Você está na página 1de 16

ALBERTI, Verena. Ouvir contar: textos em história oral. Rio de Janeiro: Ed.

FGV, 2004.

ALENCASTRO, Luiz Felipe de; REUNAX, Maria Luiza. Caras e modos dos
migrantes e imigrantes. In. NOVAIS, Luiz Felipe de. História da vida privada
no Brasil: Império: a corte e a modernidade nacional. (orgs.) do volume 2 Luiz
Felipe de Alencastro. 1. Ed. São Paulo: Companhia de Bolso, 2019.

ALMEIDA, Denis Herbert de. A Matemática na formação do professor


primário nos Institutos de Educação de São Paulo e Rio de Janeiro (1932-
1938) / Denis Herbert de Almeida. – Guarulhos, 2013.

ALTMANN, Friedhold. A Roda - memórias de um Professor. São Leopoldo:


Ed. Sinodal, 1991.

AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes (coord.). Usos & abusos da


história oral. 8. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

ARENDT, Isabel Cristina. Representações de germanidade, escola e


professor no Allgemeine Lehrerzeitung Fur Rio Grande do Sul. 2005. Tese
(Doutorado em História) Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS,
Rio Grande do Sul, 2005.

ASSMANN, Alice Beatriz; MAZO, Janice Zarpellon. Turnen para além da


ginástica: configurações dinâmicas em um espaço de práticas esportivas. Rev.
Bras. Educ. Fís. Esporte, (São Paulo) 2017 Abr-Jun; 31(2): 489-503.

ÁVILA, Virgínia Pereira da Silva. História do Ensino Primário Rural em São


Paulo e Santa Catarina (1921-1952): uma abordagem comparada. 2013. Tese
(Doutorado em Educação) - Faculdade de Ciências e Letras – UNESP,
Araraquara (SP), 2013.

AZAMBUJA, Hebe Schwoelk de. Imigração alemã em Santa Catarina. Revista


de Divulgação Cultural, n. 57, p. 54-55, jan. / abr. 1995.

AZEVEDO, Fernanda Vicente de. Discurso intelectual e políticas


educacionais: Orestes Guimarães e a questão pedagógica da Nacionalização
do ensino catarinense (1900-1920).2012. Dissertação (Mestrado em Educação)
- Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, 2012.

BAADE, Joel Haroldo. Os conflitos comunitários e Sinodais e a formação e


consolidação da IECLB: as trajetórias da Associação Evangélica de
Comunidades e do Sínodo Evangélico-Luterano até a sua fusão e constituição
do Sínodo Evangélico- Luterano Unido em 1962. Tese (Doutorado em
Teologia) - Escola Superior de Teologia – PPG, São Leopoldo (RS), 2011.

BAADE, Joel Haroldo. Cultura e Religião: Itinerários do Luteranismo em Santa


Catarina e no Paraná. Jundiaí: Paco Editorial, 2014.
BARROS, Aidil de Jesus Paes de; LEHFELD, Neide Aparecida de Souza.
Projeto de Pesquisa: propostas metodológicas. 13. ed. Petrópolis, RJ: Vozes,
2002.

BENTO, Cláudio Moreira. Estrangeiros e Descendentes na história militar


do Rio Grande do Sul. De 1635 a 1870. Porto Alegre: Gráfica Editora Nação,
1998.

BERGER, Manfredo. A função da Igreja no processo de aculturação dos


teuto- brasileiros. In: COLÓQUIO DE ESTUDOS TEUTO-BRASILEIROS, 2.,
1968, Recife. Anais do... Recife: Ed. UFPE, 1974. p. 519-536.

BLUMENAU, Hermann Bruno Otto. Um alemão nos trópicos: Dr. Blumenau e


a política colonizadora no Sul do Brasil. 1899-1999. Organização: Cristina
Ferreira e Sueli Maria Vanzuita Petry. Tradução: Curt Willy Hennings e
Annemarie Fouquet Shunke. Blumenau: Cultura em Movimento: Instituto
Blumenau 150 anos, 1999.

BOMBASSARO, Ticiane. Semanas Educacionais: a formação docente para


além dos Institutos de Educação. In: LAFFIN, Maria Hermínia Lage Fernandes;
RAUPP, Marilene Dandolini; DURLI, Zenilde (orgs.). Professores para a escola
catarinense: contribuições teóricas e processos de formação. Florianópolis, SC,
Ed da UFSC, 2005.

BOMBASSARO, Ticiane. Semanas Educacionais: A arquitetura do poder sob


a celebração da didática. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação) -
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, 2006.

BOMBASSARO, Ticiane. Sociologia & Desenvolvimento. 4. ed. Rio de


Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1979.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo:


Perspectiva, 2011.

BRASIL [Constituição (1824)]. Constituição Imperial de 1824. 3. ed. Brasília:


Senado Federal, 2012.

BRETTAS, Anderson Claytom Ferreira. Johann Heinrich Pestalozzi, a


trajetória e a fundamentação da pedagogia moral (1746/1827). RPD,
Uberaba-MG, v.18, n.39, p.415-431, jul. / dez. 2018, ISSN 1519-091.

