Você está na página 1de 4

Noções Gerais do Direito Penal - Ciências Penais: Preocupa-se com a delinquência

como fato natural, procurando apontar-lhe as causas,


com o emprego do método positivo, de observação e
experimentação. Integram esse grupo a Criminologia e
a Política Criminal.
1 – Conceito
- Criminologia: É ciência empírica que estuda o crime,
- O conceito de Direito Penal passa por três aspectos: a pessoa do criminoso, da vítima e o comportamento
da sociedade. Não se trata de uma ciência teleológica,
Aspecto Formal O Direito Penal é um mas de uma ciência causal-explicativa, sendo estudado
conjunto de normas sob aspectos bio-sociológicos. Não se preocupa com a
que qualifica certos norma penal.
comportamentos
humanos como infrações - Política Criminal: Tem no seu âmago a específica
penais, define os seus finalidade de trabalhar as estratégias e meios de
agentes e fixa as controle social da criminalidade (caráter teleológico). É
sanções. uma ciência de fins e meios, ou sejam sugere e orienta
Aspecto Material O Direito Penal refere-se
reformas à legislação positivada, adotando uma
a comportamentos
posição de vanguarda em relação ao direito vigente. Se
considerados altamente
reprováveis ou ocupa da norma penal, assim como o Direito Penal.
danosos ao organismo
social, afetando bens 3 – Funcionalismo
jurídicos indispensáveis
à sua própria - É uma corrente doutrinária que visa analisar a real
conservação e função do Direito Penal.
progresso.
Aspecto Sociológico O Direito Penal é um Funcionalismo
ou Dinâmico instrumento de
controle social de
comportamentos
desviados, visando Funcionalismo Funcionalismo
assegurar a disciplina Teleológico (ou Sistêmico (ou radical):
social, bem como a moderado):
convivência harmônica - Günther Jakobs.
dos membros do grupo. - Claus Roxin. - A função do Direito
- A função do Direito Penal é assegurar o
- Quando violadas as regras de condutas, surge para o Penal é assegurar bens império da norma,
Estado o poder (dever) de aplicar sanções. jurídicos, assim mostrando que o direito
considerados aqueles posto existe e não pode
- O que diferencia uma norma penal das demais? A valores indispensáveis à ser violado. Sua função
espécie de consequência jurídica que traz consigo. convivência harmônica primordial não é a
em sociedade, valendo- segurança dos bens
2 – Direito Penal, Ciência do Direito Penal, se das medidas de jurídicos, mas a
Criminologia e Política Criminal política criminal. validade do sistema.

- Direito Penal: É o conjunto de normas com a missão


de elevar certos comportamentos humanos à categoria - Dessa forma, na doutrina brasileira, o Direito Penal
de infrações penais, cominando sanções àqueles que tem duas missões:
os praticam, sendo natural a existência de uma ciência
apta a organizar métodos de interpretação e correta a) Mediata: controle social e a limitação do ´poder
aplicação dessas mesmas normas jurídicas. punitivo estatal.

- Ciência do Direito Penal: Essa ciência não se limita, b) Imediata: assegurar bens jurídicos.
de forma pura e simples, a abstrair da norma seu
- Quem faz a seleção desses bens jurídicos? A
significado, e, a partir daí, conferir-lhe aplicação
Constituição Federal, exercendo o papel de orientar o
abstrata.
legislador e impedindo que esse mesmo legislador
proíba ou imponha determinados comportamentos,
Ciências Penais violando os direitos fundamentais (concepção
garantista).

- O entendimento sobre o asseguramento de bens


Criminologia Política Criminal jurídicos foi iniciada por Birnbaum, em 1834.
4 – Categorias do Direito Penal sendo institutos que, por si só, não são capazes de
resolver o problema de insegurança jurídica e pública
Direito Penal Direito Penal que comprometem a atual sociedade, posto que o
Substantivo Adjetivo Estado, pelo simples fato da edição de normas
- Corresponde ao direito - É o direito processual, imediatas/de emergência, em razão do clamor público,
material, que cria as trata das normas não estará resolvendo a situação da criminalidade no
figuras criminosas e destinadas a país, posto que suas finalidades estão fundamentadas,
contravencionais instrumentalizar a tão somente, em pretensões de cunho satisfativo e
atuação do Estado simbólico, bem como político, a fim de trazer à
diante da ocorrência de sociedade apenas uma falsa sensação de segurança
um crime. e estabilidade pública.

