Você está na página 1de 230

Exclusive Stars Books

Eu perdi tudo anos atrás. Meu irmão. Minha família. Tudo que já
significou alguma coisa para mim.

Agora os Lords of Carnage são a minha vida. Qualquer coisa


que eu precise, o clube oferece. Qualquer outra coisa não é
importante.

Pelo menos, é o que eu digo até conhecer Samantha Jennings.


Ela mexe com algo dentro de mim que não sinto há anos. Quando eu
tinha esperança. Quando eu pensava que a vida lhe daria o que você
pediu, se você quisesse o suficiente.

Querer é perigoso. Eu aprendi essa lição. Mas quando olho


naqueles profundos olhos castanhos, quero Samantha. Eu quero
possuir cada centímetro de seu corpo - ouvi-la chamar meu nome
quando ela se perde de prazer.

Se eu fosse inteligente, iria empurrá-la para longe. Faça


qualquer coisa para fazê-la me odiar.

Mas eu sei que não vou. Eu nunca vou parar até tê-la. Mesmo
que isso destrua nós dois.
Vi pela primeira vez Hawk McCullough por trás da segurança de
uma lente de câmera.

Eu tento ser invisível quando estou trabalhando para capturar


um momento em uma foto. Mas a maneira como os olhos de Hawk se
fixaram nos meus, como se as lentes não estivessem lá - eu estava
exposto. Eles queimaram em mim. Me possuindo. Reivindicando-me
como dele.

Eu posso dizer pelo olhar dele que ele está danificado. Cruel.
Um predador.

Eu deveria correr para longe dele. Mas eu sei que é tarde


demais. Eu já sou sua presa.
Esse é, sem dúvida, o trabalho mais estranho da minha vida.

E como fotógrafa freelancer que uma vez fotografou a formatura


de um poodle e um corgi , isso já quer dizer alguma coisa.

Talvez a coisa mais estranha de todas é que não deveria ser tão
estranho assim.

Quero dizer, afinal, é apenas um casamento. E nem mesmo um


casamento de cachorro. Apenas um casamento normal entre duas
pessoas.

Mas normal é a última coisa absoluta que é.

Eu consegui esse trabalho do mesmo jeito que eu consegui


muitos dos meus trabalhos desde que me mudei para Tanner Springs,
cinco meses atrás, oportunidade e boca a boca. Uma vantagem
definitiva de morar aqui é que não há muitos fotógrafos profissionais em
uma cidade deste tamanho. Então, quando digo às pessoas o que faço
para viver, elas ficam muitas vezes animadas para me conhecer e me
perguntar sobre meus serviços, seja para elas mesmas ou para outra
pessoa.

Neste caso, eu estava no Wee Haven Kinder Care fazendo uma


filmagem quando conheci Jenna Abbott. A Wee Haven me contratou
para fazer novas fotos publicitárias de seu site e materiais promocionais.
Muitos fotógrafos não gostam de trabalhar com crianças pequenas,
mas pessoalmente, acho que é uma explosão. Claro, é definitivamente
mais desafiador do que adolescentes e adultos mais velhos, mas
algumas das melhores fotos que eu já fiz foram de crianças fazendo algo
que eu estou tentando não fazer. Então, aprendi a seguir o fluxo, tirar
uma tonelada de fotos e confiar na espontaneidade.

Uma das crianças pequenas em Wee Haven eu simplesmente não


conseguia parar de fotografar era uma pequena bebê chamada
Mariana. Ela tinha cerca de um ano de idade, com longos cabelos loiros
ondulados e o mais lindo sorriso ensolarado de derreter corações. A
pequena Mariana estava aprendendo a andar e era a coisa mais fofa
que eu já tinha visto. Eu tirei muitas fotos dela andando
desajeitadamente em suas perninhas gorduchas, seu cabelo pegando
um feixe de luz solar brilhando através da janela. Ela era uma das
crianças mais fotogênicas que já conheci um fato que fiz questão de
mencionar à mãe dela quando pedi que ela assinasse os formulários
para usar as fotos de Mariana.

— Oh, meu Deus, obrigada! — A mãe, que me disse que o nome


dela era Jenna, corou quando eu apertei a mão dela.

— Estou falando sério. — eu disse a ela. — Honestamente,


Mariana poderia facilmente encontrar trabalho como modelo infantil. Ou
até mesmo como atriz em novela.

— Oh, uau. Obrigada, mas... não tenho certeza se me vejo como


uma mãe de atriz mirim de grande exposição. — disse ela, franzindo o
nariz. — Parece meio... grosseiro, na verdade.

Eu sorrio abertamente.

— Eu sei o que você quer dizer. Mas eu pensei que deveria


mencioná-lo, de qualquer maneira. Mariana é natural. — Eu peguei
algumas fotos dela na tela da minha câmera digital para que Jenna
pudesse dar uma olhada. — Vê o que eu quero dizer?

As sobrancelhas de Jenna subiram enquanto eu folheava as


imagens. Isso é muito bom.
— Até as fotos espontâneas são lindamente emolduradas e
iluminadas. — Ela inclina a cabeça para mim, um olhar curioso em seus
olhos. —Você faz casamentos?

— Claro. — eu disse imediatamente. Eu alcanço meu bolso de


trás para pegar um dos meus cartões de visita. — Há uma galeria inteira
de fotos de casamento no meu site, se você quiser dar uma olhada

Jenna pega o cartão sem olhar para ele.

— Não precisa. — ela deu de ombros com um largo sorriso. —


Só de olhar para essas fotos de Mariana, eu já posso dizer que você é
duas vezes melhor do que qualquer outro fotógrafo que eu estive
considerando. Quanto você cobra?

Expliquei minhas taxas para ela e disse que, como eu era


relativamente nova na cidade, estava descontando alguns dos meus
serviços para que meu nome fosse conhecido e solidificado.

— Oh, meu Deus, isso é tão bom. — disse ela, de olhos


arregalados. — Eu não posso acreditar que você é a melhor fotógrafa
que eu encontrei e também a mais barata. Oh! — Seu olhar mudou e
ela desanimou. — Mas e se você não estiver disponível no dia! Oh, meu
Deus, por favor, me diga que você está livre no próximo mês, no dia 13!

Eu alcancei meu bolso de trás novamente, desta vez para pegar


o meu telefone. — Eu acho que não tenho nada então. — eu fiz uma
careta. — Mas deixe-me dar uma olhada.

Uma consulta rápida com meu calendário me disse que eu estava


realmente livre. O alívio inundou as feições de Jenna. — Oh! Graças a
Deus. Bem, você não está mais livre. — ela disse com firmeza. —
Coloque-me na agenda agora. Jenna Abbott. Logo será Watkins.

—Parabéns, Jenna. — Eu coloquei o nome dela no meu


calendário e pressionei salvar. — Você está agendada.
***

O dia do casamemto não começou de forma tão estranha. Quero


dizer, claro, Jenna me avisou que as coisas poderiam ser um pouco
não convencionais. Aparentemente, o noivo é o Sargento de Armas (o
que quer que isso signifique) do clube de motocicleta local na cidade,
Os Lords of Carnage MC. Eu tenho que admitir, o nome do clube meio
que me deu um arrepio, mesmo que eu tenha tentado parecer legal.

— Será uma cerimônia simples. — Jenna me disse quando nos


encontramos em uma das cafeterias para conversar sobre o que ela
queria. — O presidente do clube, Rock vai realizar o nosso casamento.
O casamento e a recepção vão ser do lado de fora, em uma das
fazendas. — Ela tomou um gole de café. — Basicamente eu só quero
algumas fotos bem feitas, é ai que você entra para documentar o nosso
dia. — disse ela.

Normalmente, quando as noivas dizem que querem simples, elas


realmente não querem dizer isso. Isso significa apenas quatro damas
de honra em vez de sete, ou apenas duzentas pessoas em vez dos
quatrocentos que sua mãe quer. Mas no caso de Jenna, ficou claro para
mim que ela queria dizer o que ela disse. Ela me mostrou fotos de seu
vestido, que era um vestido branco simples, mas bonito.

— Eu não tenho damas de honra com vestidos de renda ou


qualquer coisa assim. — ela riu. — Só vamos ter Mariana e meu filho
Noah em pé conosco. A cerimônia será bem curta e, como eu disse,
será ao ar livre na fazenda de Geno. Não vai ter muito em termos de
decoração. É apenas uma cerimônia curta e depois uma festa longa.

— Parece ideal. — eu murmurei. Eu nunca fui muito para grandes


cerimônias. O que Jenna estava descrevendo parecia muito com o que
eu queria para o meu próprio casamento. Se eu tivesse planos de me
casar, é claro. O que eu definitivamente não sei.
Jenna me perguntou se eu ficaria bem na recepção para poder
fotografar o dia todo. Eu assegurei que estava mais do que bem com
isso.

Então ela hesitou por um momento.

— Então… — ela disse lentamente. — O clube pode ficar um


pouco… barulhento, às vezes. Mas eles são ótimos, realmente, e é tudo
muito divertido.

— Não se preocupe. — eu sorri. — Quão barulhento poderia ser?

— Muito barulhento, de fato.


Eu sigo para o Casamento de Jenna, dirigir para a fazenda é
completamente estranho para mim, então agradeço a Deus pelo
Google Maps. Diferente da maioria dos casamentos, onde eu visito o
espaço antes da cerimônia e coreográfico cuidadosamente os tipos de
fotos que eles querem antes, durante e depois, Jenna não sentiu a
necessidade de toda aquela preparação.

— Nós vamos tirar algumas fotos formais após a cerimônia. — ela


me disse alegremente quando eu sugeri isso. — Como eu disse, só
quero que você documente o dia. Tudo dará certo.

Jenna, deve ser a única noiva menos neurotica que eu já conheci.

Quando eu chego na fazenda, já existem algumas motocicletas e


carros estacionados lá, no grande jardim da frente, do lado esquerdo
da garagem. Eu puxo meu carro para um lado, longe de todas as
motocicletas, e abro o porta malas agarrando as duas sacolas
segurando minha câmera e outros equipamentos, eu coloco as correias
sobre um ombro e bato a porta. A fazenda está situada longe da
estrada, então eu tenho um pouco de uma caminhada ao longo da
entrada de cascalho para chegar a ela. Mas estou acostumada a
carregar minhas coisas por aí.

Quando me aproximo, percebo que já há uma multidão de talvez


três ou quatro dúzias de pessoas reunidas. A maioria dos homens está
vestido com jeans, botas de motociclista e coletes de couro ostentando
o logo de seu clube de motocicletas e uma variedade de remendos. É
como um mar de testosterona músculos volumosos, tatuagens subindo
e descendo pelo bíceps e mandíbulas duras com diferentes graus de
pêlos faciais. Eu endireito meus ombros e respiro fundo, forçando-me a
não ser intimidada. Você pode fazer isso, Sam, eu digo para mim
mesma em minha voz interna de conversação.Você é a fotógrafa. Você
tem que estar aqui.

De um lado, noto um homem que deve ser o noivo, a julgar pela


maneira como os outros estão ao redor dele. Cas, como Jenna disse
que seu nome é. Ele é uma vaca sagrada de tão lindo, com cabelos
escuros e grossos que caem sobre a testa e uma barba rala. Ele está
em um grupo com cinco outros homens e a pequena Mariana em seus
braços. O contraste deste gigante tatuado de um homem segurando
uma pequena menina loira deve ser chocante, mas de alguma forma,
não é tão estranho tudo isso. Mariana está brincando com os remendos
em seu colete. Enquanto eu os observo, Cas alcança e cuidadosamente
move a única rosa vermelha presa na sua lapela, para que ela não a
retire e coloque na boca.

Eu tiro meus olhos da cena, lamentando que eu não tenha minha


câmera a tempo de capturar o momento. Eu faço uma varredura rápida
da multidão para ver o que mais eu posso notar sobre a festa de
casamento. Há mulheres aqui também, é claro, mas minha atenção foi
capturada pelos homens primeiro. Agora, enquanto eu olho em volta,
vejo que elas estão vestidas com vestidos e saltos lindos e reveladores,
que são muito altos e espetados para andar pela grama. Exceto por um
punhado de crianças correndo por aí, a multidão parece mais que está
esperando para voltar ao bar depois que um alarme de incêndio
disparou do que em uma festa de casamento. Mas inferno, uma vez eu
fotografei um casamento onde todos incluindo a noiva, o noivo e o
oficiante estavam vestidos como Elvis do final. Então, quem sou eu para
julgar?

Eu olho ao redor por Jenna, mas ela está longe de ser vista.
Imagino que ela esteja em casa se preparando. Estou prestes a andar
para ver se consigo encontrá-la quando um homem grande e
corpulento se aproxima de mim.

— Ei, você deve ser a fotógrafa. — ele resmunga, apontando


para a minha câmera.
Eu sorrio.

—Oi. Eu sou Sam. Samantha. — Eu hesito, então estendo minha


mão.

O tipo corpulento sacode minha mão com cuidado e percebo que


ele está tentando não esmagar meus dedos.

— Rock. — ele diz simplesmente. — Eu sou o cerimonialista que


vai realizar o casamento.

—Oh. — Olho para o colete de couro e vejo um remendo nele


com a palavra Presidente.

— Eu vou pedir para uma das mulheres que avise Jenna para
que ela saiba que você está aqui. — continua ele apontando para uma
morena alta em saltos incrivelmente altos. — Vamos começar em
alguns minutos.

— Claro. — Eu coloco minha mochila para baixo e pego as lentes


que vou precisar. A morena balança para Rock, que murmura algumas
palavras para ela, e então se vira para a casa. Eu me mantenho com
meus medidores de luz e verifico que tudo está funcionando bem. Estou
terminando quando Rock caminha até uma pequena clareira e levanta
a voz.

— Ok, vamos começar. — ele fala. — Se arrumem e certifiquem-


se de fazer um caminho para a noiva.

A multidão se reúne para ficar em um semicírculo na frente de


Rock, rindo e falando enquanto se arrumam. Muitos dos homens têm
garrafas de cerveja nas mãos e algumas mulheres também bebem. Este
é definitivamente o casamento mais descontraído que eu já estive. Eu
levanto minha câmera e tiro algumas fotos aleatórias de alguns dos
personagens mais coloridos, afundando em meu papel como fotógrafa
porque esse será um dos dias mais importantes da vida de Jenna e Cas.
Ao lado de onde a multidão se reuniu, há uma única cadeira.
Enquanto eu assisto, um dos membros do clube caminha solenemente
até ela, carregando um violão acústico. Ele é incrivelmente bonito, com
a pele profundamente bronzeada, cabelo loiro sujo e tatuagens
cobrindo a maior parte da pele em seus braços musculosos.
Reflexivamente, eu puxo o foco para trás e tiro algumas fotos do jeito
que o corpo dele se move, e da beleza crua e masculina.

Então, enquanto continuo a fotografar, ele se senta com o violão


e começa a tocar.

A música não é de todo o que você esperaria de um homem


enorme, moderadamente perigoso. A multidão se cala enquanto seus
dedos batem e arrancam um instrumental bonito que imediatamente
atrai todos os olhos e ouvidos para ele.

A melodia é suave e assombrosa. Eu poderia jurar que ouvi em


algum lugar antes, mas não consigo me lembrar. Por um momento fico
ali parada, cativa por sua beleza e pelo comando silencioso do homem
que o toca. Então, com um estalar, percebi que parei de tirar fotos. Pare
de sonhar acordada, Sam. Você tem um trabalho a fazer.

Movendo-me o mais discretamente que posso, me abaixo e


começo a tirar fotos do homem enquanto ele toca, fazendo o meu
melhor para capturar a magia do momento. O clique do obturador é tão
silencioso que eu sou a única que pode ouvi-lo, e eu seguro o botão e
tiro dezenas de fotos em rápida sucessão, não querendo perder um
único momento.

Então, enquanto o vejo do meu lugar seguro e voyeurístico atrás


das lentes, o homem olha para cima, seus olhos, uma cor avelã
profunda e penetrante olham direto para câmera. Em mim.

Um choque de calor me atravessa, seguido por uma onda de


constrangimento. Normalmente, quando meus modelos olham
diretamente para a câmera não parece nada pessoal. Eu sei que estou
segura e sem importância por trás da lente. Quando as pessoas olham
para a câmera, elas geralmente imaginam as pessoas que acabarão
vendo a foto e esperando que não fiquem parecendo esquisitas. Mas
isso é completamente diferente. Parece que o olhar do guitarrista é
entediante pela câmera, como se ele estivesse olhando diretamente
para mim. Mesmo que eu saiba que não pode ser o caso. Ele está
apenas olhando para a lente, como qualquer outra pessoa. Ele acabou
de perceber que está sendo fotografado. Isso é tudo.

Mas aqueles olhos... são apenas... hipnotizantes. Faz-me, abaixar


a lente por um segundo. Seu olhar não se move de jeito nenhum. Com
um choque, percebo que ele realmente está olhando para mim.

Eu quase deixo cair a câmera e dou um passo a frente para


impedir que ela caia no chão. Quando olho para trás, vejo apenas a
mais leve sombra de um sorriso no rosto dele. Então, quase como se
eu imaginei a coisa toda, ele olha para o violão e continua a tocar.

Meu coração começa a martelar no meu peito enquanto eu


posiciono a câmera novamente e meio que tropeço aos meus pés. Parte
disso é a adrenalina de quase quebrar minha melhor câmera. Mas a
maior parte é de ser pega tão inconsciente e de alguma forma, sentindo-
se tão exposta por um simples olhar.

Eu respiro fundo e me concentro. Esta é a parte mais importante


do casamento, e devo a Jenna não estragar tudo. Afastando meu
constrangimento, me mudo para fotografar a entrada do noivo e da
noiva.

Chego a tempo de começar a fotografar quando Cas começa a


andar pelo corredor improvisado criado pela multidão. A pequena
Mariana ainda está no quadril, vestida com um minúsculo vestido rosa
de flores, andando ao lado de Cas, a pequena mão engolida na maior,
é um garotinho que deve ser seu filho Noah. A imagem é simplesmente
inestimável eu não poderia ter feito melhor se eu mesma tivesse
pensado nisso. Tiro algumas fotos dos três de um lado para o outro,
troco as lentes, dou alguns passos para a frente e bato mais algumas.
Mariana me vê e acena com entusiasmo. A multidão olha para mim e ri,
eu coro e aceno de volta, depois desapareço atrás da câmera
novamente. Eu tento o meu melhor para ser invisível quando estou
trabalhando em casamentos.

Cas continua pelo corredor, e alguns homens lhe dão um tapa no


ombro enquanto ele passa. Quando ele chega até Rock, os dois
apertam as mãos. Cas se inclina e diz alguma coisa para Noah.

— Ela está vindo! — chora uma voz feminina da parte de trás.

Então, quase como uma pessoa só a multidão se volta para a


casa, onde a noiva aparece.

Jenna caminha pela multidão, seu rosto radiante. Ela está vestida
com o vestido com apetrechos brancos simples. Seu cabelo cai solto
em volta dos ombros, com apenas algumas pequenas flores dispostas
artisticamente em direção ao topo da cabeça. Estou tirando fotos como
uma louca, não querendo perder nem um segundo sequer. Quando ela
chega ao fim e se junta a sua pequena família, há um olhar de amor tão
doce e puro entre Cas e Jenna que um grande pedaço de emoção se
levanta na minha garganta. Uma onda de tristeza me atinge como o
meu próprio maremoto pessoal, mas eu o forço de lado. Não tenho
tempo para deixar este casamento me fazer pensar no passado. Sou
profissional e hoje é tudo sobre Jenna e Cas.

A mão que não está segurando Mariana pega a de Jenna. Ela dá


a seu noivo um sorriso brilhante e deslumbrante. Então os quatro se
viram para encarar Rock.

A cerimônia em si é curta e simples, como Jenna disse que seria.


Rock faz um trabalho rude mas eficaz de cerimonialista, Jenna e Cas
escreveram seus próprios votos, e quando ambos prometem amar um
ao outro, eu aproveito o momento para obter closes de ambos olhando
nos olhos da pessoa que eles estão prometendo passar o resto de suas
vidas.

Honestamente, por mais estranho que isso tenha sido até agora,
é também um dos casamentos mais bonitos que eu já estive.
No final da cerimônia, Cas se vira para outro homem atrás de si e
entrega Mariana. Ele pega as duas mãos de Jenna na sua e a voz de
Rock explode sobre a multidão. — Ghost Watkins, você pode agora
beijar sua noiva.

Minha sobrancelha se enruga em confusão com o nome que Rock


lhe chama, mas eu não tenho tempo para pensar sobre isso, porque
Cas está se inclinando para frente. Ele puxa Jenna em seus braços,
inclinando a cabeça para trás em direção a ele, e o beijo que eles
trocam é tão cheio de paixão e amor que eu meio que rio, meio soluço
quando capturo o momento.

Por alguns segundos, há um silêncio quase reverente.

Então, um grito estridente irrompe da multidão.

— Viva os noivos! — Alguém grita sobre os outros. — Vamos


começar esta festa!
Foram minutos até a recepção.

Eu já estou fazendo apostas comigo mesmo sobre quanto tempo


a fotógrafa vai durar antes que ela enlouqueça e fuja.

Assim que o casamento termina, eu vou para a casa de Geno


para guardar o meu violão, antes que um dos homens fique bêbado e
desordeiro e faça algo estúpido como usá-lo para praticar rebatidas.
Não é um violão muito caro, mas tem muito valor sentimental. É a única
coisa que resta do meu irmão mais velho, que morreu quando eu tinha
dezessete anos.

Esta manhã, os irmãos montaram todo o necessário para uma


festa épica no campo atrás da casa de Geno. No nível do clube, os
preparativos para este dia duraram semanas. Um dos nossos irmãos
que vai se casar. E não apenas qualquer irmão também, Ghost é o
nosso Sargento de Armas, o homem que mantém o nosso clube em
ordem. Normalmente ele seria o único a garantir que as coisas não
ficassem perigosamente fora de controle hoje, mas como o noivo está
oficialmente ocupado, todas as apostas estão canceladas.

O ponto principal de hoje é ter a certeza de que Ghost e Jenna


começarão a vida de casados com uma explosão que será a história de
lenda do clube.

Nosso vice, Angel, o melhor amigo de Ghost e irmão de Jenna,


bebeu e comeu o suficiente, os Lords podem realmente fazer uma
grande festa. Um monte de mesas compridas estão colocadas no meio
do campo, provavelmente foram colocadas de manhã. Algumas das
mesas estão cheias de pratos principais e as laterais com sobremesas,
cortesia das old lady e prostitutas do clube, que fazem questão e com
orgulho alimentar bem seus homens. Nossa enorme churrasqueira feita
sob encomenda foi transportada para cá do clube, pronta para ser
recheada com carne e frango para os homens e mulheres, e
hambúrgueres e cachorros quentes para as crianças. Nossa
churrasqueira está soltando um delicioso cheiro de churrasco,
habilmente manuseada por Tank .

Quando volto para fora da casa de Geno, o enorme sistema de


som que Striker e Tweak montam já está explodindo rock clássico em
um volume que é quase difícil de acreditar. Se Geno tivesse alguém
morando perto, corríamos o risco de alguém chamar os policiais aqui.
Mas como é, ele está tão longe da cidade que não há ninguém perto o
suficiente para ser incomodado por nós. Geno não gosta de vizinhos.
Ou as pessoas em geral, na verdade.

As crianças mais velhas reuniram as crianças mais novas para


levá-las para dentro em sua própria festa, uma festa do pijama no porão
de Geno. O homem da caverna possui uma TV de tela plana de setenta
e cinco polegadas, um sistema de jogo, uma máquina de pipoca e mais
filmes do que qualquer homem poderia assistir em toda a vida. As
crianças vão sair eventualmente, deixando os adultos para continuar
com sua própria loucura. Um monte de irmãos já começou a festa a
sério. Há alguns grupos trocando doses de uísque em uma mesa.
Alguns outros estão recolhidos nos locais de fumantes e rindo de suas
bundas. Mais eu decido ignorar as formalidades e ir direto para a linda
fotógrafa.

Eu tenho assistido a fotógrafa quente desde antes mesmo da


cerimônia de casamento começar. Ela definitivamente não é o tipo de
garota que você costuma ver pendurada em um MC. Não que nossas
garotas e old ladys não sejam gostosas. Merda, nossas mulheres
podem competir com qualquer mulher de qualquer MC que eu tenha
visto em termos de aparência. Mas a fotógrafa se destaca entre todas
elas, em mais de uma maneira. Por um lado, ela está vestida de maneira
diferente, com uma blusa preta discreta e calça preta. Está claro que
ela está tentando não ser notada, e acho que isso faz sentido. Afinal de
contas, suponho que seja difícil tirar fotos de pessoas agindo
naturalmente quando estão cientes de que você as está observando
com uma câmera apontada para todos os seus movimentos.

A coisa é, no entanto, mesmo com as roupas discretas que ela


está vestindo, não há nenhuma maneira no inferno de que essa garota
possa ser invisível. Ela é linda pra caralho, cabelo castanho chocolate
longo, liso e brilhante, uma cintura fina que se transforma em curvas
cheias e deliciosas, e grandes olhos escuros. Não parece que ela está
usando maquiagem, mas Jesus, ela não precisa. Sua pele é
absolutamente perfeita, sua boca cheia e pequena. Enquanto eu a vejo
se mover discretamente em torno da multidão e tirar fotos de Jenna,
Ghost e as outras pessoas, sua testa franzida em concentração e de
alguma forma isso a torna ainda mais bonita. Quando ela morde o lábio
enquanto olha para a tela de sua câmera, eu quero morder por ela.

Na minha experiência, pessoas que nunca estiveram no clube


antes tendem a ser muito intimidadas por nós. E provavelmente com
boa razão. Então eu assisto surpreso e com diversão a próxima hora ou
mais, já que essa garota parece mal reconhecer que qualquer merda
acontecendo ao seu redor é algo completamente anormal.

Ela tira um monte de fotos de Ghost e Jenna, evitando as lentes


sempre que o beijo e o tatear deles começam a ficar no nível quente.

Ela se aproxima para capturar uma foto do Beast, que é quase


dois metros mais alto que ela e pesa quase três vezes mais, enquanto
abaixa meia garrafa de bourbon de uma só vez para ganhar uma aposta
com Gunner.

E ela não pisca quando Tweak desmaia primeiro, e alguns dos


irmãos decidem amarrar as cordas ao redor de sua motocicleta e puxá-
la para uma árvore para ele encontrar quando ele acordar.

Eu estou olhando com admiração clara para ela quando Thorn


vem atrás de mim, seus olhos seguindo o meu olhar.

— Ela é uma maquina, não é? — diz ele, seu sotaque irlandês se


aprofundando como sempre acontece quando bebe.
— Sim ela é. — eu concordo, rindo apreciativamente. — Eu
estive pensando em montá-la desde que ela pisou na fazenda…

Que é verdade. Meu pau tem estado em meia atenção por um


tempo agora, imaginando se ele vai ser chamado para o dever. Eu
deveria deixar a garota sozinha, no entanto. Ela só está tentando fazer
o trabalho dela. E Jenna pode ficar chateada se eu espantar a fotógrafa
do casamento.

Então, Melanie, Rachel e Tammy, três das garotas do clube, vão


até onde Thorn e eu estamos de pé. Todas as três progrediram para a
fase bêbada e risonha.

— Você tem nos ignorado! Pônei — Tammy, bate os olhos


fortemente de rímel primeiro em Thorn, depois em mim. Ela se inclina
para frente em direção a Thorn , mas depois cambaleia em seus saltos
altos e cai desajeitadamente contra o peito dele.

— Você já teve um pouco de bebida, não Ty? — Thorn ri,


colocando Tammy em seus pés.

— O que? — Ela pergunta, confusão torcendo seu lindo rosto.


— Eu não bebi!

Thorn bufa.

— Não importa amor. O inglês é opcional para o que estamos


prestes a fazer. — Antes que Tammy saiba o que está acontecendo,
Thorn a pega e a vira por cima do ombro. Ela grita em protesto simulado,
mas o prazer é óbvio em sua voz.

— Cuidado para não agitá-la com muita força. — eu chamo com


uma risada enquanto ele a carrega. — Ela provávelmente poderá ter
um vazamento.

— Anotado. — ele grita de volta.

Melanie e Rachel se aproximam de mim com expectativa. Elas


parecem gêmeas, até mesmo o que estão vestindo. Ambas têm uma
cascata cheia de cabelos loiros quase brancos, embora Rachel
definitivamente não seja natural. Eu sei por experiência como elas são
boas na cama, e que elas realmente dão um show a um homem antes
de passar para o evento principal.

— Então. — Melanie ronrona, correndo sua longa unha no meu


peito. — Você quer vir nos ajudar a encontrar algum lugar privado? —
Estamos entediadas e Rach estava dizendo o quão divertido você é.

Eu não tenho o hábito de recusar um pouco de diversão,


especialmente não na forma de um trio. Mas assim que abro a boca
para responder, passo os olhos para as mesas de comida. A fotógrafa
gostosa está parada ali, com a câmera levantada, mas ela não está
olhando para as mesas. Ela está olhando para mim.

Nossos olhos travam. Ela congela, como um pequeno animal


preso na mira de um caçador. Por um segundo, nenhum de nós olha
para o outro lado. É uma repetição de antes, quando a peguei tirando
minha foto tocando violão no começo do casamento.

Então seus olhos mudam, observando as garotas enquanto elas


me seguram. Um leve olhar de repulsa atravessa suas feições, e ela
olha rapidamente para longe, seu lábio se curvando um pouco. Todo o
seu corpo enrijece, e ela se agacha e volta ao trabalho, posicionando a
câmera de modo a absorver a comida e algumas pessoas rindo e
comendo ao fundo.

Eu não sei porque me importo. Não é como se eu estivesse


surpreso com o fato de que uma garota simpática do mundo normal
ficaria chocada ou enojada com o que as pessoas no clube fazem. MCs
existem precisamente porque pessoas como ela olham para pessoas
como nós.

Mas de alguma forma, isso meio que atrapalha meus


pensamentos. Ela tem sido completamente profissional e não pisou em
nada durante toda a tarde, e ela então me escolhe para ter um maldito
problema.
Durante o próximo minuto, ela me ignora tão completamente que
quase me apaixono por isso. Eu quase confundo seu ato por
indiferença. Mas assim que estou prestes a sair com Melanie e Rachel
e nos encontrar um lugar privado para foder, eu vejo a fotógrafa apenas
virando a cabeça para nós, e percebo que ela está dando uma olhada
para ver se eu ainda estou lá.

Então isso me atinge. O que quer que ela sinta por mim, com
certeza não é indiferença.

Eu deveria deixá-la sozinha, digo a mim mesmo pela décima vez.


Deixe-a sobreviver ao seu lado selvagem, e volte a fotografar festas de
aniversário de crianças pequenas ou o que ela faz a maior parte do
tempo.

Mas maldição se eu não quero ouvir como sua voz soa, e vê-la
morder o lábio de perto. Eu quero ver sua pele ruborizada como quando
ela finge que não está assistindo todos os meus movimentos.

Não vai machucar nada apenas ir falar com ela.

Então, ignorando meu melhor julgamento e minha melhor


natureza, digo a Melanie e a Rachel que vou fazer uma pausa e me dirijo
para cumprimentá-la.
Ele é tatuado e toca violão perfeitamente. Quando olho
novamente ele se separa das duas bombas loiras e começa a se
aproximar de mim.

— Merda. — murmuro sob a minha respiração. — Merda, merda.

Eu pensei que estava fazendo um bom trabalho em evitar o cara.


Depois do momento estranho quando trancamos nossos olhares no
início do casamento, eu me senti tão nervosa que não confiei em mim
para tirar mais fotos dele, ou mesmo estar perto dele. Então, eu tenho
feito o meu melhor para dar a ele um amplo espaço na recepção. Mas
é claro que, para fazer isso, tenho que ter uma ideia de onde ele está.
O que significa que eu venho periodicamente varrendo a multidão para
ficar de olho nele. Tem funcionado perfeitamente bem por algumas
horas agora.

Exceto que, quando eu fiz meu último exame, ele estava com a
língua na metade da garganta de uma mulher enquanto a outra
deslizava a mão dela até a sua virilha.

E antes que eu conseguisse desviar o olhar, seus olhos estavam


trancados nos meus novamente enquanto eu lutava para manter o
choque e a repulsa do meu rosto.

Ele já fechou metade da distância entre nós quando percebo o


que está prestes a acontecer. Antes que eu possa pensar no que estou
fazendo, saio de perto da mesa de comida esperando não parecer que
estou fugindo e provavelmente falhando miseravelmente.

Eu tento andar com um propósito, como se tivesse acabado de


ver uma foto que preciso capturar. Infelizmente, a única coisa na
direção que estou indo é o bar. Então eu faço um caminho mais curto
para isso e me inclino contra ele, minha respiração superficial é difícil
como se eu fosse uma pessoa que está se afogando e que acabou de
chegar ao bote salva vidas.

— Ei, pode me pegar um gin tônica? — Eu digo nervosamente


para a mulher alta e bonita que está misturando bebidas. — Duplo …
— Normalmente eu não bebo no trabalho, mas de repente meus nervos
estão em frangalhos e eu preciso de algo para me acalmar.

— Claro, querida. —, diz ela, olhando-me especulativamente. Eu


literalmente tenho que me impedir de tocar meus dedos no bar
enquanto ela mistura. Quando ela finalmente entrega para mim, eu
pego o copo dela e engulo um longo gole. Então eu respiro fundo e me
viro para procurar a próxima rota de saída.

— Fico feliz em ver você se soltando um pouco.

Eu grito e quase despejo minha bebida em seu peito. O que


dificilmente seria minha culpa se o fizesse, porque ele está literalmente
a quinze centímetros à minha frente.

— Jesus! — Eu cuspo. — Você nunca ouviu falar de espaço


pessoal? — Minha gin tônica cai nos meus dedos, agitando um pouco
pelo susto, eu transfiro o copo para a minha outra mão e lambo o líquido
deles.

— Eu pego outro para você. — ele ri. — Aparentemente, vai


demorar mais do que um gin tônica para você se soltar.

— Eu não deveria estar solta. — eu cuspo. — Eu deveria estar


trabalhando.

Espero que ele lance uma resposta arrogante para mim, mas por
um momento ele não diz nada, só olha para mim atentamente. Com um
olhar de predador, percebo que ele está me observando enquanto eu
chupo os respingos restantes de gin tônica dos meus dedos. Eu puxo
minha mão para longe da minha boca conscientemente e coro.
— É uma festa. — diz ele. — Caso você não tenha notado. —
Sua voz suaviza um pouco, um pouco de zombaria em seu tom. —
Tenho certeza que Jenna não se importará se você realmente se
divertir.

Eu olho para onde ela e Cas estão dançando lentamente a balada


que está tocando no sistema de som. As mãos de Cas estão vagando
pela bunda de Jenna, e seus olhos estão trancados um no outro como
se não houvesse mais ninguém no mundo.

— Talvez não. — eu admito. — Mas eu tenho um trabalho a


fazer. Jenna não me contratou para sentar e beber, além disso. — eu
digo, acenando com a cabeça na direção das gêmeas — Você não tem
companhia suficiente por uma noite?

Ele ri. — Elas? Não se preocupe com Melanie e Rachel. Elas são
apenas algumas das garotas do clube.

— O que isso significa? Isso soa vagamente como… prostituta...

— Isso significa que elas ficam ao redor do MC, esperando que


um de nós coloque um anel no dedo delas. — Ele me lança um sorriso
sexy e olha para a minha câmera. — Vamos. Faça uma pequena pausa.
Eu estou supondo que você tirou fotos suficientes para preencher
quarenta álbuns de casamento.

— E fazer o que? — Eu atiro de volta para ele.

— Conhecer alguém novo. — Seu sorriso se amplia e se torna


um desafio quando ele estende a mão num gesto meio zombeteiro para
eu sacudir. Eu não quero aceitar, mas não quero que ele pense que
está me sacaneando, então eu faço assim mesmo.

Seu toque parece que faz uma revoada dentro de mim. Uma
explosão de calor me atravessa, imediata e inesperadamente. Eu ofego
audivelmente, mas acho que não faço isso alto o suficiente para que ele
me ouça sobre a música.
Minha boca se abre um pouco, minha respiração se acelera
quando o calor e a luxúria começam a percorrer minhas veias.

Ele me puxa para ele durante o tremor, até que eu estou tão perto
dele que eu posso sentir o calor de sua pele. Seu perfume é masculino,
almiscarado com apenas um leve toque de uísque. Os poucos homens
com quem tenho estado não provocaram nada assim. É cru...
inebriante.

— Qual é o seu nome, querida? — Ele murmura contra o meu


ouvido.

— Uh, não é querida. — eu retruco, lutando para manter a


compostura. Tremendo, eu puxo minha mão para longe da dele e dou
um passo para trás. Quando eu quebro o contato, minha pele
instantaneamente sente a falta da dele. Com a outra mão, levanto o
copo e tomo um gole grande da gin tônica.

Ele parece completamente imperturbável. — Bem, então, me dê


outra coisa para chamar você. — ele dá de ombros.

Seu tom é enlouquecedoramente razoável. Uma onda de irritação


me invade. Eu nunca conheci alguém que eu estava tão
instantaneamente exasperada e atraída ao mesmo tempo. E o que é
ainda mais irritante é que tenho quase certeza de que ele sabe que
estou atraída por ele.

Como se ele pudesse ler minha mente, ele inclina a cabeça e sorri
para mim. — Bem?

Eu sei que ele está tentando me pegar. Ele está tentando me fazer
baixar minhas defesas. E droga, está funcionando. Eu resisto à vontade
de gritar de frustração.

— Eu sou... Samantha. — eu digo. Ninguém me chama assim,


exceto minha avó, mas por algum motivo agora é absolutamente
importante manter alguma distância entre nós, por menor que seja.
Ele pisca para mim como se não estivesse ouvido. — Prazer em
conhecê-la, querida. — ele fala arrastadamente, sua voz mergulhando
em um grunhido baixo e sexy. — Eu sou Hawk.

Eu luto contra a névoa de raiva no meu cérebro. A única defesa


que tenho contra esse homem é sarcasmo e zombaria, percebo. Então
eu os uso.

— Hawk? — Eu bufo, tentando desequilibrá-lo. — Que tipo de


nome é esse?

Um leve franzido cruza suas feições. Eu não posso dizer se ele


está com raiva ou divertido. Eu sinto um pequeno zumbido de triunfo.

— Você não gosta do meu nome. — ele diz em um tom que não
consigo ler. — Eu não insultei seu nome.

Para ser honesta, ele não parece nem um pouco magoado. Mas
mesmo assim, ainda me sinto estranhamente mal por tirar sarro dele. E
isso me deixa ainda mais furiosa, mas também me agrada um pouco.

Eu dou de ombros, lutando contra o desejo de me desculpar. —


Eu não disse que não gostei.

— Ah, então você pode gostar dele. — ele sorri. — Isso é bom.

Meu Deus, eu fui pega novamente — Meu Deus! — Eu reviro


meus olhos, exasperada. — Eu não disse isso também.
— Jesus, existe alguma maneira de ter apenas uma conversa normal
com você?

— Você quer uma conversa normal? — Ele concorda. —


Continue.

Eu olho para ele com desconfiança.

— O que? — Ele pergunta, abrindo as mãos e fingindo inocência.


Eu suspiro. Eu não sei porque estou fazendo isso. — Tudo bem.
— eu bufo e levanto o meu copo para tomar outro drinque. — Assim,
Hawk, esse é o seu nome verdadeiro?

—Real e verdadeiro. Além disso. — ele continua, levando um


longo momento para passar os olhos pelo meu corpo, — Você vai
gostar muito mais quando estiver gritando ele quando minha cabeça
estiver entre suas pernas.

Eu estou no meio de engolir, e parte do gin cai no lado errado, me


fazendo engasgar e balbuciar. Hawk se aproxima para me bater nas
costas, mas eu aceno para ele.

— Você... realmente obtém resultados com essa cantadas? —


Eu digo em voz estrangulada, quando finalmente posso respirar de
novo.

— Nunca usei isso antes, só agora. — ele murmura, inclinando-


se e falando as palavras contra o meu ouvido. — Mas parece que estou
prestes a descobrir.

— Você está brincando comigo? — Eu murmuro, me afastando


dele. — Desculpe, acho que você me confundiu com alguém que não
tem padrões. — A raiva corre através de mim, ou talvez seja o álcool.
É bom ficar brava com ele, porquê eu sou a única no controle.

Estou abrindo a boca para atacá-lo quando um grito para a


multidão principal me faz virar a cabeça.

— Olá a todos! — Chama um homem alto e bonito com uma


barba loura e grossa. — É hora de fazer um brinde aos noivos!

Um grupo de pessoas na multidão grita em resposta. —Vá em


frente, Angel! — Um dos outros homens grita.

— Merda, eu tenho que ir. — murmuro, entregando a Hawk o


que sobrou da minha bebida. Eu vou até onde o homem chamado Angel
está falando, mexendo na minha câmera enquanto ando até ele. Eu
deveria estar prestando atenção nisso. Agora eu só posso esperar que
seu discurso seja longo para que eu possa ter uma boa luz e algumas
boas fotos antes que ele esteja pronto.

— Eu não me importo de dizer a vocês que foi um pouco estranho


para mim quando eu soube que meu melhor amigo e minha irmãzinha
estavam se vendo. — Angel começa. — De fato. — ele ri. —Me parece
que lembro de ter dado a Ghost uma parte da minha mente e do meu
punho, quando descobri.

A multidão se vira para Cas e Jenna com uma risada. Cas levanta
sua cerveja e acena para Angel com um sorriso. Eu me movo em um
ângulo e começo a me clicar.

— Mas eu tenho que dizer, eu não consigo pensar em ninguém


em quem eu confie mais do lado de Jenna. E Ghost, você é um homem
de sorte por ter alguém como Jenna. Eu sei que ela sempre vai amar
você e ser a melhor mamãe para seus filhos.

Algumas das mulheres dizem awwww, e alguns dos homens


assobiam. É inesperadamente tocante. Digo inesperadamente porque,
embora tenha fotografado muitos casamentos, secretamente não gosto
muito deles. Acredito na história pessoal, talvez, mas é um pouco difícil
para mim acreditar na coisa do felizes para sempre. Pelo que tenho visto
em meus vinte e três anos, geralmente não é muito mais do que um
conto de fadas para pessoas que preferem viver na esperança em vez
de confiar na experiência.

Mas quando Angel continua a falar sobre o casal, e eu tiro fotos


de como todo mundo está feliz por eles, eu começo a me sentir um
pouco confusa. Provavelmente é só o gin tônica, digo a mim mesma
com raiva. Eu não deveria ter quebrado minha regra e tomado aquela
bebida. Além disso, ao contrário da maioria dos casamentos onde os
garçons tendem a diluir as bebidas, acho que o barman realmente fez
o meu mais forte do que o normal. Vagamente, percebo que esqueci de
comer a barra de cereal que coloquei na minha bolsa e, como
conseqüência, não recebi nenhuma quantidade de calorias que não
sejam líquidas em quase cinco horas.

Estou fazendo uma nota mental para pegar um cachorro quente


ou algo para me ajudar quando de repente eu vejo o ângulo perfeito
para uma foto. Se eu conseguir me levantar em um dos grandes alto
falantes atrás de Angel antes que ele termine de falar, posso tirar uma
foto dele fazendo seu discurso em primeiro plano, com o
enquadramento perfeito dos recém casados no fundo. Nada me deixa
mais excitada do que uma foto bem cronometrada, então eu
imediatamente me aproximo e pego uma cadeira dobrável, em seguida,
vou para trás do alto falante e uso a cadeira para subir.

O alto falante é um pouco vacilante, como uma velha escada, mas


não vou ficar lá em cima por muito tempo. O ângulo perfeito para a foto
será comigo agachada e de lado, por isso inclino o pé esquerdo até a
borda e me inclino um pouco para fora. Assim quando Angel está
segurando sua cerveja para fazer o brinde oficial, Jenna olha para Cas
no fundo, e eu foco novamente a lente e triunfantemente começo
tirando a foto exata que eu estava esperando pegar.

— Para Jenna e Ghost! — Angel grita.

A multidão ruge em alta aprovação. Então, alguém em algum


lugar começa a música novamente. O estrondo alto da primeira batida
do alto falante em que estou parada me assusta e, antes que eu possa
perceber o que está acontecendo, perdi o equilíbrio e estou caindo para
trás. Meu instinto de enrolar minhas mãos e pegar em alguma coisa é
anulado pelo meu instinto de proteger minha câmera, e antes que eu
perceba estou em queda livre, esperando desesperadamente que o que
quer que entre em contato quando eu caia no chão não vá doer muito
seriamente.

Há um momento doentio quando estou no ar, meu estômago vai


na garganta.
E então eu estou presa nos braços fortes e musculosos de
alguém.

Estou começando a respirar aliviada, quando uma voz muito


familiar murmura em meu ouvido:

— Recebo pontos de bônus por salvar a câmera?


