Você está na página 1de 2

JOHANN SEBASTIAN BACH

Johann Sebastian Bach nasceu em Eisenach, filho de uma família de músicos,


da qual temos conhecimento de ascendentes e descendentes desde o século
XVI até, pelo menos, ao século XIX. O seu pai era músico municipal em
Eisenach. Foi com os seus familiares que o pequeno Bach aprendeu a tocar
instrumentos de cordas e sopro. Foi um grande virtuoso da música de tecla
(cravo, órgão, clavicórdio), para a qual compôs muitas obras.
Bach é o modelo supremo de músico artesão, esforçado, humilde, místico e
pedagogo. No seu estilo não há oposição entre o sagrado e o profano. É o
representante máximo na arte do contraponto, do cromatismo e do simbolismo
musical. Foi praticamente esquecido após a sua morte. O seu reportório era
utilizado apenas como material de estudo, não era interpretado em público,
acabando por cair no esquecimento. Foi apenas no século XIX que a maior
parte da sua obra foi redescoberta, graças ao empenho do seu conterrâneo:
Felix Mendelssohn-Bartholdy.
Por todas as marcas que ele deixou na nossa história através da sua produção
musical, vale a pena seguir de perto o seu percurso biográfico, numa tentativa
de compreender melhor a sua obra.
Bach viveu em Eisenach até aos 18 anos de idade. Em 1695, com apenas dez
anos, bach fica órfão de mãe e pai, sendo a sua guarda confiada ao cuidado de
um irmão, Johann Christoph, organista em Ohrdruf e discípulo de Pachelbel.
Bach passou quase toda a infância a copiar partituras de outros compositores,
absorvendo assim os diversos estilos musicais e tipos de escrita que os
compositores, de várias nacionalidades, que lhe antecederam utilizavam,
bebendo assim da cultura musical de todos estes seus antecedentes.
Em 1703, com apenas 18 anos Johann Sebastian Bach aceita o cargo de
Organista em Arnstadt. Entre Outubro de 1705 e Fevereiro de 1706, viaja a pé
até Lübeck (aproximadamente a 350km de Arnstadt) para escutar Buxtehude,
um famoso compositor e organista da sua época que influenciou bastante a obra
de Bach. Lá, é lhe oferecido o cargo de organista, a que Bach renuncia para não
ter que casar com a filha do seu antecessor, que, segundo o que consta, não era
nada atraente. Ao regressar a Arnstadt Bach abandona o seu cargo de organista,
pois a sua música era considerada demasiado inovadora.
Entre 1707 e 1708 ocupa o cargo de organista em Mülhausen. Em Outubro de
1707 casa com a sua prima em segundo Grau, Maria Bárbara Bach, com quem
teve sete filhos, desses sete, três morreram antes de celebrarem o primeiro
aniversário.
Com 32 anos Johann Sebastian Bach vai trabalhar para a corte do príncipe
Leopold de Köthen. Devido a condicionalismos religiosos, dedica-se sobretudo
à música profana e instrumental. É aqui que compõe as suas cerca de 25
cantatas profanas e algumas das suas maiores obras instrumentais: Concertos
de Brandeburgo, suítes, sonatas e a primeira parte do Cravo Bem Temperado,
entre outros.
Dezassete meses após ter enviuvado, casa-se em segundas núpcias com a
cantora Anna Magdalena Wilcken, com quem terá 13 filhos, dos quais sete
morreram durante a infância.
Em 1721 o príncipe Leopoldo desposou a sua prima Federica, uma mulher que
segundo consta, não apreciava música, este pormenor pode ter influenciado o
relacionamento amistoso entre o príncipe e Bach, ao ponto de consolidar a sua
decisão de abandonar Köthen.
Em 1723 Bach muda-se para Leipzig. Esta mudança iria ser a última de Bach.
Leipzig era uma grande cidade, com uma população de cerca de 30 000
habitantes e com uma bela universidade e era já na altura um dos maiores
centros editoriais da Europa. O cargo de chantre da Thomasschule de
Leipzing (Cantor da Igreja de S.Tomás) e Director Musices Lippsiensis
(Director de Música da cidade), deixado por Johann Kuhnau, era um cargo
importantíssimo. Telemann tinha sido escolhido para o ocupar, mas depois de o
conselho de Hamburgo, onde trabalhava, se ter recusado a deixa-lo partir, as
autoridades de Leipzing ofereceram o lugar a Bach.
Não se tratava de uma cavação: além de organizar a música para todos os
cultos nas duas principais igrejas da cidade, era ele quem dava as lições de
latim, música e canto aos membros do coro, trabalho que lhe consumia cerca de
vinte horas por semana. Também era responsável pela disciplina dos rapazes,
tinha que orar e supervisionar as refeições na escola.
Apesar da pesada carga de trabalho, foi nessa época em que foi chantre em
Leipzing que Bach compôs as suas maiores obras de música sacra: a Oratória
de Natal, a Paixão segundo São Mateus e a Paixão segundo São João. Além
destas grandes obras, todos os domingos Bach compunha uma cantata nova
para ser apresentada no culto principal. Bach escreveu aproximadamente 300
cantatas (das quais se perderam cerca de um terço).
A partir de 1740, dedica-se mais ao ensino, compondo mais para fins
pedagógicos.
Em 1747 obtém licença para visitar o Rei Frederico II da Prússia, grande
músico amador, que lhe dá o tema para a sua Oferenda Musical
Em 1750 é operado aos olhos pelo cirurgião do Rei de Inglaterra (que fará
perder a vista a Händel, dois anos depois). Morre a 28 de Julho de 1750 em
consequência de uma infecção nos olhos. Foi sepultado na Igreja de S.João. Os
seus restos mortais foram exumados, em 1894, e o seu crânio foi, recentemente
transladado para a Igreja de S.Tomás.