Você está na página 1de 12

022 - Sermão de S. Roque https://www.literaturabrasileira.ufsc.br/documentos/?action=down...

LITERATURA BRASILEIRA
Textos literários em meio eletrônico
Sermão de S. Roque, do Padre António Vieira

Edição de Referência:
Sermões, Padre Antônio Vieira, Erechim: Edelbra, 1998.

SERMÃO DE S. ROQUE
PREGADO NA CAPELA REAL, ANO DE 1659, HAVENDO PESTE NO
REINO DE ALGARVE

Beati sunt servi illi, quos, cum venerit dominus, invenerit vigilantes: quod si
venerit in secunda vigilia, et si in tertia vigilia venerit, et ita invenerit, beati
sunt servi

§I

São Roque, servo da segunda e da terceira vigia, duas vezes bem-aventurado


nas vozes do Evangelho, e quatro vezes desgraciado nos sucessos e tragédias da
vida.

Se há bem-aventurança nesta vida, os servos de Deus a gozam, e se há duas bem-


aventuranças, também as gozam os servos de Deus, porque as gozam os que são mais
seus servos. Duas diferenças de servos vigilantes introduz Cristo na parábola deste
Evangelho. Há uns servos que vigiam nas horas menos dificultosas e arriscarias, ou sejam
da noite ou do dia, e a estes chama o Senhor servos bem-aventurados: Beati sunt
servi illi, quos cum venerit Dominus, invenerit vigilantes. Há outros servos que
vigiam na segunda e terceira vigia da noite, que são as horas ou os quartos de maior
escuro e de maior sono, de maior trabalho e de maior dificuldade, de maior perigo e de
maior confiança, e a estes servos, sobre a primeira bem-aventurança, os chama o
Senhor outra vez bem-aventurados: Quod si venerit in secunda vigilia, quod si in tertia
vigilia venerit, beatti sunt servi illi[1]. Aquele grande servo de Cristo,

cujas gloriosas vigilâncias hoje celebramos, S. Roque, não há dúvida que foi servo da
segunda e terceira vigia Nenhum vigiou, nenhum aturou, nenhum resistiu, nenhum
perseverou, nenhum esteve nunca mais alerta e com os olhos mais abertos, nem no mais
alto e profundo da noite, nem em noites mais escuras e mais cerradas. Mas quando eu,
segundo a regra e promessa do Evangelho, esperava ver a S. Roque duas vezes bem-
aventurado por estas vigilâncias, em lugar de o ver duas vezes bem-aventurado, acho-o
não só duas vezes, senão quatro vezes desgraciado. Desgraciado com os parentes, e
desgraciado com os naturais; desgraciado com as enfermidades, é desgraciado com os
remédios. Se as bem-aventuranças e felicidades prometidas no Evangelho foram só
felicidades e bem-aventuranças da outra vida, fácil estava a soltura desta admiração;
mas Cristo não promete só àqueles servos que serão bem-aventurados e felizes na

1 of 20 16/06/20 14:52
022 - Sermão de S. Roque https://www.literaturabrasileira.ufsc.br/documentos/?action=down...

patentes, tão súbitos? Parecia-me a mim que se haviam de levantar todos, e irem-
se lançar aos pés de Cristo; mas o que fizeram foi o contrário: Iniecerunt manus in
Jesum, et tenuerunt eum (Mt. 26, 50). Em vez de se lhe lançarem aos pés, puseram-
lhe as mãos e prenderam-no. Vede se se parece a prisão de S. Roque com a de Cristo;
a ambos não valeram os milagres contra as prisões. Cristo milagroso e S. Roque
milagroso, mas Cristo preso e S. Roque preso.

Ainda não está descoberto o mais fino da semelhança. Se Cristo com uma
palavra: Ego sum: eu sou, faz cair de repente a seus pés todos os que o queriam
prender, por que se deixa ir preso? E se queria – como é certo que queria – que o
prendessem, por que faz que caiam primeiro a seus pés com dizer: eu sou? A razão
foi porque nos quis Cristo mostrar quanto tinha de fineza o deixar-se prender por nós.
Deixar-se prender um homem, ainda que seja inocente, não é coisa nova.; mas um
homem, que com dizer: eu sou, pode fazer cair a seus pés os mesmos que o prendem,
que se deixe prender contudo por amor de outrem, grande fineza! Tal foi a de
Cristo, tal foi a de S. Roque. Prenderam a S. Roque seus próprios vassalos, na sua
própria cidade, porque, como deixamos dito, vinha tão mudado de trajos, e ainda
de pessoa, que o não conheceram. Se S. Roque se descobrira, se S. Roque dissera:
Ego sum: Eu sou, os mesmos que o prenderam, haviam de cair a seus pés e beijar-lhe
a mão, como a seu verdadeiro senhor. E que podendo S. Roque fazer cair a seus pés
os mesmos que o prendiam com dizer: eu sou, se deixasse prender contudo, por
amorde Cristo? Fineza foi só como de Cristo e como sua. Muitos santos houve que esti-
veram presos muitos anos por amor de Cristo, mas a prisão e a liberdade estavam na
mão dos tiranos; porém S. Roque esteve preso quase todos os anos da vida,
tendo a prisão e a liberdade na sua mão.