CAMBI, Franco. História da pedagogia. Tradução de Álvaro Lorencini. São


Paulo: Editora UNESP, 1999.

CAMPOS, Cynthia Machado. As intervenções do Estado nas escolas


estrangeiras de Santa Catarina na era Vargas. In: BRANCHER, Ana (orgs.).
História de Santa Catarina: estudos contemporâneos. 2. ed. Florianópolis, SC,
Letras contemporâneas, 2004.

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho 21. Ed. –
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.
CHARTIER, Roger. História cultural: entre práticas e representações. Rio de
Janeiro: BertrandBrasil, 1988.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. In: Estudos Avançados.


Campinas: Unicamp, 11(5), 1991a. p.173-191.

CUCHE, Denys. A noção de cultura nas ciências sociais. Tradução de


Viviane Ribeiro. 2. ed. Bauru, SP: EDUSC, 2002.

DALLABRIDA, Norberto; TIEVE, Gladys Mary Ghizoni. A escola da república:


os grupos escolares e a modernização do ensino primário em Santa Catarina
(1911- 1918). Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011.

DALLABRIDA, Norberto; CARMINATI, Celso João (orgs.). O Tempo dos


ginásios: ensino secundário em Santa Catarina (final do Século XIX, meados
do Século XX). Campinas, SP: Mercado de Letras; Florianópolis, SC: UDESC –
Universidade do Estado de Santa Catarina, 2007.

DANIEL, Leiziany Silveira. Por uma Psico-sociologia educacional: a


contribuição de João Roberto Moreira para o processo de constituição
científica da Pedagogia nos cursos de formação de professores
catarinenses nos anos de 1930 a 1940. 2003. Tese (Doutorado) -
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, 2003.

DANIEL, Leziany Silveira; DAROS, Maria das Dores. A formação de


professores em Santa Catarina nas décadas de 30 e 40: entre o discurso da
missão e o centralismo burocrático. 48f. Universidade Federal de Santa
Catarina. Florianópolis, 1999.

DAROS, Maria das Dores; DANIEL, Leziany Silveira. O Curso Normal em


Santa Catarina: O processo de construção de um projeto de formação de
professores coadunado com os ideais de nacionalização e “cientifização” do
ensino. In: ARAUJO, José Carlos Souza; FREITAS, Gonçalves Bueno de;
LOPES, Antônio de Pádua Carvalho. As Escolas Normais no Brasil: do império
à república. 2. Ed. Campinas, SP: Editora Alínea, 2017.

DAROS, Maria das Dores; DANIEL, Leziany Silveira, Scheibe, Leda. A


contribuição de intelectuais catarinenses para a pesquisa educacional e a
formação de professores na década de 1950. In: LAFFIN, Maria Hermínia
Lage Fernandes; RAUPP, Marilene Dandolini; DURLI, Zenilde (orgs.).
Professores para a escola catarinense: contribuições teóricas e processos de
formação. Florianópolis, SC, Ed da UFSC, 2005.

DENCKER, Ada de Freitas Maneti. Métodos e técnicas de pesquisa em


turismo. São Paulo: Futura, 1998.

DREHER, Martin N. 190 anos de imigração alemã no Rio Grande do Sul:


esquecimento e lembranças. 3. ed. rev. – São Leopoldo: Oikos, 2014.

DREHER, Martin N. Igreja e Germanidade. Estudo crítico da História da Igreja


Evangélica de Confissão Luterana no Brasil. São Leopoldo, RS: Sinodal, 1984.
DREHER, Martin N. Igreja e Germanidade. Estudo crítico da História da Igreja
Evangélica de Confissão Luterana no Brasil. 2. ed. Ver. E amp. - São Leopoldo,
RS: Sinodal, 2003.

DUBAR, Claude. A crise das Identidades: A Interpretação de uma Mutação.


Tradução de Mary Amazonas Leite de Barros. São Paulo: Editora da
Universidade de São Paulo, 2009.

DURHAN, E. R. A dinâmica da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

EAGLETON, Terry. Ideologia: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 1997.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Tradução, Ruy Jungmann; revisão e


apresentação, Renato Janine Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1994.
2v.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.,


1989.

EVANGELISTA, Olinda. A formação universitária do professor: o Instituto de


Educação da Universidade de São Paulo (1934-1938). Florianópolis:
NUP/CED/UFSC/Editora Cidade Futura, 2002.

EVANGELISTA, Olinda; LIMA, Silvia. Fernando de Azevedo: sociólogo e


educador. Florianópolis: Editora da UFSC, 2008.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. 2. ed. Brasília: Editora


Universidade de Brasília, 2016.

FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucilia de Almeida Neves (orgs.). O tempo do


nacional-estatismo: do início da década de 1930 ao apogeu do estado Novo.
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

FIOD, Edna Garcia Maciel. Homens sem Paz: Escola, Trabalho e Colonização.
1995. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de
São Paulo. São Paulo, 1995.

FICKER, Carlos. Charles Van Lede e a colonização belga em Santa Catarina:


subsídios para a história da colonização de Ilhota, no Rio Itajaí-açu, pela
“Compagnie Belge–Brasiliense de Colonization”. Blumenau em Cadernos,
1972.