Eu praticamente posso sentir o cheiro do xampu dela fazendo
cócegas no meu nariz quando a pego em meus braços, pouco antes
dela cair no chão.

Eu podia ver imediatamente que o alto falante que ela estava


prestes a subir era vacilante e poderia não ser seguro para ela ficar em
pé, mas eu não queria gritar com ela e estragar a foto de Angel. Quando
ela subiu em cima, eu circulei por trás da multidão para o outro lado, até
que eu estava de pé bem atrás dela. Meu plano em primeiro lugar era
segurar o alto falante para ela e firmá-lo enquanto ela tirava fotos, mas
a coisa começou a balançar para trás antes que eu pudesse chegar a
ela. Então, em vez disso, mal tive tempo de colocar os braços para fora
antes que ela caísse neles.

Aconteceu tão rápido que ela nem teve tempo de gritar ou chorar.
Ser pega antes de bater no chão a surpreendeu em silêncio. Mas isso
não durou muito.

— Recebo pontos de bônus por salvar a câmera? — Murmuro


em seu ouvido.

O olhar de choque em seu rosto se transformou em indignação


quando ela percebeu que era eu quem a pegara.

— Você está seriamente me seguindo em torno desta recepção?


— Ela cuspiu, os olhos arregalados.

— De nada. — eu sorri. Em vez de deixá-la ir, apertei meus braços


nela apenas um pouco. Ela sentiu o calor, e um dos seios dela estava
roçando meu peito. Tomei outro cheiro do seu cabelo e tentei decidir se
a beijaria.
Samantha parecia estar tentando considerar se deveria gritar
comigo ou me matar.

— Você sabe, você poderia ter quebrado o seu pescoço, subindo


naquela coisa trêmula. — eu esbravejo com ela. — O que diabos você
estava pensando?

— Não é da sua conta o que eu estava pensando. — ela disse.


— Eu estava tentando capturar um ângulo. Eu tive uma ideia em mente.
Que eu realizei, a propósito.

— Eu acho que o gin tónica prejudicou o seu julgamento. — eu


disse suavemente. — Por que você não pediu a alguém para ajudá-la?

— Não havia tempo. — disse ela, impaciente. — Eu não sabia


quanto tempo Angel ia falar. Agora, você vai me importunar?

— Você vai me prometer que não vai fazer nada assim novamente
sem pedir ajuda? — Eu apertei meus braços nela apenas um pouco
mais, para mostrar a ela que eu não estava brincando. Era fofo que ela
estava tão brava, mas francamente, ela poderia ter se machucado
seriamente. O jeito que ela estava caindo, para trás assim sem suas
mãos para protegê-la, ela poderia estar a caminho da sala de
emergência agora. Um pico tardio de adrenalina disparou em minhas
veias, fazendo-me sentir um pouco doente e um pouco louco.

— Eu quero dizer. — querida eu murmurei, baixando a minha voz.


Meu queixo ficou tenso. — Você quase quebrou sua cabeça idiota.
Você teve muita sorte de eu estar lá para te pegar.

A testa de Samantha se franze em frustração. Eu tinha certeza


que ela ia começar a chutar e gritar algo para sair dos meus braços.
Mas então, quando eu estava prestes a ceder e deixá-la ir, o lábio
inferior rechonchudo deslizou entre os dentes.

Esse lábio que eu estava morrendo de vontade de morder.

Meu pau ganhou vida instantaneamente.


— Ok. — ela sussurrou, seus olhos mal encontrando os meus.
— Você está certo. Eu poderia ter me machucado. — Ela estava tão
perto de mim que eu podia ver suas pupilas, largas e escuras. Enquanto
meus olhos se fixavam nos dela, eu podia ouvir sua respiração
acelerando. Seu lábio inferior escapou de seus dentes.

Eu suprimi um gemido. Meu pau pulsou sob meu zíper. Jesus


foda-me, eu queria esmagar sua boca com a minha, carregá-la até a
primeira superfície plana e afundar-me dentro dela. Isso me atingiu com
tanta força que quase senti como se tivesse sido socado.

Por que diabos eu não fiz isso, não tenho a menor idéia.

Em vez disso, como um idiota, eu a abaixei, dei um passo para


trás e assenti.

— Isso é bom. — eu disse rispidamente.

Então eu me virei, fui embora e comecei a ficar mais bêbado do


que merda com uma garrafa de uísque que peguei atrás do bar.

Quando acordei, passava das quatro da manhã, e alguém havia


colocado um chumaço de algodão na minha boca e levado uma bola
para o meu crânio. Samantha já tinha ido embora, claro. E eu não a vi
desde então.

Não que eu não quisesse. Inferno, eu tenho pensado nela de vez


em quando desde aquela noite. Como agora.

Mas eu estava mentindo quando disse que não sabia por que não
saí com Samantha. Eu sei exatamente porque.

Porque quando eu olhei naqueles profundos olhos castanhos, eu


a queria. Queria tanto ela quanto eu pudesse provar. Queria possuir
cada centímetro de seu corpo, ouvi-la chamar meu nome quando ela
gozasse.

Querer é perigoso. Quando você quer coisas, às vezes faz você


fazer merda estúpida. Você comete erros.
Se eu precisar de sexo, posso fazer sexo. As garotas do clube
estão sempre por perto e, além disso, nunca tive que me esforçar
demais para atrair mulheres. Eu quero a fotógrafa quente, claro, mas eu
não preciso dela. Eu posso satisfazer minhas necessidades em outro
lugar. A parte que falta é irrelevante. Eu aprendi a ignorar o que quero.
É melhor assim.

— Ghost não esta de volta ainda? — Gunner me pergunta


enquanto ele caminha até o bar.

— Eles acabaram de voltar para a cidade. — digo a ele, e dou um


sinal a Jewel para pegar uma cerveja. — Angel disse que ele e Jenna
foram até a casa de Skid para pegar as crianças e trazê-las de volta
para casa. Ghost deve estar aqui em breve, quando ele terminar de
pegá-los.

Ghost e Jenna acabaram de voltar de sua lua de mel, uma viagem


de motocicleta de cinco dias que Ghost havia planejado como uma
surpresa para sua noiva. Ele próprio fizera todos os arranjos até mesmo
para conseguir que Rena, a old lady de Skid, cuidasse dos filhos de
Ghost e Jenna pelo tempo que eles teriam que viajar.

— Eu aposto que o Ghost vai ser um filho da puta descontraído,


depois de cinco dias seguidos recebendo cargas de rabo. — diz
Gunner, dando-me um sorriso de lobo.

— Não tenho certeza de como eles poderiam aproveitar muito


mais do que eles já fizeram. — eu rio.

Ghost e Jenna estão um sobre o outro na maior parte do tempo.


Mesmo com duas crianças pequenas, eles ainda agem como
adolescentes em volta um do outro. Que é justo, porque eles eram
adolescentes quando eles ficaram juntos pela primeira vez. Ghost me
contou toda a história uma noite, quando estávamos sentados do lado
de fora do bar fumando. Ele e Jenna tiveram uma pequena aventura em
um verão, quando ela estava em casa tentando se recompor depois de
um semestre duro na faculdade. Depois que se ligaram, Jenna saiu da
cidade novamente, e houve um período de cerca de cinco anos em que
Ghost não a viu. Quando ela voltou para Tanner Springs, ela tinha um
menino chamado Noah no reboque. Não demorou muito para que
Ghost e Jenna voltassem a se encontrar em segredo. Eventualmente,
descobriu-se que eles tinham voltado a ficar juntos e que Ghost era o
pai de Noah.

É incrível como as coisas funcionam às vezes, eu penso comigo


mesmo. Todo esse tempo, Ghost e Jenna estavam separados, vivendo
suas próprias vidas. E agora eles estão aqui, com certeza o que eles
têm juntos é para amarrar o nó e se estabelecer como uma família.

Eu não posso imaginar isso pessoalmente. Eu não posso imaginar


confiar em uma mulher o suficiente para acreditar em algo permanente
como isso. Compreendo, Jenna é tão forte quanto amor que eles tem.
Inferno, eu entendo completamente porque o Ghost queria ficar na
frente de seus amigos e familiares e tornar isso oficial com ela. Se eu
tivesse alguém com quem eu tivesse certeza, talvez me sentisse do
mesmo jeito. Mas na minha experiência, mulheres como Jenna são
muito raras. E as loucas vem aos montes.

Um gosto amargo sobe na minha garganta e eu bufo em


desgosto. Eu pego minha cerveja e dou um longo gole para lavar o
gosto. Eu tento não pensar em coisas que não posso mudar. Não faz
bem de qualquer maneira.

Só então, a porta do clube se abre, e Tweak vem entrando. Ele


levanta o queixo para nos cumprimentar, mas não para no caminho
para a parte de trás do clube. Gunner levanta a mão em uma onda e
se vira para mim, seus olhos brilhando.

— Eu ainda acho que Tweak não nos perdoou por colocar sua
motocicleta naquela árvore. — ele murmura. — com uma risada em sua
voz.

Eu não posso deixar de sorrir com a memória. — Não posso dizer


que eu o culpo completamente. — eu respondo. Tirar a moto de Tweak
da árvore tinha sido um pouco mais complicado do que esperávamos.
Acabou que a moto enroscou nos galhos e ficou presa como o inferno.
Tweak e quatro dos outros caras acabaram tendo que pegar uma
motosserra lá em cima e cortar um deles, e a moto quase caiu da árvore
no chão. A brincadeira bêbada dos irmãos quase custara Tweak sua
valorosa Road King , e ele ainda não estava pronto para esquecer isso.

— Ele vai superar isso eventualmente. Inferno, sem nenhum dano,


né? Exceto pela árvore de Geno, claro. — Era verdade, Geno não
estava exatamente feliz com o estrago que tínhamos feito também.

Gunner sacode a cabeça e sorri para mim. — Meu Deus, o


casamento do Ghost foi um inferno de festa. Nós não tivemos um assim
em muito tempo.

—Não merda, irmão. —eu digo, batendo palmas nas costas dele.

Gunner se levanta para ir ao banheiro e eu sento lá e termino


minha cerveja. Era um inferno de um bom tempo eu sorrio para mim
mesmo.

Mesmo que a minha lembrança favorita da noite tenha mais a ver


com a fotógrafa quente. Samantha

Eu realmente, realmente precisava tirá-la da minha mente.

Não muito tempo depois de Gunner voltar de mijar, Ghost vem


andando pela porta da frente do clube. Os irmãos se aglomeram ao
redor dele, dando boas vindas a ele em casa e dando tapas nas costas
dele.

— Bem, Ghost, como é pegar em uma garota casada? — Piadas


de sexo sempre fazem os outros rirem.

— Cuidado, irmão. — adverte Angel. — Essa é a minha irmã que


você está falando.

— Ok, ok, desculpe. — Brick corrige. — Como é pegar a irmã


casada de Angel?
Angel puxa o punho para trás e finge que vai bater em Brick, que
se abaixa e começa a rir.

— Você não está feliz por estar de volta aqui com esses montes
de merda? — Thorn suspira, sacudindo a cabeça. — Eu não perdi
quase tanto quanto você pensa. — sorri Ghost.

Tank revira os olhos. — Você nos ama. Você estava chorando em


sua cerveja todas as noites pensando em nós enquanto você estava
fora.

— Irmão, eu estava muito ocupado para isso. — Ghost diz.


Embora, eu estava me perguntando, Tweak já tirou sua motocicleta da
árvore de Geno?

Só então Rock emerge da parte de trás. — Então é isso todo o


barulho que está acontecendo aqui fora. — ele rosna. Ele acena em
direção a Ghost. — É bom ver você, irmão. — diz ele rispidamente. —
Esposa está bem?

Ghost sorri. — Ela está ótima, obrigado.

— Bom negócio. — Rock vira para o resto de nós. — Coloque o


vagão de boas vindas em espera. Igreja em três minutos.

— Bem, aí está. A lua de mel acabou oficialmente. — Ghost


murmura com um sorriso.

Entramos na capela e nos sentamos em volta da mesa. Rock vem


por último e senta-se pesadamente na cabeceira da mesa.

— Chamei esta reunião para resolvermos um problema. — Rock


golpeia o martelo sobre a mesa. — Que bom que você voltou, Ghost.
Temos muito o que conversar.
Eu levanto meus braços em um longo e doloroso alongamento e
estremeço de repente. Minhas costas estão me matando.

Estou sentada no meu local de trabalho há quase quatro horas,


editando fotos do casamento de Jenna e Cas e colocando elas em uma
galeria de casamento online. Eu realmente deveria fazer uma pausa,
mas eu quero terminar de juntar a coleção perfeita de fotos para ela, e
eu tenho uma tonelada para escolher.

Um dos aspectos mais importantes da fotografia de casamento é


criar uma galeria e, eventualmente, um álbum de casamento que
realmente capta o clima e a atmosfera do grande dia do casal. Você
poderia pensar que seria fácil ou que a maioria dos casamentos é
basicamente o mesmo nesse sentido. Mas, na verdade, todo
casamento tem sua própria história para contar. E é meu trabalho trazer
essa história única através das fotos.

Às vezes, contar essa história envolve seletivamente...


silenciando certas partes dela. Como o casamento que fiz há alguns
meses, onde a mãe da noiva apareceu em um vestido branco que
rivalizava com o vestido de casamento da noiva em esplendor. A mãe
era um desastre de cirurgia plástica com maquiagem suficiente para
fazer Arnold Schwarzenegger parecer Angelina Jolie. Os pais da noiva
se divorciaram e o pai dela se casou novamente com uma mulher muito
mais jovem. Estava bem claro que a mãe da noiva estava tendo um sério
surto de meia-idade, tentando competir com a nova esposa de seu ex
marido e sua própria filha. Compreensivelmente, a noiva teve um
colapso total enquanto estávamos fazendo a sessão de fotos pré
casamento das famílias.
Sim, tente juntar fotos daquele casamento que não vai apenas
lembrar a noiva de como sua mãe era horrível em seu grande dia. Foi
um desafio, para dizer o mínimo.

Felizmente, no caso de Jenna e Cas ou Ghost, como seus colegas


de club o chamam não preciso fazer nenhuma edição seletiva. A noiva
estava radiante, o noivo era bonito e todos se divertiam muito. E desde
que eu me certifiquei de não tirar fotos de qualquer coisa com censura
na recepção, a maioria das fotos que tirei são úteis. É apenas uma
questão de selecionar as melhores para contar a história do dia.

Quando eu finalmente acho que tenho tudo editado e no lugar do


jeito que eu quero, levanto-me, dou um passeio ao redor da casa, e
então pego meu laptop e o levo para o sofá. É hora de olhar para a coisa
toda como se estivesse vendo pela primeira vez como se eu fosse Jenna
e Cas. O que eles verão quando abrirem a galeria e começarem a
clicar?

Eu configurei a galeria em ordem cronológica. Então as primeiras


imagens mostram fotos da fazenda, alguns dos convidados rindo e
conversando, e algumas fotos de Cas antes do casamento, segurando
Mariana e parecendo felizes. Depois, há algumas fotos dos convidados
reunidos em torno do local onde Cas e Jenna farão seus votos.

E então, meu coração pula no meu peito quando um close de


Hawk aparece na tela, inclinado sobre o violão.

Eu tenho trabalhado nessas fotos por alguns dias agora, e desde


que as únicas fotos de Hawk que tirei foram do início da cerimônia, eu
não as vejo há algum tempo. Apesar de tudo, meu estômago revira
enquanto estudo suas feições esculpidas. A mandíbula forte. Os lábios
sensuais. A sombra de uma barba. Seu cabelo loiro sujo cai sobre os
olhos enquanto ele toca. Minha respiração acelera um pouco.

Clico para as próximas fotos, uma colagem de suas mãos


enquanto ele toca. Eu sempre tive uma coisa estranha sobre as mãos.
Elas são uma das primeiras coisas que eu vejo em um cara. Eu não
posso explicar exatamente o que há sobre algumas mãos que eu acho
atraentes, mas não é algo que eu possa ligar ou desligar. Você poderia
me mostrar o cara mais bonito do planeta, e se eu não gostar de suas
mãos, ele me deixará totalmente fria.

As mãos de Hawk são quadradas e fortes. Masculinas. Elas se


parecem com mãos que podem fazer coisas, consertar coisas. Olho
para a colagem de fotos, para a maneira como os dedos dele tocam os
acordes e toca as cordas. Estas são mãos que sabem ser sutis. Não
apenas como martelar, mas para acariciar.

Clico mais algumas fotos de Hawk. Minha pele está começando a


ficar eletrica. Eu continuo pensando em suas mãos. Imaginando como
seria tê-las em mim: me tocando, me acariciando. Vagamente, estou
ciente de que talvez eu tenha colocado muitas fotos dele no começo da
galeria. Talvez eu devesse tirar algumas delas...

E então, a foto que me faz parar no meu caminho, e respiro fundo.

Aquela em que ele está olhando diretamente para a câmera direto


para mim, um meio sorriso provocante brincando em seus lábios.

Oh meu Deus…

Um arrepio percorre-me. Seus olhos castanhos estão um pouco


zombeteiros, um desafio em sua expressão. Antes que eu possa
empurrar a memória para longe, ouço seu rosnado baixo no meu ouvido
quando perguntei se Hawk era seu nome verdadeiro.

— Real e verdadeiro. Além disso, você vai gostar muito mais


quando gritar meu nome quando eu estiver com a cabeça entre as suas
pernas.

Eu olho agora para os olhos dele, paralisada, meus mamilos


ficando tensos. Uma dor baixa começa entre as minhas pernas. Por um
segundo, eu olho para longe, envergonhada como se ele pudesse me
ver olhando para ele. Então, incapaz de me ajudar, eu arrasto meus
olhos para a foto, traço o contorno de seus lábios na tela. Minha pele se
arrepia quando me lembro de como era estar em seus braços e o quão
forte ele me segurou contra ele quando caí do alto falante...

Uma batida forte na porta da casa me sacode dos meus


pensamentos, me fazendo pular.

— Jesus! — Eu assobio, fechando o laptop como se tivesse sido


pega fazendo algo ruim. Eu vou até a porta e olho para fora. É Lourdes,
a empregada da minha avó.

— Sua avó quer vê-la na casa principal. — informa Lourdes


quando abro a porta.

— Ok. — eu aceno, e olho de volta para o meu computador. —


Deixe-a saber que estarei lá em alguns minutos. Eu só tenho que
terminar uma coisa.

Lourdes pressiona os lábios e tenta manter o rosto sem


expressão.

— Sua avó disse agora. — diz ela simplesmente.

Eu suprimo um gemido. Não sei por que minha avó não pode
simplesmente me ligar ou me mandar uma mensagem como uma
pessoa normal, em vez de usar Lourdes para me chamar. É
embaraçoso e não é o trabalho de Lourdes.

A irritação explode dentro de mim, mas eu tento empurrá-la para


baixo. Isso não é culpa de Lourdes, afinal de contas, e não quero
descontar nela. — Ok. — eu suspiro. — Eu estarei lá..

Lourdes acena com a cabeça uma vez e depois se volta para a


casa principal.

Eu fecho a porta e balanço minha cabeça, meus olhos rolando


praticamente para fora da minha cabeça. Claro que a minha Vó disse
que ela precisa me ver agora. Mesmo que com toda a probabilidade,
ela só vai me pedir para levar sua poodle Mary Jane para passear ou
algo assim. Outras pessoas esperam pela minha Vó mas ela não espera
por ninguém.

Eu ainda estou nervosa e desconfortavelmente quente de olhar as


fotos de Hawk no meu laptop quando eu entro no meu quarto para
colocar algo mais apresentável do que a blusa e leggings desbotadas
que estou usando. Eu sei que Lourdes não poderia saber o que eu
estava fazendo ou pelo menos, o que eu estava pensando em fazer.
Mas mesmo assim, estou envergonhada de ser pega tendo
pensamentos assim. Especialmente sobre alguém que eu não tenho
porque pensar assim.

Quando chego ao quarto, saio do transe, pego um sutiã na gaveta


e encontro uma camisa de botão no meu armário. Chutando meu short
eu encontro um par de jeans que não estão muito enrugados e os
coloco. Eu puxo o elástico do meu cabelo, passo uma escova nele, e
me dou uma rápida olhada no espelho da penteadeira. Bom o bastante.
Não é muito, mas pelo menos talvez a minha limpeza não vai gerar uma
crítica completa do meu guarda-roupa pela minha avó. Ela tem opiniões
muito definidas sobre o que é e o que não é apropriado usar na frente
de outras pessoas.

Depois de escorregar em um par de sapatilhas, volto para a sala


principal, saio pela porta da frente e atravesso o quintal até a casa
principal, enquanto me pergunto o que ela quer falar comigo.
Minha avó Filipa Jennings é uma das integrantes da cidadania de
Tanner Springs. Seu marido o pai de meu pai era um proeminente
banqueiro da cidade. Eu nunca conheci o vovô Jennings. Ele morreu
muitos anos atrás, quando eu era criança. E, francamente, eu também
não conhecia minha avó quando estava crescendo. Meu pai deixou a
cidade da minha mãe quando eu era bebê, e além de algumas fotos
granuladas, eu mal sabia como ele era.

Eu conheci vovó logo depois que minha mãe morreu de câncer,


quando eu tinha dezenove anos. Eu mal conhecia sua existência, mas
eu acho que ela sabia da minha. Como ela também não conhecia o
paradeiro do meu pai, eu era basicamente a única família que ela tinha,
além de uma cunhada que morava a cerca de uma hora de distância.
Algumas semanas depois do funeral de minha mãe, vovó me enviou
uma carta me pedindo para visitá-la em Tanner Springs. Tivemos um
primeiro encontro desajeitado, mas não totalmente desagradável, no
final do qual ela silenciosamente colocou um envelope em minhas mãos
que acabou contendo várias centenas de dólares.

Depois disso, mantivemos um toque formal e pouco frequente,


principalmente através de cartões e cartas nos feriados. Cerca de dois
anos atrás, as cartas de vovó começaram a aparecer com mais
frequência. Ela me disse que sua saúde estava começando a falhar, e
eventualmente me perguntou se eu iria me mudar para Tanner Springs,
para manter sua companhia em seus últimos meses. Ela tinha uma
edícula totalmente mobiliada, disse ela, e era minha para ficar o tempo
que eu quisesse.

Acontece que o pedido de vovó não poderia ter ocorrido em


melhor hora. Eu estava me recuperando depois de um romper com o
homem que me azedara completamente com a ideia de casamento, e
a perspectiva de sair da cidade era atraente. Arrumei os poucos
pertences que queria levar comigo para meu carro e dirigi cinco horas
para o sul, em direção a Tanner Springs, esperando encontrar uma
sombra frágil e moribunda da avó que eu conhecia. Em vez disso, ela
estava tão forte e saudável como sempre esteve, além de uma
aquisição recente de aparelhos auditivos, que ela desprezava e jurava
que não precisava.

Eu provavelmente deveria estar com raiva porque minha avó


basicamente me enganou para me mudar para Tanner Springs. Mas,
francamente, não é como se eu tivesse deixado essa vida e voltar para
minha cidade. Então, em troca de comer algumas refeições com ela por
semana e ouvi-la reclamar sobre o que está irritando ela em um
determinado dia, eu tenho um lugar para ficar que eu nunca poderia
pagar sozinha e a flexibilidade para construir meu negócio de fotografia.

Quando encontro vovó na casa principal, ela está de pé na grande


janela da frente da sala de estar. Ela está olhando para fora com uma
expressão amarga no rosto. Sua velha poodle, Mary Jane, está ao seu
lado, observando os acontecimentos com a mesma expressão.

— Aqueles vizinhos do outro lado da rua têm um especialista em


árvore por lá. — ela fala desdenhosamente. — Eles vão derrubar
aquele lindo e velho carvalho no jardim da frente. Eu não gosto disso.
— Ela balança a cabeça como se não acreditasse na audácia deles. —
Essa árvore esteve lá desde sempre. Faz parte do bairro.

Meu olhar segue o dela. — Também é mais alto que a casa deles,
e é inclinado. — comentei. — Uma boa tempestade e aquela coisa
cairia no telhado.

Vovó franze os lábios. Ela não gosta de ser contrariada. — Bem,


deve haver algo que eles podem fazer. — diz ela teimosamente. Ao lado
dela, Mary Jane emite um grunhido baixo de concordância. — E não
apenas derrubar uma árvore como essa por capricho. — Os cantos de
sua boca se abaixam. — Essa árvore está aqui há muito mais tempo do
que eles.
Um pequeno sorriso levanta as bordas da minha boca. Então esse
é o problema. Os vizinhos do outro lado da rua, os Cantwells, são um
jovem casal profissional que se mudou há dois meses com seus dois
gêmeos. Ele é um veterinário e ela é uma corretora de imóveis, se bem
me lembro. A casa costumava pertencer ao ex-prefeito de Tanner
Springs, que deixou a cidade há pouco tempo sob circunstâncias um
tanto misteriosas. A própria vovó não sabe exatamente o que aconteceu
com ele. É claro, pelo modo como ela fala, que ela gostava do prestígio
de viver do outro lado da rua do prefeito. Eu não acho que os novos
vizinhos, com seus dois filhos indisciplinados, estejam de acordo com
seus padrões.

— Você não pode simplesmente derrubar um pedaço da história


em um bairro como este. — vovó está murmurando para si mesma. Eu
sei melhor do que discutir com ela, então eu tento fazer a próxima
melhor coisa.

— Vovó. — eu a interrompo, mudando de assunto. — Lourdes


disse que queria me ver?

— Oh. Sim. — Relutantemente, vovó se afasta da janela e me


encara. — Eu consegui um emprego para você. — diz ela com um
aceno satisfeito.

Eu suprimo um gemido. Isso é exatamente o que me preocupava.


Desde que cheguei à cidade, cinco meses atrás, vovó tem tentado me
convencer de que a fotografia não é um trabalho de verdade e que
preciso de algo mais respeitável, mais estável. Não importa quantas
vezes eu tenha dito a ela que estou conseguindo uma quantidade
decente de trabalho e não preciso de ajuda de suas conexões. Ela está
convencida de que estou perdendo meu tempo e energia em uma
carreira que nunca vai dar certo.

— Vovó. — eu começo, tentando manter a irritação fora da minha


voz. — Eu realmente aprecio sua preocupação, mas eu lhe disse, estou
trabalhando na construção do meu negócio de fotografia. Eu não posso
aguentar nenhum...
— Oh, bobagem, Samantha. — vovó me interrompe
impacientemente. — Tenho certeza que você terá bastante tempo
entre trabalhar e tirar suas pequenas fotografias.

Meu sangue começa a aquecer com a referência às minhas


pequenas fotografias. Não é novidade que a vovó não pense muito no
que eu faço, mas ainda é incrível a rapidez com que ela pode ficar sob
a minha pele com comentários como este. Eu começo a repetir o
mantra em minha mente que eu uso sempre que ela está me deixando
louca: ela é uma mulher velha, ela é decidida em seus caminhos, ela
não tem nenhuma família exceto você, ela só está tentando ajudar do
seu próprio jeito...

— Minha boa amiga Ruth Ellen Hanson é diretora da biblioteca.


— continua vovó, erguendo o queixo. — Ela está procurando alguém
para trabalhar lá, talvez em meio período para começar e,
eventualmente, em tempo integral. — Vovó olha para mim e me dá um
sorriso fino. — Claro, quando eu disse a ela que minha neta estaria
disponível, ela ficou imediatamente interessada em contratar você.

— Mas vovó. — eu suspiro, tentando uma abordagem diferente


desta vez. — Não seria melhor se, você sabe, eu realmente me
candidatasse para cargos que eu realmente queira?

— Bem, não consigo imaginar por que você não gostaria dessa
posição. Certamente não é particularmente desafiadora. Mesmo
alguém sem educação pode fazê-lo. — diz ela, referindo-se ao fato de
que eu decidi deixar a faculdade. — Tudo o que você fará é verificar
livros e re-arquivar coisas. Quão difícil isso pode ser? Tudo o que você
precisa saber é o alfabeto. — Ela me lança um olhar como se não
acreditasse que eu estivesse rejeitando sua ajuda para conseguir um
emprego.

Eu empurro o impulso de discutir com ela. — Tenho certeza de


que é um trabalho adorável. — eu digo em seu lugar. — E obrigada por
pensar em mim. Mas eu apenas penso...
— O que? — ela interrompe, seu tom desafiador.

Oh, Deus... Ela não vai deixar isso passar, eu sei. Não adianta
tentar lutar com ela sobre isso. E se eu recusar este trabalho, ela apenas
procurará outro para mim. Eu respiro fundo e deixo sair.

— Ok, vovó. — eu digo cansada. — Eu vou entrar em contato


com sua amiga...

— Ruth Ellen. — diz ela prontamente.

— Ruth Ellen. Vou contatá-la para uma entrevista. — Talvez Ruth


Ellen me odeie, e vovó ficará satisfeita de que pelo menos eu tentei,
digo a mim mesma, mas sei melhor. Minha avó é uma das pessoas mais
teimosas que eu conheço, e ela não vai descansar até que eu tenha o
que ela considera um trabalho decente.

— Excelente, querida. — diz ela em um tom de desprezo, agora


ela parece satisfeita. Ela volta a atenção para a janela da frente e
percebo que estou sendo dispensada.

— Oh, e mais uma coisa, Samantha. — ela chama depois que eu


me viro para ir.

— Sim? — Eu pergunto, olhando de volta. — Por favor, leve Mary


Jane para passear.
— Eu resolvi sair para conversar com Len Baker esta manhã. —
Rock está dizendo. — Ele me perguntou como está indo o processo de
licenciamento para o armazém

— Saiu para conversar? — Brick comenta ironicamente, notando


a repetição de Rock da palavra. Len Baker é o chefe de polícia da
cidade de Tanner Springs.

— Sim. — resmunga Rock. — Ele me disse que acha que seus


dias estão contados como chefe de polícia. Holloway está querendo
substituí-lo, dizem os boatos. — Rock dá uma boa olhada ao redor da
mesa. — Ele disse que Holloway está trabalhando muito nos bastidores
para conseguir que seu candidato preferido para ser o xerife do
condado seja eleito também.

Os homens ficam em silêncio por um momento, observando suas


palavras. Não há como isso ser uma boa notícia para nós. Claro,
deveríamos ter visto isso chegando. O novo prefeito, Jarred Holloway,
vem reclamando sobre a limpeza do “elemento crime” em Tanner
Springs. E por elemento de crime, parece bem claro que ele quer dizer
os Lords of Carnage MC.

O armazém que Rock mencionou falando com Len Baker é o que


possuímos no lado sul da cidade. É onde mantemos inventários de
vários tipos. Incluindo alguns que são menos legais. Principalmente
armas.

Ultimamente, porém, a merda está esquentando o suficiente para


que o clube esteja querendo sair do negócio. Estamos pensando na
ideia de um novo projeto: renovar o armazém e transformá-lo numa
garagem e numa oficina de reparação. A maioria de nós tem uma boa
quantidade de experiência em consertar motores de vários tipos. Até
agora, porém, não fizemos nenhum movimento nessa direção.

Parece que isso está prestes a mudar.

***

O trasnporte de armas ser uma das maiores fontes de renda do


nosso clube.Tanner Springs está situado ao longo do que os Federais,
chamam de Gasoduto. O Gasoduto é a rota ao longo da Interestadual
95 e suas rodovias. É a principal rota para o contrabando de armas
entre um grupo de estados do sul e estados ao norte da Nova Inglaterra
que têm leis de armas mais rígidas.

A maioria das armas que pegamos acabam em Nova York e Nova


Jersey especialmente para lugares com muita atividade de gangues
como o Bronx e Chinatown. A demanda é estável, os preços são bons,
e os Lords têm conexões sólidas e um bloqueio no tráfego de
contrabando de armas nesta parte do estado. Por um longo tempo, nos
manteve bem, financeiramente falando. E apesar dos riscos, valeu a
pena para nós, em parte por causa de um acordo de longa data que
tinhamos com Abe Abbott.

Abe Abbott foi o prefeito de Tanner Springs até cerca de dois


anos atrás. Ele também era o pai do vice presidente do nosso clube,
Angel. O arranjo entre os Lords e Abe Abbott não tinha realmente nada
a ver com Angel ser seu filho, no entanto. Este foi um acordo que Rock
fez com Abe há muito tempo atrás, quando Abe estava concorrendo
pela primeira vez a prefeito.

O acordo foi mais ou menos assim: os Lords fizeram o que


precisava ser feito para manter baixa a taxa de criminalidade em Tanner
Springs, incluindo manter as coisas ruins do lado de fora da cidade. Em
troca, o prefeito Abbott e a TSPD faziam vista grossa em grande parte
da atividade questionável dos Lords, desde que essa atividade fosse
mantida fora dos olhos do público.

Era um arranjo que funcionou bem para os dois lados por muitos
anos. Abbott continuou sendo reeleito, e os Lords continuaram com os
negócios como de costume. Até fizemos algum controle de
arrecadadores de fundos na comunidade, para manter os bons
cidadãos de Tanner Springs segurando suas pérolas sempre que nos
viam passar.

Bem, essa merda acabou um pouco mais de um ano atrás. Depois


que Abe Abbott desapareceu, e o vice prefeito perdeu a campanha
eleitoral para Jarred Fodido Holloway.

Durante anos, até onde me lembro o prefeito Abbott nunca teve


um sério desafio em suas campanhas de reeleição. Mas há alguns anos,
Abe se viu contra um grande adversario no último ciclo eleitoral,
enfrentando um jovem iniciante em uma missão para fazer de Tanner
Springs seu próprio império.

Jarred Holloway cresceu aqui em Tanner Springs, filho de um


advogado idiota que sempre achou que era melhor do que todo mundo
na cidade. Mesmo quando criança, Jarred Holloway era um filho da mãe
de nariz empinado, o tipo de criança que diria a outras crianças em sua
classe que seu pai iria processá-las se elas não o deixassem seguir seu
caminho. Ele estava quatro anos à minha frente na escola, e
amaldiçoado se a melhor lembrança que eu tenho dele não é quando
um grupo de caras o puxou para um canto depois da escola um dia e o
espancou por dizer ao diretor que eles estavam fumando maconha em
um dos banheiros.

Holloway foi para a universidade estadual e voltou à cidade anos


depois com um MBA e uma atitude ainda maior do que antes de sair.
Sem nunca ter ocupado um cargo público antes, ele se lançou na
campanha para prefeito, usando o dinheiro de sua família e conexões
para levantar um grande pote de dinheiro de campanha antes que Abe
Abbott sequer soubesse o que estava acontecendo.
No início, parecia que Holloway estava apenas fazendo isso para
fazer um nome para si mesmo como um jogador importante na cidade.
Afinal, Abe era muito querido e Tanner Springs estava prosperando. O
crime era baixo, as ruas eram bem cuidadas, os reparos eram rápidos
sempre que um cano principal de esgoto ou algo estourava. Ele até
conseguiu contornar a tendência de cidades pequenas em decadência,
conseguindo novos desenvolvimentos comerciais pela cidade. Parecia
improvável que um jovem iniciante, sem histórico, pudesse destituir um
prefeito popular e bem sucedido, com anos de experiência.

Então, como muitas outras pessoas, Abe Abbott não levou


Holloway a sério por um bom tempo. Mas o que ele não contou foi que
Holloway havia descoberto algo importante. Desde que Holloway não
tinha nenhuma experiência em tudo, e foi contra um forte candidato que
fez, ele escolheu a única estratégia que poderia ter trabalhado para ele:
ele atacou Abbott em seus pontos fortes para fazê-lo parecer fraco.

Holloway começou a aparecer no Rotary Club e a enviar panfletos


com uma mensagem implacável: há um problema criminal em Tanner
Springs. Ele disse isso em todos os discursos, em todas as aparições
que ele fez, e em todos os editoriais que ele enviou para o jornal local.
Não importava que não fosse verdade. Porque depois de um tempo,
depois que as pessoas ouviram de novo e de novo e de novo, alguns
deles começaram a acreditar.

E a partir daí, não foi difícil para ele começar a conectar


diretamente o problema do crime ao prefeito atual, Abe Abbott. E ao
visível grupo perigoso da cidade: Os Lords of Carnage MC.

A merda começou a esquentar para Abe. Ele começou a ficar


desesperado por vitórias para mostrar à comunidade que ainda era sua
melhor aposta como prefeito. Infelizmente, o desespero leva as pessoas
a tomar algumas decisões realmente ruins, e Abe não foi diferente. Em
uma última tentativa de conseguir financiamento para um
empreendimento em que estava trabalhando, Abe Abbott cometeu o
maior erro de sua vida.
Ele foi para o nosso rival MC, os Iron Spiders, pelo dinheiro.

Claro, os Lords não sabiam disso. Abe nunca teria nos contado.
Mas quando a dívida que ele tinha com os Spiders começou a arrastá-
lo para mais longe do que ele poderia suportar, ele foi ao nosso clube e
pediu um empréstimo. Os Lords o rejeitaram e, em desespero, Abe
voltou para os Spiders e se ofereceu para vender-lhes informações
sobre nós como outra forma de pagá-los de volta.

Quando tudo veio à luz sobre o seu duplo trato, Abe acabou com
os Iron Spiders e os Lords olhando para acertar o placar com ele. Abe
desapareceu. Provavelmente, os Spiders chegaram até ele. O que pode
ter sido uma misericórdia. Porque, se não o fizessem, os Lords teriam
de decidir se acabariam com o homem que não era apenas o prefeito
de Tanner Springs, mas também o pai de nosso vice presidente e o
sogro de nosso sargento de armas.

Depois que Abe Abbott desapareceu, o vice prefeito, Duncan


Mummer, assumiu a administração da cidade. Ele até colocou em sua
candidatura para concorrer à cadeira de Abbott. Mas Mummer é um
cara esquisito e esquecido, com uma gagueira intermitente, e ele não
era páreo para a abordagem do trem de carga de Holloway. Holloway
ganhou a eleição com mais de setenta por cento dos votos.

E desde então, os Lords of Carnage estão em sua mira.

— O que você quer dizer com Baker perguntando sobre a


permissão? — Eu pergunto a Rock agora, confuso. — Nós não temos
uma?

— Sim. — murmura Rock. — Eu acho que ele sabia disso. Acho


que ele estava tentando nos dar um aviso. Ele muda de posição na
cadeira. — Tipo, talvez ele esteja dizendo que precisamos nos mexer
nessa merda, o mais rápido possível. Len é uma das poucas pessoas
de Abbott que Holloway não substituiu por um de seus companheiros.
— Seus olhos ficam escuros. — Ele é uma das poucas pessoas que
ainda temos lá dentro. E não por muito mais tempo, parece.
— Você acha que ele está tentando nos dizer que alguém poderia
farejar o armazém em breve? — Brick pergunta, seu rosto ficando
escuro e irritado.

— Sim. Sim, eu acho. — balança a cabeça. — Eu não quero


correr nenhum risco. O tempo está acabando. Precisamos tirar essas
armas de lá agora. Todas elas.

— Como vamos fazer isso? — Tweak pergunta.

— Fale com os Death Demons Mc. — digo imediatamente. Eu


estive pensando sobre isso por um tempo. Os Demons são um MC a
leste de nós. Nós nunca tivemos nenhum tipo de parceria com eles
antes, mas também não tivemos nenhum problema com eles. Seu
presidente, Ozzy, é velho pra caralho, mas seus homens o respeitam. E
sabemos que eles usavam armas em volta do território dos Iron Spiders
ao sul.

— Sim. — concorda Tank, apontando para mim. — Eles são a


melhor aposta de descarregar tudo imediatamente.

Angel fala. — Inferno, nós deveríamos ter visto isso chegando. —


diz ele severamente. — Nós provavelmente deveríamos ter nos
aproximado dos Demons com isso meses atrás. Isso acaba com essa
merda, e formar uma aliança com eles é a melhor defesa contra os
Spiders. Os Iron Spiders têm tentado empurrar nosso território para o
norte à um tempo já. Está ficando cada vez mais difícil derrotá-los.

Rock vira a cabeça e olha para Angel bruscamente. Ele é rápido


em ver declarações como essa como um desafio à sua autoridade.

— Isso esta certo? — Ele diz, sua voz fria como aço. — Então
por que você não sugeriu isso? Meses atrás?

Ao meu lado, Gunner dá um assobio baixo, quieto o suficiente


para que só eu possa ouvi-lo.
Tem havido uma tensão estranha entre Rock e Angel. Você não o
vê com muita frequência, mas ele aparece de vez em quando, como
agora. Não é bom ver. Entre um presidente e um VP precisa haver
confiança absoluta para um Mc funcionar bem. Gunner disse-me há
algumas semanas atrás, que ele acha que Rock está assim com Angel
pelo fato de Abe Abbott trair o clube, porque Abe é o pai de Angel. Isso
parece muito fodido para mim, no entanto. Afinal de contas, Rock é
quem fez o acordo com Abe em primeiro lugar, todos esses anos atrás.
O clube não teria qualquer relação com a Abbott se não fosse por isso.

— Bem, já que deveríamos ter feito isso, vamos fazer agora. —


interrompe Ghost. — Se Len estava nos dando um aviso, precisamos
tirar as armas do armazém pra ontem. Antes que os homens de
Holloway venham procurar.

Do outro lado da mesa, Striker balança a cabeça. — Porra. Essa


merda era mais fácil quando Abbott era prefeito.

Ninguém diz nada por um momento.

— Nunca pensei em me desculpar por ver aquele maldito traidor


desaparecido. — resmunga Rock com raiva. — Mas há dias...

Eu olho para Angel, mas sua expressão não muda.

— Ok. — diz Rock finalmente. Sua mão desce sobre a mesa com
um tapa alto. — Vamos votar sobre isso. Todos que são a favor de nos
aproximarmos dos Death Demons MC para tirar essas armas
remanescentes levantem as mãos.

— É unânime. — Rock diz a Angel, Ghost e Geno para estarem


prontos para ir ao território dos Devils para se encontrar com Ozzy e
seus homens. Então ele bate o martelo, e o resto de nós vamos até o
bar, para esperar o que acontece a seguir.
— Não por favor, se você pudesse apenas!

Pela quarta vez esta manhã, tenho sido vetada. Isso oficialmente
esgota minha lista de todos os encanadores em Tanner Springs que eu
poderia encontrar online. Cada um que eu ligo diz que eles estão
reservados e indisponíveis assim que eu lhes dou o nome de Vovó.

Vovó me deu a tarefa de encontrar um faz tudo para consertar um


vazamento embaixo da pia da cozinha que Lourdes encontrou ontem.
Felizmente, não é exatamente uma emergência, mas o balde que está
debaixo do tubo precisa ser esvaziado a cada poucas horas, e parece
estar piorando. Franzindo a testa em frustração, fico on-line e tento
encontrar listas de outras pessoas na cidade para ligar, mas sem sorte.

Sento-me à mesa da cozinha de Vovó, sem saber o que fazer a


seguir. Eu não posso realmente subir e dizer a ela que não estou
conseguindo encontrar alguém. Ela só vai me dizer para continuar
tentando e me mandar de volta para cá. E a pobre Lourdes não pode
realmente usar a pia até que seja consertada.

Finalmente, em desespero, vou para a sala de estar, encontro o


aplicativo do YouTube no meu telefone e começo a procurar como
consertar um cano com vazamento. Passo cerca de quinze minutos a
ver os vídeos e pergunto-me se há alguma maneira de conseguir fazer
isso sozinha sem causar uma emergência real. Eu finalmente encontro
um que parece dar boas instruções passo a passo, e assisto todo o
caminho. Eu tomo nota das ferramentas que eu preciso, empurrando a
pequena voz na minha cabeça que continua dizendo: Você está louca?
Isso vai se transformar em um cenário que você vai olhar para trás e se
perguntar o que você estava pensando.
Não, eu digo a ela. Eu posso fazer isso.

Bem, pelo menos eu posso tentar.

Volto para a cozinha, pego um monte de fotos dos tubos e vou até
a loja de ferragens, murmurando para mim mesma uma conversa
motivacional durante todo o percurso de carro.

Quando entro no Hardware da Sunderland, já há quatro ou cinco


clientes sendo atendidos pelas pessoas que trabalham lá. Parece que
não haverá ninguém disponível para me ajudar por alguns minutos.
Incerta, olho para as placas nas extremidades dos corredores e
caminho pela loja até encontrar a que está rotulada como Suprimentos
de encanamento.

Estou tão concentrada que nem vejo a montanha de carne até


que literalmente dou de cara com ela.

— Oooff. — eu grunho quando meu rosto se quebra em um peito


largo e musculoso.

— Calma. — uma voz profunda diz, duas mãos grandes e fortes


me agarrando pelos braços. Ao nosso lado, algo cai no chão.

— Eu sinto muito! — Eu suspiro. Eu cambaleio um pouco e


finalmente recupero meu equilíbrio. As mãos ainda me seguram pelos
braços. Meu rosto fica quente de vergonha e levanto os olhos para olhar
para o homem, que deve pensar que sou uma completa idiota.