Na vida dos Padres se conta que um santo penitente se prendeu em um deserto a uma
cadeia, e, para se não poder soltarem toda a vida, lançou a chave ao mar; ao outro
dia saiu à praia um peixe com a chave na boca, e foi revelado ao santo que mais
se agradaria Deus de que se deixasse estar preso tendo a chave na mão. Esse é o
verdadeiro sacrifício da liberdade. Prender-se e lançar a chave ao mar, é prender-
se uma vez; prender-se e deixar as chaves consigo, é estar-se prendendo sempre. Eis
aqui a diferença que fazem as cadeias de São Roque às cadeias de S. Pedro e dos
outros santos. S. Pedro esteve preso alguns dias, mas a chave estava na mão
de Herodes. José esteve preso dois anos, mas a chave estava na mão de Faraó.
Porém S. Roque esteve preso toda a vida, e tinha a chave na sua mão. Bastara
dizer S. Roque: eu sou, para trocar o cárcere com o palácio, os ferros com as
jóias, a infâmia com a honra, as injúrias com os aplausos, as afrontas com as
aclamações, e contudo não quis dizer: Eu sou. Com outro eu sou, no Egito: Ego
sum Joseph, frater vester[6], se trocaram aos irmãos de José as tristezas em festas, as
fomes em banquetes, os temores em parabéns, e as prisões em abraços. Mas S.
Roque, no escuro teatro da sua prisão, quis antes representar a tragédia de
Cristo, que a comédia de José, e não disse: eu sou, porque não queria ser ele,
queria ser Cristo por viva imitação, e assim o foi. E quem foi tão venturoso, que,
sendo servo, se pareceu com seu Senhor, não se diga que é desgraciado, senão
bem-aventurado: Beati sunt servi illi.

§V

A terceira desgraça de S. Roque: ser desgraciado com as enfermidades. Trata

10 of 20 16/06/20 14:59
022 - Sermão de S. Roque https://www.literaturabrasileira.ufsc.br/documentos/?action=down...

primeiro o autor da desgraça dos remédios. Os fabricadores da Arca de Noé, os mais


desgraciados homens do mundo. O temor de S. Paulo. S. Roque em remediar aos
outros e morrer sem remédio, se pareceu com Cristo morto. Cristo morto com o
remédio em que dava a vida a todos, pregado nos braços; Roque morto com o
remédio em que dava a vida a todos, formado nas mãos.

A terceira desgraça de S. Roque foi ser desgraciado com as enfermidades; mas


haveis-me de dar licença para que troque o lugar a esta desgraça e a deixe para o
fim, porque quero acabar com ela, como tão própria de tempo presente, e por isso
abreviarei este ponto. Primeiro trataremos da desgraça dos remédios; depois
falaremos na desgraça das enfermidades. E provera a Deus que fizera o vosso cuida-
do o que agora faz o meu discurso, porque primeiro se padecem as enfermidades, e
depois se trata dos remédios: por isso, são os remédios desgraciados.

Foi S. Roque desgraciado com os remédios, porque curando milagrosamente a todos


os apestados, ele morreu de peste. Pode haver maior desgraça que esta? Que, dando
um homem remédio aos outros, lhe falte o mesmo remédio para si? Não pode haver
maior desgraça! A maior e mais geral desgraça que se padeceu no mundo foi o
dilúvio universal: mas se nesta desgraça comum houve homens mais mofinos e mais
desgraciados que os outros, quem pode duvidar que foram os fabricadores da Arca de
Noé? Tantos anos estiveram estes homens fabricando aquela nova máquina nunca
vista no mundo, em que se haviam de salvar as relíquias dele, já cortando, já
serrando, já lavrando, já medindo, já ajustando, já pregando, já calafetando, já
breando, e que no cabo entrassem na arca Noé e seus filhos, e os animais de todas as
espécies, e se salvassem nela do dilúvio, e que os mesmos que a tinham fabricado,
ficassem de fora e perecessem afogados? Brava desgraça! Que fabricássemos nós o
instrumento da salvação para os outros, e que eles se salvem, e nós pereçamos? Que
a arca fosse trabalho nosso, e não seja salvação nossa, senão sua? Que à custa de
nosso suor e de nossos braços se salvem eles, e que à vista da sua salvação nos
percamos nós? Oh! desgraça! Oh! mofina! Oh! desventura sem igual! Agora se
entenderá a energia de umas palavras de S. Paulo, muito repetidas, mas não sei se
bem pesadas: Castigo corpus meum, et in servitutem redigo, ne cum aliis
praedicaverim, ipse reprobus efficiar (1 Cor. 9, 27): Faço penitência, diz S. Paulo, para
que pregando aos outros, não me condene a mim. – Reparai muito naquele: para que
pregando aos outros.

A razão de não se querer condenar um homem é tão cabal, que não há mister ajudada
de outra. Pois se S. Paulo dá por razão a sua penitência o não se querer condenar,
por que acrescenta a circunstância de ser pregador: Ne cum aliis praedicaverim?
Irem ao inferno os que não são pregadores, é pequena miséria? Grande miséria é,
mas em gênero de desgraça é muito menor. A maior desgraça de todas é não se
salvar um homem; mas não se salvar um homem que tem por exercício salvar aos
outros, ainda é maior desgraça que a maior de todas as desgraças. E tal seria a de
Paulo se sendo pregador e ministro da salvação dos outros, ele se não salvasse. Oh!
quantos desgraciados há destes no mundo, em todos os estados! Quantos prelados
há que curam as almas das ovelhas, e têm enfermas as suas! Quantos governadores
que guiam e encaminham os povos, e eles se desgovernam e desencaminham!
Quantos conselheiros que dão muito bons conselhos aos outros, e eles perdidos e
desaconselhados! Cai-fás era Sumo Sacerdote: ensinou o remédio com que se havia
de salvar o mundo, e ele ficou sem remédio. Moisés era governador do povo de
Deus: introduziu as tribos na Terra de Promissão, e ele ficou de fora. Aquitofel era o

11 of 20 16/06/20 14:59
022 - Sermão de S. Roque https://www.literaturabrasileira.ufsc.br/documentos/?action=down...

melhor conselheiro daquela idade, e, vivendo tantos príncipes do seu conselho, ele foi
tão mal-aconselhado, que se matou com o seu. Oh! que grande desgraça esta! Todos
a dar remédios a tudo, e ninguém a tomar remédio. Não só nos homens, em que as
desgraças são conseqüência dos vícios, mas até nas mesmas virtudes acho esta
desgraça. Que maior virtude que a fé? Sem fé ninguém se pode salvar; mas em todos
os que se salvam se perde a fé, porque se não pode conservar com a vista. Que não
possa haver céu sem fé, e que não possa haver fé no céu? Virtude que mete aos
outros no céu, e fica de fora? Virtude que salva aos outros, e se perde a si? – Se nas
virtudes pode haver desgraça – desgraciada virtude! Tal era a virtude milagrosa de S.
Roque: dava remédio aos outros, e ele morreu sem remédio. Mas, sendo esta
desgraça tão grande, diz contudo o evangelista que foi bem-aventurado S. Roque:
Beati sunt servi illi, porque em remediar aos outros e morrer sem remédio, se pareceu
S. Roque com Cristo morto.

