METODOLOGIA DO ENSINO IV ± CIÊNCIAS NATURAIS Professor: Sérgio Luis Assunto: Eixos temáticos de Ciências Naturais definidos pelos Parâmetros

Curriculares Nacionais (PCN). Com o propósito de organizar a eleição e a articulação entre os diversos conteúdos que compõem a área de Ciências Naturais, os PCNs propõem o desenvolvimento de quatro eixos temáticos que são: Vida e Ambiente; Ser Humano e Saúde; Terra e Universo e; Tecnologia e Sociedade. A cada um desses eixos temáticos corresponde uma eleição de conteúdos, articulados com o propósito de atender aos objetivos de Ciências Naturais para o Ensino Fundamental. Além da discussão sobre a própria articulação dos conteúdos em eixos temáticos, deve-se aprofundar uma reflexão sobre o ensino de Ciências Naturais nos eixos temáticos: Vida e Ambiente e; Ser Humano e Saúde. Assunto: Por que ensinar Ciências Naturais no ensino fundamental: Ciências Naturais e Cidadania e Ciências Naturais e Tecnologia ‡ ³Não é possível pensar na formação de um cidadão crítico a margem do saber científico´ ‡ ³Mostrar a ciência como um conhecimento que colabora para a compreensão do mundo e suas transformações, para reconhecer o homem como parte do universo e como indivíduo, é a meta que se propõe para o ensino da área na escola fundamental.´ ‡ O ensino de Ciências naturais pode contribuir para a reconstrução da relação homem-natureza ‡ O ser humano é um todo dinâmico que interage com seu meio. Os aspectos científicos (biológicos, culturais, sociais e afetivos) fazem parte desta compreensão. ‡ As exigências sociais por um volume cada vez maior de conhecimento ‡ A formação da cidadania da criança para sua vida presente e futura ‡ A compreensão dos novos paradigmas das ciências ‡ As idéias clássicas são insuficientes é necessária a continua renovação do saber ‡ A associação entre ciência e desenvolvimento, principalmente neste novo século com a chamada terceira revolução industrial. ‡ A Ciência e a Tecnologia são atividades humanas fortemente associadas às questões sociais e políticas. Assunto: Quais são as atribuições do professor de Ciências Naturais? š Dar lugar no ensino para a história das idéias científicas e a histórias das relações humanas; š Orientar o trabalho para o conhecimento de fenômenos naturais; š Relacionar as diferentes óticas destes conhecimentos; š Dar atenção a aspectos afetivos, de valores e atitudes;

Segundo ciclo š Identificar e compreender as relações entre solo. estimular discussões e comparações para que os alunos cheguem à construção dos procedimentos necessários. š Interferir adequadamente para que o aluno desenvolva consciência da existência de diferentes sistemas para explicar um mesmo conjunto de fatos e fenômenos. erosão e fertilidade dos solos. do ar e do solo. š Caracterizar o aparelho reprodutor masculino e feminino. š Compreender o alimento como fonte de matéria e energia para o crescimento e manutenção do corpo. eletricidade e som ² e conhecer alguns processos de transformação de energia na natureza e por meio de recursos tecnológicos. a absorção e o transporte de substâncias e a eliminação de resíduos. Assunto: Objetivos Gerais de Ciências Naturais para o Ensino Fundamental Primeiro ciclo: Devem ser organizados atividades e projetos de Ciências Naturais para que os alunos ganhem progressivamente as seguintes capacidades: š Observar. distribuição e armazenamento de água e os modos domésticos de tratamento da água ² fervura e adição de cloro relacionando-os com as condições necessárias à preservação da saúde. š Selecionar. š Identificar os processos de captação. š Realizar experimentos simples sobre os materiais e objetos do ambiente. listas e pequenos textos. š Identificar diferentes manifestações de energia ² luz.social e psíquico do indivíduo. š Compreender o corpo humano como um todo o integrado e a saúde como bem-estar físico. š Identificar as defesas naturais e estimuladas (vacinas) do corpo. a higiene ambiental e a ocorrência de doenças no homem. sob orientação do professor. esquemas. š Caracterizar causas e conseqüências da poluição da água. na sua construção como ser social. š Apresentar modelos. urbano e rural. š Estabelecer relações entre características e comportamentos dos seres vivos e condições do ambiente em que vivem. calor. organizar e problematizar conteúdos de modo a promover um avanço no desenvolvimento intelectual do aluno. água e seres vivos nos fenômenos de escoamento de água. š Formular perguntas e suposições sobre o assunto em estudo. nos ambientes. registrar e comunicar algumas semelhanças e diferenças entre diversos ambientes. e a nutrição como conjunto de transformações sofridas pelos alimentos no corpo humano: a digestão. š Observar e identificar algumas características do corpo humano e alguns comportamentos nas diferentes fases da vida. š Estabelecer relação entre a falta de asseio corporal. respeitando as diferenças individuais do corpo e do comportamento nas várias fases da vida. . quadros. š Organizar e registrar informações por meio de desenhos.š Orientar o caminho do aluno criando situações interessantes e significativas para o aprendizado deste. e as mudanças no corpo durante a puberdade. š Reconhecer processos e etapas de transformação de materiais em objetos.

