Você está na página 1de 4

A relação família escola como elemento

transformador
Francieli Silva
Gisele Motta da Silva
Katia Miranda de Lima¹
Juliany Mazera Fraga²

1. INTRODUÇÃO

O papel da família na educação das crianças modificou-se ao longo dos


anos. A família, paulatinamente, passa a participar da rotina escolar
contribuindo para o desenvolvimento do aprendizado e participando de maneira
positiva em sua formação.
No passado, família e escola sustentavam a ideia de que casa e
ambiente escolar eram espaços distintos, com tarefas e responsabilidades
mutuamente exclusivas, fomentando, deste modo, a criação de limites de
atuação, verdadeiras barreiras que impediam uma participação conjunta entre
pais e professores. Com o passar dos anos, a busca por interesses comuns e a
atuação de políticas inclusivas trouxeram essa realidade para os tempos atuais
e, junto com ela, desafios a serem aplicados a fim de desenvolver estratégias
que contribuam para o benefício da criança.
Destarte, assumindo o protagonismo da interação família escola e
utilizando como referencial teórico os autores Gomes, (2005); Nogueira, (1998);
e Oliveira, (2010), este trabalho busca identificar os fatores que contribuem
para essa interação, bem como, encontrar alternativas que se mostrem efetivas
e, de certa forma, transformadoras.

2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

A relação entre família e escola é de extrema relevância para o


desenvolvimento da criança, nesse contexto, a parceria família-escola assume
uma importante tarefa na educação do aluno, bem como, na sua formação,
quanto cidadão perante à sociedade.
“Escola e família são instituições diferentes e que apresentam
objetivos distintos; todavia, compartilham a importante tarefa de
preparar crianças e adolescentes para a inserção na sociedade, a
qual deve ter uma característica crítica, participativa e produtiva.”
(OLIVEIRA; MARINHO-ARAÚJO, 2010, p. 7).

Embora seja notória a necessidade de fomentar a inclusão dos pais no


ambiente escolar, por décadas, este tema permaneceu negligenciado,
evidenciando um descaso ou desconhecimento por parte das instituições, das
famílias ou mesmo dos governantes, sendo essa inclusão, uma conquista
relativamente nova para a nossa sociedade.

A relação entre família e a escola começou a ser efetivamente


estudada, na sociologia da educação, a partir dos anos 60. Antes
disso, o tema não era considerado importante, porque tanto a casa
quanto a sala de aula eram espaços privados, não havendo entre eles
relações estreitas. Os pais não eram admitidos no recinto da escola e,
quando solicitados, era para resolver questões de vestuário e
manutenção da ordem. Foi somente a partir dos anos 60 que
começaram a ocorrer interações individuais entre pais e
professores[...] (NOGUEIRA, 1998, p. 97).

Por apresentar-se sensivelmente atual, a temática pode trazer alguns


desafios para aqueles que se aventuram na tentativa de compreendê-la e
implementá-la nos variados ambientes de aprendizado. Segundo Gomes
(2005), ‘’ pais também se queixam de serem cobrados pela escola a oferecer
determinado acompanhamento que a eles não é possível’’. Essas queixas
podem ser motivadas por diferentes razões e origens, ainda de acordo com
Gomes (2005) ‘’ por questões de disponibilidade de tempo ou por questões
operacionais, pois quando aprenderam não era da mesma forma que hoje é
ensinado’’. (GOMES, 2005).

Assim sendo, podemos compreender tratar-se de uma relação notável e,


ao mesmo tempo, complexa, exigindo um estudo mais aprofundado que leve à
compreensão dos reais fatores que contribuem para essa relação.
3. MATERIAIS E MÉTODOS

O registro fotográfico acima retrata um momento de interação


harmoniosa entre pais, alunos e escola. Tem, portanto, o intuito de ilustrar a
importância da parceria entre família e escola, servindo de inspiração para o
nosso objeto de estudo.

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO

Neste campo, faça o relato de suas observações após a análise dos elementos
elencados na Fundamentação Teórica descrita anteriormente neste documento. Utilize a
teoria abordada na Introdução e Fundamentação Teórica para justificar os seus achados
e descreva de que maneira os dados encontrados contribuem para ampliar o
conhecimento obtido nos materiais consultados.
Utilize este campo para fazer a ligação da teoria com a prática de seu trabalho.
Relacione o que você encontrou e evidenciou durante a aplicação prática com os
autores consultados.

5. CONCLUSÃO

Fechamento da pesquisa.
Digam aqui, se conseguiram atingir o objetivo inicial da pesquisa; se a pergunta
de partida foi respondida.
Abordar neste campo em que o trabalho desenvolvido contribuiu para o
conhecimento existente.

REFERÊNCIAS

GOMES, Sâmia Silva. Relação Família escola: uma parceria educativa na promoção da
saúde. Fortaleza: Universidade de Fortaleza, 2005 (Dissertação de mestrado).

NOGUEIRA, Maria Alice. Relação família escola: um novo objeto na sociologia da


educação. Revista Paidéia, FFCLRP – USP, Ribeirão Preto, 1998.

OLIVEIRA, Cynthia Bisinoto Evangelista de; MARINHO-ARAÚJO, Claisy Maria. A relação família-
escola: intersecções e desafios. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 27, n. 1, p. 99-108, 2010.

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 6023. Informação e


documentação – Referências – Elaboração. Rio de Janeiro, 2002.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino; SILVA, Roberto da. Metodologia
científica. São Paulo: Ed. Pearson, 2006.

FERREIRA, Gonzaga. Redação científica: como entender e escrever com facilidade. São
Paulo: Atlas, v. 5, 2011.

MÜLLER, Antônio José (Org.). et al. Metodologia científica. Indaial: Uniasselvi, 2013.

PEROVANO, Dalton Gean. Manual de metodologia da pesquisa científica. Curitiba: Ed.


Intersaberes, 2016.

Você também pode gostar