FLOS, Max Heinrich. Nossos pais. São Leopoldo (SC): Rotermund & Cia.
Ltda, 1961.

FORTSCHER, Méri. À AFIRMAÇÃO DA BRASILIDADE: ações e discursos


das elites locais na esfera pública de Blumenau (1929-1950). Florianópolis, SC,
2003. 280 p. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina,
Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em
História.
FREITAG, Barbara. Dialogando com Jürgen Habermas. Rio de Janeiro:
Tempo Brasileiro, 2005.

GAERTNER, Rosinéte. A formação de professores nas Escolas Teuto-


brasileiras de região de Blumenau (SC). Anais do 3º Encontro Nacional de
Pesquisa em História da Educação Matemática. Universidade Federal do
Espírito Santo - Campus São Mateus outubro 31, 2016 – nov. 2, 2016.

GATTI, Bernadete Angelina. Professores do Brasil: novos cenários de


formação. Brasília: UNESCO, 2019.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC - Livros


Técnicos e Científicos Editora S.A., 1989.

GERHARDT, Marcos. O relato de Wilhelm Vallentin: meio ambiente e


imigração. In: GERHARDT, Marcos; NODARI, Eunice Sueli; MORETTO,
Samira Peruchi (orgs.). História ambiental e migrações: diálogos. São
Leopoldo: Oikos; Chapecó: UFFS, 2017.

GERTZ, René E. A segunda Guerra Mundial nas regiões de colonização alemã


do Rio Grande do Sul. Revista Acadêmica Licencia&acturas. Ivoti. v. 3, n. 2,
p. 15-25, julho/dezembro. 2015.

GIDDENS, Anthony. Sociologia. Tradução de Sandra Regina Netz. 4. ed.


Porto Alegre: Artmed, 2005.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo:
Atlas, 2002.

GOFFMANN, Erwing. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Editora


Perspectiva S.A., 1974.

GOMES, Derti Jost. Seminário Evangélico de formação de professores:


origem e trajetória da instituição e perfil dos egressos. 2005. Dissertação
(Mestrado em Teologia) - Escola Superior de Teologia. São Leopoldo (RS),
2005.

GREGORY, Valdir. Imigração alemã no Brasil.In: Cadernos Adenauer xiv


(2013), edição especial Relações Brasil-Alemanha Rio de Janeiro: Fundação
Konrad Adenauer, outubro 2013.

HABERMAS, Jurgen. Teoria do agir comunicativo: racionalidade da ação


comunicativa e racionalização social. Tradução Paulo Astor Soethe; revisão da
tradução Flávio Beno Siebeneichler. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes,
2012.

HACKENHAAR, Clayton. O Estado Novo em Santa Catarina (1937-1945):


política, trabalho e terra / Clayton Hackenhaar; orientador, Adriano Luiz Duarte
-Florianópolis, SC, 2014. 236 p. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal
de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-
Graduação em História.
HALL, Stuart. A identidade cultural na Pós-Modernidade. Rio de Janeiro:
DP&A, 1999.

HERING, Maria Luiza Renaux. Colonização e Indústria no Vale do Itajaí: o


Modelo Catarinense de Desenvolvimento. Blumenau: Editora FURB, 1987.

HOBSBAWM, Eric J. A era do capital: 1848–1875. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz


e Terra, 1996.

HOELLER, Solange Aparecida de Oliveira. As conferências educacionais:


projetos para a nação e modernidade pedagógica nos anos de 1920 – Brasil.
2014. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC,
Florianópolis, 2014.

HOPPEN, Arnildo. Formação de Professores Evangélicos no RS (1909 -


1939). São Leopoldo (RS): Ed. do autor, 19??.

IGREJA EVANGÉLICA DE CONFISSÃO LUTERANA. História. Pella Bethani,


Taquari, [201-?]. Disponível em: https://pellabethania.org.br/institucional-quem-
somos/. Acesso em: 20 set. 2019.

KREUTZ, Lúcio. O Professor paroquial: magistério e imigração alemã. Porto


Alegre: Ed. da UFRGS; Florianópolis: Ed. da UFSC; Caxias do Sul: EDUCS,
1991.

KREUTZ, Lúcio. Material didático e currículo na escola teuto-brasileira do


Rio Grande do Sul. São Leopoldo: Ed, UNISINOS, 1994.

KREUTZ, Lúcio. Escolas comunitárias de imigrantes no Brasil: instâncias de


coordenação e estruturas de apoio. Revista Brasileira de Educação.
Set/Out/Nov/Dez 2000 nº 15. São Leopoldo: UNISINOS.

KREUTZ, Lúcio. Escolas étnicas da imigração alemã no Rio Grande do Sul.


XI Congresso da Educação – Educare 2013. Pontifícia Universidade Católica
do Paraná. Curitiba, de 23 a 26/09/2013.

KREUTZ, Lúcio; MALIKOSKI, Adriano. Nacionalização do ensino e o processo


escolar entre imigrantes poloneses no Rio Grande do Sul. Conjectura: Filos.
Educ., Caxias do Sul, v. 20, n. 1, p. 164-181, jan. / abr. 2015.