de seqüência e de forma e função. conforme requer o assunto em estudo e sob orientação do professor. textos e maquetes. da experimentação.š Compreender a importância dos modos adequados de destinação das águas servidas para a promoção e manutenção da saúde. plástico. gráficos.. š Buscar e coletar informações por meio da observação direta e indireta. š Interpretar as informações por meio do estabelecimento de relações de dependência. e reelaborando suas idéias diante das evidências apresentadas. Conteúdo e Metodologia de Ciências Naturais para os Anos Iniciais do Ensino Fundamental Rosane Costa dos Reis Em que consiste ensinar ciências para crianças? Que conhecimentos as professoras mobilizam ao ensinar ciências para as crianças? O que é mesmo que elas não sabem e que falta isso lhes faz? Que outros conhecimentos são essenciais para que tenham sucesso no ensino? Por que. as professoras conseguem ensinar ciências e possibilitam com isso o desenvolvimento das crianças. etc. quadros. respeitando as diferentes opiniões. š Caracterizar materiais recicláveis e processos de tratamento de alguns materiais do lixo ² matéria orgânica. de entrevistas e visitas. š Confrontar as suposições individuais e coletivas com as informações obtidas. mesmo com um suposto déficit de conteúdos conceituais. de causa e efeito. preparando-as para etapas posteriores da aprendizagem de conceitos científicos? Como é que . papel. sob orientação do professor. š Formular perguntas e suposições sobre o assunto em estudo. listas. tabelas. esquemas. de acordo com as exigências do assunto em estudo. š Organizar e registrar as informações por intermédio de desenhos.

A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento . CARVALHO. São Paulo: Scipione. 1999. estaremos oportunizando a continuidade do debate. 3 ed. Acreditamos. Ana Maria P. O projeto desenvolvido resulta de inquietações que têm nos perseguido há tempos. que a explicitação de nossa compreensão sobre essas questões poderá suscitar em nossos colegas o desejo de polemizar conosco. Ciências no Ensino Fundamental: o conhecimento físico .nós humanos nos constituímos como sujeitos da cultura? Que relações existem entre os conceitos cotidianos e científicos? Para responder a essas indagações nos aproximamos do ensino de ciências a partir da nossa experiência com professoras das séries iniciais. Maria Elisa et al. Assim. 316 p. . Gaston. 1996. GONÇALVES. Rio de Janeiro: Contraponto. Nosso esforço foi no sentido de prover as alunas de situações ricas de compreensão dos fundamentos e das metodologias ao mesmo tempo em que procurávamos ensinar os conteúdos conceituais comumente abordados nas séries iniciais. Referências Bibliográficas BACHELARD.. A pergunta que procuramos responder com esse projeto é em que consiste ensinar ciências para crianças? Retomamos essas questões objetivando tencionar a discussão em um rumo um pouco diferente do que vem sendo apresentado no meio dos especialistas em ensino de ciências. Com que objetivo se ensina ciências para as crianças? Acreditamos que assim formulando a questão poderemos enriquecer nossa própria compreensão sobre ensinar ciências para crianças. também.