Meu cérebro registra um colete de couro preto. Patches decoram


o peito dos dois lados.

Uma mandíbula quadrada e forte, com um toque de barba. Pele


bronzeada de um marrom dourado.

Lábios sensuais se curvaram em um sorriso divertido.

Ah Merda.
— HUH. — Hawk ronca, uma risada zombeteira em sua voz. —
Ora de todos os lugares para encontrar a fotógrafa de casamentos eu
a encontro aqui. — Ele tira as mãos dos meus braços e as cruza na
frente do peito.

A humilhação instantaneamente começa a se transformar em


indignação. — O que isso deveria significar? — Eu pergunto
calorosamente.

Ele encolhe os ombros. — Nada. Você simplesmente não parece


o tipo de garota que entra em lojas de ferragens.

— O que, só porque sou mulher, significa que não sei nada sobre
coisas de ferramentas? — Eu exijo. Então lembro que não tenho
realmente nenhuma ideia do que estou fazendo.

— Eu não disse isso. — ele ri baixinho. — Conheço muitas


mulheres que sabem usar uma chave inglesa.

Estou ligeiramente me acalmando. — Bem, tudo bem. — então


eu bufo.

— Então, qual é o projeto?

— O que? — Meu rosto começa a corar.

— Qual é o projeto para o qual você está comprando peças? —


Seu tom é indulgente e me enfurece. De alguma forma, eu só sei que
ele pode dizer que eu não sei o que estou fazendo. Isso me faz querer
tirar aquele sorriso presunçoso de seu rosto.

Odiando que eu me deixei cair em um truque, eu considero mentir


para ele. Então percebo que nem sei o suficiente sobre consertar as
coisas para inventar uma mentira convincente. Eu lanço minha cabeça
desafiadoramente.

— Estou arrumando um cano com vazamento debaixo da pia da


minha cozinha. — eu digo, tentando soar como se isso fosse algo que
eu faço o tempo todo.
Hawk solta um assobio baixo. — Estou impressionado. Você
realmente sabe como fazer isso?

Ugh. Essa conversa pode acabar agora? — Não exatamente. —


eu admito, um desafio na minha voz. — Mas eu encontrei alguns vídeos
on-line sobre como fazer isso.

— Entendo. Vídeos. — Ele acena com a cabeça seriamente. —


Muito instrutivo.

Eu sei que ele está me provocando. Eu não deveria deixá-lo


chegar até mim. Mas desde que eu já estou preocupada que talvez eu
não possa fazer isso, o fato de que ele não parece pensar que eu posso
faz meu cérebro começar a me dizer que isso é tudo uma bobagem, e
que eu deveria desistir agora.

Uma onda de incerteza surge dentro de mim enquanto olho em


volta da loja. Todos os funcionários ainda estão conversando com
outros clientes. Eu olho de volta para Hawk, que ainda está lá com os
braços cruzados e aquele maldito sorriso arrogante no rosto.

Hawk é provavelmente o tipo de cara que sabe como consertar


as coisas. Aposto que ele sabe tudo sobre como consertar uma pia de
cozinha com vazamento.

Eu realmente vou estragar tudo? É mesmo estúpido que eu esteja


tentando?

— Não pode ser tão difícil... pode? — Eu pergunto a ele em voz


baixa.

Assim que as palavras saem da minha boca, eu me arrependo.


Eu não sei porque eu apenas dei a ele uma abertura para continuar
tirando sarro de mim.

Mas em vez de fazer isso, ele me surpreende levando a questão


a sério.
— Não. Não é tão difícil. — ele admite, assentindo levemente. —
A menos que algo dê errado, é isso. — Hawk inclina a cabeça para
mim e franze a testa. — Por que você não chama um encanador?

— Eu tentei. — eu admito. A frustração se insinua na minha voz


e, apesar de tudo, sinto minha guarda escorregar um pouco. — Mas
todos a quem eu liguei dizem que estão reservados. — Eu suspiro. —
Os trabalhadores manuais odeiam minha avó. Eu literalmente acho que
eles todos se uniram e fizeram um juramento de não fazer mais
trabalhos para ela.

Hawk sorri. — Oh vamos lá. Quão ruim ela poderia ser?

Eu olho para ele. — Você não conhece minha avó, né? Filipa
Jennings?

Ele balbucia, rindo. — Ai Jesus. Filipa Jennings é sua avó?

— Sim. — eu aceno ironicamente. — Então você vê o que quero


dizer.

— Eu vejo. — Ele continua a rir por um momento, e então algo


em seu rosto muda.

Hawk se abaixa e pega um pequeno quadrado no chão. É um


pacote de lixa. Ele deve ter deixado cair quando eu corri para ele,
percebo, lembrando que algo caiu.

— Bem, então. — diz ele, chegando a sua altura total. — Fala o


que vamos pegar, o que precisamos, e eu vou dar uma olhada para
você.

— Sou uma mulher forte que não precisa de ajuda de qualquer


homem. — Na versão hipotetica desta história, eu digo a Hawk que vá
para o inferno. Então eu volto para Vovó e conserto o vazamento eu
mesma.

Esta não é a versão da história.


Eu respiro fundo e deixo sair. — Você realmente não precisa fazer
isso. — eu digo, balançando a cabeça.

— Eu sei disso. — ele ressoa, dando-me um sorriso arrogante


que faz meu coração acelerar um pouco. — Eu não faço nada que eu
não queira fazer. — Ele abaixa o corredor do encanamento. — Vamos
lá. — diz ele, sem olhar para trás. — Diga-me como está acontecendo
no vazamento, então eu vou saber o que pegar.

Enquanto estamos no corredor, Hawk me pergunta qual é


exatamente o problema, quão ruim é o vazamento e de onde ele parece
estar vindo. Mostro-lhe algumas das fotos que tirei e aponto para onde
penso que a água está vindo.

— Boa ideia tirar fotos. — ele me diz com aprovação. — Isso foi
inteligente.

Eu tento ignorar a onda de orgulho que sinto por suas palavras.


Então, pelo menos eu não sou uma completa idiota, de qualquer
maneira.

— Ok. — diz ele quando eu termino de explicar. — Parece que


talvez seja um vazamento na haste da válvula. As juntas e anéis de
vedação podem precisar serem substituídas. — Hawk pega alguns
pequenos pacotes e os coloca em uma cesta em seguida, vagueia mais
até o final do corredor e pega um pequeno frasco de plástico. —
Selante. — ele me diz. — Apenas no caso de precisar.

Eu sigo Hawk até o balcão para conferir os materiais. De alguma


forma, seu porte mudou, e o bastardo convencido que eu conheci no
casamento de Jenna e Cas desapareceu. Eu pego dinheiro para pagar
os suprimentos, mas ele me interrompe. — Não se preocupe com isso.
— ele me diz. — Eu vou levar assim por agora. Volto aqui e depois
devolvo o que não usamos. Você pode me pagar mais tarde pelo que
acabarmos precisando.

Nós saímos pela porta dos fundos em direção ao estacionamento.


A moto de Hawk está estacionada a alguns espaços do meu carro. Eu
começo a dizer-lhe o meu endereço, mas ele me pára com um sorriso.
— Eu sei onde Filipa Jennings vive. — diz ele. — Do outro lado da rua
da antiga casa de Abe Abbott, certo?

Eu concordo. — Está certo.

— De qualquer forma, eu vou seguir você. — Eu entro no meu


carro e saio para a rua. Hawk sai atrás de mim. Eu dirijo de volta para
a casa de Vovó, lançando olhares ocasionais no espelho retrovisor. O
cabelo loiro escuro de Hawk se move ao vento, seus óculos de sol
espelhados escondem seus olhos penetrantes. Lembro-me com um
arrepio do que senti ao estar em seus braços fortes e musculosos.

No meu peito, meu coração bate um pouco mais forte.


Vovó não está em casa quando voltamos, felizmente. Ela foi a
uma reunião para um show de flores que ela ajuda a organizar. Tenho
certeza que ela pode ter algo a dizer sobre ter um homem que se parece
com Hawk em sua casa. Eu rezo para que ele consiga consertar a pia
e sair antes que ela volte.

Mas apesar de Vovó não estar por perto, Lourdes está. Enquanto
Hawk e eu entramos pela porta da frente, ela desce as escadas, com
um pano de tirar pó na mão. Eu me preparo para suas perguntas e tento
agir naturalmente.

— Oi, Lourdes. — eu digo. — Este é o Hawk. Ele veio arrumar a


pia.

Estou preocupada que esta troca possa ser um pouco estranha.


Afinal, Hawk mal se veste como um encanador. Mas, para minha
surpresa, acontece exatamente o contrário.

— Ei, Lulu! — Hawk diz a Lourdes. — Como es trabajar para la


bruja ?

Lourdes explode em gargalhadas altas. — Hawk? Qué hace aqui


amigo?

E então, antes que eu saiba o que está acontecendo, os dois


estão conversando em espanhol rápido.

Eu ouço os dois por alguns segundos, e apenas não deixo meu


queixo cair no chão porque Hawk fala outro idioma. Finalmente, Hawk
diz algo que faz Lourdes rir como uma colegial e da uma bofetada no
ombro dele.
— Hawk consertará a pia, não há problema. — ela diz para mim
com um sorriso largo. — Mas você o mantém fora da minha geladeira.
Ou ele comerá tudo que tem dentro de casa.

— Lulu. — Hawk franze a testa, fingindo estar ferido. — Você


me magoou.

— É bom ver você, Hawk. — ela sorri. — Faz muito tempo.


Sirva-se de café.

— Vou me servir. — ele balança a cabeça. Observamos


enquanto ela se retira para os fundos da casa.

— Uau. Como você sabe espanhol? — Pergunto a Hawk quando


o levo para a cozinha.

Ele encolhe os ombros. — Meus pais se divorciaram quando eu


era criança. Meu pai se mudou para o México. Meu irmão e eu
passamos os verões lá até ele completar dezoito anos. — Ele tira o
colete de couro e coloca no balcão.

— Você tem um irmão?

— Tinha. — diz ele categoricamente.

— Oh.

Eu não falo nada por alguns segundos. Hawk se ajoelha e abre as


portas do armário embaixo da pia. Sem palavras, ele começa a me
entregar garrafas de sabão e caixas de sacos de lixo. Eu os pego
ajudando-o a limpar tudo para que ele tenha espaço para trabalhar.

Quando não há mais nada debaixo da pia, ele fica de quatro e se


inclina. — Não há piadas sobre a bunda do encanador. — diz ele, seu
tom sério falso. — Eu não sonharia com isso. — eu digo. Estou aliviada
que a tensão de alguns segundos atrás parece ter desaparecido.
Felizmente, Hawk definitivamente não tem a piada do encanador. Ele
tem... uma boa bunda, no entanto. Eu permaneço desajeitadamente
atrás dele enquanto ele trabalha, tentando não notar o quão legal é.
Infelizmente, tê-lo ali de costas para mim me dá muito tempo para
realmente dar uma boa olhada em seu corpo esculpido e poderoso. Ele
alcança a pia com um braço, e sua camiseta cinza sobe um pouco,
expondo uma linha de pele bronzeada em sua cintura. Mesmo com
apenas um pouquinho exposto, eu posso ver facilmente como é
musculosa suas costas. Um flash de cor me dá apenas um vislumbre
de tatuagens intrincadas em seu torso. Eu me vejo imaginando como
elas são. Se elas ondulam com seus músculos quando ele se move.

Se elas seguem as curvas de sua cintura afilada.

Quão longe as tatuagens vão.

O que sentiria ao tocar seu abdômen duro e deslizar meus dedos


contra o calor de sua pele...

— Então, você mora aqui com a sua avó? — Hawk pergunta, sua
voz ecoando levemente sob a pia.

Com um sobressalto, minha mente traidora registra que ele


acabou de me fazer uma pergunta.

— Hum, sim. Bem, na edícula para dizer a verdade, atrás da casa


principal. — Eu aponto a janela da cozinha, mesmo que ele não possa
me ver. — Eu estou aqui há quase seis meses.

— Isso explica porque eu nunca vi você antes do casamento de


Ghost e Jenna. — ele observa. — Você está por perto definitivamente?

— Eu não sei. — eu digo. — No começo eu estava aqui


temporariamente, mas estou indo muito bem com a minha fotografia
aqui, então eu posso ficar por um tempo e ver como é.

Hawk não diz nada em resposta. Por alguns momentos, há


silêncio entre nós.

— Então, como você conheceu Lourdes? — Eu pergunto, um


pouco animada demais. Minha voz sai ligeiramente estrangulada, mas
Hawk não parece notar.
— Seu pai e meu pai eram bons amigos quando eu era criança.
— ele me diz. — Antes do papai se afastar. A irmã mais nova dela
estava na minha série na escola. — Ele se puxa para fora da abertura e
olha para a mão, que está um pouco molhada. — Acho que os pais
dela esperavam que a irmã de Lulu e eu acabássemos juntos por um
tempo.

— Oh.

Então, a irmã de Lourdes namorou Hawk no ensino médio? Ou


talvez os pais dela só queriam que eles namorassem? Ridiculamente,
eu me vejo esperando que seja o último. Pelo amor de Deus, Sam, você
não pode ficar com ciúmes. Não seja uma idiota.

E eu não estou com ciúmes. Na verdade não, quero dizer. Mas


afinal de contas, você teria que ser cega para não ver quão atraente
Hawk é. Tenho certeza de que ele não tem nenhum problema em
conseguir atenção das mulheres. É provavelmente o que faz dele tão
arrogante, eu acho ficando irritada.

Então, sim, eu não estou com ciúmes. Apenas talvez um pouco


irritada que ele provavelmente tenha o mesmo efeito hipnotizante na
maioria das mulheres que ele parece estar tendo em mim.

Não é justo, na verdade.

Suprimindo um suspiro frustrado, tento me recompor e


simplesmente aprecio sua beleza objetivamente. Como uma escultura
ou algo assim.

Uma escultura quente.

— Parece que essa é uma solução bem fácil. — diz Hawk,


interrompendo meus pensamentos. Ele sai do espaço e olha para mim.
— Eu só preciso desligar a água e substituir a junta.

Hawk encontra a válvula para desligar a água, e eu o levo para


a garagem onde as ferramentas são guardadas. Ele escolhe o que
precisa e voltamos para a cozinha. Parte de mim quer pedir a ele para
me mostrar o que ele está fazendo: isso me irrita porque eu não sei
como fazer algo tão útil quanto isso. Mas o pensamento de estar tão
perto dele me deixa nervosa, então eu não sei.

Deixei ele trabalhar por um tempo em silêncio, admirando a


maneira como os músculos de seus braços flexionam enquanto ele
empunha a chave.

— Obrigado por fazer isso. — eu digo sem jeito.

— Não há problema. — diz ele, olhando para mim. — Eu falei,


não faço coisas que não quero fazer.

Mais alguns momentos passam.

— Posso te fazer uma pergunta?

— Atire.

— Qual é o seu nome verdadeiro?

— Kaden McCullough.

Eu testo os sons na minha mente.

— Por que eles chamam você de Hawk, então?

Ele para o que está fazendo por um momento e olha para mim.
Seus olhos são escuros, ilegíveis. — Os falcões são predadores. — diz
ele simplesmente. —Uma vez que eles tenham um alvo à vista, nada
os impedirá.

Eu engulo nervosamente. — Oh. — eu digo novamente.

Eu não sei que tipo de alvo ele quer dizer. Mas estou com um
pouco de medo dele agora.

E também um pouco ligada.


— Tudo bem. Pode ligar a água. — Hawk murmura, invadindo
meus pensamentos. Eu faço o que me manda, depois volto para a
cozinha. Ele abre a torneira por um minuto ou mais, e pega uma toalha
seca do balcão para verificar se ainda há vazamento.

— Eu acho que ficou bom. — diz ele finalmente, levantando e


ficando de pé.

— Obrigada mais uma vez. — murmuro enquanto o vejo pegar


seu colete de couro e colocar sobre sua camisa. — O que eu devo a
você pelo trabalho?

Ele bufa suavemente. — Nada. Não deve nada. — Olhando para


a pilha de coisas no chão, ele murmura: — Eu vou ajudar você a colocar
isso de volta.

— Não. — eu o interrompo. — Eu vou arrumar. Você já foi tão


útil. Seu trabalho está feito aqui.

Ele concorda. — OK.

Um silêncio constrangedor cresce entre nós enquanto eu apenas


fico lá olhando para ele. Eu deveria apenas agradecer e levar ele até a
porta da frente. Mas não consigo me mexer ou falar com os olhos dele
nos meus. Um segundo passa e depois outro. Meu rosto fica quente, de
vergonha ou desejo, não tenho certeza. Seus olhos parecem escurecer,
e parece que ele está se aproximando de mim, mesmo que ele não
tenha movido um passo. Finalmente, consigo afastar meus olhos dos
dele e viro a cabeça em direção à porta da frente.

— Bem. — eu começo, minha voz estranhamente rouca. — Eu


acho que eu…

Naquele momento, o som da porta lateral abrindo me interrompe.


Alguns segundos depois, a voz de Vovó chama.

— Lourdes?
— Eu, uh, acho que ela está lá em cima. — eu digo de volta.
Meus olhos piscam para Hawk

— Isso vai ser interessante. — ele murmura.

Vovó aparece na entrada da cozinha. — Samantha. — ela


começa, e então ela para.

— Quem é essa pessoa? — ela diz friamente, olhando para


Hawk. Seus olhos não vão para o rosto dele, mas para suas tatuagens
e colete de couro.

— Este é, um, Hawk. — eu digo, sem jeito. — Ele consertou a


pia para nós.

O rosto de Vovó é uma máscara de desprazer. — Por que você


não trouxe um dos nossos encanadores normais?

— Porque ninguém quer trabalhar para você. Ninguém estava


disponível. Então Hawk generosamente se ofereceu para nos ajudar a
sair de um aperto. — Eu dou a Vovó um olhar suplicante. — Não foi
legal da parte dele?

Vovó retruca. — Bem, eu certamente espero que você não o


tenha deixado sozinho. Não quero descobrir mais tarde que alguma
coisa está faltando na casa.

Estou mortificada. — Oh meu Deus, VOVÓ!

Mas Hawk realmente parece divertido.

— Não se preocupe, Sra. Jennings. — ele responde. — Sua


decoração não combina com a minha. Não há muito aqui que eu possa
coordenar com crânios humanos e pentagramas.

Vovó lhe dá um olhar azedo, como se ela não conseguisse


descobrir se ele está falando sério. Finalmente, ela parece decidir que
ele está tirando sarro dela.
— Por favor, saia da minha casa. — diz ela simplesmente, e se
afasta.

— Não se preocupe. — diz ele facilmente. — A senhora tenha


um bom dia.

— Eu sinto muito por Vovó. — eu falo enquanto eu o sigo para


fora. — Quero dizer, não é surpreendente como ela reagiu, mas foi
completamente fora de linha.

— Está tudo bem. — diz ele. — Não é exatamente a primeira vez


que uma velhinha puxa a bolsa para mais perto quando ela me vê
passar. — Chegamos à porta da frente e ele a abre. — Eu vou ver você.
— diz ele simplesmente.

Enquanto ele desce a escada eu o vejo ir, com uma faixa de algo
parecido com desejo no meu estômago.

Eu volto para dentro e coloco tudo de volta embaixo da pia,


ficando mais irritada pelo desagrado da minha avó. Quando termino,
vou procurar ela e acabo por encontrar ela sala de estar.

— Vovó, isso foi tão rude vindo de você! — Eu digo. — Ele


consertou a pia de graça. Você deveria ser grata.

— Eu ficaria grata se você não trouxesse bandidos para a minha


casa, Samantha. — vovó franze a testa.

— Se não fosse por aquele bandido, eu teria que consertar a pia


eu mesma. Cada pessoa que eu chamei esta manhã disse que eles
estavam ocuopados. — Eu olho nos olhos dela. — E sabe de uma
coisa? Eu não acho que eles realmente estavam ocupados. Acho que
eles não queriam trabalhar para você, vovó.

Seus olhos se estreitam de raiva, mas eu terminei.

— Nem todo mundo existe para se curvar aos seus desejos, você
sabia? — eu a informo. — Hawk fez algo legal para nós. O mínimo que
você poderia ter feito era agradecer pelo favor e não insultá-lo. Você o
chamou de bandido, mas ele agiu com mais classe do que você.

E então, porque tenho medo do que mais sairá da minha boca se


eu continuar ali, me viro e saio pela porta dos fundos em direção à
edícula.

Eu vou para dentro e bato a porta, minhas emoções se revoltam


dentro de mim. Estou fumegando com a minha avó e envergonhada
pelo que Hawk deve pensar dela. E de mim.

Toda vez que acho que desvendei Hawk, toda vez que acho que
tenho o perfil dele, ele faz alguma coisa para me desequilibrar. Ele é
irritantemente arrogante e grosseiro. A primeira vez que eu o conheci,
ele disse coisas sujas, e parecia gostar de me deixar com raiva. Mesmo
quando ele me salvou de potencialmente me machucar no casamento
de Jenna, ele teve que arruiná-lo, agindo como um porco depois. E
então, justamente quando ele conseguiu que meu corpo respondesse
a ele mesmo que eu estivesse tentando o inferno resistir, me largou
como se eu estivesse pegando fogo e foi embora.

Então, por que, depois de tudo isso, ele se ofereceu para


consertar a pia da cozinha de vovó? Ele tirou um tempo do seu dia para
me ajudar quando eu precisei. E além do mais, nem parecia que ele
esperava algo em troca.

Eu sinto que há mais em Hawk do que eu pensava. Mas maldito


se eu puder descobrir o que é.

Suspirando, eu balanço minha cabeça e resolvo tirar ele da minha


cabeça. Estou entrando na minha pequena cozinha para pegar um copo
de água quando há um leve barulho na minha porta da frente. Oh ótimo,
vovó enviou Lourdes para me levar de volta para outra discussão. Eu
quase não respondo, mas depois percebo que não quero colocar
Lourdes no meio de nada me recusando a ir. Sem me incomodar em
olhar pela janela, giro a maçaneta e abro a porta. Do outro lado está
Hawk.
— Eu te disse que te veria. — ele rosna, dando um passo em
minha direção.
Eu não sei que porra eu estava fazendo aqui.

Não isso não é verdade. Eu sei exatamente o que estou fazendo


aqui. Mas eu sou um idiota por fazer isso.

O olhar de surpresa de Samantha quando ela abre a porta deve


me tirar dessa. Eu deveria dar uma desculpa, como se eu tivesse
deixado algo dentro da casa de sua avó, e a deixasse ir procurar para
que eu pudesse me recompor e sair.

Mas depois de uma hora de estar sozinho com Samantha,


qualquer determinação que possuía acabou saindo pela maldita janela.
Tudo começou quando me ofereci para vir e consertar a pia para ela, e
ela mordeu o lábio inferior enquanto tentava decidir se me deixava fazer
o serviço. Eu passei o tempo todo na cozinha de sua avó lutando contra
um furioso desejo e tentando agir como se eu estivesse apenas fazendo
tudo isso com a bondade do meu coração.

Eu quase me convenci.

Eu dou um passo em direção a ela. Por apenas um segundo, os


olhos dela piscaram, e acho que talvez eu tenha lido errado que ela não
tem me mandado sinais durante todo o tempo que estive aqui. Mas
então, os lábios dela se abrem, só um pouquinho, e eu vejo o peito dela
subir enquanto ela toma uma respiração rápida e superficial.

Mesmo que ela não saiba ainda, seu corpo está esperando por
mim.

O pau duro que eu tenho lutado pulsa contra o meu zíper quando
dou outro passo, cruzando o limiar. Ela dá um pequeno passo para trás,
mas não é para se afastar de mim. É para me deixar entrar.
Minha mão pega um punhado do seu cabelo. Seus olhos
tremulam, meio que fechando. Sua cabeça se inclina para trás e minha
boca encosta na dela.

Deus. Ela tem um gosto doce. Seus lábios são macios e flexíveis,
abrindo para os meus sem reclamar. Minha língua encontra a dela, e
ela geme na minha boca suavemente. Seus braços se enroscavam ao
redor do meu pescoço, seu corpo se moldando ao meu. É como se uma
maldita explosão estivesse acontecendo dentro de mim. Quero tudo de
uma vez, quero-a de todas as maneiras possíveis e posso pensar em
várias maneiras.

Eu chuto a porta para que se feche e a empurro para trás, uma


mão ainda em seu cabelo e a outra puxando ela com força para mim.
Cegamente, porque eu nunca estive aqui antes, eu a pressiono contra
o que acaba por ser uma mesa pesada na sala de jantar. Ela se move
um pouco contra o nosso peso. Eu penso em deitar ela sobre a mesa e
levá-la ali mesmo, e instantaneamente meu pau está duro como um
tubo de aço.

Até agora, a ultima coisa em minha mente é sair, porque apesar


de eu ter tentado o máximo que posso para tirar Samantha da minha
mente na última semana, isso não significa que eu não tenha me
masturbado pensando nela mais vezes do que posso contar. Mas então
eu deslizo minha mão sob sua camisa e meu polegar roça seu mamilo,
e Samantha joga a cabeça para trás e gemer. E nesse instante, algo
muda, e tudo que quero fazer é ouvir aquele som de novo. Eu quero
ouvi-la sussurrar meu nome. Eu quero ouvi-la implorar. Eu quero sentir
ela estremecer contra mim quando ela gozar.

Minha boca desce sobre a dela novamente, devorando quando


minha mão alcança atrás dela e desfaz o sutiã. Eu tiro e passo meu
polegar contra o mamilo novamente, engolindo seu gemido. Eu aperto,
e meu pau aperta ainda mais quando ela chega para agarrar meus
braços. Seus quadris se contorcem contra mim.
Eu empurro Samantha de volta, então ela está deitada na mesa,
suas pernas segurando minha cintura. Ela geme de novo, inclinando
seus quadris para que minha dureza seja pressionada contra sua
suavidade. Ela está tão excitada quanto eu, e mal posso esperar para
mandá-la para o outro mundo. Deslizando a blusa para cima, me inclino
e pego um seio em minha boca, chupando e mordendo o botão tenso
enquanto ela se contorce e grita. Suas mãos voam para a minha
cabeça, agarrando meu cabelo. Eu continuo a provocá-la chupando
seu seio e meus quadris batendo quase involuntariamente contra seu
centro quente. Eu ouço um estrondo quando uma das cadeiras da sala
de jantar cai. A respiração de Samantha fica presa em sua garganta.

Uma batida suave mas persistente na porta abre caminho através


do silêncio após o acidente.

— Merda! — Samantha assobia.

— O que? — Minha boca está viajando pela pele macia de seu


estômago em direção à terra prometida, e não vou parar agora. Mas
Samantha empurra minha cabeça para longe dela e se coloca em uma
posição sentada sobre a mesa.

— É Lourdes. — ela sussurra. — Eu sei isso. Vovó a mandou aqui


para me buscar e levar até a casa dela.

— Então ignore ela. — murmuro, beliscando o pescoço dela.

— Eu não posso. — ela protesta. — Você não conhece vovó.


Ela virá até aqui sozinha se eu não for.

Samantha puxa a blusa e passa a mão pelo cabelo despenteado


para alisá-lo. — Se esconda. — ela manda, e sai da mesa para atender
a porta.

Eu me movo atrás de um grande pilar para um lado da sala, me


sentindo um idiota. Eu ouço Samantha abrir a porta, depois a voz de
Lulu. Samantha diz que ela estará lá em um minuto, e a porta se fecha
novamente.
— Eu tenho que ir. — diz ela quando volta para onde eu estou
escondido. Ela olha para mim então, como se ela quisesse dizer outra
coisa, mas no final ela apenas se vira e sai pela porta em direção à casa
principal.

Eu fico de pé no meio da sala, meu pau dolorosamente duro, com


nada além da memória da pele macia de Samantha sob minhas mãos.

Eu sinto que estou saindo de um momento de insanidade


temporária. Minha mente tinha tomado uma licença completa assim que
eu decidi voltar para a edícula de Samantha em vez de apenas montar
a minha motocicleta e ir embora. De pé aqui, é quase como se eu
acabasse de acordar de um coma ou algo assim. Eu olho em volta para
o mobiliário de bom gosto e caro, sem dúvida escolhido pela avó de
Samantha, e me pergunto o que diabos está errado comigo.

Lembrando por que eu me afastei dela no casamento de Ghost


em primeiro lugar, eu vou pela porta da frente. Eu deveria sair daqui
antes que Samantha volte. Isso foi uma idéia estúpida. Eu deveria ter
sabido melhor do que tentar o destino concordando em consertar a
maldita pia da avó. Eu sou mais esperto que isso. Ou pelo menos eu
pensei que eu fosse.

Mas quando minha mão vai para a maçaneta, hesito. Ela estará
de volta em breve, provavelmente. E se os últimos minutos foram
alguma indicação, ela me quer tanto quanto eu a quero. Meu pau palpita
no meu jeans ao pensar no que estava prestes a acontecer. Eu sei que
ainda pode. Tudo o que tenho a fazer é sentar naquele sofá e esperar.

Mas de alguma forma, esperar parece muito como admitir para


mim e para Samantha que ela é diferente. Ela é alguém que eu quero
mais do que apenas um rápido encontro. E jurei a mim mesmo que não
me deixaria envolver. Não com ninguém, e menos ainda com alguém
que poderia acabar fodendo com a minha cabeça.

Querer é perigoso, digo a mim mesmo de novo. Girando a


maçaneta, saio e fecho a porta atrás de mim.
Eu dirigo de volta para o meu lugar, me dirijo na direção do clube.
Eu preciso de alguma distração agora. Espero que na forma de alguma
bebida forte, e se eu puder colocar minha cabeça nisso, alguma buceta
fácil.

Mas mesmo quando penso isso, sei que não vou afundar meu pau
em uma das garotas do clube hoje à noite. Apenas o pensamento disso
parece deprimente como merda.

— Foda-se! — Eu rujo no vento, minhas mãos enrolando em


torno dos pedais como se eu pudesse esmagá-las. Estou farto dessa
merda. Estou cansado de ser uma maricas. Eu não dou a mínima para
nenhuma mulher há anos, e não vou começar agora.

Furiosamente, eu acelero a moto e passo pelo clube indo para a


estrada aberta. Eu sei que se eu for para o clube agora não serei feliz
até que eu tenha brigado com um dos irmãos e dado um soco em
alguém. Eu preciso me acalmar antes de chegar lá.

Eu preciso andar.

Ir para fora da cidade é uma das minhas estradas favoritas. Eu


giro através das paisagens fora de Tanner Springs, passando por
campos e fazendas, com as montanhas a quilômetros de distância ao
fundo. Deixo meu corpo trabalhar com a motocicleta, inclinando-me
profundamente nas curvas. Eu tento o máximo que posso para forçar a
imagem de Samantha para fora da minha mente. Mas ao fazer isso,
meus pensamentos se voltam para o passado. Para o período mais
fodido da minha vida. A hora mais difícil que eu tento esquecer. E a
única pessoa que eu desejo mais do que qualquer coisa que eu nunca
tinha posto os olhos.
Eu acelero um pouco, pegando as curvas mais rápido do que
deveria. Estou tentando superar meus pensamentos, eu sei. Eu não
gosto de pensar em nada disso. Lembrando que meu irmão ainda podia
estar aqui se eu não tivesse fodido tudo. Se eu não tivesse baixado a
guarda e o traísse.

Eu piloto, trabalhando duro para esvaziar minha mente de tudo


que está correndo atrás de mim. Depois de um tempo, sinto a tensão
começar a aliviar um pouco entre minhas omoplatas. Por fim,
desacelero até quase parar na estrada deserta e aberta, depois viro a
moto e volto para a cidade, me sentindo quase humano de novo.

No caminho de volta para o clube, eu atravesso o centro da


cidade e, por acaso piloto até o The Lion's Tap, um dos bares locais. Já
passava das três da tarde, início do happy hour dos bêbados. A
multidão habitual de fumantes está rondando pela entrada da frente.

Enquanto ando, uma figura familiar chama minha atenção. Antes


de eu registrar quem é, uma loira pequena se vira ao som da minha
moto. Nós trancamos os olhos.

Anita.

Ela me dá o dedo, seu rosto se contorcendo em uma carranca


feia, então zomba e se vira para o grupo dela.

Toda a raiva que me fez sair da cidade para escapar vem me


inundando de volta.

Como se o universo quisesse martelar o fato de que eu não tenho


nenhum negócio acontecendo com Samantha Jennings.

Alguns minutos depois eu chego no clube, empurrando a porta


com tanta força que acho que por um segundo eu quebrei. No bar, a
old lady de Skid e Jewel dá um pulo.

— Jesus, Hawk. — Jewel ofega, colocando a mão no peito. —


Você me assustou até a morte.
— Desculpe. — eu franzo a testa. — Me de uma cerveja e um
tiro.

Eu pego Jewel levantando as sobrancelhas levemente para Rena.


— Claro. — ela murmura, e se dirige para o bar para pegar minhas
bebidas.

— Ei, Hawk. — diz Rena cautelosamente. Ela está sentada em


alguns bancos. Ela não entra muito no clube, então ela deve estar
esperando por Skid.

— Ei. — Ele sai mais alto e mais duro do que eu quero, e eu me


sinto mal, mas foda-se.

— Okaayyy. —. Rena diz, e revira os olhos. — Eu vou la fora por


um tempo. — Seu banquinho raspa no chão enquanto ela se levanta.
Eu não olho de relance.

Jewel entrega minha cerveja e meu tiro na minha frente. Eu bato


o tiro e faço um movimento pedindo outro, o que ela me dá sem uma
palavra. Quando eu bato o próximo também ela me lança um olhar
questionador.

— Basta colocar a garrafa aqui. — eu digo sombriamente. — Vai


ser mais rápido.

Atrás de mim, eu posso ouvir Rena sussurrando suavemente com


algumas das garotas do clube. Parece que eu com sucesso afugentei
as mulheres. Bom.

Infelizmente, os homens não serão tão fáceis. Alguns minutos


depois, Thorn vem se aproximando e senta ao meu lado. — Ei, irmão,
tudo bem aí?

— Não tô com vontade de conversar. — murmuro.

— Jesus, quem mijou em seus flocos de milho? — Ele ri


indiferente. Thorn adora estranhas expressões americanas,
especialmente quando ele pode usá-las para irritar um de nós.
— Foda-se, Thorn. — eu mordo.

— Ah, vamos lá. Você tem uma bebida na frente de você, você
tem minha ótima companhia. O que mais você pode querer, então? —
Ele levanta sua própria cerveja e me dá um sorriso extravagante.

— Eu juro por Deus, Thorn, eu vou bater em você até a morte se


você continuar me atormentando.

Ele assobia. — Algumas pessoas estão determinadas a ver o


mundo como uma coisa ruim. Vamos rapaz. Tire essa carranca…

— Thorn, sua mãe…

— Ei, irmãos. — a voz profunda de Brick interrompe,


provavelmente salvando Thorn de uma mandíbula quebrada. — Jewel.
— ele chama. — Cerveja.

— Cuidado. — Thorn avisa. — Hawk está de mau humor.

O homem bufa. — O que há de novo nisso? — Ele se inclina


contra o bar e pega a cerveja de Jewel. — Então, você já ouviu falar?
— ele continua. — Rock, Angel, Ghost e Geno se encontraram com
Ozzy e sua equipe. Parece que eles chegaram a um acordo com os
Death Demons MC para tirar as armas de nossas mãos.

— Isso é ótimo. — Thorn fala. — Quando vamos fazer a


transferência?

— Rock planejou um encontro em um ponto bem na fronteira


entre nossos dois territórios. Eles nos encontrarão lá com um par de
seus caminhões. — responde Brick. — Deve ser em um dia ou dois.

Mesmo que eu não esteja com vontade de comemorar nada, isso


é uma boa notícia. — Eu ficarei feliz em tirar essa merda das nossas
mãos. — eu admito.
—Sim. — concorda Thorn. — As coisas estão ficando muito
quentes agora. Eu continuo esperando a notícia de que os capangas de
Holloway descobriram que o armazém é nosso e o invadiram.

— Aquela monte de merda de olhos de peixe morto. — Brick


brinca. — Toda vez que vejo o rosto dele, quero dar um soco.

— Você e eu. — eu digo, e me permito o mais leve sorriso. Bater


a merda fora de Jarred Holloway é talvez a única coisa que me colocaria
de bom humor agora.

— Há o nosso menino sorriu! Corvos espinhosos. Todos os raios


solares e arco-íris.

— Jesus Cristo, Thorn, você é fodidamente chato. — eu rosno,


mas ele é tão ridículo que acho que meu humor se eleva apesar de mim
mesmo.

— Hey. — outra voz diz atrás de nós. Eu me viro para ver Angel.
— Prepare-se. Rock quer que vocês saiam para o armazém e façam
um inventário do que temos lá.

— Agora? — Brick pergunta, seu rosto registrando confusão. —


Eu pensei que a transferência de armas não fosse acontecer por alguns
dias.

— Rock quer ficar pronto. — responde Angel. — Acho que talvez


ele esteja ficando nervoso. Não quer que os Demons mudem de idéia.
Quer saber os detalhes, faça-o o mais depressa possível.

Ainda bem que eu estou apenas com alguns tiros, eu acho. Eu


estava trabalhando para ficar alto e fora do ar. Mais vinte minutos a
partir de agora e eu não estaria em condições de dirigir.

Eu me levanto, assim como Brick e Thorn. Com um brilho nos


olhos, Thorn agarra a garrafa de uísque que estava na minha frente.
Depois, nós três saímos para o armazém, para avaliar as armas.
— Essas estão lindas. — Jenna diz. — Eu realmente não sei
como agradecer o suficiente!

Estamos sentadas no sofá da sala principal da minha edícula, meu


laptop ligado a um grande monitor na mesa de centro. Jenna está aqui
para escolher as fotos finais do álbum de casamento. Ela e Cas já viram
as fotos online, mas eu gosto de fazer essa parte cara a cara. Quero
garantir que os clientes sintam-se à vontade para me informar sobre
quaisquer alterações ou ajustes que gostariam de fazer.

— Foi um casamento muito divertido de se fotografar. — digo a


ela com sinceridade. — Sem mencionar um dos mais interessantes que
já fiz.

Os olhos de Jenna brilham.

— Sim, os Lords são definitivamente coisa de outro mundo. — ela


ri. — Eu não sabia bem o que esperar de mim mesma, para dizer a
verdade. Nosso casamento foi a primeira vez que vi os homens tentando
se limpar e agir de forma respeitável por um tempo. Não tenho certeza
se eles conseguiram.

Eu rio, então vejo como Jenna continua a clicar nas imagens


sozinha. Eu faço anotações enquanto ela faz um comentário em uma
foto ou outra.

Eventualmente, Jenna vem para as fotos de Hawk tocando violão.


Eu respiro fundo com uma após a outra, vejo suas mãos fortes
acariciando as cordas as mesmas mãos que me fizeram ofegar de
prazer. Os lábios sensuais que queimaram minha pele. Os olhos
dançantes e zombeteiros que se tornaram escuros e tempestuosos
quando ele me puxou contra ele...
Quando voltei para a casa depois de gritar pela segunda vez
com vovó, Hawk tinha ido. Eu não sei exatamente o que eu esperava.
Eu realmente não pedi a ele para ficar até eu voltar. Eu queria que ele
ficasse mas parecia muito estranho e necessitado dizer isso em voz alta.
Então, ao invés disso, eu apenas disse: — Eu tenho que ir. — e esperei
pelo melhor.

Francamente, quando voltei e vi que ele tinha ido embora, parte


de mim estava um pouco aliviada. Antes de Lourdes bater, estávamos
definitivamente prestes a... Bem, vamos apenas dizer que tão ligada
como eu estava, eu não iria parar oque ele estava fazendo. Meu corpo
estava completamente em curto circuito com o meu cérebro e tudo que
eu conseguia pensar era ter Hawk se empurrando profundamente
dentro de mim, profundo o suficiente para parar a dor que estava me
deixando louca de saudade. Ter que parar e ir falar com a vovó me
trouxe pelo menos parte do caminho de volta aos meus sentidos. Mas
tenho certeza de que se Hawk estivesse lá quando eu voltasse, nós
definitivamente teríamos terminado o que começamos.

Por mais aliviada que estivesse, ainda passei o resto do dia


excitada e frustrada. E quando a noite caiu e eu não aguentei mais, eu
me atrapalhei na gaveta da minha mesa de cabeceira e encontrei o meu
namorado movido a bateria. Não foi o suficiente, não foi perto o
suficiente, mas pelo menos me permitiu dormir naquela noite sem
enlouquecer. Pensando nisso agora, o calor começa a crescer entre as
minhas pernas.

— Essas fotos de Hawk são incriveis. — ouço cortando meus


pensamentos.

Eu engulo rapidamente e olho para ela com um sorriso brilhante,


provavelmente estúpido. — Você acha?

— Sim. Eu nunca o vi assim. Ele geralmente é tão... — Jenna


franze a testa por um momento. — Sozinho. — Ela me olha com
curiosidade. — Por acaso você falou com ele no casamento?
— Ha. Hum, sim, eu tive uma conversa com ele. — Meu rosto
começa a ficar quente.

— Oh, bem, você sabe o que quero dizer. — ela ri.

Eu deveria mudar de assunto. Quero dizer, imediatamente. Mas


Jenna realmente conhece Hawk. De alguma forma, não posso me
impedir. Eu quero falar sobre ele. Mesmo que seja apenas algo
superficial.

— Na verdade. — continuo devagar. — Ele esteve agora a


pouco aqui em casa e consertou a torneira com vazamento da minha
avó na casa principal.

— Whoa, realmente? — Jenna pergunta, claramente surpresa.

— Sim. — eu confirmo. — Eu fui à loja de ferragens para tentar


descobrir como consertá-la e trombei com ele. Infelizmente, vovó meio
que queimou todas as suas oportunidades com os trabalhadores
manuais da cidade. Ela nunca está satisfeita com o trabalho deles e
depois ameaça não pagá-los.

Jenna bufa. — Isso soa a cara da Sra. Jennings. — Jenna,


descobriu há meia hora atrás, é a filha do ex-prefeito. Ela cresceu do
outro lado da rua, na casa que hoje é ocupada pelos muito desprezados
Cantwells. Então Jenna conhece a vovó há anos. Eu me vejo querendo
perguntar a ela o que aconteceu com seu pai, por que ele deixou a
cidade e onde ele está. Mas eu sinto que não é algo que eu deva falar
a menos que ela traga primeiro. Eu não quero aborrecê-la se for algo
doloroso.

— Então, Hawk se ofereceu para vir até aqui e consertar para


você? — Jenna assobia baixinho.

— Uau. Isso não é algo que eu esperaria que ele fizesse. Hawk é
do tipo que mantém para si mesmo. Porém, ele é incrível em consertar
as coisas.
Meu coração pula quando ela diz isso. De alguma forma, a noção
de que ele veio e consertou o encanamento da vovó para mim, não
apenas porque ele é o tipo de cara que faz coisas assim me faz sentir
quase tonta. Mas então eu lembro como ele saiu sem nem dizer adeus.

— Sim. Foi muito legal da parte dele. — Eu tento parecer casual,


ignorando o nódulo se formando no meu estômago. — E você deveria
ter visto a confusão quando Vovó chegou em casa e encontrou um cara
enorme tatuado em um colete de couro em sua cozinha. Eu pensei que
ela iria entrar em combustão espontânea.

Jenna começa a rir. — Oh meu Deus. Eu teria pago dinheiro para


ver isso!

— Eu perdi todo meu bom humor na hora. — eu digo


ironicamente. — Desde que eu fui a única a levar uma bronca por isso.
Ela ainda não me perdoou, mesmo que eu tenha lembrado que a
consertou de graça.

Jenna e eu trabalhamos nas fotos do casamento por um pouco


mais de tempo, mas neste momento é principalmente conversando
sobre nossas vidas e nos conhecendo melhor. Ela me conta sobre
crescer em Tanner Springs, saindo assim que ela conseguiu, e depois,
eventualmente, voltando e se juntando com Cas, com quem ela teve um
caso quando ela mal tinha terminado o ensino médio.

— Oh, uau. — eu exclamo quando ela me diz que Noah foi o


resultado dessa aventura. — Então você não está junto desde que
Noah era um bebê?

— Não, não mesmo. Na verdade. — Jenna diz com um olhar de


dor. — Eu nem contei para Cas que eu estava grávida na época.
Quando voltei para a cidade, Noah já tinha quatro anos. Eu não contei
a Cas que ele era o pai até alguns meses depois. A essa altura já
estávamos juntos novamente. Eu estava petrificada que ele estaria tão
bravo que ele terminaria comigo. — A dor em seu rosto dá lugar ao
alívio, misturado com amor. —Eu nunca poderia ter imaginado que
acabaríamos assim, Cas e eu juntos, com dois filhos. Às vezes ainda
não consigo acreditar que tudo deu certo.

— Isso é um felizes para sempre. — falo, desejando que eu


acredite nele para mim.