Direito Penal Direito Penal


Direito Penal Direito Penal De Emergência Promocional
Objetivo Subjetivo - Atendendo demandas - É um direito político ou
- Jus Poenale. - Jus Puniendi. de criminalização, cria demagogo.
- Traduz o conjunto de - Refere-se ao direito de normas de repressão, - Surge quando o
leis penais em vigor no punir do Estado e de sua afastando-se, não raras Estado, visando
país, devendo observar a capacidade de fazer vezes, de seu caráter concretizar seus
legalidade. cumprir suas normas. subsidiário e objetivos políticos,
Divide-se em positivo e fragmentário, assumindo emprega as leis penais
negativo. feição nitidamente como instrumento,
punitivista, ignorando as promovendo seus
garantias. interessem estratégia
Direito Penal Subjetivo
- Permite a edição de leis que se afasta do
Subjetivo Positivo Subjetivo Negativo que cumprem função mandamento da
- Vem a ser a capacidade - É caracterizado pela meramente intervenção mínima,
conferida ao Estado de faculdade de derrogar representativa, podendo (e devendo)
criar e executar normas preceitos penais ou afastando-se da valer-se de outros ramos
penais. restringir o alcance das finalidade legítima da do Direito. É a
figuras delitivas, pena. equivocada utilização do
atividade que cabe Direito Penal como
preponderantemente ao ferramenta de
STF, por meio de transformação social.
inconstitucionalidade de
normas penais.
Direito Penal Simbólico
Cunho Positivo Cunho Negativo
- O poder punitivo do Estado encontra limitações:
- Designa um efeito de - Designa uma forma de
quanto ao modo (deve respeito aos direitos e garantias assimilação cultural, utilização aparente dos
fundamentais), quanto ao espaço (em regra, aplica-se mediante o qual alguns instrumentos de controle
a lei penal somente aos fatos praticados apenas no destinatários das normas penal, sem lhes conferir
território brasileiro) e quanto ao tempo (o direito de derem voluntariamente a eficácia material. Isto
punir não é eterno, sendo limitado pelo instituto da seu conteúdo e as decorre da mera
prescrição). adotam como pauta veiculação de normas
ética, em decorrência do mediante a edição de leis
- É sabido que o jus puniendi é de titularidade que se abstêm de sem a implementação
exclusiva do Estado, ficando proibida a justiça praticar as condutas dos meios do sistema
privada. Entretanto há exceção: no artigo 57 da Lei n° proibitivas ou realizam as penal necessários para a
6.001/73 (Estatuto do Índio), que enuncia que será condutas obrigatórias. obtenção de sua eficácia
tolerada a aplicação, pelos grupos tribais, de sanções material, acarretando
penais ou disciplinares contra seus membros, desde uma intervenção
que não revistam caráter cruel ou infamante, proibida meramente formal.
em qualquer caso a pena de morte.

- TPI: tem competência subsidiária em relação às Direito de Intervenção


jurisdições nacionais dos países signatários e não - Winfried Hassemer.
representa exceção à exclusividade de punir do Estado. - O Direito Penal deve ser utilizado apenas na
De tal forma que o art 1°, do referente artigo consagrou proteção de bens jurídicos individuais (vida etc.) e
daquelas que causem perigo concreto.
o princípio da complementariedade.
- As infrações de índole difusa ou coletiva e
- Surgem duas figuras que, segundo o posicionamento causadoras de perigo abstrato seriam tuteladas pela
estatal, são capazes de coibir e reprimir aqueles que Administração Pública, por meio de um sistema
violam o Direito Criminal, a saber: O "Direito Penal jurídico de garantias materiais e processuais mais
flexíveis, sem risco de privação da liberdade.
Simbólico" e o "Direito Penal de Emergência",
- Está situado entre o Direito Penal e Administrativo.
Direito Penal Direito de Intervenção Direito Penal Mínimo Abolicionismo
- Propõe a diminuição do - Propõe a total exclusão
âmbito da intervenção de tal instrumento de
estatal. controle.
Desalargamento
do Direito Penal.
5 – Privatização do Direito Penal
- Serve para destacar o atual e crescente papel da
- Crimes de dano e - Crimes de perigo vítima no âmbito criminal.
perigo concreto contra abstrato e crimes em
geral contra bens - Este sistema é marcado pelo surgimento de uma
bens jurídicos
jurídicos difusos e “terceira via”, quebrando a dualidade da função da
individuais.
coletivos. pena, até então restrita à retribuição e prevenção,
- Núcleo fundamental do
- Sem natureza penal. incluindo a reparação como nova possibilidade.
Direito.
- Cria-se a Justiça Consensual, caracterizada como
d uma nova perspectiva na solução do conflito instaurado
Direito Penal como Proteção de Contextos da pela violação da norma penal. Tem como norte
Vida em Sociedade igualmente a reparação de danos para a vítima.
- Formulada por Günther Stratenwerth, se opõe a
- Modalidades:
Hassemer.
- Deve-se relegar ao segundo plano a proteção dos Transação Penal
interesses estritamente individuais, dando-se - MP oferece para o autor dos fatos, devidamente
enfoque máximo à proteção dos interesses difusos, assistido, medida despenalizadora que, se aceita e
da coletividade, protegendo-se as futuras gerações. cumprida, evita o oferecimento de denúncia ou
- A noção de bem jurídica é superada, sendo queixa-crime.
substituída pela tutela direta de relações ou - Envolve crimes de menor potencial ofensivo, ou
contextos de vida. seja, pena máxima não superior a 02 anos.
- Há uma aproximação com o Direito Penal do - É instituto pré-processual.
Inimigo, na medida em que pugna por uma expansão - Não pressupõe confissão ou reconhecimento de
do direito penal cumulada com a antecipação das culpa.
punições como forma de proteger a sociedade.

