Você está na página 1de 11

Instituto Médio Politécnico – IMEP Cálculo da secção correcta dos condutores eléctricos

Electricidade Industrial
TEMA 3: Dimensionamento dos cabos e condutores eléctricos, tendo em conta a densidade da
corrente eléctrica a ser usada e respectiva queda de tensão.
- Fazer a defenição dos parâmetros que têm influência na queda de voltagem e perdas de energia
nos condutores eléctricos;
- Cálculos de quedas de voltagem e perdas de energia em aplicações definidas;
- Cálculos da secção nos condutores eléctricos.

Introdução
•Dimensionar um circuito é definir a seção mínima dos condutores, de forma a garantir que eles
suportem satisfatoriamente e simultaneamente as condições:
•Limite de temperatura
•Limite de queda de tensão
•Proteção contra sobrecargas
•Condução de corrente de curto-circuito por tempo limitado

Critérios de dimensionamento
• Seção mínima;
• Máxima correctamente (aquecimento);
• Queda de tensão;
• A partir do maior valor de seção nominal determinada (com os três critérios), escolhe-se
em tabelas de capacidade de condutores padronizados e comercializados o fio ou cabo
cuja seção, por excesso, mais se aproxime da área de secção calculada.

Método de dimensionamento
• Tipo de Condutor;
• Tipo de isolação;
• Maneiras de instalação.

Tipo de condutores
• Condutor Isolado: possui condutor metálico.
• Cabo Unipolar: possui condutor, isolação e uma camada de revestimento, chamada
cobertura, para protecção mecânica.
• Cabo Multipolar: possuem sob a mesma cobertura, dois ou mais condutores isolados,
denominadas veias.

Tipo de condutores

1
AFECC – Electricidade Industrial – Eng.º Culpa Pedro
Instituto Médio Politécnico – IMEP Cálculo da secção correcta dos condutores eléctricos
Electricidade Industrial

Tipo de condutores
•A corrente transportada por qualquer condutor não deve ser tal que a temperatura máxima não
seja ultrapassada.

Tipos de condutores

PVC: é o isolante mais utilizado para condutores de baixa tensão por seu baixo custo, bom
desempenho elétrico e boa resistência à propagação de incêndio
XLPE: bom comportamento mecânico e maior resistência à intempéries e ao fogo.
EPR: como é um tipo de borracha, também é muito flexível mesmo em temperaturas baixas.

TIPOS DE CONDUTOS ELÉTRICOS


ELETRODUTO
•É um elemento de linha elétrica fechada, de seção circular ou não destinado a conter condutores
elétricos. Os eletrodutos podem ser metálicos (aço, alumínio) ou de material isolante (PVC,
polietileno, fibro-cimento, etc). São usados em linhas elétricas embutidas ou aparentes.

2
AFECC – Electricidade Industrial – Eng.º Culpa Pedro
Instituto Médio Politécnico – IMEP Cálculo da secção correcta dos condutores eléctricos
Electricidade Industrial
•Sua função principal é proteger os condutores elétricos contra certas influências externas (ex.
choques mecânicos, agentes químicos, etc).

ELETROCALHA
•É um conduto fechado utilizado em linhas aparentes, com tampas. As calhas podem ser metálicas
(aço, alumínio) ou isolantes (plásticos); as paredes podem ser maciças ou perfuradas e a tampa
simplesmente encaixadas.

CANALETA
•É um conduto com tampas ao nível do solo, removíveis e instaladas em toda a sua extensão. As
tampas podem ser maciças e/ou ventiladas e os cabos podem ser instalados diretamente ou em
eletrodutos. Nas canaletas só podem ser utilizados cabos uni e multipolares. Os condutores
isolados podem ser utilizados desde que contidos em eletrodutos.

3
AFECC – Electricidade Industrial – Eng.º Culpa Pedro
Instituto Médio Politécnico – IMEP Cálculo da secção correcta dos condutores eléctricos
Electricidade Industrial
BANDEJA
•É um suporte de cabos constituído por uma base contínua com rebordos e sem cobertura, podendo
ser ou não perfurada. As bandejas são geralmente metálicas (aço, alumínio).

