. c nas, o ângulo aumenta (chegando perto de 90°), o
3. a que faz com que o senθ aumente (chegando perto de
4. b 1) e consequentemente fazendo com que T diminua.
5. 280 N
6. a) 0,05 kg b) 0,475 N
7. b

02.
Exercícios para casa
1. b
2. e
3. e
4. b
5. 1 m/s²

43
6. b
7. d
8. 17 N

Fís.