Suspensão Condicional do Processo


Direito Penal Garantista - MP oferece para o réu, devidamente assistido,
- Modelo de Luigi Ferrajoli. condições que, se aceitas e cumpridas, evitam
- A Constituição é o fundamento de validade de todas sentença, extinguindo o poder de punir do
as normas infraconstitucionais, que deverão Estado.
respeitar os direitos fundamentais nela consagrados. - Envolve crimes de médio potencial ofensivo, ou
- O garantismo exerce a função de estabelecer o seja, pena mínima não superior a 01 ano.
objeto e os limites do direito penal nas sociedades - É instituto processual.
democráticas, utilizando-se dos direitos - Não pressupõe confissão ou reconhecimento de
fundamentais, que adquirem status de culpa.
intangibilidade.
- Tem sua base fincada em dez axiomas ou
implicações dêonticas que não expressam Colaboração Premiada
proposições assertivas, mas proposições - O MP ou Delegado negociam com integrantes de
prescritivas; não descrevem o que ocorre, mas o que organização criminosa (devidamente assistido)
deve ocorrer; não enunciam as condições que um sua colaboração em troca de um prêmio, que
sistema penal efetivamente satisfaz, mas as que pode ser o perdão judicial, redução das penas ou,
deva satisfazer. excepcionalmente arquivamento da investigação
- Incentiva o direito penal mínimo, a diminuição da pelo MP.
intervenção do estado em contrapartida ao aumento - A atribuição do Delegado de Polícia para firmar
das garantias do cidadão. acordo se limita à fase de investigação, com a
- As garantias dividem-se em: fiscalização do MP.
Primárias Secundárias - Abrange crimes de organizações criminosas.
- São os limites e - São as diversas formas - Pode ser concedida de forma pré-processual,
vínculos normativos de reparação processual e até mesmo na fase de execução
impostos, na tutela do subsequentes às penal.
direito, ao exercício de violações das garantias - Pressupõe confissão e reconhecimento de culpa.
qualquer poder (ex: primárias (ex:
proibições e obrigações, anulabilidade dos atos
formais e substanciais). inválidos e Acordo de Não-Persecução Penal
responsabilidade por - O MP propõe ao investigado, devidamente
atos ilícitos). assistido, medidas que, se aceitas e cumpridas,
evitam o oferecimento da denúncia, extinguindo
a punibilidade.
- Envolve crimes sem violência ou grave ameaça,
com pena mínima inferior a 4 anos. São excluídos
os crimes de violência doméstica ou familiar ou
praticados contra a mulher por razões da condição
de sexo feminino, em favor do agressor.
- É instituto pré-processual.
- Pressupõe confissão do investigado.

6 – Velocidades do Direito Penal


- Foi idealizada por Jesús-María Silva Sánchez.

- Trabalha com o tempo em que o Estado leva para


punir o autor de uma infração penal.

1° Velocidade - Enfatiza as infrações penais


mais graves, punidas com penas
privativas de liberdade, exigindo,
por esse motivo, um
procedimento mais demorado,
que observa todas as garantias
penais e processuais penais.
- É um procedimento garantista,
cuja espécie de sanção penal é a
pena privativa de liberdade,
2° Velocidade - Flexibiliza direitos e garantias
fundamentais, possibilitando uma
punição mais célere.
- É um procedimento flexibilizado,
cuja espécie de sanção penal é a
pena alternativa.
3° Velocidade - Mescla as duas anteriores.
- Defende a punição do criminoso
com a pena privativa de liberdade
(1° velocidade), permitindo, para
determinados crimes, a
flexibilização ou eliminação de
direitos e garantias
constitucionais (2°velocidade),
caminho para uma rápida
punição.
- Está presente no Direito Penal
do Inimigo.
- É um procedimento flexibilizado,
cuja espécie de sanção penal é a
pena privativa de liberdade.

OBS: Há doutrinas que trazem a 4° velocidade do


Direito Penal, ligada ao Direito Penal Internacional,
mirando suas normas proibitivas contra aqueles que
exercem (ou exerceram) chefia de Estados e, nessa
condição, violam (ou violaram) de forma grave tratados
internacionais de tutela de direitos humanos. Para
tanto, foi criado pelo Estatuto de Roma, o TPI.