Métodos de instalação
•O método de instalação influencia a capacidade de troca térmica entre os condutores e o ambiente,
alterando a capacidade de condução de corrente dos condutores

Exemplo de Instalação:
•Os condutores podem ser instalados em eletrodutos ou bandejas.
•Os eletrodutos podem ser embutidos em alvenaria ou podem ser aparentes (condutores não estão
embutidos)

Condutor embutido
4
AFECC – Electricidade Industrial – Eng.º Culpa Pedro
Instituto Médio Politécnico – IMEP Cálculo da secção correcta dos condutores eléctricos
Electricidade Industrial

Condutor embutido em alvenaria

Método capacidade de corrente

NOTA B: 𝑣 – é a tensão entre as fases, em Volts.


Número de condutores carregados

5
AFECC – Electricidade Industrial – Eng.º Culpa Pedro
Instituto Médio Politécnico – IMEP Cálculo da secção correcta dos condutores eléctricos
Electricidade Industrial
• Considera-se condutor carregado aquele que efetivamente é percorrido pela corrente elétrica
no funcionamento normal do circuito.
• Consideram-se os condutores carregados os condutores de fase e neutro.
• O condutor de proteção equipotencial (aterramento), não é considerado condutor carregado.

Exemplo 1
Dimensionar os condutores para um circuito terminal (F-F) de um chuveiro elétrico, dados
P=4500W, V=220V, condutores de isolação PVC, eletroduto embutido em alvenaria, temperatura
ambiente de 30°C.

Resolução:
Tipo de isolação: PVC
Maneira de instalar: Referência B1
4500𝑊
Corrente de projeto: 𝐼𝑝 = = 20,45𝐴
220𝑉×1×1
Número de condutores carregados: 2(instalação monofásica)
De acordo com a tabela: área de secção de 2,5𝑚𝑚2.

Factores de Correção

Corrigir corrente de projeto (𝐼𝑃) de acordo com k1, k2 e k3.


• k1 - fatores de correção para temperaturas ambientes diferentes.
• k2 - Correção de resistividade do solo (valor padrão 2,5 k.m/W).
• k3 - fator de correção de agrupamento (agrupamento de mais de um circuito em um mesmo
eletroduto).
Resumindo ...
1)Olhar o tipo de isolação (PVC, EPR ou XLPE)

2)Escolher a maneira de instalar

3)Calcular a corrente do projeto (se necessário, usar os fatores de correção)

4)Número de condutores carregados

5)Usar tabela para escolher a bitola adequada ao projeto

CRITÉRIO DA QUEDA DE TENSÃO


•A queda de tensão não deve ser superior aos limites máximos estabelecidos pela norma NBR
5410, a fim de não prejudicar o funcionamento dos equipamentos de utilização conectados aos
circuitos terminais ou de utilização.

6
AFECC – Electricidade Industrial – Eng.º Culpa Pedro
Instituto Médio Politécnico – IMEP Cálculo da secção correcta dos condutores eléctricos
Electricidade Industrial
•A queda de tensão nos circuitos alimentadores e terminais (pontos de utilização) de uma
instalação elétrica produz efeitos que podem levar os equipamentos desde à redução da sua vida
útil até a sua queima (falha).
•Essa queda de tensão faz com que os equipamentos recebam em seus terminais uma tensão
inferior aos valores nominais, prejudicando o seu desempenho.

Critério queda de tensão CEMIG

•A Norma vigente, a NBR 5410/97 determina que a queda de tensão entre a origem de uma
instalação e qualquer ponto de utilização não deve ser maior do que 4%, para as instalações
alimentadas diretamente por um ramal de baixa tensão a partir de uma Rede de Distribuição de
uma Concessionária de Energia Elétrica.
• Critério utilizado pela CEMIG:
• Até o medidor de energia: 1%
• Do medidor até o Quadro de Distribuição de Circuitos –QDC: 1%
• A partir do QDC: 2%

Metodologia de cálculo (CEMIG)


• O cálculo da queda de tensão através de fórmulas com os dados do circuito elétrico pode ser
relativamente trabalhoso.
• Com o objetivo de facilitar os cálculos de queda de tensão, foram elaboradas tabelas, que são
utilizadas pelos seguintes procedimentos:
✓ 1 -Momento Elétrico (ME)
✓ 2 -Queda de Tensão em V/A.km
7
AFECC – Electricidade Industrial – Eng.º Culpa Pedro
Instituto Médio Politécnico – IMEP Cálculo da secção correcta dos condutores eléctricos
Electricidade Industrial

Momento Elétrico
•O Momento Elétrico (ME) é igual ao produto da corrente (A) que passa pelo condutor pela
distância total em metros (m) desse circuito:
•ME = A.m
•Estão apresentadas a seguir, Tabelas práticas do produto Ampère x Metro (A.m) para quedas de
tensão com diferentes valores percentuais (1%, 2% e 4%) e de tensões aplicadas, para condutores
de cobre com isolamento em PVC/70ºC.