KLUG, João.Consciência germânica e Luteranismo na Comunidade de


Florianópolis (1868-1938). 1991. Dissertação (Mestrado em História) -
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, 1991.

KLUG, João. A escola teuto-catarinense e o processo de modernização em


Santa Catarina: a ação da Igreja Luterana através das escolas (1871-1938).
2008. Tese (Doutorado em História Social) -Universidade de São Paulo – USP,
São Paulo, 2008.

KLUG, João. Da Alemanha para a floresta subtropical brasileira: as


propostas do Dr. Paul Aldinger para as colônias alemãs no sul do Brasil. In:
GERHARDT, Marcos; NODARI, Eunice Sueli; MORETTO, Samira Peruchi
(orgs.). História ambiental e migrações: diálogos. São Leopoldo: Oikos;
Chapecó: UFFS, 2017.

KUPER. Adam. Cultura: a visão dos antropólogos. Tradução de Mirtes Frange


de Oliveira Pinheiros. Bauru, SP: EDUSC, 2002.

JOCHEM, Toni Vidal. Síntese histórica sobre a sesquicentenária Colônia


Alemã de Santa Isabel – SC. Águas Mornas, 1996.

JUDT, Tony. Pós-guerra: Uma história da Europa desde 1945. Tradução José
Roberto O´shea. Rio de Janeiro: Objetiva, 2008.

JUNGBLUT, Airton Luiz. O protestantismo luterano dos teuto-brasileiros:


algumas considerações necessárias para uma abordagem antropológica.
In: MAUCH, Cláudia e VASCONCELLOS, Naira (orgs.). Os alemães no sul do
Brasil: cultura, etnicidade e história. Canoas: Ed. ULBRA, 1994.

LANDO, Adair Marli; BARROS, Eliane Cruxên. A colonização alemã no Rio


Grande do Sul, uma interpretação sociológica. Porto Alegre: Movimento,
1981.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. 24. ed. Reimpr.


Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009.

LAZZARI, Beatriz Maria. Imigração e ideologia: reação do parlamento


brasileiro à política de colonização e imigração (1850-1875). Porto Alegre:
Escola Superior de Teologia São Lourenço de Brindes; Caxias do Sul:
Universidade de Caxias do Sul, 1980.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Tradução de Bernardo Leitão... [et


al.]. 7. ed. Revista. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2013.

LEHRERZEITUNG. In: Quadro das escolas. Porto Alegre, v. 27, n. 6/7, p. 2,


juni-juli 1930.

LESSER, Jeffrey. A negociação da identidade nacional: imigrantes, minorias


e a luta pela etnicidade no Brasil. Tradução Patrícia de Queiroz Carvalho
Zimbres. São Paulo: UNESP, 2001.

LOURENÇO FILHO, Manoel Bergstrom. Introdução ao estudo da escola


nova. 8. ed. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1963.

LUNA, José Marcelo Freitas de. O português na Escola Alemã de


Blumenau: da formação à extinção de uma prática – Ensinávamos e
aprendíamos a língua do Brasil. Itajaí: Ed. da UNIVALI; Blumenau: Ed. FURB,
2000.

MACHADO, Maria Cristina Gomes; SILVA, Josie Agatha Parrilha da. Carneiro
leão: a educação popular e a formação de professores. Série-Estudos -
Periódico do Mestrado em Educação da UCDB. Campo Grande-MS, n. 17,
p. 103-118, jan. / jun. 2004.
MAIA, Angélica. Discurso e mudança social. Espaço do currículo, v.3, n.2,
p.661- 662, setembro de 2010 a março de 2011.

MALTZAHN, Paulo César. A construção da identidade étnica teuto-


brasileira em São Lourenço do Sul (Década de 1980 até os dias atuais),
2011. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal de Santa Catarina
– UFSC, Florianópolis, 2011.

MARTINS, José de Sousa. A sociabilidade do homem simples: cotidiano e


história na modernidade anômala. 3. ed. 4. Reimpressão. São Paulo: Contexto,
2017.

MARX, Karl. A ideologia alemã/Karl Marx e Friedrich Engels. Introdução:


Jacob Grorender. Tradução: Luis Claudio de Castro e Costa. São Paulo:
Martins Fontes, 1998. – (clássicos).

MAYER, Jacob Peter. Max Weber e a política alemã: um estudo de sociologia


política. Tradução de Ana Cândida Perez. Brasília: Editora Universidade de
Brasília, 1985.

MAYER, Jacob Peter. Manual de história oral. 4. ed. São Paulo: Loyola, 2002.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. História oral: como fazer, como pensar. 2. ed.
São Paulo: Contexto, 2010.

MAYER, Jacob Peter. Manual de História Oral. 3. ed. São Paulo: Loyola,2000.

METZ, Martin.ALEMÃO NAS ESCOLAS EM SANTA CATARINA -


LEVANTAMEN TO

DA SITUAÇÃO E TAREFAS PEDAGÓGICAS.Perspectiva. Florinópolis, v. 4, n.


8, p. 81-96, jan. / jun. 1987.

MEYER, Dagmar Elisabeth Estermann. Identidades traduzidas: cultura e


docência teuto-brasileiro-evangélica no Rio Grande do Sul. Santa Cruz do Sul:
EDUNISC; São Leopoldo: Editora Sinodal, 2000.

MONARCHA, Carlos. A reinvenção da cidade e da multidão: dimensões da


modernidade brasileira: a Escola Nova. São Paulo: Cortez: Autores associados,
1989.

MONARCHA, Carlos (org.). Anísio Teixeira: a obra de uma vida. Rio de


Janeiro: DP&A, 2001.

MONTERO, P. (1992). Dilemas da modernidade no mundo


contemporâneo. Cadernos De Campo (São Paulo 1991), 2(2), 52-68.
https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v2i2p52-68. Acesso em: 18 set. de
2019.
NAGLE, Jorge. Educação e sociedade na Primeira República. 2. Ed. Rio de
Janeiro: DP&A, 2001.

NEIVA, Arthur Hehl. Getúlio Vargas e o problema da imigração e da


colonização. Revista de Imigração e Colonização. Órgão oficial do Conselho
de Imigração e Colonização, Ano III, n. 1, abril de 1942. Rio de Janeiro:
Imprensa Nacional, 1942.

NEVES, L. A. Memória, história e sujeito: substratos da identidade. In:


História Oral: Revista da Associação brasileira de História Oral, nº 3, jun. 2000.
São Paulo: Associação Brasileira de História Oral.

NÓBREGA, Paulo de. Poder oligárquico, nacionalização de imigrantes e


ensino público: Modernização do Ensino Primário de Santa Catarina (1910-
1930). 2006. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Santa
Catarina – UFSC, Florianópolis, 2006.

NÓBREGA, Paulo de. A Escola Normal, Ciência e Nacionalidade na


Primeira República.In: DAROS, Maria das Dores; SCHEIBE, Leda (orgs.).
Formação de Professores em Santa Catarina. Florianópolis, SC: NUP/CED,
2002.

OBERACKER JUNIOR, Carlos Henrique. A contribuição teuta: a formação da


nação brasileira. 4. ed. Revisada e aumentada. Rio de Janeiro: Presença,
1985.

OLIVEIRA, Ryan de Sousa. Colonização alemã e poder: A cidadania


brasileira em construção e discussão (Rio Grande do Sul, 1863-1889). 2008.
Dissertação (Mestre em História) -Universidade de Brasília, Brasília (DF), 2008.

PEREIRA, Vera Regina Bacha. NACIONALIZAÇÃO – Autoritarismo e


Educação Inspetores e professores nas escolas catarinenses - 1930-1940.
2004. Dissertação (Mestre em Educação) – Universidade Federal de Santa
Catarina (UFSC), 2004.

PETRONE, Maria Tereza Schorer. Imigração. In: FAUSTO, Boris. O Brasil


Republicano. Sociedade e Instituições (1889-1930). 3. ed. São Paulo: Difel,
1985. v. 2.

PINTO, Álvaro Vieira. Ciência e existência. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

POUTIGNAT, Philippe. Teorias da etnicidade: seguido de grupos étnicos e


suas fronteiras de Frederick Barth/Philippe Poutignat, Jocelyne Streiff-Fenart;
Tradução Elcio Fernandes. 2. Ed. São Paulo: Ed. Unesp, 2011.

RAHMEIER, Andrea Helena Petry. Relações diplomáticas e militares entre a


Alemanha e o Brasil: da proximidade ao rompimento. 2009. Tese (Doutorado
em História) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto
Alegre (RS), 2009.

RAMBO, Arthur Blasio. A escola comunitária teuto-brasileira católica. São


Leopoldo: Ed. Unisinos, 1994.
RENK, Valquiria Elita (org.). Imigração, educação e escolas étnicas no
Paraná. Curitiba: PUCPR, 2016.

RICHTER, Klaus. A sociedade colonizadora hanseática de 1897 e a


colonização do interior de Joinville e Blumenau. 2. ed. rev. e amp.
Florianópolis: Ed. da UFSC; Blumenau: Ed. da FURB, 1992.

RIETH, Ricardo Willy. Associativismo e protestantismo na imigração e


colonização: o caso da Associação Gustavo Adolfo. Revista de Estudos
Teológicos, v. 47, n. 2, p. 27-43, 2007.

RISTOW, Arno. Educação: história ilustrada de um ideal. Florianópolis: IOESC,


1999.

ROCHA, Everardo P. Guimarães. O que é etnocentrismo. São Paulo,


Brasiliense, 2006.

SACRISTÃN, Gimeno J. Aproximação ao conceito de currículo. In:


SACRISTÃN, Gimeno J. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto
Alegre: Artes Médicas, 1998. p. 13-53.

SANTOS, Ademir Valdir dos. Educação e colonização no Brasil: As Escolas


étnicas alemãs. Cadernos de Pesquisa, v.42 n.146, p.538-561, maio/ago.
2012.

SANTOS, Ademir Valdir dos. A inspeção escolar e a campanha nacionalista:


políticas e práticas na escola primária catarinense. Revista Educação
emQuestão, v. 33, n.19 p. 229-252, set. / dez. 2008.

SANTA CATARINA. Leis, decretos etc... Decreto-lei n. 35 de 13 de janeiro de


1938. In: Coleção de decretosleis de 1938. Florianópolis, Imprensa Oficial,
1938.

SANTA CATARINA. Leis, decretos etc... Decreto-lei n. 88 de 31 de março de


1938. In: Coleção de decretos-leis de 1938. Florianópolis, Imprensa Oficial,
1938.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 2. ed. Ver. E


ampl. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

SAVIANI, Dermeval. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos


do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, v. 14,
n.40, p. 143-155, jan./abr. 2009.

SAVIANI, Dermeval. A pedagogia no Brasil: história e teoria. 2. ed.


Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

SCHAFFRATH, Marlete dos Anjos Silva. A Escola Normal Catharinense de


1892: profissão ornamento. 1999. Dissertação (Mestre em Educação) -
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, 1999.
SCHAFFRATH, Marlete dos Anjos Silva. A proposta Curricular de Escola
Normal Catharinense de 1892.In: DAROS, Maria das Dores; SCHEIBE, Leda
(orgs.). Formação de Professores em Santa Catarina. Florianópolis, SC:
NUP/CED, 2002.

SCHERER-WARREN, Ilse; LÜCHMANN, Lígia Helena Hahn (orgs.).


Movimentos sociais e participação: abordagens e experiências no Brasil e
na América Latina. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2011.

SCHLUCHTER, Wolfgang. O desenvolvimento do mundo: seis estudos


sobre Max Weber. Tradução de Carlos Eduardo Sell. Rio de Janeiro: Editora
UFRJ, 2014.

SCHRÖDER, Ferdinand. Brasilien und Wittenberg: Ursprung und Gestaltung


deutschen evangelischen Kirchentums in Brasilien. Berlim, Leipzig: Weber de
Gruyter, 1936.

SCHWARTZMAN, Simon; BONEMY, Helena Maria Bousquet; COSTA, Vanda


Maria Ribeiro. Tempos de Capanema. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2000.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Sobre o Autoritarismo no Brasil. São Paulo:


Companhia das Letras, 2019.

SEYFERTH, Giralda. Imigração e cultura no Brasil. Brasília: Editora


Universidade de Brasília, 1990.

SEYFERTH, Giralda. A representação do ‘Trabalho Alemão’ na Ideologia


étnica teuto- brasileira. Boletim do Museu Nacional, Antropologia, n. 37., 20
de out. de 1982

SEYFERTH, Giralda. Imigração, colonização e identidade étnica. (Notas


sobre a emergência da etnicidade em grupos de origem europeia no Sul do
Brasil). Revista de Antropologia, Rio de Janeiro, (29), 1986.

SEYFERTH, Giralda. Identidade Étnica, Assimilação e Cidadania: A


Imigração Alemã e o Estado Brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 9
(26): 103-122, 1994.

SEYFERTH, Giralda. A Colonização alemã no Vale do Itajaí-mirim. 2. ed.


Porto Alegre: Movimento, 1999a.

SEYFERTH, Giralda. A colonização alemã no Brasil: etnicidade e conflito. In:


FAUSTO, Boris. (Org.) Fazer a América. São Paulo: USP, 1999b.

SEYFERTH, Giralda. Aconflituosa história da formação da etnicidade


teuto-brasileira. In: FIORI, Neide Almeida. Etnia e educação: a escola ‘alemã’
do Brasil e estudos congêneres. Florianópolis: Ed. da UFSC; Tubarão: Editora
Unisul, 2003.

SEYFERTH, Giralda. A ideia de cultura teuto-brasileira: Literatura, Identidade e


os significados da etnicidade. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano
10, n. 22, p. 149-197, jul./dez. 2004.
SEYFERTH, Giralda. Imigrantes, estrangeiros: a trajetória de uma
categoria incomoda no campo político. (Mesa Redonda Imigrantes e
Emigrantes: As transformações das relações do EstadoBrasileiro com a
Migração. 26ª Reunião Brasileira de Antropologia, realizada nos dias 01 e 04 de
junho). Porto Seguro, 2008.

SEYFERTH, Giralda. A dimensão cultural da imigração. Revista Brasileira de


Ciências Sociais- RBCS, v.26, n.77, p. 47-63, outubro de 2011.

SEYFERTH, Giralda. Memória coletiva, identidade e colonização:


representações da diferença cultural no Sul do Brasil. MÉTIS: história & cultura
– SEYFERTH, Giralda – v. 11, n. 22, jul. / dez. 2012.

SEYFERTH, Giralda. Etnicidade e cultura: a constituição da identidade teuto-


brasileira. In: ZARUR, George de Cerqueira Leite (Coord.). Etnia e Nação na
América Latina. Washington: Secretaria Geral da OEA - Organização dos
Estados Americanos, 1996, v. II, p. 17-36. Disponível em:
http://www.educoas.org/Portal/bdigital. Acesso em: 28 de julho de 2019.

SGANDERLA, Ana Paola. O ensino de Psicologia na Escola Normal em


Santa Catarina. Florianópolis, 2015. Tese (Doutorado em educação) -
Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Florianópolis, 2015.

SGANDERLA, Ana Paola; DAROS, Maria das Dores; CARVALHO DE


CARVALHO, Diana. Uma abordagem histórica da psicologia nos cursos de
formação de professores: em foco os programas da disciplina em uma escola
catarinense na década de 1930. Revista Brasileira de Educação. v. 17 n. 51.
- dez. 2012.

SGANDERLA, Ana Paola; CARVALHO DE CARVALHO. Lourenço Filho: um


pioneiro da relação entre psicologia e educação no Brasil. Psicologia da
Educação., São Paulo, 26, 1º sem. de 2008, pp. 173-190.

SILVA, Josie Agatha Parrilha da. Carneiro Leão e a proposta de organização


da educação popular brasileira no início do século XX.2006. Dissertação
(Mestrado em Educação) -Universidade Estadual de Maringá, Maringá
(PR),2006.

SILVA, Ana Claudia. Instituto de Educação de Florianópolis (1930-1940):


olhares sobre a infância e a formação de professores. In: LAFFIN, Maria
Hermínia Lage Fernandes; RAUPP, Marilene Dandolini; DURLI, Zenilde (orgs.).
Professores para a escola catarinense: contribuições teóricas e processos de
formação. Florianópolis, SC: Ed da UFSC, 2005.

SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias


do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

SILVA, Vera Lucia Gaspar da Vitrines da República: Os Grupos Escolares em


Santa Catarina (1889-1930). In: VIDAL, Diana Gonçalves (org.). Grupos
escolares: cultura escolar primária e escolarização da infância no Brasil (1893-
1971). 1. ed. São Paulo: Mercado de Letras, 2006. p. 341-376.
SOUZA, Nelson Mello e. Modernidade: a estratégia do abismo. 2. ed. Ver.
Ampl. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1999.

STOER, Pastor Hermann. Crônica da Comunidade Evangélica de Santa


Isabel, a mais antiga Colônia Evangélica Alemã de Santa Catarina. Tradução
de: Felícia Emma Hatzk Schutz. Ed. Do Autor, [S.l.]: 1936.

STRECK, Gisela Isolde Waechter. Panorama histórico das escolas


comunitárias do Sínodo Rio-Grandense/IECLB e da Rede Sinodal de
Educação. Revista de Educação do COGEIME – Ano 25 – n. 48 –
janeiro/junho 2016.

STRECK, Gisela Isolde Waechter. A função da família na educação


religiosa de crianças e adolescentes. Estudos Teológicos. São Leopoldo v.
55 n. 1 p. 169-178 jan. / jun. 2015.

STROTHMANN, Friedrich. Bericht über das 24. Schuljahr der Neuen Schule
zu Blumenau, süd-Brasilien. Blumenau (SC), 1911.

TESCHE, Leomar. O turnen, a educação e a educação física nas escolas


teuto- brasileiras no Rio Grande do Sul: 1852-1940. Ijuí: Ed. Unijuí, 2002.

TEIVE, Gladys Mary Ghizoni. Sugestões sobre a educação no Brasil: proposta


do Professor Orestes Guimarães. Currículo sem Fronteiras, v.10, n.2, pp.228-
243, Jul/Dez 2010.

TEIVE, Gladys Mary Ghizoni; DALLBRIDA, Norberto. A escola da república:


os grupos escolares e a modernização do ensino primário em Santa Catarina
(1911- 1918). Campinas, SP: Mercado das Letra, 2011.

TOURAINE, Alain. Crítica da modernidade. Tradução de Elia Ferreita Edel.


10. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

TRAUER, Elisabeth Maria. Alemã na escola catarinense. 1994. Dissertação


(Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC,
Florianópolis, 1994.

VASCONCELLOS, Naira (org.). Os alemães no sul do Brasil: cultura,


etnicidade e história. Canoas: Ed. ULBRA, 1994.

VOIGT, André Fabiano. A invenção do teuto-brasileiro. Blumenau:


Liquidificador Produtos Culturais, 2013.

VOIGT, André Fabiano. O teuto-brasileiro: a história de um conceito. Espaço


Plural. Ano IX, n. 19. p. 75-81, 2008.

VOIGT, Márcio Roberto. Imigração e Cultura alemã no Vale do Itajaí:


Educação, Religião e Sociedades na História de Timbó (SC), 1869-1939.
Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Santa Catarina –
UFSC, Florianópolis, 1994.
WAGNER, Roy. A invenção da cultura. Tradução de Marcela Coelho de
Souza e Alexandre Morales. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

WEBER, Max, 1864-1920. Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia


compreensiva. Tradução de Regis Barbosa e Karen Elsabe Barbosa; rev. de
Gabriel Cohn, 4. ed. Brasília: editora Universidade de Brasília, 2000, 2009.
(reimpressão).

WEINGÄRTNER, Nelso. História da comunidade evangélica de Timbó.


Blumenau: O. Kuhr, 2008. xiv, 278 p, il.

WEINGÄRTNER, Nelso. Há 100 anos – 06/08/1911 – foi criada a Associação


de Comunidades Evangélicas de Santa Catarina. Timbó, 19 dez. 2017.
Tradução do jornal, Der Urwaldsbote (O Correio da selva). Entrevista
concedida a Ilson Paulo Ramos Blogoslawski em 19 dez. 2017. 12 p.

WEINGÄRTNER, Nelso . Crônica da Comunidade Evangélica de Timbó.


Blumenau: Gráfica 43 S.A. 1969.

WIESE, Harry. Terra da fartura. Ibirama: Edigrave, 2007.

WILLEMS, Emílio. Assimilação e populações marginais no Brasil. São


Paulo: Companhia Editora Nacional, 1940.

WILLEMS, Emílio. A aculturação dos alemães no Brasil: estudo


antropológico dos imigrantes alemães e seus descendentes no Brasil. Série
5.a. São Paulo: Companhia da Editora Nacional; Brasiliana, 1946. Vol. 250.

WILLEMS, Emílio. A aculturação dos alemães no Brasil: estudo


antropológico dos imigrantes alemães e seus descendentes no Brasil. 2 ed., il.,
rev. e ampl. São Paulo: Editora Nacional; Brasília: INL, 1980.

WITT, Osmar Luiz. Sobre o ensino religioso no Lehrerseminar. São


Leopoldo, 05 jan. 2020. Entrevista concedida a Ilson Paulo Ramos
Blogoslawski em 27jan. 2020. 1 p.

ENTREVISTAS

WEINGÄRTNER, Nelso. Entrevista concedida a Ilson Paulo Ramos


Blogoslawski. Timbó, 20 dez. 2016. Tradução de Nelso Weingärtner do Jornal
Der Christenbote (O mensageiro cristão) no5 de 1914, p. 1- 4.

WEINGÄRTNER, Nelso, Há 100 anos – 06/08/1911 – foi criada a Associação


de Comunidades Evangélicas de Santa Catarina. Timbó, 19 dez. 2017, p. 2,.
Entrevista concedida a Ilson Paulo Ramos Blogoslawski.

Bibliografias
AQUINO, Luciene Chaves de. A Escola Normal de Natal (1908-
1938).2001.123f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal
do Rio Grande do Norte, Natal (RN), 2001.

AZAMBUJA, Lissi Iria Bender. Língua alemã: um legado dos imigrantes


alemães para Santa Cruz do Sul – RS. 2000. 118 f. Dissertação (Mestrado em
Desenvolvimento Regional) - Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz
do Sul (RS), 2000.

BATISTINI, Rogério. Getúlio Vargas e a construção do Brasil


moderno.2001. 291 f. Tese (Doutorado em Sociologia) - Universidade Estadual
Paulista Júlio de Mesquita Filho, São Paulo (SP), 2001.

CASAGRANDE, Ana Paula Guaranha. Modernização e Tradição no Ensino


da Escola Normal (1930-1937). 1998. Dissertação (Mestrado em História) -
Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre (RS),
1998.

GUEDES, Sandra P. L. de Camargo (orgs.). Histórias de (I)migrantes: o


cotidiano de uma cidade. 2. Ed. Ver. e atual. Joinville, SC: UNIVILLE, 2005.

INOUE, Leila Maria. A Revista de Educação (1921-1923), o nacionalismo e a


Reforma de 1920: a formação de professores em São Paulo.2010. Dissertação
(Mestrado em Educação) - Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho,
Marília (SP), 2010.

LEON, Adriana Duarte. A tradição e a modernidade: a Igreja Católica e o


Debate Educacional no RS - 1930/1935. 2015. Tese (Doutorado em Educação)
- Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte (MG), 2015.

LIMBERGER, Eliane Terezinha Bólico dos Santos. Neu-Württemberg: um


modelo de colonização alemã no século XX (RS). 2005. Dissertação
(Mestrado em História) – Fundação Universidade de Passo Fundo, Passo
Fundo (RS), 2005.

MARACH, Caroline Baron. Inquietações modernas: discurso educacional e


civilizacional no periódico a escola (1906-1910). 2007. Dissertação (Mestrado
em Educação) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba (PR), 2007.

TEICHMANN, Eliseu. Imigração e Igreja: as comunidades-livres no contexto


da estruturação do luteranismo no Rio Grande do Sul. 1996. Dissertação
(Mestrado em Teologia) - Escola Superior de Teologia, São Leopoldo (RS),
1996.

VILELLA, Heloisa Oliveira Santos. A primeira Escola Normal do Brasil: Uma


contribuição a história de formação de professores.1990, Dissertação
(Mestrado em Educação) - Universidade Federal Fluminense, Niterói (RJ),
1990.
WACHHOLZ, Wilhelm. "Atravessem e ajudem-nos"; A atuação da
"Sociedade Evangélica de Barmen"e de seus obreiros e obreiras enviados
ao Rio Grande do Sul (1864 - 1899). 2000. Tese (Doutorado em Teologia) -
Escola Superior de Teologia, São Leopoldo (RS), 2000.