Belo Horizonte: Faculdade de Educação da UFMG. Anais e Cd. vol 8 ‡ nº 2 ‡ dez. Saberes docentes e formação profissional . Ensino de Ciências e Conhecimento Pedagógico de Conteúdo: narrativas e práticas de professoras das séries iniciais . Hilda (Ed. LÚRIA. Ely. Dissertação de Mestrado. RJ: Vozes. 2000. 5ªed. 2003. Petrópolis. R. Arnaldo. R. P . 1998. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.FREIRE. VAZ. Paulo. A. Laura. 1ª a 4ª Série ± MEC. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências 5. Didática das Ciências Naturais. v. FUMAGALLI.). In: WEISMANN. Conhecimento pedagógico de conteúdo geral e o conhecimento de conteúdo de ciências das professoras das séries iniciais. p.C. 2005. TARDIF. Myles. 232. Porto Alegre: ArtMed. Ensino Fundamental. A mediação pedagógica na sala de aula . HORTON. MAUÉS. Bauru. 4. Maurice. Campinas: Autores Associados. 2006 seniao MAUÉS. Curso de Psicologia Geral . 176 p. ed. 1. O ensino de ciências naturais no nível fundamental de educação formal: argumentos a seu favor . FONTANA. A . 2003. O caminho se faz caminhando: conversas sobre educação e mudança social. São Paulo. Ely. 2003. 2000. 1979. 3 ed. PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS.

3. Estudar o processo educativo dentro de um determinado contexto. seus agentes e seu diagnóstico. 5. OBJETIVOS 1.ESTÁGIO E MONOGRAFIA DE CIÊNCIAS NATURAIS . com a metodologia. análise dos dados obtidos e relatório. . Apresentação desses estudos em Seminários universitários. visando a unidade teoria e prática. Conceber a prática educativa como prática social. em seus aspectos epistemológicos. através de leituras. transformadora e participativa. Reconhecer o atual estágio da pesquisa educativa em Ciências e avaliá à luz dos -lo Parâmetros Curriculares Nacionais/MEC. colocando em prática uma metodologia científica. Transferir estudos teóricos e teórico-práticos para situações concretas de sala de aula. buscando conhecer melhor a realidade do ensino de Ciências e o processo ensino aprendizagem de 5ª a 8ª séries. Analisar criticamente o ensino fundamental e médio. 2. Conceber a prática educativa em Ciências Naturais numa perspectiva crítica. além da interpretação dos dados obtidos.EDC 269 Disciplina: Obrigatória Carga Horária Semestral: 390 h Carga Horária Semanal: 20 h Creditação: EMENTA Analisar o ensino fundamental e o ensino médio. 6. alicerçada na revisão da literatura. Conceber o processo educativo considerando suas relações num dado contexto. do desenvolvimento e avaliação de processos de ensinoaprendizagem junto a escolares do ensino fundamental. debates. sua realização. Produção de estudos monográficos acerca do Ensino de Ciências Naturais. Debater e empregar concepções de ensino e de avaliação que se aproximem das concepções holísticas de educação e do método Paulo Freire. Essa revisão literária deverá ser norteadora da prática acadêmica junto a escolares de 5ª a 8ª séries. avaliação. 8. precedida de planejamento. exposições participadas de toda a classe e da professora. entre outros que possam promover o prazer de aprender Ciências. as conclusões. buscando melhor compreensão de suas realidades. a partir de um projeto. 7. além da referência bibliográfica. através da pesquisa. 1998. capaz de transformar a realidade. 4. METODOLOGIA Estudo dos temas. Elaborar programas de ensino de Ciências Naturais considerando a indissociabilidade entre a teoria e a prática. ou trabalho de conclusão de curso. políticos e metodológicos. Apresentar uma monografia. enfocando o espaço-tempo histórico das Ciências Naturais e suas conseqüências. Apresentar Projetos de ensino e de pesquisa a serem desenvolvidos durante a prática educativa. na observação e prática de campo.