— E você? — Jenna pergunta, recostando-se contra as


almofadas do sofá. — Como você acabou decidindo vir para Tanner
Springs?

Eu digo a ela que eu estou aqui supostamente para cuidar de


vovó. Ela ri ruidosamente com a ideia de que vovó precisaria ser
cuidada...

— Eu sei, é ridículo, certo? — Eu rio junto com ela. — Para ser


honesta, acho que a vovó era apenas solitária. Por mais irritante que ela
possa ser, acho que ela só gosta de ter alguém além de Lourdes para
mandar em casa. E eu sou praticamente a última pessoa da família que
ela tem. Bem, além do meu pai, que é o filho dela. Mas só Deus sabe
onde ele está. Nenhum de nós o viu em anos.

— Uau. — Jenna respira. — Isso é difícil.

Por um momento, estou em silêncio. Eu realmente quero


perguntar a ela sobre seu próprio pai, mas ela não oferece nenhuma
informação, e algo me impede.

— Foi difícil deixar sua vida na cidade? — Jenna pergunta então.

Eu bufo baixinho. — Muito mais fácil do que você pensa. Ajudou


que eu tivesse acabado de sair de um relacionamento de dois anos
quando descobri que meu ex-noivo estava me traindo.

— Meu Deus. Seu noivo. Eu não posso imaginar. — Seus olhos


se arregalam.

—Sim. Melhor ainda, foi com a nossa cerimonialista. — Eu dou


de ombros e rio.
— Embora ela não fosse a primeira, para ser justa. Apenas a
primeira que descobri.

— Oh Sam, sinto muito. Você deve ter ficado destruída. — Ela


sacode a cabeça.

— Bem, vamos dizer que eu precisava de uma mudança de


cenário depois disso. Meu ex é um comentarista de esportes bastante
conhecido. Então, encontrava pessoas que o conheciam com muita
frequência. — Eu sorrio para ela. — Então você vê porque deixar a
cidade tinha seus beneficios.

— Eu acho que você e eu viemos aqui querendo fugir . — ela me


diz. — Espero que sua história termine tão bem quanto a minha.

— Eu não tenho certeza de que é possível. — eu sorrio. —


Parece que você acertou uma bolada.

— Oh! — ela diz de repente. — Isto me lembra. Eu tenho uma


pergunta para você. Eu acabei de começar um trabalho há alguns
meses trabalhando para o programa da comunidade do distrito escolar.
Eu estava me perguntando se isso é algo que você não quer fazer, você
estaria interessada em ensinar uma aula comunitária de fotografia?
Seria apenas uma noite por semana. — continua ela apressadamente.
— E não paga muito, infelizmente. Mas eles tiveram pessoas pedindo
por uma aula assim, e é claro que eu imediatamente pensei em você.
— Hmm... — Eu murmuro, pensando por um momento. — Na verdade,
parece divertido. Além disso, talvez acabe indo bem e se torne uma
coisa mais comum, vovó vai sair das minhas costas sobre conseguir
um emprego real. — Eu olho para Jenna. —Certo. Eu estarei pronta
para isso. — Excelente! — ela sorri feliz. — E quem sabe, talvez você
acabe conseguindo mais negócios com isso!
Nós do MC descemos para o armazém no dia do encontro para
pegar as armas, para descobrir que as fechaduras foram arrancadas
das portas. No interior, não demoramos muito para confirmarmos o pior:
todas as caixas de pistolas 9mm e AR-15 desapareceram. — Jesus
Cristo foda-se malditos filhos da puta! — Angel grita, passando as mãos
pelos cabelos. Estamos parados no armazém, olhando em volta para o
espaço vazio onde as caixas estavam empilhadas na última vez que
Brick, Thorn e eu estivemos aqui. Algumas das outras merdas se foram
também, mas são claramente as armas que procuravam.

Rock está mais furioso do que eu já vi. Ele se vira para mim.

— Qual foi a última vez que você esteve aqui? — ele grita. —
Dois dias atrás. — diz Brick. — Embalamos tudo para o transporte.
Tudo estava trancado quando saímos.

Tweak chega até nós, parecendo sombrio.

— Parece que as câmeras de vigilância foram disparadas. As que


eu olhei até agora, de qualquer maneira.

— Foda-se. — se agita Rock. — Vá checar o resto delas. Veja


se você pode obter alguma filmagem deles em tudo. Precisamos
descobrir quem fez isso. — Você acha que é possível que os Death
Devils tenham feito isso? — Ghost pergunta, seu rosto uma máscara de
raiva. — Você acha que eles estão brincando conosco?

— É possível. Inferno, tudo é possível. — Rock fica em silêncio


por um momento, mas parece que vai explodir. — Mas se foram eles,
não é como qualquer coisa que antes. — Sim. — Eu concordo. — Tem
sido uma convivência pacífica com os Demons até agora. Os Iron
Spiders por outro lado... — Eu não me preocupo em terminar minha
frase. O resto dos homens sabe exatamente o que estou pensando.

— Os Spiders têm tentado tomar nosso território por um tempo


agora. Eles têm muito motivo para tentar foder com a gente.

— Como eles saberiam onde fica este armazém? — Gunner fala.

— Não sei. Merda, talvez eles tenham alguém trabalhando para


eles em nosso território. Afinal, eles conseguiram transformar Charlie
Hurt, o velho senhorio de Jenna em um olheiro. Ele está morto agora,
mas os Spiders podem ter outras pessoas nos espionando. É lógico
que eles tentariam, de qualquer forma.

— Quem mais poderia ser? — Angel pergunta.

— Ninguém mais realmente tem a capacidade de fazer este tipo


de trabalho. — Ghost rosna. — Tem que ser um deles.

— Bem, vamos estar na frente deles em menos de uma hora. —


resmunga Thorn. — Eu acho que nós vamos descobrir se os Demons
estão lutando pelo que aconteceu quando dizermos a eles que não
temos o inventário que eles pediram.

Sinceramente, percebo que podemos estar indo para uma guerra.


Os rostos de pedra dos outros irmãos me dizem que estão pensando a
mesma coisa.

O encontro é fora do nosso território, em uma antiga fábrica que


parece ter sido fechada a anos. Quando chegamos lá, dirigimos para
dentro de uma enorme porta aberta que parece ter sido feita para
acomodar grandes veículos de construção. Lá dentro, duas dúzias de
Demons estão lá, com duas vans para transportar as armas que não
temos.

Todos os Lords, por outro lado, vieram em motocicletas. Não


havia razão para trazer caminhões, não tendo nada para transportar
neles. E o que caminhões e vans oferecem em termos de proteção, eles
perdem sendo lentos. Se houver problemas, prefiro estar em uma
motocicleta do que em uma gaiola de qualquer maneira.

Um homem grande e profundamente bronzeado, com longos


cabelos escuros e uma barba espessa, está no meio deles, vestindo
uma camisa xadrez e um corte de couro. Eu nem preciso olhar de perto
para saber que o seu distintivo de lapela diz “Prez”. Eu nunca conheci
Ozzy antes, mas ele demonstra um respeito entre seus homens que é
imediatamente evidente pela forma como eles estão e esperam que ele
fale. É como se ele fosse o centro de gravidade ou algo assim.

Se Ozzy e os Death Demons estão por trás do roubo de armas


em nosso armazém, então ele é o melhor ator que eu já vi na minha
vida. O momento exato em que ele percebe que não trouxemos nenhum
veículo grande o suficiente para transportar o produto é óbvio. Ele lança
a Rock uma expressão aguda e desconfiada de raiva. O resto dos
homens chega em um meio círculo ao seu redor. Está bem claro que
eles estão se preparando para a possibilidade de violência.

O rosto de Ozzy se torna escuro e duro quando Rock lhe fala


sobre o arrombamento. Ele está fodidamente chateado. — Nós
tínhamos um acordo, Rock. — Sua voz é fria, ameaçadora. — Você
nos prometeu armas. Nós prometemos as armas ao nosso povo. Agora
temos um problema. — Não está claro se ele acredita em nós, ou se ele
acha que isso é um esquema.

Rock dá um passo à frente.

— Ozzy. Nossos clubes nunca tiveram problemas um com o


outro. Eu não planejo começar um agora. — Ele olha brevemente para
Angel. — Achamos que temos uma boa ideia de quem fez isso. Eles vão
pagar. Nós vamos pegar as armas de volta. E nós vamos entregá-las
para você assim que o fizermos. O acordo ainda está em andamento.
Apenas foi infelizmente atrasado.

Ozzy parece relaxar apenas um pouco. A mudança em seu rosto


dificilmente é visível, mas está lá.
— Spiders? — ele pergunta.

Rock acena com a cabeça uma vez. — Nós pensamos assim.

Os olhos de Ozzy se estreitaram, seu lábio se curvando


levemente. Ele não diz nada, mas está bem claro o que ele pensa deles.

— Como eu disse, prometemos ao nosso pessoal um


carregamento de armas. — diz ele. — Eu sou um homem de palavra.
Eu não gosto de ser feito de idiota.

Então ele não deveria ter feito uma promessa até que as armas
estivessem em sua posse, eu acho.

A voz de Rock cresce com força.

— Logo, Ozzy. Nós teremos as armas de volta muito em breve.


Eu entrarei em contato.

Ele acena com a cabeça uma vez, sem esperar por uma resposta
do outro presidente. Então Rock se vira e ergue o queixo para nós, sinal
de que é hora de ir. Nós saímos em silêncio, em um show de confiança,
mas eu estou esperando um grito, ou tiros atrás de nós. O fato de Ozzy
nos deixar sair sem nenhum problema é um bom sinal. Mas mesmo
assim, esta não é uma ótima maneira de começar uma parceria futura
sólida, se necessário, será contra os Spiders.

— Bom. — Brick murmura para mim enquanto caminhamos em


direção às motos, acho que sabemos o que acontece a seguir. Os
Spiders acabaram de comprar uma guerra.
Manhã de sábado. O aniversário de seis meses da minha
chegada em Tanner Springs começa brilhante, ensolarado e lindo. É um
dia perfeito para o que me disseram que é um dos destaques do ano: o
levantamento anual da biblioteca.

O evento beneficente foi iniciado há mais de quinze anos pelo


conselho de administração da Biblioteca Pública de Tanner Springs. Eu
sei disso porque minha avó me contou tudo sobre isso há duas noites.
Ela estava no conselho quando o evento beneficente foi lançado no
primeiro ano e, naturalmente, ela se credita com seu sucesso contínuo.
Vovó não atende mais ao conselho e, aparentemente, nem sequer foi
ao evento de arrecadação de fundos nos últimos dois anos. Mas ela
ainda leva isso muito a sério, e contribui com uma grande quantia para
a causa anualmente. Como sua neta, não era sequer uma questão em
sua mente que eu não iria.

Verdade seja dita, estou ansiosa por isso. Este é exatamente o


tipo de evento de cidade pequena que eu nunca experimentei antes,
tendo crescido em uma cidade grande. Na manhã do evento de
arrecadação de fundos, cerca de uma hora depois de começar,
coloquei meu vestido de verão favorito, calcei algumas sandálias
confortáveis, mas bonitas, e parti para o centro da cidade.

No momento em que estou a pouco mais de um quarteirão de


distância, posso ouvir e ver que o evento já está em pleno andamento.
Para a ocasião, a rua principal foi bloqueada com barricadas de
madeira. Quando me aproximo, vejo que quatro blocos inteiros foram
tomados por barracas. Literalmente centenas de pessoas estão na rua
homens, mulheres e crianças de todas as idades. Música toca de algum
lugar do outro lado. Há tanta coisa para ver que estou um pouco
sobrecarregada. Vovó me disse que isso era um grande negócio, mas
eu não tinha ideia de que era tão grande assim.

Quando entro na barricada, percebo que preciso de um plano


para ver tudo. Eu vou começar de um lado e andar de um lado da rua
do começo ao fim, e então voltar do outro lado. Eu decidi antes de sair
que eu não iria trazer minha câmera, não querendo ter que arrastar em
torno de uma bolsa pesada durante todo o dia, mas agora eu estou
lamentando essa decisão. Haverá tantas oportunidades para ótimas
fotos aqui que estou tentada a voltar para pegá-las. Você sempre pode
correr para casa depois e pegar, eu raciocino comigo mesma. Por uma
vez eu vou tentar apenas aproveitar a ocasião e estar no momento, em
vez de estar sempre atrás da câmera tentando capturar o futuro.

O cheiro tentador de pipoca enche o ar e, embora eu já tenha


tomado café da manhã, meu estômago ressoa em apreciação. Eu
resisto à vontade de pegar um saquinho e, em vez disso, começo a
passear pelo lado direito da rua, abrindo caminho entre a multidão de
pessoas. É um carnaval em grande escala sem os passeios. Há jogos,
música, artesanato, pintura facial, balões... todo o trabalho. Eu passo
por um casal de garotos do ensino médio fazendo um incrível
malabarismo com pinos de boliche, e uma mulher em um longo vestido
florido tocando violão e cantando música folclórica. Duas senhoras mais
velhas estão de pé em uma mesa vendendo tortas e potes de doces e
geleias caseiras. Mais adiante, há um jogo de arremesso de argolas
dirigido por uma adolescente muito entediada, e uma mulher de meia
idade vendendo jóias muito bonitas e feitas à mão.

Eventualmente, eu ando os quatro quarteirões inteiros e chego ao


fim e à outra barricada bloqueando a rua. Nesse sentido, há até mesmo
um palco elevado com grandes alto falantes no chão de ambos os
lados. Não há nada acontecendo no palco agora, mas parece que
haverá algum tipo de banda ou outra apresentação lá mais tarde, a
julgar pelas bancadas do microfone e pelas cadeiras que já estão
montadas e ao redor dele.
Eu atravesso para o outro lado da rua e começo na direção
oposta. Mais ou menos na metade do caminho, vejo uma grande
barraca com um grande e colorido toldo sobre ela. O nome da biblioteca
é estampado no toldo, e um punhado de pessoas está cuidando dele,
distribuindo folhetos sobre a biblioteca e apontando uma grande caixa
para doações. À esquerda do estande, há uma estante enorme cheia
de todos os tipos de livros. Uma placa na prateleira diz que os livros são
gratuitos e sugere uma doação em troca.

Eu diminuo a velocidade e examino as pessoas sob o toldo. Esta


é minha única tarefa do dia: prometi a vovó que pararia no estande da
biblioteca e conversaria com Ruth Ellen Hanson sobre um trabalho. Eu
tenho adiado o tempo que posso, mas se eu não fizer isso hoje vovó
nunca vai parar de falar. Suspirando, eu me aproximo do estande e
pergunto a uma mulher de vinte e poucos anos em elegantes trajes se
a Sra. Hanson está aqui. Ela gesticula para uma mulher bem arrumada
que parece estar na metade dos sessenta anos, com um penteado
curto e redondo e olhos azul claros.

— Senhora Hanson? — Eu digo quando estou a poucos metros


de distância. Ela se vira e olha para mim com expectativa. — Eu sou
Samantha Jennings. Neta de Filipa Jennings.

— Oh, sim. — ela balança a cabeça, mostrando uma leve mão de


pássaro para eu pegar. — Fillipa me disse que você estaria entrando
em contato comigo. — Hanson olha em volta por um segundo. — Por
que não vamos lá na frente da farmácia e conversamos, longe de todo
esse barulho?

Eu a sigo até o banco de madeira e ferro envernizado que fica na


frente da farmácia Krebs e me sento ao lado dela. Hanson cruza as
mãos no colo e me dá um sorriso educado.

— Então, você está gostando do nosso pequeno festival? — Ela


pergunta, gesticulando com o queixo.
— Sim, na verdade, eu estou. — Eu digo com sinceridade. —É
encantador. É muito maior do que eu pensava que seria.

— Bem, estamos muito orgulhosos deste evento. — ela


responde, obviamente satisfeita. — É realmente um dos eventos que
os cidadãos de Tanner mais esperam ansiosos a cada ano. É claro. —
ela continua com uma piscadela. — Sua avó está convencida de que é
a única responsável por seu sucesso.

Eu rio.

— Isso soa como a vovó. Honestamente, estou surpresa que ela


não tenha mais a chance de dar a todos a oportunidade de parabenizá-
la.

— Sim, bem. — Os olhos da Sra. Hanson se obscurecem um


pouco. — Sua avó se afastou um pouco da vida pública desde que
Richard morreu. Ela não conseguiu superar a morte dele, embora não
fosse inesperada. Ele esteve doente por um tempo.

— Desculpe-me... Richard? — Estou confusa. O nome do meu


avô era George e ele está morto há muitos anos.

— Sim. Richard era o namorado da sua avó... acho que você


gostaria de ter conhecido ele. — Ela franze o nariz. — Uma palavra tão
indigna de usar com adultos, você não acha? Sua avó e ele estiveram
juntos por alguns anos antes de ele morrer de uma doença pulmonar.
— Um doce meio sorriso flerta em seus lábios. — Ele era o único que
poderia fazer sua avó mudar de idéia sobre algo depois que ela
inventasse. Ela o amava muito.

Estou atordoada.

— Eu não tinha ideia. — eu admito.

Como eu poderia não saber que minha avó teve um namorado?

Como ela nunca falou sobre ele comigo?


Eu sempre supus que meu avô era o último homem com quem ela
já esteve. E as poucas vezes que ela falou sobre ele para mim deixaram
bem claro que eles não tinham muito relacionamento.

Estou feliz e triste com esta notícia. Estou feliz porque significa
que a vovó encontrou amor depois da morte do meu avô. Mas estou
triste porque ela provavelmente ainda está sofrendo por Richard. E ela
não sente que pode falar sobre ele comigo. Eu me sinto como uma neta
terrível, de repente. Talvez ela não queira falar sobre ele, eu acho. Mas,
novamente, talvez ficasse feliz em contar a alguém sobre ele. Talvez
isso a fizesse sentir que ele não estava tão longe, para falar sobre suas
memórias e o que eles tinham juntos.

Minha garganta aperta um pouco, pensando em tudo isso. Resolvi


tentar ser um pouco mais gentil com vovó e passar um pouco mais de
tempo com ela. E talvez, se eu puder descobrir uma maneira de fazer
isso sem perturbá-la, posso fazê-la falar sobre o homem que parece ser
o amor de sua vida.

— Agora. Eu sei por que você veio me ver, Samantha, e é claro


que eu quero fazer tudo o que puder para ajudar a neta de Fillipa. — diz
Hanson, mudando de assunto. — Eu adoraria poder contratá-la pra
biblioteca. — Ela franze a testa ligeiramente. — Mas tenho medo de não
ter muitas horas para você começar. A verdade é que a equipe que já
possuímos pode facilmente cobrir todos os turnos, e eu já tenho alguns
funcionários em tempo parcial que querem ir a tempo integral o mais
rápido possível.

Eu inclino minha cabeça para o lado em confusão.

— Você não está querendo contratar ninguém? Mas vovó disse...

— Não, eu não estou contratando. — diz ela se desculpando. —


Mas como eu disse, eu certamente quero ajudá-la de qualquer maneira
que eu puder...

— Oh, mas eu não estou procurando um emprego. — eu


asseguro a ela, meu rosto se quebrando em um sorriso. — Eu tenho
meu próprio negócio de fotografia que estou montando, e está
realmente indo muito bem. — Eu respiro um suspiro de alívio. — Vovó
simplesmente não acha que a fotografia é um trabalho real, então ela
continua tentando me empregar em algum lugar, mesmo que eu
continue dizendo a ela que não estou interessada.

Ruth Ellen cai na gargalhada.

— Claro que ela faz! Isso é clássico Fillipa. — Alívio inunda suas
características. — Oh, estou muito feliz em ouvir isso. Eu não tinha
certeza do que iria dizer aos meus funcionários de meio expediente
sobre o motivo pelo qual eu estaria contratando uma nova funcionaria
em vez de lhes dar mais horas. — Ela pára de rir então. — Oh, mas o
que vamos dizer a sua avó?

— Bem. — começo, pensando por um momento: — Na verdade,


acabei de falar com alguém que trabalha no escritório de educação da
comunidade sobre o ensino de um curso de fotografia. Eu posso dizer
a vovó que recusei sua proposta porque as horas que você estava me
oferecendo entraram em confronto com os horários em que a aula
estaria sendo oferecida.

Hanson parece encantada com este plano.

— Isso é perfeito. — diz ela, batendo palmas. — Sua avó pode


ser uma força da natureza, você sabe. Mas eu odiaria ferir seus
sentimentos.

Nós duas nos levantamos do banco e voltamos para a barraca


da biblioteca. Quando fazemos isso, dou uma olhada para o outro lado
da rua e vejo algo que não havia notado antes. Um grupo de homens
vestidos de couro tatuados está montando uma enorme caixa preta
sobre rodas feita de metal grosso, com uma grande grade soldada em
cima. Eu reconheço instantaneamente, porque é a maior churrasqueira
que eu já vi.

E a primeira vez que vi foi no casamento de Cas e Jenna.


— Isso é… o clube Lords of Carnage? — Pergunto a Hanson,
estupefata.

— Sim, são eles. — ela diz suavemente. — Eles fazem o


churrasco para o evento beneficente. Já fazem isso há alguns anos.

Eu me viro para ela, esperando ver uma expressão de... Eu não


sei o quê. Mas ela me dá um sorriso divertido.

— Diga o que quiser sobre eles. — continua ela. — Mas eles


fazem um bom hambúrguer.

Enquanto fico olhando, assombrada, um dos homens que estava


se abaixando para colocar blocos sob as rodas da grade se endireita.
Meu estômago revira a vista.

É Hawk.

E antes que eu possa fugir e fingir que não o vi, sua cabeça se
vira e seus olhos se prendem em mim como se soubesse que eu estava
lá o tempo todo.
Hawk atravessa a rua, fechando a distância entre nós
rapidamente com suas longas pernas. Suprimo a vontade de fugir e
tento desesperadamente parecer indiferente.

— Olá. — ele diz simplesmente. Ele acena para a Srta. Hanson.

— Ruth Ellen. — diz ele.

— Olá. — ela responde. — Você conhece Samantha Jennings?


— ela perguta.

— Sim. Eu conheço. — Por favor, agradeça ao clube por sua


generosidade novamente este ano, Hawk. — Hanson acena,
apontando para a grelha. Virando-se para mim, ela continua. — Eu
realmente deveria voltar ao estande, querida. Tão bom ter conhecido
você. Entre na biblioteca algum dia. Temos uma boa seleção de livros
sobre fotografia.

— Eu vou. — eu prometo a ela. Observo enquanto ela se afasta


e depois relutantemente volto os olhos para Hawk.

— Você parece bem. — diz ele rudemente, acenando para o meu


vestido.

— Obrigada. — eu digo, enquanto o calor ataca minhas


bochechas. De repente me sinto muito visível e exposta. Os olhos de
Hawk ficam escuros enquanto eles deslizam sobre minha figura. Parece
quase como se ele estivesse me tocando, mesmo sem levantar um
dedo. Eu resisto ao impulso de me contorcer. Eu nunca fui tão
instantaneamente afetada por um homem apenas olhando para mim.
— Então, ah, o clube está preparando a carne para o festival? —
Eu consigo dizer, com certeza que pareço uma completa idiota. — Isso
não é exatamente o que eu esperaria que vocês estivessem fazendo em
uma tarde de sábado.

Ele encolhe os ombros, mas seus olhos ainda estão se


demorando na curva dos meus seios.

— É um trabalho de boa convivência. Mantém as pessoas sem


que elas queiram nos expulsar.

Quando olho para seu rosto, percebo que suas feições bonitas
parecem tensas. Preocupado. Ele não está tão arrogante e paquerador
comigo como costuma ser. Ele é menos enfurecedor desse jeito, mas é
estranhamente... decepcionante.

Eu me vejo querendo perguntar o que está errado.

Mas eu não sei. Porque eu não acho que ele iria me dizer de
qualquer maneira.

Quando o vi do outro lado da rua, a primeira coisa que quis fazer


foi correr. Ou talvez eu jogar algo nele e perguntar por que ele
desapareceu sem deixar vestígios da minha casa quando fui falar com
a vovó. Eu não sei o que eu esperava do meu próximo encontro com
Hawk, mas não era isso. Ele está tão sério, tão completamente diferente
do que eu já vi. É muito mais fácil saber como agir ao seu redor quando
ele é um idiota, eu percebo. Eu quero que ele diga algo completamente
inapropriado, para que eu possa me esconder atrás da minha raiva
justa. Mas eu posso dizer que isso não vai acontecer.

Então, porque eu não sei como agir quando ele não está sendo
um idiota arrogante, por alguma razão eu começo a querer flertar.

— Quem está fazendo o churrasco? — Eu digo de uma maneira


provocante que soa forçada e artificial, até para mim. — Estou
imaginando um de vocês em um avental e um chapéu de chef.
Mas Hawk mal parece me ouvir.

— Como está o vazamento na cozinha da sua avó? — ele


pergunta. O tom de sua voz deixa claro que ele está apenas se lixando
para essa conversa. Meu coração afunda um pouco. Eu sei que não sou
a pessoa mais interessante do mundo, mas parece bem claro que estou
entediando ele. Não tenho ideia de por que ele se incomodou em vir
falar comigo em primeiro lugar.

— Hum, tudo bem. Obrigada de novo. — eu gaguejo, e espero


que eu não esteja ficando vermelha enquanto meus pensamentos se
voltam para o que aconteceu depois que ele consertou a pia.

— Isso é bom. — Hawk diz distraidamente, passando a mão pelo


cabelo loiro escuro.

Só então, um dos outros homens chama por ele.

— Hawk! — Ele vira a cabeça.

— Eu preciso ir ajudá-los a terminar de arrumar. — explica ele.

— Ok. — eu digo baixinho. Parte de mim está aliviada que este


desastre de conversa acabou. Mas uma parte maior de mim está
lutando contra uma onda de decepção por aparentemente ser assim
que termina.

— Ok, então. — ele balança a cabeça, sua expressão ainda tensa


e preocupada. Ele se vira para ir, mas depois de uma batida, ele olha
para mim. — Não vá embora sem se despedir. — ele murmura.

Eu não sei o que dizer sobre isso. Ou como ignorar a pequena


emoção de excitação que sobe na minha espinha com suas palavras.

— Ok. — eu digo em voz baixa, mas ele já girou de volta e


começou a caminhar de volta para a grade.

Eu tremo e fecho meus olhos por um longo segundo. Estar perto


de Hawk é como ser puxada por um trator. Ele está do outro lado da
rua e engolido na multidão de outros membros do clube antes que
minha cabeça comece a clarear.

— Sam! — Uma voz familiar chama à minha direita. Eu me viro


para ver Jenna acenando para mim a cerca de seis metros de distância.
Ela está empurrando um carrinho de bebê, com Mariana sentada e
Noah pulando ao lado dela.

— Ei! — Eu sorrio e aceno de volta. Quando ela se aproxima, eu


agacho até o carrinho. — Olá, Mariana! — A menininha me dá um
pequeno aceno com um sorriso largo e bobo. — Oi, Noah. — digo a
seu irmão mais velho.

— Oi. — ele diz de volta. — Você é a fotógrafa, certo?

— Isso mesmo. — eu aceno. — Boa memória. Você está


gostando do festival?

— Sim. — Noah olha para a mãe dele. — Vamos fazer pintura


de rosto em seguida.

— Isso soa incrível. — eu me entusiasmo. Eu coloco minhas mãos


em meus joelhos e fico em pé novamente. — É bom ver você. — eu
digo para Jenna. — Como você está?

— Ótima, obrigada! — ela diz, e então olha para onde o clube se


instalou. — Você estava falando com o Hawk? — Ela me pergunta
curiosamente.

— Hum, sim. — eu admito. Eu me sinto envergonhada por ela nos


ver juntos. Mas Jenna sabe que ele veio para consertar a pia de vovó,
então talvez ela apenas pense que eu estava agradecendo a gentileza.
— Ele parece um pouco... desligado. — eu digo. — Quero dizer,
diferente do normal. Não que eu o conheça bem o suficiente para saber
o que é normal para ele. — continuo apressadamente. — Só… eu não
sei. Tenso.

Jenna assente.
— Cas está agindo de forma estranha também. Eu não sei o que
é. — Ela lança um olhar preocupado para o grupo de homens. —
Engraçado como eles estão fazendo o festival como se não houvesse
nada de errado. Mas tenho a sensação de que algo está definitivamente
errado.

— Você quer dizer com o MC?

— Sim. — Jenna se abaixa e puxa Noah para ela.

Eu não tenho ideia do tipo de coisa que o MC faz, mas de repente


o pensamento salta na minha cabeça que Hawk poderia estar em algum
tipo de perigo. Eu me sinto um pouco doente com o pensamento.

—Quanto Cas te diz? Sobre o MC? — Eu me pego perguntando.

Jenna solta um suspiro.

— Ele me diz o que ele acha que eu preciso saber. Na maioria das
vezes, os caras tentam manter os negócios do MC longe das mulheres.
— Ela franze a testa. — Cas raramente traz essa coisa para casa com
ele, mas desta vez ele está estranho. Eu só espero que esteja tudo bem.
Mas, claro, se eu perguntar a ele, ele vai me dizer que está tudo bem.

Agora estou começando a me preocupar. Hawk nunca me disse


nada sobre o que estava acontecendo com o clube, então é estúpido
eu até me deixar pensar sobre isso. O que quer que esteja
acontecendo, não é algo que eu provavelmente saiba alguma vez.

— Hey. — diz Jenna então. — Por que eu não te apresento


algumas das mulheres? Você vai reconhecer algumas delas do
casamento, tenho certeza.

Antes que eu possa dizer qualquer coisa, Jenna virou o carrinho


na direção do MC, onde pela primeira vez noto um grupo de mulheres
reunidas ao lado de onde os homens estão montando a churrasqueira.
Elas pegaram algumas mesas de piquenique e estão montando
cobertores, cercadinhos e cadeiras de jardim, claramente em
antecipação a uma longa tarde.

Jenna me apresenta um grupo de mulheres que eu


definitivamente reconheço da fazenda. Há a esposa de Rock, Trudy,
uma mulher de quarenta e poucos anos, com cabelos loiros claros e
muita maquiagem nos olhos. Há Rena, que está tentando encurralar
dois meninos barulhentos e diz que ela está com um homem chamado
Skid. Há uma beldade de cabelos negros chamada Carmen, que diz
que é a esposa de Geno, cuja fazenda foi onde Cas e Jenna se casaram.
Depois, há a barman que eu lembro do casamento, cujo nome é Jewel,
e algumas outras mulheres que estão por perto e ajudando com a
montagem.

Enquanto converso com as mulheres, dou uma olhada e vejo que


os olhos de Hawk estão em mim, sua expressão impossível de ler. Eu
respiro rapidamente olho para longe.

— Mãe . — o pequeno Noah chama. — Você disse que íamos


fazer pintura no meu rosto!

— Você está certo, Bug. — diz Jenna. — Vamos entrar na fila.


Parece que algumas pessoas já estão esperando. — Ela olha para mim.
— Você pode ficar comigo por alguns minutos? Ou você tem que ir?

— Não, eu posso ir com você. — Eu sigo ela enquanto ela leva o


carrinho até a barraca de pintura facial. Enquanto nós vamos, Noah
espontaneamente pega minha mão e começa a me contar sobre como
ele quer ter um tigre em seu rosto. Eu digo a ele que esta é uma
excelente escolha. Quando chegamos a barraca parece que tem 5
pessoas na nossa frente, então nos acomodamos e começamos a
conversar enquanto Noah imediatamente vê um amigo de escola e
corre para dizer oi.

— Fique onde eu posso te ver, Noah. — chama Jenna, e se vira


para mim. — Então, posso fazer uma pergunta pessoal rude?

Eu bufo.
— Bem, quando você coloca dessa maneira...

— Desculpe. — ela sorri. — Eu só quis dizer, eu sei que isso é


pessoal, então você não precisa responder se você não quiser. —
Jenna olha para mim, inclinando a cabeça. — Há algo acontecendo
entre você e Hawk?

Estou totalmente desprevenida pela pergunta contundente.


Minha mente está correndo enquanto tento pensar em algo para
responder, quando o som de risada alta atrás de mim me faz virar a
cabeça

— Oh, ótimo. — murmura Jenna. — Claro, ele teria que trazer


seus filhos para pintar seus rostos ao mesmo tempo.

Dois grupos atrás de nós é um homem alto, de cabelos escuros,


com dentes brancos brilhantes, usando calças cáqui perfeitamente
pressionadas e uma camisa azul engomada enrolada cuidadosamente
até os cotovelos. Ao seu lado está uma loira impecável que parece
passar a maior parte do tempo com um personal trainer ou em um spa.
Duas meninas com cabelo branco loiro fino estão ao lado delas
combinando vestidos florais.

— Quem é aquele? — Eu pergunto.

— É o prefeito. Jarred Holloway. — Seu lábio se enrola. — E sua


esposa grosseira e arrogante, Annelise. Sua filha mais nova está na aula
de Noah na escola. — A sombra de algo mais do que repugnância
quase como tristeza cruza seu rosto, mas então, em um instante se foi.

Prefeito Holloway está conversando e contente cumprimentando


todos ao alcance do braço. Está claro que ele está no modo de
campanha completa. Quando ele desce o olhar para nós, ele estende a
mão para mim, mas depois congela um pouco quando vê quem eu
estou ao lado.

— Jenna. — ele acena educadamente, e depois passa para as


pessoas próximas
— Ele é uma cobra. — Jenna sussurra para mim.

Naquele momento, lembro-me novamente que o pai de Jenna


costumava ser o prefeito. Por lealdade mas também porque Holloway e
sua esposa parecem tão falsos quanto possível eu decido que não gosto
dele.

Ficamos na fila e continuamos a sussurrar enquanto Holloway


deixa sua esposa e filhos para ficar na fila e sai para cumprimentar
outras pessoas. Jenna me diz que ele estava ansioso para se
estabelecer durante o seu primeiro ano no cargo, e para se certificar de
que ele não é um prefeito de um mandato.

— Parte do seu plano foi dizer às pessoas como as coisas em


Tanner Springs estavam ruins antes que ele assumisse. — diz ela com
desgosto. — Infelizmente, ele parece ter o MC em sua mira como uma
maneira de provar para as pessoas que ele pode fazer as coisas.

— O que você quer dizer? — Eu pergunto.

— Ele vem pressionando o clube. — diz ela com um olhar


preocupado. — Cas me diz que ele acha que Holloway não ficará
satisfeito até que ele coloque os Lords para fora da cidade
completamente.

— Ele pode fazer isso? — Eu pergunto, olhando para o


aglomerado de homens em pé ao redor da churrasqueira. Eu me lembro
do que Hawk me disse sobre o festival ser um bom cartão postal para
eles.

— Eu não sei. — ela responde. — No curto prazo, não. Mas ele


está começando a montar uma campanha de propaganda contra os
Lords e, a longo prazo, pode funcionar. — Ela suspira. — Algumas das
mulheres disseram que alguns moradores estão olhando para elas com
olhares hostis.
Enquanto assistimos, algo surpreendente acontece, o prefeito
Holloway faz um desvio pela multidão e atravessa a rua, parando em
frente a Rock Anthony.

— Uh, oh. — murmura Jenna. — O que você acha que ele está
fazendo? — Eu pergunto. Holloway estende a mão com um sorriso
jovial. Rock franze a testa e lentamente se estende para sacudi-la.

— Como eu disse, ele é uma cobra. — zomba Jenna. —


Qualquer que seja o seu plano, ele sabe que todos aqui estão
observando ele. Ele está jogando de cara legal. Aqui, onde tudo é
público.

Eu vejo Jenna olhando de volta para a esposa de Holloway, e meu


olhar segue o dela. Annelise Holloway está conversando com um grupo
de mulheres atrás de nós, e rindo de algo que uma deles disse como se
fosse a coisa mais engraçada que ela já ouviu em sua vida. Ela vira o
cabelo para trás artisticamente, e seus olhos se afastam das mulheres
como se para rapidamente avaliar quem está assistindo. Jenna não olha
para o outro lado, e quando Annelise nos observa, ela dá um pequeno
sorriso e uma tchauzinho para Jenna.

— Parece que ele não é o único que sabe como trabalhar uma
multidão. — eu digo.

— Nauseante, não é? — Jenna concorda.

— O que é nauseante? — uma voz baixa ressoa.


Samantha estremece um pouco ao ouvir a minha voz. Ao lado
dela, Jenna não parece notar seu nervosismo e me dá um sorriso.

— Olá Hawk. — diz ela facilmente, e então se inclina, abaixando


a voz. — Estamos apenas falando sobre o nosso estimado prefeito e
sua esposa.

Eu concordo.

— Nauseante é um bom começo.

— Você está entrando na fila para pintar seu rosto? — Samantha


diz sarcasticamente. Pela primeira vez o dia todo, sou tentado a sorrir.

— Não é realmente o meu estilo. — eu digo a ela. — Você?

Só então, o garotinho na fila atrás de nós aponta para mim.

— Eu quero tatuagens de braço. — ele fala para sua mãe.

A mãe olha para mim e, por apenas um segundo, vejo uma


expressão de medo. Então ela substitui com uma máscara de polidez.

— Nós não apontamos para as pessoas, Micah. Mas talvez


possamos perguntar se eles podem pintar algumas tatuagens em seu
braço também. — Ela se vira para falar com a mulher atrás dela,
puxando o garoto um pouco mais perto.

— Nossa vez! — Jenna diz então, apontando para a barraca de


pintura. — Vamos, Noah, vamos.

Enquanto Jenna leva seus filhos para a frente, eu tomo Samantha


pelo braço e a puxo de lado.
— Ei. — eu digo. — Eu queria saber se eu poderia falar com
você?

— Estamos falando agora. — diz ela. Suas bochechas coram


levemente.

— Longe daqui. — Eu aceno para onde as motocicletas do clube


estão estacionadas. — Eu pensei que talvez eu pudesse levá-la para
dar uma volta de moto.

O olhar de surpresa de Samantha é inconfundível. Eu não a culpo.


Eu também estou muito surpreso comigo mesmo.

Mas preciso vê-la. Eu preciso falar com ela.

— Eu estou usando um vestido. — ela aponta um pouco instável.

Olho para a saia dela e para a maneira como ela passa os quadris
e cai um pouco ao redor da curva das coxas. Meu pau pula.

— Eu acho que você seria capaz de andar a uma curta distância.


— Minha voz é grossa. — Eu poderia levá-la de volta a sua casa para
que você possa mudar.

Ela está em silêncio por tanto tempo que tenho certeza de que ela
está tentando descobrir se deve dizer não ou me mostrar como sou
idiota.

Mas então, seus lábios se separam, e um.

— Ok. — ofegante.

E mesmo que minha mente esteja preocupada com a iminente


guerra com os Spiders, naquele momento eu estou em êxtase.

— Mas eu vou voltar andando para a minha casa. — ela continua.


— São apenas alguns quarteirões. Eu não quero andar neste vestido.
— Tudo bem. — eu concordo. Eu vou pegar o que puder. — Eu
vou passar por volta de trinta minutos. Parece bom?

Sem palavras, ela balança a cabeça e então se vira para dizer a


Jenna que está indo. Eu volto para os homens e deixo eles saberem que
eu vou sair por algumas horas. Com o canto do olho, vejo Jenna e
Samantha enquanto conversam. Jenna me lança um olhar e levanta as
sobrancelhas. Eu não reajo. Então Samantha se vira e desce a rua em
direção a casa dela. Eu a vejo ir e encaro sua bunda.

Eu tenho pelo menos vinte e cinco minutos antes de precisar


pegar a minha motocicleta, então eu passo com Brick e Gunner na
churrasqueira. Eles já têm uma enorme pilha de hambúrgueres,
linguiças e cachorros quentes assando, e as pessoas estão começando
a fazer fila para comprar pratos. Brick está se concentrando em virar
carne e não falar muito. Gunner, sempre à vontade em meio à multidão,
conversa com as donas de casa seus cabelos azuis, desarmando-as
com o sorriso tipico galanteador e fazendo-as esquecer a parede de
tatuagens que cobre a pele do pescoço para baixo.

Ao nosso redor, os irmãos e suas famílias estão conversando,


rindo e comendo. Hoje é uma distração bem vinda do que sabemos o
que está por vir. A calma antes da tempestade.

Eu acho que é por isso que eu quero ver Samantha com tanta
urgência hoje. Por que tem sido quase impossível tirá-la da minha
cabeça? Eu não quero pensar no amanhã. Eu só quero pensar hoje.
Porque amanhã, estamos entrando em uma guerra. Um potencial
banho de sangue, e nenhum de nós sabe se vamos sair em segurança.

E se algo acontecer comigo, eu quero que a memória de


Samantha Jennings gritando meu nome com prazer para passar pelo
meu cérebro no final.

Querer é perigoso.

Eu estive dizendo a mim mesmo quase que cantando isso na


minha cabeça como um fodido mantra desde o dia que eu consertei a
pia da avó de Samantha para ela. Eu levantei no escuro com
pensamentos dela mais vezes do que eu posso contar. Eu sei que não
posso fazer isso. Mas quando a vi hoje, naquele vestido florido que a faz
parecer inocente e sexy pra caralho ao mesmo tempo, qualquer
resolução que eu tivesse para deixá-la sozinha voava pela maldita
janela. Eu nunca quis nada tão difícil na minha vida. Pode ser um erro,
mas eu não dou a mínima.

Samantha Jennings vai ser minha. Só por um tempinho.

É um testemunho de quão cheio de Samantha minha cabeça está


que eu ignoro talvez o maior maldito aviso que o universo poderia ter
me dado de que isso é uma má ideia.

Quando eu estou saindo do evento beneficente para ir encontrá-


la na casa dela, uma voz familiar me impede no caminho para a minha
moto.

— O que há, Hawk? — ela fala arrastadamente. Eu me viro para


ver uma pequena loira, sua figura compacta espremida em uma
camiseta desbotada da Harley Davidson e um par de jeans
desgastados, de aparência suja, que abraçam sua bunda magra. Se
alguma coisa, ela parece ainda mais magra do que da última vez que a
vi do lado de fora do Lion's Tap. Ela está fumando um cigarro, os braços
cruzados na frente dela.

— O que você quer, Anita? — Eu rosno. De toda a merda que eu


não estou de bom humor agora, isso está no topo da minha lista.

Ela dá alguns passos em minha direção. De perto, posso ver que


ela está abatida e seus olhos estão sonolentos. Eu olho para as marcas
nos braços dela, e minha irritação se mistura com frustração e um
pouco de pena. Ela está usando novamente. Muito, pela aparência dela.

— Onde está Connor? — Eu pergunto, apesar de tudo, mas tenho


certeza de que sei a resposta. Anita não gosta de ser vista em público
com uma criança. Isso faz com que ela pareça menos foda.
Ela acena o cigarro com desdém.

— Ele está com meu irmão. — diz ela. — Como se você se


importasse.

Merda. Minhas mãos se fecham em punhos. Se alguma coisa, o


irmão de Anita é ainda mais inútil do que ela é.

— Eu me importo. — eu replico, mas é a coisa errada a dizer.


Assim que as palavras saem da minha boca, algo muda nos olhos dela.
Eu reconheço a expressão. É esperança. — Isso não é o que eu quis
dizer, Anita. — eu murmuro.

O rosto de Anita fica feio então. Ela bufa de desgosto.

— Claro que você não dá a mínima. Típico. Você quer parecer um


maldito herói, mas no final do dia você é como todos os outros.

— O que você quer, Anita? — Repito, mordendo as palavras. Não


adianta tentar conversar com ela. Eu sei disso por experiência própria.

— Se você se importa tanto com Connor, por que você não me


ajuda? — ela diz desafiadora. — Ele não vai ser criança para sempre.
Crescendo o tempo todo. Parece que ele precisa de sapatos novos toda
semana.

— Tudo bem. — eu grito. Ela provavelmente só vai gastar o


dinheiro em drogas ou bebida, mas agora eu vou fazer qualquer coisa
para calá-la e tirá-la do meu caminho. Eu enfio a mão no bolso e tiro
algumas notas. Ela as pega de mim rapidamente, sem se incomodar em
dizer uma palavra de agradecimento. — De nada. — digo secamente.

— Foda-se, Hawk. — ela cospe. — Você acha que é tão superior.


— Ela se vira para ir, me lançando as palavras e se afastando como se
achasse que eu estava olhando para o rabo dela.

Eu balanço minha cabeça e levanto uma perna sobre a minha


motocicleta. Sentando no banco, aproveito para massagear um pouco
da tensão do meu pescoço.
Provavelmente, pela milionésima vez na minha vida, eu gostaria
de nunca ter visto Anita Reynolds.
Estou pronta e esperando em casa, cerca de dez minutos depois
do que ele disse que estaria. Na verdade, estou começando a me
perguntar se ele acabou de me convidar para uma carona com ele
como uma piada estranha. Eu não tenho o seu número de celular, então
eu só tenho que sentar e esperar, e tentar não me sentir mais idiota a
cada minuto que passa.