Queda de tensão V/A.km

Exemplo 2:
a) Determinar a secção dos condutores em eletrodutos a serem ligados a uma carga trifásica situada
a 50 metros de distância e cuja corrente é de 25 A, a tensão do circuito é 220V e a queda de tensão
não pode ultrapassar a 4%;
b) Determinar a queda de tensão percentual com a utilização do cabo calculado no subitem a).

Solução pelo Momento Elétrico


O Momento Elétrico (ME) neste caso é:
25 A x 50 m = 1.250 A.m

Consultando a Tabela de “Eletroduto de Material não Magnético” na coluna referente a circuitos


trifásicos, 220 V e 4% de queda de tensão, tem-se:
•Fio de 4 mm2-Momento elétrico = 1.127 A.m
•Fio de 6 mm2-Momento elétrico = 1.648 A.m
•O valor calculado de 1.250 A.m está situado entre estes dois valores. Neste caso deve-se escolher
o condutor de maior seção, ou seja, o fio de 6 mm2.
•Pela Tabela “Capacidade de Condução de Corrente” método de instalação da coluna B1, 3
condutores carregados, o fio de 6 mm2, conduz 36 A.
b) Como o momento elétrico calculado (1.250 A.m), é menor que o do condutor utilizado (1.648
A.m), a queda de tensão será menor.
•Para determinar o valor percentual da queda de tensão, basta fazer um cálculo com a “regra de
três”:

8
AFECC – Electricidade Industrial – Eng.º Culpa Pedro
Instituto Médio Politécnico – IMEP Cálculo da secção correcta dos condutores eléctricos
Electricidade Industrial

Pela Tabela da “Capacidade de Condução de Corrente” – Eletroduto Embutido – coluna 3


Condutores Carregados, o fio 6 mm2, conduz 36 A, portanto adequado em termos de capacidade
de condução de corrente para este circuito.
•Pela Tabela de “Eletroduto de Material Não Magnético”, tem-se que o fio de 6 mm2, para o
circuito trifásico tem 6,14 V/A.km.

NOTA:
•Pelo método de Queda de Tensão em V/A.km, é necessário transformar os comprimentos dos
circuitos, dados em metros, para quilômetros, o que poderá ocorrer erros com mais facilidade
nesta transformação. Devido aos comprimentos dos circuitos elétricos residenciais serem
normalmente de pequenas dimensões, será adotado para calcular a queda de tensão, o método do
Momento Elétrico (ME).

Método da Queda de tensão unitária (NBR 5410)

•Com o valor da queda de tensão unitária calculado, entra-se na tabela de capa, verifica-se o
método de instalação de condutores, e encontra-se o valor cuja queda de tensão seja igual ou
imediatamente inferior à calculada, obtendo desta forma a seção do condutor correspondente.

9
AFECC – Electricidade Industrial – Eng.º Culpa Pedro
Instituto Médio Politécnico – IMEP Cálculo da secção correcta dos condutores eléctricos
Electricidade Industrial
k1 - Fatores de Correção para Temperaturas

Nota 1: Utilizado para temperaturas ambientes diferentes de 30ºC para linhas não subterrâneas e
de 20ºC (temperatura do solo) para linhas subterrâneas.

k2-Correção de resistividade do solo

Nota 2: Utilizado em linhas subterrâneas, caso a resistividade térmica do solo seja diferente de 2,5
K.m/W, caso típico de solos secos, deve ser feita uma correção adequada nos valores da capacidade
de condução de corrente. Solos húmidos possuem valores menores de resistividade térmica,
enquanto solos muito secos apresentam valores maiores

10
AFECC – Electricidade Industrial – Eng.º Culpa Pedro
Instituto Médio Politécnico – IMEP Cálculo da secção correcta dos condutores eléctricos
Electricidade Industrial

Tabelas de Momento Eléctrico

11
AFECC – Electricidade Industrial – Eng.º Culpa Pedro

Você também pode gostar