Você está na página 1de 12

Material de estudo: Aprendizagem

baseada em problemas

É uma metodologia inovadora que valoriza o aprendizado por meio


do pensamento crítico e reflexivo; é a valorização da capacidade de
aprender e aplicar o conhecimento na solução de problemas
concretos, do cotidiano. Estes problemas a serem estudados devem
ser reais e conectados às demandas da sociedade e da ciência. Isso
promove, dentre outras coisas: integração entre educação e
pesquisa; criatividade e inovação; desenvolvimento de habilidades
de comunicação; aprendizagem efetiva; ambiente social;
habilidades de gestão. As tecnologias são amplamente usadas nesta
metodologia.

Site: Ambiente Virtual de Aprendizagem


Curso: O ensino híbrido e as metodologias ativas
Livro: Material de estudo: Aprendizagem baseada em problemas
Impresso por: Wania Soares
Data: terça-feira, 1 out 2019, 10:23

/
Sumário
Como começou?
Conceitos e fases da ABProb/PBL
Quais as vantagens oferecidas por esta metodologia?
Quais ferramentas tecnológicas podem ser usadas nesta metodologia?
Como organizar o espaço físico para trabalhar esta metodologia com os alunos?
Finalizando - Vídeo sobre ABP

/
Como começou?
A aprendizagem baseada em problemas (PBL, em inglês ou
ABProb, como é conhecida hoje) surgiu na década de 1960 na
Universidade McMaster, Canadá, e em Maastricht, na Holanda,
em Escolas de Medicina, inicialmente. 
A ABProb/PBL tem sido utilizada em várias outras áreas do
conhecimento - Administração, Arquitetura, Engenharias,
Computação - também com a denominação de Aprendizagem
Baseada em Projetos (ABP ou PBL).
A PBL tem como base de inspiração os princípios da escola ativa,
do método científico, de um ensino integrado e integrador dos
conteúdos, dos ciclos de estudo e das diferentes áreas
envolvidas, em que os alunos aprendem a aprender e se
preparam para resolver problemas relativos às suas futuras
profissões.
Em um sentido mais amplo propõe uma matriz não disciplinar ou
transdiciplinar, organizada por temas, competências e
problemas  diferentes, em níveis de complexidade crescentes,
que os estudantes deverão compreender e equacionar com
atividades em grupo e individuais. Cada um dos temas de
estudo é transformado em um problema a ser discutido em um
grupo tutorial que funciona como apoio para os estudos.

Fonte: Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda - José Moran.  Com base em:
"VIGNOCHI, C. e outros. Considerações sobre aprendizagem baseada em problemas na educação em
saúde. Rev HCPA, 2009;29(1):45-50."

O site Porvir define muito bem o que é esta


metodologia. Veja abaixo:
-Com origem em cursos de ciências da
saúde, a aprendizagem baseada em
problemas permite ao estudante aprender a
partir da resolução de questões da vida real, simulações ou estudo
de casos propostos pelo professor.  É um desdobramento da
aprendizagem baseada em projetos, que deu origem a outras
propostas semelhantes. Entre os princípios das duas abordagens
estão a valorização dos conhecimentos prévios e do papel ativo dos
/
alunos para lidar com questões interdisciplinares. No entanto, a
aprendizagem baseada em problemas costuma ser mais focada em
um tema e envolver projetos de menor duração.
Disponível em: http://porvir.org/aprendizagem-baseada-em-problemas/ 

/
Conceitos e fases da ABProb/PBL
Podemos, portanto, concluir que a aprendizagem com base em
problemas é uma metodologia inovadora que valoriza o
aprendizado por meio do pensamento crítico e reflexivo e
desenvolve a capacidade de aprender e aplicar o
conhecimento na solução de problemas concretos do
cotidiano. 
Os problemas devem ser reais e conectados às demandas da
sociedade e da ciência. Isso promove, dentre outras coisas:
integração entre educação e pesquisa; criatividade e inovação;
desenvolvimento de habilidades de comunicação etc.
Para facilitar a aplicação desta metodologia, veja abaixo as
fases que José Moran destaca em seu artigo "Metodologias
ativas para uma aprendizagem mais profunda".

Fases previstas e utilizadas:


Fase I: 
-Identificação do(s) problema(s)
-Formulação de hipóteses
-Solicitação de dados adicionais
-Identificação de temas de aprendizagem
-Elaboração do cronograma de aprendizagem
-Estudo independente

Fase II: 

-Retorno ao problema 
-Crítica e aplicação das novas informações
-Solicitação de dados adicionais 
-Redefinição do problema 
-Reformulação de hipóteses 
-Identificação de novos temas de aprendizagem 
-Anotação das fontes

Fase III: 
-Retorno ao processo 
-Síntese da aprendizagem 
-Avaliação
Fonte: Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda - José Moran. Com base na
publicação: WETZEL, M. An update on problem based learning at Harvard Medical School. Ann Com
Orient Educ.1994;7:237-47

/
Assista ao vídeo abaixo e compreenda melhor esta metodologia.

PBL: um Novo modelo de Aprendizagem - FGV/EESP

/
Quais as vantagens oferecidas por esta
metodologia?
Como é comum acontecer nas metodologias ativas, o professor
assume um papel de mediador, de tutor da aprendizagem,
enquanto o estudante assume o papel de protagonista. Outra
vantagem importante é que o problema passa a ser motivador e
integrador do conhecimento. Também estimula o pensamento
prático em relação às questões cotidianas e desenvolve a
capacidade de avaliação de situações.
Por que usar? Destacamos abaixo um trecho do
site  https://educacaocientifica.com que apresenta características
que demonstram a eficiência do método de resolução de
problemas. Veja abaixo:

-Provoca a motivação;
-Promove o conhecimento de novas áreas do saber;
-Estimula a criatividade;
-Impulsiona o pensamento crítico;
-Fomenta as capacidades de análise, decisão e
síntese;
-Desenvolve as capacidades e competências de
trabalhar em grupo e de gestão de stress.
-Trabalha com estrutura do pensamento lógico como análise,
justificativa, argumentação e estruturação do conhecimento.

/
Quais ferramentas tecnológicas podem ser
usadas nesta metodologia?
Uma etapa importante desta metodologia é a construção de Mapas
Mentais e existem bons aplicativos online e off-line. Para a criação de
grupos, podem ser usadas as ferramentas Teams/Microsoft –
Classroom/Google e redes sociais como o Facebook e o WhatsApp.
Veja abaixo as sugestões:

                      https://blog.lahar.com.br/marketing-digital/principais-ferramentas-de-marketing-digital/

Sugestões de ferramentas digitais


Microsoft
Bem-vindo ao Microsoft Teams
Introdução a equipes e canais em Microsoft Teams
Aprenda com os especialistas (noções básicas do Office 365)
Google
Sobre o Google Sala de aula
6 ferramentas do Google Sala de Aula que vão incrementar sua aula
Usar o Google para Educação
Mapas conceituais 
MindNode 
FREE MIND /
FREE PLANE
Resultado Resultado
WhatsApp de de
imagem
Os grupos de WhatsApp imagem
e a escola
para para
Como usar o WhatsApp na escola?
google google
Facebook fundo classroom
transparentefundo
Conheça 100 maneiras de utilizar o Facebook em sala de aula
transparente
Estimule o contato com programas autorais e colaborativos, bons exemplos,
são Movie Maker, Audacity e Gimp  que permitem realizar diversos tipos de
trabalho, além de serem gratuitos.

/
Como organizar o espaço físico para
trabalhar esta metodologia com os alunos?
É necessário que haja um espaço físico favorável à formação de
grupos entre os alunos, favorecendo o diálogo, o estudo em grupos e
a discussão.

Destacamos abaixo alguns arranjos de como a sala de aula pode ser


organizada. A imagem foi retirada do site do Porvir. Confira a
reportagem completa, clicando aqui.
Lembre-se que os espaços de aprendizagem podem ser estendidos
para fora da sala de aula.

/
/
Finalizando - Vídeo sobre ABP
Para concluir este capítulo assista ao vídeo abaixo sobre a ABP e
após a leitura prossiga nos estudos:

Aprendizagem Baseada em Problema - ABP De nições e Conceitos

Seguir para: 
Material de estudo: Gami cação