A morte de Cristo foi remédio nosso, mas não foi remédio seu. Remediou-nos Cristo a
nós, porque nos deu a vida, mas não se remediou a si, porque morreu. Esta foi a
maior fineza do Salvador do mundo, nem ponderada dos homens, porém muito mal-
entendida, e pior aplicada. Quando Cristo estava para expirar na cruz, blasfemavam os
príncipes dos sacerdotes, e diziam: Alios salvos fecit: se ipsum non potest salvos
facere (Mt. 27, 42): Salvou aos outros, e a si não se pôde salvar: – Grande
blasfêmia contra Cristo, mas grande louvor da paciência, da misericórdia e da caridade
de Cristo. Em dizerem que não podia, blasfemavam; mas em dizerem que salvando
aos outros – como salvou a tantos da morte – não se salvava a si, diziam o maior
louvor e a maior glória do mesmo Salvador e do soberano modo com que salvava. A
mais gloriosa fineza e a mais fidalga soberania de quem dá a saúde e vida a outros,
é não a tomar para si; antes dar-lha à custa da sua. Isto é o que fez Cristo, e esta
foi a maior ação de um homem que juntamente era Deus. Oh! divino Roque!
Quão bem vos puderam blasfemar os judeus, e quão justamente vos devemos
louvar nós. Curava S. Roque milagrosamente a todos os feridos da peste, e quando
o mundo o viu ferido do mesmo mal, cuidavam todos que ele se salvaria também a
si, discorrendo com o mau ladrão: Salva temetipsum, et nos[7]; porém o santo,
como verdadeiro imitador de Cristo na morte, salvou aos outros, e a si não se
salvou: Alios salvos fecit, se ipsum non potest salvum facere.

Tornemos àquele non potest, que, bem examinado, ainda contém outro maior
primor da semelhança de S. Roque com Cristo. Cristo absolutamente pudera dar a
vida ao gênero humano sem morrer; mas condicionalmente, não podia. E neste
sentido era verdadeira a proposição dos príncipes dos sacerdotes, posto que eles a
não entendiam. Porque, suposto o decreto divino, tantas vezes declarado pelos
profetas, de que o Filho de Deus morresse para salvar aos homens, não podia
deixar de morrer. Pois assim como, suposto o decreto de que Cristo havia de
salvar o mundo por meio da morte de cruz, não podia deixar de morrer Cristo,
assim, suposto o favor – que também foi decreto – de que S. Roque imitasse a
Cristo na semelhança da sua morte, não podia deixar de morrer S. Roque. Cristo,
dando a vida aos demais por meio da cruz, mas morrendo ele, e S. Roque também,
dando a vida aos outros, e também por meio da cruz, e morrendo ele também.

O modo com que S. Roque sarava aos apestados, era fazendo sobre eles o sinal
da cruz. E esta cruz, assim para com os outros como para consigo, foi em tudo a
mais parecida com a cruz de Cristo. A cruz de Cristo, como instrumento da nossa
vida e da sua morte, se bem advertirmos, tinha direito e avesso. Para fora dava

12 of 20 16/06/20 14:59
022 - Sermão de S. Roque https://www.literaturabrasileira.ufsc.br/documentos/?action=down...

vida, para dentro deixava morrer; para fora dava vida, porque a cruz foi a árvore da
vida de todo o gênero humano; para dentro deixava morrer, porque em seus próprios
braços expirou e morreu Cristo. Tal a cruz, ou o sinal da cruz milagroso que formava
sobre os apestados a mão de Roque. Nenhum sinal da cruz se viu nunca no céu ou
na terra, nem mais semelhante nem mais sinal que este. Para fora dava vida, porque a
todas sarava do mortalíssimo mal da peste, e para dentro deixava morrer, porque
morreu S. Roque do mesmo mal. Cristo morto com o remédio, em que dava a vida a
todos, pregado nos braços; Roque morto com o remédio, em que dava a vida a todos,
formado nas mãos. E servo, que morrendo se pareceu tão vivamente a seu Senhor,
vede se merece o nome que lhe dá o Evangelho de bem-aventurado: Beati sunt servi
illi.

§ VI

A última desgraça de S. Roque: ser enfermo, e de peste. Primeira razão por que a
peste é o pior dos males: porque faz do ar, elemento da vida, elemento de
morte. A maldição de Davi contra Judas. Os laços da mesa de que fala o profeta.
Segunda razão: mal, em que o dizer: estai comigo, é querer mal, e o dizer: fugi de
mim, é querer bem. As últimas palavras da esposa dos Cantares ao esposo. Os
horrores da peste nas cidades, e a peste do reinado de Davi. Um apelido injurioso: S.
Roque, como Cristo crucificado, peste da peste: A ameaça de Cristo pela boca do
profeta Oséias. Por que quis Cristo morrer no ar e ao ar? Cristo crucificado e o contágio
da saúde. Milagres de S. Roque durante a peste de Constância. A imagem de S.
Roque e o contágio divino da sombra de S. Pedro.

Somos chegados à última desgraça de S. Roque, que reservei para este lugar para
que nos fique mais na memória, porque nos nossos pecados, não só a devemos
considerar de longe, como desgraça sua, senão de perto e de dentro, conto desgraça
também nossa. Ardendo está em peste o Reino do Algarve, e, se der um passo adiante
o incêndio, que será de Portugal? Assim como foi S. Roque desgraciado com os
remédios, foi também, e já tinha sido, desgraciado com as enfermidades. Padecer
alguma enfermidade, parece que é conseqüência de ser mortal, e assim mais se
deve chamar natureza, que desgraça. Contudo não deixa de ser desgraça, e notável
desgraça, que, havendo um homem de padecer a miséria de enfermo, vá logo topar
com a pior - enfermidade, e a mais terrível de todas. Assim lhe aconteceu a S. Roque:
enfermou, e enfermou de peste. E entre as misérias, que fazem tão terrível, tão
temido e tão aborrecido o mal da peste, duas são as que a mim me causam maior
horror. A primeira, ser a peste um mal que do elemento da vida nos faz o
instrumento da morte. O elemento da vida é o ar com que respiramos; a peste é esse
mesmo ar corrupto e infeccionado. E que haja um homem de beber o veneno na
respiração? Que a respiração, que é o elemento e o alimento da vida, se lhe haja de
converter em instrumento da morte? Grande rigor! Expirar é morrer, respirar é viver:
e que morra um homem expirando, isso é morte; mas morrer respirando? Que mate
o que me havia de dar vida? Bravo tormento!

Lança uma maldição Davi contra Judas e seus sequazes, e diz assim, falando com
Deus: Fiat mensa eorum in laqueum (SI. 22, 5): Já que esse infame discípulo é tão
ingrato, tão desleal, tão traidor, permita vossa infinita justiça, Senhor, que a ele e
aos que forem como ele, da mesa se lhe faça o laço: Fiat mensa eorum in laqueum.
Não reparo em o laço se poder fazer da mesa, porque tudo o que afoga é laço. Noutra

13 of 20 16/06/20 14:59
022 - Sermão de S. Roque https://www.literaturabrasileira.ufsc.br/documentos/?action=down...

maldição semelhante tinha dito o mesmo Davi: Pluet super peccatores laqueos (SI.
10, 7): Que choveria Deus laços sobre os pecadores. – Quantas coisas há que parecem
vindas do céu, e são laços! Uns tece o demônio, outros apertam os homens, outros
chove Deus. Que foi o dilúvio universal senão laços chovidos? Com aquela água cho-
vida do céu, se afogou o mundo. E se há laços que se bebem, por que não haverá
laços que se comam? Estes são os de que fala Davi: Fiat mensa eorum in laqueum.
Mas já que há tantos gêneros de laços, por que deseja o zeloso e justiceiro rei que o
laço com que se afogue Judas seja laço feito da mesa? Porque a mesa é o
instrumento natural da vida, e perder a vida pelos instrumentos da vida é o mais
terrível gênero de morte que se pode imaginar. Formar um laço de cordas, apertar com
ele a garganta, fechar a respiração, e matar entre portas a vida, rigor é de morrer
trabalhoso, violento, angustiado, terrível, mas alfim é padecer a morte pelos
instrumentos da morte; mas assentar-se à mesa para alentar, para sustentar, para
recrear a vida, e que o mesmo bocado que meto na boca se me converta em laço na
garganta, muito maior rigor, muito maior violência, muito maior tormento, muito maior
horror é este de morte, porque é perder a vida pelos instrumentos da vida. Perder a
vida pelos instrumentos da vida e converter-se a mesa em laço, é morrer morte
traidora. O bocado que me mata é traidor, porque, com pretexto de me sustentar a
vida, ma tira. E um traidor como Judas, era bem que o matasse uma morte também
traidora: Osculum tradis Filium hominis[8]? Entregaste com um beijo, morrerás com
um bocado. Finalmente, como a maldade de Judas merecia ser castigada com a mais
cruel de todas as mortes, por isso desejava e pedia Davi que o laço se lhe fizesse da
mesa, e não das cordas, porque muito mais cruel gênero de morte é padecer a morte
pelos instrumentos da vida que perder a vida pelos instrumentos da morte. Assim o
desejava Davi, mas muito melhor o executou Judas. Davi desejava que a mesa se lhe
convertesse em laço, e Judas executou em si uma morte com o laço, e outra morte
com a mesa: uma morte com o laço, porque se enforcou; outra morte com a mesa,
porque comungou em pecado. Matou Judas o seu corpo, e matou a sua alma, mas
muito mais cruel verdugo foi com a sua alma que com o seu corpo, porque, ao corpo,
deu-lhe a morte com o instrumento da morte: Laqueo se suspendit[9], e, à alma,
deu-lhe a morte com o instrumento da vida: Qui manducat hunc panem, vivet [10]. E
morrer às mãos da vida, oh! que desgraça! Não aplico, por não gastar dois tempos em
uma coisa.

Vamos à segunda. A segunda razão ou miséria por que tenho pelo mais desgraçado
de todos os males a peste, é porque nas outras enfermidades o maior benefício que
vos pode fazer quem vos ama, é estar convosco; na peste, a maior consolação que
vos pode dar quem amais é fugir de vós. Mal em que o dizer: estai comigo, é querer
mal, e o dizer: fugi de mim, é querer bem. Grande mal! Se a peste não fora
enfermidade mortal, só por isso matara. Acaba o último capítulo dos Cantares, falando
a esposa com o esposo, e diz assim: Fuge, dilecte mi (Cânt. 8, 14): Fugi, amado meu.
– Estas foram as últimas palavras que disse a esposa; com estas se lhe acabou a vida,
e se acaba a história. O que reparo aqui é que não nos diga o texto de que morreu a
esposa, sendo que, em todo o discurso de sua vida, teve bastantes causas que lha
pudessem tirar. Primeiramente a esposa esteve enferma duas vezes, e de
enfermidade perigosa: Quia amore langueo[11]. Andou nos perigos da guerra com
seu esposo: Equitatui meo in curribus Pharaonis, assimilavi te, amica meã[12].
Roubaram-na e feriram-na os soldados dos muros: Percusserunt me, et tulerunt
pallium meum custodes murorum[13]. Viu-se por vezes maltratada de seu esposo, e
porventura desprezada: Surrexit, ut aperirem dilecto at ipse declinaverat, atque
transierat[14]. Pois se a esposa era tão forte contra os trabalhos do corpo e contra as

14 of 20 16/06/20 14:52
022 - Sermão de S. Roque https://www.literaturabrasileira.ufsc.br/documentos/?action=down...

moléstias da alma, se esteve duas vezes enferma e viveu, se a feriram e sarou, se foi à
guerra e tomou com vida, se se viu desquerida e desprezada e teve constância, que mal foi
este agora tão grande a que não pôde resistir e a matou com as palavras na boca? As
mesmas palavras o dizem: Fuge, dilecte mi: Fugi, amado meu. – Viu-se a esposa em
estado – qualquer que ele fosse – que foi forçoso dizer a seu amado, que fugisse dela:
Fuge, dilecte mi; e quem se vê em tão miserável estado, que lhe é forçoso dizer a quem
mais ama, fugi de mim, não lhe perguntem de que morre: esse mal a matou. Grandes
males são as enfermidades, as feridas, as guerras, os desgostos, os desprezos, os temores,
e outros que a esposa padeceu e se padecem no mundo; mas mal em que é forçoso dizer aos
que mais amais que fujam de vós, esse é o maior mal de todos os males, esse é o que acaba
o valor na maior paciência, esse é o que tira a vida na maior constância. Tal é o mal da
peste. Um mal em que haveis de dizer aos que mais amais e vos amam: fugi de mim.

Não sei maior encarecimento da peste, enquanto mal particular e enfermidade de


um homem, como era em S. Roque, mas enquanto mal comum e enfermidade das
cidades, das províncias, dos reinos; quem poderá bastantemente considerar, nem
compreender as infelicidades, as misérias, as lástimas, os horrores, que em si contém a
desgraça geral de uma peste? Os portos e as barras fechadas, e os navegantes
alongando-se ao mar, e não só fugindo da costa, mas ainda dos ventos dela; os
caminhos por terra tomados com severíssimas guardas; o comércio e a comunicação
humana totalmente impedida; as ruas desertas e cobertas de erva e mato, como nos
contavam e viram nossos maiores, nesta mesma cidade de Lisboa; as portas
trancadas com travessas e almagradas; as sepulturas sempre abertas, não já nas igre-
jas, nem nos adros, senão nos campos, e talvez caindo nessas sepulturas, mortos, os
mesmos vivos que levam a enterrar os outros defuntos; a fazenda adquirida com
tanto trabalho, guardada com tanta avareza, estimada com tanta cobiça, já desprezada,
e já lançada ou alijada, como na extrema tempestade, não à água, senão ao fogo, e
vendo-se arder sem dor; o amor natural do sangue – como todo o outro amor – ou
atônito, ou esquecido; os irmãos fugindo dos irmãos, os pais fugindo dos filhos, os
maridos fugindo das mulheres, e todos querendo fugir de si mesmos, mas não po-
dendo, porque a saída é indispensavelmente vedada e impossível. A razão e a piedade
têm ali cruelmente presos e sitiados os miseráveis, para que se matem antes a pé
quedo entre si, e não saiam a matar os outros; mas, oh! que dor! oh! que angústia!
oh! que aflição! oh! que ânsia! oh! que violência! oh! que desesperação tão mortal! E
nem ainda para cuidarem os homens, ou pasmarem deste seu estado, lhes dá tempo
nem lugar a morte. Em seis horas matou a peste de Davi setenta mil de um povo. Vede
em tal horror, e tão súbito, se haveria homem que estivesse dentro em si, e se
estariam tão mortos em pé os mesmos vivos como os que caíam mortos? Isto que
digo, cristãos, ou isto que não sei dizer, praza a Deus que o ouçamos somente, e que o
não vejamos nem experimentemos. Mas do Algarve a Portugal é menos que de
Tânger ao Algarve, e não há tanto mar nem tantos ventos em meio.

As diligências, as vigias, as cautelas que se fazem contra este mal tão vizinho, são
muito prudentes, muito devidas, muito necessárias, mas contra os golpes da espada do
céu valem pouco os reparos da terra. No meio do destroço ou carniceria que ia fazendo a
peste de Davi no mal contado povo de Israel, pôs os olhos no céu o lastimado e
lastimoso rei, e viu um anjo com a espada desembainhada e escorrendo sangue, que já
ameaçava o golpe sobre a corte de Jerusalém. Ah! se Deus nos abrisse agora os olhos,
como é certo que havíamos de vera mesma espada goteando já sangue nosso, e
ameaçando mais sangue e maior golpe sobre Lisboa e sobre Portugal! O pecado por que
Deus castigou com aquela horrenda peste a Davi, comparado com os nossos pecados,

15 of 20 16/06/20 14:52
022 - Sermão de S. Roque https://www.literaturabrasileira.ufsc.br/documentos/?action=down...

pode-se chamar inocência; mas então não tinha Jerusalém, nem tinha Israel um S.
Roque, como hoje tem Lisboa e Portugal, que tivesse mão a Deus no braço da espada. Os
grandes males pedem grandes remédios, e um mal tamanho, como o da peste, só o
podia remediar um tamanho santo, como São Roque. Canonizado está São Roque no
mundo com o nome de Advogado da peste, mas a mim me parece muito vulgar esse
nome, e muito desigual à grandeza de seus poderes, e aos efeitos prodigiosos de sua
virtude. Só um nome acho igual à virtude de São Roque, e é chamar-lhe peste da
peste. Parece-vos injuriosa a novidade do apelido? Ora, para que conheçais a grande
glória desta injúria, sabei com maior admiração que foi São Roque peste da peste, para
ser semelhante a Cristo crucificado. É a quarta semelhança que nos faltava, para
beatificar a quarta e última desgraça de São Roque: Beati sunt servi illi.

Muitos séculos antes de Cristo ser pregado na cruz, mandou publicar para aquele tempo
ou uma sentença ou uma ameaça contra a peste, dizendo assim pelo profeta Oséias:

- Ero pestis tua, o pestis (Os. 13, 14; Lect. Hebr.): Eu serei tua peste, ó peste. – Assim
se lê no texto original hebreu, onde a Vulgata com termos mais universais trasladou: Ero
mors tua, o mors[15]. A propriedade das palavras não pode ser maior, mas a verdade e
aplicação delas parece que padece igual dificuldade. A peste, como dizíamos, é o ar
corrupto e contagioso; como se pode logo verificar em Cristo crucificado que fosse
peste da peste? Responderei, se me satisfizerem primeiro a outra pergunta. Pergunto:
Por que quis Cristo morrer no ar, e ao ar? No ar, sendo levantado em uma cruz; ao ar,
sendo crucificado em um monte descoberto e patente? Bem pudera Cristo morrer dentro
no templo, e com grande conveniência, pois era a vítima e o sacrifício de nossa
redenção. Bem pudera morrer sobre a terra, e também com grande conveniência,
pois a terra e os homens, de terra eram os que vinha salvar. Que razão teve logo Cristo
para não querer morrer senão no ar, e ao ar? A pergunta e a resposta tudo é de S. João
Crisóstomo: Quare in edito loco, et non sub tecto? In excelso loco, ut aeris naturam
purgaret, oblatus est: Escolheu Cristo padecer no ar, e ao ar, em um monte e em
uma cruz levantado e suspenso, porque assim como com a vida tinha santificado aterra,
assim na morte queria purificar o ar; na vida, peregrinando de um lugar em outro lugar,
santificou a terra com os pés; na morte, sendo levantado e estendido na cruz, purificou o
ar com os braços. Mas que corrupção ou que impureza havia no ar, pela qual houvesse
mister purificado? Santo Atanásio o explicou seguindo o mesmo pensamento, que
também é de S. Cipriano: Solus ille in aere moritur, qui in cruce vitam finit: quare
non sine racione eam Dominus sustinuit, ita enfim sublimatus aerem purgavitab
omni diaboli, omniumque daemonum infestatione. Quando os demônios caíram do
céu, não desceram todos ao inferno, mas muitos ficaram nesta região inferior do ar,
para tentarem os homens e lhe fazerem guerra. Por isso S. Paulo chama aos
demônios potestades do ar: Potestates aeris hujus (Ef. 2, 2). E como o elemento do ar
estava corrupto, infeccionado e apestado com o contágio de tão imundos espíritos, para
Cristo alimpar e purificar aquele elemento, quis obrar nele o mistério da Redenção, e
escolheu entre todos os instrumentos da morte uma cruz, que o tivesse levantado e
suspenso da terra, para sarar o ar no mesmo ar: In excelso loco, ut aeris naturam
purgaret. E este foi o segredo da cruz, oculto a todos os séculos, com que ameaçava
Cristo pelo profeta haver de ser peste da peste: Ero pestis tua, o pestis.

Bem está, mas ainda não se aquieta o pensamento, porque ser peste da peste é mais
que sarar de peste. Para sarar de peste, basta sará-la de qualquer modo; mas para ser
peste da peste, é necessário sarar a peste pelo mesmo modo com que a peste
costuma infeccionar e matar. Assim é, e assim foi em Cristo com admirável

16 of 20 16/06/20 14:52
022 - Sermão de S. Roque https://www.literaturabrasileira.ufsc.br/documentos/?action=down...

propriedade: não só foi Cristo peste da peste, porque matou a peste, mas foi peste da
peste, porque matou a peste assim como a peste mata. E como mata, ou costuma
matar a peste? O modo de matar da peste é por contágio, crescendo e continuando-
se a corrupção pela comunicação das partes. Corrompe o veneno da peste a primeira
parte do ar, e, estando uma parte do ar corrupta, pega-se a corrupção à outra parte, e
assim de parte em parte se vai corrompendo tudo. Dá na casa, e leva a rua; dá na
rua, e leva a cidade; dá na cidade, e leva o reino. Tal foi na cruz a peste e contágio
da vida, contra a peste e contágio da morte. As primeiras partes do ar, que se
purificaram com a virtude do crucificado, foram as do Monte Calvário; do Calvário
passou o contágio a Jerusalém; de Jerusalém a toda a Palestina, e de Palestina a
todas as partes do mundo. Por uma parte pegou no Egito, e levou a África; por outra
parte pegou na Arábia, e levou a Ásia; por outra parte pegou na Grécia, e levou a
Europa; e assim, de terra em terra, ou de ar em ar, lavrou a peste da saúde, e
purificou o mundo, desempenhando-se com admirável secreto e prodigiosa
propriedade a promessa ou a ameaça de Cristo, e sendo verdadeiramente na cruz
peste da peste: Ero pestis tua, o pestis.

Assim como foi peste da peste Cristo crucificado, assim é peste da peste S. Roque.
Não temos menos autor, nem menor prova desta verdade, que o testemunho uni-
versal de toda a Igreja Católica no Concílio Constanciense. Deu o mal da peste na
cidade de Constância, quando nela se celebrava o concílio. Ardia, abrasava-se e
despovoava-se tudo; recorre aquela sagrada congregação aos remédios divinos, tira
em procissão uma imagem de São Roque: coisa maravilhosa ou coisa sem maravilha!
Como se saíra uma peste contra outra peste, ou um contágio de vida contra outro
contágio de morte, ao mesmo passo que ia andando a procissão, ia também
andando ou se ia ateando a saúde. E assim, como no furor da peste quando lavra se
vêem cair com horror aqui uns, acolá outros mortos, assim naquele triunfo da vida se
viam com admiração e assombro de alegria, agora levantar estes, depois aqueles, e
finalmente todos saltando das camas às janelas, às portas, às ruas, aclamando, com
vozes que chegavam ao céu, ao poderoso triunfador da morte, ao milagroso
restaurador da saúde, ao glorioso obrador de tão grande maravilha, enfim a nova e
vencedora peste da sua peste: Ero pestis tua, o pestis.

A maior maravilha em gênero de saúde milagrosa que assombrou este mundo foi a
que dava São Pedro aos enfermos, só com a passagem da sua sombra. E o mais
maravilhoso desta maravilha, em que consistia? Consistia em que, estando grande
multidão de enfermos estendidos pelas ruas, esperando que passasse S. Pedro,
bastava que a sombra do apóstolo tocasse a um, para que sarassem todos: Ut saltem
umbra illius obumbraret quemquam illorum, et sanarentur (At. 5, 15). Assim o diz o
rigor das palavras. Mas como podia ser assim? O instrumento da onipotência e da
saúde era a sombra de Pedro: pois se a sombra de Pedro tocava só a algum dos
enfermos: quem quam illorum, como podia ser que sarassem todos: et sanarentur?
Somos forçados a confessar que a saúde que dava S. Pedro era saúde com propriedades
de peste. Assim como na peste natural basta que dê a enfermidade em um, para que dele
vá lavrando, e se pegue aos demais, assim neste contágio divino, bastava que um
recebesse a saúde, para que dele se fosse ateando, e se comunicasse a todos. Esta foi a
maior maravilha do maior dos apóstolos. Mas S. Roque que teve, ou por prêmio das suas
desgraças, ou por primor de suas grandezas, não ter nelas outra semelhança senão a de
Cristo, só a Cristo se pareceu na virtude deste divino contágio, excedendo nela a São
Pedro, quando menos em duas grandes vantagens. O mesmo texto as aponta:
Concurrebat multitudo vicinarum civitatum Hierusalem afferentes aegros.

17 of 20 16/06/20 14:52
022 - Sermão de S. Roque https://www.literaturabrasileira.ufsc.br/documentos/?action=down...

Estava São Pedro em Jerusalém, e de todas as cidades vizinhas traziam grande multidão de
enfermos, para que o santo os curasse. E depois de estarem os enfermos em Jerusalém,
que faziam? Ita ut in plateas ejicerent infirmos, et ponerent in lectulis ac grabatis, ut,
veniente Petro, etc.: Punham os enfermos pelas ruas nos seus leitos, para que, passando
São Pedro, os tocasse a sua sombra, e recebessem saúde. De maneira que para São Pedro dar
saúde aos enfermos eram necessárias duas diligências: a primeira, que viessem das outras
cidades a Jerusalém, onde estava S. Pedro; a segunda, que, depois de estarem naquela
cidade, os pusessem na rua, por onde São Pedro havia de passar. Comparai agora quanto
maior foi a maravilha que viu a cidade de Constância em S. Roque, do que a que viu a de
Jerusalém em S. Pedro. Saiu a imagem, que é a sombra de S. Roque, pelas ruas de
Constância, e, sem se tirarem os enfermos às mas, saravam nas casas, saravam nas
enfermarias, saravam nos hospitais, enfim em qualquer parte da cidade, por remota, por
distante, por oculta que fosse, saravam todos. E parou aqui a saúde? Não parou aqui. Não só
ardia em peste a cidade de Constância, mas todos os povos grandes, pequenos e maiores
daquela província se estavam abrasando e perecendo ao mesmo incêndio; mas tanto que S.
Roque saiu fora, e o ar reconheceu o império de sua presença e tocou, ou foi tocado, de sua
virtude; no mesmo ponto, toda aquela multidão imensa de feridos e apestados, sem eles virem
a S. Roque, nem S. Roque ir a eles, ficaram sãos e livres em toda a parte.

Isto sim que é purificar o ar por verdadeiro contágio; isto sim que é ser
verdadeiramente peste da peste. Contágio era o da virtude de S. Pedro, mas contágio
que não passava de cidade a cidade, nem de rua a rua, nem ainda da rua à casa, se
não de um enfermo a outro; enfim, contágio que não merecia nome de peste. Mas o
contágio da virtude de S. Roque verdadeiramente era peste da peste, porque saltavade
um enfermo em outro enfermo, de uma casa em outra casa, de uma rua em outra rua,
de uma cidade em outra cidade, lavrando e ateando-se a saúde em um momento em
uma província inteira, e não passando adiante, porque não havia mais que sarar.
Finalmente Cristo nos braços da cruz, S. Roque sobre os ombros de homens, um e
outro levantado no ar: in edito loco, para quê? Um e outro para purificar o ar: Ut
aeris naturam purgaret; um e outro para ser peste da peste: Ero pestis tua, o pestis.

§ VII

A ameaça de peste em Portugal, e o poder de S. Roque. Oração.

