Você está na página 1de 6

GRANDES CULTURAS I

Principais pragas e doenças que atacam a cultura da mandioca

Discente: Gabriel Soares Alves


Turma: 0116

Almenara 2020
I. Mandarová
O mandarová pode ser considerado uma das mais importantes pragas da
cultura da mandioca, os danos são severos já que a praga está bem distribuída no
território brasileiro.
Principais danos: Possui uma alta capacidade de consumo foliar causando
um severo desfolhamento da cultura, isso acontecendo nos primeiros meses de
desenvolvimento da planta, pode ocasionar uma drástica redução de rendimento ou
até mesmo a morte da planta.
Condições que facilitam seu desenvolvimento: Em geral ocorre no início da
estação chuvosa ou da seca, entretanto, é uma praga de ocorrência esporádica, podendo
demorar até vários anos antes de surgir um novo ataque.
Métodos de manejo: Inspeção, estar sempre visitando a lavoura e verificando se
há infestação. Aração da área contribui para revirar o solo e expor as lagartas ao sol e
a inimigos naturais. Eliminação de plantas invasoras pode reduzir a infestação de
mandarovás já que as mesmas também servem de hospedeira para a praga. Realizar
sempre rotação de culturas diminuindo a população da praga. Um método indicado é
a catação manual das lagartas. Pode-se utilizar o agente biológicos Baculovirus
erinnyis, um vírus que atacam as lagartas.

II. Ácaros
Os ácaros são encontrados na parte inferior das folhas da mandioca, praga muito
severa que ocorre frequentemente durante a estação seca do ano, podendo causar danos
consideráveis.
Principais danos: Os ácaros se alimentam succionando o conteúdo celular
depois de penetrar o estilete da folha. Atacam primeiramente plantas isoladas e
posteriormente ocorre a disseminação pelo homem, animais e pelo vento. Os
sintomas mais comuns são manchas, pontuações, morte das gemas, queda das folhas
que reduzem a área foliar e fotossíntese.
Condições que facilitam seu desenvolvimento: Em condições de seca podem
causar danos significativos na cultura da mandioca.
Métodos de manejo: Recomenda-se a utilização do controle integrado, que é a
utilização das técnicas disponíveis para o controle.
Pode-se utilizar cultivares de mandiocas resistentes para controlar ou reduzir os ácaros.

III. Percevejo de renda


O percevejo de renda, inseto praga que cresce significativamente em importância
nas regiões produtoras de mandioca, é uma praga de hábito sugador que ocorre durante
épocas secas. pode acarretar perdas na produção.
Principais danos: São encontrados na face inferior das folhas da planta e
quando o ataque é severo, podem chegar até as folhas apicais. Na face inferior da folha
aparecem pontos pretos pequenos, são os excrementos dos insetos. Pode ocasionar o
desfolhamento completo da planta, causando redução na fotossíntese e queda de folhas
inferiores, redução no rendimento e produção.
Condições que facilitam seu desenvolvimento: Frequência de chuvas e com
umidade acima de 90%,
Métodos de manejo: A utilização de cultivares tolerantes e o uso de inseticida
são os métodos mais eficazes para o controle.

IV. Brocas do caule


São larvas encontradas no interior das hastes, seu ataque é percebido aós aparecer
excrementos saindo das galerias formadas.
Principais danos: Principalmente em períodos secos as plantas atacadas perdem
suas folhas e secam, reduzindo a produção. Em infestações mais drásticas plantas
podem char a morrer.
Condições que facilitam seu desenvolvimento: alta umidade relativa e
temperatura em torno de 80%.
Métodos de manejo: O uso de inseticida não é aconselhável já que as larvas se
alimentam no interior das hastes. O mais aconselhável é observar a cultura
verificando se não há infestação, o verão é a época de maior infestação. Para o
plantio é recomendado a utilização de manivas sadias, e a utilização de material
retirado de área insenta de ataque de pragas.

V. Cupins
São insetos que atacam a cultura da mandioca principalmente em períodos de
estiagem.
Principais danos: Atacam o material de armazenamento pela parte seca da planta
podendo destruí-lo totalmente, em plantas jovens constroem galerias o que impede o
transporte de nutrientes. Provoca secamento e morte da planta. Atacam as manivas,
plantas adultas e até o estabelecimento da cultura.
Condições que facilitam seu desenvolvimento: Região de clima tropical e com
solos de pH variando de 5,5 a 6,5.
Métodos de manejo: Proteger as manivas para o plantio para garantir uma boa
brotação e desenvolvimento das plantas, manter o campo limpo, incorporar o
inseticida ao solo.

VI. Formigas
Há formigas encontradas no brasil que atacam a cultura da mandioca desfolhando a
planta.
Principais danos:  As formigas realizam cortes semicirculares nas folhas,
atingindo também as gemas em ataques severos. Os ataques correm nos primeiros
meses de desenvolvimento.
Condições que facilitam seu desenvolvimento: Região de clima tropical e com
solos de pH variando de 5,5 a 6,5.
Métodos de manejo: Deve-se controlar a praga logo quando se observa as folhas
e pecíolos cortados. E erradicar por meio da fumigação em formigueiros. Utiliza-se
iscas granuladas ao longo do caminho das formigas durante as épocas secas. Já o uso
de inseticidas líquidos é utilizado em épocas chuvosa e as formulações em pó usadas em
épocas secas.