Quando finalmente ouço o som de sua motocicleta do lado de


fora, fico aliviada, mas depois sou atingida por uma súbita onda de
autoconsciência. Eu deveria sair e recebê-lo? Devo esperar que ele
venha até a minha porta? Eu decido sobre o último, porque eu espero
que pareça que eu não estive olhando pela janela esperando por ele. O
que é exatamente o que tenho feito.

Eu corro de volta para o meu quarto e espero por sua batida,


apenas para que eu possa sair tranquilamente para atender a porta, em
vez de imediatamente abrir a porta. Quando eu abro, Hawk está
aparecendo na porta, seu rosto estava sombrio. Ele parece ainda mais
tenso do que quando eu o deixei no festival. Eu abro minha boca para
perguntar o que está errado, mas antes que eu possa dizer uma
palavra, meu corpo é puxado batendo contra o dele, sua boca
esmagando a minha.

O beijo não é suave ou gentil, mas eu não quero que seja. Seus
lábios são exigentes, sua língua implacável forçando minha boca a abrir
e a encontrar minha língua. Um rosnado, profundo em sua garganta,
vibra contra os meus seios enquanto ele me esmaga contra ele, sua
dureza contra a minha suavidade. Parece quase como se o rosnado
viesse do meu próprio peito, como se os limites de nossos corpos
tivessem desmoronado. Eu gemo em sua boca, o som perdido quando
ele devora. Uma mão se levanta e vai para meu cabelo, e então por
apenas um segundo puxa meu rosto do dele.

— Desta vez, se alguém bater na porta, não atenda. — ele diz.

Então sua boca está de volta na minha. A suavidade de seus


lábios e a aspereza de sua barba são uma combinação elétrica. Eu
quero sua boca em cima de mim, em todas as superfícies da minha
pele. Em um instante, estou queimando de desejo. É como se cada
segundo de querer ele desde que nos conhecemos entrou em colapso
neste momento.

Quando seus lábios deixam os meus para roçar a pele macia do


meu pescoço, eu estou ofegando e tentando o meu melhor para abafar
os gritos que estão ameaçando arrancar da minha garganta. Meu
vibrador vinha fazendo horas extras desde que conheci Hawk, mas o
confiavel amigo não é substituto para o homem ainda mais depois de
ter sido tocada por essas mãos fortes e ásperas que começam a vagar
pelo meu corpo, deixando minha pele em chamas. Ele cobre minha
bunda e me puxa contra o seu comprimento duro, e eu deixo escapar
um gemido alto e irrestrito de prazer enquanto meu centro encontra o
que quer. Então ele está me levantando, minhas pernas envolvendo sua
cintura. Ele me carrega pelo corredor curto para o meu quarto como se
ele soubesse onde ele está indo, seus lábios ainda queimando a pele do
meu rosto e pescoço.

O corpo inteiro de Hawk está tenso e duro com luxúria mal


contida, e meus braços vão para seus ombros musculosos enquanto
me agarro a ele. Seu coração está batendo contra seu peito, sua
respiração rápida e urgente no meu ouvido. Eu me sinto incrivelmente
pequena em seus braços, completamente sob seu controle. E Deus, é
tão bom. Eu não quero pensar em nada. Eu só quero que ele me leve.
Eu não quero nada além de seu corpo e o meu fazendo o que eles estão
desesperados para fazer.

Quando ele atravessa a porta do meu quarto, ele para e me


empurra contra a parede. Eu ainda estou em seus braços, meu núcleo
pressionado contra o seu comprimento duro, e é tão bom sentir a
pressão contra o meu desejo que eu jogo minha cabeça para trás e
gemo, meus quadris moem contra os dele. Eu poderia pensar assim, e
se ele parar eu não vou. Eu não posso parar meu corpo quer. Mas, em
vez disso, ele me pega de novo e me leva para a cama, ajoelhando-se
com as minhas pernas ainda trancadas ao redor dele. ~

— Jesus, Samantha. — ele meio sussurra, em meio aos gemidos.


— Jesus Cristo, eu queria fazer isso há um bom tempo.

Seus dentes mordem a pele do meu pescoço, me fazendo tremer.


Então suas mãos se movem sob o tecido da minha camiseta. Os
ásperos calos nos dedos dele roçam minha pele enquanto ele desliza
para cima, então encontra o fecho do meu sutiã e o desfaz. Eu prendo
a respiração quando ele encontra a pele macia dos meus mamilos com
os polegares e começa a provocá-los. Eu suspiro e me agarro a ele,
pressionando minha testa em seu pescoço.

— Hawk. — eu sussurro. — Oh Deus…

É incrivelmente bom. Ele rola e aperta-os, apenas com força


suficiente que entre as minhas pernas eu começo a latejar quase
dolorosamente. Eu nunca precisei de tanto alívio antes.

— Eu preciso ver você. — ele murmura. Sem hesitar, puxo minha


camisa por cima da cabeça e retiro meu sutiã, jogando-o no chão. O
olhar em seus olhos quando ele me puxa de volta contra ele é feroz,
quase assustador de tão intenso. Eu resisto à vontade de me cobrir,
porque mesmo que eu esteja momentaneamente auto consciente, a
luxúria em seus olhos é tão completa que me faz sentir como uma
deusa.

— Foda-se. — ele sussurra. — Você é fodidamente linda. —


Seus olhos se prendem aos meus. — Você sabe disso, não sabe?

Calor inunda meu rosto. Eu não posso abrir a boca para


responder.
— Você é a coisa mais linda que eu já vi, Samantha. — Sua
cabeça mergulha em meus seios, seus lábios se fecham sobre um dos
mamilos. Eu tensiono e arqueio minhas costas em direção a sua boca,
gritando novamente. Meu corpo inteiro está vibrando com a
necessidade enquanto sua língua gira sobre o botão endurecido. Ele se
move para o outro, lambendo as aréolas, e isso é algo ainda mais
delicioso.

Entre as minhas pernas, posso sentir que estou absolutamente


encharcando minha calcinha, e quase chegando ao clímax quando
Hawk me empurra cada vez mais alto se esfregando em mim.

De repente, estou deitando na cama e Hawk tirando meu jeans.


Sem fôlego, levanto meus quadris para ajudá-lo. Então, num piscar de
olhos, ele tirou a própria camisa e chutou a calça jeans para o lado. O
comprimento maciço dele salta livre, pulsando e majestoso.

Ele rapidamente se inclina, e eu vejo o flash de uma embalagem


de alumínio e ouço o barulho quando ele abre e desliza a camisinha
sobre si mesmo.

Enquanto ele se ajoelha na cama novamente, eu arqueio minha


cabeça para trás e me abro para ele, incapaz de esperar outro segundo.
Sem palavras, ele se move entre as minhas pernas e desliza a cabeça
contra a minha abertura lisa. Eu suspiro alto e me contorço em direção
a ele. Então seu pau está me abrindo, me enchendo, me esticando, até
que Hawk está todo dentro de mim, suas mãos apertadas em volta dos
meus quadris.

Eu ouço a respiração rápida e superficial de Hawk quando ele


desliza para fora, e depois volta para dentro de mim até o fim. O calor
aveludado de sua pele desliza contra o meu núcleo sensível, enviando
ondas de prazer através de mim com cada impulso. Minhas mãos se
agarram a qualquer coisa, pegando os lençóis freneticamente enquanto
ele me empurra para mais perto da borda. Seus gemidos me alcançam,
aparentemente longe, e eu posso realmente senti-lo se expandir dentro
de mim enquanto ele continua a bombear. Estamos nos movendo
juntos, respirando juntos, tão perto, tão perto...

— Tão bom... Venha para mim, baby. — ele diz, sua voz baixa e
insistente. — Venha comigo.

É tudo o que é preciso para me empurrar para o limite. Eu grito


seu nome e me espalho, espasmos ao redor dele enquanto venho com
tanta força que parece que estou voando para longe. Hawk empurra
mais uma vez, depois duas vezes, depois se esvazia dentro de mim,
rugindo sua liberação.

Quando eu finalmente começo a me recompor e minha respiração


começa a diminuir, arrisco uma piada.

— Eu pensei que você disse um passeio de motocicleta. — eu


suspiro.

Hawk ri baixo e sexy.

— Nós podemos fazer isso também, se você quiser. — ele ri. Os


últimos quinze minutos parecem tê-lo ajudado a recuperar um pouco do
seu senso de humor.

— Eu não tenho certeza se poderia aguentar sem cair. — digo a


ele. Minhas pernas e braços ainda estão tremendo com a força do meu
orgasmo. — Quem sabe a próxima vez?

Por um segundo, ele enrijece, o movimento tão leve que eu me


pergunto se estou imaginando isso.

— Claro. — ele diz então. Há algo fora de seu tom. Imediatamente


me pergunto se é porque isso é apenas uma conexão para ele. Eu
nunca deveria ter dito nada sobre a próxima vez. Então lembro-me do
quanto ele estava tenso antes, e tento me convencer a não ir para um
buraco de coelho no qual realmente não quero cair agora.

Eu só quero aproveitar esse momento. Eu não quero estragar


tudo. Afinal, não é como se eu quisesse mais alguma coisa dele. Eu não
estou exatamente esperando que ele pegue um anel e me proponha
casamento. Como incrivelmente devastador foi o que aconteceu, eu
seria uma idiota em pensar que era algo mais do que sexo.

O que não devia me deixar tão desapontada. Hawk me puxa para


ele para um beijo profundo e demorado, e então me libera com um
gemido.

— Eu realmente poderia tomar um copo de água. — Ele balança


as pernas sobre a borda da cama.

— Eu posso te dar um pouco. — eu ofereço. — Afinal, é a minha


casa.

— Não, fique aí. Eu vou buscar. Você quer também?

— Sim, por favor. — eu respondo.

De repente, estou morrendo de sede. Eu estico meus braços


sobre a minha cabeça com um grande bocejo. Quando ele sai da cama
e sai do quarto, com todos os músculos sólidos, eu tento não deixar
meu queixo cair no chão. Ouço o som de copos tilintando, depois a
torneira ligando e desligando algumas vezes enquanto ele enche e
bebe. Finalmente, ele volta, com um copo cheio na mão. Ele para na
porta, nu e orgulhoso, e se inclina contra o batente, olhando para mim
com um sorriso estranho no rosto.

— O que? — Eu pergunto defensivamente. — Estou dando uma


boa olhada em você. — diz ele, seus olhos varrendo meu corpo nu.

Estou envergonhada, mas não quero que ele saiba disso. Em vez
disso, eu procuro por piadas.

— O que, melhor do que o vestido de verão? — Eu estou


brincando. — Não tenho certeza se este conjunto seria aceitável em
uma empresa respeitavel.

— Quem disse alguma coisa sobre empresa respeitavel? — Ele


rosna, me entregando o copo.
Eu tomo alguns goles grandes e digo com coragem.

— Você não é tão ruim. — atrevo-me a dizer. Hawk sorri para


mim e pisca.

— Eu sei. Eu vi você olhando para minha bunda magnífica. — Ele


acena para o espelho acima da minha penteadeira.

Eu não tenho tempo para me sentir mortificada, porque ele se


deita na cama e pega o copo de mim, colocando na mesa de cabeceira.

— Então. — ele murmura, balançando as sobrancelhas. — Pronta


para a segunda rodada?

Se a primeira vez foi boa a segunda foi maravilhosa.

— Puta merda. — eu ofego. — Eu acho que eu preciso começar


a fazer bastante exercício de cardio durante o ano inteiro.

— Você aguentou bem. — diz ele, os cantos de sua boca


aparecendo dessa forma incrivelmente sexy que faz meu estômago
vibrar toda vez que ele faz isso.

Ele se afunda contra os travesseiros e eu me aninho na curva de


seu braço. Eu gosto de Hawk assim todo relaxado e quase, meio doce.
Está muito longe do idiota convencido que conheci no casamento, ou
da pessoa mal humorada que vi hoje cedo.

Todo o sexo me fez sentir desossada, e mais relaxada do que eu


senti em não sei quanto tempo.

E então eu estrago tudo.

— Então, eu sei que você pode não querer me dizer. — eu me


arrisco. — Mas há algo incomodando você? — Quando Hawk não
responde imediatamente, eu mergulho mais. — Quero dizer, você
pareceu um pouco chateado antes. No Festival. — Hawk não moveu
um cabelo. Sua respiração não mudou. Mas mesmo assim, de alguma
forma eu posso sentir a temperatura cair entre nós.
— Não. — diz ele. Seu tom é como uma porta batendo. — Nada
está errado.

Eu mudo de assunto, mas o dano foi feito. Foi embora seu tom de
brincadeira de mais cedo, e qualquer tentativa de envolvê-lo na
conversa apenas confirma que ele não está realmente ouvindo. Cerca
de meia hora depois, ele se separa de mim e diz que precisa ir. Eu não
tento impedi-lo, o que eu diria? Em vez disso, eu assisto em silêncio
enquanto ele puxa sua calça jeans, depois sua camisa, e desliza em
suas botas.

— Hey. — ele diz suavemente, quando está prestes a sair pela


porta. — Eu vou estar um pouco ocupado nos próximos dois dias. Mas
eu vou te ver em breve. OK? — Ele se inclina, e com uma ternura que
eu nunca saberia que ele possuía, ele me beija e acaricia minha
mandíbula suavemente com o polegar.

Eu não sei porque, mas por algum motivo eu sinto vontade de


chorar.

— Tudo bem. — eu digo. Sai um pouco vacilante. — Até a


próxima.
HAWK

Minha cabeça está uma porra de bagunça quando eu monto e


viro a moto na direção da minha casa.

Desde a primeira vez que eu brinquei com Samantha no


casamento do Ghost, eu sabia que ela não era alguém com quem eu
deveria me envolver. Merda, por muitos motivos. Ela só tinha essa coisa
sobre ela. Foi além da aparência. Ela não era apenas gostosa, embora
eu duvide que ela saiba o quão sexy ela é. Ela era atrevida, divertida,
independente eu queria provocá-la e fazê-la falar sobre si mesma quase
tanto quanto eu queria transar com ela.

Eu sei que foi idiota como uma merda entrar nisso. Eu nunca
deveria ter me oferecido para consertar a porra do vazamento da pia de
sua avó, só para passar um pouco mais de tempo com ela e talvez fazê-
la baixar um pouco a guarda comigo.

E então agora eu fiz isso.

E agora aqui estou eu.

E porra se transar com ela agora não fosse mil vezes melhor do
que eu pensava que seria.

Nas semanas desde que eu vi Sam pela primeira vez, eu disse a


mim mesmo inúmeras vezes que era precisamente porque eu a queria
tanto que eu não poderia tê-la. Acho que nunca quis tanto alguém
quanto ela. Inferno, eu sei que não nunca quis. Quanto mais eu tentava
ficar longe dela, mais insistentemente ela passava a residir na minha
cabeça. E toda vez que eu corria para ela, o que era inevitável nesta
maldita cidade só tornava tudo pior. Até que cheguei ao ponto em que
não me importava mais. Tudo o que eu me importava era me afundar
dentro dela e esquecer por um tempo.

Acontece que eu escolhi o pior momento possível para fazê-lo.


Vinte e quatro horas a partir de agora, ela poderia estar ouvindo sobre
a minha morte, nas mãos de um clube rival. Não era justo fazer isso com
ela. Mesmo que eu não seja tolo o suficiente para pensar que ela está
apaixonada por mim ou qualquer coisa assim, ainda a assustaria até a
morte chegar tão perto da corrente de violência que é apenas uma parte
inevitável da vida do clube.

Filho da puta egoísta. Seu maldito filho da puta egoísta.

Eu nunca deveria ter me permitido fazer isso. Eu sabia desde o


dia em que a encontrei na loja de ferragens que ela me queria tanto
quanto eu a queria. Eu podia ver nos olhos dela, no modo como a
respiração dela acelerava quando eu chegava perto dela. E eu
aproveitei. Eu pensei que talvez ela pensasse que eu era menos idiota
se eu fizesse algo bom para ela.

Mas eu não estava fazendo isso por ela. Eu estava fazendo isso
por mim mesmo.

Hoje, quando a vi no festival, decidi fazer o mesmo. Eu decidi nos


dar o que eu sabia que ambos queríamos. Eu estava procurando por
um momento. Porque eu era egoísta. Eu deveria ter ido procurar por
uma das garotas do clube. Eu poderia ter fechado meus olhos com uma
delas e fingido que era Samantha debaixo de mim quando eu gozasse.
Mas o fato é que eu não fiz.

Porque eu não queria deixar este mundo sem ter Samantha


Jennings em meus braços mais uma vez.

Eu enfrentei a morte antes. Você realmente não é coroado em um


MC fora da lei sem aceitar uma certa quantidade de perigo. E na maior
parte isso não me incomoda. Ninguém sabe quando o número deles vai
aparecer, mas eu tenho certeza, como merda, de passar o tempo que
eu tenho nesta terra realmente vivendo, mesmo que isso signifique que
minha vida seja um pouco mais curta como resultado.

Então eu deveria ter sido capaz de resistir a ela. Eu nunca deveria


ter sido estúpido o suficiente para arrastar Sam para o meu mundo.
Mesmo por pouco tempo. Mas o fato é que eu a queria demais para o
meu próprio bem. E especialmente para ela.

E agora que eu a tive? Eu a quero ainda mais.

Meu fodido pau traidor está endurecendo no meu jeans agora


mesmo enquanto eu vou para casa, pensando na suavidade de suas
coxas, e em como ela estava molhada para mim. Nós dois estávamos
com muita pressa para tomar nosso tempo nisso, e eu já estou
fantasiando sobre uma próxima vez, quando eu vou mergulhar meu
rosto entre as pernas dela e provocá-la com a minha língua até que ela
grite meu nome ainda mais alto do que ela fez hoje.

Não, eu me avisei severamente. Você não fará isso novamente.


Você vai ficar longe dela agora.

Mas eu sei que estou mentindo para mim mesmo. E meu pau
concorda.

Talvez Samantha tenha sorte, eu penso comigo mesmo com uma


risada sombria.Talvez eu não consiga sair vivo amanhã.

E nessa nota, paro na minha casa e vou para dentro procurar uma
garrafa de uísque.
No dia seguinte minha cabeça está fodidamente explodindo
depois de passar a maior parte da minha noite com uma garrafa. Estou
sóbrio e estou acordado, graças a um litro de café forte. Mas eu me
sinto como o inferno, e estou com um humor imbecil.

Quando chego ao clube, a maioria dos homens já está lá,


esperando o sinal para se mexer. Estamos a caminho de recuperar as
armas que os Spiders roubaram de nós e distribuir alguns retornos.

Alguns dos irmãos tinham feito um trabalho para tentar descobrir


onde os Spiders tinham escondido os caixotes. Nós já tínhamos uma
ideia de onde ficava o clube dos Spiders, em uma cidade chamada
Circle Pines, a pouco mais de uma hora ao sul de nós. Ghost, Brick e
Beast foram até la e seguiram algumas pistas e acabaram descobrindo
as idas e vindas dos Spiders a uma antiga e abandonada fábrica de
embalar carne, no extremo norte da cidade.

Pegamos três vans, e perto de vinte homens, cada veículo


dirigindo rotas diferentes. Eu estou no segundo, com Brick, Tank, Thorn
e três outros irmãos. A descida é tensa e silenciosa, pontuada por
breves estalos de piadas e risadas. Mesmo com o reconhecimento feito
de antemão, não sabemos realmente no que estamos nos metendo.
Qualquer coisa pode estar esperando por nós e estamos preparados
para o pior.

Cerca de cinco minutos antes da chegada da primeira van, Brick


recebe um texto do Ghost.

— Estamos bem para ir. — diz Brick, acenando timidamente para


Thorn continuar dirigindo. — Rock está lá. Fique de olho. — ele nos diz.
— Uma emboscada é sempre possível.
— Sim. — Thorn acena, e pressiona o acelerador.

A rodovia em que estamos não tem muito tráfego, e no momento


estamos sozinhos na estrada. Poucos minutos depois, Brick gesticula
para um cruzamento próximo e diz a Thorn para virar à direita. Nós
entramos em uma estrada asfaltada esburacada, sobre um conjunto de
trilhos de trem, e vamos mais um quarto de milha antes de vermos um
aglomerado de edifícios que deve ser nosso destino.

A planta em si consiste em vários edifícios de tijolo de tamanhos


variados, ligados entre si. Há um grande com duas chaminés altas que
parece uma estação geradora, e um monte de outros em volta dele,
pequenos e grandes.

Brick aponta para um dos edifícios à esquerda.

— Lá. — ele diz. Assim como ele, vemos uma porta de metal
abrindo para o lado.

— Aqui vamos nós. — murmura Tank ao meu lado. Thorn aponta


a van em direção à porta e nos conduz através dela, acenando uma vez
enquanto ele reconhece nossos homens no interior nos deixando
entrar. Eu exalo um pouco. Por enquanto, tudo bem.

Thorn estaciona a van dentro do edifício e nós saímos. A única luz


vem de algumas janelas de alta hierarquia em direção ao teto, a maioria
das quais está quebrada. Apesar da pequena quantidade de ar fresco
que passa por elas, sou imediatamente agredido por um mau cheiro,
fraco, mas nauseante.

— Porra esse lugar fede. — murmura Tank ao meu lado.

— Esse é o cheiro dos Spiders. — brinca Thorn com um sorriso


de escárnio.

Brick nos disse que este era o prédio que eles viram os Spiders
entrando e saindo enquanto faziam o reconhecimento. É principalmente
um espaço grande e vazio, parece e cheira como o lugar onde os
trabalhadores costumavam cortar os animais quando a fabrica estava
operando.

Nós caminhamos até onde Rock e Angel estão de pé. Rock nos
conta que a terceira van está aqui, e os homens nela já se posicionaram
como guardas e vigias. Tanto quanto Ghost e os homens foram capazes
de dizer, o lugar não é vigiado por Spiders vinte e quatro horas por dia,
mas há toda possibilidade de que possamos ser vigiados por câmeras
de segurança e temos um tempo limitado para tirar as armas antes que
os Spiders venham para nos pegar.

— Ok, vamos nos mover. — diz Rock com urgência. Nós nos
espalhamos e começamos a pesquisar.

O prédio é enorme, mas na maior parte é espaço aberto, então


não há muitos lugares para esconder um carregamento de armas, se
elas estiverem aqui. Eu reflexivamente toco em minha arma, para ter
certeza de que ela está bem enfiada na minha cintura, e me movo em
direção à parte de trás do prédio, onde uma série de corredores
parecem levar a alguma coisa.

Não encontro nada além de um velho equipamento coberto de


poeira e um monte de vidro quebrado. Se as caixas estão neste prédio,
elas definitivamente não estão aqui. Estou começando a me perguntar
se cometemos algum erro. Por que diabos os Spiders guardariam suas
merdas em um lugar tão estúpido e desprotegido? — Aqui. — chora
uma voz do outro lado do edifício. Eu corro de encontro à um grupo de
homens em pé na frente da porta enferrujada de uma unidade de
refrigeração. Há uma pesada trava de aço no cabo.

Sem cerimônia, Rock levanta sua Magnum 358 e atira na trava do


lado. Angel se aproxima e abre a porta.

Uma rajada de barris fedorentos vem para nós, e alguns dos


homens recuam e xingam em desgosto.

Mas acontece que atingimos o jackpot . As caixas estão lá, tudo


certo. Oito caixas de pistolas, ARs e munições.
Mas isso não é tudo. Há caixas e caixas de merda, empilhadas
contra as paredes. Tank alcança e tira uma tampa solta de uma delas,
em seguida, olha para dentro.

— Droga. — ele diz. — Heroína, muito provavelmente.

— Porra. — murmura Angel. — Vai ser difícil deixar essa merda.


Nós poderíamos fazer muito dinheiro levando isso conosco.

— Sim. — Brick acena com um brilho nos olhos. — Mas podemos


ter certeza de que eles farão merda, de qualquer maneira.

Agora que encontramos o que buscamos, nos movemos


rapidamente. Thorn trás nossa van para o lado da entrada, e Beast puxa
a segunda para trás. Nós dividimos as munições e armas entre cada
veículo. Quando terminamos, Angel, Rock e os outros se amontoam.

— Volte pela rota alternativa. — Rock nos ordena.

A primeira van se dirige para a saída, e olho de volta para a


unidade de refrigeração para ver Thorn arrumando a bomba que Tweak
trouxe conosco. É uma mistura de nitrato de amônio e óleo combustível.
Tweak montou um detonador remoto para o telefone que Thorn está
carregando com ele. A explosão deve ser mais que suficiente para
destruir todo o estoque na unidade de refrigeração.

— Oh. — diz ele com urgência, ficando de pé. — Vamos. — Ele


sobe no banco do motorista da van e eu fecho as portas traseiras. Thorn
começa a dirigir em direção à saída, e o resto de nós corre ao lado da
van para abrir as portas.

Só então Brick solta um grito.

— Nós temos companhia!

— Vamos nos mexer! — Eu grito para os outros. — Entrem no


caminhão! — A porta rolante ainda está aberta, a van meio fora, quando
o tiroteio começa. Parece estar vindo de todas as direções de uma só
vez, e é impossível fazer qualquer coisa além de me abaixar e tentar
entrar na van antes de tentar começar a disparar de volta.

As coisas correm rápido. Tanto quanto eu posso dizer, os Spiders


estão atirando em nós, e nossos caras estão atirando nos Spiders. Tudo
o que sei é que temos que sair agora. Minha arma está puxada, e eu
estou correndo em direção ao caminhão quando ouço Brick gritar:

— Cuidado, Hawk

Antes que eu tenha tempo de reagir, há um estalo alto que de


alguma forma se distingue de todos os outros sons de tiros, se destaca
em minha mente como se fosse para mim. Então eu sinto um toque
estranho no lado direito das minhas costas, como se alguém tivesse me
atingido com uma pequena pedra. Não faz sentido, e eu instintivamente
começo a voltar para trás para descobrir o que era, então percebo o
quão absurdo isso é e continuo correndo. Quando me aproximo da van,
uma sensação de queimação agravante começa ali e começa a irradiar
pelo meu corpo.

Porra. Eu fui baleado

Eu posso ouvir os Spiders continuarem atirando em nós enquanto


Brick me puxa para dentro da van e consegue bater a porta atrás de
mim. Eu viro de volta agora e sinto minhas costas. Está molhada.

— Merda, Hawk. — Brick grita.

— Isso vai deixar uma marca. — Porra. Smiley pode cuidar


disso? — Eu gemo.

Ele sacode a cabeça.

— Eu não penso assim, irmão. Isso vai precisar de cirurgia.

Maldição. Isso significa o hospital.

O que significa que vou ter que inventar alguma história sobre
como isso aconteceu. Assumindo que chegaremos lá a tempo e eu
sobreviva, é isso. Eu sei que, mesmo sem perguntar, não podemos ir a
outro lugar, a não ser Tanner Springs General. Qualquer outro hospital
e nós teríamos a polícia nas nossas costas fazendo perguntas.

Thorn engata a marcha da van e chicoteia tão rápido que por um


segundo acho que vamos capotar. A dor está começando a aumentar
agora, e através da neblina eu ouço Tank perguntando se estou bem.
Eu abro minha boca para dizer sim quando um enorme estrondo me
interrompe, seguido por outra explosão alta. Eu me viro com os outros
para ver a fumaça e os estilhaços saindo do prédio da bomba anfônica
que Thorn acabou de detonar.

— Fim do jogo, filhos da puta. — ele sorri de volta para nós,


segurando o telefone.

Eu sorrio e tento dar-lhe um aceno, mas uma facada de dor corta


meu corpo. Eu gemo e caio de lado no chão duro, rangendo os dentes
e me acomodando enquanto Brick faz o que pode para parar o
sangramento.
EU estou andando descendo a rua ao ritmo
enlouquecedoramente lento de Mary Jane, esperando que ela fizesse o
seu negócio, quando eu recebi a ligação.

— Sam! — A voz ofegante de Jenna vem pelo telefone. — Estou


tão feliz por falar com você imediatamente!

— O que? Por quê? Aconteceu alguma coisa?

Jenna parece frenética, e não consigo imaginar o que está errado,


mas é muito claro que à algo.

— O clube... — ela começa, e então eu a escuto cobrir o telefone


e dizer alguma coisa para alguém do seu lado. Quando ela volta, eu a
ouço respirar fundo e começa de novo. — Algo aconteceu com o clube.
Não conheço todos os detalhes, mas sei que eles foram para fora de
seu território por algum motivo e tudo correu mal. — Ela faz uma pausa
e continua com uma voz mais suave. — Hawk levou um tiro.

— Meu Deus. — Eu digo, puxando com tanta força a coleira que


Mary Jane solta um grito de surpresa. — Jenna, onde ele está? Ele está
bem? O que está acontecendo? — Eu começo a me sentir fraca e meio
tonta. Meu coração começa a acelerar no meu peito, tão rápido que é
quase um tremor.

— Ele está no hospital aqui em Tanner Springs. Eles o trouxeram


aqui, o clube trouxe, há meia hora atrás, pelo que Cas diz. — Sua voz
está tremendo e está claro que ela está fazendo o melhor para se
manter calma. — Eu acho que eles estão levando ele para a cirurgia
agora. Mas isso é tudo que sei. Nós não somos da família, então eles
não estão nos dizendo muito.
Hawk está ferido.

A frase está martelando no meu cérebro como uma dor de cabeça


latejante. Hawk está ferido. Sinto-me tão abalada que, por um
momento, acho que posso perder o equilíbrio e cair no chão, mas
consigo me manter em pé.

— Ok, eu... — Eu sufoco e tento pensar quais são as outras


palavras. Normalmente imperiosa Mary Jane está me olhando com
curiosidade. — Eu estarei lá assim que puder. — eu finalmente consegui
dizer.

Lágrimas brotam dos meus olhos, e eu tenho que lutar para


engolir o soluço alto que está na minha garganta.

— Obrigado por me chamar, Jenna. — Eu pensei… — ela faz


uma pausa, sua voz fraca. — Bem, eu apenas pensei que você gostaria
de saber. Eu estarei aqui esperando.

Eu tiro o telefone do meu rosto com a mão trêmula e volto para


casa, quase tropeçando algumas vezes. Pela primeira vez, Mary Jane
não está resistindo a mim e tentando me fazer seguir sua liderança. Em
vez disso, ela corre ao meu lado docilmente e eu silenciosamente lhe
agradeço.

De volta à casa principal, solto o cachorro e a levo para vovó, que


está sentada à mesa da sala de jantar com uma pilha de papéis. Quando
eu digo a ela que vou sair e provavelmente não vou voltar para o jantar,
ela olha para mim bruscamente, como se pudesse ouvir na minha voz
que há algo errado. Mas se ela sente que algo está me perturbando, ela
não diz, e eu estou tão aliviada por não ter que discutir com ela que eu
quase caí em lágrimas ali mesmo.

No momento em que corro pelo gramado até a edícula, desato a


chorar feio, soluços estridentes que vou ter que deixar sob controle se
tiver alguma esperança de dirigir. Eu corro para dentro e aperto o
balcão da cozinha com força para me equilibrar. Eu ainda estou
soluçando incontrolavelmente, e aperto meus olhos bem fechados e
tento me concentrar em diminuir minha respiração. Eventualmente,
consigo chegar ao ponto em que não acho que vou hiperventilar. Vou
ao banheiro, espirro água fria no rosto até começar a me sentir um
pouco mais calma, e então pego minhas chaves e saio porta afora indo
para o carro.

Quando eu estou quase na metade do caminho para o hospital


que me ocorre como Jenna soube me chamar.

Eu não contei a ela ou a ninguém nada sobre Hawk e eu. Não que
haja um Hawk e eu. Mas mesmo assim... Tudo o que Jenna sabe é que
ele veio para consertar a pia da vovó. Bem, isso e ela viu Hawk e eu
conversando juntos no festival. Mas como ela colocaria dois e dois
juntos só isso é um mistério para mim.

No momento, não consigo pensar em nada disso, no entanto.


Agora, só preciso saber que Hawk não está morto. Que ele vai ficar
bem. Que...

Uma nova rodada de soluços sobe na minha garganta, lágrimas


ardendo nos meus olhos. Com raiva, eu as limpo e engulo uma e outra
vez, com medo de bater o carro se eu começar a chorar de novo. Cinco
minutos agonizantes depois, chego ao hospital e quase subo no meio
fio, tentando estacionar meu carro. Eu abro a porta e quase tropeço nos
meus pés enquanto corro em direção à entrada de emergência. Lá
dentro, paro no balcão de check-in e, sem fôlego, pergunto à mulher
mais velha como chegar a Hawk quando ouço a voz de Jenna atrás de
mim.

Eu me viro e caio em seus braços em lágrimas.

— Está tudo bem. — diz Jenna em uma voz suave enquanto ela
começa a esfregar minhas costas. — Ele está em cirurgia agora. Nós
apenas temos que esperar. Ele ficará bem, Sam, ele é forte como um
boi. Nada pode derrubar Hawk.

Ela coloca o braço em volta de mim e me leva até onde o resto do


clube está esperando. Cas está lá, e ele me dá um breve aceno de
cabeça e uma onda de um dedo. Noah e Mariana não estão lá, e acho
que alguém está cuidando deles. Sento-me ao lado de Jenna em uma
fileira de cadeiras a poucos metros dos homens. Eu olho para baixo e
percebo que minhas mãos estão tremendo.

— O que aconteceu? — Eu sussurro.

— Eu não tenho certeza, exatamente. — murmura Jenna. — Eu


te falei tudo que sei. Os homens saíram esta manhã correndo. Quando
eles voltaram, recebi uma ligação de Cas me dizendo que algo estava
errado e que eles tinham que trazer Hawk para cá. — Ela olha para
mim, enrugando a sobrancelha, embora esteja tentando escondê-lo. —
Eles disseram que ele foi baleado nas costas.

Nas costas ... imagino a bala entrando na espinha de Hawk,


cortando-a. Hawk em uma cadeira de rodas. Hawk paralisado. Hawk…

— Sam. — Jenna diz bruscamente, pegando minha mão. — Não.


Não enlouqueça. Você tem que ficar forte, ok? Não adianta se você
desmoronar. Tenha bons pensamentos. Seja forte. — Ela se desloca na
cadeira e olha para mim atentamente. — Você pode não acreditar em
orações, mas não há desvantagem em colocar pensamentos positivos,
pensamentos esperançosos no universo.

Por favor, deixe Hawk ficar bem, eu rezo, olhando para o chão.

Eu não me importo com o que acontece entre nós. Por favor,


deixe-o ficar bem. Fecho os olhos e começo a respirar fundo, repetindo
o mantra a cada respiração.

Inspire.

Por favor, deixe Hawk ficar bem.

Expire.

Por favor, deixe Hawk ficar bem.

Inspire.
Por favor, deixe Hawk ficar bem.

Expire.

Por favor, deixe Hawk ficar bem.

Eu abro meus olhos, respiro fundo e deixo sair. Pela primeira vez,
olho em volta e percebo realmente o que me rodeia. A primeira coisa
que vejo é que alguns dos homens, inclusive Cas, estão olhando para
mim com uma curiosidade sem disfarces.

De repente, me sinto incrivelmente constrangida. Eu não tenho


lugar aqui. Na verdade não. Eu não faço parte da família do clube. Eu
não sou realmente parte da vida de Hawk. Talvez seja ridículo que eu
esteja aqui.

Talvez Hawk se pergunte o que eu estou fazendo aqui quando ele


sair da cirurgia, e fique chateado por eu estar agindo como se eu fosse
sua namorada ou algo assim.

— Eu talvez eu deva ir. — eu digo sem jeito. Eu começo a me


levantar, mas Jenna pega meu braço e me puxa para baixo.

— Eu acho que ele vai querer ver você, Sam. — Jenna diz
suavemente. Quando olho para ela, ela está olhando para mim com
uma expressão que não consigo ler direito. — Olha. — ela começa. —
Eu não sei o que está acontecendo com vocês dois... mas claramente,
há algo acontecendo. Não há?

Eu aceno com tristeza.

— Bem, então. — ela continua, sua voz calmante. — Apenas


fique aqui. E espere com o resto de nós. E quando Hawk for capaz de
ver as pessoas. — ela cuidadosamente evita dizer se, eu noto. — Então
entre e o veja. — Ela me dá um sorriso gentil. — Aposto que ele ficará
muito feliz por você estar aqui.

Jenna sugere que consigamos algo para beber e me leva para a


cafeteria do hospital. Eu pego uma xícara de café absolutamente forte
e carrego com creme e açúcar. Nós nos sentamos em uma das mesas,
e eu seguro a xícara de isopor quente na minha mão como se fosse
preciosa, mas por alguma razão eu não consigo me obrigar a beber.

—Acho que o que aconteceu hoje é por que Cas, Hawk e os


outros pareciam tão tensos ultimamente. — Jenna me diz. Ela franze a
testa em frustração. — Às vezes eu realmente gostaria que eles nos
dissessem o que diabos está acontecendo, em vez de tentar nos manter
seguras o tempo todo.

Eu penso em como Hawk estava preocupado e áspero na última


vez que o vi. E como ele estava quando foi para minha casa, ao invés
de me levar para um passeio, ele me puxou para dentro e me fodeu
como se fosse nosso último dia na terra.

Foi apenas ontem.

Eu tremo com a lembrança do toque dele. Eu daria tudo para


reviver tudo isso de novo.

Talvez ele tenha pensado que foi seu último dia na terra, percebo
de repente.

Eu não sei como me sentir sobre isso.

— Posso te fazer uma pergunta? — Pergunto a Jenna depois de


nos sentarmos por alguns momentos em silêncio.

— Claro. — diz ela. Quando eu olho para ela, parece que ela já
sabe o que vou perguntar.

— Como você sabia? Porquê me ligou? — É tudo que consigo


dizer.

Ela ri suavemente pelo nariz.

— Bem, eu acho que não tinha certeza. — ela admite. — Mas


pareceu bastante óbvio para mim no festival que havia algo
acontecendo entre vocês dois. — Ela encolhe os ombros. — Eu
sinceramente nunca vi Hawk agir em torno de qualquer mulher do jeito
que ele age ao seu redor.

— O que você quer dizer? — Eu pergunto, genuinamente


confusa. — Tudo o que ele fez no festival foi ser frio e grosso,
principalmente.

— Oh, isso não é verdade, Sam. — Jenna ri. — Além disso. É


algo em seus olhos, eu acho. E como ele fica quando está perto de
você. É como se ele estivesse totalmente consciente da sua presença,
mesmo que ele não esteja falando diretamente com você. Além disso.
— ela continua, tomando um gole de café preto e fazendo caretas. —
Hawk não é exatamente o tipo de cara que apenas se oferece para ir
arrumar a pia de alguém aleatoriamente sem motivo. Especialmente não
Fillipa Jennings.

— Hã. — Eu acho que nunca me ocorreu que Hawk se ofereceu


para consertar a pia de vovó pensando em outra coisa além de pena,
eu acho. O pensamento que ele poderia ter feito isso apenas para
passar o tempo comigo me faz sentir tonta, e então eu tenho que me
convencer porque eu não quero ter minhas esperanças se não for
verdade.

Deus, estou tão confusa.

Jenna sugere que voltemos para a sala de espera, então nos


levantamos e levamos nossos cafés repugnantes conosco de volta pelo
longo corredor em direção à entrada de emergência. Quando
chegamos lá, nada mudou, e os homens parecem ter se acomodado a
longo prazo. Sento-me na cadeira que deixei há pouco e me preparo
para fazer o mesmo. Jenna me toca suavemente no ombro e depois vai
falar com Cas.

Eu me forço a não olhar para o grande relógio na parede, porque


ver como o tempo está passando lentamente está me deixando louca.
Em vez disso, eu sento e me concentro em um tufo do tapete do hospital
bege na minha frente que foi solto. Eu olho para ele como se fosse a
única coisa que me ancora na terra. Minha respiração entra e sai entra
e sai. Eu começo a sentir frio, arrepios subindo em meus braços. Mas
eu não me movo. Eu não posso me mexer.

Um médico sai, um homem magro, de pele escura, de uniforme


verde. Ele se aproxima do MC e de Rock, depois os outros também. Eu
praticamente saio do meu assento e ando rapidamente em direção a
eles, de pé do lado de fora do aglomerado de homens.

— Sorte que nenhum órgão vital foi penetrado. — ele está


dizendo. — A bala passou pelos músculos ao redor do abdômen, mas
não entrou na cavidade abdominal. Ele é um homem de muita sorte.

Minhas pernas ficam fracas debaixo de mim e, por um segundo,


sinto-me fraca de alívio.

— Quanto tempo até que ele esteja em pé e de alta doc? — Angel


pergunta.

— Pessoas diferentes se curam de maneira dferente. — responde


o médico. — Dito isso, McCullough parece ser um homem
relativamente saudável, e ele pode estar em pé dentro de algumas
semanas.

— Podemos vê-lo? — Jenna interrompe.

— Sr. McCullough ainda está em recuperação. — ele sorri. —


Eventualmente eles o transferirão para um quarto, e alguém virá lhes
dizer onde ele está. Quando ele estiver acordado, vamos avaliar sua
condição, e é possível que ele possa aceitar um visitante ou dois esta
noite. Sem garantias, receio.

O médico nos dá um leve aceno e desaparece pelas portas da


sala de emergência. Jenna vem até mim e me dá um abraço apertado.

— Ele vai ficar bem, Sam. — ela murmura.

Eu a abraço de volta e solto um suspiro que nem sabia que estava


segurando.
Então eu vou encontrar um banheiro privado e começo a chorar.

Nós esperamos mais um pouco. Quanto tempo eu não sei. Eu


pego algumas revistas e viro cegamente as paginas. Eu olho para a tela
do meu celular e tento jogar um jogo. Não consigo me concentrar em
nada.

Alguém pede pizza. Jenna me traz um pedaço, mas tem gosto de


papelão gorduroso para mim, então eu jogo fora.

Finalmente, logo no final do horário de visitas, uma enfermeira


baixa e redonda com cachos pretos sai para nos ver.

— Vocês estão aqui para Kaden McCullough? — ela pergunta.

— Sim. — diz Rock, ficando de pé.

— Ele está acordado e indo bem. Mas as horas de visita estão


quase no fim. Vou permitir que apenas dois de vocês o vejam. Um por
vez. E apenas por cinco minutos cada.

Rock entra primeiro. Ele se foi por pouco mais de dez minutos. Eu
começo a ficar nervosa porque ele fica tanto tempo que não deixa
ninguém entrar. Mas não tenho motivos para pensar que serei a
segunda pessoa. Estou me agarrando a um fio de esperança, mas
percebo que é provável que eles não me escolham.

Finalmente Rock sai.

— Ele parece, bom. — ele resmunga. — Ele vai ficar bem.

Duas pessoas olham em volta, mas Jenna fica de pé.

— Sam é a próxima. — diz ela com firmeza, vindo até mim e


puxando-me pelo braço.

Eu não discuto, e espero que ninguém tente me impedir.


Wow os remedios que os medicos me deram para dor, essa
merda é boa.

Eu não sinto nada. Se eu não estivesse na cama do hospital, eu


questionaria se tinha sido baleado. Tudo o que aconteceu hoje cedo,
parece mais um sonho do que qualquer coisa.

Quando acordo, a primeira coisa de que consigo me lembrar é de


uma das enfermeiras uma morena baixinha e corpulenta com o cabelo
encaracolado me perguntando se eu tinha alguma família com quem
gostaria que entrassem em contato.

— Não. — eu digo, as drogas mantendo a minha raiva longe o


suficiente para não chegar até mim. — Nenhuma família. Apenas meu
clube.

Ela acena com a cabeça.

— Bem, existem algumas pessoas na sala de espera que querem


ver você. Mas eu não tenho certeza se você está pronto para isso ainda.

— Estou bem. — digo a ela. — Está tudo bem.

Ela franze os lábios. — Bem. Verei o que posso fazer.

Então ela se foi e eu fecho meus olhos e aguardo.

Então o Rock está aqui.

— Ei, irmão. — ele murmura. Ele puxa um assento ao lado da


cama. — Não tínhamos certeza de que você conseguiria chegar aqui a
tempo.
Eu tento rir, mas sinto que algo está se soltando, então paro.

—Você não vai se livrar de mim tão facilmente. — eu brinco.

— Bom negócio.

— Como estão todos os outros? O que aconteceu?

— Todo mundo está bem. Conseguimos tudo, conseguimos


passar por eles, sem outros feridos.

— Claro. — ele continua: — Este é apenas o começo.

— Sim.

— Os Spiders não vão deixar isso passar. Mesmo que eles


merecessem o que aconteceu. Nós todos sabemos que este é o
começo de algo maior.

— Você acha que nós deveríamos ficar em bloqueio? —


Pergunto-lhe.

— Eu acho. — ele balança a cabeça. — Mas não podemos ficar


nos escondendo para sempre. Ainda assim, acho que, por precaução,
é a melhor coisa a fazer agora. — Ele olha para mim. — Vou colocar um
guarda aqui também. Só assim podemos cobrir todas as nossas bases
até você sair daqui. Doc diz que você pode estar aqui por uma semana,
talvez mais.