PCNs e outros instrumentos legais. a serem desenvolvidas com os escolares de escolas públicas de Salvador.O Planejamento educativo em Ciências Naturais.Os PCNs de Ciências Naturais e Temas Transversais.Revisão dos temas estudados em matérias de pré-requisito. 4. 3. Definição e delimitação do objeto de estudo com vistas à monografia. a programação de estágio. Estudos e práticas de observação da escola. participação e desempenho durante o curso. desenvolvendo e estimulando o prazer de aprender Ciências Naturais. Observação.Construir a prática desse ensino em situações de salas de aula.O cotidiano do trabalho docente: a pesquisa. incluindo os trabalhos individuais. Projetos de Ensino. deverá ser assim distribuída por cada estudante: 1. seguidas de apresentação de propostas inovadoras conseqüentes e prazerosas.A Pesquisa educativa em Ciências Naturais: estágio atual e necessidades. especialmente no ensino de Ciências Naturais. Avaliação final do curso deverá ser realizada por todos os integrantes do processo dura o nte semestre. tais como Didática e Metodologia do Ensino de Ciências Naturais. 4.Estímulo à criticidade da realidade encontrada na escola. junto aos escolares.LDB 9394/96. Seleção e construção de materiais e recursos didáticos a serem utilizados na prática educativa. o ensino e a avaliação. 2. 2. de acordo com o regulamento de estágio da FACED e da problematização concebida. análise e desenvolvimento de aulas em duas unidades de ensino de Ciências Naturais. AVALIAÇÃO A avaliação se pautará no processo e no produto apresentados pelos estudante. . contribuições para o planejamento de estágio dos colegas e trabalho monográfico escrito e apresentação para a classe. 7. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Preparo e avaliação das aulas: 5 horas A pesquisa de campo e bibliográfica: 2 h. de pesquisa e de avaliação no ensino de Ciências Naturais. 6. 5. 8. Regência de Classe. MEC/1998. 3. emprego de técnicas de ensino. e a carga horária semanal. bem como os exercícios de avaliação. Um encontro na FACED : 3 horas O exercício de sala de aula: 10 h. a regência de classe.A inter e a transdisciplinaridade aplicáveis no ensino de Ciências Naturais. de 20 horas.

EPU. Para compreender a Ciência. Vozes. Escola! Desigualdade. 4ª ed. Globo. Pesquisa: Princípio Científico e Educativo. Cultrix. Espaço Tempo. São Paulo. Pedagogia da Autonomia. Cortez.Concepções de avaliação na educação: perspectiva emancipatória. Arlette..W. 6ª ed. Cortez. 1999 ____. 1999 IDAC (equipe) Cuidado. Paz e Terra. Avaliação Qualitativa. Paulo. 1978 . Paulo. São Paulo. Universitária Americana. Fritjof. Denise e cols. . 8ª ed. Campinas. 1979 FREIRE.. 1989 FERREIRA. Rio de Janeiro. São Paulo. Papirus. Rio de Janeiro.T. Ideário prático de uma alternativa brasileira para o ensino das Ciências. 1992 D¶ANTOLA. 1976 DINIZ. 6ª ed. Com Ciência na Educação. Terezinha. Paulo. Salvador. Salvador. Sociedade e a Cultura emergente. BLIOGRAFIA AEBLI. O Ponto de Mutação. 1982 DEMO. Dionísio. Juan Dias. Experimentando Ciências. L. Rodolpho. A Observação na Avaliação Escolar.. A Ciência. Porto Alegre. Metodologia Científica para Principiantes. Bahia.. Maria Amália e cols. 1986 CANIATO. Planejamento e Organização do Ensino. Planejamento: sim e não. S. 1985 CARMO-NETO. 1982 ANDERY. 10. 1992 CAPRA. 1988 Laboratório de Ensino Superior da FACED da UFRGS. S. 5ª ed. F. Paulo. a partir de uma metodologia para a autonomia. Petrópolis. Papirus. São Paulo. Sistema de Avaliação e Aprendizagem. Prática de Ensino. S. Hans. Secretaria Educação do Estado Bahia. Saberes necessários à prática educativa. Paz e Terra. Loyola. São Paulo. Campinas.A divulgação da produção científica educativa. Formas fundamentais de ensino elementar. 1989 _____. 1997 GUERRA. Pedro. A Terra em que vivemos.9. domesticação e . Estratégias de Ensino aprendizagem. 9ª ed.C. 1996 BORDENAVE. 3ª ed. Brasiliense.

Ana Maria. Campinas. 1985 MEC. Cortez. Nelson de Luca. Martins Fontes. Avaliação Emancipatória. 1994 SEVERINO. Papirus. UNICAMP.KOCHE. Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. A Ciência nos Livros Didáticos. São Paulo. 1980 SAUL. Fundamentos de Metodologia Científica. 1988 . uma proposta metodológica. 14ª ed. São Paulo. José Carlos. Délcio Vieira. Vozes. C. 1998 SALOMON. Fazer Universidade. 1986 PRETTO. São Paulo. Cortez. 1997 LUCKESI. São Paulo. Campinas. e cols. Como Fazer uma Monografia. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs).

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful