Você está na página 1de 2

Gabarito comentado do

Fascículo 07
Questão 01 O fragmento faz parte da coletânea de textos que
idealizam o índio e seu comportamento de bravo
Letra E. guerreiro, exaltando valores de sua personalidade,
Em I, lembremos que o surrealismo expõe tanto em destacando, portanto, aspectos de uma dada cultura
literatura como em pintura a projeção do mundo de num determinado momento de nossa história.
sonhos, o reflexo da imaginação; em II, o inesperado,
o inusitado, o que tira o leitor-espectador da inércia
são as imagens articuladas; em III, o incoerente do Questão 06
amanhecer à noite tem seu correspondente nas Letra E.
imagens inverossímeis da gravura. Nessa questão, a competência diz respeito a elaborar
propostas, confrontando interpretações diversas de
Questão 02 situação de caráter histórico.
Letra C. Justifica-se a resposta apresentada pelo trecho final do
Não há ironia na mensagem textual, já que o eu primeiro texto que se identifica com todo o segundo
lírico faz o relato comovente de uma cena cujo fato texto: um posicionamento de conciliação.
motivador foi o ciúme que a levou à agressividade e
não haveria espaço, diante disto, para a preocupação Questão 07
em difamar o marido e a amante de outra maneira
que não fosse a ação intempestiva. Letra A.
Nessa questão, a banca examinadora verifica se o
candidato possui a competência para dominar linguagens.
Questão 03 No texto em estudo, o autor, a partir de um metatexto,
Letra E. explicita a verdadeira função do discurso de sua obra.
As obra do pintor Cândido Portinari e o poema de A resposta pode ser justificada pelo entendimento
Mário Quintana tematizam a infância, momento da que se consegue obter dos trechos em negrito e as
vida que as artes souberam para ela lançar um olhar explicações que se seguem. Faz uso daquilo que dispõe,
de carinho e paixão, inscrevendo essas manifestações direcionado ao tema; seleciona assuntos de relevância
na galeria da fuga para um passado de felicidade, que regional; restringe o tipo de leitor que, desatento ao
nas gravuras se apresentam a partir das brincadeiras tema, vai estar alertado para o problema abordado.
de pular carniça e soltar pipa e no poema o desejo,
voltar a ser criança, expresso na idéia de querer os
brinquedos de volta. A brincadeira é puro ludismo. Questão 08
Letra E.
Questão 04 Nessa questão, buscou a banca examinadora avaliar
a capacidade de o candidato elaborar proposta
Letra D. e compreender a posição crítica na linha de um
A linguagem de pormenores e enumerativa colocam texto literário.
o leitor diante de um texto descritivo em que traços Quando no enunciado se diz que “o autor elabora críticas
físicos da personagem estão em destaque através do
e propostas”, o fato pode ser reconhecido em dois
uso de adjetivos que vão construindo a mulher em
momentos do texto, delimitados pela linha pontilhada
forma de heroína.
utilizada com a finalidade de informar a omissão de
passagem do texto. No primeiro momento, o poeta
Questão 05 critica as poéticas que fazem do rigor formal a sua
Letra D. obsessão literária (“Estou farto”); no segundo, propõe
um conduta poética de liberdade criativa (“quero”).


Questão 09
Letra B.
O narrador se faz presunçoso, ao se comparar com o profeta bíblico Moisés, indo mais além: julga seu escrito,
sua narrativa, superior à do Pentateuco, que são os cinco primeiros livros do Velho Testamento, cuja autoria é
atribuída a Moisés. Diz que o seu livro é mais “galante” que a narrativa bíblica.

Questão 10
Letra B.
Brás Cubas comprova esta resposta textualmente: “Moisés, que também contou a sua morte, não a pôs no
intróito, mas no cabo: a diferença radical entre este livro e o Pentateuco.”

Questão 11
Letra C.
Caso o narrador iniciasse sua narrativa pelo seu nascimento, segundo ele próprio declara, este seria um
procedimento vulgar, como o de qualquer escritor que já tenha morrido, ou seja, um autor defunto. Contudo,
por crer que a história se tornaria mais atraente e inédita, começou-a por sua morte, revelando a vaidade de
um indivíduo comum, apesar de ser um defunto autor, isto é, um defunto que escreveu seu livro depois de
morto.