— Besteira. — eu zombo. — Eu vou estar bom para ir em um dia


ou dois.

Um estrondo de riso escapa dele.

— Eu não duvido, irmão. Cuide-se. Eles vão arrancar minha


bunda daqui muito em breve, então é melhor eu ir embora.

Eu levanto um dedo fraco para ele.


— Diga a todos para tentarem manter suas coisas juntos até eu
voltar.

Rock bufa.

— Vamos fazer, irmão.

Então ele se foi.

Eu fecho meus olhos e aguardo.

Em algum momento, acho que ouço o trinco na porta novamente.

Eu abro meus olhos. É a enfermeira.

— Você tem mais um visitante hoje à noite. Mas ficará pouco


tempo. — ela avisa.

Eu olho para cima, esperando Angel, ou talvez Brick.

Não é Angel ou Brick.

É.

Samantha.

Meu peito aperta.

Ela se move lentamente para a sala, quase como se estivesse


nervosa.

— Ei. — eu falo. — Você está aqui.

— Eu … — ela começa e para. — Quero dizer, eu estou.

E então ela começa a chorar.

Samantha senta na cadeira em que Rock estava sentado alguns


minutos antes.
— Me desculpe, me desculpe. Eu só estou... — Ela toma algumas
respirações profundas, engole em seguida, engole dolorosamente e me
dá um sorriso brilhante e trêmulo. — Estou feliz que você vai ficar bem.
— ela calcula.

— Eu vou ficar bem. — eu respondo.

Eu mantenho minha voz rouca, porque temo que, se não, ela


escute o quão perto está de rachar. Estou tão feliz em vê-la agora eu
sinto que estou pulando fora da minha pele.

— Você sabia que você iria se machucar quando você... hum...


veio ontem? — ela pergunta. Suas bochechas ardem e, apesar de todas
as drogas que estou usando, meu pau mexe na memória.

— Eu não sabia que me machucaria, obviamente. — respondo.


— Mas sim, eu sabia que estávamos prestes a fazer algo meio perigoso.

— Por que você não me contou? — ela sussurra. Antes que eu


possa responder, ela sacode a cabeça quase violentamente.

— Não, não, eu sei. Jenna me disse que Cas nem sequer conta
para ela.

— Não é que eu queira esconder isso de você, Sam. — eu digo


gentilmente. — É negócio do clube. É algo que juramos manter entre
nós. Além disso, você saber faria você correr perigo.

Ela balança a cabeça rapidamente.

— OK. Entendi. E não é realmente meu direito saber, de qualquer


forma. Não tenho nada a ver com o clube. Eu não sou como a Jenna.
Eu sou apenas... — ela para, e olha para as mãos dela.

Porra. Ela não sabe, eu percebo. Ela não tem ideia do que sinto
por ela. Que eu tenho lutado a cada passo do caminho sobre isso.

—Você é a mulher com quem eu quero passar o tempo antes de


entrar em uma situação que não sabia se sairia vivo. — eu digo.
A cabeça de Sam se levanta para olhar para mim. Seus olhos
estão arregalados e talvez um pouco esperançosos.

Eu não quis dizer nada disso. Eu acho que as drogas estão


afrouxando minha língua.

— Sam, me desculpe. — eu digo, mesmo que eu realmente não


saiba o que é que eu sinto. — Eu não quis fazer você se preocupar. —
Apesar disso, eu sorrio. — Embora eu possa dizer que dói meus
sentimentos que você estivesse preocupada.

Ela arrisca um pequeno sorriso.

— Bem, eu estava. — ela admite. Ela olha em direção à porta. —


Eu tenho esperado lá fora por horas. Com o resto deles. Todos
estávamos muito preocupados.

— Venha aqui. — eu digo. Ela se levanta e se empoleira ao lado


da cama. — Eu preciso falar com você sobre algo. — eu digo,
percebendo que não tenho muito tempo até que eles expulsem
Samantha. — Eu não posso explicar para você o que aconteceu,
exatamente. Mas o clube vai entrar em bloqueio por alguns dias.

— Bloqueio? — ela diz, franzindo o nariz. — O que é isso?

— Isso significa que todo mundo vai para o clube. Membros do


clube, old ladys, famílias. Todos. Ninguém entra, ninguém sai. É uma
medida de precaução até que possamos ter certeza de que as pessoas
não estão em perigo imediato. — Eu hesito. — Eu acho que você
deveria ir com eles.

Seus olhos se arregalam.

— Hawk, eu não posso. Eu tenho compromissos. Estou


começando a ensinar uma aula na comunidade. Além disso. — ela
continua, seus olhos se afastando dos meus. — Ninguém realmente…
quero dizer… Ninguém realmente me conecta com você, certo?
Ninguém pensa que estamos juntos ou algo assim.
— Eu acho que estamos juntos. — eu digo. Através da neblina da
droga, parte de mim está entusiasmado em dizer isso, mas parte de
mim está com medo da porra.

— Você acha? — ela sussurra.

— E você? — Eu pergunto. Eu estendo minha mão, o que parece


ser um esforço monumental. Ela aceita.

— Eu... — ela começa. — Eu apenas pensei…

— Shhhh. — eu a silencio. — E você?

Ela parece petrificada por um segundo. Então seus olhos


encontram os meus, escuros como estavam quando a levei nancasa
dela.

Sam se inclina e me beija, um beijo que rapidamente se torna


profundo e intenso. Meu pau pula sob os lençóis finos. Então ela se
afasta.

— Eu também acho. — ela murmura. Ela se senta e morde o lábio


inferior. — Mas Hawk. Eu não posso entrar em... bloqueio. — Ela
tropeça na palavra. — Eu realmente acho que vou ficar bem. Ninguém,
fora você e, bem, talvez o clube agora, sabe sobre nós. Eu realmente
não vejo como pode haver algum perigo para mim.

Relutantemente, eu concordo que ela provavelmente está segura.


Mesmo assim, eu decido que vou pedir a Rock para que um dos homens
fique de olho nela por alguns dias.

A enfermeira entra então, parecendo impaciente, e Sam aperta


minha mão e a segue para fora. Eu me deito ali, minha mente, uma
confusa de tudo o que aconteceu nas últimas trinta e seis horas, mais
ou menos.

O lindo rosto de Sam me beijando.


O corpo de Sam se contorcendo debaixo de mim quando ela
goza.

Alguém me puxando para a van depois que eu fui baleado.


Acordando nesta cama de hospital.

De repente, estou exausto. Eu fecho meus olhos e começo a me


arrastar para o que será um sono sem sonhos. Quando eu faço, o rosto
de Sam flutua ali, uma visão de esperança.

Querer é perigoso.

´
Enfim tive que ficar no hospital por cinco dias. Sam vem me ver
todos os dias sem falhar. Perto do fim, estou muito ansioso para dar o
fora daqui, embora ainda não esteja me sentindo tão bem. Sam
consegue me acalmar e me convencer a deixar os médicos decidirem
quando estou pronto para sair. Sem contar que ela e eu descobrimos
algumas maneiras criativas de fazer uso da cama do hospital, de alguma
forma, não reabrimos meu ferimento de bala no processo.

Enquanto isso, o clube está fechado por quatro dias. Durante


esse tempo, não há um pio dos Spiders. Finalmente, Rock decide
levantar o bloqueio e dar às pessoas a opção de irem para casa.

Duas semanas se passaram, com o clube em alta vigilância, e


ainda sem resposta deles.

Mas nós teríamos que ser tolos para pensar que não está vindo.

— Ainda não há sinal de retaliação dos Spiders. — diz Rock


enquanto olha em volta da mesa. É a primeira vez que estamos na igreja
desde que fui dispensado do hospital. — Todas as armas e munição
foram entregues aos Demons.

— Então, estamos bem com eles? — Eu pergunto.

— Sim. Eu acho que qualquer dano foi consertado agora que eles
sabem que não estamos tentando foder com eles e são bons no
negócio. — grunhiu o Rock. — Talvez, apenas talvez, haja uma aliança
a ser quebrada disso. Oz não está feliz com os Spiders.

Portanto, pode haver um forro de prata nesta guerra com os


Spiders. Se sobrevivermos, a isso.
— Nós ainda temos irmãos postados como guardas do lado de
fora do clube o tempo todo. — continua Rock, apontando para o lado
de fora. — E Angel está dormindo aqui até novo aviso. — Ao lado dele,
Angel assente, um olhar de aço no rosto.

— Foda-se Rock tem Angel ficando aqui no clube, em vez de si


mesmo. — Brick murmura para mim enquanto saímos da igreja.

— Sim. — É meio fodido. Por um lado, se algo acontecesse no


clube no meio da noite e Rock fosse morto, nosso clube seria
decapitado de seu presidente no meio de uma guerra.

Por outro lado, se eu fosse Rock, não pediria ao meu VP para


fazer qualquer coisa que eu não estivesse disposto a fazer sozinho. Eu
não gosto disso. Mas não é o meu lugar para dizer isso. E inferno, talvez
Angel insistisse em ser ele. Essa decisão é entre o Pres e seu VP.

Depois da igreja decido ir até a Rebel Ink, a loja de tatuagem


local. É onde eu fiz toda a minha arte desde que me lembro. O dono,
Chance, é um amigo meu e é um gênio com uma agulha. Ele só contrata
os melhores, e é por isso que essa loja tem minha lealdade.

Eu tenho planejado fazer esta tatuagem por um tempo agora e


por alguma razão decidi não adiar isto mais.

Eu estaciono minha motocicleta no pequeno esracionamento que


pertence à loja. Há cinco carros lá também, dois dos quais pertencem
a pessoas que trabalham aqui. Fico feliz em ver que o lugar não parece
muito ocupado. Rebel Ink ocupa o andar de baixo de uma casa, e acima
dela está um apartamento que Jenna alugou antes de voltar e ficar junto
com Ghost novamente. O senhorio e dono do edifício, Charlie Hurt,
morava na casa ao lado. Isto é, até que um monte de coisas obscuras
caíram envolvendo o pai de Jenna, Hurt, e os Iron Spiders. Hurt acabou
morto, e a propriedade desta casa e a vizinha estão no limbo desde
então.

Eu abro a porta da frente e entro na loja. A sala principal é


pequena, com uma recepção e uma área ao lado. Sofás baixos cercam
uma mesa de café empilhada com fichários de design de anéis. Duas
garotas que parecem ter acabado de terminar o ensino médio estão
debruçadas sobre um dos fichários, apontando para diferentes fotos e
tagarelando animadamente. Eles olham para mim quando eu entro e
fico em silêncio, seus olhos se arregalando.

Eu os ignoro e me viro para Hannah Crescent, que está sentada


na recepção, com o nariz no celular. Ela olha para cima e sorri enquanto
me reconhece.

— Hawk! Merda, não vejo você por aqui há um tempo! — O


cabelo ruivo de Hannah está empilhado em cima de sua cabeça hoje
em uma espécie de estilo retrô. Um top azul marinho apertado deixa os
braços nus, revelando o redemoinho de padrões de flores multicoloridas
cobrindo a pele dos ombros até os antebraços.

— Sim. Fiquei meio ocupado. — eu digo a ela. — Tive umas férias


inesperadas no hospital.

— Uau. Isso é difícil. — Ela morde a língua, mas não pede mais
informações. Hannah é discreta. Ela se importa com seu próprio
negócio. Eu gosto disso sobre ela. — Chance estão Sumner ao redor?
— Eu pergunto, encostado no balcão.

— Sim, Chance está de volta. Dez horas por dia e seis vezes por
semana com os clientes. Sumner está chegando daqui a pouco. Você
veio aqui para algo novo?

Eu concordo.

— Se ele tiver tempo para mim.

— Ah, Chance sempre tem tempo para os Lords. — Hannah me


diz. — Eu vou avisa-lo.

Eu vejo a figura dela enquanto ela se retira pelo corredor. Hannah


tem uma bunda grande.
Alguns segundos depois, ela retorna, com Chance seguindo
atrás.

— Hawk. — ele fala arrastadamente, e me dá um soco no ombro.


— O que posso fazer para você?

— Eu tenho uma idéia para uma tatuagem. — eu digo, puxando


um pedaço de papel gasto. — Estou pensando no antebraço esquerdo.

O design é algo que eu desenhei há um tempo atrás. É uma


renderização em preto e branco de uma guitarra, com as asas se
desenrolando em ambos os lados dela. Abaixo, na parte inferior, no
script, há uma única palavra. Um nome.

Liam.

Deixei isso por muito tempo porque pensar na morte do meu


irmão é algo que eu tentei evitar o máximo possível ao longo dos anos.
Mas não quero mais evitá-lo. É minha culpa que ele se foi. Eu não
deveria ter o luxo de fingir que isso não aconteceu. A memória de Liam
é algo que deveria estar comigo o tempo todo. E é assim que eu vou
fazer isso acontecer.

— Belo desenho. — Chance murmura, assobiando baixinho. —


Sim, eu posso fazer isso. Vamos para a sala.

Chance me leva a sua sala, todo o caminho na parte de trás da


loja. Passei mais horas aqui do que posso contar ao longo dos anos. A
sua é a maior sala, e esboços e fotos de seu trabalho revestem as
paredes, incluindo algumas das minhas. Sento-me na cadeira e Chance
ajusta o braço para que meu antebraço esteja em uma boa posição
para ele trabalhar. O cheiro familiar de desinfetante flutua em direção
às minhas narinas.

Chance empurra seu cabelo escuro para trás do rosto e dá outra


olhada no meu desenho.
— Isso levará algumas horas, mas é possível em uma sessão com
certeza. E as cores?

— Apenas tinta preta. — digo a ele, acomodando-me.

Eu espero enquanto ele se levanta, ajusta a luz, coloca sua lente


de aumento e puxa a pistola de tatuagem ao lado dele. Mesmo que seja
meu antebraço, Chance raspa a área para se certificar de que não há
pêlos no lugar. Então, sento e deixo ele trabalhar, a familiar picada da
agulha quase reconfortante. Por um tempo, não há som, exceto a
música punk do final dos anos 70, tocando nos alto falantes e no
zumbido da máquina de tatuagem.

Eventualmente, Chance abaixa a maquina.

— Eu vou dar uma pequena pausa. — diz ele, se alongando —


Como você esteve?

— Não é tão ruim. — Eu lhe falo sobre meu período no hospital,


deixando de fora a maioria dos detalhes. Chance, como Hannah, é
discreto e sabe melhor do que fazer muitas perguntas sobre o negócio
do MC. Essa é uma das razões pelas quais eles conseguiram muito do
nosso negócio ao longo dos anos. — E quanto a você?— Eu pergunto.
— Como estão os negócios ultimamente?

— Bom. Bastante ocupado. — Sua testa franze em


borrecimento. — Enquanto o maldito edifício não cair em nossas
cabeças, estamos em boa forma.

Eu ri.

— O que você quer dizer?

— A propriedade de Charlie Hurt ainda não está resolvida. — ele


me diz, e revira os olhos. — Eu acho que o velho idiota não tem muita
família, então tem sido difícil descobrir quem herda tudo.
Aparentemente, o filho da puta tinha mais dinheiro do que se pensava.
— Ele bufa. — Você poderia ter se enganado, tão barato quanto a
manutenção deste lugar é. Enquanto isso, a merda continua
quebrando, as coisas não estão prontas para o código... E agora, com
a porra de Holloway como prefeito, a cidade está em nossas bundas
pior do que nunca. — Chance balança a cabeça. — Estou tentado
arrumar a loja e me mudar para outro lugar, mas vou ficar pelo menos
até que descubram quem herdou essa bagunça, para que eu possa ser
reembolsado por todo o dinheiro que eu gastei para fazer reparos.

— Merda, eu não te culpo. — eu digo.

— Sim. O próximo proprietário terá sorte se eu não lhe dar um


soco no rosto. — diz ele, enojado. — De qualquer forma, foda-se, to
cheio de tudo isso. — continua ele, puxando seu banquinho de volta
para mim. — Vamos terminar com você.

Uma hora depois, a tatuagem está pronta. Ele se senta e me deixa


olhar o produto final. Eu confio em Chance, então ao invés de fazer com
que ele faça um stencil do meu desenho, eu deixo ele ir à mão livre. A
tatuagem acaba ainda melhor do que eu esperava. Parece certo ter
finalmente feito isso, embora eu saiba que tê-lo visível significa que as
más lembranças nunca estarão mais longe do que um simples olhar.

Você merece, Liam. É o mínimo que posso fazer.

Agradeço ao Chance, deixei ele me enfaixar, depois vou para a


frente para pagar e deixar uma grande gorjeta.

Lá fora, pulo na minha motoicicleta e pego meu telefone para


verificar a hora. Tem alguém que eu quero ver e estou apostando que
sei onde ela está.
Tanner Springs Adult and Community Education

Introdução à Fotografia Digital.

Esta aula é voltada para o fotógrafo iniciante que quer aprender


sobre sua câmera em particular, bem como conceitos de fotografia em
geral. As aulas dedicarão tempo às aulas manuais com a câmera de
cada aluno, além de abordar tópicos como exposição, perspectiva,
foco e composição. A ênfase será colocada em aprender as
habilidades necessárias para garantir que você obtenha a foto. As
câmeras digitais podem ser intimidantes nesta aula você aprenderá a
dominar a sua. Instrutor: Samantha Jennings.

Cinco sessões de 2 horas: às terças-feiras, das 18:00 às 20:00,


no Hawthorne Middle School.

Custo: US $ 150 Limite de classe: 10.

Hoje é a segunda sessão da minha aula de fotografia, então eu já


conheci todos os alunos na semana passada. Há Ronaldo, um cara
charmoso e surpreendentemente bonito, com cabelos negros e olhos
escuros. Há Dennis, um cara um pouco gorducho em seus trinta anos
com uma linha fina recuando. Dennis já sabe como operar sua câmera
digital, e parece ter se inscrito para essa aula apenas para me desafiar
sempre que eu explico um novo conceito para a classe. Há Floyd e
Gladys, um casal de idosos que me faz perguntas sobre as melhores
técnicas para tirar fotos do corpo nu. Há algumas senhoras de meia
idade que me observam com olhos arregalados e determinados e
seguem tudo o que faço, como se suas vidas dependessem disso.
Finalmente, há Annika, uma garota de vinte e poucos anos que durante
a aula na semana passada mencionou que está noiva não menos que
três vezes.

A aula de hoje é sobre composição e foco. Começo fazendo uma


explicação breve e prática dos diferentes modos de foco na câmera e
converso por um tempo sobre como usá-los para criar composições
interessantes e envolventes. Eu tiro algumas fotos de objetos comuns
na sala de aula e demonstro como mudar o foco e a composição da
cena pode transformar uma simples fotografia em uma história. Em
seguida, saímos para uma viagem de campo, e eu os fiz passar meia
hora tirando fotos no campus da escola onde a aula está sendo
realizada. Alguns se concentram nas plantas que são ajardinadas ao
redor da escola, outros vão e tiram fotos do equipamento do parquinho.
Dennis vai até as lixeiras pelas portas dos fundos e começa a tirar fotos
artísticas de lixo no chão.

Eu perambulo de estudante em estudante, olhando as fotos que


eles capturaram e fazendo sugestões onde posso. Quando a aula está
quase no fim, eu os levo de volta para a nossa sala e recolho algumas
das dicas que dei enquanto estávamos fora.

— Ok, parece que o nosso tempo acabou para hoje à noite. — eu


finalmente digo, apontando para o relógio. — Mas antes de deixar você
irem, vamos examinar o projeto final. Esta não é uma aula de
graduação, é claro. Mas durante a última sessão, cada um apresentará
um pequeno portfólio de seu trabalho para seus colegas e fará uma
pequena apresentação de cinco minutos sobre algumas das fotos e
algumas das escolhas técnicas que você fez quando as tirou, e porque.

Dennis levanta uma mão entediada.

— Você está nos pedindo para tentar colocar palavras em nosso


pojeto? — ele pergunta. — Não é o ponto da fotografia ser um meio
visual, e que, portanto, é uma maneira de expressar o que as palavras
não podem?

Eu resisto ao impulso de ir até Dennis e estrangulá-lo.


— Eu não estou pedindo para você explicar sua visão artística,
Dennis. — eu respondo pacientemente. — Você simplesmente estará
explicando em termos técnicos como você compôs a foto. Você não
precisa explicar por que, se não quiser.

Gladys levanta a mão.

— Podemos incluir fotos nuas em nossos portfólios? — ela


pergunta. Um par de outros alunos parece um pouco alarmado, seus
olhos correndo primeiro para ela e depois para mim.

Eu nem quero saber, eu acho.

— Vamos mantê-lo classificado como abstrato. — eu sugiro. —


Alguma outra pergunta?

Algumas das senhoras de meia idade têm perguntas a fazer.


Finalmente, quando não tem mais mãos são levantadas, eu as deixo ir.
Estou reunindo minhas coisas quando percebo que há alguém atrás de
mim. Eu me viro para ver a pequena forma de Annika parada ali, olhando
para mim com expectativa.

— Oi, Annika. Você precisava de algo?

— Hum, sim, eu tenho uma pergunta. — Ela está meio que


pulando para cima e para baixo nas pontas dos pés, seja por
nervosismo ou excitação que não posso dizer. — Então, eu acho que
talvez eu tenha mencionado na semana passada que estou noiva? —
Ela levanta a mão esquerda e me mostra seu anel de noivado.

— Sim, eu acho que você mencionou isso. — eu digo. —


Parabéns.

— Obrigada! — Annika abre um sorriso largo e feliz. — Bem,


então, Justin e eu, Justin é meu noivo, nós estávamos querendo fazer
algumas fotos de noivado. Mas nós realmente não conhecemos
nenhum fotógrafo. Mas então percebi que você é uma fotógrafa! — Ela
sorri para mim, como se estivesse orgulhosa de si mesma por colocar
dois e dois juntos.

Eu não posso deixar de rir. Ela é meio idiota, mas seu entusiasmo
é contagiante.

— Sim, eu sou. — eu sorrio.

— Então, você faz fotos de noivado? — ela pergunta. — Quero


dizer, eu posso te dizer o que você está fazendo é tão legal! Nós não
queremos nada realmente chique. Tem um lugar na cidade, um celeiro
rústico muito fofo e tudo mais, e com fardos de feno. Nós pensamos que
seria tão bom fazer nossas fotos lá! Tipo, totalmente natural, não em um
estúdio ou qualquer coisa.

— Parece romântico. — eu concordo, e pego meu cartão. —


Aqui está o meu site. — digo a ela. — Ele tem todas as minhas
informações, incluindo amostras do meu trabalho e minhas taxas. E até
te darei um desconto de dez por cento se decidir que quer que eu faça
suas fotos. Se não, nada de ressentimentos.

— Oh, obrigada! — Annika diz, batendo palmas. — Eu vou olhar


com Justin. Eu estou tão animada!

— Eu posso perceber. — eu rio. — Eu vou te ver na próxima


semana.

— Tudo bem tchau! — Ela me dá outro sorriso. — Estou tão


animada. — e praticamente sai da sala, acenando o cartão para mim
uma última vez antes que ela desapareça. Apesar da minha aversão
instintiva de todas as coisas, compromissos e casamentos, eu meio que
espero que ela e Justin decidam me contratar para fazer suas fotos de
noivado. Ela é a noiva mais gata que eu já conheci. Eu mal posso
imaginar como será seu noivo.

Eu levo a mochila do meu equipamento pela escola em direção


ao estacionamento, que estará deserto a essa hora, exceto pelo meu
hatchback. Só quando saio, vejo que não está. Não é bem assim.
Há outro veículo no estacionamento. Uma motocicleta de
aparência familiar que é quase tão grande quanto meu minúsculo carro.

Próximo a ela está Hawk, um sorriso sexy curvando um canto da


boca.

— Quer descontar aquele cheque para um passeio? — ele


pergunta.
Eu tenho saido com Hawk por um tempo agora, mas esta é a
primeira vez que estou na moto dele. Ou qualquer motocicleta. Eu
realmente não tenho tempo para ficar nervosa, porque antes mesmo de
dizer uma palavra, ele coloca uma perna monstruosa sobre o assento e
está acenando para o ponto vazio atrás dele.

— Vamos. — diz ele. — Vamos.

Eu abro o porta malas do meu carro e arrumo meu equipamento


dando uma rápida olhada para ter certeza de que ninguém está
olhando, mas o terreno está deserto, exceto por nós.

Eu subo atrás de Hawk e coloco meus pés nos pinos que ele
aponta. Ele liga a moto e eu pulo um pouco com o rugido súbito e alto.
Instintivamente, eu envolvo meus braços ao redor de sua cintura para
me firmar enquanto ele coloca a moto na estrada. Eu sinto o poder nu
e cru debaixo de mim, entre as minhas pernas. É como se a motocicleta
fosse uma extensão do homem. Difícil. Poderoso. Perigoso.

Nós não falamos nada, apenas sentimos. Observo a cidade de


Tanner Springs se desdobrar diante de nós, próxima e imediata, sem a
barreira do pára brisa de um carro. É emocionante. O ar frio arrepia
minha pele, e eu me aconchego nas costas de Hawk e me maravilho
com a forma como posso sentir o movimento de seu abdômen, mesmo
sob o couro dele.

Eu não tenho ideia de quanto tempo nós andamos. Ele pilota e eu


me perco no puro prazer do momento e de estar com ele.
Eventualmente, ele se dirige para uma rua residencial e estaciona em
uma casa que, instintivamente, sei que deve ser dele. Um pouco de
emoção sobe na minha espinha, ele nunca me trouxe aqui antes. Eu
digo a mim mesma ele não percebe nada, mas o calor se mistura entre
as minhas pernas ao perceber que ele provavelmente não me trouxe
aqui para jogar Monopolio.

Nós entramos e suas mãos estão levantando minha camisa e


tirando meu sutiã antes mesmo de ele fechar a porta. Vagamente, noto
um curativo em seu braço esquerdo, mas ele está fazendo essa coisa
com os dentes beliscando meu lóbulo da orelha, então qualquer
pensamento de perguntar a ele o que é voa pela janela.

— Não te vi em dois dias. — ele rosna contra o meu ouvido. —


Muito foda de tempo longo. — Ele arranca a camisa sobre a cabeça
com uma das mãos, depois os polegares abrem a calça jeans e a jogam
no chão. Seus lábios estão nos meus seios, provocando e mordendo
primeiro um mamilo e depois o outro, tão voraz que é quase doloroso.
Hawk é como um homem possuído e eu sou possuida por ele. Meu
corpo é para ele, e eu já estou encharcada quando percebo que farei o
que ele disser.

Exceto primeiro, há algo que eu quero. Minha boca já está


salivando só de pensar.

Sem palavras, saio de seu alcance e caio de joelhos.

Olhando para cima, eu olho nos olhos escuros e tempestuosos de


Hawk. Ele parece quase com raiva, mas eu sei que não é o que parece.
Ele pega um punhado do meu cabelo enquanto minha mão se fecha
sobre o enorme eixo pulsante, meus lábios e língua engolindo a cabeça
aveludada. Eu gemo baixinho, amando o jeito que ele sente na minha
boca.

— Foda-se. — Hawk assobia.

Eu corro minha língua ao longo do cume sensível por baixo,


sugando suavemente enquanto eu tomo mais dele. Não há nenhuma
maneira que eu possa pegar tudo dele na minha boca, mas eu
compenso com a minha mão, dando-lhe longos golpes enquanto eu o
puxo mais fundo, o mais fundo que posso. Suas coxas estão rígidas,
seus quadris empurrando um pouco quando eu o acaricio e o chupo.
Por alguns minutos ele me deixa fazer o que eu quero, e fecho os olhos,
amando o que posso fazer com ele, querendo aproximá-lo do limite, a
ponto de não retornar.

— Pare. — O baixo comando me congela instantaneamente. Eu


olho de volta para os olhos dele, tão escuros que mal posso ver os
brancos. Ele se abaixa e me puxa até que eu estou de pé, e então meu
jeans também está no chão.

— Tire a sua calcinha. — ele ordena. Eu mordo meu lábio e olho


para ele enquanto coloco um polegar no cós, em seguida, puxo um
pouco. Eu o provoco, dando-lhe apenas um vislumbre do que está por
baixo, e seus lábios se enrolam em um olhar malicioso. — É melhor você
tirar isso rápido se não quiser perdê-la. — ele rosna. Meus mamilos
esticam quando percebo que ele está prestes a arrancá-la de mim, e eu
coloco meu outro polegar nela e puxo para baixo, expondo-me ao seu
desejo ardente. — Venha para cá, Sam. Não é um pedido.

Eu dou um passo em direção a ele. Ele me agarra pelos braços e


de repente eu estou no sofá, deitada de bruços com as pernas abertas.
Hawk se ajoelha e desliza um dedo ao longo dos meus lábios lisos e
doloridos. Eu gemo alto, meus olhos quase fechando com o quão bom
é. Eu já estou tão perto.

— Porra, eu amo o quão molhada você fica para mim. — ele


rosna. Então ele está entre minhas pernas, sua língua deslizando entre
meus lábios inferiores.

— Hawk. — eu sussurro.

Eu já estou me contorcendo incontrolavelmente com o quão bom


é. Sua língua mergulha dentro de mim, em seguida, emerge e começa
a girar padrões ao redor do meu clitóris sensível, apenas leve o
suficiente para me deixar louca. Eu choramingo e tento me aproximar
desesperadamente para que ele me dê o alívio de que preciso. Ele me
segura rápido, então eu não posso me mexer. Eu tenho que deixá-lo
tomar seu tempo, e apenas espero e rezo para que ele não me faça
esperar muito tempo. O pulsar entre as minhas pernas só aumenta
quando ele provoca e me insulta, tão bom e ainda assim não o
suficiente. Eu ouço meus gemidos baixos começarem a ficar mais altos,
mais nítidos, enquanto eu empurro contra sua boca e imploro
silenciosamente por mais. Então percebo que não estou implorando
silenciosamente.

— Hawk, por favor. — eu lamento. — Por favor, me deixe gozar.

Ele ri baixo em sua garganta, as vibrações me provocando


enquanto ele continua a lamber e lamber. Finalmente, assim que eu
acho que vou perder a cabeça, ele puxa meu clitoris suavemente entre
seus lábios e me suga, enviando uma onda de choque por todo o meu
corpo. Estou ciente de que estou gritando, mas não posso fazer nada
para impedir, tudo o que posso fazer é apenas me agarrar às almofadas
enquanto estremeço e convulsiono contra sua língua.

Eu ainda estou tremendo com o orgasmo quando Hawk me pega


e me puxa para o seu colo, então eu estou em cima dele. Ele me abaixa
em seu eixo quente, me enchendo. Eu ainda estou me contraindo por
dentro, e agora meus músculos pulsam ao redor dele quando ele
começa a empurrar para cima para me encontrar. Nós encontramos
nosso ritmo, Hawk me beijando profundamente enquanto ele se afunda
dentro de mim, e é tão bom, tão bom que todo o resto cai e nós
montamos a onda juntos, mais alto, e de repente ele agarra meus
quadris e bate em mim difícil, então esvazia dentro de mim enquanto
clamamos juntos.

Eu ainda estou tremendo quando minha mente começa a sair do


nevoeiro. Meu rosto está enterrado em seu pescoço e Hawk está
acariciando meu cabelo com uma mão, seu outro braço apertado em
volta de mim. Sem uma palavra, ele se levanta e eu envolvo minhas
pernas ao redor dele. Hawk me leva para o seu quarto e me coloca
debaixo das cobertas com ele. Ficamos ali por um tempo, apenas nos
beijando, Hawk ainda acariciando meu cabelo.
— Como foi a aula? — ele pergunta finalmente.

Eu comecei a rir.

— Muito bem, obrigada. — digo com formalidade fingida.

— Fico feliz em ouvir isso. — ele sorri.

— Então, o que é isso? — Eu pergunto, tocando a bandagem em


seu antebraço. Hawk encolhe os ombros. —

Uma nova tatuagem. — Ele chega e puxa a fita. — Na verdade,


é hora de eu tirar isso. — Ele se inclina e me beija novamente. — Eu
volto já.

Eu aproveito sua forma de sair para olhar para sua bunda linda e
musculosa por trás. Quando ele volta, alguns minutos depois, o curativo
é retirado, revelando o trabalho de arte abaixo. É um violão como o que
ele estava tocando no dia do casamento, com um par de asas atrás e
uma palavra escrita embaixo.

Liam, eu li em silêncio.

Hesito, querendo perguntar a ele sobre a tatuagem, mas sabendo


que ele pode não querer falar sobre isso. Eu lembro da última vez que
ele mencionou ter um irmão. (Tinha, eu me corrijo.) Eu me pergunto se
é Liam. Eu sei que ele se foi, mas isso significa que ele está morto ou
simplesmente desapareceu, eu não sei. Eu engulo, nervosa por fazer a
coisa errada e perturbar Hawk.

— É linda. — eu digo honestamente.

— Liam era meu irmão. — Sua voz é inexpressiva. Quase como


se ele estivesse recitando algo da memória. Eu não digo nada,
esperando que ele continue. — Ele morreu dez anos atrás. Quando eu
tinha dezessete anos. — Hawk acena para a tatuagem. — O violão que
eu estava tocando no casamento é dele. Era dele.

Eu espero mais.
Nada vem.

—Você deve... sentir falta dele. — murmuro baixinho, meu


coração partido por ele.

Uma batida.

— Sim. — Hawk me puxa para perto dele, e eu me aconchego


contra o peito dele e ouço quando a respiração dele diminui.

Esta é a primeira vez que ele oferece algo sobre seu passado. Eu
engulo o nó na garganta enquanto tento imaginar o quão difícil deve ter
sido para ele perder seu irmão em uma idade tão jovem. Sendo filha
única, eu realmente não entendo o que é ter um irmão, muito menos
perder um.

Tudo o que sei é que Hawk não teria feito essa tatuagem se não
sentisse falta dele. Hawk está dormindo agora, com a respiração
profunda e ao meu lado.

Eu me viro e planto um beijo suave em seu peito, depois fecho


meus olhos.
O tempo amanhece feio na manhã seguinte, uma névoa baixa e
espessa se arrasta para a cidade. Ela fica do lado de fora da janela do
quarto de Hawk como um espião estranho e assustador.

O clima inquietante não faz nada para matar o bom humor de


Hawk, no entanto. Quando eu finalmente saio da minha própria neblina
de sono, ele já está acordado, apoiado em seu cotovelo enquanto olha
para mim.

— Finalmente. — ele sorri. — Estou morrendo de fome. Vamos


tomar café da manhã.

É uma experiência completamente surreal andar de moto pela


neblina. Do meu ponto de vista na parte de trás da moto, eu não consigo
ver nada, então visualmente parece que estamos parados. E ainda
assim meu corpo pode sentir que estamos nos movendo através do ar
espesso. É quase como o que eu imagino que o teletransporte seria.

Aparentemente por magia, chegamos ao estacionamento quase


deserto de um restaurante iluminado no neon como nome Bucky's. Eu
nunca vi o lugar antes, o que aumenta minha sensação de
desorientação. Hawk espera que eu saia da moto, então pega minha
mão e me leva para o prédio, que na verdade é um velho vagão de trem.
Passamos pelo longo balcão e entramos em uma das únicas cabines,
na direção dos fundos. Uma garçonete vem e nos traz água e
cardápios. Peço café, suco de laranja e torrada francesa. Hawk pede
um café da manhã combinado que acaba sendo tão grande que daria
para três refeições.
Eu percebo quando nos sentamos lá que Hawk e eu não tivemos
muitas conversas casuais desde que eu o conheci. Mas de alguma
forma, a conversa flui completamente natural entre nós.

Ele me pergunta sobre a minha vida antes de vir a Tanner Springs,


e conto a ele sobre morar na cidade, meu compromisso fracassado e
querer fazer uma pausa limpa nas coisas. Eu pergunto a ele sobre se
juntar aos Lords of Carnage, e ele me conta sobre seu amor precoce
por motocicletas, as modificações que ele fez em sua própria
motocicleta e seus sonhos de algum dia abrir uma loja de motocicletas
personalizada.

— Uau. — eu me maravilho. — Eu não fazia ideia.

— O que? — ele me provoca. — Você achou que eu não era


nada além de uma bunda gostosa?

Eu rio tanto que eu bufo, fazendo a garçonete olhar para mim com
uma peculiar surpresa em sua testa.

— Não. — eu protesto. — Mas eu estou supondo que há uma


grande diferença entre alguém que sabe como consertar motoicicletas
quebradas e alguém que pode realmente projetá-las. Desculpe, mas
isso é impressionante. — Eu tomo um gole do meu café. O gosto é bom
depois do frio de estar no meio do nevoeiro. — Isso é algo que você
faria com o clube?

—Talvez. — Parece que ele está contemplando isso. — Estamos


nos estágios iniciais da abertura de uma garagem e oficina de reparos.
Eu realmente não falei com os homens sobre expandi-la para incluir
personalizações. Mas é algo que pode funcionar.

— Você deveria. — eu imploro a ele.

Ele franze a testa.

— Talvez. — ele diz novamente.


Nós nos sentamos na cabine conversando muito depois que
terminamos nosso café da manhã tanto tempo que a neblina já
desapareceu e, por fim, a garçonete para de passar para reabastecer
nosso café. No momento em que Hawk paga a conta e nós nos
levantamos para sair, algumas pessoas já estão começando a almoçar.

— Você quer que eu leve você de volta para o seu carro? — Hawk
me pergunta quando estamos de volta na moto. Ele envolve um braço
forte ao meu redor e se abaixa para me beijar na testa.

— Sim. — eu suspiro. — Eu tenho algum trabalho para fazer hoje.


Ah, mas droga, esqueci que deixei minha bolsa na sua casa.

— Não tem problema. — ele responde com facilidade. — Nós


vamos passar por lá primeiro.

Agora que o nevoeiro se dissipou, não demoro muito para


começar a reconhecer marcos locais e me orientar no caminho de volta.
Eu me inclino para frente e digo a Hawk como eu estava
completamente perdida antes, e ele solta uma risada fácil que faz meu
coração pular para ouvi-lo. Eu nunca vi Hawk tão relaxado antes. Isto
me faz feliz. Como talvez eu tenha algo a ver com isso.

Quando voltamos para a rua dele, percebo que estou sorrindo,


um grande sorriso que provavelmente se deve a uma combinação de
delicioso café da manhã, uma manhã linda e um sexo recente e
alucinante.

Se eu acreditasse nos perigos de tentar o destino, seria por causa


desse momento.

— Merda. — Hawk esbraveja todo o seu corpo tenso. Eu franzo


a testa e inclino minha cabeça para ver o que ele está olhando.

Estacionado na calçada de sua casa está um velho carro


enferrujado.

Sentada no porta malas do carro está uma mulher.


Sentado ao lado dela tem uma criança pequena.

A mulher é magra a ponto de ser esqueletica e loira. Suas roupas


são grandes demais para ela e parecem que não foram lavadas há
muito tempo. Quando ela me vê na parte de trás da moto de Hawk, algo
acontece no rosto dela. Algo feio e venenoso. Ela desce do carro,
deixando o garotinho no chão, um pouco áspero demais, e cruza os
braços enquanto nos observa estacionar ao lado do carro. Hawk
desliga o motor, o corpo ainda está tenso.

— O que você quer, Anita? — ele pergunta sem preâmbulo. Sua


voz é fria com impaciência e algo como uma fúria oculta.

Ela olha para ele com desdém.

— Bem, eu estava vindo aqui para ter uma pequena ajuda. Não
que eu esperasse algo de você. — Seu olhar voa para mim. — Nova
namorada? — ela bufa.

— Isso não é da sua conta. — Hawk murmura com os dentes


cerrados.

— Ela não é feia, se você gosta do tipo dela. — Anita comenta


secamente. Ela se vira para me falar diretamente. — Querida, você está
perdendo seu tempo com ele. Ele é um porco. Ele não pode ser,
amarrado. Você quer meu conselho, você deve ir embora agora, antes
de se machucar.

— Eu tomo minhas próprias decisões, obrigada. — eu respondo


bruscamente, mas dentro do meu sangue está ficando frio.

Esta é uma ex namorada?

Hawk é o pai da criança?

Certamente parece assim. Mas se sim, como ele pode ser tão frio
para ambos?
No chão, o menino encontrou uma pequena pedra e começa a
raspar a sujeira com ela.

— Estou com pouco dinheiro até o final do mês. — Anita diz para
Hawk com um sorriso. — Você pode impressionar sua nova namorada
e me ajudar uma vez? Connor é um garoto em crescimento. Ele precisa
comer.

Hawk explode em gargalhadas.

— Certo. Eu não dou meu dinheiro para viciadas.

Anita recua.

— Está vendo. — ela diz, voltando-se para mim novamente. —


Ele não dá a mínima. Ele só se importa consigo mesmo.

Estou começando a me sentir nauseada. Este é um lado de Hawk


que eu nunca vi antes, um lado zangado e insensível. Minha respiração
acelera e, de repente, tudo que consigo pensar é ficar longe disso.

Longe dele.

— Eu preciso ir buscar minha bolsa. — eu digo em voz


estrangulada, e corro para a porta da frente, que, felizmente, Hawk
deixou destrancada. Eu corro para dentro, pego minha bolsa e vôo de
volta para fora e para perto da garagem. — Eu estou indo. — murmuro
para ninguém em particular, sentindo-me confusa e instável. Eu
praticamente corro passando por ambos, ignorando a voz de Hawk
quando ele chama meu nome e me diz para voltar. Assim que estou fora
do alcance da voz, começo a chorar.

Tudo o que eu sabia sobre Hawk McCullough parecia uma


mentira. Tudo sobre as últimas semanas parece uma piada elaborada
que ele está fazendo comigo para me levar para a cama. Eu não posso
acreditar o quão estúpida eu estive todo esse tempo, para não ver algo
assim chegando.

Hawk tem um filho.


Um garotinho chamado Connor, com quem ele nem se importa o
suficiente para ajudar.

Um garotinho com quem ele nem se importa o suficiente para me


contar.
— Samantha! — Eu grito depois de sua forma de recuar. —
Porra! — Eu olho para Connor e abaixo minha voz. — Foda-se Anita.
— eu grito para ela. — Você precisa parar essa merda. Pare de foder
com a minha vida.

Mas Anita apenas me mostra um bocado de dentes amarelos.

— Deveria ter me dado algum dinheiro, Hawk. Você pareceria um


herói para o seu novo brinquedo, e eu estaria saindo.

— Foda-se. — eu juro baixinho para mim mesmo, e corro uma


mão frustrada pelo meu cabelo. — Eu não estou te dando mais dinheiro,
Anita. Eu sei muito bem que você não está gastando com Connor.

Ela inclina a cabeça e zomba.

— Você não pode me dizer o que fazer.

Eu não posso deixar de rir em descrença.

— Com meu dinheiro?Ah sim, eu fodidamente posso.

Connor se levanta agora e puxa os shorts de Anita.

— Mamãe, eu estou com fome. — ele diz, bem na hora. Eu não


tenho certeza se Anita o colocou nisso, ou se ele está realmente com
fome, mas eu não vou deixar um garotinho morrer de fome só porque a
mãe dele é uma merda.

— Jesus Cristo. — eu gemo. — Espere aqui.


Eu entro por um minuto e volto com um sanduíche de manteiga
de amendoim para o garoto.

— Que diabo é isso? — Anita pergunta, incrédula.

Eu a ignoro e me ajoelho na frente de Connor.

— Você gosta de manteiga de amendoim? — Pergunto-lhe. Ele


acena para mim com os olhos arregalados e eu lhe entrego o
sanduíche. — Bom. Aqui está. É crocante. O melhor tipo. — Colocando
minhas mãos em meus joelhos, eu me levanto e enfrento Anita. — Eu
não estou te dando dinheiro. Vou ligar para a Mercearia de DeWitt e
pedir que deixem uma centena de dólares para você pegar alimentos.
Mas esta é a última vez, Anita. Me escutou? A. Última. Acabou.

Anita bufa em desgosto.

— Foda-se, Hawk. — ela diz.

— De nada. Agora saia.

Eu não espero para ver se ela faz. Eu vou para dentro e fecho a
porta, trancando, no caso de ela tentar me seguir. Depois de alguns
minutos, eu ouço o som de seu carro de merda indo embora.

Suspirando de alívio, ligo para DeWitt e peço ao gerente que me


deixe comprar um cartão presente para Anita que eles vão guardar no
balcão de serviço, em vez de entregá-lo a ela.

No momento em que eu desligo, o bom humor que eu estava no


começo da manhã evaporou completamente. Abro a porta da frente e
me sento no degrau da frente. Eu solto um suspiro e olho para a tinta
fresca no meu braço. De repente, estou exausto.

Se eu fosse um homem que acreditasse em sinais, isso com


certeza seria um deles.
Apenas quando estou começando a pensar que essa coisa entre
eu e Samantha poderia ser mais do que apenas um bom momento, meu
passado volta para me lembrar que eu não a mereço.