Este é o mal que nos está ameaçando, cristãos, esta é a espada da divina justiça
que já temos metida no peito, e só lhe falta penetrar mais, e chegar ao coração. O
que importa é – se os mesmos pecados que provocam o castigo, nos não cegam –
que pois temos o remédio tão pronto, tão poderoso e tão propício, nos socorramos
dele a tempo. Invoquemos a S. Roque com grande fé e com grande confiança;
peçamos-lhe nos valha neste trabalho tão próprio dos seus poderes e da sua virtude. Ou
para não sermos ingratos, não lhe peçamos que nos valha, senão que continue a nos
valer, porque ele é o que nos tem valido, e ele é o que nos está valendo. Quem
cuidais que está tendo mão na peste, nas raias do Algarve? Quem cuidais que a está
rebatendo, para que não entre em Portugal, senão a virtude daquele glorioso triunfador
dela, sempre tão propício a este Reino? Mandou Deus fogo do céu que abrasasse o povo
de Israel – também por muito menos pecados do que são os maiores nossos; – ia
lavrando o incêndio desapoderadamente, e já tinha abrasado e feito em cinza a mais de
catorze mil, quando acudiu a toda a pressa Arão, com um turíbulo nas mãos, e diz o

18 of 20 16/06/20 14:52
022 - Sermão de S. Roque https://www.literaturabrasileira.ufsc.br/documentos/?action=down...

texto que, metendo-se entre os mortos e os vivos, e fazendo oração pelo povo, parou o
incêndio: Stant inter mortuos et viventes, deprecatus est pro populo, et plaga cessavit
(Núm. 16, 48). Cristãos, portugueses, já a ira do céu saiu da mão de Deus, como disse
Moisés neste caso, já o fogo está ateado, já nos está abrasando: iam egressa est ira a
Domino, et plaga desaevit. E se o incêndio tão poderoso e tão apoderado contra sua
natureza, tem parado naquelas raias, e não passa adiante, é porque S. Roque, como
outro Arão, se meteu inter mortuos et viventes, entre os mortos do Algarve, e os vivos
de Portugal, e ali com o incenso de suas orações está conservando e preservando o ar
puro e são desta parte, para que o não corrompa o infeccionado da outra.

Oh! quem me dera palavras, poderoso santo, para dignamente vos louvar neste
caso, e explicar a grandeza desta maravilha! Que poder se viu nunca no mundo que
fizesse uma risca no ar, e pusesse limites ao de uma parte, para que não passasse à
outra? Isto é o que estais obrando e o que estamos vendo. A maior maravilha que
Jó considerava no poder de Deus era pôr balizas ao mar, e dizer-lhe: Aqui
chegarás, e não passarás daqui: Circumdedi illud terminis suis, et dixi: huc venies, et
non procedes amplius (Jó 38, l0 s). Mas quanto maior e mais prodigiosa maravilha é
ter posto estas mesmas balizas ao elemento do ar, tanto mais livre, tanto mais
mudável, tanto mais sutil, tanto mais indômito, tanto mais furioso, tanto mais
inconstante? Assim o tem S. Roque hoje enfreado e obediente nas raias de Portugal,
permitindo-lhe somente que chegue até ali: huc venies, e mandando-lhe, com
império onipotente, que pare e não dê um passo mais adiante: et non procedes
amplius.

Mas o que até agora tem sido tão poderosa resistência, glorioso santo, muito maior
glória será de vosso poder, se for perfeita vitória. Assim o pede a inteira imitação de
Cristo crucificado, e o milagroso e singular título que dele participastes de peste da
peste. Bem vemos e conhecemos que à virtude deste soberano título devemos a
suspensão maravilhosa daquele contágio, que não pode ser obra da natureza. Bem
vemos e conhecemos que nas raias de Portugal se estão combatendo fortemente a
morte e a saúde, e que se não tem entrado nem prevalecido contra nós a peste dos
homens, é porque temos da nossa parte a peste da peste. Ide por diante pois,
glorioso vencedor, ide por diante, e possam mais diante de Deus para com vossa
piedade, as misérias que padecem aqueles tão afligidos povos, que a continuação
das culpas nossas, com que ainda ajudamos o castigo das suas. Supra o vosso
poder a nossa fraqueza, supra o vosso merecimento a nossa indignidade, supra a
vossa graça com Deus a nossa ingratidão tão repetida. Assim o cremos, assim o
esperamos da virtude de vossa intercessão, e que, assim como as nossas culpas nos
fizeram companheiros desta vossa desgraça, assim o vosso favor nos faça
participantes do remédio dela, que é a última bem-aventurança vossa, com que
aquelas venturosas quatro desgraças vos fizeram quatro vezes bem-aventurado:
Beati sunt servi illi.

[1] Bem-aventurados aqueles servos a quem o Senhor achar vigiando, quando vier; e
se vier na segunda vigília, e se vier na terceira vigília, e assim os achar, bem-

19 of 20 16/06/20 14:52
022 - Sermão de S. Roque https://www.literaturabrasileira.ufsc.br/documentos/?action=down...

aventurados são os tais servos (Lc. 12, 37 s).


[2] E sede vós outros semelhantes aos homens que esperam ao seu senhor (Lc.
12, 36).
[3] Conheceu o boi a seu possuidor, e ojumento o presépio de seu dono, mas Israel não
me conheceu (Is. 1, 3).
[4] Eis que meu Senhor, depois de me ter entregue tudo, ignora o que tem em sua
casa; como pois posso eu cometer esta maldade
(Gên. 39, 8 s)?
[5] Justamente padecemos estas coisas, porque pecamos contra o nosso irmão (Gên.
42, 21).
[6] Eu sou José, vosso irmão (Gên. 45, 4).
[7] Salva-te a ti mesmo e a nós outros (Lc. 23, 39).
[8] Com um beijo entregas o Filho do homem (Lc. 22, 48)?
[9] Foi-se pendurar de um laço (Mt. 27, 5).
[10] Quem comer deste pão viverá.
[11] Porque estou enferma de amor (Cân. 5, 8).
[12] À minha cavalaria nos carros de Faraó, eu te assemelhei, amiga minha (Cân. 1, 8).
[13] Deram-me e tiraram-me o meu manto os guardas das muralhas (Cânt. 5, 8).
[14] Eu me levantei para abrir ao meu amado, mas ele já se tinha ido, e era já passado
a outra parte (Cânt. 5, 5 s).
[15] Ó morte, eu serei a tua morte (Os. 13, 14).

Núcleo de Pesquisas em Informática, Literatura e Lingüística

20 of 20 16/06/20 14:52

Você também pode gostar