VII. Mosca do broto


A mosca do broto ataca a cultura da mandioca e tem ocorrência em quase todas as
regiões da américa.
Principais danos:  Causa uma exudação amarela quando recente e marrom
quando o ataque é mais velho. Geralmente as larvas atacam a gema apical retardando o
crescimento das plantas jovens que são as mais suscetíveis.

Condições que facilitam seu desenvolvimento: Em baixas temperaturas,


aproximadamente 16ºC o ciclo completa-se em 70 dias. Quanto mais quente, menor será
o ciclo da praga.
Métodos de manejo: Realizar o plantio com mudas sadias, utilizar armadilhas
adesivas ou luminosas para reduzir a população. Limpar as áreas para fica livre de
plantas daninhas possíveis hospedeiras e eliminar restos culturais da produção
anterior.

VIII. Bacteriose
A principal doença da mandioca é a bacteriose, que é causada por Xanthomonas
campestres pv. Manihotis.
Principais danos:  Atinge o sistema vascular, causa a morte de brotos novos,
murcha e exsudação da goma da gaste podendo chegar a morte da planta.
Condições que facilitam seu desenvolvimento: Uma alta umidade relativa e
temperatura entre 18 e 23ºC. 
Métodos de manejo: A utilização de variedades resistentes e tolerante ainda é a
medida mais eficaz para o controle da bactéria. Plantio de material vegetal sadio,
materiais resistentes, realizar a limpeza de materiais e ferramentas para a não
proliferação da bactéria.

IX. Mosca branca


Os adultos são geralmente encontrados a face inferior das folhas da área apical da
planta e as ninfas na face inferior das folhas mais velhas.
Principais danos:  Os adultos e as ninfas sugam a seiva das folhas, em grandes
proporções a mosca branca pode causar perda no rendimento. Causam amarelecimento
das folhas e o ataque das ninfas causam pequenos pontos cloróticos. Deixam
excrementos nas folhas que causa a redução da capacidade fotossintética.

Condições que facilitam seu desenvolvimento: A ocorrência de clima quente e


seco tem sido favoráveis.

Métodos de manejo: A utilização de cultivares resistentes e/ou tolerantes é o


método mais eficaz de controle. Em alguns casos pode haver necessidade da utilização
de um inseticida sistêmico.

X. Podridão radicular
Na região Nordeste, essa doença é a mais limitante na cultura da mandioca, podendo
ocasionar perdas de produtividade em tono de 30%.
Principais danos:  Por haver distintos agentes causais há vários sintomas da
podridão radicular, como por exemplo o Phytophthora sp que ataca a cultura na fase
adulta, causando podridões "moles" nas raízes, com odores fortes, semelhantes ao de
matéria orgânica em decomposição. Em raízes maduras são mais visíveis, pode causar
murche e morte total da planta. O Fusarium sp, possui sintomas podem ocorrer em
qualquer fase do desenvolvimento da planta e raramente causam danos diretos nas
raízes. O ataque ocorre na haste junto ao solo, causando infecções impedindo a livre
circulação da seiva e provocando podridão indireta das raízes.
Condições que facilitam seu desenvolvimento: As condições ambientais que
favorecem a doença são alta umidade relativa do ar e baixa temperatura
Métodos de manejo: As medidas de controle da podridão radicular envolvem
utilizar variedades tolerantes integrando rotação de cultura, manejo do solo e
sistemas de cultivo.

XI. Antracnose
Pode causar prejuízos temporários na mandioca em certas épocas ela ocorre com
mais intensidade, causando perdas na produção de raízes e redução da qualidade dos
produtos.
Principais danos:  Na base das folhas, ocorrem manchas de 1,0cm de diâmetro que
as fazem cair. Na haste, o fungo provoca cancros profundos, desfolha intensa e morte
dos ponteiros.
Condições que facilitam seu desenvolvimento: Alta população de plantas ou
após o fechamento das linhas, associada ao molhamento foliar prolongado e temperatura
entre 18 e 25ºC são condições favoráveis para o estabelecimento da doença
Métodos de manejo: A utilização de variedades resistentes à doença, o controle
pode ser feito através da poda parcial das gastes afetadas e até a queima das ramas
contaminadas.

Referencias
Pragas da Mandioca. Disponível em:
<https://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Mandioca/mandioca_tabc
osteiros/pragas.htm> Acesso em 10/102020.
Principais doenças e pragas da mandioca e formas de controle. Disponível em:
<https://manejebem.com.br/publicacao/novidades/principais-doencas-e-pragas-do-
cultivo-da-mandioca-e-formas-de-controle> Acesso em 10/102020.
Passos importantes para o controle da bacteriose da mandioca. Disponível em:
<https://manejebem.com.br/publicacao/novidades/passos-importantes-para-o-controle-
da-bacteriose-da-mandioca> Acesso em 10/102020.
Doenças da mandioca. Disponível em: <https://www.cpt.com.br/noticias/doenca-
mandioca#:~:text=Atingindo%20o%20sistema%20vascular%2C%20a,%2C
%20%C3%A0%20morte%20das%20plantas%E2%80%9D.> Acesso em 10/102020.
Doenças e pragas. Disponível em:
<https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/territorio_sisal/arvore/CONT000fcxn2f
s502wx5eo0a2ndxy95hc97f.html.> Acesso em 10/102020.

Você também pode gostar