Anita Reynolds sempre foi um furacão, uma garota ardente, sexy


e gostosa. Mesmo no colégio, as velhas gatas de Tanner Springs já
falavam dela. Sussurrando sobre como ela estava fadada a sair mal um
dia. Com seus olhos azuis e seus cabelos loiros, mesmo com apenas
um metros e meio, ela se destacava na multidão. Anita praticamente
exigiu ser notada.

Anita foi a segunda garota que eu já dormi. Ela estava um ano à


minha frente na escola e um ano atrás do meu irmão Liam. Anita estava
me observando nos corredores de nossa escola, certificando-se de usar
roupas pequenas e apertadas o suficiente para que qualquer garoto de
dezesseis anos com hormônios furiosos dificilmente deixasse de notar.
Ela passava pelo meu armário entre as aulas, ou simplesmente ficava
sentanda em uma mesa do meu grupo no almoço. Ela havia atraído a
atenção da população masculina por tempo suficiente para saber
exatamente quando alguém estava se interessando por ela, e
exatamente o que fazer para atraí-lo.

Inferno sim, eu queria Anita.

Merda, qualquer adolescente hetero com um pau daria a mão


esquerda para foder um pedaço quente de bunda como ela. Então eu
não estava exatamente perdendo muito tempo resistindo quando ela
deixou claro que ela me queria de volta.

Eu tinha acabado de obter minha carteira de motorista quando


nos conectamos. Meu primeiro carro era um velho Honda ruim que mal
corria e parecia um inferno. Mas alguns dias depois de começar a dirigir
para a escola, Anita veio até mim um dia entre as aulas e perguntou se
eu poderia levá-la para casa naquele dia.

Acabou que, quando chegamos à casa de Anita, o resto de sua


família estava convenientemente ausente. Ela me levou até seu quarto
no porão, onde eu a fodi, o cheiro de sexo se misturando com a fraca
necessidade do velho tapete. No dia seguinte, levei ela para casa
novamente e no dia seguinte.

Anita foi a primeira garota que eu conheci que estava sempre a


fim de fazer sexo sempre que eu queria. Ela faria praticamente qualquer
coisa na cama, o que era uma vantagem definitiva para um garoto
excitado que estava morrendo de vontade de viver todas as suas
fantasias sexuais adolescentes. Nós fodemos como coelhos por um
mês sólido, e graças a Deus eu não fui estúpido o suficiente para
arriscar sem camisinha.

Depois de um tempo, porém, ela começou a ficar possessiva e


grudenta, saindo no meu encalço depois da aula e exigindo saber onde
eu estava quando não estávamos juntos. Ela começou a brigar comigo
para me fazer reagir, para ver até onde ela poderia me empurrar.
Mesmo que eu ainda estivesse atraído por ela, vi a escrita na parede e
decidi que precisava terminar as coisas com ela, mesmo que meu pau
definitivamente discordasse de mim.

Anita não levou minha decisão levemente. Ela tentou todos os


truques do livro para me pegar de volta, esperando do lado de fora do
meu carro depois da escola, me chamando em lágrimas tarde da noite,
me enviando fotos nuas para me lembrar do que eu estava desistindo.
Quando nada disso funcionou, ela começou a flertar com meus amigos
para tentar me deixar com ciúmes. Finalmente, depois de alguns meses,
ela pareceu desistir.

Então, um dia, eu a vi conversando com meu irmão Liam depois


da escola.

Liam era dois anos mais velho do que eu, e aos dezoito anos ele
estava no último ano do ensino médio e prestes a se formar. Ele era um
pouco mais alto que eu e mais magro, com o mesmo cabelo loiro escuro
e olhos cor de avelã. Liam também era mais quieto e mais intelectual do
que eu. Ele gostava muito de música e aprendeu sozinho violão ainda
jovem. Eu não sei o que ele teria acabado fazendo se ele tivesse vivido,
mas estou convencido de que ele poderia ter feito muito bem em ser um
músico profissional, se ele quisesse.

Liam era mais tímido com as mulheres do que eu. E nunca saberei
com certeza, mas suspeito que Anita possa ter sido a primeira. De
qualquer forma, ele caiu de ponta cabeça por ela, da mesma forma que
um cara tímido que nunca teve relações sexuais antes poderia pela
primeira garota que o deixa entrar em suas calças. Muito em breve, os
dois se uniram no quarto e passavam todo o tempo juntos.

O verão chegou e Liam se formou no ensino médio. Nossa mãe


bêbada não perdeu tempo em expulsá-lo da casa simples que nós três
vivíamos agora que ele era oficialmente um adulto. Eu não gostava da
perspectiva de lidar com a merda dela sozinha por mais dois anos,
então decidi ir com ele. Nós dois conseguimos um apartamento juntos
acima de uma pizzaria no centro da cidade. Eu consegui um emprego
na pizzaria, e Liam começou a trabalhar em uma fábrica de janelas na
próxima cidade.

Com o passar dos meses, o relacionamento de Anita e Liam


começou a azedar. Liam sentiu dependencia por Anita. E Anita sabia
disso. Ela o torturou como uma garota que sabe como o namorado pode
fazer, só para provar a si mesma que tinha o poder no relacionamento.
Ela escolheria brigas com ele que o deixassem correndo em círculos
tentando descobrir o que ele fez de errado. Ela exigia exibições ridículas
do amor dele por ela, e então dava de ombros com indiferença quando
ele aparecia.

Logo, Liam começou a temer que ela estivesse escapulindo dele.


Ele me disse que temia que ela pudesse estar traindo ele. Até agora,
Anita estava mais ou menos vivendo em nosso pequeno lugar, um fato
que eu não gostava, mas não sabia como mudar. Ela andava pelo
apartamento com as roupas mais ridículas que ela podia usar,
especialmente quando Liam estava em algum lugar. Eu sabia que ela
estava fazendo isso de propósito, tentando me tentar e me deixando
louco. Embora eu sempre tenha resistido à tentação, tenho vergonha
de dizer que suas ações tiveram efeito. O corpo de Anita estava
fumegando, e a lembrança de como era transar com ela era recente o
suficiente para que eu me sentisse culpado no banho por pensamentos
sobre ela mais do que gostaria de admitir.

Eu nunca, nunca teria tocado nela, no entanto. Ela era a menina


de Liam, e mesmo que eu não gostasse, o relacionamento deles não
era da minha conta.

Então, um dia Anita anunciou que estava grávida.

Liam, o pobre tolo, estava tão alto quanto maldita lua quando
descobriu. Eu acho que talvez ele pensasse que Anita não o deixaria
agora que ele era o pai de seu futuro filho. Infelizmente, nas semanas
depois que ela contou a notícia, ficou ainda mais mal humorada e
impaciente ao seu redor do que antes. Ela exigia que ele esperasse com
a mão e os braços estendidos, depois reclamava que ele a estava
sufocando.

Meu irmão estava apaixonado, e perplexo, e estava perdido para


descobrir por que ele não conseguia fazer nada certo e fazê-la feliz. Ele
confiava em mim sobre isso nos raros casos em que éramos apenas
nós dois em casa, e eu ouvia, tentava ser compreensivo e fingir que não
conhecia bem sua marca particular de besteiras. Eu estava preocupado
com ele, no entanto. Cem vezes, eu queria mandá-la embora, mas
agora que ela estava grávida, eu sabia que era tarde demais para isso.
Liam era um cara bom e responsável. Ele nunca teria abandonado a
mãe de seu filho, não importando o quanto as coisas fossem ruins entre
eles.

Anita e eu nunca havíamos sido formalmente um casal, e Liam


nunca soube que havíamos ficado. Parecia mentir não dizer a ele que
eu e ela tínhamos tido um caso, mas não sabia como dizer nada sem
perturbá-lo. Então, em vez disso, fingi que nada disso havia acontecido.
Eu me perguntei se era em parte minha culpa que ele estivesse nessa
bagunça. Talvez se eu tivesse dito a ele imediatamente que eu
suspeitava que Anita estava tentando ficar com ele para me deixar com
ciúmes, eu argumentei pesarosamente, ele teria terminado com ela logo
no início e não estaria sobrecarregado com uma mulher que claramente
fez dele miserável.

A escola já havia recomeçado para mim, e Liam começou a


trabalhar à noite e a fazer turnos extras na fábrica de janelas para
economizar para o bebê. Numa sexta-feira à noite, Anita e Liam tiveram
uma briga horrível, quando ele estava se preparando para ir trabalhar.
Anita acabou atacando, e se recusou a responder às repetidas ligações
de Liam. Finalmente, ele teve que sair para o seu turno, parecendo mais
derrotado e sozinho do que eu já o vi. Logo antes de ele sair, ele me fez
prometer ligar para ele assim que Anita voltasse, para que ele soubesse
que ela estava segura.

Como eu era o único do meu grupo de amigos que não morava


com os pais, nosso apartamento se tornara um ponto de encontro
frequente para festejar nos fins de semana. Quando Anita voltou horas
depois, foi para uma explosão completa. Pelo menos três dúzias de
pessoas estavam espremidas em nosso pequeno lugar. A música
estava tocando e as bebidas e drogas recreativas estavam fluindo. Eu
não estava feliz em vê-la, mas eu estava muito bêbado para me importar
muito. Para não mencionar, até então eu tinha esquecido
completamente da minha promessa ao meu irmão que eu o chamaria
quando ela voltasse.

Em vez de desaparecer no quarto de Liam, como eu esperava


que ela fizesse, Anita entrou na cozinha e saiu alguns segundos depois
com um copo de plástico cheio de líquido escuro.

— Você tem certeza que deveria estar bebendo isso? — Eu gritei


acima da música.

— Afaste-se, Kaden. — ela gritou de volta, irritada. — É só Coca-


Cola.

Eu tive minhas dúvidas, mas não me importei o suficiente para


prosseguir. Em vez disso, concentrei-me em beber e me divertir, e
depois de um tempo, esqueci completamente de Anita.
Quando as coisas começaram a acabar, eu estava seriamente
fodido e cansado como merda. Eu disse aos meus amigos para ficarem
e festejarem o quanto quisessem, depois tropecei no meu quarto para
dormir. Tirei minhas roupas e me joguei na cama, e fui imediatamente
para o sono.

Não sei quanto tempo fiquei fora. Mas eventualmente eu acordei


no escuro, alguém com cabelo comprido cheirando a perfume na cama
comigo. Eu não resisti a uma oportunidade de sexo quando conseguia,
e praticamente todas as garotas da festa estavam excitadas. Então,
quando quem estava na cama me beijou, eu comecei a beijar de volta.
Eu não estava tão bêbado que eu não conseguia levantar, e quando ela
se abaixou e começou a acariciar meu pau eu não estava prestes a
impedi-la. Sua boca deixou a minha, e então eu senti sua língua quente
lamber uma trilha pelo meu peito e pelo meu estômago. Quando seus
lábios se envolveram ao redor do meu pau, eu gemi e apertei minha
mão em seu cabelo. Ela começou a chupar e eu empurrei meus quadris
o mais lentamente que pude, querendo fazer isso durar.

— Anita? — A porta da frente bateu na sala de estar.

— Merda! — A garota descendo em mim se afastou e se mexeu


para se sentar.

Que porra é essa?

Abri os olhos em horror ao ver Anita na cama ao meu lado.

Um par de leves toques soou na porta quando ela se abriu.

— Ei, Kaden, você está acordado? — Liam perguntou, sua voz


suave e apologética.

O olhar no rosto do meu irmão quando ele finalmente registrou a


cena diante dele é algo que eu nunca vou esquecer.

Pensando nisso agora, eu olho para a tatuagem da guitarra no


meu antebraço.
— Sinto muito, Liam. — eu sussurrei.
Eu gasto a maior parte do dia chorando. No começo, acho que
talvez eu possa me concentrar em fazer algum trabalho. Fazer algo
produtivo para me distrair. Mas eu simplesmente não consigo parar de
pensar nesta manhã. Eu não consigo tirar a imagem daquela mulher
raivosa e magra da minha cabeça e seu garotinho. Connor.

Filho do Hawk.

Não importa como eu tente chegar a outra explicação, alguma


maneira de dizer a mim mesma que estou exagerando, eu
simplesmente não consigo escapar do fato de que eu interpretei mal o
que aconteceu hoje cedo na casa do Hawk. Mas a evidência estava
bem na minha frente. Eu tenho que encarar isso.

Não é que eu esteja com ciúmes de uma ex-namorada, embora


eu tenha que admitir que eu estou meio Ciumenta.

É que como ele poderia ser tão completamente insensível e


indiferente sobre seu próprio filho.

Eu simplesmente não posso ignorar isso. Não posso ignorar que


diz algo sobre quem ele é como pessoa. Eu nunca serei capaz de
confiar nele agora, não importa o que aconteça. Eu nunca serei capaz
de acreditar que ele não faria algo parecido comigo, se de alguma forma
eu engravidasse.

Eu tenho que parar de ver Hawk.

Eu não sei como vou suportar, mas eu sei.

A dor que me atinge no peito quando digo a mim mesma isso é


quase físico. Eu pensei que ser enganada pelo meu noivo era a pior
maneira que eu poderia ser machucada por um homem. Mas de alguma
forma, isso é muito mais devastador. Mesmo que não seja uma traição
exatamente.

Dói, percebo, porque Hawk nem me traiu ainda. Mas agora eu


sempre terei medo de que eventualmente ele vá. E isso me faz sentir
como se todo o oxigênio estivesse sendo sugado dos meus pulmões.

O telefone algumas vezes, mas eu não respondo. Eu tenho um


compromisso no final do dia com um cliente em potencial para algumas
fotos da reunião de família, mas eu pego e cancelo entre choro. Depois
de um tempo, paro de chorar e caio em um sono exausto no sofá.
Felizmente, eu não sonho.

Quando eu acordo, já está quase escuro. Eu dormi quase o dia


todo. Sinto-me um pouco melhor e faço um brinde no jantar. Então eu
sento e me forço a passar alguns e-mails e planejar meu dia amanhã.

Estou prestes a fechar meu laptop e me forçar a ir para a cama


quando alguém bate na porta.

Eu ando na ponta dos pés até lá e vejo o perfil de Hawk na sombra


do outro lado.

— Eu sei que você está aí, Samantha. Seu carro está aqui. — diz
ele.

— Vá embora.

— Não.

— Eu não vou abrir a porta.

— Se você não abrir a porta hoje à noite, eu vou dormir aqui. —


diz ele. — Sua avó pode se ofender comigo acampando em seu quintal
depois de um tempo.
Fecho os olhos com força e para ver se ele foi embora, mas
quando os abro novamente, fica claro que ele quer dizer o que diz. Eu
abro a porta.

— Vá embora. — eu digo novamente.

— Eu preciso falar com você.

— Não.

— Por favor. — Sua voz profunda é gentil. Quase como uma


carícia. Eu quase chorei de novo.

— Eu não quero falar com você. — eu sussurro.

— Sam.

Ele não se move, não tenta entrar, mas ele deixa claro através de
sua linguagem corporal que ele não está saindo também.

— Isso não era o que você provavelmente acha que era. — diz
ele.

De alguma forma eu consigo rir.

— Ah não? — Eu pergunto amargamente e balanço a cabeça. —


Eu tenho que admitir, eu não consigo pensar em muitas explicações
alternativas para o porquê de uma mulher com um garotinho vir até você
pedindo dinheiro. Então você deve ter perdido algum tempo para
chegar a uma muito boa.

— Samantha. — Ele não fica bravo nem defensivo. Se qualquer


coisa, ele soa cansado. — Por favor. Por favor, deixe-me entrar e me
dê cinco minutos. Se você ainda não acreditar em mim depois do que
eu tenho a dizer, então eu acho que vou ter que viver com isso.

Eu abro minha boca para dizer não novamente. Eu juro que faço.
Então eu não tenho ideia do por que isso não é o que sai.
Eu suspiro.

— Você promete sair da próxima vez que eu te pedir. — Não é


uma pergunta. É a única maneira de eu deixá-lo entrar nesta casa.

Ele concorda. — Eu prometo, Sam. Apenas ouça o que eu vim


aqui para dizer.

— Quando Liam encontrou Anita na minha cama, ele assumiu


que tínhamos traído ele pelas costas por um tempo. — Hawk está
dizendo agora, olhando para as mãos. — Ele estava tão chateado que
não escutava nada que eu tentasse dizer a ele. — Ele sacode a cabeça.
— E Anita não estava dizendo nada. Porra, nem parecia que ela se
importava tanto que fomos pegos. Talvez ela pensasse que eu ia querer
ela de volta se ela e Liam terminassem. Eu não sei.

— Liam saiu correndo do apartamento. Quando consegui


algumas roupas e corri atrás dele, ele fugiu em seu carro. — A voz de
Hawk fica irregular. — Na manhã seguinte, a polícia veio bater. Liam se
envolveu em um acidente de carro fora da cidade. Ele estava indo muito
rápido e bateu em uma árvore. Eles disseram que ele provavelmente
morreu no impacto. — Ele olha para baixo. — Eu nunca vou saber se
ele fez isso de propósito ou não.

— Oh, meu Deus. — eu respiro. Eu quero estender a mão para


tocá-lo, mas tenho medo de me mexer. Eu me sinto mal do estômago
com as palavras de Hawk. Está claro para mim que ele não está
mentindo, pelo menos sobre essa parte. Ele parece muito destruído.
Como aconteceu ontem, em vez de dez anos atrás.

— Não muito tempo depois que Liam morreu, Anita abortou. Pelo
menos foi o que ela disse. — Ele esfrega a mandíbula distraidamente e
finalmente olha para mim, com os olhos cheios de dor. — Ela não estava
de tempo o suficiente para estar aparecendo. Olhando para trás agora,
não tenho certeza se ela realmente estava grávida. Ou se ela estivesse,
que fosse o filho de Liam.
— Eu sinto muito, Hawk. — murmuro. E é verdade. Meu coração
está partindo por ele. Mesmo que tenha acontecido há muito tempo,
está claro que ele ainda está vivendo com a culpa.

Hawk se inclina para trás contra as almofadas do sofá.

— Anita tentou começar algo de volta comigo depois que Liam


morreu, se você pode acreditar nessa merda. — Ele solta um suspiro
de nojo, seu rosto se contorcendo em um grunhido. — Eu disse a ela
para ficar longe de mim e troquei as fechaduras do apartamento. Depois
disso, não a vi por um tempo. Ouvi dizer que ela saiu da cidade, depois
voltou, e em algum lugar ao longo da linha ela começou a usar drogas.
Eu acho que ela conseguiu irritar todo mundo que ela conhecia e que
não era uma grande coisa. Então ela ficou grávida. — Sua mandíbula
tensa. — De alguma forma conseguiu dar à luz um bebê saudável.

Connor.

— Então… o garotinho. Ele não é seu? — Eu pergunto.

Ele suspira. — Não. Eu não sei quem é o pai de Connor. Inferno,


eu não ficaria surpreso se Anita também não soubesse.

Eu me sinto mal e horrível por julgar Hawk por algo que ele não
fez.

— Eu me sinto muito triste por esse garoto. — diz Hawk com voz
rouca. — Porque, até onde eu sei, Anita não dá a mínima para ele. E
poderia ter sido o filho de Liam, sabe? Talvez se meu irmão ainda
estivesse vivo, teria sido dele. Inferno, Liam teria sido fodidamente
miserável com Anita, mas pelo menos ele teria sido um bom pai para
seu filho.

— Então, é por isso que você dá dinheiro para comida às vezes.


— eu digo baixinho.

— Sim, eu acho que sim. — Sua expressão é incrivelmente triste.


— Provavelmente não faz muito bem, mas eu continuo esperando que
Connor se alimente um pouco mais, e que talvez um dia Anita vá se
recompor e começar a ser uma mãe decente. — Ele solta uma risada
sem humor. — Não há muita chance disso, no entanto.

Eu estendo a mão e cuidadosamente corro um dedo sobre o


contorno da mais nova tatuagem de Hawk.

— Liam. — eu sussurro, lendo a palavra inscrita embaixo do


violão. — Obrigada por me dizer, Hawk.

— Eu nunca falei com ninguém sobre isso antes. — Hawk olha


para mim.

— Estou honrada. — eu digo. — Verdadeiramente.

Seus olhos encontram os meus.

—Tenho certeza que meus cinco minutos acabaram há um tempo


atrás. Você ainda quer que eu vá embora?

Em resposta, me aproximo dele.

— Não. — murmuro, enquanto ele me pega em seus braços. —


Eu não quero que você saia.
Algumas semanas depois

Estou fazendo algo que nunca teria imaginado em um milhão de


anos.

Samantha e eu estamos em um maldito encontro duplo. Com


Ghost e Jenna.

Jenna sugeriu a coisa toda, e Sam parecia tão empolgada com a


ideia que, depois de um tempo, eu comecei a fazer isso também.
Parecia fazê-la feliz por fazer algo tão normal comigo. Como os casais
normais fazem. E inferno, fazer Sam feliz vale qualquer coisa, só para
ver o sorriso em seu rosto.

Nós quatro fomos para um bar popular à beira do lago, a algumas


cidades, chamado The Lakeshore Tap. É um lugar onde os
motociclistas de toda a região gostam de se encontrar depois de um
longo dia na estrada. Hoje à noite, o lugar está fervendo quando
chegamos, como costuma acontecer nos fins de semana. Há um palco
dentro de onde uma banda vai tocar mais tarde. Nós quatro pedimos
uma mesa no pátio, onde podemos desfrutar de nossas bebidas e
comida com vista para o lago.

Eu não tenho nada parecido com um encontro desde que eu


estava no colegial. E mesmo assim, eu só estava fazendo isso para
entrar na calça de uma garota. No começo, sinto-me exposto pra
caralho enquanto nos sentamos aqui, como se eu estivesse tentando
me encaixar em um molde estranho de “casal”. Mas pouco a pouco
começo a relaxar e a me divertir. Afinal, é uma noite agradável, eu tenho
uma mulher sexy como o inferno comigo que continua me dando esses
sorrisos deslumbrantes, e eu estou com um dos meus irmãos do clube.
A vida é boa.

A vida é boa.

Eu não tive esse pensamento em muito tempo.

— Eu nunca vi tantos motoqueiros de uma vez. — maravilhada


Sam enquanto olha em volta. — Quem são todos esses caras?

— Eles são de clubes por toda parte. Alguns deles são guerreiros
de fim de semana. Esses caras lá são dos Death Devils. — eu digo
enquanto aceno em direção a um grupo grande e barulhento do outro
lado do pátio. — Alguns, eu realmente não reconheço.

— É perigoso aqui? — Sam pergunta, com os olhos arregalados.


Ela não sabe muito sobre o negócio do nosso clube, mas eu sei que ela
está pensando em como eu fui baleado há um tempo atrás.

— Não, tudo bem. — Ghost encolhe os ombros, inclinando-se


para trás em sua cadeira. — Este lugar é uma espécie de território
neutro. O proprietário costumava ser o Prez de um dos clubes do
próximo estado, do outro lado da fronteira. Ele não toma nenhuma
merda de ninguém, e ele não hesita em jogar as pessoas na sua bunda
se passarem da linha.

No interior, uma banda de quatro pessoas sobe ao palco para um


punhado de aplausos. Eles começam sua primeira música, um cover de
uma antiga canção de rock clássico dos anos setenta.

— Talvez você devesse tentar um show aqui algum dia. — Sam


me diz em tom de brincadeira.

— Não existe essa possibilidade. — digo a ela. — Eu só toco


violão para mim e para a família em ocasiões especiais.

Do outro lado da mesa, Jenna sorri. — É a perda para o mundo,


Hawk. — Ela olha carinhosamente para o Ghost. — Tivemos muita sorte
de você concordar em tocar pelo nosso casamento. Eu nunca
esquecerei isso.

— Ok, então. — eu digo rispidamente, me levantando. — Chega


de melação. Ghost, vamos lá fora fumar um cigarro.

Jenna e Sam riem quando nós dois empurramos nossas cadeiras


para trás, deixando-as para o que quer que seja que as mulheres falem
quando seus homens não estão por perto.

Na frente, vamos até as motos e nos inclinamos contra elas. Eu


ofereço um cigarro a Ghost do meu maço, que ele pega.

— Então, e ai? — diz ele. — Você e Sam, então estão juntos?

— Você vai montar minha bunda? — Eu pergunto com uma voz


zombeteira.

Ghost ri.

— Claro que não, irmão. Estou feliz por você. E pela Jenna. Ela
porra ama Sam. Eu acho que ela está empolgada para ter uma amiga
por perto no clube.

Eu não falo nada. Verdade seja dita, sou mais feliz do que jamais
me lembro de estar em minha vida, mas não estou pronto para
conversar sobre isso.

Talvez sentindo minha relutância, Ghost muda de assunto.

— Enfim, então eu estava conversando com Angel mais cedo


hoje. Parece que vamos estar olhando para avançar com os planos de
garagem. Rock quer falar sobre isso na igreja daqui a alguns dias.

— Bom negócio. Já é hora de começarmos a avançar nisso. —


Eu pego o cigarro e a apago. — Você sabe, Sam teve uma ideia um
tempo atrás quando eu mencionei isso a ela. Eu estava dizendo a ela
como sempre quis projetar motocicletas personalizadas. Ela disse que
talvez devêssemos expandir a idéia da garagem. Abrir também uma
oficina de design de motocicletas personalizada no espaço.

Ghost pensa nisso por um segundo e começa a concordar. —


Isso não é uma má ideia. Merda, não é como se não tivéssemos espaço
suficiente no armazém. E eu vi o que você fez na sua motocicleta e em
algumas dos outros caras.

— Sim, e isso sem um local adequado. — digo a ele. — Eu poderia


fazer muito mais se tivesse espaço e equipamento para isso.

— Bem, não há certeza como a demanda para isso. — ele


concorda. — Não consigo pensar em outro lugar por aqui que faça
algum trabalho decente desse tipo. De jeito nenhum eu confiaria em
qualquer um deles com minha moto. — Ele se inclina para frente e bate
no meu ombro. — Eu penso que é uma grande ideia. Seria uma maneira
de crescer na garagem e fazer um nome para nós mesmos na área.
Aposto que o resto dos irmãos sentiria o mesmo.

Merda, estou começando a ficar animado com isso. Sem querer,


começo a sonhar sobre onde as coisas poderiam estar para mim no ano
que vem. Com Sam ao meu lado, uma nova loja de motocicletas
personalizada para se levantar e correr… De repente, parece que
minha vida tem um plano. Uma proposta. Em vez de eu apenas viver no
momento e tentar não pensar muito sobre o futuro ou o passado.

Eu termino meu cigarro e dou um sorriso a Ghost. — Vamos,


vamos voltar para dentro. — eu digo. — Estou com vontade de outra
cerveja.

Mais tarde, nós quatro voltamos para casa ao luar. Os braços de


Sam estão em volta de mim enquanto ela se aconchega nas minhas
costas em busca de calor. A lua está cheia e tão brilhante que quase
nem preciso do meu farol.

Uma vez que estamos de volta a Tanner Springs, Ghost me acena


e vira na direção da casa dele e de Jenna. Eu continuo direto para a
minha rua. Não é nem mesmo uma pergunta que Sam está passando a
noite comigo, então eu não pergunto. Eu apenas dirijo até a minha casa,
guardo a motocicleta na garagem e pego a mão dela para levá-la para
dentro. As duas cervejas que ela tomou no restaurante a deixaram
sonolenta, então fazemos amor lento e deliberado até ela gritar na
escuridão e eu caio sobre a borda com ela.

Deitada na cama depois, ela suavemente traça a tatuagem de


Lords of Carnage no meu pe esquerdo. — Todos os membros do clube
têm uma tatuagem como essa? — ela pergunta suavemente.

— Todos tem. — eu aceno. — Não é um requisito, estritamente


falando. Mas quando você tiver passado o suficiente para entrar no
clube, é algo que você quer fazer.

— É um compromisso vitalício, então. — Ela não parece


incomodada, apenas curiosa.

— Sim. Como uma família. Talvez mais ainda. — Penso na minha


própria família de sangue e no que Sam me contou sobre ela. — Às
vezes a família que você escolhe acaba sendo mais um vínculo do que
a família com a qual você nasceu, eu acho.

Eu começo a adormecer, ouvindo a música da respiração suave


de Sam ao meu lado. Enquanto penso, penso em nós dois e no futuro.
Talvez um dia, quando pensarmos em família, signifique nós dois.

O barulho alto dos tiros me acorda, repetindo tão rápido que só


pode ser de um fuzil semi-automático. Eu me levanto, meu cérebro
lutando para entender o que está acontecendo. Então, quase antes de
saber o que estou fazendo, estou puxando Sam para mim e
mergulhando no chão.

— Mantenha-se abaixada! — Eu grito para ela quando o som de


vidro estilhaçando nos meus ouvidos como uma explosão. Sam solta
um grito e se agarra a mim enquanto eu jogo meu corpo sobre o dela
para protegê-la.
Depois, percebo que a coisa toda provavelmente durou apenas
cinco segundos antes que o barulho dos pneus e um motor acelerando
sinalizassem a partida dos atiradores.

— Hawk! — Sam chora, sua voz embargada de medo.

— Está tudo bem, baby. — eu acalmo. — Está tudo bem.


Estamos bem.

Mas os bastardos que apenas tentaram nos matar não estarão


por muito tempo.
No dia seguinte. Eu ainda começo a tremer incontrolavelmente
sempre que penso no tiroteio na casa de Hawk, e quão perto chegamos
de sermos mortos. Quando o resto do clube descobriu o que
aconteceu, Jenna vem imediatamente ao clube para ficar comigo
enquanto os homens têm uma reunião sobre o assunto.

É a primeira vez que estou no clube. Em qualquer outro momento,


eu poderia ter ficado intimidada ou com medo de vir aqui, mas sob as
atuais circunstâncias, me sinto segura e protegida por ter o clube inteiro
aqui, ao meu redor. Eu me lembro de quando Hawk foi baleado e como
o clube decidiu entrar em bloqueio. Enquanto espero com Jenna
enquanto os homens têm o que chamam de igreja, pergunto se ela acha
que eles podem fazer isso de novo.

— Eu não sei. — diz ela. — É possível. Vai depender se eles


acham que um bloqueio é a melhor maneira de proteger a todos nós.

— Por que isso aconteceria? — Eu pergunto miseravelmente.


— Quem teria feito algo assim?

Jenna franze os lábios.

— Cas disse esta manhã que acha que alguém do Lakeshore Tap
nos viu ontem à noite e nos acompanhou de volta a Tanner Springs.
Quando nos separarmos, eles poderiam ter tomado a decisão de segui-
lo em vez de nós.

— Meu Deus. — Eu estremeço, sentindo-me subitamente fria. Se


eles seguissem Jenna e Cas, os tiros poderiam ter matado um de seus
filhos, ou um deles.
Jenna coloca um braço em volta de mim. — Está tudo bem.
Estamos todos a salvo agora.

— O clube tem alguma ideia de quem teria feito isso?

Jenna assente severamente. — Sim. Eu acho que eles fazem.


Cas também disse que acha que isso foi apenas um aviso. Uma espécie
de ‘nós sabemos onde você mora’ coisa para assustar o clube. Ele disse
que, se o objetivo deles fosse matar um de nós, eles provavelmente
teriam feito isso, em vez de atirar na frente de uma de nossas casas.

A porta do quarto que eles chamam de igreja se abre e os homens


saem. Hawk e Ghost vêm direto para nós. Hawk se senta no sofá ao
meu lado.

— Não vamos entrar em bloqueio. — ele me diz. — Mas você e


eu vamos ficar aqui no clube por alguns dias. — Ele acaricia minha
bochecha com o polegar. — Minha casa vai precisar de alguns
reparos, e eu não quero que você volte para a sua avó agora.

Eu concordo. Eu não quero que ela seja arrastada para isso seja
o que for.

— Hawk, você pode por favor me dizer o que está acontecendo?


— Eu pergunto em voz baixa.

— Apenas alguns problemas com um clube rival. — ele murmura.


— Vai ser tratado. Mas até lá, não vou deixar você sair da minha vista.

— Mas... eu não posso simplesmente viver aqui vinte e quatro


horas por dia sete dias por semana indefinidamente. — eu reclamo. —
Eu vou perder clientes. Eu tenho a aula da noite para ensinar. E sessões
de fotos planejadas.

No início, Hawk argumenta comigo e ameaça fincar o pé no chão.


Eventualmente, eu consigo convencê-lo, prometendo que vou checar
com ele fielmente sempre que faço alguma coisa ou vou a qualquer
lugar, para que ele sempre saiba onde estou.
Uma carranca escurece seu rosto enquanto ele considera isso.
Finalmente, ele acena com a cabeça uma vez, embora eu possa dizer
que ele não quer.

— Também estamos colocando um rastreador GPS no seu


telefone e conectando ele ao meu. — ele diz, e não é uma pergunta. —
Você mantém esse telefone com você o tempo todo. Sem negociação.

— Eu prometo. — eu digo imediatamente.

Mesmo que eu não quisesse ficar confinada no clube vinte e


quatro horas por dia, acabo passando a maior parte da manhã aqui de
qualquer maneira. Verdade seja dita, estou um pouco nervosa por sair
sozinha. Mas, eventualmente, vou ter que encarar o fato de que tenho
coisas a fazer. Hoje é o dia que eu deveria conhecer Annika e seu noivo
Justin para sua sessão de fotos de noivado. Eu preciso ir para casa e
pegar meu equipamento e arrumar algumas coisas para ficar aqui nos
próximos dias.

Jenna fica comigo até a hora de eu ir. Pergunto se ela se


importaria de me levar até a minha casa para que eu possa pegar meu
carro. Ela me deixa na frente da casa de Vovó, depois de me dar um
abraço e me dizer para ligar para ela se eu precisar de alguma coisa.
Eu decido ir até a casa principal ao invés de andar pela parte de trás.
Eu quero ver vovó, só para ter certeza absoluta de que ela está bem,
mesmo que eu saiba que provavelmente não há nada para se
preocupar.

Encontrei minha avó no andar de cima, na suíte de seu quarto,


sentada em seu lugar favorito e lendo um romance, com Mary Jane aos
seus pés. Seu jogo de chá de prata está na frente dela na mesinha
baixa, um copo meio caido definhando em um pires.

— Venha sentar comigo um pouco, Samantha. — diz ela quando


eu apareço na porta. — Eu não vi muito você ultimamente.

É verdade. Apesar da minha promessa a mim mesma de que


tentaria passar mais tempo com ela, estive tão ocupada, e vamos
encarar isso, preocupada com Hawk, que realmente não fiz um bom
trabalho de ser uma neta melhor. Atravesso o quarto e sento-me na
cadeira confortável à direita dela.

— Você gostaria de um pouco de chá? — ela pergunta. — Eu


posso pedir a Lourdes para trazer outra xícara.

— Não, obrigado, estou bem. — eu digo com um sorriso. — O


que você está lendo?

— Oh, apenas um romance inútil. — ela diz com desdém. — É


sobre um duque ou um barão ou algo assim, que se apaixona pela filha
de seu inimigo jurado. Honestamente, não sei por que me incomodei
ler.

Eu suprimo um sorriso. De alguma forma, eu adoro o fato de que


peguei minha formidável avó lendo um romance.

— Eu não tenho te visto muito ultimamente, Samantha. — diz


vovó. Há algo em seu tom que não consigo ler, e temo que ela comece
a me criticar. A última coisa que quero fazer hoje é brigar com ela, então
volto a conversa para algo que espero que a faça feliz ao menos.

— Bem. — começo eu. — Realmente estive muito ocupada com


um monte de novos clientes. Na verdade, estou tendo tantos negócios
novos que vou procurar alugar um espaço no centro e transforma-lo em
um estúdio de fotografia. Eu preciso de um espaço para fazer fotos de
interiores, e tenho recebido pedidos suficientes sobre coisas como fotos
de senhoras e retratos de família que eu tenho certeza que vou poder
facilmente pagar.

Paro de falar e espero que vovó comece a questionar minha ideia.


Mas, em vez disso, ela ainda está por um momento calada e então
acena com a cabeça.

— Parabéns, Samantha. Isso é uma notícia maravilhosa. — Ela


me dá um pequeno sorriso.
Estou tão surpresa que não posso deixar de olhar boquiaberta
para ela, mas se ela percebe não mostra.

— Espero que isso signifique que você tem planos de ficar em


Tanner Springs. — continua ela, e toma um gole do chá. Ela parece de
repente muito absorvida no fundo de seu copo.

— Uh, sim. — eu gaguejo. — Eu acho que sim. Por um tempo,


de qualquer maneira. O negócio é bom e eu gosto daqui.

Ela acena novamente. — Bom, bom. — Ela abaixa a xícara


novamente, depois limpa a garganta.

— Você sabe, Samantha. — ela começa cuidadosamente. — Eu


pensei sobre o que você disse sobre o... encanador que você trouxe
para consertar a pia da cozinha.

Eu fico tensa imediatamente, vovó e eu não discutimos isso desde


o dia em que ela foi tão rude com Hawk . Eu me preparo para o que
quer que esteja vindo.

— Você estava certa. — ela admite. — Eu fui rude. É só que


fiquei surpresa de ter… uma pessoa desconhecida… na minha cozinha.
Sua aparência foi... um pouco chocante. — Ela olha para mim. — Peço
desculpas.

Tem algo engraçado nesse chá? Eu me pergunto brevemente. —


Bem... obrigada. — eu digo incerta.

— Eu reconheço que talvez eu tenha sido muito apressada para


julgar o jovem nas aparências. Embora. — ela diz, fazendo careta. —
Eu não posso dizer que eu aprovo a armadilha da morte que ele anda
por aí.

Eu sorrio. — Tenho certeza de que ele aceitaria isso, vovó. — digo


a ela.

— Sim. Bem. Falando nisso. — ela continua. — Eu já vi o mesmo


encanador na porta da sua casa em mais de uma ocasião.
Oh, não, aqui vem, eu penso com um gemido interior.

— Ele não é um encanador, vovó . — eu digo em voz baixa, e


espero a tempestade bater.

— Não. Eu assumi que ele não estava vindo ver você para
consertar a pia em sua cozinha. — ela diz com um sorriso seco.

Eu me sinto como uma garota de treze anos que foi flagrada no


porão de seus pais.

— Vovó. — eu começo, e depois paro, não tenho certeza se devo


me desculpar ou tentar me defender.

— Eu não tinha percebido que vocês dois estavam se vendo. —


ela murmura. — Você é, não é? Um item?

É uma palavra tão boa quanto qualquer outra. Eu resisto à


vontade de rir de uma palavra tão pitoresca usada para descrever o que
está acontecendo entre Hawk e eu.

— Sim, eu acho que você poderia dizer isso. — eu concordo com


cuidado.

— Eu não tenho certeza se já te disse sobre Richard. — diz ela


em seguida. — Ele e eu éramos um item. Depois do seu avô.

Eu arrisco uma admissão. — Ruth Ellen Hanson mencionou ele


para mim uma vez. No levantamento de fundos da biblioteca.

Os olhos de Vovó se voltam para mim em surpresa. Por um


momento, receio ter falado demais e ela parará de falar. Mas ela não
faz.

— Eu o conheci muitos anos após a morte do seu avô. Richard


era um veterano do Vietnã. E um jogador profissional. Não muito depois
de nos conhecermos, ele me confessou que tinha um registro na prisão.
Dos anos depois que ele voltou da guerra. — Ela olha para mim. —
Tenho certeza de que, quando o belo pessoal de Tanner Springs viu
pela primeira vez a viúva de George Jennings no braço de um estranho
barbudo e de aparência rude, a fofoca estava voando. — Ela respira e
solta um pequeno suspiro. — Mas eu o amava. E ele a mim. — Ela faz
uma pausa. — E ao contrário do meu querido marido, ele nunca me
traiu uma vez. Nem ameaçou me bater. — Seus olhos brilham. — Ele
era o homem mais gentil e mais amoroso que uma mulher poderia ter
pedido. Eu só tive Richard por alguns anos, mas cada minuto era
precioso para mim.

Minha mão vai para minha boca enquanto ouço suas palavras. Eu
mal posso acreditar no que ela está me dizendo. Por um momento
nenhuma de nós fala.

Eu limpo minha garganta. É hora de uma confissão minha.

— Eu já te disse que quando você escreveu e me pediu para vir a


Tanner Springs, eu tinha acabado de terminar meu noivado com um
homem que estava me traindo? — Eu pergunto a ela.

Vovó ri baixinho e balança a cabeça.

— Talvez o julgamento pobre em casamentos seja da família. Sua


própria pobre mãe fez uma escolha igualmente ruim em seu pai,
lamento dizer.

Ouvi-la falar dessa maneira sobre seu próprio filho me deixa triste
por ela, mas não posso negar que ela está certa.

— Bem. — eu digo com cuidado. — Parece que você finalmente


acertou. — Hesito por um momento, depois me aproximo e pego sua
mão na minha.

Ela balança a cabeça e aperta. — Talvez você também tenha.


HAWK

— Por que só podem ser os Spiders? — Brick está dizendo


durante a igreja. Ele olha ao redor da sala. — Estamos esperando por
eles atacarem desde que pegamos de volta o que era nosso.

— Como diabos eles escolheram Hawk como seu alvo? — Angel


pergunta com raiva. — Por que ele?

Ghost explica sua teoria de que alguém dos Spiders deve ter nos
seguido no caminho de volta da Lakeshore. Em volta da mesa, os
homens assentem e franzem a testa, considerando isso.

— Nós temos que cortar essa merda pela raiz. — Angel late. —
Agora que eles colocaram um tiro na proa, eles só vão continuar a
escalar a merda até que alguém esteja morto.

— Bem, vamos nos certificar de que seja um deles em vez de um


dos nossos. — responde Gunner.

— A polícia já está farejando a casa. — digo aos irmãos. — Os


vizinhos devem tê-los chamado, é claro. Isso não vai ser bom para o
clube. Holloway está pegando seu 'problema de crime', e você sabe que
ele vai tentar capitalizar a menos que possamos parar essa merda
agora.

Os olhos voltam para o Rock. Ele está sentado imóvel, perdido em


pensamentos. Ele não diz nada por tanto tempo que eventualmente
alguns irmãos começam a limpar suas gargantas. Finalmente, ele abre
a boca.

— Eventualmente, podemos precisar tirar o cabeça.

O cabeça. O Presidente dos Spiders.


Ele se chama Black.

Eu nunca o vi e não conheço ninguém que tenha.

Mas enquanto eu sento lá contemplando suas palavras, acho que


talvez Rock esteja certo.

E se chegar a esse ponto, pode não ser apenas o fim dos Iron
Spiders, mas também o fim dos Lord of Carnage.

Rock termina igreja ordenando uma proibição estrita de viajar


fora dos limites da cidade até novo aviso. Continuaremos a fazer turnos
de guarda do lado de fora do clube vinte e quatro por sete. Todos os
irmãos farão check-ins periódicos e reportarão qualquer atividade
incomum imediatamente. Qualquer irmão que queira segurança para
sua família pode ficar no clube ou pedir a alguns dos homens que
cuidem de sua casa. Todos os irmãos manterão vídeos de segurança
de suas próprias casas, e qualquer um que não tenha câmeras
instaladas em suas casas os receberá. Samantha e eu vamos ficar em
um dos apartamentos aqui no clube até que o dano ao meu lugar seja
resolvido, e até que eu atualize o sistema de segurança e obtenha
fechaduras mais fortes para as portas e janelas.

Quando saímos da capela, minha cabeça está doendo. O clube


está em uma situação difícil, e só vai ficar mais difícil. Mas não é por isso
que estou me sentindo assim.

O clube esteve em perigo antes.

Mas desta vez, tenho outra pessoa com quem me preocupar.


Alguém além dos meus irmãos.

Desde que Liam morreu, eu não me importo muito com nada.


Sobre qualquer um. Juntar-se ao clube era uma maneira de eu fazer
parte de algo maior que eu. Algo onde força e lealdade eram tudo o que
importava. O passado era irrelevante, e o futuro era todo sobre meu
juramento a meus irmãos. Vida, morte, toda essa merda, tudo foi
resolvido por esse juramento. Se eu viveria ou morreria era apenas uma
questão de saber se meu tempo acabou. A única coisa que importava
era não trair meu clube.

Mas agora? Agora eu tenho outra pessoa para viver. Alguém para
se importar. Preocupar-se. Agora, as ações do clube não afetam
apenas o clube. Eles a afetam também.

Samantha.

De alguma forma, ela se tornou mais importante para mim do que


qualquer coisa. Protegê-la é meu trabalho. É o meu dever. Eu não fiz
nenhum tipo de voto formal, claro. Eu não tenho o nome dela tatuado
na minha pele, como se eu tivesse o nome do meu clube. Mas ela está
lá, mesmo assim. Tatuado no meu coração.

De volta à parte principal do clube, algumas das senhoras estão


agrupadas em um canto. Eu não posso ouvir o que elas estão dizendo,
mas é claro apenas por suas vozes abafadas e os olhares preocupados
em seus rostos que elas estão falando.

— Vocês viram Samantha por aí? — Eu pergunto a elas.

— Ela saiu com Jenna há pouco tempo. — Rena me diz. Algumas


das outras mulheres acenam.

Foda-se.

— Ok, obrigado.

Em frustração, subo as escadas até o apartamento que usaremos


nos próximos dias. Lá dentro, deito na cama e olho para o teto por
alguns minutos. A lembrança de estar em nosso encontro com Ghost e
Jenna na noite passada ainda está fresca em minha mente. O rosto
sorridente de Sam está bem na minha frente. Eu adorava fazer algo tão
normal com ela, só sair para comer e tomar uma cerveja comigo a
deixava tão feliz.

Inferno, isso me fez feliz também.


Querer é perigoso.

Eu quero um futuro com ela. Quero tão ruim que eu possa provar
isso. E eu quero acreditar que isso pode acontecer. Mas logo abaixo da
superfície, logo abaixo do fato de que eu estou mais feliz com Samantha
do que com a minha maldita vida, mas há uma onda negra de mau
presságio. Uma nota constante de perigo que não posso ignorar. Algo
não está certo.

Acabo adormecendo um pouquinho, e quando acordo, minha


cabeça não doía tanto. A sensação de perigo ainda está lá, e eu
praguejo baixinho e me sento na cama. Eu não gosto de ter Samantha
longe de mim. Não agora.

Eu deveria ter dito a ela para esperar por mim, eu acho. Eu não
deveria ter deixado ela ir sozinha agora. Eu deveria ter insistido em ir
com ela.

Puxando meu telefone, eu verifico minhas mensagens de texto


para ver se ela mandou algo. Nada. Eu começo a colocar de volta no
meu bolso, então decido que vou ligar para ela para ter certeza de que
ela está bem. Estou prestes a ligar para o número dela quando me
lembro do aplicativo GPS que eu instalei no telefone dela e conectei ao
meu esta manhã. Eu dou um toque e espero o mapa carregar. As linhas
começam a se materializar e eu franzo a testa ligeiramente em
confusão. Não parece com Tanner Springs. Eventualmente, o design se
completa e um ponto azul em movimento se materializa no centro.

Meu coração começa a bater no meu peito.

A julgar pela velocidade do ponto, Sam está no carro dela. Ela


está indo para o sul.

Bem no território dos Spiders.


O local que Annika e Justin escolheram para suas fotos de
noivado é fora da cidade, ao sul de Tanner Springs, em uma área que
eu nunca estive antes. No caminho de ida eu dirijo por algumas cidades
de aproximadamente o mesmo tamanho que Tanner Springs. É linda a
paisagem aqui embaixo, mais montanhosa e mais verde. Enquanto
dirijo, faço uma anotação mental para pedir a Hawk que me traga aqui.
Eu imagino que seria ainda mais bonito experimentar em uma
motocicleta.

Quando chego ao local que Annika me deu, meu ânimo está se


elevando e o pesadelo da noite passada parece um pouco menos real.
Annika e Justin já estão lá quando eu chego, e eu estaciono atrás do
carro deles na entrada de uma casa de fazenda rústica que quase
parece um set de filmagem, é tão perfeitamente charmoso.

— Este lugar não é fofo? — Annika se entusiasma. — Foram dos


avós de Justin. Sua avó morreu há alguns anos e está ficando vago
desde então.

Annika me apresenta a seu noivo, um cara alto e com cabeça de


reboque que, como Annika, parece ter cerca de dezoito anos. Ele não
fala muito claramente, Annika é a mais extrovertida dos dois. Annika e
Justin estão ambos vestindo jeans, camisas de flanela combinando e
botas de cowboy. Andamos pela propriedade por alguns minutos,
pesquisando locais para fotos e, em seguida, começamos a trabalhar.
Eu tiro fotos deles sentados na varanda da frente, em um grande tronco
no quintal, em uma clareira cheia de grama alta e flores silvestres. Os
dois estão radiantes um para o outro o tempo todo, e eu estou
incrivelmente feliz por eles. Eles são tão jovens e apaixonados, e eu
silenciosamente torço para que eles sejam um dos casais que faz isso
e tem um casamento longo e feliz.
Depois de algumas horas, tirei centenas de fotos e estamos todos
começando a ficar cansados. Digo a Annika que estarei em contato
assim que tiver uma chance de montar uma galeria e voltamos para os
carros. Os pais de Justin moram perto e os dois vão para o jantar, então
eu digo adeus a eles e aceno quando eles saem do caminho e vão para
o sul. Arrumo meu equipamento e subo no carro para a viagem de volta
ao norte.

Como iríamos andar pela grama, eu decidi deixar meu celular no


carro durante as filmagens para não perdê-lo. Quando puxo o cinto de
segurança e pego o carro, tiro ele do porta copos e confiro mensagens.
Estou surpresa ao ver que há mais de uma dúzia de textos, todos menos
um que não é de Hawk, e três mensagens de voz dele. O primeiro texto
que vejo está em letras maiúsculas e manda meu coração disparando
de susto repentino:

ME LIGUE AGORA!

Não perco tempo para ouvir as mensagens de voz dele, em vez


disso, escolho uma e clico em retornar a ligação com os dedos
tremendo de repente. O telefone toca uma vez, duas vezes, três vezes,
e estou me preparando para deixar uma mensagem quando Hawk
atende. No começo, acho que a conexão é muito ruim, mas depois
percebo que os sons crepitantes e surrados que estou ouvindo são o
ruído do vento e da estrada. Hawk deve estar em sua motocicleta.

— Samantha! — ele grita no telefone. — Onde está voce? Me


diga que você está bem!

— Estou bem! — Eu choro. — Meu Deus, o que há de errado?

— Você está no território dos Iron Spiders!

— O que?

— Você está no território do clube que fez o atentado ontem à


noite! Você precisa sair agora!
Minha mente corre para acompanhá-lo. Hawk não me contou
muito sobre nada disso, e agora ele está me dizendo que dirigi direto
para o território de pessoas que tentaram nos matar. Tentando não
entrar em pânico, eu choro.

— Hawk ! O que devo fazer?

— Dirija para o norte! — Ele grita. — De volta do jeito que você


foi! Faça agora mesmo! Não pare em lugar algum! Eu estou indo te
encontrar!

Eu ligo o carro na marcha e piso tão rápido que quase perco o


controle do caminho de cascalho.

— Estou dirigindo de volta do jeito que vim! — Eu grito no telefone.

— Não desligue! — ele insiste. — Dirija, mas coloque o telefone


no alto falante e deixe-o no banco!

Não sei se a ameaça é imediata, mas nunca ouvi Hawk soar


assim. Mesmo ontem à noite depois do atentado, ele estava calmo e no
controle. Agora, ele parece um homem possuído.

É aterrorizante.

Por alguns minutos, concentro-me apenas em dirigir, e lembro


como voltar do jeito que vim. Estou acelerando, mas tenho medo de ir
rápido demais porque estou tremendo e não quero sair da estrada. No
assento, o telefone marca os segundos de nossa conexão, o som do
vento e o motor de Hawk como uma tábua de salvação.

Dirijo-me aos limites da cidade de uma das pequenas cidades por


onde passei e tenho de me forçar a ir mais devagar. Eu não quero pegar
uma multa, penso eu, e depois dou risada de mim mesma loucamente.
A polícia é a última coisa que eu deveria estar preocupada agora.

— Do que você está rindo? — Hawk grita do seu telefone..


— Nada! — Eu falo e sinto uma onda de alívio momentâneo. É
bom rir, mesmo com minha própria estupidez.

Estou começando a me sentir um pouco melhor agora. Talvez


Hawk esteja exagerando, digo a mim mesma enquanto passo pela
cidade. Logo, eu estou dirigindo pelos últimos semáforos e acelerando
de volta para a velocidade da estrada.

— A que distância estou de voltar ao território dos Lords? — Eu


pergunto a Hawk esperando que seja logo para que eu possa relaxar.

Assim que termino a minha pergunta, olho para trás e vejo quatro
motos saindo de um estacionamento na periferia da cidade.

— Hawk? — Eu começo incerta. — Vocês estão atrás de mim?

— O que? Não.

— Quão longe você está?

— Parece que estamos a cerca de cinco ou seis milhas de


distância, na mesma estrada que você vem na direção oposta.

Meu estômago fica frio.

— Há quatro caras em motocicletas atrás de mim cerca de meia


milha ou mais. — digo a ele. Minha voz se eleva de medo. — Parece
que eles estão vestindo coletes.

— Porra! — assobia Hawk. — Corra, baby! Dirija o mais rápido


que puder. Não pare por nada! Estamos a caminho!

Eu faço o que ele diz, segurando o volante com força enquanto


empurro o acelerador. Olhando no espelho, vejo que as motos atrás de
mim estão ficando maiores, começando a diminuir a distância entre nós.
Eu solto um grito involuntário e empurro com mais força, rezando para
que eu possa fugir deles, mas sabendo que provavelmente não posso.
Minha única esperança é se Hawk chegar até mim a tempo e se ele
não estiver sozinho. O pensamento de que ele pode não ter trazido
homens para ajudá-lo traz uma onda de náusea aguda, e eu tento lutar
contra isso quando a horrível compreensão me atinge de que nós dois
podemos acabar nas mãos do outro MC.

O que eles querem?

Eles vão nos machucar?

Nos manter reféns? Ou…

Um soluço alto sai da minha garganta quando eu o empurro ainda


mais, meu pé no acelerador agora. Mais à frente, há um cruzamento,
com uma picape prestes a entrar na estrada. Eu aperto a buzina e rezo
para que ele não julgue mal a minha distância e velocidade e puxe para
fora na minha frente. Eu sei que não serei capaz de evitar a batida.

Meu carro passa pela picape, as motos cada vez mais próximas.
Até agora eu posso ver flashes de branco e vermelho em seus coletes
que eu sei que são cores do clube. Um dos homens faz gestos para o
outro, e eles se mudam para uma formação diferente. Eles estão se
preparando para fazer alguma coisa. Para mim.

Chegamos a uma colina bastante íngreme, tão íngreme que não


posso ver o outro lado. Se os motoqueiros atrás de mim estiverem
planejando me ultrapassar, provavelmente não farão isso até que
tenhamos superado isso. Eu aperto meu pé no acelerador, tentando
desesperadamente tirar mais velocidade do carro. Estou dirigindo
rápido demais agora, não é seguro e sei disso, mas não tenho escolha.
Eu rezo fervorosamente para que nada esteja lá do outro lado para eu
bater. Quanto mais eu considero a possibilidade, mais eu me apavoro,
como imagino o acidente de metal e a morte instantânea que isso
significaria para mim e para quem quer que estivesse na minha frente.

Eu voo sobre a colina, meu estômago caindo como se eu


estivesse em uma montanha russa, e milagrosamente não há ninguém
no meu caminho. Mas agora os homens atrás de mim estão quase em
cima de mim, e quando eu olho descontroladamente para eles, vejo um
deles puxando o que parece ser uma pistola. Se ele atirar em mim ou
nos meus pneus, vou perder o controle e estou rápido demais para
sobreviver.

— Hawk! — Eu grito. — Me ajude! — Há outro morro chegando,


e quando o homem com a arma segura e mira, eu faço a única coisa
em que consigo pensar.

Eu tiro o pé do acelerador e piso nos freios.


Eu estou apenas abrindo minha boca para dizer a Samantha que
estamos quase lá quando a ouço gritar pelo telefone.

— Hawk! Me ajude!

A próxima coisa que ouço é o barulho dos pneus, um estrondo


alto e depois o silêncio.

— Samantha! — Eu bato no meu fone de ouvido. Nós não


estamos nem a um quarto de milha dela, a um morro de distância, e eu
me levanto e subo a colina tão rápido que por um segundo eu tenho
certeza que vou voar da moto. Eu dou um pulo por cima, com Brick e
Thorn atrás de mim, e desço do outro lado a tempo de ver o carro de
Samantha derrapando até parar.

Atrás dela, duas motos estão emaranhadas em um monte de


metal retorcido. Seus pilotos foram atirados brutalmente no asfalto. Um
olhar é suficiente para saber que ambos estão mortos. Um corpo nada
mais é do que uma massa de carne retorcida; o outro está apenas
sangrando, pernas quebradas saindo parcialmente de uma vala.

Uma terceira moto está esmagada na traseira do carro de


Samantha, noto rapidamente, e a quarta e última está vindo direto para
nós. O piloto tem uma arma em uma mão e está inclinando loucamente
e lutando para desviar e não bater.

Eu vôo em direção a Samantha, sabendo que Brick e Thorn vão


lidar com o quarto homem. Então minha moto está no chão e estou
correndo em direção ao carro dela quando ouço outro estrondo atrás
de mim. Eu abro a porta, meu coração na garganta e esperando o pior.
Dentro do carro, Sam está acordada e viva, com um airbag preso entre
ela e o volante. Há um pouco de sangue em seu rosto e ela está branca
como uma folha de papel, mas além disso, parece que ela está bem.
Ela olha para mim, seus olhos mal me registrando por um momento. Ela
faz algumas formas com a boca, mas nenhuma palavra sai.

— Sam. — eu susurro, ajoelhando-me para ela. — Porra, baby,


você está bem?

Ela acena com a cabeça e olha para o airbag na frente dela.

— Eu acho que sim. — ela diz em transe. Eu seguro o airbag e


rasgo com minhas próprias mãos para esvaziá-lo. Enquanto murcha,
Sam começa a mexer fracamente na fivela do cinto de segurança. —
Por favor, me tire daqui. — ela sussurra.

Atrás de nós, um forte barulho de tiro soa. Eu olho para trás para
ver Thorn de pé sobre um corpo, Brick ao seu lado.

— Vamos lá, baby, vamos embora. — eu digo, e ajudo ela a ficar


de pé trêmula. Seus olhos estão confusos, um pouco fora de foco e
vazios. Ela parece que pode estar entrando em choque. Samantha se
vira e olha sem entender a parte de trás do carro. Pela primeira vez,
noto que a motocicleta esmagada tem um corpo preso. Ou o que resta
de um, de qualquer maneira.

— Minha câmera. — murmura Sam vagamente, e depois cai em


meus braços.

— Ela está bem? — Brick pergunta enquanto ele vem correndo


até mim.

— Ela pode estar em choque. — digo a ele. — Veja se você pode


pegar seu equipamento na parte de trás do carro.

Thorn chama Rock, e passa a nossa localização e conta o que


aconteceu. Rock diz a ele que vai chamar Len Baker, chefe de polícia
de Tanner Springs, e que ele saiba que quatro Spiders morreram em
um estranho acidente dentro do nosso território.
— Sam, baby. — murmuro, segurando ela em meus braços ao
lado da estrada. — Precisamos sair daqui assim que pudermos. Você
está bem para andar na parte de trás da minha moto?

Samantha inspira profundamente algumas vezes. Ela está


tremendo como uma folha, mas ela balança a cabeça.

— Sim. Estou bem.

— Tem certeza que está?

Ela balança a cabeça novamente, mais definitivamente desta vez.


— Eu posso fazer isso. Eu só quero… não estar mais aqui.

Thorn e Brick arrastam o corpo do Spider que Thorn atirou para o


lado da estrada, em uma vala. Thorn vem até mim e ergue o queixo em
direção a Samantha. — Como ela está?

— Eu estou bem. — ela responde por si mesma. — Apenas...


abalada.

— Isso foi uma coisa genial que você fez. — ele diz a ela com um
meio sorriso. — Provavelmente, a única coisa que você poderia ter feito
para detê-los.

— Obrigada. — ela diz fracamente. Ela estremece e toca mais


fundo no meu peito.

— Eu preciso tirá-la daqui, irmão. — murmuro para Thorn. —


Vocês estão vindo?

Thorn acena com a cabeça. — Não há muito mais que possamos


fazer aqui. — diz ele. — O que você quer fazer com o carro dela?

— É PT. — eu digo, o que é óbvio. — Talvez devêssemos ter o


Rock trazendo um caminhão de reboque aqui, para levar embora.

Brick se levanta para ficar ao lado de Thorn. — Não há tempo


para isso. — diz ele, balançando a cabeça. — É um pequeno milagre
que ninguém passou por aqui ainda. Nunca vamos tirar o carro daqui
antes que os policiais o vejam.

Eu concordo. — Você está certo. Vamos deixar aqui. Mandarei


Sam arquivar um relatório de veículo roubado com o DP de Tanner
Springs quando voltarmos. Não é uma ótima solução, mas é o melhor
que temo.

— E a bala na cabeça do Spider? — Eu pergunto a eles, olhando


para o lado da estrada onde seu corpo está.

— Sim, lamentável isso. — diz Thorn, com pesar. — Limpei a


arma para tirar as impressões e joguei lá embaixo com o corpo. Não há
como ser rastreada até nós. — Ele varre a estrada. — Vamos apenas
ficar o mais longe possível da cena e esperar pelo melhor.

Quando tenho certeza de que Samantha está bem para montar,


nós quatro voltamos para trás e pegamos uma estrada lateral em
direção a Tanner Springs, para não nos depararmos com qualquer
aplicação da lei a caminho da cena. Quando chegamos de volta à
cidade, Samantha ainda está se sentindo muito instável, então eu
decido adiar o relatório do veículo até o dia seguinte.

Enquanto isso, vou levá-la de volta ao clube para descansar. Ela


teve excitação suficiente por um dia. E eu também.
Quando eu levo Samantha de volta ao clube, ela me deixa levá-la
para cima com quase nenhuma palavra. Ela está trêmula e exausta, e
tudo que eu quero fazer agora é levá-la a algum lugar onde ela se sinta
segura e possa descansar. Ela mal olha em volta para o apartamento,
apenas se deita na cama e fecha os olhos.

— Não me deixe. — ela sussurra.

Eu me inclino e a beijo suavemente na testa.

— Eu só vou pegar suas coisas, baby. Volto em alguns minutos.


Você está segura aqui.

Em pouco tempo, Sam se acalma, seu rosto suavizou quando o


sono a levou. Volto para o andar de baixo e pego a bolsa da câmera e
a pequena mochila de roupas que Brick pegou da traseira do carro. Eu
não tive a chance de voltar para minha casa e pegar qualquer coisa
para mim, mas não consigo lidar com o pensamento de deixar Sam
agora. Então, em vez disso, eu encontro Thorn e peço para ele ir na
minha casa para mim. Há uma coisa em particular que preciso, e quero
tê-la quando Samantha acordar.

Em vez de voltar imediatamente para cima, decido pegar uma


cerveja no bar e deixá-la dormir por um tempo. Eu caio em um dos
bancos e faço um movimento para Jewel.

— Hey. — ela me cumprimenta e me entrega uma garrafa. —


Parece que você teve um dia difícil

Eu bufo baixinho.

— Você não sabe a metade disso.


— Eu ouvi sobre o atentado na noite passada. — ela murmura.
— Que bom que vocês dois estão bem.

— Eu não poderia viver comigo mesmo se algo tivesse


acontecido com ela. — eu respondo. As palavras saem da minha boca
antes que eu possa detê-las, e estou chateado comigo mesmo. Eu não
estou interessado em falar sobre isso. Não sei por que disse isso a
Jewel.

Ela olha para mim por um longo momento.

— Ela ama você, você sabe? — diz ela então. — Ela é louca por
você.

Maldição.

— Jewel, eu acho que você está me confundindo com alguém


que quer falar sobre sentimentos com seu barman. — eu a aviso.

Ela apenas ri.

— Ok, tanto faz, cara durão. — diz ela, sacudindo a toalha para
mim. — Você não precisa falar sobre seus sentimentos comigo. Mas eu
só estou dizendo, se você não disse a ela como se sente, eu acho que
talvez você deve começar com isso.

Eu reviro meus olhos. — O que há com as mulheres?

Ela me dá uma piscadela picante.

— Estamos mais em contato com nossos sentimentos. Isso é o


que há. — Seu rosto fica sério. — Você merece, você sabe. Você é um
dos bons, Hawk.

— Ok, eu estou fora. — eu rosno, me levantando. A gargalhada


de Jewel me segue enquanto eu me afasto com desgosto.

Eu estou tentando decidir se saio para fumar ou volto para


verificar Samantha quando Ghost entra na porta do clube.
— Ei! Hawk? — ele chama por mim. — Tem um cara lá fora
perguntando por você.

Este dia aparentemente ainda não acabou de brincar comigo. Eu


suspiro. — Você o reconhece?

O Ghost encolhe os ombros. — Na verdade não. Eu posso tê-lo


visto pela cidade em algum lugar. Ele não está usando colete, então ele
tem que ser um civil. — Seu lábio se enrola um pouco. — Ele parece
meio amarrado.

Franzindo a testa, vou até a porta da frente e olho para o


estacionamento. A única gaiola que não pertence a um dos nossos
homens está estacionada no outro extremo. Com um começo, eu
imediatamente reconheço como o carro de Anita.

De pé ao lado, fumando um cigarro, está o irmão de Anita,


Tommy.

— O que diabos você está fazendo aqui? — Eu rosno para ele


enquanto ando em direção ao carro. Eu provavelmente só tive duas ou
três conversas com o irmão mais novo de Anita ao longo dos anos. E
cada um deles me convenceu de que ele é um pedaço maior de merda
do que a irmã dele.

Tommy levanta as mãos em um gesto de submissão.

— Ei, cara, olha, eu venho em paz. — Ele me dá a sugestão de


um sorriso, mas não alcança seus olhos. — Eu só queria dar-lhe
algumas informações, cara, e talvez pedir um favor.

Não consigo imaginar nada que Tommy tenha a dizer que eu


precise saber.

— Bem. Cuspa. — eu falo.. — Eu tenho coisas para fazer.

Seus olhos piscam para baixo por um segundo, depois de volta


para o meu rosto. Seu olhar não encontra o meu. — Eu só queria que
você soubesse sobre Anita, cara. Ela teve uma overdose há alguns dias
atrás.

Puta merda

— Ô droga, ô droga. — repito. — Então, ela está...?

— Ela não conseguiu. — Tommy sacode a cabeça. — Ela estava


sozinha quando aconteceu, eu acho. Então, ninguém estava por perto
para ajudá-la. Eles acham que foi cocaína.

Não sei o que espero sentir. Raiva, talvez. Nojo. Não estou
surpreso. Inferno, se você me perguntasse onde eu achava que Anita
estaria em cinco anos, eu provavelmente teria previsto isso.

Ainda. Tudo isso me deixa tão triste. Ela estava fora de controle,
e ela era uma cadela manipuladora, e ela fodeu meu irmão. De muitas
maneiras, eu a odeio.

Mas no fundo, ela era apenas uma criança confusa que nunca
imaginou sua merda.

Eu suspiro, vencido pela tristeza. Para ela. Para meu irmão. Para
as crianças estúpidas que todos nós costumávamos ser.

— Onde está Connor? — Eu finalmente pergunto. Eu olho para o


carro, mas está vazio.

— Serviços de proteção à criança vieram e o pegaram quando


encontraram seu corpo. — ele me diz.

— Você não tentou impedi-los? — Como diabos ele poderia


deixá-los tomar seu próprio sobrinho? Eu estou furioso.

— Ei, eu não estava lá, cara, tudo bem? — Ele mantém os braços
abertos em um gesto suplicante. — Além disso, talvez seja o melhor.
Quer dizer, eu não posso cuidar de uma criança. Connor ficará bem,
certo? Eles o acharão algum tipo de família adotiva, ou algo assim. Ele
vai ser adotado, certo? Por alguma família de médicos ou algo assim.
Jesus. Eu balanço minha cabeça em descrença. É verdade, no
entanto. Tommy pode até ser um pai mais irresponsavel do que Anita.
Mas não há alguém na família de Anita que possa levá-lo? Eu só posso
imaginar como a vida de Connor tem sido até agora, e agora ele vai ser
jogado no sistema, jogado de família em família, até que talvez, com
sorte, alguém decente decida mantê-lo. Sinto-me doente.

— Então sim. Achei que você ia querer saber... — Tommy


desaparece e enfia as mãos nos bolsos da calça jeans. Ele fica parado,
sem dizer nada, mas sem se mexer. De repente, lembro que ele disse
que tinha um favor a pedir.

— Então, qual é o favor? — Eu digo, puxando um cigarro e


acendendo.

— Bem... eu sei que você ajudou Anita antes. — ele começa com
um sorriso de esperança. — E eu estou meio em um ligamento. Acabei
de perder meu emprego e poderia usar um pouco de dinheiro para me
segurar até encontrar outra coisa.

Eu fecho meus olhos e respiro fundo, depois solto. De repente,


estou exausto. Tudo o que quero é voltar ao andar de cima com
Samantha e deixar o resto do mundo por um tempo. Quando os abro
de novo, Tommy está parado em expectativa. Suspirando, eu balanço
minha cabeça e tiro uns vinte mil..

— Aqui. — eu digo, entregando o dinheiro para ele. — Obrigado


por me informar sobre Anita.

— Claro, cara. — ele diz, prestativo.

— Não volte aqui de novo. — digo a ele. — Nós terminamos,


você me entende? Foi claro?

Ele parece um pouco desanimado, mas acena. — Ok, cara. Eu


te entendo. Obrigado pelo dinheiro.
Eu não me incomodo em dizer adeus. Acabei de voltar para o
clube. Estou mais cansado do que me lembro de sentir em anos. Com
tudo o que aconteceu nos últimos dias, parece o fim de uma era.

Uma ideia começa a se formar na minha cabeça.

E talvez eu diga a mim mesmo, apenas talvez, o começo de uma


nova vida.
Eu não sei quanto tempo eu dormi, mas eu acordo com o som da
música tocando.

Abro os olhos no estranho apartamento para encontrar Hawk


sentado em uma cadeira perto da cama. Ele está dedilhando seu violão
suavemente, a cabeça baixa e os olhos baixos em concentração. Eu
não me movo, não quero que ele perceba que estou acordada e pare o
que ele está fazendo.

A melodia é quieta e introspectiva, e eu nunca a ouvi antes. Não


tenho certeza, mas acho que é algo que Hawk compôs. Deitada e
ouvindo, é como se eu tivesse aberto uma janela secreta para uma
parte dele que ele mantém fechada do mundo. Parece um presente, e
meu coração se enche por ouvi-lo.

A música aumenta, depois diminui e música termina. Os dedos


de Hawk ficam parados e ele olha para mim. Nossos olhos se encontram
e sorrio para ele.

— Não é justo. — ele murmura. — Você deveria estar dormindo.

— Foi uma maneira bonita de acordar. — eu digo. — Eu adoro


ouvir você tocar.

Hawk se levanta e inclina o violão contra a cadeira, depois se


senta ao meu lado na cama.

— Como você está se sentindo? — ele pergunta.

— Melhor. — Eu respiro fundo e olho ao redor da sala. —


Honestamente, a coisa toda parece um sonho, agora que estamos de
volta aqui.
— Bom. — ele balança a cabeça. — Quanto mais cedo você
tirar isso da sua mente, melhor.

— O que vai acontecer agora? — Eu pergunto, não tenho certeza


de como colocar todas as minhas perguntas em palavras.

— Você e eu vamos ficar aqui por enquanto. Vamos esperar para


ter uma ideia de como a explosão será com os Spiders. — Ele pega
minhas mãos nas dele. — Eu vou proteger você, Sam. Eu prometo.
Nada como isso vai acontecer com você novamente. — Seus olhos são
ferozes, determinados.

— Eu sei. — eu digo a ele. E eu faço. Apesar de tudo, nunca me


senti mais segura em minha vida do que quando estou com Hawk. É
tudo que eu quero. Ele é tudo que eu quero.

— Eu tenho lutado contra isso por um tempo agora. — continua


ele. — Eu tenho dito a mim mesmo que não mereço você. Que eu
precisava ficar longe de você. Mas acontece que não posso. — Ele me
puxa para mais perto, até que o calor de sua pele irradia dele como meu
próprio sol pessoal. — Eu estou apaixonado por você, Samantha. —
ele rosna. — Eu não quero puxar você para esta vida se não é o que
você quer. É perigoso às vezes. Não é o caminho mais fácil. Mas não
posso mais ir embora sem lhe contar. Te quero comigo. Se você me
quiser.

É a coisa mais romântica que já ouvi.

— Eu amo você, Hawk. — eu sussurro, enquanto meus olhos se


enchem de lágrimas. Um riso borbulhante escapa da minha garganta.
— Eu me lembro da primeira vez que te conheci, como eu zombei do
seu nome.

— Sim. — ele sorri maliciosamente. — Lembra o que eu disse


em resposta?

Minhas bochechas ficam vermelhas.


— Você disse que eu ... — Mas antes que eu possa continuar, os
lábios de Hawk descem sobre os meus, firmes e insistentes. Sua língua
desliza contra meus lábios e eu respiro fundo e abro o meu para ele.
Meus braços vão ao redor de seu pescoço com seu próprio poder,
minha pele já está em seu toque. Eu sei o que ele pode fazer comigo.
Eu sei o que está prestes a acontecer.

Suas mãos correm sob a minha camisa, áspera contra a pele das
minhas costas. Eles são fortes, exigentes. No controle. Seus dedos
habilmente abrem meu sutiã, e em um movimento fluido, eu estou nua
da cintura para cima, tudo o que estava me cobrindo em uma pilha no
chão. Eu jogo minha cabeça para trás e arqueio em direção a ele,
querendo sua boca na minha pele. Meus mamilos ficam tensos.

— Samantha. — ele diz. Ele me puxa em cima dele, então estou


sentada sobre ele na cama, meu monte já encharcado pressionando
contra a protuberância crescente em seu jeans. Eu me esfreguei contra
ele. — Foda-se. — ele geme. Sua boca desliza pela pele da minha
garganta, queimando com beijos, e então captura um mamilo
necessitado em sua boca. Eu gemo enquanto a onda do prazer passa
através de mim, e moo mais forte contra o seu comprimento, impaciente
já.

Minhas mãos se agarram aos ombros dele, minhas pernas


passando pela cintura dele. Há muito tecido entre nós, eu quero que
isso desapareça, mas eu já estou tão louca de desejo que não consigo
pensar direito. Eu choramingo quando a boca dele se fecha no meu
outro mamilo e ele começa a chupar e lamber.

— Hawk! — Eu suspiro. — Oh, Deus, sim!

Ele me provoca mais um pouco e depois me empurra de volta


para a cama. Ele se levanta e tira sua camiseta e sua calça jeans, seus
olhos uma tempestade escura.

— Você não está nua o suficiente. — ele rosna. Meus olhos não
deixando os dele, eu desabotoo minha calça jeans e deslizo para baixo
sobre meus quadris com minha calcinha, jogando para o lado da cama.
Acima de mim, Hawk grunhe sua aprovação, depois segura seu eixo
grande e duro. Ele lentamente começa a acariciá-lo enquanto ele olha
para mim. Eu o vejo fazer isso, a luxúria me consumindo e mordo meu
lábio inferior.

— Foda-se. — ele sussurra enquanto olha para mim. — Você


não tem ideia do quanto eu queria morder seu lábio inferior na primeira
vez que te vi.

Eu inclino minha cabeça para baixo e olho para ele através dos
meus cílios, mordendo mais forte.

— Você vai pagar por me provocar assim. — ele adverte.

— Oh sim? — Eu desafio. — Faça o seu melhor.

Ele está na cama tão rápido que solto um pequeno grito de riso
que se transforma em um gemido quando ele me puxa para ele e puxa
um mamilo em sua boca novamente. Ele os suga devagar, um de cada
vez, rindo dos meus gemidos de necessidade. Seus lábios deixam meus
seios e começam a descer pelo meu corpo. Eu jogo minha cabeça para
trás e espero, mal ousando respirar enquanto a dor entre minhas coxas
fica mais intensa. Eu abro minhas pernas para ele, ofegando enquanto
seu polegar roça meu mamilo liso. Eu grito baixinho e arqueio em
direção a ele.

— Eu deveria te torturar. — ele murmura, sua respiração quente


contra a pele da minha coxa. — Eu deveria prendê-la aqui, então você
iria saber o quão perto eu estou, e não daria o que você quer.

— Não. — eu sussurro. — Hawk, por favor.

— Você não demorou muito para implorar. — diz ele. — Como


vou fazer você pagar quando desistir tão cedo?
— Hawk! — Eu imploro. — Por favor, me faça gozar. Eu preciso
de você. — Eu empurro meus quadris para frente em direção a sua
boca, e ele ri baixinho e me dá o que eu quero.

A primeira volta de sua língua é tão doce que quase choro, é tão
bom. Ele começa a me lamber lentamente, tão devagar, sabendo
exatamente onde a linha é para mim entre prazer e agonia. Eu gemo
seu nome, minhas pernas se abrem mais, e já está começando, eu já
estou subindo mais e mais, indo em direção a algo que é tão poderoso
que é quase assustador.

Meu corpo inteiro está tenso enquanto ele continua a lamber e


girar em torno do ponto que ele sabe que vai me mandar para o limite.
Finalmente, quando parece que todos os músculos do meu corpo
ficaram rígidos, ele mergulha sua língua profundamente dentro de mim
e então dá voltas longas e deliberadas enquanto eu grito seu nome e o
mais intenso orgasmo da minha vida se quebra em todo o meu corpo.

As ondas ainda estão diminuindo através de mim quando eu sinto


as mãos fortes de Hawk me levantando. Ele me vira de quatro antes que
eu saiba o que está acontecendo e se posiciona entre as minhas
pernas.

— Eu preciso de você. — ele rosna. — Não é uma pergunta.

— Sim. — eu digo sem fôlego. Eu sinto o calor de seu pênis


deslizando contra minhas dobras ainda sensíveis e solto um gemido
alto, fechando meus olhos enquanto ele se afunda dentro de mim. Hawk
não está com disposição para tomar seu tempo agora, e começa a
empurrar forte e rápido, cada vez mais fundo cada vez que nós caímos
juntos.

Eu agarro os lençóis, gritando quando meu prazer começa a se


levantar novamente. O calor de veludo dele deslizando contra meus
lábios inchados é tão requintado, tão perfeito, que em pouco tempo eu
sei que estou prestes a gozar novamente. Eu grito para ele e ele me
responde.
— Sim, baby. Eu estou tão perto, baby, eu posso sentir você
pronta para mim. Goza comigo, baby. Goza comigo agora!

— Oh, sim... Deus! — Eu grito, estremecendo com a força disso


enquanto eu aperto em torno dele. Hawk entra em mim mais uma vez
e fica duro quando ele explode dentro de mim com um rugido.

Eu ainda estou tremendo e lutando para respirar quando eu sinto


Hawk sair de mim e me reunir em seus braços. Ele me beija longo e
lento, ambos ofegantes.

— Caramba. — eu finalmente suspiro.

— A propósito. — ele me diz entre respirações. — Eu te disse.

— Me disse o que? — Estou confusa.

— A primeira vez que te conheci. Eu disse que você ia gostar


muito mais do meu nome quando estivesse gritando com a minha
cabeça entre as suas pernas. — Ele sorri para mim com firmeza. —
Eu não estava errado, aparentemente.

Eu suspiro em fingida exasperação, mesmo que eu queira


começar a rir.

— A sério. Você montou todo esse elaborado enredo só para me


levar para a cama e provar que está certo? — Eu pergunto, revirando
os olhos.

Hawk bufa baixinho e se inclina para roçar meus lábios nos dele.

— Não. Mas você tem que admitir, poderíamos ter nos poupado
muito tempo e problemas naquela primeira noite se tivéssemos
acabado de sair do casamento e ido testar minha teoria.

Eu me inclino em sua mão e beijo sua palma.


— Eu sei que isso parece loucura, considerando tudo o que
passamos para chegar aqui. — eu sussurro. — Mas eu não trocaria
isso por nada no mundo.

Mais tarde, enquanto nos deitamos contra os travesseiros nos


braços um do outro, Hawk me conta sobre a visita que ele teve do irmão
de Anita. Eu ouço em silêncio chocada quando ouço que Anita está
morta, de uma overdose de cocaína. O rosto de Hawk se contrai
quando ele fala sobre Connor ser entregue aos Serviços de Proteção à
Criança, e o que isso provavelmente significa para esse garotinho que
já teve uma vida tão difícil, e que acabou de perder sua mãe.

E então, Hawk me faz uma pergunta. Não é nada que eu tenha


pensado em fazer, mas assim que ele sugere, eu sei que é
absolutamente a decisão certa. Quando ele termina de falar, eu nem
hesito. Eu apenas digo sim.

— Esta é uma coisa muito grande que você estaria entrando. —


ele me diz. Seus olhos são sombrios e sérios. — É apenas temporário.
Mas tem certeza?

Eu concordo. É um grande passo, eu sei. Provavelmente isso é


uma loucura para nós, especialmente perto do início do nosso
relacionamento. Mas o fato de que Hawk está me pedindo para fazer
isso com ele me diz tudo o que preciso saber se está certo.

Nós vamos viver um dia por vez. Nós vamos lutar, tenho certeza.
Mas de alguma forma eu sei que é o que eu quero. O que nós queremos.
— Connor? — Sam diz, se ajoelhando para o menino. — Você
quer ir ver alguns filhotes de cachorro?

Do meu ponto de vista no sofá, vejo quando Connor olha para


Samantha com olhos arregalados e incompreensíveis.

— Filhotes. — Sam tenta novamente. — Como o seu filhote de


cachorro de pelúcia. — Ela aponta para o cachorro de pelúcia que
Connor está segurando contra o peito dele.

Foi o primeiro brinquedo que pegamos quando o levamos para


casa conosco. Connor tem mantido essa coisa como se fosse um salva
vidas desde então.

Connor está aqui conosco há duas semanas. Somos seu lar


adotivo até que o Serviço de Proteção à Criança nos diga o contrário.
Até agora, tão bom, eu acho, embora tenha sido um pouco áspero às
vezes. Conseguimos alimentá-lo e cuidar de suas necessidades. Mas
ele ainda parece bem distante e tem um pouco de medo de nós. Está
quebrando o coração de Sam, embora ela não o deixe ver isso.

O processo para trazer ele conosco era muito mais complicado


do que eu pensava, e por um tempo eu não tinha certeza se
conseguiríamos convencer a CPS a nos deixar adotá-lo.

Como Sam e eu não tínhamos realmente passado pelo processo


formal de ser pais adotivos, a agência relutava em nos considerar como
cuidadores em potencial de Connor.

As coisas pareciam bastante sombrias, até que o assistente social


do CPS pegou o irmão de Anita, Tommy. Tommy disse que eu era um
amigo da família e que Anita queria que eu cuidasse de Connor se ela
ainda estivesse aqui para tomar a decisão.

Segundo os registros do assistente, Connor tem pouco mais de


dois anos. Tem idade suficiente para falar mais do que ele fala, de
acordo com a pesquisa na internet de Sam. Mas até agora, tudo o que
ele fez foi acenar com a cabeça ou sacudir a cabeça quando lhe
fazemos perguntas.

Pelo menos ele parece nos entender quando falamos com ele. É
difícil saber que tipo de atrasos ele pode ter, com ele tendo Anita como
mãe. Pelo que presenciei nas raras ocasiões em que os vi juntos, ela
não interagia muito com ele.

Nos últimos dois dias, Connor parecia que talvez estivesse


finalmente começando a sair de sua concha um pouco. Então, Sam teve
a ideia de trazê-lo para a fazenda de Geno para olhar a ninhada de
filhotes que sua mistura de pastor tinha acabado de ter. Parece claro,
pela maneira confusa, que ele olha para Sam que ele não entende o que
é um filhote de cachorro.

Mas sei, que o garotinho gosta de coisas macias e peludas,


certo? Então colocamos Connor no assento do carro e saímos para a
fazenda de Geno no carro novo de Sam.

Geno e sua old lady Carmen estão em casa quando saímos para
a fazenda. Carmen nos leva para o celeiro, onde sua cadela Molly está
com seus filhotes. No interior, cheira a feno, esterco e animais. De
alguma forma, sempre me pareceu um cheiro limpo, embora eu ache
que não faz muito sentido.

Cheira sem complicação. Calmante.

Molly e sua ninhada estão em uma velha caixa de refrigeradores


que foi deitada de lado e tiveram as laterais cortadas para que fosse alto
o suficiente para que os filhotes não saíssem. Cobertores velhos cobrem
a caixa e, dentro dela, sete filhotes se contorcem e mordem as orelhas
e as patas dos irmãos.
Estou correndo até Connor e me ajoelho e o coloco no chão ao
meu lado. Seus olhos estão arregalados e surpresos quando ele
observa a cena diante dele. Sam pega um dos filhotes e o segura para
que Connor possa tocá-lo. Com cautela, o garotinho estende a mão
hesitante e afaga o pêlo do animalzinho, depois empurra para trás
rapidamente.

— Veja? É um bom cãozinho. — Sam diz em uma voz suave. —


Sua pele é macia, não é? — Sam faz o cachorrinho se contorcer para
mostrar Connor. — Nós acariciámos muito gentilmente porque ele é
apenas um bebezinho.

Connor estende a mão novamente e o acaricia como Sam


mostrou a ele. Ele olha para ela interrogativamente, e ela sorri e acena
para ele. De repente, ele faz um pouco de meio pulo e chia de excitação.

— Esse é o filhote da mamãe, bem aqui. — diz Sam, apontando.


— Estes são todos os bebês dela. Eles não são fofos? — Connor grita
novamente, desta vez um pouco mais alto.

— Cãozinho. — Ele diz com um largo sorriso, apontando para


Molly.

Seus olhos se enchem de lágrimas. É literalmente a primeira


palavra que ele fala desde que o pegamos.

— Isso mesmo, querido. — ela sussurra, olhando para mim. — É


um cãozinho.

Ficamos no celeiro por um longo tempo, deixando Connor vigiar


e acariciar os filhotes. Ele é quase inacreditavelmente gentil com eles.
Finalmente, decidimos que é hora de deixar Carmen e Geno seguirem
o seu dia.

— Você sabe. — Carmen diz com um brilho nos olhos quando


saímos do celeiro. — Nós vamos estar à procura de casas para a
maioria dos filhotes. Você pode escolher se quiser um. — Ela sorri para
Connor. — Um cachorro é o melhor amigo de um menino, afinal de
contas.

Sam olha para mim, o começo de um sorriso no rosto dela.

— Nós vamos pensar sobre isso. — eu digo com firmeza. Inferno,


nós só tivemos Connor por duas semanas, e agora já estamos falando
em conseguir um cachorro?

Toda essa coisa de felicidade doméstica está acontecendo um


pouco rápido para mim, embora tenha sido minha ideia levar Connor.
Inferno, a próxima coisa que você sabe nós estaremos colocando uma
cerca branca.

— Ok, Connor, vamos voltar para casa agora. — Samantha diz


a ele. — Nós vamos voltar muito em breve e visitar os cachorrinhos
novamente.

— O cachorrinho! — ele diz de novo, alegremente.

Sam ri. — Está certo. Dê adeus aos cachorrinhos e a Carmen!

Surpreendentemente, ele levanta a mão e bate na direção deles,


sorrindo timidamente.

— Tchau, Connor! — Carmen diz enquanto ela acena de volta.

— Você quer andar, amigo? — Pergunto a ele quando saímos


do celeiro. — Ou você quer que eu carregue você?

Connor olha para o chão por um minuto, depois para mim.

Então ele estende os braços.

— Ok, amigo. — eu digo, tentando ignorar a repentina risada na


minha garganta. — Carregar então.
No caminho de casa, nenhum de nós fala muito. Sam liga algumas
músicas infantis que ela encontrou on-line para Connor ouvir. Algumas
vezes ela funga em um lenço.

— Você está bem? — Eu finalmente pergunto, estendendo a mão


para ela.

— Sim. — Ela olha de volta para Connor, que está dormindo na


cadeirinha, e então me lança um sorriso trêmulo e trêmulo. — Acho
que talvez ele também esteja.

Eu sei que Connor não é filho do meu irmão. Eu sei que não há
conexão com Liam além da mesma bagunça quente de uma garota que
nunca conseguiu se recompor. Mas mesmo assim, de alguma forma eu
ainda sinto que o universo me deu uma segunda chance. Uma maneira
de fazer algo bom, para redimir a morte do meu irmão.

Sam parece entender isso.

Essa é uma das inúmeras coisas que eu amo nela.

Nós também não conversamos sobre a adoção do Connor. Não


exatamente. Mas acho que é nessa direção que estamos indo. É cedo,
claro. Não há garantia de que seríamos escolhidos para ser seus novos
pais. Mas quando penso no futuro, a imagem nebulosa em minha mente
é eu, Sam e Connor. E talvez outro menino ou menina.

Se for menino, espero que o nome dele seja Liam.

Às vezes, tarde da noite, eu fico acordado e tento descobrir se a


vida é apenas foda comigo. Tudo parece perfeito demais agora. Claro,
a guerra com os Spiders está longe de terminar, é uma história para
outro dia. Mas bem aqui, agora mesmo, sinto que posso conquistar o
mundo e enfrentar qualquer coisa que venha com Samantha ao meu
lado. Ela é a mulher com quem quero estar, pelo resto da minha vida.

E pela primeira vez, o que eu quero é exatamente o que eu tenho.